Issuu on Google+

A cura da AIDS está realmente perto? Após a cura do norte-americano podemos estar finalmente perto de uma possível cura ou vacina.

A AIDS foi relatada pela primeira vez no dia 5 de julho de 1981 nos Estados Unidos, embora ainda não fosse conhecida como AIDS. 20 anos se passaram e ainda não foi descoberta sua cura ou vacina. O caso de Timothy Ray Brown, um norte americano que mora na Alemanha, pode mudar a história dos fatos, sendo o 1º homem a se curar da AIDS. A história desse norte-americano que mora na Alemanha começa em 1995 quando contraiu o vírus do HIV. Naquele ano também o médico alemão Gero Hütter se graduava na Universidade de Berlim. Timothy viveu 11 anos com o HIV no corpo sem nenhuma complicação, porém, em maio de 2006, Brown contraiu uma leucemia agressiva e, então, foi fazer uma consulta ao hematologista Gero Hütter. Gero Hütter decidiu submeter Brown a transplantes de medula, células tronco, quimioterapia e radioterapia. O processo de cura começou com o sistema imunológico de Brown sendo “zerado” por meio da quimioterapia e radioterapia, uma medida um tanto quanto perigosa, pois uma vez que o sistema imunológico de um individuo “desaparece” este está sujeito a contração de qualquer tipo de doença, podendo até mesmo uma gripe levar a morte. Após a terapia, foi realizado dois transplantes de medula de um doador compatível com Brown que tinha uma mutação muito rara, em que o organismo não tinha a proteína CCR5, que funciona como um co-receptor do vírus da AIDS. Após 2 transplantes e 3 anos de observação é possível dizer que Brown é o 1º caso em 20 anos de um homem que se curou da AIDS. Embora este caso específico tenha dado certo, é muito difícil de fazer com que este procedimento seja uma cura, afinal, é preciso uma combinação de fatores (compatibilidade, mutação, etc.) para que seja possível o transplante da medula. Alem disso é muito arriscado, afinal o sistema imunológico da pessoa uma vez anulado a deixa vulnerável a quaisquer tipos de doenças. Pode-se afirmar com 100% de certeza que foi uma grande descoberta e avanço a ciência. Embora não seja a cura em si, fez com que estudos da AIDS focassem mais na proteína CCR5, que exerce a função de transportar a AIDS para a célula. A cura não está realmente tão perto como parece, porém podese dizer que está se caminhando cada vez mais perto e mais rápido para o desenvolvimento de uma vacina efetiva. Fonte: http://www.infectologia.org.br/publicoleigo/default.asp?site_Acao=MostraPagina &paginaId=14&mNoti_Acao=mostraNoticia&noticiaId=23141


Luccas De Carli Bastos Guidio Lucas Coiro Coelho


Ciências na Mídia