Page 1

capa51 ok

15/12/2006

11:26

Page 1

N ยบ 51 ARC DESIGN

R$ 15.00 QUADRIFOGLIO EDITORA

Nยบ 51

2006

2006

REVISTA BIMESTRAL DE DESIGN ARQUITETURA INTERIORES COMPORTAMENTO

DESIGN PREMIADO NO MCB 100% DESIGN TOKYO TOM DIXON FASHION DESIGNER RON ARAD ARQUITETO


15/12/2006

11:28

Page 4

Luis Calazans Luz

2ªcapa/editorial 51 Final

Tord Boontje é um dos grandes responsáveis pelo renascimento do adorno, das flores e folhas, do universo romântico no mundo do design. “Quero fugir do modernismo frio, mental, e recuperar a sensualidade, o sentido de decoração”, comenta. As criações de Tord Boontje traduzem o passado na mais contemporânea linguagem e forma de produção, no mais inteligente modo de comercialização: aço inox, Tyvek, laser e embalagens bidimensionais. Suas coleções tiveram início com a série Midsummer Light, apresentada em 2004 pela Zanotta, em Milão, e capa de ARC DESIGN 36. Eram luminárias em papel colorido ou capas de poltronas em tecido, cortados a laser, que obtiveram um sucesso estrondoso. Em seguida

Luis Calazans Luz

Acima, imagem do vaso Thinking of You Now que ilustra a capa. Em aço inox cortado a laser, pode ser usado sozinho ou como invólucro para garrafas recicladas. Abaixo, outras peças da coleção Thinking of You: os vasos vêm desmontados e embalados em um envelope

vieram os tecidos crochetados, realizados pela CoopaRoca, que envolviam uma esfera de metal, nas luminárias Come Rain Come Shine. As luminárias em papel evoluíram para outras metálicas, em versões prata, ouro ou cobre, conservando os mesmos desenhos. São as Garland Lights, na coleção permanente do MoMA, N.York, e do Victoria and Albert Museum, Londres. O último lançamento, Shadow Light, utiliza o Tyvek translúcido, colorido e serigrafado, formando uma cúpula redonda ao redor de uma lâmpada halógena. Flora, uma guirlanda em cobre; Fairy Tail, um cartão circular em papel que, quando desdobrado, se transforma em guirlanda; e Christmas Tail, guirlanda desdobrável em metal, são os lançamentos festivos para o final deste ano. As criações de Tord Boontje são produzidas e distribuídas pela Artecnica, empresa norte-americana que já conta com representante no Brasil, e cuja vertente artesanal é publicada nesta edição de ARC DESIGN.

À direita, Fairy Tail, cartão festivo: um círculo de papel se desdobra em guirlanda. À esquerda, Shadow Light, luminária suspensa em Tyvek translúcido colorido e serigrafado


15/12/2006

11:28

Page 5

Com o final do ano surgem inúmeras premiações para projetos e produtos – e ARC DESIGN publica o resultado de quatro desses concursos. Por eles, vemos que duas vertentes se delineiam: a dos profissionais consagrados, como no Museu da Casa Brasileira; e a dos jovens designers. Os primeiros, levando avante o desenho industrial – cada vez com melhores resultados; os segundos, se ressentindo da falta de apoio, principalmente da indústria. A estes eu diria: coragem, jovens profissionais, arrisquem mais, inovem! Inovem com uma visão aguda e certeira do mercado, mas inovem, que esta é a grande arma do designer. Falando em inovar, nesta edição temos um dos mais importantes designers internacionais, em nova versão: Ron Arad, arquiteto. Outra mudança de rumo? Tom Dixon no fashion design. Outras internacionais? Amor Líquido, design experimental na Argentina. Artesanato/design. São inúmeras as matérias já publicadas em ARC DESIGN. Mostrávamos o resultado de olhares sensíveis. Nesta edição, Heloisa Crocco sistematiza esse delicado fazer e nos apresenta belos projetos. Na Coluna Assinada, temos Lincoln Seragini falando sobre os novos objetivos e exigências em relação ao design e ao mercado. Tokyo 100% Design e os jovens transgressores japoneses, pelo olhar de Baba Vacaro. Idéias muito novas e inesperadas! Do interesse de todos, profissionais ou não, os resultados do Congresso AsBEA sobre Sustentabilidade. É o planeta que está em jogo! Alexandre Herchcovitch, em Loucos por Design, dá a sua peculiar visão, em nítido contraste com suas criações. E mais, dois projetos de ARC DESIGN: o Seminário Internacional Profissão Designer, que recebeu mais de 700 pedidos de inscrição! E, fato raro em seminários, contou inclusive com a presença de empresários. Reforçando a nova visão do design como um processo que vai do projeto ao mercado, ARC DESIGN institui uma premiação inédita – TOP 21: PRÊMIO MERCADO DESIGN, que será conferido em março de 2007. O que é premiável? O produto brasileiro, criado no século XXI, e que esteja no mercado. São 21 categorias, que serão julgadas em duas etapas por júris especializados e... especiais. Fiquem atentos e confiram o desenrolar da premiação em edições especiais do ARC DESIGN E-NEWS. Maria Helena Estrada Editora

ARC DESIGN

2ªcapa/editorial 51 Final


16

O XX Prêmio Museu da Casa Brasileira traduz algumas vertentes consolidadas em nosso design de produtos. Madeira para o mobiliário, baixa tecnologia para objetos, e outras. Mas há um alerta no ar! Quais serão as mutações em curso?

22

28

Tradição e modernidade convivem pacificamente no design japonês. Confira os destaques na mostra 100% Design e exposições paralelas da Semana do Design de Tóquio

É possível reinventar o clássico? Tom Dixon dá uma resposta afirmativa a esta pergunta em um jogo de alternâncias entre material e forma, nas novas camisas Lacoste

Matéria publicada no suplemento m2 do jornal argentino Página/12

AMOR LIQUIDO

Winnie Bastian

DIXON NA MODA

Page 2

Baba Vacaro

11:41

100% DESIGN TOKYO

15/12/2006

Maria Helena Estrada

MUTAÇÕES EM CURSO

Indice 51 Final

36

Workshop de design experimental realizado em Buenos Aires traça um paralelo entre o abandono dos vínculos entre as pessoas e a opção por produtos cada vez mais descartáveis

NEWS

10

ENTREVISTA: HELOISA CROCCO

32

MUITO ALÉM DO DESIGN

40

REVISTA BIMESTRAL DE DESIGN ARQUITETURA INTERIORES COMPORTAMENTO

nº 51, dezembro 2006

Oc nív for pre env sin de est


44

tal um cupor eis

O campo do design atinge todas os níveis e aspectos de nossas vidas. A formação do designer é assunto que preocupa e abre uma discussão que envolve desde a metodologia de ensino para a criação, até a capacidade do profissional de influenciar as estratégias empresariais

50

56

Conheça as escolas e os futuros designers vencedores do I Prêmio Tok & Stok, cuja tema foi "guardar". A empresa, além dos valores das premiação, ambiciona dar o melhor dos prêmios, a possibilidade de viabilizar a produção dos projetos vencedores. O próximo tema já foi escolhido: sentar

Do design à arquitetura, a marca de Ron Arad é inconfundível. Experimentação, irreverência e inovação permeiam todo o trabalho do designer/arquiteto. Conheça seus projetos recentes

Da Redação

SUSTENTABILIDADE NA PRÁTICA

Da Redação

RON ARAD ARQUITETO

Page 3

Maria Helena Estrada

11:41

DESIGN UNIVERSITÁRIO PREMIADO

15/12/2006

Juliana Mariz

SEMINÁRIO: PROFISSÃO DESIGNER

Indice 51 Final

62

A Associação Brasileira dos Escritórios de Arquitetura, AsBEA, discutiu em seu 5º Encontro Regional o estágio em que se encontra e as vantagens da implantação de soluções sustentáveis na arquitetura, bem como os possíveis modelos de certificação

TOP 21: 1º PRÊMIO MERCADO DESIGN

48

LOUCOS POR DESIGN: ALEXANDRE HERCHCOVITCH

70

DE CONCURSOS E CRITÉRIOS

54

COMO ENCONTRAR (ENDEREÇOS)

72

COLUNA ASSINADA: LINCOLN SERAGINI

66

ENGLISH VERSION

www.arcdesign.com.br


caixa 04-05

14/12/2006

17:07

Page 1

Se a sua empresa está precisando crescer, faça um Crédito Pessoa Jurídica da CAIXA. Você sabe como é importante ter uma base segura para poder ampliar uma empresa. A CAIXA oferece isso com soluções sob medida para você. Mesmo que você ainda nem seja nosso cliente. Fale com os nossos gerentes e agende uma visita para saber tudo sobre o nosso Crédito Pessoa Jurídica, Investimento ou Giro. E vem pra CAIXA você também. CAIXA. O banco do crescimento das empresas brasileiras.


caixa 04-05

14/12/2006

17:07

Page 2

CRÉDITO PESSOA JURÍDICA DA CAIXA. CONSTRUÍMOS CONDIÇÕES SOB MEDIDA PARA SUA EMPRESA CRESCER.

s a .

w w w. c a i x a . g o v. b r


correios 06-07

14/12/2006

17:15

Page 1

Exporta Fácil dos Correios. O jeito mais fácil e sem burocracia de levar seu produto para mais de 200 países. Você demora dias, meses, até anos para produzir alguma coisa. Dedica tempo e atenção, corre atrás de mercado aqui e no exterior. Isso, sim, dá muito trabalho. Exportar é simples com o Exporta Fácil dos Correios. É o serviço perfeito para que empresários de pequenas, médias e grandes empresas mandem seus produtos para o mundo

FAZER BONECO DE BARRO É DIFÍCIL. MANDAR PARA OS ESTADOS UNIDOS É FÁCIL.

www.correios.com.br - 0800 570 0100

BONECO42 28 i dd 1

tod em ou, Exp


correios 06-07

es. ado iço ndo

14/12/2006

17:15

Page 2

todo sem burocracia. Basta preencher um único formulário.Você pode mandar mercadorias de até 20 mil dólares em pacotes que pesem até 30kg. Pode enviar quantos pacotes quiser, basta levar até uma das nossas agências ou, se quiser ter menos trabalho, ligue para os Correios. Use o Exporta Fácil e descubra que o difícil você já faz. Exportar é mais fácil do que você imagina.

12/2/06 4 05 30 AM


Arq design dupla_4

11/29/06

4:04 PM

Page 1

Projeto: Arq. Edgar Casagranda | Foto: Roali Majola

www.sca.com.br

cooking theater | frentes em wenguĂŞ e vidro argentato coifas circulares especiais | gavetas tandembox | adega climatizada | prateleiras iluminadas | tampos em silestone

Mais de 140 lojas no Brasil e exterior


Arq design dupla_4

11/29/06

4:04 PM

Page 2

Fรกbrica: Tel.[54] 2102 2200 | Vale dos Vinhedos | Bento Gonรงalves | RS


NEWS 51 Final

15/12/2006

11:49

Page 10

SURPRESA Confirmando sua vocação de buscar novos talentos, a Melissa acaba de lançar uma minicoleção de bijoux – braceletes, pulseiras, colares, anéis e brincos –, de plástico com aplicação de fitas, cristais Swarovski e metais, criada pela designer de jóias Ivete Cattani (acima). As peças estão à venda na Galeria Melissa, loja-conceito que já completou seu 1º aniversário. Na ocasião, todos aqueles que fizeram parte da trajetória da marca receberam uma câmera fotográfica descartável. Com ela, poderiam fotografar o que quisessem, Tony Generico

mas inspirados no conceito da loja – detalhe: eles não puderam revelar as fotos. O registro resultou na exposição “Surpresa”, mostra diferente e criativa, em sintonia afinada com a filosofia da Melissa. Galeria Melissa: Rua Oscar Freire, 827, São Paulo. Tel.: (11)

CUBAS EM NOVAS VERSÕES

3083-3612. www.melissa.com.br

A pureza da água e a beleza do mar foram motivos de inspiração para a criação da linha de cubas Ocean, da Incepa. Ao todo foram lançadas

COMPOSIÇÕES DIVERSAS Closet, home theater ou estante para livros? O Home System, lançamento da Cinex, permite esses e outros tipos de composição conforme a necessidade do consumidor. O feito é pos-

cinco cubas, modernas e sofisticadas, sendo quatro de apoio (Atlantic, Indian, Gran Pacific, Pacific) e uma de semi-encaixe (Pacific). As cubas da linha Indian (acima), têm forma exterior retangular e interior arredondado – com opção para instalação dos metais na própria cuba. www.incepa.com.br

sível graças às suas estruturas modulares em alumínio, que sustentam as prateleiras de vidro. Também é possível optar por outros materiais, pois o home system é produzido sob medida. Cinex: Al. Gabriel Monteiro da Silva, 2.168, São Paulo.

PORRO NO RIO DE JANEIRO

Tel.: (11) 3081-2000.

A Porro, indústria italiana de móveis de design, é uma das marcas

www.cinex.com.br

comercializadas pela loja Atrium, que inaugurou recentemente uma filial no Rio de Janeiro, em Ipanema. O espaço contemporâneo, em concreto, com grandes janelas que mostram as árvores da rua, está dividido em ambientes que recriam salas, quartos e salas de jantar. Os produtos da Porro – cadeiras, mesas, camas, contêineres, sistemas modulares, estantes para livros – ocupam um andar inteiro da nova loja e são assinados por designer como Piero Lissoni, Christophe Pillet e Jean-Marie Massaud. Atrium: Rua Redentor, 147, Rio de Janeiro. Tel.: (21) 2267-1030. atriumrio@terra.com.br


NEWS 51 Final

15/12/2006

11:49

Page 11

ESPAÇO LÚDICO A inauguração da loja Plastik, em São Paulo, da colecionadora de arte Nina Sander, marcou a chegada ao Brasil da febre mundial conhecida por Toy Art. Além de peças estrangeiras, em vinil, estão à venda bonecos nacionais em tecido, resina, papel, madeira, materiais naturais e alternativos. O espaço também segue o conceito criativo dos produtos a serem vendidos. Concebida pelo designer Marcelo Rosenbaum, a loja foi revestida com cem portas garimpadas em caçambas de demolição, assim como todo o material usado: 100% reciclado. Há também uma galeria e livraria especializada no tema. Plastik: Rua Dr. Mello Alves, 459. Tel.: (11) 3081-2056. www.plastiksp.com.br

BELOS BALÕES Sem um olhar mais atento é possível se confundir e achar que a luminária Balloon é uma bexiga. Importada do Vietnã e à venda na Esencial, ela é feita em seda e pode ser adquirida individualmente ou com suporte para duas. Para montá-la, basta puxar um “ferrinho” que fica no seu interior e ela está pronta para decorar a casa. Pode ser encontrada em três tamanhos: 60 cm, 80 cm e 1m. Esencial: Rua Araçari, 246, São Paulo. Tel.: (11) 3168-5601 www.esencial.com.br

O DESIGN EM EVIDÊNCIA A cerimônia de posse do novo presidente do Centro São Paulo Design, Pierangelo Rossetti, contou com a presença do presidente da FIESP, Paulo Skaf. Um sinal de prestígio para o design, e para o CSPD. Milly Teperman, pioneiro na luta pelo desenvolvimento do design no Brasil, é agora o presidente de honra do CSPD. A importância do design é amplamente reconhecida pela FIESP, que acaba de inaugurar uma exposição com a coleção histórica de design da instituição e produtos brasileiros premiados no IF, Hannover. Seu Centro de Design, que também trabalha em parceria com o Sebrae e dá assistência a diversas organizações setoriais, articula para o próximo ano um acordo para a troca de competências com o Instituto Politécnico de Milão. www.cspd.com.br


NEWS 51 Final

15/12/2006

11:50

Page 12

NOVA CATEGORIA DE REVESTIMENTO A Eliane lança um

COMPETIÇÃO ACIRRADA

produto que promete

Em novembro, a Su-

revolucionar o setor

zano Papel e Celulo-

de revestimentos: o

se premiou os vence-

Crystalato. Produzido

dores do 5º Prêmio

pela técnica de recris-

Max Feffer de Design

talização de vítreos,

Gráfico. Os 830 partici-

esse material vitro-

pantes concorreram em

cerâmico permite a

quatro categorias – “Promo-

fabricação de painéis curvos resistentes, de baixo peso e

cional”, “Editorial”, “Embala-

com raios de curvatura que podem ser previamente especi-

gem” e “Miscelânea” – e desenvolveram trabalhos como cartões de

ficados. Por ser composto quase que inteiramente de vidro,

visitas, convites para eventos, cardápios, catálogos de lojas, anuá-

tem grau de absorção de água zero e é translúcido. E para

rios, livros e embalagens em papel Reciclato, Papelcartão Supremo

fechar com chave de ouro, não prejudica o meio ambiente, já

Duo Design ou Supremo Alta Alvura. Segundo Mario Ponci Neto, jura-

que reaproveita resíduos de vidro em sua fabricação –

do e diretor de marketing e expansão

processo fabril não-poluente –, e, depois de pronto, não gera

da Chilli Beans, “os trabalhos finalis-

resíduos de espécie alguma.

tas tinham tamanha consistência e

www.eliane.com

alinhamento ao briefing que dificultaram a escolha dos vencedores”. Os primeiros colocados receberam R$ 14 mil; os segundos, R$ 6 mil, e os terceiros lugares, R$ 2

DA ESTRADA PARA CASA

mil cada. Larissa Miyazato reproduziu uma caixa para chás, com

Agora, a lona de caminhão BR-100

sachês e tags com descrições de roupas diferenciadas (no alto da

faz parte do mundo da decoração.

página) e foi a vencedora da categoria Miscelânea e do prêmio Peça

A JRJ, empresa especializada em

Destaque. Fabiana Ferraresi e Paola Menezes, da Designlândia,

tecidos para decoração, desco-

conquistaram a primeira colocação em Editorial com o livro “Drum-

briu que o material poderia ser

mond Selecionado e Ilustrado por Ronaldo Fraga” (à esquerda).

reutilizado, usando-se a tecnolo-

Nos quesitos Embalagem e Promocional, Viviane Avelar Gandra e

gia washed, que emprega em seu

Marcelino Peixoto (capa do CD Incipt) e o trio Circe Bernardes, Gus-

tratamento lavagens a altas temperaturas, aplicação de

tavo Perucci e Vivian de Cerqueira Leite (jogos que compõem as

amaciantes e enzimas siliconizadas especiais, as quais ga-

peças das ações de divul-

rantem o não-encolhimento das lonas e o uso em máquinas

gação do novo Polara-

de lavar e secadoras domésticas. O tecido pode ser usado

mine Gotas, ao lado),

para a forração de paredes, móveis, estofados e mobiliário e

respectivamente, foram

está disponível em diferentes lavagens, tamanhos e cores.

os primeiras colocados.

www.jrj.com.br

www.premiomaxfeffer.com.br


NEWS 51 Final

15/12/2006

11:52

Page 14

TECNOLOGIA SIMPLES

UNIVERSO DOS MATERIAIS

No livro “Leis da Simplicidade – Vida, Ne-

O entendimento de como se faz um produto é fundamental

gócios, Tecnologia e Design”, lançamen-

para a formação do designer. Esse é o mote do livro “Introdu-

to da Editora Novo Conceito, o designer

ção aos Materiais e Processos para Designers”, escrito por

e cientista norte-americano John Maeda

Marco Antonio Magalhães Lima e editado pela Ciência Moder-

explica por que a simplicidade é a ten-

na. A obra trata da classificação

dência da era digital e do design. Em

dos tipos de material existentes, e

contraposição à tecnologia atual, que

de suas características, proprie-

dificulta a vida dos consumidores,

dades, aplicações, formatos co-

Maeda mostra os caminhos que as in-

merciais e dos processos de

dústrias e o mundo dos negócios estão trilhando para tornarem

transformação de metais, cerâmi-

seus produtos simples e fáceis de serem manuseados. Segundo

ca, materiais naturais, vidros e

ele, “as pessoas não apenas compram, mas, o que é mais impor-

polímeros sintéticos.

tante, amam os produtos que podem tornar suas vidas mais sim-

www.lcm.com.br

ples”. O livro já está disponível nas principais livrarias do país. www.editoranovoconceito.com.br

CORREÇÃO Na matéria “Abre-te Sésamo”, publicada em ARC DESIGN 49,

DESIGN DO SUL Uma homenagem da Associação dos Profissionais em Design do Rio Grande do Sul (Apdesign) a José Carlos Bornancini, um dos mais importantes designers de

as características da maçaneta 6243, da La Fonte, não estão corretas. Este modelo, criado pelo designer Márcio Mussi, pertence à linha Arquiteto e vem acompanhado de roseta ou espelho. A peça está disponível nos seguintes acabamentos: antique brass, cromado brilhante (foto acima), cromado acetinado, preto brilhante e preto-fosco. www.yalelafonte.com.br

produto brasileiro, resultou na criação do Prêmio Bornancini/Salão Apdesign. Com o objetivo de escolher os melhores trabalhos de design gráfico e de produto do Rio Grande do Sul, o júri avaliou cerca de 150 projetos e premiou sete e

CORREÇÃO 2

quatro, respectivamente, em categorias como Identidade Visual, Sis-

Por culpa de nossa empolgação com a beleza de Belém, publi-

temas de Sinalização, Comunicação Visual em Ambientes Cobertos e

camos o nome errado da fruta que aparece na primeira pági-

Utensílios e Utilidades Domésticas. Até 20 de dezembro, os trabalhos

na da matéria “A cidade do cheiro cheiroso”, publicada na edi-

premiados estiveram expostos no Memorial do Rio Grande do Sul, as-

ção 50. Os cestos estão repletos de açaí e não tucupi, como

sim como as menções honrosas e os projetos acadêmicos indicados

escrevemos. Também nos equivocamos ao dizer que a mani-

pelas instituições de ensino gaúchas.

çoba provoca um leve torpor na boca. O responsável por essa

www.apdesign.com.br

sensação é o fruto jambu.


Premio MCB Final

15/12/2006

11:54

Page 16

20º PRÊMIO DESIGN MUSEU DA CASA BRASILEIRA

DESIGN: MUTAÇÕES EM CURSO O Prêmio Design Museu da Casa Brasileira é uma dessas raridades em nosso país – tem história. Comemora sua 20ª edição. O design evoluiu, ampliou sua área de abrangência, criou escolas, ícones e heróis, mais de uma vez mudou de rumo. O que estará acontecendo agora? Maria Helena Estrada

Acima, Motolog, motocicleta para entregas expressas e transporte de passageiro; encosto reclinável (transforma-se em assento), novo sistema de iluminação, maior capacidade de carga, pára-brisa, mochila presa à moto e não ao motociclista, porta-objetos dianteiro, iluminação por LEDs; produzida com apoio técnico da Sundown Motos, pode utilizar energia alternativa (GNV, gás natural veicular). Design Rafael Moreno e Rodrigo do Vale Ciossani

16 ARC DESIGN


Premio MCB Final

15/12/2006

11:54

Page 17

Acima, Blob, da Nó Design, aparelho celular cujas principais aplicações são voltadas para crianças, terceira idade e segmento corporativo; utiliza o Super LBS, tecnologia desenvolvida para rastrear e localizar pessoas em qualquer situação, capta sinais em elevadores, túneis e subsolos

Abaixo, o circulador de ar C-401: as aletas posicionadas na grade difusora distribuem o ar pelo ambiente sem necessidade de movimentar o aparelho; a frente e as pás do produto são destacáveis; ajuste de inclinação permite cinco posições diferentes. Criação Indio da Costa Design (Guto Indio da Costa, Felipe Rangel e Martin Birtel)

Supernormal. Esta é a bandeira lançada por Jasper Morrison e Naoto Fukusawa. Mas que design seria este? “Objetos que estejam de acordo com a vida diária – uma qualidade especial que permeia os objetos, sejam eles anônimos ou concebidos com ‘intenção estética’: uma qualidade que não é restrita à aparência visual, mas diz respeito a como os objetos são percebidos através de seu uso.” Uma tentativa de definição de algo tão sutil que torna difícil de ser codificado, afirmam os designers. Mas em linhas gerais a nova teoria ressalta que o produto não deve ter como principal qualidade seu impacto visual. Linhas simples, projetos fáceis de produzir e de vender, produtos com boa relação preço x serviço, que durem no tempo e que possam ser entendidos e aceitos pelas mais diversas culturas. 17 ARC DESIGN


Premio MCB Final

15/12/2006

11:55

Page 18

Acima, carro à vela Ventura, veículo híbrido que soma as funções de triciclo (para uso em terra e areia) e catamarã (para uso na água); design Sergio Velloso. Abaixo, à esquerda, coleção de facas para uso específico, construídas com cabos de madeira de demolição e lâminas de aço inoxidável nacional de alta qualidade. Cada modelo tem sua função: limpar, cortar e filetar peixes; retirar a pele e limpar animais pequenos e delicados; descascar frutas redondas; espátula; abrir ostras e crustáceos; cortar queijos delicados e terrines; cortar churrasco; picar legumes, ervas e temperos. Design Fernando Mendes de Almeida e Roberto Hirth

A dupla de designers também chegou à conclusão de que é mais fácil encontrar produtos “supernormais” no universo do design anônimo, aqueles que muitas vezes passam sob nossos olhos sem serem percebidos e incluíram, na mostra itinerante sobre o tema, objetos como a tradicional (e hoje extinta) garrafa de leite de vidro, o raspador de legumes, o clipe para papéis. Esta declaração de princípios nos leva a uma questão mais do que importante – fundamental – para o projeto contemporâneo. O desenho, ou seja, o design em sua acepção formal, deixa de ser a principal estrela, o objetivo a ser perseguido. Estamos longe de descartar os aspectos estéticos do produto, mas estes se submetem a uma série de condições e exigências da vida atual, tornando-se imperativos no mercado, globalizado ou não. Fazem parte desse repertório, que começa a ser exigido pelo consumidor, o produto respeitoso e amigável com a qualidade de vida do indivíduo e do planeta. Já há alguns anos Philippe Starck afirmava, “produtos do amanhã: 20% matéria, 80% serviço”. Se na época 18 ARC DESIGN


Premio MCB Final

15/12/2006

11:55

Page 19

Acima, à esquerda e no centro, lavadora Superpop: produto de baixo custo, tem estrutura básica com o gabinete cortado ao meio – a parte menor foi acomodada dentro da maior para economia na embalagem e transporte; design Chelles e Hayashi Design (Gustavo Chelles, Romy Hayashi e Bruno Castanha). Na sequência, nebulizador portátil Ultra-Alívio, para tratamento de crises respiratórias: a inovação no design partiu de estudos ergonômicos para privilegiar o conforto e a praticidade no uso, aliados às dimensões reduzidas; o produto integra num mesmo volume todos os componentes, inclusive controle eletrônico de intensidade, bomba e pastilha cerâmica de ultra-som; líquido e medicamento são adicionados a partir do compartimento superior; criação de Questto Design

esta parecia ser mais uma provocação do designer francês, hoje essa relação é uma exigência real, pois menos matéria é igual a menor descarte – além da possibilidade de menor custo. Outro elemento da nova equação é a necessidade de

Abaixo, assento sanitário Slow Close, desenvolvido para proporcionar um fechamento lento e silencioso graças à incorporação de um sistema hidráulico de amortecimento, alojado em um mecanismo metálico juntamente com o sistema de fixação do assento à bacia sanitária. Design Edison Luiz Anholon para a Deca

uma visão mercadológica, embora esta encontre resistência nos puristas, amantes do design autoral, das criações extraordinárias. Gloriosos tempos, quando as empresas investiam em pesquisa de materiais e tecnologias pelo puro prazer da inovação, dando inteira liberdade ao criador. Tempos em que as cadeiras não eram expelidas pelas máquinas como “pãezinhos quentes”. Um design que discutia o significado da vida e refletia o homem e suas fantasias. Um saudável saudosismo, me parece. Em meio a tantas reviravoltas no design internacional, como vai o projeto no Brasil? Se tomarmos o Prêmio do Museu da Casa Brasileira como parâmetro, verificamos duas realidades. O design de mobiliário, que parece ter desistido de lutar pela inovação – com razões de sobra, justificadas pela pequena dimensão do mercado e con19 ARC DESIGN


Premio MCB Final

15/12/2006

11:55

Page 20

Ao lado, mesa Neco: inovação no uso de materiais, com o tampo em alumínio reynobond; base em madeira, muiracatiara, certificada (selo FSC, Forest Stewardship Council); atenção ao meio ambiente com a ausência de cola, vernizes ou qualquer outro solvente e uso da cera de abelha no acabamento da madeira. Design Ricardo Rangel

Abaixo, poltrona Diz, formada por duas partes distintas: estrutura (com peças de madeira maciça unidas entre si por meio de cavilhas) e braços (esculpidos em peças maciças); assento e encosto em compensado moldado de dupla curvatura, resultado da prensagem em molde de alumínio. A poltrona foi escolhida por unanimidade pelo júri, pela maestria no trabalho com a madeira e pela humildade de seu autor, o veterano designer Sergio Rodrigues, em concorrer ao prêmio

sequente falta de investimento da indústria. Assim, vence a velha madeira. Na maioria dos casos com o selo de certificação (será mesmo?), quase sempre maciça, embora os laminados comecem a ganhar terreno, “hélas”! Na outra vertente, produtos industriais como os que ilustram este texto, avançam, abrem espaço no mercado, com foco no serviço e procura de competitividade no preço. Também chama a atenção a diversidade de tipologias que este ano foram apresentadas. A cada nova edição avança-se um pouco, mas está faltando paixão ao processo criativo. Sergio Rodrigues recebeu o primeiro prêmio. Nada mais justo, pela qualidade de seu desenho e produção. Ele é o mestre, criador de um vocabulário brasileiro. Por outro lado, desculpem, nada mais injusto – ele é um nome “hors-concours”. Deixemos espaço aos jovens profissionais, vamos ver o que a nova geração tem a nos dizer. ❉

O júri foi composto por: Cláudio Ferlauto, Alécio Rossi, Baba Vacaro, Delia Beru, Auresnede Pires Stephan (Prof. Eddy), Fernando Prado, Mara Gama, Newton Gama, Patrícia Fonseca, Pedro Ariel e Virginia Kistmann

20 ARC DESIGN


Premio MCB Final

15/12/2006

11:55

Page 21

18º PRÊMIO DESIGN MUSEU DA CASA BRASILEIRA RELAÇÃO DE PREMIADOS

CATEGORIA MOBILIÁRIO 1º lugar: Poltrona Diz, design Sergio Rodrigues (RJ), produção Linbrasil 2º lugar: Mesa Neco, design Ricardo Rangel (SP), produção Thrust Design Menção Honrosa: Prateleira Chaix, design Flávio Borsato e Maurício Lamosa (SP), produção Adresse Móveis CATEGORIA UTENSÍLIOS 1º lugar: Balde para garrafa Ritz, design Rubens Simões e Cléber Luis da Ré (RS), produção Riva 2º lugar: Coleção de facas para uso específico, design Fernando Mendes de Almeida e Roberto Hirth (RJ), produção Mendes Hirth Marcenaria Menção Honrosa: Jarra Due, design Valter Bahcivanji (SP), produção Coza CATEGORIA TÊXTEIS E REVESTIMENTOS Nenhum premiado CATEGORIA ILUMINAÇÃO Nenhum premiado CATEGORIA EQUIPAMENTOS ELETROELETRÔNICOS 1º lugar: Lavadora Superpop, design Chelles e Hayashi Design (Gustavo Chelles, Romy Hayashi e Bruno Castanha – SP), produção Müeller Eletrodomésticos 2º lugar: Nebulizador Ultra-Alívio, design Questto Design (SP), produção Unique Menção Honrosa: Celular Blob, design Nó Design (SP), produção Easytrack; Quick way Mini PoS, design Cláudio Luiz Grigio (SP), produção Itautec; Circulador de Ar C-401, design Indio da Costa Design (Guto Indio da Costa, Felipe Rangel e Martin Birtel – RJ), produção Spirit; Coletor de ponto e controlador de acesso biométricocontrol, design Megabox Design (Aguilar Selhorst Junior – PR), produção Bioaccess Tecnologia em Biometria CATEGORIA NOVAS IDÉIAS/CONCEITOS 1º lugar: Ventura, design Sergio Velloso (RJ) 2º lugar: Motolog, design Rafael Moreno e Rodrigo do Vale Ciossani (SP), produção com apoio técnico da Sundown Motos CATEGORIA TRABALHOS ESCRITOS 1º lugar: livro “Análise do Design Brasileiro: entre Mimese e Mestiçagem”, de Dijon de Moraes, editora Edgard Blücher 2º lugar: tese de doutorado “Design Orientado para o Futuro, Centrado no Indivíduo e na Análise de Tendências”, de Denise Dantas Menção Honrosa: Livro “O Design Gráfico Brasileiro: Anos 60”, organizado por Chico Homem de Melo, editora Cosac Naify; trabalho final de graduação “A Contemporaneidade Perdurável”, de Esther Maré CATEGORIA EQUIPAMENTOS DE CONSTRUÇÃO 1º lugar: Assento sanitário Slow Close, design Edison Luiz Anholon (SP), produção Deca 21 ARC DESIGN


100%design Final

15/12/2006

11:59

Page 22

Acima, uma das instalações mais simpáticas da feira, produzida com dezenas de luminárias Honey Comb, de Kyouei Design (Kouichi Okamoto). Fabricada em uma única peça pelo tradicional processo das lanternas orientais. A designer tem carreira recente e esta luminária, lançada em 2005, foi exposta pela primeira vez em NY na ICFF

100% DESIGN TOKYO Parece coerente, nesse mundo globalizado e veloz, que os mesmos conceitos sejam válidos em qualquer lugar do mundo. Usando esta lógica, as feiras internacionais partiram para a auto-exportação, o que torna os recintos oficiais mais ou menos iguais em qualquer lugar do mundo. Na 100% Design não é diferente: quer seja em Tóquio ou Londres – onde nasceu –, o conteúdo é bastante similar, causando certo desalento e uma leve sensação de “déjà vu”


15/12/2006

12:00

Page 23

Baba Vacaro

100%design Final

Meiji Jingu Gaien, no coração da cidade, abrigou a 100% Design e a exposição dos estudantes (acima). Seja no salão satélite de Milão, no Designersblock em Londres ou em Tóquio, são eles os responsáveis pelo frescor das idéias. À direita, DesignTide: a transformação de cadeiras comuns em objetos de arte usando fita adesiva estava por toda a cidade, anunciando a design week com um toque de ready-made

Não causa espanto a homogenia que hoje toma conta

Logo ao chegar, me dou conta que mais que física,

das feiras internacionais e as grandes atrações não co-

trata-se de uma distância de entendimen-

merciais estejam nas mostras paralelas. Como sempre,

to. As informações que nos chegam pare-

coloco toda a esperança nos jovens designers, os estu-

cem sempre um tanto desencontradas: afi-

dantes em particular, e minhas expectativas se confir-

nal, como é possível ser absolutamente zen

mam. Aqui, como também em Milão ou Londres, o fres-

e tão high-tech ao mesmo tempo? Tradição e tec-

cor dos novos produtos está nas mostras paralelas. Tal-

nologia parecem ainda mais incompatíveis quan-

vez alguém diga que isso também é mais do mesmo, no-

do vistas a distância. Por isso é preciso ir a Tóquio. Para

vamente o tal “déjà vu”, mas não. Aqui a sensação é ou-

ver de perto, para que cada incompatibilidade se de-

tra. A sensação é que o mundo ainda não ficou tão peque-

monstre lógica, para que tudo faça sentido. Minima-

no e que a distância faz alguma diferença.

mente, é preciso ir a Tóquio para perceber a falta que

A distância que nos separa do Japão nos faz curiosos.

faz ao mundo algo tão singelo como a delicadeza.

Baba Vacaro

Baba Vacaro

Baba Vacaro

Baba Vacaro

Soluções para o meio ambiente povoaram a cidade. Abaixo, à esquerda, as bolsas Lohas lançaram campanha de coleta de recursos para energias alternativas, com estampas criadas por mais de cem designers do mundo todo; à direita, móveis desconstruídos em madeira, Daegu University, Coréia

23 ARC DESIGN


15/12/2006

12:00

Page 24

Fotos Baba Vacaro

100%design Final

Durante a Design Week de Tóquio acontece a maior exibição estudantil do país, que reúne mais de 600 trabalhos de 50 escolas de design e é organizada pela Design Association NPO, com o suporte do Ministério da Economia. Acima, à esquerda, Lap-seat, do time Unit-sa-shi-su-se-so; à direita, cadeira Obi, em plástico corrugado e aço, design Tomoyuki Kano, da equipe do Nippon Engineering College

A cidade em efervescência e ocidentalização sem fim

Estampadas no gestual discreto, nos templos de uma

pode embotar um olhar mais distraído. O mundo dos

simplicidade tocante ou mesmo por trás dos objetos ves-

jovens globalizados lá, como em outros lugares do

tidos de novos conceitos e submersos na tecnologia de

mundo, exercita suas visões e utopias sem constrangi-

seu design contemporâneo, lá estão elas: a tradição mi-

mento. Garotas de todas as tribos zanzam pelas ruas

lenar e a delicadeza da alma japonesa estão sempre im-

em frenesi, montadas em looks exagerados em modis-

pregnadas em cada produto. Isso faz toda a diferença.

mos. Lá o street wear tem múltiplas personalidades e

“Love: Design & Peace” é o tema ideal para a semana do

realmente nos faz virar pescoço e olhos, afinal só lá se

design que se espalha pela cidade e realmente é um as-

pode encontrar as verdadeiras garotas de Harajuku. Só

sunto perfeito para local e momento. O maior evento de

no Japão arquitetos hipermodernos conseguem exerci-

design do país, que reúne sob a mesma bandeira escolas,

tar suas visões de futuro. Em Tóquio, o antigo e o novo

embaixadas, lojas, instituições, mídia e designers, traz per-

convivem em silenciosa harmonia. Não há traços de

guntas que ecoam por toda a cidade: afinal, do que real-

anacronismo. O berço da tradição abre espaços com

mente você precisa? Qual o papel do design nesse mun-

condescendência e sabedoria.

do de abundância? O tema traz à luz essa reflexão, a bus-

Passa um dia e tudo começa a ficar evidente: não será

ca de novas possibilidades no futuro e no passado. Vive-

esta harmonia o reflexo da plácida consciência, adqui-

se um excesso de consumo e há que se pensar novos ru-

rida com o tempo, de que tudo é, afinal, abstrato e efê-

mos. O design é apenas uma das ferramentas. Um novo

mero? Não será essa mesma consciência de

produto deve ser criado apenas quando necessário e pre-

fragilidade e fugacidade que os faz tão co-

cisa ser recheado de significado e valor. Novos valores

rajosos diante do novo? Vivenciar esses

devem ser gerados a partir de formas existentes, e neles

contrastes e buscar a lógica de seus

as técnicas tradicionais devem ser valorizadas.

vínculos são experiências únicas,

Nada mais adequado a esse mundo paradoxal: o mes-

mas o que realmente enche a alma

mo Japão que tem, há tempos, exagerado no consumo

de esperança é a percepção de que

e mergulhado fundo no uso de cada nova tecnologia é

não há novo que os faça perder a

o lugar em que ainda se arranja tempo e espaço para

essência de sua delicadeza.

observar o florar das cerejeiras. ❉

Acima, cadeira Corolla, em feltro, do estreante Atsuko Hirose, Nippon Engineering College. Na página ao lado, as lindas luminárias de Takehiro Ando, criadas a partir da justaposição de peças idênticas de feltro cortadas a laser (detalhe à direita), são apenas uma demonstração de seu universo. Ando já trabalhou com cenografia, moda, arte e design e desde 1999 produz mobiliário e luminárias

24 ARC DESIGN


Fotos Baba Vacaro

100%design Final

15/12/2006

12:00

Page 25


100%design Final

15/12/2006

12:00

Page 26

A inteligência e a delicadeza estão sempre presentes na concepção dos produtos japoneses; um bom exemplo é a Shopping Bag (acima e à direita) de Marume Tote. Em muitos países a consciência da redução do consumo e da produção de resíduos já é fato: não há sacolas plásticas disponíveis para compras e cada um carrega a sua

26 ARC DESIGN

Acervo ARC DESIGN

Sofia Lagerkvist, Charlotte Von der Lancken, Anna Lindgren, Katja Savstrom, as garotas da sueca Front Design, já desenharam para Moooi e Droog. Em Tóquio, lançam a serie Sketch com várias exibições simultâneas pela cidade: um software capta o movimento do desenho e a intensidade do traço e os transforma em objetos tridimensionais (acima) pelo processo de prototipagem rápida


100%design Final

15/12/2006

12:01

Page 27

Acervo ARC DESIGN

Acervo ARC DESIGN

A design week abrigou o lançamento mundial da Luxury Urban Tent Collection, de Marcel Wanders para Puma (cartaz acima). Não apenas um lançamento de produtos, mas uma nova concepção de lifestyle. A proposta completa para os pontos-de-venda será lançada ainda este ano em N. York e Amsterdã e estará nas lojas na primavera de 2007

À esquerda e acima, uma das mais perfeitas traduções do design made in Japan: vaso plástico Hope Forever Blossoming, D Bros design (Ryosuke Uehara e Yoshie Watanabe). Os vasos são fabricados por termocolagem em plástico e tomam forma quando cheios d'água. A série completa de produtos dos designers foi lançada na mostra paralela do Spiral Market, no edifício de mesmo nome projetado por Fumihiko Maki, em Omotesando

27 ARC DESIGN


15/12/2006

12:44

Page 28

DIXON NA MODA

Tom Dixon Final

Uma referência, duas releituras. A convite da Lacoste, o designer inglês Tom Dixon reinterpreta a clássica camisa pólo da marca e chega a resultados surpreendentes

Winnie Bastian / Fotos Koichiro Matsui A união entre moda e design, tendência sutilmente anunciada no final da década de 1990, se consolidou e vem se intensificando visivelmente. Agora é a vez da Lacoste, tradicional empresa de roupas “esportivas”, que acaba de lançar a Holiday Collector Series, uma linha centrada na reinterpretação do maior clássico da empresa – a camisa pólo – por designers de fora do universo da moda. Para inaugurar essa iniciativa, convidou o designer Tom Dixon, reconhecido internacionalmente pela ousadia de seus projetos, sempre vinculados à inovação formal e produtiva. Para essa iniciativa, Dixon atuou em duas vertentes opostas: a artesanal e a industrial. “Quis explorar duas idéias contrastantes: uma ligada à proveniência e à execução dos materiais utilizados e outra que desafiasse a tecnologia e a funcionalidade dessa peça de roupa”, explica o designer. A primeira proposta é a Eco Polo, feita com algodão orgânico tingido de forma natural, com índigo, nas fábricas Lacoste do Marrocos. Ao contrário de outros processos de tingimento, o índigo não fixa a cor por meio de agentes químicos, mas por um processo de fermentação existente há mais de 7 mil anos e tradicionalmente utilizado em países como

À esquerda, Techno Polo, versão em lurex. Na página ao lado, a embalagem das camisas Techno Polo e Techno Polo +: Dixon se utiliza do vácuo para explorar a forma da camiseta como elemento gráfico


Tom Dixon Final

15/12/2006

12:44

Page 29


Tom Dixon Final

15/12/2006

12:45

Page 30

Nigéria, Índia, Marrocos e Vietnã. Após intensa pesquisa, Dixon e a equipe da Lacoste transpuseram esse processo, que até hoje é executado de forma artesanal, para a produção industrial, mantendo, no entanto, a individualidade do produto manual – cada peça tem leves diferenças de coloração. “Em um mundo onde a produção em massa é onipresente, haverá demanda crescente para o pessoal e o único”, acredita Dixon. Para reforçar essa qualidade de “feita à mão”, o designer criou acabamentos mais rústicos para a manga e a bainha, de modo a obter a aparência “danificada” que a peça adquire após anos de uso. Para os mais aficionados, a Lacoste lança a Eco Pólo +, uma série limitada de mil peças, que serão produzidas em parceria com a empresa indiana The Colours Nesta página, imagens relativas à Eco Polo: acima, a embalagem feita com caixas de ovos recicladas indica o espírito ecologicamente amigável da coleção, que utiliza tingimento natural (no alto, à direita), o qual consome menos água e não requer fixadores químicos. Abaixo, a Eco Polo + (versão limitada, com tingimento manual)

of Nature, que será responsável pelo tingimento manual das peças. Para a outra linha, Dixon percorre um caminho bastante diverso deste. Em vez de valorizar o despojamento e os processos naturais, Techno Polo surgiu orientada para a sofisticação e a tecnologia. Ao algodão, são incorporadas fibras de lurex, tramadas segundo um processo de alta tecnologia, também desenvolvido pelo designer em parceria com a Lacoste. Ao longo de sua carreira, Dixon sempre buscou inspiração nas matérias-primas e na pesquisa de novas formas de trabalhá-las. No caso da Techno Polo, o material referência é o metal, que o designer emprega com frequência em suas criações. Na versão de larga escala, o metal aparece no lurex (que leva alumínio em sua composição), enquanto a versão colecionável (Techno Polo +) incorpora fios de aço inox em sua trama. Completando o visual tecnológico, a peça vem embalada a vácuo em um pacote de alumínio. As embalagens, aliás – tanto da Techno Polo quanto da Eco Polo (feita com caixas de ovos recicladas) –, são a “pista” inicial para que os consumidores descubram que aquelas camisas têm a mão de um designer de produto... e de talento. ❉

30 ARC DESIGN


Tok Stok 29

14/12/2006

17:33

Page 1

primeira edição do

prêmio Tok&Stok

de Design

universitário

Guardar, conter, organizar, produzir, funcionar. O nosso dia-a-dia se tornou o grande desafio de estudantes de 12 faculdades de desenho industrial da Grande São Paulo que tiveram como objetivo desenvolver produtos com o tema “guardar”. Veja os projetos vencedores.

1º colocado Funtoches Marília Cichini Simões Belas Artes

2º colocado Cesto Centopéia Magda Carlos Borges Mackenzie

3º colocado Volante Sanitário Bruno Manes Patat FAAP

3º colocado On Demand Ivo Lajner Belas Artes

www.tokstok.com.br | 0800 70 10 161


Entrevista Heloisa Crocco Final

15/12/2006

12:50

Page 32

ENTREVISTA:

HELOÍSA CROCCO Artista plástica de formação, a gaúcha Heloísa Crocco atua na fronteira entre a arte e o design. Além de sua produção pessoal, trabalha junto a diversas comunidades de artesãos em

regiões brasileiras, assim como o contato com as culturas nativas sul-americanas, servem de subsídio para suas criações Keila Bis

ARC DESIGN – Como você definiria os conceitos que fundamentam sua criação? HELOÍSA CROCCO – Gosto muito dos conceitos de uma filosofia oriental, a Wabi-Sabi, que ultrapassa a estética e torna-se estilo de vida: a beleza das coisas simples, despojadas, sem pretensão, não-convencionais. AD – Você sempre trabalhou com materiais provenientes da naFabio del Re

tureza? Que produtos esses materiais geraram? HC – Elegi, como ponto de partida da minha pesquisa, o veio

do tronco da árvore e seus anéis de crescimento. De seu corte em topo resultam grafismos, padrões e texturas, que comecei a explorar como desenho. A esta pesquisa dei o nome de Topomorfose. Uma vez desenvolvidos esses desenhos e texturas que a madeira revela, criei uma variedade de matrizes, imprimindo-as em materiais, como louça, tecido e papéis. A partir daí, crio produtos com os quais componho diferentes coleções com ênfase no design de superfície.

Celso Chitolina

AD – Como surgiu a idéia de trabalhar explorando os veios

32 ARC DESIGN

das árvores? HC – A preocupação com o meio ambiente é uma constante na minha vida. É difícil determinar o ponto exato em que começa

Letícia Remião

todo o país. As experiências obtidas em viagens por diversas


15/12/2006

12:51

Page 33

Fabio del Re

Entrevista Heloisa Crocco Final

Acima, painel em sobras de madeira: Heloísa reaproveita a parte superior pontiaguda das cercas de madeira, que são cortadas antes de serem exportadas para os Estados Unidos e, com elas, cria incríveis painéis cromáticos. Na página ao lado, Heloísa e os minicarimbos com desenho de veios de troncos de árvores, usados para impressão em louças, tecidos e cadernos

minha pesquisa visual. Uma coisa é certa: o que faço é uma síntese das minhas experiências, nas quais o convívio com a natureza é algo marcante.

profissionais. Juntos, desenvolvemos, entre outras coisas, um trabalho de aproximação entre o design e o artesanato.

AD – Desde quando você explora esse caminho e quais os produtos que derivaram dessa pesquisa? HC – Em 1985, a convite do arquiteto e artista Zanine, fomos pesquisar na Floresta Amazônica. Foi quando entrei pela primeira vez na floresta e fiquei perplexa com a grandiosidade do lugar e, ao mesmo tempo, com o que o homem vinha fazendo com ele. As árvores formam verdadeiras catedrais e é duro ver como o ser humano, com uma motosserra na mão, em pouquíssimo tempo bota tudo isso no chão. O encontro com a madeira e a incorporação ao trabalho se deram por meio desse impacto doloroso.

AD – Dentre seus trabalhos, talvez os mais conhecidos sejam os

AD – E o que é o Laboratório Piracema de Design, uma das ver-

tentes de seu trabalho? HC – É um núcleo de pesquisa da forma na cultura brasileira. Ele está centralizado em meu ateliê em Porto Alegre (RS), mas tem atividades volantes por todo o Brasil. Somos uma equipe multidisciplinar, com profissionais de Minas Gerais, do Rio de Janeiro e de São Paulo, entre artistas, designers, fotógrafos e outros

quadros em relevos, feitos com aparas de cercas de madeira. Como surgiu essa idéia? HC – O conceito de base é sempre o mesmo. Nos painéis de madeira exploro as texturas, seus veios, revelando os desenhos que a natureza produz numa série de “walldesign”, aos quais acrescento ou não novas cores e desenhos, usando retalhos de tecidos. AD – Uma das vertentes principais de seu trabalho é a atuação

junto a comunidades que desenvolvem atividade artesanal. Você poderia destacar algumas? HC – Pioneira, historicamente falando, foi uma oficina no Festival de Inverno da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) em Ouro Preto, no início da década de 1990, no qual desenvolvi um trabalho com a pedra-sabão. Mais tarde, surgiu a Mão Gaúcha, com apoio do Sebrae/RS, que é um case de sucesso, pois trabalha toda a cadeia produtiva. Com a criação do Laboratório Piracema, passamos a desenvolver 33 ARC DESIGN


15/12/2006

12:51

Page 34

Fotos Fabio del Re

Entrevista Heloisa Crocco Final

Acima, à esquerda, as quebradeiras de coco-babaçu em Tocantinópolis, o mais recente projeto do Laboratório Piracema, no qual Heloísa atuou com as designers Tina Moura, Lui Lo Pumo e equipe. À direita, a cerâmica de Maragogipinho, pequena comunidade oleira na ilha de Itaparica, Bahia, onde Heloísa atuou com Tina & Lui e José Alberto Nemer. No detalhe, o interior do babaçu pronto para uso em acessórios de moda ou outros

esse tipo de atuação de forma mais sistemática e com embasamento científico, em diferentes regiões do país, voltada sobretudo para o aperfeiçoamento de designers locais e para a melhoria da produção artesanal dentro de suas origens. Se o nosso maior objetivo é plantar sementes e multiplicar a metodologia de modo a chegar corretamente ao artesão, os melhores exemplos hoje estão em Mato Grosso e no Ceará. Após nossa atuação por lá, os Sebraes dessas regiões tomaram a iniciativa de colocar os jovens profissionais em campo. Os resultados têm sido bons do ponto de vista da metodologia de aproximação entre o design e o artesanato, mas com produtos que devem ser ainda aperfeiçoados. AD – Como e quando você começou a trabalhar com comunidades de outros países como Colômbia, México e Uruguai? É uma atividade semelhante à que se desenvolve no Brasil? HC – Fui pela primeira vez à Colômbia em 1984. Lá conheci uma experiência pioneira na troca de saberes entre design e artesanato, com o principal objetivo de tirar o homem do campo do cultivo da cocaína. Continua sendo uma experiência exemplar e com resultados maravilhosos, tanto do ponto de vista social quanto estético. Voltei muitas vezes para dar aulas na Universidade de Los Andes, quando pude conhecer melhor as especificidades dessa intervenção. Como intenção inicial, os

34 ARC DESIGN

projetos se parecem, mas, comparados aos projetos desenvolvidos em outros países, o Brasil está apenas começando. As instituições daqui precisam ampliar suas consciências e seus deveres sociais. AD – Em que consiste, exatamente, a teoria da Topomorfose? HC – É o nome que dei à pesquisa visual que desenvolvo: as

infinitas formas encontradas no topo da madeira. Um conceito que não se aplica apenas à estética, mas também à sociologia e à antropologia. Para mim, o design não é simplesmente um símbolo de status ou de poder aquisitivo; é um espaço de sonhos, de emoções, de sobrevivência e de filosofia do ser. Atrás de um projeto estético há sempre a busca de um homem novo. AD – Quais são os seus próximos projetos? O que ainda não fez

e que desejaria fazer? HC – Quanto ao meu trabalho pessoal, estou verificando a possibilidade de fazer uma publicação da Topomorfose, com uma exposição. No que diz respeito ao Piracema, temos pensado em criar centros de experimentação onde seriam pesquisados os mais diferentes materiais e linguagens que vêm da tradição, com mestres de ofício e aprendizes trabalhando juntos. Isto daria para a equipe do Laboratório mais subsídios para os trabalhos de campo que realizamos. ❉


27/11/2006

10:28:45

Contato Visual

ad062S_04_AD.pdf

Arquitetura. É luz. É sentimento. É criação.

Paredes e forros Gypsum Drywall: liberdade ao criador, bem-estar ao morador.

P

oucos produtos são capazes de oferecer ao arquiteto tanta liberdade criativa

como o Gypsum Drywall. Antes de projetar, construir ou reformar paredes e forros, conheça as possibilidades técnicas, construtivas, decorativas e econômicas do Gypsum Drywall. Pois se é comtemporâneo, é LAFARGE.

www.gypsum.com.br

sac: 0800 282-9255


amor liquido FINAL

15/12/2006

12:57

Page 36

À EXPERIMENTAÇÃO PELO AMOR NÃO AO AMOR DESCARTÁVEL Pensamento e exploração foram os eixos do workshop de design experimental e instalação “Amor Liquido”, que teve como tema os vínculos e como material os descartes industriais da empresa cosmética Natura e do canal Discovery. A proposta inédita era trabalhar com resíduos para se manifestar contra os vínculos descartáveis

Abaixo, pufes feitos a partir de tampas de lata; no alto da página, fitas VHS desconstruídas (“metros e metros de cultura e natureza que não se podem ou querem ver”) dão origem à montagem que simboliza o tema do workshop. Na página ao lado, no alto, vista parcial da exposição: a cenografia também foi construída com material de descarte; no pé da página, frascos de formas orgânicas deram vida a medusas esculturais, que aludiam à mobilidade da solidez à liquidez em que todos vivemos

Matéria publicada no suplemento m2 do jornal argentino Página/12 Há certos postulados do design que, às vezes, sobretudo para os alheios à disciplina, surpreendem pelo distanciamento da realidade. “Design é cultura de projeto, pensamento prévio à ação, transcender o objeto, pensar com as mãos, multidisciplina... mas refletimos, aprofundamos, investigamos e lemos cada vez menos, não transpassando os compartimentos fechados dentro e fora da disciplina”, provoca Satori, a dupla formada pelo designer argentino Alejandro Sarmiento (veja ARC DESIGN n. 48) e pela jornalista especializada em design Luján Cambariere. Responder a estes paradoxos por meio de novas experiências é um dos objetivos de Satori: unir pensamento e exploração sem especular em um resultado concreto, mas valorizando o processo, propiciando o encontro, o trabalho coletivo, estabelecendo vínculos sem ego. Dessa vez, o meio foi o laboratório de design experimental “Amor Liquido”, que aconteceu durante a mostra “Design Connection”, com alunos de design industrial, gráfico, de imagem e


amor liquido FINAL

15/12/2006

12:57

Page 37


amor liquido FINAL

15/12/2006

12:57

Page 38

À direita, carregadores de balas de beijos traziam a idéia explícita de incentivar outros tipos de guerras. Abaixo, à esquerda, lacres de PVC termocontraível envolviam uma lâmpada, dando origem a uma luminária que representava o mundo; no pé da página, um saco de lixo revestido com milhares de espelhos avisava: “a vaidade é um lixo”

som, têxtil e de moda. O grande número de inscritos (250) sinaliza a necessidade que os designers sentem de debater, refletir e se encontrar. Ao final, os 50 selecionados – incluindo estudantes do Brasil, do México e da Bolívia – trabalharam intensivamente durante uma semana para produzir a instalação. O evento trouxe à tona uma nova forma de trabalhar, tão necessária para o design, na qual as pessoas e o planeta importam mais do que os objetos.

METAPROJETO Se algo definiu a experiência foi a “não-mecânica”, a liberdade no fazer, no ser e no pensar, a falta de receitas, o fato de permitir a possibilidade de se relacionar, se divertir, experimentar. Assim, a idéia principal foi trabalhar um tema (a fragilidade dos vínculos ou o amor descartável) e um material (os descartes). O sociólogo Zygmunt Bauman, com seu livro “Amor Líquido”, forneceu a base da reflexão. E os descartes cedidos pela Natura completaram a aposta. Por outro lado, o Discovery permitiu documentar o centro de toda a questão: o processo. “Nada neste mundo nos importa mais do que os vínculos. As relações humanas. Mas lamentavelmente elas não escapam à lógica do consumo, das novas tecnologias e do individualismo, a ‘modernidade líquida’ que Bauman documenta há tempo. Nós nos descobrimos, nos apaixonamos, enquanto o celular toca, as mensagens de textos nos bombardeiam, o frenesi do chat nos faz sentir acompanhados e um simples delete 38 ARC DESIGN


amor liquido FINAL

15/12/2006

12:57

Page 39

A “porta” que dava acesso ao espaço expositivo era uma cortina feita com latas, originalmente embalagens de perfumes, que foi apelidada pelos participantes de “supersino”; as leituras do grupo são as mais variadas, desde que é preciso fazer-se sentir e se divertir ao entrar no amor, até se remeter ao animal que carrega o sino e assim guia a manada

nos permite nos desconectarmos. Porque, além disso, nesta lógica, como na de outros produtos, a relação é de consumo imediato e uso sem prejuízos. Primordial e fundamentalmente descartáveis”, resumem Cambariere e Sarmiento. Sua proposta era trabalhar utilizando os resíduos, mas remetendo-se ao fato de que os vínculos são descartáveis e, assim, “transladar a metáfora ao mundo do design possibilita elaborar um novo projeto: projetar um futuro melhor para todos”, arrematam.

SER OU NÃO SER DESCARTÁVEL “Essa foi a questão. Como o preceito moderno é ‘onde há design, há resíduos’, é fundamental questionar o papel da disciplina. Segundo Victor Papanek, em seu livro ‘Design para o Mundo Real’, um designer pode ser muito perigoso, se quiser”, explica Cambariere. “Trabalhar com os descartes significa tomar consciência dos resíduos que manipulamos diariamente, que, apenas pelo fato de descartá-los, já não são mais parte de nossa vida, tornando-se invisíveis. Essa manipulação nos permite reconhecer formas, texturas, encontrando potencial para um novo uso, consumir menos quantidade de energia e, o que é mais importante, gerando mais trabalho para as pessoas”, completa Sarmiento. Reuso, reciclagem, remade. A questão é pensar no grande objeto: o planeta. Por isso, “a energia emocional da criação coletiva, a relação com os sentidos, o divertimento, o equilíbrio entre o sólido e o líquido e o fato de eles serem juízes e parte nesse assunto” foram, segundo os participantes-experimentadores, alguns dos maiores acertos da proposta. ❉ 39 ARC DESIGN


artecnica Final

15/12/2006

13:03

Page 40

Nas duas páginas, Transglass, o primeiro projeto de Boontje para a série Design with Conscience; as peças são feitas com garrafas de vinho e de cerveja usadas. “Apropriar-se e transformar” são as idéias que norteiam este trabalho, explica Tord Boontje

MUITO ALÉM DO DESIGN Tord Boontje, Hella Jongerius, Design Academy Eindhoven, a Coopa Roca na Rocinha, Rio de Janeiro, as índias Shipobo do Peru, o que teriam em comum? Todos fazem parte de um mesmo projeto: Designing with Conscience

Maria Helena Estrada Trabalho semelhante ao que se faz no Brasil em relação às comunidades artesanais é também realizado em âmbito mundial com o projeto Designing with Conscience. Comunidades artesanais de diversas partes do mundo são assistidas por famosos designers para a criação de produtos que poderão constar com destaque – e qualidade – em qualquer importante ponto-de-venda do mundo. Este talvez seja o diferencial entre o que vem sendo realizado no Brasil e este projeto: o padrão de qualidade física dos objetos, sua capacidade de produção e comercialização. Por iniciativa de uma empresa, a Artecnica, criada em 1987, em Los Angeles, 40 ARC DESIGN


artecnica Final

15/12/2006

13:03

Page 41


artecnica Final

15/12/2006

13:03

Page 42

EUA, que também distribui os produtos, a exigência é que o nível dos objetos se equipare aos padrões internacionais. Outro diferencial em relação ao design artesanal brasileiro é que na coleção Designing with Conscience as peças são assinadas pelos designers que as criaram, o que gera um valor agregado ao produto. Os artesãos recebem o crédito de produtores e são regularmente pagos por seu trabalho. Em outros aspectos, os projetos se assemelham, e alguns resultados já podem ser vistos no Brasil, onde acabam de chegar os projetos realizados por Tord Boontje e Emma Woffenden, na Guatemala, e por Hella Jonguerius, no Peru, além de criações de Boontje na coleção Come Rain Come Shine, produzida pela Coopa Roca. São todos produtos distribuídos pela Artecnica, que divide sua produção em duas coleções: as de pequena tiragem, realizadas por artesãos, e as de grande tiragem, produzidas na China. Acima, luminária Come Rain Come Shine: estrutura metálica envolvida por crochê com fios de algodão, organza, seda e flores de tecido; projeto de Tord Boontje, execução das artesãs da Coopa Roca, cooperativa baseada na favela da Rocinha, Rio de Janeiro. Abaixo, os quatro itens da coleção Beads and Pieces, peças em cerâmica negra com aplicação de contas, criadas por Hella Jongerius e executadas por artesãos do Peru

O que nos chamou a atenção, ao tomarmos conhecimento da sistemática de trabalho com as comunidades artesanais, foi o fato de, uma vez encontradas as condições essenciais para o desenvolvimento dos produtos, os artesãos serem treinados até adquirirem a capacidade de realizar as peças já criadas, sem necessidade do auxílio e supervisão do designer. Essa possibilidade acontece graças à parceria com a organização Aid to Artisans, que oferece, aos artesãos das comunidades incluídas no programa, treinamento em áreas como logística e marketing, como aconteceu com a Coopa Roca, em 2004. Uma das provas da eficácia desse sistema de trabalho é o fato de a coleção Beads & Pieces, de Hella Jongerius, já fazer parte da coleção do MoMA, N. York. ❉

Os produtos distribuídos pela Artecnica são comercializados no Brasil pela Ovo 42 ARC DESIGN


506703_21x28_324.pdf

November 27, 2006

17:39:39

1 de 1

Pense na frente

FAÇA PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO EM COMUNICAÇÃO, ARTES E DESIGN. Há 60 anos, o Senac vem inovando o ensino no Brasil. Como uma das maiores e mais estruturadas instituições educacionais do País, é referência em todas as modalidades de ensino. O Centro Universitário Senac oferece cursos de pós-graduação que estão entre os mais conceituados, contando com corpo docente composto na maioria por professores com mestrado e doutorado, e grande parte deles dedicados integralmente à docência e pesquisa. Faça Senac e esteja à frente.

Cursos de Pós-graduação em Comunicação, Artes e Design: • Criação de Imagem e Som em Meios Eletrônicos • Design de Interiores • Design Gráfico • Design para a Movelaria • Fotografia • Gestão em Arte • Mídias Interativas • Paisagismo

Locais: São Paulo (Senac Lapa Scipião e Senac Santa Cecília) Consulte a programação completa dos cursos de pós-graduação e extensão e também o Programa Especial de Formação Pedagógica que habilita profissionais com nível superior para atuarem como professores do ensino fundamental, médio e técnico.

Inscrições aber tas

www.sp.senac.br

0800 883 2000


Profissao Designer Final

15/12/2006

13:07

Page 44

SEMINÁRIO INTERNACIONAL

PROFISSÃO DESIGNER: gerando oportunidades No momento em que o design “alonga” seu campo de atuação e passa a ser considerado como um processo que parte do projeto e compreende também o mercado e seus sinais ainda sutis, ARC DESIGN reuniu importantes profissionais para uma discussão em torno da formação dos designers e de seus campos de atuação

Paulo Pepe

Acima, mini-refrigeradores decorados da Brastemp, que ilustraram a conferência de Mario Fioretti, da Multibrás. Abaixo, parte da platéia que lotou o seminário, no auditório da Escola Panamerica de Artes

44 ARC DESIGN


Profissao Designer Final

15/12/2006

13:07

Page 45

Juliana Mariz Um rico debate sobre a profissão do designer aconte-

Melissa; Ricardo Scura, designer do Centro São Paulo

ceu no dia 7 de novembro na Panamericana Escola de

Design; Rodrigo Rodriquez, empresário italiano, vice-

Arte e Design, em São Paulo. O seminário “Profissão

presidente da empresa Flos e presidente do Instituto

Designer: Gerando Oportunidades” reuniu profissio-

Universitário de Design (ISIA), Florença.

nais do mercado que expuseram suas opiniões para

À frente do Centro de Design Paraná, Geraldo Pougy

uma platéia composta por designers, arquitetos, empre-

falou com a precisão de quem luta pelo reconhecimen-

sários e estudantes. A iniciativa de ARC DESIGN de or-

to da profissão há vários anos. Afirmou que o designer

ganizar o seminário dá continuidade ao projeto da re-

hoje não pode confiar apenas nos cursos universi-

vista de sempre estimular a reflexão sobre a criação

tários para adquirir uma boa formação. Para fazer

brasileira e internacional.

com que as empresas incluam o design em seus qua-

O encontro teve a participação de nomes de diferentes

dros, é importante, segundo Pougy, desmistificar a

áreas do design, o que foi fundamental para enrique-

profissão e fazer com que a sociedade entenda qual

cer a discussão: Geraldo Pougy, diretor do Centro de

é a função do designer. “Design é o melhor cami-

Design Paraná; Giorgio Giorgi, professor e consultor

nho para a inovação”, disse.

de design; Lincoln Seragini, diretor-presidente da Sera-

O tema inovação permeou o debate. Lin-

gini Farné; Mário Fioretti, gerente-geral de design da

coln Seragini foi taxativo ao afirmar que a

Multibrás; Paulo Pedó Filho, gerente de marketing da

função do designer é fazer as empresas

Paulo Pepe

Acima, cadeira FPE, de Ron Arad, citada pelo empresário italiano Rodrigo Rodriquez (abaixo), em sua conferência

45 ARC DESIGN


Profissao Designer Final

15/12/2006

13:08

Page 46

À esquerda, Parruda, pulverizador agrícola desenvolvido com a colaboração do Centro Paraná Design, dirigido por Geraldo Pougy. Acima, cortador de unha criado pela Seragini Farné para a Merheje, patenteado pela Revlon e vendido apenas no mercado exterior

crescerem com lucro. Segundo ele, o departamento de

inovação e da necessidade de os designers serem forma-

marketing das companhias está perdendo a função e

dos visando influenciar as estratégias das empresas.

são os designers que devem – e começam a – ocupar

Profissionais que atuam em importantes empresas bra-

esse espaço. Seragini afirmou que uma empresa só vai

sileiras compuseram a mesa-redonda “O que as empre-

crescer se inovar. Essa inovação deve ser perseguida

sas esperam do designer”, que teve Baba Vacaro como

após pesquisas com o consumidor. Ele completou sua

moderadora. Mário Fioretti, da Multibrás, falou sobre o

explanação apostando nas marcas. “Quem não tem mar-

processo criativo da empresa e fez uma comparação do

ca não tem valor, não tem futuro”, vaticinou.

que se esperava do designer na década de 1980 e hoje.

Rodrigo Rodriquez discordou dessa tese. Sua análise é

“Quando me formei, era necessário saber desenhar, co-

que os jovens estão questionando o poder das marcas.

nhecer materiais e processos de fabricação. Hoje preci-

Segundo Rodriquez, a nova geração vai se recusar a usar

samos observar o comportamento dos consumidores e

produtos com marcas, preferindo algo do seu próprio

construir marcas que tenham valores.” Paulo Pedó Fi-

gosto, “customizado por ele mesmo” e fundamentado em

lho, da Grendene, falou sobre o reposicionamento da

sua cultura. O empresário falou ainda da importância da

marca Melissa e mostrou como a empresa construiu

Fotos Paulo Pepe

Abaixo, a partir da esquerda, Geraldo Pougy, diretor do Centro de Design Paraná; Lincoln Seragini, diretor-presidente da Seragini Farné; os designers e professores Giorgio Giorgi e Cyntia Malaguti

46 ARC DESIGN


Profissao Designer Final

15/12/2006

13:09

Page 47

Acima, tênis Melissa Love System, um dos exemplos mostrados por Paulo Pedó Filho. À direita, churrasqueira Gourmet Traveller, desenvolvida pela empresa gaúcha Scheer, citada por Ricardo Scura

não apenas um produto, mas um ícone fashion deseja-

designer desenha para os outros. A designer e profes-

do em diversos países. Por fim, Ricardo Scura, do Cen-

sora Cyntia Malaguti moderou esta mesa, “Designer:

tro São Paulo Design, contou sobre seu trabalho de orien-

Formação e Marketing”.

tação às pequenas e médias empresas visando à utiliza-

Vale ainda registrar a participação de Ernesto Harsi, di-

ção do trabalho do designer para seu crescimento.

retor de projetos da Associação dos Designers de Pro-

Professor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da

duto (ADP), que apresentou os objetivos da instituição.

USP, o designer Giorgio Giorgi abordou a formação dos

Um espaço aberto no seminário para enfatizar a impor-

designers nas universidades, em especial na FAU/USP,

tância para os designers de criarem núcleos de força,

onde leciona. Giorgi ressaltou a importância de contex-

em associações de sua própria categoria. ❉

tualizarmos o termo “design”. “Não podemos colocar

O seminário foi organizado pela revista ARC DESIGN e realizado em parceria com a Panamericana Escola de Arte e Design, que cedeu sua sede. Agradecemos o apoio do Senac, do Centro São Paulo Design, da empresa S.C.A., do Salão Design Casa Brasil 2007, da Associação dos Designers de Produto (ADP), do Centro de Design Paraná, do Shopping D&D e do 2º Concurso Artefacto de Design

no mesmo escaninho o projeto de um avião da Embraer, de um liquidificador e o dos irmãos Campana”, afirma. Um importante e necessário (embora pareça óbvio) ensinamento que ele dá a seus alunos é que o

Abaixo, a partir da esquerda, Mario Fioretti, gerente-geral de design da Multibrás (Grupo Whirlpool); Paulo Pedó Filho, gerente de marketing da Melissa (Grendene); Ricardo Scura, designer do Centro São Paulo Design; e a designer Baba Vacaro

47 ARC DESIGN


TOP21 Final

15/12/2006

13:12

Page 48

TOP 21 1º PRÊMIO MERCADO DESIGN Pela primeira vez no Brasil um prêmio distingue não apenas o design, mas também seu acesso ao mercado, ou seja, a trajetória do projeto ao mercado. Premiar o design brasileiro que “deu certo”, aquele que foi produzido no Brasil, está no mercado e tem qualidade. É essa a intenção de ARC DESIGN ao propor uma premiação da qual participam bons produtos criados a partir de janeiro de 2001. Pensar e criar design, hoje, é ir além da simples forma. Qual o método adotado para incluir na premiação o maior número possível de produtos e de designers que obedeçam aos requisitos básicos? ARC DESIGN convidou um grupo de profissionais do design e representantes das diversas associações setoriais, para sugerir produtos que achassem adequados à premiação, produtos de reconhecida qualidade. A partir desse universo, uma comissão julgadora selecionará três concorrentes em cada categoria. Na etapa final, um novo júri selecionará os grandes vencedores. ARC DESIGN publicará todos os produtos selecionados e o resultado será um panorama do que existe de melhor em nosso mercado, com design e produção “made in Brasil”, no século 21. Acompanhe e informe-se no site da revista e nas edições de ARC DESIGN E-NEWS.


TOP21 Final

15/12/2006

13:12

Page 49

CATEGORIAS

• MOBILIÁRIO

• DESIGN LUMINOTÉCNICO

• ILUMINAÇÃO

• EMBALAGEM

• EQUIPAMENTO DE COZINHA

• JÓIA

• EQUIPAMENTO DE BANHEIRO

• ACESSÓRIO DE MODA

• UTENSÍLIO DOMÉSTICO

• INOVAÇÃO

• DESIGN SUSTENTÁVEL / ECOLÓGICO

• DESIGN EXPORTAÇÃO

• DESIGN DE RAIZ ARTESANAL

• DESTAQUE: PROFISSIONAL

• DESIGN DE INTERIORES: AMBIENTE CORPORATIVO

• DESTAQUE: NOVOS TALENTOS

• DESIGN DE INTERIORES: LOJA

• DESTAQUE: EMPRESA

• DESIGN DE INTERIORES: RESTAURANTE

• DESTAQUE: APOIO AO DESIGN BRASILEIRO

PARCEIROS


15/12/2006

13:13

Page 50

Danilo Tanaka

Premio Tok Stok Final

DESIGN UNIVERSITÁRIO PREMIADO O Museu da Casa Brasileira em uma noite se transformou, perdeu a sisudez, e era puro entusiasmo em meio à mágica cenografia e à excitação dos estudantes na cerimônia de premiação do concurso Tok & Stok. O tema deste 1º concurso era complexo: guardar. Como, onde, por quê, o quê? As criaturas se tornam mutantes e nômades. Como pensar essa realidade? O próximo tema, já anunciado, é o objeto emblemático no design: a cadeira, ou melhor – o sentar Maria Helena Estrada 50 ARC DESIGN


15/12/2006

13:13

Page 51

Danilo Tanaka

Premio Tok Stok Final

Acima, detalhe da cenografia, com móbiles em esferas de papel branco e expositores cobertos por cúpulas – conforme os vencedores eram anunciados, esta subia e deixava o projeto à mostra, numa criação do depto. de apoio técnico, design e tendências da Tok & Stok. Na página ao lado, no alto, visão da mostra a partir do jardim do museu; no pé da página, Funtoches, projeto vencedor, de Marília Cichini Simões, Centro Universitário Belas Artes, destinado a crianças de 3 a 7 anos, torna-se um gigante quebra-cabeça

São diversas as premiações para projetos de estudan-

efetivo dos professores, no sentido de “encamparem”

tes que começam a surgir no Brasil. O melhor prêmio,

e de orientarem o desenvolvimento e a apresentação

é claro, é a possibilidade de ver seu projeto produzido

dos projetos. Essa ausência é perceptível em muitos

e comercializado. E é este um dos grandes atrativos do

dos trabalhos, em cada concurso do gênero.

Prêmio Tok & Stok – ser selecionado para fazer parte da

Mas o caminho para o desenvolvimento e a qualidade

maior coleção de produtos brasileiros de design. Con-

do design brasileiro está se tornando mais veloz. A ne-

forme esclareceu Regis Dubrule, presidente da Tok &

cessidade da presença do profissional do design já é

Stok, no ano de sua fundação, em 1977, a empresa não

percebida em quase todas as empresas, desde aquelas

tinha nenhum produto assinado por designers nacio-

que querem apenas melhorar um pouquinho a “cara”

nais. Hoje, 90% das peças com design assinado, comer-

do produto, até às que realmente utilizam o potencial

cializadas pela Tok & Stok, são brasileiras.

do designer na gestão da empresa.

Os concursos se multiplicam, mas existe ainda uma

Marília Cichini Simões, estudante do Centro Universi-

grande defasagem de qualidade entre o material (pran-

tário Belas Artes de São Paulo, recebeu o primeiro

chas ou pré-protótipos) que as comissões julgadoras

prêmio, entre mais de 110 concorrentes e 18 finalis-

recebem, e o que poderiam receber. Qual o motivo?

tas, com Funtoches. “É um produto que se enquadra

Acreditamos que seja indispensável – como foi o caso

perfeitamente ao mercado e à filosofia Tok & Stok de

deste concurso da Tok & Stok – um envolvimento

viver”, avalia Ademir Bueno, gerente de Design, Apoio 51 ARC DESIGN


Premio Tok Stok Final

15/12/2006

13:13

Page 52

Acima e ao lado, On Demand, gaveteiro em madeira, com rodízios, de Ivo Lajner, Centro Universitário Belas Artes, terceiro colocado. Abaixo, à direita, o segundo colocado, Cesto Centopéia, de Magda Carlos Borges, Universidade Presbiteriana Mackenzie, em PVC e polipropileno, adapta-se ao volume de roupas colocadas em seu interior. No pé da página, empatado no terceiro lugar, Gabinete Móvel, de Bruno Manes Patat, Fundação Armando Álvares Penteado, para banheiros compactos, armazena papel higiênico, porta-revista, lixo e outros acessórios

Técnico e Tendências da empresa.

em toda a capital e

O segundo lugar ficou com Magda Carlos Borges, da

na grande São Paulo.

Universidade Mackenzie, com o Cesto Centopéia. O

O concurso também

projeto foi concebido a partir de materiais reaproveita-

agregou créditos ao

dos, o que valeu a atenção da comissão julgadora.

currículo acadêmico, já que todas

Bruno Manes Patat, da Fundação Armando Álvares

as idéias fizeram parte da disciplina do curso, com

Penteado, e Ivo Lajner, do Centro Universitário Belas

acompanhamento dos professores.

Artes de São Paulo, foram os premiados na terceira

O próximo concurso já foi lançado, e o tema é um

colocação com os projetos Gabinete Móvel e On De-

grande desafio. Será que veremos soluções não-con-

mand, respectivamente.

formistas, propostas experimentais que proporcio-

Nessa primeira edição, o Prêmio Tok & Stok de Design

nem novas atitudes no sentar – século XXI! – e novos

Universitário contemplou a participação dos estudantes

caminhos no design?

de cursos superiores de 12 instituições, reconhecidas

Coragem, designers! Esperamos de vocês tudo isso, e

pelo MEC, localizadas

mais – que os produtos sejam produzíveis e vendáveis. ❉

Comissão julgadora: Regis Dubrule, presidente da Tok & Stok; Ademir Bueno, gerente de Design, Apoio Técnico e Tendências da Tok & Stok; Guilherme Bender, designer e professor; Marici Vila, gerente da Associação dos Designers de Produtos (ADP); Maria Helena Estrada, editora da revista ARC DESIGN. Coordenação do projeto: Auresnede Pires Stephan (Professor Eddy) 52 ARC DESIGN


505393_21x28_326_2.pdf

Preencha com D&D.

D&D. O SEU SHOPPING DE DECORAÇÃO E DESIGN Av. das Nações Unidas, 12.555 - São Paulo - S.P. - (11) 3043-9000 - Aberto aos domingos


abiplast Final

15/12/2006

13:16

Page 54

DE CONCURSOS E CRITÉRIOS A Abiplast e o Centro São Paulo Design premiam, pelo segundo ano consecutivo, o plástico e seu uso “politicamente correto”. Cresce o número de concorrentes, melhora a qualidade de projetos e produtos. O que estará faltando para nos tornarmos competitivos no mercado internacional?

Maria Helena Estrada Nos concursos, são frequentes os projetos que deveriam ser realizados em plástico, mas são apresentados em madeira, porque a indústria promotora era do setor, ou vice-versa. Assim, a adequação do objeto ao material escolhido para produzi-lo foi uma das primeiras exigências do júri ao selecionar os concorrentes. Dito em outras palavras, o imperativo do uso adequado do plástico foi um fator determinante para a escolha dos produtos vencedores. A inovação tecnológica, condição necessária

Nesta página, pasta Magic Folder, prêmio único na categoria Estudante. Inovação, funcionalidade, estética e inteligência construtiva são os atributos dessa peça em polipropileno cortado e vincado: vai do formato A4 ao A3 com um simples gesto; design Paulo Gustavo Italiani. No alto da página ao lado, menção honrosa na categoria Profissional, os potes organizadores empilháveis Tot, de Gértri Bodini: novo desenho e qualidade produtiva, realizados em injeção de polipropileno e acrílico


abiplast Final

15/12/2006

13:16

Page 55

e indispensável em produtos formal ou funcionalmente

segurança, facilidade de uso, funcionalidade, acesso uni-

inovadores, também é condição essencial para julgar a

versal; sustentabilidade, envolvendo redução de recur-

qualidade da proposta.

sos, extensão da vida útil, eficiência energética na pro-

Além desses, os “serviços” prestados pelo produto, nos

dução e uso reparo/reutilização, e destinação final; po-

quais se incluem a funcionalidade, a responsabilidade

tencial exportador ou de substituição de exportações.

social e o compromisso ambiental são requisitos não

Acrescentando a esses critérios o de potencial de co-

apenas dos produtos em plástico, mas de qualquer ou-

mercialização, acho que temos aqui um esboço de regu-

tro que passe a povoar nosso universo.

lamento ideal para qualquer concurso de design que já

A Abiplast e o Centro São Paulo Design sinalizaram es-

exista ou venha a ser criado. ❉ O júri do Prêmio Abiplast 2006 foi composto por Alessandro Ventura, Ana Prata Girão, Auresnede Stephan (prof. Eddy), Edson Danta, Fausto Longo, Fernando Jaeger, Lars Diederichsen, Maria Helena Estrada, Ricardo Scura, Susana Serrão e Teresa Gouvêa

ses requisitos ao enumerar os critérios de avaliação: inovação em design; estética; uso inteligente do material; benefícios ao usuário, incluindo desempenho, conforto,

Abaixo, à esquerda, 2º lugar na categoria Profissional, lavadora Belíssima, projeto Chelles & Hayashi Design: em termoplástico injetado, apresenta solução de baixo custo. Na sequência, menção honrosa na categoria Profissional, garrafa Flow Water, design Cauduro Martino: embalagem – cara – que ressalta a excelência do produto, criada “a partir de uma sequência de círculos de diâmetros variáveis, deslocados do eixo da base”; em PET, é fabricada em duas etapas: injeção de resina e sopro com estiramento. À direita, vencedor na categoria Profissional, torneira Blanc, design Heitor Éckeli, em plástico injetado, tem como premissa a criação de um produto de custo reduzido com valores agregados de design e qualidade


arquitetura ron arad Final

15/12/2006

13:19

Page 56

RON ARAD, ARQUITETO Ron Arad tem alma incansável de desbravador de novos mundos. Seu tema é a inovação, explorando sempre possíveis materiais e tecnologias. As formas muitas vezes se repetem – e é neste ponto que ele antecipa a compreensão do design contemporâneo, onde inovação não é sinônimo apenas de uma nova forma, mas de outra perspectiva e olhar sobre o objeto

56 ARC DESIGN


arquitetura ron arad Final

15/12/2006

13:19

Page 57

Da Redação A partir de grandes peças soldadas por ele mesmo em um galpão em Londres, nos anos 1980, Ron Arad percorreu no design todas as possibilidades do aço. Quem não se lembra das grandes poltronas com soldas aparentes, e da Well Tempered Chair, em aço temperado? Numa segunda etapa, sem modificar radicalmente seu traço, ou à tipologia à qual se dedica – a cadeira –, Arad começa a experimentar com o plástico, até chegar às diversas resinas e ao Corian, dando a este material recursos ainda não explorados. Agora, mais uma vez, o designer diversifica: seu constante exercício de experimentação se desloca para a arquitetura, de prédios e de interiores. O Hotel Duomo, 4 estrelas, no centro antigo de Rimini, cidade litorânea do Adriático, é o primeiro projeto integral para um hotel, realizado por Arad: da fachada à personalidade, em pequenos e grandes detalhes. A intervenção

Parcialmente revestida em bronze, a nova fachada do Hotel Duomo (no pé da página ao lado) se destaca em meio a outros edifícios sem agredir o entorno. A “pele” de bronze se estende da fachada até o restaurante (abaixo), onde reveste paredes, forro e a bancada central, com seus nichos. Acima, destaque para as curvas “aradianas” da bancada, no croqui do arquiteto. No alto da página ao lado, o grande anel em aço inox polido abriga a recepção, ponto focal do projeto


arquitetura ron arad Final

15/12/2006

13:19

Page 58


arquitetura ron arad Final

15/12/2006

13:20

Page 59

Ao lado, vista parcial do banheiro de um dos quartos; embaixo, detalhe mostra o banco do restaurante, que finaliza o percurso da fachada no interior do edifício. Na página ao lado, vista da entrada principal: ao cruzar as portas que remetem ao jogo pinball, o hóspede já visualiza o balcão da recepção

de Arad no Hotel Puerta América, de Madri, foi o que despertou a atenção do proprietário desse antigo hotel do centro velho de Rimini. “O design de Arad representa uma nova forma de usar e organizar o espaço de um modo altamente provocativo e criativo”, comenta Pierpaolo Bernardi, proprietário do hotel. A fachada, sem recuo, em meio a outras construções de época, foi revestida com uma nova pele, em bronze, que alcança o interior e se transforma na parede de fundo do bar, espichando-se em curvas “aradianas” até formar um banco – gesto que une exterior e interior, fazendo com que os espaços do hotel simulem uma extensão natural da rua. Grandes portas de aço inox, que lembram as pás rebatedoras do jogo pinball, demarcam a entrada e emolduram a vista do balcão de recepção, ponto focal do projeto. Um enorme anel em aço inox polido, que parece desafiar a gravidade, abriga a recepção. Com seu interior pintado em vermelho, nas partes vazadas, e uma iluminação fluorescente, o grande módulo torna-se ainda mais espetacular – e destinado a se tornar um ponto de referência na pacata Rimini. Anexos à recepção, outras variações em torno das curvas formam o teatral bar NoMi, com áreas para restaurante e bar. Na parte central, uma enorme mesa comum, em forma de “U”, com reentrâncias que funcionam como nichos – ou fiordes, nas palavras de Arad –, tem tampos em bronze, com as laterais em aço polido. Grossas colunas, também em aço espelhado, completam o ambiente. Quartos e banheiros remetem à primeira incursão de Arad no planejamento de interiores, quando expôs na mostra institucional Grand Hotel Salone – realizada em 2003 durante o Salão do Móvel – seu conceito de integração, com módulos moldados em Corian. ❉ 59 ARC DESIGN


arquitetura ron arad Final

15/12/2006

13:20

Page 60

MAGIS COMPANY HEADQUARTERS – TREVISO, ITÁLIA A Magis, empresa especializada em mobiliário de alta tecnologia em plástico, encomendou o projeto de sua nova sede a Ron Arad, um dos designers de seu time de criadores. Coerente com sua filosofia empresarial, a nova sede é totalmente inovadora. O arquiteto projetou instalações que incluem depósito, escritórios, show-room, estúdios de design, sala de reuniões e instalações para os funcionários. Como o programa exigia um enorme depósito, cujo tamanho dominaria todo o complexo, a solução foi criar um cluster de pequenos edifícios conectados entre si, formando um pátio central e ligados ao

depósito gigante por meio de uma ponte cônica. A fachada desses edifícios é opaca em relação à periferia e transparente nas partes que se voltam para o centro. Como é um projeto de custo relativamente baixo, os edifícios são formados pela repetição de uma viga “L” com formas esculturais. O dinamismo do projeto é obtido pela variação do ângulo de colocação das vigas. Cada um dos edifícios é baixo no lado estreito da forma afunilada e o pé-direito aumenta em direção ao lado maior. Dessa forma, os blocos se encontram na sobreposição dos telhados, e a parte baixa de um edifício penetra no lado alto do próximo.


arquitetura ron arad Final

15/12/2006

13:20

Page 61

NATIONAL DESIGN MUSEUM – HOLON, ISRAEL A idéia da municipalidade de Holon era a de criar o primeiro museu de design de Israel, com uma arquitetura que tivesse um impacto capaz de promover o design de Israel, não só no país, como no exterior. Organizado segundo o conceito de museu vivo, seu objetivo não será apenas o de colecionar peças, mas de se tornar uma plataforma para exposições e para a reflexão sobre o design de Israel em confronto com o design internacional. A exploração da tensão entre uma distribuição interna eficiente, com espaços em forma de paralelepípedo, e as curvas dinâmicas do envelope externo, foi o conceito norteador do projeto. O elemento-chave

do edifício é um conjunto formado por cinco faixas de aço corten, que envolve a construção e permeia também os espaços internos. Essas faixas envolvem a maior parte do exterior do museu (com exceção da fachada sul); no interior, às vezes circundam os espaços e, outras vezes, literalmente os definem. “As faixas de aço corten atuam como uma espinha para o edifício, suportando-o estruturalmente e ditando sua postura em relação ao entorno”, explica Arad. A construção do museu teve início em agosto de 2006. O edifício deve ser aberto ao público no final de 2008.


Congresso ASBEA Final

15/12/2006

13:28

Page 62

Acima, Ventura Corporate Towers, projeto do escritório de arquitetura Aflalo e Gasperini e Khon Pederesen Fox Associates, recebeu a certificação norte-americana LEED que, dentre outros parâmetros, analisa a existência de reservatório para retenção de água da chuva e a utilização de coberturas que impedem a absorção de calor

SUSTENTABILIDADE NA PRÁTICA Conceitos, ferramentas, metodologias, técnicas, cases de sucesso... Informações técnicas atuais sobre a sustentabilidade no universo da arquitetura e da construção civil foram o foco do 5º Encontro Regional organizado pela Associação Brasileira dos Escritórios de Arquitetura (AsBEA)

Da Redação

62 ARC DESIGN

Obra sustentável não é mais cara. Este foi o primeiro

dras pode, hoje, ser considerada um crime, mas nunca

mito esclarecido durante o encontro. Prova dessa afir-

foi refeita e sobreviveu a um sem-número de terremo-

mação é o projeto de duas torres de apartamentos apre-

tos e ataques”, argumenta.

sentado por Giorgio Vanossi. Entre outros fatores ecoló-

A redução de energia graças ao desenvolvimento de

gicos, o condomínio emprega o sistema de reuso de

tecnologias adequadas foi o tema do arquiteto Guinter

água, que “representou apenas 1% a mais no custo total

Parschalk, que mostrou produtos do laboratório aus-

da obra e, agora, gera economia real”, revela Vanossi.

tríaco de design Bartenchbach L’chtLabor, como as

O professor Geraldo Serra, doutor em Estruturas Am-

persianas que amplificam o uso da luz natural, redirecio-

bientais Urbanas pela USP, exemplificou sua tese de

nando-a para o teto, onde é refletida para todo o ambiente.

que durabilidade gera sustentabilidade. “A construção

O arquiteto Márcio Porto revelou como é possível evitar

da Igreja de Santa Sofia, na Turquia, com o uso de pe-

incidência direta da luz com o projeto da nova sede da


Congresso ASBEA Final

15/12/2006

13:29

Page 63

Acima e abaixo, projeto da nova sede da Petrobras em Vitória-ES, desenvolvido pelo escritório de arquitetura Sidonio Porto, com soluções que evitam incidência direta da luz solar, como jardins suspensos, quebra-sóis, e sombreamento constante das fachadas, além do encaminhamento dos ventos atuantes Imagens Sidonio Porto Arquitetos Associados

63 ARC DESIGN


15/12/2006

13:29

Page 64

Clarissa Turra

Bartenbach

Congresso ASBEA Final

Acima, à esquerda, persianas desenvolvidas pelo laboratório de design austríaco “Bartenchbach L’chtLabor”, que redirecionam a luz para o teto, onde sofre reflexão e passa a iluminar o ambiente de maneira indireta, minimizando o consumo de energia elétrica e o acúmulo de carga térmica no interior dos ambientes. Na sequência, imagens do piso drenante composto de fibra de coco, cimento e pedra; por ser muito poroso, absorve facilmente a água da chuva ajudando a evitar alagamentos e excesso de impermeabilização das calçadas

64 ARC DESIGN

Petrobras, em Vitória, a qual tem sombreamento cons-

A arquiteta Vanessa Gomes, que integra a diretoria da

tante das fachadas graças a jardins suspensos e quebra-

International Initiative for Sustainable Building Envi-

sóis, além do encaminhamento dos ventos atuantes.

ronment (iiSBE), falou sobre as certificações de de-

Problemas de alagamento, questão crucial, foi abordada

sempenho ambiental de alguns países e sobre os sis-

pelo arquiteto e paisagista Benedito Abbud, que apre-

temas de avaliação ambiental disponíveis. Um dos

sentou sua proposta de pisos drenantes nas calçadas.

principais resultados do encontro foi, na verdade, o

Compostas por fibra de coco, cimento e pedras, essas

comprometimento da AsBEA em contribuir para a cria-

placas porosas absorveriam com eficiência a água da

ção de modelos de certificação. “Esses modelos defi-

chuva, eliminando a necessidade de “piscinões” ou ou-

nem quais as características necessárias para qualifi-

tras soluções caras.

car uma construção como sustentável ou não”, expli-

O projeto do Ventura Corporate Towers foi apresentado

ca Paulo Lisboa, vice-presidente de planejamento da

pela arquiteta Milene Sabbag Abla, do escritório Aflalo e

associação e coordenador do evento. Outro compro-

Gasperini: duas torres comerciais que receberam a cer-

misso assumido foi também o de apoiar a formação de

tificação prata Green Building Ratio System, instituída

um “Green Building” brasileiro, com a função de pro-

pelo Leadership in Energy and Environmental Design

mover ações focadas na sustentabilidade no universo

(LEED), importante entidade norte-americana.

da arquitetura e da construção. ❉


Opiniao Seragini 51 Final2

15/12/2006

13:36

Page 66

O NOVO PENSAMENTO DO DESIGN LIDERANDO A INOVAÇÃO Lincoln Seragini Uma nova profissão está surgindo no mundo: a que

em sistemas de análise/controle e melhorias contínuas

une o design com os negócios, criando outra aborda-

se esgotaram, afirmaram os CEOs presentes no Fó-

gem em relação à gestão da inovação nas empresas.

rum. As empresas não encontram mais respostas

Esse conceito teve o seu grande anúncio no último

para seus problemas de crescimento lucrativo apenas

Fórum Econômico Mundial 2006 (Davos), cujo tema

nessas técnicas (Planejamento Estratégico com visão

central foi “O Imperativo Criativo”. Nada menos do

interna, ERP, CRM, TQM e outros sistemas orientados

que 22 sessões foram apresentadas sob a égide “Cria-

para a rentabilidade e qualidade em si). A segunda res-

tividade, Inovação & Estratégias de Design”, não

posta está na crença crescente de que o Pensamento

deixando mais dúvidas de que o design e a inovação

de Design é o novo modelo de gestão capaz de enfren-

chegaram ao topo das preocupações empresariais.

tar os desafios e a complexidade do mundo atual, não

A pergunta que cabe fazer é: por que o design chegou

só no âmbito dos negócios como também nos temas

tão alto nesse Fórum, que agrupa as maiores lideranças

públicos, como saúde, habitação, educação, lazer e

empresariais e a vanguarda do pensamento mundial?

tantos outros problemas de ordem social.

Duas respostas pelo menos foram dadas no evento: a

Quais as implicações dessa constatação? Primeiro, em

primeira é que os modelos atuais de gestão baseados

nível gerencial e organizacional, o design deverá assumir

Abaixo, à esquerda, triciclo Tico-Tico, para Brinquedos Bandeirante, um dos primeiros modelos em plástico, sucesso de vendas da empresa. À direita, filtro de barro, cujo desenho permite perfeito encaixe na base de plástico e com nova tecnologia que aumenta o grau de pureza da água para 90%

66 ARC DESIGN


Opiniao Seragini 51 Final2

15/12/2006

13:36

Page 67

um papel mais relevante na gestão, tanto hierárquica

as marcas. Assim, a experiência da marca se tornou um

como funcionalmente. A visão que o design oferece em

todo, by design, incluindo qualquer ponto de contato

todo o processo de inovação – desde descobrir o que os

com o consumidor. O design predomina porque é atra-

consumidores não sabem ainda que querem até a via-

vés dele que se cria e se materializam as experiências.

bilização da implementação dos projetos – começa a ser

Conforme afirma Bruce Nussbaum, editor de design da

imprescindível como estratégia. Segundo, no ensino e

revista Business Week, o paradigma da gestão global

formação profissional: o executivo deverá aprender

está mudando do lado esquerdo do cérebro (racional)

gestão de design como o designer deverá aprender ges-

para o direito (criativo) e o novo mantra da administração

tão de negócios. Deve-se investir cada vez mais no de-

é a inovação rompedora, por meio do “creative design

senvolvimento das Estratégias & Pensamento de Design,

thinking”. Ele está substituindo o velho “business value

revisando os currículos das escolas, para enfatizar

proposition” da melhoria contínua.

mais “criação” e menos “administração”, e ensinar às

As empresas de ponta estão se tornando o que se

pessoas os fundamentos do design e da inovação.

chama “design centric companies”. Procter & Gamble

O design está evoluindo para um novo campo – design

/ Gillette (a maior empresa de produtos de consumo

innovation, o design das experiências do consumidor:

do mundo), Apple, Samsung, Nokia, IKEA, Amazon,

informação, interação, produtos, ambientes e serviços

BMW, Johnson&Johnson, entre outras. E, no Brasil,

que requerem cada vez mais inovação. Foi o conceito da

Natura, Brastemp, Nestlé, O Boticário, Gradiente e Em-

experiência da marca que abriu as portas para este

braer são algumas das empresas que estão colocando

novo pensamento de design. As experiências do consu-

o design nesse nível. Não há dúvidas que o design está

midor em relação à marca vão além dos produtos e ser-

chegando ao topo, e cada vez mais empresas seguirão

viços que a empresa oferece. Ela mora no coração das

esses líderes. ❉

percepções do consumidor, com experiências positivas, sensações e emoções baseadas em sua interação com

Lincoln Seragini – Seragini/Farné – Design de Idéias / Marca / Inovação

Abaixo, à esquerda, redesign da marca Amor aos Pedaços, incluindo logotipo, arquitetura, embalagem, equipamento, iluminação e frota, entre outros itens. À direita, primeira máquina de costura Singer com design desenvolvido no Brasil, responsável por criar uma identidade para a marca

67 ARC DESIGN


Expediente 51 Final

15/12/2006

13:38

Page 68

Uma Publicação Quadrifoglio Editora ARC DESIGN nº 51, dezembro 2006

Apoio:

Diretora Editora Maria Helena Estrada Diretor de Marketing Cristiano S. Barata Diretora de Arte Fernanda Sarmento

Apoio Institucional:

REDAÇÃO Editora Geral Maria Helena Estrada Editora de Design Gráfico Fernanda Sarmento Chefe de Redação Winnie Bastian Redatora Keila Bis Revisora Jô A. Santucci

ARC DESIGN – endereço para correspondência Rua Lisboa, 493 – CEP 05413-000 São Paulo – SP Telefones Tronco-chave: (11) 6808-6000 Fax: (11) 6808-6026

ARTE Designers Ana Beatriz Avolio Betina Hakim

E-mails Administração administracao@arcdesign.com.br

Estagiário Danilo Costabile

Assinaturas assinatura@arcdesign.com.br

Participaram desta edição Baba Vacaro Juliana Mariz Luis Calazans Luz Nelson Aguilar

Direção de Arte arte@arcdesign.com.br

Marketing Ana Thereza Gil, Guilherme Vilela

Marketing mkt@arcdesign.com.br

Circulação e Assinaturas Lúcia Martins Pereira, Silvia Rosa Silva

Publicidade comercial@arcdesign.com.br

Conselho Consultivo Professor Jorge Cunha Lima, diretor da Fundação Padre Anchieta; arquiteto Julio Katinsky; Emanuel Araujo; Maureen Bisilliat; João Bezerra, designer, especialista em ergonomia; Rodrigo Rodriquez, especialista em cultura e design europeus, consultor de ARC DESIGN para assuntos internacionais Pré-impressão Cantadori Artes Gráficas Ltda. Impressão Prol

Editora editora@arcdesign.com.br

Redação redacao@arcdesign.com.br

Os direitos das fotos e dos textos assinados pelos colaboradores da ARC DESIGN são de propriedade dos autores. As fotos de divulgação foram cedidas pelas empresas, instituições ou profissionais referidos nas matérias. A reprodução de toda e qualquer parte da revista só é permitida com a autorização prévia dos editores, por escrito.

Papel: Suzano Papel capa: Couché Suzano Matte 230g/m2 miolo: Couché Suzano Silk L2 130g/m2

Cromos e demais materiais recebidos para publicação, sem solicitação prévia de ARC DESIGN, não serão devolvidos.

Distribuição nacional Fernando Chinaglia Distribuidora S/A

www.arcdesign.com.br


Anuncio e-news 43

21/07/2005

19:50

Page 1

ARC DESIGN

E-NEWS

Ágil. Instigante. Informativo. Opinativo.

JUM NAKAO É DESTAQUE NO SÃO PAULO FASHION WEEK Na passarela, a cor branca sobressaia nos corpos cobertos

Cadastre-se e receba quinzenalmente ARC

por um colante preto. As “paper dolls” – produzidas com maquiagem carregada e peruca estilo Playmobil – exibiam

DESIGN E-news, informativo eletrônico com

peças elaboradas, inspiradas em trajes do fim do século 19: vestidos perfeccionistas, saias de construção volumétrica e blusas com mangas bufantes – modelagens confeccionadas

notícias indispensáveis de todo o mundo

com quase uma tonelada de papel vegetal e “costuradas” com fita crepe. Para o efeito admirável da estamparia, das

sobre design, arquitetura, moda, cultura

rendas e dos babados, utilizou-se a tecnologia dos cortes a laser. Um trabalho de excelência, aniquilado ferozmente pe-

material, exposições e matérias especiais.

las 15 modelos no término do desfile. Valendo-se da arte conceitual, a pretensão do autor foi atingida. A coleção “Desejos” ignorou o aspecto comercial e provocou reflexões importantes acerca do universo da moda. “O que eu queria era exatamente isto: levar emoção, fazer as pessoas

ARC DESIGN E-NEWS ARC DESIGN mais perto de você

pensarem, entenderem que a moda é transitória. Quis abordar ainda a questão do inatingível; as roupas rasgadas representam a inevitabilidade da perda, geram a falta, criam

CADASTRE-SE GRATUITAMENTE

www.arcdesign.com.br

o vazio”, argumenta o criador, Jum Nakao. Veja matéria completa no site

• Assine a revista ARC DESIGN • Complete sua coleção

Tel. (11) 6808 6000 ou www.arcdesign.com.br


loucos por design 51 Final

15/12/2006

13:39

Page 70


loucos por design 51 Final

15/12/2006

13:40

Page 71

LOUCOS POR DESIGN A simplicidade da forma ou a força das criações autorais? Alexandre Herchcovitch, nosso entrevistado desta edição, escolhe ficar com os dois. O estilista paulistano, mundialmente famoso por seu trabalho cheio de personalidade, tem grande admiração pelos objetos de design anônimo. A aparente contradição se resolve quando Herchcovitch revela que o motivo da escolha é a inovação por trás desses objetos... Da Redação / Fotos Nelson Aguilar

ARC DESIGN – Quando e com qual objeto sua atenção foi desALEXANDRE HERCHCOVITCH – Quando, não me lembro, mas o

AH – A simplicidade da idéia para responder a um problema complexo. Escolhi um clipe, um abridor de garrafa/lata, um par de hashis (chopsticks) e um alfinete de segurança.

que realmente me chama atenção são as coisas simples, que nem sempre as pessoas param para ver o que está por trás, o pensamento que antecedeu a criação de tal objeto. Uma simples régua, um escorredor/peneira para lavar arroz, um grampeador... Objetos assim me chamam atenção até hoje.

ARC DESIGN – Qual designer brasileiro você citaria como destaque? Por quê? AH – Sergio Rodrigues. Suas criações, além de intrigantes, têm muito humor, a meu ver.

ARC DESIGN – A que você dá mais atenção: à forma, ao mate-

ARC DESIGN – E quanto aos designers internacionais, há algum

rial de que o objeto é feito ou à utilidade? AH – Ao conjunto. É impossível separar material da forma, forma da utilidade e assim por diante... design é tudo junto.

que você admire mais? Por quê? AH – Ettore Sottsass, entre muitos, pois criou um estilo inconfundível. Num mar de criações sem personalidade, quem consegue criar algo que pode ser facilmente reconhecível merece ser citado para sempre.

pertada para o design?

ARC DESIGN – O que motivou sua escolha das peças aqui publicadas?

A essencialidade da função nas três peças anônimas: alfinete, clipe e abridor de latas. A escolha mostra o olhar do designer Alexandre Herchcovitch, do rigor formal à fantasia de suas inúmeras criações

71 ARC DESIGN


COMO ENCONTRAR

como encontrar51 Final

15/12/2006

13:42

Page 72

100% DESIGN TOKYO

DE CONCURSOS E CRITÉRIOS

100% Design www.100percentdesign.jp

Abiplast www.abiplast.org.br

DESIGN – MUTAÇÕES EM CURSO

Cauduro Martino info@cauduromartino.com.br

Chelles & Hayashi Design www.design.ind.br

Centro São Paulo Design www.cspd.com.br

Edison Luiz Anholon edison.anholon@deca.com.br

Chelles & Hayashi Design www.design.ind.br

Indio da Costa Arquitetura e Design www.indiodacosta.com

Gértri Bodini www.gertri.com

Mendes-Hirth Marcenaria www.mendes-hirth.com

Heitor Eckeli heitor@d4c.com.br

Museu da Casa Brasileira Av. Brigadeiro Faria Lima, 2.705 – São Paulo www.mcb.sp.gov.br

Paulo Gustavo Italiani pauloitaliani@yahoo.com

Nó Design www.nodesign.com.br

À EXPERIMENTAÇÃO PELO AMOR NÃO AO AMOR DESCARTÁVEL

Questto Design www.questtodesign.com.br

Satori satorilab@gmail.com www.satorilab.blogspot.com

Rafael Moreno rafaelmoreno@terra.com.br Ricardo Rangel www.ricardorangel.com.br Rodrigo do Vale Ciossani rodrigodvc@uol.com.br

MUITO ALÉM DO DESIGN Artecnica contato@artecnicainc.com.br Loja-Ateliê Ovo www.ovo.art.br

Sergio Rodrigues www.sergiorodrigues.com.br

DESIGN UNIVERSITÁRIO PREMIADO Sergio Velloso www.combinadoestudio.com

DIXON NA MODA Lacoste www.lacoste.com Tom Dixon www.tomdixon.net

RON ARAD ARQUITETO Ron Arad www.ronarad.com

Bruno Manes Patat bpatat@hotmail.com Ivo Lajner ivolajner@gmail.com Magda Carlos Borges magdab@mackenzista.com.br Marília Cichini Simões macichini@gmail.com Tok & Stok Rua Eusébio Matoso, 1.231 – São Paulo www.tokstok.com.br

SUSTENTABILIDADE NA PRÁTICA

O NOVO PENSAMENTO DO DESIGN LIDERANDO A INOVAÇÃO

AsBEA www.asbea.org.br

Seragini Farné www.seraginifarne.com

ENTREVISTA: HELOÍSA CROCCO

LOUCOS POR DESIGN

Heloísa Crocco www.heloisacrocco.com.br

Alexandre Herchcovitch www.alexandreherchcovitch.com


Drawing by Guido Scarabottolo

No dia 18 de Abril abre o Salão Internacional do Móvel

Salone Internazionale del Mobile / Salão Internacional do Móvel Euroluce, Salão Internacional da Iluminação Salão Internacional do Complemento de Decoração de Interiores SaloneSatellite Novo Recinto da Feira de Milão, Rho, 18/23.04.07 Cosmit spa Foro Buonaparte 65 20121 Milano, Italia

+ 39 02725941 + 39 0289011563 fax

www.cosmit.it e-mail info@cosmit.it

Arc Design  

Edição nº51 http://bibliotecarquitectura.blogspot.com/

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you