Issuu on Google+

373

BI dos Objetos Aparelho de raios X

Episódio 4 - Dopamina

Nome: Aparelho de raios X Data de nascimento: 8 novembro 1895 Inventor: Wilhelm Conrad Röntgen Nacionalidade: Alemão Historial Wilhelm Conrad Röntgen recebeu o primeiro prémio Nobel da Física em 1901 "em reconhecimento pelos extraordinários serviços que a descoberta dos notáveis raios […] possibilitou”. Os aparelhos de raios X, tal como o nome indica, emitem um tipo de radiação eletromagnética mais energética que a luz visível. Tendo feito esta descoberta acidentalmente, e por ser uma radiação desconhecida na altura, Röntgen chamou-lhe raios X, sendo que o X aparece como a incógnita da matemática. Durante o exame, uma câmara situada no outro lado do paciente grava o padrão de raios X que passam através do seu corpo. As áreas que são expostas a uma maior intensidade de radiação ficam mais escuras e as áreas expostas a menor intensidade de radiação aparecem mais claras. Os ossos aparecem a branco e materiais como os tecidos adiposos aparecem a preto ou cinza.

ABC dos Cientistas

Marie Curie O trabalho desenvolvido sobre radioatividade valeu ao casal Curie juntamente com Becquerel, o prémio Nobel da Física (...)

Moléculas Sensacionais

Marie Sklodowska Curie, química francesa de origem polaca, nasceu em Varsóvia a 7 de novembro de 1867 e morreu em França a 4 de julho de 1934. O seu entusiasmo pela ciência resultou do estímulo recebido do seu pai, um professor de Física em Varsóvia. Em 1881, mudou-se para Paris para continuar os seus estudos na Sorbonne, onde obteve licenciatura em Física e Matemática. Em 1894, conheceu Pierre Curie, professor de Física, com quem casou no ano seguinte. Após a descoberta da radioatividade por Becquerel, Madame Curie começou a investigar o urânio, elemento radioativo encontrado na pechblenda (minério). Em 1898 descobriu, em conjunto com o marido, dois novos elementos: o polónio e o rádio. O trabalho desenvolvido sobre radioatividade valeu ao casal Curie juntamente com Becquerel, o prémio Nobel da Física em 1903. Assim, Madame Curie tornou-se a primeira mulher a receber tal prémio. Marie Curie conseguiu que o seu marido se tornasse diretor do Laboratório de Física da Sorbonne e, após a morte de Pierre Curie num acidente rodoviário em 1906, ocupou o

Tardes de Matemática com “A matemática na música ibérica da renascença” A Fábrica Centro Ciência Viva de Aveiro, o Departamento de Matemática da Universidade de Aveiro (UA), em colaboração com a Sociedade Portuguesa de Matemática, continuam o ciclo de Tardes de Matemática em Aveiro. “A matemática na música ibérica da renascença” é o tema da próxima sessão e conta com Andreia Hall, do Departamento de Matemática da UA, e com José Abreu, da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, como convidados. Conta ainda com a participação de um grupo de cantores que irá interpretar alguns dos exemplos musicais. O evento decorre no sábado, dia 17 maio, às 15h00, na Fábrica Centro Ciência Viva de Aveiro. Destina-se a público jovem e adulto e a entrada é livre. “Uma obra musical resulta de um equilíbrio entre repetição e diferença. A “repetição” apresenta fortes analogias com transformações geométricas de figuras no plano. Nesta sessão, partindo de isometrias e simetrias de figuras no plano, iremos ver de que modo as técnicas de “repetição” de material musical, utilizadas no processo composicional da música ibérica dos séculos

Figura - Representação da molécula de Dopamina.

lugar de professora de Física, cargo exercido pela primeira vez por uma mulher. Em 1911 recebeu o Nobel de Química “em reconhecimento pelos seus serviços para o avanço da química, com a descoberta dos elementos rádio e polónio, o isolamento do rádio e o estudo da natureza dos compostos deste elemento”. Com uma atitude generosa, não patenteou o processo de isolamento do rádio, permitindo a investigação das propriedades deste elemento por toda a comunidade científica. Tornou-se a primeira pessoa a ser laureada com um segundo prémio Nobel. Foi nomeada diretora do Laboratório de radioatividade no Instituto Curie de Rádio, criado pela Universidade de Paris e pelo Instituto Pasteur. Durante a Primeira Guerra Mundial Marie Curie dedicou-se a providenciar serviços radiológicos para os hospitais. Morreu em 1934, vítima dos efeitos da radioatividade, e em 1995 as cinzas de Marie e Pierre Curie foram consagradas no Panteão de Paris.

Os ingredientes para um episódio de boas sensações são apenas vinte e dois átomos: oito de carbono, onze de hidrogénio, dois de oxigénio, e um de nitrogénio. É esta a composição da Dopamina - a molécula da motivação… e do otimismo! A Dopamina é uma molécula de pequena dimensão, mas com uma enorme variedade de efeitos no nosso corpo. Por exemplo, nos rins é um diurético, no pâncreas reduz a produção de insulina, no sistema digestivo protege a mucosa intestinal e no coração estimula o ritmo cardíaco. Mas o seu papel mais importante - e, certamente, o mais popular - é no cérebro, onde atua como neurotransmissor associado aos processos que orientam as nossas decisões. De facto, a Dopamina é reconhecida como participante ativa nos mecanismos de motivação e de recompensa, os mecanismos cerebrais que nos fazem sentir bem quando desejamos algo e quando atingimos um objetivo. É também neste papel que é associada aos estados de “felicidade esfuziante” dos apaixonados. E alguns estudos recentes mostram ainda que a Dopamina reduz as expectativas negativas quanto ao futuro e, dessa forma, determina o nosso nível de otimismo. Esta complexidade de papéis continua a desafiar - ou melhor, a entusiasmar - os cientistas, que não desistem de a estudar melhor. Uma complexidade que faz da pequena Dopamina uma molécula mesmo sensacional! “Moléculas Sensacionais” é um projeto de Paulo Ribeiro Claro (Departamento de Química da Universidade de Aveiro e CICECO) e de Catarina Lázaro (programa Click/Antena 1) em parceria com a Fábrica Centro Ciência Viva

XVI e XVII, podem ser vistas sob uma perspetiva geométrica.”

Ciência na Agenda 17 maio (15h00) – Tardes de Matemática – “A matemática na música ibérica da renascença”, com Andreia Hall e José Abreu, na Fábrica Centro Ciência Viva de Aveiro. 17 maio (21h30) – Café de Ciência Conversas à Vela com o médico Duarte Santos e os velejadores Gil Conde e Pedro Patrício, no Hotel Moliceiro. 18 maio (11h00) - Domingo de manhã na barriga do caracol – “O Avô e os passarinhos”, na Fábrica Centro Ciência Viva de Aveiro. 19 maio (21h15) – Conversas Paralelas – “À conversa com Ana Luísa Daniel-da-Silva”, na Fábrica Centro Ciência Viva de Aveiro. 20 maio (11h00) – A Fábrica vai… à Pediatria do Hospital Infante D. Pedro. 22 maio (10h00) - Apresentação dos livros "À roda do coração” e “A fuga da ervilha”, com os escritores Lurdes Breda e Pedro Seromenho, na Fábrica Centro Ciência Viva de Aveiro. 22 maio (18h00) – Havíamos de falar disso… de medo, com Paulina Chiziane e Gonçalo M. Tavares, no auditório da Reitoria da Universidade de Aveiro.

de Aveiro.

Rua dos Santos Mártires, 3810-171 Aveiro · tel. 234 427 053 · www.fabrica.cienciaviva.ua.pt · www.facebook.com/fccva · fabrica.cienciaviva@ua.pt

Fábrica Centro Ciência Viva de Aveiro 2013


Laboração contínua