Issuu on Google+

Golpe da saidinha de banco Pág.

Como seu corpo reage aos refrigerantes?

3

Pág.

10

jan/fev2012

ENTREVISTA Dr. Jefferson Clarke Lopes Campelo, especialista em Medicina Clínica.

Pág.

5


magazine

jan/fev2012

Proibição a emagrecedores já está valendo

EXPEDIENTE

Começou a valer desde o final do ano passado, a proibição de três inibidores de apetite derivados de anfetaminas (anfepramona, femproporex e mazindol) determinada pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) em outubro último. A sibutramina, droga que aumenta a saciedade, é uma das principais substâncias utilizadas para pessoas no tratamento da obesidade no país. Desde março de 2010, elas passaram a ter um controle maior de prescrição e venda no Brasil, após um estudo indicar que o uso contínuo pode aumentar o risco de infarto e AVC (acidente vascular cerebral). Com a nova determinação, médicos e pacientes deverão assinar um termo de esclarecimento, no qual o paciente confirma que recebeu as informações necessárias sobre o porque lhe foi indicado o remédio. O documento terá assinatura do médico e do paciente, que será obrigado a apresentá-lo quando for comprar os remédios contendo tal substância. Outra mudança está na diminuição de 60 para 30 dias as receitas dos medicamentos. Os médicos terão a responsabilidade de reportar qualquer tipo de efeito colateral decorrente do uso deste remédio à Anvisa. A resolução não alterou a indicação da droga apenas para pacientes com IMC (índice de massa corporal), igual ou acima de 30, que não tenha registro de doenças cardiovasculares. As fabricantes dos medicamentos ainda deverão apresentar à Anvisa um plano de redução de riscos no uso desta substância.

Teresina Rua São Pedro, 2130/Centro Rua Des. Pires de Castro, 124/Norte Rua Des. Pires de Castro,138 Centro/Sul Rua Des. Pires de Castro, 610 Centro/Sul Riverside • Praça do Caribe Loja V - 65 Dirceu • Avenida Principal, Q 182, C 10 Homero Castelo Branco,1220, loja 05 • Jockey Central de Atendimento ao Cliente (86) 3221.3204 Parnaíba Av. Presidente Vargas, 720 Centro Central de Atendimento ao Cliente (86) 3322.3204

Informativo Bimestral da Farmácia de Manipulação Botica Ano V Nº 22

Textos e Revisão: Lili Batista DRT - PI 935 Capa: ALG publicidade Ilustrações: Dino Alves Fontes: ABC da Saúde e MBPress

Projeto Gráfico e Editoração Eletrônica: ALG publicidade Impressão: Gráfica Halley Tiragem: 2.000 exemplares

www.farmaciabotica.com.br

magazine

jan/fev2012

Golpe da saidinha de banco Espero que você nunca tenha sido vítima do famoso golpe da saidinha de banco. Ele existe há muito tempo e mesmo com todo esforço da polícia e das autoridades em acabar com essa prática criminosa, até mesmo criando leis que proíbem o uso de celular dentro das agências bancárias, ela continua comum aos desavisados. Sim, porque o principal motivo pelo qual uma pessoa se torna alvo de assalto na saída de bancos é a falta de atenção. O golpe funciona da seguinte forma, algumas pessoas conhecidas como “olheiros”, passam um tempo rondando e observando alguns estabelecimentos comerciais como bancos e casas lotéricas. Nas agências bancárias os “olheiros” fingem realizar alguma operação enquanto observam as prováveis vítimas do golpe. Depois eles passam a informação para outro indivíduo, normalmente por telefone ou mensagem de texto, e esse comparsa que recebe a informação do lado de fora

do banco aguarda a vítima descrita sair. A maior parte das pessoas é atacada quando já está distante da agência, ou seja, são seguidas por algum tempo antes da abordagem.

Abaixo, as dicas da FEBRABAN para se proteger do golpe da “saidinha de banco”: - Evitar sacar valores altos em espécie. Preferir sempre as transações eletrônicas, que oferecem mais segurança. Exemplos: DOC, TED, transferência via telefone e Internet; - Se tiver de realizar saques de valores altos, nunca contar dinheiro em público; - Procurar ir ao banco sempre acompanhado; - Ser discreto e rápido ao conferir o seu dinheiro e sair do banco; - Desconfiar de pessoas que fiquem por longo período dentro das agências sem realizar qualquer operação; - Não pedir, nem aceitar ajuda de estranhos. Procurar, sempre, a ajuda de um funcionário do banco, identificado; - Se desconfiar de que está sendo observado por suspeitos no interior de uma agência, procurar um funcionário do banco identificado ou um segurança; - Caso sentir que está sendo observado ou seguido, entre num local movimentado, acione a Polícia Militar (190) e informe as características do observador.


magazine

jan/fev2012

magazine

jan/fev2012

E N T R E V I S TA

Diagnóstico: virose! Mal-estar, cansaço, dor de cabeça, dores pelo corpo inteiro, espirro, nariz escorrendo e febre. Ou dores de barriga, vômito, diarreias. E mais febre. Esses problemas de saúde são tão corriqueiros que muita gente já sabe o que vai escutar do médico: “Isso é uma virose!”. Muitos pacientes chegam até a se irritar com o diagnóstico e com a recomendação geral de repousar e cuidar bem da alimentação. E nada mais. O diagnóstico pouco específico costuma provocar desconfiança. Em geral, os médicos dão essa resposta quando não é possível identificar o vírus causador do mal-estar. Apesar de inespecífica, não está errada. Toda infecção viral é uma virose. Por haver inúmeros tipos de vírus, é difícil identificar qual o responsável pela infecção. Diferentemente das bactérias que podem ser combatidas por uma gama enorme de antibióticos, os vírus têm tratamento mais limitado. Na maioria das vezes, o médico conta com poucos dados para diferenciar uma virose de uma infecção bacteriana. Por cautela então, muitos preferem

acompanhar o desenrolar da história, antes de entrar com medicações. Isso não significa que o médico não tem certeza do que fazer por desconhecer o que se passa realmente com seu paciente. Como sabe que em 90% dos casos a virose é uma doença benigna e que o próprio sistema de defesa do indivíduo se incumbe de resolver a questão e que, além disso, a doença tem um tempo para acabar sozinha, a melhor decisão é mesmo instruir o paciente para ficar alerta com uma eventual complicação e medicar apenas para combater os sintomas e amenizar o mal-estar, na medida em que não existem medicamentos específicos para matar o vírus. Após o diagnóstico de virose, o melhor, então, é dar condições para o corpo reagir, como mantê-lo hidratado, já que o organismo consegue combatê-la. No entanto, se os sintomas persistirem além de uma semana, o quadro pode indicar que a infecção pode não ser tão inofensiva, aí é hora de voltar ao consultório para nova avaliação.

1. As viroses devem ser tratadas com antibióticos? Quando a infecção é causada por vírus, os antibióticos não possuem eficácia alguma, e pior, podem estimular a resistência das bactérias, além de outros  fatores prejudiciais ao organismo. No caso de uma virose, geralmente o uso de medicamentos que amenizem os sintomas desconfortáveis são suficientes, pois o próprio organismo é capaz de combater a infecção. Repouso, hidratação e, em casos de infecções respiratórias, manter  as vias nasais limpas com soro fisiológico e inalação estão entre as indicações mais comuns. 2. Os antigripais podem ser usados sem problemas? Tais produtos podem ser usados, mas como todo medicamento, você deve ter cautela  quanto a posologia, interações medicamentosas e também no caso de algumas condições: Não tome sem recomendação médica; Cuidado com associações que contenham paracetamol. A dose máxima que pode ser ingerida por um adulto saudável é de 4g. Doses superiores a essa podem causar problemas hepáticos graves. Antigripais não são indicados para crianças, nem para gestantes; Evite utilizar ácido acetilsalicílico ou associações caso exista a possibilidade de se estar com dengue. Nesses casos, prefira medicamentos à base de dipirona ou paracetamol e procure atendimento médico; Nunca tome antigripais de forma preventiva; Descongestionantes nasais podem causar taquicardia e hipertensão arterial; Em relação à vitamina C (ácido ascórbico), não há suporte científico suficiente para sua indicação na prevenção das gripes e resfriados. Considere apenas a ingestão da vitamina de acordo com suas necessidades diárias (cerca de 45mg – adultos, 30mg crianças) em sua alimentação.   3. Como saber se a viroses se transformou em infecção bacteriana? Embora tenham sintomas meramente semelhantes, são doenças diferentes. As viroses costumam terminar  no período

Jefferson Clarke Lopes Campelo Formado em Medicina com especialização em Medicina Clínica pela Universidade Federal de São Paulo Diretor do Hospital São Marcos

Para prevenir, deve-se lavar bem frutas e verduras, além das mãos, que são um grande veículo de contaminação. de cinco a seis dias . Já no caso de convulsões, secreção amarelada, dor torácica, dificuldade para respirar ou o retorno da febre depois de ter regredido podem ser indicativos de infecção bacteriana. 4. Por que a queda da temperatura favorece as viroses? Algumas viroses são mais frequentes em determinada época do ano principalmente por causa das características do vírus que a desencadeia, como maior resistência ao calor e ao ambiente. No caso do verão, as mais comuns são dengue, conjuntivite, hepatite A, meningites virais e doenças diarréicas. Para prevenir,deve-se lavar bem frutas e verduras, além das mãos, que são um grande veículo de contaminação.Na hora de entrar na piscina, é preciso ver bem se a água está limpa para evitar pegar conjuntivite. Após o diagnóstico de virose, o melhor, então, é dar condições para o corpo reagir, como mantê-lo hidratado, já que o organismo consegue combatê-la. 5. Quais as formas de combater as viroses? Ingira muito líquido;  Repouse; Tenha uma alimentação balanceada; Evite mudanças bruscas de temperatura; Evite multidões em ambientes fechados e procure atendimento médico na persistência dos sintomas.


A LINHA DO TEMPO NÃO PRECISA SER VILÃ.

JOVEM TODO DI A


magazine

jan/fev2012

Em forma e com saúde Depois da comilança nas festas de final de ano, chega a hora de botar o corpo em forma outra vez, afinal, daqui a pouco é carnaval e quatro dias de folia requer fôlego extra. Mas antes de correr para a academia ou embarcar em dietas milagrosas, é sempre bom lembrar que são necessários alguns cuidados, pois existem atitudes que não são recomendáveis para quem quer emagrecer de forma saudável. Para emagrecer não basta apenas ingerir menos calorias, ou apenas praticar mais exercício físico. Deve-se seguir os princípios básicos de uma alimentação equilibrada, com um menor número de calorias no total, mas na proporção normal. Para emagrecer com saúde é preciso diminuir o consumo de alimentos de forma adequada, ou seja, nada de radicalizar. Restringir muito as calorias pode ser prejudicial, pois você pode entrar no efeito platô, que é quando a pessoa faz uma restrição calórica excessiva e “estaciona”, não consegue mais eliminar peso. Por isso é importante consultar um nutricionista, que vai indicar a quantidade ideal para que elimine peso com saúde. Eliminar grupos alimentares da sua dieta na esperança de perder peso mais rápido é uma armadilha perigosa. A salada, por exemplo, deve estar presente todos os dias na alimentação de todas as pessoas, inclusive de quem deseja emagrecer. Entretanto, ela é parte de uma alimentação saudável e não o todo, portanto, nada de reduzir sua dieta exclusivamente a saladas. E nem pense em malhar sem comer, você pode passar muito mal, além de queimar

menos calorias. Antes de praticar exercícios consuma pelo menos um alimento fonte de carboidrato (pão, arroz, batata, aveia, fruta, barra de cereais), assim você terá energia suficiente para malhar corretamente e queimar muitas calorias. É importante compreender que todas as pessoas tem necessidades energéticas diferentes, dependendo de vários factores como a idade, o sexo, a estatura, o peso e a atividade física realizada. Engordamos, quase exclusivamente, porque a quantidade de calorias que ingerimos, através dos alimentos, é superior à quantidade de calorias que gastamos no dia-a-dia, em atividade física e metabolismo interno, produzindo um balanço positivo de energia, portanto, não é preciso passar sacrifícios para emagrecer, é só comer a quantidade certa.

magazine

jan/fev2012

Fomo: um fenômeno da atualidade!

Você já se pegou atualizando suas redes sociais em intervalos curtíssimos? Em lugares inapropriados como sala de aula, teatro? Tem medo de ficar por fora das novidades dos seus amigos virtuais? Você pode estar sofrendo de Fomo! Uma matéria publicada no jornal New York Times apresentou o termo ao grande público: fomo. É sigla de “fear of missing out”, ou medo de ficar por fora. Um fenômeno que surge frente aos avanços tecnológicos. Algo novo na sociedade, que pode ser causado pela velocidade das informações: o medo de ficar por fora dos fatos, das novidade e que leva ao tique do ‘clique para atualizar’. Fomo tem a ver com o modo como lidamos com o monte de informações com as quais somos bombardeados diariamente, o tempo todo. Com as mídias sociais e globalização da informação em tempo

real, cada segundo perdido parece deixar atrás aqueles que não podem acompanhar. Daí, o sentimento de desatualização, o medo de desconhecer algo ou de perder uma oportunidade. Se é ou não um problema para o usuário, vai depender de com que frequência ele se conecta, se isso tem provocado prejuízos físicos, sociais, emocionais ou profissionais e também a percepção de exagero das pessoas que o cercam. A questão agora é entre você e o seu esforço individual, na força de vontade física e emocional de cada um, no poder de escolha enquanto consumidores de informação. Talvez o fomo seja apenas mais um dos preços que pagamos para estar inseridos em quase tudo. Um preço alto, quando afeta diretamente a nossa saúde e o modo saudável que interpretamos e vivemos o mundo.


magazine

jan/fev2012

magazine

jan/fev2012

Passo a passo

Nossa você sabia? Língua

como reciclar garrafas de vidro em lindos vasos

Como seu corpo reage aos refrigerantes?

Primeiros 10 minutos 10 colheres-de-chá de açúcar batem no seu corpo, o que significa: 100% do recomendado diariamente. Você não vomita imediatamente pelo doce extremo porque o ácido fosfórico corta o gosto. Passados 20 minutos o nível de açúcar em seu sangue estoura, forçando um jorro de insulina. O fígado responde transformando todo o açúcar que recebe em gordura. (É muito para esse momento em particular.) Passados 40 minutos a absorção de cafeína está completa. Suas pupilas dilatam, a pressão sanguínea sobe, o fígado responde bombeando mais açúcar na corrente. Os receptores de adenosina no cérebro são bloqueados para evitar tonteiras. Passados 45 minutos o corpo aumenta a produção de dopamina, estimulando os centros de prazer do corpo. (Fisicamente, funciona como a heroína.) Passados 50 minutos o ácido fosfórico empurra cálcio, magnésio e zinco para o intestino grosso, aumentando o metabolismo. As altas doses de açúcar e outros adoçantes aumentam a excreção de cálcio na urina. Passados 60 minutos as propriedades diuréticas da cafeína entram em ação. Você urina. Agora é garantido que porá para fora cálcio, magnésio e zinco, dos quais seus ossos precisariam. Conforme a onda abaixa, você sofrerá um choque de açúcar. Ficará irritadiço. Você já terá posto para fora tudo que estava no refrigerante, mas não sem antes ter posto para fora, junto, coisas que farão falta ao seu organismo. PENSE NISSO ANTES DE BEBER REFRIGERANTES. PREFIRA SUCOS NATURAIS. SEU CORPO AGRADECE!

Como parte de nossa série de artesanato com reciclagem desse ano, vamos aprender a transformar garrafas de vidro em vasos modernos e muito bonitos. Se você guardou aquelas garrafas de vinho com formas interessantes, os vidros de azeite e outros recipientes de tamanhos variados, vai poder montar um belo conjunto de decoração. O material é muito simples: • suas garrafas de vidro • fita crepe • tinta esmalte • pincel chato

Fonte: viladoartesao.com.br

A primeira coisa é lavar bem sua garrafa e retirar os rótulos. Se ficar algum resquício de cola, use Varsol Casa para limpar. Depois lave bem com água e sabão e seque. Com a fita crepe crie os padrões geométricos que preferir. Eu fiz listas numa das garrafas, uma espiral na outra e traços aleatórios na terceira. Você pode usar adesivos redondos e fazer uma garrafa de poás, que tal? Ao terminar reforce bem os adesivos passando os dedos com uma boa pressão sobre a fita crepe. Antes de começar a pintar, limpe novamente a superfície da garrafa para retirar qualquer sujeira que tenha ficado enquanto você colava a fita crepe. Depois usando o pincel chato pinte pincelando sempre na mesma direção. Eu dei 3 demãos para cobrir bem. Aqui a grande dica é usar tinta spray. Além de aderir de forma mais homogênea, ela não escorre. Você aplica as 3 demãos de spray e o resultado fica bem mais perfeito.

Atenção: não espere a tinta secar totalmente para retirar a fita crepe. Se a tinta estiver muito seca ela pode descolar junto com a fita no momento em que você retirar. Então retire cuidadosamente com a tinta ainda úmida. Depois deixe suas garrafas terminarem de secar em lugar bem arejado. Quando estiver totalmente seco você pode usar um estilete para tirar as pequenas imperfeições que possam ter ficado da tinta que entrou por baixo da fita. É isso. Meus vasos modernos ficaram prontos. Eu não usei nenhum verniz para proteger, mas caso você faça questão, lembre de usar verniz a base de água para não amarelar a tinta. No mais, sempre lavar com cuidado que o trabalho permanecerá por um longo tempo.


magazine

jan/fev2012


Jornalbotica22edicao