Issuu on Google+

Proposta de Candidatura Vice-Presidência da FEJEMG Gestão 2014

Pedro Mário Vargas da Silva

Setembro de 2013


Sumário

1. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA JÚNIOR................................................. 3 2. DADOS DO CANDIDATO............................................................................ 4 3. HISTÓRICO NO MEJ .................................................................................. 4 4. OBJETIVO DA CANDIDATURA .................................................................. 5 5. ANÁLISE DO CONTEXTO ATUAL .............................................................. 6 6. DESDOBRAMENTO DOS PLANOS DE AÇÃO E RESULTADOS ESPERADOS ..................................................................................................... 7 6.1.

Formulação e Implementação da Estratégia ......................................... 7

6.2.

Cultura de Alto Desempenho ................................................................ 8

6.3.

Controle de Qualidade Gerencial .......................................................... 9

6.4.

Estrutura de Entregas ........................................................................... 9

6.5.

Sistema Único de Acompanhamento .................................................. 10

6.6.

Programa de Integração e Valorização do Corpo Executivo ............... 11

7. CONSIDERAÇÕES FINAIS ....................................................................... 12 ANEXO – Carta de Recomendação da Empresa Júnior .................................. 13


1. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA JÚNIOR

A SEC Jr. Consultoria, Empresa Júnior de Secretariado Executivo Trilíngue da Universidade Federal de Viçosa (UFV), foi fundada em 2003 por alunos motivados a crescer profissionalmente, com o objetivo de aplicar e aperfeiçoar os conhecimentos adquiridos no curso e se desenvolver cada vez mais, através do Movimento Empresa Júnior (MEJ). Com a missão de potencializar a prática do Secretariado Executivo aos nossos

colaboradores,

desenvolvendo,

com

sustentabilidade

e

empreendedorismo, serviços de qualidade para total satisfação de nossos clientes, a SEC Jr. realiza projetos nas áreas de Consultoria e Assessoria em Eventos, Tradução e Revisão e Consultoria em Arquivos, sendo, em 2012, reconhecida como a Empresa Júnior (EJ) que mais cresceu em número de projetos e receita, pelo Núcleo de Empresas Juniores da UFV (CEEMPRE). Comprovando a preocupação com a busca pela excelência, a SEC Jr. conquistou em 2012, pelo segundo ano consecutivo, o prêmio da EJ mais presente no MEJ UFV, através da participação e engajamento com o Núcleo, como também prêmios nas categorias de filantropia e responsabilidade social. Na Federação das Empresas Juniores do Estado de Minas Gerais (FEJEMG), a SEC Jr., desde junho de 2012, procura sempre estar presente, através das Reuniões Presenciais e das oportunidades proporcionadas, como a participação no Corpo Executivo, no qual já teve e tem representante, colaborando com o terceiro lugar no XVIII Prêmio FEJEMG, na categoria Mão na Massa. Há dez anos no mercado, a SEC Jr. Consultoria enfrentou muitos desafios e superou vários obstáculos, todos vencidos graças ao perfil inovador e criativo dos seus integrantes, comprometidos com a formação e o desenvolvimento de experiências hoje, para a excelência e o sucesso de suas carreiras no futuro.


2. DADOS DO CANDIDATO

Nome: Pedro Mário Vargas da Silva; Curso/Período: Secretariado Executivo Trilíngue/6º Período; Instituição de Ensino Superior: Universidade Federal de Viçosa; Empresa Júnior: SEC Jr. Consultoria; Tempo de MEJ: 30 meses; E-mail: pmvsvargas@gmail.com; Telefones: (31) 9287-6437 | (22) 9735-0830; Skype: pmvsvargas.

3. HISTÓRICO NO MEJ

SEC Jr. Consultoria Março a Julho de 2011: Trainee de Projetos; Julho de 2011 a fevereiro de 2012: Gerente de Responsabilidade Social Empresarial; Fevereiro de 2012 a fevereiro de 2013: Analista de Operações Estratégicas; Fevereiro de 2013 até hoje: Conselheiro Administrativo.

CEEMPRE Abril a setembro de 2012: Assessor de Acompanhamento; Dezembro de 2012 até hoje: Diretor-Presidente.

FEJEMG Julho de 2012 a julho de 2013: Conselheiro Administrativo; Julho a dezembro de 2012: Assessor de Gestão.

Brasil Júnior Janeiro de 2013 até hoje: Assessor de Informação.


VII InternEJ Maio a novembro de 2012: Coordenador de Infraestrutura.

Participação em Eventos Ano de 2011: ENEJ e InternEJ; Ano de 2012: JEWC, EMEJ e InternEJ; Ano de 2013: ESEJ, EMEJ, ENEJ, Prêmio FEJEMG, ENEEJ, EFEJ, InternEJ e ENCEJ.

4. OBJETIVO DA CANDIDATURA

Desde o meu ingresso no Movimento Empresa Júnior procuro novos desafios, o que pode-se perceber através de meu histórico de atuação. Tive contato com pessoas que catalisaram a minha imersão na Maior Escola de Empreendedorismo do Mundo e, nela, vi a oportunidade de atingir os meus objetivos pessoais e profissionais. Com o foco em me desenvolver, viver novas experiências e aprender a me relacionar com pessoas, o que, para mim, é extremamente gratificante, desenhei o meu plano de carreira no Movimento. Todas as minhas escolhas foram planejadas e decididas em meio a uma forte autorreflexão, para que eu pudesse realizar um trabalho digno da minha vontade de deixar legado por cada instância que eu passava. No ponto final do meu planejamento, encontra-se a Vice-Presidência da Maior Federação do Mundo, oportunidade a qual eu venho acompanhando, estudando e discutindo com o MEJ mineiro desde, ainda, quando minha EJ não era federada. Hoje, com quase três anos de vivência no MEJ, sinto-me preparado e vejo que é o momento certo para ser mais ativo no fortalecimento da realidade júnior no estado de Minas Gerais, através do comprometimento com a busca contínua pela excelência dos trabalhos desenvolvidos para as nossas Empresas Juniores.


5. ANÁLISE DO CONTEXTO ATUAL

A Vice-Presidência da FEJEMG, perceptível em sua base histórica, sempre se desdobrou para que houvesse ferramentas que suprissem a necessidade das suas áreas de trabalho, para que alcançasse a excelência em gestão. A grande preocupação sempre se baseou em criar uma estrutura forte que pudesse ser seguida ao longo dos anos, mas não é isso que se vê hoje. Mas, mesmo com todos os entraves, derivados da baixa atenção a pontos estratégicos, a FEJEMG buscou-se desenvolver métodos que pudesse auxiliála em seus projetos, em seus processos e com as pessoas que a compunham. Desde então, muita coisa tem melhorado, como a regulamentação, que é um trabalho nítido e, embora seja difícil de mensurar, a comunicação da FEJEMG fez uma grande trabalho com a reformulação da marca, tendo sido bem positiva, por exemplo, para a representatividade. Hoje,

a

federação

se

encontra

em

um

ambiente

desafiador,

principalmente no que diz respeito ao sistema de suporte às EJs e à sua gestão interna. Em relação ao primeiro, muitos inputs foram levantados, mas ainda não aplicados de acordo com a realidade existente no MEJ mineiro. Em relação à capacidade de gestão da FEJEMG, há muito o que se estruturar e planejar, devido à nova estratégia a ser implementada e à emanação de uma cultura resistente de alto desempenho, fortalecendo seu sistema principal de gerenciamento. Além disso, até hoje, a FEJEMG se mostrou muito passiva, no que diz respeito ao aproveitamento de mérito, por parte de seu Corpo Executivo, muito por causa da dificuldade de avaliação do desempenho das pessoas e falta de transparência nos processos. Diante de tudo isso, proponho o foco no estabelecimento frentes de trabalho coerentes com a rede em que a Federação faz parte, compreendida pelos seus diversos públicos, balanceando com a busca da excelência em


gestão, atendendo as necessidades das EJs e sendo referência em seu propósito, mediante uma estrutura de liderança capaz de efetivar os trabalhos.

6. DESDOBRAMENTO DOS PLANOS DE AÇÃO E RESULTADOS ESPERADOS

6.1. Formulação e Implementação da Estratégia

O problema com a estratégia compõe a FEJEMG, principalmente, desde 2011. Diretrizes mal formuladas desencadearam em grandes pontos que, hoje, devem ser alavancados com extrema urgência. Em 2014, a Diretoria Executiva da Federação terá um novo desafio: a implementação da nova estratégia. A Vice-Presidência deverá ter um papel de âncora nessa prática, pelo fato de cuidar do sistema de gestão da organização em que está inserida. Por isso, buscarei, através da minha experiência em formulações de Planejamentos Estratégicos, aplicar todo o conhecimento, para que tudo seja feito de forma coesa e que atenda às necessidades e às particularidades, tanto da FEJEMG, enquanto organização, quanto do MEJ mineiro. Etapas importantes já foram concluídas, a começar pelo Dia D, em Lavras, onde houve uma análise de ambiente. Porém, o desafio maior está por vir, e uma equipe de formulação alinhada e detentora de conhecimento histórico deve ser criada, e, mediante sugestões vindas do Conselho Consultivo, todo esse processo deverá ser guiado em cogestão. Em vista disso, o tamanho desse desafio se dá, principalmente, por um fator primordial: a cultura estratégica. A introdução de novas diretrizes em uma organização remete a um cuidado extremo com a forma de repasse e criação de ambiente propício à prática. Relaciona-se também com a capacidade dos Diretores serem entusiastas da própria marca, sendo o exemplo para as suas equipes, iniciando, assim, o processo de criação de cultura organizacional.


Na FEJEMG, a cultura organizacional sempre se apresentou muito fraca, ou seja, não há uma identidade de sistema de gestão que a defina. Esse é um ponto alarmante e que, com a implementação da nova estratégia, buscarei evidenciar através de atividades que remetam aos objetivos mencionados. Dessa forma, a eficiência da estratégia poderá ser alcançada mais facilmente, visto que os diversos públicos da FEJEMG participarão de objetivos e caminhos a serem trilhados bem definido e claro. Enfim, deve ser implementado um gerenciamento que dissemine as diretrizes e metas para toda a sua rede de relacionamento, tornando-as inteligíveis, dimensionáveis e factíveis para todos, de modo que seja possível a compreensão exata do que deve ser feito para o sucesso da Federação.

6.2. Cultura de Alto Desempenho

Um novo Planejamento Estratégico requer ação e atitude daqueles que trabalharão com ele na rotina. Para isso, deve-se instaurar uma cultura que predomine o alto desempenho, realizando as atividades e batendo metas, atribuindo valor àqueles que as superam. Buscarei trabalhar o entusiasmo em vista do resultado transparente que o colaborador gera, sendo, da mesma forma, a atuação mediante casos de improdutividade, que deverão vir ligados a um acompanhamento por parte de suas lideranças. A eficácia da visão de uma organização se dá pelo trabalho que é feito por quem a constrói no dia a dia. A necessidade de haver pessoas capazes de cumprir com o estipulado, dando abertura ao dever de sua liderança de acompanhá-lo, de modo que elas se sintam seguras a gerar resultado, na FEJEMG, é prioridade. Nesse contexto, entra o acompanhamento de processos, que, em meio a uma estratégia pré-definida, deve haver total ligação com as diretrizes. Isso acarretará na estabilização de um ambiente propício ao desenvolvimento


contínuo de gestão, ou seja, os processos estarão ligados à estrutura da organização e não aos líderes que a compõem, facilitando a visão de onde os esforços devem chegar.

6.3. Controle de Qualidade Gerencial

Com uma nova estratégia, mais do que nunca, é necessário um controle e um acompanhamento, para que as Diretorias estejam sempre focadas na melhoria contínua, dentro de seus principais processos e projetos, imergidas em uma padronização, minimizando as chances de erro e mantendo os resultados dentro da conformidade esperada. A Reunião de Acompanhamento, já existente, deve ser utilizada, muito mais para uma verificação operacional. Buscarei, através desses encontros, analisar a situação, junto ao Diretor, das atividades, bem como monitorar o seu comprometimento com as diretrizes definidas, já que ele deve contribuir, sendo o exemplo. Além disso, é importante dizer que esse é um espaço para resolução de problemas, havendo a necessidade de um acompanhamento maior do líder, que, muitas vezes, pelo seu maior nível de autoridade e decisão, pode necessitá-lo, entrando em jogo também o foco no bem estar dos Diretores e de suas equipes.

6.4. Estrutura de Entregas

Dentre os materiais de um PE, encontramos indicadores como uma importante forma de mensuração de resultados de uma organização. Porém, na FEJEMG, somente essa forma de legitimar o desempenho não é suficiente. É preciso que exista a consciência sobre o trabalho, de forma que, sempre visando à melhoria contínua, os colaboradores possam deixar seu legado, através do foco no desempenho por meio de entregas, que serão estipuladas como desafios, para que todo o time possa se engajar para a realização deles.


Em meio à execução da estratégia, o Corpo Executivo terá as suas atividades mais bem desenhadas e com um fim perceptível. Com isso, buscarei, através de um sistema que colabore com todos esses preceitos e concorde com as necessidades das particularidades das equipes, gerar o resultado esperado. A Estrutura de Entregas terá como objetivo correlacionar as principais frentes de trabalho, por meio de atividades que deverão ser desempenhadas pelos Assessores e Gerentes, juntamente aos seus Diretores, aguçando o pensamento visionário e estratégico. As

entregas

serão

definidas

previamente,

com

uma

possível

periodicidade de três em três meses, sendo totalmente incorporadas às diretrizes a serem seguidas pelo time, possibilitando um melhor entendimento dos esforços realizados. Enfim, através desse sistema, Assessores, Gerentes e Diretores terão um panorama sobre o que desempenhar durante determinado espaço de tempo, colaborando com sua interação com a FEJEMG e com as frentes de trabalho convergentes em uma visão de futuro.

6.5. Sistema Único de Acompanhamento

O fluxo interno de informações de gestão é deficiente, já que temos várias ferramentas em vários sistemas distintos, dispersando a informação. Mas como convergir as informações? Devido

à

falta

de

uma

estrutura

eficiente

que

possibilite

o

acompanhamento do desempenho da equipe executiva, por meio dos processos, projetos e estratégia, é necessária a criação de um sistema simples, mas assertivo, que una todos esses resultados, para que haja uma maior transparência. Caracterizado

pela

clareza

e

objetividade,

as

ferramentas

e,

consequentemente, o Sistema proposto, devem ser eficientes para quem as gerem, como também para quem quiser saber o que está acontecendo na gestão


da FEJEMG, de forma que propiciará uma visualização integrada de todas as entregas. Isso possibilitará o aumento do fluxo de verificação e acompanhamento, tanto por parte do Conselho Administrativo, quanto por parte do Corpo Executivo, aproximando-os da construção dos trabalhos e fazendo-os se sentirem parte de todos os desafios propostos.

6.6. Programa de Integração e Valorização do Corpo Executivo

Iniciativas para a integração do Corpo Executivo já foram iniciadas, principalmente, na atual gestão, através da Imersão realizada no início do segundo semestre. Por ser um projeto piloto, houve a baixa adesão por parte dos colaboradores, porém a consequência foi satisfatória para aqueles que participaram da ação. Diante desse fato de sucesso, os efeitos positivos podem ser ainda maiores, com um melhor planejamento e dedicação, principalmente por parte do Vice-Presidente, para que as expectativas da equipe sejam alcançadas, dando total atenção à instauração de uma cultura para que seja criada uma identidade organizacional resistente, além da execução de treinamentos-chave, que supram as necessidades de trabalho em sua fase inicial, dando mais preparo ao time. Diante disso, outra lacuna importante e que, possivelmente com a atenção dada à capacitaç��o, começará a gerar resultado satisfatório, é o interesse do Corpo Executivo pela permanência na FEJEMG, o que, posteriormente, trará mais segurança e um desenvolvimento mais ágil dos trabalhos. Além disso, visando um enrijecimento da integração, procurarei, junto à Diretoria Executiva, aproveitar os espaços presenciais de encontro, como as Reuniões Presenciais, comemorando o bom desenvolvimento e as entregas das equipes, o que afeta diretamente na valorização e satisfação dos colaboradores.


7. CONSIDERAÇÕES FINAIS

Todo esse plano está imergido a uma grande satisfação em fazer parte do MEJ mineiro, levando em consideração o amor que tenho pelo que faço e a responsabilidade que incorporo, à medida que novos desafios aparecem. Agradeço a todos aqueles que acompanharam meu desempenho durante esses dois anos e meio de MEJ, principalmente aos integrantes da SEC Jr. Consultoria, que entenderam o meu propósito e me apoiaram. Exponho a minha enorme gratidão ao MEJ UFV, onde cresci com meus erros, evidenciados por pessoas que sempre colaboraram com a minha evolução, destacando os meus amigos e atuais Diretores Executivos, Presidente do Conselho e o Corpo Executivo da CEEMPRE, em especial os meus Assessores e Coordenadores diretos. Além disso, reconheço o grande crescimento proporcionado pela Brasil Júnior, onde pude, com pessoas engajadas e dispostas a transformar o país, explorar ainda mais o MEJ e alimentar meu conhecimento e visão sistêmica, através da presença de grandes líderes. Gostaria também de reconhecer a enorme confiança em todas as minhas escolhas por parte da minha família, que me educa para que eu sempre trabalhe e me desenvolva com boas atitudes. Por fim, é importante ressaltar que todo o conteúdo discutido e explanado, através das análises e propostas, visam a continuidade do sistema atual, havendo a possibilidade de reajustes, em vista da realidade e de necessidades. Com isso, friso o meu comprometimento com a FEJEMG, objetivando realizar um trabalho dando o máximo do meu desempenho e prioridade, junto à soma de grandes forças, que tenho certeza que encontrarei durante o meu caminho em mais essa experiência.


ANEXO – Carta de Recomendação da Empresa Júnior Viçosa, 19 de setembro de 2013.

À Federação de Empresas Juniores do Estado de Minas Gerais.

A SEC Jr. Consultoria apoia a candidatura de Pedro Mário Vargas da Silva ao cargo de Vice-Presidente da FEJEMG para a Gestão 2014. O candidato foi admitido na empresa em 2011 e ocupou o cargo de Gerente de Responsabilidade Social Empresarial, no qual além de estruturar os processos da área, contribuiu para que a SEC Jr. fosse reconhecida na área. No ano de 2012, Pedro foi eleito Analista de Operações Estratégicas, responsável por elaborar, revisar e controlar a estratégia da empresa, como também as ações estratégicas, criando e gerenciando os resultados da gestão. Engajado, na FEJEMG, assumiu a Assessoria de Gestão, desenvolvendo atividades na área de processos, e tornou-se Conselheiro Administrativo, cargo que exerceu até julho deste ano. Foi Assessor de Acompanhamento da CEEMPRE e Coordenador de Infraestrutura do VII InternEJ. Em 2013, foi eleito Diretor-Presidente da CEEMPRE, além de ter sido selecionado para a Assessoria de Informação da Brasil Júnior, lidando diretamente com o Programa de Excelência em Gestão. Acreditamos que o seu conhecimento nas áreas de estratégia, processos e projetos, e, além disso, sua motivação para contribuir ainda mais para o MEJ, faz do Pedro um ótimo candidato ao cargo de Vice-Presidência da Federação., representando bem a nossa empresa.

Atenciosamente,

Diogo Delesposte Oliveira, Diretor-Presidente.


Eleições2014 vice presidência sec jr consultoria