Issuu on Google+

CLEBER GOMES

GESTÃO

Na Menegotti, uma horta de temperos orgânicos

é mantida pelo restaurante do SESI. Eles são usados no preparo diário de refeições para os funcionários.

estratégica e trabalho em equipe. Na área industrial, todos já têm ao menos ensino médio completo. Mais da metade possui curso superior e 20% do quadro cursa graduação. As atenções aos trabalhadores também envolvem saúde e segurança. Os equipamentos de segurança são mais eficientes do que os exigidos pelas normas, todos praticam ginástica laboral e têm direito a frutas no café da manhã e café da tarde. “Temos grande preocupação com o bem-estar no ambiente de trabalho”, diz Cláudio Grando. O empresário reconhece o valor do clima organizacional. Os resultados do bom clima podem não ser tão explícitos quanto os provenientes de ações de educação voltadas a projetos, mas o aprofundamento de estudos ao redor do mundo demonstra relações inegáveis entre bem-estar e saúde com produtividade e redução de custos. Em documento, o Fórum Econômico Mundial e a Universidade Harvard

30 Santa Catarina > Novembro > 2016

afirmam que trabalhadores saudáveis possuem níveis de concentração mais elevados, o que gera maior qualidade nos resultados do seu trabalho, que são obtidos em menos tempo. Já o instituto Gallup pesquisou milhares de empresas e as separou em dois grupos: um deles congrega as que mais investem em saúde e, outro, as que menos investem. As que mais investem têm menos problemas de segurança, absenteísmo e qualidade, além de contar com clientes mais leais e funcionários mais motivados e envolvidos com os objetivos da empresa (veja o infográfico).

Retenção de talentos Na Malhas Menegotti, de Jaraguá do Sul, a boa política de recursos humanos tornou a empresa tão atraente que ela já nem precisa mais da assessoria de agências de emprego para fazer contratações, pois os próprios funcionários fazem a indicação de candidatos. E quem já faz parte do quadro de 950 colaboradores, responsáveis pela produção de mil toneladas de malha em rolo por mês, não quer sair. “O envolvimento dos funcionários é cada vez maior. O absenteísmo e a rotatividade, nos últimos três anos, caíram 50%”, afirma Marcelle Buttchevitz Volpi, coordenadora de RH. O cardápio oferecido aos funcionários inclui ginástica laboral, serviços de odontologia e ergonomia, alimentação saudável, acompanhamento de nutricionista e apoio à prática de esportes – as ações na área de saúde têm a parceria do SESI. Em educação, destaca-se o subsídio para quem faz curso técnico, superior ou pós-graduação. Eliane Hoffmann, de 33 anos, é a prova de que o investimento em pessoas ajuda a reter talentos, e que a retenção traz resultados palpáveis para a empresa e para os trabalhadores,


Revista Indústria e Competitividade - FIESC 11° Edição