Page 1

AN.com.br

AN.economia Muito dinheiro no bolso

Muito dinheiro

no bolso

Muito dinheiro no bolso

Muito

dinheiro no bolso

Muito dinheiro no bolso

Muito dinheiro no bolso

Muito dinheiro no bolso

Muito dinheiro

no bolso

Muito dinheiro no bolso

A coordenadora da Regional Norte do Sebrae, Zenilde Balsanelli, conversa, nesta segunda, às 10 horas, com os internautas, sobre empreendedorismo.

Muito

dinheiro no bolso

Muito dinheiro no bolso

Mu

d no bo

Minha empresa, minha

vida PENA FILHO, BD, 15/6/2007

DIORGENES PANDINI

LARISSA GUERRA larissa.guerra@an.com.br

Começar um negócio depende de muito estudo e de saber aproveitar as oportunidades do mercado

Se Alinie Araújo parasse anos atrás para pensar no que gostaria de fazer para o resto da vida, sua resposta provavelmente seria estar envolvida naos cuidados de saúde, atuando como farmacêutica. Mas depois de trabalhar durante sete anos na área e fazer tentativas em diferentes segmentos, Alinie desistiu da profissão que tinha escolhido. À procura de uma solução que pudesse garantir a felicidade profissional, ela percebeu que sua criatividade e sua disposição para organizar eventos da família poderia ser uma ótima fonte de renda. Há um ano, ela deixou a farmácia para mergulhar em um universo de muitas cores, alegria e de diversão, montando seu próprio negócio, especializado em decoração e montagem de festas. A história de Alinie deve soar familiar para milhões de brasileiros que encontraram oportunidades de empreender. O Brasil é um país de empreendedores. Segundo o levantamento Global Entreupreneurship Monitor, até 2009, o

MAELLEN MUNIZ maellen.muniz@an.com.br

Brasil tinha cerca de 21 milhões de micro e pequenos e empresários. Segundo o superintendente do Sebrae na região Norte, Jaime Arcino Dias Júnior, a conta só subiu depois da implantação da Lei do Microempreendedor Individual, que legalizou milhares de trabalhadores que atuavam sem qualquer tipo de orientação ou programa que atendesse diretamente a este público. “Nós temos uma vocação empreendedora muito grande. Só em Joinville, nós temos cerca de 26 mil pequenas e microempresas. É um número expressivo, que mostra a força que o microempreendedor e o micro e pequeno empresário possuem na região”, afirma Jaime. O superintendente conta que há dois tipos predominantes de empreendedores – os que abrem um negócio por necessidade e os que usam as oportunidades do mercado para empreender. No primeiro caso, a pessoa começa um negócio como forma de garantir seu sustento e de sua família, tendo mais pres-

sa em ver lucros e não se preocupando, muitas vezes, em fazer um planejamento detalhado de suas atividades. No segundo tipo, o negócio surge depois de se observar que há um segmento a ser explorado e é normalmente característico de quem quer aumentar sua renda, mas não vê problemas se não tiver ganhos imediatos. Segundo a pesquisa da Global Entreupreneurship Monitor, há 2,4 empreendedores por oportunidade para cada empreendedor por necessidade no Brasil. Alinie acredita que se identifica mais com o perfil de quem viu uma chance para conseguir abrir o seu negócio. “Deixei meu emprego e decidi primeiro que ia estudar o mercado, fui a São Paulo fazer cursos sobre festas e vi que tinha uma boa oportunidade para empreender”, conta. O sucesso é batalhado dia a dia e começa a render frutos. No ano que vem, conta, a meta é alugar um espaço, criando uma sede física de sua empresa.

DUAS FASES Alinie abandonou a carreira de farmacêutica para ser organizadora de eventos

Minha empresa, minha vida (A Notícia) - Larissa Guerra e Maellen Muniz (1)  

Reportagem de Larissa Guerra e Maellen Muniz, do A Notícia, vencedoras do 3º lugar no Prêmio Fecomércio SC de Jornalismo, na categoria Jorna...

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you