Edicao 6 2012

Page 1

REVISTA

EDIÇÃO 6/2012

A

bLL G SFER

.COM.BR

Qual é o seu caminho na Blogosfera? JOTA FAGNER Plágio: O mal que assola a Blogosfera GUSTAVO FREITAS

As problemáticas e a Teoria da Teia de Aranha BELLA FELIX

Porque você não precisa de inspiração para escrever HUGO COSTA


Publishers

Gustafo Freitas.Net

Direção

Gustavo Freitas http://gustavofreitas.net

Leonardo Machado www.leomachado.com.br

Produção Editorial EDIÇÃO 6 | ANO 2

Gustavo Freitas

Arte e Diagramação Bella Felix - www.pinkskulldesign.com Jota Fagner - www.jotafagner.net - www.midiasemodos.com Leonardo Machado - www.fabricadeimagem.com.br

Redação e Colaboração

Arthurius Maximus, Bella Felix, Gustavo Freitas, Hugo Costa, Jota Fagner.

Diretos Autorais

iStockPhoto, SXC e demais créditos indicados nas imagens. Artigos e Tutoriais expressam a opinião de seus autores.

Redes Sociais @RevBlogosfera RevistaBlogosfera


Editorial E o ciclo se completa... Parece que foi ontem que sentei junto com o Leonardo Machado pra tentar convencê-lo a participar de um novo projeto. O planejamento durou alguns meses e a Revista Blogosfera se materializou, através de sua Edição 1, no dia 5 de setembro. Nesse 1 ano de trabalho aprendemos muito, conseguimos agregar mais pessoas apaixonadas pelo projeto como o Jota Fagner e, a partir dessa edição, a Isabella Félix, e esse aprendizado já está refletindo nessa edição. Um ciclo se completa e esperamos que seja o primeiro de muitos. Precisamos, como forma de comemoração, registrar os números que já alcançamos até o momento, com mais de 23 mil downloads nas 5 edições, tendo somente a edição 5 chegado a mais de 10 mil downloads.

ras páginas que muita coisa mudou no formato, começando pelos artigos, que agora estão em número bem menor, complementados com matérias abordando assuntos como plágio e nichos de blogs. O objetivo é criar um conteúdo que você não encontrará em nenhum blog, com matérias exclusivas e que despertem o imaginário dos blogueiros. Se estamos no caminho certo só o tempo (e os downloads dessa edição) dirá! Agradecemos aos autores dessa edição Hugo Costa, Arthurius Maximus, Gustavo Freitas, Isabella Félix e Jota Fagner e a você nosso leitor que é a razão e objetivo do nosso trabalho e dedicação. Boa leitura!

E tudo se fez novo... Ou quase tudo Os que acompanham a revista desde a Edição 1 vão notar logo nas primei-

Gustavo Freitas Produção Editorial


www.fabricadeimagem.com.br

1 ano 6 edições 249 páginas publicadas 23.383 downloads 5.822.367 folhas de papel economizadas

Quando pudermos colocar um contador digital neste arquivo vamos saber ser derrubadas a cada download

* contagem do dia 21-09-2012

exatamente quantas árvores deixam de


BLOGOSFERA @jotafagner

iStockPhoto

Qual é o seu caminho na blogosfera?

Dentro da infinidade de opções existentes na blogosfera alguns têm um maior apelo comercial, outros nem tanto, mas a verdade é que existe espaço para todos.

U

ma recente pesquisa realizada por uma empresa de publicidade digital mostrou que no Brasil 69% dos internautas que leem blogs buscam entretenimento. A pesquisa foi realizada com 80 milhões de pessoas. Entre os que responderam à pesquisa 43% possuem nível superior. Os resultados também mostraram que apenas 1% dos leito-

4

res de blogs estão interessadas em cultura e 2% estão voltadas ao conteúdo... er... digamos... adultos (se controlem, por favor!). Isso significa que blogs voltados para a educação estão fadados ao fracasso? Não. Absolutamente, não. É possível criar conteúdo voltado à educação, à divulgação cultural, ao esporte ou a qualquer assunto que você queira.


BLOGOSFERA A prova disso é que apenas 2% dos que leem blogs se dizem interessados em pornografia. E acho que não é preciso dizer que pornografia gera grana, mesmo que, teoricamente, apenas 2% dos internautas consumam esse tipo de informação. Mas, caso você não esteja interessado em trabalhar no campo da pornografia e o seu blog não seja apenas de entretenimento, o que fazer para conquistar seu espaço na imensa blogosfera? Para responder a isso teremos que entender que, aquilo que muitos blogueiros fazem hoje, é o que chamamos, em jornalismo, de cozinhar textos.

iStockPhoto

Calma, eu explico: dentro do jornalismo existe a função de repórter. O repórter é aquele que vai à rua, que conversa com as pessoas, que entrevista, que checa os fatos. Para resumir, vamos dizer que o repórter faça também a redação do texto. Então, ele traduz para seus escritos aquilo que viu, que ouviu, que leu. Esse texto é escrito em linguagem simples e direta para que qualquer um possa compreender na primeira leitura. Muitos blogueiros fazem todo esse trabalho de reportagem – reportar, aqui, pode ser entendi-

@jotafagner / Qual é o seu caminho na blogosfera?

do como relatar aquilo que viu, ouviu, etc. – mas, muitos apenas pegam os textos desenvolvidos em sua maioria pelos grandes veículos e reescrevem em suas palavras. Esse ato de reescrever o texto com suas palavras é o que chamamos – em jornalismo – de cozinhar. Alguns blogueiros cozinham o texto das reportagens de grandes veículos, outros cozinham apenas o texto de release (termo que vem do inglês, utilizado para designar notas distribuídas ao jornal impresso, ao rádio, à televisão etc., para divulgação gratuita). Aí, você pergunta: entre os blogueiros só existem os articulistas (que escrevem artigos), os repórteres e os que cozinham textos? Não, gafanhoto! Existem também os cronistas. Aqueles que fazem uma análise crítica sobre os fatos. Os cronistas podem ter um foco específico – como os cronistas esportivos – ou podem cobrir um leque maior de opções sendo cronista daquilo que Nelson Rodrigues chamaria de “a vida como ela é”. Para simplificar ficaremos apenas com os exemplos citados acima. Os blogueiros que trabalham no 5 - revistablogosfera.com.br


@jotafagner

nicho dos artigos e das crônicas estão, de certa forma, dentro da categoria de educação e cultura. Mas como se manter num nicho que retém a atenção de apenas 1% dos internautas leitores de blogs?

“A abordagem foi proposital, ela nasceu dessa maneira, pois esse é meu jeito de ser. Sou antes de tudo um cartunista e foi a partir dessa atividade que desenvolvi todo o resto. Passar a lógica com emoção tem sido meu desafio e o entretenimento, assim como o sorriso, é o atalho mais rápido para a alma das pessoas”, explica Luciano. Para Raquel Gompy, a produtora do Blog Monalisa de Pijamas (conhecida na blogosfera e podosfera como Mafalda), o cami6

Luciano Pires.

nho escolhido foi semelhante: “A ideia [do Blog e Podcast] era ser entretenimento, com conteúdos leves. Mesmo que façamos um tema voltado para um assunto mais sério, tratamos da maneira mais leve possível, deixando sempre um espaço para o bom humor”, esclarece. Existem pessoas, no entanto, que buscam um caminho diferenciado. “Por incrível ou estranho que possa parecer eu optei por um publico seleto, um publico alvo, que no meu caso seria uma minoria.

iStockPhoto

Luciano Pires é blogueiro, podcaster, palestrante, um comunicador por definição. Sua produção de conteúdo, apesar de ser informativa/reflexiva, busca sempre se apresentar numa embalagem de produto de entretenimento. A exemplo dos podcasts, videocasts e as crônicas que produz numa linguagem mais leve, abordando temas sérios. A maior parte dessas temáticas é mais bem trabalhada em suas palestras.


@jotafagner / Qual é o seu caminho na blogosfera?

Raquel Gompy (Mafalda)

O meu conteúdo é para as pessoas que têm interesse em criar, principalmente usando dispositivos móveis. A linguagem do meu conteúdo pode também despertar o interesse de alguns em acompanhar ou começar a criar [o seu próprio conteúdo], mas estou bem ciente que não é para todos”, desabafa Eddie Silva, editor chefe do Conteúdo Sem Fio, considerado por muitos como o padrinho do podcast nacional e criador do primeiro servidor gratuito de podcast no Brasil. René de Paula Jr, produtor do Roda e Avisa, compartilha da opinião de Silva, “você quer ser um Paulo Coelho ou um Paulo Leminski? São duas opções honestas”, brinca.

René de Paula Jr já trabalhou na produção de programas como o extinto Aqui e Agora do SBT, já passou pelo Yahoo, pela Locaweb, pela Microsoft. E isso é apenas uma parte do seu currículo. Com toda essa vivência ele tem uma percepção mais crítica da comunicação digital. “Quando teu modelo de receita depende de audiência, você acaba tendo que se render a tudo o que isso implica: tipo de conteúdo, freqüência de publicação, geração de tráfego, divulgação... e isso acaba empurrando todo mundo na mesma direção. Adeus diferenciação, adeus originalidade, adeus independência”, analisa. Mas, será que são apenas os pequenos blogueiros que penam quando o assunto é criação de conteúdo? Para Luciano Pires não é bem assim. “Geração de conteúdo dói e custa. É mais rápido distribuir... e me parece que esse binômio geração versus distribuição é a questão que deve ser levantada. Os grandes portais fizeram seus nomes especialmente como distribuidores. Chamam vários colunistas conhecidos, adquirem conteúdo externo e distribuem, atraindo audiência. Os pequenos blogs geram conteúdo, mas atraem pouca audiência. 7 - revistablogosfera.com.br


René de Paula Jr

Quando crescem, para manter a questão do conteúdo ou devem se aliar a um grande portal (visibilidade), o que tem suas inconveniências, ou tem que partir para replicar conteúdos. Não vejo problema na replicação, desde que isso seja feito de forma coerente e transparente. Cabe ao dono do blog julgar se isso é positivo para seu negócio ou se apenas vai transformá-lo em mais do mesmo. Eu replico conteúdos no Portal Café Brasil, mas é coisa muito selecionada e que cumpre um propósito. Não replico releases, apenas matérias na maioria das vezes opinativas. Acho que tudo tem a ver com o que você quer ser”, esclarece. Raquel tenta ser cautelosa ao falar do assunto: 8

“Acho que o fato de só replicar release e não uma noticia completa se deve mais à preocupação do blogueiro em manter o seu blog nas buscas com as noticias do momento, [em detrimento ao ato] de informar. Também pelo fato da quantidade de informação disponível e das pessoas não pararem para ler uma noticia completa, uma matéria grande. Então há os dois lados da moeda”, pondera a apresentadora do MonaCast. Na visão dela a síndrome do conhecimento fragmentado pode ser o estopim desses problemas. “Faz parte do jogo, de se manter acessível e visível na internet. A coisa é complexa... Já tem estudos que falam que as redes sociais, a quantidade infinita de informações e links jogados, estão criando problemas de ansiedade e vícios nas pessoas”, conclui.

“Você quer ser um Paulo Coelho ou um Paulo Leminski? São duas opções honestas” René de Paula

iStockPhoto

@jotafagner


@jotafagner / Qual é o seu caminho na blogosfera?

Seu Silva

Seu Silva – como é chamado na podosfera – teme que o problema possa ser a fachada de algo mais grave. “Tem uma diferença muito grande entre replicar um release e absorver as informações do release e dar a sua opinião ou notícia. Mas para mim existe um problema maior que são aqueles que replicam conteúdo. Sinceramente não sei se ser blogueiro no Brasil tem algum retorno financeiro mas é a coisa mais fácil na vida. Envolve 4 passos: Assine centenas de feeds, copy e paste para o google tradutor e copy paste para o blog e [depois é só] twitar a “notícia” inédita. Estes tipos de blog eu não leio. Eu acho que em qualquer profissão a pessoa precisa ser ambiciosa. Crescer, criar. Um bom exemplo que sempre cito é [o de] um estudante de jornalismo. O que ele pretende fazer de sua profissão, trabalhar com reportagem, ganhar conhecimentoaté

chegar a ser um editor de jornal ou numa TV? Ou ser aquele “jornalista” que não levanta o traseiro da cadeira e fica acompanhando o Twitter de celebridades e jogadores de futebol para criar a sua pauta do dia. Falta mesmo ambição e o frio na barriga de arriscar algo novo. Algo inédito. “Basta ver os grandes blogs de tecnologia aqui nos EUA que servem de fontes de notícias para os blogs do Brasil”, arremata. Dentro deste cenário caótico será que a blogosfera brasileira pode ser levada a sério? Afinal, o que falta para que os blogueiros trabalhem numa linha mais “profissional”? O que falta para que desenvolvam maior credibilidade frente aos anunciantes? Será que o público consumidor não acaba enviesando o produtor de conteúdo? Na opinião de Luciano Pires essa é uma triste realidade. “Me incomoda muito o fato da blogosfera ainda mimetizar e depender das mídias e processos tradicionais. Por exemplo, dos 10 maiores tuiteiros, acho que 80% são personalidades da TV, com conteúdo discutível e banal, que só estão ali pela visibilidade garantida pela mídia tradicional. O mesmo vale para jornalistas com 9 - revistablogosfera.com.br


@jotafagner

colunas em veículos de grande visibilidade. Isso não é necessariamente ruim, mas quando o conteúdo desses sugadores de audiência é apenas a banalidade, roubam visibilidade de quem tem algo mais pra dar”, observa. Seu Silva brinca dizendo que o que falta à blogosfera nacional é criatividade e “sangue no zoio” (sic). Ele diz que no inicio o blog no Brasil tinha a mesma proposta de muitos blogs americanos. Criar conteúdo dando a sua opinião sobre determinado assunto. Confessa sentir falta justamente disso, blogs com opiniões próprias. Mas, para ele, não basta dar opinião, precisa ter conhecimento de causa. “Às vezes vejo um “suplicante” falar: O iPhone é um lixo. O bom é o Android. - Baseado em que ele afirma isto? O problema é o sistema operacional ou o hardware? Simplesmente joga goela a baixo de seus leitores. O pior é que os leitores acreditam e ainda retuitam”, lastima. Raquel diz observar os principais blogs nacionais, cujos nomes e seus autores sempre estão presentes nos principais eventos de internet do país. Ela comenta que esses autores são, em sua grande maioria, jovens e muitas vezes imaturos. Ou seja, ela 10

recomenda que tenhamos cuidado com o fato de boa parte da blogosfera ser “feita por jovens, para jovens. Jovens guiando, influenciando, com ideias nem sempre boas ou maduras, a outros jovens. O culto ao egocentrismo é grande, e não vejo isso de maneira positiva”, aponta Raquel. “Fiz um teste (na verdade uma aposta): publiquei um post absurdamente trivial no Facebook (“de que lado você come a coxinha?”) e acho que foi o campeão dos comentários. Isso é a tal fuga, e isso me incomoda... Aí reside a questão da responsabilidade dos blogueiros de elevar o nível de sua audiência. Puxar pra cima, de forma que a audiência cresça em qualidade e acabe exigindo mais do blogueiro, que assim também cresce, formando um ciclo virtuoso. Mas não dá pra aplicar esse conceito para números astronômicos. Grandes audiências implicam no trivial. Qualquer coisa mais elaborada reduz drasticamente a audiência e esse não é um problema só da internet, mas me incomoda. Por isso desenvolvi o conceito das Iscas Intelectuais, que nunca vão fundo demais, apenas levantam


@jotafagner / Qual é o seu caminho na blogosfera?

a poeira e – às vezes – pescam um ou outro...”, ensina Pires.

J. Fagner Jornalista apaixonado pelo jornalismo literário. Escreve para o Blog do Clube do Choro, Revista Segunda Leitura e é sócio do site Mídias e Modos.

iStockPhoto

René de Paula Jr pode ser visto por muitos como um outsider no mundo digital. “Eu pago minha hospedagem, eu pago pelos meus domínios, eu pago o vimeo, eu pago até licença de winzip. Nada do que eu publico tem interesse comercial algum, nem vídeos, nem palestras, nem artigos, nada. Eu tenho mantido essa independência e autonomia e consistência mesmo tendo trabalhado pra N empresas diferentes e concorrentes entre si”, desabafa. Dentro de visões tão diferentes podemos perceber que não

existe uma fórmula. Tudo depende daquilo que você quer atingir, de onde você quer chegar. Existe um caminho para quem quer produzir conteúdo para os 69% que buscam entretenimento e um caminho completamente diferente para aqueles que buscam elevar a si mesmo e aos seus leitores e ouvintes. Os dois caminhos são válidos. Escolha o seu.

11 - revistablogosfera.com.br


Plágio: O mal que assola a blogosfera “Na Natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma.” (Antoine Lavoisier 1743-1794)

A

mais famosa frase de Lavoisier acabou sendo adaptada para o nosso cotidiano por Chacrinha quando ele soltou... “Na televisão nada se cria, tudo se copia” 12

Com a popularização da internet, o bombardeio de informações e a busca das pessoas pelo seu espaço como criadoras de conteúdo e disseminadoras de informação podemos alterar mais um pouco essa frase e chegar à conclusão de que,

iStockPhoto

@GustavoFreitas


@GustavoFreitas / Plágio: O mal que assola a blogosfera

também na internet, nada se cria, tudo se copia.A cópia de conteúdo na internet é, popularmente, chamada de plágio. Segundo o dicionário Priberam plágio é, 1. Ato ou efeito de plagiar. 2. Imitação ou cópia fraudulenta. O plágio na internet é muito comum e afeta a todos, de grandes portais e blogs a pequenos blogueiros que ainda estão iniciando sua trajetória e buscam conquistar seu espaço. Por que o plágio acontece? Mas por que o plágio acontece? Desinformação, falta de caráter, ganhos financeiros, falta de uma cultura de respeito ao próximo, impunidade, desconhecimento da lei? Os fatores são vários e passam sim por uma análise de cunho social e familiar, de formação de nossas crianças e jovens que chegam à internet e pensam que estão numa terra de ninguém, sem lei. Muitos ainda acreditam que plágio não é crime, que não temos uma legislação para

“[...] a Lei dos Direitos Autorais, lei número 9.610 de 19 de fevereiro de 1998, não menciona a palavra Plágio. Para representar tal conduta, o art. 5º define vários termos utilizados por essa lei, tais como: publicação, transmissão ou emissão, retransmissão, distribuição, comunicação ao público, reprodução, dentre outras.” E ainda acrescenta, “Com base nesse artigo, temos que reprodução é a cópia de um ou vários exemplares de uma obra literária, artística ou científica ou de um fonograma, de qualquer forma tangível, incluindo qualquer armazenamento permanente ou temporário por meios eletrônicos ou qualquer outro meio de fixação que venha a ser desenvolvido.” Portanto, conclui ele, “...plágio é, ao olhos da lei, contrafação, que, por sua vez, é a reprodução não autorizada”.

13 - revistablogosfera.com.br


@GustavoFreitas

Você já cometeu plágio? Se a resposta for sim, e você não está mais do “lado negro da força”, não fique encabulado, pois conversando com alguns blogueiros podemos ter uma ideia de como é comum o plágio na internet, principalmente (mas não somente) pelo desconhecimento de pessoas que estão chegando à internet e “Quando tive o interesse por criar blog e sites, eu criei um site de notícias e eu praticamente não escrevia e sim copiava artigos de portais. Eu acredito que a maior parte dos que plagiam não tem conhecimento de que a pratica é crime. 14

Quando copiava artigos, meus blogs não faziam o menor sucesso, mas quando eu passei a criar meu próprio conteúdo os blogs cresceram em 100%.” querem também ter seu blog de destaque. O blogueiro Jackson Soares de Brito, 19 anos, explica por que plagiava em seu início na blogosfera, o Jackson entendeu que o plágio não era uma prática legal e muito menos moral “Que larguem essa prática, pois a mesma não traz nenhum benefício.” e mudou sua maneira de trabalhar com blogs, criando outros blogs com conteúdo original, produzido por ele e outros autores parceiros em seus blogs. E o que ele tem a dizer para os plagiadores hoje? Anderson Inácio dos Santos, “E o bom foi que esse blog não durou muito, desisti logo no primeiro mês por falta de tempo e competência...” 13 anos, também já praticou plágio no seu começo na blogosfera, pois achava que copiar e colar artigos e imagens de outros blogs era permitido.

iStockPhoto

tratar desse assunto, mas não é bem assim. Gustavo Martinelli, especialista em Direito Digital, nos informa que, fica claro então que plágio é crime e que temos leis que podem ser utilizadas no caso do autor se sentir prejudicado com a cópia não autorizada de seu conteúdo. O plágio é crime e, se o autor acionar a justiça, o infrator terá que indenizá-lo, podendo a indenização chegar a 3 mil vezes o valor do texto editado sem autorização.


@GustavoFreitas / Plágio: O mal que assola a blogosfera

Hoje ele sabe que mesmo citando as fontes esse tipo de ação é ilegal.Esse pode ser outro motivo que explique o plágio na internet, a falta de competência do blogueiro no assunto que se propõe a escrever. Se você não entende de nutrição não se ponha a escrever sobre “as melhores maneiras de emagrecer com saúde” ou se verá plagiando o tempo todo o conhecimento de outros blogueiros e portais. “Desde o início dos meus blogs, sempre me preocupei em produzir meus próprios textos.” Do outro lado temos blogueiros que sempre entenderam o certo e o errado (desde o início) e nunca praticaram plágio. É o caso do Adelson Smania, 38 anos, e uma referência no Brasil quando o assunto é criar blogs na plataforma Blogger. O problema com o plágio, especialmente no Brasil, certamente passa pela falta de cultura de nossos jovens e adolescentes no tocante ao gosto pela leitura, interpretação e produção de conteúdo. É muito mais fácil e menos cansativo copiar e colar um texto e publicá-lo.

Fui plagiado, e agora? Só quem já teve um artigo, imagem ou template, no qual investiu seu tempo pesquisando, trabalhando e escrevendo ser publicado/utilizado em outro blog, com outro autor assinando a obra, sabe o que é ser plagiado.Cada blogueiro “Isso me desanimou a tal ponto que cheguei a quase desistir de blogar, contudo, decidi reduzir drasticamente a quantidade de publicações e principalmente a criação de templates gratuitos.” tem uma reação nesse momento. Raiva, sentimento de impunidade, indignação, indiferença e vontade de desistir e largar tudo. Foi o que aconteceu com “O primeiro passo é não alertar o suposto Infrator. Sendo assim, caso seja do interesse da vítima, até que todas as provas necessárias sejam produzidas, não exija a retirada do conteúdo ou avise que este pertence a você. Se isso ocorrer, provavelmente o conteúdo será retirado da Web e a produção de provas ficará prejudicada.” 15 - revistablogosfera.com.br


@GustavoFreitas

a Vanessa, que além de ter seu conteúdo copiado sem autorização, ainda teve os templates que ela desenvolve e disponibiliza para download gratuito, também plagiado. Se você foi plagiado existem muitos caminhos a seguir. Gustavo Martinelli orienta que, se o blogueiro quer ter seus direitos resguardados e pretende produzir provas contra o infrator, não o alerte do fato. Após a produção das provas ele orienta que a vítima se dirija a uma Delegacia Especializada em Crimes Digitais. Se na sua cidade não tiver uma delegacia especializada, você pode se dirigir a mais próxima de sua

sempre entra em contato com o plagiador, como primeiro recurso, tentando informá-lo de que o seu ato é um erro e que deve ser reparado, com a retirada do material. Esse é outro caminho, procurar a plataforma de blogs que o plagiador utiliza e solicitar a retirada do material. Blogger, Wordpress.com e Tumblr possuem essas ferramentas e são bem rápidosem averiguar o fato e proceder à remoção. Se o blog do infrator estiver em uma hospedagem paga e o contato direto não funcionou, o próximo passo é identificar em qual hospedagem o blog está

“Em todas as vezes que isso ocorreu, tentei contato com a pessoa que o copiou, pois acredito que há situações em que isso ocorre por ingenuidade ou desconhecimento. Quando isso não surtiu efeito, fiz denúncia à plataforma onde o texto foi

casa e registrar um Boletim de Ocorrência. Se você é daqueles que paga pra não entrar em uma briga judicial, existem outras maneiras de se tentar resolver o problema antes de ir para a via judicial. Adelson Smania 16

hospedado (existem diversas ferramentas online que lhe ajudam com essa tarefa) e depois entrar em contato com o serviço de hospedagem. A grande maioria age rapidamente também, com receio do processo de Direitos Autorais ser movido contra

iStockPhoto

copiado e sempre tive sucesso com a remoção.”


@GustavoFreitas / Plágio: O mal que assola a blogosfera

eles também. Eu, plagiador! Se você pratica plágio espero que essa matéria possa lhe ajudar a entender que isso é errado.Essa é a opinião de Iago Melanias, 15 anos, e que também já esteve do outro lado e agora é uma referência entre os

é através de muita leitura, estudo, dedicação e produção de conteúdo de qualidade (seja ele em imagens, vídeo, textos, áudio). O sucesso só vem antes de trabalho no dicionário, na vida real não é assim que as coisas acontecem. Até a próxima!

“O princípio básico para criar um blog de qualidade é produzir conteúdo de qualidade, jamais plagie qualquer conteúdo de outro blog. Se você fizer um bom trabalho o reconhecimento, sucesso, lucro... todos eles virão.” jovens da blogosfera. Ele conquistou seu espaço produzindo conteúdo de qualidade. Ele ainda completa dando a receita do sucesso na blogosfera. O caminho do sucesso não é fácil de ser trilhado em nenhuma área. Se você quer se destacar na blogosfera o único caminho

Gustavo Freitas Problogger, professor universitário e um dos idealizadores da Revista Blogosfera. É blogueiro desde 2008 e logo entendeu o que queria na Blogosfera. Autor de e-books gratuitos sobre o universo dos blogs, você encontra mais sobre ele no http://gustavofreitas.net

17 - revistablogosfera.com.br


@pinkskulldesign

As problemáticas e a Teoria da Teia de Aranha: O Designer, a Inspiração e as Grandes Ideias. As grandes ideias às vezes nascem de pequenas ideias, e essas pequenas ideias são alimentadas pela paciência, para que as mesmas desenvolvam e se tornem muito maior que você mesmo.

D

esigners e Web Designers sofrem todos os dias aos montes com o famoso “bloqueio criativo” ou “falta de inspiração”. A inspiração é o pesadelo, a maldição e o tormento de todos os profissionais que trabalham na World Wide Web. Essa tão inocente palavra chamada “inspiração” é um vício, e a causa de boa parte dos nossos problemas. Ela bloqueia nossa mente para novas ideias. Nem sempre estamos em nossos melhores dias, nem sempre so-

18

mos tão criativos como deveríamos e é exatamente nessa hora que nosso cérebro adora pregar peças: — Doces ou Travessuras, tia? — Inspiração, moleque! E se você é designer com certeza não irá querer “pagar mico”. A PROBLEMÁTICA DA OBSERVAÇÃO E ANÁLISE O Designer para alimentar a sua inspiração precisa observar mais ao seu redor.

iStockPhoto

A PROBLEMÁTICA DA INSPIRAÇÃO:


@pinkskulldesign / As problemáticas e a Teoria da Teia de Aranha: O Designer, a Inspiração e as Grandes Ideias.

Tudo a sua volta pode ser o início de uma grande ideia. Sua vida, sua família, seus gostos pessoais, sua filosofia de vida e até a cidade em que você vive podem lhe inspirar. A conectividade nos tornou mais distraídos, logo, precisamos resgatar alguns valores perdidos. Precisamos analisar o nosso presente, precisamos observar os pequenos detalhes. Um designer que não observa os pequenos detalhes não está apto a seguir a profissão. Desconectese da correria do dia a dia, desacelere e preste mais atenção nos pequenos detalhes.

iStockPhoto / morguefile

Faça da observação e análise seu estilo de vida. Alise também aquilo que você observa. A WWW é um ótimo local para se analisar. Analise a concorrência, pois tudo que está no mesmo nicho que o seu na World Wide Web é uma concorrência. Observe e analise os outdoors nas ruas, todo tipo de arte que você encontrar, as ações e peças publicitárias, os produtos, o design e também as pessoas e seus estilos de vida. Observe e analise tudo que te cerca. Aprenda a alimentar o ato de observar e analisar. A PROBLEMÁTICA DAS GRANDES IDEIAS

As grandes ideias às vezes nascem de pequenas ideias, e essas pequenas ideias são alimentadas pela paciência, para que as mesmas desenvolvam e se tornem muito maior que você mesmo. As grandes ideias nascem das suas impressões sobre a vida e pela observação das coisas ao seu redor. Se você é Designer, deve saber que tudo é interligado nesta profissão, como uma teia de aranha. As teias de aranha são minúsculos fios de seda produzidos por glândulas que se encontram no abdômen da aranha. As teias de aranha são extremamente poderosas em resistência e elasticidade e são cinco vezes mais forte que o aço e podem ser esticados até quatro vezes o seu comprimento sem partir. As teias de aranha são como as ideias, fortes, pequenas, nascida da nossa mente e do nosso coração. Mas a observação da relação entre a teia de aranha e as ideias eu só consegui observando e analisando. E o ato de ter ideia nada mais é que a observação.

19 - revistablogosfera.com.br


@pinkskulldesign

A PROBLEMÁTICA DA ROTINA E DO DESCANSO Eu lí um artigo muito interessante do designer canadense James White que fala muito sobre rotina e o poder dos dias de folga. O artigo se chama “Evenings, Weekends and Sick Days” ou algo como “As noites, fins de semana e Dias Doentes”. Está em inglês, mas nada que um tradutor não resolva. Leia este artigo para enriquecermos mais ainda este tema. Vivemos em uma tremenda correria. Trabalhar, estudar, cuidar de filhos, casa e afins. Precisamos desapegar do câncer chamado rotina. Aproveitar nossos momentos de lazer para nos dedicarmos aos nossos projetos pessoais. Precisamos nos divertir mais, sair com os amigos, namorar, precisamos nos dedicar a nós mesmos. Viver um pouco offline pode lhe ajudar a observar e ter grandes ideias. Sair da rotina também sig20

nifica descansar a mente. Não torne sua mente uma escrava, dê a ela a Carta de Alforria e ela com certeza lhe retribuirá trabalhando mais! Viu como tudo ainda está interligado como uma teia de aranha? Não se pode observar, analisar e ter grandes ideias sem trabalhar a si mesmo. Inspire para si os prazeres da vida. A PROBLEMÁTICA DA ORGANIZAÇÃO Um designer desorganizado perde em competência. Organize sua vida profissional, isso pode te render vários momentos de nostalgia. Organizar documentos antigos, por exemplo, pode lhe ajudar a retomar uma antiga ideia que teve anteriormente e que por algum motivo esqueceu. Isso já cansou de acontecer comigo, de retomar um trabalho que acabei deixando de lado. Faça isso e você se surpreenderá. A PROBLEMÁTICA DO AMOR E DO PRAZER Se você ama aquilo que você faz obviamente terá sucesso em criar. Mas o sucesso provém do trabalho.

iStockPhoto

Agora você terá a mais absoluta certeza que para ter uma ideia precisa partir de algum lugar. Parta da observação. Observar é ter uma grande ideia, e ter uma grande ideia é ter uma grande inspiração!


@pinkskulldesign / As problemáticas e a Teoria da Teia de Aranha: O Designer, a Inspiração e as Grandes Ideias.

Esqueça o ato de ter inspiração e busque o novo por si e para si. Fará seu trabalho ser mais valioso, que com certeza irá se divertir, irá querer mais, terá ideias originais e irá estimular seu próprio intelecto.

a compreender como evoluiu e como sua mente precisa de trabalho e tempo. Trabalhar a mente é se divertir.

Por tanto, pare de perder tempo com a palavra “inspiração”, pare de perder tempo tentando encontrar sua inspiração apenas em sites, busque dentro de você, busque com estudo e com trabalho árduo. Quem trabalha obtêm.

Uma mente fraca, sem trabalho, organização, descanso, observação e análise não poderá ter boas ideias. Ainda estamos em uma teia de aranha.

Torne a criação e o ato de ter ideias prazerosas, rabisque, pinte, faça isso ouvindo música, em um canto só seu, longe do ambiente profissional, longe da correria do dia a dia, longe da rotina. Ouvir música e rabiscar pode te dar boas ideias como já aconteceu comigo várias vezes. A PROBLEMÁTICA DA MENTE

iStockPhoto

Trabalhe sua mente. Leia livros, revistas, veja documentários, séries de TV, novelas, filmes, entre outros. Divirta-se vendo coisas que gosta na internet e aproveite também para olhar seus trabalhos anteriores. Isso ajuda você

A TEORIA DA TEIA DE ARANHA

A Teoria da Teia de Aranha abordada e criada com base em minha vivência pessoal e profissional é apenas uma forma amplamente simples de mostrar como tudo na vida do designer é interligado. É um eterno ciclo sem fim alimentado pela nossa mente e coração. Alimente seu talento e faça crescer cada vez mais o profissional que existe em você. E se é um ciclo, “De onde vêm as boas ideias”? Esta é a minha teia de aranha, crie a sua também e tenha uma grande ideia! Bella Felix estuda Design Gráfico, é blogueira, pseudo-escritora, viciada em RPG e animes, desenha, devora livros e é rata de biblioteca assumida. Autora dos blogs Pink Skull Design e The Black Element. 21 - revistablogosfera.com.br


iStockPhoto

@SiteseBlogs

Porque você não precisa de inspiração para escrever os seus artigos

O

uço (leio) muitas vezes que é preciso estar inspirado para poder escrever artigos para blogs. Mas isso não é bem verdade, e este artigo é a prova disso. Quando recebi o convite do Gustavo Freitas para escrever este artigo, marquei na minha 22

agenda a data limite de envio. No entanto, cometi um pequeno lapso: enganei-me na data, e no dia D ainda não tinha escrito uma única palavra. Aliás, foi preciso um mail do Gustavo para me relembrar que tinha de escrever este artigo.E agora? Como vou eu


@SiteseBlogs / Porque você não precisa de inspiração para escrever os seus artigos

escrever um artigo sobre inspiração para escrever artigos, se não sinto inspiração nenhuma para escrever sobre esse assunto neste momento? Boa pergunta, não é? Na realidade, se você quer ser produtivo, deve aprender a dissociar “inspiração” e “escrita”.

Precisa de fazer prova de criatividade para montar este móvel? Precisa de estar inspirado? Não. Você apenas precisa de um bom guia, de um bom plano passo a passo.

O que é que isto tem a ver com escrever um artigo para um blog? É simples:Escrever um Eu vou explicar-lhe porquê, mas artigo de blog é como monantes disso tenho de lhe falar da tar um móvel da IKEA.

O ato de escrever não passa de uma montagem. Você junta as suas ideias seguindo um plano bem definido. IKEA...Porquê IKEA? Como não sabia o que escrever, fui beber um café. Peguei numa revista que estava em cima da mesa do bar. Ao folher a revista, deparei-me com uma publicidade da IKEA. Você já comprou algum móvel na IKEA? Um armário por exemplo. Você chega a casa com uma embalagem enorme. Abre a embalagem. Pega no guia de montagem, e segue religiosamente as instruções para montar o armário. Pergunta muito importante:

O ato de escrever não passa de uma montagem. Você junta as suas ideias seguindo um plano bem definido. Isso significa que você deve colher ideias ANTES de escrever. A colheita de ideias é um ato de criatividade. É a esse nível que intervem a inspiração e a criatividade. Não na hora de escrever. Eu explico: 1 – Colheita de Ideias Muitos procuram as ideias na 23 - revistablogosfera.com.br


@SiteseBlogs

hora de escrever. Instalam-se em frente ao computador e esperam pela inspiração.

Assim que você lê ou vê algo de interessante, anote! Anote o mais possível!

O problema, é que não há pior local para ficar inspirado e encontrar ideias para artigos.

O objetivo é de anotar o máximo possível de ideias. Dezenas de ideias. Todos os dias.

Mas isso você já deve sabê-lo. Verdade?

Quando você tem toneladas de anotações, apenas lhe resta juntá-las para obter um artigo para o seu blog. Da mesma forma que faz a montagem de um móvel comprado na IKEA.

E ao contrário? Quantas ideias incríveis para artigos você teve quando fazia outra coisa que não tentar escrever (as suas compras, tomando café com amigos, lendo uma revista, vendo um filme, lendo um livro, etc)? Percebeu onde quero chegar? A inspiração não se procura. Ela vem por ela própria! Conclusão: tenha sempre consigo algo para anotar ideias. Assim que a inspiração bate à porta. Assim que uma ideia genial aparece.

Essa montagem é a escrita! E a forma mais simples e rápida de fazer essa montagem é seguindo um plano. Ou seja... 2. use uma estrutura de artigo O que é uma estrutura de artigo? É um plano que deve seguir, para conseguir redigir um artigo muito rapidamente: Aqui fica um exemplo: Título: X erros que impedem o seu blog de _________ Introdução: - relembrar o desejo (o que o leitor procura) - relembrar os riscos que corre se

24

iStockPhoto

Quantas vezes você ficou plantado em frente ao seu computador, tentando ter ideias para um artigo, sem obter resultados?


@SiteseBlogs / Porque você não precisa de inspiração para escrever os seus artigos

não conseguir obter o que procura. - Adicionar uma frase que explique que existem X erros que o impredem de conseguir - Incite a que leiam o resto do artigo Erro 1: - Qual é o erro? - Porque é um erro? - Como o evitar? Erro 2: - Qual é o erro? - Porque é um erro? - Como o evitar? Etc ... A vantagem de uma estrutura deste tipo é que basta segui-la para escrever o seu artigo. Você pega nas suas anotações, nas suas ideias e junta tudo seguindo o plano. Como um móvel comprado no IKEA. Já não existe dúvidas quando se sabe exatamente o que deve

escrever. Nicolas BOILEAU (poeta francês do século XVII) exprimia-o assim: “Antes de escrever, aprendei a pensar” Você me dirá que isso não chega. Além de pensar, é preciso escrever com estilo. Eu concordo... Mas, você sabe qual é a melhor forma de escrever com estilo? Aqui está ela: 3 . Escreva simples Vou citar-vos mais um escritor francês do século XII: Goerge Buffon (não tenho culpa de ter crescido por aqueles lados): “O estilo nada mais é do que a ordem e o movimento postos em seus pensamentos.” Escreva de forma simples, da forma mais simples possível. Você não é nenhum escritor do século XII. Você não escreve literatura. Você escreve artigos práticos, informativos. Olhe, por exemplo, para a minha forma de escrever. Para o meu estilo:

25 - revistablogosfera.com.br


@SiteseBlogs

2. Exprimo uma ideia por frase. Para exprimir 5 ideias, escrevo 5 frases. É mais simples e mais fácil de perceber. 3. Eu vario o comprimento das frases para dar ritmo. E adiciono também frases muito curtas, sem verbos. Como esta.

Uma vez as ideias anotadas, você apenas tem de as juntar seguindo um plano. Como se da montagem de um armário da IKEA se tratasse. Escreva sempre o seu artigo da forma mais simples possível. O mais importante é de anotar quando se sente inspirado. O resto é uma questão de seguir o plano!

iStockPhoto

1. As minhas frases são compostas de um sujeito, de um verbo e de um complemento. Raramente mais.

Uma criança de 10 anos poderia fazer o mesmo. Conclusão Não misture “inspiração” e “escrita”. A inspiração intevem unicamente na colheita de ideias. É um trabalho que se faz a montante, e de forma inconsciente. Deixe as ideias aparecer e anote-as.

Hugo Costa Técnico de manutenção informática fulltime, apaixonado pela web 2.0, php, css, blogosfera e internet marketing. No Twitter em @SiteseBlogs e no meu mais recente projeto www.siteseblogs.com

Design Gráfico | Design de Produtos | Ambientes Fotorealistas | Digitalização de Altos Volumes (GED)

273264-4404 26

| 9984-0303 | www.fabricadeimagem.com.br / twitter @fabricadeimagem


@arthurius_maxim / Dez Direitos e Deveres do blogueiro consciente

Dez Direitos e Deveres do blogueiro consciente Assim como em qualquer atividade humana, é o bom senso que dita: você não deve fazer aos outros o que não gosta que façam a você.

M morguefile

uitas listas já foram escritas sobre o assunto e muito se fala na Blogosfera a respeito disso. Por suas próprias características de individualidade e pulverização, muitos blogs brasileiros ainda carecem de uma visão mais ética e profissional por parte de seus editores. Mas, mesmo você não querendo se transformar em um problog-

ger e pense no seu blog apenas como um repositório de seus anseios e ideias; é importante atuar na blogosfera seguindo alguns conceitos éticos comuns, mas muito importantes. Eles podem ser concentrados em dez direitos e deveres que todo o blogueiro deve ter em mente. Mas, se pensarmos bem, essa lista serve tanto aos deveres quanto aos direitos. 27 - revistablogosfera.com.br


@arthurius_maxim

Pois, assim como em qualquer atividade humana, é o bom senso que dita: você não deve fazer aos outros o que não gosta que façam a você. Logo, todo blogueiro tem o direito e o dever de: 1) Expôr seus pensamentos livremente conforme seus ideias e sua visão de vida. Afinal, porque o leitor vai se interessar pelo seu blog se ele é apenas a repetição de velhos clichês e do discurso pasteurizado da “Grande Mídia”. 2) Ser criativo e não plagiar textos alheios dando asas a sua imaginação sem se preocupar com a crítica alheia. Pois o plágio, além de crime, consiste no pior atestado de incompetência que um blogueiro pode emitir. 3) Censurar comentários ofensivos a você ou aos seus leitores. É sempre bom lembar que a liberdade de expressão deve ser acompanhada de educação, civilidade e respeito ao próximo e, como blogueiro, é de sua responsabilidade a manutenção de um ambiente de debate respeitoso e sadio no seu blog. 4) Responder aos seus comentários. Educação e respeito nunca são demais. É fundamental responder aos comentários dos seus leitores. Se eles ofereceram

28

um pouco de seu tempo ao seu texto, nada mais justo que você faça o mesmo. É claro que você não vai sair por aí respondendo comentários sem sentido ou spams; mas, é vital cativar e reverenciar o bom comentarista. 5) Respeitar o seu leitor é sempre o elemento chave de qualquer publicação. Afinal de contas, é para ele que você escreve. Se não fosse assim, para que ter um blog? Melhor seria manter um diário trancado na gaveta. É o leitor o verdadeiro dono do blog e a razão dele existir. 6) Ser cordial e prestativo com seus colegas blogueiros. Salvo raríssimas exceções, a blogosfera é um ambiente de grande colaboração e entendimento. Manter uma convivência cordial e colaborar sempre que possível com seus conhecimentos é fundamental para a criação de uma boa reputação no meio. 7) Atualizar-se, ler muito e escrever de forma minimamente aceitável. Pois, mesmo que seu blog seja apenas um passatempo, nada é mais terrível do que um texto repleto de erros primários de ortografia e concordância. Leia bastante, mantenha-se atualizado no assunto que você aborda em seu blog e procure revisar sempre os seus textos antes de publicá-los.


@arthurius_maxim / Dez Direitos e Deveres do blogueiro consciente

morguefile

8) Divulgar o seu blog com bom senso. Para um blogueiro, nada mais sensacional e brilhante do que o seu blog. É seu dever e seu direito divulgá-lo de todas as formas possíveis e imagináveis. Contudo, é fundamental evitar fazer spam e encher listas de discussão e caixas de e-mail alheias com links para seus artigos. O efeito será virtualmente o oposto ao desejado: ninguém vai querer ler “aquele chato”. 9) Link sempre suas fontes ou outros blogs que, de alguma forma, tenham contribuído com você. Um link é como “uma ponte” que une sites na Internet. Em seu blog ele serve para dar relevância aquilo que você escreve (ao complementar um artigo ou uma informação sua) ou para indicar um outro blog que lhe inspira. A máxima é simples: link e seja “linkado”. Todo mundo ganha com isso. Mas, lembre-se: o bom senso deve ser usado sempre. 10) Não viva apenas para o seu blog. Lá fora há muito acontecendo. E é de lá que veio a inspiração para iniciar o seu trabalho. Logo, tire férias de vez em quando e viva uma vida plena, dentro e fora da blogosfera.

Como qualquer lista já publicada, esta também não tem a pretensão de ser definitiva. No máximo, almeja ser uma orientação e uma indicação do caminho a ser seguido. Construir uma reputação na blogosfera baseada em um comportamento ético, respeitoso e profissional (mesmo quando se deseja permanecer amador) é algo importante e bem-vindo; até porque, só uma pessoa tem a ganhar com isso: você mesmo. Arthurius Maximus Carioca, estudou Letras e é Colunista da revista espanhola Brazilcom Z http://www.revistabcz.com dedica-se a escrever livros e seus blogs: http://www.contosancestrais.com http://www.visaopanoramica.com

29 - revistablogosfera.com.br