Issuu on Google+

EM MEIO A UMA DE SUAS MAIORES CRISES, A INDÚSTRIA DE PESCADOS BUSCA MEIOS DE SE LIVRAR DA INSEGURANÇA JURÍDICA E DA HISTÓRICA FALTA DE GESTÃO DO SETOR Por Alexsandro Vanin

EDSON JUNKES

neladas. O barco parte de cais próprio, em Itajaí, e só volta à terra para descarregar e se reabastecer no porto mais próximo de onde estiver localizado. O pescado é levado de van até Itapema, para ser beneficiado na Indústria e Comércio de Pescados Dona Rose. Em geral, o Cordeiro de Deus regressa ao ponto de origem apenas no final da safra, que vai de julho a novembro. Toda a produção anual de 300 toneladas é exportada para a Europa. Do peixe-sapo, também conhecido por tamboril e monkfish, são apreciadas pelos europeus a cauda e a bochecha. Segundo Cordeiro, o valor do dólar favorece a operação, mas já houve épocas de baixo preço. “Sobrevivi investindo na melhoria do processo de captura e da manipulação. Consegui abrir um mercado diferenciado”, diz. Agora ele busca a certificação internacional de qualidade para a pesca da espécie, o que ajudará a elevar ainda mais o valor do produto.

Peixe-sapo SHUTTERSTOCK

A

vida de Manoel Cordeiro está ligada ao mar. Filho de pescador artesanal, quando criança vendia camarão na praia, em Itajaí, e ajudava o pai a arrumar a rede. Aos 16 anos começou a trabalhar embarcado, e aos 25 era mestre de um pesqueiro de cação-anjo. Com suas economias e a ajuda do pai e do irmão, em 2002 ele montou e equipou um barco, o Cordeiro de Deus. Hoje, aos 48 anos, é proprietário de uma das duas únicas embarcações no Brasil autorizadas a pescar peixe-sapo, iguaria muito apreciada no exterior. O Cordeiro de Deus é o seu grande orgulho. “Já são mais de R$ 1 milhão investidos em melhorias”, conta Manoel. Recentemente o porão foi revestido de inox e refrigerado, onde os peixes são armazenados em caixas, até o porto, quando são descarregados por um munck (equipamento hidráulico para içamento) instalado no próprio barco. “A manipulação dos peixes é mínima, praticamente só vão colocar a mão na indústria”, explica. Recursos também são aplicados para a qualidade de vida da tripulação de 10 pessoas, que passa de nove a 15 dias em alto-mar. A embarcação conta com áreas externas cobertas, ar-condicionado, cozinha com mármore e filtro de água, o que permite estender a viagem até 20 dias, se necessário. A pesca ocorre a cerca de 200 quilômetros da costa, em águas de 250 metros de profundidade. É uma captura seletiva, exclusivamente de peixe-sapo e de espécimes adultos com mais de dois quilos. Cada viagem rende de 20 a 30 to-

também conhecido por TAMBORIL E MONKFISH

A pesca ocorre a cerca de 200 quilômetros da costa, em águas de 250 metros de profundidade

Indústria & Competitividade 57


Revista Indústria e Competitividade - FIESC 11° Edição