Page 1

COMENTÁRIO À REGRA DA

MILITIA SANCTAE MARIAE - Capítulo de 26 de março de 2014_______________________________________________________________ CAPÍTULO III - COMO DEVE SER O CAVALEIRO DE SANTA MARIA 1. Aquele que entrou na Ordem de Santa Maria tomou a Cruz e fez a Cristo o sacrifício de sua, aceitando de antemão os combates, as contradições, as humilhações e a morte que o Senhor Jesus, no seu imenso amor para com todos os homens, se dignou tomar sobre Si e partilhar com os seus amigos. Recebe por lei o Código de Honra Cavaleiresca, expressão de sua absoluta fidelidade a Deus: I - O Cavaleiro combate por Cristo e pelo Seu reino. II - O Cavaleiro serve a sua Dama a Virgem Maria. III - O Cavaleiro defende a Santa Igreja até ao sangue. IV - O Cavaleiro mantém as tradições dos seus antepassados. V - O Cavaleiro combate pela Justiça, pela Ordem Cristã e pela Paz. VI - O Cavaleiro trava contra o mundo e o seu Príncipe uma guerra sem trégua nem descanso. VII - O Cavaleiro honra e protege os pobres, os fracos os deserdados. VIII - O Cavaleiro despreza o dinheiro e os poderes deste mundo. IX - O Cavaleiro é humilde, magnânimo e leal. X - O Cavaleiro é puro e cortês, ardente e fiel. _______________________________________________________________________


No passado dia 13 de março, o Papa Francisco, dirigindo-se a um grande grupo de jovens casais que se preparavam para o casamento disse o seguinte: “Viver juntos é uma arte, um caminho paciente, belo e fascinante. Não acaba quando se conquistaram um ao outro, aliás é aí mesmo que começa. Este é um caminho de cada dia que tem regras que se podem resumir em três palavras, que repito tantas vezes às famílias: posso, desculpa e obrigado." Esta frase do Papa, devidamente adaptada pode ser aplicada a nossa vida de membros da Militia, e em sentido mais lato à nossa vida de cristãos. Todos nós, no dia-a-dia temos que nos relacionar com o outro… toda a nossa vida se desenrola em sociedade. Somos um ser social, já que desde o nosso nascimento somos inseridos em grupos, primeiramente em grupos familiares, e depois em todos aqueles que livremente escolhemos, tal como o grupo de amigos, os grupos de trabalho, ou outros que nos são impostos por uma série de variantes. Assim, nas nossas relações, aquelas palavras que o Papa aplicou ao casamento, aplicam-se com a mesma força: se queremos viver em sociedade, devemos ter sempre presentes aquelas mesmas três palavras. Do mesmo modo, como membros da Militia, que nos diz que devemos combater por Cristo e pelo Seu Reino, honrando e protegendo os pobres, sendo humilde, magnânimo e leal, puro e cortês, ardente e fiel, nada mais natural que usarmos e abusarmos do posso, do desculpa e do obrigado. O “posso” é segundo o Papa um “pedido amável para entrar na vida de alguém, com respeito e atenção”. É isso que a Regra no impele, que por Cristo entremos na vida dos outros e que os levemos a caminhar connosco o caminho da salvação. O “obrigado” é para o Papa um agradecer a Deus o ter colocado os outros no nosso caminho. Por fim o Papa refere-se ao pedir desculpa… na vida nem sempre temos razão… e quando não a tivermos, devemos assumir o nosso erro e pedir desculpa. Ainda neste mesmo dia, o Papa Francisco dizia que “as pessoas têm medo de fazer escolhas definitivas”. É certo que, tal como já dizia o ditado, o futuro a Deus pertence, e que nunca se sabe o dia de amanhã. Mas também é certo que só poderemos viver uma vida boa se tivermos coragem de assumir compromissos sérios… e o compromisso mais sério que firmamos é o de combater por Cristo e pelo Seu Reino um combate pela Justiça, pela Ordem Cristã e pela Paz, um combate contra o mundo e o seu Príncipe, uma guerra sem trégua nem descanso, que nos leve a nós próprios e a todos aqueles que nos rodeiam ao Reino de Deus. Assim seja. Filipe Amorim

Comentário à Regra da Militia Sanctae Mariae, Braga, 26mar2014  
Comentário à Regra da Militia Sanctae Mariae, Braga, 26mar2014  

Comentário à Regra da Militia Sanctae Mariae, realizado o Capítulo Provincial de Braga, em 26 de março de 2014

Advertisement