Page 1

Junho 2012 O poeta Sentado à luz daquela tarde sombria, Onde jazia o silêncio profundo, Está o poeta em tal ousadia De entender o sofrimento do Mundo. Por entre palavras escondidas, Está a mais bela mensagem (Mas) Achando-as tão lindas e tão temidas Perde-se nele a coragem. Numa noite escura, Fala dos seus males ao Mundo, Entrando numa tal amargura Que o convida ao sono profundo. Poeta orgulhoso Que fala do seu sofrimento É quem vive em maior tormento Por nunca se sentir vitorioso Em cessar seu pensamento. Ser poeta é pensar E ter tal ousadia De imaginar Vivendo permanente na sua fantasia. Achando-se velho e acabado Seus olhos mostram gratidão Por tudo o que foi vivenciado Sem nada ser feito em vão. Pensando num poeta Pensamos numa dor permanente Um poeta é um guerreiro Cuja arma é a sua mente. E para finalizar Ao estilo do poeta Vamos todos sonhar. Ângela Costa Sonho Encoberto Navego em mares de tenebrosos encantos Onde outros tantos navegam também, Procuro empolgantes descobrimentos Mas deparo-me com o Cabo dos Tormentos Foi-se o sonho, já não sou ninguém. D. Sebastião, quando chegas? Quando irás salvar o teu povo Esse que ficou sem o sonho, estão vazios, a vaguear pelo desalento Na esperança de encontrar-te em alguém No meio do vento. Neste mar de Portugal Só me acompanha o marulho, pois o povo está sem voz, não se ouve ninguém. Sentir? Sente-se as ondas criadas pelo impacto das lágrimas que simultaneamente afundam o barco de alguém. Já nem me vale “O Quinto Império”, a espiritualidade, o além, enquanto não voltar um D. Sebastião ao trono, seremos ninguém. Rosa Azevedo

N.º 38 Ano: XVII

Preço: 0,50€

ELMA PEREIRA

Brilhante vencedora Concurso Nacional de Leitura Fase Distrital

Elma

Rosa

Ângela

ÂNGELA COSTA e ROSA AZEVEDO

Premiadas no Concurso de Poesia Interescolas de Gaia ATÉ SEMPRE… Chegaram timidamente, como que anestesiados pela nova escola, a escola dos mais velhos, a Diogo de Macedo. Cresceram, construíram ou reforçaram amizades, amadureceram, prosperaram, solidificaram personalidades, transformaram-se em Homens e Mulheres. Hoje preparam-se para nos deixar, completada que está mais esta etapa do seu percurso! Novos desafios se lhes deparam, novos horizontes se perspetivam. É a concretização de sonhos. É a beleza da vida. Neles materializa-se também a Missão que preside ao desafio que diariamente enfrentamos para ajudar a construir o Portugal do futuro, o Portugal do amanhã. O seu triunfo é, inquestionavelmente, o nosso sucesso, o êxito de uma Comunidade Escolar que não é formada por heróis, mas por profissionais competentes, que enfrentam as dificuldades, que lutam pelos seus ideais, que pugnam por ideias e projetos que acreditam serem os melhores para os nossos jovens alunos. A sua vitória é a força que nos tonifica para enfrentar as, cada vez maiores, dificuldades … Bem hajam, Felicidades. Um abraço dos professores e demais funcionários da Diogo de Macedo.

Página 1


E s c o l a FACE AO DOURO

2ª PÁGINA 32ª MARCHA JUVENIL DE MONTANHA

No dia 26 de junho realizou-se mais uma Marcha Juvenil de Montanha, que por tradição se realiza no final do ano letivo. Esta constituiu a 32ª edição deste evento que habitualmente congrega alunos e professores de escolas do grande Porto e zona norte do país. O percurso pedestre deste ano, localizado no município de Vouzela, passou pelas localidades de Figueiredo das Donas e Moçâmedes. Começou numa estrada romana (troço que estava inserido na estrada que ligava a urbe viseense ao litoral), incluiu uma extensão significativa da antiga linha de caminho de ferro do vale do Vouga (importante via de comunicação que ligava a Linha do Norte a Viseu) e percorreu algumas áreas florestais. Foi uma agradável marcha de 9 km, apesar de brindados ao início com uma chuva refrescante, não afetou a moral dos participantes, pois o percurso era bem diversificado com carvalhais sombrios (o que ajudou a suportar melhor o calor que entretanto despontava), atravessamento da ribeira da Pacheca, passa-

gem pela pitoresca aldeia de Moçâmedes, antigas linhas de caminhos de ferro e respetivos túneis. No regresso paramos em Vouzela com o objetivo quase exclusivo de degustar uma das iguarias gastronómicas do norte de Portugal - os pastéis de Vouzela - doce conventual que merece um desvio, tal é a combinação perfeita entre a massa folhada e o recheio de ovos moles, um deleite para os sentidos. Chegamos à escola conforme o horário previsto e a pedir por mais caminhadas, pois como tem sido hábito existem alunos veteranos que participam assiduamente nestas marchas e já solicitaram a sua "pré-inscrição" para o próximo ano! A finalizar uma palavra de satisfação pelo trabalho desenvolvido pela Câmara Municipal de Vouzela, pois soube tirar partido das áreas florestais existentes e das antigas linhas de caminhos de ferro, criando percursos bem delineados que valorizam o património paisagístico e ambiental para desfrute de autóctones e visitantes. Manuel Brandão

Propriedade: Escola Secundária/3 Diogo de Macedo Diretora: Olinda Guedes dos Santos FACE AO DOUEquipa Coordenadora: Manuel Filipe Sousa e Isabel Pereira Alunos: Ana Mouro (9º A), Ângela Ribas (11º A), Bebiana, Inês, Isabel e Magda (10º D), Rosa Azevedo (12º A), 7º D, 9º D, 9º E, CEF e 10º D Professores: Almerinda Devezas, Antonieta Carvalho, Manuel Filipe Sousa, Maria Izilda Vieira, Nelson Oliveira, Patrícia Costa, Pedro Melo, Rosário Meireles; Clube do Ambiente Fotografias: Manuel Brandão, Rosa Azevedo e Rosário Meireles Arranjo gráfico: Isabel Pereira Impressão: Secretaria e Reprografia da ESDM

Página 2

II CAMINHADA SOLIDÁRIA Sábado, dia 2 de Junho realizou-se pelo segundo ano consecutivo, a caminhada solidária da nossa escola. A atividade foi dinamizada pelo clube de solidariedade “ Tudo por um sorriso” e pelo grupo de Educação Física, com o objetivo de: praticar exercício físico para uma vida saudável e recolher alimentos para apoiar famílias muito carenciadas. Participaram nesta caminhada cerca de 140 pessoas entre alunos, pais, professores, direção da escola, associação de pais, funcionários, familiares e amigos. O percurso foi pequeno mas “ recheado” de descidas e subidas, foram cerca de sessenta minutos de caminhada por ruas das freguesias de Olival, Crestuma e Sandim. O dia esteve a nosso favor, nem

frio, nem calor, mas sim esteve uma temperatura que nos permitiu fazer o percurso sem problemas. Nesta atividade tivemos a colaboração dos bombeiros de Crestuma e da GNR. Em relação à parte solidária, o número de alimentos recebidos excedeu em muito o número de inscrições e de participantes, o que demonstra que as pessoas foram muito generosas e solidárias, sendo ainda de salientar que, houve pessoas que não puderam participar, mas que contribuíram com alimentos. Estes alimentos vão ser distribuídos por vários cabazes, juntando-lhe ainda alimentos frescos (iogurtes, etc.) e entregues a famílias carenciadas, ainda até final do ano letivo. Por fim gostaríamos de agradecer a generosidade e solidariedade de todos os que participaram, colaboraram e apoiaram esta iniciativa. Esta atividade será de propor para o próximo ano letivo. Prof. Almerinda Devezas A venda deste número do Face ao Douro reverte para o CLUBE DE SOLIDARIEDADE.


E s c o l a FACE AO DOURO

CONCURSO NACIONAL LEITURA ENTREVISTA COM ELMA TICIANA

Elma Ticiana Pereira foi a grande vencedora (escalão do ensino secundário) do Concurso Nacional de Leitura, fase distrital. A prova decorreu na Biblioteca Almeida Garrett, no passado dia 24 de abril, e teve como um dos elementos do Júri o escritor Gonçalo Cadilhe. Rosa Azevedo, colega e amiga da vencedora, colocou-lhe algumas questões sobre o prémio. Rosa - Elma, parabéns pela tua prestação no Porto. Diz-nos, o que te levou a participar neste Concurso? Elma - Sempre gostei muito de ler, e, quando soube da existência deste concurso pensei logo que era, de facto, a minha cara. Como tentar não custa, decidi participar e entregar-me à magia de viajar num livro. Rosa - Que livros tiveste que ler nestas duas fases do Concurso (fase a nível de escola e fase distrital)? Elma -Tive que ler, para a fase escolar, O Velho que lia romance de amor de Luís Sepúlveda, e, para a fase distrital, Nos passos de Magalhães de Gonçalo Cadilhe, e Livro de José Luís Peixoto. Rosa - Qual foi o título que mais apreCONCURSO DE POESIA INTERESCOLAS DE GAIA

No dia 30 de maio realizou-se a cerimónia de entrega de prémios do Concurso de Poesia Interescolas de Gaia, no pequeno auditório da Biblioteca Municipal de Vila Nova de Gaia. Na mesa estiveram presentes a diretora da Biblioteca Municipal, Dra. Cristina Margaride, os elementos do júri as escritoras Maria Virgínia Monteiro e Odete Boaventura e a Dra. Isabel Seca, professora bibliotecária da Escola Secundária de Oliveira do Douro, organizadora do Concurso. Nesta sessão, destacamos os prémios recebidos pelas nossas alunas Ângela Costa, com o poema O Poeta (1º prémio do escalão G – alunos do 10 e 11º anos) e Rosa Azevedo com o poema Sonho Encoberto (Menção Honrosa do escalão H – alunos do 12º ano). É com grande satisfação que, mais uma vez, alunos da escola Secundária Diogo de Macedo recebem

ciaste? Elma - Sem sombra de dúvida que Livro me marcou e está, desde já, na minha lista de obras preferidas! Rosa - Consideras que esta atividade é importante para as escolas e para os alunos? Elma - Sim, considero que este tipo de atividades é extremamente importante não só para escolas, como forma de divulgação do seu trabalho, mas sobretudo para os alunos, que ampliam os seus conhecimentos através da leitura e desenvolvem a sua capacidade de crítica. Rosa - Como te sentiste quando soubeste que vais representar o distrito do Porto, em Lisboa, no dia 29 de junho? Elma - Senti-me muito feliz! Não estava nada à espera de conseguir passar à final da fase distrital, muito menos de ganhar o concurso. Foi uma surpresa boa, estou muito feliz por ter conseguido estar à altura do desafio e de deixar a minha escola orgulhosa. Rosa - Ao que sabemos, a finalíssima do Concurso Nacional de Leitura irá ser transmitida no novo concurso de televisão Decisão Final, apresentado por José Carlos Malato. Para ti, Elma, desejamos toda a sorte para a fase final. Elma - Um muitíssimo obrigado a todos, especialmente à Biblioteca Escolar, professora Rosário e professora Maria José, que tanto me apoiaram! prémios no âmbito deste concurso. Parabéns às vencedoras e continuaremos à descoberta de mais sensibilidades poéticas na nossa comunidade escolar! Prof. Rosário Meireles X ENCONTRO DIOCESANO

No passado dia 25 de maio decorreu o X Encontro Diocesano de Alunos de EMRC, no parque da cidade do Porto. Esta atividade foi dinamizada pelo SDEIE (Secretariado Diocesano). A nossa escola fez-se representar com 151 alunos do 9º, 10º e 11ºanos inscritos em EMRC e 11 professores. O dia começou cedo, pelas 8.40h com a entrada dos alunos nos autocarros, rumo ao parque da cidade e com a distribuição das respetivas pulseiras que identificavam os alunos no parque como participantes deste encontro. Chegamos ao parque às 9.40h e já o colorido de tantas escolas da diocese se fazia sentir, depois de ser feita a receção à nossa escola fomos entregar o nosso

contributo (alimentos) para a recolha solidária que o secretariado organizou. De seguida entramos no parque em busca de um cantinho agradável e com sombra onde pudéssemos permanecer lá o dia todo. Foi um dia vivido com muita alegria, divertimento, descontração e de convívio entre alunos e professores, sem pressões e sem compromissos escolares. Este dia foi também assinalado com muitas atividades, todas dentro do parque, tais como: insufláveis, carrinhos, música, dança e a já habitual visita e bênção do bispo D. Manuel Clemente, bem como o tão desejado concerto com o Edmundo dos D’zirt e com a presença de alguns atores dos morangos com açúcar. Prof. Almerinda Devezas VISITA DE ESTUDO FÁBRICA VISTA ALEGRE

No âmbito das disciplinas de EV e ET alunos do 9º ano e alunos inscritos na oficina de artes realizaram uma visita de estudo à Fabrica da Vista Alegre, em Ílhavo, nos dias 13 e 22 de março. Fomos recebidos na Quinta da Vista Alegre, onde pudemos observar o Museu, a Fábrica, o Bairro Social do séc. XIX, as lojas, a Capela, o Palácio e o Teatro. Na Fábrica vimos como as belíssimas peças da Vista Alegres são feitas. É um trabalho minucioso e à mínima falha as peças são partidas e a porcelana é reutilizada. Verificamos com as peças são pintadas, as variadas técnicas e as formas que os pintores especializados utilizam. No museu observamos a evolução histórica da porcelana nos últimos dois séculos e apreciamos as peças representativas da cerâmica e vidro da Vista Alegre, desde a sua criação até aos nossos dias, bem como pinturas e objetos relativos à história da Fábrica, dos seus trabalhadores e fundadores, além de esculturas, coleções especiais e réplicas de encomendas reais. Na Capela foi-nos contada toda a sua história e foi-nos dada uma explicação de cada pormenor no seu interior e exterior. Foi edificada pelo Bispo de Miranda, D. Manuel de Moura Manoel e foi classificada como Monumento Nacional pelo seu grande valor arquitetónico e artístico, e lá encontra-se o túmulo do Bispo de Miranda. Ana Mouro, 9º A Página 3


No dia 12 de Fevereiro, vinte e três alunos da nossa escola s participaram Corta-mato Distrital. Bem cedo e já todos marcavam E c noo l a presença junto da escola trazendo consigo a esperança, mais ou menos secreta, da obtenção de uma honrosa classificação. A viagem curta até Santo Tirso revelou-se demasiado longa, fruto da ansiedade que aumentava à medida que os quilómetros passavam. FACE AO DOURO

VISITAS DE ESTUDO

A DIOGO DE MACEDO EM SINTRA! No dia 9 de março, os nossos alunos do 11º ano partiram às 6 da manhã rumo à bela vila de Sintra, acompanhados pelos professores Maria Izilda Vieira, Alice Silva, Maria José Santos, Inês Carolina, Sofia Moraes e Henrique Ribeiro.

tão desejadas queijadinhas (e outras iguarias, igualmente doces e saborosas!). A viagem de regresso correu bem, como toda a visita. Os alunos foram participativos e mostraram um comportamento adequado à atividade. O tempo também esteve do nosso lado, permitindo-nos observar as belas paisagens, com um esplêndido céu azul! Prof. Maria Izilda Vieira APRENDER A SER EMPREENDEDOR

Chegámos ao nosso destino por volta das 10 horas e dirigimo-nos ao Palácio da Pena, monumento de arquitetura romântica, após uma épica e íngreme caminhada. Os alunos puderam visitá-lo por fora e por dentro, tendo tido a oportunidade de visualizar algumas salas de restauro. Depois de um almoço ao ar livre no parque, de alguns festejos de aniversariantes e de inúmeras fotografias, descemos até ao centro da vila de Sintra. De barriga cheia e a descer, o mesmo percurso pareceu bem mais leve! Às 14:30, iniciámos o roteiro queirosiano. Primeiramente, numa sala do Pelouro da Cultura, ouvimos algumas palavras da nossa guia sobre as várias personagens de “Os Maias” e a relação entre elas, com algumas questões dirigidas aos alunos. Seguiu-se um percurso a pé por várias ruas da vila, com diversas paragens e referências à obra. Passámos pelo Palácio da Vila, pelos hotéis referidos na obra, como o Nunes e o Lawrence, pudemos observar, por fora, o palácio da Quinta da Regaleira, e finalmente, visitámos Seteais.

Já na hora do lanche, e como não podia deixar de ser, fomos à famosa pastelaria “Piriquita” e deliciámo-nos com as Página 4

No dia trinta de maio, pelas 14h30m, os alunos do décimo primeiro ano dos Cursos Profissionais de Técnico de Informática de Gestão e de Apoio à Infância, 11º F e E assistiram a uma sessão de esclarecimento sobre empreendedorismo. Esta atividade foi dinamizada pelas professoras Antonieta Carvalho e Carolina Campos, que convidaram o formador

Dr. Marco Lamas da empresa «Incubit» e professor da ESEIG. Com o objetivo de consolidar as aprendizagens adquiridas nas aulas de Economia e de Área de Integração os alunos identificaram o perfil de um empreendedor, os procedimentos e riscos a ter em conta na hora de criar uma empresa e a atitude necessária a quem procura emprego. Tendo em conta a atual conjuntura económica e a elevada taxa de desemprego jovem, esta sessão constituiu uma mais valia à formação integral dos alunos, pois forneceu -lhes técnicas de empregabilidade e conhecimentos sobre o mercado de trabalho. A sessão foi muito dinâmica, uma vez que o palestrante encetou um diálogo permanente com os alunos, num discurso simples e humorístico. Na globalidade, os alunos avaliam esta iniciativa de uma forma muito positiva, deixando-os mais otimistas em relação ao futuro. Prof. Antonieta Carvalho

A GRANDE LISBOA No dia 18 de Maio, a nossa turma (9ºF) com as restantes turmas do 9º ano, do 10º e algumas do 11º, deslocamo-nos a Lisboa para visitar a Assembleia da República, a fábrica dos Pastéis de Belém, o Mosteiro do Jerónimos e as Exposições do Museu Colecção Berardo no Centro Cultural de Belém. A saída da escola foi bem cedo, de modo a podermos aproveitar o dia na capital. Na visita à Assembleia da República, observámos a beleza do edifício e assistimos ao plenário com a participação dos deputados das diferentes bancadas. O tempo permitiu que pudéssemos usufruir dos jardins na zona de Belém, onde almoçámos.

À tarde visitámos a fábrica dos Pastéis de Belém, onde ficámos a saber algumas curiosidades, nomeadamente que a pastelaria vende em média mais de vinte mil pastéis por dia. O dia em que vendem mais pastéis, cerca de cinquenta e cinco mil, é o da Meia maratona de Lisboa. Seguidamente, enquanto os alunos do secundário visitaram o Centro Cultural de Belém, o nono ano visitou o Mosteiro dos Jerónimos. Aqui apreciámos a igreja onde se encontram os túmulos de Luís de Camões e Vasco da Gama. Visitámos, ainda, o Claustro, o monumento a Fernando de Pessoa e uma exposição bilingue sobre a História do Mosteiro e a História de Portugal. Este edifício foi mandado edificar por D. Manuel e a sua construção demorou cerca de cem anos. Este monumento marca a viagem dos portugueses por mares desconhecidos, em busca de um novo império. Por volta das 16h30, comemos o famoso pastel de Belém e, de estômago satisfeito, regressámos a casa com uma breve paragem na Mealhada. Foi um dia cansativo mas muito enriquecedor. 9º F


No dia 12 de Fevereiro, vinteE e três alunos sda nossa c escola oparticiparam l ano Corta-mato Distrital. Bem cedo e já todos marcavam presença junto da escola trazendo consigo a esperança, mais ou menos secreta, da obtenção de uma honrosa classificação. A viagem curta até Santo Tirso revelou-se demasiado longa, fruto da ansiedade que aumentava à medida que os quilómetros passavam. FACE AO DOURO RICHARD ZIMLER ENTRE NÓS Para celebrar a Semana da Leitura, a Biblioteca da nossa escola convidou o célebre escritor Richard Zimler, procurando incentivar os alunos a ler mais e melhor. No passado dia 11 de abril, a minha turma, com a professora Maria Izilda Vieira, e outras turmas do secundário, igualmente acompanhadas pelas professoras de Português e outras, tiveram o privilégio de participar numa agradabilíssima conversa com Richard Zimler, na nossa Biblioteca. Este escritor nasceu nos subúrbios da cidade de Nova Iorque, em 1956, é licenciado em Religião e é mestre em Jornalismo. Vive com o cientista Alexandre Quintanilha, no Porto, desde 1990, onde já deu aulas de Jornalismo. Aqui procurou também refugiar-se da dor provocada pela morte prematura do seu irmão. Escreveu bestsellers, conhecidos internacionalmente, tais como “O Último Cabalista de Lisboa”, “Sétima Porta”, “Anagramas de Varsóvia” e “Ilha Teresa”. Durante o encontro, Richard Zimler falou-nos um pouco da sua vida, do seu país-natal, explicou-nos um pouco a sua história e como foi a mudança para um país completamente diferente, desde a língua à mentalidade e cultura. Falounos ainda da sua carreira e demonstrou a sua enorme paixão pela escrita. Durante esta conversa, os alunos colocaram várias questões às quais respondeu sempre com simplicidade, simpatia e uma “mente aberta”, captando a atenção e entusiasmo de todos. Com isto, posso garantir que a sua visita foi um sucesso e que as suas palavras nos influenciaram bastante! Gostaria de mencionar também que o escritor se identificou com a personagem Teresa do livro “Ilha Teresa”. Afirmou-nos que o seu percurso de vida inspirou o nascimento dessa personagem. Teresa é uma adolescente que parte para os EUA, um país estrangeiro bem diferente do seu, ao qual tem de se adaptar, enfrentando várias dificuldades. Tal como Teresa, também Zimler pas-

sou por um processo de adaptação, mas o resultado foi positivo, pois pareceu-me que gosta de Portugal e da nossa cultura! Aconselho vivamente a lerem “Ilha Teresa” que nos conta uma história empolgante e talvez vos faça ver o mundo com outros olhos! Ângela Ribas, 11º A BACTÉRIAS E MOSCAS NA ESCOLA Podendo ser uma notícia alarmante, não é! As bactérias chegaram à escola, nomeadamente ao Clube do Ambiente, e são tudo menos perigosas! Um grupo de alunos do décimo ano envolvido no projeto “criaram” colónias de bactérias nos laboratórios da nossa escola. Mais do que isso eles transformaram-nas obtendo Organismos Genéticamente Modificados (OGM’s). O seu objetivo, além de contactarem com técnicas de microbiologia, foi demonstrar que se consegue obter colónias de bactérias e, indo mais além, obrigá-las a trabalhar para eles. Em específico, os alunos modificaram o DNA da bactéria, introduzindo uma porção vinda de um outro ser vivo (plasmídeo) que deixou quase literalmente as nossas bactérias verdes! O plasmídeo utilizado permitiu à bactéria produzir uma proteína que quando iluminada com luz negra floresce de verde. A experiência correu muito bem e as colónias de bactérias obtidas já apareciam à cor! Provaram que podem alterar o DNA de um organismo e levá-lo a produzir uma proteína. Trabalhos como estes mostram a possibilidade de ter organismos a “ajudar” o ser humano, pois podem ser modificados para, por exemplo, produzir insulina! Diriam talvez que neste contexto … as bactérias são nossas amigas! Agora esperam-se resultados de um novo organismo… a mosca! Vulgarmente conhecida pela “mosca da fruta”, esta é próxima a servir de modelo biológico para estudo das suas características fenotipicas (observadas). É caso para dizer: “não fiques com a mosca, aprende com ela”! Prof. Pedro Melo

CLUBE DO AMBIENTE ECO-ESCOLAS Pelo terceiro ano consecutivo a nossa escola assumiu o compromisso de implementar o Programa Eco-Escolas ao longo do ano letivo. O clube do ambiente integra este grande projeto cujo principal objetivo é sensibilizar toda a comunidade escolar para a temática do desenvolvimento sustentável. No clube do ambiente, os alunos inscritos participaram/ dinamizaram vários projetos a decorrer, tais como: Green Cork- “Rolhas que dão folhas”, Eco-EGI, sensibilizando toda a comunidade escolar para a importância da reciclagem dos resíduos. Muitas atividades foram desenvolvidas dando cumprimento a um plano de atividades que contou com a elaboração do EcoCódigo 2012 e o hastear da Bandeira Verde 2011, símbolo das boas práticas ambientais desenvolvidas na nossa escola no ano letivo de 2010/2011. Este ano mais uma vez será feita a candidatura ao galardão Bandeira Verde 2012. NA FOZ DO DOURO Os alunos do 11º ano, turmas A, B e C, dos Cursos de Ciências e Tecnologias, realizaram no dia 24 de Maio, de manhã, uma visita de estudo à Foz do Douro, percorrendo um percurso temático designado por "Passeio Geológico da Foz do Douro", sinalizado com nove painéis. Esta visita foi guiada pelos professores Patrícia Costa, Manuel Brandão e Nelson Oliveira. As rochas da Orla Marítima da cidade do Porto são das mais antigas em Portugal e constituem um Património Geológico de elevado interesse científicodidático, o "Complexo Metamórfico da Foz do Douro", classificado como Património Natural Municipal. A visita decorreu num tempo magnífico e os objetivos foram superados, com os alunos a preencherem de forma correta e empenhada o respetivo guião. A repetir… Prof. Nelson Oliveira Página 5


E s c o l a FACE AO DOURO

SAÚDE INFANTIL O MUNDO DA CRIANÇA Na disciplina de Saúde Infantil a professora Patrícia Costa propôs à turma do 11ºE, a realização de uma atividade. Esta consistia na realização de um livro de receitas infantis (entre os seis meses e os 3 anos) e também na construção de uma caixa de atividades/brinquedos para a mesma faixa etária.

DIA DA EUROPA NA ESCOLA No passado dia 9 de Maio comemorou-se o Dia da Europa na nossa escola. Esta atividade foi dinamizada nas aulas de geografia e nas horas livres. Pela manhã, durante o hastear das bandeiras, na sala dos professores e na Biblioteca, seis alunos da nossa turma (7º D) tocaram o Hino da Europa (Ode à Alegria). Esta foi uma agradável forma de participar nas celebrações deste dia.

CONCURSO DESAFIOS DA FÍSICA Com o objetivo de incentivar os alunos do 9º ano de Escolaridade para o estudo da Física e Química, as respetivas professoras, organizaram um concurso constituído por uma prova a realizar durante o terceiro período. Os alunos mostraram-se interessados e empenhados em participar, pelo que se pode concluir que foi um sucesso. Os vencedores do concurso foram: Henrique Costa e Joaquim Molina do 9ºE. O respetivo prémio será entregue no próximo ano letivo no Dia da Escola. LABORATÓRIO ABERTO

A turma foi dividida em dois grupos e estes trabalharam ao longo de algumas aulas sendo ainda utilizados tempos livres. Os alunos que decidiram construir um livro de receitas tiveram ajuda de uma nutricionista, Dra. Patrícia Martins, que fez a correção científica do livro e realizou uma sessão de esclarecimento sobre o tema “diversidade alimentar na 1ª infância”. Nesta sessão a dietista esclareceu as dúvidas dos alunos sobre a alimentação da criança na primeira infância, cuidados e aspetos a ter em conta. A realização destes trabalhos foi muito enriquecedora para os alunos para a sua formação pessoal e profissional, uma vez que articularam conhecimentos adquiridos em várias disciplinas do seu curso e construíram algo muito prático de forma muito autónoma. Prof. Patrícia Costa

Para este dia os alunos dos sétimos anos elaboraram cartazes sobre características e curiosidades que identificam os países da Europa. Os alunos dos oitavos anos também contribuíram para esta comemoração realizando maquetes, cartazes, mapas e gráficos sobre a demografia nos países europeus. Todos estes trabalhos estiveram expostos no átrio e no interior da Biblioteca da escola. Gostamos muito de participar nesta interessante comemoração, pois ficamos a saber mais sobre todos os países da Europa e os “músicos” consideram que foi uma nova experiência e divertiram-se muito nos ensaios. 7ºD

WORKSHOP SOBRE PREVENÇÃO DE ACIDENTES Durante este terceiro período, em três sessões, num total de nove horas, realizou-se na nossa escola o Workshop “Prevenção de Acidentes”. Esta ação teve como público alvo os nossos assistentes operacionais, tendo como objetivo capacita-los para a atuação perante uma situação de acidente e/ ou doença crónica, de forma a reduzir os danos já causados ou a impedir que aumentem ou piorem. A Enfermeira Rute Martins da UCC Página 6

dos Carvalhos e elementos dos Bombeiros Voluntários dos Carvalhos dinamizaram as sessões que foram muito participadas, tendo o objetivo pretendido sido plenamente atingido. Face ao êxito da iniciática para o ano haverá novo workshop! Prof. Nelson Oliveira

No passado dia 22 de Março os alunos do 9ºano participaram numa atividade monitorizada pelos alunos do 11º e 12º ano do curso de Ciências e Tecnologias e dinamizada pelo grupo de Biologia e Geologia. Todos os alunos do 9º ano tiveram a oportunidade de desenvolver algumas atividades experimentais que fazem parte dos conteúdos lecionados na disciplina de Ciências Naturais. Observação de alguns órgãos de porco dissecados (coração, encéfalo, rins, pulmões e traqueia), identificação de nutrientes do leite, observação de sangue e epitélio lingual ao microscópio, exploração dos órgãos dos sentidos (visão, tacto, sabor) foram algumas das atividades monitorizadas pelos alunos do ensino secundário. Os alunos do 9º ano participaram ativamente, demonstrando grande interesse por todas as explicações dadas pelos colegas do secundário. Esta partilha de conhecimentos foi importante para todos os que passaram pelo laboratório de biologia naquele dia. Prof. Patrícia Costa


E s c o l a FACE AO DOURO

PARA MEMÓRIA FUTURA Como é do conhecimento geral a Escola Secundária/3 Diogo de Macedo e o Agrupamento Vertical de Olival vão agregar-se, formando uma nova unidade orgânica. No âmbito desta problemática os Conselhos Gerais da ESDM e do AVO emitiram opiniões contestando a agregação. Para Memória Futura transcrevemos a Moção votada na reunião do C. G. da nossa escola de 27 de Março de 2012 e aprovada pela esmagadora maioria, sem votos contra, dos conselheiros e posteriormente enviada aos responsáveis autárquicos, de freguesia e do concelho, e nacionais. MOÇÃO O Conselho Geral da Escola Secundária com terceiro ciclo Diogo de Macedo, Olival, Vila Nova de Gaia, decidiu, por maioria, com seis abstenções, rejeitar veementemente a proposta de agregação deste estabelecimento de ensino com o Agrupamento Vertical de Olival, fundamentando a sua decisão nos seguintes princípios: 1)A agregação de escolas/ agrupamentos deve ter sempre por princípio fundamental a melhoria de ensino e das condições de aprendizagem dos alunos que as integram, beneficiando de remodelação ou transformação de estruturas, o que manifestamente não é o caso; 2)A agregação de escolas/ agrupamentos, no caso concreto da Escola Secundária/3 Diogo de Macedo com o Agrupamento Vertical de Olival não se fundamenta em razões objetivas de melhoria de equipamentos, de que possam resultar benefícios para os membros das Comunidades Educativas; 3)A agregação desta escola/ agrupamento contraria o princípio básico e inalienável de um regime democrático, que é o respeito pela soberania popular expressa nos seus órgãos democraticamente eleitos e representativos, ou seja, os Conselhos Gerais destas escola/ agrupamento, os quais não foram auscultados, o que contraria diretamente a legislação em vigor; 4)A agregação desta escola/ agrupamento não melhora as condições de funcionamento de serviços fundamentais como o refeitório, o bufete, a biblioteca, os laboratórios e os serviços administrativos, pois as suas instalações

carecem de intervenção qualificada e específica, uma vez que a sua construção e planeamento têm já mais de duas dezenas de anos; 5)A agregação desta escola/ agrupamento, devido ao elevado número de alunos que as integram, à sua dispersão geográfica e ao facto de ser feita sem qualquer preparação prévia, vai condicionar ainda mais uma área geográfica carenciada e com graves problemas, pese embora todo o esforço que os executivos da Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia e das Juntas de Freguesia de Lever, Crestuma, Olival e Sandim têm desenvolvido em favor destas populações; 6)Considerando o exposto o Conselho Geral manifesta o seu repúdio pela eventual agregação, defendendo intransigentemente a defesa da identidade da “Diogo de Macedo” e o respeito pelo seu legado, lembrando aos poderes instituídos que a adoção do nome do patrono desta escola foi um momento de união e integração das quatro comunidades gaienses, merecendo a concordância e o aplauso unânime de todos os envolvidos, desde o Ministério da Educação ao Município/ Freguesias.

neste caso nas duas línguas envolvidas – o francês e o português.

Os nossos convidades ficaram alojados nas casas dos respetivos correspondentes, com os quais já haviam comunicado via Internet. Esta experiência durou uma semana, mas as primeiras três noites foram passadas na Pousada da Juventude do Porto e no Parque Biológico, as três seguintes nas casas dos correspondentes e a última de novo na Pousada. Durante esta semana tivemos oportunidade de conhecer e concretizar algumas atividades lúdicas. Entre estas destacou-se uma demonstração de canoagem (executada pelos nossos alunos praticantes desta modalidade), na vila de Crestuma, a visita ao centro histórico do Porto e às cidades de Braga e Guimarães. Pudemos ainda conviver com os alunos franceses, o que levou a uma troca de experiências e uma criação de laços de amizade.

INTERCÂMBIO ESCOLAR As turmas de 10º e 11º anos de Línguas e Humanidades da Escola Secundária Diogo de Macedo de Olival realizaram um Intercâmbio Escolar com o Lycée Chateaubriand de Rennes (Noroeste de França) mediante proposta das nossas duas professoras de Francês e da professora de Português dos alunos franceses.

Este Intercâmbio foi realizado com o objetivo de conhecer uma cultura diferente e os diferentes costumes dos nossos correspondentes, de conhecer o sistema escolar francês e, também, de aumentar a capacidade linguística dos nossos alunos e dos alunos franceses,

No suposto dia da partida para Rennes, alguns dos nossos alunos decidiram juntar-se para uma surpresa de despedida. Para nossa felicidade e, após 4 horas de espera no aeroporto Francisco Sá Carneiro para que eles chegassem, os nossos novos amigos franceses acabaram por perder o avião, voltando para as nossas casas, marcando nova partida para três dias mais tarde. Pensamos que este contacto com jovens da mesma faixa etária que nós, foi bastante proveitoso, pois para além de termos desenvolvido as nossas competências, fizemos novos amigos e apercebemo-nos que temos muito em comum e que a língua não é um obstáculo para nos relacionarmos uns com os outros. Bebiana, Inês, Isabel e Magda 10ºD Página 7


E s c o l a FACE AO DOURO

IBIZA, DIÁRIO DE UMA FINALISTA Chegara finalmente o dia pelo qual tanto tínhamos ansiado! Era dia vinte e cinco de Março e já pelas onze da noite esperávamos com muita espectativa pelo autocarro que nos levaria rumo a Ibiza. Estávamos no parque de estacionamento da nossa escola, na companhia calorosa dos nossos familiares e amigos quando avistamos por fim o meio de transporte onde passaríamos longas horas de viagem e onde já se encontravam alunos do Colégio Internato dos Carvalhos. Após guardarmos as nossas tão pesadas malas e darmos o último adeus aos nossos familiares, embarcamos rumo à nossa inesquecível semana.

Durante a viagem de autocarro conversamos, conhecemos novas pessoas, trocamos expectativas de como seria Ibiza, observamos a paisagem circundante e tentamos repousar para ter energias para aproveitar ao máximo a nossa estadia na ilha localizada a leste de Espanha continental, no Mar Mediterrâneo. Passada a fronteira já só sonhávamos com a ilha do arquipélago das Baleares, mas antes para lá chegarmos tivemos de apanhar o barco para Ibiza no porto de Denia, província de Alicante. Visto que o autocarro chegou mais cedo que o previsto a Denia, tivemos oportunidade para explorar um pouco a praia e os típicos bares da costa. Chegada a hora marcada, deslocamo-nos de volta para junto do nosso autocarro onde recolhemos as malas, conhecemos o nosso monitor, o “tio Carlos”, tratamos de pequenas burocracias e de seguida fomos rumo ao check-in para o ferryboat, o que se tornou muito demorado, pois eramos numerosos finalistas. Passada a extensa espera, finalmente estávamos em alto mar, à espera de encontrar um indício da existência de Ibiza. Para passar o tempo da viagem, exploramos o barco que estava repleto de finalistas, jogamos Página 8

às cartas e tentamos descansar, pois já eram muitas horas de viagem e o sono já se apoderava de nós. A noite já se adensava quando finamente contemplamos o local dos nossos sonhos, Ibiza! Após a demorada saída do barco, apanhamos um autocarro rumo ao desejado Hotel da cadeia Sirenis, onde nos deparamos com uma enorme espera para realizar o check-in, uma espera incomodativa, pois estávamos exaustos da viagem e ao relento. Se não fosse a divertida companhia dos nossos amigos e a bonita paisagem que nos rodeava, diria que tinha sido uma espera horrível. Todo esse episódio foi por momentos apagado ao entramos no nosso quarto que além de possuir umas confortáveis instalações possuía uma vista fenomenal. Ibiza esperava-nos de noite como de dia. Ela é conhecida pela noite, e a nossa foi maioritariamente passada na discoteca “Martina”, onde todas as noites podemos nos divertir e dançar ao som de atuações, como dos famosos “Expensive Soul”, ”Dino”,”Dj Demo “ o bem-parecido “DJ Kura” e o aclamado “Dj Ride”, entre passeios noturnos

pela cidade, convívios nos quartos e no bar do hotel e também junto à piscina. Mas o nosso dia não ficou atrás da noite, muito pelo contrário, logo pela manhã, após um pequeno-almoço reforçado tínhamos lugar numa espreguiçadeira junto à piscina com a praia mesmo em frente, praia de mar calmo e transparente. Na piscina e junto a ela eram desenvolvidas atividades pelos monitores, como aulas de dança e torneios de vólei que promoviam o convívio com jovens de outras escolas. Mas nós não nos cingimos às redondezas do hotel, após os variados almoços, além das praias, também visitamos o comércio local e a belíssima vila histórica que transmite um charme hippie e cool e em que os habi-

tantes espanhóis são de extrema simpatia. A estadia revelou-se curta demais e todos ansiavam por mais tempo em Ibiza. Após o pequeno-almoço despedimonos do hotel, de todo aquele ambiente e também dos amigos que lá fizemos, que de certeza irão ficar gravados na nossa memória (ou na lista de amigos do facebook). De autocarro, já um pouco nostálgicos, voltamos ao porto de Ibiza para embarcar no ferryboat para Denia. Chegados a Denia a camioneta já nos esperava, e após guardarmos as nossas (agora ainda mais pesadas) malas fomos rumo a casa. As acumuladas horas de diversão refletiram-se no nosso cansaço e por conseguinte a maior parte da viagem não passou de uma tentativa de repouso. Era já pela noite dentro quando regressamos à nossa escola, com saudades da nossa família mas, ao mesmo tempo, com pena de não termos continuado na companhia do sol de Ibiza. Foi uma incrível semana que vai permanecer para sempre na nossa memória. Rosa Azevedo, 12ºA DIA MUNDIAL DA ÁGUA No dia 22 de Março comemorou-se o Dia Mundial da Água e a Escola Diogo de Macedo não podia deixar passar esta data sem realizar alguma atividade! Os alunos do 9ºano, na disciplina de Geografia, fizeram trabalhos alusivos à temática ”água” como, fotografias legendadas, maquetes do ciclo da água e da disponibilidade de água na Terra, um “guarda-chuva “ e uma” torneira “de onde brotavam “gotas de água “com propósitos e ensinamentos e muitos cartazes de incentivo à poupança de água, os quais foram posteriormente expostos no Pavilhão A. Os trabalhos estavam muito criativos e apresentavam muitas medidas que devem ser adotadas por todos, no sentido da conservação e preservação deste que é talvez o recurso mais importante da Terra! 9ºD

Face ao Douro Nº 38  

Jornal Face ao Douro Junho 2012 Nº 38 Ano: XVII