Issuu on Google+

O D A C L R A E R MU L T U C

EM ANDAMENTO


2


SEMINÁRIO DE DIPLOMAÇÃO

ACAD. ARQ. URB. FERNANDA SIEBERT ORIENTAÇÃO ISABEL TOURINHO SALAMONI UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO 2016/ 02

3


SUMÁ 06 10 10 10 10 10

4

10 10


RIO INTRODUÇÃO

APRESENTAÇÃO A CIDADE

TEMA

TEMA E JUSTIFICATIVA PUBLICO ÁLVO E GESTÃO

SÍTIO DE IMPLANTAÇÃO JUSTIFICATIVA DA ESCOLHA DO TERRENO LEVANTAMENTO FOTOGRÁFICO DO TERRENO LEGISLAÇÃO URBANÍSTICA ANÁLISE PERCEPTIVA ANÁLISE DO ENTORNO

TERRENO

REFERÊNCIAS O PROJETO

CONCEITO + ESTRATÉGIAS PROGRAMA DE NECESSIDADES FUNCIONOGRAMA

ESTUDO PRELIMINAR

ORGANIZAÇÃO ESPACIAL ESTUDO VOLUMÉTRICO ESTUDO DE FACHADAS REFERÊNCIA ESPACIAL PERSPECTIVAS CONCEITUAIS

CONCLUSÃO BIBLIOGRAFIA


6


IN TRO DU ÇÃO


“Cultura é o conjunto de manifestações artísticas, sociais, lingüísticas e comportamentais de um povo ou civilização. Portanto, fazem parte da cultura de um povo as seguintes atividades e manifestações: música, teatro, rituais religiosos, língua falada e escrita, mitos, hábitos alimentares, danças, arquitetura, invenções, pensamentos, formas de organização social, etc.”

SIGNIFICADO DE CULTURA SEGUNDO O DICIONÁRIO INFORMAL

8


APRESENTAÇÃO

O

presente relatório tem como objetivo

apresentar a proposta de projeto que será desenvolvida no Seminário de Diplomação, ministrado pelo professor Silvyo Jantzen, o qual tem finalidade de coletar dados para o Trabalho Final de Graduação (TFG). O tema desenvolvido é um Mercado Cultural na cidade de Santa Rosa -RS, o qual busca trazer um novo conceito para o cenário cultural da cidade. Assim esta proposta reunirá os diversos meios de manifestação cultural em um único espaço, enriquecendo e complementando as diversas iniciativas culturais. Estas iniciativas estando sempre presentes por iniciativa do poder público e da população em geral.

MERCADO CULTURAL |

INTRODUÇÃO

|

apresentação

9


A CIDADE

72.504

10

489. 798 Km²

ECONOMIA

33 %

PRODUÇÃO DE SOJA DO RS


O

município de Santa Rosa está localizado no noroeste do estado do Rio Grande do Sul, conta com uma população estimada de 72.504 habitantes. O munícipio apresenta uma área territorial de 489.798 km² e a cidade faz divisa com 8 municípios. A economia é baseada no setor industriário, que beneficia o produto do setor primário. Santa Rosa no que tange as questões industriatias, conta também com polo metal-mecânico, se destacando na fabricação de peças, máquinas e

implementos agrícolas. Cerca de 66% das colheitadeiras brasileiras são produzidas na região. Na questões de agropecuária a região é a considerada a maior bacia leiteira do Estado. A cidade também é responsável por aproximadamente 30% da produção de soja do estado. A produção de hortigranjeiros e produtos coloniais revela-se uma alternativa de valorização e rentabilidade da família rural, aproximando os frutos da terra do consumidor local.

MERCADO CULTURAL |

INTRODUÇÃO

|

a cidade

11


12


TEMA

13


TEMA E JUSTIFICATIVA

O

tema do projeto a ser desenvolvido é o MERCADO CULTURAL de Santa Rosa. O objetivo é unificar espaços, criando um núcleo cultural, possibilitando a troca de experiências e enriquecendo a cultura local. Além de proporcionar aos usuários a infraestrutura adequada, para a melhor realização das atividades. O município de Santa Rosa tem um cenário cultural muito presente na vida da maioria da população. Eventos de diversos meios de manifestações culturais são realizados durante todo ano na cidade. Há também incentivos para que isso possa se realizar, tanto do poder público quanto da iniciativa privada. Não é de hoje que a cidade tem essa preocupação, sendo que nos últimos anos o número de atividades vem crescendo.

14

MERCADO CULTURAL |

Quando se trata da cultura local, temse uma gama muito ampla de eventos e movimentos culturais, se pode mencionar: feiras de produtos orgânicos coloniais que incentivam os produtores locais, artesanato, Encontro Estadual de Hortigranjeiros e Artesanato, Feira Nacional da Soja (Fenasoja), Feira do Livro, Feira do Mel, Feira do Peixe, festivais de dança, cinema, arte e música que vão desde nível municipal até latino-americanos, Na cidade existem espaços nos quais essas atividades são realizadas, porém, estes em sua maioria não são adequados nas questões de uso e função para a qual são destinados. Além disso, esses locais são utilizados para diversas atividades, o que acaba por sobrecarregar os espaços. Em seguida poderemos analisar um mapa da cidade situando os principais eventos culturais do município.

TEMA

|

tema e justificativa


15


ZONEAMENTO DE EVENTOS PRAÇA DA BANDEIRA Este espaço se destina a eventos de maior porte como a feira do livro e a feira do mel, estes acontecem na praça ao ar livre necessitando de toldos que protejam os eventos das intempéries.

CENTRO CÍVICO CULTURAL Neste espaço acontecem todos os tipos de eventos da cidade: cinema, shows, exposições, apresentações escolares, palestras, ensaios de grupos de dança e teatro do município, a pluralidade de eventos acaba por sobrecarregar o espaço.

16


CULTURAIS SESC O SESC de Santa Rosa possui um auditório muito utilizado para realizações de eventos de menor porte, porém é um edificio privado, o que não possibilita o acesso da população em geral.

PARCÃO No contexto do zoneamento de eventos munícipais destaca-se este como de maior impacto para o lançamento do projeto do seminário de graduação. Neste parque esta localizado o atual mercado municipal, onde acontece a feira de hortigranjeiros apenas 3 vezes por semana. Também acontece nesse parque anualmente a feira do peixe e a feira do mel -quando não é realizada na praça da bandeira. Nota-se que o uso deste mercado não se encaixa nas questões de uso para os eventos da cidade, uma vez que o mesmo é subaproveitado por suas instalações não suprirem as necessidades.

MERCADO CULTURAL |

TEMA

|

zoneamento cultural

17


18


O PÚBLICO ALVO E A GESTÃO

P

ara que seja possivel desenvolver um projeto do qual os cidadãos se apropriem, se sintam integrados ao espaço e ainda assim seja acessível a toda população, Tendo-se por base essas premissas se faz de de extrema importância etender essa dinâmica entre população e cidade. Santa Rosa possui

72.504habitantes

e uma densidade habitacional de aproximadamente 140.03 hab/Km² segundo dados do IBGE 2010. A pirâmide etária revela que o maior número de habitantes tem entre 20 e 24 anos. Em 2015 a média de matrículas no ensino fundamental foi de 8.028. O santa-rosense sempre teve forte ligação com a dança, grupos de dança na cidade são tradicionais e de forte influência cultural sobre boa parcela da população, principalmente os adolescentes.

gráfico de percentual da população em grupos de dança e escolas que tem grupos de dança EM ANDAMENTO

Destaca-se a existência de um grupo oficial de dança da cidade, sendo este subsidiado pela prefeitura. Anualmente se realiza a mostra municipal de dança, onde todos os grupos tem a oportunidade de mostrar seu trabalho. Além disso o festival “ Santa Rosa em Dança ” é realizado também anualmente, sendo de grande tradição na cidade - estando na sua 25º edição. Durante o festival acontecem workshops de dança em vários locais, sendo as atividades desenvolvidas em salas de aula de escolas do munínipio. Tendo em vista, a pluralidade de eventos que ocorrem na cidade de Santa Rosta, pode se destacar ainda a “Feira de Produtores Locais”, sendo esta também de grande tradição entre os moradores. No Mercado Municipal é onde ocorre a feira e onde os produtores locais disponibilizam seus produtos. Hoje o mercado municipal conta com

35 produtores rurais

que fornecem seus produtos três vezes na semana. Levando em consideração a gestão atual do Mercado Municipal, podemos dizer que o projeto proposto será de gestão pública, sendo assim de respondabilidade da Prefeitura Municipal de Santa Rosa.

MERCADO CULTURAL | TEMA |

público alvo e a gestão

19


O TER RE NO 20


21


CIDADE: SANTA ROSA LOCALIZAÇÃO: AVENIDA RIO BRANCO, ESQUINA RUA TEIXEIRA MENDES.

C

om uma área de aproximadamente 5.252 m², o terreno se localiza na esquina da Avenida Rio Branco com a Rua Teixeira Mendes. Inserido no principal parque urbano da cidade, popularmente chamado de Parcão, o terreno é próximo a pontos de transporte público, apresenta topografia plana, energia elétrica, coleta seletiva, esgoto tratado e vários outros fatores importantes para o desenvolvimento de um projeto arquitetônico acessível.

22

A região, localizada no centro de Santa Rosa é consolidada, conta com muitos estabelecimentos comerciais e também apresenta áreas verdes ao longo da Avenida Expedicionário Weber, uma das principais vias da cidade. Por estar localizado em um parque, o terreno é de propriedade da prefeitura e não tem delimitações de medidas fixas, no entanto podemos considerar que a vegetação circundante delimita o terreno existente de forma natural.


SÍTIO E IMPLANTAÇÃO

MERCADO CULTURAL | O TERRENO |

SÍTIO E IMPLANTAÇÃO

23


24


A ESCOLHA DO TERRENO

P

ara se dar início a apresentação da justificativa da escolha do terreno, cabe salientar que vários foram os motivos que acarretaram essa escolha. Diante disso tem-se inicialmente a localização do terreno, sendo este bem situado no centro da cidade e possuindo a infraestrutura necessária para o desenvolvimento do projeto. O terreno escolhido é onde atualmente se localiza o Mercado Municipal de Santa Rosa, portanto a proposta inclui a remoção da pré-existência para o desenvolvimento de um projeto que ofereça a infraestrutura necessária para os produtores da feira e para a população. O projeto do Mercado Cultural estará inserido no parcão, que atualmente é o lugar mais movimentado e fre-

quentado da cidade. Bem como é no Parcão que a população procura por lazer e também a prática de esportes. O espaço apresenta várias opções de atividades, quadras poliesportivas de concreto, quadras de areia, playground, espaços verdes para lazer passivo, pista de skate, além do museu municipal e do mercado público de Santa Rosa. Tendo em vista todos os usos atuais do parque, a inserção do Mercado Cultural não acarretaria mudanças drásticas no cotidiano da população. A seguir será apresentado o zoneamento do Parcão, mostrando os usos e as relações de espaço entre eles. Também será apresentada em mais detalhes a pré-existência que não será mantida no terreno escolhido.

MERCADO CULTURAL | O TERRENO |

A ESCOLHA DO TERRENO

25


26


MERCADO CULTURAL | O TERRENO |

A ESCOLHA DO TERRENO

27


28


MERCADO CULTURAL | O TERRENO |

A ESCOLHA DO TERRENO

29


O MERCADO MUNICIPAL DE SANTA ROSA PRÉ-EXISTÊNCIA

A

população de Santa Rosa pos-

ção, dificultando a interação produtor/

sui o costume de interagir com as eventos culturais da cidade. Atualmente na cidade nota-se a má distribuição destes eventos.Como mencionado anteriomente, a proposta para o projeto do seminário de graduação será o Mercado Cultural do município , este sendo localizado no parque central da cidade (Parcão) o qual zoneamento foi apresentado nos mapas anteriores. O local é muito frequentado pela população apesar de não contar com a infraestrutura necessária para o desenvolvimento dos eventos culturais. Conforme apresentado nas fotos ao lado, nota-se que o atual Mercado Público não possui as condições adequadas para o funcionamento de forma livre e permeável. No que tange as questões de distribuição dos espaços, as bancas são delimitadas por divisorias de alvenaria remetendo a um caráter intransponível e rígido. Além disso o acesso dos produtores as bancas é feita pela face externa da edifica-

consumidor .Isso mostra a necessidade de mudança do atual mercado público, por não suprir as necessidades locais.

VER DATA DE CONSTRUÇÃO 30


MERCADO CULTURAL | O TERRENO |

PRÉ-EXISTÊNCIA

31


LEVANTAMENTO FOTOGRĂ FICO DO TERRENO

3 2

N

as imagens ao lado podemos analisar algumas caracterĂ­sticas do terreno escolhido. Utem ea siti aut idendis rem alis voluptatate nobit, offictaquis nulpa ipsum et quatur sin por solessumquae ommos magniento volore magnihi liquat. Ibus. Ximet offictus. Anditam quo berum re, quiam, tenditat qui ilitatur alit adi nonse nonsent, sequis veruntendit odi bercit vero maximpor ma eatia numque sequos nulpa derfere pelitib uscium et qui cus et, consequ untius num, quiatempos niate latur andit evel ipsantem qui destis et quis aut occum saperem quissinis alibeaq uamendi apidus in pelenda arum que cusaesequi voluptatem si officiendae eos dolorep udiosti onecabori to des dolupta tecuptaqui dolorep repernatur?

32

1 4


falta: tirar fotos no feriado e fazer montagens / escrever descrição das imagens

MERCADO CULTURAL | O TERRENO |

LEVANTAMENTO FOTOGRÁFICO

33


LEGISLAÇÃO

34


TRECHOS DO CÓDIGO DE OBRAS E PLANO DIRETOR DA CIDADE DE SANTA ROSA DA TAXA DE OCUPAÇÃO Art. 178. A taxa de ocupação em cada área urbana está incluída no anexo 02, excetuando-se os casos previstos no texto desta lei. ANEXO 02 - dados retirados da tabela para a área central. Índice de aproveitamento: 7 Taxa máxima de ocupação: 80% Taxa mínima de permeabilidade: 10% DO RECUO FRONTAL E DOS AFASTAMENTOS Art. 183. O recuo frontal, tomado a partir do passeio público, deverá ter 4,00 metros. §1o O afastamento frontal deve ser usado com ajardinamento, sendo permitida a impermeabilização do solo apenas nos acessos à edificação. DAS ÁREAS DE ESTACIONAMENTO DE VEÍCULOS Art. 103. O número mínimo de vagas para veículos, de acordo com a edificação, é o seguinte: XVI – museu, biblioteca, cinema, teatro e

auditório: uma vaga para cada 200,00m² (duzentos metros quadrados) de área útil construída; DAS ÁREAS DE INTERESSE TURÍSTICO, DE ESPORTES E DE LAZER DO MUNICÍPIO Art.125. § 1o Nas áreas de interesse turístico, de esportes e de lazer, a ocupação do solo com fins residenciais é restringida e são prioritários os usos públicos de turismo e lazer e onde o poder público incentiva a instalação de equipamentos de esportes e recreação. Art. 126. São áreas de interesse turístico, de esportes e de lazer do município de Santa Rosa: III – as praças; DA ACESSIBILIDADE Art. 146. As edificações não residenciais, com obrigatoriedade de acessibilidade a portadores de deficiência física, devem atender a NBR 9050, quanto a sanitários, bebedouros, interruptores, tomadas, elevadores, telefones e estacionamentos.

MERCADO CULTURAL | O TERRENO |

LEGISLAÇÃO

35


36


ANÁLISE PERCEPTIVA

DECLIVIDADE DO TERRENO DECLIVIDADE DE 0 à 9 %

TERRENO

O mapa ao lado apresenta as declividades da região urbana central da cidade de Santa Rosa. Podemos analisar que maior parte da área tem declividades pequenas em torno de 0 à 9%. O terreno escolhido está localizado nessa área, sendo assim conta com uma declividade muito pequena.Para efeitos de projeto se considera o terreno plano.

37


ANÁLISE PERCEPTIVA

CLIMA | VENTOS As regiões climáticas são classificadas de acordo com as suas características geográficas : à flora, ao relevo, à hidrografia e ao clima. Segundo a classificação climática de Köppen o Rio Grande do Sul está classificado no tipo climático temperado chuvoso, a região noroeste do estado onde se localiza a cidade de Santa Rosa está classificada segundo as suas características de clima temperado chuvoso com verão quente. O clima da região de Santa Rosa caracteriza-se por precipitação pluvial bem distribuída nas estações do ano e total anual de 1.725 mm. O número de dias de chuva por mês varia entre 7 (maio) e 10 (outubro e janeiro).

38

MERCADO CULTURAL | O TERRENO |

ANÁLISE PERCEPTIVA


N

39


ANÁLISE DO ENTORNO

TRANSPORTE PÚBLICO PONTO DE ÔNIBUS

TERRENO Como podemos analisar no mapa ao lado, o terreno está situado no coração da cidade. Sendo o transporte público de fácil acesso para toda a população, esta podendo deslocar-se de forma rápida até a região central. Os pontos de ônibus marcados no mapa estão todos situados em vias de mão dupla, o que permite ao usuário embarcar no sentido de ida e de volta no mesmo local. Santa Rosa conta com apenas uma empresa de transporte público, e tem linhas que ligam todos os bairros ao centro. As linhas de ônibus são divididas em duas modalidades: direta ou interbairros, as linhas que atravessam a cidade pelas vias principais são consideradas diretas, já as linhas que entram nos bairros e seguem em direção ao centro são consideradas interbairros. As linhas diretas passam a cada quinze minutos ampliando as opções de deslocamento por meio do transporte público.

40


N

MERCADO CULTURAL | O TERRENO |

ENTORNO | TRANSPORTE PÚBLICO

41


N

42


ANÁLISE DO ENTORNO

HIERARQUIA VIÁRIA TERRENO Vias Principais Vias Coletoras Vias Locais

O terreno está situado em uma praça central da cidade que se localiza entre duas das pincipais vias da cidade. A área também possui face delimitada por uma via coletora, na qual percebe-se movimento moderado se comparado as vias principais. O propósito do projeto é de que ele seja de fácil acesso para toda população, desta maneira no que tange as questões das vias delimitadoras do terreno , a área esta bem inserida na malha urbana da cidade sendo ponto positivo na escolha do terreno. No entanto, vias principais tem um elevado fluxo de carros e poluição sonora, devido a isso o projeto deve ser pensado para que se reduzam ao máximo esses ruídos em pontos que necessitam maior silêncio.

MERCADO CULTURAL | O TERRENO |

ENTORNO | HIERARQUIA VIÁRIA

43


N

44


ANÁLISE DO ENTORNO

USOS DO SOLO | ALTURAS Área de Uso Institucional Área de Uso Misto Área de Uso Comercial Parques e Praças A área em que o terreno está localizado é central e seu entorno tem predominância de uso comercial. Podemos também constatar nessa região a presença de praças verdes que fazem a vegetação ser muito presente. Um pouco mais distante do entorno imediato podemos constatar o uso misto do solo com a presença de residências. O uso institucional com a presença de escolas e universidades também é presente na região central muito próximo ao terreno. As alturas do entorno imediato ao terreno são em média de um a dois pavimentos, contanto com a presença de apenas um edifício em frente ao parque. A seguir temos um levantamento fotogáfico do entorno, tornando visível os dados apresentados.

MERCADO CULTURAL | O TERRENO |

ENTORNO | USO DO SOLO / ALTURAS

45


ANÁLISE DO ENTORNO

LEVANTAMENTO FOTOGRÁFICO N

1 6 5 4

46

2 3


1 2 3 4

falta: tirar fotos no feriado e fazer montagens

5 6

MERCADO CULTURAL | O TERRENO |

ENTORNO | LEVANTAMENTO FOTOGRÁFICO

47


ANÁLISE DO ENTORNO

INFRAESTRUTURA ACESSO O transporte público é presente e eficaz na região onde o terreno está inserido, sendo de fácil acesso devido a sua localização central . A empresa de trasporte oferece várias linhas que ligam os bairros ao centro.

COLETA DE LIXO Us. Nat re vollaut aliquat. Atur sint volecumqui dolorio. Endamus cilluptat. Umendae poristem hillupidunt ea cor autem sandignis modi niam lam, unt pore mo explia delectempore il il et et volestotas eaquis aut excerum esto

48


ENERGIA ELÉTRICA O Terreno se encontra em uma área central, que se mostra eficaz quanto a presença de energia elétrica. A distribuição é feita por meio de rede aérea, conectadas por postes de concreto (na região central), utilizados também para a iluminação pública.

DRENAGEM Um fugit mossi dit re, officat urerit ipis inctem ernatiam, none volecturi conseque im que mi, quate liquam et, volupti conseque optat enim volore aut ea verferf erciati cupta num qui quasped que eaquidus asperum voluptatatis consequate prati imus dollum

ÁGUA/ ESGOTO Luptassima volut doluptium qui bea consed evere pores ex et veruptatur magnist es pro dem iligendel ipsam volumqu ibeaquam quostrumque posaecerum nection nobit, explibus maio tectaepudae pos sum nonsequ atemperum non enti utat volorem

49


REFERÊN 50


CIAS 51


REFERÊNCIA 1 CENTRO DE TRANSFORMAÇÃO DE PRODUTOS ORGÂNICOS ARQUITETOS: Mabire Reich LOCALIZAÇÃO: Saint-Herblain, França ARQUITETO RESPONSÁVEL: Samuel Fruchard ÁREA: 425,0 m² ANO: 2016

52


O centro de transformação de produtos orgânicos localizado ao oeste da França é uma edificação térrea e com linhas irregulares. É composto por um único volume e sua estrutura em madeira é independente da planta baixa, que é composta por volumes retangulares. O material mais evidente no projeto é a madeira, que traz conexão com o entorno - que em sua maior parte área verde. Os volumes internos contam com fachadas envidraçadas que fazem a ligação visual com o corredor interno, permitindo a integração tanto com o ambiente interno quando com o externo.

CONCEITOS APLICÁVEIS LINHAS IRREGULARES COBERTURA INCLINADA MADEIRA INTEGRAÇÃO VISUAL ESTRUTURA

MERCADO CULTURAL | REFERÊNCIAS |

REFERÊNCIA 1

53


REFERÊNCIA 2 THE RUTH LILLY VISITORS PAVILION ARQUITETOS: Marlon Blackwell Architect LOCALIZAÇÃO: Indianapolis, IN, United States ARQUITETO RESPONSÁVEL: Marlon Blackwell Architect PAISAGISTA: The Landscape Studio, Ed Blake; NINebark ,Eric Fulford & Ann Reed ÁREA: 1290.0 m² ANO: 2010

54


Nesse projeto se destaca a integração da edificação com a natureza que a envolve. A transparência e leveza dos fechamentos são pontos muito interessantes que servem como referência para o projeto em desenvolvimento. A cobertura é ponto destaque, apresentando formas irregulares e diferenciadas, com possibilidade de diferenciação de entrada de luz, trazendo dinâmica, o que faz com que a integração com o entorno seja ainda mais forte, levando em conta que está inserido no meio de um bosque.

CONCEITOS APLICÁVEIS LEVEZA COBERTURA IRREGULAR TRANSPARÊNCIA MATERIAIS INTEGRAÇÃO COM O ENTORNO

MERCADO CULTURAL | REFERÊNCIAS |

REFERÊNCIA 2

55


REFERÊNCIA 3 IT’S SARA ARQUITETOS: Integrated Field LOCALIZAÇÃO: Nong Khae District, Saraburi, Tailândia ÁREA construída: 460 m²(interior) + 120 m² (exterior) ÁREA de paisagismo: 980 m²(pavimentos) + 1060 m² (jardins) ANO: 2015

56


O projeto da cafeteria valoriza a premissa de permeabilidade entre o interior e exterior. O arquiteto desenvolveu o projeto entrelaçando as camadas de cada elemento que o integra. A vegetação é colocada tanto no entorno como na área coberta. Ela que delimitam o espaço enquanto teto e parede flutuam no jardim. A cobertura e sustentada por colunas de aço desalinhadas intencionalmente. Os painéis de vidro definem as vistas para o exterior.

CONCEITOS APLICÁVEIS ESPAÇOS ABERTOS COBERTURA / ESTRUTURA INTEGRAÇÃO VISUAL/ FÍSICA PLANTA LIVRE UTILIZAÇÃO DOS ESPAÇOS

MERCADO CULTURAL | REFERÊNCIAS |

REFERÊNCIA 3

57


REFERÊNCIA 4 KURVE 7 ARQUITETOS: Stu / D / S Arquitetos LOCALIZAÇÃO: Krungthep Kreetha 7 estrada, Huamak, Bangkapi, Bangkok 10240. Tailândia. ÁREA: 6.000 m² ANO: 2014

58


O centro comercial KURVE 7 se desenvolve em uma série de curvaturas, estas presentes na cobertura da edificação a fim de suavizar o impacto com o entorno imediato. Dessa maneira se torna possivel preservar as árvores existentes. Os arquitetos enquadram, conduzem e conectam a paisagem com a obra arquitetônica, criando um novo espaço ligando uma série de jardins ao espaço público.

CONCEITOS APLICÁVEIS PRESERVAÇÃO DA VEGETAÇÃO EXISTENTE MATERIAIS INTEGRAÇÃO VISUAL ESTRUTURA FORMAL

MERCADO CULTURAL | REFERÊNCIAS |

REFERÊNCIA 4

59


60


O PRO JE TO 61


O CONCEITO O principal conceito que norteia o projeto é o de INTEGRAÇÃO. Levando em conta o parque que contorna o terreno, a intenção projetual é de integrar o edifício ao parque, a natureza. É importante também a integração dos espaços entre si, dos usos e das pessoas, tanto daquelas que utilizam o espaço, quanto daquelas que utilizam o entorno. Permeabilidade, liberdade, conectividade e sustentabilidade também são conceitos importantes para o desenvolvimento do projeto.

INTEGRAÇÃO (de usos, de pessoas, do entorno, da natureza) PERMEABILIDADE (física e visual) SUSTENTABILIDADE CONECTIVIDADE LIBERDADE

62


ESTRATÉGIAS Necessitamos de estratégias de projeto para edificarmos o conceito. Para se dar início as estratégias é importante destacar as questões de implantação da edificação. A implantação é pensada de forma que parte do parque entre no edifício, do mesmo modo que o edifício abraçará o parque. Outro fator importante no projeto são as aberturas e a permeabilidade, sendo estas de grandes dimensões possibilitando que os espaço tenham diversificação de usos, além de integrarem os ambientes entre si e com os usuários. Além disso, a permeabilidade da edificação está presente nos materiais e também na implantação, o que permite que tanto quem usa o espaço, quanto quem está no entorno, possa ter contato visual com o parque.

IMPLANTAÇÃO ABERTURAS ILUMINACÃO NATURAL + ENERGIA SOLAR + REAPROVEITAMENTO DE ÁGUA DA CHUVA MATERIAIS VISUAIS

MERCADO CULTURAL | O PROJETO |

CONCEITO / ESTRATÉGIAS

63


ÁREA

HALL + RECEPÇÃO

50 m²

ADMINISTRAÇÃO

25 m²

SALA DE REUNIÕES

25 m²

COPA

20 m²

VESTIÁRIOS

10 m²

BANHEIROS

5 m²

PONTO DE LIVROS

10 m²

SALA MULTIUSO 1

100 m²

SALA MULTIUSO 2

100 m²

PALCO

60 m²

APOIO DE PALCO

15 m²

BANCAS

70 m²

ESPAÇO COBERTO

200 m²

BANHEIROS

35 m²

ESPAÇO DE BANCAS

610 m²

DEPÓSITO

30 m²

FEIRA

ÁREA TÉCNICA

30 m²

ÁREA DE SERVIÇO

60 m²

EXTERNOS

PRAÇA COBERTA

830 m²

ESPAÇOS EXTERNOS DE CONVIVÊNCIA

150 m²

LIMENTAÇÃO

PRAÇA DE

CULTURAL

ADMINISTRATIVO

ESPAÇO

TOTAL

64

2400 m²


PROGRAMA DE NECESSIDADES

MERCADO CULTURAL | O PROJETO |

PROGRAMA DE NECESSIDADES

65


FUNCIONOGRAMA

ESPAÇO FEIRA + DEPÓSITO + SERVIÇO + ÁREA TÉCNICA + BANHEIROS

ESTACIONAMENTOS

66

PÁTIO COBERTO


RECEPÇÃO + HALL + BANHEIROS + ADMINISTRAÇÃO + SALA DE REUNIÕES + COPA/ VESTIÁRIOS

PÁTIO COBERTO/ ABERTO

SALAS MULTIUSO + PALCO + BANHEIROS + DEPÓSITO

ESPAÇO GOURMET + BANHEIROS

PARQUE

MERCADO CULTURAL | O PROJETO |

FUNCIONOGRAMA

67


ES TU DO 68


PRE LI MI NAR 69


ORGANIZAÇÃO ESPACIAL

perspectiva da volumetria com linh

70


ha pontilhada saindo e com o ícone

MERCADO CULTURAL | ESTUDO PRELIMINAR |

ORGANIZAÇÃO ESPACIAL

71


diagramas volumÊtric visuais e integração co breamento +

72


cos com esquema de om o parque + som-

MERCADO CULTURAL | ESTUDO PRELIMINAR |

ORGANIZAÇÃO ESPACIAL

73


PLANTA com c fundo preto e li

VOLUME 3D C TA, MANCHAS NAÇÃO DOS A

74


compartimentos inhas brancas

COM A PLANS E DISCRIMIAMBIENTES

MERCADO CULTURAL | ESTUDO PRELIMINAR |

ORGANIZAÇÃO ESPACIAL

75


ESTUDOS DE

76


VOLUMES

ESTUDO VOLUMÉTRICO Ducipsam volupta volorem ratas delenestis unt. Itat. Il imetur, volent faciusapel ipsum re reperia volorro mi, simendit vitatur? Am consequ iandis unte sitae conse explaut faccab in natur sam quiam et optis accullecto con nonsequaecta con porrum aut quatusdae. Giam lab is aped mo magnia vid que reperferupti totatis duscips

MERCADO CULTURAL | ESTUDO PRELIMINAR |

ESTUDO VOLUMÉTRICO

77


CORES + MATERI SISTEMA CONSTRU

78


IAIS + UTIVO

MERCADO CULTURAL | ESTUDO PRELIMINAR |

ESTUDO DE FACHADAS

79


ESTUDO DE FACHADAS

ESTUDOS DE com materia

80


E FACHADAS ais e texturas

MERCADO CULTURAL | ESTUDO PRELIMINAR |

REFERÊNCIA ESPACIAL

81


REFERÊNCIA ESPACIAL

82


REFERÊNCIA ESPACIAL

MERCADO CULTURAL | ESTUDO PRELIMINAR |

REFERÊNCIA ESPACIAL

83


PERSPECTIVAS CONCEITUAIS

84


MERCADO CULTURAL | ESTUDO PRELIMINAR |

PERSPECTIVAS CONCEITUAIS

85


86


MERCADO CULTURAL | ESTUDO PRELIMINAR |

PERSPECTIVAS CONCEITUAIS

87


88


CONCLUSÕES

MERCADO CULTURAL | ESTUDO PRELIMINAR |

CONCLUSÕES

89


BIBLIOGRAFIA

90


MERCADO CULTURAL | ESTUDO PRELIMINAR |

BIBLIOGRAFIA

91


Teste