Page 1

Abril 2010

N.º 32 Ano:XV

Preço: 50 Cêntimos

A venda deste número do Face ao Douro reverte CLUBE DE SOLIDARIEDADE

CALENDÁRIO DE EXAMES 2009/2010 Pag. 13 VISITAS DE ESTUDO

SERRA DA BOA VIAGEM Pag. 10

MUSEU ROMÂNTICO Pag. 8

GARRETT E NÓS Pag. 9

VISIONÁRIUM Pag. 8

ÚLTIMA HORA

Agostinho Lemos 12º B, nº 1

Renato Medas 12º B, nº 18

3º Lugar MAT 12

Universidade de Aveiro

BOLETIM INFORMATIVO Nº4

“A TURMA MAIS DOCE”

Página 1

Pag. 7


E s c o l a FACE AO DOURO

A presente edição do Face ao Douro tem o prazer de incluir nas suas páginas dois artigos retirados, perdoem-nos a imodéstia, de dois colegas da imprensa concelhia, concretamente os jornais “O Jornal de Gaia” e “Audiência”. Ao chamarmos a esta página este assunto fazemo-lo por dois motivos principais, a nova realidade da ES3DM e a relação Escolas - Comunicação Social. A evolução da sociedade, as novas realidades ditadas pela força imparável dos tempos e o desejo legítimo das comunidades e dos indivíduos que as integram ditaram uma nova realidade no sistema educativo, os denominados Cursos de Educação e Formação para Adultos. Consciente desta dinâmica e ciente do seu dever enquanto instituição integrante de uma Comunidade Educativa a “Diogo de Macedo” tem procurado ir ao encontro dos objectivos e do desejo legítimo daqueles que, tendo saído do sistema educativo há vários anos sem terem atingido os patamares pretendidos, regressam agora aos bancos da escola para retomarem e concluírem a sua aprendizagem/ formação. Esta aposta da nossa escola reúne já os dois níveis de ensino existente nos cursos EFA, o

2ª PÁGINA denominado B3, ou seja o nível básico, e o NS, correspondente ao nível secundário. Independentemente da polémica existente sobre estes cursos, nomeadamente pela forma como alguns destes se realizam e concretizam, a ES3DM tem procurado, com o rigor e a exigência exigíveis, desenvolvido o seu trabalho, com cursos escolares que se desenvolvem ao longo de dois anos lectivos. O trabalho desenvolvido por alunos e professores tem-se concretizado através da aquisição de competências e saberes que se materializam, entre outras situações, em projectos como os divulgados. Estes trabalhos de divulgação permitem-nos abordar outro aspecto extremamente sensível, a relação Escolas – Comunicação Social. A mesma dinâmica social que impõe estas iniciativas, leva muitas vezes, diríamos vezes demais, os nossos “media” a trazerem para as primeiras páginas e para a abertura das informações noticiosas referências menos agradáveis relacionadas com os estabelecimentos de ensino, sendo que, se a informação não deve ser amordaçada, também se deveria orientar por critérios editoriais que permitissem dar a conhecer o que de muito bom se faz nas nossas escolas. Daí esta refe-

rência aos dois artigos, pois estamos cansados de, em vão, ver os responsáveis pelos jornais diários a “esconder” o que muito bom é feito pelas Comunidades Escolares.

Este afastamento da comunicação social das escolas obriga a que os jornais escolares sejam, cada vez mais, o arauto dessas iniciativas, pelo que se torna obrigatória uma presença assídua e constante de artigos de alunos, professores, funcionários e encarregados de educação. No que respeita ao Face ao Douro ficamos a aguardar pelos mesmos. Face ao Douro

Propriedade: Escola Secundária/3 Diogo de Macedo Directora: Olinda Guedes dos Santos FACE AO DOURO Equipa Coordenadora: Manuel Filipe Sousa e Joaquim Patacas. Colaboradores: Professores: Almerinda Devezas, Equipa da Biblioteca, Ermelinda Vieira, Grupo de Biologia, Helena França, Luís Geirinhas e Manuel Filipe. APESDIM Alunos: Cintia, Cristiana Martins Jéssica, Pedro Sá e Pedro Silva (7º E), Bruno Lopes, Catarina Barril, David Silva, Márcia Pinto, Pedro Rocha e Vítor Batista(9º A), Mª. João Tavares (9º C), Sara Gomes (9º), CEF (9º G), Nelson Silva (10º B), Sara Almeida e Sílvia Azevedo (10ºC), João Pedro, Marco Caetano, Pedro Marinho, Tiago André e Tiago Ramos (11ºD) e Ana Rita (11º E). Fotografia: Joaquim Patacas. Arranjo gráfico: Joaquim Patacas Impressão: Reprografia da ESDM

Página 2


E s c o l a FACE AO DOURO

FÍSICA E QUÍMICA VEM À RUA Durante este ano lectivo e com o intuito de motivar, educar e despertar o gosto para as ciências experimentais os alunos da nossa escola e o grupo de Física e Química tem vindo a desenvolver actividades experimentais no átrio da mesma. Estas actividades decorrem uma vez por mês. Muitas das actividades levadas a cabo são experiências de muito fácil execução e que por isso, muitas delas podem ser repetidas por ti em tua casa (sempre acompanhado por um adulto) com materiais e reagentes comuns. Aproveito este espaço para descrever essas experiências para que as possas realizar Actividade do mês de Dezembro O mergulhador Material: 1 garrafa de plástico de 1,5 L, Embalagem de leite vazia Água 1 palhinha flexível 1 clipe Plasticina 1 copo

clipe de acordo com a figura abaixo. 3º Coloca a montagem anterior nas costas do

“mergulhador”. 4º Cola um pouco de plasticina nos pés do mergulhador e, utilizando um copo com água, verifica se ele flutua 5º Coloca o “mergulhador dentro da garrafa com água e fecha-a. Aperta a garrafa e verifica o que acontece.

Material necessário 1lata de refrigerante, 1 alguidar pequeno, uma tenaz (pinça da salada, por exemplo) Colocar água fria no alguidar até um pouco mais de metade. Colocar um pouquinho de água numa lata de refrigerante vazia (cerca de 5 ml) aquecêla muito bem no fogão durante alguns minutos. Depois muito rapidamente, mergulhar a lata invertida no alguidar com água fria. A lata irá implodir fazendo um pequeno barulho Separação magnética Operação muito utilizada pelos carpinteiros e costureiras para recuperarem quer os pre-

gos que caíam no meio da serradura ou os alfinetes a agulhas que caíam nos trapos.

1º Desenha um mergulhador como o da figura no verso de uma embalagem de leite e corta-o. A largura do boneco tem de ser inferior ao diâmetro do gargalo da garrafa. 2º Corta a palhinha, dobra-a e coloca e coloca o

Implosão de latas

Actividade do mês de Janeiro

Material Íman Poderás usar esta separação em tua casa para separar materiais magnetizáveis (ferro ou aço) de materiais não magnetizáveis (trapos, serradura de madeira, etc) utilizando um íman. Para tal basta passar o íman por cima da mistura a separar e tudo o que for de ferro (ou aço) é atraído para o íman. Página 3


E s c o l a FACE AO DOURO

CURSO TECNOLÓGICO DE ACÇÃO SOCIAL EM MOVIMENTO

ACTIVIDADE DO MÊS DE FEVEREIRO

Escrita Mágica Nas histórias de aventuras aparecem por vezes estranhas mensagens invisíveis que dão a chave do enigma ou a posse do tesouro a quem as puder decifrar. Há vários processos para tornar visível aquilo que se escreve ou desenha com uma “tinta” invisível. Essas mensagens misteriosas baseiam-se em reacções químicas, mais ou menos complexas, deNas histórias de aventuras aparecem por vezes estranhas mensagens invisíveis

que dão a chave do enigma ou a posse do tesouro a quem as puder decifrar. Há vários processos para tornar visível aquilo que se e sc r e v e ou desenha com uma “tinta” invisível. Essas mensagens misteriosas baseiam-se em reacções químicas, mais ou menos complexas, de modo a que se formem moléculas coloridas. A realização das experiências que se seguem dão sugestões para vários jogos. Experimenta tu em casa. Material: sumo de limão, cotonete, papel e lamparina a álcool.

POEMAS INSPIRADOS na obra “Dentro de Mim” de Ana Saldanha, produzidos na aula de L.P.

Num prato fundo com água adiciona 10 gotas de sumo de limão e mexe. Com o cotonete molhado no sumo de limão escreve uma mensagem numa folha de papel. Deixa o sumo secar. Aproxima a folha, com muito cuidado e com os teus pais presentes, da chama da lamparina e observa o que acontece. modo a que se formem moléculas coloridas. A realização das experiências que se seguem dão sugestões para vários jogos. Helena França

Eu tenho medo de ser… Medo de ser rejeitado! Não te vou dizer Que estou apaixonado!

Quero ter sossego. Ninguém a chatear! Quero ter espaço Para poder pensar! Cíntia 7ºE

Pedro Sá 7ºE Tenho um segredo Que não quero contar, Mas se não o conto Vou rebentar. Jessica 7ºE Página 4

Dentro Dentro Dentro Dentro

de de de de

mim mim mim mim

sou sou sou sou

feliz! infeliz! capaz… incapaz…

Pedro Silva 7ºE

Tenho a quem amar E para o guardar Vou fechar o coração E não vai faltar imaginação! Cristiana Martins 7ºE


E s c o l a FACE AO DOURO

COMEMORAÇÃO DO CENTENÁRIO DA REPÚBLICA PORTUGUESA Conheça a História da República Portuguesa. e

it s i V

ite os

:

www.centenariorepublica.pt A REPÚBLICA NA DIOGO DE MACEDO No âmbito das Comemorações do 1º Centenário da Republica a Escola Secundária Diogo de Macedo promoveu e vai promover uma série de realizações. Assim e também associado com as comemorações do 25 de Abril esteve na nossa escola a deputada Ana Drago, será comemorado o Dia da Europa, 9 de Maio, enquanto os alunos do 9º ano de

11ºD Tiago André e Tiago Ramos

escolaridade participarão num Roteiro Republicano, englobando visitas ao Plenário da Assembleia da República e à exposição patente na Cordoaria Nacional, “Viva a República: 1910-2010. Ainda neste âmbito estão a ser estudadas outras iniciativas, envolvendo a Comunidade Educativa, nomeadamente as instituições existentes na área de influência da ESDM, as quais serão divulgadas oportunamente.

Aproveitamos igualmente para divulgar a exposição, Resistência. Da alternativa republicana à luta contra a ditadura (1891-1974), patente, com entrada livre, no Centro Português de Fotografia, na antiga Cadeia da Relação, á Cordoaria, no Porto, até 5 de Outubro de 2010, da qual são comissários, Manuel Loff, que já leccionou nesta escola, e Teresa Siza. Página 5


E s c o l a FACE AO DOURO

Escola S/3 Diogo Macedo Rua da Escola Preparatória, 310 4415-723 Olival - V. N. GAIA Telf: 22 763 25 35/6 Fax: 22 761 42 65 Email: secretaria_esdm@netc.pt w w w . e s e c - d i o g o macedo.rcts.pt

RECOLHA

ElectroMania AJUDA A NOSSA ESCOLA A

NA NOSSA ESCOLA

PARTICIPA!

Início: 26-04-2010 Fim: 14-05-2010 Durante o segundo período poderão começar a trazer para a escola os equipamentos. Para equipamentos com maior dimensão contactar a escola.

http://www.escolaelectrao.pt 11ºD Marco Caetano e Pedro Marinho

Página 6

O concurso “Escola Electrão” é um projecto que conta com o apoio do Ministério da Educação e da Agência Portuguesa do Ambiente. A nossa escola pode ganhar com a tua colaboração. Se tens em casa electrodomésticos velhos, ou equipamentos electrónicos não hesites...trá-los para a nossa escola! A escola que conseguir recolher mais equipamentos é a vencedora.


E s c o l a FACE AO DOURO

APESDIM

“A TURMA MAIS DOCE” angariação dos fundos pretendidos. Estiveram em concurso 31 bolos confeccionados pelos alunos inscritos, de salientar a excelência dos mesmos, capazes de fazer concorrência aos melhores pasteleiros da nossa praça. Decorreu no dia doze de Março de dois mil e dez, sextafeira, o concurso intitulado “A TURMA MAIS DOCE”. Como já vem sendo hábito, o concurso, organizado pela APESDIM – Associação de Pais da Escola Diogo de Macedo, em colaboração com a Direcção da Escola, teve por finalidade a angariação de fundos, a serem entregues ao Clube de Solidariedade da escola, bem como a interacção fundamental entre

Enquanto o júri, constituído pelo Presidente de Junta de Freguesia de Crestuma, Sr. José Fernando, pelo Presidente de Junta de Freguesia de Olival, Sr. Manuel Joaquim Azevedo, pelo representante da Confeitaria Barbosa, Sr. Paulo e pela Presidente do Conselho Geral, Dr.ª Eurídice Vieira, tinha a difícil tarefa de decidir quanto à apresentação, textura, sabor e ori-

12, do 11º B, seguido do nº 25, do 8º E, e, em terceiro, lugar o nº 2, do 8º D. O evento decorreu de forma excelente e os seus objectivos foram atingidos, saindo todos a ganhar pelo convívio entre a Comunidade Escolar e a Escola, o Clube de Solidariedade pelos fundos angariados e, em conjunto, todos os presentes, que partiram para um fim-desemana bem “mais docinhos” do que o normal.

1º Prémio

A todos os presentes, um Bem-haja! A APESDIM

2º Prémio encarregados de educação e a escola. Os bolos concorrentes ao concurso, após criteriosa apreciação pelos júris convidados, foram partidos em fatias e vendidos aos presentes para

ginalidade das iguarias, os grupos da escola ficaram encarregados da animação cultural do evento. O bolo mais apreciado pelo júri foi o nº

3º Prémio Página 7


E s c o l a FACE AO DOURO

VISITAS DE ESTUDO

No dia 10 de Fevereiro de 2010, a turma do profissional de Informática de Gestão (11º D) acompanhada pelas formadoras Anabela Silva e Luísa Azevedo visitou o Museu

sobre a época romântica no Porto, prosseguindo depois para a visita guiada. Assim puderam observar a entrada, a sala de visitas, a sala de jantar, a sala de bilhar, a sala romântica, o gabinete do coleccionador, a

de Santana.), mas, devido à chuva intensa, só foi possível ver a casa, a estátua de Almeida Garrett e o local onde esteve aquartelado do interior da

camioneta. No geral a visita correu bem mas se o sol tivesse apa-

Romântico no Porto. A hora prevista da saída era às 9:10 mas, devido às condições climatéricas foi adiada para as 11:30, os alunos permaneceram na escola fazendo uma visita virtual ao Percurso Garrettiano. Os alunos e professores almoçaram no centro comercial e depois partiram para o Museu porém, durante o percurso, apanharam uma grande chuvada. No Museu começaram por ver uma apresentação

capela, o quarto de vestir, o quarto de dormir, a sala de baile e o quarto de criança. Depois da visita ao Museu, na Quinta da Macieirinha, os alunos e formadores foram lanchar a um café, aproveitando também para se protegerem da chuva. No plano da visita estavam previstas mais actividades (visita à casa de Almeida Garrett, estátua de Almeida Garrett, Igreja de S. José das Taipas, a Estátua Equestre de D. Pedro, Igreja e Colégio de S. Lourenço e a Sé na rua realizaram uma visita de estudo ao Visionárium da Santa Maria da Feira, acompanhados pelos professores Isabel Pereira e Pedro Magalhães. Esta visita de estudo teve como objectivo aprofundar os conhecimentos científicos dos alunos. Assim, com ajuda de um guia, os descendentes desco-

briram como tudo é feito e se organiza. Ao longo das várias sessões em salas temáticas e a visualização de um filme, a turma tomou consciência da importância da ciência das nossas vidas. Os alunos avaliaram positivamente a deslocação ao Visionárium uma vez que a consideraram muito benéfica a gratificante. O 9ºG - CEF

MUSEU ROMÂNTICO E PERCURSO GARRETTIANO

A PROCURA DA CIÊNCIA NO VISIONÁRIUM

No passado dia onze de Fevereiro os alunos do curso operador de informática, 9ºG, Página 8

recido teria ajudado imenso! João Pedro, nº 4 11ºD


E s c o l a VISITAS DE ESTUDO GARRETT E NÓS

No dia 10/02/2010, a turma do 11ºE, da Escola Secundária Diogo de Macedo, realizou uma visita de estudo ao Porto, no âmbito da disciplina de Português e acompanhamento de T.P.I.E.

A hora de saída prevista era às 09h10m, no entanto, devido ao mau tempo, tivemos que permanecer na escola aproveitando para fazer uma visita virtual ao percurso Garrettiano. Assim pudemos visualizar: a Casa onde nasceu Almeida Garrett, a Igreja de S. José das Taipas, a Estátua equestre de D. Pedro IV, a Estátua de Almeida Garrett, a Igreja e Colégio de S. Lourenço - Grilos, a Sé na Rua de Santana e por fim a Igreja St. Ildefonso. Locais marcantes da vida do escritor. Observámos ainda um vídeo muito interessante sobre a vida do mesmo, onde estava retratada a vida no Porto da época. Por volta das 12:00h, dirigi-

mo-nos à cidade invicta onde almoçamos e convivemos um pouco. Logo após o almoço, deslocámo-nos ao Museu Romântico, na Quinta da Macieirinha. Aí, a guia mostrou-nos, através de slides, o interessante Porto antigo (dos séculos XVIII e XIX): as várias profissões existentes na época, tais como peixeira, padeira, pescador e polícia, descreveu as ruas e a vida da época, por fim, referiu os monumentos mais marcantes, como a Universidade de Medicina e o Hospital de S. António, pois eram os edifícios mais evoluídos a nível da construção e extravagantes para a época em questão. De seguida fez uma apresentação, também através de slides, da história da Casa Museu (envolvendo o Romantismo), que o Rei Carlos Alberto de Itália escolheu para o seu exílio e onde acabou por falecer. Posteriormente realizámos uma visita guiada por toda a casa onde pudemos observar as peças decorativas, as mobílias e as pinturas da época. Deparámo-nos com as formas de viver observando a sala de jogos, de baile, de jantar e os quartos. O que mais gostei de visitar foi a sala de baile, pois tinha objectos interessantes da época, como por exemplo: os pianos, as pinturas, os sofás típicos, … Mas, o que mais me surpreendeu foi a elegância da sala! Nesta realizavam-se grandes festas e bailes grandiosos! A guia referiu que as mulheres registavam nos seus “caderninhos” as danças que iam realizar e com quem. Após a visita, fomos lanchar e, na viagem de regresso, percorremos as ruas do Porto, de forma a visualizarmos a casa

FACE AO DOURO

de Almeida Garrett, a respectiva estátua e o local onde esteve aquartelado. Tudo dentro da camioneta visto que estava a chover torrencialmente, único senão da nossa visita! Ana Rita Nº1 11ºE

Página 9


E s c o l a VISITAS DE ESTUDO VISITA DE ESTUDO À SERRA DA BOA VIAGEM

subdepartamentos BiologiaGeologia e Geografia teve como objectivos primordiais: conhecer Património Natural biológico, geológico e geográfi-

FACE AO DOURO

visita bastante interessante, uma vez que consideraram que esta cumpriu os objectivos pro-

postos, facto para o qual contribuiu também a participação valiosa de duas Guias do Visionarium de Sta. Maria da Feira. Em conclusão, uma experiência a repetir para o próximo ano, talvez num outro “cenário”.

No passado dia 22 de Março, as turmas A, B e C do 10º ano e C do 11º Ano realizaram uma visita de estudo à Serra da Boa Viagem. Esta iniciativa interdisciplinar, da responsabilidade conjunta dos

co nacional; aperfeiçoar o reconhecimento, em campo, de materiais e estruturas geográficas e geológicas bem como de diversos aspectos da biodiversidade; contribuir para a solução de problemas, manifestando atitudes de ponderação e sentido de responsabilidade. Os alunos tiveram uma participação entusiástica, ora escutando as explicações e colocando questões, ora pesquisando e recolhendo alguns exemplares fósseis da região. De um modo geral acharam a HIP HOP No dia 25 de Março de 2010, o conceituado professor de hip hop, Vitor Fontes, veio à nossa escola para realizar um workshop de hip hop com os alunos da mesma. O professor começou por dar o aquecimento, onde incorporava alguns movimentos relativos a este tipo de dança. Página 10

Apenas com poucos passos, já dava para ver as qualidades deste bailarino, e a sua motivação e entusiasmo passaram para todos os que estavam presentes no pavilhão. Após tudo isto, formamos grupos, onde podemos estar mais à vontade e começamos a executar alguns movimentos e passos de hip hop. Por fim, cada grupo inventou uma pequena coreografia para

apresentar aos outros grupos. Esta iniciativa teve muito sucesso entre os alunos e até mesmo entre os professores, deixando dentro de cada um de nós o “bichinho da dança”. Esta actividade fez enriquecer a nossa experiência e motivounos a participar em mais actividades como esta. Maria João Tavares n.º 14 9ºC


E s c o l a FACE AO DOURO

OPINIÃO “No passado dia doze de Janeiro fomos ao Centro Social de Olival visualizar uma peça de teatro intitulada “Auto da Barca do Inferno”. Esta peça foi representada muito bem pelos três actores que compunham o elenco. Foi uma peça muito animada, divertida, todavia a linguagem utilizada na peça nem sempre se conseguia entender pois era uma linguagem do, séc. XVI A parte que eu mais gostei foi a parte do Sapateiro e a do Judeu, A parte que menos me agradou foi, efectivamente, quando não entendia muito bem a fala das personagens. É uma peça muito interessante e que vale a pena ver!” João Moreira 9º A

“Esta peça foi importante para compreendermos melhor o que Gil Vicente nos quis transmitir, ou seja, a crítica à Igreja, entre outras…” Catarina Barril 9ºA

“Esta peça foi importante para percebermos melhor o que Gil Vicente quis criticar na sociedade do seu tempo.” Márcia Pinto 9ºA

“Gostei da forma como os actores encarnaram as personagens e como interagiram com o público.” Bruno Lopes 9ºA

“Achei muito útil para a matéria que iremos dar em Língua Portuguesa.” Vitor Batista 9ª A

PÈRE NOÖEL

Je t’écris cette lette pour te demander un cadeau spéciale . Je ne veux pas de vêtements ni de jeux vidéo. Je veux l’amour pour tout le monde. Il y a beaucoup de violence et de guerre.

“A minha parte preferida foi quando o Parvo fazia figuras engraçadas. Sem dúvida, ele era o mais engraçado” David Silva 9ºA

“AUTO

DA BARCA DO INFERNO”

“Era uma peça cómica em que as personagens faziam rir os espectadores.” Pedro Rocha 9º A

Les personnes sont agressives et ne sont pas heureuses. Je veux que la Terre soit un seul coeur plein d’amour. Je veux que la Terre soit le ciel et que tous les hommes prennent des étoiles au creux de la main. Il faut réconstruire notre monde. Um monde merveilleux; sans guerre, sans bombes et sans violence. Página 11


E s c o l a FACE AO DOURO

TELEMÓVEL Dizem por aí que os adolescentes de hoje vivem numa era de “modernices”, coisa que não posso desmentir. É verdade que esta “geração moderna” nada tem que ver com a “antiga”, pois os nossos pontos de vista sobre as coisas são totalmente diferentes. Perguntar a uma pessoa de idade o que é um telemóvel é o mesmo que perguntar a um cego se hoje estamos bonitos! Com isto quero dizer que as pessoas idosas não sabem o que é um telemóvel ou, se por acaso já tiverem aderido a esta “onda moderna” é por culpa dos seus netos “modernos”. Eu já sou da chamada “geração moderna”, mas tenho uma opinião formada sobre os telemóveis, a qual pode diferir de outras pessoas mais idosas que, sobre este assunto, não percebem nada! O telemóvel, aparelho que neste momento é quase imprescindível a milhões de pessoas e estas, às vezes, têm mais do que um, foi uma DESPORTO ESCOLAR CORTA - MATO NACIONAL Realizou-se no dia 13 de Março, em Vagos, o Corta Mato Nacional do Desporto Escolar. Esta é a prova de maior adesão desportiva escolar ao envolver os alunos dos ensinos básico e secundário de todas as regiões educativas do país, incluindo a região autónoma dos Açores. O apuramento para este Nacional contou com a participação de cerca de 300.000 mil alunos nas duas fases anteriores, a primeira ao nível da escola e a segunda ao nível das Equipas de Apoio às EscoPágina 12

BOM ou Mau????

invenção que revolucionou o mundo. Em casos mais extremos, podemos dizer que dependemos dele como da própria alimentação. É verdade que o telemóvel nos aproximou mais uns dos outros e, na minha opinião, foi das invenções mais extraordinárias dos últimos tempos! A minha opinião não é apenas a de um jovem “moderno”, ela tem algum fundamento, pois, apesar de ainda ser novo, já passei por situações em que a minha salvação foi o próprio telemóvel. O telemóvel, embora muito rejeitado por algumas pessoas mais “alarmistas”, pois pensam que ele traz doenças e corta as relações inter-sociais (e têm a sua parte de verdade), a meu ver, ele é, de facto, um objecto imprescindível! Imaginem que las (EAE). Neste encontro Nacional, estiveram presentes os melhores 1500 alunos, oriundos de todo o país. A nossa escola esteve brilhantemente representada no escalão de juvenis, masculino e feminino, pelo Rúben Ferreira, do 9ºG e pela Inês Silva, do 10ºB, respectivamente. Os nossos representantes portaram-se como dois bravos guerreiros, lutando desde o início até ao fim contra adversários poderosos, melhor apetrechados e melhor treinados para este tipo de prova, terminando-a em crescendo, dei-

têm um acidente e ninguém está por perto para ajudar… Este maravilhoso objecto pode salvar-nos, não?! Há que referir também que este meio de comunicação é deveras criticado, uma vez que causa uma espécie de “vício” entre as pessoas, mas, vendo bem, até nem é assim tão maléfico, como o tabaco ou drogas! Fala-se das radiações que emite, coisa que não percebo muito e que deixo para os entendidos! O meu ponto de vista é daqueles mais liberalistas, não me aprofundo muito sobre o assunto porque ainda vivo numa certa idade de “inocência”, na qual não nos apercebemos muito bem do perigo do que nos circunda. Somos ainda uns “teenagers inconscientes”! Mas, já tenho as minhas opiniões! Vale-me dizer que espero que este “bichinho”, por vezes barulhento e inquieto, admito, possa salvar muita gente de situações eventualmente perigosas! Nelson Silva nº17, 10B

xando para trás um sem número de competidores. Ao Rúben e à Inês o nosso obrigado pela forma fantástica como dignificaram o nome da nossa escola. LG


E s c o l a FACE AO DOURO

CALENDรRIO DE EXAMES 2009/2010

Pรกgina Pรกgina1313


D i a

d a

E s c o l a

ESCOLA OFICINA DAS ARTES A Oficina e Artes tem como objectivo a ocupação dos tempos livres, estimular a importância da arte no processo educativo, utilizar e transformar tipos de materiais e conceber trabalhos dando-lhes um sentido estético e consequente valorização. O horário de funcionamento desta oficina é semanalmente às terças e quintas-feiras das 14.20h às 15.05h na sala de Educação Tecnológica no Pavilhão B. Inscreveram-se nesta Oficina um pequeno grupo de alunas do 7º ano que continuam a trabalhar empenhadamente para a realização de trabalhos e também estão a colaborar connosco alunos que não estão A “DIOGO DE MACEDO” na Comunicação Social A actividade desenvolvida pelos cursos EFA que estão a decorrer na nossa escola despertou o interesse da imprensa concelhia, tendo os jornais “O Jornal de Gaia” e “Audiência” dado enfoque ao trabalho de alunos e professores. Assim, no dia 25 de Fevereiro, no primeiro dos periódicos citados e pela pena do seu actual Director, Manuel Robles, encontramos uma notícia que relata o empenhamento da turma do EFA B3, enquanto no dia 10 de Março, a jornalista Tânia Pinheiro Lino, escreve, no mais recente dos jornais concelhios, sobre a turma dois do EFA NS. Aplaudindo o interesse destes dois títulos da imprensa gaienses pelas actividades da ESDM, de louvar quando a maior parte das vezes as escoPágina 14

inscritos na Oficina, mas que merecem o nosso agradecimento. O ano lectivo vai a meio e a Oficina concretizou as seguintes actividades planeadas. Durante o primeiro período fez-se trabalhos relacionados com a época Natalícia, sendo expostos e colocados à venda na Biblioteca da escola. O saldo angariado nesta venda foi

de quarenta e sete euros e cinquenta cêntimos, sendo entregue na direcção da escola.

las só merecem a atenção da imprensa por razões menores, passamos a citar parte das SECUNDÁRIA DIOGO DE MACEDO VALORIZADA COM AS EXPERIÊNCIAS DOS ALUNOS DO EFA

FACE AO DOURO

No segundo período a professora responsável adquiriu os materiais necessários á realização de novos trabalhos. Fez-se trabalhos em decoupagé para o dia dos namorados e para a Páscoa e pintou-se algumas telas, ovos, caixas e portachaves para também serem expostos e vendidos na biblioteca da escola. Ainda neste período os alunos inscritos nesta oficina, participaram na pintura de t-shirts, através da técnica de Serigrafia. No terceiro período irão ser desenvolvidas as actividades previstas na planificação. Contamos com a participação de novos elementos nesta Oficina e aproveitamos a oportunidade para agradecer a todos quantos têm colaborado e participado neste projecto. Ermelinda F. Vieira

ALUNOS DO CURSO EFA B3 DÃO O EXEMPLO 'Secundária' Diogo de Macedo (Olival) participa no projecto Escola Electrão

A turma número dois do Curso de Educação e Formação para Adultos representou o seu dia-a-dia, sob o tema "Equipamentos e Sistemas”, numa festa realizada a 5 de Março. A Escola Secundária Diogo de Macedo é o "lar" onde ganharam uma nova família e uma maior auto-estima. Outro gosto pela vida.

- «Dioguinho» é a mascote de uma iniciativa que apela à participação da comunidade envolvente A Escola Secundária Diogo de Macedo, de Olival, é um dos estabelecimentos de ensino do país que participa na 2ª edição do projecto Escola Electrão, promovido pela Amb3E (Associação de Gestão de Resíduos de Equipamentos Eléctricos e Electrónicos), e que conta com o apoio do Ministério da Educação e da Agência Portuguesa do Ambiente.

In Audiência, por Tânia Pinheiro Lino

In O Jornal de Gaia, por Manuel Robles

Uma excelente forma de vida


E s c o l a FACE AO DOURO

.

NOITE DE LUA CHEIA

Cai a noite na floresta. É noite de lua cheia, o Outono chegara há poucos dias sem aviso prévio, despindo a imensidão de árvores que habitam neste enorme pulmão de oxigénio. As folhas, outrora ricas e verdes, caem agora secas e amarelas cobrindo o solo de “morte”. A luz projectada pela lua penetra por entre os troncos nus das árvores, criando um mosaico de luz tão sombrio e perturbador que até as aves de rapina mais nocturnas facilmente se assustam. Mas esta não era um floresta qualquer. No passado fora muitas vezes utilizada como ligação entre a aldeia e a igreja velha, que se situa sobre uma ponte velha e ferrugenta, depois de ultrapassado o caminho confuso por entre a vastidão de árvores que compunham a floresta. Há poucos anos atrás, com a construção da igreja nova no centro da aldeia, a velha foi caindo no esquecimento da população, bem como um solitário bispo que, segundo as más línguas, após ter cometido um pecado, vivia agora paralítico e encurralado nas ruinas da antiga igreja. Contudo, esta também não era uma noite qualquer. Noite de lua cheia era sinónimo de um ritual poderoso e sombrio protagonizado pelos “capas negras”, assim chamados pelos habitantes da aldeia e cujas acções eram guardadas em segredo. Entretanto, João, como uma data de miúdos da sua idade, divertia-se a mandar pedras para o lago que circundava a velha igreja, com a ajuda da sua fisga. Porém,

num dos seus inúmeros lançamentos, acaba por acertar numa das janelas do pequeno convento, partindo-a e ouvindo um gemido vindo de lá de dentro. Aproximando-se depressa, comandado pela sua ingénua curiosidade, entra na igreja e depara-se com um corpo, coberto de farrapos, estendido no chão. Sem reacção, João prepara-se para sair sem deixar marcas quando sente uma mão agarrar o seu tornozelo. O grito que se segue fez-se ouvir pelo floresta e pela aldeia toda,

despertando as luzes das casas e o voo das aves. Imediatamente João começa a espreitar por cima do ombro (para trás). Corre pela vida, mas de repente bate em algo e cai com violência no chão. Olhando à sua volta desvenda cinco corpos vestidos de negro. A noite dá lugar ao dia. Até hoje nunca mais ninguém ouviu falar do pequeno João e muitos rostos ainda se enchem de surpresa ao ver o velho bispo a caminhar pelos seus próprios pés pelas ruas da aldeia. Sara Gomes 9º

Página 15


D i a

d a

E s c o l a FACE AO DOURO

DESPORTO ESCOLAR

a toda a Comunidade Escolar por organizar, participar e apoiar este grande evento.

MEETING DE ATLETISMO No passado dia 26 de Março de 2010 decorreu na Escola Secundária Diogo de Macedo o Meeting de Atletismo, uma actividade inserida no PAAE (Plano Anual de Actividades da

Sara Almeida, nº15, 10ºC Sílvia Azevedo, nº 16, 10ºC Escola) que engloba especialidades como salto em comprimento, triplo salto, lançamento

do peso, estafetas e velocidade. Devido ao grande incentivo dos professores de Educação Física este evento tem tido cada vez mais participantes.

Apesar da chuva, a festa continuou dentro do pavilhão gimnodesportivo com muita energia, alegria e desporto! Esta é a maneira perfeita

para finalizar um período de aulas e incentivar os alunos a fazer mais desporto. Aproveitamos para agradecer

RESULTADOS DO MEETING DE ATLETISMO Sexo Class. Ano

Masculino

Feminino

1º lugar

2º lugar

3º lugar

1º lugar

2º lugar

3º lugar

7º Ano

E

D

C

E

F

D

8º Ano

A

E

F

F

E

D

9º Ano

F

D

E

F

D

E

Secundário

11ºA

10ºB

10ºC

11ºA

10ºA

11ºB

Página 16

Face ao Douro N.º32  

Jornal Face ao Douro Fevereiro 2010 N.º 32 Ano:XV

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you