Issuu on Google+

Jornal

Bola Comunitária

Rs

Nº4 - FEVEREIRO/2013

DISTRIBUIÇÃO GRATUITA

TIRAGEM: 50 MIL EXEMPLARES

Arte: Felipe Augusto

Conheça os destaques das primeiras rodadas do Torneio Bola Comunitária

página 3

Conheça a ferramenta literária de prevenção que vem transformando a vida de jovens de todo Brasil contracapa Em sentido horário: Campo da Tuca (acima, à esquerda), Guaíba, Nova Gleba, Portão. Arquivo Pessoal

Alice Bastos, madrinha do Bola Comunitária, evidencia a importância social do Torneio página 2

Saiba por que a comunidade da Tuca ama o Flamenguinho página 2

Conheça as comunidades participantes do Torneio e os resultados dos jogos página 4


JORNAL DO TORNEIO BOLA COMUNITÁRIA 2

Jornal Bola Comunitária Veículo de Difusão da Central Única das Favelas do Rio Grande do Sul – CUFA –RS Fundada em 04 e novembro de 2005 Endereço: Rua Marechal Floriano Peixoto, 38, Sala 1619, Centro, Porto Alegre/RS Telefones: (51) 3224.3995

FEVEREIRO 2013

Madrinha do Torneio afirma que esporte transforma vidas ARQUIVO PESSOAL

Campo da Tuca é um bairro não oficial de Porto Alegre, localizado na região sudeste da cidade, no Partenon. Formado, na sua grande maioria, por trabalhadores de baixa renda, é conhecido por duas grandes instituições: a Associação Comunitária do Campo da Tuca, fundada em 1º de agosto de 1978, onde são empreendidas diversas ações sociais, e o Esporte Clube Flamenguinho, mantenedor do campo de futebol que dá nome à comunidade, berço de grandes atletas profissionais. Isto já bastaria para justificar a escolha do Campo da Tuca como palco do evento inaugural e das etapas classificatórias do Torneio Bola Comunitária. Mas as razões vão um pouco mais além. “O Flamenguinho é uma paixão”, assim define Silvio Roberto dos Santos, o Tileco, 50 anos, formado em Direito e vice-presidente do clube, em torno do qual se formou uma comunidade que ama o futebol. Ele nasceu e cresceu no bairro. Dos sete irmãos, seis jogaram no Flamenguinho. E a tradição continua: seus filhos, sobrinhos, e sobrinhos-netos também jogam no time. O Flamenguinho foi fundado em 09 de novembro de 1975 por três aficionados pelo futebol: Paulo Roberto Santos, o Paulão, jogador profissional criado no Campo da Tuca e patrono do time; Jorge Santos de Souza, o Cascudo, e

Felipe Augusto

Há 38 anos, um caso de amor com a Tuca O

Flamenguinho e Campo da Tuca: dois lados da mesma moeda

Gilson Santana, o Jacaré. “É a entidade mais antiga da Tuca”, informa Tileco. “Esse time representa o berço de grandes atletas profissionais, que brilharam e ainda brilham nos principais estádios brasileiros e internacionais”, orgulhase. Tileco se refere ao atacante Pedro Verdum, que passou pelo Internacional de Porto Alegre e pela Seleção Brasileira; ao próprio irmão e patrono do Flamenguinho, Paulão, que jogou no Internacional de Porto Alegre, no Lajeadense, no CSA de Alagoas e no Glória de Vacaria, e o Álvaro Luís, o Feijão, com passagens pelo Juventude, Esporte Clube Recife e Passo Fundo. “Atualmente, o Donça, o Cachorrão e o Cadinho são os destaques saídos da Tuca. Jogaram em clubes profissionais, mas hoje exercem atividades no futebol amador no Estado”, aponta.

Força

Diretoria: Coordenação Estadual - Manoel dos Santos Soares Coordenação Institucional Ivanete Pereira dos Santos Coordenação Administrativa Dinorá Rodrigues Coordenação Torneio Bola Comunitária: Paulo Daniel Santos Coordenação de Comunicação Felipe Nogueira

Equipe de Jornalismo: Editora e Jornalista Responsável: Silvia Abreu (MTB-8679-4) Planejamento Gráfico e Diagramação - Bibiana Saldanha Identidade Visual - Paulo Daniel Santos Designer Gráfico - Afonso de Lima Editora de Rádio - Ohana Constante Webdesigner - Andreia Silvia

O Flamenguinho é mais do que um clube esportivo: representa uma força política. “Aqui na Tuca, o Flamenguinho decide eleição”, comenta Tileco. Na Tuca, ruas já foram ocupadas. Na época do Collares, tentaram criar um Centro Esportivo no local onde se situa o campo. A comunidade não aceitou”, conta. Entretanto, a atuação do clube não se restringe à parte esportiva. Palestras de prevenção contra as drogas, atividades culturais e sociais se incluem entre as preocupações da diretoria. Tileco ressalta a sólida parceria com a Associação dos Moradores, responsável por importantes ações de inclusão e resgate da cidadania. Na área cultural, destaca-se o projeto Nascente do Futuro, em parceria com a Escola Imperadores do Samba, onde existe, até, uma ala com o nome do clube.

Nascida em Pelotas, Alice afirma: “Quero estar presente no Torneio!”

F

oi entre a apresentação do programa diário Globo Esporte e uma reunião de pauta, que a jornalista e madrinha do Torneio Bola Comunitária, Alice Bastos, concedeu essa entrevista. A apresentadora afirmou logo de início: “Fiquei muito honrada com o convite, pois acredito que este torneio é especial. Só o fato da gurizada vestir a camiseta de sua comunidade e representá-la no torneio, é incrível! Ao evidenciar o orgulho de ser de onde ele é, já faz deste o maior torneio entre comunidades.” Não foi por acaso que a jornalista e apresentadora de um dos maiores programas esportivos da televisão gaúcha foi escolhida pra ser madrinha do projeto. Nascida em Pelotas, na comunidade do Areal, Alice defende suas origens: “Aqui, no Globo Esporte, sempre estou brigando para dar espaço a outros esportes, em especial o da comunidade, pois sei de onde vim, cresci no Areal, no chão de terra, e por isso não quero ser vista como uma figura inatingível. Minha intenção é es-

Editora de Redes Sociais Suyanne Ribeiro­ Site: www.bolacomunitaria.com.br www.twitter.com/ BolaComunitaria www.facebook.com/ BolaComunitaria

tar presente”. Quando abordou a importância do esporte para comunidades em situação de vulnerabilidade social, foi incisiva: “para mim, está mais do que comprovado que o esporte, é sim, uma grande ferramenta – se não a maior- de transformação social”. Acrescentou que a transformação social não significa, necessariamente, ascender rapidamente na vida, – como acontece em diversos casos.- Por vezes, só o fato de o jovem se comprometer em estar regularmente nos treinos de seu time faz com que, no futuro, ele provavelmente se comprometa com muito mais coisas na vida, tornando-se uma pessoa melhor. O Torneio Bola Comunitária ocorreu durante os finais de semana dos dias 26, 27 de janeiro e 2, 3 de fevereiro. A final será no Campo do Zequinha dia 18 de fevereiro. A jornalista adiantou que estará em grande parte do torneio, inclusive na Final, quando será revelada a melhor comunidade do Rio Grande do Sul no Bola Comunitária de 2012/2013.

Fale Conosco: Comunicação Bola Comunitária Felipe Nogueira – comunicacao@ bolacomunitaria.com.br (51) 51 82534207. Silvia Abreu – silviaabreu. comunica@gmail.com (51) 92772191 / (51) 8467-4114 Impressão: Gráfica Pressxpress Tiragem: 50 mil exemplares


FEVEREIRO 2013 3

JORNAL DO TORNEIO BOLA COMUNITÁRIA

União Bandeirantes e 12 Horas disputarão a final do Bola Comunitária Willian Rodrigues

competitivos foram o São Pedro, de Alvorada, que venceu o Progresso, de Eldorado do Sul por 3x1; o São Pedro, de Portão, que abateu o Viamão por 2x1; o Nova Gleba, que venceu o Areal por 3x2; o E.C. 12 Horas (Tuca), que derrotou por 2x1 o Santa Tereza, de Igor, nos pênaltis. No domingo (03), o União Bandeirantes, de Guaíba, classificou-se para a final após vencer o São Pedro, de Portão, por 2x1. O E.C 12 Horas, da Tuca, foi para a final após abater o Nova Gleba por 2x1. Também foram reveladas as seleções que irão lutar pelo terceiro e quarto lugares no torneio: São Pedro, de Portão, e Nova Gleba. A final do Torneio Bola Comunitária será realizada no próximo dia 18 de fevereiro, às 20h, no Esporte Clube São José (Estádio do Zequinha), em Porto Alegre, quando o time do União Bandeirantes e o Esporte Clube 12 Horas se enfrentarão em busca da taça do campeonato. As seleções de São Pedro, de Portão, e de Nova Gleba, de Porto Alegre, irão lutar pelo terceiro e quarto lugares.

E

nvolto em um clima de expectativa, o Torneio Bola Comunitária, o maior campeonato entre comunidades do RS, iniciou-se nos dia 26 e 27 de janeiro, no Campo da Tuca, em Porto Alegre. O torneio realizado pela Central Única das Favelas (CUFA RS), com patrocínio da Corsan, Banrisul e apoio da Famecos/PUCRS, Secretaria Estadual do Esporte e Lazer, SECOM e Detran-RS, tem demonstrado que o futebol é mais que uma paixão nacional, mas uma ferramenta a serviço da promoção da cidadania. A vontade de vencer embalou os 32 comunidades que disputaram os 30 jogos nas duas rodadas realizadas, em ritmo de mata-mata. Não faltou raça, determinação e muitos gols de parte das seleções concorrentes.

Teve gol de todo o tipo: olímpico, de pênalti, de falta, por cobertura. Houve a comemoração dos que venceram e as lágrimas dos que partiram. “Cada jogo é disputado com muita vontade, com muito suor, com brilho no olho, com se fosse o último”, comentou, emocionada, a madrinha do torneio e jornalista Alice Bastos Neves, que visitou o Campo da Tuca, na manhã do dia 03. “E isto não é porque sonham em ser grandes jogadores, mas porque estão representando as suas comunidades. Isto faz a diferença”, complementou. Dois times se destacaram no primeiro dia da competição: São Pedro, de Alvorada, que venceu por 4x0 a seleção do Morro Santa Tereza, de Porto Alegre, com gols de Jeferson dos Santos, (camisa 8), Peterson da

Rosa (21), Fabiano (20) e Robson Nunes (10). Aclamada pela torcida, a seleção do Campo da Tuca venceu o Quilombo do Areal por 3x0, com dois gols marcados por Jaderson, camisa 11, destaque desta rodada, e por Leonardo (8). Foi dia de Carnaval na Tuca! No domingo (27), o brilho da competição foi ofuscado pela tragédia da Boate Kiss, em Santa Maria. A CUFA RS emitiu nota de pesar e dedicou um minuto de silêncio para as vítimas, no início do jogo entre Vila Farrapos e Lomba do Pinheiro (Construtores da Paz). Aos 12 minutos do primeiro tempo, Anderson Ramos, camisa 9, fez o único gol da partida, para o Vila Farrapos. No final de semana seguinte, o certame prosseguiu, com 16 equipes disputando a final. No sábado (02), os times mais

Márcio Figueira e equipe da TV Restinga fizeram a cobertura oficial de todo o Torneio.

Willian Rodrigues

Primeiro jogo do campeonato teve o maior placar do Torneio em tempo regular.

Para o atleta Luiz Eduardo, 16 anos, do Nova Gleba, é importante participar do Torneio. “É a oportunidade de a periferia mostrar seu futebol”, afirma. Ele fez o gol que desclassificou o Areal do torneio. O atleta Adilson Macena, 16 anos, autor do gol que levou o E.C. 12 Horas a se classificar, atribui a vitória ao treinamento intensivo que a equipe teve e garante que irão prosseguir trabalhando para a final.

Assessoria de Direitos Humanos da Brigada Militar e Associação Comunitária do Campo da Tuca são parceiros do Torneio Bola Comunitária.

INFORME PUBLICITÁRIO

Esporte e lazer para todo o Rio Grande do Sul Oportunizar o acesso ao fomento público para todas as regiões do Rio Grande do Sul é uma das prioridades da estruturação do esporte e do lazer no estado. A democratização dos investimentos ocorre principalmente por meio de convênios da Fundação de Esporte

e Lazer do RS (Fundergs) com entidades esportivas, associações sem fins lucrativos e prefeituras. Já são mais de 550 convênios pagos, realizados e auditados pela Fundergs, garantindo apoio a atletas em competições nacionais e internacionais, realizando eventos

esportivos e melhorando a infraestrutura, beneficiando mais de um milhão de pessoas. Todas as regiões do estado foram contempladas com investimentos que já superam R$ 8 milhões.

passa pelas etapas de habilitação e apresentação de projetos. Após criteriosa avaliação técnica e administrativa é encaminhado para o departamento jurídico que elabora o convênio. As prefeituras e entidades classificadas celebram na Como acessar O processo de convênios sede da Secretaria e da

Fundergs a assinatura do documento. Durante a execução do convênio é realizada uma fiscalização visando ao pleno cumprimento das normativas legais, resguardando assim o investimento público.

Secretaria do Esporte e do Lazer

Rio Grande do Sul Governo do Estado


JORNAL DO TORNEIO BOLA COMUNITÁRIA FEVEREIIRO 4 2013

Conheça os times que disputaram o maior Torneio entre comunidades Veja quem são os jogadores e as comissões técnicas das equipes participantes

Alvorada-Formoza.

Guaíba.

Vila Farrapos.

Viamão - São Tomé

Areal da Baronesa.

Eldorado do Sul - Centro Novo.

Lomba do Pinheiro

Gravataí.

Santa Teresa 1

Aberta dos morros.

Confira a tabela do Torneio e veja quem disputa a grande final no estádio do Zequinha Alvorada - São Pedro

Lomba do Pinheiro - Território de Paz

Novo Hamburgo.

Campo da Tuca.

Nova Gleba.

Restinga.

Eldorado - Progresso.

Portão.

Santa Teresa 2.

Vila Elza.

São Leopoldo.

São Jerônimo.


Jornal Bola Comunitária - Quarta edição - Fevereiro