Page 1

Abril/Maio 2017 - Nº 24 Revista Fecomércio SE

3


SABE O QUE NÃO PODE FALTAR NA PRATELEIRA? CONFIANÇA.

A Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo dá voz a um sistema que transforma a vida de milhares de brasileiros todos os dias. Porque nascemos com a confiança de que não há desafio impossível de ser vencido. Afinal, representamos um setor que impulsiona o Brasil na direção de um futuro melhor. Sempre.

4

Revista Fecomércio SE Abril/Maio 2017 - Nº 24


Abril/Maio 2017 - Nº 24 Revista Fecomércio SE

5


Laércio Oliveira | Presidente Hugo Lima França | 1º Vice-presidente Fernando A. de Moraes Silva | 2º Vice-presidente José Marcos de Andrade | 1º Secretário Cloves Nascimento Alcântara | 2º Secretário Abel Gomes da Rocha Filho | 1º Tesoureiro Alex Cavalcante Garcez | 2º Tesoureiro DIRETORIA Antonio Fernando Pereira de Carvalho Assuntos Governamentais

Gilson Figueiredo Assuntos do Comércio Varejista e Atacadista

Ancelmo Oliveira Assuntos Fiscais e Tributários

Heribaldo Machado Assuntos Trabalhistas

Walleska Martins Carvalho Assuntos da Comunidade e Serviços

CONSELHO DE REPRESENTANTES José Marcos de Andrade, Alex Cavalcante Garcez, Gilson Silveira Figueiredo, Heribaldo Machado, Walleska Martins Carvalho, José Carlos Quintino de Moura, Hugo Lima França, Fernando Augusto de Moraes Silva, Abel Gomes da Rocha Filho e Antonio Fernando Pereira de Carvalho. CONSELHO FISCAL Walker Martins Carvalho, Francisco de Assis Santos e José Raimundo dos Santos SISTEMA FECOMÉRCIO Maurício Gonçalves | Superintendente Adely Carneiro | Diretora do SESC Paulo do Eirado Dias Filho | Diretor do SENAC NCM - Núcleo de Comunicação e Marketing Alexandre Wendel - Diretor do NCM alexandrewendel@fecomercio-se.com.br Marcio Rocha Assessor Comunicação - Editor-Chefe - MTB 1934/SE marciorocha@fecomercio-se.com.br André Gusmão Coordenador de Eventos e Multimeios andregusmao@fecomercio-se.com.br Aparecida Onias Jornalista - aonias@se.sesc.br - MTB 769/SE Helmo Goes Jornalista - helmo.goes@se.senac.br - MTB 1581/SE Fabrício Santiago Publicitário - fabriciosantiago@sesc-se.com.br

Seac Sincadise Sicofase Sindilojas Sincomactintas Sindcomtb Sincovese Sindipesca Sindicab Sirecom A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Sergipe – Fecomércio/SE, Entidade Sindical de Grau Superior, fundada em 23 de janeiro de 1948 e com Carta de Reconhecimento de 28 de fevereiro de 1948, com sede e foro na cidade de Aracaju, situada na Rua Dom José Tomaz, 235 – 4º andar, bairro São José e base territorial no Estado de Sergipe, foi constituída para fins de estudo, coordenação, defesa e representação legal dos interesses das categorias econômicas enquadradas nos Grupos do Plano da Confederação Nacional do Comércio, e integrante do sistema Confederativo da Representação Sindical do Comércio a que se refere o artigo 8º, inciso IV da Constituição Federal.

Jorge Coelho Designer Gráfico- jorge.coelho@se.senac.br Tiago Moura Produção - tiagomoura@fecomercio-se.com.br Hilda Mota Cerimonial - hilda.mota@se.senac.br Colaboraram com esta edição: Celso Chagas, Marcelo Vital, Carolina Braga, Carla Passos, Maria Odília e Alex França Foto da Capa : AdobeStock As matérias assinadas são de inteira responsabilidade dos autores. É proibida a reprodução do conteúdo desta revista sem a devida citação da fonte. As fotografias exibidas são de caráter exclusivamente jornalístico.

6

Revista Fecomércio SE Abril/Maio 2017 - Nº 24

Redação : Rua Dom José Thomaz, 235 Edifício José Raimundo dos Santos - Térreo São José - Aracaju - SE - 49015-090 comunicacaoemarketing@fecomercio-se.com.br (79) 3216 2736 - Tiragem : 1500 exemplares


Editorial Caro leitor, embarque liberado para a nova edição da Revista Fecomércio Sergipe. O turismo é um setor muito importante da economia de nosso estado. Não se pode negar o fator determinante que exerce em nossa economia com sua alta capacidade de geração de renda e empregos para o povo de Sergipe. Pensando nisso, o turismo é o foco principal dessa edição da Revista Fecomércio Sergipe. Conheça mais um pouco sobre esse mecanismo de desenvolvimento econômico de nosso estado, por meio da atuação da Fecomércio em defesa do setor e dos interesses empresariais, que se tornam os interesses dos sergipanos, pois todos querem ver nosso estado crescendo economicamente. Olhar para o turismo é dar atenção ao setor que mais cresce em todo o mundo. Sergipe tem um grande potencial para ampliar sua capacidade de recepção de turistas e esse é o ponto que deve ser trabalhado. Para tanto, desenvolvemos uma série de matérias para que você tenha uma melhor compreensão do trabalho do Sistema Fecomércio/Sesc/Senac, em favor do nosso turismo. A revista também traz uma notícia importante, que vai ajudar a alavancar o turismo de lazer em nosso estado, a obra da nova Orla do litoral sul de Aracaju. Neste período recente, foi feita a maior doação de água mineral da história de Sergipe para o povo do sertão sergipano. A campanha “Água Pra Viver” levou água para mais de quatro mil famílias dos três municípios sergipanos mais afligidos pela forte seca que atinge nosso sertão. No total, a Fecomércio arrecadou mais de 100 mil litros de água mineral engarrafada, doada por mais de 10 mil pessoas em Aracaju e municípios do interior, para serem levados ao sertão. A realização foi muito importante, pois a água chegou em regiões que tem severas dificuldades de abastecimento de água para consumo humano. O papel social do Sistema Fecomércio, mais uma vez se destaca, levando a solidariedade para a população sertaneja. As mulheres têm conquistado cada vez mais espaço no mercado empresarial de Sergipe. Pensando nisso, a Rede da Mulher Empreendedora foi apresentada para representantes do empresariado feminino. Para dar mais impulsão à força da mulher no mundo dos negócios, a Fecomércio irá criar a Câmara Empresarial da Mulher, em Sergipe. Também temos muitas informações das realizações do Sesc e do Senac em nosso estado, com suas ações sociais, educacionais, entre outras tantas, mostrando a importância do Sistema Fecomércio e sua atuação em nosso estado. Amigo leitor, convidamos você a embarcar na viagem pelo turismo nessa edição da Revista Fecomércio, com escalas nas ações do Sesc e Senac, passando por conexões importantes, com a Câmara Empresarial de Turismo e a entrevista com o diretor-presidente do Aracaju Convention & Visitors Bureau, Luiz Simões. No desembarque ao fim dessa leitura você terá mais conhecimento sobre o que o turismo representa para nosso estado e sua força na economia, geração de emprego e renda para nosso povo. Portas em automático! Querido leitor, uma boa viagem!

Abril/Maio 2017 - Nº 24 Revista Fecomércio SE

7


Índice

Campanha Água Pra Viver Página 10

Páginas Livros e Apllicativos 13 Entrevista 16 Excelência em Gestão 28 Espaço Sindical 29

8

Revista Fecomércio SE Abril/Maio 2017 - Nº 24

Exposição sobre Bispo do Rosário Página 26

Articulistas 09 Laércio Oliveira 34 Milla Cerqueira e Paulo Freitas 35 Joab Almeida 42 Antonio Oliveira Santos


Reportagem de capa Páginas 22 a 25

Abril/Maio 2017 - Nº 24 Revista Fecomércio SE

9


freepik.com

Em Sergipe, ninguém entende mais de geração de emprego que o Setor de Comércio e Serviços

10 Revista Fecomércio SE Abril/Maio 2017 - Nº 24


opinião

Verdades e mentiras sobre a terceirização de serviços Desinformação, manipulação política e fartas doses

Outra falácia que a má fé cuidou de disseminar: a

de má fé colocaram recentemente numa vitrine sem

perda de direitos trabalhistas. Tenho desafiado, via

qualquer beleza o projeto de lei que regulamenta a

imprensa séria, que seja apontado em qual artigo do

terceirização de serviços no Brasil. Uma das “argu-

PL constam tais redução e/ou eliminação de direitos.

mentações” tenta estabelecer que seu escopo não

Nenhuma central sindical o fez, embora continuem

foi devidamente discutido, e integraria um “pacote de

propagando o que não existe.

maldades” do Governo Temer. Para começar, a proposta foi enviada pelo Executivo ao Congresso em 1998, na gestão de Fernando Henrique Cardoso, passou pelo Senado em 2002 e estagnou por 15 anos. A terceirização, portanto, está longe de ser novidade no país, e tampouco o é este arcabouço legal que sem-

Mais uma leviandade repetida à exaustão nos últimos dias diz respeito ao impacto negativo da terceirização sobre os concursos públicos. Repito as palavras do especialista Paulo Estrella, em reportagem na Folha Dirigida: "Esse PL surgiu para atender aos interes-

pre se propôs a conferir segurança jurídica à atividade.

ses da iniciativa privada, numa tentativa de reverter,

O projeto que vem sendo chamado de “golpista”

Segundo ele registra na entrevista, uma lei não se so-

pela turma mais exaltada – e injusta – curiosamente

brepõe à Constituição Federal, que determina em seu

contempla o que foi defendido diversas vezes pela

Artigo 37 a obrigatoriedade dos concursos.

ao menos em parte, as altas taxas de desemprego".

ex-presidente Dilma Rousseff. Em abril de 2015, por exemplo, ela declarou textualmente: “É urgente e ne-

O que se vê, portanto, é um perverso festival de inver-

cessário regulamentar o trabalho terceirizado no Brasil

dades a macularem a compreensão geral sobre uma

para que milhões de trabalhadores e trabalhadoras te-

possibilidade administrativa plenamente consagrada

nham proteção no emprego e garantia de salário dig-

nos países desenvolvidos, patamar em que o Brasil

no. Também é importante para os empresários, por-

precisa se inserir no interesse de toda a sociedade,

que significa segurança para eles uma legislação clara

onde se incluem igualmente empresários e trabalha-

sobre terceirização”. Em maio do mesmo ano, 2015,

dores. Que se discuta os termos do PL da Terceiriza-

em discurso alusivo ao Dia do Trabalhador, a ex-pre-

ção é lícito, prática legítima do exercício democrático.

sidente Dilma enalteceu novamente a importância de

Mas é preciso que isso ocorra sob o norte da sensa-

se regulamentar o trabalho terceirizado no Brasil, de

tez e da busca pelo cres-

modo a favorecer 12,7 milhões de trabalhadores do

cimento econômico, sem

setor, garantidos seus direitos trabalhistas e previden-

o qual não se consolida

ciários – exatamente o que ocorre por intermédio do

qualquer perspectiva de

projeto aprovado pela Câmara Federal.

justiça social.

Laércio Oliveira Deputado federal (SD/SE), Presidente da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Sergipe, Vice-presidente da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), relator do Projeto de Lei que regulamenta a terceirização.

Abril/Maio 2017 - Nº 24 Revista Fecomércio SE

11


Fotos : Alex França

12 Revista Fecomércio SE Abril/Maio 2017 - Nº 24


Fecomércio leva doações de água para o sertão sergipano

Em uma grande ação, a equipe do Sistema Fecomércio/Sesc/Senac de Sergipe levou mais de 100 mil litros de água para o benefício de 4 mil famílias nas regiões mais afetadas pela seca no sertão sergipano, resultado da arrecadação da campanha “Água Pra Viver”, desenvolvida pela entidade, com foco na doação de água para o povo sertanejo de três cidades do estado. A equipe saiu com o carregamento de água para ser levada ao público beneficiado na madrugada de domingo (26), com oito caminhões de grande porte e mais de 60 voluntários que ajudaram na distribuição da água arrecadada. As cidades de Gararu, Porto da Folha e Poço Redondo receberam as doações, levadas a oito povoados dos municípios do alto sertão. Em um cenário marcado pela vegetação devastada pela força do sol, que destruiu plantações, pastagens e árvores completamente secas sobre o chão de terra rachada, mostrando o que o povo sertanejo está sofrendo com a ausência de água, o comboio da Fecomércio avançou, chegando nas localidades beneficiadas pelas doações da campanha. Na primeira parada, no povoado Queimada Grande em Poço Redondo, centenas de pessoas esperavam a chegada dos caminhões com as doações de água. Alegria e emoção tomaram conta do local, quando os caminhões lotados de água foram abertos para a entrega das doações. As famílias receberam até 70 litros de água mineral, de acordo com o número de pessoas habitantes de cada casa. Abril/Maio 2017 - Nº 24 Revista Fecomércio SE

13


Para a trabalhadora rural Esmeralda Gomes, moradora do povoado Monte Alegre Velho, a doação veio num momento oportuno, em virtude da completa ausência de água para consumo humano na região. “Essa água abençoada chegou na hora em que mais precisamos. A gente aqui está bebendo a mesma água que damos para os animais, porque não temos fornecimento de água, e ela só chega por causa dos carros-pipa que trazem, mas ficamos semanas sem água boa pra beber. Não chove, não temos água. Aí temos que buscar água no rio, quase uma légua de distância. Essa água é bem-vinda e Deus abençoe quem mandou a água pra gente, através de vocês da Fecomércio”, disse a agricultora, levando a água que recebem em uma pequena carroça puxada por um burro.

para abastecimento, a equipe da Fecomércio chegou ao povoado Jiboia, em Gararu. Lá o aposentado Antônio Carlos, de 83 anos, se emocionou ao receber sua doação. “Ninguém lembra da gente, ninguém sabe o quanto sofremos nessa seca. Tem época que passamos uma semana sem beber água, porque temos muito pouca. Quase não dá pra dividir, mas agora temos uma ajuda importante. As pessoas não olham para nós, que bebemos água de poço, mesmo assim tem que caminhar muito pra buscar, isso quando o poço tem água. Vocês do Sistema Fecomércio lembraram que aqui existem vidas humanas, que tem pessoas sofrendo e vieram nos ajudar. Deus abençoe o povo de Aracaju que mandou essa água por vocês, estou muito agradecido por essa benção”, disse, enquanto seus netos o ajudavam a carregar a água para sua casa.

100 Mil Litros

A água distribuída pela Fecomércio foi entregue nos povoados Serra da Piedade, Ranchinho, Pedro Leão e São Francisco, em Porto da Folha, Queimada Grande e Monte Alegre Velho, em Poço Redondo e Jiboia e Pias, em Gararu. Em todas as Mil Doadores localidades, o cenário de desolação era o mesmo, com a situação de seca deixando famílias inteiras sem água pra beber durante vários dias, como disse a lavradora Ana Cláudia dos Santos, moradora de Porto da Folha.

10

“Água é fonte de vida, e nós precisamos muito dela aqui na nossa comunidade. Estamos sofrendo muito. Nossos riachos secaram, nossa fonte de água é só a chuva. Acabou tudo, pois não temos água encanada. A seca está muito forte e a água que nos entregam não tem qualidade suficiente para bebermos. Essa água chegou na hora certa, para que a gente possa ter o que beber, ela é muito importante para nós. Obrigado a todos que nos trouxeram essa água, por meio da Fecomércio, que nos abençoou com essa doação”, comemorou Ana Cláudia, ao receber a doação de água das mãos do presidente Laércio Oliveira. Depois de 16 horas de trabalho e quase 800 quilômetros rodados levando as doações em todos os locais, que são comunidades remotas, de difícil acesso e extremamente pobres, em elevado grau de dificuldade

14 Revista Fecomércio SE Abril/Maio 2017 - Nº 24

Mil

O presidente do Sistema Fecomércio, Laércio Oliveira, comemorou o resultado exitoso da campanha “Água Pra Viver” e seu sucesso na entrega dos mais de 100 mil litros arrecadados junto à população pela Fecomércio e entidades parceFamílias rias que se engajaram na campanha, dando visibilidade e difusão nas ações realizadas.

4

“Todos nós do Sistema Fecomércio estamos felizes com essa doação que viemos trazer. Estamos levando a nossa solidariedade para esse povo que veio receber sua doação com esperança no olhar, pela chegada de um alento para o sofrer que é provocado na vida das pessoas com a seca em nosso sertão. Esse projeto começou e foi construído dentro da Fecomércio e nos dedicamos às ações para captar as doações do povo de Sergipe que se compadeceu dos nossos irmãos sertanejos e doou sua água para que levássemos. Conseguimos a ajuda de todas as entidades empresariais e principalmente das pessoas, que se dedicaram a ajudar seu semelhante. Nós, diretores, conselheiros e colaboradores da Fecomércio agradecemos por termos conseguido dobrar a meta de 50 mil litros, para 100 mil litros que levamos para dar ao povo que sofre”, agradeceu o presidente da Fecomércio.


Dicas

Como a web transforma o mundo Dominique Piotet , Francis Pisani

Aproximadamente 1,6 bilhão de pessoas no mundo utilizam a internet e são, assim, ativos participantes da revolução da troca de informações. Os usuários, que navegavam de modo simples em sites, hoje compram on-line, procuram sua alma gêmea, trocam e-mails e, acima de tudo, exprimem-se, criam grupos. Por meio de entrevistas com especialistas na área, os autores buscam mostrar

R$

67,00

como esse movimento participativo, o qual chamam de alquimia das multidões, está transformando o modo de se pensar o mundo.

FGTS App Caixa Econômica

É o aplicativo que ajuda o trabalhador a acompanhar sua conta FGTS com muito mais praticidade. Com o App FGTS Trabalhador, você pode consultar os depósitos em sua conta FGTS, atualizar o seu endereço e localizar os pontos de atendimento mais próximos. Tudo direto do seu smartphone, a qualquer hora e em qualquer lugar. grátis

Abril/Maio 2017 - Nº 24 Revista Fecomércio SE

15


Intervenções urbanas chamam atenção para o meio ambiente O grupo Ecopoética (RS), realizou dia 07/04, a intervenção urbana “Dilúvio MA”, no Parque dos Cajueiros, localizado na zona Sul da capital. Pendurados em uma rede de pesca repleta de lixo, na cabeceira da ponte do Rio Poxim, os artistas Rossendo Rodrigues e Marina Mendo chamaram a atenção do público para a responsabilidade com o que é descartado nos rios e a ausência de políticas públicas ambientais e sanitárias nas cidades. A intervenção durou de 06 às 09h e durante este tempo os artistas fizeram performances inspiradas na dança japonesa Butoh e os alunos da Escola de Remo realizaram uma limpeza simbólica do Rio Poxim, recolhendo o lixo que é jogado em suas margens. A apresentação fez parte da primeira etapa do Projeto Palco Giratório, que nesta edição comemorativa – 20 anos – traz a temática arte e sustentabilidade. Ainda seguindo a temática de sustentabilidade proposta pelo projeto a performer Maicyra Leão também realizou na feira livre do conjunto habitacional Marcos Freire II, no município de Nossa Senhora do Socorro, a intervenção “Experimentos Gramíneos”.

meio Girató-

Vestida em uma roupa construída a partir de pedaços de grama artificial a performer deslocou-se por ruas de intensa circulação de pessoas com um regador de água na mão, em um trajeto moldado pela interação com o público. “A artista partiu de um estímulo inicial bem simples, dialogando com elementos da cultura popular, alcançando espaços subjetivos e inusitados, provocando desta forma reflexões sobre a ação do homem no ambiente”, disse André Santana, curador do Palco rio em Sergipe.

Veja as Fotos aqui

16 Revista Fecomércio SE Abril/Maio 2017 - Nº 24


Fotos : Café com Guaraná

Abril/Maio 2017 - Nº 24 Revista Fecomércio SE

17


Foto : Alex França

18 Revista Fecomércio SE Abril/Maio 2017 - Nº 24


Cacique Chá no roteiro turístico de Aracaju Entregue como presente para o povo de Aracaju na tarde de 17 de março de 2015, data em que a cidade comemorava 160 anos, o Senac Bistrô Cacique Chá completou dois anos e vem sendo cada vez mais frequentado pelos apreciadores de boa gastronomia e arte. Além de um cardápio assinado pelo chef Frederico Souza e equipe, que traz os sabores da culinária sergipana e contemporânea, o espaço oferece o resgate cultural da história de Sergipe com o acesso ao Memorial Jenner Augusto, que apresenta ao público obras do renomado pintor sergipano, considerado um dos maiores ícones das artes plásticas do período modernista do Brasil. “A rigor, o Cacique Chá é um ambiente de referência muito íntima e profunda da população aracajuana. O espaço, durante décadas, funcionou como sendo um ponto de encontro da discussão viva da política, da sociedade aracajuana, e depois ficou fechado por bastante tempo. O Governo do Estado encampou a reforma do prédio, restaurando, inclusive os afrescos realizados quando da época da inauguração, em 1949, por Jenner Augusto. O trabalho de recuperação foi brilhante e o Senac/SE assumiu a guarda desse prédio, no final de 2014, para transformá-lo em algo de interesse pedagógico, mas também em um referencial para a gastronomia e a cultura sergipanas”, explica o diretor do Senac/SE, Paulo do Eirado. Para o diretor, a instituição se orgulha em ser a mantenedora do Cacique Chá, a despeito da crise que prejudica os negócios. “O Senac/SE se sente muito orgulhoso em administrar aquela casa e ofertar o acesso da população não só ao restaurante, mas ao Memorial Jenner Augusto. Esse é um dos motivos que nos animam a manter e a prosperar. Acontece que esses dois anos foram tempos da crise em que o Brasil mergulhou, de maneira que é um desafio fazer do Cacique uma entidade plena em termos de viabilidade econômica. São difíceis os obstáculos. Mas, acima de tudo, está o apreço, o amor, especialmente do nosso presidente, Laércio Oliveira, em relação a Aracaju, com aquele acervo e aquela grandeza da arte e da cultura que nós temos em mãos. Então, nossa missão vai muito além de um simples balanço de natureza econômica. É cultivar e cativar a todos com aquele belíssimo espaço que está à nossa disposição”, disse o diretor. Paulo do Eirado acredita que o turista também deve ser apresentado ao Cacique Chá, e lamenta que o espaço ainda não seja incluído nos roteiros turísticos da cidade. “Aproveito até para pedir ao Governo do Estado, à Emsetur, aos demais órgãos de fomento ao turismo, inclusive às próprias agências e aos guias que fazem city tour por Aracaju, que coloquem o Cacique Chá no roteiro de passeios. Estamos à disposição para esse diálogo, para ampliar a divulgação das nossas instalações. Acho que a clientela do Cacique Chá ainda está muito ligada às pessoas que já conhecem e amam aquele local, que têm uma relação afetiva e de memória, mas o turista também deveria estar aproveitando mais daquele espaço. Acredito que, como o Centro de Cultura e Artesanato vizinho está em processo de reforma, na hora em que estiver revitalizado e em pleno vapor, automaticamente o Cacique Chá também vai tirar proveito disso e um maior número de turistas vai conhecer as obras do sergipano Jenner Augusto e as delícias do nosso cardápio”, acredita Paulo do Eirado. Abril/Maio 2017 - Nº 24 Revista Fecomércio SE

19


Foto : Marcio Rocha

entrevista

Luiz Simões O turismo em Sergipe precisa ser mais explorado e ser alvo do interesse do poder público, para que aliado aos empresários do setor, possa se destacar com setor da economia sergipana. Esta é a opinião de Luiz Simões, diretor-presidente do Aracaju Convention & Visitors Bureau, que em entrevista especial para a Revista Fecomércio, conversa com os leitores sobre as questões importantes para o desenvolvimento do turismo em nosso estado. Para ele, é necessário que trabalhe a divulgação de Sergipe como destino turístico, melhorar a governança do turismo em nosso estado e atração de operadoras de turismo e companhias aéreas. Confira mais nas suas palavras, nesta entrevista esclarecedora sobre o setor em Sergipe.

20 Revista Fecomércio SE Abril/Maio 2017 - Nº 24


Revista Fecomércio – Quais os problemas que Sergipe enfrenta diante de outros destinos brasileiros, em relação à recepção de turistas? Luiz Simões – Se pensarmos em alcançar Estados com grande potencial emissor de turistas, a necessidade de uma divulgação contínua e bem planejada e o transporte aéreo, ainda com muitas irregularidades de ofertas atrativas, são os dois maiores problemas. RF – O trade turístico sergipano reclama de falta de participação do poder público, na intenção de promover a inserção do Estado no roteiro turístico. Quais as carências que poderiam ser supridas pelo poder público? LS – Primeiro é preciso vontade política para investir no turismo, reconhecendo ser um setor que dá retorno. A partir dessa premissa vemos pelo menos 3 (três) medidas de grande impacto: primeira, estruturar uma Secretaria de turismo forte em todos os sentidos; segunda priorizar recursos permanentes e oportunos para assegurar uma programação contínua e bem planejada de promoção e divulgação de Sergipe; e terceira, reorientar o modelo de governança, compartilhando mais as decisões sobre políticas e ações para o setor. Afinal, turismo de qualidade é resultado da atuação sincronizada de vários agentes, públicos e privados. Não se trata, portanto, da falta de participação. A questão tem sido a forma como o governo atua. RF – A falta de interesse das companhias aéreas e operadoras de turismo por Sergipe é resultado da falta de iniciativa do setor público no tocante a incentivo à captação de turistas? LS – As companhias aéreas e operadoras são empresas privadas e, como tal, precisam ter lucro para se autossustentar. Qualquer destino turístico que for bem trabalhado e divulgado gerando um fluxo expressivo de visitantes, pode merecer a atenção delas, desde que tenham retorno econômico. Essa realidade, porém, não isenta o governo do seu papel de liderar a divulgação, até que os nossos destinos turísticos se consolidem no mercado. RF – Sergipe é um estado caracterizado como um receptor de turismo de lazer e eventos. Como ampliar esse leque de oferta em nosso Estado? LS – Turismo de Lazer, sim. Este continua predominando, porém com uma performance histórica de altos e baixos. Já o nosso turismo de eventos ainda precisa vencer dificuldades tais como: maior disponibilidade de espaços

adequados, principalmente, para eventos de grande porte, e poder público melhor estruturado para chegar junto e em tempo oportuno diante das demandas exigidas. A iniciativa privada também deve estar permanentemente preparada para atender bem o nível de exigência do mercado atual e, nesse aspecto, treinamento e reciclagem frequentes são fundamentais. RF – A falta do Centro de Convenções, que está em reforma há vários anos, prejudicou o turismo em nosso Estado? LS – Com certeza, pois isso reduz muito a nossa competitividade na captação de eventos, principalmente os de maior porte. A gestão futura do CCS também é preocupação, pois tem que estar entregue a uma Instituição do setor turístico, que tenha realmente cultura e afinidade com os objetivos daquele importante empreendimento. RF – Por que Sergipe é um destino considerado caro para as operadoras de viagens de outros Estados? LS – Não concordamos com essa visão. Em Sergipe tudo é perto e mais fácil, otimizando o tempo do turista. Então, comparativamente, aqui a relação custo/benefício, para o turista é melhor. A questão parece ser a atual recessão, dificultando a vida do empresariado, e aí não somente as operadoras precisam sobreviver. Negócio tem que ser bom para as duas partes envolvidas e o empresariado local é uma delas. RF – Temos uma excelente infraestrutura hoteleira e de bares e restaurantes. O que falta para atrair mais turistas para Sergipe? LS – Hotéis, bares, restaurantes, etc., são empreendimentos que compõem as cidades, portanto, estas é que são os atrativos principais. Então o que temos de fazer é cuidar de preencher bem o tempo dos nossos visitantes com roteiros agradáveis e bons serviços. Pouco resolve, se evoluirmos na arquitetura dos empreendimentos turísticos e esses outros aspectos, não estiverem no mesmo nível. RF – O diálogo entre os empreendedores de turismo em nosso estado melhorou com a formação da Câmara Empresarial de Turismo? LS – Bastante, pois o empresariado passou a ter um espaço adequado para discutir e encaminhar os assuntos do seu interesse e melhor ainda: com o apoio institucional da Fecomércio, hoje, com atribuições, também na área do Turismo. Abril/Maio 2017 - Nº 24 Revista Fecomércio SE

21


Atendimento Gratuito ao Público Senac Sergipe - Av. Ivo do Prado, 564, São José - Aracaju/SE

Cabelo Corte com Escova (2º andar) 11/abr a 5/mai - 18h às 22h Segunda a Sexta-feira

Coloração (2º andar) 27, 28/abr e 2/mai - 8h às 12h 27, 28/abr e 2/mai - 13h às 17h Segunda a Sexta-feira

Depilador

Manicure e Pedicure

Depilação (1º andar)

Manicure e Pedicure (1º andar)

25/abr a 24/mai - 13h às 17h Segunda a Sexta-feira

24/abr a 17/mai - 8h às 12h Segunda a Sexta-feira

1. O atendimento ao púlico em geral ocorre por ordem de chegada, alternando com o público contemplado pela Lei Nº 10.048/2000; (Lei Nº 10.048/2000 - As pessoas com deficiência, os idosos com idade igual ou superior a 60 (sessenta) anos, as gestantes, as lactantes, as pessoas com crianças de colo e os obesos). 2. Os serviços são realizados por alunos em treinamento; 3. É necessária a apresentação de documento de identidade para o atendimento; 4. Menor de idade deve estar acompanhado dos pais ou responsável; 5. Programação sujeita a alteração sem aviso prévio. Consulte nossa programação de cursos: www.se.senac.br

Parceria técnica entre o Senac e a Avon para os cursos de Manicure e Pedicure.

www.se.senac.br facebook.com/SenacSE (79) 3212-1560

22 Revista Fecomércio SE Abril/Maio 2017 - Nº 24


Foto : Tiago Quintino

Rede Mulher Empreendedora apresenta trabalho na Fecomércio

A convite da Fecomércio, as embaixadoras da Rede Mulher Empreendedora – RME, Cláudia Soledade e Gizelma Lima, apresentaram na tarde de ontem, 18/04, o trabalho que vem sendo realizado em Aracaju, desde setembro do ano passado, com o objetivo de empoderar gestoras e futuras empreendedoras, que visam independência financeira e segurança nas decisões sobre os seus negócios e suas vidas em torno do trabalho. Participaram do encontro o superintendente da Fecomércio, Maurício Oliveira e representantes da Fies, Ceac, Sirecon, Sindesp, Shopping Jardins e Original Eventos. Na oportunidade, Maurício Oliveira informou sobre a Câmara da Mulher Gestora, que em breve será instalada pela Fecomércio, com o propósito de dar suporte a este segmento, que hoje representa 43% dos proprietários de negócios no País. “Mulheres empreendedoras muitas vezes são líderes em suas comunidades. Elas constituem modelos e exemplos, e sua atividade permite sustentar lares e melhorar o padrão de vida da família”, acrescentou Oliveira. As embaixadoras da RME, em Sergipe, esclareceram sobre a atuação da rede e a programação que vem sendo realizada sistematicamente com o apoio do Sebrae, Banco do Nordeste e Fecomércio, no sentido de gerar conhecimento e troca de experiências que ve-

nham agregar valor ao negócio empreendido por micro e pequenas empresárias nas diversas áreas. “Promovemos encontros, palestras, workshops e cafés com a finalidade de debatermos temáticas como marketing digital, controle financeiro, novas tecnologias da informação, planejamento, dentre outros temas importantes para o gerenciamento do negócio”, disse Gizelma Lima. Também foi apresentada pela embaixadora Cláudia Soledade uma extensa pesquisa sobre o perfil da mulher, sua atuação no mercado de trabalho e atuais indicadores. Gizelma Lima é contadora e especialista em auditoria governamental e contabilidade pública. É perita judicial e mediadora credenciada a Média Soluções de Conflitos – Câmara de Mediação e Arbitragem de Sergipe. Também é consultora de gestão e professora substituta na Universidade Federal de Sergipe (UFS). Cláudia Soledade possui sólida carreira desenvolvida há mais de 20 anos em empresas multinacionais nos segmentos de hotelaria, bebidas e cimentos. Psicóloga por formação, com especialização em gestão estratégica de pessoas e MBA em Coaching e Gestão Empresarial, atua como coach e consultora organizacional Abril/Maio 2017 - Nº 24 Revista Fecomércio SE

23


capa

desenvolvendo a economia de Sergipe O trabalho desenvolvido pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Sergipe na luta pelo desenvolvimento do turismo sergipano é incansável e tem sido fundamentado na busca pelo fomento das atividades turísticas de nosso estado. As ações do Sistema Fecomércio promovem não apenas a qualificação de mão-de-obra para o mercado de empreendimentos turísticos local, bem como também tem buscado o fomento do turismo interno e externo para o público sergipano e de outros estados. Em ações convergentes com as Federações do Comércio de outros estados, o Turismo Social do Sesc, é responsável pelo favorecimento de incorporação de pessoas de baixa renda ao movimento turístico, com foco direcionado aos trabalhadores do comércio e seus dependentes. A ação funciona por meio de organização de excursões e planejamento de viagens que envolvem os estados em suas unidades de hotelaria, do próprio sistema, bem como empreendimentos turísticos empresariais. A atividade expande de forma democrática o acesso a viagens, fortalecendo o lazer e a formação cultural dos cidadãos, enviando e recebendo turistas de várias partes do brasil, para outros estados, através de preços acessíveis para o público. Todas as ações do Turismo Social são resultado de uma parceria entre o Ministério do Turismo e o sistema Fecomércio/Sesc/ Senac dos estados. Em parceria com o Convention Bureau, entidade que congrega o trade turístico sergipano, a Fecomércio tem levantado bandeiras de luta para facilitar o exercício da atividade empresarial, com foco na captação de turistas para nosso estado, por meio de ações de conscientiza-

24 Revista Fecomércio SE Abril/Maio 2017 - Nº 24

ção e valorização de Sergipe como destino turístico. A exemplo do convênio entre a Fecomércio e o Convention Bureau, junto com a Associação Brasileira de Agências de Viagens (ABAV) e o Sebrae, que trabalhou a divulgação do estado em cidades emissoras de turistas para Sergipe, num raio de 700 km de distância, por meio de workshops e visitas da comitiva sergipana para a divulgação. A ação recebeu o investimento de R$ 300 mil e logrou êxito na receptividade dos operadores de turismo dos estados vizinhos de Sergipe. As ações relacionadas à Fecomércio são deliberadas por meio da Câmara Empresarial de Turismo, que agrega os setores mais importantes do sistema turístico do estado, a exemplo da Associação Brasileira de Industrias de Hotéis (ABIH), Convention Bureau, Associação Brasileira de Bares e Res-


taurantes (Abrasel), Governo do Estado, Prefeituras Municipais, empresários do setor de turismo e agências de viagens. O trabalho da Câmara de Turismo conseguiu conquistas importantes para o setor turístico no estado, a exemplo da redução na tributação do ICMS sobre o querosene de aviação (QAV), que é um dos principais majoradores de custos operacionais para as companhias aéreas. O ex-secretário de Estado do Turismo, Adílson Júnior valorizou a importância da Câmara de Turismo na tomada de decisões relacionadas à melhoria do setor em nosso estado. O setor turístico sergipano agradece muito à Câmara de Turismo, uma iniciativa da Fecomércio, que nos ajudou a buscar os meios para encontrar as soluções para esse e muitos outros problemas. Sergipe estava perdendo muitos assentos em voos, cerca de 12 mil por mês, o que é um número significativo. Convencemos o governador que a redução da taxação do ICMS era o melhor mecanismo para ajudar a retomar o desenvolvimento do turismo sergipano e ele acatou. Em outras oportunidades, a Câmara de Turismo foi fundamental para termos entendimento dos problemas do turismo em nosso estado e nos ajudou bastante. Tem coisas que é necessário ouvir o empresário e seguir suas orientações, isso faz fluir melhor a cadeia produtiva do turismo e para isso, a Fecomércio tem um papel importante”. A cadeia produtiva sergipana ganhou um grande impulso com a atuação da Fecomércio em conjunto com o Governo de Sergipe. Em fevereiro deste ano. Uma ação de suma importância para o turismo sergipano foi celebrada na assinatura do convênio do Programa de Capacita-

ção da Cadeia Produtiva do Turismo de Sergipe, que envolve o Senac, em uma ação que chega a mais de 3 milhões de reais em investimentos para o desenvolvimento do setor turístico, com mais de 1.7 milhão em qualificação profissional, que será realizada pelo Senac. O programa terá 26 meses de duração e tem por objetivo qualificar a mão-de-obra e os empresários que atuam no setor turístico. O Senac ofertará os títulos de Cozinheiro Básico, Garçom Básico, Camareiro Básico, Vendedor de Artigo para Turista, Fabricação de Peças Artesanais, Informações Turísticas, Elaboração de Roteiros para Condutores de Visitantes, Boas Práticas na Manipulação de Alimentos para Serviços de Alimentação, Eletrônica e Manutenção Geral para Hotéis. Os cursos terão 160h cada e serão divididos em 52 turmas, totalizando 1.300 profissionais capacitados ao final do processo. Laércio Oliveira comemorou a inclusão do Sistema Fecomércio na ação de fortalecimento do turismo de Sergipe. “Sem dúvidas é um momento importante para o Sistema Fecomércio que, através do Senac, está mais uma vez prestando sua contribuição para o nosso Estado, participando da formação profissional de tantas pessoas. Certamente vamos entregar o nosso melhor, como sempre, através do corpo docente do Senac, que está comprometido e tem a experiência e os conhecimentos necessários para preparar esses profissionais. E a minha satisfação maior em participar do projeto é ter a certeza de que os alunos que participarão dos cursos do Senac estarão plenamente aptos a exercer suas atividades, contribuindo de forma valiosa com o crescimento e fortalecimento do turismo em nosso Estado”, declarou o presidente. O diretor do Departamento Regional do Senac, Paulo do Eirado, apresentou ao público as ações da entidade e de que forma o Senac vai atuar no programa do Governo do Estado. Ele também destacou a importância das Unidades Móveis, as carretas que levam os cursos para todos os municípios. “O Senac tem um papel muito forte a desempenhar. O turismo é uma grande fonte de recursos, tem uma expressiva participação no PIB do Estado e dos municípios e a gente vê potencial para que isso cresça ainda mais, pois o turismo promete um belo futuro pela frente, tem muito a crescer. Ainda estamos engatinhando nesse contexto em relação a todo o nosso potencial. Dessa forma, o Senac atuará naquilo que sabe fazer muito bem, que é preparar o trabalhador para o mercado de trabalho. E, para isso, contamos com o suporte da Unidade Móvel,

Abril/Maio 2017 - Nº 24 Revista Fecomércio SE

25


que facilita a vida do aluno e leva os nossos cursos para os municípios onde haja demanda”, disse. Na oportunidade, o governador do estado, Jackson Barreto, destacou a importância do convênio para o mercado sergipano de turismo, lembrando que as ações que serão realizadas pela Fecomércio, via Senac, são transformadoras, no sentido de melhorar a qualidade do turismo em Sergipe. “Aproveitem essa oportunidade de qualificar cada vez mais os nossos agentes de turismo, pois esse é um momento ímpar para o nosso Estado. Os investimentos estão acontecendo, os recursos estão vindo, as obras estão andando e nós precisamos capacitar cada vez mais o nosso pessoal nesse segmento que gera renda, gera emprego, qualidade de vida e nos deixa muito felizes. Vamos transformar Sergipe não apenas num canteiro de obras, mas numa perspectiva de que todo turista que vem ao nosso Estado, sai falando bem daqui, das nossas belezas, do nosso atendimento, do carinho e do coração maravilhoso da gente sergipana”, disse o governador Jackson Barreto. Com o funcionamento da Câmara Empresarial de Turismo, a Fecomércio entende que a promoção do estado como roteiro turístico em nível nacional é importante. As maneiras de atrair o consumidor final por meio das operadoras de turismo e agências de viagens devem ser desenvolvidas pelos organismos envolvidos com a

26 Revista Fecomércio SE Abril/Maio 2017 - Nº 24

recuperação do potencial turístico do estado. Para a federação, a aplicação das medidas protetivas para o turismo e para os empresários que vivem da atividade, dará ao público mais oportunidades de conhecer melhor Sergipe, o nosso estado ganhará com a receita arrecadada, gerando mais emprego e renda. O fortalecimento da cadeia produtiva do turismo é um círculo que trará benefícios para toda a população. Sergipe em números O estado de Sergipe tem um volume de passageiros considerável no aspecto embarques e desembarques. De acordo com dados do Anuário Estatístico do Turismo, elaborado pelo Ministério do Turismo (MTur). Em 2015, o aeroporto recebeu uma movimentação de 1.315.095 passageiros, em 16.249 poucos e decolagens, segundo a Infraero, com números superiores no aspecto desembarque, com uma média mensal de 52.880 desembarques, de acordo com os dados do Anuário Estatístico do Turismo. A movimentação de passageiros no transporte interestadual rodoviário, em 2015 foi de 465.422, superando com muita folga o número de 2014, que foi de 119.960, dando um crescimento superior a 300% de movimentação nas rodoviárias sergipanas, indício claro de que o passageiro tem aumentado sua procura por Sergipe como destino por via terrestre. Atualmente, o estado conta com 173 agências de turismo cadastradas no MTur, indicando uma evolução no


número de negócios de turismo emissor e receptor no

serviços para turismo no estado, comentando o poten-

estado. Considerando que no ano de 2013, eram 154

cial turístico sergipano.

agências cadastradas no ministério. A área de prestação de serviços em agências de viagens se mostra como um segmento que segue na contramão da crise econômica, apresentando crescimento no número de empresas do setor. Na hotelaria, o estado apresenta, segundo o MTur, 6.676 leitos divididos em 3.350 unidades habitacionais em 49 meios de hospedagem cadastrados no Ministério do Turismo. Outro segmento do mercado que apresentou crescimento foi o de serviços de transporte turístico, que evoluiu de 110 empresas de transporte com serviços de vans, carros para locação e ônibus para as modalidades de passeio turístico local, traslado, pacotes de viagens e transporte especial em 2013, para 152 empresas no ano de 2015. Já no tocante à organização e prestação de serviços de infraestrutura na realização de eventos, o MTur aponta que Sergipe possui 50 empresas na atividade.

“Sergipe tem um grande potencial para o desenvolvimento do turismo. Temos belezas naturais de grande magnitude, a exemplo do roteiro mais destacado na mídia ultimamente, que é a ida aos cânions de Xingó, que tem se destacado após a exibição da nossa cultura e do belo cenário em novelas produzidas aqui, além de belas praias que quem conhece sempre quer voltar. Temos uma grande capacidade de expandir nossas ações para o turismo e captação de visitantes para nosso estado. Novas empresas estão surgindo no segmento, o que indica que perceberam a capacidade de absorção de turistas em Sergipe. As empresas de turismo têm crescido exponencialmente e gerado muitos empregos em nosso estado. Esperamos que com a completude da ampliação da pista de nosso aeroporto, possamos aumentar nossa capacidade de recepção de voos, para que outras empresas de turismo receptivo sejam cons-

O presidente da Fecomércio, Laércio Oliveira, destaca

tituídas, ajudando esse setor que mais pode gerar opor-

o crescimento das empresas do ramo de prestação de

tunidade de novos negócios para nosso estado”.

Sergipe Passageiros Sergipe 2015 passageiros 2015

1.315.095 465.422

Abril/Maio 2017 - Nº 24 Revista Fecomércio SE

27


Participaram da abertura oficial os representantes do Museu Bispo do Rosário Arte Contemporânea (mBrac), Raquel Fernandes, Ricardo Resende e Jocelino Pessoa; e a representante do Departamento Nacional do Sesc, Carolina Soares, que juntos falaram sobre o processo de criação, o trabalho de montagem e a obra inspiradora de Bispo do Rosário. Segundo a diretora regional do Sesc, Adely Carneiro, trata de uma exposição educativa, que convida o público a interagir com os diversos elementos que constituem a vida e a obra poética do artista através de estações sensoriais. “Aqui, o visitante de maneira lúdica navega pelo imaginário e desbrava novos conhecimentos por meio de jogos e atividades recreativas interdisciplinares, que completam a programação pedagógica proposta na mostra”. A exposição ficará em cartaz na Galeria de Arte do Sesc até 26/05, com uma vasta programação que envolverá oficinas de arte, capacitações e o seminário “O Bispo em Nós”. Bispo do Rosário Artista plástico brasileiro, natural de Japaratuba, município sergipano, foi considerado louco por alguns e gênio por outros. A produção de Arthur Bispo do Rosário durou 50 anos dentro da Colônia Juliano Moreira e viabilizou discussões sobre arte e loucura, identidade e territórios, tanto no campo das artes quanto na psicologia e na sociologia, através da literatura, com a biografia produzida pela escritora Luciana Hidalgo.

Sesc lança exposição sobre Bispo do Rosário

A apresentação do grupo folclórico Cacumbi do Mestre Batinga, do município de Japaratuba marca o lançamento nacional da exposição itinerante O Grande Veleiro, criada pelo Departamento Nacional do Sesc, sobre a vida e a obra do sergipano Arthur Bispo do Rosário, um expoente das artes plásticas contemporâneas de reconhecimento internacional.

Segundo pesquisas realizadas pelo crítico de artes, Frederico Morais, a partir da década de 60 Bispo passou a produzir objetos com diversos itens oriundos do lixo e da sucata que, após a sua descoberta, foram classificados como arte vanguardista e comparados à obra de Marcel Duchamp. Entre os temas, destacam-se navios (tema recorrente devido à sua relação com a Marinha na juventude), estandartes, faixas de misses e objetos domésticos. A sua obra mais conhecida é o Manto da Apresentação, que Bispo deveria vestir no dia do Juízo Final.

galeria de fotos Exposição O Grande Veleiro Em cartaz até 26/05/2017 De segunda a sexta-feira l 10 às 19h Galeria de Arte do Sesc Rua Senador Rollemberg, 301 - São José

28 Revista Fecomércio SE Abril/Maio 2017 - Nº 24


Foto : André Gusmão

Abril/Maio 2017 - Nº 24 Revista Fecomércio SE

29


Segs Sistema de Excelência em Gestão Sindical

Fecomércio inicia Ciclo Segs 2017 com treinamento e capacitação O Sistema Fecomércio de Sergipe iniciou na manhã desta terça-feira (07), o ciclo 2017 do Sistema de Excelência em Gestão Sindical (Segs), da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), com uma ação de capacitação acontecida na sede da Fecomércio, em Aracaju.

ações para seus associados”, disse ela, destacando a atuação da Fecomércio como entidade representativa de classe. “A instituição forte é aquela que pensa grande e fortalece a imagem institucional, com padronização e controles eficientes, como existe na Fecomércio Sergipe”, comentou.

Com o objetivo de fortalecer e ampliar a atuação sindical das entidades do Sistema Comércio de Sergipe, foi realizado um treinamento apresentado pela multiplicadora do Segs em Sergipe, Crys Moura. A capacitação do sistema de excelência envolve os eixos de Comunicação, Produtos e Serviços, Atuação Gerencial, Relações Sindicais, Representação e Atuação Legislativa.

“Hoje em dia, os valores e a missão nas empresas, compondo os princípios éticos pelos quais as mesmas devem se pautar, tornaram-se essenciais para nortear as metas e a postura de seus colaboradores, deixando clara a vocação das empresas de respeitar e beneficiar não somente seus dirigentes, mas a todos os públicos de interesse”, disse Gizelma em sua palestra.

Os colaboradores dos sindicatos participantes da abertura do ciclo Segs 2017 receberam orientações do coordenador de Eventos e Multimeios da Fecomércio, André Gusmão, sobre as ações de marketing associativo, quando foram apresentadas a identidade visual sindical, dadas diretrizes para a ação de integração de imagem do Sistema Comércio, com foco nas vantagens oferecidas pela CNC no alinhamento verticalizado das ações de marketing associativo.

De acordo com o presidente da Fecomércio, Laércio Oliveira, o Segs é fundamental para o bom funcionamento dos sindicatos patronais do Sistema Comércio, garantindo a integração e melhor qualidade de gestão das entidades sindicais.

Os participantes do evento trabalharam a elaboração estratégias de para o melhoramento do atendimento aos associados e intercâmbio de informações entre os sindicatos do sistema. Também houve uma palestra motivacional com a consultora técnica Gizelma Lima, com o tema “Gestão e ética de mãos dadas”, tema relacionado com a elaboração do código de ética da instituição. De acordo com a consultora Gizelma Lima, ações em bloco trazem mais retorno de ganhos de imagem e de atuação para as entidades. “O lucro do Sistema Comércio é o bem-estar social, este é o propósito do bem comum, que é a finalidade de uma instituição sindical. Os sindicatos devem trabalhar na busca das melhores

30 Revista Fecomércio SE Abril/Maio 2017 - Nº 24

“O Segs é um instrumento importante para o melhor funcionamento dos sindicatos de nosso sistema, com a finalidade do alinhamento de ações junto com nossa federação. O que conquistamos com isso é a ampliação na qualidade dos serviços oferecidos pelos sindicatos e a promoção da integração de todo o sistema”, destacou. O treinamento contou com a participação dos representantes da Assessoria de Comunicação da Fecomércio, presidentes e diretores de sindicatos, colaboradores das entidades classistas do sistema e de seu superintendente, Maurício Gonçalves, além do presidente do Sindicato de Representantes Comerciais de Sergipe (Sirecom), Cloves Alcântara. Ao final do evento a Federação do Comércio, prestou uma homenagem ao Dia Internacional da Mulher, comemorado no próximo dia 8 de março, homenageando a executiva do Sindicato dos Lojistas de Sergipe, Daisy Lene Garcia.


espaçosindical

Coordenadores de Câmaras Empresariais se reúnem para traçar plano de ação Foi realizada nesta quarta-feira (22), a primeira reunião

para que consigamos fortalecer a classe empresarial

integrada das Câmaras Empresariais do Sistema Co-

em defender os interesses com vistas na recuperação

mércio de Sergipe, na sede da Federação do Comér-

econômica e do crescimento empresarial”, disse.

cio, em Aracaju. Na pauta foram discutidas as questões relacionadas ao processo de integração das câmaras,

O principal objetivo das câmaras é ampliar o associati-

buscando o fortalecimento intrarrede entre as represen-

vismo empresarial, promovendo a união das categorias,

tações de classe empresarial.

com vistas no crescimento empresarial mútuo entre os pares.

Na reunião foi apresentado o novo superintendente da Fecomércio, Maurício Gonçalves, que irá também de-

“Precisamos fortalecer o associativismo, ampliar as nos-

senvolver a coordenadoria das nove câmaras em ati-

sas lutas coletivas, para conquistar nossos objetivos.

vidade no estado, juntamente com a representante do

Somos parte do Sistema Fecomércio e isso é importan-

Segs, Crys Moura, que dará suporte às ações empre-

te para nossa valorização de classe, como empresários.

endidas pelas categorias representadas.

Temos no presidente Laércio, um homem que conhece

Os coordenadores alinharam com a superintendência o seu plano de ação para o ano de 2017, com as atividades relacionadas a cada setor componente. Maurício

a fundo as questões econômicas e de defesa de classe, que entende bem a realidade dos empresários sergipanos”, comentou.

destacou que a Fecomércio está engajada na defesa

A chancela da atuação representativa da Fecomércio,

dos interesses da classe empresarial e informou que a

na discussão dos problemas, na busca por soluções,

federação não medirá esforços para realizar um traba-

através do estímulo à participação empresarial, bus-

lho exitoso com seus representados.

cando a compreensão de problemas dos mais varia-

“Com nosso planejamento estratégico, vamos trabalhar junto com nosso presidente, Laércio Oliveira, para melhorar a condição empresarial em nosso estado. Temos por dever, lutar para atender as demandas das classes empresariais representadas pelo Sistema Fecomércio em nosso estado, buscando o aumento da representatividade empresarial em Sergipe”, destacou.

dos setores, no intuito de melhorar o ambiente para os negócios e fortalecimento empresarial. Na reunião foi colocada à disposição dos coordenadores, o departamento de economia da entidade, para auxiliar na compreensão das dificuldades dos setores das atividades comerciais. Para Ednilson Gois, diretor do Sindicato dos Corretores

Segundo o coordenador da Câmara Empresarial de

de Seguros de Sergipe (Sincor-SE) e representante da

Serviços Imobiliários, Jorge Eduardo, no momento de

Câmara Empresarial de Seguros, a atuação da câmara

complexidade da economia, as câmaras são o meca-

em seu terceiro ano tem sido de muita valia para o me-

nismo de união dos empresários para buscar melhorias

lhoramento da fluidez dos negócios do setor.

para o exercício das atividades do setor produtivo sergipano.

“O trabalho participativo da Câmara de Seguros, promoveu ainda mais integração entre os nossos pares,

“As câmaras são muito importantes para os empresá-

corretores. Foi uma iniciativa importante para que ampli-

rios. No momento de crise da economia, é fundamental

ássemos nossa representatividade. Depois da câmara,

que tenhamos o apoio da Fecomércio em nossas ações

estamos ainda mais unidos como categoria”, afirmou. Abril/Maio 2017 - Nº 24 Revista Fecomércio SE

31


Senac inicia capacitação de trabalhadores do Turismo O Senac/SE, órgão integrante do Sistema Fecomércio/ Sesc/Senac, em cumprimento ao convênio assinado com o Governo do Estado, iniciou os cursos de capacitação dos trabalhadores do Turismo de Sergipe. A meta é a execução de 52 turmas em 30 municípios sergipanos, totalizando 1.300 pessoas qualificadas ao final do processo. Além do Senac/SE, a Universidade Federal de Sergipe e o Sebrae também participam do projeto, que tem investimentos de R$ 3.225.459,67, provenientes do Programa Nacional do Desenvolvimento em Turismo (Prodetur). O Senac/SE está ofertando, pelos próximos 24 meses, os títulos de Cozinheiro Básico, Garçom Básico, Camareiro Básico, Vendedor de Artigo para Turista, Fabricação de Peças Artesanais, Informações Turísticas, Elaboração de Roteiros para Condutores de Visitantes, Boas Práticas na Manipulação de Alimentos para Serviços de Alimentação, Eletrônica e Manutenção Geral para Hotéis.

“O Senac tem um papel muito forte a desempenhar. O turismo é uma grande fonte de recursos, tem uma expressiva participação no PIB do Estado e dos municípios e a gente vê potencial para que isso cresça ainda mais, pois o turismo promete um belo futuro pela frente, tem muito a crescer. Ainda estamos engatinhando nesse contexto em relação a todo o nosso potencial. Dessa forma, o Senac atuará naquilo que sabe fazer muito bem, que é preparar o trabalhador para o mercado de trabalho. E, para isso, contamos com o suporte da Unidade Móvel, que facilita a vida do aluno e leva os nossos cursos para os municípios onde haja demanda”, declarou o diretor Regional do Senac/SE, Paulo do Eirado. Mais informações As vagas são gratuitas e limitadas e as inscrições devem ser feitas na Fundação Municipal de Formação para o Trabalho (Fundap), para os cursos de Aracaju, e no interior, os interessados devem procurar a Secretaria de Turismo ou de Ação Social do município. Para mais informações, os interessados devem entrar em contato com a Gerência da Unidade Móvel do Senac/SE, pelo número 79-3212-1556, ou pelo e-mail gumo@se.senac.br. Foto : Arquivo

Além da capital, os municípios contemplados são Indiaroba, Santa Luzia do Itanhi, Estância, Itaporanga, São Cristóvão, Barra dos Coqueiros, Nossa Senhora do Socorro, Laranjeiras, Santo Amaro, Pirambu, Pacatuba e Brejo Grande, que compõem o Polo Costa dos Coqueirais. Também receberão os cursos os municípios de Canindé de São Francisco, Monte Alegre, Nossa Senhora da Glória, Propriá, Japoatã, Santana do São Francisco, Neópolis, Ilha das Flores, Telha, Cedro de São João, Poço Redondo, Porto da Folha, Gararu, Itabi, Nossa Senhora de Lourdes, Canhoba e Amparo de São Francisco, que fazem parte do Polo Velho Chico.

As duas primeiras turmas, de Cozinheiro Básico, foram abertas na cidade de Estância, no mês de março. Ainda em Estância, no mês de abril, teve início uma turma do curso de Informações Turísticas. Já em Aracaju, mais duas turmas de Cozinheiro Básico foram iniciadas no mês de abril. Cada uma é composta por 25 alunos e os cursos têm carga horária de 160h/aula.

32 Revista Fecomércio SE Abril/Maio 2017 - Nº 24


Turismo acessível para a terceira idade Entretenimento e lazer de qualidade estão presentes

peito”, disse a aposentada Nazaré Moreira, destacando

nas programações ofertadas pelo Sesc aos comerciá-

o zelo com que são tratados pelos guias que acompa-

rios e seus familiares. No turismo social a instituição cria

nham os grupos.

possibilidades para que as pessoas conheçam o Brasil, democratizando o acesso a viagens, passeios e excur-

Segundo Rogério Azevedo, coordenador da área de tu-

sões. Com preços acessíveis e uma rede extra hoteleira

rismo social do Sesc em Sergipe, as viagens e passeios

própria, mesmo quem nunca pensou em ir além dos li-

realizados para atender especialmente o grupo Nova

mites de sua cidade pode se transformar em um turista.

Vida, são previamente discutidos com os técnicos em

Aqui em Sergipe o Sesc dispõe ainda de um serviço diferenciado para o público da terceira idade, com programações abertas à comunidade e direcionadas aos membros do grupo Nova Vida, que hoje conta com cerca de 800 participantes.

gerontologia, que desenvolvem as atividades do grupo nas Unidades Siqueira Campos e Socorro. “Os idosos sugerem o que gostariam de conhecer e a equipe faz a análise. A partir daí planejamos todas as etapas das viagens e passeios. Evitamos lugares com ladeiras, degraus, trajetos íngremes e banheiros não adaptados,

Durante todo o ano o Sesc realiza excursões de curta e

buscando fugir de todas aquelas situações que venham

longa temporada, além de passeios para os principais

dificultar a estadia dos excursionistas”, acrescentou o

destinos turísticos do Estado a exemplo da Crôa do

coordenador.

Goré, Foz do Rio São Francisco, roteiros de praias, polos de artesanato e parques temáticos. O serviço é pla-

Este ano o grupo Nova Vida irá participar de excursões

nejado cuidadosamente para atender as necessidades

para Natal/RN, Porto Seguro/BA e João Pessoa/PB. Os

dos idosos quanto a acessibilidade nos equipamentos

pacotes são vendidos antecipadamente nas centrais de

de hospedagens, tipos de transporte e lugares a serem

atendimento do Sesc.

visitados.

A programação completa do turismo social está na página www.sesc-se.com.br. Lá é possível encontrar os

sejam seguros, isentos de acidentes e dentro das nos-

destinos, períodos, programação oferecida e condições

sas limitações físicas. Isso é carinho, é atenção e res-

de pagamento.

Foto : Arquivo

“A instituição cuida para que nossas viagens e passeios

Abril/Maio 2017 - Nº 24 Revista Fecomércio SE

33


Foto : Arquivo

Escola-residência do Sesc no Rio de Janeiro A Escola Sesc de Ensino Médio – ESEM, localizada no Rio

diferenças individuais e coletivas, estimula a troca e amplia

de Janeiro, abriu inscrições para o processo admissional que

horizontes”, acrescentou a coordenadora de educação do

garantirá uma vaga no ano letivo de 2018. A escola-residên-

Sesc, em Sergipe, Karla Xavier.

cia está instalada num campus de 131 metros quadrados, no bairro de Jacarepaguá e conta com uma das mais privilegia-

A ESEM oferece gratuitamente, a todos os alunos, material

das estruturas de ensino do país, com espaço cultural, labo-

pedagógico - incluindo notebook, uniformes, moradia, ali-

ratórios, biblioteca, ateliers de arte, complexo esportivo, pisci-

mentação, assistência médica e odontológica. “Os alunos

na semiolímpica, sala de ginástica e musculação, restaurante,

têm ainda a possibilidade de se tornar proficiente em inglês

além de vilas residenciais dos estudantes e professores.

e podem ainda aprender Espanhol, Francês e Alemão”, disse

A ESEM, inaugurada em 2008, foi concebida para oferecer

a coordenadora.

uma educação efetivamente integral e atender alunos prove-

Para ser aluno da ESEM é necessário passar por um processo

nientes de todos os estados brasileiros e do Distrito Federal.

de admissão composto por: Prova escrita de Língua Portugue-

Durante os três anos do ensino médio os alunos são acom-

sa, Matemática, Conhecimentos Gerais e Redação; Pontuação a

panhados por professores, tutores, coordenadores pedagógi-

partir dos critérios indicados no Edital; Entrevista com o candidato

cos e orientadores educacionais, garantindo-lhes assistência individualizada e mediação permanente para as suas aprendizagens.

e seus responsáveis. Estão aptos a se inscrever no processo de admissão para 2018 os estudantes que comprovem estar cursando ou ter concluído o 9º ano do Ensino Fundamental e

A escola utiliza o Currículo de Base Nacional Comum, alia-

tiverem nascido entre 1º de janeiro de 2002 e 31 de dezembro de

do ao currículo eletivo, que permite os alunos selecionarem

2004. As inscrições devem ser feitas no www.escolasesc.com.

disciplinas que tenham maior identificação com a sua área

br/inscricoes2018 até 05/05/2017. Mais orientações podem ser

de conhecimento. “Viver como residente traz a possibilidade

obtidas no Edital do Processo Admissional do ano letivo de 2018

do profundo desenvolvimento da autonomia, do respeito às

disponível no site da ESEM.

34 Revista Fecomércio SE Abril/Maio 2017 - Nº 24


Senac abre inscrições para Curso Técnico em Guia de Turismo

Atento à crescente demanda da atividade turística no Brasil

com pernoite dentro do Estado e outra com pernoite in-

e ao aumento da realização de eventos internacionais de

terestadual. “Nesses deslocamentos, o aluno vai vivenciar

grande porte, o Senac/SE, órgão integrante do Sistema

todo o processo de reservas, de contratação de serviços,

Fecomércio/Sesc/Senac, lançou o Curso Técnico em Guia

de realização de opcionais, atuando oficialmente no turis-

de Turismo na programação do segundo quadrimestre. O

mo, vivenciando na prática todo o processo de construção

objetivo é capacitar os profissionais para atuarem, de forma

e execução dos roteiros e programações turísticas de via-

ética e responsável, na recepção, condução, orientação e

gens”, disse.

assistência de pessoas ou grupos em traslados, passeios, visitas e viagens locais, regionais e nacionais. Para o curso, que acontecerá de 03 de julho de 2017 até 28 de setembro de 2018, foram abertas 25 vagas. “O Senac é a primeira escola oficial do Brasil a qualificar profissionais para serem guias de turismo. Então, nós contribuímos de uma forma tão significativa que possibilita o nosso aluno a ser um autônomo, um profissional empreendedor. Com isso, vamos contribuir para um turismo oficial, formando profissionais legais para atuarem no turismo receptivo e emissivo”, explica Paulo César, instrutor do curso, ao destacar a importância da qualificação para o exercício da atividade. Segundo o instrutor, o curso é dinâmico, com momentos teóricos e práticos, e está formatado com base no novo modelo pedagógico do Senac, o desenvolvimento de competências. Nas etapas práticas, dentre outras atividades, os alunos participarão de qua-

“O Senac é uma referência” O profissional de contabilidade aposentado, José Andrade, encontrou no curso de Guia de Turismo do Senac/SE a oportunidade de realizar um sonho e escrever uma nova trajetória profissional. “Depois que me aposentei, passei um ano obsoleto. Foi quando me inscrevi no curso de Guia de Turismo no Senac, no ano 2000, para realizar um sonho de juventude, que era o de passear, conhecer lugares, culturas, e poder mostrar isso para as pessoas. Sou alguém que não consegue ficar em casa. Gosto de desbravar o mundo”, disse. Hoje presidente do Sindicato dos Guias de Turismo de Sergipe (Singtur/SE), Sr. Andrade diz que os desafios são grandes para o desenvolvimento do turismo no Estado. Para ele, Sergipe, apesar de ser a menor unidade da Federação, ainda não explora metade da potência turística que possui. “Faltam investimentos. Ainda falta tratar o turismo como uma importante fonte de renda”, acredita. Nesse sentido, o presidente reconhece o trabalho do Senac/SE na capacitação da mão-de-obra do setor turístico. Para ele, a instituição é, há

tro deslocamentos,

muito tempo, uma referência, sobretudo no

cujos custos já es-

curso de Guia de Turismo. “O Senac real-

tão incluídos nas

mente acredita no Turismo e, prova disso,

mensalidades:

é a quantidade e a qualidade dos cursos

um city-tour por

que esta casa oferece nessa área. O curso

Aracaju, uma

de Guia de Turismo, por exemplo, é com-

visita às cida-

pleto, versátil, viável, e está de acordo com

des histórias,

a Lei 8.623, que dispõe sobre a profissão”,

uma viagem

declarou Sr. Andrade. Abril/Maio 2017 - Nº 24 Revista Fecomércio SE

35


diálogos Por que Devo Registrar Minha Marca? “Quem não for precavido e fizer pouco caso de seus adversários, certamente será aniquilado por eles”. SUN TZU “A ARTE DA GUERRA”. Essa pequena partícula de sabedoria oriental, ditada à séculos, adere tempestivamente ao atual cenário brasileiro, que, engrossado pela incessante corrente da globalização , bravamente resiste a danosa investida ao seu maior patrimônio (sua MARCA) dos chamados “PIRATAS” - terceiros que imbuídos da mais preciosa má fé existente, clonam várias marcas, designers, modelos, patentes, musicas e etc, denegrindo a imagem de empresas e, via de conseqüência, a qualidade de seus produtos e serviços ante seus nichos de atuação, e assim agem incólumes, visto que tais ativos, em sua maioria, não gozavam de devida proteção legal contra tais crimes. Em vista disso, o empresariado brasileiro e principalmente, o estado de Sergipe, deve despertar para esta realidade, precavendo-se não somente destes atos de rapina, mas também, da concorrência predatória promovida por terceiros, através de uma proteção jurídica específica, uma espécie de blindagem marcaria se assim podemos colocar, ajuizada, evidentemente, por um competente procurador. Para tanto, o investidor deve cercar-se de pessoas com experiência mercadológica, conhecimento técnico e ótima reputação no mercado, cultivando a prudente determinação de estar longe do assédio de desconhecidos, amadores que prometem soluções mirabolantes a baixo custo e cuja procedência e tradição, não raras às vezes, inexistem. A priori, o investidor deveria desenvolver uma postura mais positiva em relação ao registro de sua marca ou patente, ate porque, a mesma não deveria ser encarada como uma espécie de “mal necessário”, mas sim, como medida preventiva fundamental para a tranqüilidade futura de seu empreendimento. Em verdade, o empresariado deveria encarar tal investimento como estivesse incorporando qualquer outro bem móvel ao seu fundo de comercio, pois uma marca bem construída poderá fazer parte do mesmo, e não raro são

36 Revista Fecomércio SE Abril/Maio 2017 - Nº 24

Milla Cerqueira e Paulo Freitas Advogados

os casos em que a marca passa valer mais do que a própria empresa. Essa realidade é fato até em concorrências, haja vista muitas estarem exigindo que determinados fornecedores tenham, pelo menos, sua marca, patente ou software depositados no INPI para participarem, pois tal protocolo ou registro refletem a solidez e comprometimento da empresa, além de servirem como elemento diferenciador na verificação das propostas. Por isso, o empresariado sergipano deverá ter em mente os seguintes pontos com relação aos seus signos distintivos e correlatos: é o maior patrimônio do negócio, notem o exemplo prático da Coca Cola; é um fator relevante de diferenciação e atração do mercado, inclusive quando for realizar a venda da empresa, ocorrências cada vez mais constantes no mundo globalizado em que vivemos. Partindo da premissa que o homem inteligente é aquele que aprende com os próprios erros e o sábio é quem observa e aprende com o erro dos outros, importante observarmos os hábitos e costumes de um dos países mais produtivos e competitivos do mundo – os Estados Unidos – enquanto estive em Boston presenciei mais de um seminário sobre os cuidados e principais preocupações jurídicas do empreendedor americano, dentre uma lista aproximada de dez importantes necessidades, a Propriedade Intelectual foi listada na segunda colocação. Em outras palavras, o registro da marca, de uma patente e/ou demais variações, é hoje, considerado uma estratégia de marketing do negócio, portanto, está diretamente relacionado ao plano de gestão empresarial, cabendo ao empreendedor decidir se permanecerá em um nível amador ou se entrará para o jogo dos negócios e competirá em igual patamar com os seus concorrentes mais prevenidos.


fiquepordentro Bom momento do Turismo em Sergipe

Joab Almeida

Turismólogo. Professor do Deptº de Turismo da UFS

O Estado de Sergipe vive um momento promissor

tadual de Turismo. Do ponto de vista da oferta, embora

quando o assunto é transformação espacial pelo tu-

a maioria se concentre em Aracaju, podemos observar

rismo, somente por meio do Programa de Desenvolvi-

que em dez anos triplicaram os equipamentos, com ên-

mento do Turismo – PRODETUR serão aplicados US$

fase nos meios de hospedagem, bares e restaurante,

100 milhões até 2018; desde o contrato assinado com

basta conferir nos dados do Cadastro de Empresas e

o Banco Interamericano de Desenvolvimento – BID em

Prestadores de Serviços Turísticos – CADASTUR e nos

dezembro de 2013 estão em execução diversas ações

financiamentos de turismo.

nas dimensões de estratégia do produto, fortalecimento institucional, infraestrutura turística, promoção e apoio à comercialização e, meio ambiente, se desdobrando de qualificação profissional até obras estruturantes como a adequação urbanística das praias do litoral sul de Aracaju. Não obstante, ao mesmo tempo Sergipe investe outros R$ 300 milhões de recursos públicos em obras de apoio ao turismo como a reforma e ampliação do aeroporto Santa Maria e do Centro de Convenções. Observando o início do PRODETUR, em meados da década de 1990, vamos encontrar registros de investimentos complementares do próprio poder público e do setor privado que chegam a triplicar o montante investido pelo programa. Muitas avaliações foram realizadas sobre estas transformações, notadamente sobre a polarização de investimentos em áreas sem clara função turística como é o caso de orlas fluviais, e a atenção do Tribunal de Contas da União – TCU sobre os passivos ambientais gerados, direcionando a atenção para investimentos econômica e ambientalmente sustentáveis e mais concentrados em lugares de viabilidade turística.

Diante do bom momento do turismo sergipano, é hora de questionar o que querem seus agentes produtivos, principalmente se seus pensamentos estão alinhados na mesma estratégia e objetivo para o desenvolvimento do setor. Estariam os governos, as empresas, os turistas e a sociedade civil caminhando de forma convergente no turismo sergipano? Com isso podemos refletir sobre as políticas de turismo quando concentramos atenção nos limitados investimentos do Prodetur e acabamos esquecendo de tantos outros programas relevantes e com recursos em fontes diversas e no próprio Ministério do Turismo. Refletir sobre a governança do turismo quando nos encontramos sem fórum estadual ou conselho regional de turismo, apenas com uma câmara empresarial. É momento de refletir sobre nossa competitividade, se estamos estruturando, promovendo e vendendo os mesmos produtos, roteiros e segmentos, ou temos poder público e setor privado andando em direções opostas e, quando o assunto é diferencial competitivo, se estamos lembrando de valorizar o que de fato é diferente dos nossos concorrentes, como os recurso naturais e tantos ele-

Ao analisar o comportamento do mercado é possível

mentos complementares vindos da cultura sergipana.

perceber o aumento no fluxo do consumidor turista,

Tá na hora de conhecer o que Sergipe tem a oferecer e

considerando o crescimento apresentado nos trans-

superar a ideia de querer vender mais do mesmo, assim

portes aéreo e rodoviário, bem como o aumento da sua

como pensar em produtos sobre os quais lucrem os

permanência média de 2,5 para 4 dias, sendo que a

operadores nacionais, os agentes de viagens, as gran-

maioria deles vem do estado da Bahia, reforçando a

des empresas de rede e as pequenas empresas locais,

conhecida estratégia de ligação litorânea com os esta-

porque quando o turista decide voltar, sua expectativa

dos vizinhos de Alagoas e Bahia, prevista no Plano Es-

gira em torno de novas experiências.

Abril/Maio 2017 - Nº 24 Revista Fecomércio SE

37


Orla da Zona Sul de Aracaju é anunciada na Fecomércio O secretário de Estado do Turismo, Fábio Henrique, participou da reunião da Câmara Empresarial de Turismo, promovida pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Sergipe (Fecomércio), anunciando um grande investimento para o fortalecimento do turismo de Sergipe. A construção da Orla da Zona Sul de Aracaju. A obra anunciada por Fábio Henrique na Câmara de Turismo, contemplará uma extensão de aproximadamente 20 quilômetros de faixa costeira, iniciando pela praia da Aruana e concluindo na região da praia do Mosqueiro, local em que o mar confina com o rio Vaza-Barris, em um investimento superior a 17 milhões de reais, segundo o secretário. Fábio Henrique lembrou que o estado está realizando investimentos para o desenvolvimento do turismo em Sergipe, buscando melhorar a infraestrutura de recepção dos turistas em todo o estado, com foco em Aracaju, com a chegada da nova obra que se tornará mais um cartão postal para os sergipanos. Os recursos da obra estão garantidos, segundo o secretário, que anunciou a nova orla como a boa nova para o turismo sergipano, atendendo à demandas da Câmara de Turismo. “Essa obra vai preencher um espaço para os turistas que vem ao estado aproveitarem melhor. Faremos uma orla que vai complementar todo o estuário de nossa capital, na zona sul, levando ainda mais beleza a um ambiente que será melhor explorado turisticamente pelos empresários do turismo sergipano. Essa obra dará uma nova vida para as praias do litoral sul de Aracaju. Os recursos estão garantidos e anuncio essa obra revolucionária em primeira mão aqui na Fecomércio”, destacou. O secretário informou que além da nova orla a ser construída, haverá a revitalização da Orla Pôr do Sol, que

38 Revista Fecomércio SE Abril/Maio 2017 - Nº 24

margeia o rio Poxim, no Mosqueiro, afirmou que as obras da orla de Canindé também estão em fase final, e que outros investimentos para a melhoria do ambiente do estado para o turismo serão realizados. Fábio Henrique destacou a importância do convênio entre Governo de Sergipe e a Fecomércio, para a capacitação dos profissionais do turismo do estado, por meio do Senac, com recursos do Prodetur, em uma operação que movimenta mais de 1 milhão e 700 mil reais. “Estimular a qualificação profissional dos trabalhadores do turismo sergipano é muito importante para que os turistas que vêm a Sergipe, voltem para nosso estado mais vezes. Quanto melhor qualificado é o trabalhador, melhor é o serviço prestado e o turista é bem tratado. Então, fazer uma parceria exitosa com o Senac para qualificar os trabalhadores do turismo, provendo o melhor ensino para as áreas de atendimento e serviços realizados pela atividade em nosso estado”, disse Fábio. Na reunião da Câmara de Turismo, foram discutidos vários temas, como a abertura de Sergipe para novas vertentes do turismo, a exemplo do turismo de aventura na cidade de Laranjeiras, com a exploração das cavernas e espaços naturais que propiciam a realização de eventos aventureiros, e um circuito de turismo religioso para as cidades reconhecidamente ligadas à religiosidade de nosso estado. O circuito turístico deverá compreender as cidades de São Cristóvão, Divina Pastora, Carmópolis e Laranjeiras, que possuem tradições religiosas seculares, em especial São Cristóvão, que tem uma ligação intrínseca com Irmã Dulce, cujo processo de canonização está em fase final, quando se tornará Santa Dulce dos Pobres, que iniciou sua vida religiosa na Congregação das Irmãs Missionárias da Imaculada Conceição, na quarta cidade mais antiga do Brasil.


Fotos : Marcio Rocha

Os representantes das entidades participantes da Câmara Empresarial de Turismo comemoraram a chegada do primeiro voo internacional regular ao aeroporto de Aracaju, que fará a rota Aracaju – Buenos Aires Ezeiza (SBAR/SAEZ). O voo entrará em atividade sendo operado pela empresa Gol e terá frequência semanal, a partir de julho deste ano. A presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (ABIH), Daniela Mesquita, valorizou a chegada do voo internacional regular a Sergipe e lembrou que é necessário trabalhar a captação de turistas em outros estados para aproveita Sergipe como um destino de turismo de lazer, para o enfrentamento da crise que afetou de forma ponderosa a atividade turística no estado. “Teremos um grande evento com a operadora Trend, que pode ajudar a alavancar Sergipe como um destino de turismo de lazer. Não podemos mais manter a posição do estado como a opção alternativa para o turista que vem de fora. Sergipe deve ser oferecido como um destino viável, pois estamos ofertando diárias de hotéis a preços mais competitivos que os outros estados e temos condições de oferecer o mesmo que outros estados apresentam para seus turistas. É necessário que sejam mapeadas as dificuldades para solucionarmos os problemas. A chegada do voo

Aracaju – Buenos Aires ajuda bastante, mas precisamos nos colocar melhor na malha aérea brasileira, para que mais turistas se interessem por Sergipe”, comentou. Luiz Simões, presidente do Aracaju Convention & Visitor Bureau, destacou a iniciativa da formação da Câmara Empresarial de Turismo, lembrando que o colegiado de entidades empresariais liderado pela Fecomércio tem ajudado muito o turismo sergipano em um momento de dificuldade como nesta crise econômica. “Um colegiado como esse para discutir o turismo de Sergipe é importante para todo o nosso desenvolvimento. As entidades reunidas conseguem trabalhar melhor, na busca dos resultados positivos para nosso turismo”. O superintendente da Fecomércio, Maurício Gonçalves, mostrou aos participantes da Câmara de Turismo, as ações desenvolvidas pela Fecomércio na defesa de interesses dos empresários do turismo sergipano, além da atuação da Confederação Nacional do Comércio (CNC), na busca de melhorias para o exercício da atividade empresarial em todo o Brasil. “Somos a entidade que congrega as representações de classe empresarial, para lutar pela conquista de melhorias o exercício da atividade das empresas do setor de turismo em nosso estado, sob a égide da CNC, que nos orienta para

buscar o melhor para o turismo em todo o país. Estamos prontos para atender o empresário e ajudar a resolver os problemas do setor. A orientação de nosso presidente, Laércio Oliveira, é para levantar as bandeiras de luta da classe empresarial, com a finalidade de promover um mercado mais competitivo e que retorne positivamente para o empresário sergipano. Recebemos boas notícias em nossa reunião e estamos tendo nossos pleitos reconhecidos e atendidos pelo poder público e também conquistando mais unidade do setor privado. Isso é muito importante para o fortalecimento da economia e do turismo de nosso estado”, valorizou. A coordenadora da Câmara Empresarial de Turismo, Cacilda Aragão, apresentou a oportunidade para as entidades de classe participarem do planejamento estratégico das atividades da Câmara no ano de 2017, convocando todos os setores representados para contribuírem com ideias e sugestões a serem estudadas pelo colegiado. A Câmara Empresarial de Turismo de Sergipe é composta pela Fecomércio, ABIH, Sindetur, Abrasel, Abav, Universidade Federal de Sergipe, Secretaria de Estado do Turismo, Aracaju Convention Bureau, Senac, e organismos ligados ao desenvolvimento do turismo em Sergipe.

Abril/Maio 2017 - Nº 24 Revista Fecomércio SE

39


Viajando com Kurosawa no Japão Feudal”

O Sesc realizou de 05 a 09/04, no Cine Vitória, a mostra de cinema “Jidaigeki – Viajando com Kurosawa no Japão Feudal”. A mostra exibiu seis filmes dirigidos pelo cineasta Akira Kurosawa. Com mais de 50 anos de carreira, Kurosawa era descendente direto de antigos samurais e cresceu sob a influência do cinema ocidental. Tais influências criaram um cineasta único, dono de um apurado senso de narrativa cinematográfica, aliado a um rigoroso olhar estético. Muito da desconhecida história japonesa, sua organização social e cultural foi descortinada pelo cinema, que emergiu no imaginário mundial após o sucesso dos filmes Rashomon (1950) e Os Sete Samurais (1954). O Trono Manchado de Sangue (1957), a Fortaleza Escondida (1958), Yojimbo (1961) e Sanjuro (1962), Rashomon (1950) e Os Sete Samurais (1954) foram os títulos que compuseram a mostra, os quais expressam o período de sedimentação da maturidade artística do cineasta e homem das artes. Seus filmes foram importantes agentes de difusão da cultura nipônica em todo o mundo, chegando até a influenciar grandes sucessos hollywoodianos.

40 Revista Fecomércio SE Abril/Maio 2017 - Nº 24


Fotos : Café com Guaraná

Abril/Maio 2017 - Nº 24 Revista Fecomércio SE

41


Palestra sobre operações de combate a corrupção é realizada na Fecomércio Fotos : Marcio Rocha

Com o objetivo de aumentar o conhecimento da classe empresarial a respeito da operação “Lava Jato”, que tem atuado há três anos, movimentando o cenário político e empresarial do país, desbaratando o maior escândalo de corrupção da história política brasileira, a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Sergipe (Fecomércio), realizou mais uma edição do ciclo de Diálogos Empresariais. Dessa vez, o tema “Das Mãos Limpas à Lava Jato”, foi apresentado pela advogada Msc MBA Tacianny Machado, assessora jurídica da Fecomércio de Minas Gerais. Na palestra proferida, a jurista traçou um paralelo entre a operação italiana, que desbaratou um esquema de corrupção sistêmica que atingiu toda a classe política da Itália, com a operação em curso no Brasil, que já levou até o ex-presidente da Câmara dos Deputados à cadeia, ação também caracterizada como a maior esquema de fraudes e corrupção da história política brasileira. Tacianny Machado abordou as operações, fazendo comparativos entre as duas, mostrando suas similitudes e procedimentos que convergem no caminho de igualdade das ações dos dois países, para o combate à corrupção. Destacou a importância da quebra do silêncio por parte dos envolvidos nos escândalos, para a identificação dos problemas e haja a execução processual contra os envolvidos, dando detalhes do funcionamento do mecanismo da delação premiada para os investigados que colaborem com o trabalho da justiça. A jurista destacou que tanto na Itália, quanto no Brasil, o cenário dos países era o mesmo durante os períodos de ocorrência das operações. O crescimento econômico estava estagnado, havia o impedimento do desenvolvimento por meio das ações corruptoras que estavam enraizadas na classe política. Tacianny Machado destacou a atuação

42 Revista Fecomércio SE Abril/Maio 2017 - Nº 24


da imprensa como um meio de promover a atuação da justiça nas práticas das operações e ressaltou como o uso da mídia foi fundamental para o êxito das operações. Mostrando que as ações das justiças italiana e brasileira são muito convergentes para o combate à corrupção. Assim como no Brasil, a Itália também enfrentou um grande problema de corrupção em empresas estatais, que ao final da operação Mãos Limpas, foi avaliado que parte dos contratos realizados com a iniciativa pública foram alvo de corrupção por parte de políticos italianos. No Brasil, quanto mais se esmiúça os contratos públicos, mais fraudes vão sendo descobertas, inclusive nas companhias de hidrocarbonetos (petrolíferas). O exemplo colocado foi o da ENI em comparação com a Petrobrás, que também está envolvida profundamente em esquemas de corrupção. Envolvimento de fraudes em contratos com construtoras italianas, bem como no Brasil, também foram exemplificados em detalhes pela jurista, que passou um período na Itália, para conhecer mais aprofundadamente a Mãos Limpas. Ao final, Tacianny Machado lembrou que a atuação da operação Mãos Limpas levou ao fim de vários partidos políticos italianos, a exemplo do Partido Socialista Italiano e do Democrata Cristão, a prisão de vários políticos e empresários e o fim da Primeira República Italiana, junto com seu maior líder, o nove vezes premiê italiano, Guilio Andreotti, além de vários políticos e empresários que deram cabo de suas vidas, suicidando-se. Tacianny destacou a importância da realização dos Diálogos Empresariais, pela Fecomércio, valorizando a iniciativa e destacando o seu papel no desenvolvimento econômico e crescimento nacional, com a prática correta empresarial. “A Fecomércio é uma entidade de classe que tem um importante papel no desenvolvimento empresarial. São ações como essas que ajudam a promover as mudanças necessárias para um melhor ambiente de negócios. A multiplicidade de assuntos tratados pela Fecomércio é muito importante para a sociedade. O papel da entidade é fundamental para garantir a fluidez da economia e melhoria das relações comerciais, feitas de forma limpa e ética”, destacou.

que no cenário nacional na área de Direto do Trabalho e sua atuação destacada como difusora do conhecimento jurídico. “Receber a Dra. Tacianny aqui foi uma experiência enriquecedora. Hoje tivemos a oportunidade de entender melhor uma operação que desbaratou a corrupção na Itália e que está seguindo o mesmo ritmo de caça aos corruptos no Brasil. A nossa convidada é uma grande profissional do Direito do Trabalho, tem lutado junto com a Fecomércio de Minas Gerais, para buscar as melhorias nas relações trabalhistas e do ambiente de negócios e hoje nos brindou com uma excelente explanação sobre combate à corrupção. Ficamos muito orgulhosos de ter a visita de tão ilustre profissional aqui em Sergipe”, finalizou.

O presidente da Fecomércio, Laércio Oliveira, valorizou o trabalho da jurista mineira, lembrando que ela ocupa uma posição de destaAbril/Maio 2017 - Nº 24 Revista Fecomércio SE

43


trocandoideias A Conjuntura Econômica de 2016

Antonio Oliveira Santos

Presidente da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo

A atual recessão econômica teve início, praticamente,

go em fevereiro deste ano chegou a 13,2%. Esse é o

em 2014, quando o PIB nacional registrou crescimento

aspecto social da crise, o mais doloroso e preocupante.

quase nulo, 0,5%. A partir daí, a crise aprofundou-se: a atividade econômica caiu -3,8% em 2015 e - 3,6% em 2016, com escassas possibilidades de início de recuperação em 2017.

Estatisticamente, é fácil verificar que a atual crise fiscal da União, dos Estados e Municípios decorre do fato em que o Governo, sistematicamente, vem gastando mais do que arrecada. Esse Governo obeso é o resultado

A crise é abrangente e, de um modo geral, atingiu todos

claro do excesso do quadro de pessoal e dos altos sa-

os setores, com maior peso sobre a indústria. Em 2014,

lários obtidos pela pressão das diversas corporações,

as atividades industriais recuaram 1,5%, em 2015 6,3%

com apoio político.

e em 2016 estimava-se queda de 3,8%. O fato negativo mais notável foi a redução acentuada da formação bruta de capital fixo (FBCF), ou seja, os investimentos, que vêm registrando quedas sucessivas desde 2012, para chegar a uma retração de 10,2% em 2016. A agricultura tem sido o setor menos afetado, devido à válvula de escape das exportações dos produtos agropecuários, beneficiados pela China. Segundo o IBGE teremos uma safra recorde em 2017, com alta de 21,8% sobre a safra anterior. Na área externa, registramos o fato positivo e inédito de um superávit de US$47,68 bilhões na balança comercial, derivado de um pequeno decréscimo das exportações (-3,1%) e uma queda espetacular de 19,77% das importações. Durante vários anos o setor comércio/serviços teve um excelente comportamento, com crescimento de 2,2% em 2014. Entretanto, em 2016, a crise nacional atingiu também o comércio, que sofreu uma queda de vendas de 6,2%, com fechamento de 108,7mil lojas. Nesse contexto, a inflação apresentou uma nítida tendência de declínio em 2016, com alta de apenas 6,29% no IPCA e 7,17% no IGP-M.

O Governo da União vem enfrentando esse problema com o crescente endividamento público que, de 57% do PIB em 2014, caminha hoje para 80%. Essa manobra conta com a participação do Banco Central, através das “operações compromissadas”. Os Estados e Municípios também se endividaram ao extremo e atualmente não podem mais se endividar, face às limitações da Lei de Responsabilidade Fiscal. Por isso, muitos chegaram à insolvência, com todas suas desastrosas consequências. A nosso ver, feito o diagnóstico das crises, não há como fugir de soluções igualmente dramáticas, a começar pela aprovação da Reforma da Previdência Social, como foi sugerido em proposta do Presidente Temer ao Congresso Nacional. Isso é válido tanto para a União, como para os Estados e Municípios. Essas sugestões podem parecer duras e cruéis, mas é fácil perceber como são indispensáveis. A assunção do Governo Temer em maio de 2016, interinamente, e efetivo a partir de agosto, mudou as expectativas econômicas, como se pode constatar pelo índices de confiança dos empresários, especialmente na indústria e no comércio. As medidas já adotadas

Lamentável foi a retração do mercado de trabalho, com

pelo novo Governo, com relevante apoio do Congresso

a taxa de desemprego chegando a 11,3% em 2016 e

Nacional, abre uma perspectiva de recuperação econô-

o número de desempregados atingindo 12 milhões de

mica a partir de 2017. O empresariado do comércio de-

trabalhadores. Segundo o IBGE, o índice de desempre-

posita firme confiança no sucesso do Governo Temer.

44 Revista Fecomércio SE Abril/Maio 2017 - Nº 24


2017 O T S O G A A MAIO

reto r a B s ia b o T to r a g a L Aracaju Itabaiana

Manicure e Pedicure e Feminino o a c lin ti u á c s a rm M fo e In rt o m C e o Técnic Oratória rismo u T e d ia u G m e o Técnic dor de Idoso a em a ic id n u c C é T o ã ç a z li ia c Espe balho Estilista de Moda Enfermagem do Tra no Excel Espanhol Básico Controle de Estoque Inglês Básico Introdução ao Office ara Impressão p D 3 lo e d o Cozinheiro M o d n ra Prepa em Garçom Tratamento de Imagrafos Digital Para Fotóg Culinária Chinesa nservação Depilador o C e za e p im L e d te Agen mo Penteados e Visagis

r .b c a n e .s e .s w w w e it mação completa no s

Progra

Inscrições abertas!

r pessoalmente ua et ef e qu ãe m a ra 20% de desconto pa (a) no mês de maio* ho fil u se de a ou la cu sua matrí

se.senac.br facebook.com/SenacSE 79 3212-1560 Abril/Maio 2017 - Nº 24 Revista Fecomércio SE

45


46 Revista Fecomércio SE Abril/Maio 2017 - Nº 24

Revista Fecomercio #24 Abril Maio 2017  

Publicação da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Sergipe

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you