Issuu on Google+


As alterações económicas e sociais de finais do século XIX e início do século XX, bem como as vivência e o sofrimento causados pela 1ª Guerra Mundial, originaram novas formas de expressão artística e provocaram uma autêntica revolução no mundo das artes. Ao desenvolver-se a fotografia, a pintura perdeu o monopólio da reprodução da natureza e foi forçada a encontrar novas soluções.

Muitos artistas romperam com as regras e as convenções tradicionais (noção de perspectiva, e o naturalismo) e abandonaram progressivamente, a arte figurativa (reprodução da realidade observável) abrindo caminho à pintura contemporânea.


A Arte Nova, surgida ainda nos finais do séc. XIX, nomeadamente em França e na Bélgica, em plena «Belle Époque», produziu obras de grande beleza e requinte, utilizando materiais diversos como: 

Tecidos, vidro, preciosas.

Abrangeu os artísticos: Alphonse Mucha

mais

pedras

e

madeiras

variados

sectores

A pintura, a arquitectura, o mobiliário, a decoração de interiores e a ourivesaria.

Inspirou-se na natureza e valorizou exótico, a Linha curva e a contra curva que sugeria a ideia de movimento e sentia repulsa pela civilização Industrial.

Alphonse Mucha


CASA DE MALHOA EDIFÍCIO NA AVENIDA FONTES PEREIRA DE MELO, N.º 28 Galardoado com o prémio Valmor em 1914, trata-se de um projecto de autoria do Arq. Norte Júnior. No edifício de dois pisos é de realçar, na fachada, a exuberante decoração de motivos vegetalistas e o trabalho de cantaria das janelas superiores.

Local: Avenida 5 de Outubro, 6

Esta casa foi construída com a finalidade de servir de habitação e atelier de trabalho ao pintor José Malhoa. Esta maravilhosa edificação foi agraciada com o Prémio Valmor em 1905, devido à sua beleza arquitectural. É uma casa constituída na sua fachada por três corpos bem distintos, mas que se integram de uma forma harmoniosa no seu conjunto.


O movimento Arte Nova, iniciado ainda nos finais do séc. XIX, caracterizado por edifícios com decorações curvilíneas e naturalista, teve maior representatividade na arquitectura ao gosto burguês e na cobertura de pequenos espaços

Livraria Lelo – Porto


Vincent Van Gogh - "Girassóis"

Este movimento artístico desenvolveu-se, sobretudo na Alemanha e nos países nórdicos entre 1905 e 1930. Os expressionistas pretendiam revelar os seus sentimentos através da violência das cores, das pinceladas largas e das imagens deformadas. É um tipo de pintura intenso, apaixonado e muito pessoal. Um dos pintores que mais influenciou este movimento artístico foi Van Gogh, ao distorcer as cores e as linhas expressando, assim, uma grande intensidade dramática.

Starry Night by Vincent van Gogh


Vincent Van Gogh Holanda

The Night Cafe in the Place Lamartine in Arles


O

movimento FAUVE caracteriza-se essencialmente pela utilização de cores vivas e contrastes.

Estes artistas utilizam largas manchas de cor violentas, procurando, assim, nas suas obras a forma como observam o mundo. A intensidade da cor prevalecia sobre as formas que se tornam pouco definidas. As cores fortes utilizadas por estes artistas foram ridicularizadas por um crĂ­tico de arte que que chamou aos seus autores fauves (feras) . Henri Matisse principais movimento.

Munche Gauguin representantes

foram deste

The Red Room, Henri Matisse


Henri Matisse

Paul Gauguin


Edward Munch Golgotha

Edvard Munch: The Scream


Surgiu em Paris em 1907;

O pintor observa o objecto de ângulos diferentes e a pintura pretende simbolizar o caos da vida moderna; A cor modela o volume das figuras; Redução de todas as formas a figuras geométricas (cilindro, cubo, esfera) para expressar as ideias principais; Existe uma sobreposição de planos, combinando várias perspectivas. Principais representantes: Pablo Picasso – Pintor espanhol. Obras: “As Meninas de Avinhão” (1907) “Guernica” (1937)

Georges Braque (1882-1963) – Pintor francês. Obras:“Casas em Estaque” (1908)


Guernica. 1937. by Pablo Picasso

Les Demoiselles d’Avignon, Picasso


Surgiu em Itália em 1909 com o manifesto literário do poeta Marinetti. Recusa da herança cultural do passado e criação de uma nova arte baseada na velocidade, nas tecnologias modernas e no futuro. Estes princípios foram adaptados ao manifesto dos pintores futuristas. A pintura futurista pretendia enaltecer o dinamismo que simbolizava o progresso; captar o movimento e a velocidade através da representação de diversas imagens em simultâneo do mesmo objecto Usa cores berrantes: verde, amarelos, laranjas. Figura de Destaque: Delauny (1887-1968)

Pintor francês. Obra: “Transição de Virgem a Mulher”


Corpus Christi

Violino


Surgiu na Alemanha em 1910; Os

artistas procuravam basear-se nos contrastes das cores e das formas geométricas;

É uma corrente não figurativa, deixando de reproduzir figuras ou objectos concretos; Exprime-se através de linhas, de cores, de formas puras que se abstraem da realidade e nada exprimem, produzindo apenas uma emoção ou um estado de espírito dos autores. Principais representantes:

Kandinsky – “Composição VII” (1923). Piet Mondriam (1872-1944) – Pintor holandês. “Composição com vermelho, amarelo e azul” (1939).

Kandisnky


Surgiu na década de trinta; Utilizava a linguagem do inconsciente, do irracional, como meio de libertação do espírito; Explora o sonho, as alucinações, o subconsciente; Utiliza as colagens.

Principais representantes: René Magritte (1898-1967) – Pintor belga. “O jogador secreto” (1926-1927).

Salvador Dali espanhol.

(1904-1989)

“A Persistência da Memória”.

Pintor

René Magritte


Embora influenciados por determinados movimentos, alguns artistas n茫o se cingiram a nenhum em especial, seguindo caminhos pr贸prios. Foram os casos de : Mir贸, Chagall e Picasso

Chagall

Chagall


Aniversário – Marc Chagall


As novas correntes literárias surgiram, também, como reacção ao conservadorismo tradicional, constituindo resposta à instabilidade social que antecedeu e sucedeu à 1ª guerra mundial. Entrou-se num período de desencanto, de crise de valores e de ideias desfeitos. A literatura deste período, foi caracterizada por uma visão mais pessimista do mundo, mais receosa e subjectiva. De que são testemunho, Albert Camus e Marcel Proust, franceses e James Joycee, irlandês. Alguns autores denunciaram as injustiças sociais e defenderam os mais desfavorecidos: John Steinbeck autor de as “Vinhas da Ira”

Com a instauração da República surgem em Portugal, uma nova geração de escritores, preocupados com a situação do país. No Porto, fundou-se em 1912 «A Renascença Portuguesa» que contou com o apoio de Teixeira de pascoais.

O

modernismo literário reflectiu-se, principalmente nas obras de Fernando Pessoa, Mário de Sá Carneiro e Almada Negreiros que iniciaram em 1915, a publicação da «Revista Orpheu» da qual foram publicados apenas 2 números.

A «Geração do Orpheu» escandalizou os meios intelectuais da época pela sua criatividade e espírito crítico.


Almada Negreiros Manifesto anti-dantas


O séc. XX continuou a renovação na arquitectura que já se iniciara em meados do séc. anterior, com a construção e cobertura de grandes espaços e a utilização do vidro e do ferro.


Nos Estados Unidos e na Europa, duas novas escolas foram responsáveis pelo Modernismo Arquitectónico caracterizado pelas formas geométricas, pelas superfícies rectilíneas e pela quase ausência de decoração. 

Utiliza novas técnicas e novos materiais – Aço e betão;

Novas exigências da industrialização – fábricas, hospitais, escolas, aeroportos

Influência artística do cubismo e abstraccionismo.


Estados Unidos – A escola de Chicago desenvolve a arquitectura Funcional, centrando-se na funcionalidade do edifício, ou seja, na obediência da construção à função a que se destina; Lloyd Wright, arquitecto da escola funcional, criou um novo tipo de edifícios em que os espaços interiores e exteriores se harmonizam entre si e a paisagem, sobretudo a arquitectura ao meio geográfico e à vegetação envolvente, integrando a arquitectura com a Natureza – Arquitectura Orgânica


Na Europa as primeira experiências do modernismo arquitectónico devemse à escola de artes plástica Bauhaus fundada em 1919 por Walter Groupius, a convite do governo alemão, com o objectivo de construir edifícios modernos, muitos deles para abrigar os milhões de pessoas que haviam perdido a sua casa durante a 1ª Guerra Mundial.



Ruptura e inovação nas artes e na literatura