{' '} {' '}
Limited time offer
SAVE % on your upgrade.

Page 1

14 15 FEV Allegro

Vivace

FORTISSIMO Nยบ 1 / 2019


MinistĂŠrio da Cidadania e Governo de Minas Gerais A P R E S E N TA M

Allegro

14/02

Vivace

15/02

FA B I O M E C H E T T I , R E G E N T E


PROGRAMA

FRANZ LISZT Os Prelúdios, Poema Sinfônico nº 3

I N T E R VA L O

GUSTAV MAHLER Sinfonia nº 1 em Ré maior, “Titã”

Langsam, Schleppend – Sehr gemächlich (Lento, arrastado – muito confortável) Kräftig bewegt, doch nicht zu schnell (Forte, não rápido demais) Feierlich und gemessen, ohne zu schleppen (Solene e compassado, sem se arrastar) Stürmisch bewegt (Tempestuoso)


CAROS AMIGOS E AMIGAS,

Os Prelúdios de Liszt simbolizam o otimismo e a confiança que caracterizam a história de nossa Orquestra. E a força e energia com que trabalhamos para uma sociedade cada vez

Bem-vindos a mais uma temporada

melhor encontra na Sinfonia nº 1 de

da nossa Filarmônica.

Mahler seu melhor espelho.

Dando início à nossa segunda

Assim, recebemos com grande ale-

década, e com a energia e ambi-

gria todos vocês que, unidos pela

ção da continuidade de um pro-

música, nos ajudam a celebrá-la a

cesso sempre evolutivo, selecio-

cada apresentação.

namos um programa puramente orquestral como o primeiro con-

A todos um bom concerto e uma

certo do ano. Nada melhor do que

excelente temporada.

começar com obras de grandes

FOTO: ALEXANDRE REZENDE

desafios e emoções.

FA B I O M E C H E T T I


FABIO MECHETTI DIRETOR ARTÍSTICO E REGENTE TITULAR

Diretor Artístico e Regente Titular

sua estreia no Carnegie Hall de Nova

da Orquestra Filarmônica de Minas

York conduzindo a Sinfônica de Nova

Gerais desde sua criação, em 2008,

Jersey. Continua dirigindo inúmeras

Fabio Mechetti posicionou a orques-

orquestras norte-americanas e é

tra mineira no cenário mundial da

convidado frequente dos festivais

música erudita. Além dos prêmios

de verão norte-americanos, entre

conquistados, levou a Filarmônica

eles os de Grant Park em Chicago

a quinze capitais brasileiras, a uma

e Chautauqua em Nova York.

turnê pela Argentina e Uruguai e realizou a gravação de nove álbuns,

Igualmente aclamado como regente

sendo quatro para o selo interna-

de ópera, estreou nos Estados Unidos

cional Naxos. Natural de São Paulo,

dirigindo a Ópera de Washington. No

Mechetti serviu recentemente como

seu repertório destacam-se produções

Regente Principal da Filarmônica

de Tosca, Turandot, Carmem, Don

da Malásia, tornando-se o primeiro

Giovanni, Così fan tutte, La Bohème,

regente brasileiro a ser titular de

Madame Butterfly, O barbeiro de

uma orquestra asiática.

Sevilha, La Traviata e Otello.

Nos Estados Unidos, Mechetti esteve

Suas apresentações se estendem

quatorze anos à frente da Orquestra

ao Canadá, Costa Rica, Dinamarca,

Sinfônica de Jacksonville e, atual-

Escócia, Espanha, Finlândia, Itá-

mente, é seu Regente Titular Emérito.

lia, Japão, México, Nova Zelândia,

Foi também Regente Titular das sin-

Suécia e Venezuela. No Brasil, re-

fônicas de Syracuse e de Spokane,

geu todas as importantes orques-

da qual hoje é Regente Emérito.

tras brasileiras.

Regente Associado de Mstislav Rostropovich na Orquestra Sinfônica

Fabio Mechetti é Mestre em Regência

Nacional de Washington, com ela

e em Composição pela Juilliard

dirigiu concertos no Kennedy Center

School de Nova York e vencedor do

e no Capitólio. Da Sinfônica de San

Concurso Internacional de Regência

Diego, foi Regente Residente. Fez

Nicolai Malko, da Dinamarca.


Franz

LISZT

R A I D I N G , H U N G R I A , AT U A L Á U S T R I A , 1 8 1 1

B AY R E U T H , A L E M A N H A , 1 8 8 6

Pianista idolatrado pelo público, improvisador de habilidade vertiginosa, viajante incansável, Franz Liszt transitou internacionalmente nos meios artísticos, filosóficos e políticos europeus liderando de maneira abrangente e profunda o movimento romântico. Aos 35 anos, para dedicar-se mais à composição, o I N S T R U M E N TA Ç Ã O

Piccolo, 3 flautas, 2 oboés, 2 clarinetes, 2 fagotes, 4 trompas, 2 trompetes, 3 trombones, tuba, tímpanos, percussão, harpa, cordas.

lendário concertista diminuiu a frequência de suas apresentações. Entre 1848 e 1861, fixando-se em Weimar, transformou a pequena cidade em um dos centros musicais mais influentes da Europa. Liszt liderava a “música do futuro”, representada principalmente pelo trabalho de três compositores – Berlioz, o próprio Liszt

EDITORA

e Wagner. Para eles, os gêneros intimamente ligados à

Breitkopf & Härtel

forma sonata haviam atingido os limites da perfeição no

PA R A O U V I R

CD Liszt – Les Préludes; Tasso; Prometheus – London Philharmonic Orchestra – Sir Georg Solti, regente – Decca – 1978

conjunto da obra dos clássicos vienenses (Haydn, Mozart, Beethoven) e seria, portanto, impossível ir musicalmente à frente sem procurar outros caminhos. Para substituir os sistemas preestabelecidos da tradicional organização formal, cultivaram a ideia do poematismo – o princípio gerador da música programática –, ou seja, a ordenação do discurso sonoro pela lógica motriz de ideias, fatos

PA R A A S S I S T I R

Berlin Philharmoniker – Daniel Barenboim, regente Acesse: fil.mg/lpreludios

ou caracteres extramusicais. Cada obra exigiria, assim, uma nova forma, diferente, específica. Em Weimar, Liszt escreveu doze poemas sinfônicos que,

PA R A L E R

segundo o próprio compositor, não buscavam retratar

Lauro Machado Coelho – O cigano visionário: Vida e obra de Franz Liszt – Algol – 2009

musicalmente os enredos poéticos escolhidos, mas


Os Prelúdios, Poema Sinfônico nº 3 1853

Última apresentação: 4 de abril / 2008 Fabio Costa, regente

15 MINUTOS

sim externar os sentimentos que

canto desconhecido, do qual a morte

tais assuntos lhe suscitavam. Sob

faz soar a primeira e solene nota?”.

esse aspecto, Liszt seguiu a orientação de Beethoven para a Sinfonia

Na lenta e misteriosa introdução, em

Pastoral: “mais sentimento do que

uníssono das cordas, ouve-se o motivo

pintura”. Os poemas sinfônicos não

gerador, uma célula de três notas. O

correspondem à imagem do virtuo-

Andante maestoso enuncia o poderoso

sismo cintilante e fácil que se esperava

tema principal, em Dó maior. A constante

de Liszt. Em sua maioria, são peças

variação de andamentos a seguir – Allegro;

reflexivas, experimentais, inquietantes.

Tempestuoso; Pastorale; Marziale – parece

Deve-se observar, também, que os

acompanhar os diferentes prelúdios que

prefácios literários afixados a essas

compõem a vida humana: a felicidade,

partituras não foram escritos pelo com-

a inquietude, a serenidade, as lutas...

positor, mas por sua companheira,

No final, a reprise do tema principal bri-

a princesa Carolyne von Sayn-Witt-

lhantemente orquestrado leva a uma

genstein, e pelo maestro von Bülow.

gloriosa conclusão, numa afirmação das forças da vida sobre a morte. A

O esboço de Les Préludes remonta

obra estreou em Weimar, no dia 23 de

a 1845, inicialmente planejado como

fevereiro de 1854, sob a regência de Liszt.

abertura coral para os poemas Les quatre élements, do marselhês

PA U L O S É R G I O

Joseph Autran. O mais célebre dos

MALHEIROS DOS SANTOS

poemas sinfônicos só ganharia sua

Pianista, Doutor em Letras, professor na

forma independente e definitiva em

UEMG, autor dos livros Músico, doce

1853, com o título inspirado nas

músico e O grão perfumado – Mário

Nouvelles Méditations Poétiques de

de Andrade e a arte do inacabado.

Lamartine: “Que é nossa vida, senão

Apresenta o programa semanal Recitais

uma série de prelúdios para aquele

Brasileiros, pela Rádio Inconfidência.


Gustav

MAHLER

K A L I S T E , B O Ê M I A , AT U A L R E P Ú B L I C A T C H E C A , 1 8 6 0

V I E N A , ÁUST R I A , 1 9 1 1

I N S T R U M E N TA Ç Ã O

2 piccolos, 4 flautas, 4 oboés, corne inglês, requinta, 3 clarinetes, clarone, 3 fagotes, contrafagote, 7 trompas, 5 trompetes, 4 trombones, tuba, tímpanos, percussão, harpa, cordas.

“Na música de Mahler (diz Mário Quintana, no genial A Vaca e o Hipogrifo), como na minha poesia, há uma inquietação terrível, aqueles motivos que nunca chegam... Que nunca chegam a uma solução... Mas pelo menos acho que expressamos nossa angústia... Ele na sua música, eu na minha poesia”. De fato, embora toda

EDITORA

Universal PA R A O U V I R

CD Mahler – The complete Symphonies – New York Philharmonic Orchestra – Leonard Bernstein, regente – Sony Classical – 2012 PA R A A S S I S T I R

Vienna Philharmonic – Leonard Bernstein, regente Acesse: fil.mg/mtitalb

grande generalização seja sempre um risco, pode-se dizer que tudo em Mahler é polvilhado, em maior ou menor grau, de uma angústia insolúvel: mesmo em suas citações de temas folclóricos, não raro festivos, depreende-se essa sensação de inquietude a que se refere Quintana – certo grau de “absurdo” que gera dilaceramentos melódicos. Cite-se apenas um exemplo: o terceiro movimento da Sinfonia nº 1. Ali, a sucessão de fragmentos de temas tradicionais judaicos elabora uma espécie de mosaico temático, que posiciona o ouvinte numa atitude de expectativa ante uma aparente incompletude que parece

Lucerne Festival Orchestra – Claudio Abbado, regente Acesse: fil.mg/mtitaca PA R A L E R

Michael Kennedy – Mahler – Zahar Editor – 1988

nunca se solucionar. Além disso, essas evocações de temas festivos são colocadas, nessa obra, na sequência do trabalho inusitado com outro tema folclórico da tradição ocidental (a que os franceses intitulam Frère Jacques): esse tema é transformado em uma marcha fúnebre e exposto pelos timbres mais graves da orquestra, a começar por um solo de contrabaixo.

Donald Mitchell – Gustav Mahler, The Wunderhorn Years: Chronicles and Commentaries – vol. 2 – Boydell Press – 2005

Percebe-se, com isso, certo trabalho irônico que, por


Última apresentação: 11 de dezembro / 2015 Fabio Mechetti, regente

Sinfonia nº 1 em Ré maior, “Titã” 1 8 8 5 / 1 8 8 8 / 1 ª R E V I S Ã O 1 8 9 3 / 1 8 96 / 2 ª R E V I S Ã O 1 9 0 6

53 MINUTOS

sua própria natureza traduz, ele

das sinfonias restantes. Na primeira

mesmo, aquela angústia a que se

de todas elas, Mahler faz citações

referia Quintana.

completas ou fragmentárias de outra obra sua, composta entre 1883 e

A Sinfonia nº 1 foi concluída em

1885: Lieder eines fahrenden Gesellen

1888, tendo sido apresentada no

(Canções de um Andarilho). Das

ano seguinte, na estreia em Praga,

quatro canções que compõem esse

como um poema sinfônico, em cinco

ciclo, a segunda oferece o tema

movimentos. Em 1893, o compositor

principal do primeiro movimento da

a rebatizou “Titã, um Poema Sinfô-

Sinfonia, além de outras citações

nico em Forma de Sinfonia”. O título

esparsas no todo da obra.

não se deve à figura da mitologia greco-romana, mas a uma persona-

Mahler construiu sua linguagem di-

gem romântica do poeta Jean-Paul

vidido entre o século XIX e o século

Richter. O herói de Richter, dife-

XX. Daí, talvez, outro elemento que

rentemente de seus homônimos

explique a sensação de angústia

clássicos, ocupa-se, no poema, de

gerada por sua música, em que,

diálogos com a natureza e com suas

nas palavras do musicólogo Roland

aventuras não realizadas. Reelabo-

de Candé, “as fanfarras e as mar-

rada e revista diversas vezes, a

chas evocam a morte; as valsas e

Sinfonia tomou sua forma definitiva

os ländler, a loucura”.

apenas em 1906, quando Mahler suprimiu um movimento inteiro.

M O A C Y R L AT E R Z A F I L H O

Pianista e cravista, Doutor em Literaturas No conjunto das sinfonias de Mahler,

de Língua Portuguesa, professor da

distinguem-se tradicionalmente dois

Universidade do Estado de Minas Gerais

grupos: o das quatro primeiras e o

e da Fundação de Educação Artística.


FOTO: ANDRÉ FOSSATI


ORQUESTRA FILARMÔNICA DE MINAS GERAIS

Diretor Artístico e Regente Titular FABIO MECHETTI Regente Associado MARCOS ARAKAKI

PRIMEIROS VIOLINOS

Gilberto Paganini

CLARINETES

PERCUSSÃO

Anthony Flint – Spalla

Katarzyna Druzd

Marcus Julius Lander *

Rafael Alberto *

Rommel Fernandes –

Luciano Gatelli

Jonatas Bueno ***

Sérgio Aluotto

Spalla associado

Marcelo Nébias

Ney Franco

Werner Silveira

Ara Harutyunyan –

Mikhail Bugaev

Alexandre Silva

Spalla assistente

Nathan Medina

Ana Paula Schmidt

Kamila Druzd *****

FAGOTES

Ana Zivkovic

Raul Victor Martins *****

Catherine Carignan *

HARPA Clémence Boinot *

Victor Morais ***

TECLADOS

Joanna Bello

VIOLONCELOS

Andrew Huntriss

Ayumi Shigeta *

Luis Andrés Moncada

Philip Hansen *

Francisco Silva

Roberta Arruda

Robson Fonseca ***

Rodrigo Bustamante

Camila Pacífico

TROMPAS

Rodrigo M. Braga

Camilla Ribeiro

Alma Maria Liebrecht *

Rodrigo de Oliveira

Eduardo Swerts

Evgueni Gerassimov ***

INSPETORA

Wesley Prates

Emília Neves

Gustavo Garcia Trindade

Karolina Lima

Ângelo Martins *****

Lina Radovanovic

José Francisco dos Santos

João Paulo Machado *****

Lucas Barros

Lucas Filho

Marcio Cecconelo *****

William Neres

Fabio Ogata

ASSISTENTE ADMINISTRATIVO

Rafael Anastácio *****

Rafael Froes *****

Risbleiz Aguiar

Frank Haemmer *

CONTRABAIXOS

TROMPETES

ARQUIVISTA

Hyu-Kyung Jung ****

Nilson Bellotto *

Marlon Humphreys *

Ana Lúcia Kobayashi

Gideôni Loamir

André Geiger ***

Érico Fonseca **

Jovana Trifunovic

Marcelo Cunha

Daniel Leal ***

ASSISTENTES

Luka Milanovic

Marcos Lemes

Tássio Furtado

Claudio Starlino

Martha de Moura Pacífico

Pablo Guiñez

Matheus Braga

Rossini Parucci

TROMBONES

Radmila Bocev

Walace Mariano

Mark John Mulley *

Arthur Vieira Terto

GERENTE Jussan Fernandes

SEGUNDOS VIOLINOS

Jônatas Reis

Rodolfo Toffolo

Diego Ribeiro **

SUPERVISOR DE MONTAGEM Rodrigo Castro

Tiago Ellwanger

FLAUTAS

Wagner Mayer ***

Valentina Gostilovitch

Cássia Lima *

Renato Lisboa

Anahit Asatryan *****

Renata Xavier ***

Anderson Cardoso *****

Alexandre Braga

TUBA

Hélio Sardinha

Edgar Leite *****

Elena Suchkova

Eleilton Cruz *

Klênio Carvalho

MONTADORES

Luiza Castro *****

OBOÉS

TÍMPANOS

VIOLAS

Alexandre Barros *

Patricio Hernández

João Carlos Ferreira *

Públio Silva ***

Pradenas *

Roberto Papi ***

Israel Muniz

Daniel Lemos ***

Flávia Motta

Maria Fernanda

Gerry Varona

Gonçalves

* principal

** principal associado

**** principal / assistente substituta

*** principal assistente ***** musicista convidado(a)


INSTITUTO CULTURAL FILARMÔNICA CONSELHO ADMINISTRATIVO

Oscip — Organização da Sociedade Civil de Interesse Público Lei 14.870 / Dez 2003

OS — Organização Social Lei 23.081 / Ago 2018

EQUIPE TÉCNICA

Presidente Emérito

Gerente de Comunicação

Jacques Schwartzman

Merrina Godinho Delgado

Gonçalves Soares Filho

Gerente Administrativofinanceira Ana Lúcia Carvalho

Presidente Roberto Mário

EQUIPE ADMINISTRATIVA

Gerente de Produção Musical

Jovem Aprendiz Geovana Benicio

SALA MINAS GERAIS Gerente de Infraestrutura Renato Bretas

Claudia da Silva

Gerente de Recursos Humanos

Gerente de Operações

Guimarães

Quézia Macedo Silva

Jorge Correia

Assessora de Programação Musical

Gerente Contábil

Berenice Menegale

Técnicos de Áudio e de Iluminação

Bruno Volpini

Gabriela de Souza

Conselheiros Angela Gutierrez Arquimedes Brandão

Celina Szrvinsk

Graziela Coelho

Diano Carvalho Rafael Franca

Fernando de Almeida

Produtor

Analistas Administrativos

Ítalo Gaetani

Luis Otávio Rezende

João Paulo de Oliveira

Assistente Operacional

Paulo Baraldi

Rodrigo Brandão

Marco Antônio Pepino Marco Antônio Soares da Cunha Castello Branco

Analistas de Comunicação

Secretária Executiva

Mauricio Freire

Fernando Dornas

Flaviana Mendes

Octávio Elísio

Lívia Aguiar

Paulo Brant

Renata Gibson

Sérgio Pena

Renata Romeiro

DIRETORIA EXECUTIVA Diretor Presidente

Analista de Marketing de Relacionamento

Diomar Silveira

Mônica Moreira

Assistente Administrativa

FORTISSIMO

Cristiane Reis

Fevereiro nº 1 / 2019 ISSN 2357-7258

Assistente de Recursos Humanos

Editora Merrina

Jessica Nascimento

Edição de texto

Godinho Delgado Berenice Menegale

Diretor Administrativofinanceiro

Analistas de Marketing e Projetos

Recepcionistas

Capa

Itamara Kelly

Meire Gonçalves

Gustav Mahler

Estêvão Fiuza

Lilian Sette

Vivian Figueiredo

Diretor de Comunicação

Assistente de Produção

Auxiliar Contábil

Agenor Carvalho

Rildo Lopez

Diretora de Marketing e Projetos

Auxiliares de Produção

Zilka Caribé

André Barbosa

Pedro Almeida

Auxiliares de Serviços Gerais Ailda Conceição

O Fortissimo está indexado aos sistemas nacionais e internacionais de pesquisa. Você pode acessá-lo também em nosso site.

Rose Mary de Castro

Jeferson Silva

Diretor de Operações

Mensageiro

Ivar Siewers

Douglas Conrado

Este programa foi impresso em papel doado pela Resma Papéis.


NO CONCERTO SEJA PONTUAL.

TRAGA SEU INGRESSO O U C A R TÃ O D E ASSINANTE.

DESLIGUE O CELULAR (SOM E LUZ).

CUIDE DA SAL A MINAS GERAIS.

NÃO COMA OU BEBA.

D E I X E PA R A APL AUDIR AO F IM DE CADA OBRA.

NÃO FOTOGRAFE O U G R AV E E M ÁUDIO / VÍDEO.

S E P U D E R , D E V O LVA SEU PROGRAMA DE CONCERTO.

FA Ç A S I L Ê N C I O E EVITE TOSSIR.

EVITE TRAZER CRIANÇAS MENORES DE 8 ANOS.

EM FEVEREIRO 14 E 15 Allegro e Vivace 20h30

24 Concertos para a Juventude

LISZT / MAHLER

11h

IMAGINANDO A MÚSICA


MANTENEDOR

DIVULGAÇÃO

PAT R O C Í N I O

REALIZAÇÃO

www.filarmonica.art.br / FILARMONICAMG

Sala Minas Gerais C E P 3 0 .1 8 0 - 0 7 0

|

T E L : ( 3 1 ) 3 2 1 9. 9 0 0 0

BELO HORIZONTE – MG |

FA X : ( 3 1 ) 3 2 1 9. 9 0 3 0

COMU NI CA ÇÃO IC F

RUA T E N E N T E B R I TO M E LO , 1. 090 — BA R RO PR E TO

Profile for Orquestra Filarmônica de Minas Gerais

Fevereiro de 2019 | Allegro e Vivace 1  

Fabio Mechetti, regente LISZT | Os Prelúdios, Poema sinfônico nº 3 MAHLER | Sinfonia nº 1 em Ré maior, "Titã"

Fevereiro de 2019 | Allegro e Vivace 1  

Fabio Mechetti, regente LISZT | Os Prelúdios, Poema sinfônico nº 3 MAHLER | Sinfonia nº 1 em Ré maior, "Titã"

Advertisement