Page 1


Antes de qualquer coisa, queremos te contar uma história bem legal, que bem poderia ter acontecido contigo. Duvida?! Veja só: certa vez, o Miguel, de 8 anos, teve uma brilhante ideia: “Que tal pegar frutas no pomar da vovó para fazer um suco bem gostoso?”. Doido para pôr o plano em prática, ele partiu em busca do que precisava. Foi então que se deu conta de algo: “Tenho medo de altura! Como é que vou subir nas árvores grandonas?”. A solução, é claro, foi chamar sua melhor amiga, a Alice. Além de o pai dela ter uma escada levinha, o João, seu irmão mais velho, poderia se encarregar das lindas frutas

Redação - Av. José Cândido da Silveira, 1500, Bairro Horto - CEP 31.035-536 Belo Horizonte - MG - Brasil Telefone: +55 (31) 3280-2105 Fax: +55 (31) 3227-3864 E-mail: revista@fapemig.br Site: http://revista.fapemig.br

lá do alto. Dito e feito: rapidamente, os três recolheram dezenas de mangas, bananas, limões e outras delícias da natureza! (Agora, eles só precisam fazer o suco, né, galera?!) “Ops! Mas como assim? Eu não nunca usei o tal do liquidificador”, pensou Miguel, que também não sabia outra coisa muito importante: manga, jabuticaba, café, gelatina, fari-

Blog: http://blog.fapemig.br Facebook: http://www.facebook.com/minasfazciencia Twitter: @minasfazciencia

nha de fubá e guaraná em pó combinam bem? “Eta! Só mesmo a ‘vó’ Judite para nos ajudar, viu?!”, constatou o garoto, antes de ter outra de suas maravilhosas ideias: que tal chamar a Alice, o João e seus priminhos Gustavo, Lara, Kenzo, Estevão, Thales, Francisco e Cecília para aprender, de uma vez

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Governador: Fernando Pimentel SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR Secretário: Miguel Corrêa Jr.

por todas, a fazer suco? E não é que a proposta foi um sucesso?! Afinal, todos adoraram visitar a cozinha mágica da vovó, que, com calma, técnica e sabedoria, misturou leite, banana, mamão, aveia e açúcar para chegar à mais deliciosa das megadeliciosas vitaminas do mundo! Hummmm! Parece bom, mesmo, né?! Ah! Mas você sabe por que resolvemos te contar essa divertida história? É que, também na ciência, tudo só acontece por causa do

Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais

esforço e das ideias de muitas e muitas pessoas! Sim, os cientistas não trabalham de

Presidente: Evaldo Ferreira Vilela Diretor de Ciência, Tecnologia e Inovação: Paulo Sérgio Lacerda Beirão Diretor de Planejamento, Gestão e Finanças: Alexsander da Silva Rocha

maneira solitária... Assim como Miguel e sua turma, eles adoram estudar, experimentar

Conselho Curador Presidente: João Francisco de Abreu Membros: Alexandre Christófaro Silva, Esther Margarida Alves Ferreira Bastos, Flávio Antônio dos Santos, Júnia Guimarães Mourão, Marcelo Henrique dos Santos, Michele Abreu Arroyou, Ricardo Vinhas Corrêa da Silva, Roberto do Nascimento Rodrigues, Sérgio Costa Oliveira, Valentino Rizzioli, Virmondes Rodrigues Júnior Para receber gratuitamente a revista MINAS FAZ CIÊNCIA, envie seus dados (nome, profissão, instituição/empresa, endereço completo, telefone, fax e e-mail) para o e-mail: revista@fapemig.br ou para o seguinte endereço: FAPEMIG / Revista MINAS FAZ CIÊNCIA - Av. José Cândido da Silveira, 1500, Bairro Horto - Belo Horizonte/MG - Brasil - CEP 31.035-536

e inventar coisas, mas sempre com a ajuda, os conselhos e as boas ideias de amigos de várias idades! Nesta revista, que é toda sua, você vai perceber que a união das pessoas pode produzir coisas realmente sensacionais!

E aí, vamos conhecer, juntos, o mundo da ciência?

Vanessa Fagundes e Maurício Guilherme Silva Jr. (Esses dois jornalistas, aliás, são amigos que – ao lado de outros tantos amigos – se dedicam, com muita alegria, à revista que, agora, está em suas mãos!)

AO LEI TO R

EX P ED I EN T E

MINAS FAZ CIÊNCIA Diretora de redação: Vanessa Fagundes Editor-chefe: Maurício Guilherme Silva Jr. Redação: Alessandra Ribeiro, Amanda Jurno, Lorena Tárcia, Marina Mendes, Maurício Guilherme Silva Jr., Roberta Nunes, Tatiana Pires Nepomuceno, Téo Scalioni, Thiago Malta, Vanessa Fagundes, e Vivian Teixeira Diagramação: Fazenda Comunicação Revisão: Sílvia Brina Direção de arte: Felipe Bueno Editoração: Unika Editora, Fatine Oliveira Montagem e impressão: Rona Editora Tiragem: 25.000 exemplares Capa: Felipe Bueno Ilustrações: Felipe Bueno


06 08 12

?

13 16 19 22 26 28 31 34 38 40 43 ,

,

,

,

46 48 50

4

MINAS FAZ CIÊNCIA • ESPECIAL 2016


MINAS FAZ CIÊNCIA • ESPECIAL 2016

5


Ciência Aberta

Dos desenhos, livros e filmes que você conhece, qual seu cientista predileto? Depoimentos coletados por Marina Mendes

“Conheço o Franjinha, da Turma da Mônica, que, nas histórias, sempre aparece com alguma invenção. Teve um dia em que o Cascão queria melhorar o cabelo e o Franjinha criou uma máquina para isso. Só que o Cascão usou muitas vezes, e, numa delas, o cabelo ficou tão grande que se prendeu no galho de uma árvore. O Cebolinha, então, teve que ajudar o amigo a se soltar”. João Pedro Guerra Martins da Costa (7 anos) Itabira (MG)

“O cientista dos desenhos que eu gosto é o Tio Raia [do filme Procurando Nemo]. O professor é uma arraia, fala sobre como é a vida no fundo do mar e faz perguntas científicas para os alunos filhotes. Ele também aparece no filme Procurando Dory”. Beatriz Pereira Monteiro (10 anos) Belo Horizonte (MG)

6

MINAS FAZ CIÊNCIA • ESPECIAL 2016


“Albert Einstein é o mais importante cientista que já existiu. Por isso é que ganhou tantos prêmios e aparece em vários filmes e reportagens que já vi. Ele era poderoso porque usava o poder da inteligência. Agora, estou lendo um livro sobre outro físico, chamado Stephen Hawking. Depois, posso contar mais sobre ele”. Lucas Faria Torres Alves (10 anos) Belo Horizonte (MG)

“Para mim, o melhor é o Severo Snape, do filme Harry Potter. Ele pode ser considerado um cientista porque mexe com poções e alquimia. Nos filmes do Harry Potter, sempre têm assuntos de ciência. Em um deles, a gente aprende sobre como a mudança nas moléculas altera o poder das substâncias”. Sofia Caetano Adaid (9 anos) Itabirito (MG)

“Estou lendo um livro sobre uma menina chamada Franny K. Stein, a cientista maluca. Gosto também da Luna, que pode ser considerada uma criança cientista porque quer saber de tudo, faz perguntas, estuda as coisas, e, no final, sempre consegue um resultado bom. Também gosto dos cientistas do desenho da Kika. Nele, a personagem principal da experiência ganha vida e explica como as coisas são feitas”. Alícia de Carli das Chagas (7 anos) Santa Luzia (MG)

“Tem muita ciência no Laboratório do Dexter. Ele ensina Química, Robótica, e, em vários episódios, a gente se diverte e aprende ao mesmo tempo”. Pedro Henrique Guimarães Maia (8 anos) Nova Lima (MG)

MINAS FAZ CIÊNCIA • ESPECIAL 2016

7


Essa coisa chamada ciência

O erro certo! Na ciência, assim como na vida, errar não significa fracassar – muitas vezes, existe um caminho diferente, que pode ser muito mais interessante!

Amanda Jurno e Vanessa Fagundes

Se eu disser que errar nem sempre é uma coisa ruim, você vai duvidar de mim, não é? Mas isso é a mais pura verdade! Especialmente na área da ciência, o erro pode trazer um monte de respostas mais interessantes ao problema que está sendo estudado. Lembre-se de que a ciência é feita, basicamente, de tentativas e erros. O pesquisador encontra uma questão que o deixa curioso e, em busca de solução, vai estudar, fazer testes e comparar suas ideias com a de outros pesquisadores. No final, ele arrisca uma resposta, que chamamos de hipótese, para explicar o problema. Na escola, a gente só estuda as respostas consideradas corretas. Mas, até chegar nelas, são muitas (muitas, mesmo!) respostas erradas. Dá para falar que, se a ciência fosse um iceberg, os resultados confirmados seriam a pontinha que fica fora d’água, e aquele monte de gelo submerso seriam os erros. E você acha que o pesquisador desanima quando seu trabalho dá errado? Não, mesmo. O professor Yurij Castelfranchi, que dá aulas na Universidade Federal de Minas Gerais, a UFMG, e estuda, entre outras coisas, a história da ciência, conta que os erros são, na verdade, uma parte importante da pesquisa científica. “Quando os cientistas descobrem que sua hipótese, seu chute, estava errado, eles precisam encontrar uma ideia melhor, tentar de novo, errar de novo, até conseguir uma descrição ou explicação que pareça boa para aquilo que estudam”. É desse jeito que a ciência avança!

8

MINAS FAZ CIÊNCIA • ESPECIAL 2016


Erro bom?

O cientista pode cometer vários tipos de erro. Ele pode errar na hora de medir a forma de alguma coisa porque seu instrumento não é o melhor, ou porque não entendeu direito o resultado. Pode errar ao fazer uma conta, ou ter uma ideia errada sobre como funciona um fenômeno. Em todos esses casos, o erro acontece sem querer e, provavelmente, será preciso começar o trabalho todo de novo. Mas, algumas vezes, o erro pode dar um resultado muito mais legal ou útil. Quer um exemplo? A própria descoberta da América! Cristóvão Colombo queria encontrar uma rota mais rápida para chegar às Índias, importante região comercial que vendia especiarias para toda a Europa. Para isso, baseou-se no cálculo feito por Ptolomeu, matemático grego que nasceu por volta do ano 90 depois de Cristo, segundo o qual a circunferência da Terra era de 33 mil quilômetros. Ele fez suas contas e chegou à conclusão de que chegaria ao seu destino depois de navegar cerca de 4.400 quilômetros – na verdade, essa distância é de 19.600 quilômetros! Assim, depois de 33 dias de viagem (e seis mil quilômetros navegados), ele esbarrou em um continente novo, que ninguém esperava estar ali. O “erro” rendeu novas terras e riquezas a serem exploradas, além de enterrar a ideia de que o mundo era constituído apenas por um bloco de três continentes (Ásia, África e Europa), rodeado por um grande oceano.

Existe também um outro tipo de erro, a fraude. A diferença é que ele acontece de propósito. Nesse caso, o cientista põe os resultados errados para trapacear. Isso prejudica muito a ciência, pois as respostas falsas fazem com que os pesquisadores sigam pelo caminho errado em seus estudos. Uma perda de tempo!

MINAS FAZ CIÊNCIA • ESPECIAL 2016

9


Outra descoberta que aconteceu por acaso foi a da insulina. Opa! O que é isso? Insulina é um hormônio produzido pelo pâncreas, órgão que faz a glicose (um tipo de açúcar) entrar nas células. Mas, lá em 1889, ninguém sabia disso. Dois médicos alemães, Joseph von Mering e Oscar Minkowski, estavam estudando a digestão das gorduras e retiraram o pâncreas de um cachorro para ver se isso alterava alguma coisa. Eles perceberam, então, que o xixi do bichinho passou a atrair mais moscas. Curiosos, resolveram analisar a urina e viram que ela estava cheia de açúcar. Foi assim que fizeram a ligação: sem o pân-

creas para produzir a insulina, as células não absorviam o açúcar, que se acumulava no corpo (até o xixi ficava doce!). Essa descoberta ajudou um monte de pessoas que têm uma doença chamada diabetes, caracterizada pelo aumento da glicose no sangue. Hoje, para combater o problema, elas tomam o quê? Injeções de insulina. Mais uma história legal! Lá por volta de 1836, o americano Charles Goodyear estava tentando encontrar uma maneira de produzir uma borracha de melhor qualidade. Ele fez várias experiências e misturou um monte substâncias à borracha, mas não chegou a nenhuma resposta. Um dia, dei-

Os gênios também erram!

Conhece Galileu Galilei? Esse cientista italiano, que nasceu no século XVI, ficou famoso por ajudar a mostrar que a Terra gira ao redor do Sol (na época, todo mundo acreditava que era o Sol que girava ao redor da Terra). Galileu achava que a única forma perfeita na natureza fosse o círculo, e que, por isso, os planetas giravam em círculos perfeitos ao redor do Sol, e também todas as outras estrelas no universo. Errou feio! Como Kepler (cientista alemão que viveu na mesma época do Galileu) já tinha visto, os planetas giram em elipses. “O Galileu estava tão convencido com essa história de círculos que não conseguia acreditar nem na existência dos cometas: como a órbita deles é muito alongada (não se parece nem um pouco com um círculo), decidiu que os cometas não existiam, e só podiam ser alguma ilusão de ótica, alguma miragem”, explica o professor Yurij Castelfranchi.

10

MINAS FAZ CIÊNCIA • ESPECIAL 2016


xou cair um pedaço de borracha misturado com enxofre em uma chapa quente e viu que, além de não derreter, o material ficou elástico e resistente a variações de temperatura. Assim surgiu a borracha vulcanizada, matéria-prima, por exemplo, dos pneus.

Por que a gente fica triste quando erra?

Se o erro pode até ser uma coisa boa, por que a gente fica tão triste quando faz alguma coisa errada? Para a Maria Luiza Rocha de Andrade, psicóloga que trabalha no Centro de Psicologia Humanista de Minas Gerais, o problema é que vemos o erro como uma coisa que deve ser punida, e não como o resultado do nosso esforço. “Isso é muito ruim porque, com medo de errar, a gente para de tentar e de arriscar”. Ela acredita que devemos aceitar o erro como parte do crescimento. Quando

entendemos que todo mundo pode fazer alguma coisa errada, e que isso vai ajudar a gente a aprender e a escolher novos desafios, ficamos muito mais corajosos! Por isso, nada de fazer piada se o seu colega errar o gol em uma partida de futebol, ou tirar nota baixa em uma prova. “Ponha-se no lugar dele e diga uma palavra amiga, de incentivo”, ensina Maria Luiza. O professor Yurij concorda que não devemos ficar abatidos quando descobrimos que cometemos um erro. Ele lembra que não só os cientistas famosos, mas todos os pesquisadores sabem que o trabalho tem a ver com errar, e não só com acertar. “Eu, por exemplo, só neste mês, tive ao menos umas dez ideias erradas de Sociologia (a área que eu estudo). Joguei elas na lixeira, mas já estou com uma outra na cabeça, que parece ser bem melhor. Estou torcendo!”.

MINAS FAZ CIÊNCIA • ESPECIAL 2016

11


curiosidades

Muito fácil, mas nada simples No dia a dia de uma sociedade moderna, várias engenhosidades passam despercebidas por nós. Falo de coisas simples, mas que, no fundo, no fundo, ninguém sabe como funcionam. Afinal, o que faz o carro andar, a luz acender e o micro-ondas esquentar? Calma, calma! A gente já vai te explicar...

Carro, luz elétrica, micro-ondas... Como é que isso tudo funciona? Téo Scalioni

E fez-se a luz!

Difícil, hoje, imaginar o mundo sem a luz elétrica, inventada pelo cientista norte-americano Thomas Edison (1847-1931). A partir de sua criação, basta apertar um botão, e, em milésimos de segundos, tudo fica claro! Mas como isso ocorre? Na verdade, o que acende a lâmpada é a corrente elétrica. Isso é papel do interruptor: como o próprio nome diz, é ele que vai interromper – ou não – a passagem da energia. Se não fosse por ele, a lâmpada ficaria sempre ligada. Nesse caso, imaginem a conta de luz!

Vruuuuuummmmm!!!

a primeira Parece fácil girar a chave, engatar te é que gen A over. marcha e ver o carro se locom aut ação do omóvel, não se lembra do motor, o cor trabalhar. Sua função que, nessa hora, não para de ina, etanol, gás natural é receber o combustível (gasol rgia que vai movimenou diesel) e transformá-lo na ene l devido aos cilindros, petar as rodas. Isso só é possíve pistões, que, após a queiquenas câmaras onde ficam os e levam energia ma do combustível, se movem smissão – que, tran mecânica até o sistema de tribuição da a no fim das contas, faz dis do? as. energia para as rod Resulta Boa viagem!

12

MINAS FAZ CIÊNCIA • ESPECIAL 2016

Prato quentinho

Bateu aquela fome e você quer comida quentinha? Pronto! Lá está o micro-ondas para te ajudar. E, o que é mais interessante: sem fogo! Ahn?! É isso, mesmo? Sim, o aparelho é um forno que funciona por meio de ondas eletromagnéticas de alta frequência, assim como ocorre com o rádio. Um gerador chamado magnetron recebe uma tensão fixa de 400 volts, e, dentro do equipamento, gera micro-ondas eletromagnéticas, que, refletidas várias vezes nas paredes metálicas do forno, sobre o alimento, fazem vibrar as moléculas de água contida na comida. Está servido?


Desde criança, a gente quer saber muita e muita coisa sobre tudo Marina Mendes

Quando o filhote de Homo sapiens chega em certo momento de sua infância, começa a fazer perguntas. E seria bom que nunca mais parasse! Meninos e meninas, afinal, perguntam sobre tudo: “Como?”, “Onde”, “Pra quê?”, “Por quê?”. Ao longo da vida dos adultos, outras tantas interrogações surgirão. E sabe com qual objetivo? Para formar o conhecimento que irá garantir a sobrevivência de nossa espécie, ainda por muitos anos. Bem... Como a gente sabe que essa “perguntação” não tem fim, marcamos um encontro de crianças superespertas com uma pesquisadora que adora conversar sobre ciência. Veja quanta coisa legal vamos aprender nesta entrevista, feita lá no Espaço do Conhecimento UFMG, na Praça da Liberdade, em Belo Horizonte (MG). Alunos de escolas públicas e particulares, Nara Biagini, de 8 anos,

Augusto Azevedo (8), Luiz Fernando Marques (10), Letícia Dias (9) e Gustavo Henrique Silva (8) conversaram com a cientista Fabiana Beghini, que é mãe do Mateus, de três anos, e dá aula numa escola de Beagá. Além disso, ela estuda novas fontes de energia no Centro de Desenvolvimento de Tecnologia Nuclear, o CDTN, que fica na Universidade Federal de Minas Gerais, a UFMG. Fabiana também escreve livros e já ganhou um prêmio importante, o Jabuti, com uma história chamada Um pedacinho do céu. Ela conta que, desde criança, sua matéria preferida era Ciência. “Eu adorava fazer experimentos e tentava descobrir como as coisas funcionavam. Quando cresci, quis fazer o curso de Física”. Vamos conferir o que a galerinha perguntou a ela?

Aliás, se você também tem perguntas a fazer, conte para nós! Basta nos enviar suas dúvidas pelas redes sociais: Facebook/minasfazciência.

MINAS FAZ CIÊNCIA • ESPECIAL 2016

13

entrev ista

Por que tanta pergunta?


Letícia – Na sua vida, o que você mais gostou de aprender? Fabiana – Adorei saber algo sobre o movimento dos planetas ao redor do Sol e de descobrir que as estações do ano dependem da posição que a Terra está, enquanto segue seu caminho. Gustavo – Já descobriu algo novo nesse mundo? Fabiana – Estou pesquisando para descobrir um combustível novo, mas que usa elementos químicos já existentes. Não descobri elementos novos. Augusto – Você já quis produzir um DNA e criar uma nova pessoa? Fabiana – A ciência é muito grande! Ela foi dividida em partes para facilitar o estudo das coisas. Eu trabalho numa área que pesquisa os movimentos e explica os fenômenos físicos. Essa parte do DNA é com o pessoal da Biologia. Sei que parece muito com aquela história do Frankenstein... Letícia – Qual a ciência mais estudada? Fabiana – Não tem uma que seja mais estudada. Tem espaço pra todo mundo. Há estudos sobre as partes do corpo humano, sobre saúde, medicamento, espaço. Quando a gente estuda nos livros, parece que a ciência é pronta e acabada. Mas não é assim! Ela é viva. A gente está sempre estudando, sempre têm novidades nos diversos campos.

Luiz – Lá no meu bairro, não consigo ver as estrelas porque tem muita luz na rua! Fabiana – É que, quando o lugar fica muito iluminado, a luz que chega do céu, das estrelas, não alcança a gente. Augusto – Por isso é que, no cinema, pedem para não usar o celular? Fabiana – Isso! Para não atrapalhar a projeção das imagens e, também, para evitar barulho. Quando a gente observa o céu a olho nu – ou seja, sem um telescópio –, é melhor que seja um lugar bem escurinho, para que as outras luzes não atrapalhem. Gustavo – Nas cidades, parece que os homens estão destruindo o planeta. Letícia – Eu fico chateada porque, depois, não vai ter nada pra gente beber. Não vai ter nada pra sustentar a nossa vida Fabiana – E o que a gente pode fazer para mudar essa situação? Luiz – Diminuir o excesso de gás carbônico na Terra. Fabiana – E como a gente diminuiria isso? Luiz – Gastando menos combustível, queimando menos coisas que poluem e evitando os gases que destroem a camada de ozônio.

Fotos: Rodrigo Patrício

Nara – Tem ciência que estuda idioma? Fabiana – Tem, sim. É a linguística. Você gosta de línguas? Nara – Queria saber japonês. Letícia – Você já desenvolveu alguma coisa? Fabiana – No laboratório, desenvolvi um combustível para gerar energia. Existem várias formas de gerá-la: pode ser pela água, pelo vento... Meu trabalho é buscar energia por meio dos elementos químicos. Letícia – E o seu livro? O que você escreve nele? Fabiana – Sobre o espaço, sobre Astronomia. Falo sobre a lua, sobre os planetas e o céu.

14

Da esquerda para a direita, Augusto Azevedo (8), Luiz Fernando Marques (10), Gustavo Henrique Silva (8 anos) [de costas] e Letícia Dias (9) fizeram muitas perguntas sobre a Terra e outros assuntos legais

MINAS FAZ CIÊNCIA • ESPECIAL 2016


Da esquerda para a direita, Gustavo Henrique Silva (8 anos), Luiz Fernando Marques (10), Letícia Dias (9), Fabiana Beghini (cientista), Augusto Azevedo (8) e Nara Biagini (8) falaram de ciência

Nara – Você acha que, um dia, a Terra vai acabar? Fabiana – Acho que um dia a Terra vai acabar, sim. Mas vai demorar muitos, muitos anos. Gustavo – Todo mundo vai estar morto? Fabiana – Muitas outras gerações vão ter nascido. Augusto – Como o homem de 300 cabeças? [Todos caem na gargalhada!] Fabiana – A gente tem que ficar preocupado é com o fato de que todas essas mudanças climáticas estão acontecendo porque os seres humanos não cuidam muito bem do planeta. Nossa geração não vai acompanhar a Terra acabando, mas precisa cuidar dela. Poluição, desperdício e desmatamento têm que acabar. Gustavo – Deveriam inventar um carro que usa pedal. Fabiana – Ficaria parecendo uma bicicleta. Seria bom para diminuir a poluição. A gente consegue gerar energia pedalando. Gustavo – Mas precisa ser um cara megaforte!

Fabiana – Nem precisa ser tão forte. É só fazer do pedal um gerador, como aqueles das bicicletas ergométricas, que não precisam ser ligadas na tomada. Augusto – Alguém já atravessou a Terra pelo meio? Fabiana – A Terra é formada por várias camadas. Lá no meio, é lava, igual à dos vulcões. É um mar de íons muito quente. Não tem como atravessar. Augusto – Mas e se vestirmos roupas especiais? Fabiana – Isso ainda não existe. Pode ser que tenha alguém interessado em pesquisar lá e atravessar, mas ainda não aconteceu. Não que eu saiba... Chegar do outro lado dando a volta por cima já aconteceu: é só usar avião e navio. Augusto – Se o espaço fosse rachado, ia acontecer o caos? Fabiana – A rachadura no espaço pode ser entendida como um buraco negro. Nada escapa dele, nem a luz. Mas ninguém nunca foi lá e voltou para contar o que viu. Por isso, são só teorias. MINAS FAZ CIÊNCIA • ESPECIAL 2016

15


diversão

Ciência de montar Brinquedos inteligentes fazem a gente aprender e se divertir Amanda Jurno e Lorena Tárcia

16

MINAS FAZ CIÊNCIA • ESPECIAL 2016


Robôs, dinossauros e vulcões para construir, desbravar e curtir? Sim, um montão de brinquedos, hoje, combina ciência e diversão. Alguns, é verdade, vêm de outros países e são muiiiiiito caros... Mas isso não é problema! Afinal, você também pode juntar materiais recicláveis e, em casa, criar seus próprios objetos e experiências.

Lembre-se!

Um brinquedo se torna científico quando você explora, faz perguntas e busca inovar.

À venda nas lojas Herança biológica e Engenharia Genética

Bem legal, essa caixa inclui bloco de gesso e esqueleto embutido, ferramenta para escavação e escova, além de instruções detalhadas e curiosidades sobre os dinossauros. Imagens: Reprodução

Um laboratório para investigações genéticas, aquela parte da Biologia que estuda o DNA e as características que herdamos de nossos antepassados. É possível analisar as evidências de DNA para identificar suspeitos e, até mesmo, resolver um crime.

Kit de escavação de dinossauro

Pequeno laboratório de Botânica

Com este kit, é possível aprender mais sobre plantas e sementes, por meio de experiências em estufas, com sistema de rega automática. Dá para plantar feijão, agrião e flores, e, ao mesmo tempo, entender as diferentes necessidades de cada planta.

Outras experiências

Em nosso site, você vai encontrar outros exemplos legais e fáceis de fazer! Basta clicar aqui, ó:

MINAS FAZ CIÊNCIA • ESPECIAL 2016

17


Para fazer em casa

Semeador mirim

18

Que tal montar uma jardineira, ou um vaso de plantas, sem gastar muito? A experiência foi sugerida pelos profissionais do Museu de História Natural e Jardim Botânico da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Material: garrafas PET (A), terra adubada (B), areia (D), brita (C), mudas de plantas (F), tesoura e estilete (G), barbante (H), caneta e marcador permanente (I).

Modo de fazer: corte a garrafa na horizontal – para uma jardineira –, ou na vertical, no caso de um vasinho. O resto da garrafa pode ser transformado em pá. Atenção! É muito importante fazer furos no fundo da jardineira (ou do vaso), para permitir o escoamento da água. Encha com ¼ de brita + uma mistura de areia e terra, na mesma proporção. Depois disso, é só plantar as mudinhas e sementes! Fotos: Divulgação

B

C D

A

F

G I H

1

Fotos: Divulgação

2 3 4 MINAS FAZ CIÊNCIA • ESPECIAL 2016

Bolhas de sabão coloridas

O professor Alfredo Luis Mateus, do Colégio Técnico (Coltec) da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) nos ensinou essa linda experiência multicor! Ingredientes para a mistura: um frasco de 100 ml de agua filtrada; 100 ml de detergente; 50 ml de xarope de milho ou açúcar comum. Modo de fazer: com um pouco da solução para bolhas de sabão, molhe uma mesa com tampo de plástico ou vidro. Umedeça a ponta de um canudinho com a mistura e sopre na mesa, criando uma bolha. Observe, então, com cuidado: você pode iluminar a bolha com uma lanterna, por baixo da mesa, em uma sala escura. Depois disso, aparecerá um tantão de cores! Com o passar do tempo, a parte de cima da bolha vai ficando incolor, e, logo em seguida, ela estoura. A cor nos dá uma pista de quando vai acontecer o estouro, pois funciona como um mapa da espessura da bolha, que explode assim que a água evaporar. As cores aparecem quando a luz interage com as superfícies (interna e externa) do filme de sabão. Cada cor corresponde a uma espessura do filme.

5


Saúde

Hora de se cuidar Entenda por que as vacinas são tão importantes

Alessandra Ribeiro

MINAS FAZ CIÊNCIA • ESPECIAL 2016

19


É claro que não vai se lembrar, mas, já nos primeiros dias de sua vida, você sentiu aquela picadinha chata, ardida e que – ainda bem! – passa rapidinho... Quem te ama deve ter ficado com o coração apertado! Afinal, é fogo ver um bebê tão lindo e pequenino tomar a primeira injeção, né? Apesar da dorzinha, tudo vale realmente a pena: sabia que só assim é que a gente pode te proteger de várias doenças? Sim! Estamos falando das vacinas, que funcionam da seguinte forma: elas enganam nosso corpo, ao nos pôr em contato com vírus e bactérias modificados. Ahn?! Como assim? Cada vacina diferente é capaz de ativar o sistema de defesa das pessoas (também conhecido como “sistema imunológico”), que passa a produzir anticorpos, proteínas que lutam contra os agentes causadores de infecções. Então, se formos expostos a vírus e a bactérias de verdade, nossos anticorpos já estarão prontos para nos defender! Quer um exemplo? Vamos imaginar que alguém tenha pegado rubéola, aquela doença que deixa o corpo cheio de manchinhas vermelhas. Se a pessoa ficou doente uma vez, ela nunca mais passará por aquilo. Sabe por quê? Os anticorpos produzidos contra a doença ficarão no sangue dela até a vida adulta.

20

MINAS FAZ CIÊNCIA • ESPECIAL 2016


Gotinha ou injeção?

E você sabe por que algumas vacinas são aplicadas em forma de gotinha – o que os adultos chamam de “via oral” – e outras como injeção? Quem nos responde é o médico Jorge Andrade Pinto, que também é professor da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais, a UFMG: “Os cientistas vão decidir, depois de fazer vários estudos, como é que a vacina funciona melhor. Ela, afinal, bloqueia a porta de entrada do agente infeccioso”. O professor explica, também, que a vacina “oral” nos protege contra um tantão de agentes (vírus, bactérias etc.), que, normalmente, entram no organismo pela boca e pelo intestino. Já a vacina da injeção (chamada de “injetável”) tenta defender várias outras portas de entrada do corpo. A maior parte dos organismos causadores de doenças entra no corpo pelas vias respiratórias – principalmente, pelo nariz. É justamente contra esses agentes intrusos que as vacinas injetáveis são mais eficientes.

Ah! Por falar nisso, confesso que eu sempre quis saber por que algumas injeções são aplicadas no braço, outras na coxa e... no bumbum. Aposto que você também, né? O professor Jorge explica: “Quanto mais músculo no local da aplicação, menor é a dor e mais facilmente a vacina será absorvida. Nas crianças pequenas, normalmente, a injeção é na coxa. Nas maiores e nos adolescentes, no braço”. Ninguém precisa ter medo de se vacinar! Certas pessoas pensam, até mesmo, que as vacinas podem causar outras doenças... Vê se pode! Alguns pais nem vacinam os filhos, justamente, por acreditar em informações erradas que eles encontram, principalmente, na internet. O professor garante que as vacinas são seguras: “Antes de ir para o mercado, a vacina passa por muitos testes, para sabermos se ela é eficiente e segura. Quando as pessoas deixam de se vacinar, aumenta o risco de doenças já controladas aparecerem de novo”.

Tem uma reportagem sobre esse “negócio” de medo lá na página 38!

Xô, doença!

Você já deve ter percebido que vacinar é algo muito, muito importante, né? “Depois da água tratada, as vacinas são a medida mais eficiente para a redução da mortalidade infantil, do ponto de vista da saúde pública”, diz o professor Jorge. A paralisia infantil, por exemplo, é muito perigosa, mas, felizmente, nenhum caso é registrado no Brasil, desde 1980, graças a quê? Às campanhas de vacinação! Pelo mesmo motivo, o sarampo e alguns tipos de meningite também são muito raros por aqui. Ah! E o País oferece, de graça, vacinas contra 20 doenças. Neste assunto, na verdade, a saúde brasileira é referência mundial!

MINAS FAZ CIÊNCIA • ESPECIAL 2016

21


meteorologia

Festa luminosa no céu Cheios de brilho, os relâmpagos gritam alto e são fascinantes Tatiana Pires Nepomuceno

22

MINAS FAZ CIÊNCIA • ESPECIAL 2016


Quem não tem medo daquele barulho forte e estarrecedor que acompanha as tempestades e chuvas de verão? Não precisa ficar com vergonha, porque se trovões, ventanias e relâmpagos assustam até os mais grandinhos, imagina a gente? Por isso mesmo, que tal mergulhar neste universo desconhecido e conhecer os segredos que rondam um fenômeno tão imponente e cheio de luzes? Afinal, o desconhecido gera angústia... e a melhor maneira de superar tudo isso é o conhecimento. Além do mais, você vai ver que não há bicho de sete cabeças: os relâmpagos são, na verdade, intensas descargas elétricas que ocorrem, principalmente, na atmosfera. Sua principal fonte são as nuvens de tempestades, com centros de cargas elétricas negativas e positivas bem grandonas! Quando a intensidade de algum destes centros é elevada a ponto de ultrapassar o que os cientistas chamam de “rigidez dielétrica” da nuvem e do ar, geralmente, ocorrem os relâmpagos. Aliás, existem dois tipos bem distintos de raios: o primeiro, que nasce na nuvem e flui para o solo, é chamado de “relâmpago Nuvem-Solo (NS)”. Já o outro, que nasce no solo e segue até as nuvens, é conhecido como Solo-Nuvem (SN).

Riscos no céu

Mas a história não para por aí! Estudos realizados por pesquisadores da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM), sob a coordenação do físico Fernando Júnio de Miranda, querem entender sabe o quê? A relação entre a natureza do que os cientistas chamam de “canais” de relâmpagos NS e as bacias hidrográficas – que são os conjuntos de rios. Ixi, mas agora complicou! Afinal, qual a relação entre a bacia hidrográfica e esses tais “canais de relâmpago”? Veja como é simples: o caminho percorrido pela descarga de retorno é chamado de “canal”. Sabe aquele risquinho que geralmente observamos no céu? Pois bem: aquilo é o canal. Também há raios que, além do canal, têm um monte de “perninhas” ou irregularidades: são os relâmpagos com “canais ramificados”, que se parecem, inclusive, com as bacias hidrográficas. Legal demais, né?! Pois uma das propostas da pesquisa do Fernando Júnio foi verificar se algumas das leis aplicadas a bacias hidrográficas poderiam ser aplicadas à geometria destes tais canais.

A descarga de retorno é uma das etapas que compõem os relâmpagos NS, com energia luminosa e duração suficientes para serem percebidas a olho nu.

MINAS FAZ CIÊNCIA • ESPECIAL 2016

23


Para estudar isso, os cientistas observaram cerca de 80 relâmpagos, organizados em diferentes categorias, de acordo com as características dos seus canais: relâmpagos NS e SN, ramificados e não ramificados, relâmpagos no céu (que não atingem o solo), simples (com uma só descarga de retorno) e múltiplos (com duas ou mais descargas de retorno). Todas essas informações são importantes, pois ajudam a conhecer o relâmpago e a entender o seu comportamento no espaço. Isso pode ajudar muita gente a evitar que as pessoas sejam prejudicadas pelas descargas. “O setor elétrico, por exemplo, sofre prejuízo quando descargas elétricas atingem as linhas de transmissão. Por isso, ele precisa de informações dos sistemas de detecção e localização de relâmpagos para prevenir contra as descargas elétricas”, explica Fernando. Quanto às semelhanças entre os relâmpagos e as bacias hidrográficas, os

estudos mostram que algumas leis que descrevem os conjuntos de rios podem ser aplicadas à descrição dos canais dos relâmpagos.

Que tanto de raio!

No Brasil, cerca de 50 milhões de raios caem todos os anos, em especial, no verão. Só em Minas Gerais, entre 2000 e 2014, foram registradas 129 mortes em decorrência das descargas elétricas, de acordo com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, o Inpe. A alta incidência no território brasileiro se explica por dois fatores: localização e amplitude territorial. “O Brasil é um dos países com maior incidência de raios no mundo, principalmente por estar na Zona Tropical, e, também, por causa de seu vasto território, onde ocorrem diversos fenômenos meteorológicos extremos”, comenta Arthur Chaves de Paiva Neto, que é Hidrometeorologista da Companhia Energética de Minas Gerais, a Cemig.

Para não se machucar Em dias com tempestades elétricas, é preciso ficar atento às seguintes dicas: Evite ficar em locais muito abertos, como praias, campos de futebol e pastagens, pois você pode ser atingido. Procure um local protegido, como uma casa ou um carro. Caso esse lugar não exista, mantenha os pés juntos, agache-se e, abraçando os joelhos, ponha a cabeça neles. Evite fazer manutenção em fiações internas ou externas de casas ou edificações, nem use telefone fixo, pois as descargas na rede podem atingir as fiações. Evite nadar em poças d’água, pois são excelentes condutores de eletricidade. Nunca procure abrigo sob as árvores, que podem atrair os raios.

Fonte: Cemig

24

MINAS FAZ CIÊNCIA • ESPECIAL 2016


Palavras Cruzadas Depois de ler a reportagem, vamos adivinhar o que são estas palavras e preencher os quadrinhos?

1) O nome do relâmpago que nasce na nuvem e flui para o solo é: _____-Solo. 2) A descarga de ________ se chama canal, e é aquele risquinho que, geralmente, a gente vê no céu. 3) O _____ é a época do ano em que caem mais relâmpagos no Brasil. 4) O nome do relâmpago que nasce no solo e flui para a nuvem é: ___-Nuvem. 5) Nunca procure abrigo próximo a árvores. Proteja-se em casa ou no _____. 6) Entre 2000 e 2014, foram registradas 129 _____ devido às descargas elétricas. 7) Um objeto multifractal, cheio de “perninhas”, é um objeto com estrutura geométrica cheia de ___________. 8) O Brasil é um dos países com maior incidência de raios no mundo, principalmente por estar na __________ tropical.

Respostas: 1. Nuvem | 2. Retorno | 3. Verão | 4. Solo | 5. Carro | 6. Mortes | 7. Irregularidades | 8. zona.

MINAS FAZ CIÊNCIA • ESPECIAL 2016

25


na cidade

Chegou o fim de semana e não sabe o que fazer? Que tal conhecer um dos espaços de ciência de Belo Horizonte? Fale com a mamãe e o papai, chame seus irmãos ou amigos e bom divertimento!

Para passear, brincar e fazer experiências! 26

MINAS FAZ CIÊNCIA • ESPECIAL 2016


MINAS FAZ CIÊNCIA • ESPECIAL 2016

27


eu faço

Bike do futuro (que já chegou!) Além de dar seta, registrar a batida do coração e proteger o ciclista, sensores feitos por alunos do ensino médio geram energia a partir das pedaladas

Téo Scalioni

28

MINAS FAZ CIÊNCIA • ESPECIAL 2016


Já imaginaram como seria uma bicicleta do futuro? Não? A minha teria conforto e segurança, com zilhões de sensores interligados entre o usuário e a bike. Esse sistema permitiria que o ciclista fosse iluminado por meio de uma mochila, com lâmpadas para pedalar à noite. Além disso, tudo seria monitorado por meio de um GPS (que iria registrar tempo, distância e velocidade). Ah! E que tal os batimentos cardíacos medidos durante o percurso? Mas o melhor da história é o seguinte: toda a energia necessária para isso tudo acontecer seria gerada pelo próprio andar da bicicleta. Realidade distante essa, hein? Que nada!!! Um projeto elaborado na Escola Estadual João Rodrigues da Silva, em Prudente de Morais, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, em parceria com a Universidade Federal de Minas Gerais, a UFMG, desenvolveu um acessório que permite todas essas e outras utilidades. Estou falando do “Nossa Bike”, um sistema de sensores integrados à bicicleta, e alimentado por um dínamo (aparelhinho que converte energia mecânica em elétrica), que fica na roda traseira e gera a energia necessária para o funcionamento dos equipamentos: setas para sinalizar direita e esquerda, detectores de aproximação de veículos – que fazem barulho se um carro se aproximar – e sensores de impacto espalhados em pontos estratégicos da bike, com chamado de emergência e localização. Ah! E caso o ciclista sofra um acidente, com apenas um toque, o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) ou um contato de emergência – sugerido pelo próprio ciclista – pode ser chamado. Acha que já acabou tudo? Não! Para garantir a segurança também da bike, há um sistema antifurto, com trava especial no cubo e na coroa, e com travamento em cercas e postes – no caso de existir bicicletário para estacionar a bicicleta.

MINAS FAZ CIÊNCIA • ESPECIAL 2016

29


Coordenador do Nossa Bike, o professor Giezi Américo Reginaldo conta que a ideia do projeto surgiu depois de uma pesquisa feita com os próprios alunos que usavam bicicletas para ir à escola. O estudo mostrou que muitos deles já tinham sofrido algum tipo de acidente com a bike – e a maioria, à noite. “Fizemos, então, um colete que seria usado pelos ciclistas, com uma fita de lâmpadas de led, que acendia à medida em que ele pedalava”, lembra. A ideia era boa, mas eles perceberam que poderiam ir mais longe e inventaram outros acessórios por meio do Nossa Bike. Hoje, já abandonaram o colete e optaram por aplicar a fita de led em uma mochila com mais utilidades. “Queríamos ir

30

além, garantindo ainda mais proteção aos ciclistas, que sofrem muitos acidentes”, explica o Giezi. Além dele, três alunos participam do projeto: Gabriela Abreu, Larissa Oliveira e Pedro Goulart. Para a Gabriela, de 17 anos, que cursa o terceiro ano do ensino médio, o Nossa Bike busca proteger a vida do ciclista. Segundo ela, a primeira versão foi ganhando novos acessórios graças aos conhecimentos de Física do coordenador Gieze. “Fomos evoluindo com outras possibilidades. Agora, estamos em fase de divulgação, pois é sempre bom mostrar o que se pode fazer para melhorar o País”, acredita a estudante.

MINAS FAZ CIÊNCIA • ESPECIAL 2016


física

O culpado é o cérebro!

A ilusão de óptica nasce dos enganos de nosso órgão mais inteligente

Thiago Malta

MINAS FAZ CIÊNCIA • ESPECIAL 2016

31


Observe o desenho abaixo, criado pelo cartunista W.E. Hill, em 1915. O que você vê? Reprodução

Antes de tentar te iludir, pergunto a você: ótica ou óptica? Imagino que já deve ter lido as duas palavras, por exemplo, em lojas de óculos. Mas qual seria a forma correta de escrever quando falamos de visão? Aposto que, pelo subtítulo ali de cima, os mais atentos vão perceber a dica! Segundo o dicionário Aulete, “óptica” é a parte da Física que trata da luz, do fenômeno da visão, e também pode ser o estabelecimento que vende ou fabrica instrumentos ópticos, como óculos e lunetas. Já a palavra “ótico”, em seu sentido original, tem a ver com o ouvido. Daí nascem palavrinhas como “otite” (a inflamação no ouvido) e “otologista” (o médico especialista em quê? Em ouvido!). E aí, percebe que a ilusão já começa na palavra? O professor de português Sérgio Nogueira diz que os dicionários atuais já registram a forma “ótica” como variante de “óptica”, sendo possível e correto usar os dois modos para se referir à visão.

Cérebro, o traidor

Em algum lugar – seja em casa, com sua família, na escola, na TV ou no computador –, você já deve ter ouvido falar que o cérebro é quem comanda todas as ações do nosso corpo. Com o controle da visão, a coisa não é diferente! O mecanismo que faz você enxergar é formado por um sistema composto, basicamente, pelo olho, que funciona como uma câmera perfeita, e pelo cérebro, que interpreta o que o olho registra. Na interpretação que o cérebro faz de algo está a ilusão. Isso não quer dizer que nosso cérebro esteja errado, mas ele pode, digamos, ser enganado. Segundo o professor Aba Cohen, diretor do Uber Trends, laboratório de tendências e divulgação da ciência, o cérebro pode preencher alguma imagem com algo que já conhecemos, para fazer sentido, mas, às vezes, não é o que nosso olho registrou. Desse modo, surge a ilusão de óptica! Para ficar mais claro, veja estes exemplos!

32

MINAS FAZ CIÊNCIA • ESPECIAL 2016

Numa primeira olhada, a gente identifica o rosto de uma garota de perfil, olhando para longe, não é verdade? Depois, com mais atenção, você também vai perceber a imagem de uma idosa olhando, com a cabeça virada para baixo e um pano na cabeça. Sabe como isso aconteceu? Seus olhos viram as duas imagens, mas seu cérebro interpretou apenas uma. Depois, compreendeu a segunda. (Ou não?!)


Reprodução

Vamos ver outro exemplo?

Que belo casal de vovôs, né? Aposto que seu cérebro foi rápido para identificá-los. Bem... Espere um pouco! Por acaso, você também já visualizou uma mulher, sentada, segurando uma jarra na cabeça, e um cantor de bigode e violão? Ah! Na cena, também tem outra mulher, em pé, entrando em um corredor. Epa, mas ainda não acabou: parece que, agora, vejo um candelabro – aquele negócio para pôr velas – no meio dos vovôs!

Reprodução

Ilusão de Zöllner

O astrofísico alemão Johann Zöllner descobriu, em 1860, uma ilusão baseada em uma série de blocos pretos e brancos. Veja na figura: as linhas horizontais parecem se inclinar, como se fossem bater umas contra as outras. Isso é o que seu cérebro interpreta, pois, na verdade, as linhas são iguais – uma em relação à outra.

MINAS FAZ CIÊNCIA • ESPECIAL 2016

33


Jovens cientistas

Cientista desde sempre Esses jovens talentos são apaixonados por descobrir as coisas do mundo e da vida

Téo Scalioni

34

MINAS FAZ CIÊNCIA • ESPECIAL 2016


Ao imaginar um cientista, aposto que surge em sua cabeça a imagem de uma pessoa de cabelos branquinhos. Além disso, nos filmes, ou nos desenhos animados, também há um monte de inventores mais velhos. Isso tudo deve ser para mostrar que eles têm muita sabedoria... O problema é que, no dia a dia, a coisa não é bem assim. Afinal, muitos cientistas se dedicam aos estudos ainda bem novinhos. E fazem grandes descobertas nessa fase da vida! Para acabar com a ideia de que os cientistas precisam ser sempre mais velhos, e para despertar de vez o interesse dos jovens pela ciência, algumas instituições – ligadas ao governo ou às empresas – buscam mostrar a pesquisa científica

a crianças e adolescentes. Assim, estudantes de diferentes idades entram em contato com a ciência, que – ora, bolas! – não deve ser permitida apenas para maiores de 18, né?! Uma dessas ideias é o programa Bolsista de Iniciação Científica Júnior, também conhecido como “Bic-Júnior”, criado pela Fundação Ezequiel Dias, a Funed. Por meio desse programa, jovens de 15 a 18 anos trabalham diretamente com pesquisas em áreas como Biologia, Química e Fisioterapia.   Para a bióloga Esther Margarida Bastos, diretora de Pesquisa e Desenvolvimento da Funed, o projeto põe os jovens em contato com uma realidade bem nova, mas que parecia estar muito distante.

MINAS FAZ CIÊNCIA • ESPECIAL 2016

35


“Eles podem praticar tudo o que aprendem. Além disso, entram em laboratórios, fazem pesquisa e trabalham com vacinas, soros e células-troncos”, orgulha-se. O interesse pela ciência está nas palavras de Matheus Leandro de Araújo, de 16 anos, que é aluno do 2° ano do ensino médio e participa do Bic-Júnior. “Eu fico em um laboratório de Física-Química, só por conta de estudar e fazer experiências”, conta, ao lembrar que, devido à oportunidade, evoluiu muito. “Você descobre muita coisa e tem uma experiência que vai te ajudar na escolha por uma faculdade”. Quem compartilha do pensamento de Matheus é Thamires Caroline dos Santos, de 15 anos, também estudante do ensino médio. A jovem, que, em seu tempo livre, adora ler e

36

MINAS FAZ CIÊNCIA • ESPECIAL 2016


escutar músicas, participa do programa Bic-Júnior da Funed. Para ela, é muito importante a oportunidade de trabalhar com ciência, pois aprende muito! “Tenho vários objetivos e quero alcançar todos eles. Por isso é que me dedico e estudo tanto. Estar no meio da ciência é ter responsabilidades e saber o que está fazendo”, diz.

Caminhão da ciência Quem participa do Bic-Júnior também colabora com um programa chamado “Ciência em Movimento”, que mostra a prática científica às crianças mineiras, com a ajuda sabe de quê? De um caminhão! Dentro dele, os alunos bolsistas explicam uma porção de coisas legais: “Os estudantes criam maquetes, por exemplo, para mostrar a produção de soro. Há, ainda, um laboratório para estudo de venenos, uma indústria de queijo, serpentes, aranhas gigantes e jogos informativos”, explica a bióloga Esther.

Aprender a empreender Você já ouviu falar em empreendedorismo e inovação? Não?! Vou explicar:lembram-se daquele conto da formiga e da cigarra? É o seguinte: a formiga passou o verão trabalhando e se preparando para o inverno. Já a cigarra queria saber só de cantar. Quando o frio chegou, a formiguinha estava completamente confortável em sua nova casa, que construiu com folhas. Já a cigarra congelava na baixa temperatura, sem ter onde ficar. Sorte da cantora que a amiga formiga era generosa e a convidou para passar o inverno ao lado dela. Então! Nesse caso, a formiguinha foi a empreendedora, pois teve uma ideia, se planejou, preparou tudo e pôs em prática até

chegar ao resultado desejado – no caso, a construção de sua casinha. Empreender é isso: a partir de uma ideia, realizar um projeto. Já inovação é quando se inventa, transforma ou se muda alguma coisa que, no final das contas, melhora a vida das pessoas, ou modifica uma rotina. Pensando nisso, o Colégio Loyola, de Belo Horizonte, em parceria com a fundação Dom Cabral, criou o projeto “Inovação Loyola (iLo)”, que une, justamente, empreendedorismo e inovação. Destinado a crianças de 11 a 17 anos, da 6ª série ao 3° ano do 2° grau, o programa quer incentivar os alunos a realizar projetos inovadores, que possam, já, já, virar algo útil para a sociedade, como um novo aplicativo, um game ou mesmo um robô. Enfim: é uma verdadeira fábrica de ideias! O interesse dos alunos foi tão grande que, em 2015, houve 48 projetos inscritos e 10 selecionados. Neste ano, 62 estudantes cheios de imaginação se inscreveram – e 9 foram escolhidos. “Ajudamos a ideia a virar projeto, para, quem sabe, se transformar em um produto ou serviço”, observa o professor Carlos Alberto de Freitas, que coordena o iLo.

MINAS FAZ CIÊNCIA • ESPECIAL 2016

37


us

the

psicologia

Ma

s

a An

iza

Lu

Dia

Medo, medinho, medão Camila

Que sentimento é esse que, só de pensar, a gente começa a tremer? Vivian Teixeira

38

MINAS FAZ CIÊNCIA • ESPECIAL 2016


A qúimica do medo

a

rian

Ma

Em uma situação de perigo, acontece uma reação química muito interessante com o ser humano. Quando algo provoca medo, o corpo se prepara para uma suposta defesa e libera vários tipos de hormônios. Um deles é a adrenalina, que, na corrente sanguínea, aumenta os batimentos cardíacos, causa suor e pode fazer as pessoas tremerem. Tudo isso acontece para deixar a pessoa mais atenciosa e preparada para enfrentar a situação. Algumas crianças ficam tristes por sentirem um medo que, às vezes, cresce tanto, tanto, que elas não sabem o que fazer. A psicóloga Gláucia Pinheiro explica que ninguém precisa ficar chateado por isso. Segundo ela, os temores mudam com a idade e alguns podem permanecer ao longo da vida, como o pavor de bichos: “Muitas vezes, a criança fica com medo de determinado bicho porque vê os pais correrem dele. Isso liga um alerta na cabecinha dos pequenos, que começam a relacionar o perigo, por exemplo, a um inseto”, explica. Ela lembra, também, que o medo da própria morte – ou da morte dos pais – é muito comum, mas, à medida que crescem, meninos e meninas entendem melhor que tudo são etapas da vida.

Ana Clara

Sabe quando nosso coração bate acelerado, dá uma tremedeira nas pernas e uma vontade gigante de gritar “Manheeeeê!!!”? Pois é, quem nunca sentiu medinho de alguma situação ou aquela coisa que foi crescendo, crescendo, crescendo, até virar um medão? Isso não é vergonha nenhuma. Sentir medo é muito normal! E, em algumas situações, ele pode evitar que a gente passe por situações de perigo. Nossa equipe foi descobrir um pouco mais sobre os medos das crianças e recebeu textos e desenhos de duas turminhas de 30 ano do Ensino Fundamental da Escola Municipal Vasco Pinto da Fonseca, de Contagem (MG). Descobrimos que muitas crianças têm medo de bichos variados, como cobra, aranha, rato, sapo, jacaré e lagartixa, enquanto outras sentem pavor de histórias como a da Loira do Banheiro. Ah! Também existe gente com medo de gente – mas só quando as outras pessoas estão mortas, alcoolizadas ou roubam algo. Isso mesmo, ladrão dá medo em muitos! Inclusive, na Ana Luiza, de 8 anos. Outra coisa interessante é o horror que as crianças têm de alguns personagens de filmes, desenhos ou quadrinhos. A Ana Clara, que também tem 8 anos, não pode nem ver o personagem Smeagol, do filme Senhor dos Anéis. Ela até fez um desenho dele pra gente!

Sai pra lá, tristeza!

E quando o medo chega a doer e nos tira a coragem de ir à escola? Aí, não é legal. Quando o temor é tão grande que nos impede de fazer algo, ou nos deixa muito tristes, é preciso contar para os pais e buscar ajuda. Gláucia explica que algumas crianças têm medo de tirar notas baixas, e, por isso, querem faltar às aulas ou parar de brincar. “Um psicólogo pode ajudar a descobrir por que o medo está causando tanta dor. Mas é importante a criança ter tempo para tudo: estudar e brincar”, recomenda. Ao tratar de medo, é fácil lembrar dois medrosos muito famosos: o Salsicha e o Scooby Doo. Eles passam vários episódios do desenho com medo de fantasmas ou de monstros, que, na verdade, são de mentirinha, não é mesmo? No fim das contas, a história de terror nos faz dar boas gargalhadas!

MINAS FAZ CIÊNCIA • ESPECIAL 2016

39


moda

Essa blusa é a minha cara! Artesanais ou industrializadas, as roupas dizem muito sobre quem somos Maurício Guilherme Silva Jr.

Você é daqueles que demora um tempão para escolher a camisa “certa”? Ou costuma pegar a do primeiro cabide, só mesmo para não passar frio? Bem... Seja qual for o seu “tipo”, acho importante te contar uma coisa: ao preferir esta ou aquela vestimenta, as pessoas – “sem querer ou querendo” – optam por uma maneira própria de “conversar” com os outros. Ahn?! Como assim? Quer dizer que eu consigo “falar” algo com a ajuda da minha saia xadrez ou do meu boné para trás? Sim! É isso, mesmo! Veja só o que nos explica a professora Teresa Campos Viana, do Centro Universitário de Belo Horizonte (UniBH): “Há muitos séculos, o homem inventou as roupas para se proteger de problemas da natureza, como o frio, o calor etc., mas, hoje, elas representam muito mais do que isso”. Daí é que, ao tirar algo do guarda-roupa para vestir, a gente também escolhe a mensagem que deseja transmitir ao mundo. Quer um

40

MINAS FAZ CIÊNCIA • ESPECIAL 2016

exemplo? Quando estamos alegres, preferimos, geralmente, roupas bem coloridas e divertidas. E a história não para por aí! Vestir algo também pode significar que você pertence a um grupo específico de pessoas. “Nas grandes cidades, a roupa é uma forma de participarmos das tribos urbanas”, explica Teresa. E não é que é verdade? Você já parou para pensar, por exemplo, na turma dos skatistas? Eles não costumam usar bermuda larga, blusas e boné? Viu, só! É assim que eles “dizem”, por meio das roupas, que são apaixonados pelo skate! Nos anos 1970, na Inglaterra, os punks – tribos de jovens que não estavam felizes com os rumos da sociedade à época, e, por isso, preferiam o lema do “faça você mesmo” – criaram um modo bastante diferente de se vestir e de dar voz ao que pensavam: para mostrar sua indignação com tudo, eles usavam coturnos,


alfinetes, piercings, correntes, lenços, calças jeans rasgadas ou pretas, jaquetas de couro com rebites e mensagens nas costas. “A moda reflete o que a pessoa deseja. Isso é muito mais importante do que o próprio vestir”, diz a professora.

Ciência ou arte?

Os profissionais responsáveis por pensar, desenhar e elaborar roupas e acessórios (brincos, anéis, colares etc.) são os

designers de moda. Ao unir as tecnologias da indústria têxtil à imaginação artística, é possível criar coisas muito bonitas e cheias de significados! Do ponto de vista da ciência, surgem, por exemplo, diferentes formas de trabalhar o tecido ou modelagens diferenciadas, para adequar aos vários tipos de corpo. “Há pesquisas sobre tecidos tecnológicos e caimentos diferentes, além de investigações sobre matemática de modelagem, para compreendermos medidas, retângulos, divisões”, explica Teresa. Hoje, os cientistas da área também estudam um montão de coisas sobre consumo, tecidos, corantes naturais. Ah! E querem entender, ainda, a influência da mulher na moda, o que podem fazer para gastar menos tecido ou não prejudicar a natureza. Mas e o que a arte tem a ver com isso tudo, afinal? É fácil: criatividade, desenho, corte, conceito e... emoção! Isso tudo vai se transformar, no fim das contas, numa coleção, que é o conjunto das roupas desenvolvidas por um designer de moda. Nas passarelas, as modelos vão exibir, justamente, essas criações!

MINAS FAZ CIÊNCIA • ESPECIAL 2016

41


A moda no tempo 1900 a 1914

Na França, o período é chamado de “Belle Époque”: a moda se marca pelo luxo das classes altas. Os trabalhadores franceses ficam revoltados com a exploração e se rebelam.

1914:

A 1ª Guerra Mundial deixa as mulheres sós em casa. Se, antes, elas usavam espartilhos e corpetes, para exibir cinturas fininhas, são obrigadas a vestir roupas masculinas para trabalhar.

Se, nos primórdios, as roupas eram feitas para cobrir o corpo, com os séculos, serviriam de distinção entre classes sociais. A partir do século XX, tudo se torna ainda mais incrível!

1947

Christian Dior lança “New Look”, coleção coerente com a época, pois, no pós-guerra, as mulheres voltam a usar roupas com mais tecidos etc. Renasce, assim, a indústria da roupa.

1960

Impaciente, a juventude rejeita a vida dos pais. Nascem, assim, os hippies e a filosofia do “paz e amor”. Na moda, customização, uso de roupas de trabalhadores e criação da minissaia.

1970 1919 a 1929

Nos “anos loucos”, se, por um lado, nasce nova clientela para a alta costura nos EUA, por outro, surgem outras formas de vestir: a moda se torna funcional, pois a mulher passa a trabalhar fora.

A moda se diversifica novamente, por meio de roupas esportivas e com fibras sintéticas. Aparecem novos estilistas e a moda punk se destaca.

1980

1930 a 1945

Eis a era das atrizes do cinema. Os vestidos têm decote, voltam a realçar o busto, mas nada de espartilhos! Outro detalhe: os cabelos permanecem curtos.

1939 a 1945

A 2ª Guerra arrasa as maisons (grandes marcas francesas). A falta de matéria-prima exige criatividade: lascas e papel de jornal no lugar de saltos. Surgem os primeiros tecidos sintéticos.

42

MINAS FAZ CIÊNCIA • ESPECIAL 2016

Nos “anos da confusão”, há muita cor, muito laminado e roupas de ginástica. Os americanos ganham status com a valorização do dólar e os shoppings se tornam a meca do consumo.

1990

A moda se torna menos aparecida e a alta costura entra em crise, devido ao prêt-à-porter, com suas roupas prontas para o consumo. Além disso, as divas da música passam a ditar tendências.

2000

Tempos de sustentabilidade, moda verde e visão anticonsumo. A moda também se aproxima da ciência: certos tecidos repelem sujeira, bactérias etc. Ah! E ninguém quer andar igual ao outro!


genética

Somos todos igualmente diferentes A Genética prova que é uma besteira maltratar o outro só porque ele não é igual à gente: ninguém é melhor do que ninguém! Roberta Nunes

MINAS FAZ CIÊNCIA • ESPECIAL 2016

43


No planeta inteiro, há mais de 7 bilhões de pessoas, e cada uma delas é um ser único no mundo. Basta olhar ao redor para perceber as diferenças, seja no temperamento, nas atitudes, na religião, no gênero, na etnia, nas características físicas, nas habilidades, nos conhecimentos e nas culturas. Por alguma razão, esses elementos fazem mais diferença do que deveriam fazer, não é, mesmo? Se olharmos para a história do Brasil, já conseguimos perceber algumas coisas. Aliás, somos resultado dos índios que viviam aqui, dos colonizadores portugueses que chegaram por volta dos anos 1500, e dos africanos trazidos como escravos. Além deles, há os imigrantes, que foram chegando com o decorrer dos anos. Só por aí já dá para perceber que somos um povo bem misturado, mas que compartilha traços em comum. Você já se perguntou sobre o que nos faz ser diferentes ou semelhantes um dos outros? Em primeiro lugar, todos temos um DNA – uma sigla para uma palavra bem

44

MINAS FAZ CIÊNCIA • ESPECIAL 2016

complicada: ácido desoxirribonucleico. Duvido que você consiga pronunciá-la rapidinho! Esse DNA contém as instruções genéticas que coordenam o desenvolvimento e o funcionamento de todos os seres vivos. Por meio dele, é possível saber mais sobre a natureza humana, compreender as doenças, a descendência e outro tantão de dados. É como se fosse um livro com mais de 3 bilhões de letras e muitas informações sobre o corpo humano. Em Minas Gerais, um cientista estuda muito essa área, que se chama Genética. O nome dele é Sérgio Danilo Junho Pena. Você sabia, por exemplo, que 99,5% dessas informações presentes no DNA são iguais entre as pessoas? Só 0,5% são diferentes, mas já é o bastante para garantir que cada um de nós seja único no mundo todo. Apesar disso, ainda têm pessoas que acreditam que são melhores que as outras e usam as diferenças para tentar se justificar, por exemplo, em relação à cor da pele. O Sérgio conta que, na verdade, não existe raça: somos todos seres humanos diversos.


Vamos desinventar a tristeza? Essa diversidade está presente na sala de aula do João Pedro, de 9 anos, que nos contou que lá tem gente branca, negra, grande e pequena. Alguns usam óculos; outros, não! Ah! Existem, ainda, colegas com cabelos de tamanhos e cores diferentes. Para o João, isso não deveria fazer diferença para as pessoas. Ele acha que existe preconceito quando alguém sofre uma injustiça só porque é diferente. “As pessoas deviam ser tratadas de maneira igual”, diz. Já Rosa Allegra, também de 9 anos, comenta que alguns de seus colegas ficam fazendo brincadeiras de mau gosto. “Às vezes, as pessoas reparam e humilham as pessoas. Eu não ligo para a aparência dos outros. Eu nem reparo nisso. Tem gente que fica magoada com essas palavras que saem da boca das pessoas que não gostam das outras”, comenta. O Sérgio Pena sugere uma coisa: “Por que não elogiar a diferença? Que cha-

to seria se fossemos todos iguais”. Quando perguntei isso à Rosa, ela comentou sobre o quanto as pessoas ainda costumam ver as diferenças como algo ruim, e lembrou do Cebolinha, que costuma chamar a Mônica de “gordinha, baixinha e dentuça” nas histórias em quadrinhos do Mauricio de Sousa. “Tem gente que é diferente, sofre humilhação e fica triste. As pessoas tinham que mudar as atitudes”, acrescenta Rosa. Aliás, se a Genética nos mostra que temos muito mais semelhanças do que diferenças, mas todos somos um evento único no mundo, podemos valorizar o que nos diferencia e aceitar os outros como eles são. Assim, o mundo ficaria mais colorido. Na canção “Apesar de você”, do músico Chico Buarque, a letra diz: “Você que inventou a tristeza, / Ora, tenha a fineza / De desinventar...”. Pensando nisso, que tal desinventar o racismo, o preconceito e a mania de tentar seguir um padrão que, na verdade, nem existe?

MINAS FAZ CIÊNCIA • ESPECIAL 2016

45


Dicas

LIVRO O livro do pé

A história começa com uma festa de aniversário na floresta. Enquanto os bichos comemoram, chega um convidado desconhecido: o menino Juninho. Os animais estranham, pois ele usa sapatos, enquanto cada um mostra o próprio pé. Além de divertido, o livro explica por que cada espécie tem patas (ou pés) diferentes. No meio dos personagens, também aparecem representantes do folclore brasileiro, como o Saci e o Curupira. O autor é o famoso cientista e escritor Ângelo Machado, médico que nunca exerceu a profissão e acabou virando especialista em insetos (as libélulas são suas preferidas!). Ele já escreveu dezenas de livros infantis e juvenis e ganhou vários prêmios. A ciência sempre está presente em seus textos.

Um livro, um aplicativo, um site, um filme e um game para curtir, conhecer e se encantar

app Experimentos do Rex

Dá para brincar de ser cientista e fazer experiências na tela do celular ou tablet com o aplicativo Experimentos do Rex. Primeiro, você seleciona os materiais necessários e segue diversas etapas, até a conclusão do experimento. Depois, é possível ver informações sobre os fenômenos envolvidos e assistir a um vídeo com instruções para repetir tudo fora das telas. O aplicativo pode ser baixado, de graça, na Play Store. A ideia foi desenvolvida pelo Instituto Ciência Hoje, junto ao Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas e ao Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

46

MINAS FAZ CIÊNCIA • ESPECIAL 2016


site Escola Games (www.escolagames.com.br)

O portal de jogos educativos infantis tem dezenas de jogos e livros online, gratuitos, para crianças de 5 a 12 anos. Os temas são variados: Português, Matemática, Geografia, História, Ciências, Inglês e conhecimentos gerais, trabalhados em três níveis de dificuldade. O jogador ou jogadora pode entrar no batalhão de combate ao mosquito da dengue, brincar de paleontólogo e visitar o museu dos dinossauros. Ou, até mesmo, jogar futebol enquanto aprende!

filme A invenção de Hugo Cabret (2011)

Alessandra Ribeiro

Hugo Cabret é um garoto órfão, que vive escondido nas paredes de uma estação de trem, em Paris, na década de 1930. Ele aprendeu a consertar pequenas engrenagens com o pai e tenta remontar o robô que ficou como sua única herança. Para isso, usa peças roubadas de uma loja de brinquedos. A aventura de Hugo é acompanhada por um mergulho na história do cinema, e, especialmente, na do cineasta Georges Méliès, autor do clássico Viagem à lua, filmado em 1902. O filme tem direção do premiado Martin Scorsese. Se você tiver curiosidade, também pode ler o livro que inspirou a versão para a telona, escrito pelo autor norte-americano Brian Selznick, com tradução em português.

Huni Kuin: os caminhos da jiboia

Veja que legal! O ambiente do jogo é o universo da cultura do povo indígena Caxinauá – ou Huni Kuin, como eles mesmos se chamam. Dois irmãos gêmeos, uma menina e um menino da tribo precisam vencer vários desafios para se tornarem pajés (os chefes do grupo). Durante a jornada, os jogadores podem aprender cantos, histórias, mitos e rituais dos índios. O jogo foi desenvolvido na plataforma 2D e tem versões para PC e Mac. O download é gratuito: www.gamehunikuin.com.br/downloads.

game MINAS FAZ CIÊNCIA • ESPECIAL 2016

47


t ecn olog i a

Texto: Lorena Tárcia

48

MINAS FAZ CIÊNCIA • ESPECIAL 2016


MINAS FAZ CIÊNCIA • ESPECIAL 2016

49


Fotos: Arquivo Pessoal

VARAL

Arthur Bernardo e Matheus no Instituto Inhotim

Eloah Oliveira Xavier se assusta no Museu de Ciências Naturais da PUC Minas

Felipe Soares Mourão França e o pai, Bruno Mourão França, em exposição do telescópio Hubble

Gabriel Gomes Rodrigues e um pote histórico, em visita ao Museu de História Natural da UFMG

Gabriel Soares Mourão França e o Robô Rover Curiosity, feito para explorar a superfície de Marte

No Museu de História Natural da UFMG, Lucas Gomes Rodrigues mede as asas de um curioso morcego

50

MINAS FAZ CIÊNCIA • ESPECIAL 2016

Luisa Faleiro Reis visita o Museu Peter Lund


Para animar o “Ano da Luz”, o design apresenta Astronomia para crianças. Monte seu brinquedo de papel!

Diva Lua Para construir sua própria lua, você precisará de cola branca e de tesoura sem pontas.

A Lua é a diva das divas! Caprichosa, vive mudando de fases, e, assim, altera, até mesmo, as marés e os ânimos de todos. Muito admirada, ela serve de inspiração aos poetas e aos apaixonados!

Como fazer? 1) Recorte o contorno das figuras. 2) Dobre as linhas tracejadas. 3) Passe um pouco de cola sobre as abas brancas. 4) Siga a imagem de montagem e junte as extremidades.

Seu brinquedo está pronto!

De autoria do grupo "Design e Representações Sociais", ligado à Escola de Design da Universidade Estadual de Minas Gerais (Uemg), este brinquedo de montar nos foi enviado pelo professor Anderson Horta.


PARA USO DOS CORREIOS MUDOU-SE DESCONHECIDO RECUSADO FALECIDO AUSENTE NÃO PROCURADO END. INSUFICIENTE CEP NÃO EXISTE Nº INDICADO INFORMAÇÃO ESCRITA PELO PORTEIRO OU SÍNDICO REINTEGRADO AO SERVIÇO POSTAL EM ___/___/___ ___/___/___

_______________ responsável

Avenida José Cândido da Silveira, 1500 Bairro Horto Belo Horizonte (MG) CEP: 31 035-536 Contatos: revista@fapemig.br Blog: blog.fapemig.br/

www.facebook.com/minasfazciencia www.twitter.com/minasfazciencia/ www.youtube.com/user/ciencianoar

Minas Faz Ciência Edição Especial Infantil