Issuu on Google+


Apresentação O tempo passou e estamos concluindo o 3º ano do Colégio Estadual Maria Emília Rabelo. Nele conseguimos aprender, crescer, dividir experiências; surpreendermo-nos com o novo, o invisível; compreendermos a difícil tarefa que é a convivência, respeitando as limitações de cada ser. Partilhamos sonhos. E foi nesse âmbito que ousamos ir mais longe, idealizando juntos, mais um desafio: a construção e confecção de um livro que congregasse muitas das experiências vivenciadas nesses três anos de CEMER. Em princípio, considerou-se difícil juntar textos de gêneros diversos que contemplassem diferentes gostos. E foi justamente por isso, que aceitamos o desafio e juntamos uma coletânea com relatos, opiniões, emoções, que expressam a emocionante dos alunos do Ensino Médio nessa escola. Os textos estão repletos de vivências, experiências boas e ruins, de histórias cômicas, de uma geração que se empenhou ou não para alcançar seus objetivos. Consolidaram-se amizades entre professores dedicados e coordenação empenhada. Conseguimos! O objetivo foi alcançado. O livro está pronto. Valeu a pena! Alunos 3º Ano CEMER Dez, 2010.


95

E por fim o 3º ano B, um período de conturbação para todos, pois passamos pelo Enem, vestibular e tivermos que tomar decisões que irá mudar a nossas vidas. Mas apesar de tudo, mesmo com as brigas e intrigas, continuávamos unidos até o possível, juntos na hora de arrumar brigas com a sala do lado e quando precisávamos gritar mais alto ou pra sermos considerados “os especiais”. Foi tanta coisa que me proporcionou muita alegria, muito prazer, como também muita raiva, mas todos esses momentos que tive irei levar comigo para a vida toda.

.

Sabrina Alves da Silva


94

Com vocês, os bons momentos

Dedicatória

Três anos, é pouco pra quem não participa, mas muito importante para

Dedicamos esta obra a quem possa despertar o gosto pela beleza da

quem vivencia. Para mim, valiosos, duradouros anos. Nele pude rir, chorar,

leitura. A quem acredite que as maiores descobertas estão no desenhar, no

brincar, dançar, brigar entre outras emoções, mas foi a partir de tudo isso

traçar das letras.

construir uma família, não uma qualquer, mais uma repleta de pessoas maravilhosas que tive o prazer de encontrar no Colégio Estadual Maria Emília Rabelo (CEMER) No meu primeiro ano, pude rever os meus amigos que haviam mudado de escola, além de conhecer novas pessoas, juntos formavam o 1º ano D “A Elite” (sem desconsiderar as outras salas). Um dos bons momentos, foi uma viagem ao engenho de rapadura, para um projeto que foi responsável pelo 2º lugar da feira de Ciências da 10ª crede. Outro marcante dia desse primeiro ano, foi a festinha de encerramento, onde foi feito um vídeo com as fotos dos alunos com uma linda música de complemento, que nos proporcionou relembrarmos o quanto de coisas importantes e valiosas havíamos construído juntos em tão pouco tempo. O segundo ano, foi um ano de emoções, de reencontros, de descobertas, de realizações e de muitas aventuras. Ano também no qual ficamos conhecidos como Bafana-Bafana (meninos), o significado não tem muito haver com a sala, mas foi dessa forma que gritávamos para os nossos craques (risos) que nos representava na quadra da escola, participando do interclasse. Além de que tive a sorte de ganhar novas amigas e assim formamos o grupo das “sete mulheres” (eu, Nayara, Maressa, Eliana, Nágila, Girlene e Patrícia). E para complementar, o que já estava completo, uma festinha para encerrar mais um maravilhoso ano o “2º B”.


93

Rhayllanya Maia Nobre


92

CEMER: Mudança e Aprendizagem

Agradecimentos

Amizade. Algo cheio de ternura e apreço, que se ganha pelo simples fato

Agradecemos aos alunos que se empenharam para a realização deste

de gostar, de retribuir carinho, favores, atenção, amor, e principalmente de

livro, pois sem eles, o mesmo jamais teria sido criado. Pelo interesse

compartilhar tristezas.

transcorrido desde os primeiros rascunhos até a publicação da obra.

Mudança de colégio foi pra mim, mudança de comportamento e atitudes.

Nossa sincera gratidão a Professora Irismar de Freitas, idealizadora do

Novo ambiente, novas pessoas, turma, nova amizade, colegas. Uma nova

trabalho, que nos motivou a iniciarmos essa jornada; Aos professores Félix e

amizade sim; sincera, sem malícias, sem invenções, que começou do nada e se

Eronilson-responsáveis pelo Laboratório de Informática, que nos ofereceram

transformou em algo de muita importância pra mim, afinal ter amigos é

suporte para o sucesso do nosso trabalho. E também a Gestão e Coordenação

importante.

pelo apoio.

Aprendi que lugares antes estranhos se transformaram em uma nova casa, e pessoas desconhecidas em colegas e professores, hoje importantes para você. Terceiro B é pra mim tudo de bom, CEMER um caminho para novos conhecimentos, professores grandes mestres, turma para o resto da vida e Cydianne a amiga do início, meio e fim. Sua amizade é importante para mim! Não há tesouro que se compare ao valor do seu sorriso, A sabedoria dos seus conselhos e ao prazer da sua companhia. Quem tem segurança na hora de tomar uma grande decisão é por que tem um grande amigo lhe dando a mão!


91

PatrĂ­cia Brennda de Oliveira


90

Vou sempre lembrar CEMER, onde passei três anos da minha vida, foi lá que aprendi que nem tudo é tão simples e que amigos e professores também são sinceros e verdadeiros mestres da vida. Alcancei objetivos que antes eram planos, conquistei e realizei o meu grande sonho, que era passar no vestibular. Hoje, posso ver que tudo vai passando, que ano que vem não vou estar na minha querida escola. Claro que vou carregar comigo somente lembranças boas nas quais vão deixar muita saudade. Desde já, agradeço todo o apoio que a escola teve comigo. Agradeço pelos incentivos de todos os professores e coordenação. Não posso deixar de falar das minhas sete amigas que marcaram muito nessa jornada escolar: Nayara, Maressa, Sabrina, Eliana, Nágila e Girlene. Tudo isso vou guardar no meu coração e quando eu lembrar será só de coisas boas, que vivi com pessoas que realmente valerá a pena lembrar.

“Descobrir que a leitura é uma forma servil de sonhar. Se tenho de sonhar, porque não sonhar os meus próprios sonhos.” Fernando Pessoa


89

Nirliane de Oliveira Holanda


88

Sumário Se precisar de oxigênio, paro de respirar Quando passamos pelo destino, e não nos descobrimos prova-se que não houve evolução e muito menos a expectativa mínima do que de fato é ser feliz. Graças ao CEMER tive grandes oportunidades que, nas quais ,nunca serão esquecidas e tenho certeza de que esse foi um grande progresso e a resposta de mais uma fase ultrapassada que contribuiu pra formações ideológicas. Há momentos na vida em que nos deparamos de frente bem de frente com a realidade, talvez seja porque passamos a vida inteira fantasiando perfis que muitas vezes se tornam até impossíveis. Um exemplo bem nítido se encontra próximo de nossos pés, quando de repente você é imposto a escolher dois caminhos, sejam eles ao mesmo tempo obscuros ou não. Conhecer uma pessoa a ponto de tornar-se especial durante três anos é a prova ideal do que mencionei anteriormente, e durante esse período propaguei teses que discordam totalmente da seguinte frase: ''ninguém nunca vive de opinião

própria'', ou seja, a escola me ofereceu isso e mais um pouco, diversos momento que me dão orgulho toda vez que lembro. A pessoa que amo não é da escola, mas faz parte das pegadas que pisei para vir e voltar, adquirindo mais e mais conhecimentos em que graças a esses desafios pude desfrutar do que realmente os psicanalistas chamam de amor, talvez esse alguém ainda possa olhar pra mim e dizer que ama a ponto de parar de respirar se caso eu precisasse de oxigênio. Portanto, só tenho a agradecer a família CEMER por esse carinho e junto dele oportunidades indispensáveis. Dedico esse texto a Deus e depois as pessoas que amo, e claro, uma em especial! “C” Te amo!

1.

Ano de conquistas e decisões................................................................................................10

2.

Quando tudo começou..........................................................................................................12

3.

Por toda minha vida..............................................................................................................14

4.

Melhores momentos..............................................................................................................18

5.

Passagem pelo CEMER..........................................................................................................20

6.

O que nós, alunos, não fazemos por 3,0 pontos......................................................................22

7.

CEMER, esse é o Colégio!......................................................................................................24

8.

Momentos para serem lembrados..........................................................................................26

9.

Minhas recordações da escola CEMER....................................................................................28

10.

Eternos Bafanas..................................................................................................................30

11.

Amizades construídas no CEMER! ........................................................................................32

12.

Minha história no CEMER......................................................................................................34

13.

Melhores anos juntos...........................................................................................................38

14.

3º B, o melhor que hÁ!........................................................................................................42

15.

3º B melhor que hÁ.............................................................................................................44

16.

Acontecimentos bons? Sim, muitos!......................................................................................46

17.

3º B: uma árvore.......................................................................................................... .......48

18.

Momentos Inesquecíveis......................................................................................................52

19.

Meus anos do CEMER.................................................................................................... ......57

20.

CEMER, mais um degrau para subir!.....................................................................................58

21.

CEMER: minha segunda casa!...............................................................................................60

22.

Para Nirly............................................................................................................................62

23.

Momentos que vivi...............................................................................................................64

24.

Mudanças..................................................................................................................... ......66

25.

Foi eterno enquanto durou...................................................................................................68

26.

Despedida e saudades.........................................................................................................70

27.

CEMER: Semeando emoções................................................................................................72

28.

Os meus 3 anos de CEMER...................................................................................................76

29.

CEMER: Grandes Anos de História.........................................................................................78

30.

3º B, simplesmente melhor que qualquer um!.......................................................................80

31.

Muitas e boas risadas...........................................................................................................82

32.

Toda história tem fim...........................................................................................................84

33.

CEMER: Escola que virou família...........................................................................................86

34.

Se precisar de oxigênio, paro de respirar...............................................................................88

35.

Vou sempre lembrar.............................................................................................................90

36.

CEMER: Mudança e Aprendizagem........................................................................................92

37.

Com vocês, os bons momentos.............................................................................................94


10

87

Ano de conquistas e decisões Foi apenas um ano que passei no CEMER, mas, sem dúvida, foi o mais importante. O ano de decisões, conquistas, perdas, alegrias e tristezas. O último ano escolar, hora de se preparar para o vestibular e para a vida. Hora de descobrir o que realmente importa.

É claro que não poderia esquecer do nosso disputado cursinho Pré-Vest, que me fazia ir ao CEMER todas as noites de segunda à sexta, e que além de todo o preparo escolar também acrescentou muito em minha formação pessoal. Relatar todas as experiências que aqui tive é praticamente impossível, pois

Pra mim, teve uma emoção enorme, pelo fato de reencontrar muita gente

foram diversas. Todas as emoções que vivi nesta escola estarão guardadas em

que passou pela minha infância e que já não os via há 6 anos. Conquistei novas

um lugarzinho especial do meu coração. Só me resta então deixar meus sinceros

amizades e inimizades também (risos), mas, isso faz parte, não teria graça se

agradecimentos a todos que contribuíram com o meu desempenho, me dando

não fosse assim. Ri, brinquei, chorei, tive vontade de sumir (às vezes), mas com

força, incentivo, amizade e carinho. Parabenizo ao Grupo Gestor, aos

certeza o que vou levar pra sempre será os momentos bons, as conquistas

professores,

feitas, os amigos que vão estar sempre no coração, debaixo de sete chaves, não

incansavelmente na busca de um CEMER cada vez melhor!

aos

funcionários

e

a

todas

as

pessoas

que

trabalham

é Jarine?! Dos erros e das tristezas tentarei aprender para não cometê-los de novo. Aos professores e coordenação só tenho a agradecer por tudo que me foi passado, sei que sou impulsiva e apronto, às vezes, a ponto de tirarem vocês do sério (risos). Mas podem ter certeza que vocês fizeram com que esse ano se tornasse cada vez melhor. E assim o meu último ano escolar vai ficar guardado pro resto da minha vida, levarei sempre todos na memória e no coração.

Nayara Cristina de Freitas Cavalcante


11

86

CEMER: Escola que virou família Não é difícil imaginar o grande sentimento de apreço que trago por esta escola, pois foi aqui onde passei três anos inesquecíveis, onde criei amizades verdadeiras e eternas que levarei comigo o resto da vida. Considero o CEMER como minha segunda casa, uma família que me acolheu, educou-me e também proporcionou momentos que ficarão para sempre em minha memória. Desde nossa chegada marcamos nossa presença com o título de: A Elite do 1° D. Inúmeros passeios aconteceram, dentre eles nossa maravilhosa viagem à Pindoretama, onde fomos visitar engenhos de rapadura para participar do projeto “É coisa Nossa” que nos garantiu o 2° lugar na Feira regional de Ciências e Cultura da 10ª Crede. Em 2009, o 2° ANO B foi marcado pelos “BafanasBafanas”, com a alegria e disposição do time no interclasse, sendo destaque nos jogos. No ano da despedida viramos Os Especiais, por sermos considerados, merecidamente, os mais atuantes dos 3º anos, sendo responsáveis e ao mesmo tempo brincalhões. Todas as histórias que fizeram parte dessa trajetória são merecedoras de destaque, mas um episodio que marcou, sem sombra de dúvidas, foi o trabalho de Português do 3º ano, homenageando a escritora Rachel de Queiroz, esse sim foi uma verdadeira comédia... Mas o que um aluno não faz pra ganhar 3,0 pontos?! Durante todo esse tempo estiveram ao meu lado grandes amigas, um grupo que começou pequeno, apenas com as que conheço à muitos anos, e hoje somos conhecidas como “As sete mulheres”.

Áquilla Stéphany Nogueira Chagas


85

12

Quando tudo começou Amizade é algo que se guarda para sempre, principalmente se ela for sincera, especial, inesquecível, por isso vou contar como tudo começou no primeiro ano, quando conheci a Jarlênia e a Naiane, que até hoje convivem comigo, e isso se tornou uma grande ligação que cresce a cada dia. Logo no primeiro dia de aula, fui à procura da sala que iria estudar, estava meio confusa, pois tudo era novo, cheguei à sala do 1º ano D, encontrei meu nome. Quase cheguei atrasada. Conhecia praticamente tudo, no segundo dia de aula, cheguei mais cedo. Pouco depois chegaram a Jarlênia e a Naiane, o professor já estava na sala, ela não conhecia ninguém além da Naiane, entraram na sala e ficaram quietas, eu estava sozinha, olhei pra elas, eram novatas, fui sentar perto das duas, a Jarlênia estava com um brinco maior que o outro, e eu reparei, ela falou que era o modelo, e perguntou se eu era a Bruna, pois uma colega nossa disse que ela me conhecia. A Naiane ficou calada. Depois desse dia passamos a sentar juntas e a nos conhecer melhor, a Naiane mal conversava, mas gostei do jeito dela. A Jarlênia descobri que ela é uma menina louca pela vida, sempre animada e que não tem como ficar triste perto dela. Sempre andamos juntas, fazemos trabalhos, pesquisas em grupo, eu, a Naiane e a Jarlênia, a cada dia que passava ficava mais unidas, sem nem percebermos, construímos uma amizade muito forte e sei que vai durar para o resto da vida. Portanto, uma grande amizade fica guardada debaixo de sete chaves, no coração e que eu tenho orgulho de dizer que tenho duas amigas ao meu lado, e que se eu precisar, elas sempre estarão perto de mim. E que nossa amizade dure para sempre.

Naiane Mara Oliveira de Sousa


84

13

Toda história tem fim No começo não queria ir estudar no CEMER, foi uma obrigação de estar ali naquele colégio, queria mesmo é ficar com as mesmas pessoas que eu

Muito obrigada à escola CEMER que foi e sempre será especial para mim, obrigado aos professores e ao grupo gestor.

estudava no meu bairro. Como foi o jeito, entrei no CEMER. Hoje está fazendo parte da minha educação e de tudo. Foi uma experiência inesquecível, conheci várias pessoas interessantes e bonitas, ''nem todas''. No começo não foi as mil maravilhas. Os primeiros dias de aula nunca são bons para ninguém. Mas o tempo foi passando. Fui conhecendo as pessoas, que mais me envolviam, uma delas foi a Bruna. Já a Angélica e a Jarlênia as conheci no meu bairro. E assim ficamos. Até que um dia Bruna e Jarlênia resolveram se separar de mim e da Angélica. Não teve problema, continuamos nós duas, no canto e solitárias. Parecia que ninguém queria nossa amizade, mas passou, ocorreu tudo bem, ainda estou viva. Quando chegou no terceiro ano, tudo mudou e ficou diferentes com os colegas. Nossa sala não era a mesma, muitas intrigas. Uma coisa mudou, no meio do ano a Angélica sai do colégio e me deixou. Quando ela foi embora a Jarlênia e a Bruna voltaram a me fazer companhia. No começo achei um pouco desagradável, depois me acostumei. Hoje somos belas amigas, que não queremos nos separar nunca. Como toda história tem fim, o CEMER pra mim foi o melhor colégio que eu já estudei, obrigada pelo seu trabalho no intuito de melhorar a educação no colégio.

Bruna Raquel Rabêlo Lima


14

83

Por toda minha vida Recordo-me nitidamente o término de meu 9° ano, tendo de passar pela recuperação de Matemática, como se o mesmo sinalizasse as dificuldades que estaria por vir. Ao mencionar o nome desse colégio, várias coisas me vêm à mente, dentre elas a de quando eu morava junto com minha irmã, que, naquela época, estudava no CEMER e tinha a tarefa de me deixar no CEBCJEC, devido a essa escola encontrar-se frente ao mesmo, costumava olhar o andar superior da escola pela janela da minha sala, ansiando o dia em que eu estaria lá. Refletindo também sobre o quanto as coisas iriam mudar quando eu estivesse lá, hoje eu estou. Trajo a mesma farda que minha irmã vestiu e traço o mesmo caminho que a mesma percorreu, a princípio, com a mesma obrigação que ela teve, de acompanhar a caçula. Foi esse mesmo colégio, o causador do aperfeiçoamento de minha visão, de que a escola não nos ensina somente conteúdo, mais que isso, ela nos ensina a aprendizagem para a vida, é uma das coisas mais importantes que adquirimos, aprendi que a rapadura não é tão simples, que professores não são tios e que salas têm bebedouros (por mais que os mesmo não funcionem). Meu estilo de música tornou-se mais amplo devido às amizades que construí aqui, o que representava de forma indireta o quão minha maturidade se estendia, consequência do grupo onde me encaixei perfeitamente pela mescla de personalidades e irreverências, que tornou divertido receber trabalhos mensais dos professores da qual posteriormente nos reuníamos na casa de um dos membros para elaborar e construir um trabalho que sempre foi digno de elogios. Aprendi também que se deve, às vezes, temer gestores da escola, tendo como exemplo único a Aglaís, que fez um amigo pular da arquibancada da quadra somente pela falsa ameaça de sua aproximação.

Nágila Maria Souza Vieira


82

15

Muitas e boas risadas Foram exatos dois anos, não só de aulas diárias, exercícios, provas,

Os

interclasses

também

sempre

foram

causadores

de

grandes

trabalhos e muita matéria para estudar. Durante esse tempo aqui na escola

movimentos na escola, e principalmente na nossa sala, que dentre uns dos

CEMER, também conquistei várias amizades das quais pretendo preservá-las,

eventos, herdou “Bafana-Bafana” como o codinome do nosso 2° ano,

pois os diversos momentos bons e ruins que aqui passei, estive ao lado dessa

infelizmente nunca conseguimos levar o título dentre esses três anos, mas

galera que em sua maioria me acompanharam nesses dois anos.

nunca deixamos de ser vencedores pela garra apresentada dentro de quadra.

Conheci pessoas de personalidades super diferentes, cada uma com suas

Alguns dos meus atuais colegas me acompanham a mais ou menos 8

qualidades e defeitos, suas manias, preferências etc. Pessoas, não apenas

anos, outros 3 ou apenas 1, mesmo que eu não tenha conhecido na escola, e

dentro do ambiente escolar, mas também lá fora, fizeram-me viver momentos

sim por bairro e que veio a escola nesse ano por sorte minha, pois também é

inesquecíveis. E posso hoje, chamá-los de amigos sem temer o significado da

um grande amigo. O fato é que tempo é somente um reles detalhe diante do

palavra, porque sei que mesmo a vida nos levando por caminhos diferentes,

que todos já passaram a representar em minha vida, claro que há exceções que

após essa convivência escolar, o sentimento de amizade vai prevalecer e daqui a

sequer devem ser mencionados, assim, nem os maus momentos são capazes de

alguns anos vamos poder relembrar juntos, todos esses momentos e dar muitas

apagar tantas lembranças inacabáveis em meus pensamentos, que farei questão

e boas risadas.

de deixá-las intactas até o fim da minha vida, onde poderei sempre retirar

Os professores também merecem destaques, pois se tornaram dignos do meu respeito e admiração. São eles pessoas que se diferenciam na maneira de pensar, agir e até mesmo de ensinar. Cada um possui suas próprias características,

mas

todos

com

o

mesmo

objetivo

de

repassar

seus

conhecimentos, apesar de que muitas vezes isso se torna difícil pelo fato de nós, alunos, estarmos frequentemente botando a conversa em dia durante as aulas. Portanto, nesses dois anos em que tive a oportunidade de estudar nesta escola, o que sem dúvida marcou a minha permanência aqui, foram as pessoas que conheci e as amizades que fiz. E com certeza lembrarei com muitas saudades desse período em que pude fazer parte da família CEMER, em especial as turmas do 2º (2009) e 3º (2010) ano B.

sorrisos onde aparenta não ter. Fonte inesgotável de felicidade, adquirida nesses três anos de CEMER.


81

16

3ยบ B O soBerano

Mรกrio Ferreira dos Santos Neto


17

80

3º B, simplesmente melhor que qualquer um! Eu bem que poderia não ter argumentos para falar do meu primeiro (e último) ano no CEMER, afinal, era pra ser apenas mais uma temporada rumo à conclusão do ensino médio. Contudo, os momentos que tive foram totalmente diferentes de quaisquer turmas e escolas anteriores. Estes momentos foram simplesmente marcantes. Relato aqui, com poucas palavras, o que presenciei no CEMER, juntamente com a melhor turma que já tive. O 3º B 2010. Nunca imaginei as coisas que me aconteceriam, o início foi incerto, confuso, pois eu havia estudado durante 4 anos em outra cidade, logo, tudo aquilo seria novidade pra mim, sem falar que não tinha noção de qual turma estaria por vir, mas então, deparo-me com amigos que já havia estudado há muitos anos: Jonas, Maressa, Girlene, Cydianne, Erick, Débora, Jarine e outros, além dos amigos de infância, como o Caio e o Ítalo. E os estranhos, ah, foi uma questão de tempo para a adaptação e logo estes também fariam parte da minha vida. Neste ano de 2010, passei um dos melhores anos que já tive, construí grandes amizades, exemplos de Jonas, Wanderson S., Wanderson O., Valdomiro, Karl, Elielder, esses amigos dos quais, irão me acompanhar para sempre. Agora, é hora de olhar para trás e usar tudo o que já passamos como fonte de motivação para seguir um novo rumo. Sem dúvida, passamos por muitas tristezas e conflitos, mas, felizmente, por inúmeros bons momentos, de alegria, de vitórias e de cumplicidade. Mais um ano está chegando ao fim e com ele, as lembranças de tudo que passamos

juntos.

Bons

e

maus

momentos,

emoções,

brincadeiras,

aprendizado... Tudo isso, eu vou levar pra sempre, pois o 3º B, sim, este é e sempre será soBerano!

Caio Paulo Raulino Cavalcante


79

18

Melhores Momentos No fim do ensino fundamental, fiquei pensando como seria bom ir para

Hoje temos estudando aqui 1237 alunos, distribuídos em 36 turmas,

outra escola, fazer novos amigos, ter novas experiências. Trouxe comigo alguns,

contudo com uma boa infraestrutura com 3 laboratórios de informática, 1

que mantive durante todo o percurso, como Fernando, meu primo, que, aliás,

biblioteca, 1 laboratório de ciências, 1 centro de multimeios e a quadra

além de sermos da mesma família, ainda estudamos juntos durante toda a vida

poliesportiva, temos os anexos que levam educação de qualidade para os

escolar, entre outras pessoas. Outros amigos, que fui conquistando aos poucos,

distritos de, Roldão, Uiraponga e Boa Água. Há um quadro com 50 professores

durante a minha estadia, estão comigo até hoje. Jander, sem comentários, meu

qualificados dando o seu melhor pela nossa educação, que é o nosso bem mais

melhor amigo. Caio, Gledson, Patrícia, Fabrício, Nirly, Laianny, Jéssica, entre

precioso. Estou aqui há 2 anos e aprendi o quanto a educação vai contar no

outros.

meu futuro profissional por isso agradeço a escola e os professores por terem

Nossos momentos juntos foram perfeitos. A turma, desde o começo, era e ainda é uma família. Alguns nos deixaram, foram em busca de novas

me repassado tudo que venho aprendendo. Espero que essa instituição continue oferecendo educação de qualidade aos alunos vindouros. Obrigado por tudo.

experiências, assim como outros chegaram para fazer parte de nossa turma. Em nossos dias de escola, muitos momentos ruins, bons, alegres, divertidos, tristes. Aprendemos a cada dia o que é conviver com pessoas totalmente diferentes de nós, sempre havendo divergências entre uns e outros. Por mais extraordinário que nos pareça, fomos amadurecendo e vendo que não éramos somente colegas, e sim, amigos, irmãos, companheiros para todas as horas. Não iremos levar apenas lembranças de momentos bons, mas também amigos com quem podemos contar todas as horas. Alguns desde sempre juntos, outros que conhecemos já na instituição.

Maria Rosivânia do Nascimento da Silva


19

78

CEMER: Grandes Anos de História Fundado no ano de 1964,

Fizemos amigos, aprendemos, rimos, viajamos, nos divertimos, brigamos,

recebendo o nome de Escola

fizemos as pazes. Mas, sempre sabendo que o respeito, a amizade e a união,

Normal Maria Emília Rabelo. Teve

são à base de tudo.

como fundador e diretor Dilson Pontes Dantas, que colocou em pratica os cursos de 1º á 4º série,

que

dependências

funcionava do

nas ginásio

Monsenhor Tabosa, depois de 4 anos a escola ingressou na rede estadual recebendo o nome que tem até hoje, Colégio Estadual Maria Emília Rabelo. No ano de 1973 já com novo diretor o Sr. Benedito Rodrigues Veloso, que sentiu a necessidade de implantar cursos técnicos e aumentar o ensino fundamental para 1º á 8º série, e colocou a disposição da comunidade os cursos de Secretariado e Topografia, depois desse período nossa escola passou por vários diretores que são, Renato Nére juntamente com Pe. Pedro Aquino Rolim, Dorotéia Aquino dos Santos Machado e Francisco José Castelo Branco que criou o curso científico. Depois do Prof. Francisco tivemos mais duas diretoras, Josefa Milena Moriz Gonzaga e Prof. Ms. Maria Sângela de Souza Santos. Até que no ano de 2005 foi eleita nossa atual diretora Maria de Fátima Chagas Raulino Nobre que passou por uma reeleição tendo apoio de toda a escola. E garantindo uma gestão participativa e democrática.

Clycia Najara Silva Sousa


77

20

Passagem pelo CEMER Nesse colégio fiz parte de momentos e experiências marcantes e que levo

Entraram novos alunos, Rhayllannya, Karl e Áquilla. A Rhayllannya, no

comigo pessoas importantes que cruzaram minha vida e que hoje agradeço a

início, eu a considerei minha amiga, mas depois que começou a rolar algumas

Deus por permitir que eu pudesse ter esta alegria

conversas e quando sentamos para conversar, tivemos uma briga muito feia,

Grandes pessoas e personalidades pude conhecer a partir dessa

que posteriormente pois fim a essa amizade. Mas isso não me abateu, porque

permanência, uma amiga que faz parte da minha vida e não é apenas uma

assim eu conheci quem realmente era minha amiga como a Áquilla e a Jarine,

colega de classe, a Rhayllanya. Ela é uma pessoa que posso confiar e que

que ficaram do meu lado na hora em que eu mais precisei. O Karl só é um

sempre estará do meu lado, seja em momentos bons ou ruins. Pude também

pouco maluco, mas adoro o jeito que ele vê a vida e como a vive. Conheci

constatar além de outras amizades que aqui é um lugar onde educação e

pessoas de outras salas como o Marquinhos e o Charles Ronney. Ambos meus

diversão andam sempre juntos e nós, alunos do 3° B fazemos parte da história

amigos, porém o Charles antes de nós sermos amigos, ainda namoramos, durou

do CEMER e nos fizemos destacar diante das outras turmas. Soubemos fazer de

6 meses. Foram bons, mas como têm pessoas que não podem ver ninguém

pequenos instantes, momentos inesquecíveis, juntamente com as professoras

feliz, fazem de tudo para poder destruir a nossa felicidade, os invejosos. Não me

Irismar e Leila, que são as melhores.

arrependi até hoje, nem do tempo que eu passei junto com ele, nem de quando

Vim de uma escola particular, onde deixei vários amigos e logo que mudei para cá senti muita falta deles, porém, aqui fiz muitas amizades e aqueles

terminei com ele. Até hoje, agora só restou à amizade, espero que dure muito essa amizade tão bonita e especial.

antigos, apesar da distância, não me fogem da memória. Sei que o mesmo

Essa foi apenas uma parte da minha história que vivi no Colégio Estadual

acontecerá quando encerrar minha estadia aqui, mas as boas lembranças

Maria Emília Rabelo, claro que tem mais, mas foi o que pude expor devido aos

ficarão.

outros não ter tanta importância. Vocês ficaram sabendo um pouco de como foi

Aqui também pude traçar um destino e focar no meu futuro contando com o apoio e orientações de professores. Aprendemos a gostar do CEMER até

a minha vida durante o tempo que passei estudando no CEMER, onde pude compartilhar esses momentos maravilhosos.

porque passamos grande parte do dia aqui. Desde já, agradeço aos professores, aos colegas de sala e aos amigos por fazerem parte da minha vida e permitir com que eu fizesse parte da vida deles de algum modo e que os lembrarei com muito carinho.

Maria Débora da Silva Cortez


21

76

Os meus 3 anos de CEMER Eu entrei no Colégio Maria Emília Rabelo no ano de 2008. Todos esses anos que já estudei foi os mais evolucionários da vida, os alunos, funcionários e professores do CEMER é como minha segunda família, eu adoro muito, do fundo do coração. O meu 1° ano foi maravilhoso, pois todos que faziam parte da família do 1° D eram amigos uns com os outros, não havia intrigas, inimizades e nem “panelinhas”, todos se ajudavam em tudo que se precisava, o 1° D era conhecido como a sala mais bagunceira, mas também a que tinha mais alunos com boas notas. Não devo esquecer de que ela também era conhecida como a sala, mas alegre e de compaixão. No 2° B, mais conhecida como “BafanaBafana”, já foi um pouco diferente do 1° ano, novatos que se chamavam Anne Kelly, Lígia e Valdomiro. A Anne Kelly foi uma grande amiga minha, mas foi embora com o seu namorado, que hoje é seu marido. Geralmente converso com os dois pelo Orkut, MSN e por telefone. Já a Lígia é evangélica que eu não conversava muito, e o Valdomiro, uma pessoa que eu gosto muito, do fundo do meu coração, mas conhecido carinhosamente por Miro, ele é um amigão e adoro conversar com ele. Não posso falar que não tem nenhum defeito, mas as coisas boas que ele faz, supera seus defeitos, ele é extrovertido. Meu ultimo ano no CEMER o foi mais revolucionário do que os anteriores, está sendo muito bom, mas, teve seus altos e baixos, como nos outros anos, mas diferente porque foi mais sério, foi onde começaram as intrigas.

Cydianne Cavalcante da Silva


75

22

O que nós, alunos, não fazemos por 3,0 pontos No dia 10 de maio de 2010, aconteceu a apresentação do trabalho mensal de Português, onde o tema era a comemoração do centenário da escritora cearense Rachel de Queiroz. No momento da apresentação, todos da equipe estavam caracterizados e o nervosismo era nosso inimigo nessa hora. Nosso grupo queria impressionar, então pensamos em “sequestrar” os alunos que saiam do laboratório de informática, onde assistiam uma parte do trabalho e levá-los para o campo de vôlei para verem a outra parte. Soltamos bombinhas para representar tiros e uma dessas causou um tremendo susto no vigia da escola. Depois disso, nosso trabalho seguiu normal e acredito que o público tenha gostado, até porque nós estávamos muitos engraçados. Eu vestida de capanga; Maressa, de Rachel de Queiroz; Jander, o beato romano etc. Infelizmente, no final da aula tivemos que arrumar o campo, mas também, comemoramos por ter dado tudo certo. Então, ao final de tudo, agradeço a professora Irismar pela oportunidade de conhecer melhor meus colegas e também por ter partilhado momentos divertidos, por ter me ajudado a perder o medo de falar diante do publico e me fazer entender que experiências assim são únicas e que devemos desfrutar cada instante, para num futuro possamos nos lembrar com alegria e satisfação dos meus anos de CEMER.

Maressa Santos Ferreira


23

74

Eliana Oliveira Saraiva


73

24

CEMER, esse é o Colégio! Nos últimos anos pude perceber o quanto é necessário vivermos lado a

Hoje vi, vimos, sabemos, ficou tudo esclarecido sobre o CEMER. Ele nos

lado com os estudos, pois é ele que nos oferece oportunidades no decorrer de

proporciona não só o conhecimento, mas também nos dá a chance de

nossa vida e é na escola que aprendemos o primeiro passo de uma longa

compartilhar nosso dia-a-dia com os outros. Ahhh, e esses “outros”... Daí

conquista.

surgem os inúmeros risos, as melhores amizades e os inesquecíveis momentos,

O Colégio Estadual Maria Emília Rabelo (CEMER) educa alunos de ensino

que passam a fazer parte da história de cada um.

médio, mostrando um caminho diferente do ensino fundamental. Hoje, estuda-

Inevitavelmente, o 3º ano constitui o fim do Ensino Médio, o que não

se no colégio cerca de 12 matérias, onde aprendemos muito mais do que

quer dizer que seja o fim de uma história. E, assim, como uma árvore somos

Português ou Matemática. Durante 3 anos descobrimos também o grande valor

nós. Do tronco surgem galhos, partindo cada um em direções diferentes,

da amizade, tanto dos alunos de classe, como dos professores, coordenadores,

tentando alcançar o auge da luminosidade para desenvolver suas flores e seus

que, na maioria das vezes achamos irritantes, mas sempre nos corrige para o

frutos. E esses galhos podem ou não se encontrarem. O que realmente importa

nosso bem. Ocorreram paqueras, que em uma delas eu conheci uma loirinha do

é que eles compartilham a mesma semente. Então, é impossível dizer que dessa

segundo ano. Até hoje estamos namorando. Não devemos nunca esquecer ou

árvore não sairão bons frutos!

infligirmos as regras que são impostas pelo colégio, pois elas são importantes para a construção da nossa educação. Durante esse período da minha vida, pude receber um ensino de qualidade e com os conhecimentos adquiridos, tenho certeza que muita portas serão abertas. Então você que ainda continua na escola, aproveite ao máximo, pois sentirá saudades, como estou sentindo agora, pois nunca irei me esquecer desse grande colégio.


25

72

CEMER: Semeando emoções Todas as manhãs, de segunda à sexta, durante anos me acordei às 5h e 30 min e fui marcar presença no CEMER. O motivo? Sinceramente, não era tanto pelo estudo, mas sim pelas pessoas que se encontravam lá. Sim, é verdade que eu poderia estar dormindo até tarde, assistindo TV Globinho ou até mesmo no MSN, porém me doía profundamente só de pensar em perder um dia de aula, digo... um dia de emoções. Todo esse esforço foi recompensado, já que hoje guardo com prazer os momentos que juntos passamos. Rio muito ao lembrar dos sonos dormidos em sala, ou, quando não, das matanças das aulas de História, e consequentemente, era necessário fugir da Aglais e seus gritos. Causam polêmica até hoje os infinitos PARABÉNS ao nosso grande amigo Joel, o “tremendo” sucesso no interclasse e as “missas e festas” realizadas nos intervalos. Dentre essas festas descobrimos talentos, como “Girlene e a Banda Cuscuz com ovo- O intalo do forró”, com seu sucesso Algodão Doce. Também marcamos presença em diversas viagens, como a ida à Pindoretama, aonde vimos a maior rapadura do mundo; e à Beberibe, onde nos aproximamos mais ainda... Tantas emoções! Em 2008, compomos o 1° D, dito A Elite. Já em 2009 foi a vez dos “Bafanas-Bafanas”, atuando no 2º B. Nesse ano, em 2010, nos intitularam Os Especiais. Aceitamos a consagração, visto que não é preciso esforços nem comparações para vermos o quão somos especiais. Trata-se de uma família – A Família 3°B- afinal, os amigos são a família que a gente escolhe!

Erick Marques de Castro Silveira


71

26

Momentos para serem lembrados Três anos, esse é o tempo que estou no Colégio Estadual Maria Emília Rabelo (CEMER) e não tenho nada a dizer de negativo. A escola que tem uma equipe de funcionários responsáveis e competentes. Professores qualificados, que de alguma maneira fizeram parte direta e indiretamente da minha vida; a eles só tenho a agradecer. Professores que estão comigo desde quando entrei na escola, o tempo que nós estamos juntos, a convivência nos ensinou um pouquinho de cada um fazendo com que assim pudéssemos ser considerada uma família. Amizade. É uma palavra que todo esse tempo vem me acompanhando. No CEMER encontrei bastantes colegas, mas também consegui fazer grandes amizades que são, hoje, muito importantes; mesmo que seja algumas antigas e outras mais recentes, todas pra mim são significante. Vou deixar a escola em breve, mas tenho certeza que também vou deixar momentos felizes que passei com todos meus colegas, assim também como discussões, intrigas que decorreram ao longo desses anos. Saudade vai ficar, mas vou sempre me lembrar da escola que me ajudou a ter uma visão para o futuro, incentivando e apoiando. Agradeço a Deus por ter me dado à oportunidade de conhecer as pessoas que hoje conheço, professores que são como amigos e sempre estão dispostos a ajudar. Conviver com essa turma foi uma experiência ótima. Sempre vou lembrar. Galera divertida, mesmo com desavenças são companheiros. Fica meu agradecimento a todos que fizeram parte da minha historia no CEMER nesses três anos.

Luana Jéssica Santiago dos Santos


27

70

Despedida e saudades O sol nasceu para iniciar mais um dia. O tempo passou e o fim de mais uma fase da vida chegou. Cada um seguirá seu destino. Irão partir para uma nova realidade, um novo mundo se abrirá aos nossos olhos, repleto de novidades o que nos causa medo e aflição. O futuro inicia sua trajetória agora. A vida está se definindo para cada um. Separaremos-nos, mas as lembranças e recordações serão eternas, e os verdadeiros amigos permanecerão conosco mesmo que só possa ser em pensamentos. A vida é um caminho de encontros e desencontros e assim transcorre a história de cada um. Um novo sentimento nasce em nossos corações que nos transforma e marca o fim de uma fase, um período muito importante e bonito da vida. E é fundamental para as nossas vidas sobre mais um pedaço da história de cada um. Um novo dia nascerá e marcará o inicio de um novo tempo, onde cada um deverá cumprir sua missão deixando uma contribuição para a história do mundo. Sempre estaremos juntos, pois nossas histórias, para sempre, foram marcadas com sorrisos e atitudes de cada um.

Érika Priscila Pereira


69

28

Minhas recordações da escola CEMER O tempo passa. E os anos de CEMER estão chegando ao fim. Deixo pra trás momentos bons e ruins, que nunca serão esquecidos, pois ficaram marcados. Minhas manhãs, nunca mais serão as mesmas, pois ao acordar saberei que tudo vivido, não irá mais voltar: o atraso ao chegar na aula, às conversas paralelas, o ombro amigo de Laianny, os comentários sem noção do Wanderson, as centenas de gargalhadas que dei com Nirly e as festas improvisadas marcadas pela a Jéssica. Muitas experiências foram adquiridas ao longo desses três anos que estudei no CEMER, momentos inesquecíveis aconteceram. Um momento que não posso deixar de citar foi à viagem para a praia de Morro Branco na cidade de Beberibe-CE, foi um acontecimento marcante de muita bagunça e diversão com a minha turma do terceiro. Nada tenho a reclamar da escola CEMER, pois é uma instituição de respeito e tenho muito orgulho de ter participado de sua história, pois possui uma excelente equipe de professores e núcleo gestor, e nada se compara com a outra escola estadual da cidade. Irei agora passar por outra etapa da minha vida, fora das paredes da escola, porém ela serviu de suporte para que minha saída se torne mais fácil, pois o CEMER me ensinou a andar com minhas próprias pernas. Não posso esquecer! O melhor terceiro tem nome: Terceiro B (3°B). Muito orgulho de participar dessa família.

Laianny Kelle de Oliveira Almeida


29

68

Foi eterno enquanto durou Colégio Comecei a estudar no CEMER no ano de 2008, escolhi esta escola porque era bem recomendada pelos professores, e não me arrependo de tê-la escolhido, pois é uma escola arborizada, organizada e com ótimos educadores. No CEMER conheci muitas pessoas que sempre vou lembrar, que se tornaram

quE Me Ensinou a

anda R com minhas próprias pernas...

meus melhores amigos, que me deram força quando precisei, e que sempre poderão contar comigo. Foi no 3º ano que mais aprendi e vivenciei sensações diversas. A primeira delas foi à pressão do vestibular, que sempre tinha alguém que não nos deixava esquecer da importância dele. Depois o alívio de que seria o último ano do ensino médio, o medo seria o começo para uma longa jornada ao futuro. Por último, a saudade das pessoas, pois afinal, foi no mínimo um ano de convivências. Saudades também da rotina, apesar da reclamação de acordar cedo quase todos os dias. Neste ano convivi com novas pessoas e descobri pessoas já conhecidas. Último ano, cada um toma um rumo na vida, quase todos se separam, até aqueles que se conhecem, há dois anos ou até mesmo aqueles que se conhecem a dezoito, mas sempre haverá alguma lembrança dos momentos vividos na sala, talvez não teremos contato com todos, mas que tenhamos, pelo menos, uma recordação.

Fabrício Chaves de Oliveira


67

30

Eternos Bafanas

Posso até dizer que este ano foi o melhor que já tive. Passei alguns anos de minha vida convivendo nessa escola que marcou as vidas de muitos dos seus estudantes, vou tentar expressar as emoções contidas nos meus três anos de vivencias no Colégio Estadual Maria Emília Rabelo, e com meus diversos episódios que aconteceram junto com amigos e amigas respectivamente das salas 1° D ”elite”, 2° B ”anos de negações e discórdias”, e o 3° B criados para vencer. Essas turmas foram as melhores em termos cômicos e disciplinares do CEMER segundo opiniões dos alunos inclusos. Começo a tecer meu texto falando um pouco sobre meu primeiro ano nessa escola maravilhosa, 1° D foi uma época marcante para os alunos que naquela sala estudavam, mas pra mim um dos primeiros anos formados se destacou, era a turma que ninguém, por onde passou, esqueceu uma turma de primeiro ano que jamais foi vista nessa escola, alunos quebrantes de tabus onde sempre diziam que as melhores turmas eram escolhidas respectivamente pelas letras A, B, C e D e nós mostramos que nada disso era verdade elaborando projetos vencedores e completos. Agora abro espaço para falar de meus anos de negações, não tanto quanto de outras pessoas, mas foi o meu pior ano, tanto em questão de notas quanto de discordâncias em relação a professores e em termos disciplinares. A sala ganhou novos componentes e perderam muitos deles. Os que entraram, poucos escaparam das alfinetadas dadas pelos integrantes antigos e muitos que não eram queridos ficaram para trás. Chegou o ano de glória, vivenciado pelos integrantes da turma do 3°B. Uma galera muito alegre e divertida que sempre dá um jeito de alegrar o ambiente em que convivemos a maior parte do dia, a mesma que hoje vivencia momentos de intrigas entre algumas pessoas e tem uma grande rivalidade com

Karl Wendlinger Maia de Freitas


31

66

Mudanças Quando saímos de um lugar que é agradável-onde temos amigos há

uma certa turma, mas sempre nos lembraremos dos momentos bons inclusive o

algum tempo-para outro onde não sabemos o que esperar, dá um certo receio,

de ter eliminado o 3°A no interclasse. Outro momento importante para a

pois vão ser conquistas novas. Isso não acontece só quando mudamos para

unificação da turma foi à viagem a Beberibe onde muitos foram se divertir e

lugares muito distantes, pode acontecer no simples “mudar” de colégio, por

deixar de lado as desavenças. Esquecer conceitos formulados durante todo um

mais que o antigo fique a alguns metros.

ano sobre uma determinada pessoa que simplesmente após três dias foram

Na vida temos muitas decepções e isso serve de ensinamento para não cometermos mais o mesmo erro, algumas pessoas, ao contrario,

trazem

alegrias para nossa vida, fazendo com que haja mudanças.

esquecidos e deixados de lado. A cada dia ficamos mais fortes e preparados para o que der e vier, é por isso que menciono essa frase novamente, “3°B criados para vencer”.

Ter vindo a um colégio novo, conhecer pessoas novas me fez ser mais compreensivo e aceitar opiniões opostas as minhas. Conheci pessoas

que

espero levar pro resto da vida, por mais que a distancia nos separe vamos sempre estar juntos. Conheci também mulheres, por quem eu sinto um carinho imenso e homens que são verdadeiros amigos. Devo não ter agradado a todos, pois nem Deus agradou, mas tenho certeza que quando lembrarem de mim, será com muita alegria. Agradeço a todos por poder ter participado desse pequeno tempo em suas vidas, mas que foram vividos com verdade e intensidade. Também por terem me feito feliz e um cara melhor.

Fernando Pessoa Oliveira de Sousa


65

32

Amizades construídas no CEMER! Olá, sejam bem vindos a essa página que falo das minhas amigas que conheci graças ao CEMER. A nossa amizade foi se tornando tão forte que hoje somos praticamente irmãs. Uma benção de Deus, pois só ele pode transformar pessoas desconhecidas em melhores amigas. Iniciando minha história vou apresentar a vocês Bruna Raquel e Naiane Mara duas garotas simpáticas, maluquinhas, mas de corações enorme. Lembrome como se fosse hoje a primeira vez que entrei no CEMER. Uma perdida entre milhões, cheio de pessoas estranhas que hoje faz parte da minha história. Ao entrar na sala no primeiro ano, além de chegar atrasada, todo mundo me olhou. Quando vi todos na sala, me deu vontade de voltar na mesma hora. E parece maluquice, mas não. Foi como me senti ao ver tantas pessoas estranhas me olhando ao mesmo tempo. A única pessoa que conheci, mas que não tinham amizade, era a Naiane, que foi aos poucos se tornando minha amiga. No primeiro dia de aula conheci a Bruna que fomos trocando ideias até sermos amigas de confiança uma da outra. Foi daí que começou nossa amizade, o trio que traz com ele alegria, simpatia e além de tudo, união. Ele é composto por três belas garotas, Jarlênia (eu); Bruna; Naiane. As APS (amigas para sempre). Quando falo do CEMER vem logo na cabeça a simplicidade de acolher nele alunos sem nenhum preconceito, ou seja, trata todos iguais. Portanto, deixo meus agradecimentos a todos que leram essa página e com todo respeito, deixo um conselho de amiga; “Saiba construir no CEMER amizades verdadeiras que, ao entrar e sair daqui, você vai ver qual o verdadeiro valor de uma bela amizade”. Tenham uma única certeza: Você sempre terá um amigo para qualquer momento, esse se chamara CEMER, onde nele você pode confiar e as portas sempre estarão abertas no caso de você precisar!

José Valdomiro da Silva Filho


33

64

Momentos que vivi Eu comecei a estudar no CEMER em fevereiro de 2009, não lembro o dia certo, vim da escola Egídia, onde passei três anos estudando. A mudança de colégio não causou muito impacto, pois eu já conhecia algumas pessoas. De várias coisas que aconteceram, um dos momentos mais legais de 2º B foi na época do interclasse em 2009, porque ali eu vi a turma toda unida torcendo pela sua sala, mesmo sem termos vencidos a comemoração foi intensa. Todos muitos alegres com um litro de jurubeba, para todos do time, foi uma alegria só. Essa turma, a galera, os “Bafanas-Bafanas” foi a melhor turma que eu já tive. Dentre de tantas coisas, o CEMER fez florar em mim um dos sentimentos mais bonitos que existe: a amizade. Brena Senna, uma das melhores pessoas que eu já conheci, que eu agradeço ao CEMER por ter feito nossos caminhos cruzarem, talvez eu não a teria conhecido se eu não tivesse mudado de escola, e que hoje ela é muito importante na minha vida. Ela é minha melhor amiga, e hoje, no 3º ano, sinto-me, muito feliz por ter essa amizade. Também conheci muitas pessoas que marcaram muito, que me ajudaram nesse tempo que fiquei no CEMER, pessoas que me mostraram o que é ter amigos, meus professores, de todos, os melhores são as minhas professoras Leila e Irismar. Elas conseguem ser sérias e brincalhonas nas aulas, conseguem ganhar o respeito dos alunos, coisa que outro professor não consegui facilmente. Quero agradecer a todos que me proporcionaram viver cada momento, que eu não teria vivido se eu tivesse em outra escola. Quero agradecer a minha melhor amiga, Brena Senna, por compartilhar comigo todos os momentos que vivi neste colégio e agradecer pelos amigos que aqui fiz.

Francisca Jarlênia Amâncio da Silva


63

34

Minha história no CEMER Agora caros leitores Peço pra me escutar Pois uma história bonita Eu vou começar contar É a história do CEMER Que eu vou lhes relatar Está quase com três anos Que lá estou estudando Os diretores dali Ficaram sempre me apoiando E todos os professores Quase sempre me ajudando Por isso desse colégio Não tenho o que reclamar Pois quando estou dentro dele Eu me sinto em meu lar E só vou me sair dele Quando os estudos terminar

Jonas Nobre Rabelo


35

62

Para Nirly Nirliane Holanda, a garota mais... mais...ah, não consigo encontrar

Eu digo que o CEMER é bom

adjetivos que possam descrevê-la. Ela é simplesmente diferente de qualquer

E isso eu posso provar

outra na escola, seja no modo de agir, pensar e até mesmo na sua risada

Pois tudo já esta escrito

marcante, que mais parece uma forma de tentar cantar uma música dos Gorilas

No meu histórico escolar

e também quando faz a sirene humana, um som muito escandaloso que faz com

Onde as notas já são boas

a língua, em que me lembra no mesmo momento da princesa guerreira Xena.

E eu pretendo melhorar

Muito engraçado. Ah, Nirliane! Só ela para me proporcionar momentos excitantes e ao mesmo tempo hilários, como por exemplo, ao cantar baixinho,

No CEMER tudo é feito

músicas no meu ouvido e nos momentos da “busca de armas” que ela faz em

De uma forma bem correta

mim. Só ela para animar o 3° B, e até mesmo a escola quando preciso, pois

Se fizermos algo errado

esse seu jeito de ser é único, incomparável, que me faz ter uma admiração e um

Temos punição na certa

enorme carinho.

Mas se formos bons alunos

Isso é o mínimo que pude fazer para tentar mostrar o que ela representa

Não tem escola igual a esta

pra mim, e espero que, nesse livro, fique marcado por muito tempo, essa pequena lembrança. Um beijo do seu gostosão, Jonas.

E por essas e por outras Que eu vou aconselhar As pessoas que estudam E pretendem avançar Vamos estudar no CEMER Que bem você vai se dar

Francisco Elielder Nogueira Basílio


61

36

Tem um bom grupo gestor E professores qualificados Para que possamos aprender E termos bons resultados E depois sair dali Com sonhos realizados Agora eu agradeço A quem prestou atenção Nessa história contada Com muita dedicação E quem achar que ficou ruim Eu quero pedir perdão

João Carlos da Silva


37

60

CEMER: minha segunda casa! O Colégio Estadual Maria Emília Rabelo, desde muitos anos, faz parte da minha vida estudantil. Na época em que iniciei meus estudos nessa escola, ela ainda oferecia o ensino fundamental. Tive a oportunidade de conhecer diversas pessoas, professores e até os responsáveis pelo zelo do espaço físico. Tive em alguns momentos, que largar os estudos e nesse período de tempo sempre teve uma pessoa, ou melhor, uma professora que sempre, ao meu ver, estimulava-me a continuar os estudos e graças a tudo isso, estou prestes a concluir o ensino médio. Desde o momento em que entrei no CEMER gostei tanto que não mais procurei outra escola, pois nesse lugar, sentia-me e ainda me sinto em casa. Esse ano, concluirei o ensino médio e só em pensar, já começo a sentir saudades das pessoas que conheci e desses momentos inesquecíveis de minha vida que sempre estará na minha memória. Agradeço, desde agora, e para sempre a Deus por tudo que ele me concedeu e a todos que faze desta escola, uma das melhores e mais importantes escolas de Morada Nova.


59

38

Melhores anos juntos Passei muito tempo pensando aonde iria cursar o ensino médio, mas

Depois disso, o Weiner, Bruno e a Socorro foram para diretoria. Com isso

como estávamos atrasados devido à greve de professores, resolvi fazer o 1º ano

o Bruno foi suspenso da escola. Mas no outro dia eles estavam amigos como se

no EGIDIA, mas não gostei de lá, então no ano seguinte fiz minha matricula no

nada tivesse acontecido.

CEMER, pois muitos amigos já estudavam naquela escola e seria muito legal revê-los, conhecer novas amizades e compartilhar conhecimento e aprendizado. Cheguei a meu primeiro dia de aula muito animado e pensando como seria estudar com os velhos amigos do fundamental e mostrar a eles que eu tinha mudado em relação aos anos anteriores que foram ignorados por mim mesmo. Eu me sentia uma nova pessoa e que todos iriam gostar da minha mudança. Passei a conhecer a conhecer a turma 2º B, formada de alunos legais e uns bagunceiros que me trazem lembranças de anos anteriores, aconteceu vários momentos bons como o interclasse em inspiração aos “Bafana-Bafanas”, não ganhamos mais foi muito legal por que ali era o começo de novas amizades e o começo de uma família, mas meus amigos consideravelmente são Clycia, Caio, Fernando e Jander. Pois eles são os que eu mais compartilho momentos legais e até mesmo algumas brigas, mas também tenho amigos que, mesmo um pouco distante, não os esqueço. Passei de ano. Lembro bem da festinha de fim de ano que foi meio que “apertada” por conta do local ser pequeno, mas foi bom, ficamos apreensivos com as notas, esperando o resultado onde a maioria passou. E quem ficou de recuperação, ficamos na torcida.

Jéssica Castro da Costa


39

58

CEMER, mais um degrau para subir! O colégio CEMER sempre foi inspiração de estudo avançado por ser a

No 3º B foi quase a mesma turma, sentimo-nos uma família que até

única escola que é duplo andar, pelos alunos os professores comprometidos com

mesmo vários professores comentavam bem da nossa sala, tanto que fomos

a educação.

considerados o melhor terceiro ano, com isso vários alunos de outras salas

Quando estava na minha 8ªserie, todos combinavam para onde ir, eu já

comentavam que os professores gostavam mais de nós causando conflito entre

sabia o que queria ir para o CEMER. Como não era muito estudiosa e tiveram

as turmas. Chegaram vários alunos de outras escolas que gostaram da turma e

várias greves, acabou a aula em uma sexta no CEBCJEC e começava segunda-

já se sentiram em casa. Outros momentos marcante foi o inter-classe 2010 que

feira. Ficamos sem férias, como eu estava de recuperação cheguei depois na

foi quase o mesmo time do ano passado, obtemos mais vitórias, mas o injusto

escola, isso teve uma vantagem pude escolher minha sala.

foi vários erros da arbitragem que alterou no resultado. Outro momento

A turma era boa, 1º D, era tão legal que todos queriam ir para lá. Conheci

marcante foi a viajem à Beberibe onde foram os melhores momentos da nossa

novos amigos e recuperei antigas amizades afastadas pelo tempo, brincava com

turma, tivemos vários dias convivendo juntos, aprontando brincadeiras, algumas

todos da turma.

briguinhas que foram resolvidas de modo saudável e com tudo conhecendo o

Logo a turma era formada por ex-colegas de sala. No começo eu era na

mais importante que é a amizades entre amigos que ficará marcada para

lateral, com a Laianny, Brena, Aninha. O fundão era Timóteo, Bruno e Weiner.

sempre em nossas memórias dos melhores anos, de alunos que, com o passar

Essa era uma das ''panelinhas''.

do tempo se tornaram uma família.

Os colegas eram todos amigos, dificilmente havia uma briga. Mas como nem tudo são flores houve muita briga engraçada do Weiner e o Bruno. Uma delas foi mais ou menos assim: ''era uma aula normal de Português, quando o Bruno, brincando, enforcou o Weiner. O mesmo não gostou da brincadeira, partiu para cima do Bruno, com murros... O Bruno não ficou por baixo, bateu também. E a Socorrinha, professora, que estava na sala de aula gritava para o Weiner parar de brigar, mas o Weiner não estava nem ligando para o que ela falava. Houve um momento em que o Weiner pegou uma cadeira e quis jogar no Bruno. Todos nós ficamos preocupados pensando que ele fosse arremessá-la e machucar o Bruno. Graças a Deus que o Diego do 1º C entrou na sala e tomou a cadeira da mão do mesmo.

Francisco Gledson Bezerra do Nascimento


57

40

O que mais gostei nessa turma foram os trabalhos, principalmente o da Rachel de Queiroz, pois exigiu muito de mim, (mas eu termino o livro viu Irismar?). Adorei essa turma, pois foi onde construí duas amizades que nunca vou largar. A primeira é a Áquilla e a outra é a Larissa Xavier, nunca tinha as visto, mais me identifiquei e agora elas vão ter que me engolir. Não poderia deixar de ressaltar a direção e os professores, que foram muito especiais. Os componentes da direção são bem legais, principalmente o Elivanio. Já os professores (chegou a hora da vingança), são maravilhosos. Amo a todos, não tenho do que reclamar. Aqui vivi pouco dos meus melhores momentos, preferi não citar nomes para não se esquecer de ninguém, só digo muito obrigada àqueles que estão comigo, amo todos vocês e que um dia nos encontremos parar relembrar esses momentos.

Jarine Moreira Brígido Roberto


41

56

Meus anos no CEMER Nesses dois anos que fiquei no CEMER conheci muitas pessoas e fiz amizades para a vida toda. Muitas pessoas superaram minhas expectativas, outras me decepcionaram. Mas o que levei em conta mesmo foram às novas amizades que construí, foram momentos maravilhosos e que vou lembrar, sempre. Nas idas e vindas da vida reencontrei muitas pessoas especiais e conheci outras, algumas permanecem, outras foram para outro lugar atrás de novos horizontes, novas experiências. Os momentos que mais me marcaram em 2009, onde cursei o 2º ano na turma D da tarde, foram os trabalhos em grupo, as aulas e os professores, entre eles Zé Martins, pois foi uns dos que pegavam mais no nosso pé (no bom sentido claro). As aulas sempre foram ótimas pois nos divertíamos muito e a nossa festinha de fim de ano foi muito boa, relembramos muitas coisas que aconteceram durante o ano e foi onde me despedi deles, pois no ano seguinte iria passar para a manha. Não foi fácil! Alguns pediram para não ir, mas eu tinha que sair. Cheguei ao 3º ano B da manhã. Conhecia quase todos, fiz novas amizades, mas com o passar do tempo descobrimos realmente quem gostam da gente e como foi no 2º ano, onde deixei algumas pessoas que não gostavam de mim, agora não foi diferente. Há algumas pessoas que não falam comigo mas isso não interferiu, em nada, na minha vida aqui dentro, pelo contrario, aproximou-me de pessoas que simpatizam comigo e só tenho a agradecê-los.


55

42

3º B, o melhor que hÁ! É impossível falar sobre a minha história no CEMER, sem falar dessa turma, tão querida e copiada, 3º B. Com todas suas diferenças e particularidades, o 3º B, destacou-se não só para os seus membros, mas, para o colégio como um todo. Agora, para mim, o mais engraçado dessa turma é o fato de ter o mesmo nome que um colega meu, o Wanderson, pois quando alguém tentar falar com um, sempre os dois olham, o que é um pouco estranho, mas, a única coisa mesma que temos em comum é o nome, pois, no resto, somos bastantes diferentes. Ele, um “atleta”, carismático, despreocupado, já eu, sedentário, nervoso e “nerd” (risos), não mesmo, apenas tento parecer inteligente, para os professores não exigirem muito de mim. “3º B, nunca vamos esquecer”! Essa frase simplesmente descreve a “união” entre a turma, pois, mesmo nos distanciando, sempre estaremos juntos, em nossas perspectivas, sonhos e esperanças. Amigos? Para sempre quero leválos, principalmente suas características, as loucuras do Jonas; o hacker Mariows; Wanderson parceirão; Fabrício “brother” de infância; Ítalo, “o esquecido”; Elyelder sempre pistoleiro; Karl a barata feiticeira do mal; Valdomiro o forte do time e por último, todo o resto dessa turma, que sempre foi e será a classe mais extraordinária que eu já estudei. flw lek tudo de bom. By: O Fênix dos jogos.

Jander de Oliveira Alexandre


43

54

Francisco Wanderson da Silva Oliveira


53

44

3 B melhor que hÁ Na minha passagem pelo Colégio Estadual Maria Emília Rabelo, mais

3º B, o melhor que já existiu, pois estava livre de qualquer presença

conhecido como CEMER, passei por várias situações boas e ruins, Ao chegar a

indesejada. Como citei inicialmente, esse ano foi composto por mudanças, às

essa escola, pensava que não iria conseguir adapta-me facilmente ao novo

mesmas principalmente no campo de amizades. Aqueles que achávamos ser

ambiente, novas pessoas, professores... tudo para mim era novidade.

nossos amigos, mostraram-se nem tão amigos e aqueles que estavam ali, ao

Logo consegui fazer novos amigos e rever antigos. Com o passar do tempo vim perceber a importância de aproveitar cada minuto da vida ao lado

nosso lado, e passavam despercebidos se tornarem bastante queridos, peças decisivas para tornar esse ano tão prazeroso.

dos amigos, até por que a vida não é eterna. Sabemos que um dia deixaremos

Clycia, Fernando, Caio e Gledson foram aqueles que, desde início,

de realizar aquela mesma rotina de todos os dias nos encontrarmos na escola. E

estiveram ao meu lado em todos os sentidos, mas a lista não se resume a eles.

que quando concluirmos, cada um vai seguir um caminho diferente. Sentirei

Não posso deixar de citar a Layanne, Nirly, Teté(Luana Jéssica), Jéssica,

saudades.

Fabrício, Wandersons foram que se aproximaram da gente, aqueles com quem a

Hoje o que considerávamos rotina cansativa, será motivo de recordação de melancolia, pois iremos perceber que tudo aquilo era motivo de felicidade, de prazer.

nós resolvemos juntar a galera. O 3º B foi cheio de mudanças, as mesmas que, consequentemente, farão diferença durante toda vida, Layanne e Nirly sei que devido a caminhos e escolhas diferentes infelizmente nos distanciaremos, mas como todos sempre

caiu geral, lascou total. papocou total.

terão meu afeto, carinho e respeito.


45

52

Momentos Inesquecíveis Falar dos meus anos de CEMER talvez se restrinja a falar necessariamente do 3º B, pois para mim foi o de maior importância, não que os outros também não tenham sido tão decisivos na minha vida. Se fosse resumir esse ano em uma palavra essa seria “Mudança”, sim mudanças foi o que mais aconteceu nesse ano em diversos aspectos, os mesmos de interesse pessoal e coletivo. Citarei agora os outros 2 anos que, mesmos não tão agradáveis, não se passaram em branco. O 1º D, a elite, foi marcado pelas bagunças, e as inesquecíveis brincadeiras no intervalo. O 1º D não foi uma turma apenas de brincadeiras, mas conhecido também como uma das melhores turmas em conteúdo, mérito sempre elogiado por professores e sendo comprovado com um projeto elaborado pela turma vencedor na feira de ciências da 10ª Crede. O 2° B foi um ano bem mais agradável, isso devido à ausência de alguns alunos, a saída de pessoas desagradáveis, foi substituída pela entrada de pessoas que aos poucos foram conquistando seu espaço e consideração, sentimentos esses que perduram até dias atuais. “Bafana-Bafana” como ficou conhecido o 2° B não passou despercebido em relação a brincadeiras, as mesmas agora com a participação de todos, exemplo a criação de uma banda de forró fictícia chamada “Cuscuz com ovo, O intalo do forro”,

inesquecível 2ºB,

não tão

marcante, nem menos importante.

Francisco Wanderson de Oliveira Freitas


51

46

Acontecimentos bons? Sim, muitos! Boas. Sim, coisas boas. É isso que tenho a falar de 3 anos de experiência na Escola CEMER. Claro, nem tudo são flores, mas só levo comigo o que é bom, pois carregar, em mente, coisas ruins não me levaria a nada. E coisas boas aconteceram muitas, como: ser nomeada vocalista da banda cuscuz com ovo no 2º B (2009), vestir-me de Maria Moura na apresentação do livro Memorial de Maria Moura, trabalho de português... essas coisas foram muito marcantes, não só para mi9m,mas para toda turma. No começo, achei que tudo iria ser muito monstruoso, complicado... coisas do tipo. Mas, com o tempo, percebi que as coisas podem ser menos complicadas do que aparentam ser. Fui aprendendo que precisa ser forte para enfrentar os obstáculos, e que pode ir mais além do que se possa imainar. Você acha que conviver com diferentes opiniões, gostos, necessidades, é fácil? Não, não. De fácil não tem nada. Acaba, mesmo sem querer, gerando muitos conflitos, mas sem ter dúvida alguma de que precisamos aceitar as pessoas como elas são e não querermos que elas mudem para nos agradar. Amizades. Fiz muitas em 3 anos. Portanto, muitos vimadas poucos são confiáveis o bastante para que possamos compartilhar um segredo. Afinal, para “udo nessa vida, precisamos fazer grandes escolhas, porém algumas decisivas e com os amigos não poderia ser diferente. Sou grata por todos os amigos que consegui.

Ítalo Batista Pinheiro


47

50

Enfim, só tenho a agradecer por tudo que a Escola CEMER fez por mim. E como não poderia faltar, queria fazer alguns... agradecimentos? (risos). Sim, agradecimentos. Para aquelas pessoas que tornaram os meus anos de CEMER mais divertidos. E são elas: Nágila, Maressa, Eliana, Nayara, Sabrina, Patrícia, Prof.ª Irismar, Clycia, Mário e... Joninhas, não é? O que tenho a dizer pra vocês é: “boas e bobas são as coisas que penso quando penso em vocês”.

Girlene Peixoto Girão


49

48

3°B: uma árvore Iniciava as aulas e com isso surgia no Colégio Estadual Maria Emilia

O CEMER me proporcionou emocionantes desafios, ensinou-me a

Rabelo (CEMER) uma união de pessoas de diferentes estilos, costumes e cor, era

esforçar-me e lutar em momentos de tribulação no 3°B. Vivi em um ano

a Nação do 3° B 2010 ou simplesmente crescia a árvore de amigos. Quando

apenas, mas foi o bastante para eu ficar motivado a crescer como pessoa em

olhei para trás, observei todo o caminho que eu percorri e não acreditei, olhei

simplicidade, intelectualidade e honestidade. Jamais esquecerei do 1° até o

para frente e ainda faltava muito para alcançar o que eu queria, mas, estive o

último dia em que pisei nesta sala junto a essa turma. Nunca me falhará a

tempo todo cercado por pessoas me motivando, alegrando, ajudando, outras até

memória dos momentos sérios e divertidos em trabalhos escolares de

desmotivando-me e com tudo fiquei feliz pois jamais estive sozinho em meus

Português, Espanhol entre outros. E a incrível viajem para a praia de Morro

três anos de CEMER. Chegando a um local de terra fértil resolvi plantar uma

Branco, Beberibe-CE.

árvore especial, então joguei a semente só que a tal não dava frutos, mais belas folhas de amizades bem mais importantes que frutos que podem apodrecer com

”Só não faço uma tatuagem porque

o tempo. O mais interessante é que pessoas que só por cruzarem os nossos

não basta marcar a pele com a escrita 3°B

caminhos já nos deixam felizes. No CEMER tiveram pessoas que me

2010, mas sim cravar na alma e no coração

acompanharam lado a lado observando luas passarem, outras apenas

todos os amigos da melhor turma pra

caminharam por um instante, mas todas ficaram em meu peito, daí as folhas as

sempre.”

caracterizam, desde o primeiro broto até as velhas e murchas folhas amareladas. O destino reservou-me amigos que nem imaginei ter, onde são sinceros, verdadeiros e muitos sabem até quando não estou bem e o que me faz feliz. O tempo passa, o verão se vai, o outono chega e como toda árvore essa também perde folhas e surgem outras, mas o que me deixa contente é que as que caíram continuam por perto alimentando a raiz com alegrias e lembranças maravilhosas de momentos mágicos enquanto estavam nos galhos. Então eu digo que cada pessoa que passa em nossa vida é única e sempre deixa um pouco de si e leva um pouco de nós, existe as que levaram muito, mas não. Há as que não deixaram nada. Após três anos me vejo cercado de folhas lindas do 3°B 2010.


Com Vivências - Meus Anos de CEMER