Page 1

Ano 03 - Nº12 - Janeiro 2017

FEDERAÇÃO NACIONAL DAS ASSOCIAÇÕES DOS REVENDEDORES DE VEÍCULOS AUTOMOTORES

CONGRESSO FENAUTO É SUCESSO Um evento recheado de boas e valiosas novidades para quem atua no mercado automotivo


Cada carro tem um tipo de comprador. E cada venda, uma necessidade diferente. O Banco PAN é o parceiro ideal para potencializar seus negócios. Você conta com atendimento dedicado, especializado e condições comerciais exclusivas para vender mais. Na hora de fechar uma venda, ter um parceiro que se importa com sua empresa é fundamental, por isso escolher o Banco PAN é a receita do sucesso. Temos linhas de crédito e facilidades para você fechar negócios com agilidade e qualidade. Afinal, entendemos a sua necessidade e oferecemos a solução mais adequada para satisfazer os seus clientes e você conquistar ótimos negócios! Entre em contato com o representante comercial do Banco PAN responsável pelo atendimento da sua região: RJ / ES / BA / SE: antonio.cunha@grupopan.com NE / NO (exceto BA / SE): gerson.biral@grupopan.com GO / DF / MG: hercilio.soares@grupopan.com SP Interior: luis.venancio@grupopan.com SP Lojas / Litoral / Vale: marcelo.mortatti@grupopan.com MT / MS / PR / Noroeste SP: marcelo.romeu@grupopan.com SP Dealers / RS / SC: mauricio.menezes@grupopan.com www.bancopan.com.br Facebook.com/BancoPan 2

/ Revista


/ EDITORIAL

É COM UM SENTIMENTO DE DEVER CUMPRIDO QUE ESCREVO ESTE EDITORIAL, O PRIMEIRO DE UM NOVO ANO.

E

m 2016 realizamos o maior evento de nosso setor, o 5º Congresso Fenauto, com um sucesso extraordinário. Somando a este fato todas as ações que desenvolvemos no ano que passou, renovo a certeza de que estamos caminhando firmes para o lugar de destaque que nossa entidade merece assumir no cenário nacional. Nosso evento, mais uma vez, ofereceu a todos os participantes uma grande oportunidade de debater temas da mais alta importância para as nossas empresas e para o nosso Setor. A alta frequência em todas as palestras demonstrou o reconhecimento da importância do Mercado de Seminovos e Usados como elo que contribui para movimentar a cadeia automotiva. Em um ano conturbado, com grave retração da economia, sofremos os efeitos que foram muito mais severos para outros segmentos. Nosso setor resistiu bravamente e conseguimos fechar o ano com um resultado muito semelhante ao de 2015, o que já se traduz por uma grande vitória. Agora, recebemos a notícia da publicação da Resolução 655 – do Conselho Nacional de Trânsito – Contran – criando o RENAVE – Registro Nacional de Veículos em Estoque. Em breve o mesmo deverá estar plenamente operacional, gerando mais facilidades para nossos lojistas. Foi um trabalho conjunto com outras entidades do setor que foi coroado de êxito. Aproveito este editorial para agradecer a você lojista e profissional do nosso segmento pela presença em nosso Congresso. Essa escolha foi correta e deve fortalecer sua empresa, ajudando-a trilhar os caminhos mais adequados em busca de um futuro melhor. Garanto que a Fenauto continuará a trabalhar arduamente para oferecer a você e sua revenda, sempre, produtos e serviços para ampliar suas oportunidades de negócios. Para que tenhamos sucesso nessas ações, para ganharmos ainda mais força, nacionalmente, é imprescindível contarmos com a sua ajuda, com a sua participação. É importantíssimo que você, lojista, seja filiado à sua Associação Estadual. Não deixe de participar desse movimento para que nossa união se reverta em mais benefícios para todos. Aproveito para agradecer a todos que estiveram empenhados na realização do 5º Congresso Fenauto e nos trabalhos em várias frentes com parceiros, Governos de todos os níveis e outras entidades correlatas. Registro, também, um agradecimento muito especial ao PAN, nosso Patrocinador Master, à CETIP, Patrocinadora Ouro e aos demais apoiadores diretos e indiretos do Congresso. Não seria possível realizar este evento sem esse inestimável apoio. Também estendo o agradecimento às demais empresas patrocinadoras e expositoras que participaram de nossa ExpoFENAUTO’2016. Desejo a todos um excelente ano, com muita saúde, paz e alegria junto a suas famílias. Que seja um ano de esperanças e ideias renovadas para, juntos, trabalhar para o sucesso de todo o nosso segmento.

Ilídio Gonçalves dos Santos Presidente FENAUTO

Revista

/

3


/ SUMÁRIO

08

24

SUMÁRIO 06

VENDEDOR SNIPER

24

ExpoFENAUTO

08

NOSSO MERCADO

26

CONVENÇÃO

10

TERMÔMETRO

27

ASSOCIAÇÃO EM DESTAQUE

11

EDUCAÇÃO

29

LOJISTA EM DESTAQUE

13

OPINIÃO

31

PORTA LUVAS

15

CAPA

34

EM FOCO

4

Nailor Marques Jr. escreve O poder da união Mercado de veículos seminovos fecha 2016 estável O novo e o velho por Enilson Sales

Associar é sobreviver por Cida Smidt A busca por um bom valor de revenda por Joel Leite Congresso Fenauto

/ Revista

Repetindo o sucesso

Fenauto realiza sua 52ª Convenção

Assovemg completa maioridade

Valeu Fenauto

Combinando Rock´n´Roll com carros

Fenauto realiza eventos pelo Brasil


FEDERAÇÃO NACIONAL DAS ASSOCIAÇÕES DOS REVENDEDORES DE VEÍCULOS AUTOMOTORES

CONSELHO EDITORIAL:

27

Ilídio Gonçalves, Enilson Sales, Elis Maurício Siqueira, Maria Aparecida Smidt e Fáres Darwiche. Editor e Jornalista Responsável: Jorge Luiz Mussolin (MTB 15.978) e-mail: mussa@fenauto.org.br Projeto Gráfico: Artearia Studio Design Impressão: Nywgraf Ltda Redes Sociais: Maná Publicidade Fotos: Arquivo FENAUTO / Divulgação Endereço: Av. Giovani Gronchi, 6195 - 10º andar - Conj. 1005 Edificio GG Offices Center - Vila Andrade - CEP 05724-003 São Paulo - SP - www.fenauto.org.br fenauto@fenauto.org.br – Tel.: 11 - 4119.8586 e 2592.2326 As matérias assinadas nesta revista são de responsabilidade do autor não representando, necessariamente, a opinião da FENAUTO. Autorizada a reprodução total ou parcial das matérias, fotos e imagens sem assinatura, desde que mencionada a fonte. A reprodução de matérias e artigos assinados devem contemplar autorização prévia e por escrito do autor.

CONSELHO DELIBERATIVO DO QUADRIÊNIO 2013/2017

29

31

Presidente do Conselho: ILÍDIO GONÇALVES DOS SANTOS; 1º Vice-Presidente (SINDIVEL/CE): JOSÉ EVERTONFERNANDES;2º Vice-Presidente, (AGENCIAUTO/PI):DOUGLAS ALEXANDRE MARTINS LEITE; Vice-Presidente Financeiro (AAVURJ/RJ): ISIO KELNER; Vice-Presidente Financeiro Adjunto (ARVIESP/SP): LUIZ ANTONIO DE OLIVEIRA; Vice-Presidente Administrativo (AVESE/ SE): JOSÉ AUGUSTO DOS SANTOS; Vice-Presidente Administrativo Adjunto (SINDIVEL/CE):ROBERTO JOSÉ TEIXEIRA; Vice-Presidente Secretário (ASSOVEPA): ANTONIO DOS SANTOS GOMES; Vice-Presidente Secretario Adjunto(SINDIVEL/CE): JOSÉ AUGUSTO TÁVORA DA SILVA; Vice–Presidente de Marketing (AGENCIAUTO/ DF): PAULO HENRIQUE MAGALHÃES POLI; Vice-Presidente de Marketing Adjunto (SINVEP/PB): WALDECK PINHEIRO COELHO; Vice-Presidente Assuntos Jurídicos (ASSOVEMG/ MG): MARLON JOSÉ VIEIRA; Vice-Presidente Assuntos Jurídicos Adjunto (AGENCIAUTO/AL): VANDERLEI PRIETO; Vice-Presidente de Relações Públicas (AGENCIAUTO/DF): FERNANDO VILLELA TOLEDO; Vice-Presidente de Relações Públicas Adjunto (ASSOVEPAR/PR): SILVAN SABAINI DAL BELLO; Vice-Presidente de Assuntos Econômicos e Mercadológicos Adjunto (SINDIREVE/ RN): JOSÉ GEORGE GONÇALVES BARBOSA; Vice-Presidente de Assuntos do Quadro Associativo (AGENCIAUTO/MT): ISNEL LEITE ALMEIDA; Vice-Presidente de Assuntos do Quadro Associativo Adjunto (ASSOVEBA/BA): PAULO CESAR MASCARENHAS DE OLIVEIRA; Vice-Presidente de Relações Internas (ASSOVEMG/ MG):SERGIO BATISTA COELHO; Vice-Presidente Relações Internas Adjunto (ARIVES/ES):PAULO CESAR MARTINELLI SEPULCRI; Diretor Executivo da FENAUTO:Fáres Darwiche

Revista

/

5


/ VENDEDOR SNIPER Por Nailor Marques Jr

O PODER

DA UNIÃO

E

m 1662, Pe. Antônio Vieira, num de seus maravilhosos sermões, o do Santíssimo sacramento, tratou melhor do que ninguém sobre as vantagens e os perigos de não atentarmos para o valor da união. Todos nós sabemos que sozinho é possível irmos mais rápido, mas sabemos também que bem acompanhado podemos ir muito mais longe. E ir mais longe é a regra da vida.

6

/ Revista

Esse é o espírito das cooperativas, das associações, das parcerias: o pouco esforço de cada um, resulta em sobrevivência e lucro maior para todos. Disse Vieira: “Toda a vida (ainda das coisas que não têm vida) não é mais que uma união. Uma união de pedras é edifício; uma união de tábuas é navio; uma união de homens é exército. E sem essa união, tudo perde o nome e mais o ser. O

edifício sem união é ruína; o navio sem união é naufrágio; o exército sem união é despojo. Até o homem (cuja vida consiste na união de alma e corpo) com união é homem, sem união é cadáver”. Parece-me que o texto fala por si só. No entanto, parece-me também que mesmo com o sistema cooperativo, com as associações serem as formas de crescimento mais sólidos e seguros no mundo


VENDEDOR SNIPER

atual, muitas pessoas ainda querem navegar sozinhas pelos mares da instabilidade. Não há crise que possa pegar desprevenido alguém que esteja num grupo bem informado. Até os animais irracionais caçam em bando. Por que pessoas inteligentes como nós optariam por entrar na selva dos negócios sozinhos? No começo da civilização os homens já se uniram para plantar e colher e para proteger seus filhos e mulheres de predadores. Enquanto uns saíam para caçar, os outros ficavam de guarda; enquanto uns plantavam, outros vigiavam os estoques de comida; enquanto umas cozinhavam, outras cuidavam das crianças e foi assim, unida, dividindo tarefas e colhendo lucros e avanços que a humanidade chegou ao século XXI. Um homem pisou a Lua, mas cada habitante do planeta

Terra pensa que de alguma forma foi ele próprio. Viver em comunidade é assim. Ganho de um, ganho de todos. Durante a Revolução francesa, instalou-se no mundo ocidental uma ideia ingênua de que as pessoas poderiam cuidar apenas da própria vida, um sentimento individualista tomou conta do mundo, dito civilizado, mas logo as pessoas perceberam que a conquista de um homem é, na verdade, a conquista de toda a humanidade: assim foi com a máquina a vapor, revolucionando os meios de produção; com o advento dos trens, diminuindo as distâncias e ampliando o transporte de cargas; com o automóvel melhorando a mobilidade urbana ou com o computador, transformando o mundo num grande condomínio. Parece que nunca a ideia de união foi mais palpável do que agora. De-

pois das sucessivas crises pelas quais passamos recentemente, só saíram fortalecidas, ou pelo menos vivas e com chances de permanência no mercado, as empresas que contavam com a teia de proteção de uma associação que poderia conseguir benefícios que ela sozinha jamais poderia. Nenhum de nós pode ser mais forte do que todos nós juntos. Associar-se, permanecer e crescer são imperativos de ordem. Quem entender isso, estará vivo para ver a economia voltar a gerar negócios e dinheiro; quem não, pelo menos poderá aplaudir os que puderam evitar, como disse o padre, a ruína, o naufrágio e o despojo. Nailor Marques Jr é professor, escritor, palestrante, especialista em comunicação com o cliente e diretor do IMPCOACH. www.impcoach.com.br

Revista

/

7


/ O NOSSO MERCADO

MERCADO DE VEÍCULOS SEMINOVOS FECHA 2016 ESTÁVEL

A

Federação Nacional das Associações dos Revendedores de Veículos Automotores – Fenauto, divulgou seu balanço com os resultados durante o mês de dezembro, além do acumulado no ano de 2016. Em termos gerais, o resultado no ano ficou praticamente igual ao obtido no ano anterior, ficando

8

/ Revista

0,1% negativo em comparação a 2015. No ano passado foram comercializados 13.348.992 veículos, contra 13.360.306 em 2015. Especificamente no mês de dezembro de 2016, 1.369.742 veiculos foram comercializados, representando um aumento de 19,5% em comparação com novembro de 2016 (1.146.026 veículos).


O NOSSO MERCADO

Evolução das Vendas - Segmento (Só Semi-novos e Usados)

2016 Segmento

Dezembro

2016 X 2015 %

Novembro

Dezembro de 2016

Dezembro de 2015

%

Acum 2016

Acum 2015

%

Auto*

900.680

745.720

20,8

900.680

817.515

10,2

8.606.314

8.624.786

Comercial Leve*

140.114

120.796

16,0

140.114

124.549

12,5

1.424.571

1.388.387

2,6

31.130

29.172

6,7

31.130

28.629

8,7

340.655

338.846

0,5

284.019

237.961

19,4

284.019

277.309

2,4

2.820.109

2.866.570

-1,6

13.799

12.377

11,5

13.799

11.858

16,4

157.343

141.717

11,0

1.146.026 19,5

1.369.742

1.259.860

62.261

57.266

Com. Pesado Motos Outros

Total Brasil

1.369.742 62.261

57.301

8,7

8,7 13.348.992 8,7

-0,2

13.360.306 -0,1

53.183

53.441 -0,5

* Valores revisados com a transferência dos Veículos classificados como SUV, de Comercial Leve para Auto.

Fonte: Fenauto / Denatran

Evolução das Vendas - Região (Só Semi-novos e Usados)

2016 Dezembro

Total Brasil

2016 X 2015

Novembro

%

Dezembro de 2016

Dezembro de 2015

%

Acum 2016

Acum 2015

%

266.702

232.758

14,6

266.702

253.055

5,4

2.820.508

2.858.277

-1,3

733.298

623.652

17,6

733.298

676.264

8,4

7.069.976

6.945.800

1,8

109.346

84.460

29,5

109.346

96.091

13,8

1.064.556

1.064.193

0,0

208.533

161.928

28,8

208.533

188.429

10,7

1.890.253

1.981.067

-4,6

51.863

43.228

20,0

51.863

46.021

12,7

503.699

510.969

-1,4

1.146.026 19,5

1.369.742

1.259.860

1.369.742

8,7 13.348.992

13.360.306 -0,1 Fonte: Fenauto / Denatran

Evolução das Vendas - Tempo de Uso (Só Semi-novos e Usados)

2016 Tempo de Uso

Dezembro

2016 X 2015

Novembro

%

Dezembro de 2016

Dezembro de 2015

%

Acum 2016

Acum 2015

%

Semi-novos (0 a 3 anos)

537.310

449.284

19,6

537.310

416.703

28,9

5.003.648

4.035.316

24,0

Usados Jovens (4 a 8 anos)

439.647

367.149

19,7

439.647

438.045

0,4

4.354.915

4.784.033

-9,0

Usados Maduros (9 a 12 anos)

149.819

124.949

19,9

149.819

149.725

0,1

1.480.221

1.619.433

-8,6

Velhinhos (13 e + anos)

242.966

204.644

18,7

242.966

255.387

-4,9

2.510.208

2.921.524 -14,1

1.146.026 19,5

1.369.742

1.259.860

8,7 13.348.992

13.360.306 -0,1

Total Brasil

1.369.742

Fonte: Fenauto / Denatran

Evolução das Vendas - Auto

Evolução das Vendas - Comerciais Leves

(Só Semi-novos e Usados)

Ranking

(Só Semi-novos e Usados)

Dezembro de 2016

% s/ Total

Ranking

Dezembro de 2016

% s/ Total

1

GOL

100.274

11,13

1

STRADA

25.928

18,50

2

UNO

60.490

6,72

2

SAVEIRO

19.418

13,86

3

PALIO

57.638

6,40

3

HILUX

15.077

10,76

4

CELTA

36.593

4,06

4

S10

13.302

9,49

5

CORSA

29.864

3,32

5

MONTANA

8.968

6,40

6

FIESTA

27.008

3,00

6

KOMBI

6.683

4,77

7

FOX

26.207

2,91

7

RANGER

6.426

4,59

8

SIENA

25.543

2,84

8

L200

6.020

4,30

9

COROLLA

19.898

2,21

9

FIORINO

4.990

3,56

KA

18.584

2,06

10

DOBLO

3.548

2,53

Outros

498.581

55,36

Outros

29.754

21,24

Total

900.680

100,00

Total

140.114

10

Modelo

Fonte: Fenauto / Denatran

Modelo

100,00

Fonte: Fenauto / Denatran

Revista

/

9


/ TERMÔMETRO

O NOVO E O VELHO N a reta final de cada ano sempre paramos para refletir sobre o que aconteceu de bom, ou o que não deu tanto certo e que devemos tomar como lição. Com certeza, este 2016 foi um ano duro, mas também de muito aprendizado. Não me cabe neste espaço fazer análises econômicas. Menos ainda, tecer comentários sobre ganhos e perdas do processo político brasileiro ou mundial. Vivemos em tempos de mudanças rápidas e profundas. E guinadas radicais requerem um tempo razoável para que possamos digerí-las e, aí sim, opinarmos com menos emoção e mais bom senso. Assim sendo, prefiro abordar um ponto que impactou significativamente a vida dos brasileiros e, por consequência, o nosso setor: as mudanças tecnológicas. De repente passamos a escrever mais do que falar. Aprendemos que para tudo o que não sabemos não precisaremos buscar informações perdendo tempo em pesquisas e entrevistas que demandam muito esforço. Descobrimos, enfim, que o nosso negócio pode ficar mais eficiente se soubermos usar bem as redes sociais a nosso favor. Aprendemos que temos algo à mão que nos ajuda bastante na solução de problemas. Acontece que muitas das informações armazenadas (às vezes inutilmente) são originárias, essencialmente, da qualidade da pergunta que nós fazemos. Ainda aprendemos que, de nada adianta a sofis10 / Revista

ticação tecnológica, quando não sabemos “pilotar” bem a “máquina” que está a nosso dispor. Existe ainda uma avaliação a ser feita: todas estas ferramentas substituem as antigas abordagens? Sabemos que o ser humano conta com cinco sentidos já instalados em sua configuração original. São ele, a Visão, Audição, Olfato, Paladar e Tato. E ainda existe o chamado “sexto sentido”, que se manifesta nas percepções. Algo de muito subjetivo, mas de grande valia. As ferramentas criadas ainda não possuem a inteligência artificial perfeitamente desenvolvida. Mas, estudos já se encaminham para o desenvolvimento dessa capacidade, de forma a ser usada em máquinas que, em pouco anos, deverão surgir e fazer parte do nosso cotidiano. Então, como devemos avaliar este novo momento e, como agir diante desta realidade impactante? É certo que rejeitar os avanços pode ser tão danoso quanto sofis-

Por Enilson Sales ticar demais as coisas simples. E também que as sensações só são completas quando usamos o máximo dos nossos sentidos. Desta forma, a prudência nos recomenda a observar que o equilíbrio é sempre o melhor caminho. Usar ferramentas, no momento em que elas nos proporcionem bons resultados de velocidade e assertividade, é tão recomendável quanto uma boa conversa olho no olho, tomando um café e encerrando com um aperto de mão, um abraço ou algo mais íntimo, se a ocasião pedir. Nos negócios, como na vida afetiva, o equilíbrio é sempre o caminho do sucesso. E isso é dito desde Lao Tsé (filósofo chinês da antiguidade) Enilson Sales - Membro do Conselho da Fenauto


/ EDUCAÇÃO

ASSOCIAR É SOBREVIVER?

P

or que devo me associar a uma entidade de classe? É obvio que o ser humano vive em sociedade, agrupado, interagindo uns com os outros, para sobreviver e realizar seus sonhos. Essa é sua vocação natural desde os primórdios da civilização. O filósofo Aristóteles já considerava que o homem é, a exemplo de outros animais, levado a viver em comunidade por sua própria natureza. É de sua autoria o texto onde justifica esse pensamento, quando diz que “Sabemos que toda a cidade é uma espécie de associação, e que toda a associação se forma almejando um bem, pois o homem trabalha somente pelo que ele considera um bem.”. Assim, o primeiro grupo a ser criado é a família. Várias famílias formam um povoado, um maior ainda, uma cidade, várias cidades um Estado e vários Estados um país. Todo este processo tem, por objetivo, novamente

Por Cida Smidt

citamos, a sobrevivência dos indivíduos, visando o que Aristóteles chama de “uma vida feliz”. Você, como empresário, busca, também, ser feliz em seus negócios, ser próspero e realizar seus sonhos. Muitas vezes, esperam e acreditam que podem tudo sozinhos, lutando contra tudo e contra todos. E, muitas vezes, até se questionam a razão de se associarem e de se manterem associados a uma Entidade de classe. Questionamentos como “para que fazer isso?”, ou “que benefícios terei em me associar?”, ou ainda “por que pagar para ser associado?”, são comuns na boca de muitos empresários que, mesmo enfrentando dificuldades em seus negócios, não percebem a importância da união para ter força. Assim, passam anos sem perceberem a extensão dos benefícios de serem associados, oferecendo à sua entidade de classe a força necessária para que ela lute Revista

/11 11


EDUCAÇÃO

pelos seus direitos. Na verdade, não são eles que pertencem a uma Entidade e sim a entidade que pertencem a eles. Então, por que não utilizar adequadamente o que lhe pertence? Por que não explorar o potencial desse patrimônio que você, como empresário tem, para garantir a sua voz em assuntos do seu interesse? Quem esteve presente na 5ª Edição do Congresso Fenauto, e assistiu às palestras e apresentações do programa oferecido pela entidade, percebeu claramente o quanto está deixando de ganhar lutando sozinho, quando poderia se juntar a outros milhares de lojistas para fortalecer sua Associação Regional e, consequentemente, a entidade nacional. A união de todos em torno de uma entidade forte é garantia de um sentimento de Solidariedade entre seus membros, fortalece a Representatividade da catego-

OS PRINCIPAIS BENEFÍCIOS DO SEGURO

Ricardo José de Souza, Diretor comercial responsável pelo Canal Concessionárias/Locadoras e Consórcios e Canais Estratégicos do Grupo Segurador MAPFRE - Brasil, é especialista do mercado segurador e relata como o Seguro de Automóvel Mapfre é sempre uma boa opção para quem não quer ter dores de cabeça com seu veículo.

12 / Revista

ria em discussões importantes e de magnitude, traz vários benefícios para a geração de novos negócios para todos e traz a boa sensação de pertencer a uma classe unida. Portanto, o que está esperando para procurar a sua Associação Regional e conversar sobre como se associar? Como ajudá-la a ser mais forte? Que sugestões e ideias você pode oferecer a ela para facilitar a vida de lojistas como você? O quanto você pode ajudar aos seus amigos que também vendem carros não os considerando como “concorrentes”, mas sim como aliados com o mesmo objetivo de alcançar a prosperidade e a felicidade. Faça isso. Associe-se. Esperamos por você. Cida Smidt - Especialista em Business & Life Coaching e parceira da Fenauto.

O

seguro de automóvel MAPFRE, é uma excelente opção para ser distribuído através das lojas de seminovos ligadas a FENAUTO e suas associações regionais, já que temos 130 sucursais/escritórios distribuídos pelo Brasil, onde conseguimos prestar um atendimento presencial diferenciado juntos aos revendedores. Somos reconhecidos no mercado pelos excelentes diferencias em nossos produtos de automóvel, onde cito alguns deles: desconto de até 40% na franquia no momento do sinistro e a possibilidade do pagamento em até 6 vezes sem juros nas apólices com vigência anual. Temos também a possibilidade de contratação do seguro plurianual e, para essa modalidade de contratação, oferecemos um desconto competitivo no custo, podendo dividir o valor à vista em 10 vezes. Oferecemos cobertura exclusiva para danos à pintura, desde que haja o atingimento da franquia, estendendo gratuitamente a cobertura do veiculo segurado para o carro reserva quando contratado na apólice. Quando o segurado for atendido como terceiro, autorizamos o carro reserva para o segurado sem penalizar o bônus da apólice, entre tantos outros diferencias. A grande novidade do momento, que entendemos ter uma excelente aderência pelo mercado de seminovos, foi um pedido da FENAUTO para MAPFRE. Trata-se do seguro por 6 meses, onde o pagamento pode ser feito em até 5 vezes sem juros. Acreditamos que, com essa modalidade, podemos ajudar o lojista a comercializar mais veículos pela facilidade e custo benéfico que o seguro oferece. Vale à pena conferir.


/ OPINIÃO

A BUSCA POR UM BOM VALOR DE REVENDA

S

ão as montadoras e as importadoras as maiores interessadas em manter um bom valor de revenda dos seus carros, uma vez que esse é talvez principal atributo que o consumidor leva em conta na hora da compra do zero. Mas é o setor de usados o responsável pela boa imagem do carro junto ao consumidor. Por isso o fabricante está cada vez mais atento ao comportamento dos seus produtos depois que saem da concessionária. O resultado do Selo Maior Valor de Revenda Autos 2016, da Agência Autoinforme e Textofinal de Comunicação, mostrou que as marcas que se preocupam em elevar esse atributo estão colhendo frutos. A Honda, que tradicionalmente trabalha bem o pós-venda, foi a grande ganhadora da Certificação deste ano: levou o prêmio de Campeão Geral com o HRV, que teve um índice de depreciação espetacular: 4,5%, o mais baixo desde 2001, quando a Autoinforme iniciou a elaboração do Estudo de Depreciação. E ganhou em mais duas categorias. A preocupação com a imagem leva as montadoras a realizarem ações com o objetivo de reduzir as despesas do dono do carro, para melhorar o chamado Custo Total de Propriedade do veículo. Entram nesse contexto, valor do seguro, custo das revisões, manutenção preventiva e a depreciação do veículo na hora da revenda, que é o resultado da soma dos demais fatores. Outro atributo que o consumidor leva em conta e que, portanto, melhora o valor de revenda, é o índice de reparabilidade, do Cesvi, isto é, o quanto ele vai gastar em caso de batida. O vendedor de carros usados sabe mais do que ninguém que o desconto excessivo que algumas montadoras dão em vendas de lotes derruba o preço do seminovo. Por isso, muitas delas limitam o número de carros destinados a frotistas e incentivam a rede a valorizar o carro usado da marca na troca por um OK. Engana-se quem pensa que só carro de grande volume, por girar mais rápido, perde pouco na hora da revenda. A certificação deste ano colocou entre os vencedores três carros de luxo: Mercedes CLA, Land Rover Discovery e Volvo XC60.

Por Joel Leite

Os vendedores de carros estão compreendendo que o respeito ao bolso do consumidor é um investimento que traz retorno. Uma lição que todos que trabalham com carro devem aprender. Joel Silveira Leite é jornalista. Diretor da Agência AutoInforme, responde pelos sites AutoInforme e EcoInforme. Apresenta o Boletim AutoInforme nas rádios Bandeirantes, Band News e Sulamérica Trânsito.

Revista

/ 13


/ CAPA

CONGRESSO FENAUTO É SUCESSO! Entre os dias 8 e 9 de novembro a Fenauto realizou a quinta edição do seu já tradicional Congresso. 14 / Revista


CAPA

F

oi um evento recheado de boas e valiosas novidades para quem atua no mercado e deseja criar, sempre, novas oportunidades de negócios, além de manter os profissionais desse mercado permanentemente atualizados com as últimas tendências. A abertura do Congresso reuniu autoridades e personalidades do setor automotivo, palestrantes reconhecidos e, recebendo também, mais de 500 profissionais vindos de todas as regiões do Brasil que prestigiaram as diversas palestras realizadas. Diversas entidades enviaram seus votos de sucesso e manifestações de satisfação pela parceria com a Fenauto, através de vídeos que foram exibidos na cerimônia. Alex Sander Moreira Gonçalves, Diretor do Banco PAN, deu as boas-vindas aos participantes e enviou uma mensagem de otimismo e compromisso com a Fenauto, reforçando a importante parceria entre

as entidades. Iroilton Medeiros, Diretor Comercial e de Produtos da Unidade de Financiamento da Cetip, ressaltou a resistência e o trabalho da Fenauto para proporcionar melhores condições para as revenda e reforçou o compromisso que tem com a entidade que representa esse importante setor da economia brasileira. Vitor Cesar Bonvino, Presidente do Conselho Nacional da Abac – Associação Brasileira de Administradoras de Consórcios, agradeceu o convite e reforçou também a satisfação da parceria que mantém com a Fenauto. Jorge Pontual, Diretor Comercial da Abla - Associação Brasileira das Locadoras de Automóveis – reconheceu os frutos da parceria entre as locadoras e os lojistas, agradecendo também o convite para a participação no evento.

Revista

/ 15


CAPA

Hilgo Gonçalves, Presidente da Acrefi - Associação Nacional das Instituições de Crédito, Financiamento e Investimento – destacou a importância de um Congresso como esse realizado pela Fenauto, ainda mais em um momento como esse vivido pelo país, ajudando o mercado a crescer e se fortalecer. Antônio Megale, Presidente da Anfavea - Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores, ressaltou que o Congresso da Fenauto tem uma importância muito grande já que a entidade é parte essencial da engrenagem do mercado automotivo. Alarico Assumpção Júnior, Presidente da Fenabrave - Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores, parabenizou a toda a diretoria da Fenauto e aos organizadores do Congresso pelo excelente trabalho que vêm realizando nesses encontros que fortalecem e engrandecem o setor. Leandro Vilain, Diretor de Negócios e Operações da Febraban Federação Brasileira dos Bancos, ressaltou o esforço dos revendendores de seminovos e usados em manter o ritmo dos negócios apesar 16 / Revista

do momento difícil do mercado e afirmou ter certeza de que o evento iria trazer muitas oportunidades de conhecimento para o planejamento e ações vitoriosas. Subiram ao palco para oficializar a cerimônia Cristiano Dantas – Cetip (Superintendente Comercial), Jorge Pontual – Abla (Diretor Comercial), Vitor Cesar Bonvino – Abac (Presidente do Conselho Nacional), Ilidio Gonçalves dos Santos – Fenauto, (Presidente), Carlos Magno da Silva Oliveira – Denatran (Coordenação-Geral de Planejamento Operacional), Hilgo Gonçalves – Acrefi (Presidente), Marcelo Franciulli – Fenabrave (Diretor Executivo) e Alex Sander Gonçalves – Banco PAN (Diretor Comercial). O presidente da Fenauto, Ilídio dos Santos, ressaltou que após alguns anos difíceis o setor enfrentou desafios imensos em 2016, com uma crise política e econômica de proporções que poucas vezes se viu. A cadeia automotiva foi duramente atingida pela redução sem precedentes em seus volumes de vendas, o que afetou a indústria de autopeças, as montadoras e as concessionárias. Diante desse cenário, o presidente reconheceu que o setor sofreu menos já que

manteve o mesmo nível de vendas que 2015. Em um tom otimista, reafirmou que para o próximo ano as projeções são de uma sensível melhora nas vendas, reconhecendo que será um período mais flexível e até bom para os que souberem se ajustar. Nesse contexto, a Fenauto tem procurado, através de parcerias com importantes entidades, soluções para melhorar o clima de negócios das revendas. Para ele, esse caminho de integração tem rendido bons frutos e, certamente, renderá muitos mais. Finalizando, Ilídio agradeceu aos dirigentes de entidades que prestigiaram o evento e fez um agradecimento especial ao Banco PAN, patrocinador Máster do evento, à CETIP, patrocinadora Ouro, e aos demais patrocinadores. O presidente da entidade fez uma referência especial aos membros do Comitê Organizador que, durante um ano, se dedicaram à realização desse grande encontro. Acompanhe, agora, os detalhes e informações do que aconteceu no 5º Congresso Fenauto. Convidado ao palco para posicionar os presentes sobre o andamento do processo do Renave, Carlos Magno, Coordenador Geral Operacional da entidade federal, ressal-


CAPA

tou que as entidades e os órgãos do governo estão trabalhando intensamente no aprimoramento do projeto em andamento, garantindo um sistema sustentável e robusto para atender adequadamente, e com total confiança e segurança, ao revendedor de veículos. Os primeiros testes reais deverão ser feitos no primeiro semestre de 2017.

“Inove ou morra tentando” Gustavo Caetano é um exemplo típico de um profissional antenado em novas tendências que vem construindo empresas e soluções de sucesso ao longo de sua carreira. Depois de fundar a Samba Tech e trazer para o mercado ideias inovadoras, passou a ser considerado o Mark Zuckerberg brasileiro. Assim, Gustavo questionou a plateia como eles fariam para criar empresas ou negócios que crescessem rapidamente, em uma época em que as pessoas estão mais preocupadas em sobreviver. E ele mesmo deu a resposta: usar ao máximo a informação disponível. “Hoje existe um volume gigantesco de informações disponíveis no mercado e praticamente todo mun-

do tem acesso a elas, se quiser. A internet é uma ferramenta extremamente útil para obter as informações que você deseja e também para encontrar modelos diferenciados para serem aplicados no mercado de veículos seminovos e usados onde vocês atuam”, informou Gustavo. Segundo o especialista em criar empresas de sucesso, “as pessoas mudaram muito e estão mais conectadas com grupos diversos, obtendo mais opiniões e participando mais para compartilhar conhecimento e informações. Então, a empresa, o grupo, o profissional que souber lidar melhor com essas informações, aquele que souber tirar proveito desse compartilhamento, das oportunidades que surgem nessas discussões e grupos, sai na frente.” Ele ressaltou também que atualmente “não importa mais o tamanho da empresa, seja um conglomerado gigante, ou seja um pequeno comércio varejista de veículos. Acabou-se a época de quem tinha mais dinheiro para investir, ganhava o jogo. Gustavo sugeriu que todos analisassem o ambiente atual do mercado. “Vejam quantas empresas estão fazendo sucesso nos negócios

resolvendo velhos problemas com modelos de negócios com abordagens inovadoras. Elas se destacam no cenário da economia por enxergarem o futuro não como uma continuação linear do passado. As pessoas que fazem o planejamento do futuro olhando para o passado, não alcançam o sucesso. Manter o foco no negócio é mais importante do que ficar tentando soluções para atender a todos. Então, o que eu posso fazer de diferente?”, recomendou. Gustavo deixou um recado aos participantes. “Venda um sonho para o seu cliente, e sonhos não têm preço. Estamos na era daqueles que irão tirar as ideias do papel e transformá-las em realidade!”

Abertura da ExpoFenauto

Logo após a cerimônia de abertura do Congresso, foi feito o corte simbólico da fita para inauguração da ExpoFenauto.

“Cenário Perspectivas políticas para o Brasil” Augusto Nunes é um dos jornalistas mais respeitados do Brasil. AtuRevista

/ 17


CAPA

almente, é colaborador da revista Veja e âncora do programa Roda Viva, da TV Cultura. Nunes subiu ao palco para responder a perguntas como o que acontecerá ao país depois da Operação Lava-Jato e seus desdobramentos? Que comportamentos a sociedade, as empresas e os profissionais de todas as áreas deverão assumir? Como será o cenário político do futuro próximo? O jornalista afirmou que a Operação Lava-Jato e a crise que se instalou na economia e na política estão ajudando a mudar o país. Para ele, nada será como antes e a impunidade deixará de ser uma realidade para quem errou e burlou a lei em qualquer instância de poder. Apesar de 2016 ser um ano que muitos desejam esquecer, “foi um ano bom, pois está trazendo uma série de mudanças importantes em todos os sentidos. A conscientização da sociedade está em um nível nunca visto e as cobranças dela para resultados positivos também”, afirmou. Ao traçar uma linha do tempo desde o descobrimento do Brasil e as decisões políticas que atrasaram o desenvolvimento do país, ele chegou à conclusão de que o “governo sempre foi um empecilho para os empresários, como vocês, que desejam trabalhar direito.” Para ele, a crise que foi produzida aqui no Brasil por diversos motivos (políticos, mal gerenciamento de verbas, decisões erradas na condução da economia etc), será resolvida por nós mesmos. “Vamos ter que estender a ética a todos os campos e segmentos. Queremos emprego, queremos trabalhar e não ser prejudicados por falcatruas e esquemas de perpetuação no poder” defendeu o jornalista. Para ele o país não será o mesmo dentro de alguns anos. Apontando para a plateia, afirmou que “quem faz o Brasil são vocês! O Brasil será o que vocês quiserem que ele seja. Se algumas vezes fize18 / Revista

mos escolhas erradas no passado, sempre poderemos retificar nossos equívocos no futuro”, comentou.

Feirões e Promoções

A apresentação sobre Feirões contou com muitas feras no palco. Na coordenação ficou Dilson Motta que acumula experiências como Diretor Adjunto de Marketing do ABN Amro Real, Consultor do Ministério do Esporte – Consórcio Copa 2014, head de Marketing do Fluminense Football Club e Consultor de Marketing e Comercial da Entre Produções Ltda. Respondendo às questões, no palco, estiveram outros veteranos painelistas como Everton Fernandes, do Shopping do Automóvel Empreendimentos e Via Verde Promoções e Eventos, Marcelo Hiroshi Nagassaki, Diretor de Vendas – Atacado da Localiza, Marcelo Raposo, Diretor de Varejo da Makplan e Waldeck Pinheiro Coelho, Diretor da W Ferrari Veículos. Os especialistas abriram a discussão respondendo à pergunta: o que é preciso para se fazer um bom feirão? Fundamentalmente: uma estrutura adequada (com amplo espaço, acesso livre, serviços e comodidades), preparação adequada da equipe que estará no local e, o mais importante, um amplo investimento em mídia para promover o evento. Waldeck Pinheiro ressaltou que além desses elementos, o planejador de um feirão deve se preocupar com a escolha de lojas qualificadas e vantagens reais para o comprador. Sugeriu, por experiência própria, que um espaço dentro de um Shopping pode ser útil pelas instalações que já existem e o fluxo garantido de público ao local. Everton Fernandes salientou que “o púbico sempre quer novidades. O formato antigo não se adequa mais à nossa realidade de comprador. É preciso se renovar à cada nova edição, pois quem vai ver um carro espera encontrar uma oportu-

nidade boa com relação ao preço oferecido no feirão”, finalizou. Marcelo Hiroshi Nagassaki, da Localiza, questionado sobre o formato de seus eventos, afirmou que as feiras de empresas de locação normalmente trabalham com um mix menor de marcas em comparação com os eventos feitos por revendas, onde existe a possibilidade de mais escolhas pelo consumidor. Marcelo Raposo lembrou à plateia que sempre é interessante e viável, uma parceria com veiculos de mídia da região para promover o feirão. Lembrou que existe uma tendência de migração da mídia off-line para a digital (redes como Instagram, Facebook, etc) por ser mais barata e gerar bons resultados. “Mas não se pode descartar outras mídias de impacto. Nas mídias sociais, o lojista deve estar atento para mantê-las atualizadas sempre e não apenas um pouco antes do evento”, complementou. Recomendou a realização de, no máximo, dois feirões por semestre para criar a expectativa e o interesse do consumidor e sempre levar novidades e vantagens reais para o evento. Questionou-se se, com os feirões, as lojas físicas perderiam importância. Todos foram unânimes em afirmar que não, já que a loja física permite uma escolha do “momento” em que o cliente deseja concretizar a compra, ao contrário do feirão. Todos confirmaram que o consumidor busca, antes de ir a uma loja, informações (em meios digitais) do veículo que deseja. Sobre a dúvida de que os feirões atrapalhariam o movimento das lojas físicas, os painelistas afirmaram que um feirão, quando traz uma atração boa para o consumidor, gera resultados sem prejudicar as vendas das lojas. O recado dado é que os lojistas precisam se reinventar, se movimentar, promover suas lojas, seja com feirões, promoções em mídias tradicionais ou redes sociais.


CAPA

“O digital na jornada de compra de carro” Bruna Terra Seii é especialista em um assunto extremamente volátil hoje em dia: comportamento do consumidor. Atuando no Google, responde pelo mapeamento de tendências digitais para o mercado automotivo e identificação de novas oportunidades de interação das marcas com seus consumidores. Bruna trouxe uma série de estatísticas e dados que mostram algumas tendências do comportamento desse tipo de consumidor. Quando bem analisadas, elas podem servir de base para o planejamento de ações para o lojista se aproximar do seu público-alvo. A primeira abordagem foi com relação a como a internet está impactando a compra de carros. Para se entender essa nova realidade, é preciso saber que o mundo vive uma verdadeira revolução digital que está mudando a vida das pessoas constantemente. Hoje, só no Brasil, são 124 milhões de pessoas com acesso à internet. Desse total,

90% acessam diariamente a rede por 102 milhões de smartphones. “Uma pessoa acessa a rede, pelo seu smartphone, 150 vezes ao dia, em média. Quando ele deseja algo, vai em busca de informação para compor e basear seu desejo. Essas mudanças de comportamento, antes de chegarem ao mercado automotivo, aconteceram em outros segmentos também. Hoje o consumidor quer se envolver com o assunto, no momento em que ele desejar”, afirmou Bruna. Outro dado revelado foi que 82% dos consumidores interessados em comprar um automóvel frequentam o ambiente da internet. Entre eles, 96% usam filtros digitais para pesquisar sobre os modelos e características dos veiculos que interessam. O caminho traçado por um futuro comprador começa sem que ele saiba exatamente o que deseja em termos de veículo (seja cor, modelo, ano, características etc). Mas, quando ele chega à loja “já está praticamente decidido pelo modelo que deseja”, confirma Bruna. Ela fez um alerta sobre o prepa-

ro que os lojistas devem ter para atenderem bem esse novo perfil de consumidor. “A recomendação é manter uma equipe atualizada e com informações corretas, além de treinados para responderem rapidamente às dúvidas que o consumidor envia por e-mail ou rede sociais. Quanto mais rápido se iniciar e manter o contato, mais satisfeito o consumidor fica”, encerrou Bruna.

Happy-hour

Ao final do primeiro dia de evento, para descontração geral e a troca de experiências e contatos, foi realizado um Happy-hour animado no estande do Banco PAN. No dia 9 de novembro, o ritmo e a frequência do Congresso não diminuiu. Veja o que cada palestra trouxe de novidade para os participantes.

“Um novo tempo de vendas e atendimento” Alfredo Rocha pode ser definido como um vendedor nato. Estudioso das áreas de Psicologia, Filosofia e Sociologia, atualmente se debruça Revista

/ 19


CAPA

sobre o desenvolvimento de projetos ligados às tecnologias da revolução digital. Rocha reforçou que “vivemos dias muito diferentes do que eram há 20 anos. Há duas décadas a prática mais comum de um vendedor era a ‘empurroterapia’ com uma disputa entre os vendedores sem se importar com os interesses do cliente. Hoje os vendedores precisam e devem entender o cliente que está inserido em uma geração que vive no futuro, e que se mostra, cada vez mais, curiosa e ávida por obter informações e dados antes de fazer qualquer tipo de negócio.” Para ele, muitos ainda têm medo do futuro. “Eu mesmo, quando era criança, tinha medo do ano 2000 pelas previsões que existiam e as catástrofes que iriam, supostamente, ocorrer nessa data. Hoje estamos 16 anos no futuro sem que muitos ainda consigam compreender o que ele significa. A resposta é você quem dá, de acordo com a maneira de como enxerga o mundo”, alertou Rocha. A chave das mudanças está em cada um de nós. “A qualidade de ideias é o que faz o sucesso de uma pessoa. Em um mundo que muda velozmente, temos que esperar que as coisas aconteçam?

20 / Revista

O que eu preciso fazer para estar bem? A resposta é: ideias! A qualidade de suas ideias! As ideias não melhoram o mundo. As ideias melhoram as pessoas e as pessoas melhoram o mundo”, afirmou Rocha. “Aprenda sempre com as dificuldades. Quando um líder para de aprender, ele deve parar de liderar. Siga algumas recomendações para seguir adiante. Seja simples, seja objetivo, tenha conteúdo. O cliente não compra só o produto, ele compra valores e conceitos, sejam éticos, morais ou de outros tipos. É hora de rever suas posturas e oferecer o máximo de desempenho e de performance. O que não pode mudar é o seu entusiasmo pelo que faz. Hoje só tem sucesso quem é apaixonado pelo que faz”, finalizou Rocha.

“Associativismo: unidos teremos mais força” Luiz Moan Yabiku Junior é profissional do setor automotivo com mais de 30 anos de experiência na área, atuando como Executivo na Volkswagen e General Motors,

além de ter ocupado o cargo de presidente da Anfavea (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores) por três anos. Participando pela primeira vez em um Congresso da Fenauto, o executivo reconheceu a importância do setor de seminovos e usados, e o intenso trabalho que a entidade e sua equipe está realizando para valorizar ainda mais o segmento. Moan iniciou sua palestra afirmando que todos “os seres humanos formam famílias, cidades e estados para buscarem, em conjunto, a garantia de sua sobrevivência”. No aspecto dos negócios, essa realidade também existe e precisa ser sempre fortalecida. A união em Associações e Federações traz a força necessária para influenciar e fortalecer a defesa do segmento, na elaboração de leis e normas para a criação de um ambiente seguro que permita que as empresas cresçam e se desenvolvam, gerando negócios e fortalecendo a economia do país. “Se não percebermos as fraquezas do setor e nos unirmos, com certeza o automóvel será escolhido como o vilão da vez, assim como vem sendo feito com o cigarro, já há algum tempo”, alertou Moan. O setor automotivo tem uma força muitas vezes desconhecida já


CAPA

que é responsável por cerca de cinco milhões de empregos diretos ou indiretos. Nesse cenário, ressaltou quanto representa o setor de seminovos e usados. “O setor de vocês movimenta perto de 13 milhões de veículos por ano. Se colocarmos um valor médio de R$ 20 mil por veículo, são R$ 260 bilhões movimentados na economia por vocês lojistas. Por isso é preciso dar mais força às suas instituições representativas para que elas possam defender seus interesses e preservarem o ambiente de negócios atrativo”, recomendou. O executivo conclamou a todos a trabalharem pela união e pelo associativismo, fortalecendo, por consequência, a Fenauto. Portanto, sejam participantes atuantes nesse processo.”

“O poder do Associativismo” Nailor Marques Junior subiu ao palco valendo-se, também, do tema “Associativismo”. Para ele, toda a vida represente sempre uma união. Uma união de pedras é edifício; uma união de tábuas é navio; uma união de ho-

mens é exército. O edifício sem união é ruína; o navio sem união é naufrágio; o exército sem união é despojo. Até o homem (cuja vida consiste na união de alma e corpo) com união é homem, sem união é cadáver”. O professor afirmou que muitas pessoas ainda querem navegar sozinhas pelos mares da instabilidade. “Elas não enxergam que uma forma de crescerem mais protegidas, e com mais oportunidades de apoio e colaboração, é através de um sistema cooperativo, unindo-se às associações e entidades de classe, por serem as formas de crescimento mais sólidas e seguras no mundo atual”, enfatizou. “Unidos podemos fazer muito mais o que sozinhos. Os pequenos varejos podem se unir para conseguir resultados melhores em conjunto. Todo mundo fala que estamos em crise, que não há o que se fazer a não ser esperar para ver como as coisas vão terminar. Será que essa é mesmo a melhor solução? Pararmos no tempo para ver as coisas acontecendo à nossa volta e, quando finalmente despertarmos para a realidade percebermos que perdemos o trem da história? Quantos vieram até aqui em busca de soluções e uma delas é a união de todos em suas associações re-

gionais. Nosso país já passou por muitas crises e esta não será a última. Mas, depois de cada uma delas, só saíram fortalecidas as empresas que contavam com a teia de proteção de uma associação”, alertou Nailor. Para o apresentador, “nenhum de nós pode ser mais forte do que todos nós juntos. Associar-se, permanecer e crescer são imperativos de ordem. Quem entender isso, estará vivo para ver a economia voltar a gerar negócios e dinheiro”, finalizou Nailor.

“Vendendo como os clientes querem comprar” J.R. Caporal consultor internacional, CEO da MegaDealer e fundador da AutoAvaliar, foi um dos profissionais que realizaram uma apresentação durante o 5º Congresso Fenauto. O consultor trouxe sua experiência no mercado automotivo norte-americano, traçando um paralelo entre as inovações e as novidades do setor de seminovos entre os dois países e mostrando “cases” de redes varejistas bem-sucedidas e as estratégias adotadas pelos lojistas.

Revista

/ 21


CAPA

Também apresentou como a tecnologia e a inovação têm mudado a forma de atuação das empresas nos Estados Unidos e seu impacto no mercado brasileiro. Um dos destaques foi a facilidade de se comprar um seminovo nos Estados Unidos em comparação com a enorme dificuldade de fazer essa compra no Brasil. “Aqui no Brasil, comprar um veículo é um processo muito estressante para o cliente, pois é preciso tomar uma série de decisões, como modelo, marca, ano, cor, seguro, formas de pagamento, manutenção, valor de mercado, entrada com outro veículo, etc. E as lojas ainda não estão preparadas para atender a essas demandas”, acrescentou Caporal. O desafio para as lojas é, portanto, melhorar o aproveitamento de todas as oportunidades de vendas. O consultor acrescentou ainda que, enquanto os varejistas brasileiros não incorporarem novas tecnologias e criarem novos canais de venda, os resultados serão determinados pela competência ou não dos seus gerentes. “Desta forma, a frustação do consumidor é grande e o prejuízo da loja será maior ainda. Enquanto que, se utilizarmos ferramentas de gestão com alto desenvolvimento tecnológico, usada em larga escala em todo território nacional, esse resultado pode ser muitas vezes melhor”, completou o consultor. Antes da palestra final do Congresso, o Superintendente de Veículos do Banco PAN, Wilson José Assis Diniz, subiu ao palco para comentar sobre o Congresso e a participação de tantos profissionais e empresas de porte no evento. Disse acompanhar a luta da Fenauto para que o 5º Congresso se realizasse e, com suas apresentações e palestras intensas e repletas de aprendizado, contribuísse para a melhoria dos negócios dos lojistas. “Confesso que estou muito feliz pela parceria entre as entidades e agradeço pela presença de todos com 22 / Revista

a certeza de que sairão satisfeitos com o que viram e ouviram aqui” finalizou Diniz.

“Da oportunidade ao êxito: mudar é complicado? Acomodar é perecer!” O filósofo, escritor, educador, Mário Sérgio Cortella, subiu ao palco para encerrar o Congresso Fenauto, apresentando as razões por que mudar é complicado, mas acomodar é perecer. Cortella iniciou a palestra com um recado bem direto. “Envelhecer é perecer”, deixando claro que não falava no sentido de que tudo aquilo que se torna velho deve morrer. Explicou que “perigoso em um mundo de mudanças rápidas como as que vivemos atualmente, para quem não se renova, é ficar velho rapidamente. Ou seja, quem não percebe as mudanças e não atua intensamente para acompanhá-las, tende a ‘envelhecer’ na forma de agir e, com isso, desaparecer, morrer no sentido de deixar de ter um sentido, um objetivo.” Ele lembrou da “Aquarela do Brasil”, música conhecidíssima de Ary Barroso, onde uma das estrofes diz: “Oh, esse coqueiro que dá coco”. Para ele, nada mais óbvio do que um coqueiro que dá coco. E ai é que mora o perigo do óbvio. Quando tudo parece simples, quando parece óbvio, a maioria das pessoas se sente confortável, evitando mudar. “É esse sentimento que imobiliza as pessoas. Em um momento dificil, de crise, é óbvio que muitos passem a acreditar que as atitudes e ações a serem tomadas são desafios insuperáveis. Então, será que o melhor é permanecer imóvel, esperando? Ele traduziu esse tipo de atitude passiva que muitos adotam, com a personagem Caro-

lina, da canção de Chico Buarque, diante de quem ‘uma rosa nasceu, todo mundo sambou, uma estrela caiu, eu bem que mostrei sorrindo, pela janela, ó que lindo, mas Carolina não viu’. Ou seja, ela perdeu a oportunidade que estava à sua frente e não mudou. Não é para mudarmos o tempo todo pois ai estaríamos sendo volúveis. Mas mudar é bom e é preciso mudar quando a situação assim o exige. Isso é ser flexível e não volúvel. Perder ou mudar hábitos normalmente geram um momento de incerteza. Uma pessoa inteligente usa a força que a mudança carrega e a usa para impulsioná-la na direção em que precisa seguir”, completa. O mundo está mudando rapidamente quer queiramos ou não, quer tomemos consciência disso ou não. Portanto, devemos usar o passado como referência e não como direção a seguir. O filósofo pontuou, novamente, então que “o perigo em um mundo de mudanças é ficarmos velhos. Idoso é quem se renova com ideias e posturas atualizadas. Velho é quem se imobiliza, quem não aceita fazer parte da mudança e se prende a conceitos ultrapassados. Mas cuidado com o ‘mudanismo’ exagerado. Certas coisas não mudam, como por exemplo, a atenção que você sempre deve dispensar ao cliente. Isso é inegociável. As pessoas devem se conscientizar que é preciso ter raizes e nao âncoras que as prendam, imobilizando-as. As raízes alimentam, as âncoras imobilizam. O mais apto a sobreviver, em um ambiente de mudanças, é aquele que é capaz de mudar para se adaptar mais rapidamente. Ao final do evento, foi oferecido aos participantes um coquetel no Espaço Fenauto e, às 20 horas, todos puderam se divertir após um jantar de confraternização, com o show da banda Sp3.


CAPA

䰀䤀䜀唀䔀 䄀䜀伀刀䄀㨀

Revista

/ 23


/EXPOFENAUTO

ExpoFENAUTO

A

ExpoFenauto, feira que acontece simultaneamente ao Congresso Fenauto, mais uma vez repetiu o sucesso de anos anteriores, com um grande número de empresas anunciando seus produtos e serviços em estandes montados especialmente para o atendimento do público que acompanhou as palestras do evento. Fenauto

Como anfitriã do evento, a Fenauto não poderia deixar de ter seu estande que serviu de ponto de encontro e apoio para quem esteve expondo na ExpoFenauto. O local serviu para reunir expositores, visitantes, fornecedores, colaboradores, parceiros e profissionais interessados em saber mais sobre o trabalho desenvolvido pela entidade.

Banco PAN

O tradicional parceiro da Fenauto esteve presente com o seu estande onde pode mostrar as melhores ferramentas para potencializar os negócios dos lojistas e revendedores de veículos. O Banco PAN se destaca pelo atendimento dedicado, especializado e condições comerciais exclusivas para vender mais.

Cetip

Desde 1986, a Cetip oferece mais do que ferramentas que tornam as transações seguras e eficientes. A partir da mais alta tecnologia, desenvolvem soluções que contribuem com a solidez das instituições financeiras e com o desenvolvimento de um mercado financeiro sustentável. Mais de 17 mil instituições já se valem dos serviços da Cetip e, em seu estande na ExpoFenauto, a entidade apresentou várias de suas soluções em diversos segmentos.

Mapfre

O grupo multifuncional segurador, com presença em mais de 45 países, recebeu os visitantes em seu estande para apresentar as opões da parceria que tem com a Fenauto, que oferece as melhores opções de proteção ao veículo, além das mais completas coberturas.

Mercado Livre

O líder em comércio eletrônico no Brasil mostrou que 24 / Revista

conta com mais de 150 mil veículos anunciados todos os meses, com atendimento de assessores especialistas no segmento de veículos. Com isso, mantém o 1º lugar em audiência em classificados de veículos, usando a audiência gerada para promover ações especiais.

AutoAvaliar

A empresa aproveitou a realização do 5º Congresso para promover o lançamento de um sistema inédito no Brasil de gestão de vendas e estoque para o varejo automotivo de usados. Trata-se do aplicativo “A sua loja no bolso”, sistema gerencial completo que promete dobrar a taxa de conversão das revendedoras multimarcas.

GestAutoBrasil

A empresa está no Brasil desde 2011, com equipe técnica especializada, com “expertise” em gestão de problemas mecânicos e atendimentos efetuados com rapidez e transparência. Presente em todo o território nacional, com 4 tipos de coberturas, a GestAutoBrasil oferece garantia para carros com até 8 anos, nacionais e importados em diversos modelos, sem franquia, assistência 24 horas de guincho e outros benefícios.

Localiza

O grupo apresentou, na ExpoFenauto, o seu portal do Lojista Localiza Seminovos, um espaço exclusivo onde se pode encontrar uma grande variedade de veículos com alto padrão de qualidade, bom custo/benefício e excelentes oportunidades. O portal facilita a compra e também a venda do veículo, gerando boas oportunidades de negócios.

Instacarro

O site instacarro.com nasceu para ajudar lojistas a comprarem os carros que procuram com preços de atacado, transparência e a procedência regular. O site promete oferecer o carro para mais de 1.000 concessionárias e lojas em busca do melhor preço. O vendedor, aceitando a oferta, recebe imediatamente o pagamento rapidamente.

Maxi Web Auto – PasseCarros

Através de suas ferramentas e treinamentos específicos, a Maxi Web Auto padroniza o processo de avaliação das concessionárias, classificação e vendas de veículos no atacado. Ela agrupa serviços como o Carmai, o Tabela PasseCarros, PasseCarros, PasseMotos e PasseCarro Lojistas.


EXPOFENAUTO

Revista

/ 25


/CONVENÇÃO

FENAUTO REALIZA SUA 52ª CONVENÇÃO

E

stiveram reunidos, no último dia 7 de novembro, em São Paulo, os presidentes das Associações Regionais da Fenauto.

Durante o evento, foram apresentadas aos presidentes as principais ações desenvolvidas pela entidade em várias frentes de trabalho. Os participantes foram atualizados sobre o andamento do processo do Renave, iniciativa que deverá beneficiar os lojistas nos processos de transferência de veículos. Os presidentes foram atualizados sobre os 31 encontros realizados em parceria com o Santander, alcançando mais de 3 mil lojistas por todo o país. Ilídio dos Santos ressaltou que apesar da estrutura enxuta da Fenauto, um trabalho intenso vem sendo realizado pela equipe com muito esforço e dedicação. Agradeceu também a atenção dada pelos presidentes das Associações, durante a realização dos encontros re-

26 / Revista

gionais. Foram relatados, também, os últimos detalhes sobre o novo Estatuto da entidade e apresentado o avanço obtido no processo do Programa GBA – Garantia de Benefício ao Associado, além das novidades que aconteceriam na 5ª Edição do Congresso Fenauto, realizado nos dias 8 e 9 de novembro, com grande sucesso. Estiveram presentes prestigiando a 52ª Convenção Fenauto o Superintendente de Veículos do Banco PAN, Wilson José Assis Diniz, e Marcus Lavorato, gerente de Relações Institucionais da Cetip. Wilson Diniz elogiou a realização do evento e do Congresso e reafirmou o compromisso do banco em apoiar e desenvolver cada vez mais a parceria com a entidade. Marcus Lavorato ressaltou o importante papel que a Fenauto vem desenvolvendo para o setor de Seminovos e Usados, alcançando uma visibilidade importante atualmente.


/ASSOCIAÇÃO EM DESTAQUE

ASSOVEMG COMPLETA MAIORIDADE Associação de Minas Gerais completa dezoito anos de bons serviços para a categoria naquele estado

A

Assovemg - Associação dos revendedores de veículos de Minas Gerais completou 18 anos, já que foi criada em 21 de novembro de 1998. Sua criação foi motivada por diversas necessidades que as revendas enfrentavam, naquela época. Individualmente nenhum lojista seria capaz de mudar o cenário que o setor enfrentava, principalmente

no aspecto tributário. As vitórias e conquistas que a entidade reúne, hoje, só foi possível após a união e consequente criação da Assovemg. Segundo Rodrigo Souki Munayer, Presidente da Assovemg, “criar uma associação é o pilar principal, a base de um trabalho em prol de uma categoria, demonstrando para a sociedade que somos uma clas-

Revista

/ 27


ASSOCIAÇÃO EM DESTAQUE

se forte e unida. Assim, nossa entidade tem acesso e credibilidade garantida junto aos órgãos públicos e privados. Essa porta de entrada facilita a criação de ações para melhorar a operação das revendas, ou mesmo para conseguir parcerias de produtos e serviços em condições extremamente diferenciadas, onde se torna extremamente acessível a seus representados. Ao contrário, se esses serviços e produtos fossem contratados de forma individualizada, seriam até inviáveis pelo custo, como é o caso de treinamentos e palestras que desenvolvemos aqui”. A iniciativa de criar a Assovemg partiu, em um primeiro momento, da necessidade de regulamentar a carga tributária no estado de Minas Gerais. Assim, alguns revendedores de renome da capital mineira decidiram se reunir para buscarem uma solução em conjunto, devidamente amparada por uma assessoria jurídica e contábil. Esse trabalho coeso, focado e fortalecido, gerido pela entidade, conseguiu acesso às autoridades responsáveis pela área e, após o manejo de algumas ações junto aos órgãos estaduais, conquistou a redução da carga tributária, beneficiando não apenas os associados, mas toda a categoria. Desde então, a entidade vem atuando com firmeza e agilidade em várias ações junto aos entes públicos e privados, sempre na defesa dos interesses da categoria, gerando imensuráveis benefícios aos associados. Quanto às dificuldades que toda associação enfrenta, a Assovemg não 28 / Revista

se viu imune. Para sua diretoria, a maior dificuldade foi demonstrar aos revendedores quão importante é o associativismo para ganhar força na defesa dos interesses da categoria. Segundo Munayer, “nosso mercado ainda é composto de proprietários muito tradicionais no modelo de negócio e, por este motivo, precisam ser bem orientados quanto as vantagens em ter uma classe forte e unida. Mesmo nos dias atuais este desafio ainda persiste, onde é fundamental que associação busque diariamente parceria e benefícios para seus representados”. Hoje a entidade conta com cerca de 100 associados. A Associação lamenta que, desse total, cerca de 20% apenas atuam intensamente, comparecendo às reuniões mensais a fim de debater assuntos pertinentes e trocar experiências, deixando de adquirir um impressionante nível de conhecimento que é compartilhando nestes encontros. Os planos para o futuro próximo da associação compreendem alguns projetos em andamento junto aos órgãos estaduais, como Ministério Público, Junta Comercial e Detran, no sentido de criar um banco de

dados oficial sobre registros de veículos ofertados em leilões, de veículos oriundos de indenização integral, assim como registro de quilometragem no CRLV do veículo. Para 2017 a ideia é buscar uma parceria no Tribunal de Justiça de Minas Gerais, no sentido de unificar as consultas processuais, evitando assim aquisição de veículos com risco de futuros impedimentos judiciais. A entidade também está fechando parceria com grandes portais de anúncios de veículos e empresas de tecnologia, a fim de reduzir o custo desses produtos e serviços. Além disso, existem planos de parcerias com algumas instituições financeiras para criar uma pauta de palestras e treinamentos voltados ao setor automotivo. O Presidente se une ao Vice-Presidente, Roney Fernandes de Souza, para valorizar a parceria e trabalho desenvolvido pela Fenauto. Para eles, “a Federação tem um papel fundamental para que todas as Associações possam interagir e trocar experiências de ações de sucesso e seu estado. Além de exercer uma excelente representação a nível nacional, tendo em vista a relevância de nosso mercado na economia Brasileira. Não poderíamos deixar de citar, nesta oportunidade, que a Fenauto tem feito anualmente, e com muita competência, o maior evento do setor de veículos seminovos do Brasil, que concluiu sua quinta edição neste ano, e foi um sucesso. Minas ficou muito bem representada neste evento”, complementam os Diretores.


/ LOJISTA EM DESTAQUE

VALEU FENAUTO! André Cavagnini é o proprietário da revenda de veículos que leva o seu nome desde 2007, na cidade de Cosmópolis, interior de São Paulo.

A

ntes de montar sua revenda, passou por um banco e montou um supermercado na cidade Iracemápolis, também no interior do estado. Depois de uma excelente oferta, acabou por vender o supermercado e recebeu um convite para trabalhar em uma financeira em Piracicaba, onde atendia grandes grupos de vendas de veiculos. Foi nesse período que André começou a pensar seriamente em investir seus recursos em veículos. Quando surgiu uma oportunidade, acabou montando a revenda em parceria com um lojista amigo. “Eu comprava os veiculos dentro das concessionárias que atendia e mandava para loja de um amigo. Fui pegando gosto pelo negócio, mas não tinha interesse

Revista

/ 29


LOJISTA EM DESTAQUE

de um dia ser empresário neste ramo. Mas, quando abri a minha loja, não esperava tanto sucesso. Para minha surpresa vendia tudo que tinha dentro da loja. No auge, depois de ter aumentado o espaço físico na loja em 3 vezes o tamanho inicial, cheguei a atingir a venda de 60 carros por mês. Esse número se manteve até final de 2009 quando chegou a primeira crise”, relembra André. O empresário ressalta que sua loja segue, até hoje, os mesmos padrões de quando foi fundada. O quadro de funcionários é enxuto, mas extremamente capacitado e motivado com foco no cliente, não só na venda, mas muito mais no pós-venda, com carros 100% revisados e com laudos. A tendência que a loja segue hoje, segundo André, é a de “focar a venda pela internet, anúncios em redes sociais e linha de transmissão no WhatsApp. Também mudamos as cores da loja nos valendo de uma pesquisa sobre cores e como elas influenciam a nossa vida e decisões. “ André credita parte dessa transformação ao Congresso da Fenauto, onde esteve presente e aproveitou ao máximo as dicas passadas pelos palestrantes. “O congresso foi responsável por toda essa nova fase que estamos vivendo, pois antes do congresso estávamos ‘adormecidos’. Não posso afirmar que aprendi algo diferente no evento, mas ele me fez ‘acordar’. Muitas vezes sabemos o que fazer, mas não fazemos. Quando a loja começou a crescer, comecei a delegar funções e, com isso, sem perceber, perdemos o contato com o cliente. E, em uma cidade pequena como a minha,

30 / Revista

esse contato é primordial. Antes do congresso eu ficava na minha mesa. Hoje coloquei um funcionário na mesa e voltei para o pátio, como se eu tivesse começado novamente meu empreendimento”, mostra. Após o congresso da Fenauto o ânimo de André ganhou nova força e sua motivação ressurgiu. Segundo ele mesmo confessa, “voltei a sonhar! Voltei a acreditar no meu negócio. E isso fez com a loja triplicasse as vendas nos últimos tempos. Acabei percebendo quantas vendas eu perdia por não participar das negociações mais diretamente. André manda um recado simples a todos os lojistas, especialmente neste momento mais complicado da economia. Ele recomenda que “os lojistas olhassem sua empresa como um cliente e não como patrão. Um palestrante, durante o Congresso da Fenauto, disse uma frase que me fez refletir muito. - Para o cliente não interessa quantos anos de mercado você tem. Para ele, aquele momento de compra é único! Percebi que os 10 anos de loja não importam para o cliente. Se o meu concorrente tiver melhor atendimento, melhor qualidade nos carros etc.... ele ganhará a venda!” E os planos para participar do próximo Congresso da Fenauto já estão prontos desde já. Ele revela que “gostaria de agradecer ao Banco PAN pela oportunidade, e que, com certeza, estarei presente no próximo congresso. O Banco PAN vem acreditando na minha empresa e eu, neste momento, mais do que nunca, acredito na parceria que desenvolvi com eles”.


/PORTA LUVAS

COMBINANDO ROCK’N’ROLL COM CARROS Muitos já conhecem Rodrigo Dotto como o Presidente da AgênciaAuto, a Associação dos Lojistas do Rio Grande do Sul. Mas, muita gente ainda não conhece o lado artístico dele.

S

im, quem diria que Dotto, antes mesmo de descobrir a sua vocação para comercializar veículos, já tinha uma paixão pela música. Como ele mesmo lembra, “comecei a sentir a atração pela música muito antes da comercialização de carros. Aos 9 anos aprendi a tocar violão e aos 12 fui convidado por amigos para montar uma banda de garagem até então sem um nome. Depois de inúmeras sugestões e discussões, a banda foi batizada de Anjos do Rock.” E quem não tem curiosidade em conhecer os detalhes do começo de uma banda, quais foram os desafios, que dificuldades encontraram para se estabelecerem no

mundo da música? Dotto conta como eram esses tempos lembrando que o começo foi difícil já que ele foi convidado para ser o vocalista da banda. Mas, o problema era que, naquela idade, sua voz ainda estava passando pelas transformações normais de timbre enfrentadas na adolescência. Então, ele percebeu que “as músicas que a banda queria tocar não combinavam com o meu tipo de voz, pois eram do tipo punk rock como Ramones, Sepultura, Nirvana e outras parecidas. Como o problema não se resolveu, depois de alguns meses e ensaios sem avanço, fui gentilmente convidado a sair da banda, quando colocaram um vocalista com mais idade.” Para quem pensa que a carreira tão promissora estava definitivamente acabada, uma surpresa. Dotto não se abalou e não satisfeito, começou a estudar e treinar técnica vocal, quando teve uma nova oportunidaRevista

/ 31


PORTA LUVAS

saiamos às segundas, tocamos, conversamos e nos divertimos sem qualquer compromisso profissional. Mas também estamos abertos a realizar de 2 a 3 shows por ano em festas particulares de amigos ou beneficentes”, completa Dotto. E para quem nunca vivenciou essa experiência, como é montar uma banda e se apresentar em um show? Dotto não consegue disfarde e foi convidado para retornar a banda. Ele lembra que as coisas mudaram, pois “daí para a frente, todos passamos a estudar música e a banda foi evoluindo, gravando suas composições. Com o amadurecimento musical surgiram as oportunidades de tocarmos nas casas mais renomeadas da Capital gaúcha e interior do estado. Chegamos, em 1996, a participarmos de um concurso da RBS TV quando, entre 300 bandas, ganhamos o primeiro lugar no show de abertura do Natal Luz em Gramado. Nos classificamos, assim, para a final, quando ficamos em segundo lugar com uma música autoral. Em 2000, com uma situação mais madura na banda e com os recursos que juntamos com os shows, decidimos gravar um cd. Fiquei com a banda por aproximadamente dez anos, mas tive que sair estava difícil conciliar os shows com o trabalho. O problema é que não consegui ficar muito tempo parado e logo arrumei uma banda com uma agenda mais espaçada de shows. Fiquei com eles por 4 anos, só tocando rock no estilo dos anos 1980. Mas, a banda era tão boa que número de show foi aumentando novamente e acabei me desligando. Fiquei parado por mais um tempo até que a Anjos do Rock, que também estava parada, resolveu retomar os ensaios com o propósito de fazer um show de comemoração aos 20 anos da Banda. Isso foi em 2013 e até hoje continuamos com o projeto. En32 / Revista

çar a satisfação que tem com esse hobby. “A emoção e satisfação que a música traz é incalculável. Cada show é diferente, com pessoas diferentes e energias boas, enfim a música é algo mágico”, define o músico/empresário. E termina confessando o tipo de repertório que mais gostam. “O repertorio é composto pelo estilo hHard rock como Guns N’Roses, Aerosmith, Van Halen, Bon Jovi, AC/DC, Ozzy, Iron Maiden e etc. As músicas são clássicos que toda banda curte desde a infância.” A Anjos do Rock conta com 4 participantes e todos têm o mesmo propósito que encontrar prazer na música. São eles, Giovani Misturini (empresário e fotógrafo) na bateria, Alex Rech, (empresário do ramo de tapeçaria automotiva) no contrabaixo, Rodrigo Metzen (empresário do ramo de contabilidade) na guitarra e eu, Rodrigo Dotto, no vocal.


/EM FOCO

FENAUTO REALIZA EVENTOS PELO BRASIL O ano de 2016 foi realmente muito agitado na agenda da Fenauto. Sua equipe se desdobrou para realizar dezenas de eventos, com lojistas locais de várias regiões por todo o Brasil. Acompanhe os principais eventos que movimentaram o setor. Eventos PAN A Fenauto e o Banco PAN continuam firmes em sua parceria visando a constante aproximação entre lojistas e os operadores do Banco para agilizar negócios e apoiar os clientes. Em 2016 foram realizados 7 eventos com o apoio da instituição financeira. O formato que vem sendo adotado para esses encontros tem gerado muito interesse entre os revendedores e servido de plataforma para a troca de informações e dicas.

Eventos Santander Com apoio da Fenauto foi lançado o novo aplicativo do Santander Financiamentos em 31 localidades, expondo aos lojistas a nova ferramenta que altera a forma de se comercializar veículos.

Revista

/ 33


/EM FOCO

Evento Itaú A Fenauto também realizou um evento piloto, com o apoio do Itaú, reunindo lojistas da região de Porto Alegre. O evento consistiu na apresentação de novidades e tendências do Mercado.

Encontro com o Vice-Governador de São Paulo A Fenauto realizou uma reunião com o ViceGovernador do Estado de São Paulo, Sr. Márcio França, em novembro, onde expôs sua preocupação com relação à alteração da redução da base de cálculo sobre as vendas de veículos usados. Depois dessa primeira reunião, a Fenauto voltou a se reunir com o Sr. Hélcio Tokeshi, Secretário da Fazenda do Estado, prosseguindo com as conversações sobre a questão. O assunto está em avaliação e a Fenauto continua conversando com os representantes do Governo Paulista.

Feirão de Automóveis do Servidor do Piauí é pioneiro no Brasil O I Feirão de Automóveis do Servidor Público Estadual do Piauí foi uma iniciativa da Secretaria de Administração e Previdência do Piauí (Seadprev), CEF, Banco do Brasil e concessionárias de veículos e lojas de seminovos para facilitar a aquisição de veículos, entre outubro e novembro. O Feirão possibilitou o financiamento em condições especiais para compra e troca de veículos novos e seminovos. O financiamento 34 / Revista

pode ser feito em até 60 meses com 100% do valor do veículo. Entre as outras vantagens estavam a carência de até seis meses para o pagamento da primeira parcela, a possibilidade de não pagar a parcela em dois meses por ano, a garantia de quatro meses para veículos seminovos e taxas especiais a partir de 1,46% junto às instituições financeiras. Segundo o secretário de Administração e Previdência, Franzé Silva, a iniciativa do feirão está fazendo a economia girar, e ainda fomentando recursos para o Fundo de Previdência. “Pelo menos 0,5% de todo o volume de vendas será aportado no fundo de previdência a título de taxa de administração” afirma. O presidente da FENAUTO- Federação Nacional das Associações dos Revendedores de Veículos Automotores, Ilídio dos Santos visitou o secretário de Administração e Previdência (Seadprev), Franzé Silva para parabenizálo pela iniciativa do evento, que é inédito no Brasil. A entidade, que reúne 48 mil lojas de veículos seminovos e usados no Brasil, se colocou à disposição para apoiar as próximas edições do evento e sugeriu a ampliação do número de financeiras participantes no projeto. O Superintendente Regional da CEF, Elizomar Guimarães afirmou que as instituições credoras não cobraram tarifas de cadastro ou avaliação. Para o presidente da Associação dos Revendedores de Seminovos, Douglas Alexandre, as lojas estavam paradas com mercado em queda e houve um aumento de fluxo por causa das condições oferecidas. “Todas as concessionárias concorrentes se uniram no mesmo objetivo, na mesma linguagem e contaram com o apoio e a credibilidade do Governo do Estado. Lojas que recebiam perto de 20 clientes, passaram a receber 50 por dia. Foi uma mudança e tanto em tempos de crise” comemorou. O I Feirão de Automóveis do Servidor Estadual do Piauí teve como público-alvo os servidores públicos, policiais militares, bombeiros, ativos, inativos e pensionistas dos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, advogados regularmente inscritos na Ordem dos Advogados do Brasil (OAB/PI), qualquer profissional de Contabilidade, inscrito no Conselho Regional de Contabilidade (CRCPI), jornalistas filiados ao sindicato da categoria e servidores da Prefeitura Municipal de Teresina.


EM FOCO

com você

ESTAMOS A CADA NOVO NEGÓCIO

Construímos nossos 20 anos de história baseados na relação com nossos parceiros, seja buscando clientes e oportunidades ou oferecendo suporte e atendimento.

Com dedicação, hoje estamos entre os líderes de mercado de financiamento de veículos.

Essa bagagem nos permite enxergar a necessidade de cada um dos nossos mais de 16 mil parceiros.

Seguiremos assim, fortalecendo nossa parceria a cada negócio.

ATENDIMENTO BV: No site

www.bv.com.br

Nos fones

3003 7888 Capitais e regiões metropolitanas

0800 011 7888 Demais localidades

Sugestões, cancelamentos, elogios, reclamações ou informações gerais sobre produtos e serviços, contate o SAC: 0800 770 3335 ou 0800 701 8661 (atendimento especial para deficientes auditivos e de fala). Se desejar a reavaliação da solução apresentada no SAC, ligue para a Ouvidoria: 0800 707 0083 ou 0800 701 8661 (deficientes auditivos e de fala), de 2ª a 6ª, das 9h às 18h, exceto feriados nacionais.

Revista

/ 35


CETIP

MAIS PRESENTE DO QUE VOCÊ IMAGINA

A Cetip cria soluções inovadoras e eficientes para todas as etapas do ciclo de crédito veicular e imobiliário. Beneficia as instituições financeiras, administradoras de consórcio, revendas e compradores. É ela quem opera o Sistema Nacional de Gravames (SNG). As soluções da Cetip colaboram para tornar a concessão de crédito ainda mais ágil e segura. www.cetip.com.br/financiamentos.

Revista fenauto - Edição 12  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you