Page 209

O

carimbo

holandês Para

realizar projetos incrivelmente ousados , o escritório de arquitetura

MVRDV re

ún

e

em

um

duas características da

ic a ef

iê n c

ia

in o r ig e a ovo p u se a de t íp ic

a l id

ade

ca

v it a de e paz

© Allard van der Hoek

ffwMAG! – Eu reconheço na maneira como vocês fazem arquitetura a influência da Escola de Arquitetura da Universidade de Delft. Jacob van Rijs – Sim! Mentalidade calvinista, organizada e eficiente, mas sempre olhando out of the box.

pa

ço

H olanda:

mes r a

por

Arquitetura é, nos dias atuais, uma das melhores vitrines de uma nação. Especialmente se nessa região se encontra um dos escritórios de arquitetura mais famosos do mundo, engajado em assuntos globais. É assim no MVRDV. Do assunto educação (Why Factory TU Delft) a planejamento das cidades, cabe tudo no escritório holandês situado em Roterdã que reúne 60 arquitetos de 26 nacionalidades e produz, no momento, as mais conhecidas obras do setor. De lá saem literatura, arquitetura, cidades futurísticas. Produtos que vemos espalhados pelos quatro cantos do mundo, da Ásia à Europa, com imagens fortes que impressionam pelas ideias revolucionárias. Conversamos com os cérebros por trás dessas imagens: Jacob van Rijs e Nathalie de Vries , o VR e a DV do MVRDV.

es

m ic e

L eila A be

ffwMAG! – Como você poderia explicar tanto sucesso em um lugar no qual o comportamento de se exibir não é bem-visto? Nathalie de Vries – Nós somos da geração dos arquitetos holandeses dos anos 1990, de um período político de grandes obras, no qual tivemos a chance de executar grandes projetos. Escritórios muito jovens recebiam encomendas de projetos incríveis. Tivemos a oportunidade de misturar todos os ingredientes, fizemos uma série de construções que foram muito divulgadas pela imprensa internacional. E aí teve o pavilhão holandês na Feira de Hannover em 2000. Isso, sim, abriu as portas para a nossa carreira internacional. Ao mesmo tempo, o fenômeno da globalização estava a todo vapor. Novos softwares e toda a parafernália da comunicação. Por exemplo: um escritório da Holanda fazendo o design de algo que estava sendo construído no Japão. Era essa a nossa maneira de trabalhar. Nós descobrimos que poderíamos exportar arquitetura facilmente. Podíamos focar no design aqui e trabalhar com o suporte técnico nos países em que estavam os projetos. ffwmag! nº 26 2011

FFW26_Jacob_RF V1.indd 209

209

6/3/11 12:59 PM

ffwMag # 26 Holanda  

OLHOS NOVOS PARA O NOVO [ Brazillian magazine about fashion, culture and lifestyle ]