Issuu on Google+

        Blogs  da  RBBV  representam  o  Brasil  no   BlogVille  na  Emilia  Romagna  Itália  


Itália:  25  coisas  Que  Eu  Amei  na  Emilia  Romagna  

  Acabei  de  voltar  da  Itália  e  já  estou  morrendo  de  saudades.  Além  de  ser  um  país  que  eu  adoro,   descobrir   a   região   da   Emilia   Romagna   nestes   últimos   dias   foi   uma   surpresa   deliciosa   e   minha   paixão  pela  itália  só  aumentou.  A  gente  sempre  ouve  falar  de  Roma,  de  Florença,  de  Veneza,   mas   descobrir   as   cidadezinhas   da   Itália,   aquelas   que   a   gente   imagina,   cheia   de   ruazinhas   apertadinhas   e   de   pedras,   as   fontes,   as   igrejas   maravilhosas   tornou   essa   viagem   muito   especial.   Cada   cidade   tem   seu   encanto,   eu   contei   em   dois   posts   sobre   o   roteiro   em   Bologna,   Ferrara   e   Modena   e   também   Milano   Marittima,   Rimini   e   Ravenna.   Aqui   eu   tentei   fazer   um   apanhado   das   coisas   e   momentos   que   mais   me   marcaram   nestes   oito   dias   de   viagem   com   algumas  fotos  inéditas,  já  que  as  dos  posts  anteriores  foram  todas  do  instagram.     1.  A  vida  na  praça  –  cinema  na  rua  Bologna,  gente  sentada  nas  escadas  tomando  sorvete   ou  batendo  papo.  

   

1  


2.  Fazer  pasta  com  as  mamas  italianas  na  Le  Sfogline  e  cozinhar  para  meus  colegas  de   apartamento     3.  Vinhos  maravilhosos  e  super  baratos.     4.  Comida  deliciosa  e  barata  nas  várias  cidades  por  onde  passei     5.  Comer  lasanha  tradicional  na  escadaria  do  Mercado  de  ervas  com  os  locais  em  Bologna     6.  O  castelo  e  a  arquitetua  medieval  de  Ferrara     7.  Os  afrescos  de  tirar  o  fôlego  do  castelo  Este  em  Ferrara  

  8.   Visita   a   osteria   mais   antiga   do   mundo   (em   Ferrara)   e   bater   papo   com   seu   atual   dono,   Federico     9.  As  casinhas  coloridas  e  arquitetura  fantastica  de  Modena     10.  Os  gelatos  deliciosos  de  todas  as  cidades  italianas     11.  A  praia  de  Milano  Marittima  na  costa  Adriatica    

 

2  


12.  “Notte  Rosa”  em  Rimini                           13.  Grand  Hotel  onde  o  Fellini  se  hospedava  e  chamava  de  casa  em  Rimini   14.  As  igrejas  e  mosaicos  de  Ravenna                               15.  A  vibe  nas  ruas,  praças  e  cafés  de  Ravenna    

 

3  


16.  Ver  os  carros  usados  pelo  Ayrton  Senna  no  Museo  enzo  ferrari  em  Modena  

  17.  Exposição  no  museu  da  Ferrari  em  Maranello   18.  Os  pórticos(arcos)  de  Bolonha  

  19.  Eataly  em  Bologna     20.  A  arquitetura  lindissima  de  Bologna  e  seus  tons  de  vermelho     21.  Os  italianos  –  gente  querida,  simpática,  e  amável  demais!!!     22.  Itália  sem  os  milhares  de  turistas  no  empurra  empurra  para  ver  as  atrações    

 

4  


23.  A  roda  gigante  em  Rimini     24.  Aperitivo  nos  bares  em  Bologna     25.   Os   trens   que   conectam   as   cidades   tão   facilmente  e  são  tão  baratinhos!!!                 Confesso  que  foi  difícil  parar  nos  vinte  e  cinco!  Tantas  memórias!!!     E  vocês?  Já  foram  a  essa  região  da  Itália?  Alguma  lembrança  especial?  

 

5  


11   razões   para   se   apaixonar   pela   Emilia   Romagna  

    1.  Não  é  pretensiosa,     2.  e  apesar  disso  conta  com  3  patrimônios  da  humanidade!     3.  Com  certeza,  é  a  representação  fidedigna  da  tua  idéia  de  comer  bem  na  Itália,  mas                                    

6  


4.  sem  deixar  todos  teus  euros  pelo  caminho  :)  É  bem  mais  em  conta  que  as  queridinhas:   Veneza,  Florença  e  Roma.  

  5.  Como  as  pessoas  estão  mais  relaxadas  e  nem  tudo  gira  em  torno  ao  turismo,  há  mais  espaço   para  a  amabilidade.  

  6.  Sem  contar,  que  é  a  terra  de  um  montão  de  denominações  de  origem.     7.  Onde  além  de  provar,  você  pode  aprender  como  se  fabricam  os  produtos,  em  visitas  guiadas   cheias  de  paixão  ;)     8.  Tem  uma  cidade  que  te  faz  voltar  ao  século  5!  

   

7  


9.  E  é  a  terra  de  um  dos  grandes  gênios  de  todos  os  tempos,  e  meu  compositor  de  ópera   predileto.     10.  Onde  nem  a  chuva  vai  conseguir  estragar  tuas  férias!     11.  E  a  cada  piscar  de  olhos,  você  vai  se  surpreender,  com  algo  que  nem  imaginava   encontrar  ao  começar  a  viagem  pela  Emilia  Romagna.  Que  em  uma  palavra  se  pode   definir  como  FASCINANTE.    

 

8  


Itália:  8  passeios  imperdíveis  na   região  da  Emília  Romanha       Seria  necessário  ficar  hospedado  pelo  menos  um  mês  em  Bolonha  pra  poder  aproveitar  com   calma   tudo   o   que   a   cidade   e   a   região   da   Emília   Romanha   oferecem.   Mas   como   isso   não   foi   possível  e  eu  tive  “apenas”  uma  semana,  além  de  conhecer  um  pouco  de  Bolonha,  eu  também   aproveitei  pra  conhecer  outros  lugares  interessantes  dessa  região.       ♣♣  Carpigiani  Gelato  University,  a  primeira  universidade  do  sorvete  do  mundo  ♣♣   Um   dos   passeios   que   eu   mais   queria   fazer   na   Itália   era   conhecer   a   Gelato   University,   a   primeira   universidade   do   sorvete   do   mundo!   Além   de   ver   um   pouquinho   das   instalações   da   universidade,   também   aprendemos   um   pouco   mais   sobre   um   autêntico   gelato   italiano,   fazemos  degustação  e  visitamos  o  museu  do  Gelato.     Existem   dois   horários   para   fazer   o   tour,   as   12:30   e   as   15:30,   que   leva   mais   ou   menos   uma   hora.  

  A  Gelato  University  não  fica  em  Bolonha  propriamente  dita,  fica  na  cidade  vizinha  de  Anzola   dell’Emilia,  a  30  minutos  de  ônibus  de  Bolonha.  O  ônibus  que  vai  até  lá  é  o  número  99,  que  sai   de   Bolonha   em   frente   a   Piazza   XX   Settembre   (pro   lado   que   tem   a   Porta   Galliera)   e   ele   nos   deixa  bem  em  frente  a  Gelato  University.      

9  


♣♣  Ferrara:  A  cidade  do  Castello  Estense  ♣♣   Ferrara   é   uma   cidadezinha   com   135   mil   habitantes   que   fica   a   30   km   de   Bolonha.   A   melhor   forma   de   ir   até   lá   é   de   trem,   e   dependendo   do   tipo   de   trem   escolhido   (regionale,   regionale   veloce  ou  os  freccias)  o  tempo  da  viagem  pode  variar  de  20  até  54  minutos.  Eu  optei  por  ir  de   regionale  veloce  e  em  menos  de  30  minutos  eu  estava  desembacando  em  Ferrara.     Meu  principal  motivo  de  ir  até  Ferrara  era  pra  conhecer  o  seu  maior  simbolo  e  cartão  postal:  o   Castello  Estense.  

  Como   o   próprio   nome   do   castelo   já   diz,   tudo   na   cidade   gira   em   torno   da   dinastia   Este,   que   comandou  a  cidade  por  mais  de  300  anos!  Ferrara  é  o  que  é  hoje  em  dia  graças  a  Nicolò  D’Este   II,   foi   ele   que   literalmente   fez   com   que   Ferrara   passasse   a   existir   no   mapa.   E   foi   justamente   durante   o   comando   dos   Este   que   o   Castello   Estense   foi   construído,   claro.   Ele   é   um   daqueles   tipicos   castelos   que   a   gente   sempre   imaginou   conhecer,   com   torres   de   vigilia   e   um   fosso   de   água.     O   castelo   levou   mais   de   dois   séculos   pra   ficar   pronto,   e   como   já   era   esperado,   para   que   ele   fosse   construído,   os   Este   elevaram   os   impostos,   causando   a   ira   da   população   mais   pobre   da   cidade.  Deixando  os  gastos  de  lado,  hoje  em  dia  o  castelo  é  o  maior  orgulho  da  cidade  e  tem   atraido  muitos  turistas  também.     A   visita   não   leva   mais   do   que   1   hora   e   durante   esse   tempo   é   possível   conhecer   e   entender   um   pouco  sobre  a  cidade,  a  dinastia  Este  e  a  importancia  da  cidade  para  a  região.  Mas  de  tudo  o   que  visitei,  o  que  mais  gostei  foi  do  ar  medieval  que  o  castelo  ainda  carrega.  Também  gostei  de    

10  


ver   de   perto   uma   maquete   enorme   do   castelo   que   está   logo   no   inicio   da   visita,   algumas   pinturas  (principalmente  as  do  teto)  em  diversas  salas  e  a  minuscula  Capela  Ducal.     E   ainda,   pra   quem   tiver   interesse,   dá   pra   subir   em   uma   das   suas   torres   pra   ver   a   cidade   do   alto.  Infelizmente  quando  eu  estive  lá  ela  tava  fechada  pra  reformas.  Mas  fica  a  dica  então!       ♣♣  Parma  ♣♣   Tá   ai   uma   cidade   que   me   surpreendeu..   Parma!   Achei   Parma   um   mix   de   Barcelona   com   Paris,   com   ruas   largas,   calçadas   espaçosas  e  uma  arquitetura  muito  parecida   com   o   que   vi   em   Paris.   E   até   que   eu   não   tava   errada   em   pensar   dessa   forma.   O   guia   que   nos   acompanhou   desse   day   trip   que   fazia   parte   da   programação   do   BlogVille,   me   disse   a   cidade   sofreu   forte   influencia   francesa   mesmo,   principalmente   durante   a   época   em   que   Napoleão  Bonaparte  esteve  na  cidade.     A  sua  esposa,  Maria  Luisa,  mais  tarde  chegou  a  ser  Duquesa  de  Parma.     Além  disso,  Parma  acabou  ficando  mundiamente  conhecida  por  ser  sede  da  Barilla  (marca  de   massas),   da   Parmalat,   do   queijo   parmesão   (que   lá   é   chamado   de   Parmigiano-­‐Reggiano)   e   o   Presunto   de   Parma   (Prosciutto   di   Parma).   Mas   Parma,   com   toda   a   certeza,   vai   muito   além   disso!     Mesmo   com   todas   essas   tentações   da   culinária   local,   nos   conseguimos   percorrer   a   pé   boa   parte  do  centrinho  da  cidade,  que  é  onde  estão  as  suas  principais  atrações.  

 

11  


O   primeiro   lugar   que   visitamos   foi   o   Palazzo   della   Pilotta,   que   abriga   uma   série   de   coisas,   como   museus,   galerias,   biblioteca   e   um   teatro,   o   Teatro   Farnese.   O   Teatro   Farnese   tem   um   estilo   totalmente   diferente   dos   teatros   que   a   gente   está   acostumado   a   ver   na   Europa.   Ele   é   todo   feito   de   madeira.   Por   ter   sofrido   com   ataques   durante   as   guerras,   ele   precisou   ser   reconstruido.  Pouquíssimas  apresentações  ainda  acontecem  ali  (o  guia  disse  que  um  ou  duas   por  ano),  por  questões  de  segurança,  já  que  a  estrutura  esta  bem  ultrapassada.     Para   ir   até   a   Piazza   Garibaldi,   a   principal   praça   da   cidade,   nos   passamos   pelo   Teatro   Regio   di   Parma   que   é   a   principal   casa   de   espetaculos   da   cidade.   É   onde   acontece   todos   os   anos   o   Festival   Giuseppe  Verdi  (que  vai  de  30  de   setembro  a  31  de  outubro).       Na   Piazza   Garibaldi   é   onde   está   o   Palazzo   del   Governatore,   famoso   por   seu   relógio   astronomico  na  fachada,  e  o  Palazzo  del  Municipio,  sede  da  prefeitura  de  Parma.  Além  disso,   pelo   caminho   também   vimos   diversas   lojas   com   fachadas   charmosinhas   e   muitos   e   muitos   cafés  e  restaurantes  sofisticados.     Também  visitamos  o  Duomo  di  Parma,  onde  o  grande  destaque  fica  por  conta  de  um  afresco   na  sua  cúpula,  pintado  por  Correggio  e  o  Batistério,  que  na  minha  opinião  tem  uma  decoração   interna  muito  mais  bonita  e  original.    

12  


♣♣  Busseto  e  Roncole,  as  cidades  relacionadas  a  Giuseppe  Verdi  ♣♣   Hoje   em   dia   é   possível   visitar   essas   duas   cidades   pra   saber   mais   sobre   a   vida   de   um   dos   maiores  compositores  de  óperas  da  Itália,  Giuseppe  Verdi.  Ele  nasceu  em  Roncole  em  10  de   outubro  de  1813,  mas  morou  boa  parte  da  sua  vida  em  Busseto  antes  de  se  mudar  para  Milão.  

  Em   Busseto,   há   uma   enorme   estátua   homenageando   Verdi   bem   no   centro   da   pracinha   principal  da  cidade.  Ali  perto,  é  onde  fica  o  Teatro  Verdi,  construido  em  homenagem  ao  seu   morador  mais  ilustre.     Do  outro  lado  da  praça  fica  a  Casa  Barezzi,  onde  morou  Antonio  Barezzi,  quem  foi  quem  deu  o   empurrãozinho   que   Giuseppe   Verdi   precisava   para   ser   famoso.   Hoje   em   dia   o   local   foi   transformado   em   museu,   contando   e   mostrando   alguns   documentos   e   objetos   que   pertenceram  a  Verdi.      

 

13  


Um   lugar   que   eu   não   poderia   deixar   de   mencionar,   foi   o   lugar   onde   nos   almoçamos,   a   Salsamenteria  Baratta,  local  também  frequentado   por   Giuseppe   Verdi   quando   morava   na   cidade.   Mas   o   mais   legal   ali,   além   da   comida   que   é   de   primeira,   são   os   objetos,   fotos   e   partituras   de   musicas   de   Verdi   decorando   o   ambiente.   Sem   falar   que   a   trilha   sonora   do   almoço   ficou   por   conta  de  Verdi,  claro!     Um  pouco  mais  adiante  fica  o  Museu  Nacional  Giuseppe  Verdi,  onde  27  operas  de  Verdi  são   representadas   através   de   pinturas   históricas.   Também   tem   uma   lojinha   que   vende   bastante   coisa  relacionada  a  Verdi.     E  por  fim,  nosso  tour  terminou  em  Roncole,  na  casa  onde  nasceu  Giuseppe  Verdi  a  200  anos   atrás.   A   casa   é   bem   simples,   visto   que   a   familia   de   Verdi   também   era.   Dentro   do   museu   é   possível  visitar  o  quarto  que  pertenceu  a  Giuseppe  Verdi.     ♣♣  Torrechiara  ♣♣   Torrechiara  é  um  vilarejo  localizado  bem  próximo  a  Parma.  A  cidadezinha  ficou  conhecida  por   causa  do  seu  castelo,  o  Castello  di  Torrechiara,  um  dos  mais  bem  preservados  da  região.  Mas   ultimamente,   também   tem   entrado   na   rota   turística   por   causa   do   Festival   do   Presunto   de   Parma.  

 

 

14  


O   dia   que   estive   lá   com   o   pessoal   do   BlogVille,   nos   visitamos   o   castelo   e   participamos   do   festival.     O   Castelo   está   localizado   numa   colina,   e   além   de   estar   super   bem   preservado   (da   pra   ver   algumas  pinturas  e  afrescos),  lá  do  alto  se  tem  uma  das  melhores  vistas  da  região  e  de  seus   vinhedos.     á  o  festival,  acontece  na  pracinha  perto  da  entrada  que  dá  acesso  ao  castelo,  sempre  no  mês  de   setembro.  Esse  ano,  foi  a  XVI  edição  do  festival.  Além  de  encontrarmos  presunto  de  Parma  e   outros   tipos   de   presunto,   também   é   possível   provar   outros   produtos   da   região,   como   queijos,   vinhos,  entre  outros.       ♣♣  Fábrica  de  queijo  parmigiano  reggiano,  mais  conhecido  como  queijo  parmesão  ♣♣   Existe  alguma  pessoa  nesse  mundão  que  não  goste  de  um  queijo  parmesão?  Eu  não  conheço!     O  dia  em  que  fomos  conhecer  essa  fábrica  de  queijo  parmesão,  eu  tava  com  o  pessoal  que  fazia   parte  do  BlogVille.  Essa  fábrica  que  visitamos  fica  nos  arredores  de  Parma.     Pra  quem  não  sabe,  existem  dois  tipos  de  queijo  parmesão:  o  parmigiano  reggiano  e  o  grana   (de  qualidade  inferior),  digamos  assim,  basicamente  o  grana  é  o  parmigiano  reggiano  que  não   deu  certo.  

 

 

15  


O  tour  foi  bem  rapidinho,  coisa  de  uns  30  ou  40  minutos.  Nesse  tempo,  o  dono  da  fábrica  nos   mostrou  as  instalações  e  explicou  de  uma  forma  bem  simplificada  como  é  todo  o  processo  de   produção  desse  queijo,  um  dos  mais  populares  do  país.     Uma  das  coisas  que  fiquei  mais  impressionada  foi  com  todo  o  cuidado  que  eles  tem,  desde  a   alimentação   das   vacas,   até   o   controle   de   qualidade.   É   muito   importante   procurar   pelo   selo   DOP   (que   vai   estar   impresso   na   casca   do   queijo)   pra   ter   certeza   de   que   está   provando   o   verdadeiro  Parmigiano  Reggiano.       ♣♣  Fábrica  de  presunto  de  Parma  ♣♣   E  pra  quem  já  tinha  visitado  uma  fábrica  de  queijo  parmesão,  pq  não  visitar  uma  fábrica  de   outro  produto  famoso  da  região?!  Foi  isso  que  nos  fizemos!  

  O  Presunto  de  Parma  não  é  feito  na  cidade  de  Parma  propriamente  dita,  e  sim  em  Langhirano,   um   vilarejo   que   fica   a   uns   15   –   20   km   de   Parma.   A   produção   acontece   em   maior   parte   de   forma   artesanal,   apenas   são   usadas   máquinas   na   recepção   para   fazer   o   corte   dos   suínos.   Depois   disso,   é   só   salgar   a   carne   de   forma   correta   por   duas   vezes,   respeitando   a   quantidade   e   o  tempo  correto  e  deixar  maturar.    

16  


Na  verdade,  não  foi  possível  visitar  a  parte  de  produção  por  questão  de  higiene,  então,  o  guia   apenas  foi  contando  como  era  essa  parte  da  produção  enquanto  a  gente  caminhava  no  setor   de  armazenamento  do  produto.   Literalmente   a   gente   entrou   em   uma   camara   resfriada   onde   haviam   milhares   de   corredores   com   peças   (seria   esse   o   nome   correto?)   de   presuntos   de   Parma.   O   dono   da   fábrica   nos   explicou   que   o   presunto   de   parma   é   feito   com   carne   de   porco  engordado  com  o  soro  restante  da   produção   do   queijo   parmesão.   E   a   peça   de  presunto  é  temperada  apenas  com  sal  e  um  pouquinho  de  pimenta.         Depois   do   processo   de   produção,   os   presuntos   são   curados   e   envelhecidos   ali   por   até   10   meses,   até   que   eles   são   transportados   para   outro   setor   de   armazenamento   antes   de   serem   vendidos  para  o  consumidor  final.     Assim   como   o   queijo   Parmigiano   Reggiano,   o   Prosciutto   di   Parma   (presunto   de   Parma)   também   tem   um   controle   bem   rigoso.   É   importante   perceber   que   um   verdadeiro   Presunto   de   Parma   tem   marcado   uma   coroa   amarela   de   cinco   pontas,   o   simbolo   do   antigo   Ducado   de   Parma.     Não   teve   um   único   dia   que   eu   não   tenha   comido   o   tal   prosciutto   di   Parma!!   E   realmente,   é   muito  bom!   ♣♣  Modena,  a  cidade  dos  motores,  da  música  e  do  vinagre   balsâmico  ♣♣     Modena   é   uma   cidade   super   pequena   (com   180   mil   habitantes)   que   fica   a   40   km   de   Bolonha.   A   melhor   forma   de  ir  até  lá  é  de  trem,  o  trajeto  leva  apenas  20  minutos.        

 

17  


Pra  quem  não  sabe,  Modena  é  a  cidade  onde  nasceu  o  tenor  Luciano  Pavarotti  e  o  fundador  da   Ferrari,   Enzo   Ferrari.   Além   disso,   a   cidade   também   se   destaca   pela   produção   de   Aceto   Balsamico   (Acetato   Balsamico   Tradizionale   di   Modena),   mais   conhecido   por   nós   brasileiros   como   Vinagre   Balsâmico.   Mas   Modena   também   é   onde   ficam   as   fábricas   de   alguns   dos   automovéis/motos  mais  desejados  do  mundo:  Ferrari,  Lamborghini  e    Maserati.  

  Modena   é   uma   daquelas   cidades   que   podem   ser   facilmente   visitadas   em   um   dia.   Para   ir   da   estação  central  até  a  Piazza  Grande,  o  trajeto  leva  mais  ou  menos  uns  20  minutos  caminhando.   A  Piazza  Grande  é  a  principal  praça  da  cidade  e  é  onde  estão  o  Duomo  e  a  Torre  Ghirlandina.   Bem  perto  dali,  está  o  Palazzo  Ducale,  atual  sede  da  Academia  Militar  de  Modena.     Antes   de   voltar   a   estação,   ainda   é   possível   visitar   o   mais   novo   museu   da   região   (que   abriu   suas   portas   em   março   de   2012),   o   MEF   –   Museu   Casa   Enzo   Ferrari,   que   é   dividido   em   duas   partes:  a  oficina  mecanica  Alfredo  Ferrari  (que  conta  um  pouco  sobre  a  vida  de  Enzo  Ferrari   atraves   de   fotos   e   videos)   e   a   Exhibition   Gallery   (no   geral,   mostra   troféus,   carros   de   F1   e   algumas  curiosidades  sobre  a  Ferrari).    

 

18  


E   pra   quem   for   realmente   louco   por   Ferraris,   ainda   é   possível   visitar   o   outro   museu,   o   Museu   Galeria   Ferrari   e   a   pista   de   teste   Pista   di   Fiorano,   ambos   ficam   em   Maranello,   a   18   km   de   Modena.     E  ai,  vai  dizer  que  a  região  da  Emilia  Romanha  não  é  interessantíssima?  

 

19  


Emilia  

Romagna:  

a  

terra  

dos  

apaixonados  por  carros     Como  já  contamos  por  aqui,  a  Alexandra  Aranovich,  do  Destemperadinhos,  passou  uma  linda   temporada  na  Itália  a  convite  do  projeto  Blog  Ville,  que  convida  blogueiros  de  várias  partes  do   mundo  para  viver  como  um  local  na  Emilia  Romagna.  Para  nossa  alegria,  a  Ale  voltou  cheia  de   experiências   para   compartilhar   aqui,   e   hoje   é   a   vez   de   contar   sobre   a   paixão   dos   italianos   pelas  Ferraris  e  Lamborghinis.     Algumas   das   maiores   celebridades   automotivas   de   todos   os   tempos   nasceram   na   região   de   Emilia   Romagna,   nas   proximidades   da   cidade   de   Modena,   considerada   a   terra   dos   motores.   Ferrari   e   Lamborghini   são   duas   das   grandes   máquinas   que   moram   no   coração   dessa   região   que   recebeu   o   título   de   Motor   Valley   devido   a   grande   quantidade   de   museus   e   atrações   turísticas  envolvendo  a  paixão  por  carros  e  motos.      

   

 

20  


No  início  de  maio,  durante  minha  temporada  em  Emilia  Romagna,  experimentei  duas  grandes   emoções  em  quatro  rodas.  Dirigi  uma  Ferrari  F430  em  uma  pista  de  autódromo  em  Modena  e   cheguei  perto  de  350  Lamborghinis  num  desfile  histórico  de  50  anos  da  marca  em  Bolonha.   Momentos  priceless!       O   Autódromo   di   Modena   (por   volta   de   60   km   da   cidade   de   Bolonha)   oferece     uma   super   pista   de   testes   da   Ferrari   onde   qualquer   pessoa   pode   sentir   a   adrenalina   da   paixão   italiana   por   motos  e  carros  pisando  firme  no  acelerador.    

  Fizemos  o  teste  nesta  Ferrari  F430.  Abre  parênteses:  com  esse  “carrinho”  é  possível  fazer  de  0   a  100  km/h,  em  apenas  4  segundos.  Antes  de  dar  um  giro  na  pista,  tivemos  uma  aula  básica  de   10   minutos   de   vídeo   com   instruções   sobre   como   proceder,   onde   acelerar,   onde   trocar   a   marcha,  onde  reduzir,  onde  foi  que  eu  não  entendi  absolutamente  nada.  Pode  repetir?              

21  


Ainda  bem  que  o  professor  vai  de  co-­‐piloto  coordenando  tudo,  inclusive  empurrando  minha   perna   direita   que,   completamente   em   pânico,   não   tinha   coragem   de   acelerar   aquele   ícone   das   pistas.  Admito,  não  nasci  para  andar  mais  de  100  km  por  hora.  

 

22  


Ou,  ainda,  chegar  a  315  km/h.  Meu  marido,  é  claro,  já  pisou  com  mais  firmeza  no  acelerador.   Tá  no  sangue  dos  homens!     O  valor  da  experiência  de  5  voltas  na  pista  no  Autódromo  Di  Modena+  lanches:  de  400  a  650   euros.       Depois  de  dar  uma  de  piloto,  vale  a  pena  conferir  o  Museu  Casa  Enzo  Ferrari  –  onde  a  antiga   casa   do   fundador   da   Ferrari   contrasta   com   o   prédio   futurista   onde   está   localizado   omuseu-­‐ loja-­‐café.  O  espaço  foi  inaugurado  no  início  de  2013.  Estalando  de  novo!     Não  sou  uma  aficionada,  mas  admito  que  ficar  coladinha  em  uma  Ferrari  vermelha  ao   vivo   e   a   cores   na   pista   causa   tremores   no   corpo.   O   mesmo   aconteceu   no   desfile   de   Lamborghinis.   De   uma   certa   forma,   podemos   falar   que   voltamos   com   muitos   quilômetros  de  luxo  rodados  dessa  viagem  para  a  Emilia  Romagna.    ;)  

 

23  


O  que  fazer  em  Bolonha,  no  norte  da  Itália     Bolonha   não   é   exatamente   a   cidade   mais   turística   da   Itália.   Ao   mesmo   tempo,   é   impossível   falar  de  culinária  italiana  sem  pensar  num  espaguete  à  bolonhesa.  E  foi  sem  saber  muito  sobre   o   lugar   que   partimos   para   nossa   estadia   de   sete   dias   em   Bolonha,   para   explorar   a   cidade   e   região,   a   Emilia   Romana,   a   convite   de   um   projeto   muito   legal   chamado   BlogVille   Emilia   Romagna.   Nos   próximos   posts   vamos   tratar   de   tudo   o   que   vimos,   comemos   e   descobrimos   sobre   a   Emilia   Romana.   Mas,   para   começar,   focamos   em   o   que   fazer   em   Bolonha,   também   conhecida  como  “La  grassa,  La  dotta,  La  rossa”  (a  gorda,  a  culta  e  a  vermelha).  Tais  adjetivos   explicam  bem  a  cidade.     La  Grassa   A   gorda,   devido   à   culinária,   principalmente   o   tal   do   espaguete   que   eu   citei   lá   em   cima.   O   pior,   saibam  vocês,  é  que  isso  não  é  tradição  em  Bolonha:  lá  eles  comem  é  o  Tagliatelle  Al  Ragú  –   mas   isso   é   assunto   para   outro   post.   Quando   eu   ainda   estava   em   Florença,   o   atendente   do   hostel  disse:  “Aproveite  muito  a  comida  em  Bolonha”.  Muitas  das  delicias  italianas  vem  de  lá.   Massas  como  o  tagliatelle  e  o  tortelloni.  Molhos  como  “al  ragú”  e  “sálvia  e  burro”.  Os  gelatos   em   Bolonha   eram   deliciosos,   assim   como   os   cafés.   Queijo   parmesão   original   e   presunto   de  

 

24  


parma:   fácil   de   achar,   porque   Parma   fica   ali   do   lado.   Enfim,   a   comida   em   Bolonha   é   tão   boa   que   até   a   pizza   gigante   de   2   euros,   que   a   gente   comprava   no   podrão   ao   lado   do   nosso   apartamento  era  excelente.     Tem   uma   região   em   Bolonha   que   é   conhecida   como   Quadrilátero.   Esse   lugar   é   formado   por   um  monte  de  ruas  estreitas,  que  faziam  parte  do  antigo  mercado  da  cidade  e  hoje  ainda  tem   esse   ar   de   comércio.   Ali   você   vai   achar   de   tudo   –   frutas,   peixes,   massas,   tudo   fresco.   Essa   área   histórica   fica   bem   no   centro,   próxima   à   piazza   Maggiore:   procure   pela   via   Rizzoli,   piazza   della   Mercanzia,  via  Castiglione,  via  Farini,  piazza  Galvani  e  via  dell’Archiginnasio.     Além   disso,   Bolonha   é   o   lugar   onde   mais   encontrei   bares   que   servem   aperitivos   fartos   e   de   todos  os  tipos.  Se  você  se  perguntou  o  que  diabos  é  um  aperitivo,  te  introduzo  agora  a  melhor   tradição  europeia  que  conheci  –  supera  até  as  tapas  espanholas,  na  minha  opinião.  Funciona   assim:  durante  o  período  do  happy  hour,  tipo  de  18h  às  21h,  os  bares  montam  uma  mesa  de   comida,   que   inclui   algumas   variações   de   bruschetas,   azeitonas,   batatas,   sanduíches,   pedaços   de   pizza   e   massas.   Alguns   servem   mais,   outros   menos.   Aí   você   pede   uma   bebida   e   tem   acesso   ilimitado   a   toda   mesa   de   comida.   A   bebida   pode   custar   de   4   a   12   euros,   dependendo   do   lugar.   Os  italianos,  no  verão,  costumam  pedir  o  Spritz,  feito  de  vinho,  aperol  (ou  campari)  e  soda.     La  Dotta     O   motivo   de   Bolonha   ter   tantas   opções   de   bares   é   o   fato   de   ser   uma   cidade   universitária,   mas   não   qualquer   uma.   Trata-­‐se   da   Universidade   mais   antiga   do   mundo   ocidental,   fundada   em   1088.  Tá  bom  ou  quer  mais?  Poetas  como  Dante,  Boccaccio  e  Petrarca  foram  professores  lá.   Por   isso,   o   apelido   La   Dotta,   ou   seja,   a   Culta.   Ainda   hoje   é   possível   visitar   o   Archiginnasio,   que   antigamente   era   o   prédio   mais   importante   da   universidade,   construído   no   século   16.   Atualmente,  abriga  uma  enorme  biblioteca  municipal,  que  está  ali  desde  1838.  No  entanto,  o   lugar  mais  interessante  a  ser  visitado  por  é  a  Sala  de  Anatomia  do  Archiginnasio.  Construída   em   1636,   é   toda   feita   de   madeira   e   decorada   com   esculturas.   É   enorme   e   realmente   impressionante.   A   sala   foi   bastante   destruída   durante   um   bombardeio   na   Segunda   Guerra,   mas  foi  reconstruída  utilizando  a  madeira  original.  

 

25  


O   lado   legal   de   Bolonha   ser   uma   cidade   universitária   é   que   a   noite   lá   é   incrível.   Lugares   como   a  Via  Zamboni,  Via  Marsala,  a  região  da  piazza  Maggiore  e  várias  outras  ruazinhas  nas  quais   você   vai   se   perdendo   –   e   se   encontrando   –   são   muito   movimentadas   quando   o   sol   de   põe.   Em   geral,   os   italianos,   estudantes   ou   não,   começam   a   noite   num   bar   com   aperitivo   e   depois   seguem  para  outros  bares,  pubs  ou  boates.  A  noite  é  tão  animada,  que  aos  finais  de  semana   algumas  vias  são  fechadas  para  trânsito  de  carros  e  bandas  tocam  no  meio  da  rua.  Mas  fique   esperto:  no  verão,  quando  os  universitários  entram  de  férias,  a  cidade  fica  meio  às  moscas.     La  Rossa     O  apelido  de  vermelha  é  dado  à  Bolonha  devido  ao  tom  avermelhado  das  suas  construções.  A   cidade  tem  o  segundo  maior  centro  histórico  mais  conservado  da  Europa.  E  a    primeira  coisa   que  você  vai  reparar  quando  chegar  lá  é  a  enorme  quantidade  de  pórticos.     Praticamente   todo   o   centro   da   cidade   é   coberto   por   eles,   que,   além   de   elegantes,   facilitam   muito  a  vida  das  pessoas  em  caso  de  chuva.  Um  bom  lugar  para  observar  os  pórticos  e  o  clima   da  cidade  é  a  Via  Indipendenza.  Trata-­‐se  de  uma  das  maiores  avenidas  de  lá,  com  várias  lojas  e    

 

26  


cafés.   Ali   pertinho,   se   você   virar   na   Via   Marsala,   vai   chegar   à   Via   Piella.   Ali,   numa   janela   perto   do  número  2,  você  consegue  ver  os  antigos  canais  de  Bolonha,  cobertos  há  dois  séculos.  

  De   lá,   o   lugar   para   ir   é   a   Piazza   Maggiore.   Essa   é   a   principal   praça   da   cidade.   Ali   você   vai   encontrar  a  Fontana  del  Nettuno,  símbolo  de  Bolonha  construído  em  1566.  Uma  série  de  belos   palácios   circundam   a   praça.   Entre   eles,   você   pode   entrar   no   Palazzo   d’Accursio,   prédio   da   prefeitura,  que  contém  obras  de  arte  e  história,  com  entrada  gratuita.     Além   disso,   a   Igreja   enorme   que   fica   na   praça   é   a   Basilica   de   San   Petronio,   com   entrada   gratuita.   Para   ver   alguns   afrescos   mais   famosos,   no   entanto,   é   cobrada   uma   taxa.   Na   região   da   praça  também  fica  o  Voltone  del  Podestà,  uma  pequena  galeria  entre  o  Palazzodi  Podestà  e  o   Palazzo  Re  Enzo,  com  dois  arcos  que  se  cruzam.  Se  você  sussurrar  alguma  coisa  num  canto  de   uma   das   paredes   a   pessoa   que   está   no   canto   oposto   consegue   te   ouvir.   É   verdade   mesmo,   nós   testamos.      

 

27  


Da  praça  é  possível  ver  o  grande  símbolo  de  Bolonha,   as   Duas   Torres.   Não,   Bolonha   não   foi   cenário   de   Senhor   dos   Anéis,   mas   tem   suas   torres,   Asinelli   e   Garisenda.   Essas   são   algumas   das   poucas   que   sobraram   do   período   medieval   (hoje   há   20   no   total),   quando   mais   de   100   dessas   dominavam   a   paisagem.   Asinelli   é   a   torre   mais   alta,   com   97,2   metros   de   altura,   construída   em   1119.   Você   pode   subir   os   estreitos   498   degraus   até   o   topo   e   observar   a   vista   da   cidade   vermelha.   Já   a   Garisenda,   a   torre   torta   de   apenas   47   metros,   foi   construída   na   mesma   época   e   entortou   desse   jeito   por   conta   do   solo   e   da   fundação.   Ela   inclusive  teve  que  ser  diminuída  no  século  14,  para  não  cair  de  vez.     Outros  pontos  importantes  de  Bolonha   Bolonha   tem   outros   pontos   turísticos   e   históricos   interessantes.   Entre   as   Igrejas,   a   Basílica   de   Santo  Stefano  é  famosa  por  ter  sete  templos  construídos  dentro  de  um  só,  como  uma  daquelas   bonecas   russas.   Já   o   Santuário   de   San   Luca   fica   no   alto   de   um   morro,   afastado   do   centro   da   cidade.   Os   pórticos   que   levam   até   lá   somam   cerca   de   600,   numa   distância   de   quatro   quilômetros.  De  lá,  é  possível  ter  uma  vista  de  Bolonha,  mas  confesso  que  não  achei  que  não   vale  o  sacrifício.                              

28  


Bolonha  tem  museus  de  diversos  estilos,  muitos  relacionados  às  escolas  da  universidade.  Os   mais   recomendados   costumam   ser   o   Museu   Arqueológico,   que   se   dedica   a   peças   e   relíquias   Egípcias,   Etruscas,   Gregas   e   Romanas;   e   o   Museu   Medieval,   focado   em   artefatos   da   época.   Nós   visitamos  o  Museu  de  História  de  Bolonha,  mas  não  recomendo,  uma  vez  que  o  acervo,  apesar   de  interessante,  só  tem  explicações  em  italiano.  Legal  mesmo  é  o  Carpigiani  Gelato  Museum,   um  museu  sobre  a  história  do  Gelato,  construído  por  uma  fábrica  de  máquinas  de  sorvete  e   que   também   ministra   cursos   universitários   e   livres   para   quem   quer   aprender   a   fazer   o   legítimo  gelato  italiano.  A  visita  tem  que  ser  agendada  com  antecedência  e  incluí  guia  e  uma   pequena  aula  prática  .  

  A  Raquel  Sodré,  do  blog  Vinho  para  Você,  morou  em  Bolonha  por  um  ano  e  deu  algumas  dicas   para  gente:    façam  um  aperitivo  no  Ristoro  delle  Fate,  na  via  Zamboni.  Na  Via  del  Pratello,  no   penúltimo   quarteirão   do   lado   direito,   tem   uma   portinha   que   vende   massa   fresca.   Lá   eles   servem   almoço   também.   É   só   um   balcão,   mas   é   o   melhor   tortellini   de   Bolonha.   Peçam   al   ragù.   O   tortellone   al   burro   e   salvia   (manteiga   e   sálvia)   também   é   divino.   Aproveitem   pra   pedir   uma   panna   cotta   de   sobremesa.   E   não   deixem   de   tomar   o   gelato   da   Gianni,   do   lado   das   Duas   Torres!  Já    foi  eleito  o  melhor  do  mundo  algumas  vezes.    

29  


Museu  da  Ferrari  em  Maranello  na  Itália    

  Fãs  de  carros,  Fórmula  1  e  da  Ferrari,  Maranello  tem  que  entrar  no  seu  roteiro  de  viagem  pela   Itália!  Bem  pertinho  de  Modena,  na  região  da  Emilia-­‐Romagna,  o  Museo  Ferrari  fica  próximo  a   fábrica  da  Ferrari  e  tem  além  de  exposições  do  passado,  mostrando  a  evolução  dos  carros;  o   processo   de   construção   de   um   novo   carro,   desde   a   concepção,   passando   pelo   design,   testes,   até  o  produto  final.     De  Modena  a  Maranello  são  pouco  mais  de  18  Km.  Para   quem  chegou  a  Modena  de  trem,  há  um  shuttle  que  sai   tanto  da  estação  de  trem  (ponto  de  ônibus  número  4)   quanto  do  Museo  Enzo  Ferrari  para  Maranello  que  sai  a   cada  uma  hora  e  meia.  O  ideal  é  combinar  os  tickets  e   as  visitas  aos  dois  museus  para  o  mesmo  dia.     O   museu   é   dividido   em   várias   áreas   com   exposições   permanentes  e  temporárias.      

30  


Entre  as  exposições  permanentes,  estão  o  Victory  Hall  onde  é  possível  ver  os  carros  de  F1  que   foram  campeões  desde  1999,  os  troféus,  a  história  dos  campeões  da  F1  e  a  “pitwall”  onde  os   engenheiros  trabalham  durante  as  corridas.  O  ronco  do  motor  nos  telões  é  contagiante.  

  Quando  visitei,  haviam  47  modelos  diferentes  de  Ferrari  em  exposição…  de  modelos  de  1947   ao  último  modelo  2013.  Cada  um  mais  alucinante  que  o  outro.  Há  também  outras  exposições   temporárias,  como  a    “From  Cinecittà  to  Hollywood”    mostrando  as  Ferraris  usadas  no  cinema,   com  trechos  de  filmes  e  exposição  de  alguns  modelos,    incluindo  o    Mondial  T  Cabrio  que  Al   Pacino  dirigiu  no  filme  “Perfume  de  Mulher”  .    

     

31  


O  museu  também  conta  com  simuladores  e  uma  área  para  eventos.    

    E   a   lojinha   da   Ferrari,   como   era   de   se   esperar,     tem   centenas   de   produtos   com   a   marca,   de   camisas   à   copos,   passando   por   miniaturas   da   Ferrari.   Impossível   sair   de   lá   sem   uma   “lembrancinha”.     Para   quem   curte   carros   e   principalmente   para  quem  gosta  da  Ferrari  e  de  Formula  1,   o   Museo   Ferrari   é   imperdível.   Há   ainda   várias   outras   atrações   no   “Vale   dos   Motores”   Italiano   como   a   visita   ao   Museo   Lamborghini   e   se   quiser   mais   atrações   relacionadas   a   Fórmula   1,   não   deixe   de   visitar  Ímola.  

 

32  


Guerra  e  paz  nos  Montes  Apeninos  na  Itália     Viagens  são  tão  especiais  porque,  muitas  vezes,  saímos  do  lugar  comum,  da  nossa  rotina,  e  nos   permitimos   experimentar   o   diferente,   o   novo,   o   improvável.   Pelo   menos   comigo   é   assim.   Este   post  ilustra  bem  isso.  Digamos  que  andar  20  km  de  bike  em  subidas  e  descidas  não  é  o  meu   forte,  mas  aceitei  o  desafio.  O  passeio  acabou  se  tornando  um  dos  dias  mais  surpreendentes   da  nossa  viagem  a  Itália.  Bem-­‐vindo  a  Montese!  

  ONDE  –  LOCALIZAÇÃO     Monte  Apeninos  em  Emilia  Romagna,  Itália.   O  guia  (recomendo  fortemente):  Marcello  Amadori  do  Trekking  Emilia  Romagna.   O  roteiro:  de  Montese  a  Zocca  de  bicicleta.  Primeira  parada  (por  volta  das  10h):  povoado  de   Montese  com    a  Fortaleza  e  o  Museu  Histórico  de  Montese  sobre  a  Segunda  Guerra  Mundial.   De  Montese,  partimos  de  bicicleta  até  Zocca:  20  km  de  descidas  e,  algumas,  leves  subidas.  Às   14h30,  almoço  em  Zocca  no  Parque  Esploraria.            

33  


1.  O  PONTO  DE  PARTIDA:  MONTESE  E  A  SEGUNDA  GUERRA  MUNDIAL   E  tudo  começou  mais  ou  menos  assim…     Saímos   cedo   da   cidade   de   Bologna   num   trem   regional   para   uma   cidade   próxima   de   Montese   .   De   lá,   pegamos   uma   carona   até   Montese,  cidade  de  3  mil  habitantes  e  repleta  de  emoções  para  os   brasileiros.   Desde   nossa   partida,   no   centro   de   Bologna,   fomos   guiados  por  Marcello  Amadori.  Um  guia  de  ecoturismo  na  Itália  que   fala   um   pouco   de   português   e   sabe   tudo   de   bike   (e   sobre   Bologna   –   ele  também  é  guia  na  cidade).       Para  entender  a  importância  histórica  de  Montese,  é  preciso  dar  um  pulinho  no  ano  de  1945  e   prestar  muita  atenção  na  aula  sobre  a  Segunda  Guerra  Mundial,  a  Linha  Gótica  (última  linha   de  defesa  contra  os  aliados  ao  longo  dos  cumes  das  montanhas  dos  Apeninos)  e  a  presença  de   mais   de   25   mil   brasileiros   que   representaram   a   Força   Expedicionária   Brasileira   no   conflito.  

 

34  


Pois   bem,   foi   nessa   região   que   ocorreu   a   Batalha   de   Montese,   travada   ao   final   da   Segunda   Guerra  Mundial,  em  abril  de  1945,  com  a  participação  da  força  militar  brasileira.     Montese   está   localizada   nos   montes   Apeninos,   a   841   metros   acima   do   nível   do   mar,   e   é   cercada  por  vários  pequenos  povoados.  Todas  essas  localidades  são  pontos  de  referências  dos   brasileiros   que   participaram   do   combate   em   Montese.   Afora   respirar   história,   a   região   tem   colinas  verdes,  belas  paisagens  e  aldeias  tranquilas.  Perfeita  para  relaxar  um  passeio  de  bike.   Antes  de  pedalarmos  pela  estradas  quase  desertas,  visitamos  o  Museu  Histórico  de  Montese   (na   província   de   Modena)   onde   é   possível   subir   na   torre   do   castelo   e   ter   uma   visão   distante   e   incrível   da   área   (motivo   pelo   qual   foi   um   dos   pontos   de   observação   privilegiados   durante   a   II   Guerra   Mundial).   É   quase   impossível   pensar   que   tantas   batalhas   sangrentas   foram   travadas   neste  cenário  que  hoje  transmite  tanta  paz.  

  O   Brasil,   mais   do   que   qualquer   outro   país,   está   muito   bem   representado   no   museu   com   detalhes  de  sua  participação  na  II  Guerra  Mundial.  E  eu  devo  ter  dormido  na  aula  da  escola,   porque   nem   lembrava   de   muitos   fatos   que   ocorreram   por   esses   povoados   italianos.   É   emocionante.     A  FEB  (Força  Expedicionária  Brasileira)  iniciou  suas  operações  no  centro  da  Itália,  nos  Montes   Apeninos.   Mas   a   principal   ação   dos   brasileiros   ocorreu   em   combate   contra   tropas   nazistas   na   Batalha   de   Monte   Castello,   na   qual   o   Brasil   se   consagrou   corajosamente   como   vencedor.   A   Segunda  Guerra  Mundial,  contudo,  já  se  encaminhava  para  o  fim  e  acabaria  no  ano  seguinte,   em  1945.  A  participação  do  Brasil  na  Segunda  Guerra  Mundial  marcou  o  país  como  primeiro    

35  


latino-­‐americano   a   participar   diretamente   do   conflito   e,   por   combater   o   totalitarismo,   criou   um  vínculo  muito  grande  com  os  Estados  Unidos.  Enquanto  os  soldados  combatiam  na  Europa   em  favor  da  democracia,  no  Brasil  o  que  existia  era  um  governo  autoritário  de  Getúlio  Vargas,   que  se  tornou  insustentável  e,  por  causa  da  participação  na  guerra,  foi  um  dos  fatores  para  sua   derrubada.”  Fonte:  Infoescola   Mais  sobre  Montese:  Parlando  d’Italia     2.  O  PASSEIO  DE  20  KM  DE  BIKE  ATÉ  ZOCCA   Após  a  visita  ao  lado  histórico  de  Montese,  pegamos  nossas  bikes  e  partimos  para  a  aventura   de  20  km  até  a  reta  final:  almoço  no  Parque  Esploraria  em  Zocca.  

  Admito  que  no  início  do  trajeto,  quando  achei  que  seriam  apenas  descidas,  eu  estava  radiante.   “Nossa,  por  que  nunca  fiz  algo  assim  tão  espetacular  na  minha  vida?”  Vento  no  rosto,  sensação   de  liberdade  e  uma  paisagem  sem  igual.  Era  como  estar  no  céu,  nas  nuvens…  yessssss!!!    

 

36  


No  entanto,  foi  só  iniciar  um  subida  (nível  intermediário)    que  o  corpo  foi  demonstrando  sua   falta   de   habilidade.   Ainda   mais   com   uma   mochila   pesada   nas   costas.   Meu   marido   e   Jason   (nosso   companheiro   nesta   aventura   do   Unfinished   Man)   dispararam   na   frente.   E   eu   …,   bem   ,eu   fiquei   para   trás,   completamente   retardatária.   Volta   e   meia   o   nosso   guia   me   aguardava   e   perguntava   se   eu   gostaria   que   ele   chamasse   um   carro   para   me   buscar.   “De   jeito   nenhum!”   Fiz   algumas  subidas  empurrando  a  bicicleta  mas  completei  o  trajeto.  É  claro  que  meu  momentos   “uhu”   foram   todos   nas   descidas   onde   me   alimentava   de   tanta   energia   desse   lugar   fantástico   repleto  de  imagens  que  mais  pareciam  pinturas  em  telas…     3.  A  SURPRESA  DA  RETA  FINAL:  ALMOÇO  NA  ÁRVORE  EM  ESPLORARIA   Por   fim,   a   surpresa   final.   No   Parque   Esploraria   (parque   de   aventuras   com   arborismo   e   tirolesa),  um  almoço  cinematográfico  sobre  as  árvores  nos  aguardava.  Nossa  refeição  na  casa   na  árvore  com  menu  km  zero  é  algo  que  jamais  vou  esquecer.  E  o  que  é    “menu’a  km  zero”?   Explico:   um   menu   que   utiliza   somente   ingredientes   e   produtos   da   região,   tudo   a   poucos   quilômetros   do   parque.   Do   vinho   ao   queijo,   tudo   é   produzido   com   o   mínimo   de   distância   possível.  Almoçamos  tortelloni  na  manteiga  recheado  com  ricota  e  cobertos  com  um  cogumelo   fresquíssimo,   uma   seleção   de   queijos,   presuntos   e   pão   quentinho.   Bebemos   lambrusco,   jogamos  conversa  fora  e  nos  deliciamos  com  o  gelato  stracciatella.  

   

37  


Voltei   fisicamente   exausta,   cansada,   mas   de   um   jeito   que   nunca   havia   me   sentido   antes.   Foi   um   cansaço   bom,   de   vitória,   de   saúde.   E   o   melhor:   com   um   banho   de   energia.   Mesmo   com   um   certo   grau   de   dificuldade   (para   quem   não   está   habituado   a   pegar   a   bike   em   logos   trajetos),     amei  e  recomendo  o  passeio.  Em  Montese,  a  Segunda  Guerra  se  mantém  viva  nas  lembranças   e  no  museu.  Porém,  é  a  paz  que  reina  absoluta  junto  à  natureza  e  o  astral  delicioso  da  região.  

 

38  


Fidenza   Village:   o   outlet   entre   Bolonha   e   Milão     Em  todas  as  viagens  que  fiz  pela  Europa  até  hoje,  eu  nunca  tinha  tirado  um  dia  inteiro  para   compras.   Mas   convenhamos,   a   Itália   tem   ótimas   opções,   principalmente   quando   o   assunto   é   outlet.  Existem  diversos  outlets  espalhados  pelo  país!   Durante   as   minhas   pesquisas   sobre   a   região   da   Emilia   Romanha   e   Toscana,   várias   opções   apareceram,   mas   entre   todas,   a   que   era   mais   conveniente   (e   fácil   de   se   deslocar   usando   transporte  público)  com  o  meu  roteiro,  foi  o  Fidenza  Village.  

  O  Fidenza  Village  fica  nos  arredores  da  cidade  de  Fidenza,  uma  cidade  super  pequena  que  fica   pertíssimo  de  Parma  e  bem  no  meio  do  caminho  entre  Bolonha  e  Milão.   O   Fidenza   Village   pertence   a   rede   de   shoppings   européia   chamado   de   Chic   Outlet   Shopping   Villages,   que   tem   outros   outlets   tipo   esse   espalhados   por   diversos   países   como   Espanha,   Irlanda,  Reino  Unido,  entre  outros.      

39  


Bom,   desde   que   o   outlet   abriu   suas   portas   em   outubro   do   ano   passado,   a   cidade   entrou   no   roteiro  turistico,  principalmente  dos  brasileiros,  claro.     Como   o   outlet   é   relativamente   novo,   ele   vai   completar   1   ano   de   vida   esse   mês,   é   beeeem   tranquilo  fazer  compras  lá.  A  maioria  das  lojas  são  bem  grandes,  tem  diversas  opções  e  nunca   estão  lotadas.  Então  dá  pra  olhar  tudo  com  muita  calma  sem  precisar  se  estressar.  

  Entre  todas  as  marcas  que  podemos  encontar  no  outlet,  no  total  o  número  de  lojas  já  passa  de   100,  algumas  que  me  interessaram  foram:  Guess,  Paul  Smith,  Diesel,  Missoni,  Michael  Kors,  a   loja  de  cosméticos  Modus  Profumerie  (que  revende  algumas  das  principais  marcas  italianas).     Mas   existem   muitas   outras   marcas,   como:   Dolce   Gabbana,   Armani,   La   Perla,   Versace,   Valentino,  Swarovski,  Patrizia  Pepe,  Ferrari,  Lacoste,  entre  outras.   Além  de  lojas  de  roupas,  cosméticos  e  artigos  de  decoração,  ainda  existem  as  lojas  de  doces,   como  a  Venchi  e  a  Lindt.  Meu  Deus,  eu  fiquei  mais  tempo  nessas  duas  lojas  do  que  no  resto!!     Quanto   as   coleções   e   aos   preços,   na   minha   opinião,   eu   achei   muito   bom.   Segundo   uma   das   vendedoras   que   conversei,   a   maioria   das   lojas   trabalham   com   apenas   2   coleções   passadas   e   ainda,   algumas   lojas,   vendem   coleções   atuais,   como   por   exemplo,   na   Michael   Kors.   O   preço    

40  


também   achei   ótimo,   principalmente   nas   lojas   das   grifes   italianas   (que   costumam   ser   uma   fortuna).  Pra  quem  tiver  intenção  de  comprar  coisas  de  boa  qualidade,  com  certeza  vale  muito   a  pena,  pois  os  descontos  podem  chegar  até  70%.     Claro  que  também  existem  opções  (poucas)  de  restaurante.  O  restaurante  que  eu  escolhi  pra   almoçar  foi  o  Barlumeria,  que  fica  bem  próximo  da  entrada  principal.  A  decoração  interna  do   restaurante  é  bem  interessante.  

  Eles   servem   comida   tipica   italiana,   principalmente   pratos   populares   na   região   da   Emilia   Romanha  acompanhado  de  muito  vinhos,  frizantes  e  cafés  típicos  da  região.     Como  era  meu  primeiro  dia,  eu  procurei  pedir  coisas  tipicas  dali,  como  por  exemplo:  presunto   de  Parma  (que  foi  um  dos  melhores  que  comi  em  toda  a  viagem!)  e  Lambrusco,  pra  iniciar.  E  a   escolha  pro  prato  principal  ficou  com  o  ravioli  de  ricota  e  espinafre.    

 

41  


O   atendimento   foi   excelente.   O   senhor   que   me   atendeu   era   bem   prestativo,   me   explicou   sobre   os   vinhos,   lambrusco   e   os   tipos   de   entradinhas   servidas   na   maior   boa   vontade.   Inclusive   depois  que  pedi  uma  tábua  de  presunto  de  Parma  (tamanho  pequeno!!!),  ele  veio  pedir  se  eu   ainda   queria   manter   o   prato   principal,   se   caso   eu   tivesse   achado   muito,   ele   cancelaria   o   restante  do  pedido  sem  nenhum  problema.     Para  chegar  lá  partindo  de  Bolonha  é  bem  simples  e  é  feito  em  duas  partes:   -­‐  pegar  um  trem  até  Fidenza,  esse  trajeto  leva  mais  ou  menos  1  hora.   -­‐  chegando  em  Fidenza,  procurar  pelo  ônibus  que  vai  até  o  Fidenza  Village.  Esse  trajeto  leva   mais  ou  menos  uns  15  minutos.  O  valor  do  ticket  é  de  0,50  cents  de  euro  /  trajeto  e  só  pode   ser  comprado  com  o  motorista  na  hora  do  embarque.  

  Um   detalhe   importantíssimo:   no   site   do   Fidenza   Village   diz   que   esse   ônibus   parte   em   frente   a   estação  de  trem  de  Fidenza,  o  que  não  é  verdade.  Quando  tava  faltando  uns  15  minutos  pro   horário  do  ônibus  sair,  eu  resolvi  me  certificar  e  ver  ao  certo  de  onde  o  ônibus  partia  e  um  dos   funcionários   da   estação   me   explicou   o   seguinte:   ao   sair   da   estação   de   trem,   seguir   caminhando   pro   lado   esquerdo,   passando   a   entrada   de   um   viaduto,   é   só   atravessar   a   rua   e   dobrar  a  direita  no  estacionamento  público  (tudo  isso  na  porta  da  estação  e  em  mimicas!!!).  O   ônibus  parte  dali.  Tem  uma  placa  (minuscula,  por  sinal)  que  indica  de  onde  o  ônibus  parte.    

42  


No  site  tem  a  tabela  de  horários  que  o  ônibus  faz  tanto  na  ida  quanto  na  volta.  Nos  finais  de   semana   esse   ônibus   parte   a   cada   40   minutos   e   durante   a   semana   (eu   fui   na   sexta-­‐feira),   o   ônibus  parte  a  cada  1  hora.   O   Fidenza   Village   abre   todos   os   dias   das   10:00   as   20:00,   mas   é   interessante   ficar   ligado   no   horário  do  ônibus,  pra  não  correr  o  risco  de  ficar  lá!!     Ah,   eu   já   tava   esquecendo   de   um   detalhe   super   importante   pra   qualquer   turista   adora:   a   internet  wi-­‐fi  é  free  em  todo  o  outlet.  E  o  melhor  de  tudo,  é  bem  rapidinha  e  funciona  super   bem!  

 

43  


Ravena,  a  cidade  dos  mosaicos     Agostinho   era   quase   um   adolescente   normal.   Aos   15   anos,   achava   que   os   seus   problemas   eram   os   piores   do   mundo,   aquele   tipo   de   coisa   que   entra   na   categoria   das   sem   solução.   A   diferença  é  que,  no  caso  dele,  os  problemas  eram  mesmo  sérios.  Tudo  culpa  do  pai,  que  forçou   o   garoto   a   ser   quem   ele   não   era.   O   menino   vivia   em   Ravena,   cidade   do   norte   da   Itália   conhecida  por  ter  belíssimos  mosaicos,  e  era  mimado  como  um  rei.  Literalmente.  

  Odoacro,  homem  feito  e  arqui-­‐inimigo  de  Agostinho,  já  chegou  chutando  a  porta  e  humilhando   o   garoto.   O   tal   do   Agostinho   –   ou   melhor,   Flávio   Rômulo   Augusto   –   já   era   chamado   pelo   diminutivo   como   uma   forma   de   humilhação,   afinal   não   é   todo   dia   que   o   Império   Romano   tem   um  governante  adolescente.  Depois  disso  então…     Ahh  sim,  quase  me  esqueci  de  dizer  isso:  o  Agostinho  foi  o  último  Imperador  Romano.  Ao  ser   deposto  por  Odoacro,  líder  de  uma  tribo  germânica,  o  mundo  conheceu  um  gigantesco  ponto   final  –  naquele  dia  terminava  o  Império  Romano.  “Mas  o  que  isso  tem  a  ver  com  um  blog  de   viagens?”,  você  pode  perguntar.  Tudo.      

44  


A  curiosa  história  de  Ravena     É  impossível  contar  a  história  do  mundo  sem  falar  de  cidades  como  Babilônia,  Roma  e  Ravena.   Se  você  nunca  tinha  ouvido  falar  da  última,  não  se  espante  –  essa  pequena  cidade  da  Emília   Romana   tem   apenas   160   mil   habitantes   e   passa   mesmo   longe   de   estar   no   topo   do   mapa   turístico   nacional.   Mesmo   assim,   a   importância   histórica   de   Ravena   já   deveria   ser   suficiente   para  fazer  qualquer  viajante  passar  pelo  menos  um  dia  por  lá.  

  Se   você   fizer   uma   lista   das   datas   mais   importantes   da   História   (com   H   maiúsculo)   certamente   vai  passar  pelo  dia  4  de  setembro  de  476  d.C.,  o  dia  da  queda  de  Agostinho.  Ao  presenciar  a   queda   do   último   líder   do   Império   Romano,   as   ruas   de   Ravena   testemunharam   também   o   final   da  Idade  Antiga.  Ou  seja:  foi  em  Ravena  que  a  Idade  Média  começou,  em  476  d.C.  Se  isso  não  te   convenceu   de   que   a   cidade   vale   uma   visita,   então   nada   mais   vai   importar.   Nem   os   tais   mosaicos.     Como   muitas   cidades   da   região,   é   complicado   traçar   a   origem   de   Ravena,   que   já   é   habitada   há   milênios.  O  certo  é  que  em  89  a.C.  Ravena  se  tornou  parte  dos  domínios  romanos,  mais  uma  

 

45  


vila   naquilo   que   em   breve   se   tornaria   um   Império.   E   teria   sido   uma   vila   como   outra   qualquer,   não  fosse  um  detalhe:  a  cidade  foi  a  última  capital  romana,  entre  402  e  476  d.C.     Já  contamos  aqui  no  blog  que  Roma  não  foi  a  única  capital  do  Império  Romano.  Na  fase  final,   quando   o   poder   já   estava   dividido   entre   Ocidente   e   Oriente,   Milão   era   a   sede   dos   reis   do   ocidente,   enquanto   Constantinopla,   atual   Istambul,   recebia   os   reis   do   oriente.   Quando   até   Milão   foi   ameaçada   pelos   inimigos,   a   capital   do   ocidente   fez   as   malas   e   se   mudou   de   novo,   dessa   vez   para   Ravena.   Após   a   queda   do   último   Imperador   Romano,   Ravena   se   tornou   capital   do   Reino   da   Itália,   até   533   d.C.   Essa   fase   durou   até   a   chegada   dos   bizantinos,   que   conquistaram  a  região  e  fizeram  de  Ravena  sede  do  governo.  É  por  isso  que  a  cidade  tem  um   grande  número  de  prédios  históricos,  igrejas  e  mosaicos.  Afinal  de  contas,  casa  de  reis  precisa   ter   um   pouquinho   de   luxo.   Hoje,   Ravena   tem   oito   monumentos   que   foram   declarados   Patrimônio   Mundial   pela   Unesco.   Agora   que   você   já   sabe   tudo   que   rolou   por   lá,   tem   ainda   mais  motivos  para  incluir  a  cidade  no  seu  roteiro.  

         

46  


Pontos  turíscticos  de  Ravena     Saíamos  de  Bolonha  de  trem,  pela  manhã.  Cerca  de  uma  hora  de  viagem  separa  a  capital  da   Emília   Romana   de   Ravena.   Uma   vez   na   cidade,   é   quase   impossível   se   perder   –   a   estação   de   trem   fica   bem   perto   dos   principais   pontos   turísticos.   A   maior   parte   do   centro   histórico   de   Ravena   é   fechado   para   o   trânsito   de   carros,   o   que   deixa   tudo   mais   fácil   para   pedestres   e   ciclistas.  

  Dos   monumentos   mais   famosos,   um   dos   mais   concorridos   é   a   Basílica   do   Santo   Apolinário   Novo.     Construído   para   ser   a   capela   de   um   palácio,   esse   templo   foi   consagrado   há   quase   1500   anos.   De   lá   pra   cá,   virou     queridinho   dos   turistas,   tudo   por   culpa   dos   mosaicos   que   decoram   a   igreja.  Eles  são  tão  impressionantes  que,  diz  a  lenda,  os  fiéis  não  conseguiam  rezar  –  logo  se   distraiam   com   a   beleza   dos   mosaicos   e   deixavam   Deus   pra   lá.   Isso   teria   motivado   uma   ordem   do  Papa  Gregório  para  cobrir  os  mosaicos,  acabando  com  a  festa  dos  crentes,  que  voltaram  a   orar.  Como  essa  igreja  foi  planejada  num  momento  importantíssimo  da  História  (após  a  queda   do   Império   Romano   do   Ocidente),   os   mosaicos     da   Basílica   do   Santo   Apolinário   são   uma   mistura  da  cultura  ocidental  com  oriental.      

47  


Saindo  da  basílica,  é  hora  de  visitar  uma  tumba.  Ou  melhor,  várias.  Começando  pela  sepultura   de   Dante   Alighieri,   que   foi   exilado   de   Florença   e   morreu   em   Ravena.   Também   vale   visitar   o   Mausoléu   de   Teodorico,   rei   dos   ostrogodos   e   da   Itália,   e   o   de   Gala   Placídia,   frequentemente   apontado   como   aquilo   que   há   de   mais   legal   em   Ravena.   É   uma   construção   do   tempo   dos   romanos:   Gala   Placídia   foi   Imperatriz   Romana   e   uma   mulher   poderosa,   fatos   comprovados   pelo   mausoléu   dela,   feito   em   forma   de   cruz   e   também   repleto   de   mosaicos   que   ilustram   importantes  momentos  da  fé  cristã.  

  Outro   prédio   religioso   de   Ravena     é   o   Batistério   Neoniano,   a   mais   antiga   de   todas   as   construções  históricas  da  cidade.  Um  batistério  é  um  prédio,  normalmente  construído  ao  lado   de  uma  igreja,  dedicado  somente  ao  bastimo.  Por  fora,  uma  construção  simples,  de  tijolos.  Por   dentro,  o  luxo  em  forma  de  mosaicos.    Na  cúpula,  um  Jesus  Cristo  barbudo  é  batizado  por  João   Batista,  no  rio  Jordão.     Ravena   tem   outra   sala   de   bastimo,   o   Batistério   Ariano.   Novamente,   Jesus   e   João   Batista   são   as   estrelas   dos   mosaicos,   só   que   dessa   vez   o   messias   aparece   sem   barba   e   com   feições   femininas   (oi?).   Ao   lado   dele,   um   Deus   mais   para   Zeus   do   que   para   o   Todo   Poderoso   dos   cristãos.   Ao   redor  deles,  os  12  apóstolos.    

48  


O   menor   conjunto   de   mosaicos   está   na   Capela   Episcopal.   Já   a   Igreja   de   São   Vital   é   outro   cartão-­‐postal  clássico  de  Ravena.  Dentro  dela,  encontramos  o  que?  Mais  mosaicos,  claro.  Esses   contam  histórias  do  Velho  Testamento,  começando  por  Abraão  e  Isaque,  passando  por  Moisés   até  a  formação  das  12  tribos  de  Israel.  

  Mas   legal   mesmo   é   analisar   com   atenção   o   mosaicos   mais   famoso   da   Igreja.   Um   homem   cercado   por   seus   súditos   é   retratado   dentro   de   uma   igreja   cristã.   Só   que   não   é   Jesus   Cristo   ou   um  apóstolo,  mas  Justiniano,  imperador  bizantino  e  um  dos  patrocinadores  da  obra.  Segundo   a  Wikipedia,  os  mosaicos  da  Igreja  de  São  Vital  são  alguns  dos  raros  exemplos  dessa  arte  do   Império  Bizantino  que  sobreviveram  intactos  aos  séculos.     Dos  oito  monumentos  mais  importantes  da  região  de  Ravena,  só  não  visitamos  a  Basílica  do   Santo  Apolinário  em  Classe.  Essa  tal  de  “Classe”  é  uma  vila  a  quatro  quilômetros  de  Ravena,   bem  perto  do  mar.  Por  ser  mais  distante,  não  tivemos  tempo  de  dar  um  pulo  lá,  mas  parece   que  também  vale  a  visita.        

49  


Como  chegar  em  Ravena     A   grande   cidade   mais   próxima   é   Bolonha,   mas   Florença   e   Veneza   também   estão   pertinho:   cerca  de  duas  horas  de  trem.  A  localização  faz  de  Ravena  um  destino  ideal  para  uma  viagem   de   bate   e   volta   ou   mesmo   uma   parada   estratégica   no   deslocamento   entre   duas   cidades   italianas.     Em   um   dia   inteiro   é   possível   conferir   todos   os   mosaicos   e   monumentos   importantes   de   Ravena.   E   ainda   vai   sobrar   tempo,   o   que   é   ótimo.   Aproveite   para   almoçar   num   dos   restaurantes   da   cidade,   tomar   um   gelato   ou   simplesmente   vagar   pelas   ruas   do   Centro   Histórico.  É  possível  comprar  as  entradas  dos  monumentos  em  conjunto,  o  que  deixa  o  preço   final   mais   interessante.   Mas   uma   coisa   eu   te   garanto:   por   mais   que   os   mosaicos   sejam   incríveis,  o  mais  legal  é  andar  por  aquelas  ruas  sabendo  que  ali  rolou  a  história  do  Agostinho  e   o  começo  da  Idade  Média.  Pelo  menos  foi  assim  para  mim.  

 

50  


Dicas   de   viagem   para   San   Marino   e   Rimini     A   república   mais   antiga   do   mundo   tem   uma   grande   semelhança   com   duas   nações   nanicas:   Mônaco  e  Vaticano.  Estou  falando  de  San  Marino,  uma  espécie  de  ilha  em  terra.  A  república,   que   tem   apenas   62   quilômetros   quadrados,   é   cercada   por   uma   vastidão   de   Itália.   Mesmo   minúsculo,   San   Marino   é   um   dos   países   com   maior   renda   per   capita   do   mundo.   Fatos   que   geram   uma   dúvida   a   princípio   complicada   de   responder:   como   San   Marino   conseguiu   se   manter  independente  do  país  que  imortalizou  o  macarrão?     A  longa  Historia  de  San  Marino     Bom,  tudo  começou  a  quando  o  próprio  São  Marino,  que  na  época  não  era  santo,  fundou  um   povoado  no  alto  do  Monte  Titano,  pertinho  de  Rimini.  O  objetivo  dele  era  simples  –  fugir  da   perseguição   aos   cristãos.   Mais   tarde,   em   301   d.C,   o   povoado   se   tornou   a   Républica   de   San   Marino.   Essa   comunidade   continuou   lá,   meio   inacessível   por   conta   da   montanha,   crescendo.   Somente  em  1631  foi  reconhecida  como  um  Estado  pelo  Papa.  

 

 

51  


Mais  tarde  veio  Napoleão,  que  dominou  quase  a  Europa  inteira,  mas  não  San  Marino.  Isso  foi   graças  à  diplomacia  de  um  de  seus  regentes,  que  ganhou  o  respeito  e  amizade  do  Imperador   francês.   Assim,   Napoleão   não   só   não   invadiu   o   mini-­‐país,   como   também   garantiu   sua   independência   e   proteção.   Não   bastasse   isso,   ele   até   ofereceu   mais   territórios   para   San   Marino,  coisa  que  o  sábio  governo  samarinês  recusou,  temendo  retaliações  no  futuro.  Eu  não   consigo   me   lembrar   de   nenhum   outro   caso   na   história   de   uma   nação   que   se   recusou   a   expandir  e  conquistar  novos  territórios.  Palmas  para  eles!     Depois   disso   veio   a   unificação   italiana.   Mais   uma   vez   San   Marino   garantiu   sua   independência,   dessa   vez   concedida   por   Giusepe   Garibaldi.   É   que   a   república   protegeu   os   refugiados   que   foram   perseguidos   por   apoiar   a   unificação.   Mesmo   com   a   Primeira   e   Segunda   Guerras   Mundiais,  a  república  mais  antiga  do  mundo  conseguiu  manter  sua  soberania  e  lugar  no  mapa.     Essa   história   não   só   é   muito   interessante,   mas   também   serve   como   inspiração   para   quando   você   chegar   em   San   Marino   e   sentir   por   alguns   momentos   que   caiu   numa   armadilha   para   turistas.  Pois  é,  foi  isso  que  eu  senti  quando  desci  do  ônibus  que  partiu  de  Rimini  e  nos  deixou   na  capital  do  país,  de  mesmo  nome.     A   sensação   ocorreu   enquanto   eu   subia   as   ladeiras   e   só   via   lojas   e   turistas.   Parecia   que   ninguém   morava   ali   e   que   tudo   foi   encenado   para   atrair   ainda   mais   gente.   Bom,   esse   sentimento  mudou  quando  eu  entrei  na  primeira  das  três  torres  e  me  deparei  com  essa  vista   aqui:                        

 

52  


As   Três   Torres   são   um   símbolo   de   San   Marino.   Guaita,   construída   no   século   11,   Cesta,   do   século  13  e  Montale,  no  século  14.  As  duas  primeiras  estão  abertas  à  visitação  e  tem  uma  das   vistas  mais  bonitas  que  eu  já  vi  em  toda  Europa.  

  Além   das   torres,   o   passeio   é   andar   pelas   ruas   estreitas   da   cidade.   Ali   ficam   alguns   prédios   históricos,   como   a   Catedral   de   San   Marino,   o   Palacio   Público   e   a   Piazza   della   Libertà   (foto   acima).  Quem  tiver  interesse  também  pode  carimbar  o  passaporte  no  Centros  de  Informações   Turísticas.  Custa  5  euros,  mas  não  abre  aos  domingos.     Para  a  turma  que  gosta  de  fazer  compras,  San  Marino  também  é  uma  excelente  opção.    Apesar   do  euro  ser  a  moeda  corrente,  ali  é  uma  zona  Tax  Free.  Os  preços,  quando  nós  estivemos  lá,   valiam  mais  a  pena  do  que  o  freeshop  do  aeroporto.     Além  da  cidade  de  San  Marino,  que  é  a  capital,  o  país  tem  mais  oito  municípios.  Os  maiores  são   Borgo   Maggiore   e   Dogana.   Esses   lugares,   apesar   da   importância   econômica   para   o   país,   não   têm   muita   relevância   turística.   Um   teleférico   liga   a   cidade   de   San   Marino   a   Borgo   Maggiore,   mas  como  já  disse,  não  sei  se  vale  a  pena  fazer  o  passeio.    

 

53  


Para  chegar  em  San  Marino,  é  preciso  pegar  um  ônibus  que  sai  de  Rimini  (a  não  ser  que  você   esteja  de  carro).  O  transporte  custa  9  euros  (ida  e  volta).     Rimini     Rimini   é   a   cidade   da   Riviera   Italiana.   São   15   km   de   praias   bonitas   e   bem   organizadas   com   quiosques,   banheiros   e   duchas.   Banhada   pelo   mar   Adriático,   a   cidade   atrai   poucos   turístas   internacionais,   mas   bomba   de   italianos   no   verão,   que   ocupam   suas   praias,   restaurantes   e   baladas.  Ou  seja,  combinar  uma  visita  a  Rimini  pela  manhã  e  San  Marino  à  tarde  pode  ser  uma   boa  ideia.  Nós  até  tentamos  fazer  isso,  mas  uma  greve  de  trens  nos  impediu.  

  Já  quem  quiser  passar  mais  tempo  aproveitando  as  praias  e  a  noite  em  Rimini  pode  também   conhecer   um   pouco   da   história   do   local,   que   tem   registros   importantes   desde   268   a.C.   Na   cidade  existem  algumas  construções  bem  conservadas  da  época  dos  romanos,  como  o  Arco  de   Augusto  e  a  Ponte  de  Tibério,  além  de  escavações  arqueológicas.  Fãs  de  cinema  podem  visitar   o  Museu  sobre  a  vida  e  obra  do  cineastra  Federico  Fellini.     Para  chegar  a  Rimini  basta  pegar  um  trem.  Eles  saem  de  Bolonha  de  hora  em  hora.    

54  


Blogs   da   RBBV   representam   o   Brasil  no  Blog  Ville  na  Itália     Não   restam   dúvidas   que   os   blogs   estão   mudando   o   mercado   do   turismo   nacional   e   internacional.   Dois   em   cada   três   consumidores   são   influenciados   por   resenhas   geradas   por   viajantes   na   internet.   Atualmente,   o   turismo   está   em   terceiro   lugar   no   interesse   dos   internautas   na   rede   e   é   um   dos   maiores   mercados   dentro   do   e-­‐commerce   (imagine   só   no   período  da  Copa!).  Algumas  empresas  já  perceberam  esse  novo  cenário  e  estão  investindo  em   projetos   especiais   no   segmento.   É   o   caso   do   Blog   Ville   em   Emilia   Romagna   na   Itália   -­‐     um   programa   inovador   incentivado   pela   entidade   de   turismo   da   região   e   que   já   está   em   sua   segunda   edição.   Dessa   vez,   com   a   presença   marcante   de   integrantes   da   RBBV.   É   o   Brasil   na   Itália,  gente!     QUEM  SÃO  OS  BRASILEIROS  QUE  REPRESENTAM  A  RBBV  NO  BLOG  VILLE  EMILIA  ROMAGNA   Quatro  brasileiros  embarcam  em  2013,  em  datas  diferentes,  para  comer  e  viver  como  um  local   em  Emilia  Romagna  durante  uma  ou  duas  semanas.     COMO  FUNCIONA  O  BLOG  VILLE   “Coma,   sinta   e   viva   como   um   local   na   Itália”   –   este   é   um   dos   objetivos   do   projeto   que   leva   blogueiros   de   várias   partes   do   mundo  para  uma  experiência  que  foge  dos  padrões  turísticos.   O   programa   é   um   pouco   semelhante   ao   nosso   brasileiro   BlogTurFoz  –  evento  que  reuniu  blogueiros  em  Foz  do  Iguaçu   em  2011  e  2012  e  apresentou  o  destino.  Durante  cinco  meses   (abril   a   outubro),   blogs   selecionados   serão   recebidos   em   Bologna   com   apartamento   à   disposição   na   zona   central   da   cidade.   E   ainda:   na   cozinha,   um   “kit   de   sobrevivência”   com   produtos   frescos   produzidos   na   região:  massas,  queijos,  vinhos,  entre  outras  especialidades  típicas.     ONDE  FICA  EMILIA  ROMAGNA   Ao  norte  da  Itália    está  a  região  de  Emilia  Romagna  –  próxima  de  Florença  e  Milão.  A  região   compreende   algumas   cidades   como:   Bologna   (a   principal   delas),   Parma,   Modena,   Ferrara,   Rimini   e   Cesenatico.   É   extremamente   rica   em   cultura,   gastronomia   e   qualidade   de   vida.    

55  


Presunto   de   Parma,   Parmigiano   Reggiano,   vinagre   balsâmico,   cogumelo   porcino,   vinhos,   trufas,  entre  outras  iguarias  são  destaque  em  sua  cozinha  considerada  uma  das  melhores  do   país.  

  SOBRE  A  PARCERIA  DA  RBBV  COM  O  BLOG  VILLE   Em  2012,  a  RBBV  apoiou  o    EIBTUR  –  1o  Encontro  Internacional  de  Blogueiros  de  Turismo  em   Foz  do  Iguaçu,  Brasil.  Foi  durante  o  evento  que  se  estabeleceu  um  forte  contato  com  um  dos   grandes   organizadores   do   Blog   Ville:   o   blogueiro   Melvin   do   Traveldudes.   Melvin   foi   um   dos   painelistas   do   EIBTUR   e,   agora,   é   um   dos   grandes   apoiadores   na   participação   do   Brasil   no   Blog  Ville.  Valeu,  Melvin!     COMO  ACOMPANHAR  O  BLOG  VILLE     No  site  www.blogville-­‐emiliaromagna.com  e  nas    redes  sociais,  através  da  hashtag  #blogville.   O   primeiro   blog   brasileiro   embarca   no   dia   5   de   maio   para   viver   e   comer   como   um   local   em   Emilia  Romagna.  Buon  viaggio!     Thanks  to  the  tourism  board  of  Emilia  Romagna  for  inviting  RBBV   to  the  Blog  Ville  project.    

 

56  


Emilia romagna articoli blogger brasile