Issuu on Google+

ENTREVISTA

as prioridades na promoção da inserção inter- nossos grandes entraves são de infraestrutura e nacional das empresas brasileiras. O País preci- política de inovação. A eficiência da inovação se sa de uma estratégia permanente para garantir sustenta em alguns pilares, como infraestrutura sua maior integração à economia mundial, com básica, ambiente macroeconômico, qualidade de metas e indicadores próprios, focada em três educação e de saúde dos trabalhadores, grau de objetivos. O primeiro deles é abrir mercados formação e treinamento para os trabalhadores, para as exportações de bens e serviços, com a eficiência do mercado e desenvolvimento do negociação de acordos comerciais, para evitar a mercado financeiro para que se viabilizem os nedupla tributação. Em seguida, gócios. No País, numa escala é preciso priorizar a melhode zero a sete dos relatórios Precisamos aliar ria da logística, para reduzir de competitividade global, vontade política o custo Brasil. O terceiro é estamos em torno de 3,5 ou dos governantes apoiar a internacionalização quatro. O tamanho do mercae participação da das empresas brasileiras, cado é enorme, é algo positivo, pacitando-as para o mercado mas em todos os outros quesociedade em torno internacional e a adequação de um projeto de país. sitos o Brasil precisa evoluir. de produtos e processos para Não podemos mais Pode haver um processo competir no exterior.

adiar as reformas necessárias

Do que depende a retomada do investimento industrial e qual é a expectativa para os próximos anos?

A baixa qualidade regulatória e as incertezas jurídicas inibem a intenção de investimento no Brasil. Temos várias oportunidades de ampliação de investimentos em áreas como petróleo e gás; química verde e farmacêutica, com a regulamentação da lei da biodiversidade; e reflorestamento e agronegócio, com a regularização das compras de terras por estrangeiros. O mesmo pode ser dito em relação a áreas de infraestrutura, petroquímica e digital. Mas os empresários precisam de certezas para investir. Acreditamos que o Governo vai trabalhar para reduzir as inseguranças jurídicas e recuperar a confiança do investidor. A indústria brasileira pode tirar proveito da manufatura avançada, ou indústria 4.0, para reduzir sua defasagem tecnológica em relação aos países desenvolvidos?

Para isso ocorrer temos alguns obstáculos. Hoje, 8 Santa Catarina > Novembro > 2016

de “reindustrialização” do País, com o setor industrial ocupando fatias crescentes de participação no PIB? Por que isso é desejável, e como é possível?

Precisamos reverter o quadro de perda de importância da indústria na economia brasileira. Para recuperar o espaço perdido, necessitamos de um cenário mais favorável aos negócios. Os desajustes do Estado brasileiro estão na raiz desse desempenho econômico muito aquém do nosso potencial. Além disso, a indústria é o segmento produtivo que mais vem sofrendo o impacto negativo do ambiente recessivo que domina a nossa economia. A queda de demanda e as condições de competitividade desestimulam o investimento. Os obstáculos tributários e trabalhistas travam o espírito empreendedor e retiram as condições de se produzir mais e de gerar empregos de qualidade. Precisamos corrigir as deficiências para a indústria recuperar seu espaço. Não me canso de dizer: não se faz um país forte sem uma indústria forte.


Revista Indústria e Competitividade - FIESC 11° Edição