Issuu on Google+

RALI DE BAIテグ

REGRESSO TRIUNFAL

DE FERNANDO PERES

JOテグ RUIVO FOI O MELHOR NAS 2RM


Nº 9 – NOVEMBRO 2013 Corria o ano de 2007 e a temporada automobilística encaminhava-se para o final. Como habitualmente, uma longa época, com vitórias e azares, mas com um hábito enraizado nos ralis e pistas nacionais: muitos famalicenses presentes , muitos deles com resultados de referência. Faltava um espaço que lhes desse ainda mais visibilidade, que os apoiasse e que, acima de tudo, valorizasse o seu esforço na procura do melhor resultado possível. Pois bem, nasceu o Famalicão Motor e já lá vão 6 anos. Com mudanças e adaptações ao longo do tempo, sempre foi tido como uma referência regional, dando cada vez passos firmes no reconhecimento nacional, que vai tomando conhecimento e analisando os feitos dos muitos pilotos de Famalicão que militam nas mais variadas modalidades. O objetivo continuará a ser exatamente esse. Famalicão respira desporto motorizado, transborda paixão pelos automóveis e pelas motas. Faz todo o sentido que haja meios que acompanhem os aficionados, que deem voz aos praticantes, que ajudem as organizações e clubes. Para todos eles, o Famalicão Motor esteve e continuará a estar disponível para engrandecer os feitos de todos aqueles que levam o nome de Famalicão por onde passam. Um agradecimento muito especial a todos os que seguem e leem o Famalicão Motor, este último ano com novo formato, e que sejam eles o “combustível” para muitos mais anos a divulgar Famalicão e os nossos campeões.

FOTO DO MÊS

João Ruivo saltou para a vitória em Baião © João Lavadinho

QUER FAZER PUBLICIDADE À SUA EMPRESA? QUER COLOCAR O SEU CARRO À VENDA? QUER ENVIAR UM COMUNICADO DE IMPRENSA? famalicaomotor@gmail.com

FICHA TÉCNICA FOTOS Capa: João Lavadinho, Ralis Online, Vasco Silva e assessorias

de imprensa Fotos: João Lavadinho, Nuno Pimenta, Ralis Online, Direita3, Autosport, RallyGirls, Rui Couto, Ricardo Cunha, Nuno Organista, Foto GTI e assessorias de imprensa

Pole Position

INDICE 2 • Editorial 3 • Breves 4 • Bruno Costa/Filipe Martins dominam em Viana do Castelo 8 • A presença de José Janela no Rali de Espanha/WRC 10 • Vitória de Fernando Peres e João Ruivo em Baião 12 • As declarações dos famalicenses após a prova do Open 14 • Algarve recebe decisões no Campeonato de Portugal de Ralis 16 • César Machado com azar na última prova da época 18 • AMOB Racing vence Desafio Único 18 • Zandvoort não correu como Mauro Marques esperava 19 • 6 anos de Famalicão Motor 22 • Multimédia / Últimas / Agenda

LÁ POR FORA EM 60 SEGUNDOS Vettel arrasa e conquista tetra Sem qualquer chance. Sebastian Vettel conquistou o seu 4º título na Fórmula 1, depois de mais três vitórias. O piloto alemão da Red Bull triunfou na Coreia, no Japão e na Índia, onde confirmou o seu intento, ajudando igualmente à equipa atingir o título nos Construtores. Na Coreia, a Renault deu bastante réplica, com Raikkonen e Grosjean a ocuparem os lugares do pódio e não muito longe de Vettel, enquanto no Japão a principal oposição veio do companheiro de equipa Mark Webber, ao passo que Grosjean repetiu o 3º posto. Na Índia, o domínio foi inequívoco, com quase 30 segundos de vantagem face a Nico Rosberg e novamente o francês da Renault no lugar mais baixo do pódio.

Ano de sonho para Ogier e Wolkswagen Foi no rali de despedida de Sebastien Loeb que brilhou o outro Sebastien. Ogier chegou ao título logo na Powerstage do Rali de França, ele que só precisava de um ponto. Ainda assim, o francês da VW venceu a prova disputada na Alsácia, aproveitando a saída de estrada de Loeb, que assim não deixou o WRC da maneira que pretendia. Dani Sordo foi 2º e Jari Matti Latvala terminou em 3º, após um rali muito bem disputado, sob condições climatéricas difíceis. A consagração de Sebastien Ogier em Espanha resultou em nova vitória e no título de Marcas para a marca alemã. Sordo ainda espreitou a vitória depois de um furo do francês, mas viria a abandonar, permitindo a Latvala ascender ao 2º posto e Mikko Hirvonen salvou a pele da Citroën ao ser 3º. A vitória de Robert Kubica no WRC2 trouxe o título ao polaco, no ano de estreia nos ralis, ele que irá estrear-se na principal categoria, já no Rali de Inglaterra, com um Citroën DS3 WRC.


Nº 9 – NOVEMBRO 2013

TUFF 4X4 ARRASA NO KING OF PORTUGAL A equipa famalicense TUFF 4x4 venceu a categoria C2 na primeira edição da prova King of Portugal, realizada em Vimioso. Esta prova, onde vários jipes modificados entram em competição, é a versão europeia da King of The Hammers, prova criada nos Estados Unidos em 2007, e que conta com muita popularidade, sendo talvez a prova mais mediática de trial.

Breves Dividida em duas classes, modificados e limitados, a prova de Vimioso foi a primeira deste género a realizar-se em Portugal, sendo a dupla famalicense Anselmo Cunha/Diogo Barros, a grande vencedora em C2, categoria de carros modificados e onde os veículos não utilizam coilovers na suspensão. Curiosamente, foi através das redes sociais que a equipa de Famalicão tomou conhecimento com o King of The Hammers, juntando-se depois à TUFF 4x4, para uma intensa preparação para a prova portuguesa. Com um percurso de 35km e que inclui um circuito de velocidade para além de vários obstáculos a transpor, a prova foi “muito complicada, eram várias as equipas profissionais”, refere Anselmo Cunha, cuja ambição passava pelo pódio, pelo que a vitória foi algo indescritível. “Não tivemos problemas com o carro, passamos vários adversários logo no início e isso deixou-nos mais tranquilos”, assume o piloto. Um dos prémios desta competição é a participação no Croatia Trophy, em maio de 2014, uma prova importante e onde Anselmo Cunha espera estar presente. “Estamos a reunir apoios para disputar a prova na Croácia com este mesmo carro e, depois, talvez tentar ir até à Irlanda, pois em agosto é lá que se realiza a edição desse ano do King of The Hammers”, revelou o famalicense.

FAMALICENSES EM BOM PLANO NA VOLTA AO MINHO

RICARDO COSTA PERSEGUIDO PELO AZAR EM LOUSADA A temporada do Offroad chegou ao fim com nova visita ao traçado de Lousada, cabendo a Mação fazer cair o pano do campeonato.

Pontuável para o Troféu ACAN de Regularidade Histórica e organizado pelo Clube Automóvel Antigo e Clássico de Famalicão (CAACVNF), a Volta ao Minho disputou-se no passado mês e contou com 14 equipas inscritas. Com partida e chegada em Famalicão, os concorrentes realizaram três troços cronometrados até Guimarães e a 2ª secção era a repetição dessas especiais, mas em sentido inverso. Refira-se que as provas de regularidade histórica pressupõe que os troços cronometrados devem ser efetuados a uma média exata, neste caso de 36 km/h, desconhecida pelos concorrentes até à partida e os controles são secretos e ao segundo, não havendo tolerância por avanço ou por atraso. Vários nomes de relevo participaram na Volta ao Minho, entre eles os antigos campeões nacionais de ralis e velocidade, Fernando e João Batista, no entanto a vitória sorriu a Jorge Dinis/Tiago Caio, em Porsche 911, eles que lideram o campeonato. A dupla famalicense Ana Paula Pinto/Pedro Ramos classificou-se logo atrás, tendo vencido as duas últimas especiais.

Motivado para tentar corrigir a classificação que ocupava, Ricardo Costa tudo fez em Lousada para contrariar o azar que o acompanhou em várias provas ao longo do ano. O jovem piloto famalicense não entrou bem nas mangas, somando apenas um ponto na primeira corrida, para depois melhorar substancialmente a sua prestação. Nas duas mangas restantes, o piloto do Renault Megane subiu de forma e obteve dois importantes pódios, vendo a bandeira de xadrez no 2º posto da categoria S2000, em ambas. Para a final, Ricardo Costa iria tentar o tudo por tudo para tentar chegar novamente a um triunfo, ele que foi um dos três pilotos que venceram uma manga, além de Rui Sirgado.. Mas Costa seria novamente o azarado da jornada, com um toque que o obrigou a parar logo na volta inicial da Final, hipotecando as suas esperanças. Rui Sirgado sagrou-se campeão na Categoria S2000, com Ricardo Costa a já não marcar presença em Mação, ficando na 5ª posição do campeonato.


Nº 9 – NOVEMBRO 2013

Rali de Viana do Castelo

Ricardo Moura venceu Extra e Fiesta R5 foi atração

Depois da primeira edição decorrida no ano passado ter tido balanço muito positivo, este ano o Rali de Viana de Castelo vincou esse rótulo, com uma organização muito bem conseguida por parte do Clube Automóvel de Santo Tirso, naquela que foi uma das provas do ano no que toca ao Campeonato Regional de Ralis/Norte.

Com a zona marítima repleta de público e com um dos mais emblemáticos navios nacionais, o Gil Eannes, como pano de fundo, a prova vianense começou com uma super-especial na 6ª feira, dia 21 de outubro. Tudo por decidir ainda em termos de campeonato, logo esperavam-se duelos quentes pelas melhores posições, mas até foi Mário Barbosa o mais rápido, ele que não está inscrito no Regional, tal como Ricardo Teodósio, que rubricava o 2º tempo e dava bastante espetáculo. Bruno Costa começava bem, sendo 3º, na frente do mais direto opositor Luís Mota. Mas seria ao longo do dia de sábado que tudo se iria compor verdadeiramente, com duas classificativas a serem percorridas por três vezes, encerrando a prova com nova passagem pela super-especial. A dupla famalicense Bruno Costa/Filipe Martins dava o mote e assumia o comando das operações, fruto de um tempo bastante rápido mas também do atraso de Mário Barbosa, já com uma penalização de 1 minuto, depois de ter controlado por avanço na super-especial de abertura.. O piloto do Mitsubishi Lancer VI faria novo tempo mais rápido na 2ª passagem em S. Salvador/Amonde, construindo uma margem que, ainda que não fosse alargada, permitia gerir o andamento dos adversários. Quem ia brilhando era Eduardo Veiga, navegado por Justino Reis, que era quem mais réplica dava ao líder do rali, ainda que a diferença nunca tenha baixado da meia dúzia de segundos. Veiga ia dando espetáculo, sendo

muito rápido nas especiais mais curtas, perdendo um pouco nas zonas mais húmidas, onde a tração traseira do Ford Escort RS não era nada favorável face aos carros de tração integral. Mário Barbosa ia tentando recuperar terreno, ocupando sempre as posições cimeiras nas especiais, somando mais três vitórias na derradeiras classificativas. No entanto, o piloto do Citroën Saxo Kit Car não conseguia ir além do 4º lugar final, incapaz de superar os três homens da frente: Costa, Veiga e Teodósio. Este último não teve um rali fácil e talvez se esperasse um pouco mais do algarvio, ainda assim esteve no plano habitual ao nível do espetáculo e contentou-se com o 3º posto, não muito longe de Eduardo Veiga. Lá na frente, Bruno Costa controlava os acontecimentos e mesmo quando Veiga era mais rápido, o famalicense ficava por perto, o que contas feitas no final, lhe garantiu a vitória no rali e no Regional Norte, a terceira da temporada. O piloto assistido pela Macominho Sport não acusou de forma alguma a falta de ritmo, ele que só realizou quatro provas do campeonato, somando três vitórias e um 2º lugar, o que o deixa com boas perspetivas para a fase final do campeonato. O seu principal adversário nesta luta era Luís Mota, que em Viana do Castelo teve um rali para esquecer, embora pontualmente tenha sido 2º no Regional, não indo além do 17º lugar final, depois de um furo que o fez perder mais de 4 minutos. Ainda assim, e em virtude dos poucos concorrentes em 4RM, o descalabro de Mota não foi tão grande quanto isso.


Nº 9 – NOVEMBRO 2013 PROVA EXTRA

Rali de Viana do Castelo

PASSEIO DE RICARDO MOURA

Com as contas do CPR ainda em aberto, todos os pormenores têm de estar afinados ao máximo e prova disso é a presença de Ricardo Moura em Viana do Castelo. O campeão nacional em título fez uma autêntica prova de teste em Viana do Castelo, antes do Rali Casinos do Algarve, onde tudo se irá decidir. Sem adversários à altura do seu Skoda Fabia S2000 e da sua condução, Moura venceu todas as especiais e cumpriu à risca os objetivos propostos. Na 2ª posição, um diabólico Peugeot 208 R2 conduzido pelo espanhol José António Iglesias, que evidenciou um andamento muito elevado para um carro de duas rodas motrizes e nas condições difíceis que se fizeram sentir, principalmente nas primeiras especiais. Iglesias dominou carros bem superiores e, em algumas classificativas, não ficou tão longe quanto isso de Ricardo Moura. A correr em casa e navegado pelo famalicense Duarte Costa, João Traila levou o Mitsubishi Lancer VIII até ao 3º posto. Sem efetuar qualquer prova esta temporada, Traila regressou no rali da cidade de onde é natural e, mesmo sem andamento para os dois primeiros, fez um rali sereno, sem problemas de maior e encerrou o pódio. Preparando já a próxima temporada, Marco Cid utilizou o Renault Clio S1600 que João Barros conduz no CPR2, terminando em 4º, somando quilómetros e experiência. Um pouco mais atrás e depois de alguns meses parado, Manuel Martins tirou o Peugeot 206 GTI da garagem, sendo o 5º classificado. Referência ainda para o abandono de Luís Cambão, navegado pelo famalicense Vasco Ferreira. A dupla do Citroën C2 R2 Max saiu de estrada, quando vinha a fazer um rali de bom nível. Numa curva traiçoeira, o piloto não evitou uma ligeira saída, precisamente onde outro C2 (de Luís Rocha) também abandonou, pelo mesmo motivo.

A ESTREIA DO FIESTA R5 Ainda se enquadramento legal nos campeonatos nacionais, os carros da nova categoria R5 tiveram a sua estreia em Portugal pelas mãos de João Barros/Jorge Henriques.

Como carro de segurança, Barros efetuou os primeiros quilómetros em ritmo competitivo com o Ford Fiesta R5, um carro que despertou, obviamente, bastante curiosidade. O piloto que lidera o CPR2 está já com baterias apontadas à temporada de 2014, efetuando uma intensa sessão de testes na semana antecedente ao Rali de Viana do Castelo, somando mais esta prova e, segundo Barros, ainda este ano fará mais quilómetros. Por confirmar estão os prazos de chegada a Portugal dos carros já anunciados para Diogo Salvi e, tudo indica, para o famalicense Miguel Barbosa.


Nº 9 – NOVEMBRO 2013

Rali de Viana do Castelo

PEC 1 – SUPER ESPECIAL 1

PEC 2 – S. SALVADOR/AMONDE 1

PEC 3 – MONTARIA/GONDAR 1

PEC 4 – S. SALVADOR/AMONDE 2

POS

PILOTO

TEMPO

POS

PILOTO

TEMPO

POS

PILOTO

TEMPO

POS

PILOTO

TEMPO

M. Barbosa R. Teodósio B. Costa L. Mota E. Veiga

1:57,0 + 1,8 + 5,3 + 6,6 + 6,8

B. Costa E. Veiga R. Teodósio A. Cabeças A. Vidal

6:18,6 + 5,9 + 7,8 + 8,0 + 9,7

E. Veiga B. Costa L. Mota R. Teodósio M. Barbosa

3:48,9 + 0,9 + 3,3 + 6,5 + 6,8

B. Costa M. Barbosa R. Teodósio E. Veiga L. Mota

6:11,8 + 4,4 + 5,9 + 6,7 + 14,8

R. Moura J. Traila P. Boaventura J. A. Iglesias L. Rocha

2:00,3 + 6,6 + 6,9 + 7,7 + 8,2

R. Moura J. A. Iglesias J. Traila M. Cid P. Boaventura

5:58,7 + 17,7 + 22,6 + 31,7 + 33,1

R. Moura 3:40,3 J. A. Iglesias + 6,1 J. Traila + 11,2 P. Boaventura + 21,3 L. Cambão + 23,4

R. Moura J. A. Iglesias J. Traila M. Cid N. Trindade

5:58,3 + 8,5 + 10,5 + 25,0 + 26,0

2º 3º 4º

1º 2º 3º 4º 5º

2º 3º 4º

2º 3º 4º 5º

PEC 5 – MONTARIA/GONDAR 2

PEC 6 – S. SALVADOR/AMONDE 3

2º 3º 4º

2º 3º 4º 5º

2º 3º 4º

2º 3º 4º 5º

PEC 8 – SUPER ESPECIAL 2

PEC 7 – MONTARIA/GONDAR 3

POS

PILOTO

TEMPO

POS

PILOTO

TEMPO

POS

PILOTO

TEMPO

POS

PILOTO

TEMPO

E. Veiga M. Barbosa R. Teodósio B. Costa J. Bastos

3:42,0 + 1,4 + 3,0 + 3,9 + 15,7

M. Barbosa B. Costa E. Veiga P. Silva R. Teodósio

6:05,0 + 5,1 + 9,6 + 12,9 + 13,5

M. Barbosa B. Costa E. Veiga R. Teodósio P. Silva

3:40,0 + 1,7 + 1,9 + 2,1 + 14,8

M. Barbosa R. Teodósio E. Veiga B. Costa R. Moura

1:54,7 + 1,2 + 2,0 + 3,7 + 4,0

R. Moura 3:36,6 J. A. Iglesias + 4,7 J. Traila + 7,8 P. Boaventura + 21,2 M. Cid + 23,1

R. Moura J. Traila J. A. Iglesias M. Cid M. Martins

5:47,4 + 16,2 + 16,4 + 30,5 + 47,3

R. Moura J. A. Iglesias J. Traila M. Cid R. Coelho

3:29,1 + 6,1 + 13,1 + 19,1 + 25,4

R. Moura J. Maia J. A. Iglesias M. Cid D. Veiga

1:49,4 + 1,6 + 6,6 + 7,7 + 9,8

POS

2º 3º

4º 5º

1º 2º 3º 4º 5º

2º 3º 4º 5º

2º 3º 4º 5º

2º 3º 4º 5º

2º 3º 4º 5º

CLASSIFICAÇÃO FINAL

2º 3º 4º 5º

2º 3º 4º 5º

CLASSIFICAÇÃO PROVA EXTRA

POS

PILOTO

CO-PILOTO

CARRO

TEMPO

Bruno Costa

Filipe Martins

Mitsubishi Lancer VI

33m58,6s

Eduardo Veiga

Justino Reis

Ford Escort RS

+ 12,3s

Ricardo Teodósio

José Teixeira

Mitsubishi Lancer IV

+ 21,2s

Mário Barbosa

Bruno Gonçalves

Paulo Silva

Sofia Mouta

BMW 325i

+ 1m40,0s

Daniel Martinez

José Riveiro

Citroën AX

+ 2m11,4s

Júlio Bastos

Aníbal Pereira

BMW M3

+ 2m17,1s

Rúben Moura

José Moreira

Citroën Saxo

+ 2m34,7s

Oscar Veiga

Eloy Fernandez

Peugeot 205 GTI

+ 2m39,3s

10º

António Oliveira

António Campos

Peugeot 205 GTI

+ 3m03,3s

Citroën Saxo Kit Car + 1m03,7s

PILOTO

CO-PILOTO

CARRO

1º Ricardo Moura António Costa Skoda Fabia S2000 2º Jose A. Iglesias Jacobo Nunes Peugeot 208 R2 3º João Traila Duarte Costa Mitsubishi Lancer VII 4º Marco Cid Vítor Hugo Renault Clio S1600 5º Manuel Martins Rui Vilaça Peugeot 206 GTI 6º Júlio Maia Alexandre Rodrigues Peugeot 206 S1600 7º Duarte Veiga Armando Veiga Citroën C2 R2 8º Pedro Sá Leandro Parreira Toyota Celica 9º Filipe Ferreira Rui Rocha Suzuki Ignis 10º Sérgio Freitas Miguel Rodrigues Hyundai Accent Terminaram 13 concorrentes

1º 2º 3º 4º 5º

Terminaram 18 concorrentes

1º 2º 3º 4º 5º

TEMPO

32m17,1s + 1m13,8s + 1m43,3s + 3m23,3s + 4m38,6s + 5m03,8s + 5m29,8s +5m52,7s + 6m15,0s + 6m19,9s

CLASSIFICAÇÃO CAMPEONATO REGIONAL NORTE – 4RM Luís Mota 101 1º Alexandre Ramos 101 Bruno Costa 93 2º Ricardo Torres 50 André Martins 50 3º Filipe Martins 43 Tiago Almeida 27 4º Ricardo Pinto 27 Manuel Pereira 18 5º Adriano Pereira 18 CLASSIFICAÇÃO CAMPEONATO REGIONAL NORTE – 2RM Júlio Bastos 111 1º José Moreira 93 Rúben Moura 93 2º Aníbal Pereira 86 António Dias 70 3º Jorge Galhardo 70 António Campos 70 4º José Araújo 65 Emanuel Silva 65 5º António Campos 58

Ritmo de Bruno Costa, que tem feito poucas provas Estreia do Ford Fiesta R5 em Portugal Presença de Ricardo Moura na Prova Extra

altos & baixos Super Especial pouco espetacular Apenas duas classificativas, faltava mais uma Penalização de Mário Barbosa retirou-o da luta


Nº 9 – NOVEMBRO 2013

Rali de Viana do Castelo/Motorshow BRUNO COSTA / FILIPE MARTINS

1º classificado

A chuva que caiu durante a noite trouxe uma dor de cabeça acrescida, pois deixava a dúvida de qual os melhores pneus a utilizar. Saímos com uma mistura intermedia e que seria mesmo a melhor, aliando um andamento forte e ascendemos à liderança. O carro esteve à altura dos acontecimentos e foi uma excelente jornada, num rali muito técnico e ao mesmo tempo complicado. A chuva que caiu durante a semana e principalmente durante a noite deixou os troços em algumas zonas muito sujos e que se torna muito difícil de conduzir. Ainda assim cumprimos os objetivos e agora estamos numa fase decisiva do campeonato, e tudo vamos fazer para o conquistar. Por enquanto, vamos apenas pensar na próxima prova, e depois fazemos contas, embora saiba que dependemos só de nós.

Era uma vitória que há muito perseguia e que lhe ia faltando. Pedro Leal conseguiu, finalmente, vingar os anos anteriores e levou a melhor no Motorshow Porto, que decorreu na Exponor. Sem presenças internacionais como noutras edições, foi a nata dos pilotos nacionais quem brilhou no traçado desenhado nos pavilhões e no exterior do recinto.

Foi um intenso duelo até Pedro Leal atingir o lugar mais alto do pódio, ele que errou numa das mangas, mas não se abateu com a pressão, rubricando o melhor tempo na Finalíssima, já depois de ter sido dos mais velozes nas qualificações. Ricardo Teodósio que foi brindando o público com espetáculo, mas quando o cronómetro começou a contar mesmo, o algarvio deixou de andar tão de lado, para andar para a frente, no entanto insuficiente para o

triunfo. O lugar mais baixo do pódio foi para Miguel Barbosa, com o famalicense a não conseguir bater Teodósio por somente 27 milésimas de segundo, depois de ter estado em foco durante as qualificações. Logo atrás classificou-se Octávio Nogueira, vencedor entre as duas rodas motrizes, enquanto Filipa Sanguedo levou a melhor sobre a famalicense Mariana Carvalho nas Senhoras. Também presente esteve Miguel Campos, num regresso à competição, ainda que neste formato. O famalicense tripulou o Mitsubishi Lancer X que também estava destinado a Pedro Leal e Adruzilo Lopes, mas não foi além do 10º posto.

Classificações Após as 3 qualificações 1º Miguel Barbosa (Mitsubishi Lancer IX) – 1m18,575s 2º Pedro Leal (Mitsubishi Lancer X) – 1m18,763s 3º Aventino Carvalho (Peugeot 306) – 1m18,796s 4º Ivo Nogueira (Subaru Impreza) – 1m19,800s 5º Gustavo Moura (Citroën Saxo) – 1m19,889s Após as 2 Finais 1º Octávio Nogueira (Citroën Saxo S1600) – 1m16,488s 2º Miguel Barbosa (Mitsubishi Lancer IX) – 1m16,960s 3º Ricardo Teodósio (Mitsubishi Lancer IV) – 1m17,454s 4º Aventino Carvalho (Peugeot 306) – 1m17,477s 5º Pedro Leal (Mitsubishi Lancer X) – 1m18,008s

Finalíssima 1º Pedro Leal (Mitsubishi Lancer X) 1m16,204s 2º Ricardo Teodósio (Mitsubishi Lancer IV) 1m 16,943s 3º Miguel Barbosa (Mitsubishi Lancer IX) 1m 16,970s 4º Octávio Nogueira (Citroën Saxo S1600) 1m17,162s 5º Hélder Silva (BMW 323) – 1m17,272s 6º Aventino Carvalho (Peugeot 306) 1m17,393s 7º Daniel Nunes (Mitsubishi Lancer VI) 1m18,932s 8º Adruzilo Lopes (Mitsubishi Lancer X) 1m 18,951s 9º Gustavo Moura (Citroën Saxo) 1m18,966s 10º Miguel Campos (Mitsubishi Lancer X) 1m19,516s (…) 14º Mariana Carvalho (Peugeot 206 GTI) 1m24,466s

– – –

– – – – – – –


Nº 9 – NOVEMBRO 2013

Rali de Espanha/WRC

Problema mecânico ditou abandono na prova espanhola

Presença habitual no Rali de Espanha, prova pontuável para o Mundial de Ralis (WRC), José Janela enriqueceu o seu currículo com mais uma presença em ralis internacionais. O experiente navegador voltou a acompanhar João Fernando Ramos na incursão ao país vizinho, repetindo a presença das últimas edições na prova disputada na Catalunha. Ao volante de um Mitsubishi Lancer X, a dupla nacional não teve a sorte do seu lado numa das provas mais difíceis do calendário do WRC, uma vez que contempla especiais noturnas, alternando ainda pisos de asfalto com pisos de terra, o que obriga a uma constante mudança de ritmo e concentração redobrada para enfrentar ainda mais este exigente rali.

Depois de dois dias efetuados sem grandes problemas, exceção feita a uma transmissão partida já na derradeira classificativa da 2ª etapa, a prova do famalicense iria terminar na fase inicial da 3ª etapa, depois da ligação entre o diferencial e a caixa de velocidades ter cedido. Inglório desfecho para a dupla João Fernando Ramos/José Janela, que seguiam até aí num sereno 46º posto, sem qualquer tipo de pressão para aumentar o ritmo, mas que vinham a subir na tabela à medida que o rali ia evoluindo. No entanto, motivação e boa disposição sempre presentes na equipa lusa, que assumiu já a repetição do programa para 2014, ou seja, presenças nas provas mundialistas, disputadas na Península Ibérica.


Nº 9 – NOVEMBRO 2013 Com uma comunicação sempre interventiva, a equipa foi lançando uma espécie de diário da prova, onde ia relatando o dia-a-dia desde os reconhecimentos até aos dias de prova, as peripécias, as histórias e toda a preparação que um rali pontuável para o Mundial de Ralis exige e necessita. Fica um apanhado desses relatos de João Fernando Ramos e do famalicense José Janela:

Rali de Espanha/WRC sempre que se cruzam connosco.

Dia 5: Riudecanys. Estava tudo pronto, diferenciais ligados, ALS na pressão certa, controle de arranque ligado, 5,4,3,2,1…gooooo…..e nada. O carro ficou embraiado e não andava, mas lá se encontrou uma solução para nos levar até à assistência. A coisa funcionou e lá fomos lentamente pela especial e depois na ligação até Salou. Aquelas almas já tinham tudo pronto quando chegámos e em 45 minutos deixaram o carro novo, para continuarmos em prova. O tempo perdido não é mesmo nada importante. Aqueles bravos da minha equipa merecem que dê o meu melhor e deixe o carro, sem mazelas, num lugar simpático. Dia 6: Partimos descontraídos, sem nenhuma pressão, mas com a firme vontade de não cometer erros e levar o carro até ao fim. Nos primeiros quilómetros já estavam patentes os sinais das dificuldades, com vários despistes e algumas avarias. A meio da manhã já havia mais de dez abandonos. Lá fomos tentando andar ao ritmo de alguns pilotos do nosso campeonato, mas não foi fácil.

Dia 1: O dia foi para verificar se todos os documentos estão em ordem, desde a licença desportiva e carta de condução, aos documentos do carro e da equipa. É o primeiro momento de encontro de todos os pilotos e de muitos dos diretores de equipa, num momento simples mas revelador da verdadeira dimensão democrática deste de desporto. Todos são tratados de igual forma. Dia 2: Reconhecemos hoje cinco troços, num bom ritmo e acho que temos excelentes notas para fazer um belo rali! Para manter a tradição, um furo numa das classificativas de terra, que estão com um piso extremamente rápido, mas traiçoeiro. Dia 3: Hoje foi o dia mais exigente desde que aqui chegamos. No menu, o reconhecimento de quatro especiais, as mais longas e sinuosas desta fabulosa prova. Ainda era de noite quando entrámos em Riudecanyes, percurso que enfrentaremos na sexta já depois da meia-noite e repetimos no sábado pela manhã. Já conhecíamos este troço, o mais difícil do rali com um sector de uns cinco quilómetros que deve ter das maiores concentrações de curvas apertadas do mundo! Dia 4: O rali já se sente hoje por toda a cidade! O nosso dia começou com o reconhecimento da última especial, que vai decorrer mesmo no centro de Salou, pelo meio de um jardim. É uma grande ideia para trazer os adeptos para mais perto de pilotos e máquinas num percurso muito técnico, escorregadio, mas que será de encher o olho a quem for assistir. Às oito e meia da manhã, estavam as notas tiradas e o dia ficava guardado para muitos pequenos acertos que ainda faltavam e para o encontro com os portugueses que lá nos vão acenando

Dia 7: De um momento para o outro um grande barulho na frente do carro e percebemos que seria o fim. Algo se quebrou na ligação da caixa de velocidades com o diferencial e a prudência aconselhou que a prova acabasse mesmo ali. Imaginam o nosso desânimo! A semana foi deliciosa e este rali levou-nos a superar algumas barreiras que consideravam ser um limite. Conseguimos resistir fisicamente ao dia de ontem com aquele calorão e não estragar nada na etapa de asfalto, com as partes finais dos troços a serem muito complicadas para os travões. Esta é uma prova muito bem desenhada e com uma organização sem nenhum reparo. Voltaremos para o ano ao WRC, com a presença já confirmada no Rali de Portugal e na Catalunha integrados na equipa RMC que celebrou aqui a conquista do Campeonato do Mundo de Produção com o Nico Fuchs. Parabéns amigos, e obrigado a todos que nos acompanharam de alguma forma nesta nossa fantástica aventura!


Nº 9 – NOVEMBRO 2013

Rali de Baião

Regresso triunfal com muita réplica de Pascoal

O Rali de Baião trouxe, de novo, as grandes provas e os duelos intensos ao Campeonato Open de Ralis. A lista de inscritos antevia isso mesmo, com muitos pilotos a apresentarem argumentos que poderiam ser válidos para lutarem pela vitória. Com tudo já decidido nas 4RM, Carlos Martins apresentava-se em Baião para festejar a sua conquista, enquanto de Fernando Peres e Vítor Pascoal, este a jogar em casa, esperava-se um animado despique pelo lugar mais alto do pódio. E assim foi, com o regressado Peres a lançar o mote e a triunfar as três primeiras especiais, que constituíam a primeira secção do rali. Mesmo a utilizar o conhecimento como um trunfo a seu favor, Vítor Pascoal não conseguia contrariar o domínio do seu adversário e amealhava mais de uma dezena de segundos face ao líder. E a discussão pela vitória cingia-se a esses dois, pois Ricardo Teodósio, mesmo com problemas no seu Mitsubishi, estava a quase um minuto, travando uma animada luta com Diogo Salvi, que tentava terminar com a malapata que o tem vindo a perseguir. Luís Mota seguia um pouco mais atrás, atento a Fernando Teotónio que o surpreendera nas primeiras classificativas. Quem já não chegava à assistência era Carlos Martins, obrigado a abandonar com problemas mecânicos no Mitsubishi, numa altura em que seguia na 5ª posição. Nas 2RM, animação também era coisa que não faltava. Depois de Gil Antunes ter vencido a primeira especial e todos os restantes concorrentes terem recebido o mesmo tempo, em virtude do capotanço de Herculano Antas, a partir daí o então líder do campeonato e do Desafio Modelstand, geriu o seu ritmo e deixando a luta pelo triunfo para João Ruivo e para Nuno Coelho. Na chegada da 1ª secção, era o piloto famalicense quem seguia na frente, mas com margem curta sobre o seu adversário, que estava a fazer um excelente rali igualmente.

Curiosa foi a ordem de partida para estes concorrentes, decidida pelos Comissários Desportivos somente na manhã do rali, baralhando completamente a lista de inscritos. Assim, os pilotos das 2RM partiam após o 10º concorrente das 4RM, numa decisão algo discutível e argumentada pela falta de critério na elaboração da lista inicial. Mas continuava a ser nas classificativas da Serra da Aboboreira que o verdadeiro rali se ia decidindo…


Nº 9 – NOVEMBRO 2013

Rali de Baião

A secção que iria decidir o rali começou com contra ataque de Vítor Pascoal, que queria a todo o custo vencer na sua terra. O piloto do Mitsubishi recuperou uma boa parte do atraso e colocava novamente Fernando Peres em sentido, haveria rali até ao derradeiro metro para gaudio do muito público que se deslocou até Baião. Livre para ocupar o lugar imediato ficou Diogo Salvi, pois Ricardo Teodósio via os problemas mecânicos agravaremse e não permitirem a sua continuidade, enquanto Fernando Teotónio recuperava novamente a 4ª posição a Luís Mota, com Pedro Leone atentamente à espera de um deslize de um deles. Peres respondeu na maior especial da prova, mas os ganhos foram de 0,3 segundos, dificultando assim o objetivo de Vítor Pascoal. Com tudo para decidir no derradeiro troço, Pascoal tudo tentou aí para ultrapassar o antigo campeão nacional, mas não foi suficiente e assim Peres venceu e Pascoal repete o 2º lugar de Gondomar. Um triunfo que assentava bem a qualquer um dos dois, mas a verdade é que Peres venceu mais especiais ao longo do dia e teve no ataque inicial a chave para o triunfo. Diogo Salvi confirmou o 3º lugar, após um CLASSIFICAÇÃO FINAL POS

PILOTO

CO-PILOTO

1º Fernando Peres José Pedro Silva 2º Vítor Pascoal Luís Ramalho 3º Diogo Salvi Paulo Babo 4º Luís Mota Alexandre Ramos 5º Pedro Leone Bruno Ramos 6º Vítor Ribeiro Fernando Sousa 7º Salvador Gonzaga Paulo Lopes 8º João Ruivo João Peixoto 9º Nuno Coelho Pedro Alves 10º Gil Antunes Carlos Ramiro (…) 13º Luís Rocha Guilherme Pereira 17º Mariana Carvalho Alexandra Santos Terminaram 23 concorrentes

CARRO

TEMPO

Mitsubishi Lancer VIII Mitsubishi Lancer VII Mitsubishi Lancer VIII Mitsubishi Lancer IV Ford Escort Cosworth Mitsubishi Lancer VI Mitsubishi Lancer VII Peugeot 206 GTI Peugeot 206 GTI Peugeot 206 GTI

48m34,7s + 3,2s + 1m53,2s + 2m52,4s + 3m45,8s + 4m07,9s + 4m37,8s + 5m08,7s + 5m25,0s + 5m32,7s

Peugeot 206 GTI Peugeot 206 GTI

+ 7m32,7s + 12m15,7s

rali tranquilo e que confirmou que, sem azares, poderia ter sido presença habitual pelo pódio. Teotónio não foi feliz e abandonou, estendendo a passadeira para Luís Mota terminar em 4º, na frente de Pedro Leone, também ele autor de um rali muito bom, no espetacular Ford Escort Cosworth. Vítor Ribeiro levou o seu Mitsubishi até ao 6º posto, depois de controlar Salvador Gonzaga, que na estreia ao volante do Mitsubishi Lancer VII foi o 7º.

O duelo João Ruivo/Nuno Coelho manteve-se, com este último a abrir a 2ª secção a vencer e a destronar Ruivo da liderança, mas o piloto de Famalicão não se deu por vencido e ao ganhar quase 20 segundos em Baião 2, deu a machadada final e confirmou o triunfo. João Ruivo assumiu não ter sido um rali fácil, com algumas desconcentrações pelo meio, mas a vitória nas duas rodas motrizes e no Desafio Modelstand assenta-lhe bem. Nuno Coelho fez a sua melhor prova da época ao terminar em 2º, enquanto Gil Antunes com o 3º lugar final garantiu virtualmente a vitória no Desafio, deixando apenas as contas do campeonato 2RM em aberto para a última prova, o Rali Casinos do Algarve.


Nº 9 – NOVEMBRO 2013 JOÃO RUIVO / JOÃO PEIXOTO

8º classificado e 1º Desafio Modelstand Foi uma vitória muito boa e saborosa que nos permitiu passar para a segunda posição da classificação geral. O Gil Antunes e o Carlos Ramiro já são campeões e dou-lhes os meus parabéns, pois tivemos uma luta interessante ao longo de toda a época. Foi um rali estranho, estivemos desconcentrados em algumas partes e assim fomos perdendo alguns troços e ganhando outros, mas conseguimos fazer a diferença na parte final e chegámos à vitória. Encontrámos os pisos muito escorregadios e com trilhos que dificultou a tarefa, mas se calhar foi o melhor rali que fiz este ano em pisos de terra. Aprendemos bastante, pois não me lembro de estar tantas vezes desconcentrado e verificámos que temos que melhorar algumas coisas para o futuro. Não dependíamos de nós para sermos campeões e as nossas contas tinham de ser outras, mas alcançamos o objetivo de estar na luta por sermos vicecampeões até ao final do ano.

LUÍS ROCHA / GUILHERME PEREIRA 12º classificado

O rali correu em pleno. Conseguimos fazer aquilo que tínhamos delineado, que era sobretudo evoluir. Estamos cada vez mais a rodar num ritmo melhor e os tempos obviamente que vão sendo cada vez mais interessantes. Acho que para o segundo rali que fizemos, foi excelente e agora há que continuar a fazer mais e melhor nas próximas provas.

MARIANA CARVALHO / ALEXANDRA SANTOS 17ª classificada

Cumprimos na totalidade os objetivos traçados para esta jornada, que era o de terminar o ano com todas as provas concluídas, somando desta forma a quinta vitória da temporada. Apesar de todas a cautelas na parte inicial da prova, fomos amentando o ritmo gradualmente, e divertimo-nos imenso. Não tínhamos nada a ganhar nem a perder, mas demos sempre o nosso melhor. Encaramos esta prova como todas as outras, apenas com um ponto a favor, as contas já estavam fechadas e realizamos a jornada de consagração. Agradeço a todos os patrocinadores, sem eles este título e esta temporada não teriam sido possíveis.

Rali Cidade de Gondomar


Nº 9 – NOVEMBRO 2013

Rali de Baião

PEC 1 – ABOBOREIRA 1

PEC 2 – BAIÃO 1

POS

PILOTO

TEMPO

POS

F. Peres V. Pascoal R. Teodósio D. Salvi C. Martins F. Teotónio L. Mota V. Ribeiro P. Leone A. Mota

6:11,0 + 1,3 + 14,6 + 15,7 + 15,9 + 30,1 + 30,9 + 32,3 + 34,8 + 40,8

2º 3º 4º 5º 6º 7º 8º 9º 10º

2º 3º 4º 5º 6º 7º 8º 9º 10º

PEC 3 – ABOBOREIRA 2

PILOTO

TEMPO

F. Peres 11:26,0 V. Pascoal + 5,3 D. Salvi + 27,7 R. Teodósio + 29,0 C. Martins + 30,6 F. Teotónio + 32,0 L. Mota + 36,2 P. Leone + 41,6 V. Ribeiro + 1:01,9 S. Gonzaga + 1:06,1 PEC 4 – QUEIMADA 1

POS

PILOTO

TEMPO

POS

PILOTO

TEMPO

F. Peres V. Pascoal R. Teodósio D. Salvi L. Mota F. Teotónio V. Ribeiro P. Leone S. Gonzaga J. Ruivo

6:08,1 + 0,3 + 14,4 + 21,0 + 23,8 + 30,6 + 30,9 + 33,1 + 37,0 + 38,8

V. Pascoal F. Peres D. Salvi F. Teotónio L. Mota P. Leone N. Coelho A. Mota S. Gonzaga J. Ruivo

6:39,5 + 4,0 + 14,8 + 19,4 + 25,2 + 28,3 + 30,6 + 32,2 + 35,2 +35,7

2º 3º 4º 5º 6º 7º 8º 9º 10º

2º 3º 4º 5º 6º 7º 8º 9º 10º

PILOTO

TEMPO

POS

PILOTO

TEMPO

F. Peres V. Pascoal D. Salvi F. Teotónio L. Mota P. Leone V. Ribeiro S. Gonzaga J. Ruivo G. Antunes

11:24,9 +3,8 + 27,9 + 28,3 + 37,5 + 51,8 + 56,3 + 1:06,3 + 1:08,2 + 1:17,6

V. Pascoal F. Peres D. Salvi L. Mota V. Ribeiro A. Mota S. Gonzaga J. Ruivo N. Coelho P. Leone

6: 37,7 + 3,5 + 13,6 + 26,3 + 34,6 + 35,4 + 39,9 + 42,0 + 42,4 + 43,7

3º 4º 5º 6º 7º 8º 9º 10º

Gil Antunes

108

Carlos Ramiro

83

João Ruivo

86

João Peixoto

71

Nuno Coelho

66

Pedro Alves

66

Carlos Cruz

52

Paulo Santos

52

Herculano Antas

52

Luís Silva

52

CLASSIFICAÇÃO CAMPEONATO 4RM 1º

Carlos Martins

136

Pedro Conde

111

Luís Mota

85

Alexandre Ramos

85

Fernando Teotónio

72

Luís Morgadinho

72

Diogo Salvi

70

José Pedro Silva

40

Fernando Peres

40

Luís Ramalho

36

MODELSTAND

FASTBRAVO

Gil Antunes

165

Fábio Paço

72

Herculano Antas

136

Nuno Figueiredo

61

João Ruivo

133

Rafael Cardeira

31

PEC 6 – QUEIMADA 2

PEC 5 – BAIÃO 2 POS

CLASSIFICAÇÃO CAMPEONATO 2RM

2º 3º 4º 5º 6º 7º 8º 9º

10º

MACHADO CAMPEÃO JÚNIOR Sem o brilho e o nível de participação que teve noutros tempos, o Campeonato de Portugal Júnior de Ralis conheceu o seu vencedor em Baião. No seu ano de estreia na competição e com apenas 18 anos, José Machado venceu a prova e, dessa forma, confirmou o título. A tarefa do jovem piloto do Citroën Saxo ficou facilitada pela ausência de vários adversários, no entanto o mérito está lá e desponta um valor a seguir nas próximas temporadas.

FASTBRAVO VS S1000 O projeto Fastbravo S1000 concluiu o seu primeiro rali. Com Eugénio Madureira ao volante, o pequeno Seat Marbella de tração integral não mostrou (por enquanto) capacidade para discutir os lugares cimeiros, rodando na segunda metade da tabela. Comparativamente ao vencedor do troféu, foi mais rápido cerca de 6 segundos por km, sendo um indicador para quem der o salto.

Duelo entre Peres e Pascoal Título de Gil Antunes no Modelstand Especiais em boas condições

altos & baixos Prova acabou muito tarde Lista de inscritos e ordem de partida Esperava-se mais do campeão Carlos Martins


Nº 9 – NOVEMBRO 2013

Rali Casinos do Algarve

CPR e OPEN juntou para encerrar temporada

PROVA: Rali Casinos do Algarve CLUBE ORGANIZADOR: Clube Automóvel do Algarve DATA: 8 e 9 de novembro PONTUÁVEL: Campeonato de Portugal de Ralis Campeonato de Open de Ralis Campeonato de Portugal Júnior de Ralis Campeonato Regional de Ralis/Sul Desafio Modelstand CENTRO OPERACIONAL: Passeio Ribeirinho - Portimão PÓDIO: Hotel Algarve Casino – Portimão DIRETOR DE PROVA: André Magalhães QUILOMETRAGEM (Total/PEC’s): 263,17/102,080

E tudo se decidirá no Algarve… O Campeonato de Portugal de Ralis teve uma temporada animada, polémicas à boa maneira portuguesa e com os pilotos a darem tudo na estrada, num ano em que a aposta de vários deles foi elevada. Contas feitas e será na derradeira prova que o título irá ser entregue, com a FPAK a colocar um ponto de ordem face aos pontos não atribuídos relativos à (falta de) Powerstage no Rali dos Açores. E é para os Açores precisamente que o título pode ir pelo terceiro ano consecutivo. Ricardo Moura é o líder do campeonato, somando mais oito pontos que Bernardo Sousa, precisamente o antecessor de Moura no que toca ao título. Com uma diferença entre eles de apenas 7 pontos, a luta prevê-se épica e não descurar a presença de Pedro Meireles, cuja desvantagem é de 20 pontos face a Moura, mas que matematicamente pode aspirar aos 28 que estão em jogo. Três homens para o poleiro onde só caberá um e nem mesmo a vitória do rali só por si garante o título (em particular a Bernardo Sousa e a Ricardo Moura), com a derradeira especial do rali, a Powerstage, a poder ter sobre si a decisão final. Na Produção, a presença de Miguel Barbosa garante desde logo o título ao famalicense. Adruzilo Lopes poderá ser um outsider na discussão dos lugares da frente, em especial se o clima algarvio fizer das suas. João Barros realiza a sua derradeira prova no CPR2, onde será o mais sério candidato à vitória e, por consequência, ao título, ainda que conte com a oposição de Ricardo Marques, depois de ter estado ausente.

9 DE NOVEMBRO DE 2013 PARTIDA ASSISTÊNCIA 10’ PEC 1 – CHILRÃO 1 PEC 2 – FÓIA 1 PEC 3 – MONCHIQUE 1 PEC 4 – CHILRÃO 2 PEC 5 – FÓIA 2

14,43 11,85 11,62 14,43 11,85

KM KM KM KM KM

ASSISTÊNCIA 30’ REAGRUPAMENTO SAÍDA REAGUPAMENTO PEC 6 – MONCHIQUE 2 PEC 7 – CHILRÃO 3 PEC 8 – FÓIA 3 (POWERSTAGE)

ASSISTÊNCIA 10’ CHEGADA PÓDIO

11,62 KM 14,43 KM 11,85 KM

08H00 08H10 09H08 09H37 10H03 10H41 11H10 12H05 12H35 12H55 13H36 14H14 14H43 15H38 15H48 17H00

Com o protagonista e já campeão do Open apontados ao CPR, fala-se de Carlos Martins que se estreia ao volante de S2000, a luta pela vitória será entre os candidatos ao vice-campeonato, a quem se junta os favoritos do Regional Sul, onde o destaque vai para Ricardo Teodósio. Diogo Salvi quererá despedir-se do Open em grande, assim como Luís Mota e Fernando Teotónio espreitam um triunfo esta temporada. Nas duas rodas motrizes, as contas encontram-se em aberto, com Gil Antunes a liderar, mas com João Ruivo ainda a aspirar ao título, embora o objetivo do famalicense seja confirmar o 2º posto no Desafio Modelstand. Nuno Coelho tem feito boas provas na fase final da temporada, enquanto Herculano Antas quer esquecer o azar de Baião. O Rali Casinos do Algarve tem tudo para ser um dos melhores ralis do ano, com a condão de atribuir o título nacional a ser o grande foco de interesse.


Nº 9 – NOVEMBRO 2013

Rali Casinos do Algarve

LISTA DE INSCRITOS CL. Nº PILOTO

PILOTO

NAVEGADOR

CARRO

1

RICARDO MOURA

ANTÓNIO COSTA

SKODA FABIA S2000

NAVEGADOR

CARRO

CL.

A8

20

LUÍS MOTA

ALEXANDRE RAMOS

MITSUBISHI LANCER VII

II / VIII

2

BERNARDO SOUSA

HUGO MAGALHÃES

3

ADRUZILO LOPES

VASCO FERREIRA

FORD FIESTA S2000

A8

21

RICARDO TEODÓSIO

JOSÉ TEIXEIRA

MITSUBISHI LANCER IV

II / VIII

SUBARU IMPREZA R4

N4

22

DIOGO SALVI

PAULO BABO

MITSUBISHI LANCER VIII

4

PEDRO MEIRELES

MÁRIO CASTRO

II / VIII

SKODA FABIA S2000

A8

23

PEDRO LEONE

BRUNO RAMOS

FORD ESCORT

5

MIGUEL BARBOSA

II / VIII

ALBERTO SILVA

MITSUBISHI LANCER IX

N4

24

MÁRCIO MARREIROS

RUI SERRA

MITSUBISHI LANCER VI

6

II / VIII

JOÃO BARROS

JORGE HENRIQUES

RENAULT CLIO S1600

A6

25

JOÃO CORREIA

RICARDO BARRETO

MITSUBISHI LANCER VI

II / VIII

7

RICARDO MARQUES

PAULO MARQUES

CITROËN C2 R2 MAX

A6

26

GIL ANTUNES

CARLOS RAMIRO

PEUGEOT 206 GTI

I/I

8

CARLOS MARTINS

PEDRO CONDE

PEUGEOT 207 S2000

A8

27

JOÃO RUIVO

JOÃO PEIXOTO

PEUGEOT 206 GTI

I/I

10

JOÃO CORREIA

RICARDO BARRETO

MITSUBISHI LANCER IX

N4

28

NUNO COELHO

PEDRO ALVES

PEUGEOT 206 GTI

I/I

10

JOAQUIM BERNARDES

PINHO DE ALMEIDA

RENAULT CLIO R3

A6

29

HERCULANO ANTAS

LUÍS SILVA

PEUGEOT 206 GTI

I/I

11

DIOGO GAGO

JORGE CARVALHO

PEUGEOT 208 R2

A6

30

JOÃO CASTELA

RICARDO FARIA

PEUGEOT 206 GTI

I/I

12

PAULO NETO

NUNO R. DA SILVA

CITROËN DS3 R3T

A7

31

ROBERTO CANHA

MIGUEL CRUZ

CITROËN C2 R2

I/I

14

ARMINDO NEVES

BERNARDO GUSMÃO

PEUGEOT 207 R3T

A7

32

JOÃO SOARES

JOÃO BARATA

CITROËN SAXO

I/I

15

MARCO REIS

RUI RAIMUNDO

FIAT PUNTO HGT

A7

33

MARCO CID

VÍTOR HUGO

CITROËN SAXO S1600

I/I

16

NUNO POMBO

LUÍS RAMALHO

RENAULT CLIO R3

A6

34

NUNO VENÂNCIO

ANDRÉ BARRAS

BMW 325 IX

II / VIII

17

SÉRGIO SILVA

FERNANDO NUNES

SUBARU IMPREZA WRX

N4

35

JOSÉ DIMAS

EMANUEL FARIA

SUBARU IMPREZA

II / VIII

18

JOÃO SOUSA

VALTER CARDOSO

PEUGEOT 306 MAXI

VSH

36

JOÃO MARTINS

XAVIER CHAVES

MITSUBISHI LANCER VII

II / VIII

19

VÍTOR CALISTO

ANTÓNIO CIRNE

CITROËN XSARA

N3

37

JOSÉ CARLOS PATÉ

HERMES BANZA

BMW 325 IX

II / VIII

38

PAULO SANTOS

LUÍS SANTOS

CITROËN SAXO

I/I

39

JOSÉ COELHO

NUNO AFONSO

PEUGEOT 205 GTI

I/I

40

MARCO FERREIRA

EDGAR GONÇALVES

CITROËN SAXO

I/I

41

JOSÉ MARTINS

RUI SANTOS

CITROËN SAXO

I/I

42

PEDRO LANÇA

RICARDO BATISTA

CITROËN SAXO

I/I

43

LUÍS NUNES

PAULO COSTA

MITSUBISHI LANCER VI

II / VIII

44

RUBEN TABAIO

RUI VENTURA

FORD ESCORT

II / VIII

45

EDUARDO ANTUNES

VICENTE ANTUNES

MITSUBISHI LANCER VI

II / VIII

46

MARCO GONÇALVES

PEDRO ARROJA

PEUGEOT 206

I / II

47

NUNO FIGUEIREDO

NUNO CORREIA

SEAT MARBELLA

I/I


Nº 9 – NOVEMBRO 2013

Circuito Outono/Estoril

Domínio italiano no Estoril

Caiu o pano no Campeonato de Portugal de SportProtótipos, que teve como cenário o Circuito do Estoril, no fim de semana de 19 e 20 de outubro. Uma grelha composta trouxe outro colorido a esta competição, que viu Gonçalo Araújo sagrar-se campeão, apesar de ter andado arredado dos lugares da frente. Foi de Itália que veio o duplo vencedor desta jornada, de seu nome Ivan Bellarosa, que tripulou a solo um Wolf GB08. Aliás, foram estes protótipos que estiveram em foco, ocupando as primeiras posições ao longo das sessões de treinos e nas corridas. A primeira corrida ainda teve alguma discussão pelo triunfo nas voltas iniciais, com Bellarosa a aproveitar a vantagem de ter largado da pole-position, assumindo a liderança e levando atrás de si Gonçalo Araújo e o famalicense César Machado. Até à obrigatória paragem para troca de pilotos, Paulo Silva ainda suplantou César Machado, enquanto lá na frente Araújo ia perdendo tempo com problemas no seu Norma, caindo até ao 4º lugar. Cumprida a passagem pelas boxes, Ivan Bellarosa seguia calmamente na frente da corrida, com Gonçalo Inácio (companheiro de equipa de César Machado) a rodar em 2º, mas já distante, enquanto no 3º lugar aparecia António Santos, a efetuar uma corrida de trás para a frente.

Foi sem grandes acontecimentos que se desenrolou a segunda corrida dos Sport-Protótipos. Foi um autêntico passeio para Ivan Bellarosa, que volta após volta ia cavando a diferença para os longínquos perseguidores. Com a já referida ausência de César Machado/Gonçalo Inácio, a luta pelo 2º lugar também não despertou grandes dúvidas, com António Santos/António Ricciardi a instalarem o seu Wolf nessa posição de forma muito confortável, enquanto Gonçalo Inácio/João Luís concluíram a prova no lugar mais baixo do pódio. A razia foi geral na grande maioria dos concorrentes, pois somente 5 equipas viram a bandeira axadrezada.

Até ao final, tudo na mesma, apenas registo para o abandono de Gonçalo Inácio, com problemas numa roda do Norma. Uma temporada de azar para a equipa onde também milita o famalicense César Machado, contrastando bons resultados com alguns abandonos, que assim impediram uma melhor classificação no final do campeonato. Aliás, o problema que originou o abandono viria mesmo a motivar a ausência na 2ª corrida. CLASSIFICAÇÃO 1ª CORRIDA POS

PILOTO

CARRO

TEMPO

Ivan Bellarosa

Wolf GB08

28v em 50m52,414s

Nuno Santos/António Ricciardi

Wolf GB08

+ 44,447s

POS

PILOTO

CARRO

TEMPO

Francisco Abreu

Radical SR3

+ 1m01,671s

Ivan Bellarosa

Wolf GB08

28v em 50m50,103s

Paulo Costa/Mário Melo

Norma M20 FC

+ 1 volta

Nuno Santos/António Ricciardi

Wolf GB08

+ 1m55,450s

+ 1 volta

Gonçalo Araújo/João Luís

Norma M20 FC

+ 1 volta

Luís Martins/Daniel Azevedo

Juno CN09

+ 2 voltas

Donald Naessens/Win Geentjens

Radical SR3

+ 3 voltas

Gonçalo Araújo/João Luís

Norma M20 FC

(…) 9º

César Machado/Gonçalo Inácio

Classificaram-se 9 concorrentes

Norma M20 FC

+ 7 voltas

CLASSIFICAÇÃO 2ª CORRIDA

Classificaram-se 5 concorrentes


Nº 9 – NOVEMBRO 2013 TROFÉU ABARTH 500

Circuito Outono/Estoril

NUNO CARDOSO É O PRIMEIRO CAMPEÃO

Corridas interessantes aquelas em que os “escorpiões italianos” foram os protagonistas, ficando para Nuno Cardoso o primeiro título desta competição em Portugal. Francisco Carvalho não teve adversários na primeira corrida, partindo da primeira linha e não deixou que ninguém o pressionasse até à bandeira de xadrez. Com o segundo lugar conseguído, Cardoso aproximava-se do seu objetivo, mas tudo seria confirmado somente na segunda manga. Perto do 2º lugar, Luís Reis mostrou-se rápido, mas não o suficiente para destronar Nuno Cardoso, enquanto José Rodrigues foi 4º e venceu entre os Sub-25 depois de um intenso duelo com Eugénio Montez. No segundo confronto, Nuno Cardoso conquistava uma saborosa vitória e dessa forma, confirmava o tão ambicionado título neste troféu monomarca. António Costa não se afastou muito da liderança, mas estava mais pressionado por quem vinha atrás, mas susteve os ataques de Pedro Serrador, com Pedro Moleiro à espreita. Serrador venceu a categoria reservada aos Sub-25, depois de José Rodrigues não ter terminado a prova.

POS 1º 2º 3º

CLASSIFICAÇÃO 1ª CORRIDA PILOTO TEMPO 12v em 27m10,048s Francisco Carvalho Nuno Cardoso + 6,919s Luís Reis + 7,740s

POS 1º 2º 3º

CLASSIFICAÇÃO 2ª CORRIDA PILOTO TEMPO 13v em 27m26,581s Nuno Cardoso António Costa + 6,781s Pedro Serrador + 7,266s

QUATRO CORRIDAS PARA RICARDO MEGRE

O REGRESSO DA CURVA DO TANQUE Uma das curvas mais apreciadas pelos pilotos e, segundo dizem, uma das que fazia realmente a diferença, voltou a ser utilizada no Circuito do Estoril. A curva do Tanque tinha sido abolida do traçado há cerca de 20 anos, em prol da segurança, sendo então construída a Variante, uma curva bem mais lenta, já no último terço da pista. Apenas os concorrentes do Super 7 by Kia e os participantes no Track-Day puderam experimentar as sensações desta curva “cega” e rápida, mas os responsáveis do Circuito do Estoril assumiram que poderá ser possível que o Tanque regresse em definitivo para outras competições. Claro está, a segurança terá que ser salvaguardada, mas fica já lançado o mote.

POS 1º 2º 3º

CLASSIFICAÇÃO 1ª CORRIDA PILOTO TEMPO 10v em 19m30,752s Ricardo Megre Nuno Santos + 0,098s Sebastião Brion + 6,657s

POS 1º 2º 3º

CLASSIFICAÇÃO 2ª CORRIDA PILOTO TEMPO 10v em19m37,066s Ricardo Megre Nuno Carvalho + 0,026s Gonçalo Lobo do Vale + 0,080s

POS 1º 2º 3º

CLASSIFICAÇÃO 3ª CORRIDA PILOTO TEMPO 10v em 19m33,509s Ricardo Megre Nuno Santos + 0,303s Nuno Carvalho + 1,201s

POS 1º 2º 3º

CLASSIFICAÇÃO 4ª CORRIDA PILOTO TEMPO 10v em 19m24,260s Ricardo Megre Nuno Carvalho + 3,418s Sebastião Brion + 5,669s

TAÇA DE PORTUGAL No primeiro fim de semana de dezembro, o Estoril recebe a Taça de Portugal de Circuitos, a prova que fechará a temporada nacional. Ao todo serão três corridas, mais ao formato sprint, fugindo assim ao formato resistência.

SUPER 7 by KIA

Emoção de sobra nas corridas dos Super 7, com Ricardo Megre a ser o grande dominador. Quatro corridas a compor o programa e Megre a entrar com o pé direito, vencendo a primeira, com Nuno Santos em 2º e Sebastião Brion a terminar em 3º. Na 2ª manga, Megre partia das boxes e numa corrida impressionante chegou até à vitória, depois das últimas voltas terem sido feitas em intenso duelo. A margem entre os três primeiros foi inferior a uma décima de segundo, ficando Nuno Carvalho em 2º e Gonçalo Vale a subir ao 3º posto. Ricardo Megre venceu igualmente a 3ª corrida, não conseguindo afastar-se muito de Nuno Santos, que voltou a a ser 2º e Nuno Carvalho contentou-se com o lugar mais baixo do pódio. Contrariando o ditado, Ricardo Megre confirmou que não há “três sem quatro”, vencendo a derradeira manga. Nuno Carvalho repetiu o 2º lugar e Sebastião Brion amealhou mais um 3º.


Nº 9 – NOVEMBRO 2013 DESAFIO ÚNICO

Circuito Outono/Estoril/AVON GT4 Trophy

PRIMOS BARROS BISAM

Sempre muito concorridas, as provas do Desafio Único seguiram esse rótulo no Estoril. No que toca aos Alfa Romeo 156, primeira corrida com vitória de David Saraiva/Sérgio Saraiva, que assumiram o comando na última volta e viram a bandeira axadrezada nessa posição. Tiago Vilela/Hugo Negrais não contavam com a ultrapassagem tardia, sendo portanto 2ºs, na frente de Nuno Loureiro/Filipe Vieira. Entre os Fiat Punto, vitória da dupla famalicense Vasco e Manuel Barros, que aproveitaram da melhor forma o abandono de Filipe Matias/André Pinto. José Francisco/Pedro Cerqueira e Miguel Rodrigues/Marques Mendes completaram o pódio. Já nos pequenos Fiat Uno, Carlos e Diogo Gonçalves foram os vencedores. A segunda corrida também só conheceu o vencedor nos últimos metros, com João Rebelo Martins/António Ferreira a conquistarem a primeira posição na reta final, na frente de David Saraiva/Sérgio Saraiva, que na soma das mangas foram os melhores, ainda que os vencedores se tenham sagrado campeões. Alexandre Gonçalves/Paulo Ribeiro fecharam o pódio. Nos Fiat Punto, novo triunfo de Vasco Barros/Manuel Barros, que obtiveram a pontuação máxima no fim de semana. Bem perto terminaram Filipe Matias/André Pinto, com Diogo Sousa/João Simões em 3º. O título ficou para André Pinto/José Teixeira que foram 6ºs em ambas as corridas. Nos Fiat Uno, nova vitória de Carlos e Diogo Gonçalves, com este a sagrar-se campeão.

POS 1º 2º 3º 4º 5º

CLASSIFICAÇÃO ALFA ROMEO 156 PILOTO PONTOS 97 D. Saraiva/S. Saraiva F. Vieira/N. Loureiro 88 A. Gonçalves/P. Ribeiro 88 J. R. Martins/A. Ferreira 85 T. Vilela/H. Negrais 82

POS 1º 2º 3º 4º 5º

CLASSIFICAÇÃO FIAT PUNTO PILOTO PONTOS 100 V. Barros/M. Barros P. Cerqueira/J. Francisco 90 D. Sousa/J. Simões 88 A. Pinto/F. Matias 78 A. Pinto/J. Teixeira 78

POS 1º 2º 3º

CLASSIFICAÇÃO FIAT UNO PILOTO PONTOS 100 D. Gonçalves/C. Gonçalves C. Pereira/C. Caldas 94 A. Cidrais/O. Rodrigues 88

Equipa de Mauro Marques em bom plano na Holanda

logo à terceira volta, em virtude do mau tempo.

A equipa composta pelo famalicense Mauro Marques e por Fábio Mota, brilhou na primeira corrida do “Avon GT4 Cup” no Circuito de Zandvoort, disputada a 12 de outubro, conquistando o primeiro pódio da temporada, depois de chegarem ao fim das 14 voltas da corrida na 3ª posição, numa excelente prestação de Fábio Mota, piloto que ao volante do Aston Martin Vantage V8 da Veloso Motorsport. Já no dia seguinte, a sorte não quis nada com o jovem piloto de Famalicão, que seria 9º na sua corrida, vendo depois a corrida mais longa ser cancelada

“O Fábio Mota esteve muito bem na primeira corrida, conseguiu assegurar um pódio, o que é excelente nesta época de estreia, em que tudo é novo para nós. A minha qualificação não foi fácil, tive de conhecer a pista e conseguir uma boa afinação ao mesmo tempo. Esperava conseguir um bom resultado na corrida, mas arriscamos um ao apostar em pneus para piso seco, esperando retirar vantagens para o final da corrida, na expectativa de a pista secar. No entanto, o frio e mais tarde o facto de ter recomeçado a chover, deitou por terra os nossos planos e não me restou outra hipótese, se não a de tentar levar o carro até ao final da corrida sem sair de pista. O cancelamento da terceira corrida foi mais um balde de água fria, situação que me deixou frustrado, se bem que entenda as razões que levaram a esta decisão. Foram muitos azares este ano, pelo que saio daqui com o pensamento de que poderia ter feito bem melhor do que consegui fazer”, referiu Mauro Marques, piloto famalicense de apenas 20 anos.


Nº 9 – NOVEMBRO 2013

6º Aniversário

Quando o Famalicão Motor surgiu no ano de 2007, a internet começava a marcar a sua posição na divulgação do desporto motorizado. Um pouco a aproveitar o declínio das provas que deixavam de ter os holofotes dos grandes promotores, mas também pela facilidade de acesso e propagação. Ao longo de seis anos, muito se contou num blogue e depois neste formato mensal, sempre para enaltecer a ligação estreita que Famalicão tem com os motores, formando campeões na estrada, nas pistas mas também na personalidade e caráter. Todos eles estão de parabéns, sem eles o Famalicão Motor não existiria, certamente. Recorde 6 vitórias, 6 figuras e 6 momentos que marcam a história do desporto motorizado famalicense e, por consequência, do Famalicão Motor.

6 VITÓRIAS 6 VITÓRIAS

6 FIGURAS

6 MOMENTOS

JOÃO RUIVO/ALBERTO SILVA - RALI MONTELONGO 2008

O Open de Ralis iniciava a sua segunda edição no auge, com uma lista de participantes de fazer inveja a vários ralis do principal escalão. Para a história ficará a vitória da dupla famalicense João Ruivo/Alberto Silva, que brilharam no Fiat Stilo Multijet, obtendo assim o primeiro triunfo de um carro a diesel nos ralis. Um bom início de temporada, mas que vários azares ao longo do ano não permitiram que Ruivo repetisse a façanha. RICARDO COSTA/NUNO ALMEIDA – RALI MONTELONGO 2009

6 VITÓRIAS

A abertura do Open de Ralis parecia ser favorável às equipas de Famalicão. Em 2009, Ricardo Costa/Nuno Almeida apostavam forte neste campeonato e entraram com o pé direito, batendo tudo e todos em Fafe, principalmente o campeão em título, o quase imbatível Pedro Peres. O resto da época não correu bem à dupla famalicense, que ainda assim triunfaria em Penafiel, mas ficou longe do objetivo de serem campeões. 6 VITÓRIAS

LUÍS BARROS – CIRCUITO DA BOAVISTA 2011

Pensar nas corridas do Nacional de Clássicos na Boavista, é pensar nos duelos frenéticos entre Luís Barros e Carlos Barbot. Em 2011, a 1ª corrida foi disputada até um toque entre ambos e a 2ª foi vencida pelo famalicense do Porsche 930 Turbo, começando aí uma espetacular e saudável luta entre ambos. Em 2013, o filme foi semelhante com vitória reparidas entre ambos na Taça ANPAC e domínio claro de Barros nas provas do CPC. TIAGO REIS – RAMPA DE CERVEIRA 2012

6 VITÓRIAS

Poder-se-ia falar de qualquer outra vitória de Tiago Reis no Campeonato de Portugal de Montanha, mas a conquistada em Cerveira, pode se considerar especial. Apesar da ausência do campeão daquela temporada (Pedro Salvador), o jovem famalicense obteve a sua primeira vitória da carreira, num ano em que viria a terminar na 2ª posição do campeonato, para em 2013 se sagrar campeão nacional. 6 VITÓRIAS

PAULO MARQUES – 24 HORAS TT FRONTEIRA 2012

Com uma carreira notável nas motas, Paulo Marques não se deu mal sempre que experimentou as quatro rodas. Ao volante de um Buggy Peugeot, Paulo Marques inscreveu o nome na galeria desta mítica prova de resistência, precisamente no dia em que cumpria o 50º aniversário. Anteriormente, em 2004, o “Marquês” já tinha sido 3º, numa equipa em que militavam os malogrados famalicenses Miguel Veloso e Paulo Ferreira. MIGUEL BARBOSA/ALBERTO SILVA - RALI PORTUGAL 2013

6 VITÓRIAS

Mesmo sem o entusiasmo e a participação massiva de outros tempos, a prova mundialista em Portugal continua recheada de carisma e uma vitória entre os concorrentes nacionais, é sempre um excelente cartão de visita. Miguel Barbosa, navegado por Alberto Silva, conseguiu esse feito em 2013, sendo o ponto mais alto da carreira do jovem famalicense.


Nº 9 – NOVEMBRO 2013

6º Aniversário

6 VITÓRIAS

6 FIGURAS

6 FIGURAS

6 MOMENTOS CÉSAR MACHADO

Ao longo destes seis anos, César Machado teve uma ascensão incrível. Talentoso no karting, cedo deu os primeiros passos na velocidade, primeiro no Desafio Único e depois com um ano sensacional no extinto PTCC, onde foi campeão Júnior. Brilhou nos Clássicos, onde foi vice-campeão nacional… tudo isto, com menos de 18 anos e carta de condução. Atua nos Sport-Protótipos e tem um futuro brilhante, caso os apoios não falhem. 6 FIGURAS

JOÃO RUIVO

Presença habitual no Open de Ralis nas últimas seis temporadas, exceção a um ano no CPR2, onde foi vicecampeão nacional. Sendo um dos mais experientes pilotos no campeonato, tem saboreado vitórias, conseguído bons resultados e somado títulos nas duas rodas motrizes, em particular quando tripulou o Fiat Stilo Multijet, um carro que se associa a João Ruivo e vice-versa, mais não fosse pelo feito histórico no Montelongo 2008. 6 FIGURAS

JOSÉ JANELA

Impulsionador do Team Famalicão, é dos mais experientes e versáteis navegadores nacionais. José Janela tem vários títulos no palmarés, mas nos últimos anos juntou mais alguns, nomeadamente na Produção e no CPR2. Para além disso, Janela tem estado presente em várias provas internacionais, pontuáveis para o Mundial de Ralis, levando como habitualmente, o nome de Famalicão bem visível. Um verdadeiro embaixador famalicense! 6 FIGURAS

LUÍS BARROS

É o nome mais forte no panorama dos Clássicos nacionais da atualidade. Os últimos três anos foram coroados com títulos, mas Luís Barros é também uma fonte de apoio a jovens pilotos e a várias organizações. Dinamizou a super-especial de Famalicão e o próprio Ralisprint, juntamente com Avelino Reis, e tem abraçado, através da sua equipa, vários pilotos que vão despontando nas pistas nacionais. 6 FIGURAS

MAURO MARQUES

Mais um jovem que tem tudo para vingar e que nos últimos seis anos teve uma evolução notória. Depois de ter sido campeão nacional de Karting, Mauro Marques enveredou por uma carreira internacional, passando por campeonato espanhóis e sagrando-se mesmo campeão ibérico de GT4. Nessa categoria tem dado passos mais firmes para a carreira no exterior, militando agora no Europeu da categoria e será mais um piloto de futuro. MIGUEL BARBOSA

6 FIGURAS

Se no WRC, o testemunho passa de um Sebastien para outro, em Famalicão quase que se poderia dizer que é de um Miguel para outro. Depois de Campos ter brilhado nas últimas duas décadas, eis que Barbosa começa a despontar recentemente. Já com um vice-campeonato nacional de ralis no bolso, Miguel Barbosa prepara-se para ser campeão de Grupo N, já depois de ter sido o melhor luso no Rali de Portugal, contando ainda no historial com três vitórias no Rali de Famalicão. É o futuro dos ralis nacionais.


Nº 9 – NOVEMBRO 2013

6º Aniversário

6 VITÓRIAS 6 MOMENTOS

6 FIGURAS

6 MOMENTOS

NUNO CARVALHO, MIGUEL VELOSO E PAULO FERREIRA

Três pilotos que fazem falta a Famalicão e que desapareceram precocemente. Nuno Carvalho era um conhecido entusiasta dos Clássicos, assíduo no Circuito de Vila Conde, onde conduzia o pequeno Fiat 500. Miguel Veloso e Paulo Ferreira fizeram sempre carreira no Todo-Terreno, chegando mesmo a brilhar juntos numas 24h TT Fronteira. O desporto motorizado famalicense ficou mais pobre nestes últimos seis anos. JOVENS VALORES DO KARTING

6 MOMENTOS

Uma boa colheita de jovens pilotos oriundos de Famalicão tem despontado a partir do Karting. Miguel Barbosa, Ricardo Costa Jr, Mauro Marques, César Machado, Manuel Oliveira, Vasco Barros e Margarida Barbosa (chegou a ir às Finais Mundiais Rotax) são alguns dos que tem feito carreira nos últimos anos, despontando do Karting. E mais jovens famalicenses continuam a desenvolver o seu talento e a evoluir a sua capacidade nesta escola de condução. 6 MOMENTOS

SUPER ESPECIAL DE FAMALICÃO

Praticamente pioneira neste tipo de provas, a Super Especial de Famalicão foi um dos eventos em foco nos últimos 6 anos. Muito espetáculo percorreu as ruas das cidade, muitos pilotos de referência nacional estiveram presentes (Miguel Campos, Joaquim Santos, António Barros, Joaquim Jorge, entre outros), dando um bonito colorido a este evento. O auge das super-especiais passou nos últimos anos e isso sentiu-se em Famalicão. PADOCK COMPETIÇÕES NO DAKAR

6 MOMENTOS

Corriam os primeiros dias de 2009 e figurava uma equipa famalicense no Dakar, a correr-se pela primeira vez na América do Sul. Com três carros, dois deles tripulados pelos famalicenses Adélio Machado e Martine Pereira, a aventura mais desafiante do TT mundial era também uma prova à Padock Competições. Todos chegaram ao fim, com Adélio Machado em 41º e Martine Pereira a concluir no 79º posto, naquela que foi a sua estreia no TT. 6 MOMENTOS

CARREIRAS INTERNACIONAIS

Após vários anos nos troféus monomarca nacionais e algumas presenças esporádicas lá fora, Rui Lapa decidiu apostar forte numa carreira internacional, algo que não era muito comum nos pilotos famalicenses. Andou no Campeonato de Espanha de GT, não sem antes vencer duas provas do concorrido Campeonato do Brasil de GT em 2011. Já Mauro Marques militou também no CEGT, sendo campeão ibérico e agora participa no Europeu GT4. Também Miguel Campos teve uma passagem fugaz, ao volante de um Lamborghini, no campeonato íbérico. TÍTULOS NOS RALIS

6 MOMENTOS

Vasco Ferreira em 2010 e José Janela em 2011 trouxeram o título do CPR2/Navegadores para Famalicão, numa modalidade em que existem bastante tradição. Em 2013, Miguel Barbosa/Alberto Silva são virtualmente campeões da Produção, o que revela mais uma vez que os ralis e Famalicão andam sempre numa relação estreita, pois para além destes títulos há bastantes vice-campeões nacionais e regionais.


Nº 9 – NOVEMBRO 2013

Multimédia / Últimas / Agenda

Assista aos melhores vídeos do desporto motorizado famalicense. Basta clicar na imagem e sinta toda a adrenalina!

MOTORSHOW PORTO by rallymania

RALI DE VIANA DO CASTELO by rallymania

A FECHAR

RALI DE BAIÃO

by movielight

AGENDA NOVEMBRO

Krzysztof Holowczyc repetiu o triunfo na Baja Portalegre 500, obtendo igualmente a vitória na Taça FIA de TT. O polaco, ao volante de um Mini, voltou a escrever o nome na galeria dos vencedores, depois da vitória em 2012, aproveitando da melhor forma o abandono de Miguel Barbosa. O já campeão nacional de TT foi obrigado a desistir ainda na fase inicial, com problemas de motor no Mitsubishi Racing Lancer, deixando Holowczyc mais descansado. No 2º lugar ficou outro polaco, também em Mini, Martin Kaczmarski, que rodou perto do vencedor e ainda espreitou a vitóira. Ao terminar 3º, Pedro Grancha foi o melhor concorrente nacional, garantindo o vicecampeonato. Com os polacos em foco, foi Marek Dabrowski a ocupar o 4º posto, não muito longe do português, enquanto Boris Gadasin encerrou o Top-5.

3

GP ABU DHABI (F1)

3

WTCC CHINA (WTCC)

7/9

RALLY DU VALAIS (ERC)

8/9

RALI CASINOS DO ALGARVE (CPR/COR)

10

6H SHANGAI (WEC)

10

GP COM. VALENCIANA (MOTO GP)

15/17

RALI DE INGLATERRA (WRC)

16

RALI DA MAIA (CRRN)

17

GP ESTADOS UNIDOS (F1)

17

WTCC MACAU (WTCC)

17

6H ESTORIL (VDEV)

24

GP BRASIL (F1)

28/01

24H TT FRONTEIRA

30

6H BAHRAIN (WEC)

30/1

ESTORIL RACING FESTIVAL (TPC)

A Baja Portalegre 500 é, considerada por muitos, a prova rainha do Todo-Terreno em Portugal. Será, sem qualquer dúvida, a mais mítica e a quem ainda desperta paixões com o decorrer dos anos. Famalicão já teve o seu nome no lugar mais alto do pódio, quer nas motos, quer nos carros. José Janela tem no seu palmarés dois segundos lugares, mas foi esta vitória em 1995, o resultado de referência nas suas presenças em Portalegre.



Famalicão Motor nº9 - Novembro 2013