Issuu on Google+


Uma batalha sem descanso

E

sta é a primeira edição do Almanaque Brasil de Cultura e Saúde, uma espécie de filhote do Almanaque Brasil de Cultura Popular, distribuído desde 1999 nos voos da TAM. A revista nasceu da parceria entre a Federação Brasileira de Entidades de Combate ao Câncer (Febec), a Associação Paulista de Supermercados (APAS) e a Andreato Comunicação e Cultura, que publica o Almanaque. A vendagem será revertida para o trabalho das voluntárias que, dia após dia, numa incansável jornada, juntam forças para auxiliar quem sofre de câncer. Os recursos serão destinados a ações de prevenção e apoio biopsicossocial aos pacientes. Muito além da mobilização em torno de catástrofes que de tempos em tempos comovem o País, essas voluntárias estão em constante atuação. Angariam fundos, providenciam transporte, garantem medicamentos, fornecem alimentação e, sobretudo, dão carinho e atenção para pessoas que se encontram num momento tão delicado da vida. Para ajudar nessa batalha que não permite descanso, você pode assinar a revista, recebendo-a todos os meses em sua casa. Em breve será possível também adquirir as novas edições nos supermercados filiados à APAS ou com uma das muitas voluntárias das Ligas de Combate ao Câncer. Os temas vão sempre girar em torno da cultura brasileira e da saúde. Nesta edição inaugural, destacamos o trabalho do Doutores da Alegria, a partir de uma entrevista com seu fundador, Wellington Nogueira. Ganham espaço também seções exclusivas, como Gente Ajudando Gente, que traz a voluntária-símbolo dona Itália, e Muito Obrigado, com o agradecimento de Osvaldo Martini, que encontrou na música um antídoto contra a doença da mulher e a sua própria. Já a Carta Enigmática que abre a edição refaz brevemente a trajetória das Ligas de Combate ao Câncer. E revela: onde há voluntários, a sobrevida dos pacientes sobe 12%. Você ficará sabendo também qual é a origem dos almanaques, esse saboroso formato que encantou gerações e ainda mostra que tem muito a dizer. Além disso, a revista traz informações, curiosidades, turismo, culinária. E até causos e piadas, porque rir é o melhor remédio. Enfim, é cultura e diversão para pequenos e grandalhões. Receba todos os meses o Almanaque Brasil de Cultura e Saúde em sua casa. Além de abastecer seu tanque de cultura brasileira, você estará dando uma importante contribuição para a luta contra o câncer no País. Você pode também presentear amigos e parentes com uma assinatura da revista. Custa apenas R$ 71 ao ano. Quem sabe eles façam o mesmo, ampliando ainda mais essa rede de solidariedade em torno de uma causa tão importante. Para assinar a revista, acesse www.febec.org.br. Ou ligue: (11) 2166-4100.

Diretor editorial Diretor executivo Editor

João Rocha Rodrigues

Editor de arte Editora de imagens

Dennis Vecchione Laura Huzak Andreato

Editor contribuinte Redatores

Elifas Andreato

Bento Huzak Andreato

Mylton Severiano

Bruno Hoffmann e Natália Pesciotta Revisor

Lucas Puntel Carrasco

Guilherme Resende e Paula Chiuratto

Assistentes de arte

Assistente administrativa Assessoria jurídica

Jornalista responsável

João Rocha Rodrigues (MTb 45265/SP)

Impressão

Presidente

Eliana Freitas

Cesnik, Quintino e Salinas Advogados Gráfica Oceano

Antonio Luis Cesarino de Moraes Navarro Rua Silva Airosa, 40. Vila Leopoldina São Paulo-SP cep 05307-040 Fone: (11) 2166-4131

 O Almanaque Brasil de Cultura e Saúde é uma publicação mensal da Andreato Comunicação e Cultura em parceria com a FEBEC – Federação Brasileira de Entidades de Combate ao Câncer. A revista é distribuída por assinatura, pelos estabelecimentos filiados à Associação Paulista de Supermercados (APAS) e pelos voluntários das Ligas de Combate ao Câncer.

Correspondências

Rua Dr. Franco da Rocha, 137 - 11º andar Perdizes. São Paulo-SP CEP 05015-040 Fone: (11) 3873-9115 culturaesaude@almanaquebrasil.com.br

O Almanaque Brasil de Cultura e Saúde está sob licença Creative Commons. A cópia e reprodução de seu conteúdo são autorizadas para uso não-comercial,

O meu próximo, para mim, é como eu mesmo.

desde que dado o devido crédito à publicação e aos autores. Não estão incluídas nessa licença obras de terceiros. Para reprodução com fins comerciais, entre em contato com a Andreato Comunicação e Cultura.

Terêncio, poeta e dramaturgo romano

Sumário 4 carta enigmática

18 eSPECIAL Quanta História de Almanaque

29 Almacrônica por Lourenço Diaféria

5 você sabia?

22 jogos e brincadeiras

30 em se plantando tudo dá Castanha-do-pará

11 GENTE AJUDANDO GENTE Dona Itália

23 o teco-teco

32 Rir é o melhor remédio

12 PAPO-cabeça Wellington Nogueira

24 VIVA O BRASIL Santana de Parnaíba - SP

33 CAUSoS de Rolando Boldrin

16 Ilustres Brasileiros Henfil

28 temperos e sabores Moqueca Capixaba

34 muito obrigado por Osvaldo Martini


+ s

-



- imidos + ovam

-

´s

do

N

o começo dos anos 1990, o Hospital Amaral Carvalho, de Jaú, no interior de São Paulo, já era uma referência nacional em tratamento de câncer. Gente de todo o Estado vinha se cuidar gratuitamente na instituição. O tratamento era de ponta, mas, longe dos familiares, e muitas vezes com pouco dinheiro, os pacientes enfrentavam dificuldades. Diante desse quadro, nasceu a Entidade de Assistência Social Anna Marcelina de Carvalho. Os integrantes da entidade dedicam parte do dia para realizar pequenas atitudes, mas que são gigantescas para quem se encontra num momento de tanta fragilidade. O trabalho dos voluntários cresceu. Em 1996, foram criadas as Ligas de Combate ao Câncer, e esses grupos se espalharam pelas cidades que costumavam encaminhar pacientes ao hospital.

Juscelino Kubitschek era famoso por fazer a alegria dos fotógrafos. Poucos como ele apareceram em situações e companhias tão memoráveis. Em 1961 recebe Kim Novak, atriz de Um Corpo que Cai (Alfred Hitchcock, 1958). Depois de cerimônia de gala com a beldade de Hollywood, o presidente senta a seu lado e inadvertidamente tira os sapatos. Kim o imita. A foto corre os jornais. Alguns ligam o gesto à fadiga dos famosos pés-de-valsa. Nelson Rodrigues explica: “O Brasil é justamente isso: um presidente que tira os sapatos para uma beleza mundial”.

-

- mesa + vida

-

- e

b

-

bito

- fista + entes

rano Solução na p. 22

Os voluntários difundem informações sobre a doença, providenciam transporte para Jaú, fornecem roupas e calçados, servem comida, acompanham o tratamento. Essencialmente, com carinho e atenção, tratam de amenizar as dificuldades por que passam os doentes. Hoje existem 91 ligas, quase todas em São Paulo – com exceção de uma em Brasilândia, no Mato Grosso do Sul, e outra em Muzambinho, Minas Gerais. É a maior rede de voluntários de combate ao câncer do País. Todos os dias, cerca de quatro mil pessoas tornam a vida de pacientes mais agradável. Sempre preparadas para – sem receber nada em troca – fazer o bem para pessoas que talvez nem conheçam. Mas que nunca mais vão esquecer delas.

reprodução

- eiro + isas

Janeiro 2010


20/1/1977

INAUGURAÇÃO DO TERMINAL DE PASSAGEIROS DO AEROPORTO INTERNACIONAL DO RIO DE JANEIRO, MAIS CONHECIDO COMO GALEÃO.

20/1/1985

J A N E I R O

Milagres que 6/1

dia da gratidão

INAUGURAÇÃO DO AEROPORTO INTERNACIONAL DE SÃO PAULO/GUARULHOS, MAIS CONHECIDO COMO CUMBICA.

de quem são estes olhos?

o amor opera

Olhos que pertencem a uma figurinha carimbada do cinema brasileiro. Nascido em São Paulo no dia 3 de janeiro de 1969, chegou a cursar a faculdade de Belas Artes antes de subir aos palcos. Na tevê, estourou como o Cintura Fina de Hilda Furacão, e não parou mais. Seu currículo, além das novelas e minisséries, conta com mais de 20 filmes, dentre os quais os aclamados Central do Brasil e Cidade de Deus.

 Carmen Dias: “Vivi uma vida de amor”.

C

armen Annes Dias Prudente abraçou uma causa que já dura décadas e não tem prazo para terminar. Arrastou um exército de voluntárias numa tarefa de amor. A resposta para tanta força chega suave. “A maior alegria é ver uma criança curada.” Em viagem à Alemanha, Carmen conheceu o cirurgião Antônio Prudente. Amor à primeira vista. Casaram-se. Chegaram a São Paulo em 1938 com o sonho: construir hospital para tratar cancerosos. Em 1946 nasce a Rede Feminina de Combate ao Câncer. Sete anos depois, o Hospital. Mesmo com a morte súbita do marido, em 1965, Carmen seguiu em frente. Criou a Fundação Antônio Prudente, em 1973. Como vice-presidente da Fundação e presidente da Rede Feminina de Combate ao Câncer, fez milagres para manter as portas abertas. Melhor momento do dia: rolar no chão, brincar com as crianças. “Deus não quis que tivéssemos filhos, por isso as amo tanto.” Símbolo do combate ao câncer no Brasil, morreu aos 89 anos. Pouco antes, declarou: “Sou uma pessoa muito feliz e realizada. Vivi uma vida de amor”.

Doutor Joe receita alegria aos pacientes O

batente começa cedo: às 5 da manhã. Doutor Joe Spencer Wood Gold chega ao hospital com crachá e tudo. De leito em leito, visita todos os pacientes. E quando entra no setor de pediatria é uma festa só. A criançada sai pelos corredores para brincar com o terapeuta. Joe tem apenas 5 anos e é um cão da raça Golden Retriever que trabalha como voluntário em três hospitais de São Paulo. Sua função é divertir crianças e adultos doentes. Quando as irmãs Luci e Ângela conheceram Joe, em 2004, logo perceberam que a doçura do cão poderia ser um santo remédio para a rotina dos hospitais. O animal foi adestrado e conseguiu o primeiro emprego em um asilo. Fez tanto sucesso que hoje há fila de espera por ele. Com a procura pelos atendimentos, as donas trataram de ampliar a equipe. Nasceu assim o projeto Joe,

31/1

dia mundial da solidariedade

laura Huzak Andreato

iolanda huzak

Confira a resposta na página 22

Santo remédio: Luci, Joe e a pequena Vivian.

o Amicão, e os Cãopanheiros. Se o paciente está quieto, os cães apenas se sentam ao lado da cama. Sem latir, esperam. Os sorrisos e toques não demoram a aparecer. São o pagamento certo para cada consulta. Para os médicos, a presença dos animais é uma injeção de alegria que ajuda na recuperação dos doentes. Um dos pacientes de Joe era um menino que operou os olhos e se recusava a abri-los após a cirurgia. “Foi só o Joe aparecer, ele arregalou os olhinhos e correu para abraçá-lo. Por isso o trabalho vale tanto a pena”, conclui Luci.

Saiba Mais No Youtube, assista a um vídeo publicitário estrelado por Joe. Procure por “Joe“ e “Graac“.


Reprodução

Prefeito acaba com cortiço e inaugura as favelas



S

Ilustração de Angelo Agostini, de 1893, sobre o episódio.

ó vemos um conselho a dar a respeito dos cortiços: a demolição de todos. Essa podia ser apenas mais uma frase de efeito na tese de concurso de um candidato à vaga de professor na Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro. Isso caso o doutor em questão não fosse o futuro primeiro prefeito da Capital Federal. Na monografia de 1877, o baiano Cândido Barata Ribeiro discorria sobre as medidas sanitárias para impedir a propagação da febre amarela. Quinze anos depois, já no comando da prefeitura, não esqueceu daquelas palavras. O maior cortiço do Rio de Janeiro estava com os dias contados.

Noite de 26 de janeiro de 1893. A entrada principal do cortiço apelidado de Cabeça de Porco é invadida por autoridades policiais e sanitárias. A despeito do destino que teriam os moradores (quase quatro mil), uma verdadeira operação de guerra é montada para o bota-abaixo. Às sete e meia, a entrada da estalagem é bloqueada. O prefeito assume pessoalmente o andamento da operação, acompanhado do exército, de policiais e de cerca de 140 operários. Com o início da “cirurgia”, o primeiro lado a ruir é o esquerdo, supostamente desabitado. Mas basta despencarem as primeiras telhas para que crianças e mulheres corram desesperadas. Quando partiram para o lado direito, sabidamente ocupado, deu-se novo impasse: ninguém queria sair. Assim mesmo, tudo foi derrubado. Ao raiar do dia, Barata havia vencido o Cabeça de Porco. E, como prova de compaixão, teria mandado “facultar à gente pobre que habitava aquele recinto a tirada das madeiras que podiam ser aproveitadas”. Não se sabe se o desfecho era esperado: móveis e entulhos reutilizáveis subiram o morro junto com os desalojados, formando o Morro da Favela, a primeira das favelas cariocas. Segundo o historiador Sidney Chalhoub, com a destruição do Cabeça de Porco, nem bem se anunciava o fim da era dos cortiços, e a cidade do Rio já entrava no século das favelas.

Saiba mais Cidade Febril: Cortiços e epidemias na corte imperial, de Sidney Chalhoub (Companhia das Letras, 1996).

Origem da expressão Dourar a pílula

édios, os donos das rmos em ingerir os amargos rem Sabendo da resistência dos enfe o-os em papéis elezar seus produtos, embrulhand antigas farmácias costumavam emb cada quando apli ão, ress exp s atraentes. Vem daí a finos, na tentativa de torná-los mai ia de algo. alguém tenta melhorar a aparênc

/1 14 do

dia ador de trein ol futeb

ESSE É O AVELINO

Para ganhar,

usou até cavalo no campo

e vela no vestiário

Arquivo ag. O Globo

Barata versus porco

J

oão Avelino surpreendia torcedores, dirigentes e jogadores. Jeito simples, sempre trazia na manga tática nova, surpreendente, quando não irreverente. Nascido em 1929, treinou clubes de menos recursos, de norte a sul do País. No Ceará, quando comandava o Fortaleza, percebeu que teria problemas com a estatura do goleiro: apenas 1,70 metro. Pediu para baixarem a altura das traves um tantinho. O time ganhou o título regional, perseguido por cinco anos. Só mais tarde perceberam a “tática”. No Remo, de Belém, mandou encharcar o campo no jogo contra o então poderoso Flamengo. Soltou uma tropa de cavalos que destruiu o gramado. Resultado: zero a zero, o melhor que poderia acontecer. Em 1986, Avelino dirigia o América de Rio Preto, do interior paulista. Supersticioso, apetrechou o vestiário com imagens de santos, altar, velas. Recebeu a visita do empresário Jota Ávila. Começou a brincadeira, registrada pelo jornalista Flávio Prado: – Pô, João, você é muito antiquado. Acabei de acompanhar a seleção argentina, campeã do mundo. O técnico Carlos Bilardo mostrou que os jogos devem ser ganhos com a modernidade. Aí eu entro no vestiário do meu time e vejo você com velas. Tenha dó! Avelino abraçou Ávila e perguntou: – Quem era mesmo o número dez do Bilardo? – O Maradona. – Pois é. O meu é o Niquinha. O Niquinha!


7/1

dia do leitor

Aos que não gostam de ler por Rubem Alves

N

ada tenho a dizer aos que gostam de ler. Eles já sabem. Mas tenho a dizer a quem não gosta. Pena que, por não gostar de ler, é provável que não leia isto: “Você não sabe o que está perdendo.” Ler é uma das maiores fontes de alegria. Claro, há livros chatos. Não leia. O escritor argentino Jorge Luis Borges dizia que, se há tantos livros deliciosos, por que gastar tempo lendo um que não dá prazer? Na leitura, fazemos turismo sem sair de casa, gastando menos dinheiro e sem correr riscos. O Shogun me levou pelo Japão do século 16, em meio a ferozes samurais e sutilezas do amor oriental. Cem Anos de Solidão, que reli faz meses, me produziu espantos e ataques de riso.

Achei que Gabriel García Márquez deveria estar sob efeito de alucinógeno. Lendo, você experimenta seu mundo fantástico sem precisar de “aditivos”. É isso: quem lê não precisa de alucinógeno. Nunca tinha pensado nisso. A poesia do Alberto Caeiro me ensina a ver, me faz criança e fico parecido com árvores e regatos. Agora, essa maravilha de delicadeza e pureza, do Gabriel velho, com dores no peito e medo de morrer: Memórias de Minhas Putas Tristes. Li, ri, me comovi, fiquei leve e fiquei triste de o ter lido, porque agora não poderei ter o prazer de lê-lo pela primeira vez. Pena que você, não-leitor, seja castrado para os prazeres que moram nos livros. Mas, se quiser, tem remédio.

ESSE FOI GRANDE

Treze pontos, azar ou sorte?

E

m futebol, o pior cego é o que só vê a bola, disse Nelson Rodrigues num de seus inúmeros escritos sobre o futebol. O dramaturgo, escritor e jornalista tinha muitas obsessões. Uma delas era a loteria esportiva. Após a instituição da “loteca”, em 22 de janeiro de 1970, passou a jogar – às vezes, várias apostas na semana. Faria isso até o último dia de vida. Nelson Rodrigues Frequentador do Maracanã, conhecedor e entusiasta do futebol, caprichava nos palpites. Porém, jamais tirava a sorte grande; culpava os “idiotas da objetividade” e o impagável Sobrenatural de Almeida, criações dele. Por ser tuberculoso e fumante compulsivo, condições incompatíveis – óbvio ululante –, tinha a saúde debilitada. Na tarde de 21 de dezembro de 1980, acertaria, enfim, os 13 pontos da loteria esportiva num “bolão”, prática comum nas redações onde trabalhava. Nunca ficou sabendo de sua conquista. Havia morrido naquela manhã.

Arquivo/AE

Rubem Alves é escritor.

sexta sábado domingo segunda terça quarta quinta sexta sábado domingo segunda terça quarta quinta sexta sábado domingo segunda terça quarta quinta sexta sábado domingo segunda terça quarta quinta sexta sábado domingo

Martinho Marcelino Genoveva Caio Eduardo Melânio Reinaldo Vidal Juliano Petrônio Honorata Taciana Leôncio Dácio Isidoro Marcelo Mariano Liberata Marta Fabiano Frutuoso Gaudêncio Áquila Artêmio Ananias Tito Mauro Cirilo Báculo Hipólito Luísa



Santa Genoveva Em 451, aos 28 anos, Genoveva convenceu os habitantes de Paris a não entregar a cidade aos hunos e aplacou a ira de Átila com suas preces. Especula-se que teria informado ao invasor sobre uma epidemia de cólera, dissuadindo-o de sitiar a cidade. Viveu até os 89 anos. É a santa padroeira de Paris.

Saiba mais O Anjo Pornográfico – A vida de Nelson Rodrigues, de Ruy Castro (Companhia das Letras, 1992). Janeiro 2010


Fases da Lua

1 . 2 . 3 . 4 . 5 . 6 . 7 . 8 . 9 . 10 . 11 . 12 . 13 . 14 . 15 . 16 . 17 . 18 . 19 . 20 . 21 . 22 . 23 . 24 . 25 . 26 . 27 . 28 . 29 . 30 . 31 minguante

nova

crescente

SABEDORIA POPULAR

ARTE PELA VIDA

Projeto no Amapá transforma quintais em farmácias 20/1

Nhozinho lutou contra a doença para deixar seu legado O

maranhense Antônio Bruno Pinto Nogueira, mais conhecido como Nhozinho, nasceu em Bacuripanã em 1904. Sua infância foi normal até os 12 anos, quando tumores e feridas começaram a aparecer em suas mãos. Depois, a chaga se alastrou para as pernas e pés, impedindo-o até mesmo de vestir-se. O diagnóstico, nunca confirmado precisamente, era que sofria de sífilis. Confinado em casa, Nhozinho passou a confeccionar pequenos objetos de madeira que serviam de presente aos amigos – de presépios a carrinhos de boi. Aos 32 anos, com o corpo bastante deformado, começou a fabricar também as próprias ferramentas: facas, serrotes, formas, furadores, prensas e até um carrinho para sua locomoção. Tempos depois, muda-se para São Luís. Adota o buriti como matéria-prima e começa a vender timidamente sua arte. Enquanto diverte a criançada com brinquedos, torna-se referência em bonecos de bumba-meu-boi, figurasímbolo do folclore maranhense. Ferreira Gullar escreve: Rara é a pessoa em São Luís que não o conhece, e mais rara a que, conhecendo-o, não goste dele. Em O Globo, é chamado de o mais famoso artesão do Maranhão. Ganha exposições no Brasil e na Itália. Junto do reconhecimento, porém, vem o agravamento da doença. No auge da carreira, Nhozinho morre, em maio de 1974. Tal como Aleijadinho, foi um escultor de talento ímpar que não se deixou abalar nem mesmo diante das piores condições de saúde.

Divulgação

Formação de coletores do projeto Farmácia da Terra.

or que sempre apelar para os medicamentos convencionais quando temos uma verdadeira farmácia à disposição no quintal? Pensando nisso, pesquisadores do Instituto de Pesquisas Científicas e Tecnológicas do Amapá criaram o projeto Farmácia da Terra, que se baseia na tradição local para desenvolver medicamentos naturais contra doenças simples. Além de terem um custo mais baixo, os chamados fitoterápicos preservam e difundem a sabedoria popular e têm a capacidade de melhorar a qualidade de vida da população, que em muitos casos não tem acesso aos medicamentos convencionais. No projeto, agentes de saúde, parteiras, estudantes, professores e líderes comunitários aprendem a montar hortas, a extrair espécies da floresta e as indicações de uso das plantas. O Farmácia da Terra exige uma equipe básica, composta de dois farmacêuticos, um enfermeiro, um nutricionista e um técnico agrícola. O grupo tem a responsabilidade de estabelecer o projeto, desde o primeiro contato com as comunidades até a execução das oficinas, passando por treinamentos de plantio, manejo, coleta, secagem e armazenagem, além da produção de remédios caseiros. O projeto é dirigido às zonas rurais, mas pode ser implantado até mesmo em condomínios fechados nas cidades, diz Terezinha de Jesus dos Santos, coordenadora do Farmácia da Terra. “O mais importante é saber usar as plantas de forma eficaz e segura.” Hoje o projeto está em 21 comunidades de 12 municípios do Amapá. Saiba mais Site do Instituto de Pesquisas Científicas e Tecnológicas do Amapá: www.iepa.ap.gov.br

Acervo Casa de Nhozinho

P

14mu/nd1ial

dia nfermo do e

dia do tico farmacêu



cheia

Saiba mais Nhozinho: Imensas miudezas, organização de Alice Cavalcante e Heloisa Alves (Sábios Projetos, 2007).


aquário

j a n e ir o ta m b é m te m

o baú do Barão “De médico e delirante, todos nós temos bastante.” Nossa homenagem a Aparício Torelly, o Barão de Itararé.

O aquariano tem sintonia com tudo o que é diferente, novo e moderno. Costuma entender o mundo como um conjunto. Adora investigar e descobrir a razão das coisas. Bondoso e tranquilo, desafia o sistema e aquilo que possa representar opressão. Tem verdadeiro horror ao comodismo e às ideias cristalizadas. Em qualquer tipo de relacionamento, detesta cobranças.

Façanha brasileira

Fotografou o corpo humano

por dentro

4/1

dia da a naciona breu l grafi a

m 1922, Manoel Dias de Abreu volta ao Brasil depois de oito anos na Europa. Encontra a Cidade Maravilhosa assolada pela tuberculose: “Havia óbitos, não havia doentes, os quais ocultavam seu diagnóstico na espessa massa da população; os poucos doentes que havia procuravam o dispensário na fase final da doença.” Nascido em São Paulo a 4 de janeiro de 1894, Abreu diplomou-se pela Faculdade Nacional de Medicina do Rio em 1913 e especializou-se em Paris. No Brasil, continuou pesquisando. Certa noite de 1936, consegue fotografar “no écran fluoroscópico, iluminado sob a ação dos raios-X, a imagem interna de um tórax”. “O novo método vai permitir o exame das grandes massas da população, de doentes aparentemente sãos, mas com tuberculose e em fase oculta ou ignorada”, afirma ao apresentar a descoberta. O método, reconhecido pela Organização Mundial da Saúde como eficiente, rápido e barato, generalizou-se para a pesquisa de lesões

nal Acervo Bibliioteca Nacio

E

Manoel Dias de Abreu

cardíacas, tumores, micoses, câncer. Recebeu várias denominações: fluorografia, fotofluorografia, radiofotografia; e roent-genfotografia, por combinar a fotografia com raios-X, descobertos pelo físico alemão Konrad von Roentgen (1803-1879). Em 1939, no I Congresso Brasileiro de Tuberculose, o método recebe o nome de abreugrafia. Manoel morreu em 1962. Quatro anos depois, a data de seu nascimento foi instituída como o Dia da Abreugrafia.

Saiba mais Vida e Obra de Manoel de Abreu, de Benício dos Santos (Pongetti, 1963).

Meneghetti era ladrão, porém honesto

1913

Aos 35 anos, chega ao Brasil o imigrante italiano Amleto Gino Meneghetti. Ladrão convicto. Conhecido como Gato do Telhado pela façanha de pular de casa em casa, escolhia mansões para suas ações. Só furtava de rico, jamais ameaçou ninguém. Anarquista, explicava, citando o filósofo francês Proudhon: “A propriedade é um roubo, por isso não sou ladrão.” Casado com mulher bela, dois filhos, não levantava suspeitas. Em 1926, protagonizou perseguição cinematográfica: 200 policiais e bombeiros atrás dele por oito horas. Escalou muros, saltou telhados e, exausto, entregou-se: 19 anos preso. Saiu em 17 de janeiro de 1945. Voltaria às penitenciárias diversas vezes. Aos 92 anos, ainda foi pego forçando fechadura de casa na Vila Madalena, hoje Livraria da Vila, em São Paulo. No local, há uma placa: Nesta casa, em 14 de junho de 1970, foi preso pela última vez o grande ladrão Amleto Gino Meneghetti. Morreu seis anos depois, aos 98, pobre e doente.

Reprodução

1 Dia da Paz Mundial 2 Dia do Bonde 3 Dia do Juiz de Menores 4 Dia do Hemofílico 5 Dia da Saudade no Futebol 6 Dia do Mensageiro 7 Dia da Liberdade de Culto 8 Dia do Repórter Fotográfico 9 Dia do Fico 10 Dia do Astronauta 11 Dia dos Fabricantes de Baralhos 12 Dia da Fundação de Belém (PA) 13 Dia do Leonismo Internacional 14 Dia do Empresário de Contabilidade 15 Dia Mundial do Compositor 16 Dia do Cortador de Cana-de-Açúcar 17 Dia dos Tribunais de Contas do Brasil 18 Dia do Ensino Médio no Brasil 19 Dia do Terapeuta Ocupacional 20 Dia de São Sebastião 21 Dia Mundial das Religiões 22 Dia da Vila Brasileira 23 Dia do Senado 24 Dia Nacional do Aposentado 25 Dia do Carteiro 26 Dia do Comediante 27 Dia do Orador 28 Dia do Portuário 29 Dia da Hospitalidade 30 Dia da Saudade 31 Dia Mundial do Mágico

(22-1 a 19-2)


Charlatão ou gênio?

Nasceu em 27 de janeiro de 1933. Tinha apenas 10 anos quando iniciou a vida artística, cantando em programas de rádio. Mas não foram seus dotes vocais que o notabilizaram. Em 2006 completou 55 anos de teatro. Não podia deixar de comemorar no palco, com Marido de Mulher Feia Tem adir meira/ ag. O Globo

Foi perdoado pelo presidente e previu a própria morte

enigma figurado

Raiva de Feriado, dirigida e protagonizada por ele. Nas telinhas, um de seus papéis mais marcantes foi o do divertido prefeito da novela Roque Santeiro.

R.: Confira a resposta na página 22

Reprodução

Símbolo do Brasil segundo Walt Disney: um papagaio

malandro e preguiçoso

Zé Arigó, ou doutor Fritz.

estação colheita O que se colhe em JANEIRO

Uva, maçã, quiabo, maracujá, banana, tomate, laranja-pera

O

ataque japonês a Pearl Harbor, em dezembro de 1941, coloca os Estados Unidos na Segunda Guerra Mundial e rende ao Brasil um presente, digamos, vagabundo. A inclinação de Getúlio Vargas ao estilo nazi-fascista de governo é evidente. Para juntar o Brasil ao time dos Aliados, o presidente Roosevelt nos concede favores e dinheiro. Vargas libera a implantação de uma base militar norte-americana em Natal. O Brasil importa Coca-Cola e Hollywood (“o cigarro do sucesso”) e exporta Carmen Miranda. Logo declara guerra a Alemanha e Itália. Engajado no esforço diplomático, o desenhista e empresário de cinema Walt Disney parte para o Brasil. Inspirado pela chamada Política de Boa Vizinhança norte-americana, prepara um presente especial, tido como exemplo de brasilidade: Zé Carioca, personagem folgado e preguiçoso, misto de malandro e caloteiro. Zé Carioca surge pela primeira vez no filme Alô, Amigos, de 1942. Volta às telonas em Os Três Cavaleiros, de 1945. A estreia nos quadrinhos dá-se na primeira edição da revista do Pato Donald, em 1950. Onze anos depois ganha sua própria publicação. As duas revistas se alternam nas bancas, por isso, para

ução

10

uando rapaz, José Pedro de Freitas, o Zé Arigó, ouvia vozes. Mais tarde, vieram as visões. De uma fumaça vermelha, enorme rosto falava com estranho sotaque. Era o doutor Fritz, médico alemão morto em 1918. Incorporando o doutor (“Prronto! Vamos começarr!”), Zé passou a operar e receitar remédios. Usava facas comuns nas cirurgias. Sem formação médica alguma, atendia todo dia centenas de pessoas do Brasil todo e até do exterior em Congonhas do Campo, Minas Gerais. As consultas eram de graça e duravam segundos. Alguns médicos atestaram sua competência cirúrgica, outros juravam que não passava de um charlatão. Sofreu dois processos por exercício ilegal da Medicina. O presidente Juscelino Kubitschek o indultou em 1958. Em 1964, passou sete meses preso. No dia 11 de janeiro de 1971, morreu como havia previsto: acidente de carro. Doutor Fritz continuaria operando pelas mãos de outros médiuns.

Reprod

Q

Estreia de Zé Carioca nos quadrinhos, em 1950.

confusão dos leitores, sua primeira edição sai como 479. Por falta de histórias para manter a publicação mensal, quadrinhos de personagens Disney são adaptados para nosso papagaio trambiqueiro. Um dia ele é barbeiro, no outro, sorveteiro. Em 1997, Zé Carioca, ou Joe Carioca, ganhou samba-enredo da Acadêmicos da Rocinha: Zé Carioca, malandro bem brasileiro. Faz no pé, incendeia esse terreiro.


Aos 82 anos, Itália dá força a quantos precisarem A

secretária aposentada Maria Itá-

Itália assumiu a coordenação do grupo

lia Toffalo Ronchi diz sempre ter

de estoque, responsável pela triagem

vivido para ajudar os outros. Foi até

das doações, além da coordenação

presidente de um clube de terceira ida-

geral da Anna Marcelina. Em 2007, po-

de em Jaú, sua cidade natal. Porém, de-

rém, deixou o cargo para dedicar-se a

pois de cuidar da irmã mais velha com

Augusto. Ele começou a sofrer de Mal

câncer, passou a não ver muito sentido

de Alzheimer. Não a reconhece mais

naquilo. Acabou perdendo sua “segun-

e precisa de ajuda nas atividades coti-

da mãe”, mas um convite inesperado

dianas. A esposa aprendeu a lidar com

lhe abriu novos horizontes. Algumas

situações delicadas no Amaral Car-

esposas de médicos haviam fundado a

valho: “Deus me preparou lá para eu

Anna Marcelina de Carvalho, entidade

aguentar aqui”.

para auxiliar pacientes com a mesma

As dificuldades, no entanto, não a afas-

doença de sua irmã, tratados no hospi-

taram da liga. Está sempre presente

tal Amaral Carvalho. Chamaram dona Itália para participar.

nos eventos de são João, Natal, dia das crianças, das mães,

Ela lembrou da irmã Clotilde dizendo: “Eu queria que você

dos pais. Às vezes, é chamada a acudir algum paciente que

tratasse de outras pessoas como está tratando de mim”. “Acho

chegou e precisa de uma força. Dirige até o hospital, abas-

que foi um chamado”, reflete Itália, aos 82 anos. Há 16 anos

tecendo o carro com mantimentos doados pelo caminho.

ela está envolvida com o projeto, que chegou a presidir. “Me

Nunca está parada. Costura guardanapos, babadores, faz ar-

realizo e sinto minha irmã sempre presente.”

tesanato para angariar fundos. “É uma pena que eu esteja no

Difícil haver uma pessoa no hospital Amaral Carvalho que

crepúsculo da vida. Mas o que dá pra fazer a gente faz”, diz,

não saiba quem é dona Itália. Apesar de hoje ser um símbolo

cheia de energia.

das voluntárias das Ligas de Combate ao Câncer, no começo

A voluntária símbolo das Ligas de Combate ao Câncer garan-

ela atuava quase às escondidas. Passou sete anos dizendo ao

te que as alegrias superam as tristezas na rotina do hospi-

marido que saía de casa para ajudar na confecção de uma so-

tal. E que, mesmo nos momentos mais tensos, jamais chora

brinha. Até que um conhecido a encontrou na entidade. Admi-

diante de um paciente. “Tem coisa que balança. Mas não

rado, elogiou o trabalho para Augusto. O marido, durão, ficou

trago nada pra casa. Eu chego e rezo, peço força pra Jesus e

bravo, mas acabou compreendendo a dedicação da esposa.

depois volto. Sempre.”

Janeiro 2010

11


wellington nogueira

Sabe o que é coordenar 40 especialistas em subverter a ordem, resistir à autoridade, bagunçar o coreto?

fotos: manoel marques

12

Em 1988, Wellington Nogueira conheceu o trabalho do palhaço Michael Christensen e seu Big Apple Circus, em Nova Iorque. Integrou a trupe que alegra (e cura!) crianças internadas em hospitais. De volta em 1991, montou projeto semelhante, o Doutores da Alegria. Hoje, esses médicos do riso realizam 75 mil visitas por ano entre São Paulo, Rio, Recife e Belo Horizonte. Levam alegria a crianças, pais e profissionais de saúde. Remédio sem contraindicações. “A besteirologia deve ser aplicada diariamente até que o paciente não saiba mais como ficar triste. É remédio para a vida toda”, prescreve Dr. Zinho, palhaço representado por Wellington, que assim o descreve: “Gosta de fechar os olhos para dormir, coçar o nariz e descruzar palavras cruzadas; aprecia estrogonofe de ganso siberiano do Himalaia, sorvete de fígado e paquiderme no palito; nas horas vagas não faz muita coisa, nas ocupadas também não.”


Como você entrou em contato com a ideia de palhaços atuando nos hospitais, lado a lado com os profissionais da saúde? Eu estava estudando em Nova Iorque. Em 1988, conheci o Big Apple Circus. Meu queixo caiu. Nunca tinha visto palhaços com tanta elegância e, ao mesmo tempo, tanta força. Lembro que a dupla que eu segui entrou num quarto, e pensei: “Essa criança não vai apresentar uma reação nem se Jesus Cristo descer à Terra”. Mas os palhaços começaram, olhando nos olhos, se apresentando. E, de repente, naquele diálogo, uma fileira enorme de salsichas saiu da cama. A criança ficou fascinada. Foi tão linda a intera-

Depois de viver a doença dessa forma, tudo o mais é realizável, possível, simples, pequeno.

ção! Três meses depois, fiz o teste para entrar no grupo. E fui aprovado.

ministradora do Hospital Nossa Senhora de Lourdes, no Jabaquara, me ligou, em 1991. E o legal é que esse era o hospital menos óbvio. Não conseguia me ver chegar, bater na porta dos grandes hospitais. O Michael Christensen, do Big Apple Circus, falava: “O trabalho sabe para onde tem que ir. Faça o seu e não atrapalhe o caminho do trabalho”. Consegui me estruturar como ONG – hoje somos uma organização da sociedade civil sem fins lucrativos – e ter um patrocinador, a Itaú Seguros, que ficou com a gente por cinco anos. O trabalho com as crianças doentes é importante

E quando você resolveu trazer a ideia para o Brasil, implantando o Doutores da Alegria? No final de 1990, meu pai sofreu um grave derrame e foi internado. Voltei para São Paulo e usei tudo o que eu tinha aprendido. Meu pai se recuperou a ponto de sair do hospital. Viveu ainda nove meses. Ele tinha sido o único cara a acreditar em mim e em meus projetos em Nova Iorque. Achei que a maneira de retribuir isso era montar um programa semelhante ao do Big Apple Circus. Foi assim que nasceu a ideia do Doutores da Alegria. Ao longo do processo, conversei com tantos médicos que a ad-

E qual é o significado disso? É despertar a solidariedade e a cumplicidade entre remediados e aqueles que não têm esperança alguma. Isso foi o que aprendi com as crianças. A única certeza que você tem é a daquele momento. Isso fica muito forte numa situação em que a morte está tão presente, nesse fio de navalha. Você tem que ter a experiência de alegria, ser maior do que tudo o que está em volta. Não há como voltar para a sua vida com os mesmos olhos. Depois que você vive isso, tudo o mais é realizável, possível, simples, pequeno. Nunca vou esquecer do dia em que vi uma

DIVULGAÇÃO

Como foram as suas primeiras experiências? Lembro que, certa vez, trabalhei com um menino que, da cintura para baixo, estava todo tracionado. Tinha sido atropelado. Eu falava: “Vamos ver se a gente consegue botar um pouco de ar nessas pernas, deixar você mais leve”. Quando estava indo embora, o moleque falou: “Ei, doutor! Estou me sentindo muito mais leve”. Eu já tinha sido aplaudido de pé, mas nunca havia visto esse impacto de um artista sobre uma plateia de uma pessoa só. O espetáculo acontecia entre mim e a criança. Era um prazer sair do hospital todos os dias e buscar maneiras de fazer novos truques, melhorar, criar mais mágicas. Foi uma experiência de artista cênico que eu nunca tinha vivido.

também para quem está acompanhando esses pequenos pacientes? Como todo bom palhaço, você engana as pessoas. Você fala: “O foco é a criança”. Mas não tem como pensar na criança sem o entorno: pais, médicos, enfermeiras. Tem pai que se diverte mais que a criança. Estão numa situação de tensão. A internação traz insegurança. E quando começam a ver a criança interagir, aliviam o estresse. Tem médico, enfermeira, que faz questão de se relacionar, fuçar a sacola, ver que truque tem. Existem momentos de uma intimidade muito bonita. Vamos vivendo situações de chorar, rir juntos. E o mais bonito é a desconstrução das hierarquias. Você está falando com o Antônio, a Luísa, todos preocupados com a Rita. A relação volta para o aspecto humano, com o tratamento da pessoa pelo nome. Não acho isso pouca coisa.

Janeiro 2010

13


14

criança morrer e a equipe começou a conversar. Vi o médico chorar, a enfermeira. E lembramos momentos alegres que tínhamos vivido com aquela criança. Foram momentos legais dentro daquela tristeza, o que nos nutre para continuar. Até hoje, estou procurando entender e decifrar isso que fazemos, mas essa força, essa importância do momento presente é a única certeza. Viver a vida cheia, sem nenhum jogo.

meira vez em que fui convidado a falar para um monte de médicos. Um deles mostrou o juramento de Hipócrates: “Prometo que vou exercer a arte de curar”. Hipócrates previu que tinha que ter arte! Pode ser que a gente esteja resgatando alguma coisa que durante algum tempo foi posta de lado. De uns tempos para cá, passamos a dar aulas especiais em faculdades de Medicina. Acho isso revolucionário.

Proporcionar isso é a missão do palhaço? O homem criou o teatro, o cinema, a televisão, mas a vida real é a grande mídia que precisava da interferência do artista de maneira constante. O palhaço no mundo tem a força de provocar, inspirar, levar para outro passo, promover mudanças. Ele provoca as pessoas para desencadear novas atitudes sobre a vida.

Você começou. E agora? Hoje, entre São Paulo, Belo Horizonte e Recife, somos mais de 40 palhaços. Sabe o que é coordenar essa quantidade de especialistas em subverter a ordem, resistir à autoridade, bagunçar o coreto?

Os hospitais também se transformam ao receber os palhaços? Nas avaliações do nosso trabalho, os profissionais dos hospitais costumam dizer que os palhaços humanizam o hospital. Será? Ou será que a gente, como elemento externo, totalmente inesperado – que é um palhaço vestido de médico em um hospital –, não abre brechas para que eles façam essa humanização, entrem em contato com uma maneira mais humana, mais plena de se relacionar? Em vários hospitais, as paredes eram azuisclarinhas, rosinhas. Hoje as pediatrias estão todas pintadas com desenhos interativos. O palhaço criou a oportunidade do profissional de saúde ver que tinha muitos espaços em branco. Isso foi tão forte que, em 1999, o governo criou o Programa Nacional de Humanização do Atendimento à Saúde, hoje HumanizaSUS. A princípio, os hospitais mudaram seu aspecto. E, aos poucos, suas condutas. A formação dos profissionais de saúde também não precisaria ser revista? Isso também está se dando aos poucos. E é a essência de tudo. Nunca me esqueço da pri-

Nunca vou esquecer do dia em que uma criança morreu e o médico e a enfermeira começaram a chorar.

E quais são os critérios para escolher esses profissionais? O processo seletivo é uma peneirada, porque você vê currículos brilhantes, mas na hora do jogo cênico muitos não ouvem, não olham o parceiro. Nosso trabalho não é submeter a criança a uma performance: “Criança hospitalizada, atenção, sou um grande artista, estou aqui para te relaxar”. Às vezes posso até entrar no quarto e pensar que vou fazer uma coisa que o paciente está esperando: “Oi, posso entrar?”. E ele: “Só se o jacaré que está debaixo da minha cama deixar”. E você olha debaixo da cama: “Jacaré? Ora, como se eu tivesse medo de jacarés”. E aí vai rolando. Estrutura emocional é um parâmetro para a seleção dos doutores? É sim. Tanto que, no processo seletivo, passam por uma entrevista com uma psicóloga. Aprender a ser palhaço no Doutores da Alegria desestrutura muita gente. Vão aprender, saem abalados e não querem nunca mais saber. Tem que haver muito amor na formação. O maior problema é o artista viver uma experiência forte e varrer isso para debaixo do tapete. Não falamos: “Você é um ator, tem que superar isso”. Ou então: “Você é um profissional, não pode se envolver”. Absolutamente. Para nós é: “Você é um


profissional, tem que se envolver 200%. Vá fundo, não economize nada. A gente está aqui para te segurar”. É assim que você vê um artista ficar ao lado de uma criança e, por magia da vida, tocar a canção favorita dela no momento em que ela decide não viver mais. Embalar aquele momento, um dos momentos de maior intimidade do ser humano: sua morte. É isso que altera nossa vida, nosso olhar. A arte levada a esse ponto é transformadora. Não é pouca coisa.

Na Medicina os palhaços estão provocando mudanças. Imagina o que pode acontecer na Educação, no Direito...

Nesses momentos tão delicados, não há resistência dos pacientes, inconformados com a situação que estão vivendo? Nunca me esqueço de uma cena com um adolescente se tratando de câncer em Nova Iorque. Fiz meu truque que todo mundo adorava, mas que, no caso, voou como um balão de chumbo. Tentei outra coisa e ele falou: “Sabe qual é o teu problema? Você não é nem engraçado”. E eu, começando a chorar: “Não dou mesmo certo para nada... Essa era a minha última tentativa de fazer um trabalho”. E ele começou a rir. Quanto mais eu me rebaixava, mais ele se divertia. Chegou um ponto em que ele disse: “Chega, cara, senão você vai se matar aqui na minha frente. Faz a sua coisa, vou achar engraçado”. Aí fiquei todo alegre e fiz um truque bem idiota. Ele falou: “Tá ótimo”. Falei: “Que bom que você gostou, posso voltar amanhã?”. E ele: “Tá bom, vai... Volta”. Minha treinadora perguntou: “O que você aprendeu? Como você acha que é para um adolescente estar no hospital, com seus hormônios a toda, passando por tratamento de câncer e tendo a adolescência roubada, enquanto os colegas estão vivendo a vida?”. Quando chega uma pessoa que fala “A criança não entendeu a bricadeira... Também, coitada, na situação que está”, esse cara não está pensando na criança, está pensando nele mesmo. Qual você imagina que seja o futuro do Doutores da Alegria? Não foi à toa que os palhaços entraram no hospital. É um lugar onde a crise é forte e, se você for olhar o mundo, quer

hospital maior que o planeta Terra? Se o mundo está doente, que tipo de intervenção o palhaço pode fazer? Não tenho ideia de qual possa ser, mas estou preparando boas fornadas, porque a melhor vingança é rir de tudo isso. Hoje, palhaço em hospital é uma cultura disseminada. Estamos agora direcionando o Doutores para a formação. Começamos a trabalhar com jovens de baixa renda. Sinto que evoluir também é criar condições de aprender sem dor. Acho que o palhaço no hospital, mesmo na dor, fala: “Você pode aprender com a alegria”. Estamos começando a conectar outros grupos, porque nossa missão é fazer bons palhaços para que encontrem espaços que precisam ser preenchidos na sociedade, abram portas para a transformação. Todo ser humano quer uma vida melhor. Acho que, se o ser humano estiver empoderado, encontra soluções para a fome, para a miséria, para todas essas condições. Não precisa vir de fora. A pessoa que vive a alegria, faz.

Parodiando a brincadeira dos velhos circos: E o palhaço, o que é? Acho que uma das missões do palhaço é abrir espaço para falar de coisas que o ser humano normal não fala. O palhaço nunca é o sabe-tudo, não é panfletário, não é didático, não vem ensinar lição. O palhaço veio para chutar o seu bumbum, passar o pé, puxar o seu tapete... Tudo para, amorosamente, fazer você se sacudir, sair daquela posição, tirar o pó. E o bom palhaço te pega, mas deixa você ter a sacada. Palhaço não educa. Palhaço inspira. Por isso é que é um arquétipo tão forte, presente em todas as culturas. E quanto mais ele puder entrar em lugares inusitados, mais espaço vai poder criar para reflexões e mudanças. Na Medicina está acontecendo isso, com o Doutores e outros grupos. Imagina o que pode acontecer na Educação, no Direito... SAIBA MAIS Site do Doutores da Alegria: www.doutoresdaalegria.org.br Janeiro 2010

15


O humor foi sua arma

Henfil

avani stein/folha imagem

16

T

Cartunista, jornalista, escritor. Mas, acima de tudo, um crítico. Destacou-se pelo engajamento na luta contra a ditadura e a aids. Conviveu com o vírus contraído numa transfusão de sangue, e nunca se deu por vencido. Revolucionou a história dos quadrinhos e renovou o desenho nacional com seus personagens tipicamente brasileiros, fazendo do humor uma arma de resistência.

udo começou em Ribeirão das Neves, região metropolitana de Belo Horizonte. Lá nasceu e cresceu na década de 1940 o menino que entraria para a história como um dos mais importantes desenhistas brasileiros. Henrique de Souza Filho, o Henfil, frequentou o colégio Arnaldo da Ordem do Verbo Divino, um curso supletivo e a faculdade de Ciências Sociais, que abandonou dois meses depois. Foi embalador de queijos, boy de agência de publicidade e revisor de textos, até especializar-se, no início da década de 1960, em ilustrações e quadrinhos. Estreou em 1964 na revista Alterosa, a convite do editor Roberto Drummond. Lá nasceram os famosos Fradinhos e o apelido que carregou pela vida afora – contração de Henrique e Filho. Logo estaria publicando desenhos em O Diário de Minas, no carioca Jornal dos Sports e nas revistas

Realidade, Visão, Placar e O Cruzeiro. Ainda em meados dos anos 1960 foi para o Rio de Janeiro, levando debaixo do braço seu livro Hiroxima meu Humor. O objetivo era conseguir que Millôr Fernandes – o grande nome do desenho e do humor na época – assinasse o prefácio da obra. Sem êxito. Voltaria ao Rio anos depois, agora não mais de passagem. Começou a trabalhar para o Jornal do Brasil e O Pasquim, tornando-se um nome conhecido por todo o País.

Guerrilheiro do cartum Uma das características mais marcantes de Henfil foi o envolvimento com os movimentos sociais e políticos contra a ditadura militar (1964-1985). “Tenho um instrumento universal nas mãos que é o humor. Nasci no berço da luta de classes. Eu quero ser famoso como um cara que é mais um


“ Tenho um instrumento universal nas mãos que é o humor. Quero ser um espinho contra o estado das coisas. ” espinho contra o estado das coisas. Essa fama eu quero para mim”, dizia. O engajamento político era traço de família. Irmão do sociólogo Betinho e do compositor Chico Mário, Henfil era, como eles, hemofílico. E também contraiu o vírus HIV numa transfusão de sangue. “Por causa da hemofilia, Henfil vivia sempre com a espada na cabeça”, lembra Ziraldo. “Ele sentia que podia morrer a qualquer momento. E se defendia do mundo através do humor.” Para muitos dos que o conheceram, o desenhista era uma mistura dos dois fradinhos que levou para O Pasquim quando a meca do jornalismo bem-humorado de esquerda o convocou para suas frentes. A personalidade dos dois era uma convocação para a tomada de consciência da situação em que se encontrava o Brasil. Falava da acomodação e da hipocrisia incorporadas ao fradinho Cumprido, e da iconoclastia presente no fradinho Baixim. Outro personagem de destaque foi a esperançosa Graúna que, ao lado do cangaceiro Zeferino e de Bode Orelana, denunciava, em pleno milagre econômico, as disparidades entre o norte e o sul do País. Também povoaram suas páginas Pó de Arroz, Orelhão, Cabôco Mamadô, Urubú, Bacalhau e Ubaldo Paranóico – figuras que exerceram um papel vital na renovação do desenho humorístico brasileiro. Apoiavam-se na descolonização numa época em que os quadrinhos nacionais tinham seu desenvolvimeno sufocado por publicações estrangeiras. Após uma década de trabalho no Rio, Henfil mudou para Nova Iorque para fugir da censura e tratar da saúde. Publicou Os Fradinhos, rebatizados de Mad Monks, em

cerca de 200 jornais. Mas o público começou a reclamar do humor pesado, e o acordo com o distribuidor acabou. Assim, dois anos depois, Henfil estava de volta ao Brasil. Sua estadia na terra do Tio Sam rendeu o livro Diário de um Cucaracha, que fala do preconceito dos norte-americanos contra estrangeiros, especialmente os latinos.

Nos palcos e telas Em 1977, Henfil começou a colaborar com a revista IstoÉ. Cartas da Mãe era o nome da coluna em que críticas e desabafos do cartunista vinham à tona sob o pretexto de serem endereçadas a dona Maria da Conceição. Nos artigos, burlava a censura e tratava de temas como exílio político e anistia. No início da década de 1980, publicou os livros Henfil na China e Antes da Coca-Cola. Envolveu-se também com teatro e cinema. Realizou a peça A Revista do Henfil e, em 1984, escreveu e dirigiu o filme Tanga – Deu no New York, Times. Nas telinhas, foi redator da TV Mulher, da Globo. Publicou ainda os livros Diretas Já, Fradim de Libertação e Como se Faz Humor Político. Ciente de que o tempo não jogava a seu favor, produziu até o fim da vida. Morreu em 4 de janeiro de 1988, vítima de complicações da aids. Seus personagens, entretanto, vivem até hoje em livros escolares, revistas e em qualquer iniciativa de retratar o tempo em que viveu. A obra de Henfil é um registro de seu tempo. SAIBA MAIS Procure no YouTube (www.youtube.com) por “Henfil” e assista ao documentário Henfil – Profissão Cartunista.

O melhor produto do Brasil é o brasileiro CÂMAR A CASCUDO

Janeiro 2010

17


ESPECIAL

istória de alman h a t n a aque Qu

Informação e diversão, dos camelos do deserto aos céus do Brasil Passando pelas mãos mais diversas ao longo dos séculos, o almanaque deixou sua marca na história. Faraó ou profeta, revolucionário ou abolicionista, não houve quem tenha passado incólume a seus efeitos. Divertir e informar, eis a vocação desse formato tão saboroso. Para enfrentar tanto tempo, não havia como não se transformar. E ele não negou fogo. O Almanaque Brasil, por exemplo, já conta 10 anos de vida. E retoma fôlego com esta nova revista que você tem em mãos.

18

N

a aurora da civilização, saber a lua certa para o plantio e a estação própria da colheita era fundamental para a vida. Observando a natureza e as estrelas, o homem pôde imortalizar essas informações e transmiti-las na forma de calendário. Logo, o objeto tornou-se imprescindível para diferentes civilizações. Já no século 13 antes de Cristo, no túmulo do faraó Ramsés IV, há um calendário cronológico entalhado. No Oriente antigo, os astrólogos presenteavam os soberanos com calendários a cada início de ano. Não podia faltar. Com o passar do tempo, o calendário ganha nova roupagem. Páginas são acrescentadas, com ilustrações e imagens de signos. Ao longo dos séculos, recebe diversos nomes: reportório, folhinha, endimião, camião, lunário, prognóstico, sarrabal. Daí para o surgimento de um formato universal, capaz de conquistar qualquer um até hoje, foi

uma questão de tempo. Almanak, almenachus, almenaque, almanaque. Não se sabe ao certo a origem da palavra: pode ter vindo tanto do grego como do latim. Ou quem sabe do siríaco, saxão ou celta. A tese mais corrente é de que a palavra teria surgido do árabe al-manakh – lugar onde os camelos se ajoelham para beber água em meio a uma viagem. É, portanto, um ponto de encontro, um local onde viajantes se reuniam e podiam relatar o que encontraram ou souberam nas paragens por que passaram. Não será mesmo isso o almanaque, uma reunião de informações diversas, não muito aprofundadas, divertidas, curiosas? Documentos históricos convivem com causos; literatura com dados astronômicos. Conselhos morais e práticos se acomodam em meio a festas religiosas, datas comemorativas, provérbios, anedotas. Para caber tudo isso, só mesmo um almanaque.

E hão de chover almanaques. O Tempo os imprime, Esperança os edita; é toda a oficina da vida. Machado de Assis


P assa d o , p r ese n t e e f u t u r o

Profetas também se esparramaram em suas páginas

A

invenção da tipografia por Gutemberg na primeira metade do século 15 ampliou a difusão de livros entre a população. O almanaque vai no embalo. O primeiro a ser impresso foi o alemão Praklic, de 1454. Ainda que em forma embrionária, o livrinho de apenas cinco páginas era disputado. O interesse se reflete também na produção. Multiplicam-se os autores. Um deles, procuradíssimo, fazia sucesso até entre reis e rainhas. Dominava astrologia e astronomia. Falava francês, latim, grego e hebraico. Sabia tudo

de medicina, alquimia e teologia. E certamente mais um pouco. Seu nome? Nostradamus. O célebre vidente foi responsável por um concorrido almanaque anual que circulou pela Europa durante uma década, entre 1550 e 1560. Nele, junto com sua vasta erudição, o francês desfilava seus intrigantes e singulares “poderes”. Além do presente e do passado, o tal almanaque trazia previsões do futuro.

19

P r o va r p o d e , f a z e r n ã o

A escassez não impede a proliferação

F

oi por mãos lusitanas que os almanaques chegaram às terras tupiniquins. Como as indústrias eram proibidas – entre elas, a tipografia –, os livrinhos não podiam ser confeccionados por aqui. Os únicos escritos lidos em praça pública eram ordens régias, sob o rufar de tambores milicianos. Assim, só chegava almanaque importado ou clandestino, e não muitos. O Almanaque do Rio de Janeiro, de 1792, e o Almanack das Musas, offerecido ao Gênio Portuguez, de 1793, eram alguns deles, e até hoje podem ser consultados na Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro. Mas, mesmo diante da escassez, o formato não negou vigor. Pouco a pouco, tornou-se mania popular, seja no campo ou na cidade. Em 1812 é impresso o Almanaque da Bahia, o primeiro genuinamente brasileiro de que se tem notícia.

P RESE N CA HIS T O RICA A importância dos almanaques no curso dos acontecimentos do mundo é inconteste. Para que não pareça megalomania, note:

• Durante a Revolução Francesa (1789-1799), debates ideológicos eram travados nas páginas do Almanach Républicain ( Almanaque Republicano), uma das únicas publicações que conseguiam ser mascateadas em meio ao caos da França revolucionária. • Nos Estados Unidos, o Anti-Slaveric Almanac ( Almanaque Antiescravidão ), de 1838, era usado como meio difusor das ideias abolicionistas. • Descobertas e invenções da Revolução Industrial foram divulgadas por meio de almanaques.


T r a g a n a al g i b ei r a

Tem almanaque para todo gosto

O 20

século 19 marca uma grande explosão de almanaques no Brasil. Brotam como cogumelos. Mesmo na sociedade machista como era, havia periódicos femininos, como o Almanaque das Fluminenses. No conto Como se Inventaram os Almanaques, Machado de Assis observa: Todas tinham almanaques. Nem só elas, mas também as matronas, e os velhos e os rapazes, juízes, sacerdotes, comerciantes, governadores, fâmulos; era moda trazer o almanaque na algibeira. Em 1844 sai a primeira edição do Almanak Laemmert. Seus fundadores, os irmãos Eduard e Heirinch, se estabelecem no Brasil depois de rodarem pela Europa aprendendo tipografia e tarefas editoriais. Apostam na divulgação da literatura nacional. Em 1839 haviam lançado a Folhinha (um antecessor do almanaque), manipulada única e exclusivamente por Eduard sob o inusitado pseudônimo de Pafúncio

Eu S ei Tudo no Bras il i nteiro Fundado em 1921, o Almanaque Eu Sei Tudo chega para revolucionar. Abusando das ilustrações e fotografias, instaura definitivamente o uso de imagens, dando outro ritmo à leitura, mais descontraído. Seções como a do horóscopo são reduzidas para dar lugar aos rostos de aniversariantes e romances novelescos. A publicação gabava-se de ser vendida em todas as cidades do Brasil. E até mesmo em Portugal.

Semicupio Pechincha. Com a fama, ousam novamente, lançando o Almanack Laemmert, um dos mais completos anuários comerciais do Rio de Janeiro. O sucesso é tão grande que o Itamaraty passa a comprar parte da tiragem e distribuir às embaixadas no exterior a fim de divulgar o País pelo mundo.

P a r ece c o m pe t i ç ã o

A cada lançamento, três concorrentes no forno

N

a São Paulo oitocentista, cerca de 100 diferentes títulos foram impressos, a maioria anual. As iniciativas se desdobravam: um almanaque impresso em 1857 na tipografia de Joaquim Roberto de Azevedo Marques fez com que seu empregado, José Maria Lisboa, organizasse primeiro o Almanaque de Campinas, depois o Almanaque do Amparo e a seguir o Almanaque Litterario de São Paulo. Cuidadosamente estilizadas, as propagandas continham informações detalhadas sobre o estabelecimento, ocupando, muitas vezes, uma página inteira só com letras, sem imagens. E com aquela linguagem rebuscada que enche os olhos. Palavras como pharmacia, gymnasio, elle, Mogyana e commercio remetem a uma ortografia já substituída, embora saudosa.


L ei t u r a q u e c u r a

Literatura e farmácia para sanar corpo e mente

O

s almanaques distribuídos em farmácias, patrocinados por empresas de medicamentos, são seguramente os primeiros a ser lembrados pelos que escarafuncham na memória – ou mesmo nos livros – recordações de almanaques. Naquele tempo, havia os que acreditavam que, enquanto o remédio tratava as mazelas, a leitura propiciava diversão e riso, fórmulas eficientes para antecipar a cura. O Pharol da Medicina, surgido em 1887 com tiragem inicial de 100 mil exemplares, é o pioneiro, seguido pelo Almanaque Iza, Almanaque Bristol, Capivarol, Bayer, Gessy e Sadol – famoso por exibir mulheres seminuas nas capas. Em 1920 surge o mais importante deles: o Almanaque do Biotônico Fontoura, com a primeira edição inteiramente elaborada e ilustrada por Monteiro Lobato. Com mais de 165 milhões de exemplares distribuídos ao longo de quase 70 anos, ficou célebre por trazer aos leitores o Jeca Tatu, personagem que se tornou símbolo do homem do campo brasileiro. Num país com altos índices de analfabetismo, desafiava as estatísticas. Com tiragem elevada e distribuição gratuita, abrangia as mais distantes regiões do Brasil com dicas de higiene e saúde. Uma verdadeira enciclopédia popular. A ampliação em massa do mercado editorial ao longo do século 20 impõe obstáculos à sobrevivência dos almanaques. Aos poucos, eles têm de se modificar. Ganham cores, novos formatos, novos temas. Entre os humorísticos, sem dúvida o mais exitoso – referência para qualquer um que se aventure a fazer graça no País – é o Almanhaque, do Barão de Itararé, que circulou entre 1949 e 1955. Confira a seção Baú do Barão, na página 9. A seu editor rendemos mensalmente nossa homenagem, publicando a cada edição uma de suas impagáveis frases.

1 0 A NO S NO A R

E um novo almanaque chega a você

N

o alvorecer do terceiro milênio os almanaques voltam a florescer. O A lmanaque Brasil é exemplo do vigor e da força do formato em um tempo em que tanto se prezam as informações curtas, interessantes, precisas, curiosas. Completamos 10 anos com a satisfação de nos sabermos precursores de uma onda de publicações que tomam o formato emprestado para contar tanto a história de uma instituição como a de um movimento ou geração. Vide as livrarias, abarrotadas de congêneres. Em 129 edições, mais de 12 milhões de exemplares desse “armazém da memória nacional” já foram distribuídos nos voos da TAM, por assinatura, em bancas e bibliotecas públicas. Seguimos agora com forças renovadas para reafirmar nossa missão. Aos 10 anos, o A lmanaque lança uma nova publicação, distribuída por assinatura, pelos estabelecimentos filiados à Associação Paulista de Supermercados (APAS) e pelas voluntárias das Ligas de Combate ao Câncer. Fruto de uma parceria entre a APAS, a Federação Brasileira de Entidades de Combate ao Câncer (Febec) e a Andreato, editora que publica a revista, o A lmanaque Brasil de Cultura e Saúde terá sua vendagem revertida para o trabalho das voluntárias de combate ao câncer.

21


O Calculista das Arábias

ligue os pontos

2

b O bico grande, colorido e oco é sua característica mais marcante. Nos anos 1980 tornou-se símbolo de um partido político.

3

c O Brasil possui a maior diversidade desses animaizinhos leves e rápidos, capazes de bater as asas de 70 a 80 vezes por segundo.

4

d Capaz de emitir sons, imitar vozes e assoviar, é sinônimo de exotismo tropical com suas penas coloridas e vibrantes.

acervo da família

1

a Típica do cerrado, é possível vê-la nos grandes centros urbanos em revoadas que produzem uma verdadeira algazarra.

Nossa homenagem a Júlio César de Mello e Souza, o Malba Tahan Em uma de suas constantes viagens pelas Arábias, o sábio Beremiz Samir presenteou o rei Iadava com um tabuleiro de xadrez. Agradecido, o soberano propôs ao calculista que pedisse em troca o que quisesse. Beremiz disse não querer ouro nem prata, mas grãos de trigo. Diante da perplexidade do rei e de sua corte, explicou: “Dar-me-eis 1 grão de trigo para a 1ª casa do tabuleiro de xadrez, 2 pela 2ª, 4 pela 3ª, 8 pela 4ª e assim por diante, dobrando sucessivamente até a 64ª e última casa do tabuleiro”. O rei não conseguiu pagar ao calculista a quantia solicitada e a dívida foi perdoada, pois Beremiz só queria ensinar a todos uma lição algébrica. Você saberia dizer qual? Adaptado de O Homem que Calculava, de Malba Tahan (Record, 2001).

teste o nível de sua brasilidade

Palavras Cruzadas

Cidade em que circulou o primeiro trem urbano da América Latina, a partir de 5/1/1867: (a) Rio (b) São Paulo (c) Caracas (d) Recife Célebre programa de rádio criado em 3/1/1934: (a) Balança mas Não Cai (b) Hora do Brasil (c) Balancê (d) A Hora do Ronco Lei que, em 9/1/1881, instituiu eleições diretas: (a) Eusébio de Queiróz (a) Pedro I (c) Maria da Penha (d) Saraiva Carioca que, em 28/1/1981, tornou-se a primeira bailarina do Teatro Municipal do Rio: (a) Ana Botafogo (b) Márcia Haydée (c) Lia Rodrigues (d) Cláudia Müller Mercado de Salvador, incendiado em 10/1/1984: (a) Mercado Municipal (b) Paes Mendonça (c) Mercado Modelo (d) Mercado das Pulgas Estrada que liga o Rio a São Paulo, inaugurada em 19/1/1951: (a) BR-101 (b) Castelo Branco (c) Ayrton Senna (d) Presidente Dutra

Respostas Matheus Nachtergaele

Filme de Walter Salles, ganhador do Urso de Ouro em Berlim em 22/1/1998: (a) Diários de Motocicleta (b) Central do Brasil (c) Abril Despedaçado (d) Cidade de Deus

valiação

BRASILIÔMETRO 1b; 2d; 3b; 4d; 5a; 6c; 7d; 8b. SE LIGA NA HISTÓRIA 1d (arara); 2c (beija-flor); 3a (maritaca); 4b (tucano). ENIGMA FIGURADO Ary Fontoura. O QUE É O QUE É? Deixa de onda.

2

CARTA ENIGMÁTICA Pesquisas comprovam: onde há voluntários, a sobrevida dos pacientes de câncer sobe 12%.

DE QUEM SÃO ESTES OLHOS?

lenise pinheiro/folha imagem

O CALCULISTA DAS ARÁBIAS Para obter o total de grãos de trigo devemos elevar o número 2 ao expoente 64 e do total tirar uma unidade. Trata-se de um número verdadeiramente astronômico, de 20 algarismos, muito famoso na matemática: 18.446.744.073.709.551.615.

22

Tradicional escola de samba do Bixiga, fundada em 1/1/1930: (a) X-9 (b) Vai-Vai (c) Camisa (d) Rosas de Ouro

1 0

3

4

5

6 7

Conte um ponto por resposta certa

8


Diversão para pequenos

i l u s t r ac õ es

c : Lu

iano

Ta s s o

e grandalhões

Temos praias do Oiapoque ao Chuí

A escuros e o boné para passar ao menos alguns dias na praia. E praia é o que não falta. O Brasil

h, o verão chegou. Você, como uma criança esperta, já deve ter separado o filtro solar, os óculos

possui um dos litorais mais extensos do mundo. São cerca de nove mil quilômetros de areias, conchinhas e o imenso Oceano Atlântico à frente. Desde a praia do Arroio Chuí, no Rio Grande do Sul, até a foz do Oiapoque, no Amapá, é uma ao lado da outra. Você já deve ter ouvido falar “do Oiapoque ao Chuí” quando alguém quer se referir ao Brasil inteiro – o Oiapoque é o pedaço do nosso litoral mais ao norte; o Chuí é o mais ao sul. Feliz de quem vive numa cidade litorânea. Ter um marzão perto de casa é um privilégio. Mas sorte mesmo tem quem mora em ilhas. Você sabia que três capitais brasileiras estão cercadas pelo mar? Então saiba: Florianópolis, em Santa Catarina; Vitória, no Espírito Santo; e São Luís, no Maranhão. Ô vidão... O mar tem grande influência no modo de vida do brasileiro. Por isso é tão exaltado em canções. Foi pelo litoral, por exemplo, que se iniciou a colonização. Ao longo dele foram erguidas as nossas primeiras cidades e muitas das capitais dos estados. Já reparou? Pode fazer a conta. Rio de Janeiro, Salvador, Recife, Maceió, Belo Horizonte... Ops, Belo Horizonte?

Diversão na areia

JÁ PENSOU NISSO?

Na praia – além de pegar sol e uns jacarés – dá para praticar esportes e outras atividades bacanas. O frisbee, por exemplo, é baratinho e bem fácil de brincar (mas cuidado pra não acertar a cabeça de ninguém!). Futebol na areia também é bem legal. Basta colocar uns chinelos como trave e correr atrás da bola. Vôlei de praia, então, nem se fale. O Brasil é tão bom no esporte que já conquistou nove medalhas olímpicas. Além, é claro, do brasileiríssimo frescobol, inventado em 1945 na praia de Copacabana, no Rio de Janeiro.

-Líng va

l

er

Cada número no diagrama abaixo corresponde a uma página do Almanaque. Descubra a letrinha colorida na página indicada e vá preenchendo os quadrinhos até completar a mensagem cifrada que escrevemos para você.

O mar esta bravo. O que falar para acalma-lo?

z

a

al

pa r

ta

ua

Tra

O lugar do Brasil mais perto da África é a Praia do Cabo Branco, que fica em João Pessoa, capital da Paraíba. Está a 2.850 quilômetros do território africano. Perto, mas nem tanto. Se alguém decidisse ir ao outro continente de jet ski, que anda em média a 50 quilômetros por hora, chegaria em 57 horas, ou seja: mais de dois dias (isso sem parar nenhum segundo sequer...). Num navio que viaje a 30 quilômetros por hora, a viagem duraria quatro dias. Já se o maluco for remando num caiaque, chegará à África em 570 horas, quase 24 dias. Isso se nenhum tubarão almoçá-lo pelo caminho...

e r epe tir em

vo

A placa de palha da praia preta

26 26 15

6 7

7

8

16 17 18 15 10 9

24 22 9

18 17

7

9

10

17

8

8

8

7

12 13

19 10 20 7

8 18 20 22 23 6 9 25 10

8

6

10

7

21

SoluçÕES na p. 22

8 21

7

20 Janeiro 2010

23


SANTANA DE PARNAÍBA

Uma viagem na história Não gasta nem uma hora o sujeito que partir de São Paulo em direção a Santana de Parnaíba. A viagem por lá, porém, atravessará séculos. Arruar neste recanto é seguir os passos dos bandeirantes e descobrir um lugar repleto de vestígios e visões do tempo.

N 24

o bucólico arraial que volteia uma colina à margem esquerda do rio Tietê, os bandeirantes preparavam, nos idos do século 17, suas expedições: arrobas de pólvora e balame, machados, redes de embira, batelões, bateias, trabucos e, que mais?, “Sapatões pra duzentas estradas, chapelão pra dez anos de sol e de chuva”, nos cálculos do poeta Cassiano Ricardo (1895-1974). As Bandeiras, qual muralhas de gente, se embrenhavam sertão adentro para ampliar nossa terra além do Tratado de Tordesilhas, dando forma de harpa ao Brasil, segundo os geógrafos poetas.

Santana de Parnaíba, tão pertinho de São Paulo (35 quilômetros), hoje não é mais rodeada pelas águas claras onde banhavam-se perdizes. A temida Cachoeira do Inferno, pelo redemoinhar de suas águas mata-cavalo, jaz no fundo da represa, construída no início do século passado pela empresa canadense Light. Nessa garganta do Tietê, os batelões precisavam deixar o rio e seguir por terra, imagem que o escultor Victor Brecheret escolheu para representar o Monumento dos Bandeirantes, no Ibirapuera, em São Paulo. Desde o naturalista Saint-Hilaire (1779-1853), tenta-se explicar a façanha desses nossos heróis


25

casa dos bueno da silva, ou anhanguera: única bandeirista urbana que permanece em pé.

geográficos. “Quando Raposo regressa de sua viagem de 30 anos e sua família não o reconhece, que é isso senão uma página de Homero narrando a volta de Ulisses?” O poeta Cassiano procura apenas reconquistar o espírito da nossa nacionalidade: “Quem caminha e leva uma fronteira nos pés, caminha dividido: de um lado é herói, do outro lado é bandido”.

Bandeirantes e imperadores Santana de Parnaíba une em seu nome o tupi, a dar a localização exata e terrena – Pan-nei-i-o, “lugar de muitas ilhas” –, e a devoção a Sant’Anna de sua primeira moradora, Suzana Dias. Ela e seu marido, Manoel Fernandes, donos de uma fazenda que originou a cidade, simbolizavam a mistura de raças: ele, branco e português; ela, mameluca descendente dos índios guaianazes. Foram pais do bandeirante André Fernandez, descrito em um documento antigo como o Corsário do Sertão. Em Santana de Parnaíba viveram três gerações dos Bueno da Silva, todos alcunhados de Anhanguera – do tupi Diabo Velho. Sua casa, única bandeirista urbana que chegou até nossos dias, é voltada para um amplo quintal nos

25

fundos, e de frente para a Igreja Matriz. É hoje um museu com objetos de diferentes épocas da história. A casa, na verdade, é quase uma fortaleza, com suas paredes de meio metro de largura e janelões que se abrem para dentro com travessas verticais para impedir a passagem. O casarão ao lado, com portas-balcão e sacadas, os chamados “guarda-corpos”, abriga a Casa da Cultura. Era ali, dizem, o esconderijo secreto do imperador Pedro I e de sua amante, a Marquesa de Santos.

Preste Atenção Note como os rios da região, batizados pelos índios com nomes sonoros, hoje nomeiam bairros, locais ou cidades. Alguns exemplos: Pirapora (morada do peixe), Parnaíba (lugar de muitas ilhas, ou onde é difícil passar), Voturuna (serra negra), Barueri (corredeira), Cururuquara (morada ou esconderijo do sapo roncador), Anhembi (rio das perdizes), Araçariguama (lugar em que pássaros araçaris banqueteiam), Itu (de utu-guaçu, cachoeira grande), Piratininga (peixe seco) e Tietê (rio caudaloso).

Janeiro 2010


Sabenças Em todas as ruas de Santana podem ser vistas casas construídas em diferentes séculos. Vale flanar sem pressa, notando os detalhes da arquitetura. Algumas eram armazéns; outras, casas simples e baixas; umas têm gradis em ferro trabalhado; outras, telhados de uma ou duas águas. Em poucas aparecem bandeiras sobre as portas, para a ventilação natural. As casas eram construídas com estruturas de taipa e taipa de pilão. No imóvel do Largo de São Bento, 80 – restaurado em 2003 pela Oficina Escola de Artes e Ofícios –, amostras dessas técnicas podem ser vistas em pequenas aberturas deixadas no reboco, como a parede de pau-a-pique e adobe e o forro de bambu amarrado com cipó. Cabe lembrar ainda que o patrimônio de Santana de Parnaíba também são as “sabenças”, como dizia Mário de Andrade, que por lá andou pesquisando música. Encontrou um tal Isidoro, que era o “dono do samba”. Hoje tem dona Irene, do celebrado doce de lima umbiguda; os cabeções, enormes bonecos feitos pelo mestre Tito; os efêmeros tapetes de flores; a festa do Cururuquara, em louvor a são Benedito. Para esta aldeia voltavam os heróis geográficos ao fim da caminhada. Tudo para dizer, finalmente: “Aqui é que começa o país da Esperança”.

26

Santana de Parnaíba Tem Mais O Grito da Noite

Talvez derive de uma manifestação católica de encomenda de almas, quando se percorriam as ruas com choradeiras, flagelos e gemidos. A anunciação do Carnaval vem com o toque de tambores. É a deixa para a saída dos “fantasmas” pelas ruas do centro antigo. Foliões vestidos com lençóis, caveiras e máscaras aterradoras zanzam pela cidade ao embalo de zabumbas e chocalhos. Com o passar do tempo, os fantasmas caíram no samba. Ou talvez seja esta a outra origem da festa: uma manifestação dos escravos que ganhavam as ruas batendo tambores para comemorar a liberdade.

Corpus Christi

Por aqui há registros dessa cerimônia religiosa de herança portuguesa já no século 17. Na véspera da festa, moradores varam a madrugada nas ruas, fazendo tapetes com motivos religiosos por onde passará a procissão. Durante o ano, os habitantes armazenam serragem e casca de ovos que serão coloridos para atapetar cerca de dois quilômetros de ruas no Centro Histórico.

Museu Paraibano de Música Benedicto Antônio Pedroso

O acervo do Museu de Música foi doado pelos moradores de Santana. São partituras, instrumentos musicais, quadros, fotos. Além de uma coleção de antigos lps e 78 rotações – entre eles, algumas raridades. O Museu também promove o encontro dos seresteiros da cidade.

Não deixe de ouvir Cidade festeira e musical, Santana de Parnaíba abriga todos os domingos o projeto Música na Praça, com apresentações de chorinho e MPB ao lado do Coreto Maestro Bilo. Este, construído com ferros que vieram da Inglaterra, é um dos xodós da população. Todo segundo sábado do mês acontece o Parnayba em Seresta e Serenata. Um grupo de músicos sai às 23h em seresta pelas ruas do Centro Histórico, interpretando esse gênero musical que foi muito popular no século 19.


Prata da Casa

Restaurar a vida C

om poucas variações, a vida de Diego Balsote é igual à

casa era quase uma amostra de todas as técnicas construtivas

de muitos meninos de famílias pobres do Brasil: prefe-

empregadas nos séculos 16, 17 e 18. Onde conseguiriam tan-

riu viver sozinho nas ruas a ouvir as mesmas brigas na casa

tos e diferentes técnicos? Criaram então o POEAO, a partir de

onde faltava tudo. Aos 15 anos, morava na rua quando o Con-

um convênio entre a Prefeitura municipal, a Federação das In-

selho Tutelar de Santana de Parnaíba o encaminhou ao Proje-

dústrias do Estado de Minas Gerais e o Senai mineiro. Os alu-

to Oficina Escola de Artes e Ofícios (POEAO). Lá Diego apren-

nos aprendem história da arte, carpintaria, alvenaria, pintu-

deu a restaurar a casa dos outros, mas acabou restaurando a

ra, ofício de talha, conserva-

própria vida. Esta história é quase a mesma de Eduardo, An-

ção de acervo gráfico e muito

derson, Gabriel, David e Gilmar, também alunos da oficina.

mais. Recebem bolsa-auxílio,

A ideia do projeto veio de longe, no tempo e no espaço. A se-

vale transporte e alimenta-

mente brotou na cabeça de outro jovem, ex-menino pobre,

ção. A Escola já formou 400

Jair Inácio. Ouro Preto, anos 1960. O negrinho era curioso e

jovens qualificados para o

muito inteligente. Aprendeu inglês de ouvir os turistas para os

mercado de trabalho.

quais vendia quadros com cenas da cidade. Acabou descolan-

“Vale notar que de aprendiz

do uma bolsa de estudos de um ano em Bruxelas, onde apren-

a técnico de ofício são oi-

deu técnicas de restauração. De volta a Ouro Preto, foi traba-

to anos de estudos”, conta

lhar na recuperação do altar da Igreja do Pontal.

o entusiasmado mestre de

Na época, pipocavam hippies pela cidade. E ele pensou: se eles

ofício Edson Higino. Turi-

são tão habilidosos nos artesanatos, podem aprender também

nã ressalta outro aspecto:

a arte do restauro. Trabalho era o que não faltava. Assim, Jair

“Cada jovem é um multi-

tirou muitos jovens das ruas e das drogas.

plicador, e nossos meni-

Anos mais tarde, na década de 1990, seu filho Turinã Inácio e o

nos estão empregados em

professor Júlio César Barros chegaram a Santana de Parnaíba.

43 cidades brasileiras, rea-

O trabalho de recuperar as edificações era muito grande. Cada

lizando esse trabalho”.

27

os meninos do poeao: mãos à obra.

s e rviç o Como chegar Pela rodovia Castelo Branco, partindo da capital

Onde comer

paulista, pegar a saída 26b. Partindo do interior, entrar no acesso do quilômetro 26. Mais informações em www.santanadeparnaiba.sp.gov.br

Berço Lusitano Como convém a um restaurante português, o forte da casa são os quitutes e os pratos à base de bacalhau. Os pastéis de Belém, Santa Clara e Tentuga são imperdíveis. Fica no Centro Histórico, com mesas na calçada. Tel.: (11) 4154-4875.

Onde ficar

Pousada 1896 Única localizada no Centro Histórico. O nome marca o ano de sua construção. É a preferida dos peregrinos que percorrem o Caminho do Sol. Tel.: (11) 4154-1680. Hotel Newton Plaza Localizado a seis quilômetros do Centro Histórico, no bairro da Fazendinha, possui 42 suítes. Tel.: (11) 2808-6333.

Restaurante São Paulo Antigo Também no Centro, sua especialidade são os pratos da cozinha caipira. Destaque para o leitão à pururuca. De sobremesa, vá do tradicional Pudim de Leite. Tel.: (11) 4154-2726. Janeiro 2010


TROFÉU DE VITÓRIA

valfrido lima

Uma mistura com a cara do Brasil e o sabor do Espírito Santo

N

o Espírito Santo todo mundo sabe o que explica a cozinheira Mara Fernandez Soares, da praia de Ubu, em Anchieta: “A panela de barro é o segredo para o sabor especial da moqueca capixaba”. Apenas dessa maneira o caldo engrossa naturalmente. Além disso, vai do fogão direto para a mesa – um verdadeiro troféu da cultura do Estado. O ofício das paneleiras de Goiabeiras Velha, bairro da capital Vitória, não é apenas um Patrimônio Imaterial do Brasil, mas o primeiro deles a ser reconhecido pelo Iphan, em 2002. Cada uma das peças que sai da região é atestada com o selo “Raiz da Cultura Capixaba”. Além do galpão das paneleiras, em Goiabeiras também tem reza, “benzeção”, grupos de música e dança. Entre eles, o Boi Estrela, a Folia de Reis Goiabeiras Velha e uma banda de congos que atesta a importância do utensílio doméstico para a cultural local. Seu nome? Panela de Barro: Deixa crioulo / Deixa sambar / Panela de Barro / Acabou de chegar. As famílias produtoras de panelas estão organizadas em uma associação há 21 anos. Pouco, perto da idade da tradição – índios dizem ter aprendido a amassar e moldar argila com o joão-de-barro, pássaro construtor. Vem desses nossos primeiros artistas, principalmente da tribo Una, a técnica milenar utilizada em Vitória. Antes, a fabricação era restrita à Quaresma, época de maior consumo de peixes e frutos do mar. E as únicas a dominar a técnica eram as mulheres. Hoje há produção o ano inteiro, e os homens já não se limitam a retirar o

28

barro do barreiro e a casca do manguezal. Participam de todo o processo de fabricação. Um pedaço de cuité, fruta local, auxilia a dar forma curva à argila, também alisada com uma pedra do rio antes e depois da queima. Por sua composição, dificilmente o barro tirado do vale de Mulembá racha. Pelo mesmo motivo, as peças podem ser moldadas sem torno e não estouram na fogueira. Depois de secas e queimadas, um raminho de ervas molhado em tanino das árvores do mangue serve de pincel para impermeabilizar e dar tonalidade escura às panelas.

Panela de barro é que faz comida boa

As paneleiras dizem que qualquer alimento pode ser preparado e servido nessa verdadeira obra de arte. Afinal, ela mantém a receita quente por mais tempo, o sabor não é alterado por resíduos de alumínio e é mais fácil de lavar do que as panelas convencionais. “Mas peixe e marisco têm que ser na panela de barro”, enfatizam. Vários historiadores e especialistas em gastronomia nem consideram moqueca capixaba a receita feita em panelas comuns. Quando tem leite de coco também não vale. O ingrediente faz a diferença entre a receita capixaba e a versão baiana. O passo a passo da moqueca você pode conferir abaixo, com o urucum indígena e o coentro português – uma mistura com a cara do Brasil e o sabor do Espírito Santo.

ARQUIVO/SETUR

Moqueca Capixaba (4 porções) Ingredientes 1 kg de peixe fresco em postas (badejo ou robalo*) 2 maços de coentro picado 1 maço de cebolinha verde picada 1 cebola picada 4 tomates maduros picados 3 colheres de sopa de azeite 1 alho socado Suco de 1 limão Sementes de urucum** Sal a gosto * Também podem ser usados namorado, garoupa ou dourado ** Pode-se também utilizar tintura de urucum

Modo de preparo Coloque o peixe em um recipiente com o suco de limão e sal. Conserve-o assim por pelo menos uma hora. Em uma panela de barro, refogue com o alho parte do tomate e do restante dos temperos, preparando uma “cama”. Sobre ela, arrume postas do peixe uma ao lado da outra. Monte mais duas ou três camadas de peixe, intercalando-as com tomate e os demais temperos. Não adicione água. Tampe e deixe cozinhar em fogo baixo. De vez em quando, segure a panela pelas bordas, levante-a do fogo e dê uma mexidinha para a moqueca não grudar no fundo. Acerte o sal e cubra com coentro picado. Sirva a moqueca na própria panela, acompanhada de arroz branco, pirão de peixe e molho de pimenta.

Saiba Mais Mão e Obra – Artesanato no Espírito Santo, de Renato Pacheco e Luiz Santos (Senac Espírito Santo, 2001). Em Nome do Autor, de Beth Lima e Valfrido Lima (Proposta Editorial, 2008).


por Lourenço Diaféria

18/1 é o Dia Internacional do Riso

Variedades sobre o riso

O

riso é reação humana. Até aí parece não haver novidade. Imemorial? Quem se lembra da primeira vez que riu? O primeiro terno de marinheiro, a primeira boneca, o primeiro triciclo, essas coisas com maior ou menor importância deixam recordações. Mas o primeiro riso, dele não ficou nada. Claro que isso vale também para o choro. O que se sabe é que criança nasce chorando. Chorar, como consta, é bom para abrir os pulmões. Daí a primeira palmada na bundinha. Já nenhum outro animal, mesmo treinado com paciência e método, usa os músculos da face para manifestar alegria e satisfação. Ou usa? Os bichos são sisudos. Alguns, domesticados, tipo cachorro, gato e mesmo rato branco, na convivência com os donos tornam-se amáveis, mais que civilizados e educados. Têm privilégios. Pulam, brincam, rolam, mas não chegam a ter o dom do riso. Não são poucos os casos de pessoas que agasalham e levam para a cama, à noite, para dormir com elas, animais de estimação. Pessoas inteligentes, assépticas, tomam banho duas vezes no dia, lavam as mãos, mas fazem questão de dividir o leito com um quadrúpede. Pois nem esses animais privilegiados com regalias são capazes de devolver a estima e afeição que recebem dando um leve sorriso de agradecimento. Ouço dizer que criança alguma nasce rindo. Nasce chorando, em geral aos berros. Nasce protestando. O riso tem variações. Pode se limitar a um sorriso. Um esgar. Tem características: pode ser franco; disfarçado; aberto; fechado; tímido; envergonhado. Pode ter matizes? É

possível. Quem deu cor ao riso amarelo? Por que ao riso, quando desatado de peias, dá-se o nome de gargalhada? O riso não é uma reação simples. Pode ser forçado. Qualquer pessoa percebe quando não é natural. E há o riso que vale por um desabafo. Não se pretende aqui deixar de levar a sério os milagres da vida. Há mais milagres abaixo de nossos narizes do que bocas. Porém há risos que explodem como se fosse aberta a tampa de uma panela de pressão. São risos milagrosos, ou quase. Contarei por alto o caso verídico, acontecido num velório recente, velório comum, bolado pelo moderno serviço funerário municipal, que substituiu quatro velas reais de cera acesas por quatro chamas elétricas que bruxuleiam. Um velório matutino. O primeiro a chegar ao evento (perdoem o inadequado emprego do termo) foi um senhor calvo, terno completo, sapatos, sem gravata. Chegou debulhado em lágrimas. Chorava mais copiosamente que fonte de cidade da interlândia, como se escrevia antigamente. Parecia parente íntimo do falecido. Não era. Tratava-se de um credor que havia emprestado uma grana preta ao defunto (quando este estava vivo, é evidente). O choro era tamanho que logo se espalhou a informação de que o dinheiro emprestado havia sido deixado pelo devedor numa cômoda, com um bilhete que revelava a dívida. Portanto, que ficasse sossegado o visitante aflito: seu dinheiro estava garantido. Operou-se estupenda transformação. Num zás, o homem de terno enxugou os olhos, aproximou-se do esquife, beijou reverente a testa álgida do defunto, tomou distância, ergueu os dois próprios braços e bradou, rindo: “Viva o finado Olegário!” Janeiro 2010

29


CASTANHEIR A-DO-PAR Á Bertholletia nobilis Miers

Rainha da floresta A castanheira-do-pará dá um fruto que traz bom humor e aumenta a longevidade, graças ao selênio presente em sua castanha. Limpa as artérias, reduz o colesterol. Modera o apetite. Faz tanto sucesso lá fora que ganhou outro nome, Brazil nut: castanha-do-brasil.

P flora brasiliensis/von martius

30

ovos de língua inglesa têm um ditado: Uma maçã por dia mantém o médico longe (An apple a day keeps the doctor away). Podemos adaptar para um fruto nosso: Uma castanha-do-pará por dia sua velhice adia. Veja, se você comer uma só semente da castanheira-do-pará pela manhã, já garantiu sua dose diária de selênio. Esse guardião do organismo nos defende de bactérias, vírus, câncer, catarata, herpes, degeneração celular. E melhora o humor – o vizinho ranzinza pode ter carência de selênio. Recomende. A castanheira é árvore imponente, tronco ereto, até 4 metros de diâmetro na base. Atinge 30, 50, até 60 metros – altura de um prédio de 20 andares. Cresce no Amazonas, Pará, Rondônia, Acre, Tocantins e Mato Grosso. Mas brasileiros de outras paragens a cultivam; ela vinga até no sulista São Paulo. Tal como tantos casos no reino vegetal, o que comemos dessa árvore não é sua fruta, o ouriço, que pesa entre meio quilo e um quilo e meio. A cápsula marrom escura brilhante, que semelha um coco, contém entre 15 e 24 sementes, as castanhas – estas sim a gente come, depois de quebrar as duras cascas que as envolvem. Durante uns cinco meses, entre o fim de um ano e o início

do seguinte, mais de 100 mil amazônidas se aplicam a uma mesma atividade, típica do Norte: coletar castanhas. Ninguém precisa escalar as árvores. Os ouriços caem ao amadurecer. Consumimos a semente ao natural, picada, ralada, torrada. É comum na culinária nortista o “leite” de castanha. E dela extrai-se um azeite extra virgem de delicado sabor. Se você já está esfaimado bem antes do almoço, coma umas castanhas. Aplaca a fome e depois você come menos. Não se preocupe: a castanha não engorda. Faz parte do seleto grupo das oleaginosas que carregam nutrientes e ativam a queima de gorduras, e ainda mantêm estável o nível de açúcar no sangue. Por nutrir-se apenas do adubo da floresta, a castanheira produz um fruto 100% natural. Nesse tempo de afã por terras férteis para obter biocombustíveis em prejuízo do alimento, é bom lembrar: o imemorial extrativismo harmoniza o meio de sobrevivência do caboclo com preservação da floresta. E ainda gera empregos e traz divisas. Vamos de castanha-do-pará. Lá fora, médicos recomendam a Brazil nut. Será que existe algum brasileiro que nunca comeu uma?


Homenagem aos castanheiros E

dan baron

m 1999, três anos depois do massacre de Eldorado dos Carajás, em que a PM do Pará matou 19 sem-terra e mutilou 69, meu amigo Dan Baron, arte-educador, rumou para lá. Ele é coordenador da Aliança Mundial pelas Artes Educacionais. Com a comunidade, desenvolveu um projeto “estético-político”. Muitos ali tinham sido expulsos de castanhais pelas queimadas de fazendeiros. Dan perguntou-lhes o que simbolizava o massacre.“A castanheira. Nossos pais foram castanheiros, nossos avós.” Resolveram erguer um monumento com 19 castanheiras

E o que mais? 31

IOLANDA HUZAK

Nosso herói, o selênio

calcinadas e 69 pedras pintadas de vermelho.“Era preciso denunciar a violência, poeticamente, e mostrar a eficácia do fazer coletivo”, diz Dan. Em forma do mapa do Brasil, no local do massacre “plantaram” 19 troncos enegrecidos. No centro, um toco-altar com os nomes dos mortos, e ao pé 69 pedras “ensanguentadas”. Dan voltou lá em 2006 e participou da “segunda edição”, agora com filhos das vítimas. Não mais um lamento do passado:“Um monumento não de morte, mas de vida”. Um grito do futuro, como o nascer de uma castanheira.

IOLANDA HUZAK

C P

resente em todo o corpo, e abundante nos rins, fígado, baço, pâncreas e testículos, ele é antioxidante por excelência: neutraliza os radicais livres, retardando o envelhecimento. Fortalece o sistema imunológico e equilibra a tireoide, fundamental para o funcionamento das células. Previne câncer de pele, próstata, mama, pulmão, bexiga, útero, ovário, fígado. Estimula a lactação. Mantém a elasticidade dos tecidos. Aumenta a potência sexual. E acredita-se que atua contra a aids, pelo papel no sistema imunológico.

astanha-do-pará tem: “gorduras do bem”, que reduzem o colesterol, previnem doenças cardiovasculares, esclerose, mal de Alzheimer; vitamina E, antioxidante; zinco, produtor de glóbulos brancos – nosso sistema de defesa; magnésio, que controla a pressão e acalma a mulher em TPM; potássio, para os músculos; ferro, para o sangue; e tanta proteína, que chamam essa oleaginosa de carne vegetal. Em cosméticos, seu óleo, por formar uma película protetora, impede a pele de ressecar e a deixa hidratada e macia.

Saiba mais Árvores Brasileiras, vol. 1, de Harri Lorenzi (Plantarum, 2002). Instituto Plantarum: www.plantarum.com.br


Parceria O sujeito entra numa loja de pássaros e encontra dois lindos canários. Um deles cantava lindamente; o outro, apenas observava-o, sem dar um pio. – Amigo, quanto custa o canário cantor? – Cem reais. – E o mudinho? – Mil. – Mas como? Por que o canário calado vale 10 vezes mais do que o cantor? – É que este aqui é o compositor.

Marido fiel A esposa comenta com o marido: – Você já percebeu como vive o casal que mora aí em frente? Parecem dois namorados! Todos os dias, quando chega em casa, ele traz flores para ela, abraça-a e os dois ficam se beijando apaixonadamente. Por que você não faz o mesmo? – Mas, querida, eu mal conheço essa mulher!

Uma do Juquinha

32

A nova professora chama o Juquinha: – O caçador vê 15 passarinhos num galho de árvore. Atira com a espingarda de chumbinho e acerta nove. Quantos ficam? – Nenhum, fessora, porque, com o barulho, voaram todos – diz o Juquinha. – A resposta certa é seis, mas gostei do seu modo de pensar – diz a professora. O Juquinha pede então licença para apresentar um problema para a mestra: – Três mulheres tomam sorvete. Uma morde, outra lambe e outra chupa. Qual delas é casada? Ruborizada, a professora não quer passar recibo e aceita o desafio: – Bem, a casada é a que está chupando. – Não, fessora. A resposta certa é “A casada é a que está de aliança”, mas gostei muito do seu modo de pensar.

Bêbado Bem cedo, apoiado num poste para não cair, o bêbado vê a vizinha chata indo à feira: – Feia! A reação da mulher vem de bate-pronto: – Bêbado! E o bêbado: – É, mas amanhã eu tô bom!

Uma de sogra A sogra chega à casa do casal com três malas, fora as sacolas. É roupa para uns seis meses de estadia, uma verdadeira mudança. O genro se mostra gentil: – Puxa, dona Flor, quanto tempo a senhora vai ficar? – Até você enjoar de mim – provoca ela. E o genro: – Mas a senhora não vai ficar nem para um cafezinho?

O gato e a globalização Depois de perseguido pelo gato, o rato esconde-se numa toca. Fica ali durante horas. Ao ouvir latidos de cachorro do lado de fora, sentiu-se seguro: o gato certamente teria se escafedido. Mas assim que arriscou sair da toca, foi capturado pelo felino. – Mas será possível? – resmungou o rato. – Era você que estava latindo... – É, meu amigo, neste mundo globalizado, quem não fala duas línguas morre de fome!

Tomando na cabeça O sujeito procura um advogado. – Doutor, quero entrar com uma ação de divórcio. – Pois não. Qual é o motivo? – É que, em 12 anos de casado, minha mulher não fez outra coisa senão me atirar tudo quanto é objeto na cabeça. – Doze anos? E só agora o senhor quer o divórcio? – É que só agora ela acertou a pontaria.

Conversa de capiau O capiau encontra o padre e pergunta: – O senhor acha justo, acha correto arguém ganhá dinheiro ou lucrá com a desgraça e o sofrimento do outro? – Claro que não, meu filho. Isso é um grande pecado – responde o padre. – Então pode devorvê a taxa que o senhor cobrou pra me casar com a cobra da minha muié!


Cabeludos O jovem faz 18 anos, tira carta de motorista e já pede o carro do pai emprestado. O pai impõe as condições: passar no vestibular e cortar o cabelo, que está pelo meio das costas. Lá vem o jovem dois meses depois, todo feliz, aprovado, mas nada de cortar o cabelo. Inventou uma desculpa: – Estive pensando, pai. Sansão tinha cabelos compridos. Abraão também. E o próprio Jesus... E o pai: – É, tem razão. E também não tinham carro.

Vendedor solícito O ladrão entra na livraria e berra para o vendedor: – O dinheiro ou a vida! – Pois, não. Qual a editora ou o nome do autor?

Sujeito distraído O rapaz liga para a companhia aérea: – A senhora pode me informar quanto tempo leva a viagem de Salvador ao Rio? – Só um minutinho. – Obrigado! – e desliga.

Nos tempos da ditadura 33

V

ejam só: até dos tempos da marfadada ditadura tem causos pra gente contar. Esse que conto agora é dum camarada muito boateiro que tinha num bairro de São Paulo. O homem fazia boato de tudo. E isso era sempre num botequinho que ele frequentava. Inventava coisas do governo militar, coisas de autoridades, zombava disso e daquilo outro. Acontece que, desse barzinho gostoso de se trocar umas conversas de fim de tarde, um coronel que estava sempre à paisana era também um grande freguês. E, portanto, sabedor e até ouvinte assíduo do boateiro. Ninguém naquele boteco sabia que o coronel era coronel do Exército... Isso porque o dito cujo não fazia propaganda da farda. Era um cabra até que bem humilde e bom de papo. Mas os boatos do tal amigo foram de certa forma chegando ao exagero e, com isso, no bom palavreado, foi enchendo o saco do bom militar. Daí o tal coronel resolveu fazer uma brincadeira corretiva com o boateiro. E, pra isso, simulou uma operação militar com jipes, metralhadoras e pessoal fardado, tudo combinado para pregar uma peça no moço dos boatos. Pois bem. Era de tardezinha, nosso amigo falava mal dos fardados e eis que, de repente, surge aquela operação militar de araque.

Coronel (fardado e bravo) – O senhor está preso. Coloquem esse indivíduo no camburão. O senhor vai ser julgado por um júri militar e condenado por causa dos boatos referentes ao Exército. Levam o dito cujo, simulam um júri e a condenação: morte por fuzilamento. Não é preciso dizer que o boateiro fez aquilo nas calças. Pois bem. Isso posto, lá estava o nosso amigo num paredão e na sua frente cinco fuzileiros apontando armas (com festim, é claro). Coronel – Prepararrrrr! Apontarrrr! Fogo! Dispararam as armas e o susto foi o pretendido pelo coronel, que se aproximou do boateiro, ainda bravo: Coronel – Isso é só pro senhor aprender a não falar mal das Forças Armadas. Entendeu? Fora daqui, seu desocupado (e dá-lhe um último safanão). No outro dia, lá está o nosso querido boateiro, chegando à porta do mesmo botequim, para as conversas de sempre, regadas a uma boa cachacinha. Alguns clientes e amigos que tinham presenciado a prisão no dia anterior se aproximam para saber das novidades. Freguês – Então, Justino! Como foi lá no quartel? Conta aí pra gente as novidades... O sujeito chama todos para perto de si e cochicha: Boateiro – Olha, pessoal. Não contem pra ninguém, mas nosso Exército está totalmente sem munição...


Como retribuí? Soltando a voz! Por Osvaldo Martini

H 34

á três anos recebi a notícia de

medem esforços para cooperar com o pró-

estar com um câncer na região

ximo. São pessoas que merecem todo o

da rinofaringe, logo acima do nariz. Foi

respeito da população.

uma novidade dura de assimilar. Além

Entretanto, percebi que o belo trabalho do

dos perigos da doença, era algo que

hospital e dos voluntários ainda não

poderia comprometer a fala. Logo eu,

tem a visibilidade merecida. Resolvi

metido a cantor amador.

dar a minha pequena parcela de con-

Na mesma hora me lembrei da minha

tribuição. “De que modo?”, pensei.

mulher, que infelizmente nos deixou há

Com a coordenadora da Faculdade

15 anos devido a um câncer pulmonar. A doença dela chegou

de Educação Física de Barra Bonita,

severamente. Mas nunca me esqueço de como ela foi bem tra-

professora Lucilene Ferreira, pro-

tada no Hospital Amaral Carvalho, com carinho, respeito, aten-

curei a direção do hospital e pro-

ção. E, claro, com qualidade no atendimento. É uma instituição muito bem estruturada, com equipamentos de ponta e pessoal preparado. Ela recebeu um atendimento de primeira. E de graça.

M a ri sa e

O sv a ld o

, e m 19 8

9.

pus gravar um CD, cantado por mim, para ser distribuído em

eventos. Assim que alguém contribuir com a institui-

Claro, resolvi me tratar na mesma instituição. Os médicos deci-

ção, leva o CD para casa, como brinde.

diram por uma operação, que foi bem-sucedida. Por minha conta

O repertório será só de músicas românticas: Roberto Carlos,

e risco, decidi não passar por sessões de quimioterapia ou radio-

Moacir Franco e por aí vai. Até em espanhol soltarei a voz.

terapia. Desde então, sinto-me curado. Mas não bobeio. O pessoal

Todo o custo de produção será bancado por mim. Claro que

do hospital me acompanha periodicamente. Primeiro, de três em

ainda depende de questões legais, de direitos autorais. Torço

três meses. Depois, de quatro em quatro, de seis em seis. Atual-

para que dê certo.

mente, só preciso ir a cada sete meses.

Fiquem tranquilos, garanto que a minha voz está bonitinha. Hoje,

Além da qualidade no atendimento, o trabalho dos voluntários

aos 72 anos e curado, posso soltar o gogó. É uma maneira de aju-

é encantador. Eles são sempre solícitos, com uma boa vontade

dar as ligas de voluntários, formadas por pessoas tão importan-

de dar gosto. A ação deles é essencial para os mais pobres. Lu-

tes para quem se encontra doente. Mas confesso ser impossível

tam por remédios, por transporte, por alimentos. Promovem

esquecê-las por outro motivo. No meu município, Igaraçu do Tie-

jantares beneficentes para arrecadar dinheiro e brigam com

tê, a liga de voluntários se chama MMM. Uma linda homenagem

as prefeituras por mais benfeitorias aos enfermos. Enfim, não

à minha mulher, Marisa Murcare Martini.



Amanaque de Cultura e Saúde - FEBEC - Edição 01