Issuu on Google+

bacia carbonífera de Santa Catarina. Seu filho Manoel Dilor de Freitas fundou em 1966 a empresa Cerâmica Criciúma. Os primeiros produtos da Cecrisa são de 1971. A expansão tomou vulto graças à aquisição e à construção de novas unidades industriais no território nacional. Com sede na cidade de Criciúma, a Cecrisa é hoje uma das maiores empresas de revestimentos cerâmicos do Brasil. Mas antes desse deslanche da líder, outras iniciativas também surgiram com algum destaque. Como é o caso da Ceusa – Cerâmica Urussanga, em 1953, que começou com uma antiga olaria comprada por um grupo de pequenos proprietários. Há também a história da indústria Cocal, fundada em 1954 e que gerou a bem-sucedida Cerâmica Eliane. O empreendedor Maximiliano Gaidzinski, na época com 47 anos, ao lado da mulher e dos cinco filhos (Jarvis, Edson, Edna, Vicente e Eliane – a caçula que inspirou o nome da empresa), adquire uma cerâmica falida em Cocal do Sul e encara o desafio de reconstruir a indústria. Em 1972, a empresa, até então conhecida por seus azulejos, passa também a produzir revestimentos com uma grande diversidade de formatos, cores e tamanhos. É quando toma o rumo do sucesso. Mas não bastavam os empreendimentos, era preciso apoio financeiro para a produção de cerâmica deslanchar e as empresas ganharem destaque no cenário nacional. Foi quando foram criados em 1964 o Banco Nacional da Habitação (BNH) e o SFH - Sistema Financeiro de Habitação. Os aportes de recursos das políticas desenvolvimentistas encontraram um ambiente propício para a expansão dos negócios. Havia tradição e vontade de crescer em muitos setores. E isso vinha de longe. Em 1912, por exemplo, Curt Hering e José Deeke fundaram a Fábrica de Papel Itajaí, que foi a primeira do gênero em Santa Catarina. A expansão veio em 1950, em Lages, com a compra de

APOSTA CERTA A aquisição e recuperação de uma indústria cerâmica falida de Cocal do Sul deu origem, em 1954, à Cerâmica Eliane. Acompanhando o crescimento do setor, principalmente a partir dos anos 70, a companhia modernizou a produção dos tradicionais azulejos e ingressou no segmento de pisos e revestimentos, tornandose uma das grandes do setor no País. Na foto, as instalações da empresa em 1962.

26


Ebook FIESC 65 anos