Issuu on Google+

14,2

Taxa de acidentes a cada mil trabalhadores, no Brasil, em 2014

40%

11,5%

dos brasileiros têm alguma doença crônica, como diabetes, hipertensão, doenças musculoesqueléticas ou distúrbios mentais

Valor dos gastos em saúde em relação à folha de pagamentos das empresas no Brasil

132ª posição 93ª posição Qualidade da educação primária

Qualidade da educação superior e treinamento

Obs.: Em um universo de 140 países analisados pelo World Economic Forum

Limitações decorrentes Trabalhadores com pouca educação formal podem realizar apenas tarefas manuais simples, pouco contribuindo para criar ou operar inovações A qualidade do ensino secundário e superior é associada à capacidade de se realizar tarefas complexas e se adaptar à evolução dos sistemas de produção

395 mil

trabalhadores da indústria de SC não possuem escolaridade básica completa

96%

das indústrias de SC têm dificuldades para preencher vagas devido à falta de qualificação, segundo pesquisa da FIESC

denciário (FAP), que define o valor do seguro de acidentes de trabalho a ser pago pela empresa, cuja alíquota cresce junto ao número e à gravidade dos acidentes registrados.

Qualificação X acidentes No complexo mundo de causas e efeitos que envolvem o desenvolvimento do capital humano, as dimensões da educação e saúde se entrelaçam de várias formas, ainda que nem sempre as interações sejam documentadas de maneira científica. Mas quem conhece o dia a dia dos ambientes de trabalho não têm dúvidas de algumas correlações importantes. “A maior qualificação dos trabalhadores terá um impacto significativo na redução dos acidentes de trabalho”, afirma Ari Alano, representante das federações de trabalhadores do Estado no Conselho de Governança do Movimento Santa Catarina pela Educação. Não é só. A mudança de hábitos de vida, essencial para diminuir a incidência de doenças crônicas como diabetes, hipertensão e doenças musculoesqueléticas, também tem relação com a boa educação. “Saúde é comportamento. E não se muda comportamento sem educação”, diz o médico Marcelo Tournier, diretor do Instituto SESI de Inovação. É o que sugere a experiência das empresas que possuem ações estruturadas em educação e saúde dos trabalhadores. Como na Tecnoblu, de Blumenau, indústria de etiquetas e acessórios para roupas com 230 funcionários. Desde o início dos projetos educacionais, como a implantação da educação de jovens e adultos, o número de acidentes de trabalho diminuiu. Foram registrados 19 acidentes em 2010 e apenas dois em 2015. A taxa de absenteísmo equivale a menos de metade da

aos modelos de negócios das empresas Indústria & Competitividade 35


Revista Indústria e Competitividade - FIESC 11° Edição