Issuu on Google+

Referências e primeiras Impressões

Sobre o “Tempo” e partindo de conceitos como: elementos SOL/LUA, tecnologia, paradoxo, vida, luz, box, movimento, metáfora, calendário; e sob uma ideia de que para a concretização do projecto este deve ficar a custo zero e para isso recorrer á reciclagem foram reflectidos os seguintes autores a nível internacional Bill Viola, Marina Abramovic, Douglas Gordon, Marcel.LI Antunez Roca, a nível nacional Helena Almeida e Alexandre Estrela.

Bill Viola serve a este projecto e como referência escolho a sua instalação “Five Angels for the Millennium” pela sua abordagem à espiritualidade em relação ao espaço e a sua relação com espectador assim como a sua experiência de apresentação multimédia na projecção. Marcel Li Antunez Roca o seu trabalho de media-Mix e reconhecido por todo mundo, a suas performances misturam-se com a arte electrónica com o seu experimentalismo Cénico explorando todo o universo visual em que as suas instalações interactivas deixam o público entrar na arte fazer parte dela. Outro nome em reflexão foi o de Marina Abramovic artista também ela reconhecida mundialmente levou os seus limites físicos ao máximo tanto com as suas performances assim como o seu estilo de vida, em que a sua própria história individual serve também ela de testemunho artístico. O artista Douglas Gordon com o seu trabalho ”what have i done” serve como referencia no sentido que a sombra também é ela um elemento de projecção que atravessa o tempo na obra dele mencionada o autor faz essa referencia sombra. “so that at times the man is looking at himself looking at his shadow”. O tempo e uma sombra do presente. No panorama nacional nome versados Helena Almeida que explora a fotografia e a pintura “ a sua relação entre o corpo e espaço, nomeadamente o espaço do seu atelier” o espaço torna-se em simultâneo irónico e lúdico dentro da arte conceptual. Outro nome Alexandre Estrela com a sua conceito de tornar o espaço publico um primeiro momento da exposição, ele prepara o espectador psicologicamente, aguçando ironicamente a sua actividade, antes mesmo da peça ser autónoma elas constituem-se como mais um elemento que vai contribuir para uma grande peça final “grande escultura” e é assim que este transforma o espaço o espaço expositivo, reformou a acção e transformo numa forma gigantesca espécie de Skinner Box² ² “Câmara artilhada de dispositivos capazes de grande variedade de estímulos (luzes, som, música, figuras, descargas, eléctricas…) . http://www.serralves.pt/pt/actividades/alexandre-estrela-meio-concreto/ http://www.cam.gulbenkian.pt/index.php?article=60124&visual=2&langId=1 http://arts.theguardian.com/pictures/image/0,8543,-10404531576,00.html http://www.gagosian.com/artists/douglas-gordon http://www.updateordie.com/2012/04/04/o-enigmatico-universo-de-marina-abramovic-2/ http://www.billviola.com/index.htm

1


Primeiras Reflexões

Após ter revistos os vários artistas mencionados, e em modo de formulação de ideias sobre o tema "Tempo" idealizei, a seguinte instalação, na qual estarei presente (obra), enquanto performance; representando a metamorfose do "Tempo" enquanto sombra, para isto, na concretização vão ser necessários, dois protectores, que cruzados que resultara numa projecção que angulara os 45 graus, a ideia é que estejam duas projecções a acontecer em simultâneo. Estarei no meio, o que provocara sombras na própria tela de projecção, que serão assumidas e coreografadas. O público é também convidado a entrar na obra. As imagens a utilizar são um vídeo Pink floyd- Time (com animação em flash) e com imagens próprias em efeito espelho. A fim de compor-se que o Tempo e o momento, foi marcado pela sombra nos primeiros relógios e que depois com evolução se tornaram em máquinas de controlo massivo e opressivo do Ócio humano. Serve a este projecto no sentido que suas performances misturam-se com a sua arte electrónica. Com o seu experimentalismo Cénico explorando todo o universo visual em que as suas instalações interactivas deixam as públicas entrarem na obra fazer parte dela. O seu conceito de tornar o espaço publico um primeiro momento da exposição, este prepara o espectador psicologicamente, aguçando ironicamente a sua actividade, antes mesmo da peça ser autónoma elas constituem-se como mais um elemento que vai contribuir para uma grande peça final “grande escultura” e é assim que este transforma o espaço expositivo, reformou a acção e transformo numa forma gigantesca espécie de Skinner Box²

2


Implantação do projecto Tempo

Nesta fase do projecto e depois das referências estudadas, e de alguns estudos relacionados com viabilidade de apresentação, assim como apuramento de algumas dificuldades técnicas adjacentes á ideia inicial que problematizaram a execução do projecto em si, e quais as soluções para, as ultrapassar Assim sendo este documento vai dar evidência pela seguinte ordem de trabalho:

Desenhos de estudo

Desenhos técnicos

Visualizações

Memória descritiva

 Desenhos de estudo 1ª Fase Nestes desenhos de estudo na primeira parte são alusivos as primeiras impressões que a palavra tempo significava para mim, ainda ausente de estudo das referências, ainda comporta algumas ideias do que poderia ser a instalação em si e como poderia dar conceito em resposta ao enunciado da disciplina.

3


2ª Fase Nesta fase e após análise das referências anteriormente mencionadas neste mesmo documento, elaborei uma serie de esboços, e tendo em conta também as características técnicas dos projectores por terem uma projecção cónica, ainda foram feitos testes de como, a imagem teria de ser trabalhada e editada para fazer o angulo de 45graus e de qual a distância o projector teria que estar da tela de projecção. Afim de ela (imagem) ocupar totalmente a área pretendida, isto com recurso de apenas um projector.

 Desenhos técnicos 1ª Fase Estes primeiros desenhos técnicos foram primitivamente feitos tendo em conta, as primeiras especulações do que seria o projecto final, e em momento de reflexão de ideias e soluções, assente no plano/ideia que seriam feitas duas projecções em sincrónico e que que mais tarde foi descartada pela razão que os recursos existentes eram delimitados. E também por se concluir que através da manipulação das imagens se conseguiria dar essa ilusão, e empregando apenas um projector.

4


2ª Fase Nesta segunda fase de esboços técnicos, fora avaliadas as dimensões do espaço a aplicar a instalação/performance, assim como as características a ele adjacentes; que paço a descrever, espaço físico dimensões, iluminação correcta, e ainda a existência de uma parede de espelhos que seria uma mais-valia para toda a instalação e a sua ideia conceptual pois iria ainda duplicar as projecções e proporcionar ao espectador, a ilusão bidimensional.

.

5


 Plano de implantação

1º Fase Depois das referências estudadas e com os estudos efectuados a nível características envolventes ao tema “Tempo” e a melhor forma para gerir e implanta-los, tendo em conta, os princípios a trabalhar nesta unidade curricular, tanto a nível da aquisição e desenvolvimento de competências específicas; assim como comtemplares citadas no descritor da mesma. Analise das Conjecturas de suporte da projecção vídeo, uma das componente da instalação final foram utilizadas três caixas de papelão a fim de edificar o suporte, estas foram pintadas de branco para melhor receber a projecção; como se pode ver nas fotografias seguintes.

2ª Fase

Nesta fase do projecto e depois de vários estudos, conclui-se que a projecção seria, feita numa parede branca seria o mais viável, foi ainda alterado o espaço de implantação, e a escolha feita foi a sala de Expressão e drama; pelas suas características físicas, a iluminação, e ainda pelo facto de ter um espelho de grandes Dimensões que também daria suporte e envolvência desejada ao próprio conceito abordado “ Tempo”. A nível da projecção e os seus elementos componentes:

Tratamento de imagens Relativamente ao vídeo utilizado na projecção foi elaborado com imagens de minha autoria e albergam o conceito da duplicidade e a relatividade do tempo, Passado, Presente e Futuro; pois são imagens que algumas delas tem exactamente a minha idade, outras que foram recolhidas ao longo da minha vida, em momentos de lazer trabalho ou simplesmente quotidiano, a posterior estas foram trabalhadas no Photoshop, e passaram pelos mais variados processos que passo a descrever, no seu total foram 1279 fotografias redimensionadas espelhadas ainda calibradas em relação cores e luminosidade e outros.

6


De seguida com recurso ao programa VideoMaker foram compactadas e transformadas em timelapse, recorrendo a uma velocidade de dois segundos por imagem. Depois gravadas em vídeo formato MP4 e projecção para 16/9. No caso dos Vídeos foram vinte quatro, também eles produzidos e editados por mim, e posterior tratados para um tamanho de 16/9 convertidos para o formato adequado. Todos estes componentes para a finalização do vídeo foram colocados no programa Premie, dando-lhe velocidades diferentes, assim como efeitos de transições, ainda alguns filtros a fim de melhorar a própria imagem, tendo em conta que seriam projectadas num tamanho relativamente.

Preparação física para a performance

Foram feitos cerca de cinco ensaios para definir qual os melhores movimentos a efectuar durante a actuação final, tendo em conta a seguinte linha de tempo, desde que o ser humano se encontra no ventre em posição fetal, ao momento em que vive e se cresce na vida, até ao momento de agonia que é a morte. A relevância significativa da performance e das suas acções ainda pressupõe para a percepção humana, como o volume de um corpo que ultrapassa o limite Bidimensional do tempo, e também a recta e as sombras que se formam com as imagens que convergem no seu efeito espelho, assim como a visualização em, seu conjunto de planos e em superposições que vão provocar quando o publico deambular para ver a performance, a importância da luz nesta instalação vai dar origem a uma representação gráfica de sentidos, dando importância para de onde esta erradia a mesma, vai ser ela que comanda a variação tonal e é com ela que interajo em desempenho de performance, e vai ser por causa dela que terão consciência ou noção da obra (e conceito). As cores também elas estão implícitas, nas imagens e na sua projecção em grande escala provoca a parte emocional existente nas imagens agrupada aos temas das mesmas, assim como simbolicamente serão associadas e percepcionadas a uma linha de tempo emocional da vida até a morte.

Visualizações makingOff,/ vídeo final

Nesta etapa foi dissecada e estruturada os elementos pertencentes á instalação final, assim como a sua aglomeração e interligação entre os viários componentes da mesma analógicos e digitais. Ficou ainda decidido a elaboração de um vídeo que abriga o makingOff do projecto e também algumas entrevistas, em que relatam e demonstram a anuência e introspecção do público que reparou na acção anterior mente descrita como “Divulgação e sensibilização do público”.

7


Este vídeo pode ainda ser visto no Blog criado para albergar os projectos de turma de APM 2013/2014 em relação a o tema “ Tempo” e ainda no YouTube, assim como os processos compostos até finalização e acomodação do projecto. Link site - http://projectotempo.wordpress.com/p01/ Link vídeo - http://www.youtube.com/watch?v=EyfxUKaV5Pw&feature=youtu.be

Memória descritiva Discrição do trabalho reunir, todos os elementos em baixo mencionados como recursos e implementar a acção de performance, imagens, som, e espaço visual tendo em conta o uso e recurso de dinâmicas teatrais como domínio da performance , e aplicação da multimédia como suporte ao efeito de envolvência espectador , nomeadamente fotografia vídeo e som . Ordem de trabalho 1ª etapa estudo do tema “Tempo” 2ºCriação e reunião dos elementos componentes para o efeito final 3º solicitação dos recursos, como Sala de audiovisuais, Sala de expressão e drama, projector 4ºImplatação de divulgação e organização do espaço, 5º pré-Exibição 6ºMaking Off 7º Apresentação final

Elementos componentes e Recursos

Divulgação e sensibilização do público Na divulgação deste projecto optei por com recurso a papel autocolante e caneta de acetado escrever a frase “O que é o Tempo?” e espalhá-la pelos locais de passagem dos alunos como o bar da escola e ainda varanda, ainda foram captadas algumas reacções aos autocolantes assim como fotografadas as respostas que por ali foram deixadas.

8


Conclusões sobre “- O que É o tempo???” é ver … O que é o tempo? Cabe ao espectador ver e sentir, ao que a pergunta pressupõem a relatividade do movimento e da imagem sombra, imagem massa corporal ou incorporada na imagem? Instalação/performance/vídeo, "O que é o tempo???", -Entre frames, trespassados de imagens/sensações/momentos... vividas e modeladas a uma só massa de imagens reluzentes, e anestesiantes perceções, variadas interpretações ... "acto I"

http://ana1979marques.wix.com/fineartsfmarques http://projectotempo.wordpress.com/p01/ Installation / performance / video, "What is time??"-Between frames, pierced images / feelings / moments ... lived and modeled with one mass of glittering images and anesthetic perceptions, interpretations varied ... "Act I"

http://ana1979marques.wix.com/fineartsfmarques http://projectotempo.wordpress.com/p01/

9


O que e o tempo??? Act I