Page 1

Consumo AtravĂŠs do E-commerce no Recife 2015

1


SONDAGEM DE OPINIÃO Centro Moda 18 de Maio de 2015 – Caruaru/PE

INTRODUÇÃO Esta Sondagem, realizada para a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Pernambuco (Fecomércio-PE) pela Ceplan Multiconsultoria, objeto de convênio firmado entre o Instituto Oscar Amorim de Desenvolvimento Econômico e Social – Instituto Fecomércio-PE, e o Sebrae-PE, tem como finalidade atualizar o perfil dos estabelecimentos do Centro Moda 18 de Maio de Caruaru, tanto para os que comercializam confecções quanto para os que oferecem serviços na área em questão, e avaliar os impactos que os mesmos deverão sofrer com a iminente transferência da ‘feira da sulanca’ para outro local. Em julho de 2015 foi aprovado o projeto de mudança dessa tradicional feira, que atualmente é realizada no espaço do Centro Moda 18 de Maio, para um terreno à margem da BR-104, no sentido Caruaru-Toritama. Este estudo teve por base uma pesquisa direta levada a efeito junto a 390 estabelecimentos, realizada no período de 30 de setembro a 3 de outubro e de 26 a 28 de outubro de 2015. No contexto do trabalho, além da atualização de informações dos estabelecimentos que atuam diretamente e indiretamente no comércio de confecções do referido centro de compras, foram realizadas a análise da atividade econômica e a sugestão de ações por parte do poder público local e das entidades que representam os segmentos do comércio e dos serviços para que ajam no sentido de melhorar o local e, dessa forma, possibilitar aos empresários aprimoramento e modernização dos seus negócios.

Consumo Através do E-commerce no Recife 2015

O presente relatório, que resume os aspectos fundamentais do estudo realizado, abrange cinco capítulos além desta introdução. O capítulo inicial explicita o perfil dos estabelecimentos pesquisados, abordando aspectos como a atividade econômica predominante, a natureza da ocupação e as características do pessoal ocupado. O segundo capítulo apresenta uma análise dos tipos de clientes e fornecedores locais, com base em informações por atividade do estabelecimento, o destino das vendas e os dias da semana mais favoráveis à comercialização dos produtos. O capítulo três aborda os temas relacionados a marketing, comunicação e estratégias de comercialização, fundamentando-se em dados relacionados ao desenvolvimento dos negócios das empresas, especificamente em questões vinculadas ao abastecimento e mercado, tais como: a forma de divulgação da atividade, a política comercial, aspectos de identidade, ambientação, instalação, equipamentos utilizados, layout e equipe de trabalho. No quarto capítulo, de caráter mais qualitativo e estratégico, são tratados os seguintes temas: deficiências que os clientes do centro de compras apontam; disposição dos empresários em investir na divulgação, atração de clientes e promoção de vendas; ações nas quais os empresários estão dispostos a investir para alavancar os negócios; efeitos da saída da feira sobre os negócios dos estabelecimentos ali localizados; grau de importância que os empresários atribuem às entidades representativas do segmento do comércio e dos serviços atuantes na área e o que essas instituições poderiam promover para melhoria das atividades do Centro Moda. Ademais,

2


os empresários locais também sugeriram alternativas de utilização do novo espaço para onde a feira deverá ser transferida. Finalmente, o capítulo quinto traz de forma conclusiva as principais constatações da Sondagem sobre o Centro Moda 18 de Maio e os impactos que os estabelecimentos ali localizados terão com a transferência da ‘feira da sulanca’.

reuniões de trabalho, por fornecerem informações valiosas para o entendimento de aspectos relevantes relacionados com o Centro Moda 18 de Maio, uma atividade econômica local ainda pouco estudada. A essas pessoas a FecomércioPE agradece o empenho na prestação das informações que tornaram possível a realização dessa Sondagem.

É importante agradecer a colaboração das pessoas entrevistadas ou que participaram das

1. PERFIL DOS ESTABELECIMENTOS Questionados sobre a classificação de suas atividades, 59,7% dos empresários do Centro Moda 18 de Maio apontam que seus estabelecimentos atuam com ‘atacado e varejo’ (“atacarejo”, tipo de estabelecimento em que os preços de varejo costumam ser mais baixos quando o cliente compra um volume maior de mercadorias). Ressalte-se também que é significativa a proporção dos que indicaram a atividade varejista (29,2%), como se

vê no Gráfico 1. Ainda foram mencionadas, embora com pouca representatividade, a atuação em ‘atacado, varejo e confecção’ (4,4%) e a atividade apenas por ‘atacado’ (2,6%). Os demais empresários (4,1%) mencionaram diversas combinações de atividades dentre as quatro principais consideradas neste relatório (atacado, varejo, confecção e distribuição).

Gráfico 1 - Proporção dos estabelecimentos segundo as atividades realizadas (%) - 2015

Fonte: Pesquisa direta - Instituto Fecomércio-PE. (*) Entre as ‘Demais combinações’, considera-se mix das atividades do atacado, varejo, confecção e distribuição, em arranjos diversos.

Consumo Através do E-commerce no Recife 2015

3


No que diz respeito à natureza da ocupação, quase 2/3 dos entrevistados (66,2%) informaram que atuam em imóveis alugados, enquanto 30,5% são proprietários dos locais onde exercem

suas atividades (Gráfico 2). Diminuta parcela dos entrevistados não informou a natureza do imóvel (3,3%).

Gráfico 2 - Natureza do imóvel onde se localiza o estabelecimento (%) - 2015

Fonte: Pesquisa direta - Instituto Fecomércio-PE.

No que diz respeito ao mercado de trabalho, os estabelecimentos do Centro Moda 18 de Maio correspondem, na sua maioria, a micro e pequenas empresas, que ocupam no máximo até 9 pessoas, perfazendo um total de 86,2% nessa categoria. Observa-se que 10,0% das unidades produtoras empregam entre 10 e 19 trabalhadores, enquanto apenas 3,8% das empresas possuem entre 20 a 49 trabalhadores (Gráfico 3). A maior parcela das respostas dos lojistas entrevistados registra a ocupação de um empregado (23,8% dos estabelecimentos). Em seguida destaca-se a proporção

de unidades pesquisadas que possuem duas pessoas contratadas (19,5%). Em 10,8% dos estabelecimentos não há pessoas empregadas em apoio à atividade empresarial, pouco menos do que o percentual daqueles que contam com três pessoas ocupadas (11,3%). É importante destacar que 67,0% dos estabelecimentos do Centro Moda 18 de Maio empregam, no máximo, até 5 pessoas nas atividades, resultado que impacta na média geral de empregos, que também corresponde a 5 pessoas por estabelecimento.

Gráfico 3 - Proporção dos estabelecimentos segundo o número de empregados (%) - 2015

Fonte: Pesquisa direta - Instituto Fecomércio-PE.

Consumo Através do E-commerce no Recife 2015

4


2. CLIENTES E FORNECEDORES Ressalte-se que 36,9% dos empresários informaram o número aproximado de clientes. Com base nos dados informados, calculou-se uma média de 429 clientes por estabelecimento. Entre esses estabelecimentos, quase a metade (48,6%) tem no máximo 100 clientes e 20,8% têm 500 ou mais clientes (Gráfico 4). Com número de clientes entre 100 e 200, tem-se o indicativo de

20,2% dos estabelecimentos. Portanto, a grande maioria dos empreendimentos pesquisados, 68,8%, possuem no máximo 200 clientes. Esse fato reforça o entendimento de que o Centro Moda 18 de Maio se compõe majoritariamente de micro e pequenos empreendimentos, com um número limitado de clientes.

Gráfico 4 - Proporção dos estabelecimentos, segundo número informado de clientes (%) - 2015

Fonte: Pesquisa direta - Instituto Fecomércio-PE.

No que diz respeito à tipologia dos clientes, predominam os clientes ‘varejistas’ (37,9%), seguidos pelos ‘consumidores’ diretos (22,4%) e

‘sacoleiros’ que adquirem as mercadorias para vender geralmente no mercado informal (17,3%) - ver Gráfico 5.

Gráfico 5 - Distribuição do número informado de clientes, segundo o tipo de cliente (%) - 2015

Fonte: Pesquisa direta - Instituto Fecomércio-PE.

Consumo Através do E-commerce no Recife 2015

5


Por outro lado, em relação ao destino das vendas, constata-se que 80% dos estabelecimentos direcionam parte das suas vendas para a própria cidade de Caruaru (Gráfico 6), seguida da destinação para ‘Outros estados’ (71,8%), o Agreste de Pernambuco e ‘Outras regiões de

Pernambuco’ (ambos com 70,5% das respostas) e a Região Metropolitana do Recife (mencionada por 67,7%). Portanto, pode-se concluir que o destino das vendas é abrangente inclusive atingindo outras unidades da federação em proporção significativa.

Gráfico 6 - Proporção dos estabelecimentos segundo o destino das vendas (%) - 2015

Fonte: Pesquisa direta - Instituto Fecomércio-PE. (*) O somatório das categorias não totaliza 100%, pois a pergunta permitiu múltipla resposta.

Quando a análise volta-se para a distribuição das vendas ao longo da semana, observa-se que a quase totalidade dos estabelecimentos (93,8%) realizam vendas na segunda-feira, embora cerca de 3/5 das empresas pesquisadas também realizam vendas de mercadorias em outros dias da semana (de terça a sábado), como pode ser visto no Gráfico 7. Destaque-se que, dentre os

estabelecimentos que realizam vendas na segunda-feira, 1/3 negociam mais de 50% das vendas neste dia. Em síntese, em termos de distribuição das vendas, a segunda feira é o melhor dia. O sábado é o segundo melhor dia para a comercialização, quando 4,6% dos estabelecimentos realizam mais de 50% das vendas.

Gráfico 7 - Proporção dos estabelecimentos segundo os dias de realização das vendas (%) - 2015

Fonte: Pesquisa direta - Instituto Fecomércio-PE. (*) O somatório das categorias não totaliza 100%, pois a pergunta permitiu múltipla resposta.

Consumo Através do E-commerce no Recife 2015

6


Outro aspecto importante na consolidação do perfil das empresas consideradas neste estudo é repartição das vendas entre varejo e atacado. Nesse sentido, registre-se que a maior parte dos estabelecimentos vendem mais no varejo do que no atacado, independente do dia da semana

(Gráfico 8). Todavia, é relevante mencionar que as vendas no atacado concentram-se na segunda-feira, quando 36,6% dos estabelecimentos – o maior percentual da semana – vendem mais de 50% no atacado.

Gráfico 8 - Proporção dos estabelecimentos segundo o percentual de vendas por tipo nos dias da semana (%) – 2015

Fonte: Pesquisa direta - Instituto Fecomércio-PE.

Uma outra vertente da análise identifica que quase 3/4 das empresas do Centro Moda (72,1%) dos estabelecimentos mencionaram a aquisição direta via indústria como uma forma de abastecimento dos seus negócios. É também

significativa a proporção de empresas que têm como fornecedores de mercadorias os atacadistas (47,9%). Por sua vez, pouco menos de 1/3 dos entrevistados adquirem seus produtos através de ‘trading importador’ (Gráfico 9).

Gráfico 9 - Proporção dos estabelecimentos por tipo de fornecedores (%) - 2015

Fonte: Pesquisa direta - Instituto Fecomércio-PE. Obs.: O somatório das categorias não totaliza 100%, pois a pergunta permitiu múltipla resposta.

Consumo Através do E-commerce no Recife 2015

7


Os estabelecimentos do Centro Moda 18 de Maio mantêm relação comercial com maior frequência com fornecedores da média e/ou grande empresa industrial de São Paulo (56,2% das respostas). Como segunda opção, os entrevistados afirmaram recorrer a fornecedores da própria Caruaru (51,8%). Vale ressaltar que é relativamente expressiva a proporção de empresários

locais que obtém os produtos que comercializam de fornecedores das cidades que compõem o Polo de Confecções do Agreste - Santa Cruz do Capibaribe (32,1%) e Toritama (24,4%) – além de fornecedores de Fortaleza (7,4%), Recife (4,6%) e de João Pessoa (3,6%), o que mostra a relevância dos fornecedores nordestinos para as atividades comerciais do Centro Moda (Gráfico 10).

Gráfico 10 - Proporção dos estabelecimentos por origem dos fornecedores (%) - 2015

Fonte: Pesquisa direta - Instituto Fecomércio-PE. Obs.: O somatório das categorias não totaliza 100%, pois a pergunta permitiu múltipla resposta.

3. MARKETING, COMUNICAÇÃO E ESTRATÉGIAS DE NEGÓCIO É de fundamental importância para a questão do abastecimento e mercado a disponibilidade de informações sistemáticas quanto ao âmbito de desenvolvimento dos negócios das empresas. Nesse sentido, ressalte-se que os empresários pesquisados no Centro Moda 18 de Maio encontram-se atentos em relação a esse fundamento, com 2/3 (67,0%) realizando pesquisas na busca de informações para dinamizar seus negócios. Tal fato revela um bom nível de conhecimento das empresas locais no que tange ao ambiente em que operam. O Gráfico 11 mostra que 70,0%

dos entrevistados realizam pesquisa através da internet, sendo também significativa a parcela daqueles que consultam seus fornecedores para se atualizarem (45,0%). Também é marcante o percentual dos que observam seus concorrentes para terem ideia de como devem direcionar seus negócios (38,8%). A participação em palestras com especialistas ou entidades que atuam no ramo de atividade dos empresários é feita por 30,0% dos entrevistados, enquanto 16,0% tomam parte de missões empresariais.

Consumo Através do E-commerce no Recife 2015

8


Gráfico 11 - Proporção dos empresários segundo a pesquisa ou busca por informações sobre seu ambiente de negócios (%) - 2015

Fonte: Pesquisa direta - Instituto Fecomércio-PE. Obs.: O somatório das categorias não totaliza 100%, pois a pergunta permitiu múltipla resposta.

Outra forma de promover o desenvolvimento dos negócios é através da divulgação e, nesse sentido, nota-se que no Centro Moda 18 de Maio pouco menos da metade dos empresários (48,2%) fazem divulgação de suas lojas ou dos negócios que realizam. Os veículos mais comuns de divulgação utilizados pelos empresários correspondem às redes sociais e o rádio, com respectivamente 61,2% e 55,3% das indicações, como se vê no Gráfico 12. A televisão também é um meio de veiculação de certa forma difundido, usado por uma razoável proporção de estabelecimentos (31,9%). É importante destacar que pouco mais de ¼ (26,1%) dos empresários possuem site próprio na internet. Por sua vez, formas tradicionais de divulgação, como panfletos e outdoor, têm

razoável aplicação pelos estabelecimentos locais. O primeiro caso, por seu reduzido custo e devido à vantagem de alcançar grande penetração em um espaço de tempo reduzido, é utilizado por 23,4% dos entrevistados. Em relação ao outdoor, por ser um meio de comunicação de fácil visualização e de forma significativamente objetiva, atingindo diretamente diversos estratos sociais, apesar de mais oneroso, é usado por 20,2% dos empresários. Ainda foram mencionados como meios de divulgação dos seus negócios, porém com baixo percentual, o uso da mala direta (8,0% das respostas), o jornal da cidade de Caruaru (7,4%) e o carro de som (apenas 3,7%).

Consumo Através do E-commerce no Recife 2015

9


Gráfico 12 - Proporção dos empresários segundo a forma de divulgação de suas lojas ou dos negócios - 2015

Fonte: Pesquisa direta - Instituto Fecomércio-PE. (*) O somatório das categorias não totaliza 100%, pois a pergunta permitiu múltipla resposta.

Em relação à estratégia comercial, a maior parte dos empresários (78,2%) do centro de compras pesquisado declarou ter política comercial diferenciada para as atividades do atacado e do varejo. Essa diferenciação observa-se principalmente no que diz respeito à quantidade negociada

(73,6%), conforme o Gráfico 13, evidenciando que o volume de compras afeta o preço unitário. Para 50,7% dos empresários, o preço da concorrência é o principal influenciador na realização da venda.

Gráfico 13 - Proporção de empresários que diferenciam a política comercial para atacado e varejo (%) - 2015

Fonte: Pesquisa direta - Instituto Fecomércio-PE. Obs.: O somatório das categorias não totaliza 100%, pois a pergunta permitiu múltipla resposta.

Consumo Através do E-commerce no Recife 2015

10


Solicitados a manifestar sua opinião sobre aspectos físicos e comportamentais dos seus estabelecimentos, os empresários do Centro Moda teceram avaliações que os qualificam quanto à identidade visual, ambientação, instalações, equipamentos, layout e equipe de trabalho.

pelos empresários foi o da localização das lojas, com a aprovação de 85,9% das respostas (55,4% opinando como ‘boa’ e 30,5% considerando ‘ótima’). O aspecto que teve maior proporção de resposta com o indicador de ‘ruim’ diz respeito à ‘sonorização interna e externa das lojas’ (9,0%).

No que se refere a identidade visual e ambientação (Gráfico 14), o item melhor avaliado Gráfico 14 - Avaliação dos empresários quanto aos aspectos de identidade e ambientação dos estabelecimentos (%) - 2015

Fonte: Pesquisa direta - Instituto Fecomércio-PE.

Quanto aos aspectos de instalação e equipamentos, o Gráfico 15 mostra que o item melhor avaliado é o da ‘iluminação’, com 87,9% das respostas apontando opinião favorável (62,3% com o indicativo de ‘boa’ e 25,6% ‘ótima’). Por outro

lado, foi considerada como pior a ‘sinalização interna’, com 4,6% dos empresários reputando como ‘ruim’ e 17,4% como ‘regular’, totalizando 22,0% das respostas.

Consumo Através do E-commerce no Recife 2015

11


Gráfico 15 - Avaliação dos empresários quanto aos aspectos de instalação e equipamentos dos estabelecimentos (%) - 2015

Fonte: Pesquisa direta – Instituto Fecomércio-PE.

No que diz respeito aos aspectos de layout e comportamento da equipe de trabalho (Gráfico 16), foram bem avaliados os métodos de exposição e demonstração dos produtos, considerados positivamente por 88,9% dos entrevistados (63,3% fazendo ‘boa’ apreciação e 25,6% como

‘ótima’). No sentido mais negativo foi julgada a ‘apresentação pessoal dos colaboradores’, tanto no quesito vestuário quanto no de comportamento no atendimento aos clientes e na postura desses trabalhadores, com 11,0% das respostas (1,0% considerando como ‘ruim’ e 10,0% como ‘regular’.

Gráfico 16 - Avaliação dos empresários quanto aos aspectos de layout e equipe de trabalho (%) - 2015

Fonte: Pesquisa direta - Instituto Fecomércio-PE.

Consumo Através do E-commerce no Recife 2015

12


4. PERSPECTIVAS E EXPECTATIVAS SOBRE O COMÉRCIO LOCAL Para os clientes do Centro Moda 18 de Maio, a segurança é a maior deficiência daquele espaço, apontada pelos mesmos aos empresários locais (82,1% das respostas), seguida do estacionamento (69,7%) e do acesso ao local da ‘feira da sulanca’ (39,7%), como mostra o Gráfico 17. Pouco menos de um terço das respostas sobre as deficiências indicadas recaiu nos serviços de alimentação (32,6%), que segundo a clientela é muito débil na área.

Portanto, sendo um local - para fração significativa dos clientes - de difícil acesso, com precário estacionamento, inseguro e com oferta limitada de serviços de alimentação, infere-se que a mudança para outro local, se essas deficiências forem sanadas, seria bem aceita pelos clientes.

Gráfico 17 - Proporção dos empresários segundo as deficiências do Centro Moda 18 de Maio apontadas pelos clientes (%) - 2015

Fonte: Pesquisa direta - Instituto Fecomércio-PE. Obs.: O somatório das categorias não totaliza 100%, pois a pergunta permitiu múltipla resposta.

Questionados sobre a intenção de promover o desenvolvimento do Centro Moda 18 de Maio, menos da metade (47,9%) dos empresários afirmaram estar dispostos a realizar algum investimento direto ou participar coletivamente de ações que levem a divulgação, atração de clientes e crescimento das vendas. Dentre esses,

um terço aponta que campanhas publicitárias seriam um meio adequado para tal propósito (33,3%), seguido de desfiles de moda (19,0%) e de modernização da loja (16,9%). Percentuais menores de empresários indicaram outros meios para atrair os clientes, conforme pode ser observado no Gráfico 18.

Consumo Através do E-commerce no Recife 2015

13


Gráfico 18 - Proporção dos empresários segundo as ações nas quais estão dispostos a investir ou delas participar para alavancar os negócios no Centro Moda 18 de Maio (%) - 2015

Fonte: Pesquisa direta - Instituto Fecomércio-PE. Obs.: O somatório das categorias não totaliza 100%, pois a pergunta permitiu múltipla resposta.

Para aproximadamente 3/4 dos empresários (75,9%), a saída da ‘feira da sulanca’ do Centro Moda 18 de Maio terá efeitos tanto negativos quanto positivos sobre os negócios ou atividades que realizam. Entre os efeitos relacionados, predomina a opinião dos que apontam consequências negativas. Conforme pode ser visto no Gráfico 19, 75,0% dos empresários acreditam que deverá ocorrer redução no volume de vendas, sendo também expressiva a proporção dos que julgam que perderão clientela (70,9%), pois boa parte dela corresponde aos comerciantes da feira, cujo benefício maior é o da facilidade de

comprar suas mercadorias para revender sem precisar se deslocar para outros locais. Destacase ainda que 35,5% dos empresários admitem que terão um aumento nos seus custos como efeito dessa saída. Os efeitos positivos esperados são diminutos, com 8,1% dos entrevistados acreditando que aumentarão a clientela e também as vendas e apenas 2,4% achando que reduzirão seus custos.

Consumo Através do E-commerce no Recife 2015

14


Gráfico 19 - Proporção dos empresários segundo os efeitos da saída da feira do Parque 18 de Maio (%) - 2015

Fonte: Pesquisa direta - Instituto Fecomércio-PE. Obs.: O somatório das categorias não totaliza 100%, pois a pergunta permitiu múltipla resposta.

Questionados se pretendiam mudar de estratégia referente às atividades em que atuam, após a retirada da ‘feira da sulanca’, apenas 6,4% dos empresários disseram ter intenção de mudar (de varejo para atacado ou confecção, por exemplo) ou reduzir as atividades (de ‘atacarejo’ para varejo ou para atacado, por sua vez).

Perguntados se com a transferência da ‘feira da sulanca’ para outro local os estabelecimentos permaneceriam no Centro Moda 18 de Maio, 74,6% dos empresários entrevistados ressaltaram que pretendiam ficar, 13,8% apontaram que se mudariam para o novo local da feira, enquanto 11,5% ainda não haviam tomado a decisão da estratégia que utilizariam (Gráfico 20).

Gráfico 20 - Proporção dos empresários segundo a estratégia de localização após a saída da feira do Parque 18 de Maio (%) - 2015

Fonte: Pesquisa direta - Instituto Fecomércio-PE.

Consumo Através do E-commerce no Recife 2015

15


Inqueridos sobre a importância que as entidades que atuam na área têm para seus estabelecimentos, as respostas em certa medida mostram a relevância das instituições que estão mais presentes no ‘dia a dia’ das empresas locais. Nesse sentido, para os empresários locais as instituições que compõem o Sistema Fecomércio (Sesc, Senac e Instituto Fecomércio) tiveram a melhor avaliação entre as entidades que prestam apoio às atividades do comércio e dos serviços locais, com 26,4% dos entrevistados reputando como ‘muito importante’ a sua atuação (Gráfico 21).

A CDL Caruaru teve essa avaliação de 25,6% dos empresários, o Sindloja Caruaru de 24,9% e a ACIC de 23,6%. A entidade com maior proporção de resposta avaliada na categoria ‘importante’ foi a Sindloja Caruaru. Por sua vez, a organização com maior proporção de avaliação como ‘pouco importante’ foi a CDL Caruaru, assim reputada por 16,9% dos entrevistados.

Gráfico 21 - Grau de importância que os empresários atribuem às entidades representantes do comércio local - 2015

Sindloja Caruaru

Fonte: Pesquisa direta - Instituto Fecomércio-PE.

Questionados sobre que ações as instituições mencionadas poderiam promover para melhoria do setor do comércio na área, os empresários listaram algumas iniciativas, entre as quais destacam-se:

visando aumentar a segurança, melhorar a mobilidade na área e a infraestrutura física (banheiros públicos);

• Ampliar e organizar a feira existente (aumentar o número de dias e o horário de funcionamento, realizar melhorias visando dar mais conforto aos clientes), não havendo necessidade de mudá-la de local;

• Incentivar ações empresariais visando criar condições mais favoráveis para o comércio local;

Investir em publicidade;

• Incentivar a promoção de brindes e sorteios (principalmente em datas comemorativas); •

Buscar junto ao poder público parcerias

Incentivar a instalação de restaurantes;

• Realizar mais ações que sirvam para melhorar a qualificação de empresários / gestores e do pessoal que trabalha nos estabelecimentos; • Estimular e facilitar uma maior interação empresarial na área, incentivando e/ou promovendo a realização de cursos, palestras, feiras e rodada de negócios;

Consumo Através do E-commerce no Recife 2015

16


• Promover encontros e reuniões entre o poder público e setores do comércio e serviços visando conjugar esforços para facilitar a articulação e coordenação de ações que venham beneficiar os negócios na área.

• Colocar no Centro Moda 18 de Maio caixas eletrônicos;

No caso de o empresário entrevistado decidir permanecer no Centro Moda 18 de Maio mesmo com a mudança do local da ‘feira da sulanca’, perguntou-se o que o mesmo sugeriria para que o atual espaço fosse melhorado. As respostas de certa forma reproduzem as iniciativas sugeridas para as instituições de apoio ao desenvolvimento do comércio e dos serviços do Centro Moda 8 de Maio. Destacam-se entre as sugestões mais mencionadas:

Com a transferência da ‘feira da sulanca’ do Centro Moda 18 de Maio, os empresários desse centro de compras sugeriram algumas alternativas de utilização da área, sendo citadas as instalações de: estacionamento (22% das respostas), terminal de ônibus (21%), praça de lazer/ esportes, eventos e alimentação (7%), shopping popular (4%) e posto policial (3%). Alguns poucos mencionaram a instalação de hospitais, creches, faculdades, centros educacionais e edifícios empresariais. Aproximadamente 25% dos empresários não conseguiram expressar sua opinião.

• Organizar mais o espaço do parque da feira e providenciar com urgência uma faxina geral da área; • Implantar no espaço uma praça de alimentação; • •

• Tornar mais ativas as entidades de classe que atuam na área.

Vale ressaltar que as opiniões dadas pelos entrevistados não são excludentes, de forma que, em muitos casos, essas citações sugerem o uso ou melhoria mista de tais aspectos no Parque 18 de Maio enquanto aparelho público.

Colocar estacionamento no local; Promover a mudança de trânsito;

• Oferecer maior suporte em termos de infraestrutura física para os consumidores que vêm ao Centro Moda 18 de Maio; • Cuidar da segurança, se possível colocando nas proximidades um posto policial;

Por fim, os empresários foram questionados sobre, caso resolvessem se transferir para o novo local da ‘feira da sulanca’, que sugestões dariam para esse novo espaço visando melhorar o seu negócio. Nesse sentido, foram citadas: mais segurança com posto policial (9%), mais espaço com estacionamento organizado (8%), melhor infraestrutura de banheiros e iluminação (6%) e praça de lazer e alimentação (5%).

• Divulgar mais o comércio do Centro Moda 18 de Maio; • Melhorar o acesso ao Centro Moda 18 de Maio;

Consumo Através do E-commerce no Recife 2015

17


5. SÍNTESE E CONCLUSÕES De forma sumária a pesquisa identificou que: • A maioria das empresas que usam Centro Moda 18 de Maio é constituída de micro e pequenas empresas que atuam massivamente no varejo, mas também no atacado, de forma singular ou combinada, sendo a maior parte dos clientes situada no varejo; • Dois terços dos estabelecimentos operam seus negócios em imóveis alugados, fator que não imporia custos de transferência mais altos para os lojistas em caso de transferência para outro local; • Quatro quintos das empresas vendem para Caruaru, especialmente nas segundas-feiras; • A maior parte compra diretamente de indústrias e de empresas em São Paulo, embora seja também significativa a importância de fornecedores nordestinos, inclusive os locais; • As empresas buscam informações sobre o ambiente de negócios, embora menos da metade os divulguem e, quando o fazem, utilizamse mais das redes sociais e do rádio; • As empresas praticam preços diferenciados para o varejo e para o atacado, evidenciando que o volume de vendas influencia o preço unitário para o cliente; • A maior parte dos estabelecimentos está satisfeita com a localização, identidade, ambientação, layout e equipamentos usados nas lojas, mas aponta que a segurança do lugar se constitui na maior deficiência;

• As empresas consideram, em sua maioria, que a mudança no local da feira vai afetar negativamente os negócios, mas não querem mudar nem de localização nem de estratégia se isso ocorrer; • As empresas não querem mudar de local de negócios e fizeram sugestões para melhorar o comércio na área em que atuam, mas, se a transferência for inevitável, também fizeram recomendações especialmente no âmbito da segurança e sugeriram também usos alternativos para a área a ser desocupada; • As empresas valorizam a Fecomércio e as afiliadas bem como as instituições locais. O centro de compra Centro Moda 18 de Maio é um tradicional sitio de comércio em Caruaru , tendo as empresas ali localizadas um padrão de comportamento típico dos micro e pequenos estabelecimentos que operam no varejo e no atacado do segmento de tecidos e confecções. O padrão em geral é conservador, resistente a mudanças, mas os empresários demonstram que poderão se adequar ao novo sitio de negócios se a mudança ocorrer. A modernização de algumas práticas de marketing, comercialização e de gestão e uma maior atenção das autoridades locais com objetivo de dotar de mais alta segurança e melhor infraestrutura de acesso, estacionamento e alimentação o novo sitio comercial poderão atrair ainda mais clientes para os negócios desse grupo de empreendedores que mudaram a fisionomia econômica daquele território e do seu entorno.

Consumo Através do E-commerce no Recife 2015

18


EXPEDIENTE - FECOMÉRCIO-PE Presidente: Josias Silva de Albuquerque Diretora-executiva do Instituto Fecomércio: Brena Castelo Branco Economista: Rafael Ramos Designer: Nilo Monteiro Revisão de Texto: Aleph Consultoria Linguística

EXPEDIENTE - CEPLAN-PE Jorge Jatobá Osmil Galindo Roberto Alves Juliana Bacelar Ademilson Saraiva

Consumo Através do E-commerce no Recife 2015

19


Consumo AtravĂŠs do E-commerce no Recife 2015

20

Profile for Fecomercio PE

Sondagem de Opinião - Centro Moda 18 de Maio de 2015  

Sondagem de Opinião - Centro Moda 18 de Maio de 2015  

Advertisement