Page 1

Federação das Cooperativas de Transportes Autônomos de Passageiros do Estado do Ceará

|Revista

FECOOPACE OUTUBRO, 2009 | Fortaleza-CE

OCB/CE

SESCOOP/CE Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará

Conquista do setor

Licitação regulamenta o Transporte Complementar no Estado do Ceará!

A FECOOPACE congratula todos os que fazem o Transporte Complementar do Estado pelo reconhecimento do setor por parte do Governo Estadual. “Sempre fomos importantes na condução honrada dos nossos cidadãos. Por dever de justiça, conquistamos o reconhecimento governamental através da recente licitação”, comemora o presidente da FECOOPACE, César Nobre, que destaca: “O governador Cid Gomes teve participação decisiva nesse processo”. Página 3.

João Nicédio

O presidente do Sistema OCB/SESCOOP-CE avalia a importância do Transporte Complementar no Estado. | 09

Hildo Gomes

Conhecido da categoria, o mecânico da Ceará Diesel conta dos 17 anos a serviço dos Complementares. | 5

Exemplar

Confira os Dez Mandamentos do Motorista Complementar Exemplar, de acordo com Xilon Sousa. | 6

Habilitado

Escóssia & Escóssia explica tudo sobre Bilhetagem Eletrônica e as novas resoluções do CONTRAN. | 13


EDITORIAL

Complementar: transportar gente faz da gente a melhor alternativa!

O

transporte público de passageiros no Brasil sempre foi sinônimo de grandes aglomerações de gente, algo complexo em sua estrutura. Pessoas no vai-e-vem peculiar, no sobe e desce constante dos terminais, no meio da rua. O passageiro é visto como cliente? Há linhas suficientes para satisfazer as exigências de uma viagem confortável e segura? O advento dos transportes complementares trouxe, sem dúvida, novas perspectivas para o setor, oferecendo à população a efetiva possibilidade de atendimentos à crescente demanda do setor, na medida em que rateia com o transporte regular a responsabilidade de conduzir gente, de forma profissional e eficaz, ao destino requerido. As Cooperativas de Transporte Complementar surgem como alternativa adequada para fazer frente aos desafios postos, minimizando queixas (menor intervalo de tempo entre um veículo e outro, por exemplo). É bom lembrar que o transporte de passageiros é parte do Ramo Transporte, criado pela Assembléia Geral da OCB no dia 30 de abril de 2002. É um ramo recente e muito dinâmico, com boas perspectivas de crescimento. No Estado do Ceará a luta do transporte complementar por sua definitiva regulamentação tem cerca de duas décadas. Reconhecimento da sociedade, sempre teve. Mas era preciso que o próprio Governo voltasse suas atenções para o setor. E isso agora foi feito. A expedição do Decreto 29.687/2009, regularizando o Sistema, e sua posterior regulamentação por meio da recente Licitação Nº 003/2009/Detran, coroam de êxito os esforços de uma categoria aguerrida, unida, desejosa de mostrar bons serviços. Ganha o setor, mas ganha sobretudo a sociedade. Coube à FECOOPACE o papel de chamar o segmento para a unidade, profissionalizá-la, reverter a opinião esdrúxula de que juntar muitas pessoas em torno de um ideal seria apenas

complicação. A Federação aqui esta para congregar os que fazem o transporte complementar do Estado, proporcionando-lhes uma visão humanizada do setor, com a garantia de resultados efetivos para o usuário do sistema. A grande sinfonia orquestrada entre usuário e trabalhadores em transportes de passageiros é que caracterizou o nome ‘alternativo’, embora alguns setores dominantes da sociedade tentem passar, de forma pejorativa, um outro conceito de alternativo. Somos os que faz com alternação, permitimos escolha. Mais uma vez fica provada que a sabedoria do povo não tem tamanho. Nós demos certo, nós estamos na mente e na preferência de grande parte da população. O cearense nos escolheu como parceiros de primeira linha. Transportamos com alegria, porque gente não é mercadoria. Para rememorar: em diversos Estados do Brasil o transporte de menor porte recebe variadas denominações. Em Pernambuco, chama-se Kombeiro; em São Paulo e no Ceará, até pouco tempo atrás, éramos Topiqueiros. Hoje, somos complementares, com orgulho. Ganhamos status de transporte necessário para a população. Estamos de braços abertos, pois, para acolher a todos os que queiram fazer este modelo de transporte de passageiro com responsabilidade, competência profissional, dedicação e, assim, contribuir para o crescimento do setor e desenvolvimento do Estado. “A gente não quer só comida, diversão e arte”, diz a música dos Titãs. A gente complementa, dizendo que a gente quer muito mais, a gente quer o direito de amar, de trabalhar e de ser feliz. A gente quer a construção de um mundo melhor, em que possamos criar os nosso filhos e viver uma vida digna. A FECOOPACE aceita o desafio e recomenda às suas afiliadas, em todo o Ceará, que a vida faz mais sentido quando há desafios e os mesmos são cumpridos. Por isso somos a melhor alternativa.

A TOPIQUEIRA

A saudade, a lembrança forte de Dona Nice

Núbia Furttado

C

omo disse Guimarães Rosa, “As pessoas boas não morrem, ficam encantadas”. É assim, encantada, que permanece a memória de nossa amiga, Dona NICE. Sua alegria, força e seu riso estão encantados e podem ser vistos em cada mo-

mento bom. Enérgica, sabendo ser justa, era, por isso, não só respeitada como querida por seus subordinados. Sua despedida nos remete à complexa mistura de orgulho e pranto. Orgulho pela honra de tê-la como companheira, uma mulher sinônimo de garra, força, perseverança. E em seu histórico de vida, o exemplo de um caráter ímpar. Nosso pranto é de dor e de saudade, mas a lembrança mais forte que D. Nice nos deixa é sua RETIDÃO

como ser humano. Por isso, deixamos marcado aqui, nossa homenagem. Diretora Administrativa da FECOOPACE; Presidente da COOTTRECE. Dona Nice: saudades

EXPEDIENTE A Revista FECOOPACE é uma publicação da Assessoria de Imprensa da FECOOPACE - Federação das Cooperativas de Transportes Autônomos de Passageiros do Estado do Ceará.

Conselho Fiscal 1° Conselheiro Fiscal: Antônio Pádua Chaves 2° Conselheiro Fiscal: Arquelânio Cruz Ferreira 3° Conselheiro Fiscal: Carlos Alberto Oliveira Melo

Suplentes do Conselho de Ética 1° Suplente: Francisco Rogenilson Rodrigues Nogueira 2° Suplente: Pedro Henrique da Silva 3° Suplente: Carlos Leônidas Albuquerque de Rego Barros

Diretoria Diretor Presidente: Marcos César Bezerra Nobre Diretor 1° Vice-Presidente: Rugero Lima de Freitas Diretor 2° Vice-Presidente: Agostinho Cleson de Sousa Lima Diretora Administrativa: Francinúbia Furtado do Vale Diretor Financeiro: Ricardo Oliveira de Lima Diretor Secretário: Giovane Bernardone Xavier

Suplentes do Conselho Fiscal 1° Suplente: Ademir Vasconcelos Barroso 2° Suplente: Alexandre Mendes Ferreira 3° Suplente: Antônio Ivanildo Siqueira de Oliveira

Editora: Julyanna dos Santos Albuquerque (Mtb CE 2292). Colaboração: Pedro Henrique da Silva, Edvaldo Nunes, Xilon de Sousa. Consultorias: Saúde, Dra. Eliane Pinheiro; Jurídico, Dr. Carlos da Escóssia. Fotos: Imprensa FECOOPACE. Conselho Editorial: Cézar Nobre, Pedro Henrique da Silva. Contatos: telefone (085) 8892.5155. E-mail: jornal@fecoopace.com.br. Diagramação e impressão: Expressão Gráfica Editora.

Conselho de Ética 1° Conselheiro: Antônio Pereira de Sousa 2° Conselheiro: Xilon de Sousa 3° Conselheiro: Edilberto Rufino Barroso Júnior

As matérias dessa edição podem ser reproduzidas, desde que citada a fonte. Os artigos assinados não refletem, necessariamente, a opinião do jornal e/ou da Federação.

2

| Revista FECOOPACE


A MAIOR VITÓRIA DA CATEGORIA

Licitação regulamenta o Transporte Complementar no Estado do Ceará! nossos cidadãos, por dever de justiça conquistamos, agora, o reconhecimento governamental, somos legais, somos lícitos”, comemora o presidente da FECOOPÁCE, César Nobre A expedição do Decreto 29.687/2009, regularizando o Sistema de Transporte Complementar do Estado, é marco histórico na luta da categoria. Com ele veio a regulamentação do Sistema, por meio Governador Cid Gomes participa ativamente da audiência da Licitação Nº 003/2009/ Detran, ocorrida em setembro passado, que tratou da A FECOOPACE congratula todos os permissão das respectivas outorgas para a que fazem o Transporte Complementar exploração do serviço. do Estado pela expressiva conquista que O processo licitatório, promovido foi o reconhecimento do setor por parte do Governo Estadual. “Se sempre fomos pela Comissão Central de Concorrências do Estado do Ceará, por solicitação do importante na condução honrada dos

Detran, tem como objetivo regularizar e tirar da clandestinidade o chamado transporte de passageiros por meio das conhecidas “Vans” ou “Topiques”, garantindo a manutenção do emprego, a abertura de novos postos de trabalho e a melhoria dos serviços prestados aos usuários. O Decreto que regulamentou o Sistema foi baixado, em março passado, pelo governador Cid Gomes. O regulamento e a licitação do Sistema Complementar foram amplamente discutidos em audiências públicas realizadas pelo Detran de Fortaleza e das cidades de maior concentração desse segmento de transporte, como Sobral, Iguatu e Juazeiro do Norte. Destaque para a presença maciça de transportadores e representantes da sociedade civil, unidos no sentido de subsidiar o regulamento do sistema e a confecção do Projeto Básico do Transporte Complementar Intermunicipal, que foi levado à licitação.

Transporte Complementar Intermunicipal divide o Estado em pólos Radiais e Regionais

D

Rugero Lima, 1º Vice-Presidente da FECOOPACE.

e acordo com o projeto básico do Transporte Complementar Intermunicipal, levado à Licitação, o Estado do Ceará foi divido em pólos Radiais e Re-

gionais, que foram igualmente divididos em lotes. Denominam-se de Lotes Radiais Intermunicipais os que têm como destino a Cidade de Fortaleza, em um raio de 165km, segundo Lei Estadual, e abrangem os municípios de Cascavel, Baturité, Quixadá e Itapipoca.

“Dos Lotes Regionais fazem parte os municípios de Russas (03 lotes), Quixadá (01 lote), Canindé (01 lote), Crateús (02 lotes), Tauá (01 lote), Sobral (08 lotes), Itapipoca (01 lote), Iguatu (04 lotes), Juazeiro do Norte (03 Lotes) e Crato/ Juazeiro do Norte (07 Lotes)”, informa o 1º Vice-Presidente da FECOOPACE, Rugero Lima.

A coragem e a determinação do Governador em enfrentar o problema do transporte clandestino Na última semana de setembro, precisamente sexta-feira, 25/09, deu-se mais uma etapa da licitação dos Transportes Complementares do Estado, com o recebimento de novas Propostas Técnicas das Cooperativas que foram desclassificadas por ocasião da análise inicial das propostas apresentadas. Na ocasião, ficou patente a boa vontade da Administração Pública Estadual na condução dos trabalhos, tentando aproveitar ao máximo as propostas apresentadas, a fim de que todos os objetivos (da licitação e da lei) fossem alcançados. “É importante lembrar a coragem e a determinação do Governador em ter enfrentado o problema do transporte clandestino e procurado uma solução definitiva. O que acontecia anteriormente é que aquele tipo de transporte era combatido apenas com interesses políticos. O Governo buscou a solução por intermédio da lei, definindo regras claras, garantindo o em-

prego daqueles que já atuam no transporte de passageiros”, esclarece o presidente César Nobre Embora tenha se observado a boa vontade da Administração Estadual, da FECOOPACE, do Sistema OCB e tantas outras cooperativas participantes do sistema, segmentos de determinadas regiões deixaram de participar da licitação em razão ou de não acreditarem no sistema ou, em alguns casos, por terem perdido o prazo para a entrega das propostas iniciais. Liberalidade da CCC favoreceu cooperativas

Resultado: de 04 Lotes Radiais levados à licitação, no primeiro momento, o Lote de Quixadá ficou sem proposta técnica; dos 31 lotes Regionais, 03 já foram considerados “desertos”, além de outros 10 não terem entregue proposta técnica no primeiro momento.

O problema só foi sanado por conta da “liberalidade” da CCC (Comissão Central de Concorrência) do Estado, ao permitir às cooperativas que não entregaram propostas técnicas poderem, enfim, apresentá-las. Da mesma forma fez com as que tinham sido desclassificadas, procurando, assim, aproveitar ao máximo a licitação em andamento. A licitação na modalidade Concorrência, de Nº 003/Detran-2009, tem seguimento normal. A CCC está ora analisando as habilitações das 12 cooperativas classificadas no primeiro momento, como também as Propostas Técnicas apresentadas na última sessão por 19 cooperativas. Para a vice-presidenta em exercício da CCC, Dra. Maria Betânia Sabóia Costa, o resultado da licitação poderá ser HOMOLOGADO em um prazo de 45 dias, uma vez que o número de recursos apresentados foi pequeno.

| Revista FECOOPACE

3


A MAIOR VITÓRIA DA CATEGORIA

Cooperativas fortalecidas, motoristas treinados...

A FECOOPACE e suas associadas praticam esses valores*

O

presidente da Fecoopace explica que a luta dos trabalhadores pela regulamentação do Transporte Complementar do Estado tem já quase 20 anos. De acordo com CéRicardo Oliveira, sar Nobre, diversos Diretor Financeiro movimentos da cateda FECOOPACE goria foram feitos em governos passados, visando à regulamentação do setor, todos sem resultado prático e objetivo. A situação muda, a partir de agora. “Somente aqui, nos Pólos Radiais, num raio de 165 Km de Fortaleza, serão mais de 400 empregos diretos mantidos e criados com a licitação que outorga as permissões para a exploração do Serviço de Transporte Complementar”, avalia o Presidente. “As cooperativas vão ficar mais fortalecidas, os motoristas serão treinados, os carros vistoriados e a população terá um serviço de qualidade. São benefícios importantes criados pelo Governo do Estado, esclarece o Diretor Financeiro Ricardo Oliveira.

O trabalho competente dos advogados da Federação

RESPEITO Trate os outros com respeito. Seja tolerante às diferenças. Considere os sentimentos dos outros. Não ameace, agrida ou machuque ninguém. Pratique a cortesia. Não fale palavrões. CIDADANIA Faça a sua parte para melhorar a sua cooperativa e sua comunidade, coopere. Mantenha-se informado. Vote. Obedeça às leis e regras. Proteja o meio ambiente e respeite as autoridades. RESPONSABILIDADE Faça o que deve fazer. Persista. Continue tentando. Faça sempre o melhor que puder. Pense, antes de agir, considere as consequências. Seja responsável por suas escolhas. Exerça seu autocontrole. Exercite a disciplina. ZELO Seja gentil, compassivo e demonstre que você se preocupa com o próximo. Expresse gratidão. Ajude as pessoas em necessidade. Perdoe. SENSO DE JUSTIÇA Aja de acordo com as regras. Aguarde sua vez. Compartilhe. Mantenha a mente aberta; escute os outros. SINCERIDADE Seja honesto e digno de confiança. Não engane, não fraude, não roube. Faça mesmo o que disse que iria fazer. Tenha coragem para fazer o que é certo. Construa uma boa reputação. Lute pela sua família, seus amigos e sua comunidade. *Esse documento tem por base um trabalho feito por alunos do Colégio 7 de Setembro.

A

empresa Escóssia & Escóssia Advogados, contratada pela FECCOPACE para acompanhar o processo licitatório envolvendo as cooperativas de transporte, destaca a transparência e a seriedade com que estão sendo desenvolvidos os trabalhos, a boa vontade da CCC do Estado. Conforme a advogada e diretora, Dra. Carla Leite da Escóssia, a Comissão tem aproveitado, ao máximo, as propostas apresentadas. Das 12 propostas inicialmente classificadas, 10 foram confeccionadas com a assessoria da Escóssia & Escóssia Advogados. “Temos aí a demonstração clara do profissionalismo e seriedade com que a empresa de advogados contratada aceitou a proposta da Federação e das Cooperativas neste momento tão importante para os permissionários do Transporte Complementar no Estado do Ceará”, esclarece César Nobre. 4

| Revista FECOOPACE

SAÚDE TOTAL

Postura correta beneficia o motorista Dirigir bem é uma tarefa difícil. A grande quantidade de veículos trafegando numa mesma via, produzindo os irritantes congestionamentos, causa tensões musculares. Isso se dá, na maioria das vezes, pela má postura do profissional em seu assento. É fundamental que o motorista saiba conduzir seu veículo de maneira correta, aprendendo a driblar as fortes dores nas costas e nas pernas que a maioria dos condutores de veículos enfrenta ao final do dia, após a jornada de trabalho. O motorista tem que se preocupar com a maneira que vai se sentar ao volante. Estou falando de sua postura. Eis algumas dicas da fisioterapeuta, Dra. Eliane Pinheiro (foto), que certamente combaterão as tensões musculares dos motoristas: - O profissional deve ficar numa posição em que tenha acesso a todos os comandos do carro (posição confortável, com a coluna ereta). A ideia é que ele não mude de posição ao acionar os comandos; - Os braços nem devem ficar dobrados ou esticados demais; - As mãos devem ficar no volante o maior tempo possível. “É fundamental que o acionamento dos pedais seja feito com os pés apoiados. Muita gente faz apenas com a ponta dos dedos, o que causa cansaço das pernas”, adverte a Drª. Eliane. “É importante ressaltar que todo trabalhador, antes de iniciar sua jornada de trabalho, deverá fazer alongamento para evitar dores e desconfortos durante o dia”, finaliza.


PAPO DE MECÂNICO

Hildo Gomes, 17 anos a serviço do Transporte Complementar

Hildo Gomes viu o transporte complementar nascer

M

ecânico da Ceará Diesel, Hildo Gomes Filho tem 17 anos de Mercedes Benz e

viu o “transporte alternativo” surgir no Estado. Foi o primeiro a atender o alternativo do modelo MB-180 Sprinter. Por todo esse tempo tem estado atento à evolução e ao crescimento da frota de carros que, segundo afirma, é uma eficiente alternativa aos que não querem depender do Governo. “E que já não é mais nem alternativo, mas Complementar”, reforça. O mecânico foi um dos responsáveis pela criação do plantão noturno que dá assistência das 22h00 às 5h00 da manhã, e objetiva atender os carros que rodam o dia inteiro. Os maiores problemas detectados, revela, são amortecedores, vazamentos de

óleo e bombas de água. “Se o carro tem um problema mais sério, fica a noite inteira no conserto, tendo prioridade na fila a partir do momento em que a Ceará Diesel abre para o horário comercial”, afirma. Os Complementares são os únicos que possuem assistência completa Mercedes Bens. O serviço inclui três revisões por ano e guincho 24 horas, caso o automóvel não tenha como chegar até a loja. Percebendo o crescimento da frota no Interior do Estado, a Mercedes já abriu lojas em Juazeiro do Norte, Sobral e em Crateús, este último com um ponto de apoio à frota. “Mercadologicamente, existia uma necessidade de dar esse suporte técnico aos carros do interior”, finaliza Hildo.

SAC

O Serviço de Assistência Usuário do Transporte Complementar

S

er um canal direto com o usuário. Este é missão do SAC - Serviço de Assistência ao Usuário do Transporte Complementar do Estado. Sempre atenta às necessidades de sua clientela, e em sintonia com seus

associados permissionários, a FECOOPACE criará em breve o seu SAC Serviço de Assistência Complementar, para atendimento às demandas dos usuários, dando encaminhamento e soluções a queixas e sugestões. SAC, em geral, significa SERVIÇO

DE ATENDIMENTO AO CONSUMIDOR. No nosso caso, a letra C foi transformada em Complementar, que é o tipo de serviço que prestamos. Um número de fácil assimilação será adquirido para este fim. Aguardem!

| Revista FECOOPACE

5


QUEM É ESSA GENTE QUE VOCÊ VÊ

PALAVRA DO PRESIDENTE

Construindo marcas que o tempo não apagará

E

ste é um momento de muita alegria para todos que fazem o Sistema do Cooperativismo de Transporte do nosso Estado, pois neste momento estamos transformando um Sonho em Realidade. Estamos lançando o nosso primeiro Informativo da FECCOPACE. Este informativo é resultado da nova fase em que vivem todos que fazem o Sistema de Transporte Complementar no Estado. Conscientes dos novos desafios, estamos construindo uma Nova História, sobre os alicerces da esperança de tornar o sistema reconhecido pela sociedade e focado em oferecer um serviço de qualidade para dar satisfação aos nossos usuários, e assim fazer crescer o nosso segmento. Estamos certos que este sonho, semente plantada ao longo de uma década de história, com o suor da luta da nossa categoria, hoje está sendo materializado no Informativo ora publicado. Gostaríamos de partilhar com você toda a alegria que nos envolve. Queremos, nesta revista, fazer transbordar as experiências e anseios adquiridos ao longo da nossa trajetória. E poder partilhar com os nossos leitores, usuários, parceiros, familiares e amigos, tudo aquilo que nos fez acreditar que somente através das relações de cooperação entre os empreendedores do segmento é que conseguiremos nos sentir organizados, copartícipes da história de crescimento do nosso Estado. Para isso foi necessário rever posicionamentos e construir novos paradigmas em direção à caminhada resultante de conquistas. Elaborado para fazer chegar até você um pouco daquilo que temos de conhecimento e falar deste setor de negócios que vem ajudando a desenvolver o estado do Ceará, nossa revista (Revista FECOOPACE) traz algo que muito nos tem motivado: a certeza de que a nossa atividade de negócio tem proporcionado a circulação de riqueza, tem gerado bons negócios para todos, melhorando a qualidade de vida da nossa gente. Prezado leitor, prezado usuário, prezado amigo, nós que fazemos a FECOOPACE gostaríamos de poder partilhar muito mais com você. Partilhar desta alegria com associados, parceiros e os que torcem pelo sucesso do nosso movimento. Paira em nosso meio um sentimento de profunda alegria. E essa certeza é esse sentimento que queremos deixar nesta saborosa leitura e em todo o conjunto de entretenimentos que você terá ao ler o que preparamos com carinho para você. Boa Leitura. “ESTAMOS CONSTRUINDO MARCAS QUE O TEMPO NÃO APAGARÁ” Marcos César Presidente da FECOOPACE 6

| Revista FECOOPACE

O motorista complementar exemplar Xilon de Souza*

P

ara forjar o nosso MOTORISTA COMPLEMENTAR EXEMPLAR, temos que oferecer-lhe ao mesmo cursos de capacitação, apoio moral e logístico e, acima de tudo, um acompanhamento de seu comportamento no trabalho. Para que isso aconteça a empresa tem que iniciar, de imediato, um banco de dados de todos os Motoristas Auxiliares, para que possamos detectar os problemas e encontrar soluções que venham a corrigir, de maneira objetiva, as falhas operacionais isoladas e no conjunto. Com o sucesso das medidas acima, aí sim, abrem-se as perspectivas de termos na ponta de lança operacional profissionais com os princípios da eficiência no Serviço de Transporte Público Complementar de Passageiros Metropolitano e Intermunicipal, papel que nos foi delegado pelo Governo do Estado do Ceará. Para conseguirmos resultados positivos, teremos que ter perseverança, acreditar no sucesso, sem jamais esmorecer. Perece-me ser este o desejo de todos os Permissionários e, principalmente, das Diretorias Executivas das Cooperativas que compõem o Sistema. Passamos pela primeira etapa de uma Licitação. Agora, temos por obrigação a prestação de serviço de excelência aos nossos usuários. Referida meta será transmitida aos nossos servidores por meio de bons exemplos. Não aceitaremos menos que isso. Com firmeza, mostraremos que, ao atingirmos objetivos e metas, todos ganham. O Motorista Complementar Exemplar tem a obrigação de saber que está transportando semelhantes, portanto, ele tem que ter a consciência da responsabilidade inerente à sua atividade. Educação e paciência são práticas necessárias ao tratamento dispensado aos usuários. Só assim o motorista complementar conseguirá fidelizar seu passageiro, conquistar sua confiança e aprovação do serviço prestado. A maioria dessas orientações será revista nos cursos de reciclagem, que em breve será disponibilizada a todos, graças à união da OCB, FECOOPACE e COOPERATIVAS. Daí é que virão os resultados almejados pelos que fazem o modal COMPLEMEN-

TAR. Só nos resta, então, BUSCAR O SUCESSO, TRABALHANDO EM EQUIPE!!! Os Dez Mandamentos do Motorista Complementar Exemplar: PESSOAL 1º - ASSEIO (cabelo penteado e barba feita), 2º - APARÊNCIA (uso de farda completa), 3º - EDUCAÇÃO (cumprimentar o passageiro no embarque e desembarque), 4º - SOLICITUDE (sempre que permitido informar e tirar dúvidas do usuário), 5º - PACIÊNCIA (sob hipótese nenhuma perder a calma com o usuário). VEÍCULO 6º - LIMPEZA (manter sempre limpo seu equipamento de trabalho), 7º - TRÂNSITO (observar e obedecer os limites de velocidade e as sinalizações de advertência), 8º - INFORMAÇÕES (manter sempre em bom estado as informações internas exigidas pelo órgão gestor), 9º - MANUTENÇÃO (sempre executar as manutenções preventivas e corretivas do veículo), 10º - PONTUALIDADE (procurar manter a pontualidade determinada pelo poder concedente).

*Diretor da COOPTRATER xilondesouza@hotmail.com


NOSSA HISTÓRIA CONTADA

Entrevista: João Nicédio Alves Nogueira (presidente do Sistema OCB-SESCOOP/CE)

Em plebiscito proposto pelo Governador, categoria optou pelo modelo cooperativista

F

alar de transporte complementar no Estado do Ceará é ressaltar a grande mudança ocorrida no segmento nos últimos anos. A primeira mudança é de ordem “etimológica”. No início, os permissionários do sistema eram denominados “topiqueiros”. Mais tarde, “alternativos”. Por fim, a presente designação de “Transporte Complementar”. Na verdade, a grande mudança diz respeito à postura dos que fazem este tipo de transporte. “Para nós do Sistema Cooperativista, a compreensão do que são, onde querem chegar e como atuam, transforma o segmento complementar em peça importantíssima no cotidiano dos cearenses”, afirma o presidente do Sistema OCB/SESCOOP-CE, João Nicédio Alves Nogueira. Relembra que no início, ainda desarticulados, os profissionais do setor viviam momentos de grandes dificuldades. Eram mais ‘piqueteiros’ que ‘topiqueiros’. “Viviam às voltas com problemas. Com organização e disposição, porém, os profissionais conquistaram seu espaço”, diz Nicédio. Para a conquista do formato atual, as lutas iniciais foram determinantes. Hoje, eles formam o Transporte Complementar do Estado, reconhecido pela sociedade, formalizado pelo Governo. Nessa questão, recorda o líder cooperativista, que o governador Cid Gomes assumiu para si a decisão sobre o futuro da categoria. Tanto é verdade que foram realizadas duas audiências públicas com a sua presença. “Foi o Governador quem determinou a realização de um plebiscito para definir qual modelo deveria ser implementado no Estado do Ceará”, informa o presidente do Sistema Cooperativista, que acrescenta: “O modelo de empresa cooperativa votado em plebiscito foi decisivo”. Pelo apoio que tem dado ao movimento complementar de transportes, João Nicédio inaugura a seção NOSSA HISTÓRIA CONTADA da Revista FECOOPACE. A atual gestão abriu as portas da Casa do Cooperativismo para a boa recepção a todas as Cooperativas de Transporte do Estado do Ceará, em especial aos que fazem a FECOOPACE. Confira a entrevista. FECOOPACE Notícias: O senhor acompanhou as audiências dos representantes

FECOOPACE Notícias: O que o senhor, à frente do Sistema Cooperativista do Estado, tem percebido em relação ao movimento? João Nicédio Alves Nogueira: Uma mudança significativa no tocante ao nível de organização da categoria, bem como no entendimento do negócio (cooperativado) que os cooperados abraçaram, a forma correta de como esse negócio deve ser encarado. Não podemos imaginar que cem por cento dessas pessoas vão ter esse entendimento imediatamente, existem ainda alguns problemas a serem enfrentados no interior. Muitas pessoas ainda não acreditam que a licitação é pra valer.

dos Transportes Complementares com o Governador do Estado? João Nicédio Alves Nogueira: Sim. A primeira, no Palácio Iracema, foi coordenada pelo próprio governador Cid Gomes. Começou pela manhã e estendeu-se até as 14 horas. Na ocasião, ele tirou dúvidas, fez perguntas. Na época, o grande foco era saber qual o modelo organizacional a ser adotado, se o SPE – Sociedade de Propósito Específico ou se Cooperativa. Houve uma grande divergência de opiniões e aí o Governador sugeriu fosse feito um plebiscito com a categoria. A consulta foi organizada pelo Detran; foram colocados pontos de votação em diversos pontos do Estado. Um número significativo de motoristas autônomos votou a favor do Cooperativismo. A partir daí foi só trabalhar o Edital. FECOOPACE Notícias: É a partir do resultado do plebiscito que o Sistema OCB/ SESCOOP acolhe definitivamente o Transporte Complementar? João Nicédio Alves Nogueira: O Transporte começou a se organizar como cooperativa a partir dessa votação. Daí foi feito um seminário com a nossa participação. Estiveram presentes mais de 400 pessoas no Marina Park. Um grande grupo de cooperativas se organizou em uma Federação, e essa Federação (FECOOPACE) tem se reunido sistematicamente, aqui mesmo na Casa do Cooperativismo, com as suas filiadas na busca de integração, de fortalecimento.

FECOOPACE Notícias: Como as pessoas do interior do Estado, sobretudo, vêem a cooperativa, que é um negócio, é regulada por lei? João Nicédio Alves Nogueira: Imaginam que o prefeito ou o deputado vai resolver o problema pessoal delas, e não do transporte, de uma forma literalmente coletiva. Muitos não acreditam que o Governador esteja preocupado em regulamentar o sistema, fazendo valer o papel do complementar. O que temos convicção é que o governo quer que essas pessoas continuem transportando os passageiros, como já o fazem. Mas é preciso que se organizem em uma cooperativa, em cada um dos lotes a serem licitados, que assumam o transporte da região a que pertencem, cada um fazendo a sua linha, administrando o seu negócio como empresa, empresa cooperativa. Com isto, evitarão a invasão das áreas por pessoas estranhas ao negócio na região. FECOOPACE Notícias: O que representa a entrada dos complementares no segmento cooperativista? João Nicédio Alves Nogueira: Representa a busca de implementarmos a nossa sistemática à luz do Cooperativismo, discutindo a gestão profissionalizada da empresa cooperativa, promovendo a capacitação continuada e sistemática das pessoas, embora alguns ainda achem que não precisam de assessoria de capacitação. Nossa equipe tem trabalhado diuturnamente na assistência ao ramo transporte. Temos atendido todos os

| Revista FECOOPACE

9


NOSSA HISTÓRIA CONTADA que nos procuram. A própria Federação montou uma estrutura para apoiar suas cooperativas. Com isso nos deu uma folga para trabalharmos melhor com aquelas que não estão ligadas a Federação. Mesmo assim, na sexta-feira 25/09, venceu-se o prazo para a entrega dos envelopes da segunda fase da licitação proposta pelo Governo do Estado, e estamos sabendo que algumas cooperativas não entregaram a documentação corretamente, perdendo uma grande oportunidade. É difícil ajudar a quem não quer ser ajudado. FECOOPACE Notícias: O que fazer, então, se alguns não querem aceitar as diretrizes propostas pelo Sistema, que é o órgão de capacitação e defesa das cooperativas do Estado? João Nicédio Alves Nogueira: Não cabe a nós do Sistema OCB, dentro dos Princípios Cooperativistas, forçar a barra de ninguém. O primeiro Princípio do Cooperativismo é da Adesão Voluntária e Livre, que é basilar. Nós dizemos o que tem que ser feito, o que é correto, e nos colocamos à disposição. Na licitação há pouco citada demos todas as instruções. Infelizmente, algumas cooperativas não buscaram a nossa assessoria. FECOOPACE Notícias: Qual a solução? João Nicédio Alves Nogueira: Acredito que logo depois de concluída essa primeira etapa, o Governo do Estado deva lan-

çar um segundo edital para complementar as áreas descobertas. Algumas pessoas dessas áreas apostam que se não entrarem na licitação vão continuar a fazer o que fazem hoje. Continuamos com a nossa equipe à disposição de todas as cooperativas, principalmente aquelas que acreditam na capacitação e na profissionalização da gestão como uma das poucas formas de melhorar a realidade das empresas cooperativas, e consequentemente do seu negócio. FECOOPACE Notícias: Para quem esteve presente às reuniões, como avaliar a disposição do governador Cid Gomes? João Nicédio Alves Nogueira: Pelo que ouvi nas reuniões, o Governador quer que tudo aconteça de forma legal. Ele está fazendo tudo democraticamente, mas também vai cobrar resultado. Creio que não vá admitir desvios que possam vir a prejudicar o processo que está acontecendo, que é legal e é lógico. Iremos lamentar se houver pessoas que não tenham entendido a mensagem que foi passada pelo Governador. FECOOPACE Notícias: E sobre o veículo informativo que agora a FECOOPACE inaugura, para aproximar a Federação dos usuários e associados? João Nicédio Alves Nogueira: Minha visão é que se trata de um instrumento fantástico de comunicação entre eles, de

potencial enorme. O público diário dos complementares, em todo o Estado, é gigantesco. Em pouco tempo será um excelente canal de comunicação do sistema de transporte complementar com os seus usuários, na perspectiva de receber críticas e sugestões. É um meio de a FECOOPACE levar informações aos permissionários e o público em geral. O público a ser atingido pela Revista é grande e heterogêneo. É uma maneira de divulgar o Cooperativismo para a massa. Vamos tentar, aqui, incluir o principio da intercooperação, buscando a participação de cooperativas de outros Ramos no patrocínio deste veículo de comunicação, no sentido de fortalecer a divulgar o Sistema como um todo. FECOOPACE Notícias: O que o Sistema OCB/SESCOOP-CE oferece no presente momento ao pessoal dos Transportes Complementares? João Nicédio Alves Nogueira: A OCB está capacitando nas mais diversas áreas, são vários os cursos para os cooperados e funcionários das cooperativas de transporte. Um dos programas nossos em andamento é o Formacoop, que trabalha com a formação de dirigentes e executivos das cooperativas do Estado. Temos um curso em andamento exclusivo para o ramo transporte. São seis módulos de 16 horas com diversos temas, principalmente aqueles voltados à administração das empresas cooperativas.

CÁ ENTRE NÓS... Confira algumas dicas que damos para melhorar a qualidade dos serviços pelos transportes complementares. São atitudes simples que tornam melhor o relacionamento interpessoal e convívio social entre motorista e cobradores com os usuários do Transporte Complementar de Passageiros. Senão vejamos. As palavras mágicas Cumprimento simples como “bom dia”, “obrigado”, “até logo” ou simpático um sorriso podem trazer grandes benefícios para o convívio harmônico dentro de um coletivo. Direção preventiva O Motorista deve tentar conduzir seu veiculo de forma preventiva e correta, que possa passar segurança ao usuário. Socialização Ao Cobrador cabe a tarefa da socia-

10

| Revista FECOOPACE

lização com o passageiro, fazendo com que este se torne familiar ao ambiente do veículo. Seja ao ser indagado acerca do valor de uma passagem ou com relação a dúvidas sobre o percurso, o cobrador deve trabalhar sempre com empatia, buscando, assim, um diálogo estreito que certamente só trará benefícios neste relacionamento. Sintonia fina O Motorista e o Cobrador devem está afiados sobre o conhecimento do Regulamento do Sistema de Transporte Coletivo; o Código Disciplinar; Código de Trânsito Brasileiro; direção defensiva; atitudes do condutor e do cobrador e providências emergenciais em caso de acidente de trânsito. A sintonia entre os dois deve abranger, também, o conhecimento sobre agentes sociais do trânsito e transporte; usuários e passes especiais; relações hu-

manas no trânsito; relacionamento com turista nacional ou internacional; meio ambiente; estratégias de segurança pública no transporte coletivo; e a importância e o papel da Federação/Sindicato/ Cooperativa da categoria.

Núbia Furtado, Diretora Administrativa da FECOOPACE


OPINIÃO

Motorista sem habilitação pode? Pedro Henrique Alcino

Jornalista e Secretário Geral da COOTACE

É

assim que a sociedade brasileira está se perguntando, após a decisão do Supremo Tribunal Federal, acerca da não obrigatoriedade do diploma para o exercício do jornalismo nas

empresas de comunicação do País. Imagine um motorista dirigindo seu carro pelas ruas das grandes metrópoles, sem a Carteira Nacional de Habilitação (CNH), simplesmente pelo fato de saber conduzir, na prática, um veículo automotor, desconhecendo as Leis de trânsito e sem ser submetido a um teste psicológico a fim de verificar sua condição mental para dirigir. É desta forma que está sendo tratada a questão do exercício da profissão de jornalismo. A formação acadêmica não deverá ser levada em consideração para áreas técnicas específicas do profissional de comunicação. Os grandes conglomerados de comunicação do Brasil acompanharam a decisão judicial com bons olhos, pois a desregulamentação da profissão ratifica a lógica do mercado, que na verdade faz da informação mercadoria. O exercício do jornalismo está passando por seu terceiro grande momento. O primeiro estágio foi na situação de instabi-

lidade e aflição nas intermináveis décadas de trevas da ditadura militar, tempo em que o cerceamento da liberdade de expressão era bandeira de governo. Segundo, foi no processo de redemocratização do Brasil, quando a figura do jornalista foi importante na construção de um cenário aceitável, para se discutir a Constituinte e, logo após, abrir as portas do Congresso Nacional para a democracia. Aguardada pela grande maioria do povo brasileiro e principalmente pelos jornalistas, categoria que foi torturada por fazer de sua profissão uma atividade patriótica, a democracia perde em detrimento da própria democracia, por um falso sentimento de liberdade para justificar o injustificável. A profissão do jornalista deveria ser tratada como as demais profissões que fazem do tempo e do espaço da vida acadêmica condição de aprendizagem e aperfeiçoamento, de atitude ética e moral na condução de sua atividade profissional.

| Revista FECOOPACE

11


VANGUARDA

GENTE É O QUE SOMOS

Motorista exemplar: João Paulo França

Dia da mulher

A nossa homenagem com uma tarifa super especial

D

ivulgar as experiências exitosas no Transporte Complementar do Estado. Este o objetivo da seção Vanguarda da Revista FECOOPACE, ao mostrar ações que façam a diferença. Uma delas já desponta como sucesso: transformar o Dia da Mulher em grande e carinhosa saudação àquela que é mãe, amiga, companheira, colega, irmã... A FECOOPACE e suas afiliadas estudam a possibilidade de, em 12 de março de 2010, prestar uma grande homenagem às mulheres, baixando o valor da passagem à metade. Da mesma forma, é pensamento fazer a promoção em datas como Natal, Dia do Idoso, Dia de Nossa Senhora de Fátima.

Ouvidoria da FECOOPACE

N

o Brasil, o Ouvidor é o mesmo Ombudsman dos países de língua inglesa ou Defensor del Pueblo nos países de língua espanhola. Sua função é traduzir sentimentos. O ouvidor é, enfim, o acordar de consciências: recebe demandas individuais e, através delas, gera soluções coletivas. O papel da Ouvidoria da FECOOPACE não será o de procurar apontar defeitos na ação das Cooperativas filiadas, mas funcionar como uma espécie de controle de qualidade do serviço prestado pelo Transporte Complementar do Estado, auxiliando na busca de soluções para os problemas e otimização dos processos. Funciona como uma crítica interna da Federação sob a óptica do usuário. É um canal de comunicação direta entre o usuário e a Federação. O Ouvidor (ou Ombudsman) da FECOOPACE é Pedro Henrique Alcino, suplente do Conselho de ética. O telefone da Ouvidoria é (85) 3291.2100.

12

| Revista FECOOPACE

Simplesmente fazendo o que é certo

E

m abril deste ano, o motorista da Linha Maracanaú/Fortaleza, João Paulo França, achou uma bolsa extraviada em seu carro. Entre outros pertences, ali havia uma câmera digital de novíssima geração. Segundo relato do próprio João Paulo, o passageiro subiu na “van” próximo ao Shopping Benfica e desceu na parada do Conjunto Industrial, em Maracanaú, esquecendo, no console do transporte, seu material de trabalho. O motorista só percebeu o fato quase no final da linha. Horas mais tarde o dono da bolsa ligava para a Cooperativa (Coontralin), descrevendo o que havia perdido e as características do motorista, pois não tinha o número do carro. João Paulo foi localizado pelo celular e confirmou que estava, sim, com os pertences do passageiro. Mas ainda tinha de fazer uma última viagem antes de encerrar o dia de trabalho. Combinou com o passageiro que o esperasse na parada onde o havia deixado. “Agiu da forma mais correta o João Paulo. Pelo ato exemplar, recebeu os agradecimentos do passageiro e seguiu viagem. A Cooperativa saiu fortalecida com o justo serviço prestado”, revela o presidente da Cootralin, Nilson Nogueira, que entrevistou o motorista. Confira. Nilson Nogueira: Como e quando se deu o episódio? João Paulo França: Tem seis meses. Era por volta das 16 horas quando o passageiro pegou o nosso carro. Como seguia viagem ao meu lado, foi fácil identificar que ele era realmente o dono dos pertences esquecidos no console. Era uma bolsa com uma câmera digital e outros materiais de trabalho. Só dei conta do acontecido na parada da Avon. Nilson Nogueira: Como foi que ele lhe localizou? João Paulo França: Ligou para a Cooperativa, contou o acontecido, descreveu minhas características a um fiscal, que, por sua vez, me ligou perguntando sobre a tal câmera. Respondi que estava comigo, e que o passageiro me esperasse na parada do Conjunto Industrial, pois eu tinha de fazer uma última viagem, daí entregaria o que lhe pertencia. No local indicado, lá ele estava. Entreguei sua bolsa, ele me agradeceu, segui viagem. Fiquei contente, fiz o que era certo. Tenho certeza que outros colegas de profissão também fariam o mesmo.


HABILITADO Por Escóssia & Escóssia

FEDERAÇÃO Com o resultado da classificação na concorrência para a outorga de permissão do intermunicipal, a FECOOPACE sai fortalecida, pois graças ao trabalho realizado pela mesma, em reunir todos os associados, não houve disputas internas e todos os que participaram foram classificados de primeira. COM RELAÇÃO AO FUTURO Destaca o presidente da FECOOPACE, Marcos César, que o desafio agora será operacionalizar os serviços e implantar a bilhetagem eletrônica no Sistema de Transporte Complementar, através de parceria com SINDIONIBUS de Fortaleza, hoje, referência nacional no sistema de bilhetagem eletrônica. Giovane Bernadone “O transporte complementar só funciona com dinheiro”, explica o presidente da Federação, o que limita o número de usuários. Essa é a luta dos permissionários. A bilhetagem possibilitará a ampliação da mobilidade dos usuários do transporte público. A opinião é compartilhada pelo Diretor-Secretário, Giovane Bernardone.

NOVIDADE É o que traz nova RESOLUÇÃO do CONTRAN, criando várias categorias de veículos para o transporte complementar, entre os quais o miniônibus. ESTRELA O próprio sistema de transporte de Curitiba, levou a Prefeitura a promover vários encontros destinados a técnicos em transporte coletivo de vários pontos do país, um deles dedicado especificamente à Linha Verde, eixo de transporte construído no trecho urbano da antiga BR 116, e que entrou em operação em maio deste ano, utilizando veículos biocombustíveis. O modelo curitibano é uma referência nacional e internacional, e a prioridade do transporte coletivo sobre o individual acompanha o modelo urbano há quase 40 anos. Os técnicos mostraram que Curitiba também inovou ao pagar as empresas de transporte urbano por quilômetro rodado, o que garante total controle do sistema com regulação operacional.

ENTENDA A BILHETAGEM ELETRÔNICA A bilhetagem eletrônica consiste na substituição dos meios de pagamento tradicionais (dinheiro, vale-transporte em papel) por meios eletrônicos de pagamento para o transporte de passageiros. O registro da passagem é feito pelos equipamentos eletrônicos, chamados de ‘validadores’, instalados nos ônibus e terminais de embarque para fazer o controle do pagamento de passagens. No sistema de bilhetagem eletrônica moderno, os passageiros pagam as passagens utilizando cartões inteligentes - os smart cards. Quando o usuário adquire passagens, o valor pago é gravado no cartão. Ao utilizar o cartão no ônibus, este valor é alterado no próprio cartão, sendo deduzido o valor da passagem. Os dados de todas as transações são gravados nos ‘validadores’.

CAUSOS O TOPIQUEIRO SABE Precisando se deslocar até a cidade de Fortaleza, usuária do serviço complementar pergunta à filha como proceder. A filha responde: - Não tem erro, vá para a rodagem, dê com a mão para a Topic e não se preocupe, o rapaz sabe onde é. Conselho dado, conselho seguido. A senhora acordou cedo na localidade de Bom Princípio, no município de Morrinhos, e dirigiu-se para a estrada. Para a primeira TOPIC que passou, a senhora deu com a mão e seguiu viagem para a capital. Ao chegar em Fortaleza, o topiqueiro, após deixar os passageiros, virou-se para a passageira e indagou onde a mesma queria ficar. Ela respondeu de imediato: - Minha filha disse que você sabe onde é, mas eu sei que tem um orelhão mesmo na calçada, pois é de lá que ela me liga toda semana. Não teve jeito, o topiqueiro levou a passageira para a dele residência, deu almoço, merenda e ainda uma rede para dormir. No retorno, deixou a passageira no lugar onde a pegou. Detalhe: A passagem ia ser paga pela filha em Fortaleza, e a topic era do Acaraú.

PA RT I C I P E ! ! !

C L A S S I F I CA D O S D E C L A S S E

O Clube do brega, da TV Diário, abriu inscrições para o Concurso Miss Topic. Para maiores informações ligar para o número: (85) 3266 9207.

• Vende-se 8.120, ano 2004. (85): 9199.1382. Falar com Berg. • Vende-se 8.120, ano 2003. (85) 9199.1258. Falar com Rose.

| Revista FECOOPACE

13


PRIMEIRA LINHA

Benefício para o cooperado: Kit Posto

A famosa “Linha 55”

A COOPTRATER (Cooperativa Intermunicipal dos Proprietários de Transporte Alternativo do Maciço de Baturité e Região) adquiriu um Kit Posto, composto de 1 tanque de combustível com capacidade para 15.000 (quinze mil) litros, 1 bomba elétrica e a Cobertura confeccionada em Estrutura metálica. A entrega aconteceu dia 18 de setembro de 2009, na futura sede-própria da Cooptrater (Avenida Godofredo Maciel, nº 4572 - segundo quarteirão após o Balão do Mondubim). Estavam presentes os senhores Marcos Cesar Bezerra Nobre (Presidente da Fecoopace), Rugero Lima de Freitas (Vice-Presidente da Fecoopace), Xilon de Souza, Manoel Pinheiro Júnior, Reginaldo Lima de Freitas e Arquelânio Cruz Ferreira, respectivamente Presidente, Diretor Financeiro, Secretário e Vice-Presidente da COOPTRATER. O Kit Posto funciona como um serviço almejado por todos os que fazem da Cooptrater o diferencial entre as coirmãs. A compra foi feita com o objetivo de permitir aos cooperados um abastecimento com um combustível de ótima qualidade e preços inferiores aos praticados pelos postos de abastecimentos particulares.

Quem trafega pelas avenidas Jovita Feitosa, Treze de Maio e Antônio Sales sempre se depara com os Complementares que fazem a “55”. É a “Linha universitária”, “Linha dos Shoppings”, “Linha das moças bonitas”. É chamada de Linha Universitária porque vai do Campus do Pici (UFC) ao Campus da UNIFOR; dos Shoppings porque cruza três deles: North Shopping, Benfica, Iguatemi, Via Sul; e das moças bonitas por motivos óbvios. A Linha 55 já foi motivo de piada, peça de teatro, vídeo e até de tese defendida por aluno da UFC. Entre as linhas diversas de Fortaleza, é tida como um “filé”. Sem desmerecer as demais, a 55 é composta, naAlvorada/North maioria,Shopping por estudantes e gente trabalha nos Linha: Conjunto Cód.: 55que Extensão: 34,8 Frequência: 6 maiores shoppings da capital. Frota Total: 20 min. Vig.: 19/06/05 Viaje com a gente nesse intinerário de beleza e graça! ITINERÁRIO ALTERNATIVO IDA

VOLTA

P.INIC.: Engº Leal L.Verde esq. Isabel Maia de Alencar PONTO FINAL: Braz de Francesco c/ Rua 04 1 -Rua Eng. Leal Lima Verde 1 -Rua 4 2 -Rua Crisanto Moreira da Rocha 2 -Av. Gov. Parsival Barroso 3 -Rua Rangel Pestana 3 -Rua Haroldo Torres (retorno) 4 -Rua Eng. Leal Lima Verde 4 -Av. Gov. Parsival Barroso 5 -Rua Olegário Memória 5 -Rua Edgar Falcão 6 -Rua Profº Solon 6 -Rua Frei Odilon 7 -Rua Crisanto Moreira da Rocha 7 -Rua México 8 -Rua Ministro Abner de Vasconcelos 8 -Av. Gov. Parsival Barroso 9 -Rua Marcelino Lopes 9 -Av. Bezerra de Menezes 10 - Av. Washington Soares 10 - Rua Dom Jerônimo 11 - Av. Engº Santana Junior 11 - Av. Domingos Olimpio 12 - Rua Israel Bezerra 12 - Rua Tereza Cristina 13 - Av. Profº Aderbal M. Freire 13 - Av. 13 de Maio 14 - Av. Pontes Vieira 14 - Av. Pontes Vieira 15 - Av. 13 de Maio 15 - Av. Profº Aderbal M. Freire 16 - Av. da Universidade 16 - Rua Profº Francisco Gonçalves 17 - Rua Juvenal Galeno 17 - Av. Engº Santana Júnior 18 - Rua Luís de Miranda 18 - Av. Washington Soares 19- Rua Justiniano de Serpa 19 - Rua Crisanto M. da Rocha 20- Av. Bezerra de Menezes 20- Rua Tabelião Joaquim Coelho 21- Rua Braz de Francesco 21- Rua Luís Girão 22- Av. Oliveira Paiva 23- Av. Conselheiro Gomes de Freitas 24- Rua Eliseu Oriá 25- Rua Crisanto M. da Rocha 26- Rua Profº Solon Farias 27- Rua Olegário Memória 28- Rua Engº Leal Lima Verde até o Nº 2950

FAZENDO ARTE

O

O punk rock apaixonado dos gêmeos da linha 55

s irmãos gêmeos Victor e Rafael Farias Lopes, 20 anos, são apaixonados por música e desde criança sonhavam tocar em uma banda e fazer muito sucesso. Hoje, sonho realizado, possuem um grupo musical e são

reconhecidos pelos passageiros da linha 55, que já os viram em algum programa de TV local. A dupla aproveita a fama (e a boa vontade dos passageiros) para distribuir panfletos e cartazes de seus show, tendo sempre em mão o CD Sem pensar no amanhã, caso alguém demonstre interesse em comprar. “As músicas são muito boas. Vale a pena ouvir, vale a pena adquirir”, faz sua propagandinha o Rafael. Victor é vocalista e Rafael é o guitarrista da banda Diffusão, que executa músicas compostas por eles mesmos e falam de relacionamentos amorosos, além de letras que giram em torno do cotidiano do jovem. Rafael Santos (baixista), João Parente (baterista) e Wellington Lemos (guitarrista) integram a banda que toca o estilo punk rock. Os manos talentosos fazem questão de frisar que o CD que gravaram contou com o apoio do “amigo Gerson Pereira”. Contatos Victor Farias: (85) 32594296 / 87910979 victor.diff@hotmail.com Rafael Farias: (85) 32945680 / 87987909 rafael_scg@hotmail.com www.myspace.com/diffusao

14

| Revista FECOOPACE

Revista Fecoopace ed: 01  

Revista Fecoopace ed: 01

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you