Issuu on Google+

Proposta de Candidatura

Diretoria de Comunicação Brasil Júnior

Leandro Coronel

Porto Alegre, 23 de setembro de 2012.


1. Apresentação da Federação

1.1

Histórico

Criada no ano 2000, a Federação de Empresas Juniores do Estado do Rio Grande do Sul – FEJERS, teve como suas fundadoras a Emad Jr. – Empresa

Júnior

de

consultoria

empresarial

vinculada

ao

curso

de

administração da Universidade Federal de Pelotas – e a PS Júnior – Empresa Júnior de consultoria empresarial vinculada ao curso de administração da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Ao longo dos seus 12 anos de existência, a FEJERS vivenciou altos e baixos dentro do Movimento Empresa Júnior, tendo inclusive passado por um período de inatividade, ocasionado pela falta de adesão das empresas juniores locais ao movimento. Pode-se considerar, porém, que este momento foi superado, considerando que, de 2008 aos dias atuais, a FEJERS passou por gestões que a estruturaram, com destaque para a elaboração de seu planejamento estratégico 2012 – 2014, norteando e direcionando os esforços da Federação. O trabalho de organização da federação tem refletido diretamente nos seus resultados alcançados, exemplo disso são algumas empresas juniores gaúchas inseridas no “TOP 20” SMD, conquistados pela Emad Jr., EPR Consultoria e PS Júnior, entre os anos de 2011 e 2012. Além disso, deve-se destacar a organização de eventos de relevância para o MEJ, como o ESEJ 2011 realizado em Gramado - RS e o ENEJ 2013, que a ser realizado em Porto Alegre. Outro fator que merece destaque, é a conquista da FEJERS como a Terceira melhor Federação de Empresas Juniores do Brasil de acordo com o critérios avaliados no SMD Federações. Tendo em vista esse resultado, e somando-se aos demais aspectos mencionados anteriormente, a FEJERS consolida no ano de 2012 uma gestão sustentável e alinhada ao Movimento de Empresas Juniores – contribuindo, dessa forma, em “Formar por meio da vivência

empresarial,

transformar o Brasil”.

empreendedores

comprometidos

e

capazes

de


2. Objetivo da Candidatura

Após um ano e meio de participação no Movimento Empresa Júnior e minhas experiências nesse período vividas como Consultor de Marketing e Diretor de Comunicação da Empresa Jr. ESPM, bem como Assessor de Comunicação Estratégica da FEJERS, considero o MEJ uma peça fundamental para o meu desenvolvimento pessoal e profissional. Minhas experiências dentro e fora do MEJ, nas diferentes funções citadas anteriormente, me proporcionaram oportunidades de desenvolvimento diversificadas dentro do âmbito da comunicação, as quais considero de grande valor para formação de um gestor da área. Nesse contexto, considero que a atuação profissional como Diretor de Comunicação da Brasil Júnior, proporciona a quem a vivencia, uma oportunidade rara e diferenciada de desenvolvimento profissional nesse campo de atuação. Destaco ainda que, em razão de minha opção de vida acadêmica escolhida – Gestão em Publicidade e Propaganda – na Escola Superior de Propaganda e Marketing – ESPM-Sul -, instituição que possui o foco na disseminação de conhecimentos voltado ao marketing. Dessa forma, o referido cargo se torna ainda mais ímpar na vida profissional de um estudante da área, a partir do momento em que, técnicas e ferramentas de comunicação estudadas nos bancos acadêmicos, podem ser aplicadas quase que paralelamente enquanto abordadas, fato que dificilmente acontece em oportunidades exteriores ao MEJ. Tão importante quanto, atribuo grande parte desse meu envolvimento à razão de acreditar no propósito de existência das empresas juniores – bem como a potencialização desses resultados através de uma rede que é liderada por Federações e Confederação. Entendendo, a partir disso, o papel e postura dos empresários juniores na busca constante por transformar a sociedade por meio da vivencia empresarial e fomento ao empreendedorismo.


Deste modo, finalizo a descrição do meu objetivo de candidatura, sintetizando que a possibilidade de atuar frente à Diretoria de Comunicação da Brasil

Júnior,

satisfaz

plenamente

minhas

necessidades

pessoais

e

profissionais, estando ela alinhada tanto quanto com a minha ideologia de vida, quanto ao meu planejamento profissional de carreira.

3. Diretor Exclusivo Nome: Leandro Wanderley Coronel Data de Nascimento: 06/05/1989 Curso: Comunicação Social – Publicidade e Propaganda Período: 8° semestre IES: ESPM-Sul EJ: Empresa Jr.ESPM Tempo de MEJ: 1 ano e 6 meses E-mail: comunicacao-ejr@espm.br Skype: comunicacaoejr

3.1. Histórico no MEJ Consultor – Planejamento – Agosto/2010 a Dezembro/2010 Consultor – Pesquisa de Marketing – Agosto/2011 a Outubro/2011 Diretor de Comunicação – Novembro/2011 a atualidade Participação no EGEJ 2010 Participação no EGEJ 2011 Participação no ESEJ 2012 Participação no JEWC 2012

4. Contexto Atual da Brasil Júnior

Fundada no ano de 2003, a Confederação Brasileira de Empresas Júniores – Brasil Júnior – é constituída, hoje, por 14 Federações, sendo 13


estados e mais o Distrito Federal. A função da Brasil Júnior, enquanto Confederação, é fomentar, dar suporte e representar as empresas juniores a nível nacional. Sua estrutura Organizacional é composta, atualmente, por quatro diretorias (Administrativo-Financeiro, Comunicação, Desenvolvimento e Presidência), Presidência do Conselho e Conselho. Durante seus 14 anos de existência, pode-se considerar que a Confederação avançou muito em termos de organização, conseguindo, deste modo, contribuir cada vez mais para o desenvolvimento do Movimento Empresa Júnior nacionalmente. Nesse sentido, destaco os anos de 2003, 2006, 2007, 2009 e 2010, como os de maiores relevância para a Confederação, tendo em vista que foram durante essas gestões que se direcionaram esforços que viabilizaram o Planejamento Estratégico que possuímos hoje. O ano de 2013, será marcado pela consolidação do ciclo MEJ e amadurecimento do ciclo sociedade, fazendo com que a comunicação seja um ponto chave nesse contexto. Essa estruturação pela qual a Confederação vem passando, já demonstra resultados tangíveis para o Movimento. A quantidade e a perspectiva de aumento das federações confederadas, o número crescente de EJ´s e empresários juniores pelo país inteiro, a credibilidade que a confederação, hoje, desfruta perante seus steakholders, bem como seu reconhecimento na sociedade, são fatores que, embora ainda possam ser bastante melhorados, já indicam o crescimento ao qual a Brasil Júnior vem conquistando ao longo dos anos. Além disso, um calendário de eventos consistente, com adesão de grande

parte dos empresários juniores que

preenchem suas vagas

rapidamente, é igualmente uma prova do crescimento que o Movimento vem tendo no Brasil inteiro, sendo a Confederação diretamente responsável neste processo. Fatos recentes como o acontecimento do JEWC 2012 em Parati – RJ, entre outros eventos regionais de sucesso, são provas da consolidação de nosso Movimento como um todo. Nesse sentido, destaco que a atual gestão da Brasil Júnior, avançou


em aspectos importantes. O desenvolvimento de um modelo de medição de desempenho e apoio ao desenvolvimento de excelência em gestão que vem sendo construído, a consolidação do atual portal da Confederação na internet., bem como a organização de eventos, que embora saibamos das dificuldades encontradas, tem proporcionado eventos que colaborem fortemente para o desenvolvimento do movimento, são aspectos que caracterizam uma gestão que agrega melhorias para o MEJ. No entanto, considero que os desafios a serem superados hoje são outros. Manter o nível de excelência que o nosso movimento vem tendo hoje em diversos aspectos é, certamente, um desafio a ser vencido, mas avançar de acordo com o Planejamento Estratégico em Rede, é preponderante nesse momento. Desta forma, a Diretoria de Comunicação deve se inserir nesse contexto e trabalhar, principalmente, pelo fortalecimento da marca Empresa Júnior e alinhamento e reconhecimento das Federações e Empresas Juniores.

5. Resultados Esperados Como forma de contribuir diretamente para o desenvolvimento do Movimento Empresa Júnior, apresento a seguir os resultados que espero atingir como Diretor de Comunicação da Brasil Júnior. Assim como procura expor os meios pelos quais acredito que sejam mais eficazes para viabilizar os aspectos estabelecidos nesse documento. Desenvolvo minha proposta de candidatura e elenco os resultados esperados frente à Diretoria de Comunicação levando em consideração dois aspectos: o momento atual da confederação e sua posição no Planejamento Estratégico em Rede – amadurecimento no ciclo sociedade – e as questões estratégicas relacionadas à área de comunicação.

5.1. Fortalecer a marca Empresa Júnior

Tendo em vista o amadurecimento no ciclo sociedade e a questão


estratégica em voga, parto do pressuposto que a exposição da marca “Movimento Empresa Júnior”, naturalmente deve ser intensificada perante a sociedade. Este fato deve demandar automaticamente cuidados específicos quanto ao desenvolvimento de Branding na Confederação e no movimento como um todo. Deste modo, ressalto que se torna necessário o desenvolvimento de um posicionamento de marca tanto para a Brasil Júnior, como para Movimento Empresa Júnior, que os tornem reconhecidos da maneira como os envolvidos com estes, acreditam que eles devam ser. Para elucidar melhor a situação, o que proponho é realização de dois Planos de Comunicação. Um planejamento completo para a Confederação a ser colocado em prática e transmitido aos steakholders por meio dos envolvidos diretamente com a mesma (Diretoria Executiva, Conselho e Presidência do Conselho) e outro “inacabado” a ser disseminado nas instâncias e empresas juniores. Explicando mais especificamente o segundo por se tratar de uma situação pouco comum; acredito que se deva desenvolver um planejamento de comunicação que possa ser ampliado. Dessa maneira, pode-se estabelecer somente parte do posicionamento de cada organização, que seria o ponto que nos identificaria como componentes do mesmo movimento. Porém, nesse sentido, o planejamento ao mesmo tempo abriria espaço para que cada empresa júnior e Federação possa completá-lo de acordo com as características que lhes são peculiares, considerando o seu contexto, segmento de atuação etc. Deste modo, estaremos contribuindo para a construção

de

uma

imagem

bem

posicionada

da

Confederação

e,

principalmente, trabalhando e gerando subsídios para que toda a rede trabalhe na direção do fortalecimento da marca Empresa Júnior. Por posicionamento de marca, entende-se que é o estreitamento relacionado ao conceito de imagem e associação, devendo refletir realmente como as pessoas percebem a marca. Para isso, este processo, no que tange tanto a Confederação, quanto o MEJ, como qualquer outra instância e Empresa


Júnior, deve respeitar rigorosamente três aspectos que o devem compor: legitimidade, relevância e diferencial. Legitimidade: os aspectos a serem valorizados na transmissão de identidade de marca da Brasil Júnior e do MEJ, aos seus steakholders devem ser legítimos, ou seja, toda a equipe que o compõe deve acreditar e transmitilos, não devendo, estes, serem trabalhados somente por parte da Diretoria da Comunicação através dos meios e ferramentas que a tangibilizam. Relevância: Os atributos ressaltados devem ser relevantes perante seus steakholders, de forma a atrair a atenção e despertar o interesse deste em se envolver com a Confederação e o Movimento, de acordo como o seu devido papel enquanto público. Diferencial: A Brasil Júnior e o Movimento Empresa Júnior devem destacar em seus posicionamentos aspectos que os diferenciem em relação aos demais movimentos estudantis, não devendo este ser encarado de forma pejorativa no sentido de diminuir a importância dos demais movimentos, mas sim buscando um diferencial do MEJ para que esse conquiste um espaço cada vez maior na sociedade. Para que o planejamento de posicionamento de marca seja efetivo, deve-se considerar e respeitar pontos importantes na construção desse projeto, incluindo sondagem qualitativa com os steakholders, histórico de comunicação, busca por tendências etc. Como forma de mensurar o que está sendo feito e possivelmente revisar seu posicionamento em futuras gestões, proponho ainda a instauração de um processo de mensuração de valor de marca para a Brasil Júnior e para o MEJ, através de pesquisas quantitativas a serem realizadas anualmente, que possibilitem a comparação ano a ano da imagem de ambos. Nesse processo, deve ser lembrado que o papel do Diretor de Comunicação deve ser de liderança e condução do projeto, que não deve se limitar às percepções deste, mas sim de todos os envolvidos de forma direta à Confederação e ao Movimento (diretoria executiva, conselho, presidência do conselho, federações e empresas).


5.1.1. Ferramentas de Comunicação

Com o planejamento do posicionamento da marca Brasil Júnior realizado, este deve ser colocado em prática, transmitindo-o aos steakholders através das ferramentas de comunicação a serem trabalhadas. Nesse sentido, pode-se considerar: relações públicas, publicidade e eventos. Relações Públicas – Tendo sempre em mente o momento de amadurecimento no ciclo sociedade, considero que a ferramenta de relações públicas deve ser trabalhada principalmente por meio de assessoria de imprensa. Estabelecer uma ligação constante entre a Confederação e os veículos midiáticos de maior visibilidade, se torna um ponto chave para que sejamos um movimento cada vez mais reconhecidos na sociedade. Sabendo do cenário delicado e de todas as dificuldades que envolvem o desenvolvimento desse tipo de trabalho, onde em situações gerais muitas organizações costumam realizar investimentos de caráter financeiro para que isso aconteça, acredito que a Brasil Júnior deva se valer de um de seus principais ativos: a força do movimento empresa júnior. Acredito que essa força se torne sempre mais perceptível e evidente durante a realização de eventos do MEJ nos quais reunimos de centenas a milhares de pessoas, ente empresários juniores e palestrantes de renome no mercado. Nesse sentido, o desenvolvimento de um trabalho de relacionamento com os principais meios de comunicação se torna um aspecto preponderante para que possamos buscar aparições na mídia. Envios constantes de materiais como releases, para profissionais de veículos que estejam alinhados ao posicionamento do Movimento, com textos que os convidem explorando todo o potencial do evento e relevância dos palestrantes que dele participarão, bem como fotos e vídeos de eventos passados que tangibilizem. Ainda, acesso a credenciais, são exemplos de ações simples, que realizadas repetidamente contribuem com resultados


significativos. Além disso, destaco que a amplitude do nosso Movimento pode ser utilizada no sentido de busca de contatos. Possuir contatos dentro de veículos de comunicação é um aspecto que pode contribuir consideravelmente para aparições na mídia e consequentemente espaço na sociedade. Deste modo, um relacionamento próximo e sinérgico entre todos os componentes de nossa rede, se faz importante para que possivelmente façamos contatos que contribuam para isso. Publicidade – A utilização da publicidade como ferramenta de comunicação, possui elevada importância para que a Brasil Júnior atinja seus objetivos. A difusão e propagação dos ideais do Movimento e necessidades da Brasil Júnior , atuam estrategicamente para que ambos alcancem resultados. Nesse sentido, torna-se necessária a produção e veiculação de materiais publicitários de cunho institucional e de divulgação. Institucional como forma de explicitar o posicionamento da Confederação e do Movimento, e divulgação a fim de manter os steakholders informados a respeito de acontecimentos relacionados aos mesmos. No entanto, para que o material utilizado seja de fato efetivo, deve-se respeitar conceitos básicos de publicidade no que tangem planejamento e criação de peças publicitárias. Deste modo, acredito que o Diretor de Comunicação, enquanto entendedor

do

assunto,

deve

contribuir

possivelmente

com

seus

conhecimentos técnicos adquiridos, no sentido de colaborar na orientação e aprovação de materiais a serem produzidos por uma equipe de publicidade que respeite regras de criação como alinhamento, tipografia, gestalt, entre outras. Ademais, ainda no âmbito da publicidade, o desenvolvimento de um planejamento de campanhas, para que suas peças sejam comunicadas de forma integrada, se torna igualmente importante, a partir do momento em que estas devam possuir conceitos bem estruturados a fim de transmitir a mensagem que se deseja com eficácia.

Eventos


Para que se tenha uma comunicação efetiva com seus mais variados públicos, considero que a utilização dos eventos como ferramenta de comunicação desempenha um importante papel. Aliado a isso, o contexto da Brasil Júnior e do MEJ nacional, bem como nosso ciclo do planejamento estratégico, o fortalecimento da marca empresa júnior e o alinhamento das federações, fazem os eventos do Movimento ganhar maior relevância ainda nesse contexto. Sabe-se que, hoje, os eventos não são simplesmente encontros pontuais e passageiros, mas sim oportunidades de troca de conhecimento e geração de ideias entre os participantes. Deste modo, proponho que a Brasil Júnior, enquanto responsável pelo fomento e suporte à todas Empresas Juniores brasileiras, estimule a inserção de comunicação estratégica como pauta de programação científica em todos os eventos do MEJ nacional. Percebo isso, como uma medida de incentivo e estimulo à cultura de trabalho de comunicação no movimento, explorando o potencial que a rede nos oportuniza e se aproximando cada vez mais do reconhecimento da marca Empresa Júnior na sociedade.

5.2. Alinhamento e Satisfação das Federações

Tendo em vista a importância de se trabalhar a comunicação estratégica na Confederação e no Movimento, conforme explicitada na etapa anterior, considero que a questão estratégica “alinhamento e satisfação das Federações” vem ao encontro disso. Acredito, portanto, na relação próxima dessas duas questões estratégicas, na qual uma contribui para que a outra seja atingida. O Fortalecimento da Marca Empresa Júnior, crescerá proporcionalmente ao alinhamento e satisfação das Federações e das Empresas Juniores. Nesse sentido - se eximindo de explicações mais aprofundadas e específicas sobre a importância de cada ferramenta de comunicação em razão de já o ter feito na sub-etapa anterior - exponho aqui como buscarei trabalhar


cada uma para que funcionem em favor do alinhamento e satisfação das Federações. Relações Públicas –

Considero que a ferramenta de Relações

Públicas não funciona como meio para se promover o alinhamento e satisfação das federações, mas sim que o funcionamento dela, em cada instância, deve resultar de um processo de alinhamento advindo de ações promovidas por outras ferramentas, como Publicidade e Eventos.

Publicidade – Levando em consideração a quantidade de material que necessita ser divulgada e o volume de informação ao qual todos os empresários juniores são expostos nos mais diferentes meios e veículos de comunicação, considero que a publicidade trabalhada pela Brasil Júnior, deve primar pela objetividade das informações. Documentos extensos demais não atraem a atenção dos empresários juniores. É necessário que utilizemos de meios objetivos e dinâmicos para que esses, por sua vez, tenham seu interesse despertado e consumam a informação que desejamos transmitir. Ademais, trabalhar a comunicação institucional da confederação, contribui para que os empresários se identifiquem cada vez mais com ela e com o movimento, evitando assim, uma possível rejeição automática que se pode criar ao consumo do material produzido por esta. As pessoas se relacionam com aquilo que lhes agrada, logo, a Confederação tem que buscar criar um vínculo cada vez maior com os empresários juniores. Eventos Conforme mencionado anteriormente, os eventos do MEJ funcionam mais do que simplesmente um encontro de empresários juniores, eles oportunizam troca de conhecimento e geração de ideias. Nesse sentido, acredito que os eventos desempenham uma função chave na estratégia da Brasil Júnior. Utilizá-los de maneira estratégica se torna preponderante. Devemos, portanto, manter e buscar cada vez mais o estimulo à que toda a programação


científica dos eventos esteja relacionada cada vez mais com o momento da Confederação em relação ao seu Plano Estratégico. Aproveitar espaços para divulgação de materiais da Confederação, como já costuma ser feito, é algo que deve ser mantido. Considero ainda que, trabalhar com documentos objetivos e dinâmicos nas apresentações da Brasil Júnior durante os eventos pode tornar esse alinhamento mais efetivo. Destaco ainda que, o desenvolvimento de uma comunicação institucional prévia, que gere identificação, pode contribuir no sentido em que os empresários juniores estarão mais dispostos a ouvir o que a Confederação tem a falar.

5.3. Outros Resultados 5.3.1. Arquitetura de marca De acordo com AAKER e JOACHIMSTHALER, 2000a:148, “Arquitetura de marca é uma estrutura para organizar o portfólio de marcas que especifica os papéis destas, os relacionamentos entre elas e os diferentes contextos de marca no que diz respeito a produtos e seus respectivos mercados”. Nesse sentido, se torna necessário que a Brasil Júnior trabalhe arquitetura de marca, desenvolvendo estratégias que gerem sinergia entre sua marca e suas submarcas para que cada uma em sua individualidade possa direcionar forças, transmitir propostas de valores de forma clara e objetiva, contribuindo assim para a consolidação e fortalecimento de cada uma. Hoje a Confederação possui além de sua marca – Brasil Júnior -, outras quatro submarcas resultantes de seus produtos: SMD, ENEJ, Embaixadores e Censo e Identidade. Observa-se que cada uma possui um papel enquanto produto da Brasil Júnior, porém todas com características que as remetam a Confederação, o que considero absolutamente apropriado. Deve-se atentar, porém, para a utilização de dois diferentes logotipos para o mesmo produto – ENEJ -. Sabendo que o ENEJ é hoje o principal evento da Brasil Júnior, e de


todos os fatores que o circundam, transformando-o em mais que um simples evento, considero mais apropriado que o mesmo tenha apenas uma logotipo que o identifique perante todos os steakholders. Dessa forma, procura-se evitar possíveis confusões por parte do público, contribuindo para fixação do mesmo em sua consciência. Elucido ainda que não proponho, neste momento, a determinação de padronização ou não do logotipo do referido evento, apenas me oponho à utilização de dois logotipos simultaneamente por motivos já apresentados. Considero que a decisão de padronização ou não da identidade visual do evento deve ser resultado de uma ampla discussão e não unicamente a visão do futuro Diretor de Comunicação.

5.3.2. Otimização de processos, tempo e gestão do conhecimento.

Considerando os três aspectos relacionados no título desta sub etapa de minha proposta, faço aqui uma abordagem relacionando-os com o Encontro Nacional de Empresas Juniores – ENEJ. Minha vivência enquanto Assessor de Comunicação Estratégica da Federação de Empresas Juniores do Estado do Rio Grande do Sul – FEJERS – e Diretor de Comunicação de uma das empresas envolvidas na organização do evento – Empresa Jr. ESPM – me trouxe uma aproximação natural com a organização do evento e sua equipe. Por este motivo, mesmo não participando diretamente da organização do evento, posso acompanhá-la muito proximamente, fazendo com que eu tenha percepções no que tangem o seu desenvolvimento. Neste contexto, visualizo algumas dificuldades que têm sido muito claras, resultantes do modelo de organização do evento e que ocorrem idependetemente da competência apresentada por parte da comissão organizadora. Dentre as dificuldades que identifico, considero que a burocratização dos processos e a demora nas tomadas de decisões, ocasionadas pelo modelo no qual envolve participação dos mais variados níveis hierárquicos do MEJ,


bem como a gestão de conhecimento possibilitada no modelo de organização em vigência, são aspectos que demandam amplas discussões para revisão do modelo atual, a fim de que possam ser superadas.

6. Considerações Finais Como forma de resumir todos os pontos descritos no decorrer de minha proposta, evidencio, aqui, alguns atributos que validam minha candidatura à Diretoria de Comunicação da Brasil Júnior. Primeiramente, destaco meu conhecimento no campo da comunicação proporcionado pelo estudo na ESPM – faculdade reconhecida pelo foco em comunicação e marketing – e no curso de Publicidade e Propaganda com foco em gestão. Aliado a isso, minhas experiências como Diretor de Comunicação da Empresa Jr. ESPM, Assessor de Comunicação Estratégica da Federação de Empresas Juniores do Estado do Rio Grande do Sul – FEJERS –, participação em eventos do MEJ e convivência com a equipe organizadora do ENEJ 2013, me proporcionam uma visão holística e estratégica da área de comunicação no MEJ. Destaco ainda que, o Diretor de Comunicação da Brasil Júnior no ano que vem, deverá ter a responsabilidade de elaborar um Plano de Comunicação que insira a cultura da comunicação estratégica no MEJ. Como consequência, espera-se que os resultados possam alavancar o movimento em direção às suas estratégias de fato, e não somente utilizá-la, por parte de Federações e Empresas Juniores, como forma de atender demandas pontuais, fazendo com que de fato possamos “Ser um movimento reconhecido pelos diversos atores da sociedade por contribuir para o desenvolvimento do país por meio da formação de profissionais diferenciados”.


comunicacao - fejers