{' '} {' '}
Limited time offer
SAVE % on your upgrade.

Page 1

30 31

FORTISSIMO Nยบ 9 / 2019

Allegro

Vivace


Ministério da Cidadania e Governo de Minas Gerais A P R E S E N TA M

Allegro

30/05

Vivace

31/05

FA B I O M E C H E T T I , R E G E N T E MAJA BOGDANOVIC, VIOLONCELO


PROGRAMA

IGOR STRAVINSKY Canto Fúnebre, op. 5 (em memória de Rimsky-Korsakov)

NIKOLAI RIMSKY-KORSAKOV Sinfonia nº 2 em fá sustenido menor, op. 9, “Antar”

Largo – Allegro giocoso

Allegro

Allegro risoluto alla marcia

Allegretto – Adagio

I N T E R VA L O

FRIEDRICH GULDA Concerto para violoncelo e orquestra de sopros

Abertura

Idílio

Cadência

Minueto

Finale alla marcia


CAROS AMIGOS E AMIGAS, Dando início à celebração dos 175

apresentada pela primeira vez em

anos de nascimento do compositor

BH nestes concertos.

russo Nikolai Rimsky-Korsakov, a Filarmônica apresenta nesta noite sua

A violoncelista sérvia Maja Bog-

Sinfonia nº 2, denominada “Antar”.

danovic, fazendo sua estreia com

Assim como em sua obra-prima Shehe-

a nossa Orquestra, traz o pouco

razade, aqui o compositor russo nos

conhecido Concerto para violoncelo

convida a uma viagem através do

e orquestra de sopros (com algumas

tempo e do espaço, nos levando à

adições inusitadas) do compositor

legendária Arábia e nos inebriando

e pianista Friedrich Gulda. Deixo,

com suas belíssimas melodias e rica

propositalmente, de fazer qualquer

orquestração, em uma trágica estória

comentário sobre essa obra, para

de amor, poder e vingança.

que todos possam reagir de forma espontânea à sua impetuosidade…

Outro compositor russo, Stravinsky, presta homenagem a seu

A todos um bom concerto.

mestre, com seu Canto Fúnebre,

FOTO: ALEXANDRE REZENDE

obra recentemente descoberta e

FA B I O M E C H E T T I


FABIO MECHETTI DIRETOR ARTÍSTICO E REGENTE TITULAR

Diretor Artístico e Regente Titular

sua estreia no Carnegie Hall de Nova

da Orquestra Filarmônica de Minas

York conduzindo a Sinfônica de Nova

Gerais desde sua criação, em 2008,

Jersey. Continua dirigindo inúmeras

Fabio Mechetti posicionou a orques-

orquestras norte-americanas e é

tra mineira no cenário mundial da

convidado frequente dos festivais

música erudita. Além dos prêmios

de verão norte-americanos, entre

conquistados, levou a Filarmônica

eles os de Grant Park em Chicago

a quinze capitais brasileiras, a uma

e Chautauqua em Nova York.

turnê pela Argentina e Uruguai e realizou a gravação de nove álbuns,

Igualmente aclamado como regente

sendo quatro para o selo interna-

de ópera, estreou nos Estados Unidos

cional Naxos. Natural de São Paulo,

dirigindo a Ópera de Washington. No

Mechetti serviu recentemente como

seu repertório destacam-se produções

Regente Principal da Filarmônica

de Tosca, Turandot, Carmem, Don

da Malásia, tornando-se o primeiro

Giovanni, Così fan tutte, La Bohème,

regente brasileiro a ser titular de

Madame Butterfly, O barbeiro de

uma orquestra asiática.

Sevilha, La Traviata e Otello.

Nos Estados Unidos, Mechetti esteve

Suas apresentações se estendem

quatorze anos à frente da Orquestra

ao Canadá, Costa Rica, Dinamarca,

Sinfônica de Jacksonville e, atual-

Escócia, Espanha, Finlândia, Itá-

mente, é seu Regente Titular Emérito.

lia, Japão, México, Nova Zelândia,

Foi também Regente Titular das sin-

Suécia e Venezuela. No Brasil, re-

fônicas de Syracuse e de Spokane,

geu todas as importantes orques-

da qual hoje é Regente Emérito.

tras brasileiras.

Regente Associado de Mstislav Rostropovich na Orquestra Sinfônica

Fabio Mechetti é Mestre em Regência

Nacional de Washington, com ela

e em Composição pela Juilliard

dirigiu concertos no Kennedy Center

School de Nova York e vencedor do

e no Capitólio. Da Sinfônica de San

Concurso Internacional de Regência

Diego, foi Regente Residente. Fez

Nicolai Malko, da Dinamarca.


FOTO: ALEXANDRE REZENDE


MAJA BOGDANOVIC

Benjamin Yusupov e Krzysztof Penderecki, com quem possui uma forte colaboração. Premiada nas competições Aldo Parisot, Gaspar Cassado, Rostropovich e Jeu-

Desde que foi saudada pela The Strad,

nesses Musicales, Maja foi Artista do

após recital de estreia no Carnegie Hall,

Ano UMUS 2011 pela Associação de

por sua “excelente performance, de

Artistas da Música da Sérvia.

extraordinária beleza tonal e grande maturidade interpretativa”, Maja Bog-

Natural de Belgrado, Sérvia, foi aluna

danovic ocupou seu lugar entre os mais

de Nada Jovanovic na Escola de Música

importantes violoncelistas da atualidade.

Kosta Manojlovic, em Zemun. Graduou-se em primeiro lugar no Conservatório

Nesta temporada, Maja estreia com a

Nacional de Paris, concluiu pós-gra-

Sinfônica Fort Worth e com a Filarmô-

duação com Michel Strauss e estudou

nica de Minas Gerais. Realiza concertos

música de câmara com Itamar Golan e

com orquestras sinfônicas e de câmara

Pierre-Laurent Aimard. Em Berlim, na

na Europa, Argentina, México, Japão e

Universität der Künste, aperfeiçoou-se

Coreia do Sul.

com Jens Peter Maintz, Bernard Greenhouse, Alban Gerhardt, Young-Chang

Ávida musicista de câmara, Maja

Cho e Heinrich Schiff.

Bogdanovic frequenta muitas das principais salas e festivais do mundo, como

Maja Bogdanovic toca em um instru-

Amphithéâtre Sorbonne, Amsterdamse

mento construído para ela pelo luthier

Cello Biënnale, Beauvais Cello Festival,

francês Franck Ravatin.

Radio France et Montpellier, Kuhmo, Stift, Zeist, Folles Journées, Giverny, Muziekgebouw, Palais des Congrès, Prinzregententheater, Royal Concertgebouw, Salle Gaveau, Salle Pleyel e Tonhalle Düsseldorf. Lançou CDs pelos selos Lyrinx, Nimbus e Orchid Classics, um deles com o Concerto que Philip Sawyers dedicou a ela. A música contemporânea tem lugar especial no repertório de Maja. Estreou Ivan Jevtic, Philip Sawyers, Eric Tanguy,

FOTO: DUSAN MADIC

obras de Nicolas Bacri, Sofia Gubaidulina,


Igor

STRAVINSKY

O R A N I E N BAU M , AT UA L LO M O N O S OV, R Ú SS I A , 1 8 8 2

N OVA YO R K , ESTA D O S U N I D O S , 1 97 1

Rimsky-Korsakov, grande compositor, em 1889 impressionou o mundo ocidental com a música russa, na Exposição I N S T R U M E N TA Ç Ã O

Piccolo, 3 flautas, 2 oboés, corne inglês, 3 clarinetes, clarone, 3 fagotes, contrafagote, 4 trompas, 3 trompetes, 3 trombones, tuba, tímpanos, percussão, 2 harpas, cordas. EDITORA

Boosey & Hawkes

Universal de Paris. Sua imensa reputação lhe atraiu inúmeros alunos, de dentro e de fora da Rússia: Glazunov, Liadov, Respighi e ninguém menos do que Igor Stravinsky. Stravinsky estudou com Rimsky-Korsakov entre 1902 e 1908, ano em que morre o professor, de um mal cardíaco. Dois anos depois, Stravinsky estreia O Pássaro de Fogo em Paris. Em 1911, ele estreia Petrushka e, em 1913, A Sagração da Primavera. É claro que a proximidade temporal ou intelectual com Rimsky-Korsakov, ou com

PA R A O U V I R

o Grupo dos Cinco, não pode definir, por si mesma, a

CD Igor Stravinsky; Dmitri Shostakovich – ORF Vienna Radio Symphony Orchestra – Cornelius Meister, regente – Capriccio – 2019

genialidade revolucionária de Stravinsky, que eclode

Mariinsky Orchestra – Valery Gergiev, regente Acesse: fil.mg/sfunebre1

nessas três obras-primas. Por outro lado, não deixa de ser interessante essa mesma proximidade... O Canto Fúnebre, op. 5, foi composto em homenagem a Rimsky-Korsakov, quando de sua morte. Sua estreia deu-se em 17 de janeiro de 1909, em São Petersburgo, sob a regência de Felix Blumenfeld. Em depoimento a Robert Craft, em 1960, Stravinsky se refere à obra

PA R A A S S I S T I R

Mariinsky Orchestra – Valery Gergiev, regente Reestreia da obra, após 106 anos desaparecida (excerto) Acesse: fil.mg/sfunebre2

com uma certa nostalgia, considerando-a a melhor de suas obras anteriores a O Pássaro de Fogo e fazendo referências à sua harmonia cromática. Com a mesma nostalgia, o autor comenta que as partes da orquestra deveriam estar em alguma biblioteca... E que gostaria que alguém em Leningrado (nome que a União Sovi-

PA R A L E R

Glenn Watkins – Soundings: music in the Twentieth Century – Schirmer Books – 1988

ética deu a São Petersburgo) as procurasse, pois ele


Canto Fúnebre, op. 5 (em memória de Rimsky-Korsakov) 1908

Primeira apresentação com a Filarmônica

12 MINUTOS

mesmo tinha curiosidade de saber que

e comenta que não mais se lembrava

tipo de compositor era ele, antes de

da música, mas se lembrava da ideia

O Pássaro de Fogo.

na raiz de sua concepção. Nesta, segundo o compositor, cada um dos

De fato, as partes foram considera-

instrumentos melódicos da orquestra

das perdidas, mas reencontradas na

deposita sua própria melodia sobre

biblioteca do Conservatório de São

um fundo murmurante em tremolo,

Petersburgo em 2015. A partitura

que simula as vibrações das vozes

foi reconstituída por Natalia Bra-

graves de um coro.

ginskaya, chefe do departamento de Musicologia do Conservatório Estatal

Esta poética descrição, do próprio

Rimsky-Korsakov, em São Petersburgo.

compositor, não poderia ser mais exata,

Depois disso, ela foi executada pela

embora a obra não se resuma a ela.

primeira vez em 2016 pela Orquestra

No Canto Fúnebre, não é o Stravinsky

do Teatro Mariinsky, sob a regência

da Sagração ou de Petrushka que se

de Valery Gergiev.

ouve. Mas ambos estão lá, e a obra, ainda assim impressionante, de um

Embora a obra tenha sido chamada

expressionismo que seria descons-

“Canto Fúnebre para Instrumentos de

truído e reelaborado pelas obras que

Sopro”, é fato que a orquestração não

viriam, já anuncia o fenômeno que

se restringe apenas a eles, incluindo

deixaria o mundo atônito e que daria

uma gama variada de instrumentos

à música no Ocidente possibilidades

de percussão, piano, duas harpas e

expressivas até então insuspeitas.

cordas. Talvez a concepção sugerida no título venha do tratamento indivi-

M O A C Y R L AT E R Z A F I L H O

dualizado dos timbres dos sopros,

Pianista e cravista, Doutor em Literaturas

sobre o qual o próprio Stravinsky dá

de Língua Portuguesa, professor da

um depoimento. Em sua Autobiografia

Universidade do Estado de Minas Gerais e

(texto de 1936), ele menciona a peça

da Fundação de Educação Artística.


Nikolai

RIMSKY-KORSAKOV TIKHVIN, RÚSSIA, 1844

LY U B E N S K , R Ú S S I A , 1 9 0 8

Antarah ibn Shaddad – também conhecido como Antar – viveu na região norte da Arábia Saudita no período pré-islâmico, entre os anos 608 e 525 antes de Cristo. Cavaleiro e poeta, I N S T R U M E N TA Ç Ã O

Piccolo, 3 flautas, 2 oboés, corne inglês, 2 clarinetes, 2 fagotes, 4 trompas, 2 trompetes, 3 trombones, tuba, tímpanos, percussão, harpa, cordas.

Antar tornou-se conhecido por seus feitos de bravura em guerra, preservados pela tradição oral. Um de seus poemas está registrado no livro Mu'allaqat, uma importante coletânea de poemas pré-islâmicos. Após a sua morte, suas aventuras foram propagadas oralmente e demasiado fantasiadas. Escrito por Osip Senkovsky (1800-1858) – professor de línguas orientais na Universidade de São Petersburgo –,

EDITORA

o conto original Antar retrata a atmosfera e o estilo da ficção

Bessel

popular árabe. Publicado em 1833, inspirou a Sinfonia nº 2 do compositor russo Nikolai Rimsky-Korsakov, concebida

PA R A O U V I R

CD Rimsky-Korsakov – Sinfonia nº 2, Antar – L'Orchestre de la Suisse Romande – Ernest Ansermet, regente – HDTT/Decca – 2018

em 1868, na sua primeira versão. A Sinfonia Antar, dividida em quatro movimentos, descreve musicalmente os protagonistas do conto: o guerreiro Antar e a bruxa Peri Gul-Nazar, rainha de Palmira. Tais temas se repetem em diferentes orquestrações e servem de material

Rotterdams Philharmonisch Orkest – David Zinman, regente Acesse: fil.mg/rkantar PA R A L E R

Attila Csampai; Dietmar Holland – Guia básico dos concertos: música orquestral de 1700 até os nossos dias – Civilização Brasileira – 1995 Nikolai Rimsky-Korsakov – My Musical Life – Knopf – 1942

melódico para todo o trabalho. Essa forma de estruturação temática à qual pertence o motivo condutor – ou também ideia fixa – foi estabelecida pelo compositor francês Hector Berlioz (1803-1869) em sua Sinfonia Fantástica (1830). Para a concepção temático-musical da Sinfonia Antar, Rimsky-Korsakov se baseou na coleção de melodias árabes organizada por Alexander Dargomyzhsky (1813-1869) e em melodias argelinas coletadas pelo etnomusicólogo francês Francisco Salvador-Daniel (1831-1871).


Sinfonia nº 2 em fá sustenido menor, op. 9, “Antar” VERSÃO DE 1897

Primeira apresentação com a Filarmônica

32 MINUTOS

Mesmo possuindo uma orquestração

sua vitória sobre um monstro alado e

refinada e detalhada, principal quali-

seu sonho com a rainha Gul-Nazar. Os

dade do compositor, a Sinfonia Antar

movimentos subsequentes descrevem

não possui características estruturais

os três prazeres – vingança, poder e

do gênero sinfonia, dada a ausência

amor – concedidos por Gul-Nazar a

de desenvolvimento temático. Ciente

Antar por tê-la salvado do monstro.

disso, o compositor, em uma de muitas

Unido pelo prazer do amor, o casal sela

revisões que realizou da obra, deci-

um pacto em que Antar pede que seja

diu-se por nomeá-la suíte sinfônica,

morto caso sua paixão por Gul-Nazar

semelhantemente à suíte sinfônica

se abrande. Ao final, a rainha bruxa

Sheherazade – uma de suas obras

Gul-Nazar percebe Antar entediado e

mais populares, também baseada em

lhe dá um beijo enfeitiçado fatal. “Exa-

contos árabes. Os quatro movimen-

minando a estrutura musical de Antar

tos de Antar são “um poema, suíte,

com um olhar experiente, decorrido

conto de fadas, história ou qualquer

o lapso de muitos anos, noto que me

coisa, mas não sinfonia”, ponderou o

saí bem com essa forma exclusiva de

próprio autor.

influências extramusicais. Não posso deixar de sentir uma satisfação con-

A Sinfonia Antar foi estreada em março

siderável”, confessou o compositor

de 1869, em São Petersburgo, em con-

em suas memórias.

certo da Sociedade Musical Russa sob a regência de Balakirev. A estreia da segunda versão foi realizada em janeiro de 1876, no mesmo local, sob

MARCELO COR RÊA

a regência do autor. A edição da obra

Pianista, Mestre em Piano pela

é prefaciada por um texto que resume

Universidade Federal de Minas Gerais,

o conto que a inspirou. O primeiro

professor na Universidade do Estado de

movimento retrata Antar no deserto,

Minas Gerais.


Friedrich

GULDA V I E N A , ÁU S T R I A , 1 9 3 0

AT T E R S E E , Á U S T R I A , 2 0 0 0

Friedrich Gulda foi um dos primeiros músicos a cruzar os limites (virtualmente impostos) entre a música de concerto e gêneros mais populares, como o jazz. Notável pianista, e também flautista, saxofonista, cantor e compositor, Gulda é conhecido pelo temperamento forte, responsável por sua alcunha de “pianista terrorista”. I N S T R U M E N TA Ç Ã O

Autor de declarações polêmicas, afirmava que pianistas

Piccolo, flauta, 2 oboés, 2 clarinetes, 2 fagotes, 2 trompas, 2 trompetes, trombone, tuba, guitarra, contrabaixo, jazz bass, percussão.

que não compõem não devem ser levados a sério e se autoproclamava “o mais importante e criativo músico da Viena da segunda metade do nosso século [século XX]”, pois dizia ter resgatado a música das mãos de profissionais antimusicais e anti-humanos, restituindo-a “ao relaxado afeto e amor do público”.

EDITORA

BSchott Music Corp/EAMDC PA R A A S S I S T I R

DVD Concerto for Cello and Wind Orchestra; Concerto for Myself – Münchner Philharmoniker – Friedrich Gulda, regente – Heinrich Schiff, violoncelo – Arthaus Musik – 2014 Munich Philharmonic Orchestra – Friedrich Gulda, regente – Heinrich Schiff, violoncelo Acesse: fil.mg/gcellosopros PA R A V I S I TA R

www.gulda.at

Em 1942, ingressou na prestigiosa Academia de Música de Viena, onde estudou com Bruno Seidlhofer e Joseph Marx. Aos quatorze anos estreou como solista. Aos dezesseis, venceu o Concurso de Genebra e, aos vinte, deu seu primeiro concerto no Carnegie Hall, em Nova York. Consolidou uma reputada carreira como pianista e professor, tendo Martha Argerich e Claudio Abbado como alunos. Com Jörg Demus e Paul Badura-Skoda, formou a “troika vienense”, referência às carruagens russas movidas por três cavalos. Embora tocasse jazz em espaços clandestinos durante a Segunda Guerra Mundial, foi apenas em 1956 que Gulda formalizou suas incursões nesse universo musical, ao se apresentar com o Austrian All Stars na rádio austríaca nacional, com Idrees Sulieman,


Concerto para violoncelo e orquestra de sopros 1988

Primeira apresentação com a Filarmônica

31 MINUTOS

Phil Woods e James Cleveland no

para piano solo, além do Concerto

clube Birdland, em Nova York, e ao

para violoncelo e orquestra de sopros.

participar do Newport Jazz Festival.

Encomenda do violoncelista austríaco Heinrich Schiff, a quem Gulda o

Gulda promoveu diversos grupos

dedicou, o Concerto foi estreado sob

orquestrais, como a Eurojazz-Orches-

a regência do compositor em outubro

ter, que tinham por objetivo executar

de 1981, em Villach. Além da orquestra

suas obras e divulgar o repertório de

de sopros, a obra inclui ainda um

jazz. Como pianista clássico e mem-

violão, contrabaixos e bateria, e se

bro de um trio de jazz, fez inúmeras

divide em cinco partes: uma Aber-

gravações para os mais respeitados

tura, que funde passagens líricas com

selos. Entre outras, gravou o Cravo

momentos jazzísticos e virtuosísticos;

Bem Temperado, de Bach, e a integral

um Idílio com graciosas intervenções

das sonatas para piano de Beethoven.

das madeiras em contraponto ao tema

Como cantor de jazz, gravou sob o

de origem alpina dos metais e do

pseudônimo de Albert Golowin. Foi o

solista; uma Cadência extremamente

organizador dos festivais Tage freier

desafiadora; um estilizado Minueto de

Musik e Festival Friedrich Gulda e

leve sabor medieval; e um Finale alla

dos Weltmusiktage. Colaborou com

marcia, onde os dobrados de uma

Jessye Norman, o cantor pop Wolf-

banda militar dão caráter circense

gang Ambros, a percussionista Ursula

às interpelações do violoncelo.

Anders (sua terceira esposa), Joe Zawinul e os legendários Chick Corea e Herbie Hancock. Em 1988, compôs Concerto for Myself, uma de suas

IGOR REYNER

Pianista,

obras mais importantes. Sua produção

Mestre em Música pela Universidade

inclui ainda dois concertos para piano,

Federal de Minas Gerais e Doutor em

peças orquestrais e vocais e obras

Literatura pelo King’s College London.


FOTO DO FUNDO: JOMAR BRAGANÇA

INGRESSO SOLIDÁRIO


Algo aconteceu e você não pode ir a um concerto? A P R O V E I T E PA R A A P R E S E N TA R A FILARMÔNICA AOS SEUS AMIGOS, PA R E N T E S O U E S T U D A N T E S D E M Ú S I C A . É muito simples. Para doar seu Ingresso Solidário, basta o Assinante acessar o aplicativo da Filarmônica até 30 minutos antes do início do concerto e realizar sua doação. O Assinante também pode enviar um e-mail ou ligar para a Assessoria de Relacionamento pelo menos 2 horas antes do concerto. O aplicativo da Filarmônica é compatível com aparelhos Android e iOS e pode ser baixado na loja de aplicativos do seu celular (Google Play ou App Store).

PARA USAR, BAIXE O APP GRATUITAMENTE NO SEU CELULAR

Assessoria de Relacionamento: (31) 3219-9009 de segunda a sexta, das 9h às 18h assinatura@filarmonica.art.br


ORQUESTRA FILARMÔNICA DE MINAS GERAIS

Diretor Artístico e Regente Titular FABIO MECHETTI Regente Associado MARCOS ARAKAKI

PRIMEIROS VIOLINOS

Mikhail Bugaev

FAGOTES

HARPA

Anthony Flint – Spalla

Nathan Medina

Catherine Carignan *

Clémence Boinot *

Rommel Fernandes –

Victor Morais ***

Spalla associado

VIOLONCELOS

Andrew Huntriss

TECLADOS

Ara Harutyunyan –

Philip Hansen *

Francisco Silva

Ayumi Shigeta *

Spalla assistente

Robson Fonseca ***

Ana Paula Schmidt

Camila Pacífico

TROMPAS

Ana Zivkovic

Camilla Ribeiro

Alma Maria Liebrecht *

GERENTE

Arthur Vieira Terto

Eduardo Swerts

Evgueni Gerassimov ***

Jussan Fernandes

Joanna Bello

Emília Neves

Gustavo Garcia Trindade

Laura Von Atzingen

Lina Radovanovic

José Francisco dos Santos

INSPETORA

Luis Andrés Moncada

Lucas Barros

Lucas Filho

Karolina Lima

Roberta Arruda

William Neres

Fabio Ogata

Rodrigo M. Braga

CONTRABAIXOS

TROMPETES

ASSISTENTE ADMINISTRATIVO

Rodrigo de Oliveira

Nilson Bellotto *

Marlon Humphreys *

Risbleiz Aguiar

Wesley Prates

André Geiger ***

Érico Fonseca **

Rodrigo Bustamante

Marcelo Cunha

Daniel Leal ***

ARQUIVISTA

SEGUNDOS VIOLINOS

Marcos Lemes

Tássio Furtado

Ana Lúcia Kobayashi

Frank Haemmer *

Pablo Guiñez

Hyu-Kyung Jung ****

Rossini Parucci

TROMBONES

ASSISTENTES

Gideôni Loamir

Walace Mariano

Mark John Mulley *

Claudio Starlino

Diego Ribeiro **

Jônatas Reis

Jovana Trifunovic Luka Milanovic

FLAUTAS

Wagner Mayer ***

Martha de Moura

Cássia Lima *

Renato Lisboa

Pacífico

Renata Xavier ***

SUPERVISOR DE MONTAGEM

Matheus Braga

Alexandre Braga

TUBA

Rodrigo Castro

Radmila Bocev

Elena Suchkova

Eleilton Cruz *

Tiago Ellwanger

OBOÉS

TÍMPANOS

Hélio Sardinha

Valentina Gostilovitch

Alexandre Barros *

Patricio Hernández

Klênio Carvalho

Públio Silva ***

Pradenas *

MONTADORES

Rodolfo Toffolo

VIOLAS

Israel Muniz

João Carlos Ferreira *

Maria Fernanda Gonçalves

Roberto Papi ***

PERCUSSÃO Rafael Alberto *

Flávia Motta

CLARINETES

Daniel Lemos ***

Gerry Varona

Marcus Julius Lander *

Sérgio Aluotto

Gilberto Paganini

Jonatas Bueno ***

Werner Silveira

Katarzyna Druzd

Ney Franco

Luciano Gatelli

Alexandre Silva

Marcelo Nébias

* principal

** principal associado

*** principal assistente

**** principal / assistente substituta


INSTITUTO CULTURAL FILARMÔNICA CONSELHO ADMINISTRATIVO

Oscip — Organização da Sociedade Civil de Interesse Público Lei 14.870 / Dez 2003

OS — Organização Social Lei 23.081 / Ago 2018

EQUIPE TÉCNICA

Presidente Emérito

Gerente de Comunicação

Jacques Schwartzman

Merrina Godinho Delgado

Roberto Mário

Conselheiros

Douglas Conrado

Jovem Aprendiz Sunamita Souza

SALA MINAS GERAIS

Gerente de Produção Musical

Gerente Contábil

Claudia da Silva

Graziela Coelho

Guimarães

Angela Gutierrez Arquimedes Brandão

Gerente Administrativofinanceira

Mensageiro

Ana Lúcia Carvalho

Presidente Gonçalves Soares Filho

EQUIPE ADMINISTRATIVA

Berenice Menegale

Assessora de Programação Musical

Bruno Volpini

Gabriela de Souza

Celina Szrvinsk

Gerente de Infraestrutura Renato Bretas

Gerente de Recursos Humanos

Gerente de Operações

Quézia Macedo Silva

Jorge Correia

Fernando de Almeida

Produtor

Analistas Administrativos

Técnicos de Áudio e de Iluminação

Ítalo Gaetani

Luis Otávio Rezende

João Paulo de Oliveira

Diano Carvalho

Paulo Baraldi

Rafael Franca

Cunha Castello Branco

Analistas de Comunicação

Secretária Executiva

Assistente Operacional

Mauricio Freire

Fernando Dornas

Flaviana Mendes

Rodrigo Brandão

Octávio Elísio

Lívia Aguiar

Sérgio Pena

Renata Gibson Renata Romeiro

Assistente Administrativa

FORTISSIMO

Carolina Moraes Santana

Cristiane Reis

Maio nº 9 / 2019

Analista de Marketing e Projetos

Assistente de Recursos Humanos

Godinho Delgado

Lilian Sette

Jessica Nascimento

Edição de texto

Analista de Marketing e Relacionamento

Recepcionistas

Capa

Meire Gonçalves

Antarah Ibn Shaddad —

Itamara Kelly

Vivian Figueiredo

Manuscrito persa do séc. VI

Assistente de Produção

Auxiliar Contábil

O Fortissimo está indexado aos sistemas nacionais e internacionais de pesquisa. Você pode acessá-lo também em nosso site.

Marco Antônio Pepino Marco Antônio Soares da

DIRETORIA EXECUTIVA

ISSN 2357-7258

Diretor Presidente Diomar Silveira

Diretor Administrativofinanceiro Joaquim Barreto

Diretor de Comunicação Agenor Carvalho

Berenice Menegale

Pedro Almeida

Rildo Lopez

Diretora de Marketing e Projetos Zilka Caribé

Editora Merrina

Auxiliares de Produção

Auxiliar Administrativa Geovana Benicio

André Barbosa

Diretor de Operações Ivar Siewers

Jeferson Silva

Auxiliares de Serviços Gerais Ailda Conceição Rose Mary de Castro

Este programa foi impresso em papel doado pela Resma Papéis.


FOTO: RAFAEL MOTTA


NO CONCERTO CUIDE DA SAL A

SEJA PONTUAL.

MINAS GERAIS.

TRAGA SEU

NÃO COMA

I N G R E S S O O U C A R TÃ O

OU BEBA.

DE ASSINANTE.

DESLIGUE

D E I X E PA R A

O CELULAR

APL AUDIR AO F IM

(SOM E LUZ).

DE CADA OBRA.

NÃO FOTOGRAFE

S E P U D E R , D E V O L VA

O U G R AV E E M

SEU PROGRAMA

ÁUDIO / VÍDEO.

DE CONCERTO.

EVITE TRAZER

FA Ç A S I L Ê N C I O

CRIANÇAS MENORES

E EVITE TOSSIR.

DE 8 ANOS.

EM MAIO Dias 4 e 5, 18h

FORA DE SÉRIE / MÚSICA E CINEMA

Dias 9 e 10, 20h30 Dia 12, 11h

A L L E G R O E V I VA C E

CLÁSSICOS NA PRAÇA / INHOTIM

Dias 16 e 17, 20h30 Dia 25, 18h

PRESTO E VELOCE

F O R A D E S É R I E / M Ú S I C A , FAU N A E F L O R A

Dias 30 e 31, 20h30

A L L E G R O E V I VA C E

Restaurantes parceiros Nos dias de concerto, apresente seu ingresso ou cartão de Amigo ou

Rua Pium-í, 229

Assinante e obtenha

Cruzeiro

Lourdes

Tel: 3227-7764

Tel: 3292-6221

descontos especiais.

R. Rio de Janeiro, 2076


MANTENEDOR

DIVULGAÇÃO

REALIZAÇÃO

www.filarmonica.art.br / FILARMONICAMG

RUA T E N E N T E B R I TO M E LO , 1. 090 — BA R RO PR E TO C E P 3 0 .1 8 0 - 0 7 0

|

T E L : ( 3 1 ) 3 2 1 9. 9 0 0 0

BELO HORIZONTE – MG |

FA X : ( 3 1 ) 3 2 1 9. 9 0 3 0

COMU NI CA ÇÃO IC F / 20 19

Sala Minas Gerais

Profile for Orquestra Filarmônica de Minas Gerais

Maio de 2019 | Allegro e Vivace 5  

Fabio Mechetti, regente Maja Bogdanovic, violoncelo STRAVINSKY | Canto Fúnebre, op. 5 (Em memória a Rimsky-Korsakov) RIMSKY-KORSAKOV | Sinf...

Maio de 2019 | Allegro e Vivace 5  

Fabio Mechetti, regente Maja Bogdanovic, violoncelo STRAVINSKY | Canto Fúnebre, op. 5 (Em memória a Rimsky-Korsakov) RIMSKY-KORSAKOV | Sinf...

Advertisement