Issuu on Google+

Federação das Cooperativas de Transportes Autônomos de Passageiros do Estado do Ceará

|Revista

FECOOPACE

OCB/CE

SESCOOP/CE Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará

ANO I - Nº 04 - JANEIRO, 2010 | Fortaleza-CE

Transportes Complementares ao lado da Associação Peter Pan

A linha da solidariedade

CÉSAR NOBRE ENTRE DIRETORES DA ASSOCIAÇÃO PETER PAN, CRIANÇAS E CUIDADORES

A

solidariedade falou alto, e a FECOOPACE abraçou campanha em torno de causa nobilíssima: a luta contra o câncer. Em reunião com diretoras da Associação Peter Pan, foi colocada à disposição daquela entidade todo o potencial dos Transportes Complementares do Estado. Está criado o Programa Linha da Solidariedade, cujo objetivo é engajar-se à missão da Associação: “Transformar a história do câncer infantil no Estado do Ceará”. Págs. 3 e 4.

“Amar é acolher, é compreender, é fazer o outro crescer.” Conheça Zilda Arns, orgulho de todo brasileiro. Pág. 4.

Capacitação Cooperativista

Melhorias

a empresa de

Sistema OCB/SESCOOP

de Congresso

cia dos complementares

transporte mais premiada

divulga cursos de

Nacional da ANTP

para o Estado do Ceará.

do Ceará.

capacitação.

em Curitiba.

Página Verde

Fair Play

Prof. Pinheiro, Vice-Governador, ressalta a importân-

Pág. 05

10576 - Revista Fecoopce Nº 04.indd 1

Viação Urbana,

Pág. 06

Pág. 07

ETUFOR participa

Pág. 08

29/01/2010 17:39:52


EDITORIAL

Possibilidade de novas conquistas em 2010. Depende muito da união e do esforço de todos!

O

ano de 2009 foi de experiências gratificantes, de vitórias para a FECOOPACE, cooperativas filiadas e o público usuário em geral. No ano anterior, 2008, começamos as discussões para concretização da tão aguardada licitação, que veio a materializar-se no ano passado. Foi um marco histórico, conseguimos mostrar à sociedade que somos legais, que o Governo nos reconhece como parceiros de valor na garantia de cidadania. Tivemos enorme êxito na licitação; 99% das cooperativas obtiveram sucesso. 2009 serviu, pois, de alicerce a grandes avanços – como é o caso do validador. Para 2010 estamos projetando, com o Sistema OCB/SESCOOP-CE, a realização de 4 seminários, em decorrência dos resultados positivos da regulamentação do Sistema Complementar. O tempo é de planejarmos ações como transportadores regulamentados. Temos doze anos para fazer esse planejamento e podermos contemplar o desejo do Governador. O Edital, do qual Cid Gomes participou diretamente, foi o que houve de melhor para o transporte da gente cearense. As cooperativas, por sua vez, devem contribuir para a evolução da categoria. Governo e parlamentares comprometidos perceberam que o Sistema Complementar deveria ser efetivado, que durante muito tempo a população cearense merecia serviços de valor, humanizados. A FECOOPACE materializou esse novo instante. A expectativa é de que todo esse fortalecimento venha a ter, no ano em curso, a mesma bênção. Que o esforço demandado em prol do Sistema Metropolitano seja replicado no interior do Estado. Podemos dizer ainda que 2009 foi um ano atípico. Se tivemos belas conquistas, como a licitação 003/2009 realizada pelo DETRAN, a aquisição de terreno para a edificação da COOPTRATER e o posto de abastecimento para atender sua frota, aconteceram igualmente alguns contratempos, principalmente no tocante aos cooperados permissionários.

O número crescente de pessoas não autorizadas operando sem compromisso de qualquer espécie gerou os inevitáveis atritos com os quem têm obrigações a honrar. Outro fator de desgaste foi a inclusão, no sistema de bilhetagem eletrônica, de um dos modais de transporte ainda em janeiro de 2009 e que tiveram sua instalação, na frota metropolitana, somente no limiar do mesmo ano. Acreditamos que em 2010 virão mais frutos positivos englobando todas as cooperativas. Há uma perspectiva muito boa com relação as nossas filiadas do interior do Estado. Grandes são as perspectivas para a FECOOPACE crescer ainda mais. Está em nossos planos profissionalizar o quadro de diretores e funcionários no sentido de dar aos cooperados sempre o melhor serviço. Ainda em janeiro esperamos que a Comissão que avalia questões da categoria com o DETRAN publique os resultados das conquistas obtidas no Diário Oficial do Estado. O passo seguinte será a construção do edital de licitação da área metropolitana de Fortaleza. Daí porque percorremos as prefeituras no sentido de traçar um edital que possa englobar os trabalhadores que já lidam com o transporte nessas regiões. Para 2010 propomos, enfim, que as pessoas leiam mais a Revista da FECOOPACE, que é um instrumento fantástico para entender o nosso Sistema Complementar de Passageiros. Pretendemos mostrar e trocar experiências através desta publicação, que conta com o apoio decisivo do Sistema OCB/SESCOOP-CE. É um veículo de grande poder. Desejamos um ótimo 2010 para todos os cooperados! A Direção

A TOPIQUEIRA

Cooperada da Coopervans

Pretinha, amizade e trabalho no transporte de passageiros

M

aria Suzana da Silva, 25 anos, apesar da pouca idade já é uma veterana. Já está trabalhando no ramo há sete anos tendo iniciado por indicação de um tio. Conhecida por todos como “Pretinha” ela é feliz trabalhando durante todo o dia. Cobradora da linha Capuã/Centro já foi, durante três anos, cobradora da Linha Icaraí/Cumbuco. Cooperada da COOPERVANS ela se diz satisfeita com o seu trabalho por que, acima de tudo, e é feliz fazendo o que gosta. A seguir um bate bola com ela. Quantas viagens você faz por dia? 8 viagens.

Já passou por alguma situação difícil durante o trabalho? Sofri um acidente em 2008. Graças a Deus não aconteceu nada e apenas desmaiei. As vezes os rapazes dão em cima de mim. O que eu faço é sorrir e continuar fazendo o meu trabalho. Durante a semana isso não acontece muito mas nos fins de semana acontece com mais freqüência por conta dos banhistas. Qual a satisfação de trabalhar no ramo? Eu sou muito querida e também gosto de todo mundo. Na cooperativa sou cha-

mada de “cocota” de maneira carinhosa. Isso é por que estou sempre presente as reuniões. Eu adoro os passageiros.

EXPEDIENTE A Revista FECOOPACE é uma publicação da Assessoria de Imprensa da FECOOPACE - Federação das Cooperativas de Transportes Autônomos de Passageiros do Estado do Ceará. Diretoria Diretor Presidente: Marcos César Bezerra Nobre Diretor 1° Vice-Presidente: Rugero Lima de Freitas Diretor 2° Vice-Presidente: Agostinho Cleson de Sousa Lima Diretora Administrativa: Francinúbia Furtado do Vale Diretor Financeiro: Gutemberg Machado Pinheiro Diretor Secretário: Ricardo Oliveira de Lima Diretor Social: Giovane Bernardone Xavier

Conselho Fiscal 1° Conselheiro Fiscal: Antônio Pádua Chaves 2° Conselheiro Fiscal: Ademir Vasconcelos Barroso 3° Conselheiro Fiscal: Antonio Ivanildo Siqueira de Oliveira Suplentes do Conselho Fiscal 1° Suplente: Cícero Antônio Bezerra Gomes 2° Suplente: José Roberto Lourenço 3° Suplente: José Wellington da Silva Conselho de Ética 1° Conselheiro: Antônio Pereira de Sousa 2° Conselheiro: Xilon de Sousa 3° Conselheiro: Edilberto Rufino Barroso Júnior Suplentes do Conselho de Ética 1° Suplente: Francisco Rogenilson Rodrigues Nogueira 2° Suplente: Pedro Henrique da Silva

3° Suplente: Carlos Leônidas Albuquerque de Rego Barros Endereço FECOOPACE Avenida Presidente Costa e Silva, 4007 A - Passaré CEP: 60.761-190 - Fortaleza-CE Fone: (85) 3291.2100 Editora: Julyanna dos Santos Albuquerque (Mtb CE 2292). Colaboração: Pedro Henrique da Silva, Edvaldo Nunes, Xilon de Sousa. Consultorias: Saúde: Dra. Eliane Pinheiro; Jurídico: Dr. Carlos da Escóssia. Fotos: Imprensa FECOOPACE. Conselho Editorial: Cézar Nobre, Pedro Henrique da Silva. Contatos: telefone (085) 8892.5155. E-mail: jornal@fecoopace.com.br. Diagramação e impressão: Expressão Gráfica Editora.

As matérias dessa edição podem ser reproduzidas, desde que citada a fonte. Os artigos assinados não refletem, necessariamente, a opinião do jornal e/ou da Federação.

2

| Revista FECOOPACE

10576 - Revista Fecoopce Nº 04.indd 2

29/01/2010 17:39:55


CAMPANHA FECOOPACE/ASSOCIAÇÃO PETER PAN

Complementar - A linha da solidariedade Tarcísio Matos. Inicialmente, Olga Maia agradeceu a presença de César Nobre, explicando o que é a Associação, seu papel na sociedade, um pouco de sua história, principais desafios e projetos. E que é sempre bem-vinda toda forma de ajuda, mas é preciso, pois é prática da Associação, levar ao conhecimento da Diretoria o projeto de parceria naquela hora apresentado. Uma vez aprovado, o briefing seguiria para a Verve Comunicação, empresa parceira no setor de criação de campanhas da Associação Peter Pan. Olga Maia ressaltou a satisfação que é poder receber quem esteja verdadeiramente interessado em abraçar a luta por amenizar a dor do próximo. E dos recursos que chegam à Associação por meio da campanha McDia Feliz, a quase finalizada construção do Centro Pediátrico do Câncer, a ser em breve inaugurado. Voluntária e Olga Maia

A

Direção da FECOOPACE, representada pelo presidente César Nobre, esteve na sede da Associação Peter Pan-APP, dia 12 de janeiro/2010, para colocar à disposição daquela entidade, na luta contra o câncer, todo o potencial dos Transportes Complementares do Estado. Participaram a presidente da APP, Olga Maia; a estagiária de Marketing, Natália Gomes; a coordenadora de Voluntariado, Vânia Ribeiro; a diretora Administrativa (voluntária), Ana Maria Pita; a coordenadora do programa Visita Amiga, Maria Madalena de Lima; e o jornalista

Ações

O presidente da FECOOPACE traçou um perfil dos Complementares no Estado e até que ponto poderia ser a colaboração das cooperativas de transporte filiadas para uma ação que, na avaliação de Olga Maia, é decisiva neste instante: a divulgação, na traseira dos carros, dos sinais e sintomas do diagnóstico do câncer infantojuvenil. Campanhas para arrecadação de Nota Fiscal e do Troquinho Amigo, em caixas apropriadas, colocadas dentro dos carros, também foram sugeridas e bem aceitas. Mereceu destaque, ainda, a sugestão do “Dia FECOOPACE Feliz”, em que, uma vez no ano, um percentual das passagens pagas seria destinado à APP, tal como é o

McDia Feliz, promovido pelo Mc Donalds.

Compromisso da FECOOPACE

César Nobre comprometeu-se em levar para a categoria, por meio de Assembleia, todas as sugestões levantadas na reunião. De antemão, acredita que permissionários, motoristas, trocadores e coordenadores de linha se engajarão na campanha. “Faremos uma grande reunião com a Dra. Olga em algum lugar que permita receber em torno de 200 ou 300 pessoas. Também levaremos gente da APP para dar palestras nos pontos de complementares”, explicou César. “Mobilizaremos, enfim, todo o efetivo, toda a nossa Diretoria. A causa é justa, estamos dispostos. É o mínimo que podemos fazer pelos nossos irmãos”. César se prontificou a conversar com técnicos da ETUFOR para que aquela empresa municipal se engaje na campanha, patrocinando a mídia de divulgação da campanha, na medida em que possa liberar os carros de pagamento de taxa de afixação dos apelos educativos nesse tipo de mídia (bus-door ou traseirão).

Identificação com a causa

A presidente da Associação Peter Pan lembrou de detalhe que a faz acreditar que haverá engajamento por parte dos profissionais que fazem os complementares. “Muitos, de uma forma ou de outro, conhecem a nossa Associação por terem sido beneficiários. Assistimos crianças e adolescentes de todo o Estado”.

A Associação Peter Pan – APP

A

APP é uma entidade reconhecida como de utilidade Pública Federal, Estadual e Municipal que assiste crianças e adolescentes acometidas de câncer, bem como seus familiares. Em 1996, iniciaram-se as primeiras visitações ao Hospital Infantil Albert Sabin. O objetivo das visitas era levar aos corredores do câncer um pouco de carinho, de alegria, através de brincadeiras, jogos recreativos ou presentes conseguidos com amigos e parentes, que ficavam sabendo da iniciativa e passavam a colaborar. No final do ano, formou-se um pequeno grupo que se uniu à Direção do Hospital Infantil Albert Sabin, e, em 07 de abril de 1997, foi fundado o PROJETO PETER PAN. Uma das primeiras e genuínas ideias daquele grupo foi o apadrinhamento, doando mensalmente alimentos balanceados que viabilizavam o reforço nutricional, tornando-se um forte motivo de fidelização ao tratamento. Estava plantado o embrião de uma Associação que, com amor, trabalho e transparência, foi conseguindo unir o povo cearense para uma grande missão: “TRANSFORMAR A HISTÓRIA DO CÂNCER INFANTIL NO ESTADO DO CEARÁ.”

tado, pessoas e empresas com o objetivo de viabilizar TRATAMENTO ESPECIALIZADO, ATENDIMENTO HUMANIZADO E DIAGNÓSTICO PRECOCE para aqueles que já na mais tenra infância amargam o câncer e suas consequências.

Voluntariado

Hospital Dia Peter Pan

Nasce o Hospital Dia No mês de dezembro do ano 2000, a Associação Peter Pan, após congregar um significativo número de voluntários e ser beneficiada com as Campanhas McDia Feliz 1999 e 2000, inaugurou o HOSPITAL DIA PETER PAN, onde passou a realizar todo o Serviço Público destinado à Quimioterapia Dia, em parceria com o Hospital Infantil Albert Sabin. Ciente de que o câncer não se trata apenas com Quimioterapias, Radioterapias e Cirurgias, a APP vem reunindo os três Setores Econômicos, mobilizando Es-

Nestes 13 anos de existência, a Associação Peter Pan vem realizando um voluntariado responsável e transformador, que se tornou um verdadeiro e grande Projeto Social, representando significativa rede de ações em vários segmentos sociais, com foco na cura do câncer infanto-juvenil, no Ceará, em parte do Nordeste e todo o Norte do país, no que concerne à Atenção Especializada, transformando verdadeiramente a história do câncer infanto-juvenil no Ceará.

Fonte: site da Associação Peter Pan http://www.app.org.br/home

| Revista FECOOPACE 10576 - Revista Fecoopce Nº 04.indd 3

3

29/01/2010 17:39:56


CAPACITAÇÃO COOPERATIVISTA

Alegrando-se com a solidariedade sensibilizar a população sobre o diagnóstico precoce do câncer. Para o diretor da Federação e presidente da Cootralin, Nilson Nogueira, “a Campanha será feita com muito amor, carinho e dedicação”. Acompanhe a entrevista que concedeu à Revista.

Nilson Nogueira, Diretor da FECOOPACE e Presidente da COOTRALIN

ideia da parceria com a Associação Peter Pan surgiu em uma reunião da Diretoria ao traçar a pauta da Revista FECOOPACE. Inicialmente pensou-se na possibilidade de ajudar uma entidade de amparo a segmentos carentes com cestas básicas. Entre os nomes sugeridos estava o da Associação Peter Pan, para a qual todas as atenções se voltaram. Em seguida, o presidente da FECOOPACE reuniu-se com a diretoria da Associação, na sede da Vila União, no sentido de avaliar em que a Federação poderia ser útil. Logo pensou-se em uma campanha abrangente de prevenção, algo que possa

Como vai funcionar? Quantos carros entrarão nessa empreitada? O projeto funcionará através de campanhas interna e externa, e contará com a ajuda dos motoristas e cobradores. Passaremos a eles a importância de se engajarem nessa luta solidária. A campanha será feita através de material para panfletagem dentro dos veículos e adesivos que serão colocados no vidro traseiro. Iremos mobilizar os usuários da Região Metropolitana. Serão disponibilizadas urnas dentro dos veículos para a doação do “troco amigo” entre os usuários. No primeiro momento usaremos os nossos carros da Região Metropolitana, logo após a campanha se estenderá por todo o estado. Qual a importância da iniciativa? Deus nos colocou nessa terra com a missão de semear, plantar e colher. Iremos plantar o bem essas criaturinhas que tanto

necessitam de nós.  Precisamos parar um pouco e refletir sobre a necessidade de ajudarmos o próximo. Como Deus disse, “Amarás o teu próximo como a ti mesmo”. E Jesus disse ainda: “Vinde a mim todas as criancinhas porque delas é o reino de Deus”. A Federação e toda sua diretoria estão de parabéns por se engajarem em uma campanha tão especial. Tenho certeza de que nessa campanha nosso maior colaborador é Deus. A FECOOPACE pretende estender esse projeto a outras entidades? Sim, pretendemos divulgar a importância de outras entidades se envolverem nesse projeto. Você será responsável pelo projeto? Sim, me sinto muito feliz por estar à frente dessa campanha. Estaremos todos nessa luta, Federação e Cooperativas filiadas, onde teremos o apoio dos motoristas e cobradores, todos engajados nesse projeto social de amor e cidadania. O que é solidariedade... “Nada é maior do que a solidariedade, e por ela a gente não agradece, a gente se alegra.”

Zilda Solidariedade, a vida pela Pastoral da Criança

Z

ilda Arns Neumann, médica pediatra, sanitarista e especialista em Pediatria Social e Saúde Pública, morreu no último dia 12 de janeiro em terremoto que devastou o Haiti. É a criadora da bem-sucedida metodolo-

gia aplicada no trabalho da Pastoral da Criança, organismo da CNBB – Conferência Nacional dos Bispos do Brasil – que ela coordenava desde 1983. Com sede em Curitiba (PR), a Pastoral presta atendimento básico a crianças nas áreas de saúde pública, nutrição e educação.  Zilda nasceu em 25 de agosto de 1934, em Santa Catarina. Aos 73 anos, já foi indicada ao Prêmio Nobel da Paz três vezes seguidas e recebeu 19 prêmios entre 1988 e 2002. Por exemplo, uma menção especial pela UNICEF – Brasil como personalidade brasileira de destaque no trabalho em prol da saúde da criança; o Prêmio Internacional OPAS – Organização Pan-americana de Saúde, em Administração Sanitária, em 1994, e

o título de Heroína da Saúde Pública das Américas, em 2002. Citações de Zilda Arns “O trabalho social precisa de mobilização das forças. Cada um colabora com aquilo que sabe fazer ou com o que tem para oferecer. Deste modo, fortalece-se o tecido que sustenta a ação e cada um sente que é uma célula de transformação do país”. “Nunca se deve complicar o que pode ser feito de maneira simples”.

PALAVRA DO PRESIDENTE

Contagiados pelo exemplo da Associação Peter Pan César Nobre

C

onfesso que nunca vivi a experiência de visitar um local como aquele, que não é um hospital, mas acolhe crianças que vêm de todo Estado e até de outras regiões do País para receber sessões de quimioterapia, fazer exames e outros procedimentos. Falo da Associação Peter Pan, presidida por uma batalhadora, mulher de muita 4

luz: Sra. Olga Maia – a pequena grande. Fiquei impressionado com a estrutura da casa, o vai-vem de pequenos pacientes e seus “cuidadores” (mães, pais, familiares). Me impressionou o carinho com que todos os funcionários e voluntários da Associação trabalham, sobretudo a atenção e o carinho da Sra. Olga. Vi brilho em seus olhos,

brilho que é a satisfação de acolher o próximo na dor. Que o exemplo dela (e daquela gigantesca obra) nos contagie. Com certeza teremos um mundo melhor, mais fraterno e belo de viver. Quanto a mim, particularmente, eu me contagiei, como quero contagiar de solidariedade todos que fazem a FECOOPACE. Estamos juntos nesta luta.

| Revista FECOOPACE

10576 - Revista Fecoopce Nº 04.indd 4

29/01/2010 17:39:56


PÁGINA VERDE

Entrevista: vice-governador do Estado, Professor Pinheiro

“Que continue o trabalho em harmonia entre o Governo do Estado e a categoria” Com relação ao Cooperativismo? A cooperativa é uma experiência antiga e extremamente bem sucedida. No Ceará nós temos experiências ruins como na área agrícola que usaram as cooperativas para levantar dinheiro publico e depois dar calotes nos bancos. A gente tem que ver qual a experiência que as cooperativas de transporte estão desenvolvendo. Pelo que sei tem sido uma experiência exitosa. No Ceará nós temos pouca tradição, mas tradição você constrói. É uma forma de organizar o negócio muito interessante.

seção Páginas Verdes da Revista FECOOPACE, edição janeiro/2010, tem a honra de apresentar a entrevista com o Exmo. Sr. Vice-Governador do Estado do Ceará, Professor Pinheiro. O encontro, cercado de boa-vontade e de solicitude por parte do vice de Cid Gomes, aconteceu no Palácio do Governo e abordou temas como o Sistema Complementar de Transportes no Estado (“a legalidade já é uma realidade e a credibilidade só se consegue com o tempo”), as saídas para o trânsito caótico de Fortaleza, Cooperativismo, meios de incentivar os permissionários do Sistema, entre outros. Confira! O que motivou o Governo do Estado a abraçar o sistema de transporte complementar? O Governo do Estado resolveu organizar o transporte no Ceará. Nós tínhamos duas realidades: o transporte feito pelas empresas de ônibus e o transporte feito pelo transporte complementar. Havia muitos problemas, entre eles as linhas licitadas para transporte complementar que não funcionavam em virtude da invasão do transporte clandestino. O Governo resolveu fazer a licitação dos dois grupos exatamente para evitar esse processo que era caótico, inclusive com ameaças de morte. Nós acreditamos que fazer isso é dar tranquilidade para quem trabalha no ramo e garantir a legalidade. A legalidade já é uma realidade e a credibilidade só se consegue com o tempo. Quando assumimos a prefeitura em 2004, o transporte complementar em Fortaleza era um caos. Nós começamos a legalizar essa situação. A ideia é que não haja uma concorrência entre o ônibus e a van, e sim uma complementaridade. Existem áreas que o ônibus não entra e a van entre por conta das ruas pequenas. Eu creio que nós avançamos muito nessa regularização e isto é fundamental para que você dê racionalidade ao Sistema de Transporte no Ceará. Como o transporte complementar pode ajudar no trânsito caótico de Fortaleza? São duas questões: é preciso organizar o transporte na Região Metropolitana com estações de transbordo, em que as pessoas não tivessem que vir ao centro da cidade. No início da Heráclito Graça é um caos porque você tem dezenas de carros ocupando os espaços. Quem vem de Caucaia teria que ter uma estação de transbordo no terminal de Antônio Bezerra, na Rodoviária. Com a mesma passagem, ela pegaria outra condução. O trânsito de Fortaleza está ficando insuportável e com um aumento excessivo da frota; se não houver uma racionalização ficará pior.

Existe algum pensamento de incentivo do Governo aos Complementares? Já existem algumas ações como a redução do ICMS do diesel, que já atingiu os ônibus, e que o transporte complementar tenha esse benefício, até porque a Lei não pode ser diferenciada, de vez que não se pode causar danos financeiros para o outro grupo. Eu acredito que as negociações iniciadas com o Secretário da Fazenda, Mauro Filho, tendem a avançar e equalizar essa situação para os dois lados. As cooperativas podem discutir com a Petrobras a redução de minérios pesados no diesel, porque isso causa um problema de saúde. Carros desregulados jogam fumaça no mundo e causam um mal intenso àqueles que aspiram a fumaça tóxica. Que as cooperativas de transportes complementares entendam quão simples e eficiente é uma regulagem dos motores utilizando um diesel de boa qualidade. É importante, ainda, ter cuidado com os ruídos, isso é ruim tanto para o trabalhador quanto para o pedestre. A FECOOPACE Gostaria de parabenizar a forma como a FECOOPACE vem organizando o processo no Ceará. Não é um processo fácil, ele tem avanços e, às vezes, muitos recuos. A mensagem é que a turma não desanime. Quero parabenizar pela persistência dos dirigentes e esperar que a gente continue trabalhando em harmonia entre o Governo do Estado e a categoria. Convênio com a Associação Peter Pan Essa é mais uma iniciativa extremamente importante porque se percebe a importância do Peter Pan e do hospital que cuida dessas crianças com câncer. Parabenizo a Federação e espero que os usuários colaborem, se sensibilizando para chegar a quem precisa. Quem é o professor Pinheiro O vice-governador do Estado, Francisco José Pinheiro, é professor e pesquisador da Universidade Federal do Ceará. Graduado em História pela UFC, tem especialização em História da Igreja na América Latina, pela PUC-SP; tem mestrado e doutorado em História Social pela Universidade de Pernambuco. Lançou recentemente a obra “Notas sobre a formação social do Ceará”, resultado de sua tese de doutorado. Pinheiro tem trabalhado no Plano de Pluarianual Participativo do Estado. Apresentou o Plano de combate a desertificação do Ceará durante a Conferência das Nações Unidas para as Questões Climáticas, em Copenhague. Ex-vereador de Fortaleza, Pinheiro foi, por dois mandatos, presidente do Diretório Municipal do Partido dos Trabalhadores de Fortaleza e ocupou o cargo de Secretário da Regional IV na atual gestão da prefeita Luizianne Lins.

| Revista FECOOPACE 10576 - Revista Fecoopce Nº 04.indd 5

5

29/01/2010 17:39:57


FAIR PLAY

Viação Urbana se torna a maior e mais premiada empresa de transportes públicos do Ceará distintas que se unem na hora da consolidação do balanço financeiro. O segundo ponto de intersecção entre as duas empresas é o seguimento das diretrizes traçadas pelo grupo Jacó Barata, que, dentre outros empreendimentos, é também dono da Viação Guanabara, da Ceará Diesel, Viação Fortaleza, Via Metro e Empresa Vitória. As premiações da Via Urbana são:  Edson Peixoto, contador da Viação Urbana

S

ob o slogan “Cuidar bem das pessoas, este é o nosso caminho”, a premiada empresa Viação Urbana cresce em faturamento e qualidade de prestação de serviços. Na verdade os números resultam do aglomerado de duas empresas. A matriz é a própria Viação Urbana, e a filial é a Viação Dragão do Mar. O faturamento conjunto ultrapassa os 60 milhões de reais por ano. Juntas, têm cerca de 1.700 funcionários e uma frota de aproximadamente 400 ônibus. A administração da Viação Urbana fica a cargo de Gustavo Porto; a Dragão do Mar, sob a responsabilidade de Frederico Lopes. Trata-se, pois, de administrações

Prêmio CEPIMAR, de responsabilidade social;

 7 prêmios Delmiro Gouveia, sendo 6 por Desempenho Social e 1 por Desempenho Econômico-Financeiro;  Prêmio ANTP (Associação Nacional de Transportes Públicos) de Qualidade;  Prêmios Economizar, pela melhoria na qualidade do ar;  Prêmios Maiores e Melhores do Transporte, patrocinado pela revista paulista Transporte Moderno, pelo quinto ano consecutivo, como a maior empresa de transporte urbano do Brasil, com base nos balanços apresentados (índices financeiros).

Graças a excelência na gestão administrativa e a melhoria contínua da qualidade dos serviços oferecidos a comunidade, a empresa recebeu em 2009 os prêmios “Maiores e Melhores” (Viação Urbana e Dragão do mar em conjunto) e o ANTP de Qualidade (Viação Urbana), que é um prêmio sabidamente desejado por todas as empresas de transporte. Entretanto, segundo o contador Edson Peixoto, “as funções primordiais dos prêmios são gerar sempre uma nova expectativa de superação, despertar a criatividade e injetar ânimo entre os funcionários, para que não haja estacionamento da empresa na zona de conforto”. Não obstante a problemática do transporte municipal (todos os ônibus têm uma cor padrão e o usuário não percebe por qual viação está sendo atendido), a empresa prioriza a opinião do público ao qual atende. Assim sendo, foi feita uma pesquisa de satisfação nas linhas atendidas exclusivamente pela Viação Urbana, e esta pesquisa demonstrou que mais de 80% dos passageiros estão plenamente satisfeitos com o serviço prestado.

NOTÍCIAS DE LÁ

COOPTRACE e a busca constante pela união da sua categoria Frota em circulação atualmente São 100 carros e uma média de 600 pessoas utilizando o serviço por dia.

As linhas que esses carros fazem

Da esquerda para direita: Valdemir Elias Ramos (Presidente), Francisco Roberto Lopes (Vice Presidente) e Aroldo Cardoso Portela (Diretor Financeiro)

A

COOPTRACE - Cooperativa dos Profissionais Proprietários de Transporte Complementar do Estado do Ceará - participou, dia 21 de janeiro, no auditório da OCB-CE, do curso “Como realizar uma assembleia”. A Revista da FECOOPACE aproveitou a visita de três diretores da Cooperativa para saber das notícias da região de Tianguá e adjacências. Fundada em 2008 a COOPTRACE possui 122 cooperados e, segundo o diretor financeiro Aroldo Cardoso, tornouse, aos poucos, a responsável por unir o sistema de transporte complementar da Região. 6

Mocambo, Flecheirinha, Pacujá, Graça, Tianguá, Viçosa, Ubajara, Carnaubal, Ibiapina, São Benedito, Guaraciaba, Moraújo,Coreaú, Granja, Camocim, Barroquinha e Chaval.

Maiores desafios enfrentados 1 – O desconhecimento do que é e de como se faz o cooperativismo; 2 – O não-reconhecimento da nossa categoria por parte da administração pública dos municípios; 3 – A concorrência do ilegal utilizando carros inapropriados para o transporte de pessoas. Esse fato coloca em risco a vida dos usuários e acaba por manchar a nossa imagem e a do Governo Federal afirma o vice - presidente Francisco Roberto Lopes.

Objetivos Para Valdemir Elias Ramos, presidente da COOPTRACE, “o maior objetivo é que a gente consiga, através dos cursos promovidos pela OCB, fazer com que os nossos associados entendam o que é licitação e o que é Cooperativismo”. Completou: “Queremos unificar a categoria para que naquela Região a população tenha um transporte de qualidade. A administração pública de cada município deve ver que o Sistema é sério”.

Considerações finais “Nós acreditamos na proposta do Governo e agradecemos a ajuda da nossa Federação. Desejamos a todos que em 2010 a gente possa estar mais unida e fortalecida para lutar todo dia por nossa categoria”, conta o presidente Valdemir Elias. Contatos Cooptrace: Rua Floriano Peixoto, 513 - Sobral-CE Fone: (88) 3613.2864 E-mail: cooptrace@bol.com.br

| Revista FECOOPACE

10576 - Revista Fecoopce Nº 04.indd 6

29/01/2010 17:39:58


CAPACITAÇÃO COOPERATIVISTA

Sistema OCB/SESCOOP-CE divulga cursos de capacitação Fiscal, curso de Contabilidade e palestras na área. RAMO TRANSPORTE Em 1º de abril de 2009, FECOOPACE e OCB/SESCOOP-CE desenvolveram um workshop na área de Transporte que gerou bons resultados. Compilamos os dados e chegamos a alguns cursos específicos para o ramo, que está se estruturando. Estamos atentos a esse movimento. O nosso papel é a capacitação, o monitoramento e a promoção social na área cooperativista, com a profissionalização da gestão. FORMACOOP O carro-chefe do Sistema OCB/SESCOOP-CE é o FORMACOOP – Curso de Gestão Empresarial Cooperativa, cujo

objetivo fundamental é formar as cooperativas para o exercício e a aplicação, de maneira correta, dos preceitos fundamentais do Cooperativismo. ENCONTROS REGIONAIS DE COOPERATIVAS DE TRANSPORTE Teremos encontros nas regiões do Cariri/Centro Sul, Sertão Central e Norte/ Vale do Aracatiaçu. Esses encontros foram pensados porque a OCB Nacional está buscando dar uma repaginada no ramo de Transporte. Esses encontros têm por objetivo coletar informações das três regionais do Estado. Daí deverá sair um relatório para que a OCB veja ‘a cara’ do ramo. Confira o calendário completo das ações:

Ilana Maria, gerente de capacitação do Sistema OCB/SESCOOP

O

Sistema OCB/SESCOOP-CE disponibilizou a programação de cursos para o I Semestre desse ano, dividida da seguinte forma: • Cursos de Qualificação Profissional; • Cursos de Formação Cooperativista; “O programa foi baseado nas necessidades das cooperativas”, afirma Ilana Oliveira, gerente de Capacitação do Sistema. As cooperativas filiadas ao Sistema receberam ofício em que deveriam listar as demandas de cada uma. Sobre a importância dos cursos Ilana Oliveira se baseia no 5º Princípio do Cooperativismo, que é a Educação, Formação e Informação. Cada cooperativa deve investir na educação e na capacitação para garantir a profissionalização da gestão. A Gerente de Capacitação do Sistema discorre sobre outras importantes questões. Acompanhe! DUAS FRENTES DE CAPACITAÇÃO A qualificação tem como objetivo melhorar a função do corpo funcional da cooperativa. Buscamos dar uma formação técnica na área de atendimento ao público, inclusive na língua inglesa, visando à Copa do Mundo, e matemática financeira. A formação cooperativista é mais ligada à gestão da cooperativa. A gente tem o FORMACOOP, curso para Conselheiro

| Revista FECOOPACE 10576 - Revista Fecoopce Nº 04.indd 7

7

29/01/2010 17:40:00


MELHORIA DO TRANSPORTE URBANO

ETUFOR participa de Congresso Nacional da ANTP em Curitiba-PR

Josino de Medeiros, chefe da divisão de fiscalização da ETUFOR

Associação Nacional de Transportes Públicos promoveu, entre os dias 29 de setembro e 2 de outubro/2009, o XVII Congresso Brasileiro de Transporte e Trânsito. O evento, em Curitiba-PR, discutiu temas de grande relevância, como política nacional de mobilidade versus desenvolvimento econômico; combate à violência e respeito aos direitos humanos no trânsito; qualidade dos serviços de transporte e sustentabilidade ambiental. O Ceará participou com nove técnicos da ETUFOR - Empresa de Transporte Urbano de Fortaleza, dos quais dois apresentaram trabalhos: Ana Tércia – Fiscalização de Transporte Público e Francisco André Azo - Avaliação de Demanda no Sistema Regular – 1999/2008.

dar, a partir do dia 4 de janeiro, uma visita ao DETRAN para definirmos essa questão do trajeto de todos os veículos que realizam o intermunicipal para vermos até onde eles podem entrar no centro. O desafio maior é conseguirmos desenvolver mecanismos para dar maior fluidez aos veículos e transporte público com vias exclusivas como a Bezerra de Menezes. Isso será feito em outras avenidas. Temos que dar confiabilidade ao sistema.

Qual tem sido o maior desafio enfrentado pela ETUFOR?

Com relação ao número expressivo de carros nas ruas de Fortaleza?

Hoje a ETUFOR, no que tange ao gerenciamento, busca oferecer um sistema de boa qualidade combatendo o transporte irregular em todas as modalidades. É obrigação da ETUFOR encontrar mecanismos para melhorar a fluidez do tráfego e ofertar o maior número possível de viagens além de atender essa demanda crescente.

Com relação ao número crescente de veículos de passeio assusta e a gente vê a quantidade de veículos que estão rodando. É algo importante e os nossos técnicos estão empenhados em tentar aumentar a velocidade do veículo de transporte público. Os veículos estão perdendo muitas viagens em terminais porque você não consegue atender aquele horário e o usuário não confia.

O que está sendo feito?

Como foi a participação da ETUFOR no evento?

Para Fortaleza nós temos o TRANSFOR que é o projeto de alargamento de ruas e avenidas além da abertura de novas vias. Construção de elevados, viadutos, aquisição de veículos de alta capacidade que deverá estar disponível em 2 anos até por conta da Copa e o transporte deverá fluir de maneira mais tranquila. Está sendo estudado a questão do Centro. Hoje já estamos impedindo que alguns ônibus entrem no miolo do centro. Existe a possibilidade de a gente priorizar algumas ruas, dentro do centro, exclusivamente para ônibus. Nós vamos ter uma resistência muito grande por conta dos estacionamentos e comerciantes.

Nós tivemos a participação de nove técnicos no Congresso ANTP de Transportes com duas apresentações de trabalho. Tivemos, ainda, a oportunidade de

É uma coisa que tem que ser muito estudada porque quando você faz determinado tipo de impedimento é preciso pensar nas consequências. Nós vamos agen-

Josino de Medeiros Filho, Chefe da Divisão de Fiscalização da ETUFOR, conta como foi o Congresso da ANTP, fala do Trânsito de Fortaleza e do Sistema de Transporte Complementar.

8

conhecer um outro modelo de transporte. É muito importante visualizar, in loco, alguns conhecimentos acadêmicos. Aproveitamos a oportunidade para comparar o que foi feito em Fortaleza com outros modelos aplicados em outras capitais do País. Tivemos a oportunidade conhecer a fábrica da NEOBUS e BUSSCAR. Nós vimos o processo de fabricação e montagem de uma carroceria e fomos muito bem recebidos.

E o Sistema de Transporte Complementar? Por conta da regulamentação do decreto que diz que eles só podem parar nas paradas de ônibus melhorou significativamente o trânsito. Antes qualquer pessoa que desse a mão ele metia o pé no freio e não queria nem saber quem vinha atrás. Hoje se a van parar fora da parada ele está passível de repreensão. Os usuários reclamavam muito e com a legislação nós conseguimos fiscalizar. Num primeiro momento nós apreendemos os carros e sentimos, pouco tempo depois, uma melhora. José Josino de Medeiros Filho é servidor Concursado da ETUFOR desde 1993, ocupa a Chefia da Divisão de Fiscalização. Formado em Pedagogia, é Especialista em Gestão de Transporte Público pela UFC – Universidade Federal do Ceará.

| Revista FECOOPACE

10576 - Revista Fecoopce Nº 04.indd 8

29/01/2010 17:40:04


MEMÓRIA - 2ª PARTE

Xilon de Souza (Presidente da COOPTRATER)

A realidade dos transportes complementares nos dias de hoje

Apoios determinantes

E

ssa conquista teve a interferência importantíssima de nossa Prefeita Dra. Louisiane Lins, como autoridade máxima municipal, e a

abnegação de nosso à época candidato a presidente do SINDIVANS, Sr. Antônio de Pádua Chaves, juntamente com seus pares de Diretoria (Marcos César Bezerra Nobre, Waldembergue Rodrigues Praciano, não desmerecendo outros nomes tão importantes quanto os aqui citados. Há que se considerar o mérito de eles terem bancado a Cootraps, que é a sucessora da Cotracks, primeira cooperativa de transporte no município de Fortaleza, que teve como ultimo presidente o saudoso Sr. Sebastião Vidal Barbosa da Silva (in memorian). Em outras palavras, as pessoas acima citadas conseguiram nos resgatar da exclusão do Sistema de Bilhetagem Eletrônica, com a possibilidade de inserir toda a Categoria no Sistema Não bastasse esse grande feito, conseguiram ainda alavancar o conceito do modal, inclusive tendo o reconhecimento nacional da Organização Administrativa, Operacional e Social do Sistema de Transporte Público Complementar de Passageiros no Município de Fortaleza.

O advento do caixa único As conquistas acima citadas propiciaram ainda outras conquistas que consolidaram as boas perspectivas de crescimento com a estruturação de infraestrutura operacional, garagens com abastecimento da frota, oficina para pequenos reparos, manutenção preventiva e corretiva e talvez a mais importante entre tantas: as adesões das coordenações de Linhas ao caixa único. O caixa único teve como fato de destaque o aumento significativo de passageiros, sem a necessidade de recursos por parte dos operadores da popular “escovada”, que vem a ser o companheiro de linha que deixava o companheiro seguinte sem passageiros, uma vez que o “escovador” segurava o quanto podia para levar a fatia maior do bolo, deixando o próprio companheiro a ver navios. Isso hoje é passado, pois todos cumprem seus horários religiosamente, sendo monitorados e orientados para a pontualidade. Tal fato aumentou a confiança do usuário por dois motivos: o menor tempo entre os veículos da mesma linha e a certeza de que chegará ao compromisso assumido em tempo hábil.

| Revista FECOOPACE 10576 - Revista Fecoopce Nº 04.indd 9

9

29/01/2010 17:40:05


OPINIÃO

*Pedro Henrique Alcino

A pressa pede passagem em nossas vidas

É

assim que tratamos no dia-a-dia, nossas atividades, seja no trabalho, na academia, na faculdade e pasmem-se, até em velórios. Imagine um funeral em que as pessoas se despedem do morto sem sair de seus veículos: basta entrar numa fila, estacionar por alguns minutos e, da janela do carro, o motorista e seus acompanhantes podem registrar sua presença, ver o caixão e prestar ao morto uma última homenagem. Você imaginou? Pois bem. Isso já acontece nos Estados Unidos. Os velórios drive-through, copiado do estilo McDonald´s de servir. E por mais absurdo que pareça, é apenas um dos milhares exemplos de nossa realidade: a pressa. Recentemente um escritor canadense relatou em uma entrevista concedida a Rede Record, que hoje, a gente olha para o relógio, não para saber que horas são,

10

mas para ver quanto tempo falta. Estamos sempre correndo para fazer alguma coisa. E dessa forma, foram introduzidos em nosso vocabulário varias expressões como “superatrasado”, “em cima da hora”, “morrendo de pressa”, dentre outras. Portanto, é nesse espírito de “apressados” que adotamos o hábito de conciliar várias atividades ao mesmo tempo. Dirigir falando ao celular; ler com a TV ligada; responder e-mail enquanto engolimos o lanche; participar de uma reunião atendendo telefone. A multitarefa é um exercício diário que muitos denominam de virtude, outros de loucura. Independente do que você acredita ser esse malabarismo de coisas, a certeza é de que o nosso cérebro não atende a tudo com tanta precisão. Podemos até fazer várias atividades ao mesmo tempo, mas a chance de fazê-las bem feitas é mínima. E o desgaste mental costuma ser imenso. Em um programa recente do Globo Repórter, um japonês de 103 anos, nos ensinou algumas técnicas de como chegar à longevidade. Dentre seus aconselhamentos, exemplificou que deveríamos sempre que nos alimentar, mastigar no mínimo trinta vezes. Imagine isso no meio de tan-

tas tarefas que lhes aguarda após aqueles limitados minutos de “almoço”. Sendo que esse tal ritual de alimentação, não poderia ser de no mínimo quarenta minutos. A velocidade vicia. E, como todo vício, pode trazer prejuízos para a saúde. O ritmo descontrolado estimulado pelas novas tecnologias atinge nossas vidas através de uma aceleração que resulta diretamente na máquina humana: a irritação, ansiedade, o cansaço e, acima de tudo, uma intolerância imensa com os nossos próprios limites. Querer fazer tudo às pressas, ou tudo ao mesmo tempo, tem nos roubado de nós mesmos. Tentar fazer uma coisa de cada vez, pode parecer banal, mas nos deixa mais próximo da tão sonhada qualidade de vida. Viver com o pé no acelerador, como se tudo fosse “para ontem”, é maltratar o presente e – o que é pior – pode comprometer certamente o futuro. Mas infelizmente não posso dar o bom exemplo, pois nesse momento em que escrevo, estou jantando um delicioso pedaço de pizza mussarela, para não “perder muito tempo”, claro. *Jornalista e presidente da Cootrasc

| Revista FECOOPACE

10576 - Revista Fecoopce Nº 04.indd 10

29/01/2010 17:40:07


CÁ ENTRE NÓS Solidariedade no Trânsito?

E

stamos vivendo em um mundo cada dia mais globalizado. Em uma sociedade em que deveria prevalecer a solidariedade entre as nações, mas o que estamos vendo é o crescimento do EU: eu posso, eu quero, eu tenho, eu faço. A maioria das pessoas, no trânsito, pensa apenas em si. Mas, nas ruas, precisamos ser solidários e nos preocupar com a segurança dos outros também. Devemos encarar o trânsito como algo mais simples, como o ir e vir de pessoas e veículos, pensar no conflito entre o individual e o coletivo, o público e o privado. Os psicólogos estão aí, sendo chamados a analisar estes fatos, para estudar, explicar e se ater como este fenômeno chamado trânsito se caracteriza. Estamos na busca de explicações para tanta

agressividade, tanta violência e tanta indiferença aos números alarmantes dessa guerra entre homens e veículos. A ausência de educação de pedestres e dos condutores, responsáveis por comportamentos arriscados no trânsito, contribui, e muito, não só para gerar conflitos, como para radicalizá-los, onde eles são inevitáveis. Ficamos na certeza que somente a educação, a prevenção e a escolha de princípios e valores corretos irão nos levar a um trânsito com mais humanidade, harmonia, segurança e justiça para todos. Motoristas e pedestres devem buscar uma relação de respeito e solidariedade, observando direitos e deveres uns dos outros.

Núbia Furttado Diretora Administrativa da FECOOPACE nubiafurttado@hotmail.com

NOTÍCIA DO CEARÁ

1.187 vistorias foram realizadas no mês de dezembro

A

Empresa de Transporte Urbano de Fortaleza (Etufor) realizou, durante todo o mês de dezembro, 1.187 vistorias dos veículos que compõem a frota do sistema de táxi, mototáxi, trans-

porte escolar e vans. No procedimento foram avaliados itens relacionados a conforto, funcionamento e programação visual dos veículos. Ao passar pela vistoria, que acontece anualmente, o veículo recebe um selo verde que o autoriza a continuar circulando nas ruas. Um selo vermelho indica que o carro foi reprovado no procedimento, sendo liberado apenas para providenciar os reparos necessários.

Confira o número de vistorias realizadas em cada categoria de transporte: Complementar: 43 Mototáxi: 380 Táxi: 457 Ônibus: 225 Transporte Escolar: 82 Fonte: ETUFOR (www.etufor.ce.gov.br)

QUEM É ESSA GENTE QUE VOCÊ VÊ!

Ademir Vasconcelos Barroso

O sonho de um sistema de transporte complementar de primeiro mundo

C

onselheiro Fiscal e um dos fundadores da FECOOPACE, Ademir Vasconcelos Barroso é diretor da COOPERTEC – Cooperativa de Transporte Complementar de Passageiros do Município de Caucaia e um otimista em relação ao futuro dos transportes complementares no Estado. Aos 56 anos, vivenciou cada etapa do nascimento do transporte complementar no Estado. Orgulha-se de dizer que, com a ajuda de uma equipe batalhadora, idealizou o sistema de transporte “parecido como o que se encontra hoje”. Confira a seguir alguns de seus pontos de vista.

O momento atual Ademir Vasconcelos - Estou satisfeito de ver o desempenho e a projeção de toda essa equipe que tem trabalhado de forma unida. Esses companheiros passaram horas e horas em reuniões e palestras na OCB/CE. O Sistema de Transportes Complementares, hoje,

é uma realidade, tem projeção nacional, tem o reconhecimento do Governo, é respeitado pelo trabalho que desenvolve, através de um grupo que trouxe mais qualidade aos serviços, essa é a nossa compensação.

mos um transporte complementar de primeiro mundo. Hoje a qualidade já é muito boa. O usuário sofrido de ontem, que buscava qualquer tipo de condução, hoje é feliz por ter essa opção.

Falta de reconhecimento (maior complicador no começo da luta dos Complementares) Ademir Vasconcelos - Os órgãos do governo não recebiam e não acreditavam no nosso trabalho, até por que não era realidade. Era apenas uma vontade de fazer com que chegasse onde estamos agora. Hoje já somos vistos de maneira diferente. Isso nos dá a satisfação de continuar a caminhada.

O futuro do Transporte Complementar no Estado Ademir Vasconcelos – Para o futuro, vejo mais qualidade nos serviços que prestamos, mais resultados positivos para todos. Tere-

| Revista FECOOPACE 10576 - Revista Fecoopce Nº 04.indd 11

11

29/01/2010 17:40:09


OUVIDORIA

Ouvidoria da FECOOPACE USUÁRIO RECLAMA: Dia desses subi num complementar e li num aviso, colocado na porta de descida, que enquanto a porta estivesse aberta o carro não andava. Pois num teve nada disso! O ônibus saiu, rodou uns dois quarteirões com a porta aberta, negando o que todos liam no aviso. E aí? O que vocês dizem disso? Um morador de Rodolfo Teófilo. OUVIDOR RESPONDE: Bem, caro usuário, o lamentável fato acontecido com você é uma displicência do condutor e do seu auxiliar (cobrador), tendo em vista que o aviso fixado na porta do veículo é uma forma de alertar do perigo de ocorrer algum acidente com o carro em movimento. É importante que quando ocorrer tais fatos, seja anotado a placa do veículo e comunicada a sua referida cooperativa para se tomar as devidas providências.

12

USUÁRIO OBSERVA: Já vi vários ônibus circulando com elevadores e cadeiras especiais para deficientes. Mas aí eu pergunto: é preciso mesmo? Eu, particularmente, nunca vi um só passageiro em cadeira de rodas pegar ônibus, seja complementar, seja das linhas normais. Luciano Bonfim, Passaré. OUVIDOR RESPONDE: Caro Luciano, a Constituição Federal garante a acessibilidade para portadores de deficiência física no transporte público de passageiros, através da Lei nº 10.098, que determina a reserva de lugares para pessoas com dificuldades de locomoção, o cadeirante. Não parece, mas no Estado do Ceará, de acordo com Associação dos Deficientes Físicos do Ceará, existem um milhão e meio de pessoas aptas a usufruir desse direito.

USUÁRIO DEFENDE: No programa CE TV do Canal 10, dia 22 de janeiro/2010, por volta das 13 horas, uma reportagem não foi nada gentil com os complementares de Fortaleza. A matéria mostrou motoristas cortando outros ônibus, causando bagunça, corre-corre e até perigo no trânsito. Queria apenas fazer um registro: se isso foi comum há quatro, cinco anos atrás, hoje em dia não é mais. Não entendi, sinceramente, o motivo daquele ataque. Gildemar Dantas,Centro. OUVIDOR RESPONDE: Em nome do que fazem o Sistema Complementar de Transporte do Estado, muito obrigado.

| Revista FECOOPACE

10576 - Revista Fecoopce Nº 04.indd 12

29/01/2010 17:40:09


O CONTADOR

Tributação sobre a Folha de Pagamento das Cooperativas Marcelo Fialho (Contador da FECOOPACE)

Lei nº 5.764/71 regulamenta as sociedades cooperativas, define a Política Nacional de Cooperativismo e instituiu o regime jurídico das cooperativas. A legislação vem dando tratamento diferenciado e favorecido as sociedades cooperativas onde a atual constituição dispõe que cabe a Lei Complementar estabelecer normas sobre a legislação tributária das sociedades cooperativas. Apesar de tudo, o Governo, na ânsia de arrecadar, cada vez mais, está equiparando às sociedades cooperativas as demais pessoas jurídicas com fins lucrativos no pagamento de tributos. Desta forma, a carga tributária que é aplicada às cooperativas é muito onerosa, principalmente quanto à folha de pagamento dos empregados. A empresa é obrigada a elaborar mensalmente a folha de pagamento da remuneração paga devida ou creditada a todos os segurados a seu serviço. (art. 225 do Decreto 3.048/1999). Considera-se empregado toda pessoa física que prestar serviços de natureza não eventual a empregador, sob a dependência deste e mediante salário (Art. 3º - CLT). A Portaria Interministerial MPS/MF Nº 350, de 30/12/2009, publicada no DOU de 31/12/2009, dispõe sobre o salário mínimo e o reajuste dos benefícios pagos pelo Instituto Nacional do Seguro Social – INSS, O salário foi reajustado a partir de 1º de janeiro de 2010, em 9,68% (nove inteiros e sessenta e oito centésimos por cento). O funcionário que recebe da cooperativa um salário mínimo, receberá a partir de 01 de janeiro R$ 510,00. Sobre essa remuneração teremos a incidência dos seguintes tributos: INSS - Empresa: 20% + Outras Entidades (Terceiros): 5,8 % + Acidente de Trabalho: 1%; FGTS - 8% e PIS – 1%, totaliza 35,80%. Considerado todos os direitos dos empregados, mensalmente, teremos as despesas com vale transporte, refeição e ainda as obrigações anuais como o 13º salário e as férias. Esse funcionário terá um custo mensal para a instituição de aproximadamente R$ 998,54. Custo esse bastante alto, dificultando a empregabilidade e a regularização das instituições perante o Ministério do Trabalho.

TABELAS ATUALIZADAS PARA JANEIRO DE 2010 TABELA DE CONTRIBUIÇÃO DOS SEGURADOS EMPREGADO, EMPREGADO DOMÉSTICO E TRABALHADOR AVULSO, PARA PAGAMENTO DE REMUNERAÇÃO A PARTIR DE 1º DE JANEIRO DE 2010 Portaria Interministerial nº 350, de 30 de dezembro de 2009, publicada no DOU de 31/12/2009, seção 1, página 51, no título do Anexo II, SALÁRIO DE CONTRIBUIÇÃO(R$) até 1.024,97 de 1.024,98 até 1.708,27 de 1.708,28 até 3.416,54

ALÍQUOTA PARA FINS DE RECOLHIMENTO AO INSS 8,00% 9,00% 11,00%

SALÁRIO FAMÍLIA É direito constitucional do trabalhador de baixa renda, pago em razão de seu dependente. JANEIRO/2010 LIMITE Até R$ 531,12 De 531,13 até 798,30

VALOR 27,24 19,19

Tabela Progressiva para o cálculo mensal do Imposto de Renda de Pessoa Física a partir do exercício de 2011, anocalendário de 2010. Base de cálculo mensal em R$

Alíquota %

Parcela a deduzir do imposto em R$

Até 1.499,15 De 1.499,16 até 2.246,75 De 2.246,76 até 2.995,70 De 2.995,71 até 3.743,19 Acima de 3.743,19

7,5 15,0 22,5 27,5

112,43 280,94 505,62 692,78

 Tabela de dedução por dependente na determinação da Base de Cálculo do IRPF Ano-calendário

Quantia a deduzir, por dependente, em R$

2010

150,69

Consultoria Contábil para Cooperativas de Transporte Marcelo Fialho Registro CRC-CE: 016541/O-6 Rua Pedro Borges, 135 - Sala 1601 - Edifício Portugal Centro - Fortaleza – CE Fone/Fax: |85| 3226-2144 – Cel: |85| 8722-7139 E-mail: fialhoconsultoria@bol.com.br

| Revista FECOOPACE 10576 - Revista Fecoopce Nº 04.indd 13

13

29/01/2010 17:40:10


ESPECIAL: DISTRIBUIDOR

O que é e como funciona a DotFlex

A

DotFlex é uma empresa de desenvolvimento de sistemas, no mercado há 10 anos. Surgimos no segmento bancário, desenvolvendo sistemas para o Bradesco, mais especificamente para o Departamento de Marketing. No final de 2003 fomos procurados por uma cooperativa de São Paulo para desenvolvermos um pequeno módulo de controle de passe papel. Daí surgiu nosso contato com o Cooperativismo. Hoje, nosso produto atende 100% das necessidades de uma cooperativa de transporte de passageiros. Trabalhamos especificamente para o segmento de cooperativas. Nosso produto trabalha interligado com a bilhetagem eletrônica, em que coletamos os dados dos passageiros, viagens etc.. Estas informações se transformam em uma poderosa ferramenta para o gerenciamento operacional da frota, assim como da área financeira, na medida em que controla todo o repasse para

14

o cooperado, com rapidez e transparência no processo, devido ser via web. Os cooperados têm as informações do seu veículo em casa. Os diferenciais do sistema são: o gerenciamento completo de uma instituição voltada ao Cooperativismo; acesso via web (hospedamos nosso sistema em um dos maiores datacenters da América Latina, com total segurança e estabilidade); especialização no segmento de cooperativas de transporte; preço, de vez que cobramos no sistema de locação, sem grande ônus para a instituição; alta disponibilidade e agilidade no suporte. O SGTI (Sistema de Gestão Transporte Inteligente) tem, entre seus principais itens, o controle operacional da frota; manutenção (corretiva e preventiva); controle de estoque; controle de abastecimento; remição ou repasse; caixa único; integração com a bilhetagem eletrônica; controle de fraude no uso dos bilhetes; controle de multas; controle financeiro; consórcio; controle de acesso e muitos outros. A FECOOPACE assinou o contrato conosco em novembro/2009. Já realizamos os treinamentos iniciais, o que possibilitou à Federação dar inicio ao

cadastramento inicial no sistema, fato que irá agilizar muito os trabalhos após a instalação dos validadores. Temos outras 25 entidades com que trabalhamos, num total de 6.280 veículos em outros 6 Estados; atendemos desde cooperativas com 20 até 1500 veículos, que é o nosso maior cliente. Para operar o sistema DotFlex é preciso passar por capacitação. Fizemos um primeiro treinamento na sede da FECOOPACE, durou uma semana. Após a implantação dos validadores retornamos para completar o treinamento. Além disso, temos nosso suporte, disponível para dúvidas, perguntas ou sugestões. O Cooperativismo está avançando muito no Brasil, viajamos muito no ano de 2009 e pudemos verificar esta realidade por todo o país. Ficamos felizes por ver que pessoas que sofriam antes na ilegalidade do transporte estão ganhando dignidade e respeito através de cooperativas e federações, Brasil afora. Paulo César, Diretor da DotFlex.

| Revista FECOOPACE

10576 - Revista Fecoopce Nº 04.indd 14

29/01/2010 17:40:12


SAÚDE TOTAL

Câncer de Prostata

O

câncer de próstata é a segunda causa de óbitos por câncer em homens, sendo superado apenas pelo câncer de pulmão. O câncer surge quando as células da próstata passam a se dividir e se multiplicar de forma desordenada, levando à formação de um tumor. Os dois únicos fatores confirmadamente associados ao aumento do risco de desenvolvimento do câncer de próstata são:

A idade: a grande maioria dos casos ocorre em homens com idade superior a 50 anos. História familiar: história de pai ou irmão com câncer de próstata antes dos 60 anos. Até hoje não são conhecidas formas específicas de prevenção do câncer de próstata. No entanto, sabe-se que a adoção de hábitos saudáveis de vida é capaz de evitar o desenvolvimento de certas doenças, entre elas o câncer. Deste modo, é importante: Fazer no mínimo 30 minutos diários de atividade física; Ter uma alimentação rica em fibras, frutas e vegetais;

Reduzir a quantidade de gordura na alimentação, principalmente a de origem animal; Manter o peso na medida certa; Diminuir o consumo de álcool; Não fumar. Então, ao completar 40 anos, o homem deverá fazer visitas periódicas ao seu médico, cuja finalidade seria prevenir possíveis complicações da próstata! FISIOTERAPEUTA Drª. Eliane Pinheiro E-mail: dra.elianepinheiro@uol.com.br

PAPO DE MECÂNICO

Dicas úteis do Charles, da Cequip, sobre como manter seu carro em perfeito estado

M

onitor de pós-venda da Cequip, Charles Ferreira Silva, 29 anos, trabalha há 11 no ramo de transporte e se diz um apaixonado por carros “desde muito cedo”. Segundo ele, o maior problema enfrentado pelo segmento é a falta de ação preventiva de danos.

Uma verificação simples no motor pode, para Charles, pode impedir que o dono do veículo pare de rodar e pague um valor considerável, dependendo do caso. Com a sua experiência em manutenção, dá dicas úteis sobre como manter seu carro em perfeito estado. • É necessário estipular uma quilometragem para verificar o filtro de ar, por exemplo. As pessoas, enganosamente, dão uma sopradinha para limpar o filtro. É um equívoco. A pessoa acaba por danificá-lo. Isso faz com seja mais fácil a penetração de abrasivo para dentro do motor. Eu aconselho que a cada 15 mil quilômetros o dono verifique as condições do filtro de ar. • Aconselhamos também que na

substituição do filtro de combustível exista também uma troca do óleo do motor. Evidentemente que é preciso perceber se existe necessidade mesmo. • Para o carro que roda dentro da cidade e em pequenas distâncias eu aconselho que a revisão seja feita aos 20 mil quilômetros, podendo chegar até 30 mil. O freio é outro item importante e que deve ser sempre monitorado. • A banguela coloca a vida das pessoas em risco e além disso, a injeção eletrônica não deixa de funcionar só porque você não está acelerando. O motor está sem tração, mas precisa permanecer funcionado.

Redução dos custos de operação Gerenciamento de frotas Controle de infrações Acessoria logística www.mobilecomm.com.br 85-3224-8690 | Revista FECOOPACE 10576 - Revista Fecoopce Nº 04.indd 15

15

29/01/2010 17:40:12


PRIMEIRA LINHA

A maior linha de Fortaleza mudou para melhor a vida de um coordenador

J

osé Edivânio Azevedo, 40 anos, é o coordenador da linha 25. Trabalhou como mototaxista e comerciante até conhecer, em 1997, o ramo de transporte que, segundo ele, mudou muito e “para melhor a minha vida”. Começou trabalhando na linha 11, até a 25 ganhar a licitação que o colocaria em um dos maiores percursos de Fortaleza. Azevedo, como é conhecido no meio, é o responsável por dar qualidade e segurança as mais de 12 mil pessoas que transporta por dia. A linha sai todo dia do Parque Santa Maria, passa por Messejana, BR 116, Av. Treze de Maio e chega ao destino final que é o Liceu do Ceará, em Jacarecanga, no coração de Fortaleza.

Força motriz Todo o pessoal que trabalha nessa linha deve estar fardado, não pode usar boné e nem chinela. “Trabalham aqui comigo 2 fiscais, mais de 44 operadores. Temos muitas cobradoras. Todos os carros que rodam na linha possuem o validador Azevedo, coordenador da linha 25 e o meu carro foi o segundo a colocá-lo. Aqui, diariamente, tiramos o extrato do validador onde é repassado para o permissionário, para que ele acompanhe como foi o dia.

O sistema de Transporte Complementar, hoje Só aqui na linha 25 estou trabalhando há mais de dez anos. Sempre gostei de transporte. Hoje eu posso dizer que o Sistema é totalmente diferente de quando eu comecei. Está muito mais organizado, os operadores mudaram. Foi difícil no começo porque nós não podíamos rodar em paz, tranquilamente

FAZENDO ARTE

Dona Edna

Flores a quem tudo conquistou com seu esforço e dos familiares do quase toda semana por órgãos fiscalizadores. Fundadora da Linha Araturi/ Centro Edna é responsável por oferecer um transporte de qualidade a mais de 300 pessoas por dia.

De tudo um pouco Dona Edna lavou roupa, vendia gás de casa em casa, pintava raspas de madeira para vender em lojas de artesanato e ainda exercitava a sua paixão: arranjos de flores. Orgulha-se de ter um bom marido e sete filhos criados com honestidade e muito trabalho. Ela se diz recompensada por ter conquistado tudo que conquistou com o seu esforço e dos seus familiares.

E

dna Bezerra da Silva, Silvaa 52 anos, anos criou sete filhos trabalhando de sol a sol. Permissionária, motorista e cobradora, trabalha no ramo há 10 anos. Hoje é cooperada da COOPERTEC e não se arrepende de ter iniciado seu trabalho na Avenida Leste/Oeste quando, segundo relato, o seu carro era apreendi-

16

Luta “Eu saio de casa todo dia às quatro da manhã. Às 11 da manhã estou em casa almoçando. Retorno as três da tarde e termino, finalmente, o meu dia de trabalho, às 23:00. O meu lazer é trabalhar”. Apesar do dia exaustivo ela diz que não

pensa em parar. A sua próxima conquista é comprar um carro mais novo. Aos poucos, está se capitalizando para isso.

Flores para alegrar a vida “Nunca fiz um curso, foi Deus quem me deu esse dom”, afirma Dona Edna. Ela se refere ao trabalho de arranjos que faz desde muito jovem. “É a minha maneira de ter uma renda extra”. Arranjo para mesa, altar e parede é a especialidade dela, que aproveita o movimento intenso do Beco da Poeira para vender, juntamente com sua filha, os jarros que variam de R$ 3,00 e podem chegar até R$ 200,00. Feliz por ter sido bem sucedida no final do ano, ela acredita que dezembro e maio são os melhores meses para vender os seus arranjos. Edna Bezerra Almeida da Silva Contatos: (85) 8758.1210

| Revista FECOOPACE

10576 - Revista Fecoopce Nº 04.indd 16

29/01/2010 17:40:14


Revista Fecoopace Ed:04