Issuu on Google+

GESTÃO

O despertar do

capital humano

CADA VEZ MAIS EMPRESAS SE DÃO CONTA DE QUE A EDUCAÇÃO E A SAÚDE DO TRABALHADOR, QUANDO COMBINADAS E TRATADAS DE MANEIRA ESTRATÉGICA, SE CONVERTEM EM SUA MAIS PODEROSA ALAVANCA DE COMPETITIVIDADE Por Vladimir Brandão

Q

uais são os fatores cruciais para o desenvolvimento das organizações, das economias e das nações? Muitas já foram as hipóteses levantadas pelos estudiosos. A industrialização esteve no foco do século 20, levando países a fomentar o surgimento de fábricas e cadeias produtivas. Depois ganharam fôlego as teorias institucionalistas, que associam o desenvolvimento à qualidade das instituições que regem a sociedade. Nesse contexto, contam pontos fatores como a segurança jurídica, a liberdade para empreender e a qualidade dos regulamentos, além de fatores culturais. Já a inovação é um fator caro para teóricos da atualidade. Em tempos de rupturas tecnológicas, a capacidade de criar novos produtos e processos seria a via principal

26 Santa Catarina > Novembro > 2016

para a geração de riquezas e prosperidade. Mas a era tecnológica, também marcada pela alta velocidade das mudanças nos modelos de negócios, vem consolidando uma ideia mais radical acerca do fator essencial ao desenvolvimento: o foco recaiu sobre o capital humano, ou, mais simplesmente falando, nas pessoas. A capacidade de realização dos indivíduos pertencentes a uma organização ou a uma nação seria a verdadeira força motriz do desenvolvimento – afinal, eles estão na origem das inovações e do aprimoramento das instituições. No livro Roots of Brazilian Economic Backwardness


Revista Indústria e Competitividade - FIESC 11° Edição