Issuu on Google+

“Apenas com a união de todos em torno do bem comum é possível prosperar” Silvana Artioli Schellini durante cerimônia de posse como diretora da Faculdade de Medicina. Gestora quer ênfase na participação de todos os segmentos que compõem a instituição. Páginas 8 e 9

Viagem à China estreita parcerias nas áreas de saúde e educação

Laboratório faz diagnóstico para doenças do equilíbrio

Os professores Sérgio Swain Müller, diretor da FMB)e Emílio Carlos Curcelli, superintendente do Hospital das Clínicas da FMB, estiveram em visita à China. Eles fizeram parte de uma delegação brasileira que contou com a presença, também, do prefeito de

Para diagnosticar precocemente e tratar da maneira adequada pacientes com esse tipo de sintoma, o Hospital das Clínicas da Faculdade deMedicina de Botucatu (HCFMB) implantou seu Laboratório de Avaliação do Equilíbrio Corporal – ligado à Disciplina de Otorrionolaringologia. Foram investidos, pela Superintendência do HCFMB, cerca de R$ 40 mil para aquisição de equipamentos computadorizados e contratação de profissionais. Em janeiro deste ano entrou em funcionamento a nova estrutura. Página 13

Mulheres com HIV mostram rejeição a preservativo

Botucatu, João Cury Neto, que prospectou parcerias para o futuro Parque Tecnológico do município. O objetivo da viagem ao país asiático foi firmar parcerias na área acadêmica e conhecer a realidade da rede de saúde e hospitais chineses. Página 3

Com apoio da Fundação UNI, SAMU começa a operar na região

Investigação dos distúrbios do equilíbrio corporal inclui diversas etapas

A Fundação UNI – vinculada à Faculdade de Medicina de Botucatu/Unesp (FMB) participou diretamente de mais um importante avanço para a saúde pública da região. Foi inaugurado dia 27 de julho, o espaço onde funcionará a Central de Regulação do

SAMU (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência). O imóvel, localizado na região central de Botucatu e onde antes funcionava o ARE (Ambulatório Regional de Especialidades), também abrigará o Espaço Saúde “Profª. Dra. Cecília Magaldi”. Página 11

Diretoria Clínica do HCFMB conta com nova gestão

Fatores associados ao uso e percepções de mulheres vivendo com HIV/Aids sobre o preservativo feminino foi o tema abordado pela pesquisadora Marli Teresinha Cassamassimo Duarte, professora do Departamento de Enfermagem da Faculdade de Medicina de Botucatu/Unesp (FMB) em um trabalho apresentado e premiado durante congresso nacional sobre doenças sexualmente transmissíveis. A apresentação oral, que concorreu na categoria “tema livre”, é um recorte da tese de doutorado da autora e conquistou o 2º lugar no evento. Página 13

Página 14

FMB inicia curso para formação contra o crack Página 12

Alunos mostram como funciona o curso de Medicina

Galeria presta homenagem a ex-diretores

Página 2 Página 4

Galeria inaugurada na sala de reunião da direção da Medicina/Unesp contém retratos de todos os diretores


2

Faculdade de Medicina

Novos cipeiros irão afixar mapas de risco nas dependencias da FMB Na primeira reunião da nova composição das Comissões Internas de Prevenção a Acidentes de Trabalho (Cipa) da Faculdade de Medicina de Botucatu/Unesp (FMB) e do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu e também da Fundação para o Desenvolvimento Médico e HospitalarFamesp-, realizada dia 12 de julho, teve início a distribuição dos mapas de riscos a incidentes no trabalho dentro da FMB. Os gráficos, elaborados durante a gestão anterior das Cipas FMB/ HCFMB e Famesp, traçam pontos propensos e a que tipos de ocorrência nas dependências da faculdade. Em breve, esse material será afixado nos locais como forma de orientar A atual presidente da Cipa FMB, Maria Emília Pereira, e funcionários quanto aos riscos exisa ex-responsável pela comissão da faculdade, enfermeira tentes nos locais e sua intensidade, Miriam Paiva, recebem os mapas de riscos dos presidentes que varia entre pequeno, médio e da Cipa Famesp, Rita de Cássia Athanázio e Carlos Ramos grande. A validade dos mapas é de doze meses. saúde- como no caso da FMB e do HCFMB- realizar Segundo a presidente da Cipa Famesp, Rita de levantamento de pontos que possam comprometer Cássia Heliodoro, nas próximas semanas os cipeiros a segurança de seus colaboradores e usuários. “Esse devem iniciar a colocação de tais mapas nas seções mapa é uma exigência prevista em lei e tem o total do HCFMB junto com integrantes do Serviço Es- respaldo da Reitoria da Unesp. Quando as pessoas pecializado em Segurança e Medicina do Trabalho se deslocam pelas dependências das unidades, não (SESMT) da fundação. “Os integrantes das comissões sabem que há diferentes tipos de riscos”, complementa. irão agendar horários para a colocação dos mapas As duas presidentes ressaltam ainda que a coe também irão conversar com as pessoas dos locais laboração dos chefes de seções e departamentos é para levantarem demandas e elaborar plano de sug- essencial para o sucesso da implantação dos mapas. estões para se evitar acidentes. Com isso esperamos Nas próximas reuniões das Cipas deverão ser retomelhorar a saúde e segurança do trabalhador da madas as conversas para a elaboração do documento universidade e da Famesp”, disse. que apontará os pontos de risco ao trabalhador no Para Maria Emília Pereira, presidente da Cipa da Hospital das Clínicas e também sobre atividades da Faculdade de Medicina, é imprescindível às institu- comissão, como a Semana Interna de Prevenção a ições voltadas ao ensino e prestação de serviços à Acidentes de Trabalho (Sipat).

Oportunidade

Workshop oferece contato de vestibulandos com a Medicina Estudantes do Ensino Médio e vestibulandos poderão conhecer toda a estrutura de ensino do curso de Medicina oferecido pela Faculdade de Medicina de Botucatu/Unesp (FMB). Ocorre, dias 13 e 14 de agosto, a terceira edição do Workshop de Medicina, evento que visa aproximar estudantes da vida universitária. A organização é do Centro Acadêmico Pirajá da Silva (CAPS) e da Associação Atlética Acadêmica Carlos Henrique Sampaio de Almeida (AAACHSA). Entre palestras e aulas práticas, os participantes terão a oportunidade de conhecer áreas específicas do curso de graduação em Medicina como anatomia, patologia e parasitologia. Também receberão informações sobre primeiros socorros, exames clínicos, técnicas cirúrgicas e noções vitais básicas. O evento, nos dois dias, ocorre das 8 às 17 horas na Central de Salas de Aula da FMB e também no Laboratório de Anatomia do Instituto de Biociências, ambos no campus da Unesp em Rubião Júnior. A expectativa da organização é reunir mais de 150

alunos das redes pública e particular de ensino. Serão distribuídos kits informativos sobre a Faculdade de Medicina e das associações representativas dos alunos. Segundo Paulo Henrique Gregório, membro do CAPS e organizador do workshop, tanto as palestras quanto as demonstrações práticas pretendem incentivar alunos a conhecerem melhor as áreas que pretendem cursar na universidade. Além disso, o contato com já graduandos também auxilia através de relatos de vivências e experiências dentro da faculdade. “Essa mostra do que é a Medicina, o curso em si, é um artifício a mais para que o vestibulando conheça mais sobre essa área e a estrutura oferecida pela Faculdade de Medicina”, enfatizou. Inscrições para o 3º Workshop de Medicina devem ser feitas exclusivamente e de forma antecipada pelo site www.inscricoes.fmb.unesp.br. Informações podem ser obtidas também pelo endereço eletrônico ou pelo telefone (14) 3811-6020. Taxas de participação são de R$ 25 e R$ 55 para alunos da rede pública e particular, respectivamente.

Curtas

Curso de Mandarim na Medicina/Unesp Com o processo de internacionalização da Unesp caminhando a passos largos, o domínio de línguas estrangeiras passou a ser uma prioridade para seu público acadêmico. Na Faculdade de Medicina de Botucatu/Unesp (FMB) - que já conta com um escritório de relações internacionais desde 2009 - será oferecido, a partir de 15 de agosto, aos alunos, membros da comunidade interna e demais interessados, um curso de mandarim. As aulas serão realizadas duas vezes por semana, das 12h20 às 14h. O projeto será viabilizado através de um convênio com o Instituto Confúcio na Unesp – parceria da universidade paulista com o Governo da República Popular da China e Universidade de Hubei. A capacitação, que será realizada na nova Central de Salas de Aulas da FMB, dará ênfase à conversação e à escrita em ideogramas. No nível básico, o aluno estudará as formas de apresentação pessoal, verbos, números, gramática, tons de pronúncia e noções de direção para se orientar em aeroportos, hotéis, táxi e outras atividades do cotidiano. No intermediário, com uma melhor qualidade na leitura, o vocabulário torna-se mais vasto, ampliando as habilidades no idioma. E no avançado, o foco é na fluência e na capacidade de expressar e entender assuntos, como atualidades, cultura, política e filosofia. Serão seis módulos (dois por nível). O curso já é oferecido na Faculdade de Ciências Agronômicas da Unesp (FCA), pela mesma professora que ministrará aulas na FMB, a estudante de mestrado em Filosogia Chinesa, da Universidade de Hubei, Chen Jianan.

Pediatria promove festa junina a pacientes

Uma tarde diferente. Foi assim que mais de 40 crianças internadas na enfermaria de pediatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu/Unesp (HCFMB) passaram o dia 28 de junho. Com muita comida típica entre salgados, doces e também refrigerantes, os pequenos pacientes ganharam uma Festa Junina promovida por servidores do setor e colaboradores diversos do hospital e também de Botucatu. O local do ‘arraiá’, como em todos os anos, foi o espaço de lazer e playground da enfermaria. Todas as crianças que puderam estar presentes se vestiram com roupas e chapéus típicos, além de pintarem os rostos com bigodes e sardas. “Elas puderam sair da rotina hospitalar e, independente da religião, as crianças tiveram uma tarde animada e agradável. Isso ajuda na recuperação enquanto internadas”, ressalta Maria Aparecida Jesus Miranda, recreacionista da enfermaria de pediatria. Segundo ela, a festa teve a colaboração de voluntários e recebeu doações da Associação dos Servidores da Unesp, Fundo Social dos Servidores da Unesp, Paróquia Nossa Senhora de Fátima, deputado federal Milton Monti, Grupo Sempre Viva e comércio local. Já está em preparação a festa para o Dia das Crianças, em outubro, e Maria Aparecida realça que todos podem colaborar. Basta entrar em contato pelo telefone (14) 3811-6228.

Medicina é o curso mais concorrido da Unesp

FMB já formou mais de 3.700 médicos e tem o curso mais procurado da Unesp com relação de 118 candidatos/vaga no vestibular 2011 junho/julho

2011

Vice-Reitor no exercício da reitoria: Julio Cezar Durigan

Faculdade de Medicina de Botucatu

Diretora: Silvana Artioli Schellini Vice-diretor: José Carlos Peraçoli

Superintendente do HCFMB: Emílio Carlos Curcelli Chefe de Gabinete do HCFMB: Irma de Godoy

Jornal da FMB

Curso de graduação mais concorrido da Unesp nos últimos anos, Medicina registrou no vestibular desse ano mais de 11.600 concorrentes por 90 vagas, o que gerou relação de 118 candidatos/vaga. Em seus 48 anos de existência, a FMB já formou mais de 3.700 médicos, 1.800 especialistas em seus programas de residência, além de 1.065 mestres e 541 doutores.

Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”

Presidente da Famesp: Pasqual Barretti Vice-presidente: Shoiti Kobayasi O Jornal da FMB é uma publicação mensal da Faculdade de Medicina de Botucatu/Unesp e das fundações, unidades médico-hospitalares e de pesquisas a ela vinculadas. Sugestões, comentários e colaborações devem ser encaminhadas à Assessoria de Comunicação e Imprensa da FMB/Unesp pelo endereço imprensa@fmb.unesp.br. ou telefone (14) 3811-6140 ramais 120 e 123. Assessoria de Comunicação e Imprensa- Leandro Rocha (MTB-50357) Produção, editoração e impressão: G3 Gráfica & EditoraRua Jorge Barbosa de Barros, 163- Jardim Paraíso-Botucatu-SP Reportagens: Flávio Fogueral (MTB- 34927) Fotografia: Flávio Fogueral, Fotografia AG Unesp Botucatu e Arquivo ACI/FMB


3

Faculdade de Medicina

Diretores da Medicina/Unesp e HCFMB buscam parcerias para ensino e pesquisa em visita à China Os professores Sérgio Swain Müller, diretor da Faculdade de Medicina de Botucatu/ Unesp (FMB) e Emílio Carlos Curcelli, superintendente do Hospital das Clínicas da FMB, estiveram em visita à China entre os dias 21 e 30 de junho. Eles fizeram parte de uma delegação brasileira que contou com a presença, também, do prefeito de Botucatu, João Cury Neto, que prospectou parcerias para o futuro Parque Tecnológico do município. O objetivo da viagem ao país asiático foi firmar parcerias na área acadêmica e conhecer a realidade da rede de saúde e hospitais chineses. Foram feitos contatos com diversas instituições de ensino para viabilizar o intercâmbio de alunos e o desenvolvimento de pesquisas em conjunto. Após esse primeiro contato feito pelos professores Müller e Curcelli, o Escritório de Relações Internacionais da FMB seguirá com o diálogo em busca de um acordo bilateral. O roteiro da delegação contou com visitas à Peking University Health Sciences Center; School of Medicine - Tsinghua University; Huazhong University of Science and Technology; Biological Industry Base e também estiveram em Wuhan, onde participaram, na Universidade de Hubei, da abertura do Curso de Verão 2011 para alunos brasileiros vinculados ao Instituto Confúcio da Unesp que passarão quatro semanas na China aprendendo mandarim. Na cerimônia, professor Sérgio Müller representou o vice-reitor no

Professor Sérgio Müller durante reunião com o vice-reitor da Universidade de Hubei, professor Wang Shimin

Delegação brasileira participou da cerimônia de abertura do Curso de Verão 2011, na Universidade de Hubei, em Wuhan

exercício da Reitoria da Unesp, Júlio Cézar Durigan. Curso de Verão – Neste ano, 32 alunos regularmente matriculados nos cursos de mandarim firmar parcerias na área oferecidos pelo Instituto Confúcio em 10 câmpus da acadêmica e conhecer a Unesp - inclusive Botucatu - além de outras institurealidade da rede de ições conveniadas, participarão do Curso de Verão 2011, realizado na Univerisidade de Hubei – institusaúde e hospitais chineses ição parceira. A capacitação, realizada anualmente, em julho, oferece aulas de língua e cultura chinesa, caligrafia, artes marciais, culinária, introdução à medicina chinesa, geografia e muitas outras disciplinas, mescladas com viagens culturais e visitas em lugares históricos daquele país. Os alunos permanecem na China com as despesas pagas através de uma bolsa oferecida pelo Instituto Confúcio. Somente a viagem e os passeios realizados durante o curso é que são pagos pelos estudantes. Todo ano são abertas inscrições aos interessados, que precisam ter cursado, pelo menos, um semestre do curso de mandarim no Brasil. Caso haja mais demanda que a oferta de vagas, é realizado processo seletivo através de uma prova de mandarim aplicada pelo próprio professor da unidade onde o aluno está matriculado. Também são oferecidas bolsas com um ano de duração. Professor Luis Antônio Paulino, diretor do Instituto Confúcio da Unesp cita que o interesse pelo mandarim tem crescido de forma significativa. “Isso se deve, provavelmente, à importância que a China tem conquistado no mundo e ao crescimento das relações com o Brasil”, avalia. O mandarim é a língua falada por quase um quarto da humanidade.

Objetivo da viagem foi

Sobre o Instituto Confúcio O Instituto Confúcio na Unesp chega a São Paulo como resultado de um convênio entre a UNESP - Universidade Estadual Paulista e o governo da República Popular da China, em parceria com a Universidade de Hubei. Sua missão é o ensino da língua chinesa, a divulgação da cultura e da história do país e o fortalecimento do intercâmbio cultural e acadêmico com o Brasil.

Relações Exteriores

Aluno de Enfermagem é selecionado para intercâmbio em Portugal Mais um aluno do curso de Enfermagem, da Faculdade de Medicina de Botucatu/Unesp (FMB), se prepara para passar uma temporada fora do Brasil serão cinco meses na Universidade de Évora, em Portugal, estudando com todas as despesas pagas. Jeslei Vanni (33), que está no terceiro ano, foi selecionado para receber os incentivos através do Programa de Bolsas da Assessoria de Relações Externas da Unesp (Arex). O intercâmbio será viabilizado por meio de um acordo de cooperação entre a Unesp e a Universidade de Évora. O estudante permanecerá em Portugal entre setembro de 2011 e fevereiro de 2012, recebendo 500 euros mensais. Suas despesas com passagem aérea e seguro saúde estão inclusas na bolsa. Jeslei, que terá como tutora a professora Magda C. Queiroz Dell’acqua, do Departamento de Enfermagem da FMB, confessa estar bastante ansioso. “Acredito que essa viagem vai mudar muito minha

condição profissional e também pessoal. Será uma oportunidade importante para cursar disciplinas extras e aprimorar ainda mais minha formação”, afirmou. Para estar entre os selecionados, o estudante precisou comprovar que havia cursado, no mínimo, 50% de seus estudos em escolas públicas; ter notas cuja média fosse igual ou maior que 7 e estar entre os 30 primeiros colocados da turma. Durante todo o processo ele recebeu apoio do Escritório de Relações Internacionais (ERI) da FMB. Em Portugal, o graduando ficará inicialmente em um alojamento temporário e depois terá de providenciar um imóvel para morar. “Através de redes sociais já fiz contato com alguns brasileiros que estudam na Universidade de Évora e obtive algumas informações sobre a faculdade e a cidade onde vou ficar. Isso ajuda um pouco”, comentou o estudante.

Jeslei Vanni com a responsável pelo ERI da FMB, Karina Chamma junho/julho

2011


4

Faculdade de Medicina

Inaugurada galeria de retratos dos diretores e vice-diretores Foi inaugurada, dia 11 de julho, a galeria dos ex-diretores e vice-diretores da Faculdade de Medicina de Botucatu/Unesp (FMB). Os retratos, organizados a partir da gestão do professor José Carlos Souza Trindade ( janeiro de 1977/julho de 1980) foram instalados na sala de reuniões do gabinete da Diretoria. O então diretor da FMB, professor Sérgio Swain Müller, disse durante a cerimônia que essa é a última etapa da série de ações para preservação da memória e história da faculdade durante seu mandato. Os retratos dos gestores que comandaram a escola entre 1962 e 1976 serão afixados na sede do Grupo Administrativo do Campus (GAC). Ele mencionou, como exemplo, a construção do Centro de Memória e Arquivo, que abrigará, além dos processos que já não ficam mais acumulados nas seções, um acervo de objetos que fazem parte da história da instituição. “A historiadora Isaura Bretan já trabalha na classificação de mais de 6 mil imagens digitalizadas, que ficarão disponíveis para pesquisa”, comentou. Com o tempo, vamos digitalizar também nossos processos em papel”, colocou Müller. O diretor ainda fez referência à galeria dos professores eméritos, inaugurada em abril de 2011 no saguão de acesso à sala de reuniões da Congregação e também ao projeto que deu os nomes de alguns professores da FMB a ruas do Câmpus de Rubião Júnior. Para o professor emérito da FMB, William Saad Hossne (diretor de julho de 1984 a agosto de 1988), a iniciativa da atual gestão é válida, pois reconhece o esforço que os diretores e seus vices empregaram no desenvolvimento da instituição nas últimas décadas. “E não são ações de apenas uma ou duas pessoas (diretor e vice), mas de toda a faculdade”, declarou.

“Não são ações de apenas uma ou duas pessoas (diretor e vice), mas de toda a faculdade

Willian Saad Hossne, sobre a homenagem recebida pela FMB

O professor emérito Domingos Alves Meira, filho do professor João Alves Meira – primeiro diretor da ainda Faculdade de Ciências Médicas e Biológicas de Botucatu (FCMBB) – salientou ter conhecido o “marco zero” da instituição. “Tenho muito orgulho em ter contribuído com um ou dois tijolos nessa obra (Faculdade de Medicina). Professor Sérgio plantou uma semente importante (preocupação com a memória da escola) para que os próximos diretores deem continuidade. Tenho muito orgulho de fazer parte dessa família”, frisa. Participaram da inauguração da galeria, os ex-diretores Domingos Alves Meira (agosto de 1970 a agosto de 1974), William Saad Hossne ( julho de 1984 a agosto de 1988), Paulo Eduardo de Abreu Machado ( junho 1997 a junho 2001), Hamilton da Rosa Pereira (vice-diretor de junho 1997 a junho 2001), Dinah Borges de Almeida ( junho de 1989 à junho de 1993), Luiz Antônio Vane ( junho de 1993 a junho de 1997), Pasqual Barretti (diretor pró-tempore - fevereiro a junho de 2005), Joel Spadaro ( junho de 2005 a junho de 2007) e Antônio Rugolo Júnior ( junho a julho de 2007).

Antigos diretores da Faculdade de Medicina receberam homenagem e tiveram seus nomes eternizados em uma galeria de fotos instaladas na sede da FMB

Pesquisa

Memória

Medicina/Unesp presta homenagem a professores que cedem nomes às ruas do campus Famílias e representantes de professores pioneiros da Faculdade de Medicina de Botucatu/Unesp (FMB) foram homenageados na manhã do dia 8 de julho, pela contribuição dada à consolidação da universidade em suas trajetórias de ensino e pesquisas da instituição. São pessoas- por parte da FMB- que cedem, desde outubro de 2010, seus nomes às principais ruas do campus de Rubião Júnior. Foram lembrados, durante reunião da Congregação, os professores Mário Rubens Guimarães Montenegro, Cecília Magaldi, Armando Alves, Neuza Lima Dillon, Rubens Maria Lopes e José Roberto Negrão Kfouri. Cada representante desses professores recebeu uma placa das mãos do diretor da faculdade, Sérgio Müller, que frisou a importância de cada um dos homenageados durante a consolidação acadêmica da Unesp. Viúva do professor Mário Rubens Guimarães Montenegro- responsável pela criação e implantação da Faculdade de Ciências Médicas e Biológicas de Botucatu (FCMBB), embrião do que viria a ser a UnespEdy Montenegro frisou emocionada que cada uma das pessoas que emprestam seus nomes às ruas do campus. “A história de todas nossas faculdades não são lembradas apenas por nomes, mas sim pelo trabalho de cada uma dessas pessoas e pela contribuição que deram para o crescimento da universidade”, declarou. Representando a professora Cecília Magaldi, profª Dinah Borges de Almeida frisou que as homenagens são justas a aqueles que ajudaram a consolidar não somente a imagem da Faculdade de Medicina/Unesp frente à comunidade local e científica, mas que garantiram esforços para a tornar referência na área educacional.

Profª Edy Montenegro recebe placa de homenagem pelo professor emérito Mário Rubens Montenegro

Ex-diretora da FMB, Dinah Borges de Almeida recebe a placa para a professora emérita Cecília Magaldi

“A história de todas nossas

faculdades não são lembradas apenas por nomes, mas sim pelo trabalho de cada uma dessas pessoas

Edy Montenegro, sobre a cada um dos professores homenageados junho/julho

2011

Silvio Alencar Marques também representou um dos professores que emprestam o nome às ruas do campus

Projeto recebe dois equipamentos multiusuários para pesquisa experimental Os laboratórios de pesquisa experimental da Faculdade de Medicina de Botucatu/Unesp (FMB) foram contemplados com dois modernos equipamentos multiusuários, para procedimentos cardiológicos, cedidos pela Fapesp (Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de São Paulo). Já estão na unidade uma ultracentrífuga e um ecocardiógrafo que, juntos, somam R$ 300 mil em investimentos. A aquisição foi possível após aprovação de um projeto, coordeOs aparelhos serão nado pela professora Marina Politi usados nas instala- Okoshi, com a participação de outros pesquisadores do Departamento de ções que futuramente Clínica Médica da FMB que atuam na se transformarão na área de remodelação cardíaca e biologia molecular. Os aparelhos serão Unipex e UPEA usados nas instalações que futuramente se transformarão na Unidade de Pesquisa Experimental (Unipex) e Unidade de Experimentação Animal (UPEA) da FMB. Professora Marina explica que a análise das estruturas cardíacas e da função ventricular é habitualmente feita em animais de pequeno e médio portes, por meio de estudo ecocardiográfico. “Como se trata de técnica não invasiva, é possível realizar estudo longitudinal em avaliações seriadas do coração, com animais sob leve anestesia. Por isso solicitamos o equipamento para ecocardiograma que irá compor o parque da Unipex”, afirma. Em relação a centrífuga, a pesquisadora destaca que sua utilização se faz fundamental, pois o estudo dos mecanismos envolvidos na remodelação cardíaca e suas consequências sistêmicas implica na análise de estruturas intracelulares. “Através da centrífuga é possível observar a célula dividida em várias partes, sendo possível analisar seus componentes individualmente”, diz. O aparelho ficará disponível para pesquisadores de diversas áreas de pesquisa, incluindo os que trabalham em pesquisa clínica. Isso vale também para o equipamento de cardiologia. Ambos podem servir, inclusive, para pesquisas de outros centros. Interessados devem entrar em contato com a professora Marina Okoshi, através dos contatos: (14) 3811-2969 ou mpoliti@fmb.unesp.br.


5 Geral

Trajano Sardenberg assume chefia do Departamento de Cirurgia e Ortopedia Um dos maiores braços de ensino vinculados à Faculdade de Medicina de Botucatu/Unesp (FMB), o Departamento de Cirurgia e Ortopedia da instituição passa a contar com nova estrutura administrativa. Os professores Trajano Sardenberg e Érika Veruska Paiva Ortolan assumem a chefia e vice-chefia até 2013. Sardenberg substitui o professor Hamilton Rollo, de quem foi vice-chefe entre 2009 e 2011. A transmissão de cargo ocorreu dia 5 de julho, no auditório do departamento, em reunião presidida pelo diretor da FMB, prof. Sérgio Müller e com a presença do professor emérito da instituição, Humberto Maffei. Em seu discurso, o diretor frisou a colaboração que o departamento prestou durante sua gestão frente à Faculdade de Medicina (que se encerra em 19 de julho), além do apoio e trabalho para a transformação do Hospital das Clínicas em uma autarquia vinculada ao governo do Estado. “Esse é um momento em que precisaremos construir um novo modelo de relação entre a academia e a autarquia”, ressaltou. Prof. Müller ainda elencou que a missão universitária passa a contar com novos cenários de ensino e pesquisa aos alunos de Enfermagem e Medicina com o advento do novo Hospital Estadual Botucatu e Centro de Reabilitação a Dependentes Químicos (ambos em construção) e futuro AME- Ambulatório Médico de Especialidades. “Pela primeira vez na história da FMB temos a oportunidade de discutir a formação de nossos alunos com um cenário amplo e promissor de ensino”, disse o diretor. Cessante do cargo, prof. Rollo realçou que a característica principal de sua gestão foi a homogeneidade e o consenso de opiniões nas mais diversas questões acadêmicas dentro do departamento. “Procurei manter as reuniões abertas para equacionar as demandas em pesquisa e do ensino que surgem com o crescimento

da própria faculdade”, frisou. Responsável pela gestão do departamento nos próximos dois anos, prof. Sardenberg agradeceu sua indicação pelos colegas ao comando da seção e apontou alguns desafios durante o mandato. “É (o departamento) um dos mais complexos da faculdade. A melhoria de qualquer área de atuação da faculdade ou do hospital passa necessariamente pelo departamento. Temos como missão a estruturação de serviços médicos e também do próprio setor”, declarou o novo chefe. Uma das mais antigas divisões de ensino da Faculdade de Medicina de Botucatu, o Departamento de Cirurgia foi criado em 1965. Em 1977 foi reestruturado, abrangendo as áreas de Cirurgia Cardiovascular e Pulmonar, Cirurgia Geral e Gastroenterologia e Ortopedia e Traumatologia, passando a ter a denominação de Departamento de Cirurgia e Ortopedia. Posteriormente, foram criadas as áreas de Cirurgia Plástica e Cirurgia Pediátrica. Na área médica, coordena os programas de residência médica em Gastroenterologia Cirúrgica, Ortopedia e Traumatologia, Cirurgia Vascular, Cirurgia Cardiovascular, Cirurgia Torácica, Cirurgia Plástica, Cirurgia Pediátrica e Cirurgia Geral Também é responsável por seis programas de aprimoramento profissional nas áreas de Enfermagem em Cirurgia Cardiovascular, Terapia Ocupacional em Reabilitação Física, Fisioterapia, Perfusão e Circulação Extracorpórea em Cirurgia Cardiovascular, Laboratório em Doenças Vasculares e Cirurgia Plástica Experimental – Microcirurgia. A área acadêmica ainda contempla o programa de pós-graduação em Bases Gerais da Cirurgia e Cirurgia Experimental (Mestrado e Doutorado).

Gestão

Marina Okoshi e Gláucia Mazeto seguem no comando da Clínica Médica por mais 2 anos na política de pesquisa implantada durante sua gestão e que teve participação direta do Departamento de Clínica Médica. Destacou a criação dos laboratórios multiusuários em substituição à antiga cultura de que os experimentos deveriam ser coordenados por pequenos grupos ou áreas. “Também fomos a unidade da Unesp que mais captou recursos de alguns dos principais órgãos de fomento”, destacou. Professora Marina Okoshi, que permanece na chefia do departamento, ponderou que apesar de grande, o setor não é difícil de ser coordenado, já que todos compreendem suas atribuições no ensino, pesquisa e extensão. Marina Okoshi foi homenageada por sua atuação nas áreas acadêmica, Como uma das principais missões de seu mandato anterior, ela mencionou de pesquisa e pela colaboração na implantação do novo PS Adulto o início do treinamento dos alunos O Departamento de Clínica Médica da Faculdade de do 6º ano do curso de Medicina no Medicina de Botucatu/Unesp (FMB) – um dos maiores Pronto-Socorro Adulto “Dr. Virgínio José Lunardi”. “Contamos da instituição – continuará, até 2013, sob a chefia das com a colaboração de todo o departamento para essa ação. professoras Marina Politi Okoshi e Gláucia Maria Ferreira Já estamos na segunda turma e os alunos têm elogiado basda Silva Mazeto. O mandato anterior, de dois anos, havia tante”, colocou. sido cumprido também pelas médicas. A posse foi realizada na quarta-feira, 13 de julho, Novos leitos - A chefe do departamento aproveitou no solário do departamento, e contou com a presença para anunciar a abertura de 19 novos leitos, que poderão de professores e alunos. Professor Sérgio Swain Müller, ser usados também pela Clínica Médica. Serão 10 na enferdiretor da FMB, que participava da última cerimônia do maria e nove no Pronto-Socorro do HC, que serão ocupatipo durante seu mandato à frente da instituição, elogiou dos pelas especialidades tendo como critério a demanda. a atuação das responsáveis pelo setor. “Deveremos ter também, dentro de 30 dias, mais dois na Müller classificou o processo de reformulação do Unidade Coronariana. Os leitos não serão de nenhuma currículo do curso de graduação em Medicina como especialidade e ao mesmo tempo de todas, dependendo uma das tarefas mais importantes para os próximos anos. da demanda”, esclareceu. “A faculdade vive um momento bastante propício para Marina elenca ainda como avanços de sua gestão a que sejam feitos esses ajustes. Não seria possível pensar atualização dos equipamentos de informática do departaem uma abordagem diferente para o currículo se tivés- mento e a conclusão da reforma do solário. Nos laboratórios semos como cenário de ensino somente o Hospital das experimentais, lembrou ela, foram redistribuídos os espaços Clínicas”, disse. Ele se referia à participação da FMB na e contratados dois técnicos de nível 5 (com nível superior). gestão da rede básica de saúde, do novo Pronto-Socorro Ao final da cerimônia, professora Marina foi homenageada Adulto de Botucatu e também o Hospital Estadual de com uma placa entregue pela Direção da FMB. Foi uma Botucatu – em fase de construção. forma de reconhecer sua contribuição nas áreas acadêmicas O atual diretor ainda comentou sobre a mudança e administrativas e também na implantação do PS Adulto.

Ato de transmissão de cargo, realizado dia 5 de julho. Prof. Trajano terá mandato à frente do departamento de Cirurgia e Ortopedia até 2013

agenda 05/08/2011 - EVENTO 5º CONGRESSO DAS LIGAS ACADEMICAS DE BOTUCATU Local: Salão Nobre da Faculdade de Medicina de Botucatu - UNESP Horário: 8 horas contato: conligac@fmb.unesp.br 05/08/2011 - SOLENIDADE POSSE DO SUPERVISOR E VICE-SUPERVISOR DO CENTRO DE SAÚDE ESCOLA Local: Auditório do Centro de Saúde Escola Horário: 14:00 contato: dta@fmb.unesp.br 05/08/2011 - DEFESA DE TESE MARY DE ASSIS CARVALHO ACHADOS HISTOPATOLÓGICOS GÁSTRICOS EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES BRASILEIROS COM DISPEPSIA E INFECÇÃO POR HELICOBACTER PYLORI Programa: Patologia Orientador: Prof(a). Dr(a). MARIA AP. MARCHESAN RODRIGUES Local: AUDITÓRIO MARCO AURÉLIO - CLINICA MÉDICA Horário: 9 HORAS 08/08/2011 - CURSO SAÚDE BASEADA EM EVIDÊNCIAS PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE E ALUNOS Local: Laboratório de Informática do NEAD.TIS Horário: 18:30 às 20:00h contato: eldib@fmb.unesp.br 08/08/2011 - DEFESA DE TESE ANA LUCIA COGNI AVALIAÇÃO DAS METALOPROTEINASES 2 E 9 SÉRICAS COMO PREDITORAS DA REMODELAÇÃO VENTRICULAR SEIS MESES APÓS O INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO Programa: Fisiopatologia em Clínica Médica Orientador: Prof(a). Dr(a). Leonardo Antônio Mamede Zornoff Local: Solário “Dr. Tiberê Alves de Resende” Dep. de Clínica édica - FMB Horário: 9 HORAS 11/08/2011 - EVENTO CONGRESSO NIPO-BRASILEIRO DE ESTUDANTES DE MEDICINA Local: Salão Nobre da Faculdade de Medicina de Botucatu - UNESP Horário: 8 horas contato: mhida@fmb.unesp.br 12/08/2011 - DEFESA DE TESE LUCAS TADEU BIDINOTTO EFEITOS DAS DIETAS RICAS EM ÔMEGA-3 OU ÔMEGA-6 NA EXPRESSÃO GÊNICA DE NEOPLASIAS MAMÁRIAS DE RATAS SPRAGUE-DAWLEY SOB O TRATAMENTO COM TAMOXIFENO Programa: Patologia Orientador: Prof(a). Dr(a). LUIS FERNANDO BARBISAN Local: SALÃO NOBRE DA FMB Horário: 8 HORAS 13/08/2011 - EVENTO IV WORKSHOP DE MEDICINA FMB/UNESP Local: Salão Nobre da Faculdade de Medicina de Botucatu - UNESP Horário: 8 horas contato: workshopmedunesp@hotmail.com 15/08/2011 - DEFESA DE TESE FREDERICO HENRIQUE SOBRAL DE OLIVEIRA EFICÁCIA DO TRATAMENTO CIRÚRGICO NO TÓRAX INSTÁVEL: REVISÃO SISTEMÁTICA E METANÁLISE Programa: Bases Gerais da Cirurgia Orientador: Prof(a). Dr(a). Paulo Eduardo de Oliveira Carvalho Local: Solário da Enfermaria de Cardiotórax - HC - FMB - UNESP Horário: 8 HORAS 15/08/2011 - EVENTO SMAM 2011 - SEMANA MUNDIAL DE ALEITAMENTO MATERNO Local: Eventos no Boulevard, Salão Nobre Horário: 14 horas contato: não divulgado 16/08/2011 - DEFESA DE TESE STELLA BIANCA GONÇALVES BRASIL PISSATO AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ATENÇÃO BÁSICA NOS MUNICÍPIOS DO DEPARTAMENTO REGIONAL DE SAÚDE DE SOROCABA Programa: Saúde Coletiva Orientador: Prof(a). Dr(a). Elen Rose Lodeiro Castanheira Local: Anfiteatro do Departamento de Saúde Pública - FMB - UNESP Horário: 14 HORAS 16/08/2011 - DISSERTAÇÃO DE MESTRADO JOÃO ROCHA VILELA HISTEROSSONOGRAFIA EM MULHERES INFÉRTEIS CANDIDATAS ÀS TÉCNICAS DE REPRODUÇÃO ASSISTIDA Programa: Ginecologia, Obstetrícia e Mastologia Orientador: Prof(a). Dr(a). Anagloria Pontes Local: Sala Multiuso da Fundação de Ensino e Pesquisa em Ciências da Saúde - Brasília/DF Horário: 9 HORAS 18/08/2011 - DISSERTAÇÃO DE MESTRADO MÁRCIA PIMENTEL DE CASTRO PERFIL DE SOBREVIDA E ALTERAÇÕES NO ULTRASSOM TRANSFONTANELAR EM PREMATUROS MENORES QUE 32 SEMANAS Programa: Ginecologia, Obstetrícia e Mastologia Orientador: Prof(a). Dr(a). Lígia Maria Suppo S Rugolo Local: Escola Superior de Ciências da Saúde/Fundação de Ensino e Pesquisa em Ciências da Saúde - Brasilia/DF Horário: 9 HORAS 18/08/2011 - DISSERTAÇÃO DE MESTRADO MARTA DAVID ROCHA DE MOURA ALTERAÇÕES DO FLUXO SANGUÍNEO EM ARTÉRIA UMBILICAL NA SÍNDROME HIPERTENSIVA GESTACIONAL E SUAS IMPLICAÇÕES NO PERÍODO NEONATAL Programa: Ginecologia, Obstetrícia e Mastologia Orientador: Prof(a). Dr(a). Lígia Maria Suppo S Rugolo Local: Escola Superior de Ciências da Saúde/Fundação de Ensino e Pesquisa em Ciências da Saúde - Brasilia/DF Horário: 14H30

Informações detalhadas no site www.eventos.fmb.unesp junho/julho

2011


6

Faculdade de Medicina

Departamento de Patologia oficializa aposentadoria do professor João Lauro Camargo Após quatro décadas de vida acadêmica dedicada à Unesp, o professor do Departamento de Patologia da Faculdade de Medicina de Botucatu (FMB), João Lauro Viana de Camargo, foi homenageado dia 21 de julho, por colegas e anunciou sua aposentadoria da instituição. Acompanhado pela diretora da FMB, Silvana Artioli Schellini e seu vice, José Carlos Peraçoli, o professor teve como homenagem o descerramento de uma placa nas dependências do departamento e também o depoimento de colegas sobre sua trajetória profissional. Em suas palavras, a chefe do Departamento de Patologia, profª Maria Aparecida Custódio Descerramento de placa comemorativa ao trabalho prestado pelo Domingues, relembrou a tra- professor nas quatro décadas de dedicação à Faculdade de Medicina jetória profissional e de ensino do acadêmico que se aposenta. Também frisou a importância da relação de Camargo com Professor é fundador da o crescimento do departamento e da colaboração Associação Latino-Americana com a Faculdade de Medicina. “Somente trabalhando de Patologia Toxicológica ao lado de pessoas como o professor João Lauro é que percebemos a dedicação à formação de nossos João Lauro Viana de Camargo graduou-se alunos e à pesquisa dentro da patologia”, declarou. médico em 1971. Possui doutorado (1981) Já profª Silvana ainda fez um convite ao professor: pela Universidade Estadual Paulista (UNESP). de continuar colaborando com a nova fase vivida pela Professor Titular de Patologia da Faculdade Faculdade de Medicina no aprofundamento do ensino de Medicina da UNESP, em Botucatu, onde e pesquisa, dando ênfase às especialidades, entre elas coordena o Núcleo de Avaliação do Impacto a patologia. “Prof. João Lauro contribuiu em todos os Ambiental sobre a Saúde Humana (TOXICAM). níveis em nossa escola e mesmo com a aposentadoria, É responsável pela introdução no país de ensaio o convido para se juntar a nós nessa nova realidade alternativo in vivo para identificação de canque vivemos na instituição”, disse a diretora. cerígenos químicos, oficializado pelo IBAMA Emocionado, prof. João Lauro fez um breve agraem 1996 para avaliação de agropraguicidas. O decimento aos professores responsáveis por darem acadêmico foi fundador da Associação Latinosuporte a sua carreira profissional, como Walter Edamericana de Patologia Toxicológica (ALAPT), gard Maffei, Mário Rubens Montenegro, Willian Saad da qual foi presidente por dois termos (2005Hossne, Álvaro Oscar Campana, entre outros. Para 2010). Também foi vice-diretor da Faculdade de ele, essas pessoas o fizeram entender o significado Medicina/Unesp entre os anos de 1993 a 1997. da missão de ser médico e também patologista. “Fui privilegiado por estar ao lado de pessoas que me definiram como profissional”, ressaltou. Para ele, ser professor na Faculdade de Medicina foi um desafio trilhado com sucesso e prazer. “Tenho orgulho em ter sponsável pela coordenação feito parte de 40 anos da história da da área de ensino e pesquisa FMB”, complementa o professor. Fui privilegiado por do hospital. O setor tem Mesmo com a aposentadoria, João como competência a reguestar ao lado de pessoas Lauro não deve se afastar da vida lamentação das atividades acadêmica e de colaboração com a que me definiram acadêmicas e de pesquisa, universidade e os serviços em saúde. como profissional além de auxiliar na criação e A chefe de gabinete do Hospital das execução de projetos da SecClínicas da Faculdade de Medicina de João Lauro Viana de Camargo, retaria de Estado da Saúde Botucatu (HCFMB), Irma de Godoy, sobre as pessoas que trabalhou dentro da unidade. adiantou que o professor será re-

Internacional

“Noite perturbada, dia perturbado? Consequências da privação do sono. Problema comum para muitas pessoas, esse tema foi debatido durante o Simpósio “Medicina do Sono Quo Vadis?, realizado na Universidade de Regensburg, na Alemanha, dias 24 e 25 de junho. A professora da Faculdade de Medicina de Botucatu/Unesp, Silke Anna Thereza Weber presidiu, no segundo dia do evento, uma mesa-redonda sobre apneia obstrutiva do sono em crianças. O tema do simpósio, neste ano, foi “Apneia do sono Interdisciplinar - da fisiopatologia à terapia”. Foram debatidas, com a participação de diversos especialistas na área, estratégias de tratamento para esse distúrbio. Professora Silke possui graduação em Medicina, especialização em Otorrinolaringologia, mestrado em Medicina Tropical e doutorado em Bases Gerais da Cirurgia, todos pela Unesp. Atualmente, é professora da e revisora de periódico da Brazilian journal of otorhinolaryngology (Online). junho/julho

2011

Apneia do sono

Professora conduz discussão sobre apneia do sono em crianças durante simpósio na Alemanha Essa síndrome é caracterizada pela obstrução parcial ou total das vias aéreas durante o sono, causando apneia ou hipopneia. Entende-se por apneia a interrupção completa do fluxo de ar através do nariz ou da boca por um período de pelo menos dez segundos e, por hipopneia, uma redução de 30% a 50% desse fluxo.

Credenciada

Unidade de Pesquisa Clínica é habilitada nacionalmente pelo CNPq A Unidade de Pesquisa Clínica (Upeclin) da Faculdade de Medicina de Botucatu/Unesp (FMB) para atuar junto a acaba de ser habilitada, em projetos de pesquisa nível nacional, como Organização Representativa de Pesquisa clínica desenvolvidos Clínica. O responsável pelo credenciamento foi o Conselho no Brasil Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). A partir de agora, a Upeclin está habilitada para atuar junto a projetos de pesquisa clínica desenvolvidos no Brasil. Segundo parecer do CNPq, trata-se de uma: “instituição pública de renome, com ampla experiência na condução de ensaios clínicos randomizados (...)”. O mesmo documento ainda considera que a unidade possui “(...) vasta experiência em pesquisa clínica, com infraestrutura e equipe profissional de alta qualidade, desenvolvendo atividades típicas de uma ORPC, observando-se a regulamentação em vigor. Possui capacidade instalada e participa de estudos clínicos multicêntricos em diferentes especialidades médicas”. A chamada teve como objetivo habilitar instituições para atuar como Organização Representativa de Pesquisa Clínica (ORPC), do inglês Contract Research Organization (CRO), junto a projetos financiados pelo CNPq. Outros quatro centros brasileiros foram contemplados. Os critérios para as instituições que se inscreveram no processo seletivo eram: apresentar capacidade técnica instalada e infraestrutura para fornecer assessoramento ou supervisão da Pesquisa Clínica e prestação de serviços como supervisão e revisão de Protocolo Clínico, Fichas Clínicas, Termos de Consentimento Livre e Esclarecido; assessoramento e supervisão na seleção e habilitação de centros de estudo; resolução de aspectos regulatórios; Controle de Qualidade; Logística; monitoramento do estudo clínico; elaboração de dossiês para órgãos regulatórios e outras entidades pertinentes; manejo de dados e análises bioestatísticas; assessoramento e supervisão do gerenciamento de projeto; entre outros.

Upeclin está habilitada

Sobre a Upeclin A UPECLIN integra a RNPC - Rede Nacional de Pesquisa Clínica em Hospitais de Ensino (que conta com 32 unidades) e está instalada em um prédio 600 metros quadrados de área construída que conta com seis consultórios e oito leitos, além de completa infraestrutura para pesquisa clínica. Está em fase final de construção o primeiro andar do prédio - destinado ao apoio administrativo à execução das pesquisas. É competência da unidade realizar pesquisa clínica (pesquisa em seres humanos) de projetos encaminhados por todas as unidades da Unesp, de interesse do Ministério da Saúde e do SUS, com investimento público ou privado, participando como centro coordenador ou colaborador, desde que o produto em investigação/ desenvolvimento atenda todas as legislações vigentes no país. Já ocorrem vários ensaios clínicos multicêntricos desenvolvidos em parceria com várias unidades da Rede Nacional de Pesquisa Clínica. Atualmente, a Upeclin tem capacidade para atender, por dia, 100 sujeitos de pesquisa em seus consultórios e pode realizar até oito internações diárias. Pesquisadores da Faculdade de Medicina de Botucatu/Unesp e Hospital das Clínicas da FMB que tiverem pesquisas em andamento, com financiamento público ou privado, podem transferir as atividades para as instalações unidade. Não haverá despesas adicionais.

Unidade de Pesquisa Clínica é um dos A UPECLIN integra a Rede Nacional de Pesquisa Clínica em Hospitais de Ensino que conta com 32 unidades


7 Faculdade de Medicina

Ao deixar direção da FMB, Sérgio Müller apresenta relatório de mandato e se reúne com funcionários Na última reunião em que atuou como presidente da Congregação da Faculdade de Medicina de Botucatu/ Unesp (FMB), realizada na manhã do dia 15 de julho, o diretor da instituição, professor Sérgio Swain Müller, fez um balanço dos quatro anos de sua gestão. Müller transmitiu o cargo para sua vice, professora Silvana Artioli Schellini, em cerimônia realizada dia 19 de julho. Ainda naquele encontro, os responsáveis pelas áreas de Graduação (Medicina e Enfermagem), Pós-Graduação, Extensão e Pesquisa apresentaram os números e resultados obtidos durante o mandato do então dirigente. Também foram distribuídos aos membros do colegiado e demais presentes uma cópia impressa do relatório de gestão geral referente ao período de 2007-2011, incluindo áreas acadêmicas, administrativas e as fundações vinculadas à FMB. Ao final, Müller resumiu alguns dos principais objetivos alcançados durante seu mandato, as dificuldades e as metas que ainda não puderam ser alcançadas. Ele lembrou que as atividades fins da instituição só podem ser desenvolvidas se houver apoio da área administrativa. “Sinto orgulho do nosso corpo técnico-acadêmico e administrativo”, frisou. Mencionou que na Medicina/Unesp um diferencial é a existência da Fundação para o Desenvolvimento Médico e Hospitalar (Famesp), seja para custeio ou investimentos. Lembrou da mudança das seções técnicas administrativas para o novo prédio, que proporciona mais conforto e qualidade para o trabalho. Citou a implantação do ponto eletrônico e também o desenvolvimento do curso de etiqueta e relacionamento empresarial – processo através do qual deverá ser, em breve, padronizada a vestimenta de todos os funcionários da FMB. Comentou sobre o crescimento da informatização das seções; a implantação de uma nova rede para melhorar o acesso à internet; a ampliação das instalações do Núcleo de Educação à Distância e Tecnologias da Informação em Saúde (NEAD.TIS) e ainda a respeito da proposta de terceirização de softwares e computadores. Professor Müller admitiu que o subquadro da FMB continua defasado, mas ressaltou que as contratações têm priorizado profissionais de nível superior que possam atuar nas atividades fins da escola. Falou também sobre a atuação, ao seu ver satisfatória, das assessorias de Segurança, Jurídica e de Comunicação e Imprensa. O gestor ainda pontuou algumas realizações de sua

“Essa facilidade se deve à

qualidade de nosso corpo técnico-administrativo e nossas chefias

Sérgio Müller sobre a dedicação dos servidores aos objetivos da FMB gestão na presidência do Grupo Administrativo do Campus (GAC) e da nova atuação da Fundação UNI no gerenciamento da Saúde em Botucatu e do modelo de financiamento do Hospital das Clínicas como autarquia da Secretaria de Estado da Saúde. Escola médica de classe mundial – Müller reforçou ainda o desafio que se coloca à Faculdade de Medicina de Botucatu, que é se transformar em uma escola médica de classe mundial, paralelamente ao processo em que a Unesp está inserida de ser uma das 150 melhores universidades do mundo. Agradecimento aos técnico-administrativos – No período da tarde, o então diretor reuniu os servidores técnico-administrativos na sala da Congregação, apresentou um resumo do que foi sua gestão, mas aproveitou, principalmente, para agradecer ao empenho e dedicação de cada um. “Um erro frequente de gestão é considerar a atividade fim da instituição como a mais importante. A atividade meio (que os servidores representam) e a fim são interligadas e interdependentes”, afirmou. Müller comentou que nos últimos quatro anos nunca foi abordado por um servidor com pedidos antiéticos. Além disso, destaca, teve apoio e compreensão em todas as mudanças que propôs. “Essa facilidade se deve à qualidade de nosso corpo técnico-administrativo e nossas chefias”, frisou. O gestor ponderou que muitas das ações e projetos desenvolvidos na FMB servem de modelo para outras unidades da Unesp. Segundo ele, prova disso é que muitos funcionários são requisitados para trabalhar na Reitoria. O professor aproveitou para elogiar o apoio que recebeu do Grupo Técnico de Desenvolvimento de Recursos Humanos (GTDRH).

1

2 Na foto acima, o ex-diretor recebe placa de homenagem da assessora jurídica Tsieme Hayashida e da chefe de gabinete da FMB, Eliane Sako (Foto 1). Já abaixo, Müller ressaltou, ao se reunir com servidores, a importância dos mesmos na solidificação da faculdade (Foto 2)

Homenagens

Jantar reúne colegas e autoridades realçam administração do ex-diretor

FOTOS LEANDRO ROCHA

Além da reunião com servidores técnico-administrativos da Faculdade de Medicina de Botucatu (FMB), o ex-diretor da instituição reuniu colegas de medicina, diretores, vicediretores e coordenadores de unidades da Unesp além de autoridades locais e regionais para um jantar de despedida realizado na noite de 18 de julho, em Botucatu. Em destaque, muitos dos dirigentes ressaltaram o apoio que a Faculdade de Medicina quando presidiu o Fórum de Diretores deu às demais unidades da Unesp . Nas fotos a seguir, momentos do jantar de despedida do ex-diretor Sérgio Müller:

junho/julho

2011


8

Faculdade de Medicina

Silvana Schellini e José Peraçoli tomam posse como diretor e vice da Medicina/Unesp

1

Centenas de pessoas compaavançou nos últimos Algumas das metas da que receram para assistir a posse dos anos, a Unesp também novos diretor e vice da Faculdade nova gestão são a tem crescido significatide Medicina de Botucatu/Unesp vamente”, avaliou Mülconsolidação do ensino, (FMB). A cerimônia de transmissão ler. dos cargos, que oficializou os propesquisa e extensão e a fessores Silvana Artioli Schellini e Congregação - Proreforma curricular fessor Trajano SardenJosé Carlos Peraçoli, respectivamente, no comando da instituição, berg, do Departamento foi realizada dia 19 de julho, no de Cirurgia e Ortopedia, Salão Nobre. foi escolhido para falar em nome da ConProfessor Sérgio Swain Müller, diretor ces- gregação. O acadêmico fez uso de algumas sante, reforçou, em seu último discur so, a analogias poéticas para comentar sobre a importância da participação que cada um dos trajetória do professor Sérgio Müller. Ressalmembros da comunidade interna teve durante tou o que chamou de “resgate humanístico sua gestão. Lembrou que boa parte das ações e histórico” coordenado pelo ex-diretor da de seu mandato teve como base os resultados FMB, tanto na valorização dos professores da oficina de planejamento estratégico realizada eméritos da instituição como na construção em 2005. “Muitos dos nossos problemas, nos do Centro de Memória e Arquivo da Faculprimeiros anos da minha gestão, estavam relacio- dade de Medicina. nados ao modelo de financiamento do Hospital “Professor Sérgio valorizou, durante sua das Clínicas. E isso, agora, está resolvido com a gestão, a democracia e respeito pelas postuautarquização”, destacou. ras e ideias que muitas vezes divergiam das O ex-dirigente ainda mencionou a relação suas. Teve transparência nas ações a agiu entre os esforços para que a Unesp ocupe uma com Justiça. Foi corajoso para enfrentar os posição entre as 150 melhores universidades do desafios”, destacou. “Seu futuro só pode ser mundo e a ascensão da FMB como escola médica brilhante, onde quer que esteja atuando”, de classe mundial. Müller ressaltou a boa relação completou. conquistada com a Prefeitura de Botucatu – que resultou na gestão de equipamentos de saúde - e Prefeito de Botucatu - O prefeito de também os novos planos de ensino e de pesquisa Botucatu, João Cury Neto, também presente em processo de implantação. “Temos, hoje, em na posse, disse ter certeza de que as parcerias Botucatu, um bom cenário para o ensino de nossos alunos. Além disso, a Fundação UNI se consolida como gestora da saúde no município e a Famesp está prestes a receber o título de OS (Organização Social) Estadual”, entusiasmou-se. É necessário continuar Ao final de sua fala, aproveitou para homousando com enagear o vice-reitor no Exercício da Reitoria, responsabilidade, sem professor Júlio Cezar Durigan, presente na solcomprometer o ensino, enidade e também o reitor licenciado da Unesp e atual secretário de Estado da Educação, professor pesquisa e extensão Herman Jacobus Cornelis Voorwald. Esse último, pela atuação participativa durante o processo de autarquização do HCFMB. “A forma como tem Júlio Cezar Durigan, sobre a conduzido a universidade tem trazido grande perspectiva de crescimento da FMB tranquilidade para todos nós. Não foi só a FMB

2

Autoridades prestigiaram o evento

Secretário de Estado da Educação, Herman Voorwald ressaltou o papel das universidades no ensino paulista

Vice-reitor no exercício da Reitoria, Júlio Durigan definiu a FMB como uma unidade de renome internacional junho/julho

2011

4 6

Prefeito de Botucatu, João Cury Neto frisou a parceria para gestão da saúde pública regional

Prof. Trajano Sardenberg representou a Congregação em discurso para saudar o ex-diretor da FMB

A nova diretora discursa e enfatiza toda a relação com a Faculdade de Medicina desde a época de estudante (Foto 1). Vice-Reitor no exercício da Reitoria, Júlio Cezar Durigan, entrega placa de homenagem à professora Silvana (Foto 2). Assinatura do termo de posse para gestão da FMB (Foto 3). Transmissão de cargo para o comando da instituição até 2015 (Foto 4). Prof. Peraçoli assina termo de posse como vice-diretor (Foto 5). Durigan entrega placa para o novo vice-diretor (Foto 6). Em discurso, Prof. Peraçoli ressaltou que uma das metas principais da nova gestão é a conclusão da reestruturação curricular (Foto 7).


9

Faculdade de Medicina

1

iniciadas na gestão anterior, que resultaram em várias conquistas, terão continuidade. “Iniciamos um processo irreversível. Temos vários equipamentos municipais administrados em parceria com a FMB. Tenho certeza que professora Silvana vai melhorar ainda mais essa relação”, colocou. Sobre professor Müller, Cur y comentou que o ex-diretor demonstrou grande coragem durante seu mandato. “Mostrouse um grande líder e gestor público. Como representante do povo de Botucatu minhas palavras são de agradecimento”, afirmou. Reitor da Unesp - O vice-reitor no exercício da Reitoria da Unesp, professor Júlio Cezar Durigan, declarou que a FMB é uma instituição de reconhecimento e prestígio nacional e internacional. “É necessário continuar ousando com responsabilidade, sem comprometer o ensino, pesquisa e extensão”. “Essa faculdade tem a obrigação, não apenas de formar bons profissionais, capazes de aplicar adequadamente seus conhecimentos, mas também deve gerar conhecimento. Sugiro que os novos gestores sigam seu caminho com austeridade, dignidade e amor, esse último que considero como preceito básico”, frisou.

3

A nova diretora – Devidamente investida no cargo de diretora de uma das escolas médicas mais importantes do Brasil, professora Silvana Artioli Schellini – segunda botucatuense a chegar ao cargo em toda a história da faculdade - comentou que quando ainda era uma aluna do primeiro grau já sonhava ser médica. Destacou ter prestado vestibular apenas na então Faculdade de Ciências Médicas e Biológicas de Botucatu (FCMBB) – hoje FMB – porque tinha como ideal ingressar na instituição. “Para mim uma grande honra chegar a Diretoria da FMB. Entretanto, posso dizer com segurança que não

“ O nosso lema: ‘A união faz acon5

tecer’ já mostra que pretendemos realizar uma gestão participativa, apoiando as boas ideias. Apenas com a união de todos em torno do bem

Silvana Artioli Schellini sobre o perfil desejado para sua gestão

Silvana e Peraçoli compuseram chapa única na consulta

à comunidade unespiana.

Eles permanecem nos cargos até julho de 2015.

sonhei chegar a este ponto. Acredito que uma vida de luta, esforço e dedicação me trouxeram até este dia”, resumiu. “O nosso lema: ‘A união faz acontecer ’ já mostra que pretendemos realizar uma gestão participativa, apoiando as boas ideias. Apenas com a união de todos em torno do bem comum é possível prosperar ”, anunciou. O vice-diretor - Ao discursar como vicediretor eleito, professor José Carlos Peraçoli agradeceu seus familiares, professores, amigos e colegas de trabalho. Ao se dirigir à comunidade acadêmica, disse que sua intenção é não decepcioná-los. “Tenham a certeza que trabalharei com um só objetivo, o do engrandecimento da FMB. E para isso, é preciso que nos unamos pelo amor que temos a esta instituição, sem disputas de grupos, sem interesses individuais. Peraçoli, que, conforme anunciou, se dedicará intensamente à graduação durante seu mandato, apresentou algumas de suas metas, entre elas concluir o processo de reestruturação curricular do curso de Medicina. Falou ainda que irá apoiar a avaliação do currículo do curso de enfermagem e suas possíveis mudanças. “Espero que, com nosso trabalho, associado à comunidade acadêmica e ao apoio da reitoria e com as bênçãos de Deus, tudo se concretize, pois seguindo o lema de nossa campanha – a união fará acontecer!”, ressaltou. Programação musical – Durante a solenidade de posse dos novos diretores, o público pôde acompanhar a apresentação dos músicos: Cristina Andreatti (piano), Gloria Bertalot (violino) e Claudio Bertalot (violoncelo). Houve exibições de choros variados, MPB e pop internacional. A eleição - Silvana e Peraçoli compuseram chapa única na consulta à comunidade unespiana. Entre os votantes, houve a aprovação de 89% do corpo docente, 93,4% dos servidores e 91,2% dos alunos. Eles permanecem nos cargos até julho de 2015.

7

Cerimônia de transmissão de cargo para a direção da FMB reuniu grande número de pessoas e autoridades. Ex-diretor da FMB, prof. Sérgio Müller também foi homenageado pelo trabalho realizado em sua gestão. Solenidade teve apresentação musical com Cristina Andreatti (piano), Gloria Bertalot (violino) e Cláudio Bertalot (violoncelo).

@

Os discursos de posse dos novos diretores estão disponíveis pelo link: www.fmb.unesp.br/discurso junho/julho

2011


10 Faculdade de Medicina

Após posse, novos gestores recepcionam convidados em almoço Logo após a solenidade de posse dos professores Silvana Artioli Schellini e José Carlos Perçoli à frente da direção da Faculdade de Medicina de Botucatu (FMB) pelos próximos quatro anos, os novos gestores promoveram um almoço onde recepcionaram familiares, colegas de departamento, professores e também servidores-técnico administrativos da instituição. Realizado no dia 19 de julho, o evento também teve a presença do vice-reitor no exercício da Reitoria, Júlio Cezar Durigan e de diretores e representantes de diversas unidades da Unesp que também prestigiaram a cerimônia de posse, realizada horas antes no campus de Rubião Júnior.

junho/julho

2011


11 Saúde Pública

Administrado pela Fundação UNI, SAMU já tem sede provisória e iniciará atendimentos A Fundação UNI – vinculada à Em Botucatu, estarão Faculdade de Medicina de Botuà disposição duas amcatu/Unesp (FMB) participou diretamente de mais um importante bulâncias: Unidade de avanço para a saúde pública da região. Foi inaugurado, na quartaSuporte Básico (USB) feira, 27 de julho, o espaço onde e Unidade de Suporte funcionará a Central de Regulação do SAMU (Serviço de AtendimenAvançada (USA) to Móvel de Urgência). O imóvel, localizado na região central de Botucatu e onde antes funcionava o ARE (Ambulatório Regional de Especialidades), também abrigará o Espaço Saúde “Profª. Dra. Cecília Magaldi”, em homenagem à professora emérita da FMB e precursora da Saúde Pública na cidade, que faleceu em setembro de 2010. São 2.127 metros quadrados onde serão instalados serviços de saúde com objetivo de oferecer apoio e qualificar o atendimento na rede básica. Alguns exemplos são: Clínica do Bebê, Clínica de Saúde Reprodutiva e Sexual, Clínica de Diversidades Terapêuticas (acupuntura, homeopatia, etc) e a Clínica de Curativos. Também serão instalados no local as novas dependências da Farmácia Municipal, do Centro de Especialidades Odontológicas (CEO), o Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF) e o CAPS 1 (Saúde Mental). O primeiro serviço a funcionar no Espaço Saúde é a Central de Regulação do SAMU, viabilizada por meio de ações da Prefeitura de Botucatu, Fundação UNI e Governo Federal. O SAMU, que disponibilizará unidades móveis em Botucatu, Anhembi, Areiópolis e Pardinho – com população de 150 mil habitantes – funcionará de forma integrada com a Central de Ambulâncias da Secretaria Municipal de Saúde e Unidade de Resgate (UR) do Corpo de Bombeiros. A Fundação UNI já realizou a contratação de 53 profissionais, sendo 14 médicos; 10 técnicos auxiliares de regulação médica (telefonistas); 10 motoristas socorristas; 8 enfermeiros em urgência/emergência móvel; 6 técnicos de enfermagem/emergência móvel e 5 auxiliares de serviços gerais/ lavadores de ambulância. Em Botucatu, estarão à disposição da população duas ambulâncias: Unidade de Suporte Básico (USB) – que realizará atendimentos de menor complexidade e Unidade de Suporte Avançada (USA). Os outros três municípios da região que contarão com o SAMU receberão um automóvel tipo USB, cada. Temporariamente, a Central de Regulação do SAMU funcionará no Espaço Saúde, na Avenida Santana. No entanto, o projeto prevê a instalação definitiva do SAMU no prédio onde já funcionou a Secretaria do Meio Ambiente, junto à antiga administração da Fepasa. O SAMU representará investimentos mensais da ordem de R$ 200 mil, ou seja, R$ 2,4 milhões ao ano. A professora emérita da FMB, Dinah Borges de Almeida, presente na cerimônia de inauguração do Espaço Saúde, representou a homenageada Cecília Magaldi. Ela lembrou que Magaldi foi uma das batalhadores, durante a gestão do então prefeito Jamil Cury, pelo crescimento não apenas da antiga Faculdade de Ciências Médicas e Biológicas de Botucatu (FCMBB), mas também ajudou a desenvolver a saúde pública no município. “Ela entendeu, antes de todos, que era preciso a universidade atuar também fora de seus muros. Professora Cecília era exigente, cobrava incessantemente quem com ela trabalhava, mas tinha uma qualidade rara, que era valorizar as qualidades das pessoas”, disse. “Ela pensava na medicina como um tudo, como um conceito inserido no conjunto da cidadania”, emendou. Dr. José Carlos Christovan, diretor-presidente da Fundação UNI, destacou o papel da instituição ao colaborar c o m a i n te g r a ç ã o d o s s e rAgora estamos trazendo viços de saúde em Botucatu, essa mão-de-obra através da otimização do uso de recursos públicos. Sobre o especializada para SAMU, ele avaliou que o serparticipar de nossos viço oferecerá atendimento programas de saúde extra-hospitalar à população – procedimento fundamental a João Cury Neto sobre a parceria qualidade de sua recuperação entre a Prefeitura local e a FMB após chegar a um hospital. “Somos muito gratos por podermos participar da construção de um sistema que vai levar à população melhor qualidade de saúde e consequentemente mais qualidade de vida”, frisou. O prefeito João Cury Neto enfatizou que professora Cecília Magaldi contribuiu para levar a medicina para mais perto da população de Botucatu. O gestor municipal ainda mencionou a antiga parceria entre o Executivo Municipal e a Faculdade de Medicina da Unesp. “Nos últimos anos a faculdade nos forneceu vários de seus profissionais para ocuparem cargos na administração municipal, mas isso não bastava. Agora estamos trazendo essa mão-de-obra especializada para participar de nossos programas de saúde”, colocou.

Espaço Saúde recebe nome de “Profª Drª Cecília Magaldi”, em homenagem ao trabalho prestado pela professora

Dinah Borges de Almeida relembrou a trajetória da homenageada em prol da saúde pública

Dr. Bazuka ressaltou o papel da Fundação UNI em colaborar com a integração dos serviços de saúde

Como vai funcionar o SAMU O serviço, que disponibilizará unidades móveis em Botucatu, Anhembi, Areiópolis e Pardinho – com população de 150 mil habitantes - será administrado pela Fundação UNI – vinculada à Faculdade de Medicina de Botucatu/Unesp (FMB) e responsável pela gestão da saúde no Município. Funcionará de forma integrada com a Central de Ambulâncias da Secretaria Municipal de Saúde e Unidade de Resgate (UR) do Corpo de Bombeiros. A fundação já realizou a contratação de 53 profissionais, sendo 14 médicos; 10 técnicos auxiliares de regulação médica (telefonistas); 10 motoristas socorristas; 8 enfermeiros em urgência/emergência móvel; 6 técnicos de enfermagem/emergência móvel e 5 auxiliares de serviços gerais/lavadores de ambulância. Temporariamente, a Central de Regulação do SAMU funcionará nas dependências do antigo ARE (Ambulatório Regional de Especialidades), localizado na Avenida Santana. Futuramente, a instalação definitiva do serviço será no prédio onde funcionava a Secretaria Municipal do Meio Ambiente, junto à antiga administração da Fepasa. Estrutura – Em Botucatu, estarão à disposição da população duas ambulâncias: Unidade de Suporte Básico (USB) – que realizará atendimentos de menor complexidade e Unidade de Suporte Avançada (USA). Os outros três municípios da região que contarão com o SAMU receberão um automóvel tipo USB, cada. Nas Unidades de Suporte Básico, que não realizarão resgates ou salvamentos, mas sim prestarão assistência às vítimas, atuarão um enfermeiro ou técnico de enfermagem e o motorista. Já as Unidades de Suporte Avançado, que serão acionadas em situações de resolução mais complicada, trabalharão com enfermeiro, médico e motorista. Ambas poderão servir de apoio à Unidade de Resgate do Corpo de Bombeiros no atendimento de ocorrências mais graves, como acidentes de trânsito, por exemplo. Acidentes sempre serão atendidos pelos bombeiros. Três “ambulâncias brancas”, da Central de Ambulâncias da Secretaria Municipal de Saúde, permanecerão em atividade para transporte de pacientes em situações que não sejam de urgência ou emergência. O contato é o telefone gratuito. Central de Regulação - Inicialmente, após o SAMU entrar em operação, a população poderá pedir socorro pelos telefones 193 (Bombeiros) ou 192 (SAMU). No entanto, a meta é unificar as chamadas em uma única central de atendimento. Serão dois telefonistas por turno, 24 horas por dia. Quando esse serviço estiver disponível, um médico de plantão participará dos atendimentos telefônicos recebidos e, após avaliação técnica da natureza da ocorrência, terá papel fundamental na decisão sobre qual unidade móvel será deslocada até o local onde está a vítima. Dessa forma, será possível, através de protocolos pré-definidos, mobilizar uma ambulância simples, municipal, ou uma unidade do SAMU ou a Unidade do Corpo de Bombeiros (em alguns casos essas duas últimas poderão ser envolvidas concomitantemente em uma mesma ocorrência). junho/julho

2011


12 Educação

Medicina/Unesp inicia aulas como centro de referência para formação contra entorpecentes

Eleição para coordenador do curso de Medicina A Faculdade de Medicina de Botucatu/ Unesp inicia, a partir de 8 de agosto, o processo eletivo para a escolha de coordenador e subcoordenador do curso de graduação em Medicina da instituição. A consulta à comunidade o c o r re d i a s 2 5 e 2 6 de agosto. Os novos coordenadores substituirão os professores Norma Sueli Modolo e Paulo Villas-Boas na função pelos próximos dois anos, podendo ser reeleitos. Podem se candidatar às funções professores do curso de graduação em Medicina, com exceção aos docentes do curso de Enfermagem e também os que atuem de forma substituta. É exigida ainda a titulação mínima de doutor. As inscrições das chapas interessadas devem ocorrer de 8 a 12 de agosto, das 9 às 11 e das 14 às 17 horas, na Seção Técnica de Comunicações da FMB, sediada no novo prédio administrativo da Faculdade de Medicina/ Unesp. Já a eleição está marcada para 25 e 26 de agosto, das 9 às 17 horas no Laboratório de Informática “Profª Emérita Dinah Borges de Almeida”, no corredor central do Hospital das Clínicas. Ainda pelo cronograma, a apuração dos votos ocorre ainda no dia 26 de agosto, na Seção Técnica Acadêmica da FMB. Pelo edital assinado pela diretora Silvana Artioli Schellini, a proporção estabelecida para a contagem é de 70% para corpo d o c e n t e e 3 0 % c o rrespondem aos alunos. Será estabelecida ainda uma comissão eleitoral- a ser formada após o período de inscrições- composta por sete membros, sendo cinco docentes, um servidor técnico-administrativo e um representante estudantil. Os professores eleitos para os cargos deverão apresentar declaração de bens e valores patrimoniais na Seção Técnica de Desenvolvimento e Administração de Recursos Humanos.

Professor Sérgio Müller durante reunião com o vice-reitor da Universidade de Hubei, professor Wang Shimin

Expectativa entre alunos é grande

Teve início, dia 8 de julho, na Faculdade de Medicina de Botucatu/Unesp (FMB) o curso para formação de profissionais que trabalham com tratamento de dependentes de crack e outras drogas. A FMB será um centro regional de referência para formação permanente dessas pessoas. São apenas dois no Estado de São Paulo- - o outro será no Núcleo ECT, da Universidade Federal de São Carlos (Ufscar) - câmpus de Sorocaba. Representantes de mais de 50 municípios pertencentes ao Departamento Regional de Saúde de Bauru (DRS 6) participaram da aula inaugural, realizada no Salão Nobre da FMB, com a presença do diretor da instituição, professor Sérgio Swain Müller. A capacitação tem como coordenador o professor José Manoel Bertolote, do Departamento de Neurologia, Psicologia e Psiquiatria da faculdade, que ministrou os primeiros conteúdos do curso logo após a cerimônia. Por enquanto, integrarão os grupos do curso médicos da rede básica de saúde; agentes comunitários de saúde e redutores de danos, além de outros agentes sociais. A primeira turma conta com 25 pessoas e a outra com 75. As aulas acontecerão todas as sextas-feiras. Representantes de mais Cada um dos 68 municípios que integram o DRS 6 recebeu a de 50 municípios da oferta de uma vaga, porém vários DRS-6 participaram da deles solicitaram mais oportunidades para seus profissionais. “A aula que deu início ao procura dos agentes comunitáricurso contra o crack os de saúde pelo curso superou nossas expectativas. Estamos adequando nosso sistema para poder atender ao maior número possível de interessados. Isso mostra a importância do tema: crack e outras drogas atualmente”, coloca Bertolote. Ele informou ainda que, posteriormente, será aberta uma nova turma para agentes comunitários de saúde, redutores de danos e outros agentes sociais. Em agosto, será a vez dos profissionais que atuam em hospitais gerais e também aqueles que trabalham em centros de referência de assistência social (CRAS) e centros de referência especializados de assistência social (CREAS). Serão investidos R$ 229.900 no curso que abrangerá os quatro segmentos. Os recursos são da Secretaria Nacional de Política sobre Drogas (Senad), que tem destinado verbas para a estruturação de 49 centros iguais ao da FMB em todo o Brasil. O então diretor da FMB, professor Sérgio Müller lembrou que um dos focos da universidade é formar pessoas que atuem na solução dos problemas que afligem a sociedade, independentemente da área. “Acredito, inclusive, que a própria graduação em Medicina e Enfermagem poderia ter, em seu currículo, mais informações sobre o combate as drogas”, defendeu o gestor, que disse considerar a dependência de drogas um problema de saúde pública. “É preciso que os profissionais que atuam nessa área se atualizem constantemente”, acrescentou.

Escolha

Marta Grael Mendes, agente de saúde da rede básica de saúde em Dois Córregos, afirmava estar bastante interessada no conteúdo da capacitação. Para ela, a falta de treinamento específico para quem trabalha com dependentes químicos não é o único problema atualmente, mas admite que ter profissionais preparados é fundamental, principalmente para oferecer apoio às famílias de quem usa drogas, por exemplo. “O tema: dependência de drogas me interessa, pois tenho cotato com duas famílias que sofrem com usuário de drogas entre seus parentes”, comentou. Sefora Carreira Pereira, assistente social de uma unidade básica de saúde em Itatinga, salienta que ainda falta muita informação aos profissionais que trabalham com dependentes químicos na rede pública de saúde. Ela também menciona o despreparo para lidar com os familiares dos usuários como um fator preocupante. “Estávamos ansiosos para o início desse curso. Vamos tentar, inclusive, que os médicos do nosso prontosocorro também passem pelo treinamento”, citou. A aluna também destaca que a intenção é usar os conhecimentos adquiridos na FMB para implantar, na medida do possível, diretrizes da política nacional sobre drogas em seu município. “Precisamos ter métodos para atendimento e reinserção do dependente na sociedade”, avaliou.

Saúde da Mulher

Trabalho sobre reposição hormonal na pós-menopausa será publicado em revista internacional Três trabalhos de alunos de Pós-Graduação da Faculdade de Medicina de Botucatu/Unesp (FMB) foram apresentados durante o 13º Congresso Mundial de Menopausa, realizado em Roma – Itália, entre os dias 8 e 11 de junho. Uma das pesquisas foi selecionada para publicação na Revista Climacteric, que tem fator de impacto A2. O periódico é editado pela Sociedade Internacional de Menopausa. O projeto escolhido discute o “Efeito da Terapia Hormonal no Balanço Postural em Mulheres na Pós-Menopausa”. O material já está em processo de tradução para o inglês e em breve estará nas páginas da revista. Também foram apresentadas no congresso as pesquisas: “Identificação dos fatores de risco para osteoporose em mulheres brasileiras na Pós-Menopausa” e “Avaliação do Balanço Postural em Mulheres na Pós-Menopausa e sua Relação com a Densidade Mineral Óssea”. Os três trabalhos, que envolveram 420 mulheres na pós-menopausa, tiveram a orientação dos professores Jorge Nahás Neto e Eliana Aguiar Petri Nahás, vinculados ao Departamento de Ginecologia e Obstetrícia da FMB. Já os autores são: Ana Beatriz Barral, Luciana Cangussu e Davi de Araújo Brito Buttros. Segundo Jorge Nahás, a pesquisa que será publicada na Revista Climateric avalia os fatores de risco para osteoporose em mulheres na pós-menopausa, ou seja, aos 50 anos em média. “O trabalho serve como um alerta para os colegas médicos que atuam no tratamento da osteoporose – doença que atinge os ossos quando a massa óssea diminui. Ela já é um problema mundial de saúde pública”, avalia. Os outros dois estudos tratam, respectivamente, a influência que a perda de massa óssea tem na falta de equilíbrio das mulheres na pós-menopausa e uma avaliação dos efeitos da reposição hormonal no equilíbrio dessas mulheres. De acordo com Nahás, através dos testes realizados por seus orijunho/julho

2011

Jorge e Eliana Nahás acompanhados do prof. Nilson Roberto de Melo, presidente da Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia (ao centro) entandos, foi possível constatar que as mulheres que sofrem perda de massa óssea perdem de maneira mais significativa o equilíbrio, enquanto aquelas que fazem reposição de hormônios a partir dos 50 anos sofrem menos quedas. “Os hormônios fortalecem a massa óssea, melhoram a musculatura e combatem a perda de fibras musculares. Além disso, com os hormônios, as mulheres ficam mais atentas”, diz. A reposição hormonal na pós-menopausa é indicada a mulheres com perda óssea e sintomas vasomotores, ou seja, ondas de calor e transpiração excessiva.

@

Saiba mais sobre a Seção Técnica Acadêmica www.fmb.unesp.br/sta/sta.asp


13 Pesquisa

Preservativo feminino é mal visto entre mulheres com HIV

Políticas públicas – Na opinião de Marli, à medida que os cientistas se aproximam das pacientes infectadas por HIV, entendem suas angústias e preferências, é possível estimular a adoção de ações educativas que minimizem as dificuldades paro o uso do preservativo.

“O homem acaba

dominando a relação e elas não conseguem negociar o uso do preservativo

Marli T. Cassamassimo Duarte, sobre a rejeição ao preservativo

visto e 22 (11,5%) indicaram que usavam regularmente. Fatores associados ao uso e percepções de mulPara a autora do trabalho, outros aspectos identificados heres vivendo com HIV/Aids sobre o preservativo e que chamam a atenção negativamente é que 30% feminino foi o tema abordado pela pesquisadora das entrevistadas descreveram o preservativo feminino Marli Teresinha Cassamassimo Duarte, professora como “esquisito”, “horroroso”, “assustador”, “estranho”, do Departamento de Enfermagem da Faculdade de “grande” e “grosso”. Medicina de Botucatu/Unesp (FMB) em um trabalho Também foram consideradas opiniões em relação apresentado e premiado durante congresso nacional ao uso e 17,5% disseram tratar-se de prática “desconsobre doenças sexualmente transmissíveis. A aprefortável”, “incômoda” e “barulhenta”; quanto à colosentação oral, que concorreu na categoria “tema cação, 17,0% disseram ser “difícil, complicada, pouco livre”, é um recorte da tese de doutorado da autora prática” ou “não consegui colocar”; considerando-se e conquistou o 2º lugar no evento. a visão da entrevistada sobre a percepção do parceiro, A pesquisa foi apresentada no 8º Congresso 4,0% referiram “meu marido não gosta” e “achou horda Sociedade Brasileira de Doenças Sexualmente rível” e quanto ao acesso, foram citados problemas Transmissíveis, realizado eu Curitiba-PR, entre os relacionados à disponibilidade e seu alto-custo (1,5%). dias 18 e 21 de maio, concomitantemente com o Segundo Marli, no que diz respeito à disponibi4º Congresso Brasileiro de Aids e o 1º Congresso lidade do produto, a justificativa apresentada já está ALAC/IUSTI Latino-América (associação da qual parresolvida, pois o Hospital Dia disponibiliza gratuitaticipam profissionais que trabalham com pacientes mente o preservativo feminino para suas pacientes. No portadores do vírus HIV) cujo foco foi o impacto das entanto, sobre os demais arguDST na mulher. mentos usados, a pesquisadora Marli tem como orientadora em Foram avaliadas 192 admite preocupação especial sua tese de doutorado a professora com a observação de que alLenice do Rosário de Souza, do mulheres com HIV gumas mulheres portadoras de Departamento de Doenças TropHIV não usam o contraceptivo icais e Diagnóstico por Imagem da e 55,7% afirmaram porque o parceiro não gosta. FMB. Também colaboraram com a nunca terem usado “Isso é um problema, pois pesquisa a professora Cristina Maria o homem acaba dominando a Garcia de Lima Parada e a enferpreservativo feminino relação e elas não conseguem meira Luciene Dantin. negociar o uso do preservativo. Os levantamentos que comUm dado importante é que puseram o trabalho são realizados no 93% das mulheres entrevistadas foram infectadas por Serviço de Ambulatórios Especializados e Hospital Dia via sexual. O contágio pelo vírus HIV está crescendo “Domingos Alves Meira”, de Botucatu, vinculado a Unentre as mulheres em todo o mundo”, observa Marli. esp e mantido pela Fundação para o Desenvolvimento Devido a essa dificuldade de diálogo com o parMédico e Hospitalar (Famesp). Tanto no trecho da tese ceiro antes do ato sexual, as mulheres, de acordo com apresentado no congresso como no restante da pesa autora do trabalho, acabam se expondo a riscos quisa são entrevistadas mulheres portadoras do vírus desnecessários. “Ao usar o preservativo feminino a HIV. O trabalho premiado, especificamente, analisou o mulher tem mais autonomia. Se o homem não quiser impacto da doença em sua saúde sexual e reprodutiva. usar camisinha, ela ainda pode se proteger. Hoje, de Foram avaliadas 192 mulheres com HIV atendidas um modo geral, a maioria das mulheres com HIV na unidade e 55,7% afirmaram nunca terem usado são infectadas pelo próprio marido”, lamenta. preservativo feminino; 27 (14%) disseram nunca tê-lo

Novo Serviço

HC implanta Laboratório para diagnosticar doenças do equilíbrio Uma simples tontura, que para muitos pode ser comum em alguns momentos, pode estar relacionada a vários tipos de doenças. Para diagnosticar precocemente e tratar da maneira adequada pacientes com esse tipo de sintoma, o Hospital das Clínicas da Faculdade deMedicina de Botucatu (HCFMB) implantou seu Laboratório de Avaliação do Equilíbrio Corporal – ligado à Disciplina de Otorrionolaringologia. Foram investidos, pela Superintendência do HCFMB, cerca de R$ 40 mil para aquisição de equipamentos computadorizados e contratação de profissionais e em janeiro deste ano entrou em funcionamento a nova estrutura. O ambulatório de Otoneurologia existe desde 1978, mas contava com um único profissional e comdeficiência de equipamentos. Com o aprimoramento do serviço o volume de atendimentos passou de um exame por semana para seis procedimentos. O tempo de duração varia entre 40 e 60 minutos. O paciente já deixa o consultório com um parecer técnico do fonoaudiólogo e um laudo médico sobre as possíveis causas de sua tontura. Para ser atendida no Ambulatório de Otoneurologia, a pessoa precisa passar por umatriagem médica e se o sintoma principal for tontura, é encaminhada ao exame. OHospital Estadual Bauru (HEB) possui uma demanda reprimida de pacientes queapresentam esse quadro e poderão ser atendidos no HCFMB, assim como acontecerá com os usuários do futuro Ambulatório Médico de Especialidades de Botucatu. Tonturas– Os chamados distúrbios do equilíbrio corporal fazem parte de grande variedadede patologias dentro da Otorrinolaringologia, Neurologia, Geriatria, dentre outras especialidades. De acordo com o médico otoneurologista Norimar HernandesDias, que idealizou o projeto do ambulatório juntamente com o professorOnivaldo Bretan, tontura é a queixa mais comum na prática clínica diária apósos 70 anos de idade e em 50% dos casos tem origem em desordens vestibulares. Entretanto, acomete também todas as outras faixas etárias, como crianças,adolescentes e adultos.

Para ser atendida no Ambulatório de Otoneurologia, a pessoa precisa passar por umatriagem médica e se o sintoma principal for tontura, é encaminhada ao exame

“Além decausar limitações na vida do paciente, impedindo muitas vezes o convívio social adequado e realização de atividades pessoais e profissionais diárias, um dos grandes problemas dos distúrbios do equilíbrio, particularmente na faixa etária geriátrica, é o risco elevado de quedas”, observa. “Essas quedas não raramente levam a fraturas e à imobilização do idoso em um leito, aumentandoexponencialmente a probabilidade de óbito por complicações respiratórias(pneumonias) e cardiocirculatórias”, explica Dr. Norimar. Em setembro de 2008, foi realizado um estudo inédito no Brasil, com parceria entre as Sociedades de Otorrinolaringologia e Ortopedia, a Campanha Nacional dePrevenção às Quedas na Terceira Idade, com a participação de serviços em todo oterritório nacional, inclusive do Setor de Otoneurologia do HC-Unesp/Botucatu. Nototal, 323 idosos foram avaliados no Brasil. Destes, 70% apresentavam queixa de tontura constante ou esporádica, e 51,5% já tinham tido quedas em duas ou mais situações por causa desta tontura. “As quedas são, portanto, as consequências mais perigosas do desequilíbrio e asinjúrias secundárias às quedas têm sido um problema crescente de saúde pública, pois a população está envelhecendo rapidamente no mundo”, acrescenta oespecialista. O diagnóstico preciso é imprescindível no paciente com alteração do equilíbriopara instituição de tratamento adequado, o qual em muitas situações envolve aterapia fonoaudiológica de reabilitação vestibular. A efetividade do tratamento está na dependência direta do diagnóstico correto e do planejamento dasestratégias terapêuticas individualizadas para cada paciente. A investigação dos distúrbios do equilíbrio corporal inclui diversas etapas, como a avaliação do otorrinolaringologista e realização de avaliação audiológicapelo fonoaudiólogo. O tratamento dos distúrbios do equilíbrio corporal envolve terapias e orientações médicas e exercícios de reabilitação vestibular, ensinados aos pacientes por fonoaudióloga especializada. “Além do papel assistencial dentro da área de abrangência do HCFMB, o Laboratório de Avaliação do Equilíbrio Corporal tem como objetivo possibilitar a interface como ensino, através de estágios, e com a pesquisa em Otoneurologia dentro da nossa instituição”, complementa Dr. Norimar. junho/julho

2011


14 Hospital das Clínicas Ajuda

Centro de Cancerologia receberá R$ 95 mil para melhorias na unidade

O superintendente do HCFMB, Emílio Curcelli, com os novos diretores clínicos, José Carlos Souza Trindade Filho e Geraldo Silva; além dos cessantes ao cargo, André Balbi e Marcone Sobreira

Novos Diretores Clínicos do HCFMB meta desenvolver ações que promovam Os novos diretor e vice-diretor Trindade Filho e Silva a boa assistência na unidade. Deverá cuiclínicos do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu foram aprovados com dar de problemas como: falta de leitos, déficit de profissionais, entre outros. (HCFMB) tomaram posse, dia 15 de 116 votos a favor José Carlos Souza Trindade Filho, julho, em cerimônia realizada no salão após ser empossado oficialmente, nobre da instituição. José Carlos Souza ou 88,6% do total agradeceu a confiança depositada nele Trindade Filho e Geraldo Henrique e em seu vice, pelos colegas do HCFMB de votantes Soares da Silva assumiram os cargos, e garantiu que fará uma gestão que respectivamente, em substituição aos terá a ética como eixo central. Buscará o médicos André Luis Balbi e Marcone fortalecimento do corpo clínico e a satisfação dos usuários. Lima Sobreira. Ao discursar pela última vez como diretor clínico, Balbi “Pretendemos atuar com justiça e perseverança. Temos lembrou que quando foi eleito para o cargo destacou que consciência de nossa responsabilidade e faremos o poshavia necessidades de mudança e que tinha pressa. No sível para que os resultados alcançados sejam os melhores. entanto, ponderou que agora o momento é de seguir Vamos manter o compromisso com as atividades fins da caminhando, sem parar. “Ocupar o cargo de diretor clínico Faculdade de Medicina, que são: ensino, pesquisa e asnão é fácil. Temos uma equipe de médicos, docentes e sistência”, declarou. O diretor da FMB, professor Sérgio Swain Müller, obserresidentes com particularidades distintas. Além disso, nosso corpo clínico se renova em 1/3 todos os anos”, citou. vou que no passado, quando o Hospital das Clínicas ainda O diretor clínico que deixa o cargo também comen- era uma unidade auxiliar da Unesp, o papel da Diretoria tou que ao longo dos últimos dois anos de seu mandato Clínica não estava bem definido. “Agora, como autarquia da teve a oportunidade de conhecer melhor as pessoas que Secretaria de Estado da Saúde, há condições de organizar prestam assistência e suporte técnico no HCFMB. “Percebi melhor essa estrutura”, defendeu. “O diretor clínico passa a que temos um corpo clínico de médicos e não médicos entender melhor seu papel como representante do corpo clínico. Agora temos que, cada vez mais, pensar nos interesses bastante capacitado e jovem”, frisou. Balbi colocou ainda que os médicos do corpo clínico dos pacientes”, apontou. Professor Emílio Carlos Curcelli, superintendente do devem lembrar sempre de seu papel dentro do hospital, saber que são cobrados e que têm compromissos. “Nosso HCFMB, declarou que Trindade Filho é um profissional conselho profissional deve ser nosso guia no desempenho inovador, criativo e dinâmico. Sobre os gestores que deixam de nossas funções. Temos que respeitar nossos pacientes o cargo, Curcelli disse que Balbi e Marcone foram dedicados e ser éticos. Ter atuação transparente, sem medo de ser- e cuidaram com muito zelo de suas atribuições. “A Direção mos cobrados”, salientou. “Dr. José Carlos e Dr. Geraldo Clínica é uma instituição nova em um hospital de 40 anos. são muito competentes e, tenho certeza, conseguirão Mas temos a sorte de nossa equipe ser capacitada, difedesenvolver um trabalho ainda melhor que aquilo que renciada e comprometida, que busca atender aos doentes pudemos fazer. Agradeço a nosso corpo clínico e lembro da melhor maneira possível mesmo que nem sempre as que nosso HC é forte, grande e que precisa avançar ainda condições sejam as mais adequadas”, afirmou. Curcelli disse entender que os próximos gestores mais”, acrescentou. O ex-diretor clínico será nomeado, nos próximos dias, terão condições de contribuir para a construção de um para o cargo de diretor de assistência do Hospital das corpo clínico independente. “O caminhar dessa nova Clínicas da FMB. Trata-se de uma função cujo responsável jornada deverá ser muito benéfico para o HC e seus é indicado pelo superintendente do hospital e tem como pacientes”, citou.

Diretoria Clínica fornece suporte à superintendência Trindade Filho e Silva foram aprovados com 116 votos a favor ou 88,6% do total de votantes (210) e substituem, a partir de 19 de julho, os atuais gestores do corpo clínico: André Luis Balbi e Marcone Lima Sobreira, no cargo desde junho de 2009. Os médicos serão responsáveis por um dos mais importantes braços da Superintendência do HCFMB que tem como objetivos possibilitar o bom desempenho profissional médico e assegurar a assistência de qualidade aos pacientes atendidos. Além disso, o setor visa estimular a pesquisa médica, colaborar com a administração do hospital e estabelecer rotinas para o aprimoramento dos serviços prestados. A Diretoria Clínica trabalha em conjunto com as Comissões de Apoio do HCFMB. A partir dessa gestão, novas regras quanto ao processo eleitoral para a Direção Clínica do HCFMB junho/julho

2011

passam a vigorar. O mandato do diretor e vice-diretor clínico passa a ser de dois anos, com a possibilidade de reeleição por igual período. O processo eletivo ocorrerá em anos pares, sempre em 18 de outubro (Dia do Médico), coincidentes com a eleição para a Comissão de Ética Médica do HCFMB. Dessa forma, os próximos diretor e vice-diretor clínicos exercerão mandato, excepcionalmente, de julho de 2011 até outubro de 2012. Com atividades iniciadas em 2003, a Diretoria Clínica do HCFMB teve como diretores os médicos Celso Vieira de Souza Leite e Carlos Antonio Caramori (diretor e vice, respectivamente, de março de 2003 a junho de 2005); Sumaia Inaty Smaira e José Carlos Christovan ( junho de 2005 a junho de 2009) e André Luís Balbi e Marcone Lima Sobreira (no cargo desde junho de 2009).

O deputado estadual Fernando Capez visitou em maio, o Centro de Cancerologia “Prof. Dr. Odair Carlito Michelin” do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu/Unesp (FMB) e se comprometeu a destinar R$ 95 mil para melhorias na unidade. Os recursos, que devem estar disponíveis no segundo semestre deste ano, serão utilizados na informatização do setor; aquisição de mobiliário, aparelhos de ar condicionado para salas e consultórios, televisores, impressoras, cadeira para coleta de sangue, equipamento para medir gordura, além de outros investimentos. Capez foi recepcionado pelo diretor da unidade e que dá nome ao serviço, professor Odair Michelin, que fez uma síntese de como funciona o atendimento no local. O parlamentar frisou que esse é apenas o início da parceria com o HCFMB. “Botucatu é um município no qual compensa o Estado investir, pois os recursos são bem aplicados e rendem frutos”, observou.

O centro oncológico do HCFMB dispõe de 3 médicos e um residente na Oncohematologia; 3 médicos e três residentes na Oncologia Clínica; duas médicas na Oncopediatria; um médico na Terapia da Dor e Cuidados Paliativos. Conta ainda com cinco enfermeiros e três técnicos de enfermagem. Na capela de segurança biológica (ambiente onde são preparados quimioterápicos) trabalham dois farmacêuticos. Na secretária, três servidores técnico-administrativos dão suporte à unidade. Já está pronto o pré-projeto de uma nova unidade – que deve funcionar como um Hospital Dia, para atendimento ambulatorial de pacientes oncológicos. A estrutura será construída em área anexa ao atual Centro de Cancerologia do HCFMB. Capez agendou, para terçafeira, 31 de maio, uma reunião com o secretário de Saúde do Estado de São Paulo, professor Giovanni Guido Cerri, para discutir possível liberação de recursos para esse investimento.

Deputado Capez recebe solicitação do diretor da unidade, Odair Michelin e do vice-prefeito de Botucatu, Antonio Luiz Caldas Júnior

Estatísticas - Em 2010 foram realizados no hospital, 26.049 consultas

e 14.578 sessões de quimioterapia. Já em 2011, até abril, o HCFMB registrou 8.145 consultas e realizou 10.818 sessões de quimioterapia.

Ajuda

Guarda Civil de Botucatu colabora com Banco de Sangue Em uma ação social, integrantes da Guarda Civil Municipal (GCM) realizaram, na manhã de 23 de julho, doação de sangue ao Hemocentro do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu (HCFMB). A mobilização integrou as comemorações de cinco anos da corporação e colaborou também com a campanha Bombeiro Sangue Bom”, do Corpo de Bombeiros de São Paulo. Ao todo, vinte e cinco guardas realizaram a doação. O Hemocentro tem enfrentado problemas com a escassez de bolsas em alguns tipos sanguíneos, como A e O positivos, além de O negativo. A ideia é reforçar o estoque durante o inverno e as férias de julho, períodos em que o número de doações cai significativamente, segundo os responsáveis pelo Banco de Sangue do HCFMB. Para o comandante da Guarda Civil Municipal, Paulo Renato da Silva, a iniciativa- que também encerrou a semana de comemoração dos cinco anos da GCM- tem se tornado rotineira junto aos integrantes da corporação. “Essa ação de colaborar com o Banco de Sangue do hospital também pretende estimular a população a se mobilizar em prol do próximo. Já realizamos uma conscientização em nossos guardas para que sempre venham e façam sua doação”, ressaltou.


15 Hospital das Clínicas

O Hospital das Clínicas possui equipe multiprofissional e realiza cirurgias bariátricas há oito anos e mais de 250 pessoas já passaram pela redução de estômago

HC realiza cirurgia como tratamento para diabetes em pacientes levemente obesos

“Esses estudos são

fundamentais para comprovar a indicação da cirurgia como tratamento para o diabetes tipo II

por isso estamos realizando os testes em Uma equipe multiprofissional do Hospital das Clínicas da Faculdade de Realização das cirurgias pacientes menos obesos”, diz o médico, Medicina de Botucatu/Unesp (HCFMB) tem realizado, desde o início deste acrescentando que a cirurgia promove ano, cirurgias bariátricas em pacientes diabéticos e com obesidade grau metabólicas, através de uma alteração positiva nos hormônios 1 – que em situações normais não teriam indicação para o procedimento. protocolo de pesquisa, intestinais que auxiliam no controle do Gregório Lima de Souza, sobre a Realizado através de um protocolo de pesquisa e denominado “Cirurgia nova cirurgia realizada pelo HCFMB diabetes. Metabólica”, tem como objetivo avaliar os resultados da intervenção para tem sido adotada por O Hospital das Clínicas realiza controle da doença em pacientes portadores do diabetes tipo II e com cirurgias bariátricas há oito anos e mais Índice de Massa Corporal (IMC) entre 30 e 35. centros de referência de 250 pessoas já passaram pela redução de estômago. Uma equipe multiproDuas pessoas já passaram pela cirurgia e agora estão sendo acompanfissional coordenada pelo professor Celso Vieira de Souza Leite e composta hadas. Serão avaliados os resultados – que inicialmente já são positivos - e definido qual o perfil ideal para que o paciente, com obesidade moderada, seja beneficiado não só por endocrinologistas, cirurgiões, nutricionistas, enfermeiros, assistentes sociais, psicólogos e fisioterapeutas, é responsável por acompanhar os pacientes antes e depois das intervenções. “A com um emagrecimento saudável, mas principalmente com o controle de seu diabetes. O endocrinologista Gregório Lima de Souza, vinculado ao Departamento de Clínica Médica atuação integrada desses profissionais é fundamental para o sucesso do procedimento”, avalia da Faculdade de Medicina de Botucatu/Unesp (FMB), explica que a técnica usada na cirurgia é a Drº Gregório. A realização das cirurgias metabólicas, através de protocolo de pesquisa, tem sido mesma aplicada em pessoas com obesidade mórbida e que precisam do procedimento bariátrico adotada por centros como o Hospital das Clínicas da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) – redução do estômago e desvio do intestino. “O que constatamos na literatura científica é que a e Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo (USP). No interior paulista, o HC da Medicina cirurgia bariátrica em obesos mórbidos e portadores do diabetes tipo 2 tem ótimos resultado em Unesp é pioneiro no desenvolvimento dos testes. “Esses estudos são fundamentais para comprovar a critérios de cura da doença. Isso foi notado, após algum tempo, em 90% dos pacientes operados, indicação da cirurgia como tratamento para o diabetes tipo II independente do IMC”, diz o especialista.

Comunicação

HC da Medicina/Unesp tem nova identidade visual, de uso obrigatório Desde 15 de julho os funcionários, professores e alunos que utilizam a comunicação impressa e ou digital (ofícios, papeis timbrados, logomarca, etc) do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu/Unesp (HCFMB) deverão usar um novo padrão. Os arquivos com os modelos já estão disponíveis no site do hospital. Uma empresa especializada em design foi contratada para projetar a nova identidade visual do HCFMB. Após reuniões com a Superintendência do hospital ficou decidido que as características originais da logomarca seriam mantidas, porém, alguns detalhes foram alterados para marcar a nova fase vivida pela instituição. Segundo Tiago Mantovani, responsável pelo setor de criação da empresa que desenvolveu o projeto,

explica que as principais mudanças foram simplificar o desenho da logomarca, mudar a fonte para uma tipografia mais moderna e alterar a cor para um verde mais claro. “O alinhamento que propusemos e foi aprovado valoriza a seriedade do hospital. Os espaçamentos iguais representam organização e simbolizam a nova fase que se inicia”, explica o design. Tiago pondera que a imagem corporativa forte pressupõe uniformidade e coerência de comunicação. Graficamente, diz, isso significa ter elementos de identificação muito bem definidos e apresentados de forma harmônica e padronizada. “É fundamental respeitar os critérios básicos de aplicação estabelecidos pelo manual, em todas as formas de comunicação, mantendo características de unidade, legibilidade e destaque”, reforça.

Novo padrão visual já está disponível para consulta pública no site do Hospital das Clínicas e é de uso obrigatório

Salvando Vidas

Médico do HCFMB capacita policiais rodoviários sobre transporte de córneas Durante os dias 2 e 3 de junho, policiais que compõem a 3ªCompanhia de Polícia Militar Rodoviária- que abrange as regiões Botucatu e Tatuí-, realizaram reunião técnico-operacional trimestral da corporação e receberam,paralelamente, capacitação através de palestra, sobre os cuidados no transportede olhos e córneas. O assunto foi abordado pelo coordenador do Serviço de Transplantes de Córneas do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu/ Unesp (HCFMB), Álvio Isao Shiguematsu. Em sua explanação, o médico apresentou a mais de 300policiais vindos de 29 cidades de abrangência da regional da PMR, detalhes sobre conceitos médicos, características e regiões do olho, onde estão as córneas. Também ressaltou os modos como ocorrem a captação e também o transporte desses tecidos, além da importância que a Polícia Militar Rodoviária exerce nesse contexto.

“Se o transporte ocorrer de maneira inadequada, o tecido(no caso olhos e córneas) está inviabilizado para o transplante”, disse Dr.Shiguematsu. A ação conjunta entre o Hospital das Clínicas da Medicina/Unesp e a Polícia Militar Rodoviária tem gerado importantes resultados no trabalho de transplantes de córneas. Segundo o comandante da 3ª Cia da PMR,capitão Cláudio Ceoloni, foram transportados, até maio, 79 transportes deórgãos para a unidade em mais de 1.200 quilômetros de rodovias atendidas pelos militares em Botucatu e Tatuí. Dr. Shiguematsu lembrou ainda que, somente em 2010, foram transportados 300 pares de olhos das mais diversas cidades do Estado. “Há anos contamos com o apoio da Polícia Militar Rodoviária nesse processo e tem sido extremamente importante”, finalizou o palestrante. junho/julho

2011


16

Resultados indicam menos tempo para resolver trombose Pesquisa de equipe da Cirurgia Vascular, conduzida por Dr. Gustavo Brandão, recebeu prêmio no Congresso Norte-Americano de Cirurgia Vascular. Os dados podem ajudar a redefinir os parâmetros para recuperação de pacientes com a complicada trombose venosa profunda Felipe Modenese

Especial para o Jornal da FMB

Pacientes com trombose venosa profunda nos membros inferiores podem ter o tempo de tratamento de seu quadro diminuído pela metade. Isso é o que indicam os resultados da pesquisa de mestrado realizada pelo Dr. Gustavo Brandão e com orientação dos pesquisadores Hamilton Rollo e Marcone Sobreira, da disciplina de Cirurgia Vascular da Faculdade de Medicina de Botucatu/Unesp (FMB). Documentos internacionais (guidelines) sobre a trombose dos membros inferiores recomendam que o tratamento seja realizado por um ano para que haja recuperação completa da circulação (a chamada “recanalização venosa”). Entretanto, os dados obtidos na FMB indicam que o fluxo de sangue voltou ao normal dentro de seis meses em pacientes que seguiram corretamente as terapias indicadas – medicamentos anticoagulantes e uso de meias elásticas. Por estes achados, obtidos com metodologia cuidadosa, o trabalho recebeu prêmios do Congresso Brasileiro de Ecografia Vascular, em agosto de 2010, e do Congresso Norte-Americano de Cirurgia Vascular, em Chicago, em junho de 2011. Além de poder diminuir os gastos da saúde pública com o problema e reduzir o tempo de afastamento do trabalho dos pacientes, a pesquisa acrescenta expertise ao atendimento de pessoas que enfrentam a doença. Estamos próximos de dez da noite quando dona Maria entra em uma das salas do Laboratório Vascular. Ela procura o hospital se queixando de dores e inchaço na sua perna esquerda. Dr. Brandão conduz a médica residente no exame cauteloso da rede de veias da senhora através de um moderno equipamento de ultrasom. Ondas sonoras (com frequência acima da que podemos ouvir) são emitidas e refletidas de acordo com a composição dos tecidos e os sinais dão origem a imagens detalhadas e em tempo real do que está sob a pele e músculos, incluindo vasos sanguíneos. A tela orienta a busca dos médicos, treinados em identificar problemas vasculares visualmente. Eles vasculham toda a extensão e profundidade dos vasos de dona Maria para identificar qualquer obstrução. O teste é simples e mecânico, mas exige grande habilidade manual. Identificam as veias e comprimem-nas. Caso as paredes do vaso sanguíneo não se aproximem é porque alguma “coisa” está ali dentro impedindo a compressão. Esse material que interrompe a veia é um coágulo (um aglutinado de filamentos de fibrina retendo glóbulos sanguíneos) e, por interromper o fluxo local é chamado de trombo. A condição médica em que isso acontece é chamada trombose. E é o que os médicos descobrem na

Dr. Gustavo Brandão apresenta o trabalho premiado em Chicago

Imagens mostram os testes de máxima compressibilidade

Ultrasom diferencia sangue venoso e arterial

No trabalho, os médicos decidem acompanhar os pacientes em quatro momentos

Médicos vasculham as veias em busca de sinais de trombose

paciente. Tem um trombo no meio do caminho de dona Maria... Ela é internada para iniciar tratamento e evitar possíveis complicações. De acordo com Dr. Gustavo Brandão, de modo geral, o diagnóstico de trombose venosa profunda (TVP) é feito de uma forma muito simplificada, com a avaliação de duas ou três veias, e o pronto início do tratamento. A prática clínica da equipe da Cirurgia Vascular indicava que havia necessidade de um conhecimento mais preciso sobre essas situações e sobre a evolução do quadro sob tratamento. Nasce o projeto de pesquisa “Avaliação prospectiva da recanilização venosa após um episódio de trombose venosa profunda em membros inferiores”. No trabalho, os médicos decidem acompanhar os pacientes em quatro momentos: na fase aguda da primeira trombose, após um mês, três e seis meses. E dessas situações extraem dados objetivos, avaliações quantitativas do estado da trombose. O primeiro valor (“escore trombótico”) resume o mapa de obstrução de 18 segmentos venosos do membro examinado – quanto maior a oclusão, maior a pontuação. “Varremos praticamento todo o sistema venoso profundo, o que nos deu uma acurácia maior sobre a evolução do quadro”, considera Brandão. O outro número usado para acompanhar a evolução da trombose vem da comparação entre os diâmetros da veia sob compressão máxima e sem compressão. Tal “índice de variação do diâmetro venoso” também foi utilizado para avaliar a normalização do fluxo sanguíneo, ou seja, as taxas de recanalização. Antes das possibilidades abertas pelo exame de ultrasom, o acompanhamento da trombose era feito por uma técnica invasiva, com a injeção de contraste no sistema venoso – a flebografia. Essa técnica definiu um “padrão ouro” para os médicos, indicando que a recanalização do vaso trombosado levava em torno de um ano. Entretanto, o que o trabalho de Faculdade de Medicina Botucatu começa a sinalizar para a comunidade médica mundial é que os exames de ultrasom (não invasivos e de fácil repetição ao longo do tratamento) registram que o fluxo de sangue volta ao nível normal em até seis meses de tratamento para todos os pacientes acompanhados. Em uma das veias, a poplítea, a recanalização foi significativa já após três meses. É importante destacar que esses resultados foram obtidos através de “marcação cerrada” dos pacientes, com averiguação regular da adesão ao tratamento (anticoagulação e terapia de compressão). De acordo com os pesquisadores, o grande achado do trabalho é que, através um tratamento rigoroso e próximo do paciente, a recanalização venosa pode ser monitorada em detalhes, o que pode significar menores gastos públicos pela diminuição do tempo de tratamento. Segundo Dr. Marcone Sobreira, co-orientador da pesquisa, os resultados ajudam a entender melhor a história natural do trombo no organismo para tentar evitar complicações como a trombose secundária, a sindrome pós-trombótica e a fatal embolia pulmonar (veja quadro abaixo). Dessa forma, no meio do caminho de dona Maria tem um trombo. Porém, no que depender da equipe da Cirurgia Vascular, ele ficará pelo menor tempo e causará o mínimo dano possível, independente de quão fatigadas estejam as retinas..

Impactos da Trombose Venosa Profunda (TVP) Considerada uma das doenças mais graves nos membros inferiores, a TVP é uma condição em que um coágulo obstrui uma veia profunda. As veias profundas passam pelo tecido profundo, entre os músculos da perna, levando a maior parte do sangue de volta ao coração e pulmão. Normalmente, contrações dos músculos (durante o movimento) ajudam a empurrar o sangue venoso e também as válvulas internas das veias impedem que o sangue regrida em seu caminho de subida. Um coágulo pode se formar se há dano no vaso, ou fluxo empobrecido por problemas nas válvulas, ou ainda se existe uma tendência maior do que o normal de haver coagulação (fatores hormonais). Em condições normais, os coágulos são pequenos e são naturalmente dissolvidos, e o fluxo de sangue na veia pode se reestabelecer sem prejuízos. Mas ele pode perseverar e ficar grande podendo estrangular o fluxo de sangue (trombo) e provocar dor e inchaço, mas também pode não causar sintomas. Pessoas com a mobilidade prejudicada, como pacientes acamados, tem maior risco de sofrer uma trombose venosa porque o fluxo venoso diminui e os fatores coagulantes podem aglutinar elementos do sangue dando origem a possíveis trombos. Além da imobilidade, outros fatores de risco para a trombose venosa são: idade, obesidade, varizes, fratura, gravidez, tratamentos hormonais, câncer e quimioterapia. De acordo com Dr. Gustavo Brandão, quanto mais tempo permanece o trombo na veia, maior a chance de haver uma “síndrome pós-trombótica”. Ela engloba os efeitos da insuficiência venosa crônica, ou seja, os danos vindos do fluxo venoso prejudicado, incluindo inchaços, varizes e feridas (úlceras). Tal situação tem grande impacto social, incluindo altos custos para o sistema de saúde e junho/julho

2011

para o paciente (afastamentos e incapacitações). E isso fica mais preocupante diante de estatísticas internacionais de que até 50 % das pessoas com trombose atravessam a síndrome. Diante desse panorama, os médicos advertem também que pacientes com síndrome póstrombótica severa reportam uma qualidade de vida similar àquela de pacientes de AIDS ou câncer. “Será que não podemos fazer nada para ajudar esse povo?”, questiona Dr. Brandão. Além disso, 4% das pessoas com trombose venosa profunda podem morrer devido à embolia pulmonar. Isso porque o trombo pode se desprender do local e acompanhar o fluxo sanguíneo, passando pelas veias do abdomen, pelo coração e chegar até a arteria pulmonar ou seus ramos, prejudicando o fluxo de sangue aos pulmões. Dessa forma, o tratamento consagrado para a trombose (também aplicado nos pacientes que participaram da pesquisa da FMB) visa impedir que o trombo aumente e minimizar as chances de uma embolia. Como coágulo progredir para ramos anteriores do sistema venoso, medicamentos (anticoagulantes) são usados para “afinar o sangue”, inibindo mais a coagulação – de modo que a coagulação fique duas ou três vezes mais lenta do que o normal. Se o trombo não evoluir, aos poucos o organismo é capaz de dissolvê-lo por mecanismos naturais. Um estudo do professor emérito Francisco Humberto de Abreu Maffei, fundador da disciplina de Cirurgia Vascular da FMB, indica que para cada 10 mil brasileiros, seis passam pela TVP, ou seja, pode-se estimar que haja 120 mil casos no país. Diante do envelhecimento da população e o aumento exponencial das tromboses com a idade, a doença será ainda mais comum, o que exige conhecimentos transformadores e profissionais engajados para enfrentar esse “tremendo impacto”.


Jornal da FMB nº 35