Page 1

Perante o trabalho de evangelização infanto-juvenil em Goiás O trabalho de Evangelização Espírita de crianças e jovens atinge sua máxima significação diante do período de transição por que passa o orbe terrestre, visto que é nesta fase da vida na Terra que a criatura encontra-se mais receptiva a novos aprendizados, valendo-se os educadores/ evangelizadores de terreno fértil para anotarem nos corações infanto-juvenis os ensinamentos de Jesus.

Em belíssima mensagem intitulada “Campo Fértil”, o inesquecível companheiro e defensor do trabalho de evangelização nas instituições espíritas, Leopoldo Machado, acentuando a importância do trabalho de evangelização chegou a dizer que “(...) É preciso cuidemos, portanto, da criança e do jovem, plantas em processo de crescimento, ainda amoldáveis e direcionáveis para o bem maior.” 1 Diante de tais ilações, cabe-nos destacar que a Diretoria da Infância e Juventude da Feego (DIJ-Feego), por meio de seus Setores da Infância (Semeadores) e da Juventude (Mocizade) têm envidado inúmeros esforços para que, por meio da evangelização na Casa Espírita, a criança e o jovem alcancem a conscientização de sua realidade espiritual e a necessária integração que precisa ter consigo mesmo, com o próximo e com Deus, à luz da boa nova do Cristo. Não obstante tenhamos a convicção da importância do legado deixado em favor da humanidade por meio da evangelização infanto-juvenil nas instituições espíritas, judicioso lembrarmos Bezerra de Menezes que, pela mediunidade de Júlio Cezar Grandi Ribeiro, exorta os dirigentes espíritas para que continuem apoiando o trabalho dos evangelizadores, pois segundo ele “(...) a

Livro destinado à juventude, em 2 meses, tem 1° edição esgotada.

tarefa da Evangelização Espírita Infanto-Juvenil é do mais alto significado dentre as atividades desenvolvidas pelas Instituições Espíritas, na sua ampla e valiosa programação de apoio à obra educativa do homem”. 2 Portanto, diante da anunciada transição planetária, cuidemos de nossos pequeninos e dos moços e indubitavelmente, tal processo natural de transformação se dará com maior facilidade para toda a família humana, principalmente se perante o trabalho de evangelização espírita infanto-juvenil em Goiás, no Brasil e em todo o mundo, estivermos unidos. Ademais, imperioso lembrarmos, dada singeleza e profundidade da mensagem, a oportuna fala da nossa querida Irma de Castro (Meimei), que obtempera: “Jesus está convosco nesse trabalho que empreendem. A casa que abre as portas para a evangelização, na verdade abre as portas para Jesus”. 3 1 Equipe FEB. Reunião de Pais (Material de Apoio). DIJ- FEB. 2 Opúsculo DIJ-FEB.A Evangelização Espírita na Opinião dos Espíritos. 3 Mensagem recebida pelo médium Jacobson S. Trovão; Reunião do DIJ-FEEGO, 28.01.2009.

Eduardo Vieira Mesquita

Diretor DIJ-FEEGO


Entrevista Marinho Marinho, presente! Entrevista com Vera Maria Costa de Andrade, esposa do Marinho, para O Trabalhador Espírita. T.E.: Mário de Andrade Filho, o Marinho, é muito conhecido no movimento espírita goiano, mas poucos o conheceram realmente. Como o Marinho teve contato com a Doutrina Espírita?

T.E.: Sabemos que o Marinho era um excelente palestrante, mesmo fazendo questão de dizer que não possuía os atributos de tal. De onde veio essa facilidade em comunicar-se? Ele era tímido?

O Marinho era também conhecido no meio social, pois foi bastante atuante como presidente do clube de castores, clube de jovens ligado ao Lions, do qual seus pais faziam parte, fundando clubes por todo o Brasil. Tinha também um conjunto musical, que se apresentava em programas de rádio e televisão. Ele se tornou espírita aos 11 anos de idade quando sua mãe, que se encontrava muito doente, foi curada por uma médium, e, então, passaram a frequentar a Irradiação Espírita Cristã, na época, Tenda do Caminho, vindo o Marinho desde tenra idade a estudar a fundo as obras básicas da Doutrina Espírita.

O Marinho não era nem um pouco tímido; ao contrario, era extrovertido e muito sociável. Foi uma criança prodígio, tinha a facilidade em falar em público sendo sempre o orador nas escolas em que estudava. T.E.: O Marinho escreveu algum livro enquanto encarnado? Como foi o processo da psicografia que trouxe a lume o livro ABC da Juventude? Ele escreveu um livro em 1978 que se chamava “ABC do cotidiano”, de poesia e prosa com as letras do alfabeto. Interessante que na época ele fez uma capa chocante, com uma janela de prisão de onde pingava sangue, com imagens de mulheres seminuas, presos etc. Esse livro ele dedicou à juventude. Antes de desencarnar me disse que hoje faria a capa diferente. O irmão Jacobson Sant’ana Trovão, médium que psicografou o livro “ABC da Juventude”, não tinha conhecimento do livro “ABC do cotidiano”, tanto assim que ficou muito surpreso quando me enviou o material psicografado e eu lhe passei essa informação. Comentou: “eh Vera, você me tranquilizou ainda mais quanto ao trabalho...”. Acho que a aproximação dele para escrever o ABC da juventude foi pela afinidade que ele tinha com o Jacobson e a vontade de passar suas novas impressões para os jovens.

T.E.: Vocês, juntamente com outro grupo de espíritas, fundaram a Associação Campo da Paz. Qual foi a motivação para fundarem essa associação? Na época, pensávamos formar um recanto de paz junto à natureza, onde famílias com ideais semelhantes pudessem conviver em harmonia trabalhando com pessoas carentes da região. Mas, sabemos hoje que o projeto Campo da Paz é um compromisso espiritual que assumimos antes do reencarne, com o fim de levar assistência espiritual àquela região e ceder o espaço para que a família espírita de todo Estado, bem como grupos de diversas religiões, possam ali estudar, trabalhar e se espiritualizar, em especial os jovens.

T.E.: Deixe a sua mensagem final.

T.E.: Marinho era muito ligado à juventude e tinha um carisma especial com os jovens. A que você atribui essa característica?

O exemplo que o Marinho deixou para todos nós foi que a vida é uma oportunidade de crescimento e de recomeço, mesmo com todas as lutas e dores, qualquer um pode sempre voltar e recomeçar sempre.

Os pais do Marinho eram alegres e brincalhões, a mãe foi cantora de rádio e compositora e tinham o espírito jovem, então o Marinho cresceu no meio da arte, sendo muito criativo e irreverente, nunca deixou de se sentir jovem, vindo daí sua paixão pela juventude. Queria passar suas experiências de vida a quantos pudesse. Abraçou a causa mostrando ao jovem o caminho da real felicidade. T.E.: Vocês se casaram, tiveram filhos, como era o Marinho como esposo e pai? Sempre deu grande valor à família, foi um esposo carinhoso e presente em todos os momentos. Tivemos 4 filhos. Mesmo trabalhando durante o dia e fazendo arquitetura à noite foi um pai exemplar. Fazia os filhos dormirem tocando violão e cantando e nunca faltou a nenhum aniversário ou apresentação dos meninos na escola. -2


Notícias do Congresso Preparativos para o XXVIII Congresso Espírita de Goiás Tiveram início no último dia 07 de abril as reuniões para organização do XXVIII Congresso Espírita do Estado de Goiás. A comissão organizadora teve como objetivo, num primeiro momento, a criação de um projeto e manual informativo sobre o tradicional evento que é realizado pela FEEGO todos os anos, nos dias do carnaval. Na sequência, a escolha do tema do próximo encontro compôs a

pauta. Nesse sentido foram solicitadas sugestões de temas aos espíritas goianos e todos os participantes do congresso. Por sugestão da maioria o tema escolhido foi “Transição planetária e os novos tempos”. A proposta da organização é de antecipar o processo de inscrições, possibilitando a antecedência nesse processo, facilitando assim a programação dos congressistas.

Equipe da Feego em reunião da Comissão Regional Centro do CFN/FEB A Federação Espírita do Estado do Espírito Santo sediará a Reunião da Comissão Regional Centro do Conselho Federativo Nacional da FEB, nos dias 27 e 29 de maio, na cidade de Vila Velha, Espírito Santo. Nessa ocasião comparecerão dirigentes e equipes de Entidades Federativas dos Estados do Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Tocantins e do Distrito Federal. Integrando a programação haverá palestra sobre o tema “150 anos de O Livro dos Médiuns”. Ocorrerão simultaneamente reuniões dos dirigentes das Federativas Estaduais e das equipes das

seis Áreas que integram as Comissões Regionais do CFN: Atendimento Espiritual no Centro Espírita, Atividade Mediúnica, Comunicação Social Espírita, Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita, Infância e Juventude, Serviço de Assistência e Promoção Social Espírita. Haverá ainda reunião plenária sobre temas definidos pela Reunião Ordinária do Conselho Federativo Nacional da FEB, com os temas educação e juventude espírita. Na oportunidade será lançado o “Manual de Comunicação Social Espírita”, elaborado pela Área de mesmo nome do CFN, com coordenação de Merhy Seba.

Maio começa com encontro de trabalhadores espíritas no sul goiano A cidade de Morrinhos foi sede da 10ª reunião da Comissão Regional Sul - Comsul, composta das casas espíritas da 19ª e 27ª regiões. Integram essas regiões os centros espíritas dos seguintes municípios: Bom Jesus de Goiás, Buriti Alegre, Cachoeira Dourada, Goiatuba, Itumbiara, Joviânia, Panamá, Vicentinópolis, Água Limpa, Aloândia, Caldas Novas, Corumbaíba, Marzagão, Morrinhos, Piracanjuba, Pontalina, Prof. Jamil e Rio Quente. O encontro ocorreu no dia 01 de maio e compareceram trabalhadores que coordenam as atividades dos diversos setores dos centros espíritas, quais sejam: Atendimento Espiritual, Assistência e Promoção Social Espírita, Comunicação Social Espírita, Estudos e Cursos,

Infância, Juventude, Mediunidade e Dirigentes. No dia 15 foi a vez de Anápolis receber os convidados da Comceleste, encontro realizado todos os anos naquela cidade. Da mesma forma que nos outros encontros regionais, trabalhadores voluntários de diversas instituições espíritas compareceram nessa ocasião, que é oportuna para troca de experiências, aprendizado e confraternização. Em 19 de junho a cidade de Itapirapuã receberá a 10ª Comoeste, esperando o comparecimento dos espíritas que integram as 13ª, 14ª, 15ª, 16ª, 17ª e 25ª regiões. Informe-se sobre o encontro regional de sua região e participe! Informações na Feego pelo fone (62) 3281-0200

Colaboradores: Elmo de Lima, Ivana Raisky , Eduardo Vieira Mesquita, Cíntia Vieira da Silva Soares e Irani Inácio de Lima Jornalista responsável: Rosely Vicente Diagramação e arte: Ricardo Fernandes

www.feego.org.br Rua 1.133 esq. c/ Al. Ricardo Paranhos, nº40, Setor Marista - Goiânia - GO CEP.: 74.180-050

Edição de nº51, Maio de 2011. Tiragem: 1.200 Críticas e sugestões: comunica@feego.org.br

Presidente: Cauci de Sá Roriz Diretora de Comunicação Social Espírita: Ivana Raisky

-3


Evangelização espírita infantil Foi com este olhar que o Setor de Infância realizou o Congresso Espírita da Infância, deste ano. Buscamos atender às necessidades da criança, levando aos pequenos congressistas, atividades que proporcionassem momentos de aprendizado e alegria, às bases da educação espírita. Neste sentido, pensar no bem estar da criança seria estruturar um local mais apropriado às suas necessidades. Um lugar que possibilitasse maior movimentação e liberdade, permitindo a utilização de materiais didáticos, como tintas, argilas, massinhas, colas coloridas, os quais tinham uso vetado no Centro de Cultura e Convenções. Assim, quando se pensou na mudança de local do Congresso da Infância, logo vieram os primeiros questionamentos: Mas as crianças vão ficar longe dos pais? E as crianças o pensarmos em evangelização da infância, lembramos pequenas? Será que elas vão gostar? Será que vai dar certo? logo da figura do evangelizador. Este é, sem dúvida, um Todavia, quem fez uma visitinha ao Lar Espírita Francisca de importante aliado da família no processo de transformação Lima, durante o Congresso da Infância, pode perceber a alegria moral da criança. e a satisfação estampada nos rostinhos de todos os participantes. O evangelizador é o mediador do evangelho de Jesus As crianças se deliciaram com o amplo espaço externo, o que junto à criança. É o colaborador imediato da divulgação da permitiu brincadeiras no pátio e atividades mais livres em contadoutrina espírita no berço da infância, sendo, portanto, refe- to com a natureza. Vimos também, outras que vibraram com as rência da Boa Nova entre os pequenos aprendizes. oficinas de argila e pintura, exercitando a criatividade e as habiDiante de tal compromisso, é imprescindível que o evange- lidades artísticas nascentes. Não podemos deixar de mencionar, lizador tenha consciência do seu papel neste processo de edu- os olhinhos brilhantes dos pequenos ao cuidarem e alimentarem cação espírita, bem como, da necessidade de se preparar para a os pintinhos que foram trazidos especialmente para a aula sobre tarefa junto aos corações infantis. Anjo da Guarda. A vivência do E é como colaborador desta amor e do cuidado com os aniAlcançar o coração da criança, conscientização e preparação junto foi marcante para as crianças, incentivando-a ao bem, é sem dúvi- mais aos evangelizadores, que surge nessendo relatada a todos os pais. A da, o nosso maior objetivo, enquanto tranquilidade e o bem estar foram te cenário o Projeto Semeadores. O Projeto Semeadores é uma percebidos em todas as crianças, semeadores da Boa Nova. proposta do Setor de Infância – inclusive nos bebês que estiveram DIJ /FEEGO que tem por objetivo despertar o evangelizador presentes com seus papais e mamães, nas atividades de Evangelipara o trabalho com a infância, incentivando-o e capacitando-o zação e Oficina de Música. Nesta turminha, a Parábola do Samapara as atividades com as crianças e suas famílias, além de promo- ritano envolveu a todos os pequeninos em ambiente de ternura ver sua união junto ao movimento espírita no Estado de Goiás. e harmonia. Enfim, a curiosidade e atenção das crianças também Por longo tempo, estas atividades foram realizadas pelas foram observadas nos Teatros, Corais Infantis e Grupos Artísticompanheiras Wanda Borges e Maria Isabel (Tia Bel), que cos que se apresentaram durante o Congresso da Infância. contribuíram enormemente com a formação e aprimoraDiante de tais observações e ainda, por meio de relatos mento de inúmeros evangelizadores, tanto da capital como de pais, avós e das próprias crianças, pudemos constatar que do interior de Goiás. o novo local foi extremamente benéfico para a criança, não O trabalho da Tia Bel, por exemplo, foi de extrema re- somente pelo aspecto físico do espaço, mas, sobretudo, pelo levância na sensibilização dos dirigentes das casas espíritas e ambiente espiritual ideal à infância, repleto de paz e harmodos evangelizadores de todo Estado de Goiás. Foi mensagei- nia, plasmado amorosamente pelos Coordenadores Espiritura amorosa e fiel, ressaltando sempre em suas explanações, o ais do Trabalho com a Infância. valor e a necessidade do trabalho junto à criança. Assim, a atual equipe que assume esta tarefa, tem a responsabilidade de prosseguir com o trabalho que já vinha sendo realizado pelo Projeto Semeadores, dando continuidade no atendimento ao evangelizador e suas casas espíritas, alcançando por fim, a evangelização efetiva da criança. Alcançar o coração da criança, incentivando-a ao bem, é sem dúvida, o nosso maior objetivo, enquanto semeadores da Boa Nova. Entretanto, para se alcançar efetivamente a criança, o nosso olhar deve estar voltado a ela. O olhar atento do educador pode detectar as suas necessidades, perceber as suas aspirações, definindo os melhores caminhos para se atingir suas mentes e corações, sob a luz do Evangelho.

-4


Manual

A

conflito. (...) Quando alguém se torna usuário de drogas, leva para os demais integrantes da família um cipoal de problemas que parece não ter solução. A primeira reação dessa descoberta costuma ser um levante de acusações recíprocas. Após o desabafo coletivo, vem o silêncio e, com ele, o sentimento de culpa. Nesse momento, irmanadas pela mesma dor, as pessoas costumam se perguntar: “Onde foi que eu errei?” (1) Com o objetivo de orientar familiares, amigos, colegas ou todos aqueles que convivem com o dependente químico, a FEEGO, em parceria com a Associação AJA com Jesus e o Hospital Espírita Eurípedes Barsanulfo, a Casa de Eurípedes, lança esse manual, com o título: “Drogas – O amor adoeceu. E agora?”. O lançamento ocorrerá no auditório da Feego, no dia 30 de junho, às 20h, com presença de diversas autoridades e representantes de diversas instituições da sociedade organizada. Na ocasião será proferida palestra por especialista no assunto. Venha, participe e apóie essa iniciativa.

Dependência de drogas avança no mundo a corromper crianças, adolescentes e adultos, seduzindo-os para os falsos prazeres que determinadas substâncias químicas produzem, quando não são empregadas para aliviar angústias ou ansiedades, cujos desconfortos podem ser sintomas de alguma espécie de transtorno neuropsíquico, a impor a dependência química. Seu domínio segue firme e além, vitimando a família e a sociedade. Por onde se instala, escreve sem pressa longa história permeada de sofrimento e dor. Seu cenário preferencial é a família. Não poupa pais dedicados, avós e crianças indefesas, que convivem silenciosamente num lar em permanente

Mais informações: (62) 3281-0200 1 – DISPOSTI, Vilson. Filhos da dor - Prevenção e tratamento da dependência de drogas. 1ª Ed., Intelitera Editora, São Paulo - SP, 2010.

AME-GO elege nova diretoria A nova diretoria eleita da AME-GO – Associação Médico Espírita de Goiás iniciou seu mandato promovendo o 1º Simpósio Goiano de Medicina e Espiritualidade & 1ª Jornada Médico-Espírita de Goiás, nos dias 29 e 30 de abril, no auditório do Conselho Regional de Medicina de Goiás. A abertura foi abrilhantada pela belíssima apresentação do Coral Vida e Luz, seguida de conferência magna com o tema: O Passe Como Cura Magnética, proferida pela Dra. Marlene Nobre, presidente da AME – Brasil e Internacional, que na ocasião lançou livro com o mesmo título. Na sequência diversas palestras e momentos de di-

álogo entre os participantes e os oradores. Os resultados foram os melhores possíveis e dali surgiu a proposta da realização de outros eventos promovidos pela AME no decorrer desse ano. Presidente: Jorge Cecílio Daher Júnior Vice-Presidente: Sérgio Alberto Cunha Vêncio 1°. Secretário: José Robinson Gomes 2°. Secretário: Alexandre Chater Taleb 1°. Tesoureiro: Ângela Alessandri Monteiro de Castro 2°. Tesoureiro: Luiz Antonio de Paiva

Curso para formação de palestrantes espíritas na Feego Nos dias 27, 28 e 29 de maio a diretoria de comunicação social espírita da Feego promoverá mais uma turma do curso para formação de palestrantes espíritas. O curso visa fornecer técnicas de comunicação e orientações diversas aos que queiram colaborar com a divulgação da Doutrina Espírita por meio da oratória. Diversos assuntos são abordados, tais como: - Causas e como superar o medo de falar em público; - Como elaborar o discurso: introdução, desenvolvimento, conclusão;

- A correta utilização da voz; - Ampliação do vocabulário; - O uso do microfone e dos recursos audio-visuais, etc. O início será na sexta feira, dia 27, das 19h às 22h, prosseguindo no sábado, das 14h às 18h e finalizando no domingo, das 8:30 às 12h. Nova turma está programada para setembro. Mais informações pelo fone (62) 3281-0200

43ª Semana Espírita de Anápolis Com o tema “A família e os desafios na atualidade”, o Conselho Espírita Regional de Anápolis realizará, no período de 03 a 09 de julho, sempre às 20h, no auditório do Fórum daquela cidade, sua 43ª Semana Espírita. O tema trará diversos desdobramentos, apresenta-

dos por expositores de renome, como o médico paraense Alberto Almeida que falará sobre o tema central da semana espírita. Mais informações com Sebastião Felipe pelo fone (62) 9181-7727 ou pelo emailsebastiao02@yahoo.com.br

-5


Homenagem a Tia Bel

A

portou-se ao mundo físico na presente encarnação, em 04 de agosto de 1950, vindo a lume na encantadora cidade paulista de Ribeirão Preto, Maria Izabel Paulino, a Tia Bel que neste 29 de março de 2011, deixando nosso amorável convívio regressou à pátria espiritual. Desta feita esta alma generosa e boa revestiu-se da indumentária física de uma bela afro-descendente, filha biológica de Ovídio Paulino e Alzira Benedicto Paulino, também genitores de seus irmãos Paulo, Valquíria, Hilda, Vera, Eoneide e José Carlos. Ainda nos albores da sua juventude, a jovem ribeirãopretana e futura evangelizadora nas hostes da Doutrina do Consolador, mudou-se para Goiânia a fim de estudar deixando em terras paulistas seus familiares. A tarefa missionária da exímia e notável evangelizadora espírita cristã, iniciou-se ao influxo do pálio generoso do Mestre Nazareno. Fiel a Kardec e discípula de Memei, Tia Bel recebeu a segura orientação do professor Múcio, conhecido e laureado espírita goiano. Dizem que em sua primeira experiência como evangelizadora auxiliar, assumira uma classe com muitos evangelizandos. Finda a aula e trazendo na face a marca indelével dos reflexos naturais de quem ainda estava meio aturdida, com algazarra juvenil daquelas crianças, foi buscar abrigo junto ao professor Múcio, certa de que iria ele penalizar-se de suas dificuldades. Experiente e austero sem perder a doçura e a meiguice, o mestre transmitiu-lhe uma preciosa lição de vida, vazada nos

seguintes termos: “Bel, minha filha, na próxima aula você pergunta a cada uma destas crianças, o que você foi para mim na última encarnação?” Diz Tia Bel que a partir daquele instante singular e de importância transcendental para a sua vida, passou a refletir com maior profundidade sobre a tarefa educativa da evangelização que investe no sentimento do viajor da eternidade e cidadão do universo. Estava consciente de que nada teria que oferecer àquelas almas que agora reencontrava, mas que passaria a devolver tudo o que delas havia recebido em outra oportunidade. “Estava definido o roteiro da senda de minha trajetória como educadora.” Assim anelado aos pendores pela nobre e sublime arte de cuidar do sentimento humano, orientando e evangelizando almas desejosas de encontrar a luz, nasceu a evangelizadora, educadora e escritora Tia Bel, que passou pela vida esparzindo pegadas de amor e deixando um rastro de luz pelos caminhos percorridos. Legou às futuras gerações humanas sobretudo aos evangelizadores e responsáveis pela mensagem cristalina da Boa Nova, através de palavras que convencem e exemplos que arrastam, um roteiro digno de ser seguido. O acervo de alguma destas preciosidades, seguindo as pegadas norteadoras das histórias que Jesus contou, está estratificado nas obras: O Grãozinho de Areia, Plantinha do Galho Seco, As Sementinhas Vitoriosas, Valentim, A Formiga, O Grilo Agradecido, A Patona da Pintadinha

-6

e O Peixinho Zoiúdo, os dois últimos ainda estão sendo editados. Todas estas obras receberam a chancela e foram editadas pela Federação Espírita do Estado de Goiás. Ao vir a lume esta alma generosa e pura, revestida na indumentária física de Tia Bel, lançou no coração de várias gerações sua “sementinha de amor que com tanta luz foi plantada na terra pelo Mestre Jesus.” Ao deixar nosso amorável convívio, deixa também suas atividades evangelizadoras em diversas instituições inclusive a Irradiação Espírita Cristã, o Departamento de Infância e Juventude da Federação Espírita do Estado de Goiás e deixa O Lar de Jesus, para demandar outras moradas da casa do Pai.

“Querido amiguinho (a), que você ao ler esta história sinta a bondade de Deus para com toda a Sua criação. Abraços Tia Bel.” Plantinha do Galho Seco. Ela diria agora na hora de seu adeus, que está “fechando a janelinha dos olhos e abrindo a do coração para Jesus entrar, pois Ele é nosso irmão”. Jesus acaba de colher mais um lírio do Pai Misericordioso, no imenso Jardim do Universo. Irani Inácio de Lima

Assessor do Departamento de Unificação da Feego


Encontro de comunicação No dia 30 de julho a FEEGO promoverá o VI Encontro Estadual de Comunicação Social Espírita. O objetivo é o aprendizado, a troca de experiências e confraternização entre todos os que se interessam pela divulgação da Doutrina Espírita, utilizando-se dos diversos veículos e mecanismos que a ciência e a tecnologia nos oferecem. Na programação consta seminário com André Luiz Ruiz, médium, palestrante e comunicador espírita, apresentador dos Programas de TV Transição, exibido pela Rede TV para todo o país e Alimento Para a Alma, exibido em emissoras do interior de São Paulo, além de fundador e coordenador da TV Alvorada Espírita, Rádio Alvorada WEB e do site Mensagem Fraternal. Participe! Inscrições pelo site WWW.feego.org.br . Mais informações: (62) 3281-0200

Campanha em defesa da Vida - Aborto Não! No dia 26 de maio, ocorrerá a grande marcha contra o aborto. Promoção: Comitê Goiano em Defesa da Vida Apoio: FEEGO - Federação Espírita do Estado de Goiás AME - Associação Médica Espírita, além de outros segmentos da Sociedade. Concentração: na praça Cívica a partir das 15 hs. Propósito: Mobilizar e despertar o apoio da população contra projetos que tramitam no Congresso Nacional. Devemos defender a vida conforme as Leis Universais, e não conforme as Leis Humanas feita, por seres que desconhecem as Verdades Universais. Informações: (62) 3281-0200 ou (62) 9607-4174

Atenda à súplica do ser indefeso, “Deixe-me nascer” que necessita da sua voz e dos seus braços, em sua defesa. Diversas atividades serão realizadas nas ruas de Goiânia, com a finalidade de promover a divulgação da Campanha Em Defesa da Vida - Aborto Não, à luz da Doutrina Espírita. A campanha tem o intuito de esclarecer a comunidade sobre o verdadeiro sentido do aborto e suas graves consequências para aqueles que o praticam. Seja um defensor da Vida, participando da: - Distribuição de mensagens nas ruas; - Projeção de vídeos sobre o tema; - Exposição de faixas nos semáforos; - Afixação de cartazes nos comércios; - Distribuição de adesivos e colantes.

-7


Igrejas, Organizações Religiosas, Associações, Fundações e Institutos e suas obrigações perante o Fisco.

E

stamos suspendendo, temporariamente, o exame da matéria constante do título anterior, ao qual retornaremos na próxima edição, por se tratar de tema de máximo interesse da maioria dos nosso leitores. O Poder executivo, por meio do Ministério da Fazenda e de suas secretarias estaduais e municipais, olha para as igrejas, organizações religiosas, associações, fundações e institutos como empresas para os fins do cumprimento das obrigações tributárias e fiscais. Por isso, as entidades do Terceiro Setor são tocadas por uma enorme quantidade de normas técnicas e legais que impactam sua organização e suas informações, em especial as contábeis. Como se não bastassem as obrigações derivadas de centenas de leis e normas administrativas, as entidades também estão envolvidas no processo de convergência internacional das Normas de Contabilidade, o que lhes traz grandes mudanças e procedimentos em toda escrituração e controle interno, sem contar a capacitação dos profissionais da contabilidade. Na relação de recursos públicos e privados, a transparência encontra na contabilidade seu grande instrumento de visibilidade, permitindo que a entidade possa se comunicar com tudo que seja necessário e importante ao atendimento de suas finalidades institucionais. Assim, entre tantas obrigações tributárias e fiscais, na contabilidade se encontra o ponto maior de fornecimento de informações e dados sobre a vida da entidade. Quando se fala em escrituração capaz de assegurar sua exatidão, está se afirmando que a contabilidade é elaborada em consonância com os princípios e normas contábeis emanados do Conselho Federal de Contabilidade (CFC). Por contabilidade organizada entende-se que a entidade possui Livros Diários e Razão, com registro de todos os fatos contábeis, em harmonia com as normas aplicáveis e em conformidade com a estrutura conceitual básica e respeitado o Regime de Competência. O Livro

Diário deve estar registrado, com todas as demonstrações contábeis obrigatórias exigidas por lei, no Cartório de Registro de Pessoas Jurídicas, onde foi registrado o Estatuto Social da Instituição. Vale destacar que o registro pelo Método Caixa não encontra amparo técnico e não se enquadra como Regime Contábil. Por Regime de Caixa entende-se contabilização efetuada dos fatos contábeis pela data efetiva da entrada e saída de dinheiro. O contabilmente correto é o Regime de Competência, ou seja, pela data efetiva do evento do fato contábil, independentemente de ingresso ou desembolso de dinheiro. Pelo Regime de competência se registra o fato contábil pela data de sua realização econômica, que pode coincidir ou não com o desembolso de dinheiro. No Regime de Competência se registra o fato contábil pela aquisição dos bens, direitos, obrigações, cessação de direitos e de obrigações. Na contabilização realizada pelo Regime de Caixa, além de não explicitar todos os fatos econômicos e suas variações, a entidade pode sofrer penalizações tributárias pela não observância à lei e às normas técnicas contábeis. O profissional de contabilidade pode responder a processo administrativo junto ao Conselho Regional de Contabilidade (CRC) de sua jurisdição, podendo ocasionar a suspensão. Outro ponto importante entre as obrigações tributárias é a observância, pelo Fisco e pela entidade, dos artigos 9° e 14° da lei n° 5.172/66 (Código Tributário Nacional): Art. 9° - É vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos municípios: I - instituir ou majorar tributos sem que a lei o estabeleça, ressalvado, quanto à majoração, o disposto nos artigos 21, 26 e 65; II - cobrar imposto sobre o patrimônio e a renda com base em lei posterior à data inicial do exercício financeiro a que corresponda; III - estabelecer limitações do tráfego, no território nacional, de pessoas ou mercadorias, por meio de tributos interestaduais ou intermunicipais;

-8

IV - cobrar impostos sobre: a) o patrimônio, a renda ou os serviços uns dos outros; b) templos de qualquer culto; c) o patrimônio, a renda ou serviços dos partidos políticos, inclusive suas fundações, das entidades sindicais dos trabalhadores, das instituições de educação e de assistência social, sem fins lucrativos, observados os requisitos fixados na Seção II deste capítulo (Redação dada pela LCP n° 104, de 10.1.2001); d) papel destinado exclusivamente à impressão de jornais, periódicos e livros. § 1° O disposto no inciso IV não inclui a atribuição, por lei, às entidades nele referidas, da condição de responsáveis pelos tributos que lhes caiba reter na fonte, e não as dispensa da prática de atos, previstos em lei, assecuratórios do cumprimento de obrigações tributárias por terceiros. § 2° O disposto na alínea a do inciso IV aplica-se, exclusivamente aos serviços próprios das pessoas jurídicas de direito público a que se refere este artigo, e inerente aos seus objetivos. Art. 14. O disposto na alínea c do inciso IV do artigo 9° é subordinado à observância dos seguintes requisitos pelas Entidades neles referidas: I - não distribuírem qualquer parcela de seu patrimônio ou de suas rendas, a qualquer título; (Redação dada pela LCP II - aplicarem integralmente, no país, os seus recursos da manutenção dos seus objetivos institucionais; III - manterem escrituração de suas receitas e despesas em livros revestidos de formalidades capazes de assegurar sua exatidão. § 1° Na falta de cumprimento do disposto neste artigo, ou no § 1° do artigo 9°, a autoridade competente pode suspender a aplicação do benefício. § 2° Os serviços a que se refere a alínea c do inciso IV do artigo 9° são, exclusivamente, os diretamente relacionados com os objetivos institucionais das entidades de que trata este artigo, previsto no respectivo estatuto os atos constitutivos. Fonte: Revista Filantropia (Sérgio e Marcelo Monello)

Jornal O Trabalhador Espírita - Nº51 - Maio-Junho/2011  

Jornal O Trabalhador Espírita - Nº51 - Maio-Junho/2011

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you