Page 1



era é será ser


trabalho final de graduação_caderno de qaulificação aluna_fernanda basile resstom orientadora_helene afanasieff


sé_ _2 era_ _9 é_ _48 será_ _136 ser_ _158


era


9


10


origem

sol

ponto inicial de uma ação ou coisa

estrela da quinta grandeza que faz

que tem continuidade tempo e ou no

parte da galáxia Via-Láctea e que é

espaço; local de nascimento; iden-

o centro do sistema planetário, do

tificação; a seqüência de gerações

qual participa a Terra; astro rei,

anteriores de um indivíduo ou de uma

astro do dia; qualquer estrela, es-

família; proveniência de um grupo

pecialmente aquelas que também são

social ou de um povo; ascendência,

centro de um sistema planetário;

genealogia, progênie; a nascente de

porção de raios recebidos desse as-

um rio; fonte; qualidade de pro-

tro, sob forma de luz e calor; su-

cedência; proveniência; aquilo que

perfície iluminada pelo sol; imagem

provoca, ocasiona ou determina uma

do Sol, existente praticamente em

atitude,

ex-

todas as culturas, que consiste em

istência de algo; causa, razão; mo-

um circulo do qual partem raios;

tivo que se declara para esconder a

o dia; a luz do dia; claridade,

verdadeira causa de algo; pretexto.

brilho, esplendor, luz; grande as-

um

conhecimento,

a

piração; ideal elevado; dia ou dia de existência;

estado do espíri-

to positivo, alegria, felicidade, esperança; o que ilumina, dirige, lidera; 11


Ao aproximarmos um pouco mais chegaremos ao

ponto de partida, o eixo

que conduzirá o trabalho; Terra > América do Sul > Brasil > São Paulo > Centro > Praça da Sé. A seguir imagens tiradas de noite da terra pelo satelite da NASA.

12


Em cada cidade deve haver um só coração principal; O coração é um artifí-

cio, uma obra do homem; O coração deve ser um lugar livre de trafego, onde o pedestre possa mover-se livremente; Os veículos devem chegar à periferia

do

coração e por ali estacionar, porem sem atravessa-lo; A publicidade comercial deve ser controlada e organizada; Os elementos variáveis ou moveis podem representar uma importante contribuição para vivificar o coração, e a sistematização arquitetônica deve ser projetada de forma a permitir a inclusão desses elementos; Ao projetar o coração o arquiteto deve empregar meios de expressão modernos, e sempre que possível deve trabalhar com a colaboração de

pintores e escultores. Sigfried Giedeon, 1951. CIAM ”Il cuore de la città” 13


praça 01. espaço livre de edificações 02. espaço público 03. indicador de trechos economicamente mais valorizados da malha urbana e portanto de um entorno constituído por especulação imobiliária 04. espaço de pedestres 05. marco referencial urbano 06. enquanto elemento legível e diferencial 6.1 enquanto depositário de símbolos representativos histórico-culturais,

podendo estar relacionado a um edifício importante

07. espaço que confere caráter de centralidade e territoriedade ao lugar 08. ponto ou nó de articulação de deslocamentos 09. ponto de concentração e dispersão 10. espaço livre envolvido por um entorno

14


yanomami


A praça da Sé já foi tudo nesta cidade, mas entre tudo ela foi princi-

palmente coração porque nela é que as pessoas que produzem passam e é sobre o destino das pessoas que produzem que nela se travaram batalhas – algumas verbais, outras mais duras. ... Ela foi principalmente – como desgracadamente ainda continuará sendo – o ponto de transbordo de milhares de centenas de passageiros, obrigados inutilmente a utilizar-se de duas conduções somente para alimentar um sistema de transportes coletivo viciado, que vive irracionalidade e da dupla tarifa paga pelo usuário. (Folha de São Paulo / Odon Pereira / Que a praça seja mesmo do povo. 17.02. 78)

A linha do tempo apresentada a seguir tem como base a história do Brasil,

de São Paulo e da Praça da Sé.

As investigações para apresentar esse trab-

alho, produziram um conhecimento da evolução urbanística da Praça da Sé, enquanto principal espaço público da cidade. O estudo enfoca a mudança da Praça da Sé a partir das transformações ocorridas nesse espaço, e da interrelação com a estruturação e desenvolvimento da cidade, principalmente da hegemonia dos transportes e do sistema viário na estruturação da cidade. Muitos locais de encontro adquiriram o caráter de circulação e passagem, resultando em setores descontínuos e sem coesão. A Praça da Sé é um reflexo dessa história. 16


17


1554 - Jesuítas no planalto do Piratininga - Padre Manuel da Nóbrega funda o Colégio de São Paulo 1560 - São Paulo elevada à vila

1556 - construção da Igreja e do Colégio dos Jesuítas

1575 - pátio do colégio 1583 - 100 moradores - muralha cercava vila 1592 - concluem-se a igreja do Carmo

1591- Barcos estrangeiros são proibidos de aportar no Brasil.

1595 - primeira praça da matriz é iniciada

1599 - criação da Igreja e Mosteiro de São Bento 18


1640 - erguida a Igreja da Sé

1647 - expulsão dos jesuítas pelos paulistas 1648 - construção do Convento e da Igraja de São Francisco 1653 - retorno dos Jesuítas e reconstrução da Igreja e do Colégio

1640 - os procuradores da Capitanias de São Vicente expulsam os Jesuítas

1644 - organiza-se os Quilombos dos Palmares

1655 - Lei de Plenos poderes aos jesuítas sobre os índios

19


1671 - Decreto libera a entrada de navios estrangeiros em portos brasileiros 1681- São Paulo é elevada à sede da capítania

1680 - Lei proíbe a escravização de índios.

1694 - Primeiras noticias de descoberta de ouro em Minas Gerias 1695 - Derrotado e morto Zumbi dos Palmares

1711 - a vila de São Paulo é elevada a cidade

1720 - Conspiração de negros em Minas Gerais é debelada por capitães do mato 20


1740 - inicia-se a construção da igreja São Pedro dos Clérigos 1745 - igreja reconstruída e elevada a categoria de Catedral - São Paulo se torno sede do bispado

1744 - criação do bispado de São Paulo

1759 - Os jesuítas são expulsos do Brasil - São extintas as últimas capitanias hereditárias. Todo o território passa a pertencer à Coroa

1763 - O Rio de Janeiro passa a ser a sede do vice-reinado 1769 - demarca-se sesmaria

1781 - diversas ruas recebem calcamento 21


1788 concluído o convento da luz

1810 - definição do perímetro urbano 1813 - projeto de José Bonifácio para uma Universidade em São Paulo

1825 - fundação da primeira Biblioteca Pública da cidade nas dependências do convento de São Francisco - abertura do Jardim da Luz

1808 - A Corte portuguesa se instala no Rio de Janeiro - os portos do Brasil são abertos ao comercio do mundo 1811 - parcelada área conhecida como “cidade nova” 1815 - Elevação do Brasil à categoria de Reino Unido ao de Portugal e Algarves 1822 - Dom Pedro proclama a independência do Brasil

22


1842 - Revolução Liberal 1845 - Romantismo em São Paulo

1870 - administradores locais iniciam intervenções urbanas - cidade sede/moradia para fazendeiros do café 1871 - febre amarela esvazia a cidade 1873 - cenário do triangulo sofre alteração pela implantação de iluminação a gás - alargamento do Largo da Sé e do Rosário 1884 - primeiras linhas telefônicas 1885 - abertura da Hospedaria dos Imigrantes 1890 - construção prédio Museu Paulista 1891 - Inauguração Av. Paulista 1895 - Marco Zero – marcado centro geográfico da cidade

1846 - Mauá constrói estaleiros 1850 - todas as propriedades deveriam ser registradas 1854 - Mauá inaugura a primeira Estrada de Ferro Dom Pedro II 1857 - É inaugurada a Estrada de Ferro Santos-Jundiaí 1872 - inicia-se na cidade sistema de bonde de tração animal 1873 - fundação Liceu de Artes e Ofício 1875 - obras saneamento: Várzea do Carmo e Jardim da Luz, calçando Largo da Sé 1877 - Grande seca no Nordeste 1888 - Promulgação da Lei Áurea 1889 - Proclamada a Republica no Br 1891 - Eleições presidência 1892 - inauguração Viaduto do Chá 1895 - iniciou de grande crescimento demográfico + imigração do rural para o urbano (crise café) 1896 - demolição da Igreja dos Jesuítas no Pátio do Colégio 23


1898 - incêndio Teatro São Jose(atual catedral) 1910 - remodelação do antigo largo da sé; incorpora quarteirões que ligava ao Largo de São Gonçalo (atual Praça João Mendes) e das antigas igrejas; Sé e São Pedro dos Clérigos; demolição antiga Sé 1911 - inicia-se a construção nova Catedral da Sé 1913 - inauguração da pedra fundamental da Catedral da Sé 1920 - antigo quartel substituído pelo Palácio da Justiça na Sé 1922 - Inaugura Cine Santa Helena 1930 - garagem ao ar livre 1934 - ponto de bonde é construído na Praça da Sé - Integralistas são expulsos da Praça da Sé

1944 - Abertura Hospital das Clínicas 1947 - Criação MAM - Inauguração Ed Banespa 1953 - Criação Teatro de Arena

1900 - surgem bondes elétricos 1901 - inauguração do Edifício da Estação da Luz 1904 - idéia de embelezamento das cidades para melhoramento de vida 1904 - Light & Power no Br - Revolta contra condições vida - Política de saneamento 1905 - inauguração Pinacoteca 1908 - bondes de tração animal trocados pelos elétricos 1910 - cria-se o Teatro Municipal 1915 - Aprovado o Código Civil Brasileiro, de autoria de Clovis Bevilacqua 1922 Semana de arte moderna

1930 1932 1934 -

encomenda Plano de Avenidas crise do café Revolução de 1930 Revolução Constituicionalista Criação USP

1935 - Decretado estado de sítio 1937 - Golpe do estado 1938 - inauguração Estação Julio Prestes - Criação Casa de Detenção Carandiru 1940 - instituição do salário mínimo 1951 - I Bienal de Arte - Inauguração Parque Ibirapuera 1953 - Criação da Petrobrás

24


1954 - Catedral da Sé é inaugurada sem estar concluída para comemoração do IX centenário da cidade 1958 - empresas particulares participam nos transportes coletivos e bondes são substituídos pelos ônibus 1960 - construções de grandes conjuntos habitacionais 1971 - iniciam-se obras da estação Sé 1972 - iniciam-se obras de estaqueamento 1974 - diversos edifícios demolidos 1975 - Estudo feito por Burle Marx apresentado Metro - Demolido o edifício Palacete Tina 1976 - implodido edif. Mendes Caldeira - Projeto e gerenciamento coordenado pela EMURB 1978 - inaugura-se estação 1992 - obras de recuperação no eixo Sé-Arouche

2007 - reforma Sé

1955 - surto industrial e urbano - circulação das massas necessidade no debate urbano 1956 - JK “50 anos em 5” 1957 - construção de Brasilia 1958 - trabalhadores reivindicam reforma agrária 1960 - JK inaugura Brasília 1963 - Inauguração Galéria do Rock 1966 - naiguraçano Edifício Copan 1968 - ultima linha bonde desativada 1970 - Minhocão 1968 - AI-5 1970 - Intensifica-se a oposição ao governo na cidade e no campo. - projetos de integração nacional; Transamazônica, INCRA, Mobral 1972 - Inaugurada em SP a maior refinaria de petróleo do pais 1975 - Lançamento Proálcool 1979 - Reinauguração Pátio do Colégio 1982 - Inauguração Centro Cultural SP 1984 - Comício Diretas Já 1980 - A crise econômica se agrava 1982 - Inauguração Itaipu - crise divida externa

1987 - crise econômica aprofunda 1988 - nova Costitução 1989 - surto violência cidades 1989 - Inauguração Memorial A. Latina 1992 - impeachmente Collor 1992 - Chacina de 111 detentos na Penitenciaria de São Paulo - Inauguração CPTM 1999 - Inauguração Sala SP 25


1860

1900


1916

1916

1916

28

1930


1916

29

1920


1938

1950

30

1952


comermoração da rendição incondicional da alemanha

1945

31


1958

1956

32

1958


Venda do edifĂ­cio mendes caldeira

33

1960


1971

34

1960

1969


implos達o Mendes calderia 1976

1976


implos達o Mendes calderia 1976

1976


koyaanisqatsi: implosĂŁo edifĂ­cio Mendes calderia

1976


40

1976


1976

41

1977


1978


1978

1978


movimento contras carestia

1978

44

1978


diretas jรก

1984


1984

1984

1984

46

1984


2002


é


Praça da Sé Praça da Sé Praça da Sé Hoje você é Madame estação Sé

Dindindindindindin Nem o condutor Dois pra light e um pra mim Nem o jornaleiro Provocando o motorneiro Nem os engraxate Jogando caixeta o dia inteiro Era uma gostosura Ver os camelô Correr do fiscal da prefeitura

Quem te conheceu A alguns anos atrás Como eu te conheci Não te conhece mais Nem vai conseguir Te reconhecer Se hoje passa por aqui Alguém que já faz Algum tempo que não te vê Pouca coisa tem que contar Pouca coisa tem que dizer Vai pensar que está sonhando É natural Nunca viu coisa igual

É o progresso É o progresso Mudou tudo Mudou até o clima Você está bonita por baixo Só indolá pra ver Mas não vá sozinho, meu senhor Que o senhor vai se perder

Da nossa Praça da Sé de outrora Quase que não tem mais nada Nem o relógio que marcava as horas Pros namorados Encontrar com as namoradas Nem o velho bonde

Praça da Sé Praça da Sé Hoje você é Madame estação Sé

Adoniran Barbosa_1978

49


A Praça da Sé é fundamen-

talmente um espaço para os moradores menos favorecidos, tanto em seu uso diário como em seu simbolismo. Enquanto as camadas trabalhadoras dominam a praça, o resto da cidade a evita.

Mas a Praça da Sé também é o

principal espaço político da cidade. Durante os anos militares, as poucas demonstrações políticas foram na Sé, principalmente por causa da catedral. A Igreja católica foi na época a única instituição capaz de oferecer um espaço relativamente seguro para protestos contra os abusos e as violações aos direitos humanos praticados no regime militar, se tornando um lugar de movimentos sociais. Então a Sé simboliza de um lado, a reapropriação política do espaço público pelos cidadões na transição da democracia. Por outro, 50


51


52


53


54

54


55


56


57


58


59


60


61


62


63


64


65


66


Como Jane Jabos esceveu em, Morte e vida de grandes cidades: (...)imagin(e) um campo extenso de escuridão. Nesse campo há muitas fogueiras acesas. São de vários tamanhos, algumas grandes, outras pequenas; algumas distantes, outras espalhadas bem próximo; algumas se avivam, outras se apagam. Cada fogueira, grande ou pequena, lança sua luz nas trevas à sua volta e, assim, cria um espaço. Mas o espaço e sua forma so existem por que a luz do fogo os cria(...) Os locais das cidades em que as fogueiras de uso e vitalidade de nao conseguem crescer, tornam-se escuros, sem forma e sem estrutura urbana. Sem essa luz vital, nao adianta procurar dar forma a um lugar urbano com “esqueletos” ou “arcabouços” ou “células” (421).

67


foto valentina tong

foto ester hamermesz


foto valentina tong

foto valentina tong


foto ester hamermesz


foto valentina tong


foto valentina tong

72


73

foto valentina tong


fotos ester hamermesz

74


foto isabel villares

75


foto isabel villares

76


foto valentina tong


foto tristan bonzon


foto tristan bonzon

foto tristan bonzon


foto isabel villares

foto ester hamermesz


foto isabel villares


foto tristan bonzon


foto isabel villares

foto tristan bonzon


foto valentina tong


foto valentina tong


foto isabel villares

foto isabel villares 86


87

foto isabel villares


foto ester hamermesz

88

foto valentina tong


foto isabel villares

foto isabel villares 89


90

foto isabel villares


91

foto isabel villares


foto isabel villares

92


93

foto isabel villares


foto ester hamermesz

foto ester hamermesz


foto isabel villares

foto isabel villares


foto isabel villares

foto ester hamermesz


foto ester hamermesz

foto ester hamermesz


foto tristan bonzon

98


foto tristan bonzon

99

foto isabel villares


foto isabel villares

foto isabel villares


foto isabel villares

foto isabel villares


foto valentina tong 102


foto tristan bonzon

103

foto tristan bonzon


foto tristan bonzon

foto tristan bonzon


foto isabel villares

105

foto isabel villares


foto isabel villares

106


foto isabel villares


foto isabel villares


foto tristan bonzon


augusto de campos_rever_1999


nelson kon


nelson kon


olafur eliasson_seu corpo da obra_2011


james turrell_the light inside_1999


helio oiticica_seja marginal seja her贸i_1968

helio oiticica


carmela gross_hotel_2002


olafur eliasson_the weather project_2003


lygia clark_bolha_1969


akran khan_vertical road_2011

119

akran khan_vertical road_2011


lygia pape_divisor_1968


nelson kon


teatro da vertigem_a última palavra é a penúltima_2008


michael wesely


rubens mano_detetor de ausĂŞncias_1994


anthony mccall_vertical works_2004-2010


gordon matta-clark_ conical intersect_1975


gordon matta-clark_ conical intersect_1975


francis alys_z贸calo_1999


richard serra_st johns rotary arc_1975-1980


christo_running fence_1974

christo_running fence_1974


nancy holt_sun tunnels_ 1973-1976


michael heizer_double negative_1969

michael heizer_double negative_1969


francis alys_tornado_2000-2011

francis alys_tornado_2000-2011


walter de maria_the lightening field_1977


robert adams


serรก


planta imperial cidade de s達o paulo_1765/1774


companhia cantareira de รกguas e esgotos_1881


mapa รกrea central_1889


planta sara brasil_1930


141

praça clóvis e praça da sé_1954


142

gegran_1975


143

gegran com desenho da praรงa_1978


144

google earth_2008


No mapa apresentado a seguir,

podemos verificar o período de construção dos edifícios.

Legenda: ano de construção 1888 - 1920 1920 - 1940 1940 - 1960 1960 - 1980 1980 - 2000 vago 158


159


Neste

mapa

é

desenvolvido

a

relação do entorno da praça ao estudarmos as volumetrias dos edifícios.

Legenda: altura (em metros) 01 - 09 09 - 18 18 - 27 27 - 36 36 - 100

160


161


O

mapa

apresentado

a

seguir

demonstra os usos do pavimento térreo de todas as construções lindeiras a praça.

Legenda: tipos de uso no térreo banco (04) bar (10) escritório (01) estacionamento (02) farmácia (04) foto/xerox (04) hotel (01) igreja (03) loja essências (03) múltiplo uso (07) roupas/sapatos (06) serviço público (06) 162


163


Este mapa desenvolve as rela-

ções entre a volumetria da praça e a articulação dos niveis.

Legenda: pisos e canteiros circulação de pedestres acesso metrô área sem circulação (fosso) área sem circulação (canteiro) área sem circulação (água)

164


165


Neste mapa é desenvolvido como

no dia-dia as pessoas se relacionam com a praça.

Legenda: fluxos e circulação fluxo de pedestres calçadões setores intransponíveis fluxo de veículos e ônibus fluxos prejudicados acessos metro 166


167


Podemos verificar a seguir, ape-

sar da Sé assumir o uso hegemonico de circulação na historia da cidade, o projeto implantado criou diversos pisos e canteiros que limitam o fluxos de pedestres, criando setores intransponíveis com canteiros e espelhos d’agua que impedem travessias espontâneas.

Legenda: setorização da praça setor da Praça da Catedral local de manifestão popular antigo Largo da Sé área de intensa circulação ambulantes e oradores área com circulação menos intensa área com pouca circulação e pouco utilizada área utilizada por moradores de rua 168


169


ser


Referência Bibliográfica ARGAN, Giulio Carlo. A historia na metodologia de projeto. IN: Revista Caramelo n° 6, p. 165, São Paulo, Ed. FAU USP, 1992. Paginas 156-170.

DAVIS, Mike; CYPRIANO, André. Planeta favela. Tradução de Beatriz MEDINA; Fotografia de Ermínia MARICATO. São Paulo: Boitempo, 2006. GUATTARI, Félix. Caosmose: um novo paradigma estético. São Paulo: 34, 1992.

AZEVEDO, Ricardo. Memória da Sé. Sao Paulo: , Projeto Museu de Rua, 1979.

FAUSTO, Boris. Historia do Brasil. São Paulo: Edusp, 2004.

BACHELARD, Gaston. A poética do espaço. São Paulo: Martins Fontes, 1989.

FINGERMANN, Sergio. Elogio ao silêncio e alguns escritos sobre pintura. São Paulo: BEI Comunicação, 2007.

BARTHES, Roland. Como viver junto : simulações romanescas de alguns espaços cotidianos. São Paulo: Martins Fontes, 2003. BERMAN, Marsall. Tudo que é sólido desmancha no ar: a aventura da modernidade. São Paulo: Companhia da Letras, 1986. BOGEA, Marta. Público e privado: contaminações arte e arquitetura Ou Satisfeita, Yolanda?. São Paulo: Integração, 2008. CALDEIRA, Tereza Pires do Rio. Cidade de muros: crime, segregação e cidadania em São Paulo. São Paulo: EDUSP, 2000. CALVINO, Italo. As cidades invisíveis. 2.ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2004. CAMPOS, Cândido Malta (Org.). São Paulo: metrópole em trânsito. Colaboração de Vladimir SACCHETTA, Lúcia Helena GAMA. São Paulo: Senac, 2004. COMPANHIA DO METROPOLITANO DE SÃO PAULO. Metrô de São Paulo. São Paulo: Companhia do Metropolitano de São Paulo, 1972.

FRÚGOLI JR, Heitor. São Paulo: espaços públicos e interação social. São Paulo: Marco Zero : SESC, 1995. FRÚGOLI JÚNIOR, Heitor. Centralidade em São Paulo: trajetórias, conflitos e negociações na metrópole. São Paulo: Cortez : Edusp, 2000. GOUVÊA, José Paulo Neves; ROCHA, Angela Maria (Orient.). Cidade do mapa: a produção do espaço de São Paulo através de suas representações cartográficas. HILLMAN, James. Cidade e Alma. São Paulo: Studio Nobre, 1993. HOUAISS, Antonio; VILLAR, Mario de Salles; FRANCO, Francisco Manoel de Mello. Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001. JACOBS, Jane. Morte e vida de grandes cidades. Tradução de Carlos S. Mendes ROSA, Maria Estela Heider CAVALHEIRO; Revisão de Cheila Aparecida Gomes BAILÃO. São Paulo: Martins Fontes, 2000. 172


KARA-JOSÉ, Beatriz. Políticas culturais e negócios urbanos: a instrumentalização da cultura na revalorização do centro de São Paulo. São Paulo: Annablume: FAPESP, 2007. LEFEBVRE, Henri. A Revolucao Urbana. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1999. LEFEBVRE, Henri. O Direito à Cidade. São Paulo: Editora Documentos, 1969. MEYER, Regina Maria Prosperi. São Paulo metrópole. São Paulo: EDUSP, 2004. MILANESI, Renata. Praça da Sé: evolução urbana e espaço publico. São Paulo: FAU/ USP, trabalho final de graduação, 2002. MIYAZAKI, Elizabeth Akemi. Praça da Sé. São Paulo: FAU/USP, trabalho final de graduação, 1979. REIS, Nestor Goulart (Coord.). São Paulo: vila, cidade, metrópole. São Paulo: Takano, 2004.

Paulo - [1987-1991]: Tecnologia e humanização. São Paulo: Companhia do Metropolitano de São Paulo, 1991. SENNETT, Richard. O declínio do homem público: as tiranias da intimidade. São Paulo: Companhia das Letras, 1999. 447 p., 21 cm. Tradução de: Lygia Araujo Watanabe. Harald Weinrich; tradução Lya Luft. Lete: arte e crítica do esquecimento. Rio de Janeiro : Civilização Brasileira, 2001. WISNIK, Guilherme. Estado crítico: á deriva nas grandes cidades. São Paulo: Publifolha, 2009. WISNIK, Guilherme. Os novos nômades. Folha de SNao Paulo, Caderno illustrada, p. E2, em 07/05/2007. http://www.metro.sp.gov.br/ http://sempla.prefeitura.sp.gov.br/ www.ibge.gov.br WWW.nasa.gov/

ROLNIK, Suely. Geopolítica da Cafetinagem. 2006. <http://eipcp.net/ transversal/1106/ rolnik/pt>. SANTOS, Milton. Metrópole corporativa fragmentada: o caso de São Paulo. São Paulo: Nobel : Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo, 1990. SÃO PAULO (ESTADO). COMPANHIA DO METROPOLITANO DE SÃO PAULO. O planejamento do transporte no Metrô de São Paulo. São Paulo: [s.n.]. SÃO PAULO (ESTADO). SECRETARIA DA HABITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO URBANO. COMPANHIA DO METROPOLITANO DE SÃO PAULO. O Metrô de São 173


â&#x20AC;?... numa cidade entulhada e ofendida, pode de repente surgir uma lasca de luz.â&#x20AC;? lina bo bardi


177

sé:era|é|será:ser  

Apresentação do Trabalho Final de Graduação realizado para Escola da Cidade sobre a Praça da Sé

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you