Page 104

2o semestre / 2013

suas técnicas, percorrendo a partir daí os caminhos da experimentação. Entre os nossos jovens fotógrafos que vêm surpreendendo positivamente, e com um trabalho sedutor, podese apontar Alberto Oliveira. Fotógrafo paulista, que em 2004 apresentou seus trabalhos em uma exposição individual em Estocolmo, na Suécia, e exposições coletivas em vários países como Inglaterra, Suécia, Dinamarca, Ilha de Chipre, Turquia (Istambul) e em outros espaços geográficos. Dele, vamos tecer alguns rápidos comentários em especial focando sua atividade artística como fotógrafo da contemporaneidade, com um trabalho inventivo e que busca, por meio de inserções ou intervenções, ‘cirúrgicas” mesmo, criar uma ambientação diferenciada e estética para seu objeto imagético.

O Alberto Oliveira. “Dream & Fire”, 2004.

Em sua obra “Dream & Fire”, de 2004, um rosto feminino de olhos fechados com nuances cobredouradas, e imerso em volutas na cor vermelha, se oferece ao olhar do outro, diluindo-se nas laterais imprecisamente e mesclando-se, de um lado, a pequenos fragmentos similares a formações floriformes escuras que avançam sobre ele e, de outro, marcado por um traço também negro que parte do olho, como se uma extensão fosse de sua maquiagem, um desdobramento da sedução feminina prestes a se entregar ao desejo e ao sonho. O efeito é deslumbrante, além de onírico, em cuja face, mergulhada em seu sigilo, em seu mistério, enseja possibilidades múltiplas na leitura de sua obra. Assim, com uma câmera fotográfica em mãos, tem o fotógrafo inúmeras possibilidades de registrar aquilo que seus olhos veem ou que sua imaginação idealiza. Pode ser um simples acaso. Pode ser uma pose planejada, ambientada, repetida à exaustão, resultado de aprendizagem teórica e da habilidade

Revista FACOM 27  

Revista FACOM, num: 27. FAAP. 2o semestre de 2013.

Advertisement