Page 1

BRASÍLIA A Cidade Onde Envelheço vence festival. PÁGINA A28

/ CINEMA / Em novo filme, diretor cria seu próprio exército de seres superpoderosos Fábio Trindade DA AGÊNCIA ANHANGUERA

fabio.silveira@rac.com.br

Quem diria que nem mesmo Tim Burton resistiria à era dos super-heróis — apesar desse termo não ser o preferido dele. O excêntrico cineasta, de estilo único e incomparável, decidiu mostrar seu próprio exército de seres com poderes especiais que podem, sim, mudar o mundo com habilidades um tanto quando extraordinárias. Não é um grupo exatamente na linha de Os Vingadores ou Esquadrão Suicida, mas também não tão distante de clãs como X-Men ou aquele liderado por um certo bruxinho chamado Harry Potter. Afinal, o que Tim Burton apresenta nas telas com seu mais novo filme, O Lar das Crianças Peculiares, que estreia hoje nos cinemas brasileiros, nada mais é que jovens com dons muito especiais.

CORREIO POPULAR

Campinas, quinta-feira, 29 de setembro de 2016

TIM BURTON: Ainda mais PECULIAR Fotos: Divulgação

Francesa Eva Green estrela produção como a Srta. Peregrine Um longa-metragem repleto de esquisitices que só Tim Burton sabe fazer e liderado por uma atriz acostumada a mostrar um mundo obscuro e desconhecido: Eva Green. A bela atriz francesa, estrela da excelente — e aterrorizante — série Penny Dreadful (e que também estrelou Sombras da Noite, do próprio Burton), vive a Srta. Peregrine, a responsável por um orfanato escondido numa isolada ilha no País de Gales. Bom, como dá para imaginar, é aqui onde as crianças com dotes singulares vivem e, claro, elas não são as únicas peculiares do local. A própria senhorita tem seu lado diferente. “Ela pode manipular o tempo, de modo que as últimas 24 horas possam ser vividas novamente. Assim, todas as noites, ela tem o ritual de reiniciar o tempo”, explica Eva Green. Na história, baseada no romance best-seller de Ransom Riggs, O Orfanato da Srta. Peregrine Para Crianças Peculiares, a líder do clã cria uma “fenda” na ilha na qual esconde as crianças do mundo exterior e de seus inimigos, os Acólitos (comedores de crianças). Como ela pode reiniciar as últimas 24 horas, as crianças nunca envelhecem, e assim eles seguem a vida. “Ela arriscará sua vida e matará. Ela também é uma peculiar, pode se transformar em um pássaro. É bastante complicado tudo”, acrescenta a atriz. A trama é a seguinte: Jack, vivido por Asa Butterfield, embarca numa jornada até a ilha remota na costa do País de Gales para descobrir mais sobre o misterioso avô Abe (Terence Stamp). É aí que ele descobre as ruínas do orfanato e seus moradores. Enquanto ele explora os quartos e corredores abandonados, fica claro que aqueles que por ali passam não são nada comuns. E é nesse momento que surge a maior dúvida da história: por que essas crianças peculiares foram confinadas naquele lugar? Elas são perigosas? Um motivo, obviamente, existe. “É como estar num conto de fadas, estar nessa casa, rodeada por essas crianças”, resume Eva Green sobre o filme e fazer parte dele. “É como entrar num sonho, ou algo assim. É tão agradável estar rodeada por pessoas delicadas, não sofrer a pressão de ninguém e

Cena de O Lar das Crianças Peculiares, longa-metragem baseado no best seller O Orfanato da Srta. Peregrine Para Crianças Peculiares, de Ransom Riggs

apenas se divertir.” Fotografia

Assim como todos os filmes de Tim Burton, a fotografia é algo que vai chamar a atenção do espectador em O Lar das Crianças Peculiares. Por ser uma fantasia arrepiante, é claro que há assombrosas fotografias de época, como explica a atriz. “As fotografias antigas no livro são absolutamente maravilhosas, fantasmagóricas e enfeitiçantes. Quando se vê as fotografias que (o autor) Ransom tem no livro, a pessoa sente como ‘certamente Tim vai dirigi-lo’. Apenas Tim poderia fazê-lo, realmente. O que Tim faz é que ele sempre traz emoção e poesia e é sempre muito delicado. É único. Ele tem essa visão ótima.” Ter Eva Green como Srta. Peregrine sempre foi a intenção de Burton. Tanto que o próprio diretor indicou a história para a atriz há algum tempo. “Ele falou comigo há uns dois anos. Disse: ‘Leia este livro e conte-me o que acha. E se gostar, talvez possa estar nele’. Eu poderia representar qualquer coisa para Tim, poderia ser uma árvore, uma vassoura, qualquer coisa (risos). Bom, sou um pássaro. Mas era uma história tão deslumbrante e uma personagem muito descolada e excêntrica que não tinha como não gostar”, confessa. Bom, o espectador verá que ela é muito mais que um pássaro neste filme que é pensado para os jovens, mas que tem tudo para agradar também os adultos.

Eva Green - O Lar das Crianças Peculiares  

Entrevista com a atriz francesa sobre o filme do diretor Tim Burton

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you