Issuu on Google+

ANO XVIII - NÚMERO 09

Outubro de 2013

Bancários realizam grande movimento grevista

Foram 23 dias de greve, 26 dias para os bancários do BB e da Caixa. Ao final, conquistamos novamente reajuste salarial acima da inflação. A greve foi a maior dos últimos 20 anos, fechando 12.140 agências em todo o país no 22º dia do movimento. Na base dos Sindicatos de Chapecó e Joaçaba foram fechadas mais de 60 agências e postos de atendimento. A greve iniciou no dia 19 de setembro e seguiu até o dia 11 de

outubro, quando a categoria aprovou a pro-posta da Fenaban. Os bancários do BB e da Caixa permaneceram no movimento até 14 de outubro, dia em que aprovaram as pautas específicas. O Acordo Coletivo de Trabalho com a Fenaban e os aditivos com a Caixa e o BB foram assinados dia 18 de outubro. Já os funcionários do Banrisul permaneciam em greve até o fechamento desta edição. Nesse período de greve, os bancários de Chapecó e região mostra-

Mobilização garante conquistas para a categoria

Confira nas próximas páginas um resumo do Acordo Coletivo assinado com a Fenaban e dos aditivos da Caixa e do BB.

ram sua força de organização, unidade e persistência. Entre as ações realizadas durante a greve, fizemos dois atos muito bonitos no centro de Chapecó. Encerramos a greve mais fortes e com a sensação de dever cumprido: com a nossa luta consegui-mos arrancar ganho real dos bancos, que se mostram cada vez mais intransigentes e com muitas atitudes antissindicais.

Sindicato disponibiliza assessoria jurídica

Todas as quintas-feiras estará disponível no sindicato de Chapecó a advogada Katiuska Raquiely Martins de Quadros, que prestará atendimento jurídico gratuito aos associados. Ela atenderá no período da manhã, das 8h30 às 11h30. Bancários interessados em ações trabalhistas, previdenciárias, tributárias e securitárias podem comparecer no sindicato para esclarecer dúvidas ou encaminhar ações.


Acordo da Fenaban A greve e a participação Mais uma greve da categoria bancária tem fim e, apesar de não conquistar a totalidade da pauta construída pelos bancários, avança em alguns pontos e pode ser considerada vitoriosa pela força da unidade da categoria. Neste entendimento, cabe ressaltar que os resultados são exponencialmente maiores e ocorrem com mais celeridade conforme o número de pessoas que aderem ao movimento paredista. Por exemplo, veja o avanço conquistado no BB no que cerca os caixas após uma adesão massiva destes e das PSO's em várias praças. Apesar da veracidade facilmente verificável destas informações, existem pessoas que resistem em participar da greve. Há alguns poucos entre eles que, inclusive, tentam sabotar o movimento, instaurando medo, falseando a verdade ou procurando formas de diminuir a abrangência da paralisação. Tendo em vista que os resultados da greve são visivelmente maiores que a proposta inicial e que as práticas acima descritas dificultam a obtenção destes mesmos resultados, não seria o momento desses colegas refletirem sobre essas práticas? Se o colega se sente contemplado com o oferecido pelos bancos antes mesmo da greve, não seria o caso de adotar uma atitude elevada e pelo menos renunciar às diferenças conquistadas doando a uma entidade beneficente? Em que pese estas interrogações, cabe agora retomar o espírito de coleguismo e companheirismo que sempre foi a tônica de nossa categoria. Parabenizamos todos os colegas que participaram do movimento. Unidos conquistamos direitos.

> Reajuste: 8,0% (1,82% de aumento real). > Pisos: Reajuste de 8,5% (ganho real de 2,29%). - Piso de portaria após 90 dias: R$ 1.148,97. - Piso de escriturário após 90 dias: R$ 1.648,12. - Piso de caixa após 90 dias: R$ 2.229,05. > PLR regra básica: 90% do salário mais valor fixo de R$ 1.694,00 (reajuste de 10%), limitado a R$ 9.087,49. Se o total apurado ficar abaixo de 5% do lucro líquido, será utilizado multiplicador até atingir esse percentual ou 2,2 salários (o que ocorrer primeiro), limitado a R$ 19.825,86. > PLR parcela adicional: aumento de 2% para 2,2% do lucro líquido distribuídos linearmente, limitado a R$ 3.388,00 (10% de reajuste). > Antecipação da PLR até 10 dias após assinatura da Convenção Coletiva: na regra básica, 54% do salário mais fixo de R$ 1.016,40, limitado a R$ 5.452,49. Da parcela adicional, 2,2% do lucro do primeiro semestre, limitado a R$ 1.694,00. O pagamento do restante será feito até 3 de março de 2014. > Auxílio-refeição e cestaalimentação: total de R$ 907,32. > 13ª cesta-alimentação: de R$ 367,92 para R$ 397,36.

> Auxílio-creche/babá: de R$ 306,21 para R$ 330,71 (para filhos até 71 meses). E de R$ 261,95 para R$ 282,91(para filhos até 83 meses). > Requalificação profissional: de R$ 1.047,11 para R$ 1.130,88. > Adiantamento emergencial: Não devolução do adiantamento emergencial de salário para os afastados que recebem alta do INSS e são considerados inaptos pelo médico do trabalho em caso de recurso administrativo não aceito pelo INSS. > Cobrança de metas (novidade): Gestores ficam proibidos de enviar torpedos aos celulares particulares dos bancários cobrando cumprimento de resultados. > Abono-assiduidade (novidade): Um dia de folga remunerada por ano. > Vale-cultura (novidade): R$ 50,00 mensais para quem ganha até 5 salários mínimos.

Você pode ler a íntegra do Acordo Coletivo da Fenaban e dos aditivos da Caixa e do BB no site no sindicato: www.bancarioscco.com.br, no menu ‘‘Acordos Coletivos’’

Lenhador O sujeito se apresenta para um emprego de lenhador numa empresa desmatadora da Amazônia, se gabando de ser o melhor lenhador do mundo. O entrevistador olha para a sua figura meio franzina e pergunta, desconfiado: - Onde o senhor já trabalhou como lenhador? - No Saara! - Mas o Saara é um deserto! - Agora é!

EXPEDIENTE: Folha Bancária é o informativo mensal dos Sindicatos dos Bancários de Chapecó e de Joaçaba. Redação: Rua Porto Alegre, 619-D, Centro, Chapecó, SC. E-mail: seger@bancarioscco.com.br. Editora: Mariane Kerbes . Tiragem: 1.800 exemplares. Distribuição dirigida aos bancários das bases dos sindicatos. Fotos: Seeb Chapecó, Reprodução. Matérias: Seeb Chapecó, Contraf, Sindicato da Bahia, Agência Câmara, Agência Brasil, TRT, Fetrafi/RS, TST, Rede Brasil Atual. Ilustração: Reprodução. Impresso na Gráfica Polyart.


Outubro 2013

Acordo da Caixa 1) PLR Vide acordo da Fenaban PLR Adicional: 4% do lucro líquido realizado distribuído igualmente para todos os empregados e Garantia de no mínimo uma Remuneração Base a todos os Empregados. Valores de PLR – Exemplos paradigmáticos, com base no lucro orçado: - TBN referência 203 – R$ 8.000,48 - Caixa Executivo – R$ 9.361,28 - Tesoureiro – R$ 11.200,88 - Avaliador penhor – R$ 10.695,98 2) Antecipação da PLR: Antecipação de 60% do valor devido a cada empregado, a ser paga em até 10 dias após assinatura do ACT. 3) Horas extras: Manutenção da cláusula referente a prorrogação da Jornada de trabalho e pagamento de 100% das horas extras realizadas em agências com até 15 empregados. 4) Promoção por mérito – ano base 2013: A Caixa realizará sistemática de avaliação para promoção por mérito em 2014, referente ao

ano base 2013. Redução das horas de estudo para efeito da promoção por mérito de 70 para 10 horas. 5) Comissões de Conciliação Voluntária: A Caixa se compromete a renovar a assinatura do Acordo Coletivo de Trabalho que regulamenta a CCV por ocasião do seu vencimento. 6) PSI: Constituição de Comissão para avaliar e sugerir melhorias nos processos de seleção interna. 7) Empregados: A Caixa se compromete a dar continuidade ao processo de contratação de empregados, em 2014, para reposição dos empregados desligados e nas aberturas de agências.

Acordo do BB

1) Reajuste: O piso e demais verbas salariais serão reajustados em 8%. O novo piso do BB será de R$ 2.104,66 após 90 dias (A2). 2) Contratações: Serão contratados 3 mil bancários até agosto de 2014. 3) PSO/Caixas: Os caixas executivos passarão a pontuar como os demais comissionados na primeira faixa de funções: 1 ponto por dia. A contagem será feita de forma retroativa considerando 2006 adiante. Com isso, os bancários que exerceram a função de caixa desde essa data já terão ou estarão próximos de completar 1095 pontos e adquirir mais uma letra de mérito (R$ 113,00). Além disso, serão efetivados no caixa mais

de 1.200 bancários que já vêm exercendo a função a mais de 90 dias. 4) Trava para remoção: A trava dos escriturários diminuiu de 24 para 18 meses. 5) Incorporados: Haverá uma mesa temática após 30 dias da assinatura do acordo sobre o tema Cassi e Previ para que o BB apresente os dados e estudos referentes aos incorporados, os planos de saúde e previdência desse segmento e demais fatores inerentes. 6) Questões de combate ao assédio moral. Torpedos: Criação de cláusula que limita o uso de mensagens de texto (SMS) cobrando metas de seus funcionários fora da jornada de trabalho. “Ficha suja”: O banco também terá como pré-requisito para um funcionário ser gestor, não haver registro dele de denúncia procedente na ouvidoria ou no protocolo de prevenção de conflitos assinado entre a Fenaban e as entidades sindicais nos últimos 12 meses.

Agências de nível 6 do BB atendem com precariedade As agências de nível 6 do Banco do Brasil estão funcionando com precariedade tanto em número de bancários como em estrutura física. Essas agências possuem apenas dois funcionários para desenvolver todas as funções. Não possuem Caixa e não têm dinheiro na agência. Por conta disso, também não há segurança, deixando bancários e clientes à mercê de assaltantes, que não sabem como a agência funciona. O fato de haver apenas dois funcionários cria diversas dificuldades. Por exemplo, no horário de almoço fica apenas um bancário no local, que não pode sair de seu posto de trabalho nem para ir ao banheiro. A mesma situação ocorre em caso de um adoecer e não poder comparecer ao trabalho. Reivindicação do movimento sindical O movimento sindical reivindica que estas agências ofereçam a estrutura mínima de funcionários, de estrutura física, com segurança, para que os funcionários possam trabalhar num ambiente adequado e para que a população seja atendida com mais dignidade. Negociações específicas

Assembleia aprova moção de repúdio As assembleias dos funcionários do Banco do Brasil e da Caixa aprovaram uma moção de repúdio ao Comando Nacional em relação à sua postura no processo de negociação das pautas específicas do BB e da Caixa. O objetivo é de mostrar o descontentamento da categoria com a falta de negociação efetiva dessas pautas e o consequente resultado insuficiente na proposta oferecida pelos bancos.


Outubro 2013

HSBC é condenado por não emitir CAT O HSBC foi condenado pelo TST (Tribunal Superior do Trabalho) a pagar R$ 500 mil de indenização por dano moral coletivo por não emitir a Comunicação de Acidente do Trabalho (CAT) e dispensar os empregados diagnosticados ou com suspeita de Lesão por Esforço Repetitivo/Distúrbio Osteomuscular Relacionado ao Trabalho (LER/DORT). O recurso de revista teve origem em uma ação civil pública proposta pelo Ministério Público do Trabalho da 9ª Região (PR) a partir de denúncia do Sindicato dos Bancários de Curitiba e Região. O HSBC se recusava a emitir a CAT dos empregados portadores de LER/DORT, elaborava perfil profissiográfico previdenciário de maneira tendenciosa, dispensava trabalhadores em condição de inaptidão para o trabalho e não possuía programa de recolocação profissional. O ministro Walmir Oliveira da Costa, relator do recurso do HSBC para o TST, citou em seu voto dados da Previdência Social que mostram o crescente nível de incidência dos DORTs no setor bancário. Somente entre os anos de 2000 e 2005, mais de 25 mil bancários foram afastados do trabalho por causa de dores relacionadas aos DORTs, o que representa 5,2% da categoria. Os números demonstram, segundo o ministro, "o incontestável grau de potencialidade do dano causado aos trabalhadores pelas DORTS".

Vale a pena fazer greve? Segue tabela com as conquistas das greves dos bancários. Veja o exemplo em números.

OBS: Não foi considerados os reflexos na PLR , FGTS e outros benefícios existentes em alguns bancos ou segmentos como gratificação semestral, licença prêmio, anuênio etc.

Outras conquistas obtidas com as greves > Equiparação do valor do auxílio refeição e cesta alimentação para o BB e Caixa em 2005; > 13ª cesta alimentação em 2007; > PLR linear do BB de 4% do lucro em 2005; > PLR social na caixa de 4% do lucro em 2010; > Adicional da PLR para 2% do lucro

em 2006 e para 2.2 em 2013 no acordo da fenaban; > Licença Maternidade de 180 dias em 2009; > Melhoria no valor fixo da PLR; > PCR no BB; > PCS na Caixa; > Vale Cultura de R$ 50,00 mensais em 2013 até 5 SM.

Diferenças salariais dos meses 09 e 10 Os reajustes conquistados pela categoria serão retroativos a 1º de setembro. Veja na tabela.

Conversando com o gerente Cheguei pro gerente do banco e falei: - Meu Deus, pra que tanto dinheiro? E ele respondeu: - Não é da sua conta!

Siga-nos no

twitter:

bancarios_cco

Acesse nosso

site:

www.bancarioscco.com.br


GREVE DOS

Imagens da greve nas bases dos sindicatos de Chapeco e Joaçaba Comissões de esclarecimento Durante a greve, em Chapecó, os bancários reuniam-se todos os dias em frente às agências para prestar informações à população sobre os motivos da paralisação.

Base do sindicato de Joaçaba Assembleias, comissões de esclarecimento nas agências e movimentação nos bancos durante a greve dos bancários da base do sindicato de Joaçaba

ANO XVIII - NÚMERO 09

Outubro de 2013


Atos públicos Os bancários em greve realizaram dois atos públicos em Chapecó, um no dia 30/09, em baixo de forte chuva, e outro no dia 07/10, com caminhada pela Avenida Getúlio Vargas.

Assembleias De forma democrática todas as decisões da campanha salarial foram tomadas em assembleias, com a participação da categoria. No final da greve, nas assmbleias específicas do BB e da Caixa em Chapecó, os bancários deram-se aos mãos como forma de mostrar a unidade construída durante o movimento.


Fb outubro