Page 1

TRIUNFOU NA COVILHA, FOI 2º EM BRAGANÇA

E AINDA NESTA EDIÇÃO LUÍS BARROS VENCE NO GP HISTÓRICO MAURO MARQUES NO TOP-5 EM SILVERSTONE BRUNO COSTA LEVA A MELHOR EM MESÃO FRIO RICARDO COSTA JR. NO PÓDIO EM S. VOUGA


Nº 5 – JULHO 2013

Pole Position

Instalou-se o caos no Campeonato de Portugal de Ralis, juntando-se assim ao caos que se vive na FPAK, com todo o impasse entre assembleias gerais e eleições. O Rali Vidreiro foi mais uma gota num copo de água prestes a transbordar, com um clima de desconfiança e de muito pouca credibilidade a pairar sobre pilotos, clubes… a FPAK, por seu lado mantem a postura impávida e serena, alheia a todos os problemas vividos no desporto automóvel. Entre penalizações não atribuídos, tempos errados e muita polémica à mistura, o CPR vive agora um período menos bom, com um ambiente pouco respirável. Viveu-se já o primeiro fim de semana de competição na Boavista, com corridas a trazerem a nostalgia de outrora, em mais um Grande Prémio Histórico. Os carros clássicos continuam a despertar paixões nos amantes de automobilismo, mas nem o bom tempo ajudou a que a maior parte das bancadas do traçado estivessem compostas. O bom tempo vivido ao longo do fim de semana reunia as condições para boa adesão do público, mas os preços praticados poderão ter sido um entrave para que tal se concretizasse. Máquinas fantásticas, pilotos entusiastas e adeptos curiosos fizeram do GP Histórico mais um dos pontos referenciais no desporto motorizado nacional.

FOTO DO MÊS

Luís Barros levou a melhor no GP Histórico © Bernardo Póvoas

QUER FAZER PUBLICIDADE À SUA EMPRESA? QUER COLOCAR O SEU CARRO À VENDA? QUER ENVIAR UM COMUNICADO DE IMPRENSA? famalicaomotor@gmail.com

FICHA TÉCNICA FOTOS Capa: João Lavadinho, Nuno Organista, Autosport, Foto GTI Fotos: João Lavadinho, Nuno Pimenta, Nuno Organista, Aifa, Autosport, Bernardo Póvoas, Paulo Duarte, Foto GTI, José Bandeira, RG Promo e assessorias de imprensa

INDICE 2 • Editorial 3 • Breves 4 • Ralisprint de Famalicão promete espetáculo 5 • Queres ser navegador de José Janela? 6 • Bruno Costa lidera Regional Norte de Ralis 7 • Mauro Marques brilha no Europeu GT4 8 • Vitória na Covilhã segura liderança de Reis 13 • Fim de semana histórico na Boavista 18 • Terceira vitória isola Bernardo Sousa 23 • Martins vence e famalicenses destacam-se 25 • Oliveira do Hospital recebe Open de Ralis 27 • João Ruivo aproxima-se da liderança 28 • Multimédia / Últimas / Agenda

LÁ POR FORA EM 60 SEGUNDOS Audi somou 12ª vitória em Le Mans A marca alemã venceu a edição número 90 das míticas 24 Horas de Le Mans. O carro nº2, composto por Allan McNish, Loic Duval e pelo recordista de vitórias na prova (9 triunfos), foi o mais veloz, cumprindo um total de 348 voltas. Com os outros dois carros da Audi a terem alguns problemas, foi o Toyota com o nº7, tripulado por Anthony Davidson, Sebastien Buemi e Stephane Sarrazin a terminarem em 2º, com menos uma volta, enquanto Marc Gené, Oliver Jarvis e Lucas di Grassi ainda levaram o Audi com o nº3 até ao lugar mais baixo do pódio. A prova ficou ainda ensombrada pelo despiste fatal do Aston Martin tripulado por Allan Simonsen. Sebastien Ogier lançado para o título Se na Grécia, o francês cedo ficou fora da luta pela vitória, deixando o companheiro de equipa Jari Matti Latvala somar o primeiro triunfo na VW, já na Sardenha, Ogier não deu chances e voltou aos triunfos, seguindo confortavelmente na liderança do campeonato. Dani Sordo foi 2º na Grécia, deixando Thierry Neuville em 3º, com o belga a mostrar-se como o mais regular e veloz nas hostes da Ford. Neuville foi ainda 2º na Sardenha, na frente de Latvala. Vettel isolado na frente da Fórmula 1 O 2º lugar no Mónaco e a vitória no Canada deixaram o piloto da Red Bull confortável no comando do campeonato. Nico Rosberg ofereceu a 1ª vitória da Mercedes na temporada no circuito citadino. Alonso com um 7º e um 2º lugar, mantém-se no encalço de Vettel.


Nº 5 – JULHO 2013

Breves

PÓDIO PARA RICARDO COSTA A Macominho Sport, representada pelo jovem Ricardo Costa, marcou presença no passado fim de semana na segunda jornada do campeonato de Portugal de Offroad, uma prova que se disputou no Circuito do Alto do Roçário em Sever do Vouga. O jovem famalicense participou na categoria Super 2000, uma das mais concorridas e competitivas da competição. Ricardo Costa Jr, que esta temporada tripula o Renault Megane da estrutura de Famalicão, apresentou-se com um andamento rápido, realizando sempre cronos ao nível dos melhores, embora o elevado nível de competitividade desta categoria o fizessem andar entre a quarta e a sexta posição no decorrer das corridas de qualificação. “Esta é uma categoria em que não pode haver erros, os adversários são fortes e temos que estar sempre muito concentrados”, começa por desabafar Ricardo Costa Jr. Na final, o piloto da Macominho Sport arranca de quinto, realizando de imediato a passagem na JokerLap e caindo para a cauda do pelotão. O jovem iniciou então uma recuperação espetacular, ao subir de sétimo até ao segundo lugar final, “foi uma excelente corrida, emotiva e mostramos competitividade, algo que nos deixa muito satisfeitos com o resultado alcançado. Agradeço o empenho de toda a equipa, que ao longo do fim de semana me proporcionou sempre o carro nas melhores condições para que eu pudesse atingir este resultado”, adiantou o piloto Ricardo Costa Jr regressa à competição a 06 e 07 de Julho no regresso da pista do Lanço Grande em Castelo Branco ao panorama nacional de Offroad.

MOTORSHOW FAMALICÃO NO LAGO DISCOUNT Tal como no ano passado, o Team Baia leva a cabo o Motorshow Famalicão, paralelamente à Classicmobilia, um certame que irá decorrer no Lago Discount, em Ribeirão, no dia 13 de julho. A parte competitiva irá desenrolar-se no parque de estacionamento, usando ainda uma das vias de acesso aquele espaço comercial. A grande atração para a edição de 2013 é o facto da última manga se disputar já de noite, proporcionando a todos os espetadores um espetáculo ainda maior. Os treinos desenrolam-se durante a tarde, para as mangas terem lugar às 20h e às 22h, com o somatório dos tempos a ditar a classificação final.


Nº 5 – JULHO 2013

Rali de Famalicão

Faltam pouco mais de três semanas para o Ralisprint de Famalicão, prova que teve lugar pela primeira vez no ano passado, substituindo o antigo rali. Sob a organização do Motor Clube de Guimarães, em estreita colaboração com o Team Baia, a prova famalicense foi um sucesso, com uma lista de inscritos bem recheada e com vários pilotos de méritos reconhecidos a marcarem presença, cabendo a Miguel Barbosa estrear-se a vencer. Para a edição de 2013, as novidades são várias, a começar pelo formato da prova. Na noite de sábado, tem início o rali, com uma super especial desenhada no centro da freguesia de Fradelos, para depois no domingo, terem lugar três passagens pela classificativa entre Fradelos e Calendário, sendo igualmente uma novidade o seu traçado. Na semana antecedente ao Ralisprint de Famalicão, uma edição especial de Famalicão Motor trará todo o que precisa de saber para acompanhar a prova, prevendo-se uma vez mais muito público numa zona onde se vive apaixonadamente o desporto motorizado.


Nº 5 – JULHO 2013

Rali de Famalicão

José Janela lança passatempo para um co-piloto

José Janela é reconhecido como um dos mais experientes navegadores de ralis em Portugal, mas também tem “mão” para o volante, fazendo esporadicamente algumas provas como piloto. No Ralisprint de Famalicão e aproveitando o facto de correr em casa, Janela lançou um passatempo em conjunto com os seus patrocinadores e irá proporcionar ao feliz sorteado a chance de navega-lo durante a prova, ao volante de um Mitsubishi Lancer V. As condições são muito simples. Basta nunca ter sido federado e possuir carta de condução. Depois, basta uma visita a três empresas famalicenses, validar o cupão e automaticamente está habilitado a esse prémio. O sorteio decorre até 11 de julho, veja as condições.


Nº 5 – JULHO 2013

Rali de Mesão Frio

Segunda vitória consecutiva lança-o para o comando do Regional

“Foi uma grande jornada. Com muita emoção e competitividade, tudo fizemos para conseguir este resultado, estamos muito satisfeitos”, disse Bruno Costa que acrescenta, “andei praticamente no meu limite, agradeço uma vez mais ajuda do José Janela, mas também de toda a equipa pelo empenho e a dedicação que tiveram em mais uma jornada, esta vitória é de todos”. Após esta jornada Bruno Costa é o novo líder do campeonato, com 10 de vantagem sobre o segundo classificado.

O Clube Automovel da Régua realizou no passado fim de semana o Rali de Mesão Frio, prova referente a mais uma jornada do Campeonato Regional de Ralis do Norte. Famalicão fez-se representar pela Macominho Sport, com as duplas Bruno Costa/José Janela e André Oliveira/Filipe Martins. Costa e Janela tomaram-lhe o gosto da vitória e pela segunda vez subiram ao lugar mais alto do pódio numa prova do Regional de Ralis. Utilizando o habitual Mitsubishi Lancer Evo VI, o piloto apoiado pela Auto Reparadora do Ribeirais entra com algumas cautelas e alcança a terceira posição no final da Super Especial, realizada na noite de sábado. Já na manhã de domingo, Bruno Costa e José Janela entram ao ataque, e com um andamento forte vencem a especial e instalam-se na frente da classificação, lugar que não mais largaram mesmo apesar dos ataques dos adversários.

A dupla de Famalicão ainda passou por um percalço, quando após abordagem de uma curva, e após um ligeiro toque, uma jante do Mitsubishi parte, retirando de imediato alguma concentração ao piloto. A ultima classificativa era aguardada por todos com grande expetativa, e mesmo perdendo o troço Bruno e Janela conquistam a vitória por 0,8seg de vantagem sobre os manos Pereira. O pódio ficou completo por Luís Mota, num Mitsubishi Lancer VII.

André Oliveira também marcou presença, e aos comandos do Peugeot 106 GTI realizou uma prova em crescendo. Acompanhado de Filipe Martins, a dupla entrou com um bom ritmo, e apesar das limitações do carro francês foi realizando bons cronos, que foram diminuindo com o aumentar do andamento. No final da prova a dupla famalicense conquistou o quinto lugar entre os carros de duas rodas motrizes, sendo os nonos da classificação absoluta. “Realizamos uma prova conforme tínhamos planeado, não fomos atras de nenhum resultado em especial, terminar foi importante e mostramos uma vez mais a nossa regularidade”, disse André Oliveira que remata, “estamos a entrar no ritmo competitivo que tivemos na época passada, vamos tentar melhorar o carro mais um pouco e entrar na luta pelos lugares do pódio”. André Oliveira sobe agora à sexta posição um lugar que deixa o piloto perto dos objetivos, que é andar dentro dos cinco primeiros do campeonato.


Nº 5 – JULHO 2013

Avon European GT4 Trophy

Jovem famalicense esteve em alto nível em Zandvoort

O circuito de Assen na Holanda recebeu a segunda prova do Avon GT4 Trophy, competição inserida no Campeonato FIA European, onde o famalicense Mauro Marques marcou presença mostrando um bom andamento ao longo da jornada. Fazendo equipa uma vez mais com Fábio Mota, a dupla assistida pela Veloso Motorsport mostra um andamento rápido nos treinos de qualificação, conquistando o nono lugar da grelha de partida num traçado desenhado essencialmente para motos. No sorteio interno, cabe a Mauro Marques disputar a primeira corrida, calhando no grupo onde militavam os pilotos mais experientes, fator que não inibiu o jovem piloto. No arranque o piloto de Famalicão realiza uma boa largada e recupera duas posições, mas uma travagem mais tardia obriga o piloto do Aston Martin abrir a trajetória e a perder posições, terminando a prova na nona posição. Mauro Marques ainda voltava à pista para mais uma corrida, desta feita com a duração de 50 minutos, onde partilhou o volante com o seu companheiro de equipa. Realizando uma vez mais a partida, onde arrancou de nono, o jovem famalicense em nada se mostrou intimidado com a experiência dos adversários, e recupera até ao sétimo posto, entregando de seguida o carro a Fábio Mota que passa a bandeira de xadrez na quinta posição, lugar que ainda poderia ser melhor não fosse uma penalização de “Drive Through”, ter feito a equipa perder algum tempo. “Como prevíamos este não foi um fim-de-semana fácil. O facto de ser uma pista desconhecida e de difícil aprendizagem foi um dos problemas, com o outro a ser o facto de termos de enfrentar excelentes pilotos na sua própria “casa”. Penso no entanto que estamos a evoluir bem e que na próxima prova deste campeonato em Spa-Francorchamps, vamos estar certamente melhores”, disse Mauro Marques, que já só pensa na próxima viagem, onde vai disputar mais uma jornada no final do mês de Julho no conhecido circuito belga.

PRESENTES NA BOAVISTA Mauro Marques vão estar no próximo fim-de-semana presente na jornada do Campeonato de Portugal de Circuitos – GT, que vai ter lugar no Circuito da Boavista. O famalicense e Fábio Mota fazem assim uma pausa nas provas internacionais, para ao volante do Aston Martin Vantage V8 da Veloso Motorsport, desfrutarem de uma jornada à porta de casa, num circuito citadino e com um excecional programa de provas, onde se incluem entre outros o Campeonato do Mundo de Carros de Turismo (WTCC).

“Este é um evento onde tínhamos de estar, quer seja para dar mais visibilidade aos nossos patrocinadores, quer pelo ambiente que normalmente rodeiam as provas deste género em circuito citadino, com muito público. Eu nunca corri na Boavista, pelo que vou ter de aprender o circuito durante os treinos, mas espero lutar pelos primeiros lugares e se possível vencer a categoria GT Cup, salvaguardando o facto de que não podemos correr riscos demasiado elevados, até porque este não é o nosso campeonato”, disse Mauro Marques.


Nº 5 – JULHO 2013

Campeonato de Portugal de Montanha

Duas rampas em Junho cruciais para as contas do campeonato

O Campeonato de Portugal de Montanha está a ter, esta temporada, bastante emoção e duelos verdadeiramente interessantes pela vitória. Mais duas rampas se disputaram durante o mês de junho, ficando assim cumprida a primeira metade da época, que começa a ter Tiago Reis e Pedro Salvador como principais protagonistas e avizinha-se que essa competitividade permanece nas rampas que se disputarão no mês de julho e que muito podem decidir em termos de vencedor do campeonato.

RAMPA DA COVILHÃ

E AÍ VÃO TRÊS PARA TIAGO REIS

A cidade da Covilhã recebeu novamente uma prova do campeonato, depois de vários anos de ausência. Cedo se percebeu que a tarefa de Tiago Reis não seria fácil, até porque o traçado na Serra da Estrela era mais favorável ao Silvercar de Pedro Salvador, que se mostrava bem mais à vontade com esta viatura. E isso confirmou-se ao longo das subidas de treinos, bem como nas duas primeiras subidas oficiais, com Salvador a bater o piloto famalicense e a preparar-se para terminar com o seu feudo de vitórias. Mas Tiago Reis não baixou os braços e fez uma derradeira subida ao ataque, cilindrando os tempos até então obtidos, beneficiando também do facto do seu adversário ter encontrado uma zona de bandeiras amarelas e com isso se viu impossibilitado de tentar chegar ao tempo efetuado pelo piloto de Famalicão. Mesmo com um pião na última subida, Paulo Ramalho foi o 3º classificado, levando a melhor sobre João Fonseca, que se mostrou mais à vontade com o Juno, aproveitando o facto de estar a correr em casa. António Nogueira foi novamente o vencedor da Categoria 1, onde o famalicense Martine Pereira foi 3º classificado. Ainda presentes estiveram os famalicenses Luís Silva, que levou o BMW 320is até ao 10º lugar absoluto, enquanto Tiago Reis não foi além do 17º posto, no seu Renault Clio RS.


Nº 5 – JULHO 2013

Campeonato de Portugal de Montanha

CLASSIFICAÇÃO 1ª SUBIDA - GERAL

CLASSIFICAÇÃO 2ª SUBIDA - GERAL

POS

PILOTO

CARRO

TEMPO

POS

PILOTO

CARRO

TEMPO

Pedro Salvador

Silvercar S2

2m46,454s

Pedro Salvador

Silvercar S2

2m45,985s

Tiago Reis

Norma M20F

2m48,072s

Tiago Reis

Norma M20F

2m46,675s

Paulo Ramalho

Juno CN09

2m53,747s

Paulo Ramalho

Juno CN09

2m50,711s

João Fonseca

Juno CN09

2m55,036s

João Fonseca

Juno CN09

2m52,883s

António Nogueira

Porsche 911 GT2

2m59,816s

António Nogueira

Porsche 911 GT2

2m,57,038s

Martine Pereira

Alfa Romeo 156 S2000

3m12,532s

Martine Pereira

Alfa Romeo 156 S2000

3m10,554s

13º

Luís Silva

BMW 320is

3m15,685s

10º

Luís Silva

BMW 320is

3m12,738s

16º

Edgar Reis

Renault Clio RS 2000

3m18,777s

17º

Edgar Reis

Renault Clio RS 2000

3m19,512s

(…)

(…)

Terminaram 29 concorrentes

Terminaram 29 concorrentes

CLASSIFICAÇÃO 3ª SUBIDA - GERAL POS

PILOTO

CARRO

TEMPO

Tiago Reis

Norma M20F

2m45,558s

Pedro Salvador

Silvercar S2

2m49,246s

João Fonseca

Juno CN09

2m53,326s

António Nogueira

Porsche 911 GT2

3m01,340s

Martine Pereira

Alfa Romeo 156 S2000

3m09,978s

(…) 9º

Luís Silva

BMW 320is

3m13,144s

15º

Edgar Reis

Renault Clio RS 2000

3m20,289s

Terminaram 26 concorrentes

CLASSIFICAÇÃO FINAL POS

PILOTO

CARRO

TEMPO

Tiago Reis

Norma M20F

5m32,233s

Pedro Salvador

Silvercar S2

+ 0,206

Paulo Ramalho

Juno CN09

+ 12,225

João Fonseca

Juno CN09

+ 13,976

António Nogueira

Porsche 911 GT2

+ 24,621

Joaquim Teixeira

Seat Leon Supercopa

+ 46,747

Martine Pereira

Alfa Romeo 156 S2000

+ 48,299

Rómulo Mineiro

Mitsubishi Lancer IX

+ 50,947

Bernardo Sá Nogueira

Renault Clio RS 2000

+ 53,368

10º

Luís Silva

BMW 320is

+ 53,649

Edgar Reis

Renault Clio RS 2000

+ 1m06,056

(…) 17º

Terminaram 22 concorrentes (Os Clássicos têm classificação separada)

TIAGO REIS Vencedor da classificação geral Foi uma jornada muito difícil, e muito desgastante quer em termos físicos como psicológicos. Uma vez mais o Norma esteve altura dos acontecimentos, e todos estamos de parabéns. Esta foi a primeira vez que disputei a Rampa da Covilhã, circuito que outrora recebeu a elite do europeu da especialidade. É um traçado é muito técnico, o que nos obriga a uma grande concentração, ainda assim gostei imenso, pois vi também uma grande afición pela modalidade nesta região


Nº 5 – JULHO 2013

Campeonato de Portugal de Montanha MARTINE PEREIRA 7º CP Montanha – 3º Categoria 1 Correu muito bem, fui 3º na categoria 1, estou ainda a adaptar-me ao carro, que exige uma certa habituação, para assim poder tirar o maior partido das suas potencialidades. Esta prova não teve nenhum incidente, problemas mecânicos também não, o Alfa Romeo portou-se impecavelmente. Dá muito gozo conduzir este carro, mas é um jogo de pneus que gasto por cada rampa em que participo, pois tenho de arrancar a fundo, pois caso contrário, perco muito tempo.

LUÍS SILVA 10º CP Montanha – 6º Categoria 1 – 1º VSH Esta jornada decorreu acima das expectativas, o traçado era totalmente novo para mim e de difícil condução para um carro de tração traseira. Ainda assim estou satisfeito com o resultado. Partimos com ambição do pódio na categoria, mas a limitações que o traçado impõe ao nosso carro tornaram as coisas um pouco mais difíceis, mas vamos continuar a trabalhar para atingir os nossos objetivos que passam por terminar nos cinco primeiros da categoria e vencer os VSH.

EDGAR REIS 17º CP Montanha – 13º Categoria 1 – 4º VSH Nos treinos, a caixa de velocidades encravou e tive que disputar a subida num ritmo moderado. No domingo, e apesar do excelente trabalho da equipa técnica não conseguimos ter o carro a cem por cento, e este foi o resultado possível. Estamos cada vez mais a vontade com o carro, e isso dá-me outra confiança, espero em breve lutar pelos lugares do pódio nos VSH

RAMPA DE BRAGANÇA

REGRESSO AOS TRIUNFOS DE PEDRO SALVADOR

Praticamente sem descanso após a visita à Beira Interior, o campeonato rumou a norte, para disputar a Rampa de Bragança, que contou com forte investida de Pedro Salvador, que deixou o Silvercar S2 para um bem mais evoluído Juno CN11. O pluri-campeão de Montanha recorreu assim ao terceiro carro diferente na temporada, mas fez jus ao ditado e à terceira acertou mesmo, pois não deu qualquer chances aos adversários, impedindo o famalicense Tiago Reis de obter aquela que seria a quarta vitória consecutiva da época.

O jovem piloto do Norma M20F nunca se impos a Pedro Salvador, contentando-se com o 2º lugar, um resultado importante nas contas do campeonato. Tiago Reis permanece com margem na frente do campeonato, mas terá agora de tentar contrariar os fortes argumentos do seu principal adversário. Tal como na prova anterior, Rui Ramalho levou a melhor sobre João Fonseca na luta entre os Juno CN09 pelo lugar mais baixo do pódio. Na Categoria 1, a ausência de António Nogueira, fez com que Joaquim Teixeira levasse a melhor face aos Mitsubishi Lancer de Rui Ferreira da Silva e do campeão de ralis, Fernando Peres. Entre os pilotos de Famalicão presentes, azar para Martine Pereira e Luís Silva, que não concluíram a prova devido a problemas mecânicos nas suas viaturas., enquanto Rui Amorim salvou a honra, triunfando na Taça Nacional.


Nº 5 – JULHO 2013

Campeonato de Portugal de Montanha

CLASSIFICAÇÃO 1ª SUBIDA - GERAL

CLASSIFICAÇÃO 2ª SUBIDA - GERAL

POS

PILOTO

CARRO

TEMPO

POS

PILOTO

CARRO

TEMPO

Pedro Salvador

Juno CN11

2m19,280s

Pedro Salvador

Juno CN11

2m19,291s

Tiago Reis

Norma M20F

2m23,259s

Tiago Reis

Norma M20F

2m21,630s

Paulo Ramalho

Juno CN09

2m30,162s

Paulo Ramalho

Juno CN09

2m25,513s

João Fonseca

Juno CN09

2m33,662s

João Fonseca

Juno CN09

2m32,509s

Joaquim Teixeira

Seat Leon Supercopa

2m42,804s

Joaquim Teixeira

Seat Leon Supercopa

2m38,375s 3m08,014s

(…)

(…)

Luís Silva

BMW 320is

2m44,194s

17º

Rui Amorim

Citroën AX Sport

14º

Rui Amorim

Citroën AX Sport

3m06,922s

Ab.

Luís Silva

BMW 320is

Terminaram 21 concorrentes

Terminaram 23 concorrentes

CLASSIFICAÇÃO 3ª SUBIDA - GERAL POS

PILOTO

CARRO

TEMPO

Pedro Salvador

Juno CN11

2m19,946s

Tiago Reis

Norma M20F

2m24,269s

Paulo Ramalho

Juno CN09

2m26,950s

Rui Ferreira da Silva

Mitsubishi Lancer IX

2m41,558s

Fernando Peres

Mitsubishi Lancer IX

2m42,886s

(…) 9º

Luís Silva

BMW 320is

3m13,144s

15º

Edgar Reis

Renault Clio RS 2000

3m20,289s

Terminaram 19 concorrentes

CLASSIFICAÇÃO FINAL POS

PILOTO

CARRO

TEMPO

Pedro Salvador

Juno CN11

4m37,571s

Tiago Reis

Norma M20F

+ 7,318

Paulo Ramalho

Juno CN09

+ 14,892

João Fonseca

Juno CN09

+ 28,600

Joaquim Teixeira

Seat Leon Supercopa

+ 43,608

Rui Ferreira da Silva

Mitsubishi Lancer IX

+ 47,870

Fernando Peres

Mitsubishi Lancer IX

+ 48,229

Bernardo Sá Nogueira

Renault Clio RS 2000

+ 52,636

Nélson Trindade

Mitsubishi Lancer IX

+ 58,027

10º

Luís Nunes

Renault Clio RS

+ 58,554

Rui Amorim

Citroën AX Sport

+ 1m37,365

(…) 14º

Terminaram 18 concorrentes (Os Clássicos têm classificação separada)

Campeonato: 1º Tiago Reis (93 pts); 2º Pedro Salvador (71 pts); 3º Paulo Ramalho (63 pts); 4º António Nogueira (35 pts); 5º João Fonseca (32 pts)

JULHO É MÊS DECISIVO Cumprida que está a primeira metade do campeonato, Tiago Reis lidera com 22 pontos de vantagem sobre Pedro Salvador, que com tantas indefinições de carros, obteve uma fraca pontuação na prova inaugural. Um pouco atrás de Salvador surge Paulo Ramalho, ele que já foi campeão por duas vezes, mas este ano não tem conseguido acompanhar o ritmo dos homens da frente, embora tenha terminado sempre nos lugares do pódio.

Mas durante este mês, o campeonato pode ganhar condimentos extra para reforçar o interesse na disputa pelo título, pois disputam-se mais duas provas. A Rampa de Vila Nova de Cerveira e a Rampa Capital do

Móvel, disputada na zona de Paços de Ferreira, podem começar a delinear o desfecho do campeonato ou então baralhar completamente as contas e as duas provas que ficam a restar para concluir a época decidirem se Pedro Salvador sucede a si mesmo ou se Tiago Reis tem argumentos para chamar a si o primeiro título da carreira. Até lá e em jeito de “confronto extra”, os protótipos que habitualmente disputam as provas de montanha vão encontrar-se no Circuito da Boavista, inseridos no Campeonato de Portugal de Sport Protótipos. Pedro Salvador faz equipa com Gonçalo Gomes, enquanto o famalicense Tiago Reis irá dividir o Norma M20F com o Campeão Nacional e Ibérico de Circuitos/GT’s, Carlos Vieira. Será curioso ver os pilotos habituado a rampas a discutirem as travagens no circuito citadino …


Nº 5 – JULHO 2013

Campeonato de Portugal de Montanha TIAGO REIS 2º CP Montanha Cedo percebemos que o nosso carro não tinha velocidade de ponta para acompanhar o vencedor. Estamos a meio do campeonato e continuamos na liderança, e esse é o nosso objetivo. Ainda assim tudo correu bem e estamos satisfeitos com o resultado. O Nordeste Automóvel Clube proporcionou um belo traçado, e realizaram uma bela festa em torno da prova, foi sem duvida uma grande jornada de promoção para a modalidade.

RUI AMORIM 14º CP Montanha – 10º Categoria 1 – 1º TNPM Inexplicavelmente ficamos sem segunda velocidade logo no primeiro dia, o que torna tudo ainda mais difícil para um carro de pouca potencia, mas não baixamos os braços, e adaptamonos ás circunstancias rolando apenas em 1ª, 3ª e 4ª velocidade. Apesar de todo o esforço valeu a pena, conseguimos alcançar mais uma vitória, o que nos dá animo para as próximas jornadas. A organização assim como o Município de Bragança estão de parabéns, proporcionou aos pilotos excelentes condições para se deslocarem a Trás-osMontes, uma ação que deveria ser seguida por outros clubes.

MARTINE PEREIRA Abandono São os imponderáveis das corridas, uns dias corre melhor, outros dias pior, as corridas são assim mesmo. Estava tudo a decorrer na normalidade na 2ª subida de treinos, quando de repente o carro parou. Na chegada do carro à assistência, foime confirmado que foi a correia de distribuição partida, e como não tenho a peça suplente, sou obrigado a abandonar, e só espero que não tivesse provocado mais danos no motor.

LUÍS SILVA Abandono Na primeira subida oficial fiz o quarto melhor registo, ficando muito próximo dos lugares do pódio da categoria 1. Mas depois as coisas inverteram-se, e o azar bateu à porta do piloto famalicense, com um problema na direção a dar trabalho extra à equipa de mecânicos. O problema com a direção persistiu, e fui forçado abandonar a prova a meio com a direção do carro alemão partida. Foi uma jornada para esquecer, aliás este ano está a ser um pouco assim. Entramos bem e mostramos um bom andamento, mas as corridas por vezes têm destas coisas, mas não vamos deixar cair a toalha, e situações como esta dão-nos ainda mais força para continuar


Nº 5 – JULHO 2013

GP Histórico do Porto

Luís Barros venceu na Taça ANPAC e restantes famalicenses com jornada positiva

O Porto tem no S. João uma das suas mais vincadas referências, mas a coincidir com as tradicionais festas da cidade invicta, o Grande Prémio Histórico mostra-se cada vez mais enraizado e continua a chamar até si, algumas das mais espetaculares e marcantes viaturas de outras épocas do automobilismo. Um fim de semana recheado de corridas, de belos momentos e com um contraste fantástico entre o Oceano Atlântico, o Parque da Cidade e o traçado desenhado em redor, trazendo bastante adrenalina aos espetadores (ainda que longe de números de outras edições), que estiveram presentes em todo o perímetro. Desde os fantásticos monolugares, passando pelos protótipos e GT’s que já fizeram história em Le Mans – curiosamente, uma prova disputada neste mesmo fim de semana -, para além de carros com idade dos avós, que nem por isso deixaram de dar um espetáculo maravilhoso. No paddock, respirou-se história, viveram-se memórias e contaram-se peripécias em redor destas relíquias, que ganham nova vida nestes encontros de históricos e de clássicos, nos quais o Porto e o Circuito da Boavista são, de dois em dois anos, paragem obrigatória. A aposta arriscada da autarquia parece cada vez mais ter sido válida, pois as unidades hoteleiras apresentam números superiores e a cidade vive um ambiente único e nostálgico, com pais e avós a transmitirem a paixão do automobilismo para os descendentes, cuja geração já vive longe da misticidade que marcas como Lotus, Jaguar, Porsche ou Chevron viveram há cerca de meio século atrás.


Nº 5 – JULHO 2013

GP Histórico do Porto

FRENÉTICO O DUELO DE LUÍS BARROS E BARBOT

TAÇA ANPAC

Duas corridas fantásticas e com uma pitada de polémica, com dois pilotos a darem tudo de si: Carlos Barbot e Luís Barros. O famalicense fez o tempo mais rápido nos treinos, mas na primeira corrida viu o piloto do Lola T70 assumir o comando logo na largada. Ainda assim, Barros esteve sempre colado na sua traseira, pressionando fortemente o seu adversário, até que uma manobra um pouco polémica (cada um com a sua versão), o piloto do Porsche 930 Turbo não evita um toque em Carlos Barbot, que fica virado ao contrário. A Luís Barros foi atribuída uma penalização, obrigando-o a passar pela via das boxes, enquanto Barbot encetava uma recuperação notável, chegando novamente à liderança para não mais a largar. CLASSIFICAÇÃO 1ª CORRIDA POS

PILOTO

CARRO

TEMPO 9v em 20m27,800s

Carlos Barbot

Lola T70

António Nogueira

Ford Capri RS 3000

+ 4,584

Luís Barros

Porsche 930 Turbo

+ 17,100

Joaquim Jorge

Ford Escort RS

+ 17,972

Rui Alves

Ford Escort RS

+ 34,656

Frederico Ferreira

Ford Escort RS

+ 1m12,086

23º

Luís Gomes

Ford Escort RS

+ 3 voltas

(…)

Terminaram 29 concorrentes

CLASSIFICAÇÃO 2ª CORRIDA POS

PILOTO

CARRO

TEMPO

Luís Barros

Porsche 930 Turbo

14v em 31m49,477 + 53,834

Carlos Barbot

Lola T70

João Macedo Silva

Porsche 911 RSR

+ 59,617

Carlos Santos

Porsche 911 RSR

+ 1m04,876

Rui Macedo e Silva

Porsche 911 RSR

+ 2m21,180

Frederico Ferreira

Ford Escort RS

+ 1 volta

10º

Luís Gomes

Ford Escort RS

+ 1 volta

(…)

Terminaram 21 concorrentes

Entretanto, o Porsche de Carlos Santos partia o motor, o mesmo acontecendo ao Ford Capri de António Nogueira, deixando a pista com bastante óleo, o que originou a um encurtamento da corrida, ficando assim Nogueira no 2º lugar, na frente de Luís Barros que entretanto recuperara o tempo perdido. Presentes nesta prova estiveram ainda Frederico Ferreira, um regresso do famalicense, que como habitualmente, tripulou o Ford Escort RS, terminando esta corrida na 9ª posição, bem como Luís Gomes, também num Ford Escort RS, que concluiu na 23ª posição, depois de alguns contratempos. Para a corrida marcada para domingo, o ambiente era ainda um pouco desconfiado devido às interpretações diferentes sobre o incidente do dia anterior e a resposta dos dois pilotos foi dada na pista, com Luís Barros a colocar o Porsche na frente bem cedo, mas sempre com o Lola T70 de Barbot no seu encalço, no entanto este viria a cometer um erro numa das chicanes, efetuando um pião, passando ainda nas boxes com suspeitas de problemas. Assim, o piloto de Famalicão ficou com via aberta para o triunfo, cortando a meta isolado, na frente de Carlos Barbot, que recuperou espetacularmente até 2º nas derradeiras voltas. João Macedo e Silva encerrou o pódio, enquanto Frederico Ferreira e Luís Gomes, terminaram na 7ª e 10ª posição, respetivamente, traduzindo assim uma prestação muito positiva para os pilotos famalicenses presentes nesta competição, que antecede a visita do Campeonato de Portugal de Clássicos, já no próximo fim de semana.


Nº 5 – JULHO 2013

GP Histórico do Porto

DOBRADINHA DOS IRMÃOS SCEMANA

CER PROTO 2L & GT

A prova de Classic Endurance Racing foi recheada de contratempos, vendo os Philipe Scemana vencer, com o seu irmão Yves a terminar no lugar imediatamente a seguir, depois de uma razia ter afastado os homens que até então tinham dominado. Partindo na frente, Fabrice Lafargue vinha a sofrer problemas mecânicos logo nas primeiras voltas no seu Lola T298, carro idêntico ao de Fréderic da Rocha, que deu um toque quando era líder isolado. Assim, coube ao suiço Scemana do Sauber C15 BMW vencer, com Yves Scemana, também em Sauber ficar em 2º, enquanto o lugar mais baixo do pódio foi para Yvan Mahe, em Chevron, o único que terminou na mesma volta dos dois primeiros ao fim de uma hora, tempo total de duração da corrida. O melhor português foi Manuel Monteiro, no 13º lugar, em Chevron B16.

TROPHÉE LEGEND DOMÍNIO DE GRÉGORY RAMOUNA

FÓRMULA FORD VITÓRIAS REPARTIDAS NOS MONOLUGARES

Carros da época entre as guerras mundiais deram um colorido interessante, com um estilo de condução muito próprio a fazer as delícias dos espetadores.

A competição francesa de Fórmula Ford usados noutros tempos trouxe bastante animação, com corridas bem disputadas e algumas carambolas à mistura.

A primeira corrida ficou marcada pelos problemas no Bugatti de Grégory Ramouna na última volta, depois de ter liderado toda a corrida, caindo assim para a 2ª posição, entregando a vitória a Jean Laffont. No 3º posto terminou outro francês, Bernard Ariztegui.

Neil Fowler foi o mais veloz no primeiro confronto, superiorizando com boa margem face a Alain Girardet e a Pierre Lombardi, os dois suiços que deixaram o português João Campos Costa às portas do pódio.

No dia seguinte e já com tudo solucionado, Ramouna chamou a si a vitória, numa corrida sem qualquer tipo de contestação, tal o domínio do francês. Laffont foi 2º e Ariztegui repetiu o 3º lugar.

HISTORIC ENDURANCE CHAMPAGNE A DOBRAR NA PISTA Duas corridas também com bastante interesse, disputadas sob o formato de resistência e com vários pilotos portugueses a baterem-se de igual para igual com os estrangeiros presentes. Primeira corrida com triunfo de Michel Champagne num bonito Chevrolet, deixando o veterano Mário Silva, em Porsche 911 RS no 2º lugar, já depois de ambos se terem tocado. Alexandre Guimarães levou o Lotus Elan até ao lugar mais baixo do pódio, numa prova que teve 44 pilotos classificados. Esta competição teve a honra de fechar o fim de semana, numa corrida plena de confusão, com o safety-car a ser protagonista. Champagne foi novamente 1º, desta feita com Max Bodie em 2º e Alexandre Guimarães a repetir o 3º lugar.

Mas Campos Costa ditaria a lei na segunda corrida, vencendo com Michel Ghio bem perto a terminar em 2º, enquanto o também francês Laurent Courreglong a ser 3º, embora já algo distante dos homens da frente.

SIXTIES ENDURANCE McINTYRE NÃO DEU A MÍNIMA CHANCE Mais uma competição de longa duração e com paragem na box pelo meio, disputada pelos carros que fizeram história na década de 60.

A primeira corrida disputou-se no final de sábado, já com a neblina marítima a marcar presença, o que ainda assim não impediu Ewan McIntyre, com um Lotus 15, de passear até à vitória, com uma condução soberba. Dominique Guenat/Yvan Mahe levaram o AC Cobra ao 2º lugar, ficando o Ford Shelby GT de Dominique Vananty e Olivier de Siebenthal no 3º lugar. Para domingo, verificou-se um filme idêntico, com McIntyre a voltar a dominar a prova a partir do seu meio. Paul Wooley foi 2º, num Cooper, enquanto a equipa do Ford Shelby voltou a terminar no 3º posto.


Nº 5 – JULHO 2013

GP Histórico do Porto/Circuito da Boavista

SUPERSTOCK

VIP

LUÍS ALEGRIA COM DUPLA VITÓRIA Uma das competições nacionais em prova, abarcando carros de baixa potência, mas que ainda assim proporcionam corridas bastante interessantes. Luís Alegria confirmou o favoritismo na primeira corrida, arrancando da pole e levando o Ford Escort até ao 1º lugar, com vantagem confortável para Pedro Correa Mendes, em VW Golf e para Manuel Oliveira em Alfa Romeo GTV, que terminou pressionado por Fernando Gaspar. Já na 2ª corrida, a história foi semelhante, com Alegria a liderar durante todas a voltas, com Manuel Oliveira a subir até ao 2º posto, deixando o lugar mais baixo do pódio para João Andrade, num Toyota Starlet.

CÂNDIDO BARBOSA FOI O MAIS VELOZ Num evento desportivo como este Grande Prémio, tem havido lugar a uma corrida com figuras públicas, particularmente do norte do país. Desta feita, a organização destinou os Abarth 500 do troféu monomarca para que políticos, desportistas, modelos e até o presidente da CM Porto, Rui Rio desfrutassem um pouco da adrenalina presente no automobilismo. Quem se saiu melhor foi o antigo ciclista Cândido Barbosa, que venceu com margem significativa sobre Álvaro Castello-Branco, enquanto o treinador André Villas Boas terminar em 3º, embora tenha sido autor de uma prova bastante aguerrida.

Baterias apontadas ao WTCC e Campeonatos de Portugal

Cumprido que está o primeiro fim de semana de competição no traçado citadino da Boavista, tudo está já preparado para mais três dias de adrenalina. Desta feita, a cereja no topo do bolo é o Campeonato do Mundo de Turismo (WTCC), com Tiago Monteiro a ser uma das figuras de cartaz, para além dos Campeonatos de Portugal de Velocidade: Circuitos/GT e Supercars International, Sport-Protótipos, Clássicos, Clássicos 1300 e ainda os troféus monomarca Abarth 500 e SuperSeven by Kia, bem como a Taça de Pós Históricos.

CAMPEONATO DE PORTUGAL DE CIRCUITOS/GT

12 – Mauro Marques/Fábio Mota (Aston Martin GT4) 16 – Martine Pereira/Por confirmar (Alfa Romeo 156) CAMPEONATO DE PORTUGAL DE SPORT-PROTÓTIPOS

Mais um fim de semana recheado de competição, com muitas corridas a prometerem deixar os adeptos completamente rendidos e maravilhados. Depois de reviver as memórias, agora é tempo de ver os carros mais atuais e mais desenvolvidos para correr em pista, com os melhores pilotos mundiais, numa competição espetacular até à última curva, ao último segundo.

55 – César Machado/Gonçalo Inácio (Norma M20F) 65 – Tiago Reis/Carlos Vieira (Norma M20F)

Entre os muitos pilotos presentes, destaque natural para os famalicenses que estarão em bom número e com ambições a discutirem os lugares cimeiros. Fique com a lista de todos eles, na coluna do lado direito.

288 – 289 – 290 – 295 –

CAMPEONATO DE PORTUGAL DE CLÁSSICOS

171 – Luís Barros (Porsche 930 Turbo) 185 – Frederico Ferreira (Ford Escort RS) 199 – Luís Gomes (Ford Escort RS) TAÇA NACIONAL DE PÓS HISTÓRICOS

Vasco Barros (Toyota Starlet) Rui Amorim (Citroën AX Sport) Luís Barros (Ford Sierra RS 500) Luís Silva (BMW 320is)


Nº 5 – JULHO 2013

Circuito da Boavista


Nº 5 – JULHO 2013

Rallye Vidreiro

Polémicas, penalizações, abandonos e segunda vitória do madeirense

Bem é caso para dizer, que não há duas sem três. Não foi fácil, mas Bernardo Sousa somou mais um triunfo no Campeonato de Portugal de Ralis, num Rali Vidreiro que teve emoção desde início e conheceu três líderes diferentes ao longo da prova e as diferenças entre os quatro primeiros classificados a serem sempre bastante curtas. A ameaça de chuva pairou até bem perto do início do rali, mas uma longa ligação até à zona onde se desenrolavam as primeiras quatros especiais, deixava pouca margem de manobra aos concorrentes. Com os principais favoritos a terem escolhas diferentes, quem se saiu melhor na fase inicial foi Pedro Meireles, que montou no Skoda Fabia S2000 pneus para piso molhado. Mas o piloto teria dificuldades em segurar a liderança, pois nas segundas passagens o piso apresentavase mais seco e o vimaranense caia uma posição, continuando na pressão da liderança que passava para Adruzilo Lopes, navegado pelo famalicense Vasco Ferreira. O veterano piloto que surpreendera (ou não…) em Guimarães, voltava a dar provas do seu virtuosismo, saltando para o comando do rali e vencendo as segundas passagens. A escolha de pneus foi ganha por Adruzilo Lopes que recuperou o pouco tempo perdido enquanto os pisos se apresentaram húmidos, mas tirou dividendos assim que secou, chegando ao final da 1ª secção com cerca de 7 segundos de vantagem sobre Meireles. Bem perto seguia Bernardo Sousa, que ainda não tinha vencido nenhum troço, algo que poderia até ter sucedido, não fosse um pião. Ainda assim, o piloto do Ford Fiesta S2000 mostrava-se confiante na recuperação e na vitória. Confiança era o que parecia faltar a Ricardo Moura, que acusou um pouco o acidente sofrido na prova anterior, ainda que tenha conseguido impor-se numa das especiais, no entanto não ia além do 4º lugar, a mais de 18 seg. do líder da prova. Longe deste lote seguia a dupla famalicense Miguel Barbosa/Alberto Silva, com um Mitsubishi Lancer IX que não chegava para o ritmo da frente, mas que punha em sentido outro jovem piloto, Ivo Nogueira. Por sua vez, este tinha bem perto João Barros, até então líder do CPR2, de forma inequívoca.

CLASSIFICAÇÃO FINAL POS

PILOTO

CO-PILOTO

CARRO

TEMPO

Bernardo Sousa

Hugo Magalhães

Ford Fiesta S2000

54m24,7s

Ricardo Moura

António Costa

Skoda Fabia S2000

+ 11,0s

Pedro Meireles

Mário Castro

Skoda Fabia S2000

+ 11,2s

Adruzilo Lopes

Vasco Ferreira

Subaru Impreza R4

+ 21,5s

Miguel Barbosa

Alberto Silva

Ivo Nogueira

Nuno R. da Silva

João Barros

Jorge Henriques

Renault Clio S1600 + 3m04,6s

André Marques

Manuel Porém

Peugeot 206 S1600 + 4m45,2s

Ricardo Marques

Paulo Marques

Citroën C2 R2 Max + 4m48,1s

Mitsubishi Lancer IX + 2m20,8s Subaru Impreza

+ 2m46,3s

10º

Paulo Neto

Vítor Hugo

Citroën DS3 R3T

+ 5m07,3s

11º

Diogo Gago

Jorge Carvalho

Peugeot 206 GTI

+ 5m09,9s

Nuno Pombo

Guilherme Pereira

Renault Clio R3

+ 6m42,6s

(...) 14º

Terminaram 16 concorrentes


Nº 5 – JULHO 2013

Nas hostes famalicenses, a primeira secção ditava o abandono de Rui Raimundo, navegador de Marco Reis no Fiat Punto HGT. Esta dupla não está a ter uma temporada fácil, somando mais uma desistência por avaria mecânica. Na luta pelos lugares do pódio do CPR2 seguiam dois navegadores famalicenses, nomeadamente, Jorge Carvalho, que com Diogo Gago e de regresso ao Peugeot 206 GTI faziam uma prova excelente, ocupando a 2ª posição, embora longe da liderança e com o outro famalicense Paulo Marques, a navegar Ricardo Marques, era 3º, no habitual Citroën C2 R2 Max. A derradeira secção do rali desenrolava-se já ao final da tarde na tradicional mata entre São Pedro de Moel e Marinha Grande, onde tudo se iria decidir. Depois de ter brilhado na fase inicial, Adruzilo Lopes viu um problema elétrico roubar-lhe a possibilidade de vencer, caindo para a 4ª posição final, posição essa que não traduz o andamento do veterano piloto, que pelo segundo rali consecutivo conseguiu bater o pé aos S2000. Com somente uma vitória em troços, Bernardo Sousa conseguiu chegar a um triunfo bastante saboroso e que o deixa em excelente posição para voltar a ser campeão nacional de ralis. O piloto do Ford Fiesta S2000 não cometeu erros, exceção feita ao pião na parte inicial, e soube aproveitar os contratempos dos adversários para atingir a terceira vitória da época. Quem esteve bem melhor e mais confiante na fase final da prova foi Ricardo Moura, que levou a melhor no duelo dos Skoda Fabia S2000. O açoriano venceu mais uma classificativa e conseguiu suplantar Pedro Meireles já na Super Especial, que deu muito que falar. O tempo de Moura foi corrigido já depois deste ter concluído a sua passagem, algo que lhe garantiu o 2º lugar, que numa primeira fase foi entregue a Meireles. Ainda assim, a diferença entre os três mais rápidos foi de pouco mais de

Rallye Vidreiro

11 seg., o que revela a enorme competitividade que marcou a prova do Clube Automóvel da Marinha Grande, como há muito não se via num rali deste campeonato. Sem erros e com um rali muito regular em termos de andamento, Miguel Barbosa atingiu o final na 5ª posição, vencendo ainda a Super Especial. O jovem famalicense superiorizou-se a Ivo Nogueira, com quem tem travado animadas lutas esta temporada e foi 2º no Grupo N, uma vez que a FPAK considera os carros R4 como tal, embora sejam bastante diferentes. Ainda assim, Barbosa lidera essa categoria.

Ivo Nogueira, mesmo com uma ligeira saída na fase final, foi 6º, conseguindo suster a pressão de João Barros que esteve uma vez mais em elevado nível no CPR2, vencendo com total mérito. O piloto do Renault Clio S1600 parece não ter adversários à altura, provando que se o carro se mostrar fiável, pode mesmo intrometer-se nos lugares cimeiros. De regresso aos ralis, André Marques aproveitou o fator casa e com uma parte final muito rápida, foi 2º no CPR2, deixando Ricardo Marques no lugar mais baixo do pódio.


Nº 5 – JULHO 2013

Rallye Vidreiro

O piloto do Citroën, navegado pelo famalicense Paulo Marques, atacou nos troços do Pinhal, mas não conseguiu contrariar a superioridade de André Marques. Ainda assim Ricardo e Paulo Marques permanecem na liderança do CPR2, quando faltam disputar apenas duas provas. Também na 2ª secção, Paulo Neto conseguiu ultrapassar Diogo Gago que, recorrendo ao Peugeot 206 GTI, perdeu alguma competitividade face a carros bem mais potentes, ainda assim o jovem piloto deu tudo o que tinha para contrariar essa limitação.

Ainda longe dos homens da frente no capítulo das duas rodas motrizes, Nuno Pombo e o famalicense Guilherme Pereira continuaram a sua aprendizagem ao Renault Clio R3, não conseguindo ir além do 8º lugar nesse campeonato. Um resultado aquém do esperado face ao carro que tripulam, mas que certamente a dupla tentará encontrar a solução para melhorar já no próximo confronto, para tentar rodar mais perto dos lugares do pódio no CPR2.

AS POLÉMICAS

COM QUE LICENÇA?

Primeiro, foi uma acusação a Adruzilo Lopes, por este ter entrado num controlo horário antes da hora ideal, mas que os comissários viriam a deixar passar por falta de provas.

O caos instalado na FPAK tem tornado os campeonatos moribundos. Nos ralis, as confusões surgem a cada prova e depois do burburinho em redor dos RRC, agora surge nova incongruência, com os regulamentos do CPR e da Taça de Ouro como pano de fundo.

Depois, a Super Especial veio borrar a pintura ao Rali Vidreiro. Supostamente, a ordem de partida era a da classificação, mas isso não foi respeitado e os dois primeiros a partir (Bernardo Sousa e Ricardo Moura) deram toques nas chicanes, inundando o traçado. Pedro Meireles foi o mais queixoso, subindo de tom quando viu o tempo de Moura ser corrigido e com isso perder o 2º lugar, embora tenha aceite a justificação. Por fim, Adruzilo de novo no centro da polémica, após um tempo canhão, que o colocava como o mais rápido e ganhando 10 segundos a Meireles, quando este tinha cortado a meta sempre na frente. A situação foi reposta… quase duas semanas depois! Super Especial que teve na boca de todos. O traçado não era mais do que duas retas com chicanes e duas rotundas na extremidade, sendo efetuado por dois carros em simultâneo. Tempos de paragem enormes e o rali a estender-se noite dentro.

Tudo porque a licença para as duas competições não ser a mesma, isto é, para o Campeonato de Portugal a licença Nacional é suficiente, enquanto para as provas internacionais que compõem a Taça de Ouro, já é necessária a licença Nacional C, no mínimo. Há que juntar a este facto, a (suposta) liderança de Miguel Barbosa na Taça de Ouro estar ameaçada por isso mesmo, quando o famalicense foi informado pelos serviços federativos que poderia concorrer a ambos com a licença Nacional, mas… não surge classificado! Mais uma pedra no sapato que a FPAK encarregar-se-á de esclarecer, resta saber se a tempo útil ou não. E esta é igualmente mais uma prova como os regulamentos são feitos sem qualquer enquadramento e sem conseguirem ser suficientemente claros para evitar situações dúbias como esta.


Nº 5 – JULHO 2013

Rallye Vidreiro

DECLARAÇÕES DOS FAMALICENSES ADRUZILO LOPES / VASCO FERREIRA 4º geral – 1º Gr. N Estamos muito contente com o rali que fizemos! Em Guimarães por decisão controversa não ganhámos, na Marinha Grande com todos os carros S2000 em prova, vencemos três especiais, comandámos a prova e só não vencemos devido a um problema elétrico no Subaru que condicionou o nosso andamento nas duas últimas especiais.

MIGUEL BARBOSA / ALBERTO SILVA 5º geral – 2º Gr. N Sabíamos que não conseguiríamos bater os S2000 nem o R4 e por isso fizemos a nossa prova com alguma tranquilidade. Não corremos riscos desnecessários e cumprimos os objetivos que eram manter a liderança na Produção. Não escondo algum desagrado pela forma como a verdade desportiva foi colocada em causa no Rali Vidreiro. Todos nós não estamos livres de cometer erros mas é perfeitamente injusto verificar que há situações que colocam a verdade desportiva em causa. Fazer vista grossa a ocorrências como a de hoje faz-me questionar a seriedade de alguns intervenientes neste desporto.

RICARDO MARQUES / PAULO MARQUES 9º geral – 3º CPR2 No geral acabou por ser um bom rali. Vínhamos apostados em garantir a defesa do campeonato, tentando garantir um lugar no pódio. A primeira especial não correu bem e acabamos por perder demasiado tempo para os nossos mais diretos adversários. A partir dali foi tentar sempre recuperar o tempo perdido e no geral acho que fizemos um bom rali. Conseguimos cumprir o que tínhamos delineado, continuamos a ser muito constantes, garantimos mais um pódio e a liderança do CPR que era a nossa grande ambição.

DIOGO GAGO / JORGE CARVALHO 11º geral – 5º CPR2 Não foi um rali fácil para nós e tínhamos essa noção antes de arrancar, pois não contávamos com uma viatura que nos pudesse levar a fazer jogo igual com a concorrência. O estado do tempo apesar de instável até nos ajudou na fase inicial, pois conseguíamos minimizar o facto de contarmos com um carro menos competitivo. Dentro do Pinhal, as coisas complicaram-se para nós, pois os pisos secaram e apesar de termos dado tudo, era impossível acompanhar o ritmo da concorrência.

MARCO REIS / RUI RAIMUNDO Abandono Depois de em Guimarães termos desistido, para o Rali Vidreiro o carro sofreu uma profunda revisão. E nada nos fazia prever que o azar bateria à porta de novo. Ao que tudo indica, um problema elétrico fez-nos mais uma vez desistir. Não podemos baixar os braços, e apesar de algo desanimados temos de pensar que o nosso objetivo de campeonato tem de continuar a ser divulgado nas restantes provas. Realço a experiência que proporcionamos aos jovens com autismo da APPDA na 6ª feira.


Nº 5 – JULHO 2013

Rallye Vidreiro

PEC 1 – CARNIDE 1

PEC 2 – MATA MOURISCA 1

PEC 3 – CARNIDE 2

PEC 4 – MATA MOURISCA 2

POS

PILOTO

TEMPO

POS

PILOTO

TEMPO

POS

PILOTO

TEMPO

POS

PILOTO

TEMPO

P. Meireles B. Sousa A. Lopes R. Moura M. Barbosa I. Nogueira J. Barros D. Gago J. Bernardes P. Neto

8;16,0 + 1,8 + 1,9 + 10,9 + 25,7 + 26,6 + 28,0 + 34,6 + 47,7 + 48,1

R. Moura A. Lopes B. Sousa P. Meireles M. Barbosa I. Nogueira J. Barros J. Bernardes A. Marques P. Neto

10:22,6 + 0,4 + 2,7 + 3,5 + 29,5 + 34,5 + 38,7 + 56,6 + 57,2 + 57,3

A. Lopes R. Moura P. Meireles B. Sousa M. Barbosa I. Nogueira J. Barros R. Marques D. Gago A. Marques

8:04,4 + 0,7 + 2,4 + 4,6 + 16,2 + 23,5 + 31,2 + 42,5 + 43,8 + 47,0

A. Lopes B. Sousa P. Meireles R. Moura J. Barros M. Barbosa R. Marques I. Nogueira P. Neto D. Gago

10:11,0 + 1,6 + 3,5 + 9,4 + 30,8 + 34,2 + 42,8 + 43,2 + 55,1 + 56,8

2º 3º 4º

5º 6º 7º 8º 9º 10º

2º 3º 4º

5º 6º 7º 8º 9º 10º

PEC 5 – FAROL 1

2º 3º 4º

5º 6º 7º 8º 9º 10º

PEC 6 – FAROL 2

PEC 7 – SUPER ESPECIAL

POS

PILOTO

TEMPO

POS

PILOTO

TEMPO

POS

PILOTO

TEMPO

B. Sousa R. Moura P. Meireles A. Lopes I. Nogueira M. Barbosa J. Barros A. Marques R. Marques P. Neto

7:49,7 + 2,6 + 6,3 + 18,4 + 23,4 +27,4 + 36,2 + 40,3 + 48,8 + 53,5

R. Moura B. Sousa P. Meireles A. Lopes M. Barbosa I. Nogueira J. Barros R. Marques A. Marques P. Neto

7:44,6 + 0,4 + 6,3 + 9,4 + 20,6 + 23,4 + 29,5 + 39,2 + 40,8 + 45,8

M. Barbosa R. Moura B. Sousa P. Meireles J. Barros R. Marques A. Lopes I. Nogueira D. Gago N. Pombo

1:43,6 + 0,2 + 1,7 + 2,0 + 3,0 + 3,1 + 4,2 + 4,5 + 4,7 + 4,7

2º 3º 4º 5º

6º 7º 8º 9º 10º

1º 2º 3º 4º 5º 1º 2º 3º 4º 5º 1º 2º 3º

2º 3º 4º 5º 6º 7º

8º 9º 10º

CLASSIFICAÇÃO CAMPEONATO ABSOLUTO Bernardo Sousa 83 1º Hugo Magalhães Ricardo Moura 39 2º António Costa Pedro Meireles 33 3º Mário Castro Adruzilo Lopes 32 4º Vasco Ferreira Miguel Barbosa 28 5º Alberto Silva CLASSIFICAÇÃO CAMPEONATO 2L/2RM Ricardo Marques 61 1º Paulo Marques João Barros 56 2º Jorge Henriques Joaquim Bernardes 40 3º Jorge Carvalho Diogo Gago 30 4º Sérgio Paiva André Marques 19 5º Pinho de Almeida PRODUÇÃO TURISMO Miguel Barbosa 47 1º Bernardo Sousa Ivo Nogueira 42 2º Ricardo Marques Adruzilo Lopes 40 3º Joaquim Bernardes

83 39 33 32 28 61 56 30 20 20 60 39 33

2º 3º 4º 5º 6º 7º

8º 9º 10º

2º 3º 4º

5º 6º 7º 8º 9º 10º

Luta pela vitória entre 4 pilotos Bernardo Sousa soma 3ª vitória João Barros bisa no CPR2

altos & baixos Confusão com os tempos Super especial Rali acabou muito tarde

BERNARDO PERTO DE SER CAMPEÃO? Com o esquema de pontuação para esta temporada a obrigar a cinco pontuações, sendo que uma delas pode ser retirada de uma das provas que integram a Taça de Ouro (desde que participe nas cinco provas convencionais), só poderemos ter campeão em Mortágua. Uma vitória de Bernardo Sousa na prova caseira pode dar-lhe um total de 25 pontos, o que somando à pontuação atual daria 108 pontos. Moura já tem uma pontuação máxima oriunda da Taça de Ouro, o que se traduz em 64 pontos já obtidos. A Powerstage, que atribui 3, 2 e 1 pontos, também não influencia esta questão, pois se Bernardo vencer essa especial, soma mais 3 pontos, aumentando para 111. No entanto, se nos dois ralis (Mortágua e Algarve) que sobram do CPR, Moura somar a pontuação máxima (25+3), atingirá 120 pontos, o que ainda lhe dá chances de, pelo menos, sonhar com o tricampeonato.


Nº 5 – JULHO 2013

Rallye Vidreiro

Caminho livre desde cedo e vitória tornou-se fácil

Foi uma vitória que não sofre contestação aquela que Carlos Martins conquistou no Open de Ralis, que decorreu igualmente no Rali Vidreiro. O piloto do Mitsubishi Lancer VII venceu todas as especiais, sempre com margem confortável, optando por um ritmo de gestão assim que viu que os adversários bem longe. Tudo ficou facilitado para Martins quando Diogo Salvi e André Martins ficaram fora de prova, ambos na especial inaugural, devido a problemas mecânicos nas suas viaturas. Assim, a principal oposição, se é que se pode chamar dessa forma, veio de Luís Mota, que foi sempre bastante regular e apenas na fase inicial do rali teve perto de perder a 2ª posição para Fernando Teotónio. O piloto do Mitsubishi Lancer VI mostrou-se mais à vontade nesta sua nova viatura, rubricando o primeiro pódio da temporada e revelando que com maior adaptação pode dar algumas dores de cabeça na luta pelos lugares cimeiros. Sempre espetaculares, Eduardo Veiga e o famalicense Justino Reis levaram o Ford Escort RS até ao 4º lugar final, vencendo entre as duas rodas motrizes. Veiga aproveitou da melhor forma o abandono do líder até então, Carlos Cruz, que viria a encostar numa ligação com problemas no motor do Peugeot 206 RC, quando seguia ainda na 3ª posição da geral. A fechar o Top-5, Luís Duarte, autor de uma prova muito rápida e em crescendo. No 6º lugar, João Ruivo/João Peixoto estiveram em grande nível, regressando de igual modo aos triunfos no Desafio Modelstand. A dupla de Famalicão geriu da melhor forma a vantagem conquistada na segunda especial do rali, quando viu Gil Antunes abandonar devido a quebra da suspensão e António Rodrigues, navegado por Jorge Carvalho, atrasar-se depois de uma saída de estada, para além de uma penalização, relegandoos para a 9ª posição final, atrás de Joaquim Gaspar e Roberto Canha. José Machado foi 10º e venceu entre o Júnior. CLASSIFICAÇÃO FINAL POS

PILOTO

CO-PILOTO

Carlos Martins

Pedro Conde

Mitsubishi Lancer VII 37m18,2s

CARRO

TEMPO

Luís Mota

Alexandre Ramos

Mitsubishi Lancer VII + 1m15,7s

Fernando Teotónio

Luís Morgadinho

Mitsubsihi Lancer VI + 1m38,7s

Eduardo Veiga

Justino Reis

Ford Escort RS

Luís Duarte

Ricardo Bajouco

Mitsubishi Lancer IV

+2m59,7s

João Ruivo

João Peixoto

Peugeot 206 GTI

+ 3m16,3s

Joaquim Gaspar

António Bernardo

Roberto Canha

Miguel Cruz

Peugeot 206 GTI

+ 3m55,3s

António Rodrigues

Jorge Carvalho

Peugeot 206 GTI

+ 3m56,5s

10º

José Machado

Aníbal Pereira

Citroën Saxo

+ 4m09,1s

+ 2m40,9s

Mitsubishi Lancer IV + 3m33,4s

(…)

17º

Pedro Silva

João Aguiar

Citroën Saxo

+ 6m45,5s

18º

Mariana Carvalho

Alexandra Santos

Peugeot 206 GTI

+ 9m25,3s

Terminaram 18 concorrentes


Nº 5 – JULHO 2013

Rallye Vidreiro

DECLARAÇÕES DOS FAMALICENSES EDUARDO VEIGA / JUSTINO REIS 4º geral – 1º 2 RM Foi uma vitória difícil, aliada a alguma sorte à mistura, pois a concorrência existe e está muito forte. Estávamos no segundo posto, quando uma desistência no levou para a liderança, entre os carros de duas rodas motrizes. Seria difícil de outra forma vencer, mas o que também é verdade, é que nos encontrávamos nos lugares da frente.

JOÃO RUIVO / JOÃO PEIXOTO 5º geral – 2º 2 RM Foi um dia muito bom, cumprimos o objetivo de lutar pela vitória e isso foi conseguido desde cedo. A incerteza das condições climatéricas obrigou a uma estratégia segura e arrancámos com pneus de chuva, ao contrário de alguns dos nossos adversários. Estes cometeram alguns erros no início e logo na segunda especial estávamos na frente com uma boa margem. A partir daí gerimos e chegámos ao triunfo.

ANTÓNIO RODRIGUES / JORGE CARVALHO 9º geral – 4º 2 RM Arrancamos com pneus de chuva, o que se mostrou a pior opção pois encontramos os troços praticamente secos. No troço seguinte, numa zona muito rápida que chegávamos em sexta velocidade, na travagem, o carro bloqueou as rodas e acabamos por sair de estrada de traseira, causando como maior dano o escape partido, retirando algum rendimento ao carro e perdemos cerca de um minuto. Apesar disso, temos motivos para estarmos satisfeitos, pois com este resultado, conseguimos conquistar a liderança do Desafio Modelstand.

PEDRO SILVA / JOÃO AGUIAR 17º geral – 11º 2 RM Começámos o rali muito mal, pois além de termos feito novamente uma má escolha de pneus, apanhamos alguns sustos logo no início, o que retirou confiança. Restou-nos seguir num ritmo seguro à espreita de qualquer oportunidade para subir algum lugar na geral do Troféu Rallycar Basic. Fomos 2ºs , com alguma felicidade, e ocupamos agora também a essa posição do troféu, após três provas.

MARIANA CARVALHO / ALEXANDRA SANTOS 18ª geral – 12ª 2 RM – 1ª Senhoras Foi uma prova algo difícil, principalmente no interior do Pinhal, aí o carro escorregava bastante e optamos por uma toada mais calma de maneira a não colocar em risco o objetivo principal, que era o de terminar mais uma prova. Ainda assim fazemos um balanço positivo pois com esta experiência ultrapassamos mais um desafio que nos dá mais confiança para o futuro, bem como vencemos pela terceira vez a Taça das Senhoras


Nº 5 – JULHO 2013

Rallye Vidreiro

MANUEL PINTO / HUGO PINHEIRO Abandono Na primeira especial entramos com muitas cautelas pois os troços estavam muito sujos e ao mínimo erro poderíamos comprometer a nossa prova. Além disso estávamos com problemas nos intercomunicadores. Na PE seguinte, fizemos um pião numa zona estreia e demoramos mais de 30 segundos a prosseguir em prova, mas mesmo assim efetuámos um bom crono. Decidimos depois atacar para ir tentar buscar o primeiro lugar do Troféu Rallycar, mas mesmo no final a transmissão cedeu e tivemos que ficar por ali. CLASSIFICAÇÃO CAMPEONATO 2RM 1º

Oliveira do Hospital marca entrada na segunda metade

Carlos Cruz

52

Paulo Santos

52

João Ruivo

51

Jorge Henriques

50

João Barros

50

Jorge Carvalho

45

4º António Rodrigues

45

Carlos Ramiro

43

43

Aníbal Pereira

37

Eduardo Veiga

CLASSIFICAÇÃO CAMPEONATO 4RM 1º

Carlos Martins

93

Pedro Conde

68

Luís Mota

58

Alexandre Ramos

58

Diogo Salvi

55

Luís Morgadinho

45

4º Fernando Teotónio

45

Ricardo Torres

33

33

Filipe Carvalho

30

André Martins MODELSTAND

FASTBRAVO

1º António Rodrigues

85

Nuno Figueiredo

44

João Ruivo

82

Fábio Paço

34

Gil Antunes

80

Rafael Cardeira

31

Cumprida que está a primeira metade do Campeonato Open de Ralis, o Rali de Oliveira do Hospital marca o regresso da competição aos pisos de terra. Com o decorrer do campeonato, começa a chegar a altura decisiva para atribuição dos títulos em disputa, sendo portanto esta fase absolutamente crucial para o desfecho do campeonato. Como é hábito, os ralis disputados em terra sofrem uma ligeira quebra na adesão dos pilotos e a prova delineada pelo Clube Automóvel do Centro não conseguiu reunir mais de três de zenas de pilotos nesta prova do Open de Ralis. Nem mesmo o Critério de Ralis ajuda a completar o número de inscritos, que ainda assim conta com vários nomes apontados aos lugares cimeiros. Na terra, os carros de tração integral vêm a sua vantagem ser ainda maior e portanto, os principais favoritos ao triunfo deverão ser pilotos que conduzem essas mesmas viaturas. Também não são muitos, mas destaque para o regresso de Daniel Nunes, um forte opositor para Carlos Martins, que lidera o campeonato, bem como para Luís Mota e Diogo Salvi, que tem estado em maré de azar. No capítulo das duas rodas motrizes, as ausências de vulto de João Barros, que venceu duas provas mas que estará mais interessado no CPR2, bem como de Carlos Cruz, que lidera este campeonato. Assim, os candidatos aos lugares da frente devem coincidir com os do Desafio Modelstand, destacando-se o famalicense João Ruivo e ainda António Rodrigues ou Gil Antunes.

PROVA: Rali Oliveira do Hospital CLUBE ORGANIZADOR: Clube Automóvel do Centro DATA: 28 e 29 de junho de 2013 PONTUÁVEL: Campeonato Open de Ralis Campeonato de Portugal Júnior Ralis Campeonato Regional de Ralis/Centro Desafio Modelstand Troféu Fastbravo CENTRO OPERACIONAL: Parque da feira PÓDIO: Parque da feira DIRETOR DE PROVA: José A. Correia QUILOMETRAGEM (Total/PEC’s): 142,23/60,98


Nº 5 – JULHO 2013 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29

Rallye Oliveira do Hospital CONDUTOR

NAVEGADOR

CARRO

CARLOS MARTINS LUÍS MOTA DIOGO SALVI FERNANDO TEOTÓNIO DANIEL NUNES JOÃO RUIVO ANTÓNIO RODRIGUES GIL ANTUNES VÍTOR RIBEIRO JOSÉ MACHADO ROBERTO CANHA PEDRO LEONE MARCO CID RICARDO RODA HERCULANO ANTAS NUNO COELHO JOÃO CASTELA JOÃO SOARES FABRICE GASPAR PAULO MOREIRA DAVID LUCAS SÉRGIO VAZ AGOSTINHO OLIVEIRA NUNO FIGUEIREDO RAFAEL CARDEIRA FÁBIO PAÇO JOÃO MAGALHÃES FILIPE NOGUEIRA

PEDRO CONDE ALEXANDRE RAMOS HUGO MAGALHÃES LUÍS MORGADINHO RUI RAIMUNDO JOÃO PEIXOTO JORGE CARVALHO CARLOS RAMIRO FERNANDO SOUSA ANÍBAL PEREIRA MIGUEL CRUZ BRUNO RAMOS FILIPE VIEIRA BRUNO VIEIRA LUÍS SILVA PEDRO ALVES RICARDO FARIA JOÃO BARATA TIAGO SALVADO MARCO MACEDO PAULO MARTINS BINO SANTOS RUI PEDRO NUNO CARREIRA JORGE RIBEIRO FÁBIO PEREIRA LUÍS ROCHA VÍTOR SOUSA

MITSUBISHI LANCER VII MITSUBISHI LANCER VII MITSUBISHI LANCER VII MITSUBISHI LANCER VI MITSUBISHI LANCER VI PEUGEOT 206 GTI PEUGEOT 206 GTI PEUGEOT 206 GTI MITSUBISHI LANCER VI CITROËN SAXO CUP PEUGEOT 206 GTI FORD ESCORT COSWORTH MITSUBISHI LANCER VI BMW 325IX PEUGEOT 206 GTI PEUGEOT 206 GTI PEUGEOT 206 GTI CITROËN SAXO CUP BMW 325I OPEL CORSA OPC NISSAN MICRA PEUGEOT 206 GTI CITROËN ZX SEAT MARBELLA SEAT MARBELLA SEAT MARBELLA SEAT MARBELLA SEAT MARBELLA

PROGRAMA 29 de junho 10h00 10h05 10h38 11h11 11h49 12h37 12h47 13h35 14h28 15h01 15h39 16h27 16h37 16h50

– – – – – – – – – – – – – –

Partida Assistência 10’ (Parque da feira) PEC 1 – Ervedal/Pisão 1 (6,18 km) PEC 2 – Cordinha 1 (10,46 km) PEC 3 – Anta da Arcainha 1 (11,44 km) PEC 4 – Oliveira do Hospital 1 (2,23 km) Reagrupamento Assistência 30’ (Parque da feira) PEC 5 – Ervedal/Pisão 2 PEC 6 – Cordinha 2 PEC 7 – Anta da Arcainha 2 PEC 8 – Oliveira do Hospital 2 Assistência 10’ (Zona Industrial) Chegada/Pódio


Nº 5 – JULHO 2013

Open de Ralis

Famalicense é 2º no Open e no Desafio Modelstand

Agora que está cumprida a primeira metade da época do Desafio Modelstand 2013, João Ruivo e João Peixoto fazem um balanço muito positivo desta a temporada, numa altura em que ocupam a segunda posição da classificação geral da competição com os Peugeot 206 GTI.

Para a equipa de Famalicão, que não alinhou no primeiro rali da época, chegar a esta altura e estar na luta pelo triunfo final é muito positivo. O ano começou para eles em Castelo Branco, com um terceiro lugar: “A prova correu como pretendíamos. Chegámos a esta prova já em desvantagem para a maioria dos nossos adversários, pois ainda não tínhamos pontuado. Assim, não podíamos arriscar como gostaríamos tendo que nos concentrar em amealhar pontos importantes, isto apesar de não estarmos a alinhar com o nosso carro. Com o desenrolar do rali apercebemo-nos que os nossos adversários diretos estavam bastante fortes e optámos por terminar a prova. Mesmo assim ainda tivemos um susto no final com a quebra da correia do alternador”, explica João Ruivo. A segunda etapa da época foi o Rali de Alfena e aqui João Ruivo e João Peixoto voltaram a ter uma prestação muito positiva, com o segundo lugar final: “Desta vez alinhámos com o nosso carro e a nossa nova equipa Fernando Costa Motorsport. Esta estreia correu muito bem. Sem arriscar, andámos sempre na luta pela vitória. Percebemos, mais uma vez, a falta da primeira prova e não quisemos arriscar, deitando tudo a perder com algum exagero. De qualquer forma, mantivemos sempre o primeiro classificado sob pressão e terminamos em 2º, a

poucos segundos. Não posso deixar de ter uma palavra para a minha equipa que montou o nosso carro em duas semanas”, refere o piloto famalicense. Ainda antes da prova seguinte do Desafio Modelstand, João Ruivo optou por alinhar no Rali Cidade de Guimarães, apenas para rodar e dar uma prenda ao seu amigo Emídio Magalhães: “Ele acompanha-me desde 2004 e foi uma maneira de lhe agradecer. O rali acabou por ser um pouco difícil devido à chuva que se fez sentir da parte da manhã, mas aprendemos com novas afinações que introduzimos”, explicou o piloto que foi terceiro em termos de Campeonato Open duas rodas motrizes. Para ficar completa esta primeira parte do ano de 2013 só faltava o Rali Vidreiro e aqui veio a tão desejada vitória numa prova complicada de gerir: “A incerteza das condições climatéricas obrigou a uma estratégia segura e arrancámos com pneus de chuva, ao contrário de alguns dos nossos adversários. Estes cometeram alguns erros no início e logo na segunda especial estávamos na frente com uma boa margem. A partir daí gerimos e chegámos ao triunfo”. Já no final deste mês de Junho começa a fase de pisos de terra do ano e João Ruivo, em jeito de curto balanço refere que: “Não podia estar mais satisfeito. Estamos no segundo lugar a apenas três pontos do primeiro, isto para além do segundo lugar do Open nas duas rodas motrizes a um ponto da liderança. Estamos a cumprir os objetivos que tínhamos delineado perante os nossos patrocinadores”, finaliza o piloto de Famalicão.


Nº 5 – JULHO 2013

Multimédia / Últimas / Agenda

Assista aos melhores vídeos do desporto motorizado famalicense. Basta clicar na imagem e sinta toda a adrenalina!

BEST OF RALI VIDREIRO by rallymania

ONBOARD MARTINE PEREIRA NA RAMPA DA COVILHÃ

by lili1242

A FECHAR Miguel Barbosa continua imparável no Campeonato de Portugal de Todo-o-Terreno. O piloto do Mitsubishi Racing Lancer não deu quaisquer chances no Rali TT Serras do Norte, impondo-se com naturalidade, repetindo o feito na Baja Terras de Alcoutim, disputada três semanas depois. Se na prova nortenha o pódio ficou completo com um surpreendente Paulo Graça (Nissan Navara) e por Hélder Oliveira (BMW Proto). Sublinhe-se ainda o regresso de Fernando Rito e do famalicense Filipe Martins às provas de TT, levando o Toyota Land Cruiser até ao 3º lugar na categoria T8. Já em Alcoutim, Oliveira subiu uma posçição na tabela, ficando o 3º posto para Pedro Grancha em carro idêntico. Miguel Barbosa é agora lider isolado do campeonato, na frente de Hélder Oliveira e Pedro Grancha.

BEST OF GP HISTÓRICO DO PORTO by direita3

AGENDA JULHO 5/6

RALI SANTA CRUZ E MACHICO (CRM)

6

CIRCUITO KARTING SCP (CPK)

6/7

RAMPA DE V. N. CERVEIRA (CPM)

6/7

OFFROAD CASTELO BRANCO (CPOFR)

7

GP GRÃ BRETANHA (F1)

11/13

RALLYE SAN MARINO (ERC)

13/14

RALI ALÉM MAR (CRA)

14

GP ALEMANHA (MOTO GP)

20/21

CIRCUITO ALGARVE 1 (TPC)

20/21

RALI SPRINT DE FAMALICÃO

21

GP ESTADOS UNIDOS (MOTO GP)

25/27

SIBIU RALLY (ERC)

27/28

OFFROAD MONTALEGRE (CPOFR)

27/28

RAMPA CAPITAL DO MÓVEL (CPM)

28

GP HUNGRIA (F1)

O Ralisprint de Famalicão será um dos eventos do ano no nosso concelho, no que toca ao desporto. Há 27 anos, saia para a estrada o primeiro Rali de Famalicão, já depois de por cá terem passados outras provas, mas nunca concentradas aqui. O vencedor da 1ª edição foi um piloto que viria a dar cartas alguns anos depois, de seu nome José Carlos Macedo.


FAMALICÃO MOTOR - nº5 - Julho 2013  

Edição nº5 - Julho 2013