Page 1

Os Signos

Curso de Astrologia Primeiro nĂ­vel

Fernanda Costa


A Astrologia, ou seja, o estudo dos corpos celestes e fenómenos que in­fluenciam a Terra e os seus componentes, teve o seu propósito inicial na necessidade de sobrevivência e prevenção de riscos, nomeadamente para a agricultura. Houve então a tentativa de previsão de acontecimentos, catástrofes naturais, olhando o céu, observando a Natureza, as estações do ano e as suas caraterísticas. Este “Céu visto da Terra” com os planetas visíveis através ods quais os deuses se manifestavam, foi esquematizado na Roda dos Animais, Zodíaco, e registados os acontecimentos, efeméri­ des. Verificou­se a existência de ciclos celestes e terrestres, ocorrendo anualmente. Interferência que se fazia sentir nos Quatro Elementos: Terra, os Continen­tes, Água, os Oceanos, Ar, a Atmosfera, e Fogo, camada superior da Atmosfera com radiações cósmicas. As qualidades primitivas ativas, quente e frio, e as passivas, seco e húmido, fazem­se sentir nas estações do ano. Da Primavera húmida, que vai ficando mais quente, surge o Verão quente e seco. Ao Outono seco e frio, sucede­se o Inverno frio e húmido. Levam ao conceito dos Quatro Elementos: Fogo, Água, Terra e Ar, sendo o Fogo quente e seco e de temperamento colérico, a Terra fria e seca, e de temperamento melan­ cólico, o Ar quente e húmido, de temperamento sanguíneo, e a Água fria e húmida, de temperamento fleumático. A qualidade primitiva Quente está relacionada com a ação, o lado masculino, expansão, luz e calor. A qualidade primitiva Frio está relacio­ nada com o lado feminino, passivo, interiorização. Nas qualidades passivas, o Seco lembra dureza e tensão, e o Húmido, tal como a água, é adaptável, sem forma definida. Os elementos sucedem­se na representação do Zodíaco Natural. Este está dividido em quatro quadrantes/estações, cada uma com três signos, sendo o que inicia cada estação o Cardeal, o do meio da estação o Fixo, e o que fecha a estação o Mutável. O Zodíaco Natural tem início no Equinócio da Primavera, ponto vernal zero.


Signos da Primavera

Carneiro ­ Casa I

Touro ­ Casa II

Gémeos ­ Casa III

Leão ­ Casa V

Virgem ­ Casa VI

Escorpião ­ Casa VIII

Sagitário ­ Casa IX

Signos do Verão

Caranguejo ­ Casa IV

Signos de Outono

Balança ­ Casa VII

Signos de Inverno

Capricórnio ­ Casa X

Aquário ­ Casa XI

Peixes ­ Casa XII


Os signos podem ser vistos como cenário no palco (casa), em que os atores (planetas) se manifestam. Cada elemento (Fogo, Terra, Ar e Água) está presente em três signos, em que as suas caraterísticas se manifestam, embora de modo diferente conforme o signo é Cardeal, Fixo ou Mutável. Temos então:

FOGO:

Carneiro (21 de março ­ 20 de abril) Signo da Casa I ­ corpo físico Representado pelos chifres – sobrancelhas e nariz do carneiro Relação física com a cabeça Qualidades quente e seco, masculino e diurno, regido por Marte, o Deus da Guerra. Signo Cardinal com energia que luta por causas, missões, com vitalidade e paixão. Necessidade de sobressair podendo ser egocêntrico, dominador, gerando inimigos. Ação é a sua palavra preferida, dando início a projetos. De temperamento colérico, muita energia e excitação, o equilíbrio é o desequilíbrio.

Leão (23 de julho – 23 de agosto) Signo da Casa V – expressão criativa Representado pela juba do leão – região dorsal e costas Relação física com o coração, costas e coluna vertebral Signo de Fogo masculino e diurno, regido pelo Sol, é um signo fixo, portanto fogo na sua máxima expressividade. Com caraterísticas como a vitalidade e autoconfiança, é egocêntrico, vaidoso e criativo. Pode ser exibicionista, gosta do brilho e luxo.

Sagitário (23 de novembro – 21 de dezembro) Signo da Casa IV – expansão e fé Representado pela flexa apontado para o distante – dualidade animal/humano Relação física com a pelve, quadris e coxas, e músculos em geral. Signo mutável regido por Júpiter. Na busca de novos horizontes, o pensador, o filósofo, o idealista romântico, aquele que procura novos estímulos e gosta de mudanças revê­se no Sagitário.


TERRA:

Touro (21 de abril – 21 de maio) Signo da Casa II – valorização e estabilidade Representado pela cabeça do touro com chifres Relação física com garganta e pescoço Signo da Terra, portanto fria e seca. Fixo, feminino e noturno, temperamento melancólico. Regido por Vénus que lhe confere sensualidade, capacidade de gozar os prazeres da vida e sensibilidade artística e capacidade para lidar com o dinheiro. O Taurino procura construir estabilidade e segurança seja nos relacionamentos, seja económica. Apego a bens materiais palpáveis, ter uma casa e conta bancária são ideais que procura. Tem uma postura pragmática, conservadora e alguma teimosia.

Virgem (24 de agosto – 23 de setembro) Signo da Casa VI – organização Representado pelo animal com o rabo entre as pernas tapando o sexo Relação física com o aparelho digestivo e o diafragma Signo de Terra, feminino, noturno, mutável. Regido por mercúrio. De espírito criativo, vêm pormenores e defeitos que querem mudar. Imposição de regras e organização de trabalho. Inteligentes, cultos, pragmáticos, podem ser obcecados pela ordem e esconder sentimentos atrás de uma postura distante e fria. (Haja paciência).

Capricórnio (22 de dezembro – 20 de janeiro) Signo da Casa X – status, meta ambição Representado pela cabra (símbolo de carneiro) com cauda de peixe Relação física com joelhos, articulações, pele e ossos Signo de Terra, cardinal. Regido por Saturno. Dá­se a todo o tipo de esforços para atingir o sucesso e a meta a que se propõe. Trabalhador, persistente, obstinado, reservado. “O segredo é a alma do negócio”. Preza as regras de comportamento social conservadoras.


AR:

Gémeos (22 de maio – 21 de junho) Signo da Casa III – comunicação Representado por dois gémeos unidos – dualidade Relação física com mãos, braços, omoplatas e pulmões Signo de ar, quente e húmido, masculino e diurno. Mutável, regido por Mercúrio. Dá prioridade os aspetos mental, intelectual, ao saber, ideias, ao contacto com pessoas através da comunicação, verbal ou gestos. Em mutação constante, é adaptável com diplomacia e respeito pelos outros. Gosta de estimular o intelecto e de liberdade, podendo ser superficial e manipulador. Não tem apego às ideias ou pessoas. Pode ter dois polos.

Balança (24 de setembro – 23 de outubro) Signo da Casa VII – equilíbrio, relacionamentos Representado pela balança com os seus dois pratos – equidade Relação física com os rins, umbigo, bexiga e aparelho urinário Signo de Ar, Cardinal, regido por Vénus. Privilegia os relacionamentos com equilíbrio, sem atritos, mas não com paixão. Justiça e igualdade e harmonia de modo racional. Interessa­se pela artística e a beleza.

Aquário (21 de janeiro – 19 de fevereiro) Signo da Casa XI – ideais sociais Representado por ondas, dando ideia de propagação Relação física com pernas, tornozelos e o sistema circulatório Signo de Ar, fixo, regido por Urano e Saturno. Com preocupação com o coletivo, ideais de justiça e igualdade. Preza a liberdade, encontrando obstáculos nas convenções. Podem ser fanáticos na defesa daquilo em que acreditam.


ÁGUA:

Caranguejo (22 de junho – 22 de julho) Signo da Casa IV – apego, raízes, lar Representado pelas pinças do caranguejo e seios Relação física com estômago, seios, costelas e baço Signo de Água, fria e húmida, feminino e noturno, Cardinal. Regido pela Lua. Temperamento fleumático. Procura estar em sintonia com sentimentos e emoções. Persistente na busca de objetivos com apego ao que é seu. Não gosta de mudanças e novidades, gostando do aconchego e da segurança do contacto. Ligado à maternidade e família.

Escorpião (24 de outubro – 22 de novembro) Signo da Casa VIII – profundidade emocional Representado pelo animal de rabo levantado expondo o sexo – cauda do escorpião Relação física com órgãos sexuais e excretores Signo de Água, fixo. Regido por Plutão e Marte, Deus dos Infernos e profundezas, e Deus da guerra, respetivamente. Dá ênfase ao lado emocional primitivo, sexualidade e sobrevivência, procurando segurança. Podem ser vingativos, controladores e obstinados. Têm um poder transformador da vida, dirigindo a vontade e as emoções em prol próprio.

Peixes (20 de fevereiro – 20 de março) Signo da Casa XII – transcendência Representado por dois peixes unidos, mas nadando em direções opostas Relação física com os pés e sistema linfático Signo de Água, fria e húmida, feminino e noturno, mutável. Regido por Júpiter e Neptuno, Deus dos mares. Consegue ir ao encontro de identidade daqueles com quem se cruza. Observa, não tendo atitudes tempestivas ou impulsivas. Tem dificuldade em estabelecer limites, e manter estabilidade emocional, vivendo num mundo de fantasia e ilusão. Representam o amor pelos outros.


Os Persas (539 A.C.) estabeleceram os doze signos zodiacais e levaram a Astrologia do coletivo para o individual, o que faz todo o sentido, visto no conceito de que o Universo é uno e cada um é parte do todo. Dignifique­se o seu uso e estudo em prol de uma vivência mais sã, da individualidade e do coletivo. Grata por fazer parte desta caminhada.


Bibliografia: ­Manual de estudos de Astrologia Nível 1, Isabel Guimarães

Profile for FacesIsabelGuimaraes

Os Signos  

Trabalho final do nível 1 - Curso de Formação Profissional em Astrologia por Fernanda Costa

Os Signos  

Trabalho final do nível 1 - Curso de Formação Profissional em Astrologia por Fernanda Costa

Advertisement