{' '} {' '}
Limited time offer
SAVE % on your upgrade.

Page 1

21 22

FORTISSIMO Nยบ 3 / 2019

Allegro

Vivace


MinistĂŠrio da Cidadania e Governo de Minas Gerais A P R E S E N TA M

Allegro

21/03

Vivace

22/03

FA B I O M E C H E T T I , R E G E N T E BARRY DOUGLAS, PIANO


PROGRAMA

HECTOR BERLIOZ Os Troianos: Caçada real e tempestade

WOLFGANG AMADEUS MOZART Concerto para piano nº 20 em ré menor, K. 466

Allegro

Romance

Rondo: Allegro assai

I N T E R VA L O

SERGEI RACHMANINOV Sinfonia nº 3 em lá menor, op. 44

Lento — Allegro moderato

Adagio ma non troppo

Allegro


CAROS AMIGOS E AMIGAS,

tanto na evolução da forma sinfônica, quanto na própria concepção estética do compositor russo. Sua já conhecida verve melódica associa-se aqui a uma vitalidade rítmica e uma riqueza harmônica que consolidam a relevância da obra sinfônica de

Damos continuidade à nossa tem-

Rachmaninov.

porada celebrando, desta vez, os 150 anos de morte de um dos mais

Recebemos novamente um grande

importantes compositores sinfôni-

expoente do pianismo internacional

cos da história: o francês Hector

executando um dos mais dramáticos

Berlioz. De sua ópera Os Troianos

e românticos concertos de Mozart.

destaca-se um interlúdio orquestral

Vencedor de vários concursos e figura

de grande beleza e efetividade dra-

frequente nas grandes salas de concerto

mática, a Caçada real e tempestade.

em todo o mundo, Barry Douglas volta

Aqui vemos a qualidade incomparável

a se apresentar com nossa Orquestra,

da imaginação sonora e poética do

nos emocionando com essa obra-prima

compositor e sua genialidade em

do gênio de Salzburgo.

encontrar na orquestra uma ampla paleta de cores.

Desejamos um bom concerto a todos.

Já na Sinfonia nº 3 de Rachmaninov

FOTO: ALEXANDRE REZENDE

encontraremos o fim de uma etapa,

FA B I O M E C H E T T I


FABIO MECHETTI DIRETOR ARTÍSTICO E REGENTE TITULAR

Diretor Artístico e Regente Titular

sua estreia no Carnegie Hall de Nova

da Orquestra Filarmônica de Minas

York conduzindo a Sinfônica de Nova

Gerais desde sua criação, em 2008,

Jersey. Continua dirigindo inúmeras

Fabio Mechetti posicionou a orques-

orquestras norte-americanas e é

tra mineira no cenário mundial da

convidado frequente dos festivais

música erudita. Além dos prêmios

de verão norte-americanos, entre

conquistados, levou a Filarmônica

eles os de Grant Park em Chicago

a quinze capitais brasileiras, a uma

e Chautauqua em Nova York.

turnê pela Argentina e Uruguai e realizou a gravação de nove álbuns,

Igualmente aclamado como regente

sendo quatro para o selo interna-

de ópera, estreou nos Estados Unidos

cional Naxos. Natural de São Paulo,

dirigindo a Ópera de Washington. No

Mechetti serviu recentemente como

seu repertório destacam-se produções

Regente Principal da Filarmônica

de Tosca, Turandot, Carmem, Don

da Malásia, tornando-se o primeiro

Giovanni, Così fan tutte, La Bohème,

regente brasileiro a ser titular de

Madame Butterfly, O barbeiro de

uma orquestra asiática.

Sevilha, La Traviata e Otello.

Nos Estados Unidos, Mechetti esteve

Suas apresentações se estendem

quatorze anos à frente da Orquestra

ao Canadá, Costa Rica, Dinamarca,

Sinfônica de Jacksonville e, atual-

Escócia, Espanha, Finlândia, Itá-

mente, é seu Regente Titular Emérito.

lia, Japão, México, Nova Zelândia,

Foi também Regente Titular das sin-

Suécia e Venezuela. No Brasil, re-

fônicas de Syracuse e de Spokane,

geu todas as importantes orques-

da qual hoje é Regente Emérito.

tras brasileiras.

Regente Associado de Mstislav Rostropovich na Orquestra Sinfônica

Fabio Mechetti é Mestre em Regência

Nacional de Washington, com ela

e em Composição pela Juilliard

dirigiu concertos no Kennedy Center

School de Nova York e vencedor do

e no Capitólio. Da Sinfônica de San

Concurso Internacional de Regência

Diego, foi Regente Residente. Fez

Nicolai Malko, da Dinamarca.


FOTO: ALEXANDRE REZENDE


BARRY DOUGLAS A consolidação da carreira internacional de Barry Douglas tem início com a Medalha de Ouro na Competição Internacional de Piano Tchaikovsky de 1986. Como diretor artístico da Camerata Ireland e do Clandeboye Festival, ele celebra continuamente sua herança irlandesa e mantém

Artista exclusivo do selo Chandos, gravou a obra completa para piano de Brahms. A revista britânica International Record Review escreveu: “este é de fato Brahms tocando em sua integridade e autoridade máximas (...) esta série tende a tornar-se uma versão de referência”. Estão em andamento gravações de Schubert e de Tchaikovsky. Com arranjos feitos por ele mesmo, Barry lançou dois

uma intensa agenda internacional.

álbuns de música folclórica irlandesa.

Nas duas últimas temporadas, Barry

Barry Douglas fundou a Camerata

apresentou-se com a Orquestra Nacional Russa; sinfônicas de Londres, Vancouver e de Oregon; Filarmônica de St. Petersburg. Em 2016/2017, comemorou o 30º aniversário de sua premiação num ciclo dos concertos para piano de Tchaikovsky com a RTE Orchestra e a Ulster Orchestra. Na atual temporada, fará turnê pelo

Ireland com jovens músicos da Irlanda do Norte e da República da Irlanda. Além da busca da excelência musical, a orquestra quer contribuir para o processo de paz na Irlanda. Barry Douglas recebeu a Ordem do Império Britânico, na Lista Honorária do Ano Novo de 2002.

Reino Unido com a Sinfônica Estatal Russa e se apresentará com as sinfônicas de Barcelona, Vancouver e Sydney. Na música de câmara, seguirá colaborando com o Quarteto de Cordas Borodin. Barry já se apresentou com as sinfônicas da BBC da Escócia, de Londres, de Cincinnati, de Singapura, da Rádio de Berlim, de Seattle e de Melbourne; Staatskapelle Halle e Orquestra Nacional da França; filarmônicas Real de solista com a Filarmônica de Minas Gerais em 2012 e 2016.

FOTO: BENJAMIN EALOVEGA

Liverpool e de Hong Kong. Ele foi


Hector

BERLIOZ L A C Ô T E S A I N T- A N D R É , F R A N Ç A , 1 8 0 3

PA R I S , F R A N Ç A , 1 8 6 9

Como movimento humanista o Romantismo é muito mais complexo do que se lhe atribui, a começar pela sua dimensão social, e tem uma abrangência mais ou menos universal pela Europa, tomando diferentes atalhos. Por exemplo, o gênio modificador de Beethoven alimenta-se, ao menos em parte, do ideário que impulsionou a Revolução Francesa. Não há, pois, que se atribuir uma I N S T R U M E N TA Ç Ã O

Piccolo, 2 flautas, 2 oboés, 2 clarinetes, 2 fagotes, 4 trompas, 4 trompetes, 3 trombones, tuba, tímpanos, percussão, cordas.

pátria ao Romantismo, mas há que lhe conferir uma certa universalidade que, paradoxalmente, se embasa na individualidade. Se, na linguagem, o Romantismo busca a expressão de sentimentos individuais, ideologicamente ele se fundamenta no culto à personalidade, de diversas formas. Despontam, assim, alguns nomes paradigmá-

EDITORA

ticos: Beethoven é o primeiro deles. Na França, Bizet,

Kalmus

Gounod e, mais tarde, Saint-Saëns. Mas, ali, a figura

PA R A O U V I R

CD Hector Berlioz – Royal Hunt and Storm – Berliner Philharmoniker – James Levine, regente – Deutsche Grammophon – 1992

mais emblemática é sem dúvida a de Berlioz. Nada falta à figura de Berlioz para que se desenhe a silhueta do compositor romântico: a cabeleira, o perfil esguio e um tanto agressivo, o nariz, o temperamento ávido e apaixonado e uma postura egocêntrica que o levou um dia a dizer “minha vida é um romance que me

PA R A A S S I S T I R

Orchestre Révolutionnaire et Romantique – John Eliot Gardiner, regente Acesse: fil.mg/btroianos

interessa muito”. E, de fato, Berlioz soube fazer de si uma espécie de personagem que, consciente ou inconscientemente, aderia ao imaginário romântico. Quando vai a Paris para estudar Medicina, descobre a ópera e decide tornar-se músico, o que faz entrar em ebulição

PA R A L E R

Melinda O’Neal – Experiencing Berlioz – Rowman & Littlefield – 2018

sua família, burguesa e relativamente abastada.


Primeira apresentação com a Filarmônica

Os Troianos: Caçada real e tempestade 1856

10 MINUTOS

Mas a rebeldia juvenil rendeu à poste-

depois da morte do compositor e, desde

ridade um músico determinante para

então, tem sido considerada uma das

a História. Profundo conhecedor de

mais importantes obras dramáticas

Beethoven, Berlioz não se submete a

do século XIX.

ele e leva sua própria escrita orquestral a um virtuosismo que potencializa as

Caçada real e tempestade é a cena

possibilidades melódicas e rítmicas

que abre o quarto ato da ópera.

dos instrumentos, em que todos os

O ouvinte desavisado, familiarizado

grandes sinfonistas do final do século

com o Romantismo alemão, quererá

XIX encontrarão modelo. Ademais, seu

encontrar antecipações de Wagner e

Tratado de Orquestração, mais do que

reminiscências de Beethoven, Schu-

obra técnica, é um escrito de estética.

mann ou Mendelssohn. Não se trata de

Em sua linguagem, a melodia francesa

nada disso. Berlioz tem uma linguagem

adquire outras feições e, em sua obra

própria e uma personalidade musical

sinfônica, o emprego de ideias fixas,

forte o suficiente para ser ele mesmo.

dotadas de valor simbólico, anunciam

Se, na ópera, os eventuais elementos

o Leitmotiv de Wagner.

descritivos ou evocativos (tanto da caçada quanto da tempestade) fazem

Os Troianos é uma ópera em cinco atos,

sentido, a execução de concerto desta

com libreto escrito por ele mesmo,

bela página de Berlioz revela o grande

baseado na Eneida de Virgílio. Berlioz

melodista e o grande orquestrador

nunca a viu encenada integralmente.

que impressionou seus sucessores.

A estreia da parte final (Os Troianos em Cartago), constituída dos três

M O A C Y R L AT E R Z A F I L H O

últimos atos, deu-se em 1863, em

Pianista e cravista, Doutor em Literaturas

Paris, e teve vinte e uma récitas. A

de Língua Portuguesa, professor da

ópera completa foi estreada em 1890

Universidade do Estado de Minas Gerais e

em Karlsruhe, na Alemanha, bem

da Fundação de Educação Artística.


Wolfgang Amadeus

MOZART SA L Z BU RG O , ÁUST R I A , 1 75 6

V I E N A , ÁUST R I A , 1 79 1

Não houvesse os concertos para piano de Mozart, estariam irremediavelmente empobrecidas as histórias da música e do homem. Devido à originalidade e ao caráter diverso de cada uma dessas obras, seus vinte e três concertos – incluindo os concertos para dois e três pianos – configuram uma espécie de diário da extensa produção do compositor e alcançaram, na maturidade, um nível de expressividade sem precedentes no gênero. Inovando pelo rico diálogo entre solista e orquestra, pelo I N S T R U M E N TA Ç Ã O

Flauta, 2 oboés, 2 fagotes, 2 trompas, 2 trompetes, tímpanos, cordas.

refinamento das texturas e despojamento de todo virtuosismo supérfluo, Mozart exerceu forte influência sobre os compositores que o sucederam. Difícil imaginar, sem a iluminação de Mozart, que rumos poderia ter tomado o repertório posterior para piano e orquestra, ou se

EDITORA

Bärenreiter PA R A O U V I R

CD Mozart – Piano Concertos 20,21, 22, 23 – Philharmonia Orchestra – Sir Adrian Boult, regente – Annie Fischer, piano – EMI Records – 1995 PA R A A S S I S T I R

Camerata Salzburgo – Mitsuko Uchida, regente e piano Acesse: fil.mg/mpiano20

teríamos chegado aos concertos românticos e modernos na forma e no esplendor em que hoje os conhecemos. Entre todos os concertos, nenhum outro foi tão profético quanto o K. 466, estreado em Viena em 1785, com o próprio autor como solista. Após a estreia, Joseph Haydn declarou ser Mozart o maior compositor que conhecia, pessoalmente ou de nome. A obra transcende os limites estéticos da época e antecipa características da linguagem romântica, tais como a individualidade e a espontaneidade da liberdade de expressão, sem transpor de forma radical a estrutura clássica. É o mais dramático e fervoroso dos dois escritos em modo

PA R A L E R

C. M. Girdlestone – Mozart et ses Concertos pour piano – Desclée de Brouwer – 1953

menor (o outro é o Concerto K. 491, em dó menor), o


Concerto para piano nº 20 em ré menor, K. 466 1785

Última apresentação: 5 de julho / 2012 Fabio Mechetti, regente Nelson Freire, piano

30 MINUTOS

que justifica ter sido tão popular no

impetuosa, como o ar revolucioná-

século XIX e que permaneça até

rio da obra poderia invocar, mas

hoje o mais famoso da coletânea.

em gentil pianíssimo. A serenidade

É significativa a escolha da tonali-

habitual do segundo movimento é

dade de ré menor, de pouco uso em

reforçada, nesta sonhadora Romanza,

Mozart, mas que, como nos casos

pela tonalidade de si bemol maior.

do Requiem e da cena do banquete

Piano e orquestra dialogam, assu-

de Don Giovanni, associa-se com

mindo mutuamente as frases um do

frequência à tragicidade.

outro. Finaliza de forma conciliadora, em pacífica amabilidade. O Rondó

A abertura orquestral do Allegro

final mantém o espírito grave do

arrebata o ouvinte desde o sombrio

primeiro movimento, mas sua longa

acorde de ré menor, reafirmado

e otimista coda em modo maior induz

pelos violinos e violas em síncopes

a especulações sobre as razões

inquietantes, sobre o insistente e

desse giro feliz na conclusão do

ameaçador motivo dos violoncelos

concerto: mera e gentil concessão

e contrabaixos. Poucos compassos

ao gosto predominante do público

adiante, o clima passional da obra é

da época pelas tonalidades maiores,

francamente declarado na explosão

recurso de praxe para os finais dos

tempestuosa do primeiro forte. Na

primeiros e terceiros movimentos em

entrada do solista, em soberano

modo menor, no estilo galante que

contraste com o tutti inicial, o piano

Mozart representa, ou deliberado

canta uma das mais calorosas melo-

término vitorioso sobre os conflitos

dias escritas por Mozart, atestando

anunciados na obra?

a predileção do compositor pelo instrumento (o novo tema em momento algum será compartilhado com a

MIGUEL ROSSELINI

orquestra). Surpreende também que

Pianista, professor da Escola de Música

o movimento conclua não de forma

da Universidade Federal de Minas Gerais.


Sergei

RACHMANINOV ONEG, RÚSSIA, 1873

B E V E R LY H I L L S , E S TA D O S U N I D O S , 1 9 4 3

Sergei Rachmaninov conquistou, aos dezoito anos, a grande medalha do concurso de piano do Conservatório de Moscou. Nessa instituição conheceu Tchaikovsky, cujo apoio e amizade foram fundamentais para a definição e o desenvolvimento de sua carreira. Em 1897, tornou-se regente do Teatro Imperial de Moscou. Durante os anos I N S T R U M E N TA Ç Ã O

seguintes, realizou turnês internacionais que o celebri-

Piccolo, 2 flautas, 2 oboés, corne inglês, 2 clarinetes, clarone, 2 fagotes, contrafagote, 4 trompas, 3 trompetes, 3 trombones, tuba, tímpanos, percussão, celesta, harpa, cordas.

zaram como exímio pianista. Dois meses após a Revolução de Outubro de 1917, por ocasião de um concerto em Estocolmo, o compositor, acompanhado da mulher e das duas filhas, deixou definitivamente seu país. No final de 1918, partiram para os Estados Unidos, onde o artista viveu os últimos anos dedi-

EDITORA

cando-se primordialmente aos concertos, em detrimento

Boosey & Hawkes

da criação. Mais de três quartos da obra de Rachmaninov

PA R A O U V I R

CD Rachmaninov – Symphony nº 3 – National Symphony Orchestra of Ireland – Alexander Anissimov, regente – Naxos – 1998

foram escritos antes de 1917. O pianista ofuscava o compositor que, entretanto, em períodos de férias europeias, ainda elaborou obras importantes, como a Sinfonia nº 3. A Sinfonia nº 3 utiliza um tema cíclico recorrente nos três movimentos. A orquestra é muito grande; porém, Rachmaninov prioriza a diversificação das sonoridades

PA R A A S S I S T I R

Novosibirsk Philharmonic – Gintaras Rinkevicius, regente Acesse: fil.mg/rsinf3

sobre os efeitos de massa. O movimento inicial é precedido de uma pequena introdução (Lento) que apresenta o tema cíclico, austero e despojado, tocado em uníssono por clarinetes, trompa e violoncelo. Um repentino e breve

PA R A L E R

fortíssimo precede o Allegro moderato, construído sobre

Robert Matthew-Walker – Rachmaninoff – The illustrated lives of the great composers – Omnibus Press – 2001

dois temas. O primeiro, eslavo e melancólico, aparece


Última apresentação: 3 de outubro / 2013 Fabio Mechetti, regente

Sinfonia nº 3 em lá menor, op. 44 1935/1936 / REVISÃO 1938

39 MINUTOS

nas madeiras. O segundo forma uma

uma das peças de bravura do pianista

melodia nobre e lírica, cantada nos

Rachmaninov. Esse cantochão medie-

violoncelos e fagotes. O desenvolvimento

val sempre fascinou o compositor e

é caracterizado por certo nervosismo.

está presente em suas três sinfonias.

O tema cíclico reaparece nos metais

Após a reexposição, o tema cíclico

antes do final solene e heroico.

surge em uma variante ritmada no staccato das cordas e ornamentado

O Adagio ma non troppo começa

nos arabescos da flauta.

com o tema principal na trompa, sobre acordes da harpa. Segue-se

A Sinfonia nº 3 em lá menor estreou

uma longa e melancólica melodia,

em novembro de 1936, na Filadélfia,

desenhada pelo violino solo. A parte

sob a regência de Leopold Stokowski.

central, totalmente diversa, consiste

É bastante representativa do estilo

em um scherzo enérgico e ritmado.

final de Rachmaninov, quando sua

No retorno da primeira seção, a triste

linguagem, mantendo-se sempre pes-

melodia aparece muito abreviada e

soal e anacronicamente romântica,

com variantes.

entretanto se moderniza pela ciência dos timbres e pelo senso admirável

O tema cíclico adquire um papel impor-

dos detalhes orquestrais.

tante em todo o episódio do Allegro final, que se inicia com caráter dançante

Extraído do texto de:

e popular. Logo, porém, uma melodia

PA U L O S É R G I O

em arpejos provoca uma sensação de

MALHEIROS DOS SANTOS

languidez. Para fechar essa primeira

Pianista, Doutor em Letras, professor na

seção, o trompete proclama o tema

UEMG, autor dos livros Músico, doce

cíclico. Segue-se um fugato (Allegro

músico e O grão perfumado – Mário

vivace), com a citação do Dies Irae da

de Andrade e a arte do inacabado.

missa de réquiem gregoriana – melodia

Apresenta o programa semanal Recitais

que aparece na Totentanz de Liszt,

Brasileiros, pela Rádio Inconfidência.


FOTO DO FUNDO: JOMAR BRAGANÇA

INGRESSO SOLIDÁRIO


Algo aconteceu e você não pode ir a um concerto? A P R O V E I T E PA R A A P R E S E N TA R A FILARMÔNICA AOS SEUS AMIGOS, PA R E N T E S O U E S T U D A N T E S D E M Ú S I C A . É muito simples. Para doar seu Ingresso Solidário, basta o Assinante acessar o aplicativo da Filarmônica até 30 minutos antes do início do concerto e realizar sua doação. O Assinante também pode enviar um e-mail ou ligar para a Assessoria de Relacionamento pelo menos 2 horas antes do concerto. O aplicativo da Filarmônica é compatível com aparelhos Android e iOS e pode ser baixado na loja de aplicativos do seu celular (Google Play ou App Store).

PARA USAR, BAIXE O APP GRATUITAMENTE NO SEU CELULAR

Assessoria de Relacionamento: (31) 3219-9009 de segunda a sexta, das 9h às 18h assinatura@filarmonica.art.br


ORQUESTRA FILARMÔNICA DE MINAS GERAIS

Diretor Artístico e Regente Titular FABIO MECHETTI Regente Associado MARCOS ARAKAKI

PRIMEIROS VIOLINOS

Marcelo Nébias

CLARINETES

PERCUSSÃO

Anthony Flint – Spalla

Mikhail Bugaev

Marcus Julius Lander *

Rafael Alberto *

Rommel Fernandes –

Nathan Medina

Jonatas Bueno ***

Daniel Lemos ***

Ney Franco

Sérgio Aluotto

Alexandre Silva

Werner Silveira

Spalla associado Ara Harutyunyan –

VIOLONCELOS

Spalla assistente

Philip Hansen *

Ana Paula Schmidt

Robson Fonseca ***

FAGOTES

Ana Zivkovic

Camila Pacífico

Catherine Carignan *

Arthur Vieira Terto

Camilla Ribeiro

Victor Morais ***

HARPA

Joanna Bello

Eduardo Swerts

Andrew Huntriss

Clémence Boinot *

Luis Andrés Moncada

Emília Neves

Francisco Silva

Roberta Arruda

Lina Radovanovic

Rodrigo Bustamante

Lucas Barros

TROMPAS

Rodrigo M. Braga

William Neres

Alma Maria Liebrecht *

José Henrique Viana*****

TECLADOS Ayumi Shigeta *

Evgueni Gerassimov ***

GERENTE

Wesley Prates

CONTRABAIXOS

Gustavo Garcia Trindade

Jussan Fernandes

Eliseu Barros *****

Nilson Bellotto *

José Francisco dos Santos

Rodrigo de Oliveira

André Geiger ***

Lucas Filho

INSPETORA

SEGUNDOS VIOLINOS

Marcelo Cunha

Fabio Ogata

Karolina Lima

Frank Haemmer *

Marcos Lemes

Hyu-Kyung Jung ****

Pablo Guiñez

TROMPETES

Gideôni Loamir

Rossini Parucci

Marlon Humphreys *

ASSISTENTE ADMINISTRATIVO

Jovana Trifunovic

Walace Mariano

Érico Fonseca **

Risbleiz Aguiar

Luka Milanovic

Daniel Leal ***

Martha de Moura

FLAUTAS

Pacífico

Cássia Lima *

Matheus Braga

Renata Xavier ***

TROMBONES

Radmila Bocev

Alexandre Braga

Mark John Mulley *

ASSISTENTES

Rodolfo Toffolo

Elena Suchkova

Diego Ribeiro **

Claudio Starlino

Wagner Mayer ***

Jônatas Reis

Tássio Furtado

Ana Lúcia Kobayashi

Tiago Ellwanger Valentina Gostilovitch

ARQUIVISTA

OBOÉS

Renato Lisboa

VIOLAS

Públio Silva ***

TUBA

SUPERVISOR DE MONTAGEM

João Carlos Ferreira *

Israel Muniz

Eleilton Cruz *

Rodrigo Castro

Roberto Papi ***

Maria Fernanda

Flávia Motta

Gonçalves

Alexandre Barros *

TÍMPANOS

MONTADORES

Gerry Varona

Patricio Hernández

Hélio Sardinha

Gilberto Paganini

Pradenas *

Klênio Carvalho

Katarzyna Druzd Luciano Gatelli

* principal

** principal associado

**** principal / assistente substituta

*** principal assistente ***** musicista convidado


INSTITUTO CULTURAL FILARMÔNICA CONSELHO ADMINISTRATIVO

Oscip — Organização da Sociedade Civil de Interesse Público Lei 14.870 / Dez 2003

OS — Organização Social Lei 23.081 / Ago 2018

EQUIPE TÉCNICA

Presidente Emérito

Gerente de Comunicação

Jacques Schwartzman

Merrina Godinho Delgado

Roberto Mário

Gerente Administrativofinanceira

Mensageiro Douglas Conrado

Jovem Aprendiz Sunamita Souza

Ana Lúcia Carvalho

Presidente Gonçalves Soares Filho

EQUIPE ADMINISTRATIVA

Gerente de Produção Musical

SALA MINAS GERAIS

Claudia da Silva

Gerente de Recursos Humanos

Gerente de Infraestrutura

Guimarães

Quézia Macedo Silva

Renato Bretas

Assessora de Programação Musical

Gerente Contábil

Gerente de Operações

Berenice Menegale

Graziela Coelho

Jorge Correia

Bruno Volpini

Gabriela de Souza

Conselheiros Angela Gutierrez Arquimedes Brandão

Celina Szrvinsk Fernando de Almeida

Produtor

Analistas Administrativos

Técnicos de Áudio e de Iluminação

Ítalo Gaetani

Luis Otávio Rezende

João Paulo de Oliveira

Diano Carvalho

Paulo Baraldi

Rafael Franca

Cunha Castello Branco

Analistas de Comunicação

Secretária Executiva

Assistente Operacional

Mauricio Freire

Fernando Dornas

Flaviana Mendes

Rodrigo Brandão

Octávio Elísio

Lívia Aguiar

Paulo Brant

Renata Gibson

Sérgio Pena

Renata Romeiro

Assistente Administrativa

FORTISSIMO

Cristiane Reis

Março nº 3 / 2019

Marco Antônio Pepino Marco Antônio Soares da

DIRETORIA EXECUTIVA

ISSN 2357-7258

Diretor Presidente

Analista de Marketing de Relacionamento

Diomar Silveira

Mônica Moreira

Diretor Administrativofinanceiro

Analistas de Marketing e Projetos

Recepcionistas

Capa

Itamara Kelly

Meire Gonçalves

Episódios da Eneida —

Estêvão Fiuza

Lilian Sette

Vivian Figueiredo

Paolo Uccello

Diretor de Comunicação

Assistente de Produção

Auxiliar Contábil

Agenor Carvalho

Rildo Lopez

Diretora de Marketing e Projetos

Auxiliares de Produção

Zilka Caribé

André Barbosa

O Fortissimo está indexado aos sistemas nacionais e internacionais de pesquisa. Você pode acessá-lo também em nosso site.

Jeferson Silva

Editora Merrina

Assistente de Recursos Humanos

Godinho Delgado

Jessica Nascimento

Edição de texto Berenice Menegale

Pedro Almeida

Auxiliar Administrativa Geovana Benicio

Diretor de Operações

Auxiliares de Serviços Gerais

Ivar Siewers

Ailda Conceição Rose Mary de Castro

Este programa foi impresso em papel doado pela Resma Papéis.


FOTO: BRUNA BRANDÃO

COMEÇAMOS 2019 CHEIOS DE VELHOS E NOVOS AMIGOS. MUITO OBRIGADA PELA SUA PARCERIA! Se a sua doação foi por incentivo fiscal, é hora de contar isso ao Leão. O prazo para entrega da declaração do IRPF 2019 é até 30 de abril. Tem alguma dúvida? Ligue (31) 3219-9029 ou mande um e-mail para amigos@filarmonica.art.br

Amigos da Filarmônica contribuem para a Programação Educacional da Orquestra. J U N T E - S E A E L E S ! S E J A V O C Ê TA M B É M U M A M I G O D A F I L A R M Ô N I C A .


NO CONCERTO CUIDE DA SAL A

SEJA PONTUAL.

MINAS GERAIS.

TRAGA SEU INGRESSO

NÃO COMA

O U C A R TÃ O D E

OU BEBA.

ASSINANTE. DESLIGUE

D E I X E PA R A

O CELULAR

APL AUDIR AO F IM

(SOM E LUZ).

NÃO FOTOGRAFE

DE CADA OBRA.

S E P U D E R , D E V O L VA

O U G R AV E E M

SEU PROGRAMA

ÁUDIO / VÍDEO.

FA Ç A S I L Ê N C I O E EVITE TOSSIR.

DE CONCERTO. EVITE TRAZER CRIANÇAS MENORES

EM MARÇO 9 Fora de Série 14 E 15 Presto e Veloce 21 E 22 Allegro e Vivace 26 Filarmônica em Câmara 30 Fora de Série 18h

MÚSICA E DANÇA

20h30

20h30

20h30

18h

M Ú S I C A E T E AT R O

DE 8 ANOS.


MANTENEDOR

DIVULGAÇÃO

PAT R O C Í N I O

REALIZAÇÃO

www.filarmonica.art.br / FILARMONICAMG

RUA T E N E N T E B R I TO M E LO , 1. 090 — BA R RO PR E TO C E P 3 0 .1 8 0 - 0 7 0

|

T E L : ( 3 1 ) 3 2 1 9. 9 0 0 0

BELO HORIZONTE – MG |

FA X : ( 3 1 ) 3 2 1 9. 9 0 3 0

COMU NI CA ÇÃO IC F / 20 19

Sala Minas Gerais

Profile for Orquestra Filarmônica de Minas Gerais

Março de 2019 | Allegro e Vivace 2  

Fabio Mechetti, regente Barry Douglas, piano BERLIOZ | Os Troianos: Caçada real e tempestade MOZART | Concerto para piano nº 20 em ré menor...

Março de 2019 | Allegro e Vivace 2  

Fabio Mechetti, regente Barry Douglas, piano BERLIOZ | Os Troianos: Caçada real e tempestade MOZART | Concerto para piano nº 20 em ré menor...

Advertisement