Issuu on Google+

Rua dos Santos Mártires, 3810-171 Aveiro · tel. 234 427 053 www.fabrica.cienciaviva.ua.pt · fabrica.cienciaviva@ua.pt

Um dia destes, estava a dormir tranquilamente, pendurada no meu fio de teia, quando de repente uns miúdos: pegaram no meu corpito, juntaram-me as patas duas a duas, com o fio ao alto a passar no meio e bem esticado, puxaram-me para o topo e

B.I. DOS OBJETOS

FIO PUXADO CONTO CONTADO

PATINS EM LINHA

E AS PALAVRAS GUARDADAS NA TEIA DA FÁBRICA

TESTADO E APROVADO!

ASSOBIO DE PAPEL

O que preciso: 1 Pedaço de papel 5c mx10cm

Data: 1966 Local: Chicago, EUA

largaram-me. Depois (como eu me segurei, claro), eles ficaram todos decepcionados: – Oh, que pena! Está estragado o brinquedo! Já não desce… Mas que é isto, garotos malucos?! 1º: não sou um brinquedo, sou uma aranha muito honrada; 2º: não estou estragada; estou óptima; 3º: não desci, porque não quis (tenho músculos para me agarrar); 4º: o tal brinquedo divertido, que desce devagar e aos solavancos por um elástico, nem sequer imita uma aranha. Se querem ver um bichito de brincar, pendurado torto, a descer por um fio elástico (porque a sua energia potencial gravítica, associada à altura, é transformada em movimento, por causa do peso, que o atrai para o chão), e descer aos pulinhos (porque o fio, com a sua propriedade elástica, estica para o lado que o brinquedo empurra ao

on concebeu os ina), Scott Ols m lâ Historial om (c lo o por todo o patins para ge nharam sucess ga e qu Inspirado nos s, da s de rodas , com quatro ro com duas linha es or ri te an patins em linha do os je (ultrapassan mundo até ho ra com a cinética, pa gi er en . , s) de la le da para ar veloci a cinética meça por ganh forço. A energi es s ai m m O patinador co se to tinador, se pois o movimen deslizar do pa o m bé m ta ela manter de e ente, o seu eixo, e as a indefinidam ar, as rodas e o e conservar-se-i o rp co o ). atrito entre: ao movimento não houvesse to é contrária ri at de a rç fo (a rodas e o chão

Como fazer: 1 - Dobrar a tira de pa pel ao meio, no sentido do comprimento 2 - Dobrar os dois lados do papel para fora e na direção da dobra anterior 3 - Rasgar um pequen o orifício com os dedo s, a meio do primeiro vinco 4 - Segurar o apito de papel entre dois dedo s, com o orifício para lado das costas da mã o o, e soprar pela ranhur a O que acontece? Quando sopramos no assobio de papel, senti mos nos lábios a vibração deste e ouvim os um som estridente . A energia é transferida para as partes móveis do papel, fazendo-as vib rar e essa fricção é comunicada ao ar à vo lta. Assim, o som é um a vibração do ar, que chegar aos nossos ou ao vidos faz vibrar o tímpa no e os três ossos ma pequenos do nosso co is rpo.

cair, e volta à posição inicial trazendo o brinquedo para o lado oposto). Se é isso que querem ver, comprem um pica-pau “brinquedo científico” e deixem-me dormir a sesta, sim?!

NÃO DIGAS POR AÍ, MAS… A Júlia ganhou o Concurso de Castelo de Cartas, porque equilibrou os pesos delas sobre uma toalha de flanela! Não escorregaram: o pano travou-as, por ser rugoso! Os castelos dos outros concorrentes, no tampo lisinho, sem atrito quase nenhum: fiummm! Foram parar ao chão.

QUE ESCAGANIFOBÉTICO! TSURU?! É uma ave sagrada no Japão, que simboliza a felicidade e a sorte e é a figura mais representada por todo o mundo em Origami, uma técnica de dobrar papel muito usada para estudar matemática (pelos ângulos, linhas retas, figuras geométricas e simetrias que as suas dobragens envolvem).

Dia Mundial da Criança III Feira de Ciência no Glicínias Plaza A Fábrica Centro Ciência Viva de Aveiro está no Centro Comercial Glicínias Plaza, em Aveiro, de 29 de maio a 1 de junho, e no Centro Comercial Foz Plaza na Figueira da Foz, de 30 de maio a 1 de junho, com a III Feira de Ciência! Escolas e famílias vão poder divertir-se e muito, enquanto partilham uns com os outros momentos inesquecíveis de ciência e tecnologia. Quem faltar, vai perder: shows de ciência, sessões de planetário, vários módulos interativos e oficinas: “Saber em gel”, “Aprender ciência a brincar”, “Não me toques… que me eletrificas!”, “Aviões e trambolhões” e “Bolas efervescentes”.


Vicencia Vivissima