Issuu on Google+

Felipe Barbosa


GUIA PARA CONSELHEIRO

União Sul Brasileira da Igreja Adventista do Sétimo Dia Pr Marlinton Lopes - Presidente Pr Valdilho Quadrado - Secretário Pr Davi Contri - Tesoureiro Pr Elmar Storck Borges - Ministério Jovem

Este manual é baseado em dezenas de artigos e apostilas. Muitos deles não apresentam fonte ou autoria. Nossa gratidão aos autores conhecidos e desconhecidos. Nosso muito obrigado e também o reconhecimento a todos que em algum momento pararam para escrever e ajudar no ministério com os Desbravadores. Este manual não busca o ineditismo, mas sim, a compilação e ajuntamento de idéias e conceitos para que, em um único lugar, o melhor pudesse ser apresentado aos Conselheiros.

Seguem abaixo algumas fontes utilizadas: Manual dos Desbravadores, Vol. 1, Casa Publicadora Brasileira Manual da União Nordeste, editado em 2004 Manual do Instrutor – Parte II - Curso de Líderes - Pr. Alexandre Paz Curso de Treinamento Básico para Diretoria – Associação Sul Riograndense - USB Apostila Bandeiras & Bandeirins, preparado pela UCB, em 1999 Manual de Especialidades do Clube de Desbravadores – Divisão Sul Americana Uma Eterna Aventura – 50 Anos de História da UCB Liderar – Sérgio Luiz Rigoli Manual de Conselheiro de Robinson Amorim Material de Olinda Elisa da Silva Sanches

Site: www.desbravadores.com.br Revisado por: Pr. Elmar Borges Secretária: Lúbia Ferreira Projeto gráfico: Carlos Alberto Alves de Goes


SUMÁRIO INTRODUÇÃO

|

5

ORGANOGRAMA |

6

CAPÍTULOS 1. IDEAIS E EMBLEMAS DOS DESBRAVADORES

|5

2. HISTÓRIA DOS DESBRAVADORES

| 11

3. O CONSELHEIRO

| 29

4. O CONSELHEIRO E A UNIDADE

| 44

5. O CONSELHEIRO E O PROGRAMA DE CLASSES E ESPECIALIDADES

| 62

6. O CONSELHEIRO E OS DIRETORES DO CLUBE

| 69

7. O CONSELHEIRO E OS PAIS

| 72

8. O CONSELHEIRO, O CAPELÃO E A MISSÃO

| 74

9. APRENDENDO A ENSINAR

| 80

10. DISCIPLINA E PSICOLOGIA

| 84

11. UNIFORMES

| 100

12. DIFERENÇA ENTRE DIVERSÃO E RECREAÇÃO

| 105

13. ORDEM UNIDA

| 122

14. ACAMPAMENTO

| 133

15. ESTATUTO DA INFÂNCIA E ADOLESCENTE

| 155

16. RECOMENDAÇÕES FINAIS

| 159

CONCLUSÃO

|

149

APÊNDICE

|

151

FORMULÁRIOS

|

157


INTRODUÇÃO

O Clube de Desbravadores é um programa mundial e oficial da Igreja Adventista do Sétimo Dia. Tem como objetivo atender os pré-adolescentes e adolescentes da comunidade onde haja uma igreja ou escola. Não visa somente os membros da igreja, mas atender os meninos e meninas de 10 a 15 anos da comunidade, sem preconceitos raciais, credo, política ou condições financeiras.

SEGUEM ALGUNS OBJETIVOS DO CLUBE DE DESBRAVADORES: 1) Levar nossos meninos e meninas a Cristo e conservá-los fiéis à igreja. 2) Demonstrar a atração dos ideais cristãos num programa ativo. 3) Dirigir nossos juvenis ao serviço missionário ativo. 4) Prover um programa positivo centralizado na igreja. 5) Desenvolver bom caráter e cidadania. 6) Promover o amor pela natureza. 7) Promover as atividades das Classes e Especialidades. 8) Dar oportunidades para desenvolvimento da liderança. 9) Dar orientação quanto ao crescimento físico, mental e espiritual. As atividades deste Clube serão desempenhadas por jovens e adultos que dele façam parte. Merece destaque a função de CONSELHEIRO ou CONSELHEIRA, cujas atribuições serão expostas neste Guia prático. É importante observar que a expressão CONSELHEIRO será utilizada em referência às funções masculinas e femininas. Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira

5}


{6

Guia para Conselheiro - MinistĂŠrio Jovem UniĂŁo Sul Brasileira


CAPÍTULO 1

IDEAIS E EMBLEMAS DOS DESBRAVADORES

Os Desbravadores tem uma filosofia de trabalho muito solidificada em seus IDEAIS. Para termos sucesso no trabalho com este grupo, precisamos não somente decorar, mas entender e viver cada um dos ideais. Segue a baixo cada um destes ideais, o significado e sua história. 1921 — Criados o Voto e a Lei, de autoria de Harriel Holt e Arthur W.Spalding.

VOTO Pela graça de Deus, Serei puro, bondoso e leal; Guardarei a Lei do Desbravador, Serei servo de Deus E amigo de todos.

VOTO (ORIGINAL EM INGLÊS) By the grace of God... I will be pure. I will be kind. I will be true. I will keep the Pathfinder Law. I will be a servant of God. I will be a friend of man.

Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira

7}


LEI A Lei do Desbravador ordena-me: Observar a devoção matinal; Cumprir fielmente a parte que me corresponde; Cuidar de meu corpo; Manter a consciência limpa; Ser cortês e obediente; Andar com reverência na casa de Deus; Ter sempre um cântico no coração; Ir aonde Deus mandar. LEI (ORIGINAL EM INGLÊS) Keep the Morning Watch. Do my honest part. Care for my body. Keep a level eye. Be courteous and obedient. Walk softly in the sanctuary. Keep a song in my heart. Go on God’s errands. SIGNIFICADO DA LEI DO DESBRAVADOR: Farei oração e leitura da Bíblia todos os dias. Cumprirei minhas tarefas e responsabilidades com honestidade. Serei temperante, higiênico, caprichoso e dedicado ao manter minha forma física. Não farei nada que possa ofender a Deus e a outras pessoas. Serei bondoso, atencioso e educado com os outros. Em qualquer reunião onde se fala de Deus me comportarei com respeito e silêncio. Serei alegre e feliz, não dando lugar ao mau humor. Estarei sempre disposto a fazer o bem onde for chamado. {8

Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira


ALVO A mensagem do advento a todo o mundo em minha geração.

LEMA O amor de Cristo me motiva.

PROPÓSITO Os Jovens pelos jovens, os Jovens pela igreja, os Jovens pelos semelhantes.

OBJETIVO Salvar do pecado e guiar no serviço.

VOTO DE FIDELIDADE À BÍBLIA Prometo fidelidade à Bíblia, à sua mensagem de um Salvador crucificado, ressurreto e prestes a vir; doador de vida e liberdade aos que nEle crêem.

LEGIÃO DA HONRA JA Eu, voluntariamente, desejo unir-me à Legião da Honra dos Jovens Adventistas e pela graça e poder de Deus irei: Honrar a Cristo naquilo que escolho contemplar; Honrar a Cristo naquilo que escolho ouvir; Honrar a Cristo na escolha de lugares que decido ir; Honrar a Cristo na escolha de amigos; Honrar a Cristo naquilo que escolho falar; Honrar a Cristo no cuidado do meu corpo. Histórico: A Legião da Honra JA foi introduzida pela primeira vez num Concílio de Jovens, em 1953. O incentivo veio de uma citação de Ellen White em 1902. Esta declaração apareceu, primeiramente, no livro Testemonies, vol. 7, pág. 64, e pode Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira

9}


também ser encontrada no livro Mensagem aos Jovens, pág. 270: “Moços e moças, leiam literatura que lhes dê o verdadeiro conhecimento, e que ajude toda a família. Digam firmemente: Não gastarei tempo precioso em leituras que não me trarão qualquer benefício e que não me prepararão para ajudar aos outros. Dedicarei meu tempo e pensamentos a adquirir preparo para o serviço de Deus. Fecharei meus olhos para as coisas pecaminosas e frívolas. Meus ouvidos são do Senhor, e não ouvirei o raciocínio sutil do inimigo. Minha voz não estará de forma alguma sujeita a uma vontade que não esteja na influência do Espírito de Deus. Meu corpo é o Templo do Espírito Santo, e todas as energias do meu ser serão consagradas a causas nobres.”

HINO OFICIAL DOS DESBRAVADORES O Hino oficial dos Desbravadores teve como compositor o Pastor Henry Berg, o qual foi escrito em maio de 1949, porém oficializado em 1952. A letra atual foi traduzida por Isolina Waldvogel, e sofreu pequenas alterações para haver uniformidade entre a silabação e a linha melódica. Letra: Nós somos os Desbravadores, Os servos do Rei dos reis. Sempre avante assim marchamos Fiéis as Suas leis. Devemos ao mundo anunciar As novas da Salvação, Que Cristo virá em breve Dar o galardão. LETRA DO HINO (ORIGINAL EM INGLÊS) Oh, we are the Pathfinders strong The servants of God are we Faithful as we march along In kindness, truth and purity. A message to tell to the world A truth that will set us free King Jesus the Savior’s coming Back for you and me. { 10

Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira


BANDEIRA O Clube de Desbravadores tem uma bandeira, sendo considerada como emblema do Clube. A bandeira deve estar desfraldada nos programas e atividades dos Desbravadores locais ou da Associação. Henry Berg, Diretor de Jovens da Associação Central da Califórnia, desenhou a bandeira dos Desbravadores em 1948. Os retângulos azuis significam lealdade e coragem, enquanto os dois retângulos brancos representam a pureza.

SIGNIFICADOS DOS EMBLEMAS: a)) Lembra-nos de Cristo. “Porque q Deus amou o mundo de tal maneira que deu o Seu Filho unigênito, para que todo o que Nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (João 3:16). b)) “... apresenteis os vossos corpos por sacrifício vivo, santo e agradável a Deus” (Romanos 12:01).

1) Vermelho (Sacrifício)

2)) Três lados (Plenitude da Trindade: Pai, Filho e Espírito p Santo)

a) Desenvolvimento Mental: Habilidades e Especialidades. b)) Desenvolvimento Físico: Acampamentos, trabalhos manuais, enfoque sobre a saúde. c)) Desenvolvimento Espiritual: Ação missionária e desenvolvimento espiritual pessoal.

Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira

11 }


3) Ouro (Excelência)

a)) “Aconselho-te que de mim compres ouro refinado pelo fogo para te enriqueceres” (Apocalipse 3:18). b)) Padrão de medida. O Clube de Desbravadores possui padrões elevados que ajudam a edificar um caráter íntegro para o reino do céu

4) Escudo (Proteção)

a)) Nas Escrituras, Deus é muitas vezes chamado de escudo de Seu povo. “Não temas ... eu sou o teu escudo” (Gênesis 15:01). ) b)) “Embraçando ç sempre o escudo da fé, com o qual poderei apagar todos os dardos inflamados do maligno”. (Efésios 6:16). a. “O vencedor será assim vestido de vestiduras brancas” ((Apocalipse p p 3:5). ) b. Desejamos possuir a pureza e a justiça da vida de Cristo em nossa vida.

5. Branco (Pureza) 6. Clube de Desbravadores

O Clube de Desbravadores é uma organização g ç do Deparp tamento Mundial de Jovens da Igreja Adventista do Sétimo Dia. É objetivo do Clube de Desbravadores ajudar a ensinar a lealdade a:

7. Azul (Lealdade)

• Nosso Deus no céu; • Nossos pais; • Nossa igreja. A lealdade é definida como um reflexo do caráter de nosso Verdadeiro Líder.

8. Espada (Bíblia)

{ 12

A espada é usada na guerra. Uma batalha é sempre ganha pelo ataque. Estamos em uma batalha contra o pecado e nossa arma é a Palavra de Deus.

Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira


CAPÍTULO 2

HISTÓRIA DOS DESBRAVADORES

Em 1919 Arthur Spalding, editor do Wathman Magazine, começou um Clube de Escoteiros Missionários, em seu lar na cidade de Medisson - Tenessee, EUA. A idéia começou com seu filho que acampou com alguns escoteiros. Arthur estudou a organização, formulou novas diretrizes, compatíveis com os objetivos espirituais da Igreja e criou o seu Clube. O Clube de Arthur fazia excursões de fim de semana, trabalhos manuais e seguimento de pista. Os Escoteiros Missionários desenvolveram ideais que foram fundamentais para o atual Clube de Desbravadores, entre estes o Voto, a Lei e o Lema, que foram redigidos em 1921. a) Associação Geral adotou os nomes de Amigo, Companheiro e Camarada para as primeiras Classes JA (antiga Classes Progressivas), na Sessão de Primavera realizada em São Francisco, em 1922, inicialmente como um programa para jovens. b) Lester Bond, Secretário do Departamento de Jovens da Associação Geral, preparou as primeiras Especialidades em 1928, quando já havia 1075 Desbravadores (dados de 1927). Em 1930, em Santa Ana, surgiu um Clube para juvenis sob a liderança do Dr. Theron Johnston. As reuniões eram realizadas no porão de sua casa e as primeiras instruções foram sobre: Técnicas de Rádio e Eletrônica. Sua filha Maurine, que o tinha ajudado com o rádio, protestou quando não lhe foi permitido participar do Clube. Como resultado sua mãe iniciou outro Clube para meninas, que se reuniam no sótão. Os Clubes de Maurine e Johnston se reuniam uma vez por mês em conjunto e iam acampar. Utilizavam-se os requisitos para os Jovens das Classes Progressivas. Como uniforme tinham apenas uma camisa especial. Clube de Johnston usou o nome de Desbravadores escolhido por Mckin, seu Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira

13 }


assessor. Não temos certeza de onde ele obteve esta inspiração, embora suponhamos que a idéia tenha surgido após o primeiro acampamento da Associação do Sudeste da Califórnia em 1928, onde um dos oficiais da Associação contou-lhes a história de John Fremont, um explorador americano, ao qual se referiu como Desbravador. Depois ao ser formado o Clube, Mckin pode ter se lembrado disto. Outras fontes atribuem o nome ao local do primeiro acampamento conduzido pelo Pr. John Hancock em 1946, Pathfinders Camp (Campo dos Desbravadores). Outro evento importante de 1930, que preparou o terreno para o rápido crescimento do Clube de Desbravadores, depois que estes foram realizados, foi o acampamento de Wawona no parque de Yosemite, onde 40 Diretores de Jovens foram capacitados para a liderança dos chamados acampamentos culturais, com um programa amplo, que incluía pioneirias, trabalhos manuais, estudos da natureza, caminhadas e excursões com equipamentos para pernoite, programa ao pé da fogueira, e demais instruções do que hoje é conhecido como Classes Regulares. Tudo isso sobre um fundo de idealismo religioso, lealdade denominacional e civismo. Também em 1930 foram estabelecidas as Classes Preliminares, atualmente usadas pelos Aventureiros. No início, alguns Clubes não recebiam o apoio das igrejas sendo que alguns foram até fechados sob ameaça de exclusão, um deles foi o Dr. Johnston. Apesar disso a idéia permanecia e alguns Clubes prosperaram. Entre 1931 e 1940 outras Associações aderiram ao programa. Na União Norte do Pacífico, L. A. Skinner fundou o Clube “Locomotivas” - (Traiblazers). Em 1935 iniciaram-se os acampamentos de Jovens. O primeiro Manual em português destes acampantes culturais foi editado em 1947. Inicialmente, os membros usavam uniformes verde-floresta, o que o ajudou na identificação do Clube com a natureza. O objetivo do uso do uniforme era a identificação como grupo ao saírem a partilhar sua fé. Outros objetivos eram: manter o moral entre os membros, dando-lhes a consciência de pertencer a uma organização importante e também o uso do mesmo em cerimônias como investiduras, desfiles, etc. O uniforme verde embora utilizado em outros países, foi trocado por uniforme cáqui no Brasil, depois que um jovem líder de Desbravadores usando a calça verde do uniforme foi confundido com um terrorista disfarçado, e preso, na década de 70. Porém, desde 2004, o uniforme verde voltou a ser a cor oficial no Brasil. Em 1946, o Secretário JA da Associação do Sudeste da Califórnia, Pr. John Hancock, que depois se tornou Líder Mundial, desenhou o emblema do Clube de Desbravadores, incorporando idéias do Clube Locomotivas. Juntos objetivando indicar que o Clube de Desbravadores é uma organização espiritual relacionado à igreja. { 14

Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira


Em 1947, a Associação Geral solicitou para a União Norte do Pacífico, a elaboração de normas e planos para a transformação do Clube de Desbravadores em um programa mundial. Esta planificação foi desenvolvida pelo Pr. J. R. Nelson, que era na época Diretor da União. Lawrence Paulson, Diretor do Clube de Glendale - EUA, escreveu os primeiros manuais. Em 1948, Henry Berg projetou a bandeira dos Desbravadores, e em maio de 1949 compôs o Hino dos Desbravadores, que foi oficializado em 1952. O Clube de Desbravadores embora já existisse, ainda não havia sido oficializado, fato que ocorreu em 1950, tendo o Departamento de Jovens da Associação Geral adotado oficialmente o CLUBE DE JOVENS MISSIONÁRIOS VOLUNTÁRIOS como programa mundial. O primeiro Campori dos Desbravadores ocorreu de 7 a 9 de Maio de 1954, em Idlewild, na Califórnia. Dados de 1953 indicavam a existência de 29.679 Desbravadores. O Dia dos Desbravadores começou a ser comemorado em 1957, inicialmente designado para o 3º ou o 4º sábado de setembro (atualmente comemoramos em Abril). O primeiro brasileiro a usar uniforme foi o Pr. Cláudio Belz, que esteve nos EUA, por volta de 1960, onde conheceu o Clube. Gostou da novidade, mandou fazer uniforme e o usou ao voltar para o Brasil, enquanto tentava iniciar a organização de um Clube no Rio de Janeiro, na Igreja do Méier. Alguns membros não gostavam de ver o Pastor Belz vestido com o uniforme. Pensavam que a igreja iria militarizar as crianças. Atualmente o Clube de Desbravadores é um dos Departamentos fundamentais da Igreja Adventista do Sétimo Dia, e tem como objetivo principal prover atividades educacionais e recreativas aos membros da igreja e da comunidade.

HISTÓRIA DOS DESBRAVADORES NA AMÉRICA DO SUL O primeiro Clube oficial na América do Sul foi o Clube “Conquistadores de La Iglesia”, da Igreja de Miraflores, no Peru. Inaugurado oficialmente por um Pastor em 1961, que na semana seguinte esteve em Ribeirão Preto, inaugurando o primeiro Clube brasileiro, que fora organizado pelo Pr. Wilson Sarli, sendo seu primeiro Diretor o Sr. Edgar Tursílio. Na outra semana, este mesmo Pastor Wilson Sarli, esteve no Rio de Janeiro oficializando o Clube organizado pelo Pr. Cláudio Belz. Logo a seguir, organizou-se o Clube de Desbravadores da Igreja do Capão Redondo, tendo como seu Diretor o Pr. Joel Sarli. Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira

15 }


Quando a mensagem Adventista entrou no Peru em 1889, mais ou menos 68 anos após a independência, ninguém sonhava com que o céu havia planejado para o futuro do país. Os anos passaram, a igreja cresceu até chegarmos ao ano de 1955. Um grupo de jovens que assistia à Igreja de Miraflores, perto de Lima, ouviu com muito interesse sobre a existência de um grupo de jovens e adolescentes organizados num Clube chamado Desbravadores, que se envolviam em diversas atividades especiais para sua idade. O interesse cresceu rapidamente, as informações chegaram e foram passadas adiante e os sonhos começaram a ser formulados. Então, alguns dos líderes de jovens da igreja decidiram que era tempo de tomar coragem e estabelecer um Clube de Desbravadores moldado em solo peruano, sob a liderança e encorajamento do irmão J. Von Pohle, então Diretor de Jovens da União Incaica. Os líderes desse novo Clube eram um jovem casal, Nercida Ruiz (Diretora do Clube) e seu marido Armando, Srª Phil, Moises Rojas, Leonardo Pinedo e Srª Ruf. Esse pequeno grupo de pioneiros se reuniu e se empenhou na tarefa de estabelecer o que tornou o primeiro Clube de Desbravadores no Peru e na América do Sul. Sob a liderança de Nercida, (também a primeira Diretora do Clube na América do Sul) o primeiro problema que eles enfrentaram foi à escolha de um nome. Várias opções foram consideradas, como “Crianças Exploradoras”, “Exploradores de Trilhas”, “Conquistadores” e outros. Foi escolhido o nome “Conquistadores” pelos seus significados potenciais. Assim eles formaram um Clube onde as crianças podiam “conquistar o mundo para Cristo”, “conquistar novos amigos” e como membro do primeiro Clube, a Srª Nira Florian, lembra, “Conquistar o Reino do Céu”. O novo nome também estava em harmonia com o objetivo da liderança que era oferecer aos jovens, adolescentes e juvenis da igreja, atividades de acordo com sua faixa etária visando o seu desenvolvimento total e harmônico, dando-lhe oportunidades de testemunhar por Jesus. As atividades desse primeiro Clube foram cheias de aventuras. As atividades do Clube incluíam: reuniões especiais, que tratavam de um tema apropriado para a faixa etária; e muitas reuniões apresentavam os ideais dos Conquistadores como o Voto e a Lei. Lugares com abundante vegetação eram pesquisados (uma tarefa nada fácil na costa desértica do Peru) e assim esse tempo era gasto junto á criação de Deus. Cultos de pôr-do-sol no sábado, juntamente com votos de renovação ao serviço e decisões de fidelidade a Deus que ainda estão na memória dos membros antigos do Clube. Os grandes acampamentos, as histórias lendárias contadas ao redor da { 16

Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira


fogueira, as competições amigáveis e a camaradagem cristã ainda permanecem vivos na memória. As Especialidades de artesanato que resultaram em souvenirs, luminárias, mata-moscas, lenços elegantes, álbuns de fotos, porta-moedas, almofadas para alfinetes e uma variedade exótica de outros objetos que eram postos em exibição e então comprados pelos pais e outros visitantes interessados em conhecer do que se tratava o Clube. Alguns membros do Clube também se lembram das Especialidades de culinária na qual foram ensinados a fazer deliciosos pratos peruanos juntamente com algumas Especialidades internacionais. No encerramento do curso, os pais foram convidados para um banquete especial preparado por seus filhos - isso causou um forte impacto nos pais, tanto quanto nas crianças. Não podemos deixar de mencionar a primeira classe batismal durante o segundo ano, liderado pelo marido da Srª Nercida, Armando. Seus esforços resultaram nos primeiros dez Desbravadores sendo batizados naquele ano. Este foi um marco que resultou em uma carta especial de felicitações enviada pelos administradores da Divisão Sul Americana. Um dos maiores problemas enfrentados pelos líderes de Desbravadores foi à decisão pelos uniformes e por sua obtenção. Finalmente decidiram pela cor caqui para os meninos e para as meninas eles tingiam o tecido de verde escuro para as saias que eram usadas com blusas brancas. Hoje ainda existem alguns dos quepes “estrangeiros” que eles usavam. Mas a despeito de todo o trabalho, logo foram capazes de trajarem todos os 40 membros com uniformes impecáveis. O aspecto vistoso do Clube, com seus elegantes uniformes e bandeiras agitadas provocaram muitas exclamações dos curiosos e despertou o desejo em muitas crianças de fazerem parte do Clube.

HISTÓRIA DOS DESBRAVADORES NO BRASIL Em nosso país a história dos Desbravadores possui poucos registros e documentação comprobatória. Não existem atas, nem livros, nem artigos de revistas, nem jornais que confirmem os fatos relatados. Falando ao jornalista Michelson Borges, da Casa Publicadora Brasileira, Henry Feyerabend disse: “Eu sempre entendi que em Lageado Baixo foi fundado o primeiro Clube do Brasil, mas não tenho nenhuma prova disso, nem certeza tenho, pois não há nenhum registro da organização desse Clube “. Muitas realizações, nomes de pessoas, datas e informações podem ter caído involuntariamente no anonimato ou simplesmente ter sido esquecidos pelas Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira

17 }


deficiências naturais da comunicação oral. Conseqüentemente, as versões existentes, aqui apresentadas, podem, num momento ou noutro, chocar-se. Mas que tal encarar tudo isso como parte de um grande e belo mosaico construído por muitos atores? O que você vai ler a seguir faz parte de um esforço de reconstrução da história, baseado praticamente em lembranças e relatos de personagens muito importantes para os Desbravadores no Brasil. Eles efetivamente contribuíram para estabelecer um programa que deu certo, e o mérito de todos (Cláudio Belz, Edgard Turcílio, Henry Feyerabend, Jairo de Araújo, Jesus Nazarenth Bronze, José Silvestre, Luis Roberto Farias, Osvaldo Haroldo Fuckner, Wilson Sarli... ) foi acreditar no potencial dos juvenis e jovens cristãos de nosso país. A dificuldade de precisar nomes, lugares e datas pode ser a oportunidade de dedicar somente a Cristo as homenagens e o louvou pelo grande empreendimento espiritual e social que é o Clube de Desbravadores. Segundo Claudinei Candido Silva, pesquisador do Departamento de Desbravadores da Associação Geral, o Pastor Jairo Tavares de Araújo, então líder da juventude Adventista da Divisão Sul-Americana, com sede ainda no Uruguai, foi o primeiro a incentivar a organização de Clubes de Desbravadores na América do Sul. Em 1957, ele preparou um pequeno manual sobre como organizar um Clube de Desbravadores.

EM SÃO PAULO “Tive a oportunidade de conversar com o Pr. Jairo de Araújo, por ocasião de um Campori da União Central Brasileira, realizado em Brasília, quando ele e eu fomos homenageados pela criação desse movimento [Desbravadores] no Brasil”, conta o Pastor Wilson Sarli. “Ele me lembrou de quando, em 1959, por ocasião das comemorações dos 40 anos da Sociedade dos Missionários Voluntários no Brasil, realizadas no antigo Colégio Adventista Brasileiro, de 29 de julho a 1 de agosto, ele lançou um desafio para a criação de Clubes de Desbravadores. Eu estava presente a este congresso, ainda como distrital em Bauru, SP. Mas, até então, não havia Desbravadores no Brasil. Era uma atividade desconhecida.” O primeiro contato que o Pastor Wilson Sarli teve com um Clube de Desbravadores organizado, foi no dia 6 de janeiro de 1961, em Embalce Rio Tercero, na Argentina. Ele havia recém assumido o Departamento de Jovens da Associação Paulista e estava representando São Paulo no Congresso de Jovens da União Austral. Na sexta-feira assistiu as apresentações de um Clube de Desbravadores no Chile, sob a liderança do Pastor John B. Youngberg, missionário americano que havia criado o Clube naquele país. De volta ao Brasil, com todo material que conseguiu com o Pastor Youngberg, o { 18

Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira


Pastor Wilson pediu a sua secretária que o traduzisse. Segundo ele, esse material foilhe solicitado pelo Pastor Henry Feyerabend e também serviu de apoio ao surgimento dos Desbravadores em Santa Catarina. Alguns dias depois, o Pastor Jesus Nazareth Bronze, então Distrital de Ribeirão Preto, comunicou-lhe que a comissão da igreja havia recentemente escolhido um Diretor para o Clube de Desbravadores local, a ser fundado, e solicitava instruções para o seu funcionamento. Em Ribeirão Preto, o Pastor Wilson foi apresentado a um dos primeiros Diretores de Clube no Brasil, o jovem - Luis Roberto Farias, que foi substituído logo depois por Edgard Turcílio. No sábado, todos aguardavam ansiosos pelas palavras do Pastor da Associação, que naquele dia pregaria sobre o Clube de Desbravadores.

EM SANTA CATARINA O Pastor norte-americano Henry Raymond Feyerabend, nascido a 10 de junho de 1931, também participou no Congresso na Argentina, em 1961, como Diretor de Jovens da Missão Catarinense. Segundo o Jornal Adventista da Associação Catarinense, o Pastor Feyerabend chegou ao Brasil em 24 de Dezembro de 1958, já trazendo em sua bagagem as idéias da formação de Clubes de Desbravadores, adquiridas em seu distrito nos Estados Unidos. No dia 20 de abril de 1960, Feyerabend dirigiu uma reunião de planejamento das atividades do futuro Clube de Desbravadores Vigilantes, que se iniciaram no dia 28 de abril de 1960. De acordo com Elza Fuckner Alves, que então contava com 11 anos, sua irmã, Lúcia Fuckner dos Santos, nasceu exatamente um dia antes da reunião inaugural (19 de abril de 1960). A identidade de Lúcia confirma a data. Ademar Zabel ainda lembra que, por ter apenas nove anos de idade na época, não poderia participar do Clube, mas acabou sendo aceito depois de muita insistência. Hoje (abril de 2000), Ademar tem 49 anos. Entretanto, em e-mail de 25/10/00, para Francisco Lemos, o Pastor Henry Feyerabend afirma com respeito à origem dos Desbravadores em Santa Catarina: “ Não tenho nada escrito para confirmar a data de início dos Clubes. Minha memória também não é perfeita. Fui para Santa Catarina em 1958 e saí de lá em 1962, transferido para A voz da Profecia. Organizei 7 ou 8 Clubes em Santa Catarina nesse período. Mas a Associação não tem nada que confirme as datas em seus arquivos. Os membros da Igreja de Lageado Baixo dizem que tem certeza de que o seu Clube foi organizado antes da viagem para a Argentina em 1961. Mas como já falei, eu não tenho dados escritos nem memória para declarar que foi assim”. No mês de julho de 1961, o Pastor Feyerabend recebeu a visita do Pastor YoungGuia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira

19 }


berg, que viera ao Brasil passar algumas dicas sobre como organizar Clubes de Desbravadores. Naquele tempo já havia Clubes em seis cidades catarinenses - Lageado Baixo, Joinville, Blumenau, Florianópolis, Benedito Novo e Bom Retiro. O primeiro a ser fundado foi o de Lageado Baixo, que teve como primeiro Diretor o jovem Osvaldo Haroldo Fuckner. O evento mais marcante para o Pastor Feyerabend foi a realização de um Campori na praia de Itapema, em 1961. “Reunimos naquele acampamento os Clubes que havia em Santa Catarina”, conta Feyerabend: - “Não me lembro do número exato de pessoas que participaram, mas, creio que tivemos quase 200, contando os Desbravadores, Conselheiros, Pastores e Instrutores”.

NO RIO DE JANEIRO Quase na mesma época em que o Pastor Wilson Sarli organizava o Clube de Ribeirão Preto, o Pastor Cláudio C. Belz (bisneto do pioneiro Guilherme Belz) recebia dos Estados Unidos material sobre os Desbravadores. Na época, ele era Diretor de Jovens na Associação Rio-Minas. Seu pai, Rodolpho Belz, traduziu as apostilas e ambos, pai e filho, ficaram entusiasmados com as idéias nelas apresentadas. O Pastor Cláudio preparou um sermão sobre o assunto e o apresentou na igreja de Pavuna, no Rio de Janeiro. Pouco tempo depois, vestindo seu uniforme recém-confeccionado (foi o primeiro Desbravador uniformizado em nosso país) e de bandeira em punho apresentou-se na Igreja do Méier, Rio de Janeiro, onde também falou sobre a importância do Clube de Desbravadores. “Na hora do culto, algumas pessoas se retiraram da igreja”, lembra o Pastor Cláudio. “Na saída, chamaram-me de louco. Onde já se viu um Pastor Adventista organizando um Clube dentro da igreja, com uniforme, bandeira, hino oficial... Quase desanimei. Ainda bem que meu pai era o presidente da União Este-Brasileira e, como homem de visão, deu-me toda a cobertura”. O Pastor Cláudio Belz organizou o seu primeiro Campori de União, no Brasil, e o primeiro Campori Sul-Americano. Segundo dados da Associação Geral, ele foi o Diretor de Jovens que mais tempo dedicou aos Desbravadores: 33 anos. Junto com o Pastor Youngberg, Cláudio Belz fundou Clubes em vários lugares do Brasil.

HISTÓRIA E DESENVOLVIMENTO CRONOLÓGICO 1852 Publicado o “Youth Instructor” (1852-1870), a primeira literatura direcionada aos Jovens. Seu primeiro editor foi Tiago White. 1879 Primeira Sociedade de Jovens, em Hazelton, Michigan, iniciada pelos adolescentes Luther Warren e Harry Fenner. { 20

Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira


1892 Sociedade de Juvenis, Adelaide, Sul da Austrália, por A. G. Daniels. - 1º Testemunho e apelo para uma obra definida para os jovens, escrita por Ellen G. White, no dia 19 de Dezembro de 1892, em Melbourne, Austrália. Esse boletim foi lido na Assembléia da Associação Geral de 29 de Janeiro de 1893 e em parte dizia: “Temos hoje um exército de jovens que podem fazer muito se forem devidamente orientados e encorajados...”. 1894 Grupos Luz do Sol, South Dakota, pelo Pastor Luther Warren. 1901 Sociedade de Jovens, organizada em Iowa. Supervisão geral da Obra dos Jovens, sob a responsabilidade do Departamento da Escola Sabatina da Associação Geral. Pela primeira vez, é impresso o cartão de Membro dos Missionários Voluntários. 1907 A Associação Geral cria o Departamento de Jovens, com o nome: “Sociedade de Jovens Adventistas do Sétimo Dia Missionários Voluntários”. - Pr. Milton E. Kern é eleito primeiro Líder do Departamento MV da Associação Geral (1907-1922). - Anna Mitilda Erickson é eleita primeira Secretária MV (1907-1920). 1909 Organizada a Sociedade Missionária Voluntária de Juvenis. - Publicado o “Morning Watch Calendar” (Inspiração Juvenil) em alemão e português. 1914 Convenção dos Missionários Voluntários na China. 1915 Organizado Ano Bíblico dos Jovens. 1916 Lançado o primeiro censo MV na história dos Jovens da IASD. - Os Departamentos MV são transformados em unidades administrativas. 1917 Organizado Ano Bíblico dos Juvenis. - Organizado Curso de Leitura para Primários. 1918 Pr. H. U. Stevens é eleito primeiro Líder do Departamento MV da Divisão SulAmericana. - Relatório: 1.230 Sociedades de Jovens e Juvenis; 24.638 membros. 1919 Organizada a Missão dos Sentinelas, por Arthur W. Spalding, no Tennessee. 1920 Harriet Holt eleita a primeira Secretária dos Juvenis (1920-1928). 1921 Criados o Voto e a Lei dos MV, de autoria de Harriel Holt e A.W. Spalding. 1922 São introduzidas as Classes Progressivas MV: Amigo, Companheiro, CamaGuia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira

21 }


rada e Guia Camarada. - Harriet Holt e A.W. Spalding advogaram as idéias básicas para os Clubes de Desbravadores. 1925 Primeiro Acampamento de Juvenis, realizado na Austrália. 1927 Acampamento de Juvenis, para meninos e meninas, em Michigan e Wisconsin. Para participar do acampamento o jovem deveria ter sido investido na Classe Amigo. 1928 Pr. Elder C. Lester Bond é eleito Secretário dos Juvenis do Departamento MV da Associação Geral (1928-11946). - Realizado o primeiro Congresso de Jovens Adventistas do Sétimo Dia, de 17 a 22 de Julho, em Chemnitz, Alemanha, com 3.000 Delegados. 1929 “Desbravador” nome usado pela primeira vez em um acampamento de verão em Idyllwild, Califórnia. John Mckin iniciou um Clube de “Desbravadores” em seu lar em Anaheim, CA. Ele era chefe de Escoteiros e desejava oferecer atividades ao Clube de Jovens cristãos Adventistas. O Dr. Claude Steen ajudou os meninos e a Srª Willa Steen, uma Conselheira do Acampamento de Idyllwild, e a Srª Mckin, como Diretoras das meninas. 1930 P. Henry T. Elliott nomeado como Líder do Departamento MV da Associação Geral (1930-1933). - Estabelecidas Classes MV Preliminares: Abelhinhas Laboriosas, Luminares, Edificadores. - Dr. Theron Johnston, de Santa Ana, Califórnia, iniciou um Clube de “Desbravadores” para os meninos, no porão de sua casa, Lester Martin (pai de Charles Martin) trabalhou com ele. A filha de Johnston, Maurine, ajudou a organizar as reuniões, mas não pôde participar. Ela tanto importunou a sua mãe, Srª Ethel Johnston, que esta acabou pedindo a Srª Ione Martin para ajudá-la a iniciar um Clube para Meninas, que se reunia no sótão. O grupo de Santa Ana - Fullerton se reunia mensalmente com o Clube Anaheim para trabalhar nos cursos por uma hora, ensaio do coro, dirigido pela Srª Willa Steen. Eles cantavam nas igrejas dos arredores e para fins evangelísticos. - Publicado o livro “Mensagem aos Jovens”, de Ellen G. White. 1931 Programa especial na Associação Geral para Especialidades MV, com a realização de uma Investidura de Amigo, Companheiro, Camarada e 53 distintivos { 22

Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira


de Guia. 1932 Compra do primeiro Acampamento de Desbravadores MV em Idyllwild, Califórnia. - Publicado o Manual de Líderes de Acampamento. 1934 Pr. Alfred W. Peterson é nomeado Líder do Departamento MV da Associação Geral (1934-1946). 1935 Lançado o 1º número da revista “Nosso Amiguinho”. 1936 Casa Publicadora Brasileira começa a editar uma revista especial para nossos jovens e crianças, intitulada “Juventude”. 1937 Publicada a lição dos intermediários que hoje é chamada Lição dos Juvenis. 1938 Publicado o Manual de Guia. 1943 Pr. Denton E. Rebook e Pr. E. W. Dunbar são nomeados Secretários Associados MV da Associação Geral (1943-1946). 1944 Revisão do Manual dos Missionários Voluntários Juvenis. 1946 Pr. Eldine W. Dunbar é nomeado Secretário Geral MV da Associação Geral (1946-1955). - Pr. Theodore Lucas e Pr. Laurence A. Skinner são nomeados Secretários Associados MV da Associação Geral (1946-1955). - Primeiro Clube de Desbravadores patrocinado por uma Associação Riverside, na Califórnia - Associação do Sul da Califórnia. - Desenhado o emblema do Clube de Desbravadores por Pr. John H. Hancock. 1947 Primeiro Congresso de Jovens da Divisão Norte-Americana, de 03 a 07 de Setembro, em San Francisco, CA. - Lançamento do slogan “Partilha a Tua Fé”. 1948 Pr. Henry Berg desenha a Bandeira dos Desbravadores. Helen Hobbs faz a primeira bandeira. 1949 Pr. Henry Berg escreve o Hino dos Desbravadores. - Primeiro Acampamento para Treinamento de Líderes de Desbravadores, Camp Wawona, em Outubro. 1950 A Associação Geral oficializa o Clube de Desbravadores a nível mundial. - Pr. Laurence A. Skinner nomeado Líder Mundial dos Desbravadores (1950Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira

23 }


-

1963). Curso de Treinamento para os Líderes de Desbravadores. Publicado o manual “Como Iniciar um Clube de Desbravadores”.

1951 Primeira Feira dos Desbravadores, em 23 de Setembro, em Glendale, Califórnia, Associação do Sul da Califórnia. - Publicado o Manual dos Líderes de Desbravadores. 1953 Organizada a Legião de Honra MV. - Congresso Pan-Americano de Jovens, de 16 a 20 de Junho, em San Francisco, Califórnia. 1954 Adotado oficialmente a Voz da Mocidade (programa evangelístico apresentado por Jovens para os jovens). 1955 Pr. Jairo Flores é eleito Líder do Departamento MV da Divisão Sul-Americana (1955-1961). - Pr. Theodore Lucas nomeado Secretário MV da Associação Geral (19551970). - Pr. Edwin L. Minchin nomeado Secretário Associado MV da Associação Geral (1955-1963). 1956 Acrescentada a Classe Progressiva Pesquisador. Também é dividida a Classe de Líder. - Revisão do Manual de Líder. 1957 Celebração dos 50 anos dos MV, em 13 de Julho de 1957, em Mount Vernon, Ohio. - Incluído no Calendário da Igreja o Dia dos Desbravadores MV. - Anna Mitilda Erickson, falece em 9 de Fevereiro. 1958 Acrescentado Classes Progressivas MV: Amigo da Natureza, Companheiro de Excursionismo, Guia de Novas Fronteiras. - A revista “Juventude” é substituída pela “Mocidade”. 1959 Fundação no Brasil do primeiro Clube de Desbravadores, em Ribeirão Preto, SP, com o nome de “Pioneiros”. - Pr. Clark Smith é nomeado como Secretário Associado MV da Associação Geral (1959-1976). - Medalha de Prata desenvolvida por L.A Skinner, desafiando os jovens para melhores condições físicas e excelência moral e espiritual. { 24

Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira


1960 Pr. J. R. Nelson é nomeado Secretário Associado MV da Associação Geral (1960-1966). 1961 Primeiro Campori de Desbravadores em Santa Catarina, da Missão Catarinense, realizado pelo Pr. Henry Feyerabend. -

Pr. Milton E. Kern, primeiro Diretor Jovem mundial, falece em 22 de Dezembro.

1962 Pr. Francisco Siqueira é eleito Líder do Departamento MV da Divisão Sul-Americana (1962-1972). -

Pr. E. L. Minchin é nomeado Secretário MV da Associação Geral (19621963).

-

Revisão do Manual de Ordem Unida dos Desbravadores.

1963 Pr. John H. Hancock, eleito Diretor Mundial dos Desbravadores (1963-1970). -

Pr. Theodore E. Lucas, nomeado Secretário MV da Associação Geral (1963-1969).

-

Pr. Edwin L. Minchin, nomeado Secretário Associado MV da Associação Geral (1963-1965).

1964 Publicado o 1º Manual Desbravadores no Brasil, de L. A. Skinner com a tradução de Carlos Trezza. 1965 Pr. L. M. Nelson, nomeado Secretário Associado MV da Associação Geral (1965-1975). -

Manual dos MV combinado com o Manual de Líder, vindo a ser o Manual MV.

1966 Comemorado o 40º Aniversário do primeiro acampamento. -

Acrescentada a Classe Progressiva Pioneiros.

1967 Pr. C. D. Martin, nomeado Secretário Associado MV da Associação Geral (1967-1976). 1968 Pr. Paul DeBoy, nomeado Secretário Associado MV da Associação Geral (1968-1970). 1969 Congresso de Jovens, de 22 a 26 de Julho, em Hallenstadion, Zurique, Suíça. 1970 Primeiro Campori de Desbravadores em São Paulo, da Associação Paulista, realizado pelos Pr. Rodolfo Gorski e Pr. José Silvestre. Foi realizado de 01 a 04 de Novembro, na cidade de Pirassununga. Participaram 350 pessoas. Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira

25 }


-

Pr. John. H. Hancock eleito Diretor Mundial de Jovens (1970-1980).

-

Pr. Leo Ranzolin eleito Diretor Mundial dos Desbravadores (1970-1980).

-

Pr. Jan S. Doward eleito Diretor Assistente do Departamento de Jovens da Associação Geral (1970-1980).

-

Paul DeBoy introduziu o uso da tocha e do Fogo do Conselho.

-

1º Desfile de Desbravadores Público, em 7 de Setembro, em São Caetano do Sul, SP.

1971 Pr. Mike H. Stevenson nomeado Secretário Associado MV da Associação Geral (1971-1975). -

Primeiro Campori de Divisão em Vasterang, Suécia (Divisão Norte-Européia - África Ocidental).

-

Primeiro Filme dos Desbravadores, Treinamento dos Desbravadores por Jan Doward (filmado pelo Clube Gary Rust, na Associação Chesapeak).

1972 Instituição do Sistema de Regionais, pelo Pr. José Silvestre. -

50º Aniversário das Classes Progressivas MV: Amigo, Companheiro, Guia e Líder.

1973 Pr. José Mascarenhas Viana é eleito Líder do Departamento MV da Divisão SulAmericana (1973-1977). 1975 Celebração das Bodas de Prata dos Desbravadores (1950-1975). -

Primeiro Campori de Desbravadores no Rio Grande do Sul, da Associação Sul Riograndense, realizado pelos Pr. José Maria Barbosa e Pr. Jason MacCraken. Foi realizado de 14 a 16 de Novembro, na sede de Acampamento Campestre, na cidade de Santo Antônio da Patrulha. Participaram 300 pessoas.

-

1º Feira de Desbravadores no Rio Grande do Sul, organizada pelo Pr. José Maria Barbosa.

1976 Acrescentado Mestrados (Aquático, Artesão, Conservação, Estruturação, Afazeres Domésticos, Naturalismo, Desportista, Técnico, Vida no Deserto e Testemunho). 1978 Pr. Mário Veloso é eleito Líder do Departamento Jovem da Divisão Sul-Americana (1978-1980). -

{ 26

Primeiro Campori em nível de Divisão, de 04 a 08 de Novembro, em Bangalore, Índia. Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira


1979 Primeiro Campori de União no Brasil, realizado na cidade de Vila Velha, PR. 1980 Pr. Leo Ranzolin é eleito Diretor Mundial de Jovens (1980-1985). - Pr. Michael H. Stevenson é eleito Diretor Mundial dos Desbravadores (1980-1986). - Aprovado o novo logotipo do Líder de Jovens Adventistas. 1981 Pr. Assad Bechara é eleito Líder do Departamento Jovem da Divisão SulAmericana (1981-1983). 1982 Emblema Mundial MV substituído pelo emblema Mundial dos Desbravadores. - Desenhado o boné dos Desbravadores no estilo de beisebol. - Revisado o Uniforme do Clube de Desbravadores da Divisão Norte-Americana. - Publicado o pôster de insígnias e uniforme do Clube de Desbravadores. - Publicado o Regulamento do Uniforme na DSA, editado pelo Pr. Assad Bechara. - Classe Progressiva de Excursionista acrescentada entre as Classes de Pioneiro e Guia. 1983 Pr. Cláudio Chagas Belz é eleito Líder do Departamento Jovem da Divisão SulAmericana (1983-1985). - Primeiro Campori de Desbravadores da Divisão Sul-Americana, de 28 de Dezembro a 4 de Janeiro de 1984, Foz do Iguaçu, Brasil. Direção: Pastor Cláudio Belz. 1985 Pr. Jorge de Sousa Matias é eleito Líder do Departamento Jovem da Divisão Sul-Americana (1985-1990). - Primeiro Campori de Desbravadores da Divisão Norte-Americana, de 31 de Julho a 6 de Agosto, em Camp Hale, Leadville, Colorado. Diretor: Les Pitton. 1986 Pr. Malcoln Allen eleito como Diretor Mundial dos Desbravadores (19861996). 1987 Impresso o Segundo Manual de Especialidades JA. 1989 Revisão do Manual de Especialidades dos Desbravadores (versão internacional). - Currículo de Líder Máster. - Currículo de Líder Máster Avançado. - Pôster das Especialidades dos Desbravadores em três línguas: inglês, Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira

27 }


francês e espanhol. 1990 Pr. José Maria Barbosa é eleito Líder do Departamento Jovem da Divisão SulAmericana (1990-2002). 1991 Manual de Liderança Máster dos Desbravadores. -

Manual Administrativo do Clube de Aventureiros.

-

Manual de Especialidades dos Aventureiros.

1992 Criado o Centro de Jovens John Hancock, nas Universidades La Sierra e Andrews, para o desenvolvimento de materiais. 1993 Reestruturação do Departamento dos Ministérios da Igreja no Concílio Anual, resultando no Ministério dos Desbravadores. 1994 II Campori de Desbravadores da Divisão Sul-Americana, de 10 a 16 de Janeiro, em Ponta Grossa, Brasil. Direção: Pastor José Maria Barbosa. 1995 Reorganização dos Jovens como Departamento da Associação Geral. -

Diretor Mundial do Departamento de Jovens: Pr. Baraka Muganda;

-

Diretor Associado Mundial dos Desbravadores: Pr. Malcoln Allen;

-

Associados: Pr. Richard Barron e Pr. David Wong.

1997 Pr. Robert Holbrook é eleito como Diretor Mundial dos Desbravadores. 1998 Pr. Alfredo Garcia-Marenko é eleito como Diretor Mundial Associado de Jovens. -

Primeiro Campori de Líderes da Divisão Sul-Americana, de 13 a 17 de Janeiro, em Pucon, Chile.

1999 Lançado no Brasil a Bíblia do Desbravador. 2001 Conferência Internacional de Liderança Jovem, de 9 a 13 de Agosto, em Águas de Lindóia, Brasil. -

John Hancock, morre em 22 de Fevereiro.

2002 Laurence Skinner, primeiro Diretor Mundial de Desbravadores, morre em 10 de Julho. 2003 Pr. Erton Kohler é eleito Líder do Departamento Jovem da Divisão Sul-Americana. -

Convenção Mundial Jovem para o Serviço Comunitário, em Bangkok, Tailândia.

2004 Campori Mundial “Faith or Fire”, de 10 a 14 de Agosto, em Wisconsin EUA, com 30 mil pessoas de aproximadamente 100 países. { 28

Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira


2005 III Campori de Desbravadores da Divisão Sul-Americana, de 11 a 16 de Janeiro, em Santa Helena, PR, Brasil. Direção: Pastor Erton Kohler. 2006 Pr. Jonatan Tejel é eleito como Diretor Mundial dos Desbravadores. - Pr. Hiskia Missah é eleito como Diretor Mundial Associado de Jovens. - Pr. Otimar Gonçalves é eleito Líder do Departamento Jovem da Divisão Sul-Americana. 2010 Pr. Areli Barbosa é eleito Líder do Departamento Jovem da Divisão Sul- Americana.

Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira

29 }


CAPÍTULO 3

O CONSELHEIRO

Para um Clube de Desbravadores funcionar corretamente, há necessidade de termos uma diretoria. Não vamos nos aprofundar em cada uma das funções, mas é importante o Conselheiro conhecer bem suas atribuições e também conhecer os demais cargos de liderança. 1) Diretor(a) – responsável geral pelo Clube de Desbravadores. É quem dirige a equipe na tomada de decisões. 2) Diretor Associado – responsável junto com o Diretor pelo andamento do Clube, especificamente na área masculina. 3) Diretora Associada – responsável junto com o Diretor pelo andamento do Clube, especificamente na área feminina. 4) Conselheiro(a) Geral – cargo exercido pelo Pastor da igreja ou Ancião. Acompanha e auxilia a Diretoria nas tomadas de decisões, disciplinas e atividades externas. É a figura do “paizão” do Clube. 5) Instrutores(as) – todos que através do seu conhecimento podem ajudar o Clube ensinando itens das Classes e/ou Especialidades. Podem ser efetivos (aqueles que estão sempre no Clube) ou ocasionais, os quais são convidados a darem palestras, atividades, Especialidades, etc (como por exemplo: regionais, professores, profissionais e outros). 6) Tesoureiro(a) – responsável pelas finanças do Clube perante a igreja, os pais e Diretoria. Deve ajudar e planejar junto com os Conselheiros de Unidade campanhas para angariar fundos. 7) Secretário(a) – responsável em cuidar dos relatórios, chamadas, atas e toda a correspondência “oficial” entre o Clube, Região, Associação, etc. 8) Conselheiro(a) – elemento de ligação entre Diretoria e os Desbravadores. É Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira

31 }


quem comanda a Unidade, onde efetivamente ocorre o treinamento e ensinamento dos juvenis.

SIGNIFICADO DA PALAVRA: De acordo com o dicionário Aurélio, conselheiro é aquele que aconselha, que indica a vantagem ou conveniência de algo; pode recomendar, procura convencer da necessidade ou conveniência de algo e procura induzir ou persuadir; faz parte da etapa do processo de orientação educativa em que o orientador auxilia o orientando nas decisões que deve tomar com referência à escolha de cursos, de profissão, etc.

1) ESCOLHENDO UM CONSELHEIRO Um bom perfil de Conselheiro, é aquele jovem que começou no Clube com 9 ou 10 anos e passou por todas as classes regulares e avançadas, e que ao chegar aos 16 anos está começando a Classe de Líder. Obrigatoriamente na Classe de Líder é requerido que comece a pôr em prática sua “liderança”, um “estágio” de liderança. Ainda não é Líder, e normalmente não é nem maduro suficiente para dirigir um Clube, mas por ter passado pelas Classes, as conhece na prática. O Conselheiro se identifica e se aproxima muito mais dos Desbravadores do que o próprio Diretor(a), até por motivos de idade, e muitas vezes apresenta os mesmos interesses e características dos que serão comandados por ele (os Desbravadores de 10 a 15 anos). O Conselheiro, portanto, ainda “fala” a mesma linguagem do Desbravador, apesar de ter um pouco mais de idade, experiência e conhecimento das Classes, Especialidades e participação nas atividades do Clube. É também, para os Conselheiros, necessária a participação ativa no Clube de Líderes, onde através de contato, treinamento e intercâmbio com Líderes já formados, ou em formação, ampliará o “horizonte” e perspectivas para serem aplicadas nas suas Unidades. Daí a importância do Clube de Líderes ser formado por aqueles que estão na ativa nos Clubes de Desbravadores. Esta inerente busca do saber promovida pela Classe de Líder, em conjunção com as atividades do Clube de Líderes, dá base para o trabalho do Conselheiro frente à Unidade e também, por outro lado, faz com que os juvenis liderados passem a ter respeito e admiração pelo “seu Líder” mais imediato. Esta é a chave-mestra. É assim que os Desbravadores terão seus coraçõezinhos abertos e estarão prontos a atender a todas as ordens e ensinamentos dos Conselheiros. É por essa razão que o Conselheiro pode conseguir apoio total dos seus liderados.


O Conselheiro faz parte de uma equipe no Clube de Desbravadores. Nesta equipe os líderes são: um Diretor, um Diretor Associado e uma Diretora Associada. Na equipe também tem a Secretária, o Tesoureiro e os Conselheiros e as Conselheiras das Unidades. O Conselheiro é escolhido pela Comissão Executiva do Clube. Lembramos que para ocupar este cargo o candidato deve ser membro batizado na Igreja Adventista do Sétimo Dia.

2) O CONSELHEIRO PRECISA ENTENDER QUE: Ser Conselheiro é atuar em uma das posições mais importantes no Clube de Desbravadores, pois está em íntimo contato com a mente e o coração dos juvenis. As qualificações são altas, e ninguém deveria aceitar esta posição a menos que tenha amor pelos meninos e meninas, e esteja desejoso de representar devidamente os elevados princípios da moral e do cristianismo. Deve estar preparado para familiarizar-se com os membros da sua Unidade. Deve estar com eles em todas as suas atividades e ganhar sua confiança. Familiarizar-se com os pais é parte importante de seu trabalho. Deve sempre fortalecer os vínculos da família em todas as atividades em que os menores tomem parte. Para isso, deve usar e ensinar os princípios bíblicos que podem tornar feliz, tanto o juvenil quanto seu lar.

3) COMEÇANDO O TRABALHO Você foi nomeado Conselheiro de uma Unidade. Para você deve ser uma honra, mas também uma grande responsabilidade. A partir de agora você vai ser um verdadeiro guia para sua Unidade, um verdadeiro Conselheiro, como o nome diz. Você deve estar convencido de quão esplêndida missão lhe confiaram para que se entregue de corpo e alma a ela. Sua missão, na essência do desbravadorismo, é: • Formar homens de caráter; • Formar bons cidadãos da pátria; e • Conduzi-los aos pés de Jesus.

PRIMEIRO PASSO: Crie em sua Unidade o espírito de confiança, ou seja, você deve fazer com que os meninos confiem plenamente em você, ao ponto de pedir ou ordenar e eles executarem, mas não como máquinas, e sim na confiança de que você só fará o melhor Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira

33 }


por eles. Não podemos esquecer que para conseguirmos transmitir este espírito de confiança, temos que ter o mesmo em relação a Jesus Cristo, ao ponto de obedecer a Jesus sem questionar. Agora pois, levante-se e ponha-se sem medo à frente de sua Unidade. Ainda que no começo sofra alguns fracassos, não esmoreça. Logo no primeiro insucesso não reclame, pois ele exercita sua vontade. O segundo insucesso também lhe será útil e, ao você se levantar após o terceiro fracasso, já será um Conselheiro forte. Conselheiro, sua missão pode e deve influenciar o futuro dos Desbravadores, mas a influência deve ser para “SALVAR DO PECADO E GUIAR NO SERVIÇO”.

4) LIDERANDO A UNIDADE O verdadeiro Conselheiro mostra o caminho. Ele trata de conseguir que sua Unidade seja a melhor do Clube. Para isso conheça algumas atitudes que se deve tomar: a) Conheça individualmente seus Desbravadores: Quanto mais os conhecer, melhor será seu trabalho. Desde o começo demonstre interesse por eles, seus gostos, diversões, anelos, sua vida em família, fora dela e do Clube. Assim terão confiança em você e irão considerá-lo um irmão mais velho, e nesse ambiente o ensino será melhor. b) Crie e promova o espírito de união: Crie ao seu redor uma equipe unida para o trabalho e para os jogos que favorecem o desenvolvimento da personalidade, mediante conselhos (no lugar de reclamações), capacitando (em lugar de críticas). Aprenda a delegar, nunca fazer tudo. c) Seja amigo de todos: Prove sua amizade para com todos da Unidade sem preferências. d) Seja um exemplo: A chave do sucesso no seu trabalho é ser um exemplo vivo de um Desbravador, ou seja, a fidelidade à Lei e seus princípios. Lembre que seu caráter se refletirá nos seus Desbravadores. Eles imitarão suas qualidades, mas também seus defeitos. e) Seja responsável: Responsabilidade com seus deveres pessoais, consigo mesmo, diante de Deus, do seu Diretor, seus Desbravadores e os demais. Você é responsável pela Unidade, por seus bens e recursos, pelas atividades e pela saúde, pelo espírito de equipe e pela segurança. Seja responsável por suas atitudes diante do grupo e do Clube, lembrando-se sempre de que faz parte do grupo e da Diretoria. { 34

Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira


f) Aprenda a liderar: Cabe a você, que é responsável, liderar com prudência, com paciência e com a consciência de que vai ser obedecido. Demonstre que você também obedece às ordens de seus Diretores, e que cumpre as ordens deles mesmo na ausência deles. Eles então imitarão sua disciplina. Dê ordens claras e precisas de forma completa e breve, mas sem fanatismo. g) Seja um motivador: Não tolere em si mesmo, nem nos seus Desbravadores, a inatividade, a preguiça, evite a monotonia nas atividades de sua Unidade, crie sempre algo novo. Capacite seu Capitão, para que possa conduzir sua Unidade quando você estiver ausente. Ele poderá ser no futuro um Conselheiro e você ficará feliz de havê-lo capacitado. Capacite em várias funções todos os membros de sua Unidade. Não se esqueça das metas principais das Classes, das Especialidades e dos projetos do Clube. h) Seja um líder espiritual: Nossa principal liderança é levar o adolescente a Jesus. Nossa ênfase é SALVAÇÃO E SERVIÇO. Por isso não resuma suas atividades a recreações e cumprimentos de requisitos técnicos e educacionais. Promova o desenvolvimento da fé através da Bíblia e de atividades espirituais que eleve a pessoa de Jesus na vida de seus Desbravadores.

5) O CONSELHEIRO E SUAS QUALIDADES a) Amor a Deus acima de tudo: O Conselheiro deve ter uma vida espiritual exemplar, porque ele próprio é o exemplo. As atitudes dos Desbravadores serão o reflexo das suas próprias atitudes. b) Amor sincero aos adolescentes: Amá-los não é dar-lhes o que querem, mas o que precisam. É preciso ser firme nas decisões, sem, contudo, perder a doçura no tratar. Eles esperam ter no Conselheiro um grande amigo, assim como o faz Jesus com aqueles a quem ama. c) Serviço com entusiasmo: O líder de êxito ressalta os aspectos positivos, é alegre e entusiasta. d) Estabilidade emocional: Uma das maiores virtudes do líder é dominar suas emoções, seja qual for a situação. Isso é alcançado pela autodisciplina, uma vida sóbria, fé, confiança em Deus e senso de responsabilidade. e) Gosto pelo ar livre: O Conselheiro que ama a natureza e seus encantos aceita todos os desafios e encoraja seus Desbravadores a serem também corajosos. As obras das mãos de Deus são admiradas e os conhecimentos são ampliados. Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira

35 }


f) Afinidade com os juvenis: O líder dos juvenis os conhece bem e procura ser um amigo verdadeiro. Compreende-os em seus conflitos e auxilia-os a encontrar o melhor caminho. As dificuldades deverão ser cuidadosamente trabalhadas, nunca conflitadas. g) Versatilidade: Toda habilidade dominada pelo Conselheiro é uma chave adicional que pode ser usada para abrir um coração fechado. h) Organização: O organizador estabelece o alvo. Traça planos, avalia os fatores prós e contras. Então, delega responsabilidades, coordena as atividades e incentiva o progresso, até alcançar o objetivo. Visão, planejamento, metas e estratégias claras fazem parte de uma boa organização. i) Bom relacionamento: As relações pessoais são de extrema importância. O segredo é o amor fraternal, livre de qualquer preconceito. O Conselheiro deve alegrar-se com o progresso dos companheiros e dos Desbravadores. Havendo idéias divergentes, deve-se considerar a questão pessoalmente com seu superior. A ética é de grande importância para a boa convivência, mas, pensamentos inferiores como inveja, por exemplo, devem ser excluídos da mente sadia. j) Presença forte e influente : A personalidade do Conselheiro deve ser forte, de comando. É desastroso ter bondade sem firmeza. É completamente fora de lugar ter firmeza sem bondade. k) Senso de humor: O Conselheiro deve ter um aguçado senso de humor. É preciso ter prudência diante de uma situação difícil, que possa contrariar o bom humor e o bom senso. O líder amadurecido não dá atenção as críticas e maledicências, comuns aos juvenis. l) Criatividade: O Conselheiro deve ser capaz de alcançar seus objetivos mesmo que haja obstáculos e dificuldades no caminho. É criativo e hábil a ponto de pensar com lógica e agir com firmeza e bom senso. É um líder que acha ou abre um caminho. m) Ser calmo: quanto mais alto falar menos as pessoas ouvirão. n) Pontualidade: cumprir os horários e metas. o) Ter higiene: asseio, tanto pessoal como com suas coisas em casa e no Clube. p) Ser imparcial: tratar todos da mesma forma. q) Cheio do Espírito Santo: Claro que esta característica não é exclusiva da li{ 36

Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira


derança juvenil. Ser cheio do Espírito Santo é condição obrigatória para ser cristão efetivo. Mas no caso do líder de adolescentes, se não for cheio do Espírito de Deus, o ministério de Conselheiro se limitará a manejar recursos humanos, que por bom que seja, não poderá satisfazer plenamente as necessidades dos juvenis em conflito. r) Tem um senso do chamado: Se aquele que se dispõe a participar do ministério com adolescentes não tem um chamado claro e específico a trabalhar com eles, ocorrerá uma de duas coisas ou ambas: sentir-se muito cedo um miserável ou fará os adolescentes se sentirem miseráveis. Ter a convicção de que Deus é quem o convocou a fazer o que você faz é a única fonte de afirmação onde deveremos depositar nossa confiança. s) Estar preparado para a tarefa de aconselhar: A adolescência é uma época de muitas perguntas. A pós-modernidade tem tornado complexa a dinâmica adolescente, as mudanças são exageradas e as informações e mensagens abundam de maneira contraditória. O Conselheiro efetivo está preparado para a tarefa de dar conselhos comprometidos com princípios e valores cristãos e de maneira sábia. t) Estar atualizado com a cultura adolescente: A mídia provoca mudanças radicais e se exige uma constante atualização por parte dos que lidam com adolescentes. Os grupos de adolescentes têm diferentes gostos musicais, de vestimentas e de linguagens. Maneiras de atualizar-se é observá-los em seus ambientes ou perguntar para eles mesmos. Os adolescentes se sentem importantes quando lhes perguntamos algo, por isso funciona bem fazer questionários e pesquisas. u) Trabalhar em equipe: O Conselheiro eficiente sabe que não pode conseguir tudo sozinho. Entende que Deus capacitou seu corpo com distintos papéis e dons (I Cor 12:4-30), e que é tarefa do líder equipar a outros para a missão da sua função também. A missão é mais importante que a função. A função está a serviço da missão. Por isso, reconhece as habilidades de outros e lhes facilita a tarefa somando-se ao trabalho. v) Inclui os pais no processo: Tratar de interpretar os adolescentes fora do esquema familiar será um quadro incompleto. Por isso o Conselheiro não deve colocar-se em situação de competição com os pais, mas deve aprender a trabalhar junto com eles. w) Especializa-se: O Conselheiro de hoje sempre busca especializar-se na tarefa Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira

37 }


de evangelizar e discipular adolescentes. Ele busca seminários, treinamentos e matérias diversas para atualizar seu ministério com juvenis. No programa do Clube, o Conselheiro deve aprimorar-se através das Classes de liderança: Líder, Líder Máster e Líder Máster Avançado.

RESUMINDO, O CONSELHEIRO DEVE SER: - Conhecedor das características infantis e da filosofia do Clube; - Orientador dos adolescentes sobre objetivos e programas do Clube; - Nobre e generoso com os juvenis; - Sociável; - Espontâneo; - Líder; - Hábil, inteligente, esperto, conveniente; - Espiritual; - Inspirador; - Responsável; e - Organizado. 6. O CONSELHEIRO DEVE SER SEMPRE EXEMPLO: a) Vestindo o uniforme limpo e de maneira completa. b) Deve fazer junto e não mandar fazer. c) Estar pronto para fazer mesmo não solicitado. d) Procurar preparar líderes. e) Manter a moral do Clube elevada. f) Manter o senso de humor. g) Mostrar interesse em aprender. h) Ser cuidadoso com hábitos de saúde. i) Manter-se de forma respeitosa com o sexo oposto. j) Ser pontual. 7. O CONSELHEIRO NA PRÁTICA DEVE: a) Presidir e convocar eleições trimestrais ou anuais internas nas Unidades para escolha de Capitão(a), Secretário(a) e demais cargos da Unidade. b) Supervisionar o desenvolvimento espiritual, disciplinar, relacionamento em grupo e familiar dos membros de sua Unidade. { 38

Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira


c) Trabalhar em prol do crescimento, organização e fortalecimento da sua Unidade. d) Promover a integração e o intercambio entre as Unidades. e) Fazer parte do Clube de Líderes, participar dos cursos de capacitação e treinamento. f) Supervisionar as atividades e disciplinas do Clube e Unidade. g) Promover avaliação trimestral da sua Unidade. h) Assinar cartões de Classes (atividades desenvolvidas na Unidade). i) Visitar cada Desbravador pelo menos uma vez por trimestre/semestre. j) Informar constantemente aos pais a situação do Desbravador no Clube. k) Orientar e supervisionar as atividades do Capitão e do Secretário. l) Participar das reuniões com a Diretoria do Clube. m) Orientar a Unidade na formação das tradições da Unidade.

8. QUAIS AS NECESSIDADES PSICOLÓGICAS DOS DESBRAVADORES QUE O CONSELHEIRO DEVE APRENDER? a) O Desbravador deve sentir que faz parte de um grupo forte: segurança. b) O Desbravador deve sentir-se aceito pela Unidade: amado. c) O Desbravador deve sentir que faz algo importante: relevância. d) O Desbravador deve sentir que está sendo reconhecido pelo seu esforço: especial. e) O Desbravador deve sentir que está aprendendo: crescimento.

9. O CONSELHEIRO DEVE TREINAR O CAPITÃO A DESEMPENHAR AS SEGUINTES ATIVIDADES: a) Auxiliar o Conselheiro e cuidar da Unidade quando requisitado ou em sua ausência. b) Portar e segurar o bandeirim da Unidade de maneira correta e dignamente. c) Zelar do bandeirim da Unidade nos acampamentos, apresentações e reuniões. d) Ser responsável pela presença da Unidade nas reuniões e fazer as apresentaGuia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira

39 }


ções ao oficial do dia.

e) Treinar a Unidade nos exercícios de ordem unida. f) Preparar-se para ser o substituto natural do Conselheiro quando chegar o momento ideal e necessário. g) Encaminhar ao Conselheiro os casos de indisciplina. h) Estar se especializando em: ordem unida, civismo, arte de acampar, nós, pioneiria etc. i) Ser pontual, dinâmico, otimista, vibrante e integrar os membros da Unidade. j) Ser Desbravador exemplar, disciplinado, atencioso, calmo e justo.

10. NAS REUNIÕES: O Conselheiro é responsável por preparar, orientar e capacitar seus Desbravadores nas seguintes áreas ou atividades nas reuniões do Clube: a) Formação: para apresentação da Unidade. b) Civismo: hasteamento, dobrar, carregar e entregar bandeiras. c) Comando: por gesto, apito, sinais etc. d) Finanças: cotas e campanhas. e) Espiritual: Classe Bíblica, batismo, ano bíblico, voz dos juvenis etc. f) Investiduras: requisitos e motivações. g) Motivação da Unidade: nome da Unidade, grito de guerra, exposição, músicas para caminhada, acampamentos, etc. h) Liderança: sistema de funções na Unidade, comando nas caminhadas. i) Educação: ajudar ou promover Classes Regulares, Especialidades, reforço escolar, curso básico de computação etc. j) Presença: pontualidade.

11. O CANTINHO DA UNIDADE Deve ser realizado na reunião do Clube aos domingos e em outros horários e dia determinados pela Unidade. Previamente combinado, é uma das oportunidades para colocar o Conselheiro em contato com os desejos e aspirações dos Desbravadores que dirige, para que possa agir, tanto quando possível de acordo com eles. Nestas { 40

Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira


reuniões pode convidar a Unidade a decidir sobre determinadas atividades e com este procedimento acabará trazendo um bom espírito de cooperação. O Cantinho da Unidade é um lugar específico e que geralmente a Diretoria determina para a Unidade. Este lugar pode ser uma sala, um porão, uma meia água, etc. O importante é que seja um lugar no qual a Unidade encontre intimidade, onde possam planificar suas atividades e passar bons momentos. O Diretor do Clube periodicamente visitará o Cantinho da Unidade e será uma grande honra recebê-lo. No Cantinho da Unidade os membros guardarão os implementos e equipamentos do grupo. Nas prateleiras eles guardarão as lembranças trazidas dos acampamentos ou caminhadas, também as coleções de pedras, insetos, troféus e medalhar, e tudo aquilo que for valioso para a Unidade. É muito legal ter um Cantinho da Unidade. Os melhores papos se produzem ali. O grupo fica mais unido. Juntos, se vivem momentos inesquecíveis que sem dúvida serão lembrados por toda a vida. A maior parte dos Clubes de Desbravadores não dispõe de espaço físico para que cada Unidade idade tenha seu Cantinho em forma de sala ou o equivalente. Mas a reunião do Cantinho da Unidade se dará dentro do programa do Clube logo após a meditação. Nenhum Clube deveria desprezar este momento tão importante para o fortalecimento das Unidades e obviamente do próprio Clube. O Clube deve dar no mínimo uma hora para esta reunião. Lembrando que as Unidades devem treinar para os jogos e eventos como feiras, Camporis, olimpíadas e etc. O Cantinho da Unidade deve ser o melhor momento da vida de um Desbravador nas reuniões normais do Clube. O Cantinho é o espaço de tempo que o Diretor determina para o Conselheiro desempenhar suas funções. Muitos Clubes ainda não entenderam ou não aprenderam a trabalhar fielmente com o Sistema de Unidade, e por isto dão apenas dez minutos para esta atividade. Com este tempo mal dá para fazer a chamada, recolher a cota ou dar os recados. O Cantinho da Unidade se torna atraente quando o Conselheiro sempre traz uma curiosidade sobre a Classe, traz um filme, traz um caça palavras diferentes do que eles já viram, quando ele traz um jogo novo para colocar em prática o que os Desbravadores aprenderam, um chaveiro para sortear, um bombom ou uma guloseima para ser digerido por todos. A criatividade é um dom que nem todos possuem, porém Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira

41 }


quando você se dispõe a pensar e raciocinar em benefício dos seus Desbravadores, com certeza, as idéias virão. Manuais de jogos não deveriam faltar na biblioteca de cada Conselheiro de Desbravadores. Levar sempre papel, caneta, balões de gás, fósforos, lenços, pedaços de tecido velho, varetas para exemplificar tipos de fogo, são bons exemplos do que um Conselheiro precisa ter para dar um recado especial a sua Unidade. Bolar um Cantinho atraente é tarefa para durante a semana e não coisa de última hora. Aliás, coisas de ultima hora não são boas para ninguém e muito menos para a causa de Deus. O tempo de duração varia muito de Clube para Clube. Porém pelo que você pode notar o Cantinho é o espaço da reunião que deve ser mais valorizado. O tempo para o Cantinho não deve ser inferior a uma hora. Neste tempo o Conselheiro utiliza para ministrar a Classe Bíblica, cobrar as tarefas da Classe dos Desbravadores, supervisionar a chamada, supervisionar o recolhimento da cota, orientar o Capitão, avaliar os relatórios da Unidade, planejar novas atividades, cumprimentar os Desbravadores, repassar os recados recebidos na reunião de Diretoria que deve anteceder a reunião de cada Clube. Note que palavras como ministrar, cobrar, supervisionar, orientar, avaliar, planejar, repassar informações, farão parte do seu vocabulário daqui para frente, porém a palavra fazer será sempre de responsabilidade dos Desbravadores. O Conselheiro é como se fosse o gerente de um escritório e os Desbravadores os colaboradores que fazem a coisa funcionar. Lembre-se sempre que sua missão é fazer os Desbravadores fazer. Sua oportunidade de fazer as atividades estão reservadas para o Clube de Líderes. A reunião da Unidade deve ser baseada no programa trimestral, em cumprimento aos requisitos exigidos pelo Clube.

ABAIXO, SEGUE SUGESTÃO, PARA UMA REUNIÃO DE UNIDADE: • Grito de guerra (antes de entrar na sala) • Cânticos e oração • Ideais • Meditação (com história especial) • Palavras do Conselheiro • Explicação da tarefa do dia dada pela direção do Clube ou do Instrutor • Um jogo calmo (pelo Diretor Social) • Classe ou Especialidade • Trabalhos manuais • Estudo da Bíblia ou outro texto (Gemas Bíblicas) que os eleve espiritualmente { 42

Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira


Oração de encerramento

OUTRAS COISAS A FAZER NO CANTINHO DA UNIDADE: • Resolver problemas de membros faltosos. • Receber visitas ilustres. • Debates. • Todas as atividades da Unidade: Especialidades, Classes. • Campanhas contra a dengue; • Campanhas de vacinação; • Auxilio em enchentes, calamidades; • Semanas especiais – trânsito, meio ambiente, pátria, etc. • Acampamentos de Unidade. • Receber as cotas financeiras. 12. O CONSELHEIRO NOS CAMPORIS DE ASSOCIAÇÕES/UNIÃO/DIVISÃO. Do Conselheiro, num evento como Campori, solicita-se que ele esteja o tempo todo com a sua Unidade. Os Camporis não avaliam Conselheiros e Unidades. Todas as avaliações são para o Clube como um todo, portanto cabe ao Conselheiro seguir as orientações que virão dos Diretores, do que propriamente tomar a iniciativa. É preciso cuidar da Unidade, andar com ela sabendo responder a qualquer momento a pergunta: “Onde está a sua Unidade?”, conferir se todos tomaram banho, se alimentaram e dormiram. Itens como fazer refeições, locomoção, programação, compras, reuniões de Diretoria no evento, não são preocupações para Conselheiros, o que torna para os mesmos um evento bem prazeroso e até relaxante se comparado a um Campori de Unidades por exemplo.

Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira

43 }


CAPÍTULO 4

O CONSELHEIRO E A UNIDADE

1. O QUE SÃO UNIDADES? As Unidades são agrupamentos básicos dos Clubes de Desbravadores, formadas por quatro a oito juvenis, na faixa etária de dez a quinze anos e um Conselheiro adulto. Podem participar do Clube tanto meninos como meninas, no entanto, as Unidades devem ser inteiramente de meninos ou inteiramente de meninas. A fim de que as Unidades alcancem seus objetivos e desenvolvam suas atividades, não devem ser pequenas, pois perderão o espírito de equipe. Também não devem ser grandes, ultrapassando o número ideal de membros, pois o trabalho do Conselheiro será dificultado. É possível haver uma Unidade com no mínimo, quatro membros, desde que seja de um Clube que esteja em formação ou porque ela é uma nova Unidade. Espera-se, portanto, que o mais breve possível seja complementada, ou ainda, quando a Unidade seja composta por meninos da mesma idade. O Conselheiro deve estimular o espírito de unidade em sua equipe. Ele é peça fundamental na execução dos planos do Clube e pelo êxito dos Desbravadores de sua Unidade.

2. POR QUE EXISTEM AS UNIDADES? Qualquer Unidade bem organizada desperta interesse por parte de outros que a observam e entusiasmo por parte de seus membros. O Sistema de Unidades garante a eficácia na organização e no desempenho das atividades. A Unidade receberá um nome que a identificará como grupo, e todos agirão assim. Por exemplo, se o Capitão chamar “Unidade Águia!”, todos, sem exceção, deverão se apresentar. Se Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira

45 }


um serviço é solicitado à “Unidade Astronautas”, os membros deverão auxiliar-se mutuamente, até o cumprimento da tarefa. Cada oportunidade deve ser aproveitada pelo Conselheiro para incutir nos Desbravadores o senso de trabalho em grupo, a importância de cada um na equipe. É esta a grande função da Unidade. O principal objetivo do Sistema de Unidade é dar responsabilidade real a todos os membros. Isto faz com que cada juvenil sinta que tem, pessoalmente, alguma responsabilidade pelo bem de sua Unidade e leva cada Unidade a ver sua responsabilidade definida para o bem do Clube. Através do Sistema de Unidades os Desbravadores aprendem que tem uma considerável participação em tudo o que o seu Clube faz. O Sistema é uma característica essencial do treinamento do Desbravador. O Sistema é a melhor garantia para a vida e o sucesso do Clube. Ele também alivia o líder de uma grande parte dos pequenos trabalhos de rotina, que, de outro modo, pesaria sobre seus ombros. A Unidade é a escola do caráter para cada um. Ao Conselheiro, o Sistema proporciona o exercício de responsabilidade e de liderança. Aos Desbravadores, concede a oportunidade de submeter seus próprios interesses aos do conjunto representado pelo espírito do grupo, de cooperação e de boa camaradagem. Para obter bons resultados no Sistema, o Conselheiro deve ter liberdade e autoridade em sua liderança de ação com integral responsabilidade. Delegar responsabilidade parcial trará resultados parciais. A execução de tarefas no Sistema de Unidade dará ao Conselheiro experiência, maturidade e fortificação de caráter e liderança diante dos Desbravadores.

3. COMO ACONSELHAR SUA UNIDADE PARA QUE SE TORNE O TIME DOS SONHOS?

{ 46

a)

A equipe precisa ter uma visão clara do que quer alcançar e como alcançar: O que ocorre, metaforicamente falando é que há times em que o goleiro pensa que é meio campo, os atacantes pensam que tem que correr na lateral e os zagueiros acham que devem guardar o gol do adversário. Num time dos sonhos, cada integrante tem que ter muito clara a visão de si mesmo e da equipe. Cada um deve ser capaz de responder: -“Eu sei como minha parte contribui para o todo!”.

b)

Valorizar as percepções diferentes: Muita uniformidade traz pobreza de idéias. Porém, variedade sem gerenciamento e foco no bem da equipe, torna o grupo em anarquia e caos.

c)

Resolução adequada dos conflitos: As divergências numa equipe são Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira


naturais e devem ser esperadas. Elas vão acontecer, não há como se livrar delas! A questão é como administrar as divergências. Colocar “panos quentes” não resolve e acumula as rixas, porém, se o ambiente provê segurança e as pessoas não tem medo de expor suas idéias, a comunicação tende a fluir mais livre. O grande segredo para gerenciar as divergências é ensinar todos a “ouvirem”, o que é bem mais do que o ato de usar os ouvidos para captar sons. Ouvir é compreender e responder de forma compreensiva. d)

Equilíbrio entre inovação e tradição: Respeitar os antigos valores e favorecer novos métodos, honrar os pioneiros e ao mesmo tempo abrir espaço para o sangue novo.

e)

Liderança inspiradora: Há duas maneiras de conduzir um grupo: com rédeas curtas, ou como um maestro. Qual é a melhor? Depende se você vai liderar cavalos ou homens. Invoque a direção divina para que sua liderança seja inspiradora e eficaz.

f)

Flexibilidade na execução das tarefas: Numa equipe o comprometimento é com a vitória do time e não há sentido em vitórias individuais. Qualquer tarefa numa emergência pode ser feita por qualquer pessoa do time.

g)

Cooperação e confiança: O sentimento deve ser “estamos todos no mesmo barco”, não há privilegiados, não há subgrupos ou panelinhas dentro da própria equipe.

h)

Reconhecimento: A equipe e seus participantes devem ser reconhecidos por sua vitória.

i)

Bom humor: A existência do bom humor é um fator que controla o “estado de espírito”. Embora a equipe deva compreender o quão sério é seu trabalho e deva ter indivíduos que darão a quantia de drama e seriedade necessária, toda equipe é abençoada se tem um “comediante”. Num primeiro momento, você pode achar que um engraçadinho é prejudicial ao andamento dos planos e um rebelde em potencial, destinado a lutar com o líder, mas o “humorista ou comediante”, é um tipo que deveria existir em todas as equipes. Este é um dom natural, o dom de descontrair e deixar as pessoas relaxadas e menos tensas. Eles têm um importante papel de aliviar as tensões, tornar o ambiente relaxado e legal! Isto mesmo, ninguém quer participar de uma equipe que não é legal! Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira

47 }


4. PONTOS POSITIVOS DE UMA UNIDADE: • Segurança: Juntando-se a um grupo, os Desbravadores podem reduzir a insegurança de “estarem sozinhos”. As pessoas sentem-se mais fortes, têm menos dúvidas sobre si mesmas, e são mais resistentes as ameaças quando elas são partes de um grupo. • Status: A inclusão numa Unidade proporciona reconhecimento e status para seus membros. • Auto-estima: Unidades podem proporcionar aos Desbravadores sentimentos de valor próprio. Isto é, além de transmitir status aos de fora do grupo, a filiação pode também dar sensações crescentes de valor aos próprios membros da Unidade. • Afiliação: Unidades podem preencher necessidades sociais. Os Desbravadores gostam da interação regular que vem com a associação ao grupo. Para muitas pessoas, essas interações nas atividades são a fonte principal de preenchimento de suas necessidades de afiliação. • Poder: O que não pode ser atingido individualmente, na maioria das vezes, se torna possível através da ação de grupo. Há poder em números, em equipes, em famílias. • Realização de objetivos: Existem momentos em que é preciso mais do que uma pessoa para atingir uma tarefa especial. Há uma necessidade de combinação de talentos, conhecimento ou poder a fim de completar um trabalho. Nesses momentos, a administração se baseará no uso de um grupo formal, a Unidade.

5. OFICIAIS DAS UNIDADES Além do Conselheiro, que é designado pela Comissão Executiva do Clube de Desbravadores, a Unidade possui dois oficiais: o Capitão e o Secretário, que são eleitos pela Unidade ou são aproveitados mediante avaliação especial, sendo que em qualquer dos casos, todos os membros da Unidade terão direito a voto. Os oficiais da Unidade gozarão de direitos e privilégios especiais e terão também deveres a cumprir; programarão as reuniões e as atividades extra Clube, juntamente e sob a orientação do Conselheiro. Os oficiais devem ser respeitados por todos e sua palavra deverá ser unanimemente acatada. Para tanto, faz-se necessário o apoio do Conselheiro. Não poderão, no { 48

Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira


entanto, disciplinar sem a autorização do Conselheiro.

CAPITÃO • Primeiro líder da Unidade; • Auxilia o Conselheiro; • Dirige a Unidade na ausência do Conselheiro; • É o responsável por manter a disciplina na Unidade; • É o responsável por carregar o Bandeirim da Unidade.

SECRETÁRIO • Segundo líder da Unidade; • Auxilia o Conselheiro; • Faz a chamada; • É o responsável pelo relatório semanal de freqüência; • Registra todas as atividades da Unidade no “Livro da Unidade”; • Promove com o Diretor Social da Unidade as atividades nas datas do Dia do Desbravador, dia do aniversario do Clube, dia do Pastor e aniversários dos Desbravadores da Unidade, Conselheiro, Diretores do Clube. • Coleciona fotos e recortes • Ajuda a manter em ordem as lembranças, autógrafos, etc. • Elabora e entrega os avisos de reuniões da Unidade. Além destes dois principais oficiais das Unidades, outros Desbravadores ocuparão funções secundárias de acordo às necessidades da Unidade. TESOUREIRO: Responsável pela arrecadação da cota e do relatório financeiro para o Tesoureiro do Clube. Auxilia o Diretor de Patrimônio da Unidade. ALMOXARIFE: Também chamado de Diretor de Patrimônio. Controla todo o material da Unidade com o cadastro do patrimônio da Unidade em um caderno. Certificase do cuidado do equipamento da Unidade e na manutenção do mesmo ajudado por seus companheiros. Guarda, entrega e recebe o equipamento da Unidade. Articula ante a Unidade a confecção ou aquisição de material novo, averiguando primeiro os melhores preços, modelos e características. AUX. DE ENFERMAGEM: Mantém a maleta de primeiros socorros atualizada e leva durante as saídas da Unidade. Mantém atento aos perigos e aconselha na preGuia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira

49 }


venção de acidentes. DIRETOR DE ESPORTES: Atividades esportivas e sociais para os membros da Unidade. DIRETOR SOCIAL: Responsável pela confraternização da Unidade e das campanhas comunitárias. CAPELÃO - Momentos de meditação, oração, leitura do Clube do livro, Ano Bíblico. O tempo de serviço dos oficiais da Unidade varia de três a doze meses dependendo do plano de ação da Unidade aprovado pela Diretoria do Clube. Espera-se que os oficiais da Unidade sejam bons exemplos em tudo; assim a Unidade será disciplinada em qualquer parte que estiver e poderá bradar bem alto que são DESBRAVADORES dignos das insígnias que ostentam. Os oficiais devem incentivar a Unidade a conseguir seus alvos e êxitos. Deve utilizar a insígnia da sua posição em toda ocasião da atividade do Clube.

6. DATAS IMPORTANTES PARA A UNIDADE: • Dia do Desbravador • Dia do aniversário do Clube • Dia do Pastor • Aniversários dos membros da Unidade, Conselheiro e Diretores

7. O CONSELHO DE UNIDADE É a reunião formal com todos os membros da Unidade a fim de serem discutidos assuntos internos. Esta reunião é realizada fora do horário do Clube. O Conselheiro é o presidente do Conselho, o Capitão é o vice-presidente, o Secretário exercerá a mesma função e os demais serão membros do Conselho de Unidade. Respeitando o direito de voz, as discussões não se prolongam indefinidamente, apenas o tempo necessário para argumentação: a Unidade adota o parecer da maioria, se esta não divergir das orientações da Diretoria ou princípios do Clube, usando até o voto, se necessário. Estas reuniões devem ser mensais, podendo ocorrer convocações extraordiná{ 50

Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira


rias, se necessário. O local apropriado pode ser a residência de um Desbravador ou do próprio Conselheiro. Sugere-se até que seja servido um lanche. O Conselho da Unidade ocorrerá da seguinte forma: a) O Conselho recorda as decisões da última reunião, e verifica se estas foram cumpridas. O texto deve ser lido pelo Secretário. b) Discutem-se os pontos debatidos no Conselho do Clube e que se relacionem com as atividades e o trabalho da Unidade. c) Realizam-se estudos para aplicar as ordens dadas pelo Diretor do Clube. O Conselheiro distribui as tarefas. d) O Secretário faz a chamada e apresenta as faltas justificadas. e) Apresentam-se os resultados obtidos pela Unidade ou pelos Desbravadores na Unidade individualmente. f) O Secretário lê a ata do último Conselho de Unidade e comprova se cada Desbravador realizou sua tarefa destinada pelo Conselho. g) O Tesoureiro presta um relatório dos recursos da Unidade. h) Destina-se tempo aos cargos da Unidade. i) O Conselheiro propõe o plano para o próximo mês. j) Discutem-se assuntos diversos. k) Estipula-se a próxima reunião do Conselho. É importante a participação de cada Desbravador no Conselho de Unidade, pois é o destino dele que está em jogo.

8. PERTENCE A UNIDADE: Bandeirim Cada Unidade terá um Bandeirim. Este medirá 55cm de largura e 26cm de altura no lado do mastro, devendo estreitar-se do lado oposto para obter-se o efeito da bandeirinha. Será de cor branca, com borda de cor azul de 4mm. Uma faixa de tecido azul de 10cm de largura deverá ser aplicada em toda altura no lado do mastro, onde será escrito, verticalmente, o nome da Unidade. A insígnia A1 dos Desbravadores medindo 10 x 10cm deverá ser colocado a 7,5cm abaixo da borda superior do Bandeirim, na linha entre o tecido branco e o azul. O símbolo da Unidade, representando Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira

51 }


graficamente as características do seu nome, será colocado no centro da parte branca do Bandeirim, não podendo exceder as medidas de 12,5 x 12,5cm. O mastro do Bandeirim pode ser personalizado ou decorado, pode ter o nome gravado dos integrantes da Unidade, uma lista com os sinais de pista, com o Código Morse ou um código da própria Unidade, pode ter uma frase da Unidade que representa seu ideal. Pode ser decorado com elementos da natureza, com as cores do Clube ou com as cores da Unidade. Deve ser evitado o uso de “ponta de lança”, para evitar acidentes. O mastro do Bandeirim terá a medida de 2,0 m e 1” de diâmetro. O nome da Unidade Escolha do nome da Unidade é tarefa de seus do Clube. Normalmente aconselhase que a Unidade coloque nomes que tenham relação com o nome do Clube, então se o nome do Clube é o nome de uma constelação, o nome de suas Unidades poderia ser o nome das estrelas da constelação, ou se o nome de um Clube é o nome de uma nação indígena, as Unidades podem ter o nome de tribos indígenas daquela região, se o nome do Clube é de uma característica regional, as Unidades podem ter nomes de animais daquela região. Evite nomes inspirados em ficção, lendas ou que remetam a símbolos com associações não cristãs. Caderninho da Unidade Neste caderninho será registrada a vida da Unidade; seus acampamentos, caminhadas, ex-membros, conquistas da Unidade, trunfos. É também chamado “Livro de Atos” da Unidade e Livro Secreto da Unidade. Conteúdo do caderno: • Composição da Unidade: nome, endereços, telefones dos Desbravadores, datas de aniversários, números das carteirinhas, datas das investiduras de lenço, Classes e Especialidades conseguidas, nome dos seus pais, enfim, tudo o que se refere a cada membro da Unidade. • Cargos e atribuições de cada membro em uma página especial. • Inventário dos equipamentos da Unidade. • Lista dos livros da biblioteca da Unidade. • Atas das reuniões, excursões, acampamentos, Conselho de Unidade, competições, sem omitir festas e as resoluções tomadas. Este livro poderá ser um de capa dura ou como sua Unidade preferir, e pode ter o símbolo da Unidade estampada na capa. O Lema da Unidade { 52

Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira


Está geralmente relacionado, de certo modo, ao nome da Unidade ou ao animal, algo da natureza, da história local da Unidade. Ex.: Unidade Águia = “Voar alto” Unidade Castores = “Trabalho árduo” O Chamado Deve ser aprendido pelos membros da Unidade. Todos devem saber emitir o chamado ou grito do animal de sua Unidade. É por este sinal que eles podem se comunicar entre si quando escondidos ou em atividades noturnas. noturnas O Símbolo ou Emb Em mbbleema ma

Cada Unidade desenvolverá um “símbolo, foto ou desenho”, que pode ser de um animal, estrela, constelação, pedra, ave, árvore, etc, de acordo com o critério adotado pela Unidade. O emblema será colocado, bordado ou estampado no Bandeirim, em camisetas, nas pranchetas, nas capas dos cadernos, na capa do álbum e etc. As Tradições da Unidade São as coisas boas que a Unidade sempre tem feito. Porém, o peso das tradições nunca deve saturar a vitalidade ou o desenvolvimento de uma Unidade, matando a iniciativa e a inovação. Cuidado, pois, nem todas as tradições são boas. Porém, as boas tradições de uma Unidade devem ser preservadas. Exemplo: • Os “Gaviões” tradicionalmente fazem a Especialidade de sinalização. • Em uma Unidade tem sido sempre tradição serem todos bons cozinheiros. • A cada acampamento realizado, é pintado um espeque (âncora) de branco para pendurar na parede da sede. Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira

53 }


• É tradição, também, reunir a Unidade só por sinais convencionais, sem gritarias. • Posição de alerta com uma simples batida de mão. • É tradição também que todos os membros da Unidade façam um trabalho por escrito sobre o símbolo da Unidade. Grito de guerra O grito de guerra é a emoção, a vida, a apresentação da garra e da vontade dos que compõem a Unidade. Somos fortes, somos unidos, temos objetivos. O grito de guerra deve ser uma das marcas registradas da Unidade. A primeira coisa a se fazer antes de iniciar o programa da Unidade é dar o grito de guerra, para que todos saibam que a Unidade vai começar sua reunião. O Álbum Todos os eventos que a Unidade realizou devem ficar registrados em um álbum com todos os seus dados e suas respectivas fotos e, claro, seus comentários. Esse álbum é parte da história da Unidade e ao passar do tempo os Desbravadores dão início ao álbum, quando mais velhos, terão boas recordações. Exposição O Conselheiro deve motivar seus Desbravadores para que os materiais fantásticos de conquistas e descobertas estejam na exposição do Clube: coleções, achados arqueológicos, curiosidades, trabalhos da Unidade, etc. Cor da Unidade Os adolescentes vibram com coisas que identifiquem seu grupo. Cores vivas e seus significados fazem parte desta aventura. Qual é a cor preferida da Unidade? Pode ser escolhida de acordo com a filosofia do símbolo da Unidade. Livro Bíblico da Unidade Cada Unidade pode selecionar um livro bíblico como sendo o preferido do grupo. Deve a Unidade pesquisar curiosidades, lições, histórias, autor e lema do livro. Verso da Unidade Cada Desbravador terá em mente seu versículo predileto. No Livro de Atos da Unidade deve ser colocado o nome da pessoa e seu verso do coração. Materiais da Unidade O Conselheiro deve ter na Unidade um responsável por guardar todos os ma{ 54

Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira


teriais adquiridos: Bandeirim da Unidade, barracas, livro de atos, biblioteca, fotos, estandarte da Unidade, materiais de acampamentos, quadros etc.

ESPÍRITO DE UNIDADE • Cada Desbravador deve sentir uma parte essencial de uma Unidade autônoma, completa e perfeita, em que cada membro deve cumprir sua parte para que se consiga atingir a perfeição do todo. • Ao adentrar a uma Unidade ele não é simplesmente um Desbravador, mas um “Falcão”, uma “Gaivota”, um “Crocodilo”, uma “Raposa”, não só ser cada um desses, mas aprender imediatamente os hábitos de cada um. Aprendendo seu grito, símbolo, estas coisas podem parecer simples, mas se tornam importantes. Atividades da Unidade O Conselheiro deve fazer seu planejamento e apresentar à Diretoria do Clube. Nunca realizar uma atividade externa sem a prévia autorização do Clube e dos pais.

1. UMA UNIDADE VIVA E ATIVA FAZ: • Recreações ao ar livre • Cerimônias e solenidades cívicas • Artes manuais e Especialidades J.A. • Estudos de natureza • Planos e materiais para serviços à comunidade • Acampamento de Unidade – com a presença de um membro da Diretoria e/ ou da região.

2. PROJETOS MISSIONÁRIOS E ESPIRITUAIS: NUM CLUBE MODELO E NUMA UNIDADE EXEMPLAR, AS ATIVIDADES ESPIRITUAIS E MISSIONÁRIAS PERMEIAM TODAS AS OUTRAS: • Visitação (líderes do Clube, Ancião, Pastor, idosos, órfãos, doentes, etc.) • Recepção na igreja • Recolta de donativos • Evangelismo juvenil – “A Voz Juvenis” • Pequenos Grupos - Debates • Batismo dos Desbravadores - todos uniformizados Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira

55 }


• Distribuição de folhetos • Gincana Bíblica, Maquetes, Mímicas, Teatro, Oratória

3. ATIVIDADES SÓCIO-CULTURAIS • Visita a Zoológicos, Museus, Aquários Públicos, Planetário, etc. • Feira de Desbravadores • Palestras e Exposições • Visita a uma Estação de Meteorologia ou Observatório • Visita a uma Usina Hidroelétrica • Visita a uma Fábrica de Alimentos • Conhecer uma Base Aérea • Oferecer uma recepção para os pais • Festa dos membros da Unidade uma vez ao mês. Cada mês na casa de um, após fazer os acertos com os pais • Atuação em Rádio, entrevistas, anúncio de alguma programação dos Desbravadores, contatos com rádios-amadores, etc • Publicar uma coluna em um jornal

4. PROJETOS DE ACAMPAMENTOS E ATIVIDADES AO AR LIVRE • Camporis de Clubes ou de Unidades da Missão/Associação. • Especialidade de Estudo da Natureza • Prática de subir em árvores usando cordas • Construir uma jangada • Explorar uma caverna com ajuda de um especialista • Caminhada em dia chuvoso - acender fogo • Armar e acender um fogo sobre uma jangada flutuando sobre a água • Construir forno de acampamento • Praticar técnicas de salvamento • Seguimento de pistas { 56

Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira


• Estudar pegadas de animais, tipos de árvores, de solos, penas de aves, etc. • Fazer acampamento dedicado às boas maneiras

9. INSÍGNIA DE EXCELÊNCIA A Excelência é o alvo do Conselheiro para seus Desbravadores. O companheirismo não dá o direito de oferecer aos Desbravadores o que eles querem, mas sim, o que eles necessitam. Ainda que o Clube de Desbravadores tenha por objetivo ajudar os juvenis e adolescentes a apreciarem o valor da participação do grupo, não se deve esquecer de que há um objetivo para o desenvolvimento deles como indivíduos. A maior parte das atividades dos Desbravadores é realizada em grupo. Isso é vital na aprendizagem da arte da colaboração e um ingrediente necessário para a formação de um cristão bem equilibrado. A Insígnia de Excelência foi desenvolvida visando o reconhecimento da realização individual no período de um ano. Assim como na investidura das Classes e Especialidades, a Insígnia de Excelência deve ser apenas concedida àqueles que alcançaram um elevado padrão de eficiência dentro do Clube, como exigido em seus requisitos. Processo de Seleção - Por ocasião do encerramento do ano, a Comissão Diretiva do Clube faz a seleção daqueles que estão em condições de receber a insígnia. Não deve existir limite de insígnia. Todos do Clube terão direito desde que tenham cumprido os critérios adotados pelo Clube. O Conselheiro deve fazer parte da Comissão de Avaliação. Critério - O seguinte critério deve ser aplicado pela Comissão Diretiva do Clube para determinar quais Desbravadores receberão a Insígnia de Excelência. Ela será entregue àquele (a) que: a) É membro ativo do Clube, por dois anos ou mais. b) É um exemplo nos requisitos de uniforme, pontualidade nas reuniões, e está ativamente envolvido em sua Unidade. c) Crê e vive o Voto e a Lei dos Desbravadores. É fiel aos Ideais dos Desbravadores e os defende como uma sagrada honra. d) Aceita, voluntariamente, as responsabilidades que lhe são designadas e demonstra iniciativa e liderança no seu cumprimento individual ou em grupo. e) Mantém o equipamento pessoal na melhor condição possível. Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira

57 }


f) Relaciona-se com todos de uma forma cristã positiva. g) A cada ano, conclui a Classe dos Desbravadores que corresponde à sua idade e faz as Especialidades oferecidas. Entrega da Insígnia - Quando e por quem a insígnia deve ser concedida? A Insígnia de Excelência é entregue, de preferência, no programa do Dia do Desbravador, na igreja, pelo líder mais graduado, em uma cerimônia de Investidura, pelo Líder da Investidura ou no Campori da Associação/Missão, pelo Líder de Jovens da Associação/ Missão. Como ela deve ser usada - A Insígnia de Excelência deve ser usada acima dos distintivos das Classes Avançadas. Durante o ano seguinte à concessão da insígnia, se o Desbravador não mantiver sua qualificação, deve ser colocado no registro de recordações dos Desbravadores. A insígnia deve ser usada apenas durante o ano do reconhecimento. Se a mesma for conquistada no último ano do Desbravador, aos15 anos, ela poderá ser usada definitivamente no uniforme.

10. INSÍGNIA DE BATISMO O Conselheiro e o Capitão do Clube devem motivar através das atividades espirituais do Clube e da Unidade cada Desbravador a tomar sua decisão ao batismo. Todos os que se batizarem e os que já são batizados podem receber o distintivo de batismo. O uso do Distintivo de Batismo é opcional. Poderá ser usado na tampa do bolso direito, centralizado, como identificação de todos os membros batizados. O uso identifica o Desbravador Adventista batizado. Você pode usar uma das seguintes atitudes: na hora do batismo o Pastor faz a condecoração com o distintivo ali mesmo, no tanque batismal; outra boa atitude é entregar o distintivo de batismo na hora da entrega do certificado; ainda pode ser entregue na reunião do Clube com festa de recepção. Caso queira fazer uma festa, à noite, depois do batismo, você entregará o distintivo e convidará os pais do Desbravador para a festa, Não deixe passar esta oportunidade para demonstrar a ênfase dos Desbravadores que é a SALVAÇÃO E O SERVIÇO!

11. COTA E FINANÇAS DA UNIDADE O Conselheiro e o Tesoureiro da Unidade devem promover uma campanha de arrecadação de materiais e ajuda financeira para sua Unidade e entregar ao Tesoureiro do Clube. Somente o Tesoureiro do Clube poderá guardar o dinheiro dos Desbravadores. Este deve manter um registro da entrada e não gastar ou transferir para outra campanha sem a devida autorização da Unidade. Materiais de acampamento, de des{ 58

Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira


file, de exposição e de leitura são materiais a serem adquiridos.

12. PRESENÇA Esta é outra atitude de excelência da Unidade. O Conselheiro deve promover entre seus liderados a pontualidade em todas as atividades do Clube e da Unidade. A presença promove mais responsabilidade, conhecimento, atualizações e conquistas.

13. MOTIVAÇÃO O sucesso da Unidade está na motivação. Uma Unidade motivada leva à busca de novos valores, novas aventuras, novas dinâmicas e novas conquistas. Cada conquista deve ser relatada, documentada e guardada com carinho. Vamos considerar uma das motivações que as boas Unidades possuem: Dinamismo. Uma boa Unidade tem suas músicas favoritas, criadas, adaptadas, mas sempre dentro do espírito do Desbravador cristão que é alegre e respeitoso. Crie cânticos para caminhadas, para momentos de atividades da Unidade, para o momento de acampamentos, de recreações, etc. Crie uma musica com o nome e a garra do pessoal da Unidade, outra com o nome e a força do Clube.

14. CONTADORES DE HISTÓRIAS DA UNIDADE Uma das grandes coisas de uma Unidade são as histórias contadas por alguns “especialistas” na arte de apresentar histórias. Há aqueles que contam histórias para rir; outros, histórias comoventes; outros, gostam de histórias de susto e suspense... O Conselheiro deve valorizar estes Desbravadores levando-os a gostarem também de histórias bíblicas. Promova um curso e concurso sobre a arte de contar histórias. É muito importante o Conselheiro ser um bom contador de histórias. Segue algumas dicas para você se aperfeiçoar nesta arte: • Passe segurança! Não se desculpe ao começar, nem em palavras nem com uma expressão corporal encurvada. • Conte em suas próprias palavras. Deixe a imaginação funcionar, isto é o que cria mágica e não malabarismos da memória. • Se der “branco”, continue. Não faça careta, nem xingue e nem se desculpe. Continue descrevendo detalhes de cores, locais..., isto estimula a imaginação e ajuda a memória. Ou então faça uma pausa, olhando todos nos olhos, como para levantar suspense (não olhe para o chão). Improvise! • Mantenha as histórias até 10 minutos de extensão. Ensaie e use o cronômeGuia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira

59 }


tro. • A introdução é crucial. “Você vai ganhar ou perder, nos 3 primeiros minutos, dependendo de como você começa” • Você tem que criar sua “audiência” no grupo de crianças, cada uma com seus próprios pensamentos e focos de atenção, antes que você possa começar a contar uma história para elas. • Deve haver, na introdução, o indício de que coisas excitantes irão acontecer, incitando a curiosidade, unindo as crianças com antecipação. Não dê tudo na introdução. Sempre mantenha um certo nível de “mistério” e surpresa durante toda a história. • Tenha certeza de colocar algum drama, suspense na história. Deve haver uma situação que dirija ao clímax e ao final da história. O conflito pode ser introduzido imediatamente ou aos poucos para aumentar o suspense e a intriga. Tente levar os ouvintes a se preocupar junto com os personagens e se envolver com o que acontece. • Numa audiência mista, tente colocar a história ao nível do mais novo.

{ 60

Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira


CAPÍTULO 5

O CONSELHEIRO E O PROGRAMA DE CLASSES E ESPECIALIDADES

Um dos principais deveres do Conselheiro é ensinar e acompanhar o desenvolvimento das Classes Regulares dos seus Desbravadores. Mas como ministrar conhecimentos se você mal os sabe para si? Como fazê-los atingir o objetivo de encerrar a Classe se seus conhecimentos são limitados? Um dos maiores erros que um Conselheiro comete é não estar preparado para ensinar. Se você já tem a Classe de Amigo, teoricamente você pode ensiná-la aos seus Desbravadores. Nunca comece as Classes com os Desbravadores sem antes ter se preparado para ensinála. Logicamente você não vai ensinar tudo em um único dia, porém o que você vai ensinar precisa estar bem preparado, pois caso contrário os Desbravadores logo percebem a sua insegurança. Alguns Clubes fazem três reuniões mensais e o quarto domingo utiliza para o Clube de Líderes. A primeira grande missão do Clube de Líderes é adestrar adequadamente os Conselheiros e a segunda grande missão é estimular para que todos completem as Classes Regulares dos Desbravadores. São aproximadamente quatro horas por mês de atividades entre esportivas e técnicas, com jogos, com passeios, caminhadas, visitas a cavernas, completando item por item das Classes o que torna os Conselheiros capacitados para ensinar com qualidade os seus Desbravadores. O Clube de Líderes deve ser formado com todos os membros do Clube de Desbravadores que já fizeram dezesseis anos. Em muitos Clubes, as Classes são feitas por “atacado” comprometendo o aprendizado por parte do Desbravador e desvalorizando o Conselheiro, que às vezes senta na mesma cadeira que o Desbravador para aprender o que ele já deveria saber. Essas Classes por atacado têm a vantagem de serem mais rápidas, porém o nível de aprendizado não é alto, pois cada pessoa tem um ritmo de aprendizado. O ideal é um Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira

61 }


trabalho personalizado do Conselheiro com cada Desbravador a fim de estimulá-lo a cumprir e aprender os conceitos dos cartões. Como as Unidades são formadas por idade e, como hoje o critério atual pede que o Desbravador faça primeiro a Classe de acordo com a sua idade, fica relativamente fácil para o Conselheiro ministrar as Classes para seus Desbravadores. Um Conselheiro deve começar o ano avaliando qual Classe a sua Unidade irá fazer e solicitar o cartão ou apostila da Classe para a Diretoria. Para que o Desbravador possa ficar empolgado é importante que na segunda reunião do Clube ele já tenha em mãos o seu cartão ou apostila da Classe. Os itens do cartão podem ser ensinados de várias maneiras, tais como: jogos, competições, caça-palavras, provas teóricas e práticas sobre os assuntos da Classe. É preferível fazer bem feito uma Classe Regular e Avançada ao longo de um ano com as Especialidades requeridas do que duas Classes mal feitas. As Classes que porventura ele não tiver concluído durante sua vida como Desbravador isto é, dos 10 aos 15 anos, ele as fará ao atingir seus 16 anos, quando passar a integrar o Clube de Líderes e se tornar Conselheiro. Uma boa idéia é o Jantar Anual de Gala dos Desbravadores Investidos. Nesse jantar, geralmente realizado no sábado à noite que antecede a última reunião e num restaurante de nível, só participam os Desbravadores que se empenharam e conseguiram terminar a Classe que ele se propôs a fazer ao longo do ano. Quem não gosta de encerrar as atividades com um jantar num lugar especial? Esta motivação consegue fazer milagre na dedicação da maioria ao longo do ano. O Conselheiro deve atuar no Clube de Desbravadores ciente de sua dinâmica. Deve defender os ideais do Clube em qualquer situação, trabalhando em harmonia com os outros líderes. Diante de um mundo que praticamente impõe valores através dos meios de comunicação sem qualquer seleção, o adolescente é incentivado a aceitar estes valores, em sua maioria, contrários aos valores do cristianismo. No Clube, o Conselheiro resgata os valores morais que seguem os princípios divinos, e oferece estas orientações aos Desbravadores de maneira a conquistá-los para a construção de um caráter de nobre valor. 1. CLASSES As Classes dos Desbravadores fazem parte do programa para alcançar este objetivo. Nos cartões estão as atividades básicas que o Clube deve fazer a cada semana. Elas estão direcionadas para faixas etárias diferentes, visando satisfazer suas necessidades. { 62

Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira


AS CLASSES DOS DESBRAVADORES ESTÃO DIVIDIDAS DA SEGUINTE MANEIRA: CLASSES REGULARES

CLASSES AVANÇADAS

IDADE

COR

Amigo

Amigo da Natureza

10

Azul

Companheiro

Companheiro de Excursão

11

Vermelho

Pesquisador

Pesquisador de Campos e Bosques

12

Verde

Pioneiro

Pioneiro de Novas Fronteiras

13

Cinza

Excursionista

Excursionista da Mata

14

Vinho

Guia

Guia de Exploração

15

Amarelo

CLASSES ESPECIAIS Líder e Agrupadas

Acima de16 anos

Líder Máster

Acima de18 anos

Líder Máster Avançado

Acima de 20 anos

PADRÕES DE CAPACIDADE FÍSICA Medalha de Prata

Acima de 18 anos

Medalha de Ouro

Acima de 18 anos

2. ESPECIALIDADES Cada Especialidade de Desbravadores é designada para um curso de estudos sobre um Tema. Tem o seu valor prático, e apresenta um encantador estilo de vida ao Desbravador que busca conquistá-la. O estudo das Especialidades ajudará cada pessoa em seu desenvolvimento, afetando diretamente sua vida nos aspectos físico, social, emocional e espiritual. Direcionará a pessoa para um profundo amor pelo Criador e aumentará seu interesse em dedicar-se ao serviço para Deus e à sua comunidade. Portanto, cada Especialidade deverá requerer altos padrões de excelência nas tarefas a serem realizadas. O cumprimento dos requisitos poderá ser interessante e divertido, e ao mesmo tempo prover um senso de realização pessoal. Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira

63 }


As Especialidades oferecem uma forma mais atrativa de aprender e ampliar os conhecimentos de novos horizontes e aventuras. Tais estudos podem incluir aprendizado sobre hobbies, lazer, interesses específicos e novos cursos e vocações. Cada Especialidade poderá ser estudada em grupo, nos encontros do Clube, em Unidade, em família, na escola, ou mesmo individualmente, por motivação pessoal. Recomenda-se estudar pelo menos uma Especialidade a cada três meses, e em seguida realizar a investidura, de acordo com o Diretor do Clube. As Especialidades dos Desbravadores são parte do programa do Clube, patrocinados pela Igreja Adventista do Sétimo Dia, e todos os requisitos estão em harmonia com os seus padrões e princípios. Por esta razão evitamos estudos e requisitos que exijam a destruição de plantas ou animais vivos, bem como uso de armas para ataque ou defesa. As Especialidades podem enriquecer muito a programação do Clube, envolvendo os juvenis e jovens para receberem conhecimentos práticos, que de outra forma não receberiam. Abordam temas amplos que estimulam a todos os gostos, e que podem ser estudados por qualquer grupo, de qualquer lugar. O principal propósito de todas as Especialidades é ajudar cada pessoa a alcançar um melhor desenvolvimento “em sabedoria, estatura e graça diante de Deus e dos homens.”

AS ESPECIALIDADES ESTÃO DIVIDIDAS NAS SEGUINTES ÁREAS: Habilidades Domésticas

Fundo Amarelo

Artes e Habilidades Manuais

Fundo Azul Claro

Atividades Profissionais

Fundo Vermelho

Atividades Missionárias

Fundo Azul Escuro

Estudos da Natureza

Fundo Branco

Atividades Agrícolas e Afins

Fundo Marrom

Ciência e Saúde

Fundo Branco

Atividades Recreativas

Fundo Verde

2.1 - ESPECIALIDADES DAS CLASSES REGULARES E AVANÇADAS AMIGO e AMIGO DA NATUREZA • Nós • 1 entre: Cães; Gatos; Mamíferos; Sementes; ou Pássaros de Estimação. • 1 em Artes e Habilidades Manuais { 64

Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira


• Natação para principiantes ou Arte de Acampar I • Fogueira e Cozinhar ao Ar Livre • Requisitos Avançados: -

1 Especialidade em Atividades Missionárias

COMPANHEIRO E COMPANHEIRO DE EXCURSÃO • Natação Principiante II ou Arte de Acampar II. • 1 entre: Anfíbios; Pássaros; Aves Domésticas; Pecuária; Répteis; Conchas; Árvores; ou Arbustos. • Primeiros Socorros Básicos • 1 em Artes e Habilidades Manuais • Requisitos Avançados: -

1 Especialidade entre: Saúde e Ciência; Agrícolas; Habilidades Domésticas; ou Atividades Missionárias.

PESQUISADOR E PESQUISADOR DE CAMPOS E BOSQUES • 1 entre: Astronomia; Cactos; Climatologia; Flores; ou Pegadas de Animais. • Primeiros Socorros • Sinalização • 1 entre: Atividades Missionárias; Saúde e Ciência; Profissionalizantes ou Agrícolas • Arte de Acampar III • Requisitos Avançados: -

Especialidade Asseio e Cortesia ou Vida Familiar.

-

1 Especialidade entre: Habilidades Domésticas; Atividades Missionárias; ou Saúde e Ciência.

PIONEIRO E PIONEIRO DE NOVAS FRONTEIRAS • 1 em Estudos da Natureza • Resgate Básico • Sinalização Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira

65 }


• 1 entre: Atividades Missionárias, Profissionalizantes ou Agrícolas. • 1 em Artes e Habilidades Manuais. • Arte de Acampar IV • Requisitos Avançados: -

Especialidade Cidadania Cristã

-

Completar item 3 e 6 da Especialidade Ordem Unida

-

Especialidade Orientação

-

1 Especialidade Recreativa

EXCURSIONISTA E EXCURSIONISTA DA MATA • Aventura por Cristo • Dois requisitojs de Temperança • Ordem Unida • 1 em Estudos da Natureza • Vida Silvestre • 1 em Atividades Recreativas • 1 entre: Atividades Missionárias; Ciência e Saúde; Habilidades Domésticas; Atividades Agrícolas ou Profissionalizantes. • Requisitos Avançados: -

Cumprir 2 das 5 sessões da Medalha de Prata.

-

Especialidade Testemunho Juvenil

GUIA E GUIA DE EXPLORAÇÃO • Nutrição ou liderar um grupo para Cultura Física. • Ecologia ou Conservação Ambiental. • 1 Contada para o Mestrado em: Aquática; Recreação; Ecologia ou Vida Campestre. • 1 entre: Agrícolas; Ciência e Saúde; ou Habilidades Domésticas. • Requisitos Avançados:

{ 66

-

Cumprir 3 das 5 sessões da Medalha de Prata.

-

Mordomia Cristã

-

Mestrado em Vida Campestre Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira


CAPÍTULO 6

O CONSELHEIRO E OS DIRETORES DO CLUBE

A Unidade é uma parte do Clube e não pode ser bem sucedida sem a percepção e o cumprimento dos objetivos e programas do Clube. Também deve haver fraternidade entre outras Unidades do Clube. O Clube é administrado pelo Diretor, pelo Diretor Associado e pela Diretora Associada. Eles têm a maior responsabilidade. Quando reúnem a Diretoria, o Conselheiro participa do planejamento do Clube. As atividades decididas devem ser levadas a cabo pelos Diretores e Conselheiros. Cada um tem sua função, mas estão unidos no mesmo propósito – ter um Clube excelente.

1. O PAPEL DO CONSELHEIRO NA COMISSÃO DIRETIVA Na participação do Conselheiro na Comissão Diretiva do Clube, ele exercerá sua função para: • Admissão de novos membros do Clube, apresentando-os à direção. • Pedido de advertência a algum Desbravador perante a Comissão Diretiva de seu Clube. • Participar no programa geral de atividades do Clube. • Participar na divisão dos membros das diversas Unidades do Clube. • Sugestões a respeito do progresso do Clube. • Levar o programa da Unidade para a aprovação da Comissão Diretiva. • Sugerir formas de pontuação que melhor se adaptem às suas Unidades. • Indicar nomes de Desbravadores para condecorações ou reconhecimentos.

2. A UNIDADE E AS ATIVIDADES DO CLUBE Deve ser assegurada a participação de sua Unidade em todas as atividades do Clube com lealdade e entusiasmo e assim elevar o nome de Jesus e dos DesbravadoGuia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira

67 }


res. A Unidade isolada do Clube é a mesma coisa que seu Clube isolar-se da Associação/Missão, não funciona e acaba morrendo. Jogos entre Unidades Será muito importante para a Unidade ter o espírito esportivo, assim ela saberá ganhar ou perder. Isto é um dever do Conselheiro, portanto tenha em mente o seguinte: “A vitória a conseguir não é o único objetivo. O valor moral e técnico de uma Unidade está em função e proporção ao valor pessoal dos Desbravadores que a compõem, como os átomos de uma molécula”. A Unidade deve ser consciente de fazer o melhor, além de buscar a eficiência. Também deve saber que outra Unidade buscará sua eficiência, e que, portanto, todos devem participar da melhor maneira possível. Você, Conselheiro, deve criar, desenvolver e conservar o espírito de unidade. • Passar o espírito de unidade sem rivalidade. • Tornar a melhor Unidade com esforço de cada um.

3. A PREOCUPAÇÃO DOS DIRETORES COM O CONSELHEIRO Geralmente o Conselheiro perguntará ao Diretor qual é seu papel no Clube. O Diretor, quando pensa no Conselheiro, espera que o mesmo seja um “pivô” do Clube. Aquele que faz movimentar e motivar os Desbravadores no ritmo que deve ser o Clube, ou seja, dinâmico. O seu Diretor, portanto espera: • Sua pontualidade. • Sua amizade com os Desbravadores. • Seu planejamento para a Unidade por semana, trimestre, semestre e ano. • Sua visita aos pais dos Desbravadores. • Sua participação nas programações especiais do Clube. • Que você acompanhe a vida espiritual dos Desbravadores na igreja. • Que você não saia com a Unidade sem combinar com a direção do Clube e com os pais. • Que lute para que seus Desbravadores cumpram os requisitos das Classes e Especialidades. • Que você não namore Desbravadoras(es), nem mantenha diante dos Desbravadores comportamento de namoro, para não perturbar a sensibilidade ou inocência juvenil. { 68

Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira


CAPÍTULO 7

O CONSELHEIRO E OS PAIS

O Conselheiro deve ser o melhor amigo de cada Desbravador, portanto, amigos se visitam e se conhecem. Neste prisma, cada Conselheiro deve visitar seu Desbravador todo trimestre ou semestre. Ali, o Conselheiro conversa com os pais, leva notícias do rendimento do Desbravador no Clube, vê o quarto do Desbravador, olha fotografias, inspeciona até o boletim escolar. Participar da vida do Desbravador, fazendo visita em sua casa, ajuda ao Conselheiro entender uma série de atitudes que os Desbravadores tomam quando estão longe de casa. Pais juntos ou separados, ausência ou freqüência de culto no lar, qualidade de vida, padrão de moradia, atividades domésticas preferidas, vida escolar, tipo de escola, relacionamento com irmãos maiores ou menores são situações a serem observadas e nada melhor que o ambiente do lar para demonstrar com clareza. Em alguns casos, os pais dos Desbravadores estão desempregados e não possuem recursos para pagar a mensalidade do Clube. Estas situações e muitas outras, só indo na casa dos meninos para avaliar o drama que muitos de nossos Desbravadores passam. Em alguns casos o Conselheiro vai perceber que além de entender e ter paciência na relação com o Desbravador, ele precisará de muita sabedoria para lidar com os pais. Alguns são problemáticos, irritados e precisarão de amor e paciência. Algumas diretrizes para trabalhar com os pais: 1) Compreenda a situação dos pais – não adianta, portanto culpar, criticar ou diminuir os pais. Tome como ponto de partida a idéia de que os pais tentam melhorar a situação do juvenil, mostre desejo de colaborar com ambos, procurando ajudá-los e ajudar seus filhos. Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira

69 }


2) Use diferentes abordagens – alguns pais precisam ser simplesmente informados, ou entendê-los melhor. Outros necessitam de recomendações, apoio, encorajamento ou sugestões de alternativas para tratar o problema; alguns sabem o que fazer, mas precisam que o Conselheiro os empurre. Só depois de observar e ouvir é que os Conselheiros podem geralmente decidir quanto às táticas de orientação adequadas. 3) Seja sensível às necessidades dos pais – ao criarem seus filhos, os pais podem sentir dúvida sobre a sua competência, uma sensação de opressão, competição, ciúme, medo de perder os filhos ou necessidade de ter autoridade e controle sobre a família, isto pode resultar em tensão. 4) Reconheça sua utilidade temporária – o objetivo final do Conselheiro é promover um relacionamento amadurecido e centralizado em Cristo entre os membros da família. Todas as recomendações aos pais devem ser feitas na ausência dos filhos, para que, não podendo cumpri-las não sejam criticados.

{ 70

Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira


CAPÍTULO 8

O CONSELHEIRO, O CAPELÃO E A MISSÃO

O propósito principal do Clube de Desbravadores é o de salvar. Um estudo feito indicou que igrejas com Clubes de Desbravadores e Sociedades JA, poderão contar com 90% de sua mocidade na igreja quando adultos. Igrejas com apenas o Clube, sem ter uma Sociedade JA, contam com 70%. Igrejas sem Clube e sem Sociedade, poderão contar com apenas 20%. O Clube é evangelismo quando devidamente desenvolvido. O Conselheiro deve trabalhar em conjunto com o Capelão e com os Diretores para cumprir determinados objetivos e alcançar resultados no programa espiritual do Clube. Desenvolver a fé e o hábito do crescimento no relacionamento vertical (com Deus) e o relacionamento horizontal (com o semelhante). Podemos dizer que este é o “carro chefe do Clube”. Todas as outras atividades atuam como suporte para o bom funcionamento desta parte do programa. Às vezes encontramos Clubes fortíssimos em outras atividades e deficientes na área espiritual. Este tipo de Clube está falhando em seus objetivos. Na realidade, ele não está atuando como Clube, talvez como um grupo de entretenimento ou qualquer outra coisa. Ao lidar com a área espiritual no Clube de Desbravadores é preciso notar que não se está ensinando a adultos, e sim, a juvenis e adolescentes. Por isso, deve-se usar uma linguagem que seja peculiar a eles. Podemos nos servir de alguns recursos, métodos e procedimentos que nos ajudarão a ter êxito neste tipo de evangelismo. Aqui vão algumas dicas: Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira

71 }


• A criatividade faz a diferença. A faixa etária dos Desbravadores é a idade da curiosidade, então explore bastante este aspecto. É só colocar a cabeça pra funcionar e as coisas começam a andar bem. • Evite a monotonia e “mesmismo”. Não é bom ter um programa “engessado”. Tente na medida do possível variar algumas coisas, lugares, pessoas etc. • Recursos áudio visuais. Estes recursos chamam atenção, despertam curiosidade, mantêm os Desbravadores atraídos. Podem ser muitas coisas práticas, até mesmo recursos da natureza. Em se tratando do programa espiritual geral do Clube, é necessário usar equilíbrio e bom senso. Já que se tem um ano inteiro para trabalhar, então vamos fazê-la de maneira interessante. Aqui vão dicas gerais de programas e atividades para o Clube ou para a Unidade: a) Classe Bíblica: Basicamente deve ser realizada visando realizar festas batismais em pelo menos duas datas especiais no ano – o Dia do Desbravador e o Batismo da Primavera. Já existem recursos suficientes fornecidos pela Igreja para que o seu Clube realize esta Classe com o máximo de qualidade possível. Esta Classe deve ser realizada de maneira alegre, dinâmica e se possível com alguns louvores também. Precisamos fazer deste um dos melhores momentos da reunião do Clube. b) História da Igreja: Enquanto os Desbravadores não batizados estão envolvidos na Classe Bíblica, os batizados poderiam estar recebendo algumas instruções sobre a história da igreja, suas doutrinas e sua estrutura, de maneira que teríamos dois grupos distintos recebendo instruções diferenciadas ao mesmo tempo. c) Evangelismo: O Clube de Desbravadores é um instrumento poderoso na realização do evangelismo. O Clube realiza o seu evangelismo em vários aspectos: Interno – com as Classes Bíblicas, como mencionado anteriormente, Semanas de Orações, atividades espirituais das Classes e Especialidades, atividades espirituais dos acampamentos; Externo – com evangelismo público, estudos bíblicos com as famílias dos Desbravadores, auxílio ao evangelismo da igreja, etc. Entre várias atividades espirituais o Conselheiro deve incentivar o crescimento dos adolescentes na vida devocional. { 72

Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira


Embora evangelismo não precise de uma definição, nossa experiência, às vezes, cria um estreitamento da palavra em nossa mente e imaginação. Geralmente, evangelismo é associado com as grandes campanhas que os pastores evangelistas fazem. Trinta ou quarenta reuniões para centenas de visitas, no final uma grande festa de batismo e uma igreja lotada, surge. Isto é fantástico e bom, mas evangelismo é também o trabalho sistemático de um Conselheiro na sua Unidade. O juvenil não será a igreja de amanhã, se não for parte integrante da igreja hoje. Evangelismo Juvenil é também o juvenil evangelizando. Qual dever ser a postura de um Conselheiro com relação a atividades missionárias e eclesiásticas do Clube? Porque em alguns Clubes, quando se trata de trabalho missionário os Conselheiros raramente aparecem? Participar de atividades missionárias, mais do que um dever para cumprir uma Classe, deveria ser visto pelo Conselheiro como uma oportunidade de melhorar seu currículo no Clube e uma ótima chance para uma especialização, visando ser bem aproveitado não só no Clube como também na Igreja. Uma das virtudes que um Diretor de Clube precisa ter é a da observação. E quando um Diretor vê um Conselheiro se saindo bem em determinada atividade missionária, deve convidá-lo para desafios maiores. Não estranhe e não recuse, querido Conselheiro, se em algum dia convidarem você para pregar ou dirigir uma Classe Bíblica na igreja. É o reconhecimento de que você está fazendo um bom trabalho com sua Unidade. Trabalho social Um outro estilo de evangelismo é o de visitar pessoas carentes e falar ou cantar sobre Jesus. Isto pode acontecer em hospitais, asilos e orfanatos. Ao visitar estes lugares, alguns cuidados são necessários: a) Conscientizar seus Desbravadores para se portarem com decência no ambiente em que eles irão: num hospital, o máximo de silêncio ainda é pouco; num orfanato leve bastante alegria; num asilo o mais importante é ouvir o que os mais antigos tem a nos dizer. b) Já que você não vai de última hora, lembre-se de planejar cuidadosamente o que irá fazer quando chegar ao local. Muitas Unidades tem a seguinte filosofia de trabalho: “O importante é ir. Na hora a gente vê o que faz ...” . Uma Unidade dessas desonra o nome de Deus, o da igreja e do próprio Clube. c) Leve uma programação adequada ao ambiente a ser visitado. Músicas cantadas ou tocadas são sempre agradáveis em qualquer lugar que se vá, lemGuia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira

73 }


brando sempre de cantar baixinho em quarto de hospital. Se você vai a um orfanato leve: brinquedos, jogos, histórias, marionete, fitas de vídeo sobre animais, fita de vídeo sobre o Clube. Se você vai um asilo leve: revistas, músicas mais suaves, flores são sempre bem vindas e uma boa disposição para ouvir os velhinhos. d) Antes de levar coisas para os mais necessitados é importante que você procure a administração do local e sonde com eles as reais necessidades. Não adianta você recoltar comida para doar num suposto local de pessoas carentes, se eles já estão sendo adotados por alguma organização não governamental (ONG). Levar meias e agasalhos num orfanato para depois descobrir que eles acabaram de ganhar o suficiente e estão precisando de outras coisas é muito frustrante. Avalie necessidades, faça uma campanha de recolta com irmãos da igreja, parentes, vizinhos, comunidade e só então visite a entidade que você se propôs a ir. e) Vá sempre de uniforme de gala. Nosso uniforme é a nossa marca e por si só já deixa uma idéia de grupo, de organização, de disciplina, de respeito. Se vamos a quaisquer destes locais descaracterizados, dificilmente se lembrarão de nós, ao passo que o uniforme deixa sempre uma recordação na mente das pessoas. f) A questão do tempo de visitação. Ambientes como estes são dirigidos com normas rígidas de disciplina no que diz respeito ao horário. Fazer uma programação variada, com música, com história, com demonstrações, com jogos pode facilmente ser feita em uma hora ou no máximo uma hora e meia. O segredo para agradar é não demorar e não ficar o tempo todo falando e falando. Seja rápido, criativo, apresente uma variedade atrás da outra e o tempo passa com bom aproveitamento tanto para quem ouve como para quem se apresenta. g) Antes de ir embora, deixe bem claro quem foi que esteve ali. Muitas pessoas por falta de informação nos confundem com os Escoteiros. Deixar bem claro que foram os Desbravadores da Igreja Adventista do Sétimo Dia é fundamental, e se o local permitir, comece e termine suas atividades com oração. h) Estimule sempre que possível aos seus Desbravadores a estarem presentes nestes ambientes. Muitos deles tem uma vida confortável e maravilhosa e muitos deles são muito mal agradecidos a seus pais. Mostre a eles quando chegarem à igreja, que a lição que tiramos de ir nesses locais é exatamente { 74

Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira


conscientizá-los para o maravilhoso mundo que a maioria deles tem e não conseguem sequer agradecer. Valorize a família destes Desbravadores que não medem esforços para dar o melhor para eles. Essa mensagem vai mexer com a cabeça de muitos deles. Vida Devocional O Conselheiro deve lembrar-se do seu relacionamento com Cristo. Para isso, deve manter-se ligado com a Bíblia para manter sua fé viva; com a oração, para manter o contato permanente de confiança com Deus e receber bênçãos na vida cristã. Uma vida devocional aplicada trará grandes benefícios para o Conselheiro e para os Desbravadores. José do Egito era portador de bênçãos no que fazia, pelo motivo permanente de sua ligação com Deus. Vida Eclesial Estar constantemente na igreja redundará em confiança congregacional, dos pais, dos Desbravadores e de Deus principalmente. Nossa assistência a igreja deve ser um ato de louvor, adoração e companheirismo com Deus e seus filhos. Na igreja, aprendemos a amar nossos irmãos e ter respeito a autoridades. Quando os membros percebem a presença e a atuação do Conselheiro, passa a haver um sentimento de simpatia e confiança. Vida Missionária É impossível ter uma vida devocional autêntica, uma vida eclesial ativa e não ter vida missionária. O Conselheiro buscará conhecer, capacitar-se e exercer seu papel em um dos métodos de evangelismo da igreja. Ele pode exercer sua vida missionária na escola, na família ou na vizinhança. Sua fonte missionária mais fácil é a sua Unidade. Tenha em mira seus Desbravadores e os familiares destes.

Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira

75 }


CAPÍTULO 9

APRENDENDO A ENSINAR

Duas situações básicas das atividades do Conselheiro: conhecer os Desbravadores e ensinar virtudes e princípios. Conhecer – Conhecer é mais que ter informações. Tenha uma ficha cadastral de cada Desbravador de sua Unidade. Nela deve conter as informações referentes ao desempenho no Clube, na escola, na família, na igreja e seus gostos pessoais. Busque conhecer a família de cada um deles. Este é um grande e maravilhoso trabalho do Conselheiro. Promova atividades nas casas dos seus Desbravadores e você os terá em estimas recíprocas. Ensinar – O Conselheiro deve estudar a lição muito bem. Ele precisa saber muita coisa para poder ensinar um pouquinho. Crianças aprendem com seus sentidos. Elas adoram sentir, cheirar, tocar, escutar e ver. Descreva personagens e locais vividamente, ajudando-os a solidarizar-se com os personagens. Para melhorar seu ensino você deve conhecer os estilos de aprendizagens e como o Desbravador pode aprender mais rápido e melhor.

1. ESTILOS DE APRENDIZAGEM Estudos têm demonstrado que as pessoas percebem as coisas e as aprendem de quatro maneiras diferentes. Dependendo da sua maneira de aprender, os Desbravadores fazem uma destas quatro perguntas, quando se encontram em situações de aprendizagem: Por que preciso saber isso? (Inovador) O que posso saber sobre isso? (Analítico) Como posso usar isso em minha vida? (Senso Comum) E se eu fizer assim? (Dinâmico) Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira

77 }


Todos nós conhecemos crianças que fazem estas perguntas quando estão aprendendo alguma coisa. Veja os exemplos abaixo: • Carlos não gosta de estudar Geografia. Saber nomes de rios, países, cidades, não faz sentido para ele, e sempre pergunta: “- Por que preciso saber isso?” Ele não vê nenhum motivo para armazenar este conhecimento e em pouco tempo ele o descarta. • Tiago gosta de ler, pesquisar e ouvir histórias. Quer sempre saber mais, está sempre buscando mais conhecimento e perguntando: “- O que é isso?” Para este tipo de aluno a informação é muito importante. Todavia, outros não conseguem ficar atentos enquanto o professor dá informações, nem mesmo por 5 minutos. • Pedro gosta de fazer experiências. Quer saber como as coisas funcionam na prática e quando tem que aprender fórmulas matemáticas, pergunta: “- Como eu vou usar isso na minha vida?” Se ele não acha nenhum motivo para praticar aquelas fórmulas, em pouco tempo também serão esquecidas. • Janaina gosta de cozinhar. Sempre está interessada em aprender novas receitas, mas enquanto está lendo a receita vai imaginado: “- E Se... eu trocar alguns ingredientes, como será que fica a receita? Acho que vou experimentar!” Percebemos pelos exemplos que as reações dos Desbravadores ao receberem um novo conhecimento, são diferentes. Para melhor compreensão vamos analisar cada tipo de aprendiz: a) O Imaginativo: precisa de motivação – se você não criar um motivo para ele sentir que vale a pena aprender, buscará outras coisas que lhe interessa para fazer e isto atrapalhará o seu ensino. b) O Analítico: precisa de informação – se você prefere ensinar através de experiências e não dá informações que satisfaçam seu desejo de conhecimento, ele não estará interessado no seu ensino. c) O Senso Comum: precisa de experiência pessoal – se ele não encontra um motivo para aplicar em sua vida o novo conhecimento, não estará interessado no assunto, pois acha que não tem nada a ver com ele. d) O Dinâmico: precisa de prática – se você não apresenta para ele oportunidade de aplicar o novo conhecimento, ou deixá-lo criar algo interessante sobre o que está sendo ensinado, ele não terá interesse pelo assunto. Conhecendo os quatro estilos de aprendizagem, o nosso desafio é ensinar de maneira que { 78

Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira


todos os nossos Desbravadores aprendam.

2. CICLO NATURAL DE APRENDIZAGEM Com esta nova visão de ensino, todo programa ou lição deve girar em torno de um tema, que deve ser ensinado de quatro maneiras diferentes, para que todas as crianças aprendam. Para isso, devemos ensinar através do Ciclo Natural de Aprendizagem, que funciona assim: 1º Passo: • Objetivo: Captar a atenção do aluno. • O aluno pergunta: Por que preciso aprender isso? • Papel do professor: Motivar o aluno. 2º Passo • Objetivo: Aprender os fatos. • O aluno pergunta: O que eu posso conhecer da história? • Papel do professor: Informar ao aluno. 3º Passo • Objetivo: Aplicar à vida pessoal. • O aluno pergunta: Como vai servir para mim o que li e ouvi? • Papel do professor: Treinar o aluno. 4º Passo • Objetivo: Praticar durante a semana o que aprendeu e partilhar com os outros. • O aluno pergunta: Posso fazer assim? • Papel do professor: Encorajar o aluno Com este método, o Conselheiro ou o Instrutor é o facilitador da aprendizagem. Ele motiva, informa, treina e encoraja. Esta é a única maneira de atingir todos os estilos de aprendizagem em uma mesma lição. Ensine com entusiasmo.

3. REFORÇO ESCOLAR Uma das grandes preocupações no programa do Clube de Desbravadores é a educação dos seus membros. Por isso, o Conselheiro deve conhecer cada Desbravador no processo educacional e ver se é possível ter no Clube alguém para reforço escolar e ajudar meninos que têm dificuldades com matérias. Também o Clube pode ter aulas de inglês ou espanhol, como serviço comunitário. Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira

79 }


CAPÍTULO 10

DISCIPLINA E PSICOLOGIA

Para que o Conselheiro trate da disciplina com sua Unidade, ele precisa saber antes algumas características comportamentais dos Desbravadores. Suas atitudes nem sempre revelam irreverência ou desrespeito. Porém a disciplina é necessária na vida da Unidade e do Clube. Disciplina significa organizar atitudes em um sistema de estilo de vida que o Clube oferece. São limites apresentados com amor. A Organização Pan-Americana de Saúde diz que a adolescência é uma etapa entre a infância e a idade adulta que se inicia com as mudanças na puberdade e se caracteriza por profundas transformações biológicas e sociais, muitas delas geradoras de crises, conflitos e contradições. Não é somente um período de adaptação às mudanças corporais, mas também, uma fase de grandes determinações a uma maior independência psicológica e social.

1. DESENVOLVIMENTO DA ADOLESCÊNCIA Independentemente das influências sociais, culturais e étnicas, a adolescência se caracteriza pelos seguintes eventos de mudanças físicas: • Crescimento corporal dado por aumento de peso, estatura e mudanças das formas e dimensões corporais. Isto não ocorre de maneira harmônica, por isso é comum que apresentem transtornos, fadigas, insônias, mudanças emocionais transitórias. • Aumento da massa e da força muscular, mais marcante no menino. • Aumento da capacidade de transporte de oxigênio, amadurecimento do pulmão e do coração, dando por resultado um maior rendimento e recuperação mais rápida frente ao exercício físico. Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira

81 }


• Desenvolvimento sexual caracterizado pela maturidade destes órgãos e aparecimento de caracteres sexuais secundários. Manifestações e condutas com desenvolvimento da identidade sexual. • Aspectos psicológicos dados fundamentalmente por: busca de identidade e de si mesmo; necessidade de independência; tendência grupal forte, evolução do pensamento concreto ao abstrato; contradições nas manifestações de sua conduta e instabilidade do estado de ânimo. • Relações conflitantes com os pais. • Atitude social reivindicativa, tornam-se mais analíticos, formulam hipóteses, corrigem falsos preceitos, consideram alternativas e chegam a conclusões próprias. • Têm necessidade de formulação e resposta para um projeto de vida.

2. PSICOLOGIA DA ADOLESCÊNCIA E PSICOLOGIA INFANTIL – O MENINO E A MENINA Antes de lidarmos com crianças torna-se necessário saber o mínimo sobre elas. Muitos Conselheiros assumem funções sem antes receberem qualquer treinamento. Mal se diz o que se espera dele e ele vai esbarrando aqui e ali tentando fazer o seu melhor, mas muitas vezes fracassa e com ele morre toda a esperança de alguns pais de verem seus filhos indo bem no Clube. Saber um pouco da personalidade das crianças é fundamental para o bom desempenho do Conselheiro. Entendendo esta mensagem tão importante, esperamos que ela seja apenas um trampolim para que vocês mergulhem mais fundo no conhecimento sobre crianças através de pesquisa em livros mais apropriados. a. CRIANÇA e INFÂNCIA Entre a inocência do bebê e a dignidade do adulto encontramos uma adorável criatura na fase chamada INFÂNCIA. As crianças são de diversos tamanhos, pesos e cores, mas todas tem a mesma filosofia: gozar cada segundo, cada minuto, cada hora, cada dia; e de protestar, com barulho (sua única arma), quando seu último minuto está esgotado e o adulto os envia para a cama, à noite. As crianças são encontradas em todos os lugares: em cima de, debaixo de, dentro de, subindo, balançando, correndo em volta ou pulando. As mães os amam, os irmãos mais velhos os toleram, os adultos os ignoram e o Céu os protegem. A criança é verdade com barro no rosto, beleza com um corte no dedo, sabedoria com goma de mascar no cabelo e a esperança do futuro com uma rã no bolso. { 82

Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira


Quando estamos ocupados, a criança é um discordante, barulhento, intruso amolante e sem consideração. O menino é um composto: tem o apetite de um cavalo, a digestão de um engolidor de espadas, a energia de uma bomba atômica de bolso, a curiosidade de um gato, os pulmões de um ditador, a imaginação de Paul Bunyan (autor do livro O Peregrino), a singeleza de uma violeta, a audácia de uma armadilha de aço. Gostam de sorvete, facas, serras, Natal, livros cômicos, do menino e da menina do outro lado da rua, floresta, água, animais grandes, pai, trens, sábado de manhã e locomotiva. Não gostam muito de escolas, visitas, livros sem gravuras, lições de música, guardanapos, barbeiros, casacos, adultos ou hora de dormir. Ninguém mais se levanta tão cedo ou chega tão tarde para jantar. Ninguém mais se diverte tanto com as árvores, cachorros e brisas. Ninguém mais consegue entulhar num bolso uma faca enferrujada, uma maçã comida pela metade, um metro de barbante, um saco vazio de papel, dois chicles, algumas moedas, uma funda, um pedaço de qualquer coisa, e um código misterioso com compartimentos ultrasecretos. A criança é uma criatura mágica. Podemos tirá-la de nossa presença no trabalho, mas não podemos tirá-la de nosso coração. Podemos tirá-la de nosso estudo, mas não podemos tirá-la de nossa mente. É melhor desistir. Ela é nosso captor, nosso carcereiro, nosso chefe e nosso mestre – um monte de barulho, perseguidor de gatos, sujo e sardento! Mas quando ela está no Clube de Desbravadores, é por ela e para ela que, como Conselheiro, devo me dedicar. Crianças... fonte de inspiração e alvo do trabalho dos Desbravadores. Compreende-las não é fácil. Entende-las é fundamental. b. MENINICE (7 - 11 ANOS)

Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira

83 }


• Período onde se formam novas amizades e descobrem modos novos de jogos e trabalhos com outros, também se estabelecem lideranças e a popularidade se torna importante. • Consolidação na área dos relacionamentos sociais. • Desenvolvimento da capacidade de raciocínio. • Idade áurea de memória pode decorar com facilidade. • Idade de alerta muito ansiosa por investigar e aprender. • Amantes das histórias e dos bons livros. • Coleções - 90% de todas as crianças desta idade colecionam uma ou outra coisa.

1. COMPORTAMENTOS • Parece que este é o período mais feliz da existência: ativa, curiosa, alegre, participativa, gosta de brincar com outras crianças, aprecia jogos, os colecionadores, acredita nas pessoas que ela ama, tem um potencial muito grande, só precisa ser orientada corretamente. • Ocorre um eclipse de imaginação: (9 – 12 anos) não significa a perda de curiosidade, mas uma diminuição sensível da imaginação fantasiosa. • Fator social: formação de turmas; devem ser formadas espontaneamente, por critérios e interesses próprios da idade, gosta da companhia das crianças. • É comum uma criança não ser aceita pelo grupo:

{ 84

a)

Às vezes não correspondem aos valores sociais dos participantes; outras vezes é muito agressiva, carente, sempre chamando a atenção sobre si ou é possuidora de alguma diferença física ou moral. Deve-se trabalhar com a criança - ela mesma facilitará a aceitação pelo grupo.

b)

Com o grupo - A facilitação deles para aceitação do outro. É difícil estabelecer padrões fixos a serem seguidos na transformação de determinados comportamentos, porém, observa-se que as crianças que se separam do grupo na tentativa de não interação (fuga), têm um ponto comum: baixa auto-estima. Sente-se repelida, fracassada, sem valor algum; possui uma péssima imagem de si mesma, precisa reaver seus valores como pessoa, como potencial, como alguém capaz, e ninguém melhor para ajudá-la do que o Conselheiro, que está próximo e que talvez tenha ouvidos capazes de ouvir e possa sentir o amor altruísta que o capacite a ajudar. Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira


2. CARACTERÍSTICAS FÍSICAS • Crescimento lento sem grandes acelerações até a puberdade, as capacidades motoras globais continuam a se aprimorar e assim a criança dessa idade consegue andar de bicicleta, jogar bola e fazer outras atividades que requerem considerável coordenação. • Período irrequieto da vida, a criança não pode sentar-se quieta. • Possuem grande vivacidade ou energia física. No caso das meninas, começam repentinamente a crescer, outras continuam baixas durante tanto tempo que ficam preocupadas. • É necessário ajudar a menina a alcançar crescente compreensão e apreciação de seu corpo. • O interesse sexual parece estar submerso.

3. CARACTERÍSTICAS SOCIAIS • Gosta de códigos secretos e de aventuras. • Está aprendendo a trabalhar em grupo. • O forte desejo de vaguear, matar aulas, impulso natural dessa idade. Isto não caracteriza delinqüência moral. • Uma idade de grande adoração aos heróis. • Os companheiros tornam-se muito importantes, mas quase todos os grupos são de crianças do mesmo sexo, o único problema é a pressão dos mais velhos que dão péssimos exemplos. As crianças estão aprendendo e explorando seus papéis sexuais e os meninos parecem se centralizar mais nos modelos do que as meninas. • Nesta idade, há muito mais meninas interessadas em atividades de meninos do que o inverso. • A ligação afetiva com os pais é menos visível, mas presumivelmente, ainda existe. • Desenvolvem-se ligações afetivas com amigos especiais.

4. CARACTERÍSTICAS ESPIRITUAIS • Gostam de participar na igreja, o Conselheiro deve explorar isto. Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira

85 }


• Oportunidades para tomar sua decisão pelo batismo. • Gostam de histórias bíblicas: elas têm um papel importante para cultivar a religião no meio deles. • Nos acampamentos, é o momento de partilhar a fé, ao lado da fogueira. • Atividades comunitárias - ajudam em campanhas, gostam desse sentimento ou espírito de serviço.

C. PRÉ-ADOLESCÊNCIA (12 - 14 ANOS)

• Focalizam não só a expansão das operações formais e as novas capacidades sociais, mas o desenvolvimento de uma nova identidade. • Período da tempestade e tormenta, cheio de tensão: precisam atuar segundo novos padrões e regras, novas maneiras de interagir com os pais e com os outros, mas depois que a transição se completa, o período que prossegue não é terrivelmente tempestuoso para a maioria dos adolescentes. • Entram num padrão bastante estável de relacionamento familiar e de amizades, alguns são populares, outros não; alguns são estudiosos, outros não; alguns gostam de esportes, outros não; mas, para todos, há um padrão de desenvolvimento que continua ocorrendo: “não sou criança”.

1. COMPORTAMENTO • Período de negativismo, nada dá certo, esquisito, feio; tudo tem defeito, nada está bom. • Momento obscuro, ocorrendo a fuga dos pais, que de grandes heróis passam a ser quadrados, ignorantes, não aceita nada que os pais falam. { 86

Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira


• As angústias, as incertezas, dúvidas e questionamentos levam o adolescente a não aceitação dos valores vigentes e a não aceitação de si mesmo; quase sempre se sente como vítima da incompreensão dos adultos e da sociedade. É pré-disposto a adquirir vícios como: uso de fumo; álcool; drogas; prática da masturbação; e o indiscriminado uso de sexo, buscando sempre a autoafirmação.

2. CARACTERÍSTICAS FÍSICAS • Estão em acelerado crescimento, acompanhado de tremendo apetite (idade da lagarta), havendo uma tendência para o desalinho e a falta de jeito, os órgãos sexuais se desenvolvem ocasionados por rápidas mudanças biológicas. • Nas meninas - bico dos seios, marcados por coceira e muita sensibilidade à dor, o surgimento de pêlos nas axilas e zona pubiana, segue o ritmo rápido de mudanças, preparando o organismo para a primeira menstruação. • Excesso de gordura ou magreza excessiva. • Nos meninos – crescimento disforme, ombros largos, pés e mãos exagerados em relação ao crescimento do tronco, mudança da voz se torna notória, ora grossa, ora fina, acompnhada de desafino ao cantar, seu corpo começa a sofrer mudanças, pêlos, intumescimento dos seios, preocupação com o pênis. Recomendam-se as seguintes atividades:

a) Atividades esportivas individuais e em equipe, observando as características dos meninos e meninas para esportes distintos; competições para sexos em separado. b) Jogos de coordenação motora - sentidos. c) Grupos mistos com atividades em separado, sempre que necessário. d) Prática de regras de saúde e higiene; e) Primeiros socorros; f) Formação de hábitos na alimentação.

3. CARACTERÍSTICAS SOCIAIS • Formação de turmas - lealdade ao grupo, busca da aprovação do grupo. • Procura mais liberdade individual, quer passear e sair com a turma, por isso é importante o Sistema de Unidades. Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira

87 }


• Anseio de ganhar dinheiro e fugir da escola, importância da “mesada”. • É comum o surgimento dos primeiros namoros. • Começa uma preocupação com a aparência física. • Ocorre freqüente mudança de opinião, não sabe o que quer e não se pode confiar plenamente. • Gosta de música barulhenta, passeios, excursões, tem desejos competitivos. • Excentricidades. a)

Fortes gostos e aversões na alimentação.

b)

Predileção pelo atletismo.

c)

Senso humanitário, humorístico, as meninas riem sem motivo e colocam a mão à boca.

4. CARACTERÍSTICAS ESPIRITUAIS • Os interesses pelas coisas espirituais decrescem e suas atitudes são influenciadas pelo grupo. • Geralmente aos treze anos toma-se a decisão pelo batismo. • O Conselheiro deve realçar e manter a importância de permanecer sempre diante dos jovens e juvenis o seu destino missionário, e que a participação não é para o futuro e sim para hoje, na conclusão da obra do evangelho. • Há menos tendências para o grupo dessa idade em demonstrar seus sentimentos sobre questões espirituais. • Há conflitos com a consciência, sobre o que é correto ou incorreto. • É hora de implantar os princípios. Recomendam-se atividades: - Que demonstrem aceitação por compreensão e respeito mútuo - regras coletivas, seminários e discussões sobre cortesia e ética. - Estudos de personagens bíblicos, temas de moral e virtudes. - Princípios cristãos sobre sexualidade devem ser discutidos. - Devem ser atividades reflexivas de formação do pensamento: atividades que levem as novas descobertas no mundo a sua volta, comunidade, cidade e país; provocar, observar, descobrir, conversar sobre o que viu, criticar, propor, etc. { 88

Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira


- Busque na lista de Especialidades uma atividade extraclasse que ajudem nesta etapa da vida.

D. ADOLESCÊNCIA (14 - 16 ANOS)

• Produz menor mudança, mas o adolescente tem que se adaptar a sua nova identidade como indivíduo num corpo adulto. • Os impulsos sexuais continuam intensos e difíceis de serem controlados em face das pressões do grupo e dos valores de uma sociedade. • Considera o autocontrole como sendo importante. • Existe um grande desejo de ser aceito, de identificar-se com a linguagem em voga entre adolescentes, assim como heróis, maneiras de se vestir, formas de diversões, hobby, etc. • Instabilidade emocional - mudanças no corpo, preocupação com aparência: altura, beleza, peso, cabelos, mãos, pernas, etc. • Vive o período de questionamentos, afirmação, desejo de liberdade, preocupação com valores, gosto por reflexões, conversas, manifesta opiniões, espírito crítico. • Dificuldade de autocontrole, humor instável - gosta de viver em grupos, gosta de contatos com a natureza.

1.COMPORTAMENTO • Ego difuso, inseguro, o mundo se abre e não sabe onde se apegar; falta de decisão e objetividade, não sabe o que fazer. Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira

89 }


• Crise de identidade; falta de coerência, procura esconder-se, ora em sonhos e devaneios, ora em sorriso cínico e zombeteiro, tentando esconder a intranqüilidade ou desequilíbrio. • Incoerência reinante em seu interior; sente-se perdido. Não se sente totalmente adulto, por isso procura tomar atitudes de adultos. • Cria alguns mecanismos para dirigir a sua vida, idéias ecológicas, idéias de justiça social. • Erótico, por isso precisa de bons modelos.

2. CARACTERÍSTICAS FÍSICAS • Glândulas sexuais – A adolescência é um momento de alterações significativas, incluindo o crescimento físico e a transição psicossocial, que geralmente abarca a segunda década de vida. Provoca crises psicológicas acentuadas devido ao funcionamento das glândulas sexuais. • É preciso ser amigo de confiança do adolescente, abrindo o jogo sobre doenças venéreas, AIDS, riscos do aborto e outros temas ligados à preservação e à dignidade da vida humana. • Neste período, sente o desejo grande de ser amado. Deve-se dar orientação e preparo para o relacionamento de amizade e de namoro. • Nesta etapa o adolescente não tem aquela disposição de antes para as atividades físicas da pré-adolescência. Por isso, devem-se mudar um pouco as atividades, como jogos coletivos e individuais. Recomendam-se atividades: -

Diversificadas e de pouco tempo.

-

Promover a convivência com o sexo oposto através de atividades para os interesses de ambos os sexos.

-

Festas comemorativas, jogos, hora social, aniversários, etc.

-

É bom promover orientação e educação sexual, corpo e higiene através de palestras e debates, jogos, filmes, leitura.

-

Promover atividades esportivas para o desenvolvimento físico: jogos, esportes individuais, coletivos e coletivos mistos.

3. CARACTERÍSTICAS SOCIAIS • Os grupos de companheiros tornam-se mistos ao invés de grupos do mesmo sexo, aparecendo também os casais. { 90

Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira


• A maturação precoce contribui para aumentar a popularidade entre os companheiros devido ao espírito crítico, existem discussões e reuniões de grupos fechados, discussões de temas polêmicos, especialmente ligados aos fatores sociais. • Leituras e filmes preferidos: aventuras, violência, e grandes descobertas, bem como a vida de grandes personagens da história ou ciência. • Começa a pensar em profissão. • Sua participação é um tanto discreta, porque se acha “o bom”. • O voluntariado deve ser motivado. • Recomenda-se intensificar atividades, excursões, acampamentos, passeios, boas ações.

4. CARACTERÍSTICAS ESPIRITUAIS • Não se preocupa tanto com o estudo da Bíblia, nem o trazer a Bíblia à igreja. • Gosta apenas de assistir debates relacionados a assuntos polêmicos. • Sua participação na igreja é discreta, apático, pensa que não precisa de ajuda, pois já está maduro. • Deve ser tratado como um membro jovem da igreja, sem ser ridicularizado perante os demais. • Gosta de aparecer e ser reconhecido em alguma coisa que faz para Deus. • Recomendam-se atividades para: vivência da fé; atividades que promovam o desenvolvimento da comunicação e expressão: teatro, leitura, música, canto, concursos; projetos religiosos comunitários de curto prazo; projetos ecológicos; e reuniões dinâmicas de interesse espiritual de grupos pequenos.

3. DISCIPLINA DA UNIDADE Ao discutirmos um pouco sobre a disciplina devemos deixar de lado todos os preconceitos relacionados com este assunto e pensar em disciplina como uma coisa própria de cada um, sendo uma questão de autodisciplina; que parte de dentro para fora, usando um método de Cristo que primeiro tocava o coração, e esse toque se tornava a diferença no comportamento exterior. “O objetivo da disciplina é ensinar a criança o governo de si mesma.” Educação pág. 287. Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira

91 }


“As regras demasiadas são tão ruins como a deficiência delas. O esforço para se quebrar a vontade de uma criança é um erro terrível.” Educação pág. 288. “Enquanto sob a autoridade, as crianças podem assemelhar-se a soldados bem disciplinados; falhando, porém, esse governo, notar-se-á a falta de força e firmeza no caráter, não tendo nunca aprendido a governar-se.” Educação pág. 288. Existem dois tipos de disciplina: Externa: Geralmente é a disciplina colocada por uma hierarquia organizacional, onde tem que ter uma pessoa visível, fiscalizando constantemente a conduta das pessoas. Um conjunto de regras por onde ela possa seguir. Como exemplo bíblico, pode-se citar os fariseus. “A contínua censura confunde, mas não reforma.” “Uma criança freqüentemente censurada por alguma falta especial, vem a considerar aquela falta como uma peculiaridade sua, ou alguma coisa contra que seria em vão esforçar-se. Assim se cria o desânimo e falta de esperança, muitas vezes ocultos sob a aparência de indiferença ou bravata”. Educação pág. 291. Interna: É a conscientização pessoal dos limites e instruções de benefícios à vida. Não importa quem está olhando, mas saber que um está observando tudo, Cristo. A pessoa está envolvida com o relacionamento individual com Cristo. “Eu faço porque isto é melhor para mim. Porque sou o melhor juvenil do mundo”. Quando se possui autodisciplina não importa o que os outros façam, o que eu estou fazendo e por que estou a fazer. Isto é levar o juvenil a ver a sua falta e em detrimento das regras por ele estabelecidas particularmente. “Esta é a obra mais delicada e mais difícil que se tem confiado os seres humanos. Exige o mais delicado tato, a maior susceptibilidade, conhecimento da natureza humana e, uma fé e paciência oriunda do céu... Os que desejam governar a outrem devem primeiramente governar-se a si mesmos.” Educação pág. 292. NA PRÁTICA Há várias maneiras de conseguir esta autodisciplina simplesmente estabelecendo princípios de conduta. Por exemplo: • Situação 1 – Toda Unidade em sentido. O Conselheiro dita todas as regras, os regulamentos e castigos. Todos entendem, mas poucos acreditam. • Situação 2 – Toda Unidade reunida. O Conselheiro diz que eles são os melhores juvenis do mundo e para ser a melhor Unidade do mundo são necessárias { 92

Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira


regras boas. Quais seriam as sugestões de vocês? “- Chegar pontualmente às reuniões”, dizem eles. O Conselheiro pode motivar dando grupos necessários de regras: presença, desafios, programação, requisitos etc. Para cada grupo eles ditam suas regras. Quais seriam os castigos para aqueles que quebrarem a lei? Quem vai quebrar as regras se tudo isso vem deles mesmos? Foram eles que estabeleceram, e quando sucedem assim eles colocam as leis mais difíceis possíveis. • No primeiro caso, se eles não aceitam o castigo, que opções temos? • No segundo caso, eles não vão quebrar as leis, porque o problema não é do Conselheiro verificar o castigo, todos já sabem qual o castigo, todos estão em conformidade; alguns amigos poderão procurar alguma saída para o colega; a culpa não foi dele, que amigos instigaram, e eles começaram a ver o resultado de quebrar as suas próprias leis e que eles mesmos refletem uma própria condição de comportamento. Aí temos a melhor Unidade do mundo, onde o caráter, o fortalecimento da vontade foi exercido. “Regras não foram feitas para serem quebradas.” Alguns níveis para obter êxito com a disciplina: • Sistema de Pontuação: Sem raiva, chama o garoto, mostra a ele que o seu comportamento não está de acordo com o que se espera de um Desbravador, mas pode melhorar da próxima vez. Vou tirar 5 pontos. • Retirar privilégios: Dentro da programação da Unidade diz-se para o Desbravador que a Unidade está saindo para uma atividade e que ele não pode ir porque há algum tempo esteve lhe pedindo melhoras no comportamento e até agora ele não está mostrando interesse nisso. • Tirar algum cargo: Não serve para todos. “Toda reunião você está mal, terá que me devolver àquela insígnia e tentar recuperar depois”. O Conselheiro tem que dar o cargo à outra pessoa que consiga realizar as atividades requeridas. • Comunicar aos pais: “Na próxima semana, a Unidade irá fazer uma caminhada até a cachoeira; mas, por gentileza, queridos pais, queremos que o “João” fique em casa neste dia e não nos acompanhe”. Explicar o motivo da disciplina de forma positiva para o bem do filho deles. Disciplinar é melhor que castigar. Também poderá dizer ao Desbravador: “Você ainda não é o melhor juvenil do mundo, vai ter que esperar que seu comportamento melhore, vai Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira

93 }


ter que ficar em casa”. Neste caso começa a doer, e o pai vai ficar curioso para saber o que está acontecendo, e vai procurar o líder, Conselheiro, e saber do comportamento de seu filho. • Pedir a retirada da Unidade: Mais sério neste caso. Depois da reunião com a Diretoria do Clube João vai embora, simplesmente. Deve-se conversar com o Desbravador sozinho, e mostrar que está se fechando a oportunidade de seguir no Clube, e fazê-lo entender isto. Neste momento, mostre sua ficha individual, o seu progresso, seus problemas... Depois vá até a casa de seus pais falar que ele não tem interesse nenhum em ser um Desbravador. “Acho que seria melhor que ficasse 3 meses em casa e depois se desejar voltar será recebido. Se ele mudar o comportamento, o Clube pode reconsiderar seu retorno”. Não estamos fechando a porta, mas a decisão é do menino e dos pais. Quando quebram as regras: 1) Faça com as crianças uma análise da situação e mostre que seu objetivo é ajudá-la. 2) Peça orientação a Deus e converse separadamente, se preciso converse novamente. 3) Confirme o fato antes de falar com a criança. 4) Não deixe para resolver depois. 5) Nunca ridicularize a criança, seja criativo ao corrigi-la. 6) Seja imparcial. 7) Chame a atenção da criança para ela mudar de atitude. 8) Privar do que eles mais gostam. 9) Critique o ato, não a criança, peça a avaliação da criança. 10) Não perca o autocontrole. 11) Não toque na criança, a não ser para dar os parabéns, elogiar, abraçar. 12) Ore para receber a sabedoria necessária para lidar com a situação apresentada e para você conquistar o seu domínio próprio. 13) Você vai observar durante a sua gestão que quando a Unidade está toda ocupada fazendo alguma coisa interessante (não parado apenas ouvindo) a disciplina é automática. { 94

Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira


CAPÍTULO 11 UNIFORMES

O Conselheiro da Unidade deve disciplinar o uso do uniforme e estabelecer uma tradição de uniformidade e de correção no uso do uniforme, sobretudo com o próprio exemplo e constante vigilância. O efeito que produz um uniforme mal vestido é desastroso, já que dá motivo para pensar que quem se veste assim é desorganizado e indisciplinado. A recomendação diz: “A boa apresentação do uniforme e a perfeição nos detalhes tem muito valor quanto ao desenvolvimento do amor próprio, e significa muito mais quanto à reputação da Unidade e do Clube entre aquelas pessoas que julgam somente pelo que vêem”. Não permita que seus Desbravadores vistam uniformes sujos, rasgados ou com má aparência, porque o verdadeiro Desbravador é limpo e cuida do uniforme. O Conselheiro deve prezar pela boa apresentação dos Desbravadores de sua Unidade. Para isso deve ter o Regulamento de Uniforme e marcar pontos que dizem respeito ao bom desempenho da Unidade. Composição do Uniforme Oficial: - Camisa Bege para os Desbravadores, e cor Branca para a Diretoria, com todos os emblemas e insígnias (nome do Clube, nome do Desbravador, emblemas de Classes, triângulo, globinho, divisas de Classes, tiras de cargo, distintivos de Classes, brasão do Campo); - Saia Verde Petróleo para as moças (com prega na frente); - Calça Verde Petróleo para os rapazes (estilo militar); - Cinto com fivela e emblema dos Desbravadores; - Boné Verde Petróleo com triângulo; Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira

95 }


- Lenço com canudo e emblema dos Desbravadores; - Sapato preto (de preferência de amarrar); - Meia preta para os rapazes; - Meia fina bege ou soquete branca para as meninas, se o clube padronizar. Para a Diretoria feminina, apenas meia fina bege; - Faixa de Especialidades; - Cordão e Apito (nas cores verde e/ou amarelo) somente para Diretoria e Instrutor de Ordem Unida. Constitui obrigação de todo membro do Clube zelar pelo uniforme e sua correta apresentação em público. Somente poderão ser usados uniformes atualizados e que estejam completos e em conformidade com o Regulamento. Os uniformes descritos no Regulamento constituem privilégio exclusivo dos Jovens Adventistas, Desbravadores, Aventureiros e Líderes em atividade. São privativos. Não é permitido alterar as características dos uniformes, nem sobrepor-lhes peça, artigo, insígnia, ou distintivos de qualquer natureza, particularmente os que caracterizem origem militar, turístico e/ou desportivo, estranhos ao Regulamento. Os membros do Clube, especialmente quando uniformizados, devem portar-se dignamente, dando um exemplo à altura dos princípios simbolizados no uniforme. O uniforme será usado nas seguintes ocasiões: • Nos desfiles e investiduras; • Nas campanhas evangelísticas e comunitárias; • Quando solicitado pela Diretoria; • Em outras atividades oficiais. Ocasiões em que o uniforme não poderá ser usado: • Antes de unir-se ao Clube através da cerimônia de admissão; • Quando empenhado em vendas para obter lucros pessoais de natureza comercial ou outros propósitos alheios aos interesses do Clube; • Em qualquer campanha que não seja comunitária; • Em qualquer tempo ou lugar em que seu uso produza um reflexo negativo e rebaixe a sua dignidade; { 96

Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira


• Quando estiver incompleto; • Em passeios particulares fora do interesse ou recomendação do Clube. Nenhum acampamento ou excursão deverá ser levado a efeito sem que o Clube esteja identificado visualmente. Os nomes Desbravadores e Aventureiros, e as insígnias, emblemas e distintivos são de propriedade exclusiva da Divisão Sul Americana da Igreja Adventista do Sétimo Dia (DSA). A criação de materiais, para fins comerciais, usando emblemas dos Desbravadores, Aventureiros e Jovens poderá ser realizada somente com a autorização da DSA. Nenhum material (camisetas, manuais, mochilas, etc.) poderá ser criado por Clubes, fabricantes ou Campos, com os emblemas oficiais (D1, D2, A1, L1, L2, L3). As exceções serão regulamentadas pela DAS. Criações especiais, usando emblemas do Ministério Jovem, autorizadas pela DSA, só poderão ser reproduzidas mediante sua autorização ou do fabricante originalmente autorizado. Deverão ser rigorosamente obedecidas as regras quanto a estética, medidas e distâncias entre emblemas, insígnias, tiras e distintivos, constantes do Regulamento. Faixa de Especialidades Cada Desbravador ou Líder poderá usar apenas uma faixa. Será usada somente em desfiles, cerimônias, eventos especiais e solenidades, por aqueles que tenham pelo menos uma insígnia de Especialidade. Serão colocados na faixa: - Insígnias das Especialidades alcançadas, agrupadas conforme a cor de fundo, encabeçadas pela insígnia de Mestrado (conforme a orientação do Manual de Especialidades). - Distinções honrosas outorgadas oficialmente ao Desbravador. - Distintivos de Classes Regulares e de Liderança. - Trunfo oficial de participação em Camporis e Congressos da DSA, União, Campo Local ou Camporis Regionais, usados na parte posterior. Trunfos comemorativos do Clube deverão ser aprovados pelo Campo local e, somente em casos excepcionais. - Distintivos das Classes de Aventureiros, concluídas e investidas na idade correspondente. Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira

97 }


- Distintivo da bandeira do país, em padrão oficial. - Distintivo de função na Unidade, na altura do bolso. - Tira com nome do Desbravador, na altura do bolso. Lenço Amarelo com Emblema D4 bordado ou serigrafado em azul. Deverá ser usado com uniforme oficial e de atividades. Quando necessário também poderá ser usado com outra roupa, desde que a mesma combine com os princípios dos Desbravadores e que a pessoa que o usa esteja envolvida em atividades do Clube. É a identificação mundial dos Desbravadores, por isso, somente o lenço oficial pode ser usado. Prendedor de lenço Será permitido às Unidades desenvolverem seus próprios prendedores para uso com o uniforme de atividades do Clube. Sapatos Pretos, baixos ou tênis pretos sem detalhes coloridos. Meias Para os rapazes meias pretas. Para as moças até 15 anos, meia fina, cor da pele ou meia soquete branca sem detalhes, desde que todo o Clube tenha o mesmo padrão. Após os 16 anos, somente meia fina cor da pele. Uniformes de atividades O uniforme de atividades é opcional. Sobre o uniforme de atividades deverá ser usado o lenço oficial. O Clube não poderá criar um lenço paralelo. Será definido conforme critério do Clube, aprovado pelo Campo local e submetido à Comissão da Igreja. O Clube só poderá confeccionar seu Uniforme de Atividades, após possuir os anteriores mencionados no Regulamento. Em razão de Lei Federal, não é permitido o uso de tecidos com padronagem camuflada de uso exclusivo do exército. Sua composição básica será: 1) Camiseta: Com identificação do Clube, do Campo e o emblema D3. 2) Calça ou Bermuda: De acordo com o critério da Igreja local. 3) Calçado: Tênis. 4) Cobertura: Na cor e modelo definido pelo Clube, com o emblema D3. Nesta cobertura poderão ser usados pins ou bottons. Maiores informações sobre os uniformes, confecção, modelos, cores, insígnias e elementos opcionais, deve ser consultado o Regulamento de Uniforme de Desbravadores da DSA. { 98

Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira


CAPÍTULO 12

DIFERENÇA ENTRE DIVERSÃO E RECREAÇÃO

Um Conselheiro de Desbravadores deve saber com clareza a diferença entre diversão e recreação. Recreação saudável constitui um aspecto vital do desenvolvimento dos Desbravadores, e muitos benefícios podem ser alcançados se o Clube oferecer recreação adequada e instrutiva para eles. O principal objetivo sempre deve ser prover alguma troca significativa e saudável de atividade, a qual seja capaz de conduzir a companheirismo, envolvimento salutar e estímulo intelectual. “A recreação, na verdadeira acepção do termo: recriação, tende a fortalecer e construir. Afastando-nos de nossos cuidados e ocupações usuais, proporciona descanso ao espírito e ao corpo, e assim nos habilita a voltar com novo vigor ao sério trabalho da vida” (Mensagens aos Jovens, p. 362). A diversão, por outro lado, é procurada como fonte exclusiva e egoísta de prazer, e muitas vezes é levada ao excesso; absorve as energias que seriam necessárias ao trabalho útil, e assim representa um obstáculo ao verdadeiro sucesso na vida “É privilégio e dever dos cristãos procurar refrigerar o espírito e revigorar o corpo mediante inocente recreação, com o intuito de empregar as energias físicas e mentais para glória de Deus” (Mensagens aos Jovens, p. 364). “Não se podem fazer os moços tão quietos como as pessoas de idade, nem a criança tão séria como o pai. Conquanto as diversões pecaminosas sejam condenadas, como devem ser. Provejam os pais, os mestres ou pessoas delas encarregadas, no lugar das mesmas, prazeres inocentes, que não mancham nem corrompem a moral. Não cinjais os jovens a rígidas exigências e restrições que os induzam a sentir-se oprimidos, e a infringi-las, precipitando-se em caminhos de loucura e destruição” (Conselhos aos Professores, Pais e Estudantes, pág. 355). Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira

99 }


Testes de Genuína Recreação: - Será que você é capaz de pedir a benção de Deus sobre a recreação que vai praticar? - Ela lhe aproxima de Deus ou rouba o desejo de orar? - Promove integridade e autocontrole? - Facilita a resistência à tentação? - Que influência ela terá sobre a saúde física e mental? - Prepara melhor para os deveres diários? - Têm a tendência de refinar, purificar, nos tornar virtuosos, ou contribui para o orgulho no vestuário, com a frivolidade ou vulgaridade? - Vale a pena gastar o tempo que ela requer? - Desenvolve a cortesia, a generosidade e mais respeito pelos outros, ou fere o auto-respeito das pessoas? - Estimula a bondade, ou conduz ao uso de força e brutalidade? Diversões Desaconselhadas a um Desbravador e Jovem Cristão: - Jogos nos quais acaba sendo envolvido dinheiro. - Jogos de cartas e outros jogos de azar. - Freqüência ao teatro e ópera. - Danças. - Eventos esportivos e competições comercializadas. - Televisão e vídeo com apresentações teatrais ou produções que não estejam de acordo com os padrões cristãos. Lembre-se que a batalha atual é exercida em relação à mente e quem conseguir controlá-la, também vai controlar toda a pessoa. Somos transformados pela contemplação. Muitas vezes isso ocorre de modo inconsciente e imperceptível, até que a pessoa passa a aceitar aquilo que uma vez rejeitava. A televisão modificou a forma de pensar das pessoas, e a Igreja Adventista do Sétimo Dia tem sido de forma especial afetada por ela. Temos de “cingir os lombos de entendimento”, conforme o Apóstolo Paulo admoestou. Enquanto perde o seu precioso tempo em brincadeiras e farras inúteis (diversão), só temos a ganhar quando resolvemos investir melhor nosso tempo em recreações { 100

Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira


úteis que nos levam a crescer, a atingir objetivos e metas altruístas. As atividades esportivas num ambiente de igreja e mesmo dentro do Clube de Desbravadores, tendem a tomar proporções indesejável quando a liderança não sabe estimulá-la corretamente. Aplicando um alto grau de competitividade e uma busca frenética e desesperada pelo primeiro lugar e sempre estimulando nos Desbravadores a idéia de que o mundo sempre é dos melhores, só conseguiremos formar uma geração de meninos e meninas frustrados por estarem sempre perdendo e alguns eternos orgulhosos por estarem sempre ganhando. É fundamental que os Conselheiros entendam que o Desbravador vem ao Clube com um objetivo primário, que é a participação. Participar é o segredo. O Desbravador que sai de casa vem ao Clube para participar e não ficar olhando os “melhores” sempre jogar. Ser um eterno excluído não é a vocação de Desbravador nenhum. Uma dica importante sobre esportes é a seguinte: Sempre dite as regras antes de começar as atividades esportivas. Não estou falando de regras de vôlei ou futebol. Essas eles já sabem de trás para frente. Estou falando de regras disciplinares. No Clube o simples pronunciar de um palavrão, mesmo que por descuido, deve excluir o Desbravador do jogo e isso é falado a todos antes do jogo, portanto os Desbravadores não podem alegar que não sabiam as regras. Uma postura firme intimida os candidatos a engraçadinhos e serve de alerta aos espertos. Muitos Conselheiros sabem o que fazer com relação a jogos e recreação quando se trata de domingos e dias de semana, porém quando a atividade é no sábado eles se perdem por completo. Para facilitar a vida dos Conselheiros o melhor é investir em jogos bíblicos, tais como: quartetos (da CPB) e jogos diferentes como o Jogo da Velha Bíblico e o Êxodus. Para enriquecimento dos Conselheiros, selecionamos algumas brincadeiras que podem ser realizados em um sábado à tarde: a. Brincadeiras Sabáticas 1) Formando a equipes para os jogos: brincadeira bíblica com objetivo de escolher o nome de cada equipe. Consiste em pedir que todos fiquem em pé, Bíblias no alto, em uma das mãos e ao apito cada equipe deve escolher o nome entre os muitos animais que estão escritos no livro de Jó. 2) Deixar vários saquinhos de plásticos com os dizeres do verso bíblico João 3:16, com as letras devidamente separadas uma a uma. Colocar em pontos estratégicos da sala, pedir para um de cada equipe encontrar e tão logo Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira

101 }


achem devem montar o quebra cabeça e dizer o que o verso significa para a equipe.

3. CONCURSO MUSICAL - QUAL É A MÚSICA ? Equipamentos - um aparelho de som / um piano / violão / ou flauta. O músico toca 3 ou 4 notas da música e a equipe tem que descobrir qual é a música e cantar uma parte dela. Total de 15 a 20 músicas. 4) Gincana - com rodízio - participa 1 juvenil de cada equipe em cada bateria e todos os membros da equipe brincam ao mesmo tempo - ganha a gincana a equipe que fizer maior número de pontos devidamente contabilizados após as entregas dos papéis para os professores. 5) Professor com perguntas da lição - 5 perguntas sobre a lição da semana respostas escritas. 6) Professor com caça palavras sobre os discípulos de Jesus - achar 3 nomes ou 3 minutos por juvenil. 7) Professor com perguntas sobre o tema - 5 perguntas sobre o tema de sábado de manhã - respostas escritas. 8) Professor com as seguintes palavras em mãos e a medida que ele falar as palavras os juvenis levantam a mão e cantam a primeira estrofe de alguma música de nossa igreja que tenha as palavras : amor, missionário, Deus, bom, achei, maravilhoso, rio, voltará, instante, vida, herdeiro, reino, tarefa, lar, etc. 9) Concurso de velocidade bíblica - ganha o juvenil que achar a passagem mais rapidamente: o juvenil que souber falar o salmo 23 decorado ganha os pontos para a equipe - se errar dá a vez para outro. 10) Caminhadas com perguntas bíblicas (para todos ao mesmo tempo). Todos em fileira e à medida que o professor fizer a pergunta quem souber dá um passo a frente e diz a resposta. Se a resposta for correta ele e a sua equipe avançam, se for errada todos dão um passo para trás. 11) Desafio máximo: todos terão 15 minutos para decorar os livros do Novo Testamento - os que conseguirem ganham prêmios (balas) e entre os que conseguiram decorar deverão ir para a final, falando todos os livros da bíblia decorados. { 102

Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira


b. Outras Brincadeiras ADIVINHAÇÕES Perguntas A: 1) Quem é filho da minha mãe e do meu pai, e não é meu irmão? 2) Quantos ovos você pode comer em uma manhã para desjejuar? 3) Qual é a primeira letra do alfabeto? 4) Qual é o animal que come com o rabo? 5) Uma vez eu vi um gato com um olho só. (Por quê?) Respostas: 1) Eu. 2) Apenas 1. 3) A 4) Todos. Porque não podem tirar o rabo para comer. 5) Porque tapei o outro Perguntas B O que o fósforo falou para o cigarro? Resposta: Por sua causa, perdi a cabeça. Qual é o fim da picada? Resposta: Quando o mosquito vai embora... O que o pára-quedas disse para o pára-quedista? Resposta: To contigo e NÃO ABRO... Qual a cor mais barulhenta? Resposta: A corneta... O que a minhoca falou pro minhoco? Resposta: Você minhoquece! O que o tijolo falou pro outro? Resposta: Há um ciumento entre nós. Qual é o bicho que anda com as patas? Resposta: O pato. O QUE É O QUE É? 1) Tico-tirico-tico. Não tem perna, não tem bico. Depois tico-tirico-tico já tem pernas, já tem bico. 2) Uma casinha branca, sem porta, nem tranca. 3) À meia hora se levanta o francês. Conta as horas, não conta o mês. Traz esporas, não é cavaleiro. Tem serra não é carpinteiro. Tem picão, não é pedreiro. Cava a terra, não ganha dinheiro. Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira

103 }


4) Sou filho de corso raso. Corro pouco, logo paro. Da terra faço amparo. 5) Quem vai pra lá, está com a barriga pra cá. Quando vem pra cá, está com a barriga pra lá. 6) O que é que é meu e os outros é que tratam? 7) Entre tábuas e tabuletas, existe uma dama fechada, faça sol ou chuva, ela está sempre molhada? 8) A primeira, Deus dá, a segunda, tem que comprar. 9) O que é que nasce esforçado e morre degolado? 10) Qual a mãe que antes de ser mãe, os filhos já tinham nascido? 11) Qual é o pai que nunca teve filhos? 12) Qual é a coisa que morre de pé? 13) Qual é a luz que nunca se apaga? 14) Qual é o carteiro que leva carta para a sua própria casa? 15) Qual a casa que temos e não podemos morar nela? 16) Qual é o animal que depois de morto muda de sexo 17) Qual é a coisa mais veloz do mundo? 18) Quais as pessoas que pregam sem ferramentas?

RESPOSTAS: Respostas: 01. O ovo e o pinto

02. O ovo

03. Galo

04. Tatuíra

05. Pernas

06. Nome

07. Língua

08. Dentição

09. Cacho de banana

10. Bananeira

11. O que só teve filhas 12. A vela

13. O sol

14. O pombo-correio

15. A casa do botão

16. O boi (carne de vaca)

17. O pensamento

18. O padre e o pastor

HISTÓRIAS 1. JOÃO 3:16 - É SHOW! Na cidade de São Paulo, numa noite fria e escura de inverno, próximo a uma { 104

Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira


esquina, por onde passavam várias pessoas, um garotinho vendia balas a fim de conseguir alguns trocados. Mas o frio estava intenso e as pessoas já não paravam mais quando ele as chamava. Sem conseguir vender mais nenhuma bala, ele sentou na escada em frente a uma loja e ficou observando o movimento das pessoas. Sem que ele percebesse, um policial se aproximou. - Está perdido, filho? O garoto meneou a cabeça e disse. - Só estou pensando onde vou passar a noite e... normalmente durmo em minha caixa de papelão, perto do correio, mas hoje o frio está terrível... O senhor sabe me dizer se há algum lugar onde eu possa passar esta noite? O policial mirou-o por uns instantes e coçou cabeça, pensativo. - Se você descer por esta rua, - disse ele apontando o polegar na direção de uma rua à esquerda - lá embaixo vai encontrar um casarão branco; chegando lá, bata na porta e quando atenderem apenas diga “João 3: 16”. Assim fez o garoto. Desceu a rua estreita e quando chegou de frente ao casarão branco, subiu os degraus da escada e bateu na porta. Quem atendeu foi uma mulher idosa, de feição bondosa. - João 3:16. - disse ele, sem entender direito. - Entre, meu filho. - A voz era meiga e agradável. Assim que ele entrou, foi conduzido por ela até a cozinha onde havia uma cadeira de balanço antiga, bem ao lado de um velho fogão de lenha aceso. - Sente-se, filho, e espere um instantinho, tá? O garoto se sentou e, enquanto observava a velha e bondosa mulher se afastar, pensou consigo mesmo: “João 3:16... Eu não entendo o que isso significa, mas sei que aquece a um garoto com frio”. Pouco tempo depois a mulher voltou. - Você está com fome? - perguntou ela. - Estou um pouquinho, sim... há dois dias não como nada e meu estômago já começa a roncar... A mulher então o levou até a sala de jantar, onde havia uma mesa repleta de comiGuia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira

105 }


da. Rapidamente o garoto sentou-se à mesa e começou a comer; comeu de tudo, até não agüentar mais. Então ele pensou consigo mesmo: “João 3:16... Eu não entendo o que isso significa, mas sei que mata a fome de um garoto faminto”. Depois a bondosa senhora o levou ao andar superior, onde se encontrava um quartinho com uma banheira cheia de água quente. O garoto só esperou que a mulher se afastasse e então rapidamente se despiu e tomou um belo banho, como há muito tempo não fazia. Enquanto esfregava a bucha pelo corpo pensou consigo mesmo: “João 3:16”... Eu não entendo o que isso significa, mas sei que torna limpo um garoto que há muito tempo estava sujo. Cerca de meia hora depois a velha e bondosa mulher voltou e levou o garoto até um quarto onde havia uma cama de madeira, antiga, mas grande e confortável. Ela o abraçou, deu-lhe um beijo na testa e, após deitá-lo na cama, desligou a luz e saiu. Ele se virou para o canto e ficou imóvel, observando a garoa que caía do outro lado do vidro da janela. E ali, confortável como nunca, ele pensou consigo mesmo: “João 3:16”... Eu não entendo o que isso significa, mas sei que dá repouso a um garoto cansado”. No outro dia, de manhã, a bondosa senhora preparou uma bela e farta mesa e o convidou para o café da manhã. Quando o garoto terminou de comer, ela o levou até a cadeira de balanço, próximo ao fogão de lenha. Depois seguiu até uma prateleira e apanhou um livro grande, de capa escura. Era uma Bíblia. Ela voltou, sentou-se numa outra cadeira, próximo ao garoto e olhou dentro dos olhos dele, de maneira doce e amigável. - Você entende João 3:16, filho? - Não, senhora... eu não entendo... A primeira vez que ouvi isso foi ontem à noite... um policial que falou... Ela concordou com a cabeça, abriu a Bíblia em João 3:16, começou a explicar sobre Jesus. E ali, aquecido junto ao velho fogão de lenha, o garoto entregou o coração e a vida a Jesus. E enquanto lágrimas de felicidade deixavam seus olhos e rolavam face abaixo, ele pensou consigo mesmo: “João 3:16”... ainda não entendo muito bem o que isso significa, mas agora sei que isso faz um garoto perdido se sentir realmente seguro”. Eu não entendo esse imenso amor que Jesus teve por nós, a ponto de ser cruci{ 106

Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira


ficado na cruz. Eu não entendo muito bem, mas estou certo que isso faz a vida valer a pena!!! “Porque Deus amou o mundo de tal maneira, que deu seu filho para que todo aquele que nele crê, não pereça, mas tenha a vida eterna (João 3:16)”.

2. A MOÇA E A BOLACHA Uma moça estava à espera de seu vôo na sala de embarque de um grande aeroporto. Como ela deveria esperar por muitas horas pelo seu vôo, resolveu comprar um livro para matar o tempo. Comprou também um pacote de bolachas. Sentou-se numa poltrona na sala VIP do aeroporto, para descansar e ler em paz. Ao seu lado sentou-se um homem. Quando ela pegou a primeira bolacha o homem também pegou uma. Ela se sentiu indignada, mas não disse nada. Apenas pensou: “Mas que cara de pau”! Se estivesse mais disposta, lhe daria um soco no olho para que nunca mais esquecesse!” A cada bolacha que ela pegava o homem também pegava uma. Aquilo a deixava tão indignada que não conseguia nem reagir. Quando restava apenas uma bolacha, ela pensou: “O que será que este abusado vai fazer agora?” Então, o homem dividiu a última bolacha ao meio, deixando a outra metade para ela. Ah, aquilo era demais! Ela estava bufando de raiva! Então pegou o seu livro e suas coisas e dirigiu-se ao local de embarque. Quando se sentou, confortavelmente, numa poltrona já no interior do avião, olhou dentro de sua bolsa para pegar uma bala e, pra sua surpresa, o pacote de bolachas estava lá, ainda intacto, fechadinho! Ela sentiu tanta vergonha!... Só então percebeu que a errada era ela, sempre tão distraída! Havia se esquecido que suas bolachas estavam guardadas dentro da bolsa. O homem havia dividido as bolachas dele sem se sentir indignado, nervoso ou revoltado, enquanto ela tinha ficado muito transtornada, pensando estar dividindo as dela com ele. Não havia mais tempo para se explicar, nem para pedir desculpas. Reflexão: Quantas vezes, em nossa vida, nós é que estamos comendo as bolachas dos outros e não temos consciência disto! Antes de concluir, observemos melhor! Talvez, as coisas não sejam exatamente como pensamos! Há quatro coisas na vida que não se recuperam: - a pedra, depois de atirada; - a palavra, depois de proferida; - a ocasião, depois de perdida; - e o tempo, depois de passado. Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira

107 }


3. OS CINCO MACACOS Um grupo de cientistas colocou cinco macacos numa jaula. No meio, uma escada e sobre ela um cacho de bananas. Quando um macaco subia na escada para pegar as bananas, os cientistas jogavam um jato de água fria nos que estavam no chão. Depois de certo tempo, quando um macaco ia subir a escada, os outros o pegavam e enchiam de pancadas. Com mais algum tempo, nenhum macaco subia mais a escada, apesar da tentação das bananas. Então, os cientistas substituíram um dos macacos por um novo. A primeira coisa que ele fez foi subir a escada, dela sendo retirado pelos outros, que o surraram. Depois de algumas surras, o novo integrante do grupo não subia mais a escada. Um segundo macaco foi substituído e o mesmo ocorreu, tendo o primeiro substituto participado com entusiasmo na surra ao novato. Um terceiro foi trocado e o mesmo ocorreu. Um quarto, e afinal, o último dos veteranos foi substituído. Os cientistas então ficaram com um grupo de cinco macacos que, mesmo nunca tendo tomado um banho frio, continuavam batendo naquele que tentasse pegar as bananas. Se fosse possível perguntar a algum deles porque eles batiam em quem tentasse subir a escada, com certeza a resposta seria: “Não sei, mas as coisas sempre foram assim por aqui”. MORAL DA HISTÓRIA: Assim é na vida. Muitas vezes fazemos alguma coisa errada por achar que isso é normal, ou porque outras pessoas também o fazem. Mas nem sempre paramos para refletir sobre as conseqüências daquilo que fazemos.

C. DINÂMICAS 1. FORÇA DA UNIÃO Formar um círculo entre os participantes e dar um rolo de barbante (grosso) para um deles. Pedir para que jogue o rolo para qualquer outro dos participantes, segurando a ponta do barbante. O que recebeu o rolo, segura o barbante, ficando ligado ao antecessor, e joga o rolo para outro participante e assim por diante, até que o último participante esteja interligado. Quando o participante for jogar o rolo de barbante, terá que pronunciar seu nome (alto e claro) para que os outros o conheça. Neste momento, o coordenador coloca a importância de estarmos todos unidos durante o curso, palestra, evento, etc., e que por algum motivo nos identificamos com as pessoas para quem jogamos o rolo de barbante. { 108

Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira


Portanto a pessoa que jogou o rolo será o amigo conhecido (e não secreto) da pessoa quem jogou o rolo, e procurará durante o período do evento conhecê-lo melhor e ajudá-lo em todas necessidades. Esse por sua vez, cuidará de outro, e assim sucessivamente todos cuidarão de uma pessoa e serão cuidados por outras pessoas. Esta dinâmica pode ser realizada no inicio do ano para ser válida durante todas as atividades do capítulo durante aquele ano.

2. ESTÓRIA DO JOGO DOS ABRAÇOS OBJETIVO: Promover a integração dos indivíduos no grupo. Promover a confraternização entre o grupo.

INSTRUÇÕES: O Facilitador deve solicitar que todas as cadeiras sejam encostadas na parede, de forma a desocupar o espaço da sala. O jogo também pode ser realizado em espaço aberto, fora da sala de treinamento. Solicitar aos participantes que fiquem todos de pé, próximos uns dos outros. Deve ser dada as instruções: Vou ler uma história para vocês. Durante a leitura vocês deverão andar descontraidamente pela sala e dramatizar a estória que estou lendo. Trabalhem no completo improviso. Todas as vezes que eu disser um número, vocês formem subgrupos com o número de pessoas igual àquele que eu enunciar. Esses subgrupos, logo após se desfazem e todos os elementos voltam a caminhar descontraidamente até o próximo número ser enunciado. Isso até o final da história. O facilitador deve ler a história pausadamente e fora do grupo. No final, o próprio texto sinaliza quando o facilitador deve começar a participar do grupo.

HISTÓRIA: É domingo! O sol invade a cidade! Dia propício para um passeio junto à natureza. Mas, aonde ir? Resolvemos ir ao Zoológico, onde estaríamos bem próximo à ela. O primeiro local que visitamos foi a jaula dos leões. 3 leões estavam famintos e agitados, debatendo-se contra as grades. Continuamos o passeio e chegamos ao lago, onde 5 rinocerontes banhavam-se gostosamente. No lago maior, encontramos 7 patos, mais adiante 4 marrecos e a um canto do lago 9 cisnes deslizavam nas águas limpas e claras. 3 crianças passaram Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira

109 }


por nós chorando, com medo dos berros de 5 elefantes, que estavam irrequietos com o burburinho que os visitantes causavam. De repente, todas as crianças choravam sem saber por que. Começou a trovejar e 4 relâmpagos se seguiram. Todos correram para o meio do zoológico para se proteger da chuva (o Facilitador deve entrar agora no jogo). Todos ficaram bem juntinhos, até que a chuva passasse. O céu ficou azul e o sol apareceu. Todos se abraçaram e se despediram depois daquele gostoso passeio de domingo. Ao final, o facilitador abre para comentários gerais. Neste Jogo, não há propriamente uma discussão do conteúdo da história, mas sobre a vivência em si, nesta medida o Facilitador pode jogar questões como: a) Como cada um se sentiu no jogo? b) A vivência foi boa, gostosa? Por quê?

3. BALÕES COLORIDOS OBJETIVO: Propiciar um primeiro contato e entrosamento das pessoas que fazem parte do grupo com o qual irá se trabalhar. INSTRUÇÕES: Distribua um balão vazio e um pedaço pequeno de papel em branco (mais ou menos do tamanho de um cartão). Solicite que as pessoas escrevam três características pessoais no papel, que acham que a partir delas o grupo possa identificá-las. Em seguida todos deverão dobrar o papel e colocá-lo no balão. Cada um deve encher seu balão e quando todos estiverem cheios, os participantes devem jogar os balões um ao outro, aleatoriamente, durante cinco minutos. Após, o Instrutor deve dar o sinal de parada, a neste momento, cada um deve pegar uma “bexiga” (a que estiver em sua frente) e estourar. Cada participante deve ler o papel que estava no balão, procurar a pessoa que o escreveu e se apresentar a ela; DISCUSSÃO: Quais as dificuldades encontradas para localizar a outra pessoa? Que tipo de características pessoais são mais fáceis de identificar? CUIDADOS / DICAS: Neste jogo o coordenador pode atuar como participante para ampliar este primeiro contato. Caso alguém do grupo não consiga identificar a pessoa indicada no papel, as demais pessoas do grupo deverão ajudá-la no momento da discussão da técnica. { 110

Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira


MATERIAL NECESSÁRIO: Balões, pedaços de papel e canetas. d. MÚSICAS Musicas para acampamento, caminhadas, fogueiras e sociais Frases musicadas repetidas em caminhada: Conselheiro, Conselheiro (meninos repetem) O Capitão quer falar (repetem) A Unidade está pronta (repetem) Todos querem acampar Quem estar à frente, Cuidado deve ter Mamãe gosta de mim E papai quer me rever. Diretor, Diretor As meninas não agüentam não! Que fazer com as molengas Que tem o coração na mão? Diretor, Diretor Somos charmosas, Somos valentes, Os meninos que reclamam Estão cansados e são doentes. Ô, ô. Ô, ê Ô, ô. Ô, ê. Quem chegar por último O almoço vai perder. Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira

111 }


SOMOS ACAMPANTES Somos acampantes, acampantes Que amam ao Senhor, pan-ram-pan-pan Sim, acampantes, acampantes Que amam ao Senhor. Usamos a Bíblia todo dia e oração com alegria Vamos parar, vamos negar? Nunca! Com a certeza e a firmeza Vamos sem temor, pan-ram-pan-pan Sim, acampantes, acampantes Que amam ao Senhor. QUE AMAM AO SENHOR.... REI! SOU ACAMPANTE Sou acampante (sou acampante) de coração (de coração) E acamparei (e acamparei) com emoção (emoção) Todos: Sou acampante de coração E acamparei com emoção Ao monte irei, (ao monte irei) o escalarei (o escalarei) É nós darei, ( e nós darei) com precisão (com precisão). Ao monte irei, o escalarei É nós darei, com precisão Ao lago irei, (ao lago irei) me banharei (me banharei) E nadarei (e nadarei) como um salmão (como um salmão) Todos: Ao lago irei, me banharei. E nadarei como um salmão. Eu orarei, (eu orarei), E louvarei ( e louvarei) A Deus darei (a Deus darei) meu coração (meu coração) Eu orarei,E louvarei A Deus darei meu coração. { 112

Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira


CAPÍTULO 13 ORDEM UNIDA

Este Guia do Conselheiro não pretende exaurir o assunto de Ordem Unida. Abordaremos alguns pontos relevantes e genéricos deste assunto. Queremos incentivar para que os Conselheiros possam buscar mais informações sobre este tema. 1. OBJETIVO DA ORDEM UNIDA a) Proporcionar aos Desbravadores e clubes os meios de se apresentarem e a se deslocarem em perfeita ordem, em todas as circunstâncias. b) Primar pela disciplina. c) Desenvolver o sentimento de coesão e os reflexos de obediência que são fatores predominantes na formação do Desbravador. d) Permitir que o Clube de Desbravadores apresente-se em público de forma organizada e atrativa. e) Promover uma atividade de recreação sadia e que contribua no desenvolvimento da coordenação motora. f) Demonstrar que as atitudes devem subordinar-se a missão do conjunto e a tarefa do grupo. 2. COMO COMANDAR É exigido de quem comanda postura, pois, dela depende a execução de seus comandos. a) Sempre comandar na posição de sentido para impor mais respeito na Ordem Unida. b) Executar juntamente com o Clube os comandos para que os Desbravadores possam ver no seu instrutor, alguém que conhece o que está falando. Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira

113 }


c) Quando a pé firme, comandar o clube sempre a frente ou ao lado, afim de que os Desbravadores possam ver seu instrutor e escutá-lo com maior clareza. d) Quando em deslocamento, acompanhar a 1/3 à retaguarda do grupo (Ex: Havendo 10 fileiras o Instrutor ficará entre a 6ª ou 7ª fileira) para observar o máximo do pessoal. e) Dar com energia os comandos e sempre ser o exemplo, pois, o grupo é o espelho do guia. f) Quando for passar o comando para outro, fazer com que o grupo fique de frente para o mesmo, para que o Desbravador saiba quem estará no comando a partir da apresentação. g) Explicar em minúcias, cada posição ou movimento, executando-o ao mesmo tempo. Em seguida, determinar a execução dos movimentos sem ajudá-los, somente tocando para corrigir aqueles que são incapazes de fazê-lo por si mesmos; h) Evitar conservar os Desbravadores por muito tempo em uma só posição ou na execução de movimentos. i) Fazer com que aprendam cada movimento antes de passar para o seguinte. j) Imprimir gradualmente a devida precisão e uniformidade dos movimentos e comandos. k) À medida que a instrução avançar, agrupar os elementos segundo o grau de adiantamento. Os que mostrarem pouca aptidão ou retardo na execução, deverão ficar sob a direção dos melhores Instrutores. l) Não ridicularizar ou tratar com aspereza os que se mostrarem deficientes ou revelarem pouca habilidade. Não somos militares. Somos Desbravadores.

3. TERMINOLOGIA: Segue abaixo algumas nomenclaturas básicas: • Coluna: É a disposição de um Clube, cujos elementos estão atrás um do outro, quais quer que sejam suas formações e distâncias. • Coluna por um: É a formação de um Clube em que os elementos são colocados um atrás do outro, seguidamente e guardando entre si a distância regulamentar. Conforme número citado para as colunas, tem-se as formações: Coluna por 2, Coluna por 3, etc. { 114

Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira


• Distância: É o espaço entre dois elementos, colocados um atrás do outro e voltados para mesma frente. Entre duas Unidades a distância se mede em metros e passos, contados do último elemento da Unidade da frente ao primeiro da imediata. O espaço compreendido entre duas pessoas na posição de sentido é medida pelo braço estendido, pontas dos dedos tocandoo ombro ou mochila do companheiro da frente. • Intervalo: É o espaço entre dois elementos, colocados um ao lado do outro e voltados para mesma frente. O intervalo compreendido entre duas pessoas na posição de sentido é medida pelo braço estendido, pontas dos dedos tocando o ombro do companheiro do lado. • Intervalo Reduzido: É o espaço entre dois elementos, colocados um ao lado do outro e voltados para mesma frente, medido pelo braço dobrado na cintura, cotovelo tocando a cintura do companheiro do lado. • Fileira: É a formação em que os elementos estão colocados na mesma linha um ao lado do outro, tendo a frente voltada para o mesmo ponto afastado. • Linha: É a disposição de uma tropa cujos elementos estão dispostos um ao lado do outro. • Alinhamento: É a disposição de vários elementos ou Unidades, colocadas um ao lado do outro sobre uma linha reta voltada para a mesma direção. • Homem Base: É o elemento pelo qual um Clube regula sua marcha, cobertura e alinhamento. Em coluna, o elemento base geralmente é a Testa da fila base e quando não houver especificações a base será a direita. • Formação: É a disposição regular dos elementos de um Clube em linha reta ou colunas. • Cauda: É o último Desbravador de uma coluna (é o menor Desbravador ou o Conselheiro). • Profundidade: É o espaço compreendido entre a testa e a cauda de qualquer formação.

4. COMANDOS E MEIOS DE COMANDOS Na ordem unida, para transmitir a vontade ao Clube, o Instrutor emprega os seguintes meios: VOZ, GESTOS, CORNETA e APITO. Vamos apresentar aqui apenas o meio de comando por VOZ. Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira

115 }


Voz de Comando: É a maneira padronizada, pela qual o Conselheiro exprime a sua vontade. Na Ordem Unida, a voz de comando consta geralmente de: a) Voz de advertência: é um alerta que se dá a Unidade. Ex. Grupamento ou Desbravadores; b) Comando propriamente dito: tem por finalidade indicar o movimento a ser realizado. Ex. Direita! o comando propriamente dito, a princípio deve ser longo; c) Voz de execução: tem por finalidade determinar o exato momento em que o movimento deve começar ou cessar, a voz de comando deve ser curta, viva, enérgica e segura. Ex. Marche ou Volver (indica o início da execução do movimento). •

A voz de comando deverá ser clara, enérgica e de intensidade proporcional ao tamanho da Unidade.

Uma voz de comando dada com indiferença só poderá ter como resultado uma execução displicente.

Para dar uma voz de comando, o Conselheiro deverá voltar a frente para a Unidade.

a. COMANDOS: Sentido: Voz de comando: “Sentido”. Deve o Desbravador unir os calcanhares com firmeza, ficando cerca de 20cm de abertura, nas pontas dos pés, as mãos colocadas a coxa procurando deixar o dedo médio sempre na costura da calça, os braços nem muito esticados, nem muito encolhidos, em um meio termo onde o Desbravador se sinta confortável, com os dedos unidos. Sentido “com Bandeirim” – Nesta posição, o Bandeirim ficará na vertical, ao lado do corpo e encostado à perna direita, a ponta contrária do tecido do Bandeirim ficará no solo junto ao pé direito, pelo lado de fora. Os braços deverão estar ligeiramente curvos, de modo que os cotovelos fiquem na mesma altura. A mão direita segurará o Bandeirim com o polegar por trás, os demais dedos unidos e distendidos à frente. A mão esquerda e os calcanhares ficarão como na posição de “SENTIDO”. Para tomar a posição de “SENTIDO” o Desbravador unirá os calcanhares com energia, ao mesmo tempo em que, afastando a mão esquerda, a colará à coxa, com uma batida. Descansar: Voz de comando: “Descansar”. O Desbravador sobre a planta do pé { 116

Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira


direito e ao mesmo tempo coloca as mãos para traz, a mão esquerda segura o punho direito, na altura da cintura não deixando a posição dos braços relaxada, mas bem firme para que o Desbravador não canse tanto. A perna esquerda deve se projetar para a esquerda com energia. Importante: depois da execução não pode mexer-se. Descansar “com Bandeirim” – Para tomar esta posição, o Desbravador deslocará o pé esquerdo cerca de 30 centímetros para a esquerda, ficando as pernas distendidas. A mão direita segurará o Bandeirim fechando-a e mantendo o mastro dentro dela, porém deve se inclinar a parte superior do Bandeirim para frente do corpo e manter a base que está ao solo junto ao pé direito pelo lado de fora. A mão esquerda ficará caída naturalmente, ao lado do corpo, com o seu dorso voltado para frente. Cobrir: Voz de comando: “Cobrir”. Parte sempre da posição de “Sentido”. Elevase o braço esquerdo para cobrir e alinhar, sem tocar o companheiro da frente, cuidando sempre o alinhamento pela direita. No cobrir se olha na nuca do companheiro da frente para se ter uma melhor cobertura. Firme: Voz de comando: “Firme”. Parte da posição de “cobrir” descendo o braço e batendo a mão à coxa com energia. Não usar “sentido” na posição de “cobrir”, mas somente “firme”. A vontade: Voz de comando: “A vontade”. Esta voz de comando é dada a partir da posição de descansar, na qual o Desbravador poderá, como diz o comando, ficar a vontade. Porém, não é permitido que o mesmo saia de sua posição. Esquerda/direita volver: Voz de comando: “Esquerda/direita volver”. Parte da posição de sentido ao comando dado gira-se 90º ao lado comandado, se para direita deve-se erguer a ponta do pé direito e erguer o calcanhar esquerdo girando os dois simultaneamente, se para esquerda deve se erguer a ponta do pé esquerdo e erguer o calcanhar direito girando os dois simultaneamente. Meia volta volver: Voz de comando: “Meia volta volver”. Mesmo procedimento de o esquerda volver, mas gira 180º, erguendo a ponta do pé esquerdo e erguendo o calcanhar direito girando os dois simultaneamente. Última forma: Voz de comando: “Última forma”. Este comando é dado quando o Instrutor decide alterar o comando ou se engana no comando a ser dado. (ex.: o Instrutor gostaria de dar esquerda volver, mas deu direita volver, então ele fala ultima forma e diz esquerda volver). Só poderá ser dado este comando se não for dado a voz de execução. Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira

117 }


Sem cadência marche: é o passo executado na amplitude que convém ao desbravador, de acordo com a sua conformação física e com o terreno. No passo sem cadência, o desbravador é obrigado a conservar a atitude correta, a distância e o alinhamento. Ordinário Marche: Rompendo ao comando de “ORDINÁRIO MARCHE!”, o Desbravador levará o pé esquerdo à frente, com a perna naturalmente distendida, batendo no solo toda a planta do pé, com energia, levará também à frente o braço direito, até a altura do umbigo, com a mão espalmada (dedos unidos) e no prolongamento do antebraço, simultaneamente, elevará o calcanhar direito, fazendo o peso do corpo recair sobre o pé esquerdo e projetará para trás o braço esquerdo, distendido, mão espalmada e no prolongamento do antebraço. Levará em seguida, o pé direito à frente, perna distendida naturalmente, batendo fortemente com a planta do pé no solo, ao mesmo tempo em que inverterá a posição dos braços. Alto: Voz de comando: “Alto”. Este comando é dado no pé esquerdo e em marcha ou acelerado. Na marcha conta-se 3 passos começando a contar no pé direito e parando na posição de sentido com o mesmo pé. Marcar passo: Voz de comando: “Marcar passo”. Esta voz é dada geralmente antes de começar a marcha para que o Clube acerte a cadência, podendo ser dado enquanto está “marchando” ou ainda no comando de “acelerado” ou “correndo”. No caso de marcha o Desbravador deve dar um alto mais seguir marchando no mesmo lugar (bate-se as mãos a coxa quando se faz o alto). No caso do correndo ou acelerado o Desbravador também faz como se fosse o alto ficando correndo no mesmo lugar. Saudação MARANATA: Amar, Anunciar, Apressar e Aguardar a volta de Cristo. Ao comando de “MARANATA. O desbravador deverá responder vividamente ‘O SENHOR LOGO VEM” se posicionar com os quatro dedos da mão direita esticados e o dedão curvado na palma da mão voltada para frente, o braço deverá ficar ao lado do corpo na posição vertical, e o antebraço totalmente flexionado, os calcanhares unidos, pontas dos pés voltadas para fora, de modo que formem um ângulo de aproximadamente 60 graus. O corpo levemente inclinado para frente com o peso distribuído igualmente sobre os calcanhares e as plantas dos pés, e os joelhos naturalmente distendidos. O busto aprumado, com o peito saliente, ombros na mesma altura e um pouco para trás, sem esforço. Esta posição também é usada para que o desbravador possa apresentar sua unidade ou o clube. É a mesma posição para o voto do desbravador e voto a bíblia e passagens de comando. Ao fim da “Saudação { 118

Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira


MARANATA” será dado o comando “DESCANSAR POSIÇÃO” permanecendo na posição de sentido. Passagem de comando: será realizado na posição MARANATA. Quem detém o comando da unidade ou clube deverá apresentar-se a frente de quem receberá o comando do mesmo e realizará a saudação MARANATA, permanecendo nessa posição ao se identificar dando as informações de seu cargo e nome, apresentando o grupamento (clube ou unidade) em forma, com alteração (quando estiver faltando alguém da unida ou clube) ou sem alteração, voltando a posição de “sentido”. Exemplo: “ MARANATA! INSTRUTOR JOSÉ, APRESENTANDO CLUBE LUA MINGUANTE EM FORMA SEM ALTERAÇÃO” Ao receber o comando, o detentor do comando realizará a saudação MARANATA e falará “APRESENTADO, PODE COMANDAR DESCANSAR”, a esse comando quem detinha o comando realiza meia volta volver e rompe marcha com o pé esquerdo e dá o comando de “descansar ao grupamento (clube ou unidade). Voto do Desbravador: Voz de comando: “PARA O VOTO, POSIÇÃO”. O desbravador deverá se posicionar na posição MARANATA. Este comando deverá ser dado antes de recitar o voto, partindo da posição de sentido. Ao fim do voto será dado o comando “DESCANSAR POSIÇÃO” permanecendo na posição de sentido. Voto á bíblia: Voz de comando, “PARA O VOTO Á BÍBLIA POSIÇÃO”.Os desbravadores tomarão a “posição MARANATA. Este comando deverá ser dado antes de recitar o voto, partindo da posição de sentido, SE OS DESBRAVADORES ESTIVEREM em posição de “DESCANSAR” deverá primeiro se dar o comando de “SENTIDO” e após dar o comando de “PARA O VOTO Á BÍBLIA POSIÇÃO”. Ao fim do voto será dado o comando DESCANSAR POSIÇÃO” permanecendo na posição de sentido. Fora de forma: Voz de comando, FORA DE FORMA MARCHE! Neste comando o desbravador rompe a marcha com energia e sai de forma (quando em descansar toma a posição de sentido primeiro). Com o brado de guerra do Clube, for de forma marche: Voz de comando, COM O BRADO DE GUERRA DO CLUBE, FORA DE FORMA MARCHE! Neste comando o desbravador rompe a marcha com energia e sai de forma falando alto o nome de seu clube (quando em descansar toma a posição de sentido primeiro). Apresentação com o Bandeirim: Partindo da posição de sentido, o Capitão de Unidade erguerá um pouquinho o Bandeirim com a mão direita e dirá “MARANATA”, saudando o Desbravador que está recebendo a apresentação, que responderá ”O Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira

119 }


SENHOR LOGO VEM”, trazendo a mão direita com a palma da mão voltada para a frente, a altura da orelha direita, dedos colados e ainda com o polegar dobrado sob a palma da mão, seguindo as demais instruções acima. Passos em Frente: Poderão ser executados ao comando de “... (um, três, cinco, ...) PASSOS EM FRENTE!, MARCHE!”. O número de passos será sempre ímpar. À voz de “MARCHE!”, o Desbravador romperá a marcha no passo ordinário, dando tantos passos quantos tenham sido determinados e fará a parada batendo a mão espalmada na lateral da perna, sem que para isso seja necessário novo comando.

5. ORDEM UNIDA NA IGREJA A igreja é a casa de oração, e repetimos na lei: andar com reverencia na casa de Deus. No Dia mundial dos Desbravadores, ou em qualquer programação que o Clube faça, deve-se respeitar este princípio. Voz de comando e marcha dentro da igreja não devem acontecer. Voz de comando, marcha com cadência ou vivacidade dentro da igreja, nos tiram o direito de se referir á reverência na casa de Deus e que Ele seja o único exaltado. Os comandos devem ser dados com “voz branda” ou por gestos, somente para se ter idéia de quando executar: entradas, saídas, sentido, ideais e outros. Deve-se apenas executar “passos sincronizados”, com perfeição, zelo, reverente e ordenadamente. O clube pode usar sua criatividade ao executar evoluções, mas sem ferir a ordem, decência e reverência que são devidas ao nosso Deus. Quanto ao uso das bandeiras: nacional, estadual, municipal e outras oficiais; e também sobre a execução do Hino Nacional, é entendimento da Organização Mundial da Igreja Adventista, que não há nada que desabone essas condutas de civismo, desde que se faça com ordem, reverência e moderação cristã. É importante destacar que, existe um órgão hierárquico maior dentro da igreja local – a Comissão da Igreja, e que a decisão tomada pela maioria de seus votos deve ser respeitada por todos os Departamentos, Diretorias e membros. No caso do voto da Comissão ser desfavorável a essas demonstrações de civismo, a Diretoria do Clube deverá acatar, restando-lhe o direito de oportunamente apresentar ampla pesquisa bíblica e doutrinária sobre o assunto, na tentativa de formar novas opiniões sobre o tema, ou realizar tais cerimônias em outros locais especiais que não seja o Templo de Deus.

6. ORDEM NA UNIDADE • Primeiro: O Capitão. { 120

Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira


• Segundo: O Secretário com material que o seu cargo requer. • Terceiro: Os membros da Unidade. Do menor ao maior. • Quarto: O Conselheiro da Unidade. • Quinto: A diretiva e/ou convidados especiais, isto só quando o Diretor o indique.

7. HIERARQUIA NA APRESENTAÇÃO DO CLUBE Hierarquia nas Unidades – É um processo de disciplina, aplicado dentro dos Clubes de Desbravadores, no qual o cargo de menor grau hierárquico está subordinado ao de maior grau hierárquico. Nas Unidades a chefia é do Capitão, seguido do Secretário. O Conselheiro orienta e aconselha, mas quem responde pela Unidade é o Capitão. É ele quem segura o Bandeirim, e na sua ausência quem assume o Bandeirim da Unidade é o Secretário. Quando o Capitão apresentar a Unidade, todos os Desbravadores e o Conselheiro devem colaborar e responder todos os comandos deste. Quando o Capitão sair de forma para apresentar a Unidade, o seu lugar deve permanecer vago até o seu retorno, salvo se ele não for voltar, aí deverá ser ocupado pelo próximo da Unidade. O Diretor Associado deve receber as apresentações das Unidades masculinas, e a Diretora Associada recebe as apresentações das Unidades femininas. Ao recebêlas deverão apresentar ao Diretor do Clube. Nunca tome o comando de qualquer subordinado hierárquico, antes, o correto é pedir para que ele lhe passe o comando. Os Conselheiros estão diretamente subordinados aos Diretores Associados. Posição das Unidades - As Unidades masculinas posicionam do lado direito das Unidades Femininas. Dentro desta divisão, tanto as masculinas quanto as femininas devem se organizar da seguinte maneira: - Por classes (Amigo, Companheiro, Pesquisador, Pioneiro, Excursionista e Guia.), ficando as classes maiores na extrema direita; ou - Por ordem alfabética dos nomes das Unidades. Posição da Diretoria – Os membros da Diretoria (Capelão, Secretário, Tesoureiro e Instrutores), devem ficar perfilados a esquerda das unidades, entre a testa e os Diretores Associados. Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira

121 }


CAPÍTULO 14 ACAMPAMENTO

A cada ano, muitos jovens e juvenis acampam, e este número cresce dia a dia. Pais e educadores estão vendo o valor da experiência campestre nas vidas das crianças, no desenvolvimento do corpo, mente e alma sã. Como nossos juvenis cada vez mais moram na cidade, afastados das realidades naturais, a aventura de acampar é importante e deve ser incluído no programa anual dos Desbravadores. Acampamentos em fins de semana, excursões, estudo da natureza, oportunidades variadas que incluem lições valiosas na arte de relacionamento uns com os outros. Viver um tempo ao ar livre engrandece o potencial espiritual e edifica os valores morais do caráter. A arte de acampar oferece oportunidades para desenvolver os processos democráticos no grupo, aplicação prática da natureza, constrói autoconfiança, autodisciplina, desembaraço e respeito por outros. Além de tudo isso, os Desbravadores gostam demais. Então o acampamento com estes múltiplos requisitos e aspectos, deve ser parte integrante da programação anual. No cronograma do Clube, normalmente temos dois ou três acampamentos marcados por ano. Isto não impede de cada Unidade definir uma data e ter o seu próprio acampamento. Isto vai fortalecer a Unidade e vai criar um ambiente de aprendizado e desenvolvimento. Para que isto ocorra, é necessário ter a autorização do Diretor do Clube e o procedimento para o acampamento deve passar por todos os estágios: planejamento detalhado e por escrito, autorização dos pais, autorização da Comissão da Igreja, etc. Acampamento é recomendado para os seguintes resultados: a) Ajudar ao jovem sentir a aproximação de Deus e conhecê-lo por meio da Sua criação. Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira

123 }


b) Desenvolver o “sentir-se em casa” ao ar livre. c) Ensinar autoconfiança. d) Desenvolver músculos fortes. e) Preparar para os tempos finais. f) Desenvolver novas aventuras na convivência cristã. g) Ensinar habilidades de acampar. h) Praticar sobrevivência com um mínimo de equipamento. i) Providenciar o gozo de realização ao conquistar os elementos da natureza. j) Ensinar os fundamentos de conservação. k) Providenciar atividades em que Líderes e Desbravadores encontrem boa camaradagem.

1. O QUE SIGNIFICA A PALAVRA ACAMPAMENTO? Dependendo para que grupo você queira se referir, o significado é diferente, como: - Para as pessoas em geral: recreação, jogos, brincadeiras, descanso, silencio, ar puro etc; - Para as Igrejas ou grupos religiosos: reflexão, meditação, sentir-se parte da natureza, procura interna para melhorar...; - Militares: sobrevivência, disciplina, resistência para a adversidade; - Desbravadores: novas experiências, disciplina, aprendizado, respeito à natureza, etc. Alguns benefícios sociais do acampamento na vida dos Desbravadores: a) Conhecer-se: amizade e companheirismo. b) Aprender novas habilidades: Especialidades. c) Independência: a criança precisa resolver algumas situações longe dos pais. d) Liderança: nos acampamentos descobrimos os líderes naturais. e) Contemplação: o convívio com a natureza dá a percepção da grandiosidade de Deus. f) Recreação: correr, nadar etc { 124

Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira


O acampamento traz benefícios espirituais: • Dedicação a Cristo: qualquer que seja o nosso trabalho devemos ter isto em vista. Acampamento deve proporcionar uma atmosfera de maior comunhão com Deus: a tranqüilidade, os pássaros, o pôr-do-sol, longe do barulho da cidade. • Demonstração prática da observação do sábado: a)

Por do sol: início e fim.

b)

Escola sabatina em pequenos grupos.

c)

Estudo da natureza.

d)

Atividades diferenciadas.

• Potencial evangelístico: O auditório está o dia todo conosco. No momento em que começa o acampamento, começa o evangelismo. Apele para o batismo. • Desenvolvimento físico: a)

Saúde: exercício, descanso, aulas sobre saúde, refeições.

b)

Atividades ao ar livre: jogos, gincanas, eventos, tomar banho no lago, rio etc.

2. PREPARAÇÃO DO ACAMPAMENTO Um Desbravador que não participa de viver feliz e confortável nos campos e florestas, perderá muito das aventuras do que é ser um Desbravador. E, dificilmente uma Unidade de Desbravadores é uma verdadeira Unidade se não sai tantas vezes quantas puder para acampar por sua própria iniciativa. Muitas coisas devem ser feitas nas reuniões do Clube, antes da Unidade ir ao acampamento/campo, quer seja de ônibus, de carro, de bicicleta, de trem ou caminhando com as mochilas nas costas. Exemplo: • Aprender e treinar como arrumar uma mochila • Aprender a fazer abrigos e cama improvisados • Treinar nós e amarras • Desenhar e praticar pioneirias • Praticar fogueiras e cozinha ao ar livre • Planejar e projetar o acampamento Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira

125 }


• Preparar kit de primeiros socorros • Prática de sinalização e sinais de pista • Preparar cardápio • Fazer totem da patrulha para colocar na entrada do acampamento • Outros preparativos e equipamentos específicos Material da Unidade A Unidade deve ter Bandeirim, barracas, machadinha, facão, Isca de fogo, lanterna, corda, cordinhas finas, estojo de primeiros socorros, mosquetões, repelente, utensílios de cozinha, plástico ou lona para cobrir a cozinha e outro para abrigar da chuva ou do sol forte. Material individual do Desbravador Cada Desbravador ao acampar deve levar: Bíblia, hinário, lição da Escola Sabatina, uniforme completo solicitado, sua mochila, sua lanterna, um agasalho, roupa de uso pessoal, chinelo, colchonete, saco de dormir ou cobertor, prato e copo de plásticos, canivete, talheres, capa ou plástico, estojo de costura e material de higiene. Todo esse material deve estar acondicionado em saco plástico, evitando molhar em caso de chuva. Dividir Responsabilidades Cada membro da Unidade ou do Clube deve saber de antemão o que fazer ao chegar ao local do acampamento. Devem-se dar tarefas a todos, de maneira que cada um tenha responsabilidade em fazer algo em prol do acampamento, evitandose a sobrecarga de tarefas e a demora na montagem do acampamento. Tudo deve ser feito com alegria, mesmo as atividades mais difíceis e ingratas. O verdadeiro Desbravador deve acampar com espírito de união.

3. ONDE E COMO ACAMPAR? Uma das maiores alegrias de um Conselheiro e seu Capitão é saírem os dois explorando os arredores até encontrarem um pequeno local de acampamento para uso da Unidade. Pode ser em numa fazenda, granja ou numa residência privada com amplos terrenos. Encontrando o local, eles devem ir ao proprietário e explicar quem são eles e o que estão pretendendo, tentando persuadi-lo a ceder-lhes o local. Em geral, eles gostam de ajudar aos Desbravadores que se apresentam bem uniformizados, com boa aparência e cheios de entusiasmo. { 126

Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira


Lembrem-se de que a permissão para acampar de novo no mesmo local só será dada àqueles que se portarem como acampantes exemplares e como Desbravadores corteses e respeitosos. Um bom local de Acampamento deve ter: • Água potável • Segurança física e psicológica • Lenha • Paisaem atrativa • Condições meteorológicas adequadas • Topo rafia favorável com condições de escoamento de água e solo próprio para fixar e armar as barracas. • Espaço suficiente para o acampamento e atividades. • Acesso bom para passar a condução, em caso de chuva ou no retorno. • Segurança e distância de rios, local de enxurradas, encostas, animais perigosos, marginais, pântanos e pontes. • Recursos naturais como: bambus, cachoeiras, árvores para atividades com corda, bosques para trilhas, etc. Código do Desbravador acampante: a) Acamparei apenas onde for permitido acampar. b) Manterei o local do acampamento limpo o tempo todo e ao partir irei deixá-lo limpo. c) Estarei sempre atento à fogueira e ao deixar o local verificarei se está completamente apagado. d) Nunca usarei faca ou machado para cortar, danificar ou deixar marcas nas árvores vivas. e) Nunca irei pegar flores sem obter permissão. f) Nunca irei destruir as trilhas enquanto estiver fazendo caminhada. g) Não poluirei rios e córregos. h) Sempre respeitarei a privacidade dos outros acampantes. i) Serei sempre civilizado e cortês. Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira

127 }


j) Respeitarei todos os sinais, autoridades, normas e propriedades particulares. k) Minha conduta será sempre a de um Desbravador e cristão. l) Irei sempre deixar o local do acampamento sabendo que serei bem-vindo quando voltar. m) Obedecerei todas as regras de segurança e disciplina. Chegada ao Acampamento Chegando ao acampamento, uma Unidade se denuncia como nova e inexperiente, pela terrível confusão e pelas atrapalhadas que faz. Todos correm para lá e para cá, cada um se metendo no caminho do outro, querendo fazer tudo e não fazendo nada, e, afinal deixando que um pobre sacrificado sozinho tenha que armar o acampamento e as barracas. Enquanto um outro procura acender o fogo e depois descobre que não tem como mantê-lo porque ninguém foi apanhar lenha. E assim, tudo se torna uma grande bagunça. Cada membro da Unidade ou do Clube deve saber de antemão o que fazer chegando ao local do acampamento. Deve-se dar tarefas a todos, de maneira que cada um tenha responsabilidade em fazer algo em prol do acampamento, evitando-se sobrecarga de tarefas na montagem do acampamento e na programação. Aqui está uma boa maneira de distribuir as tarefas: • Planejar e elaborar a planta do acampamento. A Unidade se reúne em Conselho de Unidade, de modo que as idéias de todos sejam ouvidas. O Conselho decide qual o local para cada coisa: a)

Portal e Mastros

b)

Barracas num solo nivelado

c)

Armá-las à barlavento da cozinha e da latrina (lugar aonde não vai o vento)

d)

Fossa de gordura bem marcada

e)

Cerca

f)

Fogo do Conselho

g)

Cozinha, intendência, latrina e chuveiro

h)

Depósito de lenha

• Elaborar um Programa escrito com cultos devocionais, Classes, Especialidade, recreação e esportes durante o acampamento. { 128

Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira


• Armar as barracas a)

Abotoar ou amarrar as suas portas ou aberturas

b)

Colocar 4 espeques dos 4 cantos em posição.

c)

Colocar os pólos ou esteios das barracas, em posição.

d)

Enterrar no solo os espeques e amarrar os esteios aos cabos.

e)

Cravar os espeques.

f)

Fixar os espeques dos panos das paredes

• Preparar cozinha a)

Apanhar a lenha o mais rápido possível

b)

Prepara o fogão

c)

Apanhar água

d)

Armar a barraca de intendência ou pendurar a dispensa (proteger a comida dos animais)

e)

Acender o fogo e preparar a refeição

• Fazer pequenas construções e artimanhas de acampamento • Cavar a latrina e identificá-la Cada uma dessas atividades pode ser efetuada por um ou dois Desbravadores, de maneira que tudo seja feito rápida e ordenadamente, com todos trabalhando e ninguém à toa. Quanto mais cedo a cozinha estiver montada, melhor. Durante o acampamento Tudo no acampamento deve ser feito como um divertimento, como um jogo, inclusive cavar a latrina, apanhar a lenha, a água, cozinhar, lavar os pratos e talheres e deixar as panelas limpas e brilhantes. Quem não vai para um acampamento com este espírito de achar tudo excelente e divertido, inclusive uma chuva torrencial, ou não gosta de acampamentos ou ainda precisa aprender muito sobre companheirismo, sobrevivência e trabalho em conjunto, em Unidade. Fazer parte desta aventura é desfrutar de uma boa historia da vida juvenil. Os Desbravadores são camaradas que podem cuidar bem de si mesmos e ainda ajudar outros na floresta tropical, no deserto, numa montanha ou explorando o pólo. Enquanto fazem um verdadeiro acampamento, há tempo bastante para a Unidade fazer algumas atividades e alguns jogos tais como: Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira

129 }


• Sinais de pista - metade da Unidade segue a “pista” feita pela outra metade. • Fazer uma série de modelos em gesso de pegadas de animais e pássaros e identificá-los. • Fazer um mapa botânico do local de seu acampamento com todas as árvores que puder identificar. • Fazer uma coleção e identificação de todas as flores silvestres e tipos de capim ou grama. • Construir abrigo no chão ou numa árvore com materiais naturais. • Fazer um mapa do local. • Treinar pela prática, um método de avaliação de distância. • Sinalização em grandes distâncias. LEMBRE-SE: Mantenha a sua Unidade engajada e ocupada. É o ócio que leva à indisciplina. Últimas coisas a fazer à noite: • Escovar os dentes. • Cobrir o recipiente de água e o depósito de lenha. • Cobrir as brasas do fogo (mantendo-a acesa). • Verificar se nada foi deixado ao sereno. • Fazer oração com a Unidade antes de apagar as luzes e do silêncio. • Pode-se contar uma história para dormir ou para meditar antes de dormir. Primeiras coisas a fazer pela manhã: • Reacender o fogo. • Fazer a higiene matinal e lavar-se. • Esticar os cabos das barracas. • Pendurar ao sol os cobertores e pijamas para arejar. • Fazer a Meditação Matinal. • Tomar o desjejum e lavar os pratos e material sujo. • Passar uma revista pelo local do acampamento. • Preparar e hastear a Bandeira Nacional e do Clube de Desbravadores com solenidade. { 130

Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira


Cozinha: Antes do acampamento deve-se elaborar o cardápio, preparando-se a seguir a lista de: compras, utensílios, panelas e alimentos. Alimentos variados, nutritivos e de fácil preparo. Deve ser organizada uma escala de serviço, de maneira que todos possam participar do preparo da alimentação, bem como da limpeza dos utensílios da cozinha. Lembre-se: Todos devem participar não só da cozinha, mas em toda e qualquer atividade do acampamento, pois o que comanda e lidera não é aquele que faz tudo sozinho, mas aquele que ensina e motiva outros a fazer. Definir o cardápio Locomoção e alimentação são responsáveis por 90% do custo de um acampamento de um Clube. Os outros 10 % se referem a gastos com infra-estrutura (cordas, sacos plásticos, sisal) e material de primeiros socorros e uma pequena reserva deve ser levada para os imprevistos. Definido o cardápio, deve-se calcular a quantidade necessária, para depois procurar qualidade e preço deverão ser suas próximas preocupações neste roteiro de planejamento do evento. É fundamental que o Conselheiro sente com a sua Unidade e busque junto a eles as idéias e sugestões para a alimentação. Porém o Conselheiro sábio sabe quais são as regras básicas de uma boa alimentação que deve girar em torno de legumes, verduras, frutas e grãos, seguindo os conselhos alimentares da igreja. O Conselheiro sabe também que uma boa alimentação consiste de apenas três refeições sendo que o “desjejum deve ser de um rei, o almoço de um príncipe e o jantar de um plebeu”, em outras palavras, deve-se comer bem de manhã, um almoço equilibrado e um jantar à base de sopas leves ou lanche. Um Conselheiro sabe que quanto mais líquido se beber entre os intervalos das refeições, isto é, após o desjejum e antes do almoço, umas duas horas após o almoço e antes do jantar são fundamentais para manter seus Desbravadores bem ativos evitando dessa forma a desidratação. Desbravadores gostam muito de sucos, limonadas, laranjadas. Não permitir comer entre as refeições é básico e necessário para manter um padrão de alimentação saudável para os Desbravadores. Aqueles intermináveis biscoitos, chocolates e balas são um verdadeiro atentado aos bons costumes alimentares. Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira

131 }


Calculando Quantidades É muito difícil estabelecer um padrão para Unidades, pois cada uma é única em gostos, em hábitos, em quantidade de alimentos consumidos. O que é suficiente para uma Unidade de meninas já não representa muito para Unidade de garotos. Abaixo vão algumas dicas de alimentos básicos que aparecem em quase todos acampamentos de Clubes de Desbravadores e uma sugestão de consumo médio por refeição:

{ 132

Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira


Montar a lista de compras Uma vez definido o cardápio e estabelecidas as quantidades, tabule estes dados na seguinte planilha sugestiva e vá fazer pesquisa de preço em pelo menos dois supermercados, não se esquecendo de incluir os materiais de limpeza.

EQUIPES NECESSÁRIAS Equipe de Transporte Responsável pela cobrança das passagens, arranjar condução, conferir as condições de segurança da viagem e do veículo, fazer seguro, observar as autorizações de viagens e orientar quanto ao percurso. Equipe de Programa Elabora um programa escrito, com horários para tudo, corinhos, pensamentos, orientações, etc. Este grupo organiza todas as atividades e faz funcionar os horários. Diz quem fará o quê. • Higiene Pessoal: Horário definido, após as refeições e horário para banho. Média de tempo necessário é de 1 hora por dia. • Alimentação: Programar 2 horas para o preparo do almoço, consumo e a respectiva lavagem de utensílios e ½ hora para o desjejum e o lanche da noite. • Cultos: Culto matinal e vespertino todo dia, totalizando ½ hora por culto. • Instrução: 2 horas na parte da manhã ou da tarde. • Lazer: 2 horas na parte da manhã ou da tarde. • Escola Sabatina e Culto Divino: Duas horas no máximo para a execução destas duas atividades. Em acampamentos, o conforto geralmente não é dos melhores e atividades espirituais muito demoradas tendem a ser monótonas e desinteressantes para os Desbravadores. • Fogo do Conselho: Acampamento de Desbravadores sem Fogo do Conselho, não pode ser considerado acampamento. O correr atrás da lenha grossa, dos gravetos, o acender do fósforo, o momento da música, o trepidar do fogo, a expectativas em torno das músicas e dos temas, os risos e os sorrisos, as lágrimas que caem na face do Desbravador quando sente que o Espírito de Deus falou ao seu coração, as histórias que servem para todos, a pipoca ou batata com queijo envolta no papel de alumínio e colocada na brasa, a água Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira

133 }


na boca que vem quando degustamos essa delícia da cozinha de campo, tudo isso e muito mais torna o Fogo do Conselho uma atividade singular em nossos acampamentos. Programar de uma a duas horas para completar esta cerimônia. Equipe de Segurança • Escala de Ronda: Começando às 22:00 hs e terminando às 6:00 hs é feita por Desbravadores devidamente selecionados, maiores de 16 anos, devidamente acompanhados por um membro da Diretoria. • Inspeções: Quebrando todas as tradições de inspeção com hora marcada, a inspeção de área da Unidade é feita num horário que os Desbravadores nunca saberão com antecedência. O objetivo da inspeção surpresa é educar nossos Desbravadores para que na medida do possível estejam sempre preparados no aspecto individual (mochila em ordem) e material da Unidade em condições excelentes de utilização. Uma das atitudes que mais conspira contra acampamentos de muitos Clubes é a total desordem e bagunça. Desbravadores são treinados pelos seus líderes para serem diferentes do mundo e não para ser igual a qualquer um. O tempo necessário deverá ser uma hora por dia. • Primeiros Socorros: Na elaboração de qualquer evento, até nas reuniões semanais, especialmente nos acampamentos, negligenciar os primeiros socorros é uma irresponsabilidade e verdadeira desconsideração com os imprevistos e mostra total ignorância na técnica da arte de acampar. Deve-se contar com o apoio de quem realmente entende da matéria. Desde a compra dos materiais necessários, arrumação da barraca de primeiros socorros e atendimento tudo corre por conta do especialista que o Clube deve levar. Equipe de Eventos / Esportes Providenciar materiais e executar as atividades recreativas e instrutivas do acampamento. Equipe de Infraestrutura Montagem de todos os aparatos como: cozinha, latrinas, toldos, mastros, limpeza, pista de obstáculos, formatação do acampamento, limitação da área de camping e esportes.

4. DICAS IMPORTANTES • Mesmo com tempo bom deve-se levar capa de chuva ou plástico. { 134

Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira


• Coar/filtrar a água em pano limpo, ferver se preciso ou colocar cloro. • Não armar barracas de frente para o vento. • Latrinas: no mínimo 1 para cada sexo, com 60 cm de profundidade x 90 cm de comprimento x 30 cm de largura, longe da cozinha, cercadas de lona plástica, bem escondido e localizado de forma que o vento não traga o cheiro de volta para o acampamento. • Ao preparar o cardápio, não usar alimento cárneo. • Programe o Sábado com atividades espirituais interessantes. • Só levar um volume por acampante. Colocar tudo dentro de uma só mochila.

5. ECOLOGIA • Expressamente proibido cortar qualquer arbusto ou árvore viva. • Traga todo plástico, embalagens, vidros e latas possíveis, para reciclagem. • Evite ou não compre produtos com embalagens em vidro. • Aterre as latrinas. • Replante a grama. • Apague totalmente o fogo. • NÃO DEIXE VESTÍGIOS NO LOCAL. Passe um pente fino, recolhendo tudo o que não for da natureza.

6. O FOGO O fogo é indispensável em qualquer acampamento. Pode ajudar como machucar, aquecer ou queimar, preservar vidas ou matar. Precisamos tomar algum cuidado ao lidar com o fogo. Para haver fogo precisamos de: • Combustível – Material próprio e inflamável • Comburente – bastante ar • Temperatura Saber fazer uma fogueira com ou sem fósforos ou isqueiros é uma condição indispensável para quem pretende aventurar-se por regiões selvagens ou inabitadas. Embora necessitemos conhecer também os métodos primitivos de fazer o fogo, sabemos que hoje não é difícil nem incômodo transportar um isqueiro ou algumas Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira

135 }


pequenas caixas de fósforo. Neste caso, é preciso impedir que os fósforos se molhem numa travessia de rio ou num banho de chuva inevitável. Para tanto, isole as caixas numa embalagem plástica com fita adesiva ou cubra os palitos de fósforo com parafina líquida para a sua aventura. Antes de ter a chama é necessário, porém, armar a fogueira. a. Como Fazer a Fogueira Após escolher o local, isole-o e limpe-o, retirando as folhas, raminhos, gravetos, musgos e capim seco, para evitar que o fogo se propague sem que você possa controlá-lo. Se o solo estiver seco, raspe-o até chegar ao ponto de só ter terra; se estiver molhado, construa antes uma plataforma de pedras chatas. Procure materiais de fácil inflamação, tais como gravetos finos e bem secos, casca de árvore seca, folhas de palmeira, musgo solto, capim seco, pequenas lascas de madeira seca, madeira pobre. Reúna e disponha esse material de uma forma que permita a circulação de oxigênio, pois assim o fogo arderá mais rapidamente. Deixe à mão pedaços de madeira, árvores mortas, galhos secos, cada vez maiores para adicionar à chama inicial, tomando sempre o cuidado de não abafar o fogo e extinguir a chama. Tome o cuidado de cercar a fogueira com pedras, para impedir que as brasas se espalhem e principiem incêndios. b. Como Acender Uma Fogueira Sem Fósforos Utilizando madeira pobre, fibras vegetais, corda, ramagens secas, tiras finas de casca de árvore, madeira pulverizada bem seca, fios de pano, gaze para curativos, penas finas de pássaros, ninhos de passarinhos ou de ratos campestres, lentes ou pedras. Prepare uma mecha (ou isca) e acenda-a pelo método de fricção. c. Como Apagar uma Fogueira Disperse os troncos maiores que dão sustentação à fogueira e use: areia, terra, ou água. Não deixe a fogueira acessa, pensando que logo o fogo irá apagar sozinho, pois poderá provocar um acidente ecológico irreparável. Não tente apagar a fogueira dispersando os galhos, ventilando as iscas ou abafando com objeto metálico, pois as brasas poderão reiniciar a fogueira novamente.

7. COMO MANTER “SEGURANÇA” NAS AVENTURAS AO AR LIVRE A maioria dos acidentes são resultados de mau planejamento, irresponsabilidade e falta de organização. Um acampante descuidado ou imprudente prejudica não só ele, mas põe em perigo a vida de outros. De fato há certos riscos no acampar, mas com planejamento adequado estes podem ser reduzidos. { 136

Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira


Examinaremos alguns conselhos: a) NUNCA saia para qualquer atividade com a Unidade ou com o Clube sem que o seguro anual ou o seguro de eventos esteja feito. Esta deve ser uma regra para nunca ser quebrada. Para fazer o seguro, ligue na Associação/Missão e converse com a Secretária JA. b) Há menor possibilidade de acidentes quando os Desbravadores não estão cansados demais e todos estão felizes. Fatiga é um fator contribuinte de problemas em um acampamento. c) A saúde e segurança dos Desbravadores é a responsabilidade de todos no grupo. Esta responsabilidade não pode ser transferida ou ignorada. Todos tem que ser conscientes disto. Quando o pai entrega seu filho para o Conselheiro para uma aventura, é porque ele acredita no fato de que vocês são pessoas responsáveis e vão fazer tudo para proteger a criança. Não podem colocar por terra esta confiança. d) Todo programa com os Desbravadores deve levar uma provisão de primeiros socorros. Se não é possível ter um médico ou enfermeiro para acompanhar em viagens, deve assegurar em ter alguém bem treinado em procedimentos de primeiros socorros. É essencial poder pensar bem claro, permanecer calmo e utilizar tratamento apropriado e recomendado. Deve incluir um kit antiveneno para serpentes onde for necessário. e) Familiarizar os grupos nas áreas de perigo: precipícios, cachoeiras, plantas venenosas, etc. f) Sempre estar acompanhados pelo Conselheiro, não devem andar ou vagar sozinhos. g) Se os acampantes carregam mochilas, facão ou canivetes, devem dar instruções adequadas para usarem os mesmos. Devem mostrar os cuidados a serem tomados ao usá-los. Não deixá-los utilizar de maneira errada. h) Se a atividade inclui esportes aquáticos, fazer preparação adequada, ter salva-vidas, deixar as regras bem claras. Não participar deste esporte durante a noite. i) Ao viajar de veículo, observar as leis de trânsito e não correr com demasia. j) Há uma diferença definitiva entre aventura e perigo. Um líder alerta pode e deve discernir a diferença. Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira

137 }


k) Ainda que no geral se esqueça este ponto ao falar de segurança, a limpeza e asseio do acampamento são importantes fatores de risco. Deve ser feito o necessário para eliminar o lixo a fim de manter o acampamento limpo de garrafas, papeis e demais desperdícios. l) Quando os acampantes abandonam um lugar, não devem ficar indícios negativos de que eles estiveram ali.

1. NATAÇÃO a) Sempre nadar acompanhado. b) Se ficar com câimbra, relaxar, mudar o estilo de nadar e voltar para a terra. c) Não fazer natação forçada após as refeições ou enquanto tomar medicação.

2. RITMO, VELOCIDADE E ESFORÇO: a) Acomodar aos mais lento. b) Colocar uma pessoa na retaguarda para manter o moral. O grupo deve ter experiência. c) Separem em áreas perigosas, como rochas caindo, etc. d) Tomar nota do nível de cansaço ao aproximar o fim do dia. e) Ao caminhar na estrada, manter a direita e em fila.

3. ÁREAS DE PROBLEMAS: a. Navegação • Assegurar informações e atualização sobre trilha. • Reconhecer marcadores. • Observar aspectos principais e tendência do terreno. • Memorizar trilha, mapa e pontos principais antes de sair. b. Ao cruzar rios: • Evitar cruzar rios enquanto inundados. • Cruzar onde não existe correnteza. • Utilizar galhos, varas ou bambus para suporte, para várias pessoas. • Usar botas ao cruzar e mover os pés sem elevar muito. • Cruzar antes da chuva e também antes da noite, fazendo o pernoite no outro lado. { 138

Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira


c. Montanhismo: • Não avançar um precipício sem o Instrutor e equipamento especializado. • Buscar trilha mais fácil. • Se precisar de corda, ter pessoas capacitadas em segurança conforme regulamentos de alpinismo. • Áreas rochosas, subir apenas uma pessoa por vez. d. Condições climáticas • Preparar para mudanças e condições de frio, vento e chuva. • Utilizar roupa adequada contra vento, usar lã e não algodão. Aumentar quantidade de roupa antes de sentir frio. • Evitar ficar molhado. • Mudanças repentinas podem criar condições desagradáveis, difíceis ou perigosos dependendo da atividade programada. É melhor cancelar ou postergar. • “Vencer a todo custo pode custar tudo”. e. Prevenção e Saúde • Evitar fatigas. • Acampar e dormir cedo se preciso. • Ter alimento fácil de preparar e fácil de digerir. • Sintomas perigosos: Reação lenta, perda da percepção, movimentos desequilibrados, querer ficar somente sentado, falar enrolado, mãos inchadas. • Se um membro do grupo tiver um colapso é sinal de alto perigo para todo o grupo. Ver Primeiros Socorros para Hipotermia URGENTE. f. Roupas • Guardar roupas secas para dormir. • A lã mantém o calor ainda que molhada. • Usar roupas leves, de manga longa, de cor clara para proteger do sol e acidentes. g. Calor • Evitar queimadura de sol. • Caminhar cedo e ou no final da tarde. • Tomar bastante líquido. Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira

139 }


• • •

Cuidar em observar as reações ao calor. Planejar caminhada considerando o calor. Perigo de incêndios.

h. Incêndios na mata • Não entrar em pânico. • O ar é melhor e mais abundante próximo ao chão. • Mover-se para as laterais do fogo e não na direção que o fogo está indo. • Escolher trilhas leves, abertas. • Cruzar o fogo só se puder ver o outro lado (2 metros) • Esconder em riachos (nunca em tanques) • Também pode esconder atrás de uma rocha ou troncos grandes.

8. ANTES DE SAIR DE CASA Incluir ma lista de materiais o mapa e a bússola (saber como usar!) Deixar detalhes do itinerário projetado, ponto de partida e ponto de retorno, data, hora, etc, do retorno com pessoas que ficarem na cidade.

9. NO FIM DO ACAMPAMENTO Não “DEIXE NADA”, exceto seus agradecimentos e, quem sabe, uma muda de árvore plantada. Há alguns anos atrás cerca de 50 desbravadores acamparam num grande parque de uma fazenda privada. Um Regional deveria visitá-los, mas, desafortunadamente, devido a uma confusão de datas, ele realmente só chegou algumas horas depois, no mesmo dia em que eles se retiraram do local do acampamento. Mais tarde, na sede do Clube, ele disse: - “Cheguei tarde para ver o acampamento, mas sei que são bons acampantes, porque procurei durante duas horas por todo o parque e não encontrei o local que eles acamparam”. Deixem o local do acampamento pelo menos como vocês gostariam de encontrá-lo quando chegassem para acampar outra vez.

10. QUANDO EM PROBLEMAS • Mandar 2 pessoas para pedir ajuda. Eles devem ter a descrição do caso escrito e direção exata do local. Devem ter referências no mapa, se for possível. As pessoas enviadas devem contatar a polícia ou serviço de resgate com emergência, sem tardar. { 140

Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira


• • • • •

Sentar-se e planejar com lógica e calma. Não é hora de caminhar buscando a saída. Uma vez perdido, cuidadosamente procurar a saída, marcando o caminho e deixando marcas escritas em lugares óbvios ao parar para comer ou dormir. É melhor não caminhar a noite. No caso de dar algum sinal necessário, são três chamadas ou sons de apito ou também dar três sinais com o espelho. Fogo com muita fumaça atrai muita atenção! Indivíduos ou grupos que não aparecerem dentro de um tempo razoável do horário proposto, devem ser informados aos serviços de emergência e resgate. Ficar calmo, relaxado Pensar, analisar, avaliar, lembrar e orar Subir em árvores para ter melhor noção do local. Procurar com cuidado retornar para a mesma direção que veio. Se ainda estiver perdido, construir fogueira, ficar neste local para passar a noite e esperar alguém buscá-lo.

Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira

141 }


CAPÍTULO 15

ESTATUTO DA INFÂNCIA E ADOLESCENTE

LEI Nº 8.069, DE 13 DE JULHO DE 1990. O Conselheiro inteligente buscará conhecer este estatuto para melhor trabalhar com seus Desbravadores. Algumas partes do Estatuto devem estar bem marcadas. São os direitos e deveres das crianças e as preocupações que devem ter aqueles que trabalham com elas. Esta Lei dispõe sobre a proteção integral à criança e ao adolescente. Seguem abaixo alguns artigos transcritos do texto original publicado no Diário Oficial da União: Art. 2º - Considera-se criança, para os efeitos desta Lei, a pessoa até doze anos de idade incompletos, e adolescente aquela entre doze e dezoito anos de idade. Art. 3º - A criança e o adolescente gozam de todos os direitos fundamentais inerentes à pessoa humana, sem prejuízo da proteção integral de que trata esta Lei, assegurando-se-lhes, por lei ou por outros meios, todas as oportunidades e facilidades, a fim de lhes facultar o desenvolvimento físico, mental, moral, espiritual e social, em condições de liberdade e de dignidade. Art. 4º - É dever da família, da comunidade, da sociedade em geral e do poder público assegurar, com absoluta prioridade, a efetivação dos direitos referentes à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao esporte, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária. Parágrafo único. A garantia de prioridade compreende: a) primazia de receber proteção e socorro em quaisquer circunstâncias; b) precedência de atendimento nos serviços públicos ou de relevância pública; Art. 5º - Nenhuma criança ou adolescente será objeto de qualquer forma de Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira

143 }


negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão, punido na forma da lei qualquer atentado, por ação ou omissão, aos seus direitos fundamentais. Art. 130 - Os casos de suspeita ou confirmação de maus-tratos contra criança ou adolescente serão obrigatoriamente comunicados ao Conselho Tutelar da respectiva localidade, sem prejuízo de outras providências legais. Art. 150 - A criança e o adolescente têm direito à liberdade, ao respeito e à dignidade como pessoas humanas em processo de desenvolvimento e como sujeitos de direitos civis, humanos e sociais garantidos na Constituição e nas leis. Art. 160 - O direito à liberdade compreende os seguintes aspectos: I - ir, vir e estar nos logradouros públicos e espaços comunitários, ressalvadas as restrições legais; II - opinião e expressão; III - crença e culto religioso; IV - brincar, praticar esportes e divertir-se; V - participar da vida familiar e comunitária, sem discriminação; VI - participar da vida política, na forma da lei; VII - buscar refúgio, auxílio e orientação. Art. 170 - O direito ao respeito consiste na inviolabilidade da integridade física, psíquica e moral da criança e do adolescente, abrangendo a preservação da imagem, da identidade, da autonomia, dos valores, idéias e crenças, dos espaços e objetos pessoais. Art. 180 - É dever de todos velar pela dignidade da criança e do adolescente, pondo-os a salvo de qualquer tratamento desumano, violento, aterrorizante, vexatório ou constrangedor. Art. 190 - Toda criança ou adolescente tem direito a ser criado e educado no seio da sua família e, excepcionalmente, em família substituta, assegurada a convivência familiar e comunitária, em ambiente livre da presença de pessoas dependentes de substâncias entorpecentes. Art. 530 - A criança e o adolescente têm direito à educação, visando ao pleno desenvolvimento de sua pessoa, preparo para o exercício da cidadania e qualificação para o trabalho, assegurando-se-lhes: I - igualdade de condições para o acesso e permanência na escola; II - direito de ser respeitado por seus educadores; III - direito de contestar critérios avaliativos, podendo recorrer às instâncias escolares superiores; { 144

Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira


IV -

direito de organização e participação em entidades estudantis;

V-

acesso à escola pública e gratuita próxima de sua residência.

Parágrafo único. É direito dos pais ou responsáveis ter ciência do processo pedagógico, bem como participar da definição das propostas educacionais. Art. 600 - É proibido qualquer trabalho a menores de quatorze anos de idade, salvo na condição de aprendiz. Art. 620 - Considera-se aprendizagem a formação técnico-profissional ministrada segundo as diretrizes e bases da legislação de educação em vigor. Art. 670 - Ao adolescente empregado, aprendiz, em regime familiar de trabalho, aluno de escola técnica, assistido em entidade governamental ou não-governamental, é vedado trabalho: I-

noturno, realizado entre as vinte e duas horas de um dia e as cinco horas do dia seguinte;

II -

perigoso, insalubre ou penoso;

III -

realizado em locais prejudiciais à sua formação e ao seu desenvolvimento físico, psíquico, moral e social;

IV -

realizado em horários e locais que não permitam a freqüência à escola.

Art. 700 - É dever de todos prevenir a ocorrência de ameaça ou violação dos direitos da criança e do adolescente. Art. 710 - A criança e o adolescente têm direito a informação, cultura, lazer, esportes, diversões, espetáculos e produtos e serviços que respeitem sua condição peculiar de pessoa em desenvolvimento. DA AUTORIZAÇÃO PARA VIAJAR Art. 830 - Nenhuma criança poderá viajar para fora da Comarca onde reside, desacompanhada dos pais ou responsável, sem expressa autorização judicial. Parágrafo 1º- A autorização não será exigida quando: a) tratar-se de Comarca contígua à da residência da criança, se na mesma Unidade da Federação, ou incluída na mesma região metropolitana; b) a criança estiver acompanhada: 1) de ascendente ou colateral maior, até o terceiro grau, comprovado documentalmente o parentesco; 2) de pessoa maior, expressamente autorizada pelo pai, mãe ou responsável. Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira

145 }


Art. 1310 - O Conselho Tutelar é órgão permanente e autônomo, não jurisdicional, encarregado pela sociedade de zelar pelo cumprimento dos direitos da criança e do adolescente, definidos nesta Lei.

{ 146

Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira


CAPÍTULO 16

RECOMENDAÇÕES FINAIS

1) É importante ter um caderno com os dados pessoais de todos os membros da Unidade, nome, telefone, idade, alergias, medicamentos contra indicados, aniversários e nome dos pais. 2) Demonstre interesse por sua Unidade, ajudando os membros nos seus problemas, aflições, brincadeiras e inquietudes. 3) Anote todas as idéias que tenham para a Unidade e para o Clube. Perguntelhes de que é que gostam e gostariam de fazer no Clube. 4) Siga a programação elaborada considerando a participação do Capitão. Se, por acaso, se tornar aborrecida, troque de atividade imediatamente e depois volte à atividade anterior. 5) Não ameace nem toque nos Desbravadores se estiver nervoso. Não dê castigos físicos ou trabalhos forçados. 6) Não tenha preferências por um ou mais membros. 7) Demonstre habilidades e técnicas nas atividades do Clube. 8) Reconheça seus erros e peça desculpas. 9) Quando houver algum membro problemático, fale com a Unidade à parte, e tenha um trato especial de amor para com esse membro. 10) Os membros de sua Unidade não devem ir embora sem ter aprendido algo novo na reunião da Unidade, seja no Clube ou fora dele. 11) Não reclame diretamente, usando expressões como: “sempre chegando tarde” ou “você é um desastre”. É melhor dizer: “arrume sua camisa, sua aparência ficará melhor”. 12) Não faça comparações negativas: “Por que você não se parece com o Capitão?” Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira

147 }


13) “Não faça elogios exagerados”. 14) Quando um membro da Unidade faz algo ruim, não critique a pessoa dele, e sim, o comportamento. 15) Cumpra o que diz.

{ 148

Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira


Conclusão

CONSELHOS FINAIS: Como foi descrito, você Conselheiro(a) não é só alguém com função específica no Clube, mas acima de tudo alguém realmente especial no Clube de Desbravadores. Nem um bom Diretor(a) ou Associado(a) será capaz de conseguir com tanta eficiência o que só você poderá, deverá e fará. Como diz o nosso voto: “Pela graça de Deus...”. Se por um lado, você é tão importante, indispensável, um privilegiado, por outro lado pesa sobre você uma responsabilidade. É a lei do Privilégio x Responsabilidade. Igual a Lei da Física da Ação x Reação. A cada privilégio corresponde uma responsabilidade de igual tamanho e responsabilidade. Você teve, ou não, o privilégio de passar por todas as Classes Regulares, ou está passando, e assim você tem a responsabilidade de ensiná-las aos seus liderados. Você teve o privilégio de viver no Clube acampamentos, Camporis, congressos, caminhadas e aventuras, e é sua responsabilidade agora liderar outros a experimentarem as mesmas, ou ainda muito mais e melhores atividades, mesmo porque paralelamente você também estará tendo o privilégio de continuar aumentando sua experiência ao viver estas atividades. Enfim, você pode ser para seu liderado, o Desbravador da sua Unidade, aquele líder que você teve, ou então aquele líder que você não teve, mas que com absoluta certeza você sonhou em ter. Este é o princípio que deve reger os esforços e dedicação de cada um dos Conselheiros de Unidade. O privilégio? Veja o que Jesus, o próprio Líder e Rei do universo, fala para você (Mateus 25:40): “... em verdade vos afirmo, sempre que o fizestes a um destes meus pequeninos irmãos, a mim o fizestes”. Sim Conselheiro, ao você guiar e liderar cada menino e menina, você o faz como se estivesse fazendo ao próprio Redentor Jesus Cristo! Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira

149 }


Quanto a responsabilidade? Esta é de igual tamanho e intensidade. Também o próprio Jesus a descreve (Mateus 18:6) “... qualquer, porém, que fizer tropeçar a um destes pequenos que crêem em mim, melhor lhe fora que se lhe pendurasse ao pescoço uma pedra de moinho, e se submergisse na profundeza do mar”. Como então agir com eficiência, sendo Conselheiro? Use a citação de Jesus registrada em Mateus 18:1 a 5. Viram como é simples? Basta se “converter”, se tornar como criança (v3). É por isso que Conselheiro é, e age como Desbravador, seu liderado. Anda junto, senta junto, acampa e dorme na mesma barraca, brinca junto, recebe o Desbravador tão bem (v5) como se fosse o próprio Senhor do universo. Tenha esse conselho do Conselheiro Jesus em mente ao dirigir sua Unidade. Um Desbravador completo é formado aos poucos, com muito trabalho e empenho de toda a Diretoria, principalmente dos Conselheiros, que são fundamentais já que ele tem o contato direto com os Desbravadores. Devemos sempre buscar o auxílio divino para se chegar a um bom resultado. Não podemos nos esquecer de mostrar aos pais a importância de seus filhos serem Desbravadores completos hoje, para amanhã se tornarem homens e mulheres completos, prontos para subirem com Jesus para o céu. Com o passar do tempo, você Conselheiro encontrará jovens que o agradecerão por fazer a diferença na vida deles quando adolescentes. O tempo passa rápido. É gratificante para o Conselheiro conhecer seus resultados e ter a esperança de resultados eternos.

{ 150

Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira


Apêndice

A seguir apresentamos algumas sugestões de Formulários úteis para a boa administração das Unidades, os quais poderão ser fotocopiados, adaptados ou ampliados pelos Conselheiros.

RELATÓRIO DE ATIVIDADES DA UNIDADE

CLUBE: ________________________________________________________ Mês:________________ Nome da Unidade:________________________ Setor: __________________ Conselheiro:_____________________________ Capitão:_________________ Secretário: ______________________________________________________ Diretor Associado:_________________________________________________ l) Quantos membros tem a Unidade ? ________ 2) Quantas reuniões tiveram este mês? ________ 3) Secretaria 3.1) Quantos membros tem carteira do Clube ? _____ 3.2) Quantos tem algum documento de identificação ? _____ 4) Tesouraria 4.1) Quantos membros pagaram a mensalidade em dia ? ______ 4.2) Quantos membros pagaram a mensalidade em atraso ? _____ 4.3) Quantos membros estão isentos da cota ? ______ Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira

151 }


5) Equipamentos 5.1) Esta Unidade tem Bandeirim e mastro padrão ? ______ 5.2) Liste os materiais que sua Unidade já possui. ______________________ ________________________________________________________ ________________________________________________________ ________________________________________________________ 6) Visitação 6.1) Quantos Desbravadores foram visitados este mês ? _____ Anexar relatório de visitação devidamente preenchido. 7) Atividades extra Clube. Descreva alguma atividade extra Clube neste mês - _______________________ 8) Atividades Missionárias. Descreva alguma atividade feita no mês: _____________________________________________________________ 9) Especialidades: 9.1) Quantos estão fazendo alguma Especialidade ? ______ 9.2) Liste quais - _______________________________________________ ________________________________________________________ 10) Campori de Unidades Liste conforme relatório de tarefas para o Campori de Unidades as atividades já cumpridas.

RELATÓRIO DE VISITAÇÃO DO CONSELHEIRO CONSELHEIRO:_________________________________________________ UNIDADE:______________________________________________________ MÊS:________________________________________________________ { 152

Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira


META DO CONSELHEIRO

UMA VISITA POR MÊS

DESBRAVADOR VISITADO DATA DA VISITA

DADOS SOBRE O DESBRAVADOR Nome Completo Idade Data de Nascimento Telefone Endereço Nome dos Pais Área Educacional Colégio que estuda Série que está cursando Matéria que mais gosta

ÁREA ESPIRITUAL É Adventista? E Batizado? Tem lição da Escola Sabatina? Tem Bíblia? Se não é batizado, tem interesse na Classe Bíblica ?

ÁREA SOCIAL / FINANCEIRA Residência

[ ] Razoável

[ ]Boa

[ ] Excelente

Padrão de Vida

[ ]Razoável

[ ]Bom

[ ] Excelente

Tem mesada

[ ]Sim

[ ] Não

Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira

153 }


ÁREA EMOCIONAL Pais moram juntos ?

[ ]Sim

[ ] Não

Pais separados ?

[ ]Sim

[ ] Não

Conhece o pai ?

[ ] Sim

[ ] Não

Algum trauma emocional ? Qual ?

[ ] Sim

[ ]Sim

DADOS PESSOAIS DO DESBRAVADOR Esporte preferido Lazer preferido Problemas de saúde Serviços domésticos O que mais gosta de fazer em casa

CLUBE DOS DESBRAVADORES FICHA DE INSCRIÇÃO DADOS PESSOAIS: Nome:_____________________________________________________ Endereço:__________________________________________________ Compl: ___________________________________________________ CEP: _____________________ Bairro: ___________________________ Cidade: __________________________________ Estado: __________ Fone: ____________________ E-mail: ___________________________ Nasc.: ____/____/____ Cert.de Nasc: ____________ Sexo: Masc.

Fem.

R.G: ______________________ OE: ________ Religião: __________________________ Batizado:

Sim

Não

Plano de Saúde : _______________ Carteira nº: ___________________

FILIAÇÃO PAI _______________________________________________________ MÃE ______________________________________________________ { 154

Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira


INFORMAÇÕES PARA PRIMEIROS SOCORROS E USO MÉDICO 1- Tipo sangüíneo / Fator RH 2- Vacinação contra tétano Sim 3- Sofro de:

Diabetes

Bronquite

Não

Epilepsia

Coração

Hemofilia

___________________

4- Sou alérgico à :

Penicilina

_______________

Soro

Antitoxinas

___________________

5- Tomo o seguinte remédio de uso contínuo : ________________________ 6- Em caso de acidente, ligue: _____________________________________ e chame por : __________________________________________________ ou por: _______________________________________________________

DADOS HISTÓRICOS DO DESBRAVADOR Recebeu lenço em: ____/____/____ Investiduras:___________________________________________________

CLASSES REGULARES

CLASSES AVANÇADAS

Amigo em___/___

Amigo da Natureza em ___/___

Companheiro em___/___

Companheiro de Excursão___/___

Pesquisador em___/__

Pesquisador de Campos e Bosques em___/___

Pioneiro em___/___

Pioneiro de Novas Fronteiras em___/___

Excursionista em Guia em

Excursionista na Mata em___/___ Guia de Exploração em ___/___

LIDERANÇA Curso Básico para Diretoria em ___/___

Líder em ___/___

Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira

155 }


Agrupadas em___/___

Líder Máster em___/___

Líder Máster Avançado em___/___

ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO CLUBE: Especialidades, Camporis, Acampamentos, Desfiles, Cursos , Olimpíadas, Feiras Certificados, Congressos, Convenções, Acantonamentos, Excursões, Outros Atividade

{ 156

Data

Local

Assinatura do Responsável

Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira


Guia para Conselheiro - MinistĂŠrio Jovem UniĂŁo Sul Brasileira

157 }


{ 158

Guia para Conselheiro - MinistĂŠrio Jovem UniĂŁo Sul Brasileira


Guia para Conselheiro - MinistĂŠrio Jovem UniĂŁo Sul Brasileira

159 }


{ 160

Guia para Conselheiro - MinistĂŠrio Jovem UniĂŁo Sul Brasileira


CLASSE DE PIONEIRO Unidade: _____________________

CHECANDO OS REQUISITOS Conselheiro: _______________ Desbravadores

Categoria

REQUISITOS

Decorar e explicar Alvo e Lema

Clube do Livro Discussão em grupo Inspiração da Bíblia Inscrever 3 pessoas num Curso Bíblico Cidadania Cristã Dois programas para comunidade Dar dois estudos bíblicos Discussão em grupo sobre Temas Encenar história do Bom Samaritano Programa diário de exercícios Vantagens do estilo de vida adventista Participar de uma atividade Assistir reunião administrativa na igreja Uma atividade social por trimestre Especialidade de Ordem Unida Dilúvio e Fósseis Especialidade da natureza

Acampamento Resgate Básico Especialidade Orientação Ascender fogo em dia de chuva Semafóricas Completar outro requisito Especialidade em Atividades Missionárias, Práticas ou Agrícolas Especialidade em Recreação ou Artes Manuais

Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira

161 }


{ 162

Guia para Conselheiro - MinistĂŠrio Jovem UniĂŁo Sul Brasileira


CLASSE DE GUIA Unidade: _____________________

CHECANDO OS REQUISITOS Conselheiro: _______________ Desbravadores

Categoria

REQUISITOS

Decorar e explicar Voto à Bíblia Ler Livro História da Igreja Adventista Ler Nossa Herança Dons Espirituais em Coríntios Debater Santuário Resumir história 3 Pioneiros da Igreja Ajudar e participar de Atividades Debate de Evangelismo pessoal Palestra sobre Temas 8 Remédios naturais Poesia ou artigo, Corrida Rústica, Temperança ou Nutrição Organograma da sua Divisão Participar de Curso ou Treinamento Ensinar 2 requisitos de Especialidade Infância de Jesus Ecologia ou Conservação Ambiental Acampar e planejar equipamentos Cozinhar 3 refeições ao ar livre Construir móveis com amarras 1 Especialidade de Mestrado Aquática, Esporte, Recreativa ou Vida Campestre 1 Especialidade Agrícola, Ciência e Saúde ou Domésticas 3 itens Medalha de Prata I Especialidade de Mordomia Ler Caminho a Cristo TTrazer amigos ou Evangelismo Jovem Redação sobre Como Fazer Amigos Relatório dos Diáconos Mestrado em Vida Campestre Projetar 3 abrigos e utilizar Seminário Aborto, AIDS, violência ou drogas

Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira

163 }


{ 164

Guia para Conselheiro - MinistĂŠrio Jovem UniĂŁo Sul Brasileira


Guia para Conselheiro - MinistĂŠrio Jovem UniĂŁo Sul Brasileira

165 }


{ 166

Guia para Conselheiro - MinistĂŠrio Jovem UniĂŁo Sul Brasileira


FICHA DE INSCRIÇÃO/MATRÍCUL A A ( ) Desbravadores CLUBE:

_________________________________

( ) Aventureiros REGIÃO:

___________

DADOS PESSOAIS Nome: _____________________________________________________________________________ Endereço: __________________________ ________________________________________________ Bairro: ____________________________ Cidade: ____________________________ Estado: ______ CEP: _________________________ Fone: ________________________________________________ Data de nascimento: ___________________________ Natural de:______________________________ Identidade nº: ___________________________ Certidão de Nascimento N º _____________________ Pai: _______________________________________________________________________________ Mãe: ______________________________________________________________________________ Responsável ou Parente: _______________________________________________________________ Adventista? ( ) Sim Data de Batismo: ___________________ ( ) Não Religiã o: __________________________

INFORMAÇÕES PARA A USO MÉDICO Tipo Sangüíneo: ___________ Fator RH: _____________ Possui alguma doença, problema de saúde ou realiza tratamento especifico atualmente? ( ) Não ( ) Sim - Qual? __________________________________________________________ Possui Cartão de vacinação em dia? Sim ( ) Não ( ) É alérgico? ( ) Não ( ) Sim - Qual alergia?

Renovações de Matrícula Data: ____________ Ass.: Responsável: ____________________________________ _ Data: ____________ Ass.: Responsável: ____________________________________ _ Data: ____________ Ass.: Responsável: ____________________________________ _ Data: ____________ Ass.: Responsável: ____________________________________ _ Data: ____________ Ass.: Responsável: ____________________________________ _ Data: ____________ Ass.: Responsável: ____________________________________ _

_______________, ____ de ___________________________ de ____________

__________________________________ Assinatura do Desbravador/Av / entureiro

________________________________ Assinatu ra do Pai ou Responsável

_________________________________________ Assinatura do Diretor do Clube

Guia para Conselheiro - Ministério Jovem União Sul Brasileira

167 }


Guia para Conselheiro - MinistĂŠrio Jovem UniĂŁo Sul Brasileira

169 }



Guia desbravadores