Page 1

As Sete Maravilhas de Brasília Em votação popular pela internet em 2009, com a participação de mais de 70 mil pessoas, os brasilienses elegeram as ‘Sete Maravilhas de Brasília’, a mais nova porta de conhecimento do Patrimônio Cultural de Brasília. São elas:

CATEDRAL DE BRASÍLIA - Projetada por Oscar Niemeyer, aparece em primeiro lugar entre as ‘Sete Maravilhas de Brasília’. Por fora, uma explosão de beleza. Por dentro, cerâmicas de Athos Bulcão, uma obra de Di Cavalcanti e o altar doado pelo Papa Paulo VI.


PALÁCIO DO PLANALTO É a sede do Poder Executivo do Governo Federal e abriga o Gabinete Presidencial. O edifício está localizado na Praça dos Três Poderes. Na criação de Brasília, o projeto foi concluído a tempo para se tornar o centro das festividades da inauguração da nova Capital, em 21 de abril de 1960. Projeto de Oscar Niemeyer.

CONGRESSO NACIONAL Junto com a nova Capital do Brasil, inaugurada em 1960, o Poder Legislativo ganhou a sua sede. “Arquitetura não constitui uma simples questão de engenharia, mas uma manifestação do espírito, da imaginação e da poesia”. Esta é a definição de Oscar Niemeyer ao terminar sua obra.


PALÁCIO DA ALVORADA - Este monumento foi concebido como a residência oficial do Presidente da República Federativa do Brasil. Está situado às margens do Lago Paranoá, e foi o primeiro edifício inaugurado em Brasília, em 30 de junho de 1958. Projeto de Oscar Niemeyer.


SANTUÁRIO DOM BOSCO - Uma igreja de luz. Suas paredes são formadas por 80 colunas com mais de 15m, que se unem no alto. Entre as estruturas estão 2,2 mil metros quadrados de vitrais que combinam 12 totalidades de azul com o pontilhado branco. Projeto do arquiteto Carlos Alberto Naves.

PONTE JK - Sobre o Lago Paranoá, liga o Lago Sul, São Sebastião e Paranoá à parte central do Plano Piloto. Inaugurada em 15 de dezembro de 2002, o arquiteto da obra é Alexandre Chan.

TEMPLO DA BOA VONTADE Monumento com 21m de altura, sua maior atração é o cristal encravado no ápice da pirâmide. O templo simboliza o que há de mais forte no sincretismo religioso de Brasília.

Profecias que não cumpriram  

web_revista_niemeyer_01