Page 1

CAPA PORQUE A CIDADE.pdf 1 25/06/2012 09:25:39

CM

MY

CY

CMY

K

ISBN 852280729-1

9

Universidade Federal Fluminense

788522

807291

POR QUE A CIDADE ?

Y

A cidade neste livro afasta-se da função de um mero cenário, ou um espaço exterior, onde a subjetividade circularia impune em sua universalidade; nos ensaios aqui presentes ela interfere, interroga de modo cortante categorias psi desatentas às políticas do contemporâneo. O livro é fruto de preocupações dos pesquisadores envolvidos com algumas das temáticas da cidade, que contribuem decisivamente para uma outra imagem da produção do conhecimento e da própria subjetividade, encharcada de tempo e de história.

(organizadores)

M

Esta obra escrita por pesquisadores do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da UFF, e por pesquisadores convidados de outros programas, versa sobre as interpelações da vida social das cidades às categorias das ciências humanas, assim como sobre as implicações dos profissionais psi frente às urgentes questões suscitadas pelas metrópoles contemporâneas. São ensaios destinados não só aos estudiosos da subjetividade, mas aos pesquisadores e leitores interessados na reflexão sobre a cultura brasileira, na violência urbana, nas intervenções artísticas nas ruas, nas políticas da saúde mental, na literatura e imagens urbanas da atualidade.

Luis Antonio Baptista Marcelo Santana Ferreira

C

A cidade neste livro afasta-se da função de um mero cenário, ou um espaço exterior, onde a subjetividade circularia impune em sua universalidade; nos ensaios aqui presentes ela interfere, interroga de modo cortante categorias psi desatentas às interpelações políticas do contemporâneo. O livro é expressão de preocupações dos pesquisadores envolvidos com algumas das interpelações da cidade, que contribuem decisivamente para uma outra imagem da produção do conhecimento e da própria subjetividade, encharcada de tempo e de história.

Luis Antonio Baptista Marcelo Santana Ferreira (organizadores)

ESCRITOS SOBRE EXPERIÊNCIA URBANA E SUBJETIVIDADE

Esta obra escrita por pesquisadores do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da UFF, e por pesquisadores convidados de outros programas, versa sobre as interpelações da vida social das cidades às categorias das ciências humanas, assim como sobre as implicações dos profissionais psi frente às urgentes questões suscitadas pelas metrópoles contemporâneas. São ensaios destinados não só aos estudiosos da subjetividade, mas aos pesquisadores e leitores interessados na reflexão sobre a cultura brasileira, na violência urbana, nas intervenções artísticas nas ruas, nas políticas da saúde mental, na literatura e imagens urbanas da atualidade.


POR QUE A CIDADE?


Luis Antonio Baptista Marcelo Santana Ferreira (organizadores)

POR QUE A CIDADE?

ESCRITOS SOBRE EXPERIÊNCIA E SUBJETIVIDADE.

Niterói, 2012


© 2012 by Luis Antonio Baptista e Marcelo Santana Ferreira (organizadores) Direitos desta edição reservados à EdUFF - Editora da Universidade Federal Fluminense Rua Miguel de Frias, 9 - anexo - sobreloja - Icaraí - CEP 24220-900 - RJ - Brasil Tel.: (21) 2629-5287 - Fax: (21) 2629- 5288 - www.editora.uff.br E-mail: secretaria@editora.uff.br É proibida a reprodução total ou parcial desta obra sem autorização expressa da Editora. Revisão: Adriana da Silva Nunes Capa e editoração eletrônica: Fabrício Trindade Ferreira ME Dados Internacionais de Catalogação-na-Publicação - CIP B222 Baptista, Luis Antonio. Ferreira, Marcelo Santana. POR QUE A CIDADE?: escritos sobre experiência e subjetividade./ Luis Antonio Baptista, Marcelo Santana Ferreira (org.). - Niterói: Editora da UFF, 2012. 224 p. ; 21 cm. Inclui Bibliografia. ISBN 978-85-228-0729-1 1. Filosofia e Psicologia. I. Ferreira, Marcelo Santana. II. Título.III. Série CDD 100 UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE Reitor: Roberto de Souza Salles Vice-Reitor: Sidney Luiz de Matos Mello Pró-Reitor de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação: Antonio Claudio Lucas da Nóbrega Diretor da EdUFF: Mauro Romero Leal Passos Seção de Editoração e Produção: Ricardo Borges Seção de Distribuição: Luciene P. de Moraes Seção de Comunicação e Eventos: Ana Paula Campos Comissão Editorial Presidente: Mauro Romero Leal Passos Ana Maria Martensen Roland Kaleff Eurídice Figueiredo Gizlene Neder Heraldo Silva da Costa Mattos Humberto Fernandes Machado Luiz Sérgio de Oliveira Marco Antonio Sloboda Cortez Maria Lais Pereira da Silva Renato de Souza Bravo Rita Leal Paixão Simoni Lahud Guedes Tania de Vasconcellos


SUMÁRIO Apresentação 7 Luis Antonio Baptista

Prefácio 9 Marcia Moraes

O que são essas luzes?

15

Corpo e experiência na cidade dos poetas piratas

31

Equivocidades

53

Rodrigo Lages e Silva Diego Flores

Danichi Hausen Mizoguchi

Para ficar atento ao que ficou inacabado: das desutilidades dos restos das cidades

65

Andanças: artes de habitar uma cidade

83

Ana Cabral Rodrigues

Analice de Lima Palombini / Rafael Wolski de Oliveira

Ode à cidade ou a violência da Literatura na desinstitucionalização da Saúde Mental 105 Luis Antonio Baptista / Beatriz Adura Martins

Por entre literaturas e cidades:

115

Tramas insones da cidade

129

Walter Benjamin e a cidade

153

Troca de Segredos:1 um dispositivo que contagia experiências.

169

Na tocaia de instantes na cidade

185

Cidades feita de gestos

199

Poliana dos Santos Cordeiro Tiago Régis de Lima

Marcelo Santana Ferreira

Cristiane Knijnik / Iazana Guizzo Geraldo Artte

Sonia Aparecida Moreira França


APRESENTAÇÃO O fazedor de mantos, a escola hindu, o navegador temeroso de ir ao encontro do desconhecido, são imagens presentes nas entrelinhas deste livro. Escapam da função da metáfora, não serão citadas em nenhum texto, mas atuam como fragmentos de histórias invisíveis que provocaram esta obra. Imagens como método que irradia desvios, cortes, interrupções ao ensejo de uma conclusão definitiva. A tessitura da escrita, o porquê da cidade, a experiência urbana são apresentadas ao leitor seja através do sergipano criador de mantos chamado Bispo do Rosário; seja por meio da escola hindu onde serpentes espreitam o espaço ao lado dos monges copistas; seja pelo tormento do jovem persa que preferiu a tortura para escapar de uma estranha viagem. Estas imagens são acontecimentos de tempos e espaços diversos que incitaram este livro a existir. São resquícios de um passado ainda vivo que apelam para o prosseguimento de suas tramas em outros dizeres; um outro dizer que transtorna uma origem que se pretenderia imaculada. A narração, nesta obra, experimenta usar o sentido transgressor da imagem. O fazedor de mantos, morador por muitos anos do hospício Juliano Moreira, conduz este livro para o ato da escrita. Bispo desfiava o uniforme do manicômio para realizar suas obras. A arte deste homem era feita da destruição do pano encardido que o vestia. Desfiava o disponível. O uniforme que o encarcerava no destino do desatino virava um informe inesgotável. Desfiar, destruir o possível acolhia os apelos da intensidade do que escapava aos limites de qualquer objeto, território ou corpo. Bispo tecia suas obras com linhas das roupas que antes de serem dissipadas, sentenciavam quem ele era e o que não poderia ser. Seus mantos foram feitos por um desfazer. O uniforme afirmava a clareza definitiva de uma forma; sua arte fazia-se deixando entrar o que ainda não conseguia dizer o seu nome. A escrita como um desfazer, um desfiar sem piedade para que algo aconteça, afirma-se insuportável para as verdades que se impõem absolutas a qualquer autor. A experimentação contida neste artesanato está presente nos ensaios desta obra. Todos os autores são psicólogos. Nos seus textos, o uniforme encardido do saber psi é posto à prova no atravessamento com outros saberes. A escola hindu inspira o livro como experiência; nesta escola, monges copiavam livros sagrados no isolamento da cela, espreitados por uma perigosa serpente. A atenção concentrada na tarefa de copiar


os textos sagrados poderia ser interrompida a qualquer momento. Algo por acontecer poderia ser fatal. O ataque do réptil destruiria o saber que almejavam eternizar. A solidão monástica dos sacerdotes seria perturbada a qualquer momento. Na escola hindu, aprendiam o significado da experiência como consternação. Uma promissora fatalidade poderia acontecer. Após a mordida, o passado, o presente e o corpo do copista não seriam mais os mesmos. A fidelidade ao que deveria ser preservado nas cópias corria o risco de se ver interrompida pelo inesperado. Atentos e vulneráveis viviam na carne o transtorno da experiência. A vulnerabilidade desses monges para suportar a ação letal do acaso a transfigurar o presente inspirou os textos desta obra. Os ensaios aqui reunidos estão atentos à interpelação cortante da atualidade. O navegador persa chamado Sataspe inspirou esta obra para propor a indagação “por que a cidade?”. Segundo Heródoto, Sataspe, acusado de ter violado uma jovem, foi condenado pelo rei Xerxes à tortura da empalação. A mãe do acusado, irmã do rei, propôs um outro suplício: teria que viajar à Líbia, como Heródoto e os Antigos chamavam a África, e, no regresso, fazer um relatório. Para o jovem navegador, nomear o desconhecido pareceu suplício maior. Preferiu ser empalado. Suportar o incômodo do que ainda não tem nome, recusando-se à sua descrição, acolher o desconforto provocado pelo estranho, são legados das navegações do velho mar, nos quais este livro aposta como proposta ética. A cidade aqui presente diverge do assentamento do qual, confortavelmente instalado, o pesquisador fará o seu relatório: ela desfia como o artista sergipano, espreita como a serpente da escola hindu, e provoca como o velho mar, um libertário desconforto às verdades do humano que se arvoram a eternidade. Luis Antonio Baptista


PREFÁCIO Sensações como método Tens outros instrumentos – as tuas sensações. E delas sai tudo. Elas são o teu mapa. No entanto, há infinitas possibilidades de escalas; e confirma antes de correres se o mapa é mesmo do local onde te encontras perdido. Gonçalo Tavares, 2010.

Tenho especial apreço pelos livros, como textos e como objetos. Gosto de folheá-los, de cheirá-los, de passar os dedos sobre as páginas para sentir a textura do papel e da capa, aprecio as cores, avalio o tamanho, ouço o barulho das páginas quando rapidamente folheadas. Aprecio sopesá-los e imaginá-los entre os meus outros livros. Foi este fascínio pelos livros que me levou ao trabalho do artista carioca Waltercio Caldas . No ano de 1999, o Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro expôs vinte livros feitos pelo artista na série chamada “Livros”. Os livros de Waltercio Caldas (1999) eram poemas visuais que exploravam formas, texturas, ideias, chistes... Percorrer aquela exposição exigia dois modos de presença: de um lado, uma atenção ao aqui e agora de cada obra exposta. Uma atenção dedicada a cada livro exposto, aos textos que sempre acompanham as exposições, aos comentários feitos por quem me acompanhava. De outro lado, um desassossego provocado por aqueles estranhos livros. Estranhos e belos livros. Estes dois modos de presença eram-me bastante intensos e paradoxais. Atenta ao aqui e agora, o que se fazia presente de forma aguda e insidiosa era a estranheza, a insuficiência de qualquer tentativa de explicar, entender ou interpretar aqueles objetos. Eram livros. Não eram livros. Eram e não eram livros. Permaneci bastante tempo na sala de exposição. Ia e vinha por entre os livros-objetos de Waltercio. Das páginas daqueles livros podiam sair finos objetos que ocupavam o espaço de modo singular. Em outros, as páginas estavam em branco e os papéis tinham textura rugosa. Outros, apresentavam repetidamente a mesma palavra impressa. Livros que estavam ali não para serem lidos ou apenas vistos, mas que curiosamente pareciam também nos ver de volta e nos interrogar. Foi preciso deixar-me tomar pela es-


tranheza, suspender por um tempo a figura do livro que me era familiar, para seguir com o artista na multiplicidade das formas livros, com suas cores, texturas e heterogeneidades. A forma-livro do artista era superfície que problematizava o espaço empírico e ordinário, provocando um complexo feixe de relações sensoriais, espaciais, temporais. Para desfrutá-los era preciso acionar todos os sentidos: visão, tato, olfato, paladar, audição... Era preciso mais: a atenção devia flutuar, focar e desfocar. Enquanto escrevo este prefácio interrogo-me se o leitor que começa a folhear esta publicação é destes que apreciam intensamente os livros que lhes chegam às mãos. Oxalá que sim! Pois na leitura dos trabalhos que se reúnem nesta coletânea, sob o título Por que Cidades?, é justamente algo dessa fruição encarnada e sensorial que se coloca em cena. Desde já há que se dizer que as cidades que comparecem nestes textos não são aquelas dos cartões postais, das visões panorâmicas, tal como são oferecidas pelos grandes monumentos turísticos que nos abrem uma grande visão da cidade: de longe e do alto. Não é disso que se trata neste livro. As cidades são tomadas “ao rés do chão”. São cidades percorridas por andarilhos errantes que colhem fragmentos do cotidiano, restos, resíduos que jamais aparecem nas cidades quando vistas de longe. Na experiência de caminhar, proposta por estes autores como método, há um processo contínuo de colheita, a partir do qual os textos vão sendo tecidos, os argumentos construídos, as ideias expostas. Fazer do caminhar um método não é coisa trivial. Importante lembrar que os autores deste livro são todos psicólogos e pesquisadores. Tal ressalva não é anódina, já que um dos fios que articulam os textos aqui reunidos é precisamente o modo como é praticada a pesquisa em psicologia ou, com outras palavras, os modos como estes autores conjugam o verbo conhecer no campo da psicologia. Trata-se de conjugar o verbo conhecer através de inusitadas conexões: conhecer-caminhar; conhecer-afetar; conhecer-intervir-narrar; conhecer-deambular; conhecer-errar; conhecer-narrar-tecer-tramar; conhecer-fazer-desfazer; conhecer-experimentar; conhecer-tatear; conhecer-ouvir; conhecer-sentir-ver; conhecer-encarnar; conhecer-situar. Estas são apenas algumas das conjugações do verbo conhecer que estão presentes neste livro. São, sem dúvida, as conjugações que pincei quando meus olhos percorreram as linhas que seguem este prefácio. Por certo os leitores pinçarão outras conjugações


do verbo conhecer e para isso, eu mesma os convoco. Mas, o que importa em tais conjugações do conhecer é que através delas um mundo se descortina. Um mundo para a pesquisa em psicologia, um mundo no qual os autores nos convidam a viver e a habitar. Por isso, pergunto: que efeitos tais conexões produzem? Que mundo elas descortinam? O hífen que liga os verbos acima listados não é apenas um traço. Ele é antes um elo performativo: visa fazer existir algo, visa interferir nas cidades, nas narrativas que delas são feitas, na pesquisa em psicologia, no mundo em que vivemos. Pois o tal hífen, que com a nova gramática da nossa língua materna perdeu alguns lugares, conquista neste livro uma função insubstituível e imprescindível: o primeiro efeito que ele produz é justamente o de deslocar o verbo conhecer da sua tradicional conexão ao ver. Ver e conhecer são, em muitas práticas de pesquisa, duas faces da mesma moeda. Nestas últimas, pode-se afirmar que conhecer é ver. Não um ver qualquer, mas um certo modo de ver, construído cuidadosamente por diversos protocolos de pesquisa através de estratégias de purificação que separam o ver das contaminações com o sentir, com as paixões oriundas do corpo, com as contingências do lugar de onde se observa algo. Como Donna Haraway (1995) salienta, é um ver desencarnado, ver de lugar nenhum um objeto qualquer. Eis o máximo da objetividade almejada por tais tradições de fazer pesquisa. A este respeito, litros de tinta e toneladas de papel foram gastos a fim de instruir os pesquisadores acerca de como desengajar o ver para “ver melhor”, ver de longe e poder finalmente apreender o objeto, o verdadeiro objeto que está no mundo lá fora. Neste livro não se trata simplesmente de desconsiderar a articulação entre ver e conhecer. Mas, antes, de torná-la outra. O ver é, para estes autores, situado, localizado, encarnado, atrelado aos demais sentidos, mediado, fiado cuidadosamente com os mais heterogêneos elementos que perpassam as cidades: carrancas, loucura e sanidade, chuvas de verão, devastadoras chuvas, vidas infames, vida de gado, segredos que se trocam, gestos, luzes, sombras, cacos, fragmentos. Do leitor não se ocultam tais engajamentos da visão. Ver a cidade a partir de algum lugar, ver a partir do caminhar que exige esforço, exige posicionar-se no mundo com todos os sentidos de que se dispõe. Para isso é preciso tônus muscular, percepção aguda do próprio corpo, sensibilidade atenta ao que está muito perto e que, vez ou outra, pode flutuar em função do mais longínquo.


O segundo efeito que o hífen acima mencionado produz é justamente o de performar um estilo de praticar a pesquisa em psicologia. Afirma-se um pesquisar que não busca o invariável, mas o singular e muitas vezes, o irrepetível. O relato de pesquisa é construído por um narrar cuja lógica é a do patchwork: os fragmentos colhidos, marcados por sua heterogeneidade, são tecidos com fios, eles também heterogêneos. A referência à literatura não é casual, nem tampouco um meio de exemplificar o raciocínio. Mas um modo de pensar, rigoroso e exigente. São relatos de pesquisa intensos, nos quais os pesquisadores desassossegam os leitores, como Waltercio, com os livros. Que não se espere encontrar nesta publicação uma definição última e cabal acerca das cidades. O plural que marca este substantivo jamais é reduzido à unidade. Cidades. É disso que se trata neste livro. Sem dúvida, o desassossego provocado pela leitura deste volume força o pensar, marca a cidade que nos é familiar com inusitados odores, cores, imagens, sabores, sons, gestos, luzes e sombras. Lê-lo é como estar naquela exposição do artista carioca na qual o familiar se tornava estranho e por isso mesmo, fascinante. O leitor que se aventurar por este livro, dele não sairá o mesmo. Porque, como dito, é um mundo que se descortina. Que mundo? Um mundo rico de sensações, povoado por cenas que se apagam nos automatismos do nosso frenético cotidiano, nas cidades de passagem, onde o que importa é o ponto de chegada. Para estes autores, importa o processo, o percurso, o que se passa entre a partida e a chegada. Daí a importância de caminhar, mas caminhar com o rigor que esta ação exige. Caminhar atento ao instante, ao local, ao acidental. Por tudo isso, pergunto cá aos meus botões se este livro não é o vigésimo primeiro da exposição do Waltercio... Chegou mais tarde que os outros, mas é um deles, não? Por fim, última consideração se faz mister e ela aponta para o terceiro sentido do hífen de conjugação do conhecer. O método de pesquisa proposto por estes psicólogos deve ser tomado em dois sentidos, tanto como uma questão de epistemologia quanto de política. De epistemologia porque o que está em causa é o conhecer no campo da psicologia. E de política porque o método de pesquisa é uma convocação a que habitemos um certo mundo cuja textura é muito mais heterogênea do que aquela afirmada pelos tradicionais modos de conhecer, nos quais a palavra de ordem é purificar. Nesse sentido, o método não é um modo de lidar com o mundo dado lá fora. Mas antes, uma prática de performá-lo, de


fazê-lo existir. É nisso aí que está a sua dimensão política, precisamente neste ponto: o método performa um mundo. Os pesquisadores reunidos neste livro não desconhecem o fato de que a Psicologia é um ator importante: age e produz efeitos. Entre os experimentos de Milgram (1) sobre a obediência e o que se expõe neste livro não há denominador comum. Outra Psicologia, outro mundo. “Mas insistir. Qual a relação entre felicidade e metologia científica? Existirão metodologias felizes? Existirão metodologias científicas tristes? Arrisco pensar que sim” (Tavares, 2010, p.49). E você, leitor, arrisca?

NOTA 1.

Na segunda metade do século XX, o psicólogo americano Stanley Milgram realizou pesquisas experimentais para testar a obediência dos sujeitos à autoridade. O trabalho teve ampla repercussão na Psicologia, tendo sido premiado pela American Association for the Advancement of Science por revelar a natureza das relações das pessoas com a autoridade. O design experimental seguia à risca o “controle de variáveis estranhas” a fim de alcançar a objetividade no conhecimento da ação de obedecer. Os resultados deste estudo estão publicados em: Milgram, S. Behavioral study of obedience. Journal of abnormal and social psychology. V. 67, 1963, pp. 371-378. Na atualidade, a psicóloga belga Vinciane Despret tem realizado interessantes análises críticas acerca deste estudo e de outros de caráter experimental. Para conhecer tais análises, recomendo a leitura do Dossiê Despret, publicado no periódico Fractal: Revista de Psicologia, v. 23, n. 1, 2011. O periódico está disponível on line em www. scielo.br

REFERÊNCIAS CALDAS, W. Livros. RJ: MAM, 1999. HARAWAY, D. Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial. Cadernos Pagu (5), 1995: pp. 07-41. TAVARES, G. T. Breves notas sobre ciência. Florianópolis: Ed. da UFSC e Ed. da Casa, 2010. Rio de Janeiro, Região dos Lagos, Verão de 2011/2012. Marcia Moraes


O QUE SÃO ESSAS LUZES? Rodrigo Lages e Silva São tantas as investigações que tomam a cidade como tema, e de tão variadas formas, que a pergunta “Por que a cidade?” Nem é de resposta óbvia o suficiente para delinear uma zona de conforto consensual e nem é exatamente o tipo de interrogação exótica e surpreendente que pelo simples fato de ser formulada já produz um plano de inteligibilidade imediato, no qual a resposta jaz estabelecida, mal se teve tempo de completar o ponto de interrogação. Com efeito, responder ao porquê de se considerar a cidade um desafiador tema de pesquisa é algo que demanda desnaturalizarmos as imagens que fazemos da cidade e analisarmos o papel que tais imagens desempenham na forma como nos posicionamos politicamente frente aos desafios do nosso tempo. Para fazê-lo, entretanto, não se precisa necessariamente restringir a uma revisão autocêntrica das motivações pessoais ou ideológicas, das inclinações epistemológicas, referenciais ou históricas envolvidas. Assim como o caminhar pela cidade pode ser interessante em sua errância (JACQUES, 2006), no “perder-se com instrução” (BENJAMIN, 1987, p.73), a pergunta “Por que a cidade?” pode ser feliz nos seus efeitos para além da resposta precisa, medida, reveladora. A proposta para esse artigo é tergiversar sobre o assunto. Apostar nas reticências. E isso não significa calar, ou evitar a questão, mas percorrer as linhas de pensamento vicinais, o logos acidentado, as variantes. Por isso, proponho-me a apresentar três episódios pessoais que, à sua maneira, projetam luzes para formar uma imagem conceitual da cidade e, a partir dessas narrativas, problematizar a experiência urbana contemporânea. Não se trata, pois, de formar uma imagem completa da cidade, mas de buscar aproximações parciais sobre o porquê de tomá-la como objeto de estudo. Sem esperanças, portanto, de encontrar uma clareza para essa resposta, pretendo respondê-la com a atenta dispersão de quem à noite vê melhor do que em pleno dia.

Por Que a Cidade?

15


Primeira iluminação Por muitos finais de semana, durante a minha infância, percorri, na companhia de meus pais, a estrada que liga Porto Alegre à Santa Cruz do Sul, onde moravam meus avós e mais aproximadamente 150 mil habitantes à época. Quase sempre cumpríamos as duas horas de viagem de retorno ao entardecer, e, conforme a viagem aproximava-se do fim, a noite completava-se. No céu espalhavam-se miríades de estrelas, as quais se fazem ver com muito mais brilho fora das grandes cidades. Entretanto, o que seduzia a minha curiosidade infantil estava no horizonte. Impaciente, como soem as crianças em viagem, ansiava por avistar as primeiras luzes de Porto Alegre e saber que logo a monotonia da estrada chegaria ao fim. Tão logo despontassem as primeiras luzes e a cidade fosse pontilhando a noite por trás da última coxilha que separa o pampa da planície do Rio Guaíba sobre a qual se espalha a capital, eu não deixaria nem por um segundo de contemplar a Porto Alegre noturna e posso dizer que essa foi a minha primeira noção do que é uma cidade. Lembro que ao passar os olhos por entre o amarelo dos pontos de luz mais fortes das luzes de mercúrio que iluminam as avenidas e o brilho mais branco das lâmpadas menores das casas, lâmpadas de tungstênio ou fosforescentes, o que me surpreendia era a quantidade inimaginável de vidas que ali se encontravam. Não a vida demográfica, estatística, mas o tipo de vida que eu reconhecia como a minha, isto é, de tamanho incalculável, intensamente povoada por pensamentos e ideias, eivada de acontecimentos por vir. Era como se cada lâmpada fosse uma infinidade, com sua própria história, mas também com possibilidades imprevisíveis pela frente. A visão de Porto Alegre à noite foi a minha primeira impressão de uma desmedida, de algo que não se pode totalizar, mas, sim, tomar parte. Uma imensidão experienciável. Ao contrário do céu em sua infinitude distante, a cidade era uma grandeza convidativa. Eu era uma criança e a cidade aos meus olhos era tão jovem quanto eu. Não possuía ainda a ambição estudantil do conhecimento integral e nem a lógica platônica para a qual a impossibilidade de conhecer “o todo” surge como uma falta. Ao contrário do platonismo, eu não tinha uma cidade incompleta para contrapor-lhe. Eu não tinha uma visão diurna da cidade. É certo que eu tenho memórias infantis diurnas da mi-

16

Luis Antonio Baptista Marcelo Santana Ferreira


nha rua. Lembro-me de passear pelo bairro, de ir à praça, e como todas as crianças por volta dos 5 a 7 anos, com certeza sabia que tudo aquilo fazia parte da cidade de Porto Alegre. Porém, a percepção global da cidade, a imagem unificada daquele espaço, era apenas a noturna, aquela que eu via no retorno das longas viagens dos finais de semana. Havia, contudo, sim, outra imagem com a qual contrapor aquela da cidade luminosa e infinita, e não era a cidade diurna ou uma cidade menor, como Santa Cruz, por exemplo, mais cabível na minha precária calculatória de proporções e quantidades. O que me intrigava era a visão daqueles pequenos pontos de luz, espalhados aqui e ali ao longo da rodovia, completamente isolados. O que me espantava era a vida “solitária” daquelas pessoas. Como era possível viver assim, entregue ao desolado da vida sem cidade? Como era possível viver uma vida que cabia num tíbio ponto de luz, em meio ao negrume da noite? Eu sentia uma angústia profunda por aquelas pessoas, ao imaginar um cotidiano com nenhuma ou pouquíssimas casas ao redor, uma vida vivida às margens de uma estrada. Essa noite amedrontava-me, ao contrário da noite iluminada de Porto Alegre que me fascinava.

Segunda iluminação O sol se punha em Santa Cruz do Sul. Eu caminhava por uma rua ampla e reta, como, aliás, é a maioria das ruas construídas pelos colonizadores alemães, na companhia de um primo da minha idade. Naquela época era corriqueiro que duas crianças de 7 ou 8 anos caminhassem pelas ruas da cidade do interior sem a atenção dos pais. Não havia muitos carros capazes de passar dos 40 km/h sem alertarem a vizinhança com o ruído dos motores, nem havia toda a precaução com segurança de que hoje não prescindimos. Enfim, nada com que se preocupar por duas crianças estarem sozinhas na rua antes de o sol se pôr. A noite chegaria com suas fantasias de perigo e desgraça e, então, as famílias fechariam as portas para o conforto e proteção do interior das suas casas. O crepúsculo anunciava docemente a transição. Era a hora de voltar para a casa e estávamos precisamente fazendo isso quando calhou de que eu olhasse para trás e visse uma onda descendo o extenso e sutil declive da rua. Uma onda luminosa. Sucessivamente as luzes espocavam no alto dos postes num intervalo breve e constante, avançando pela rua e ultra-

Por Que a Cidade?

17


passando-nos por sobre as nossas cabeças para seguir adiante seu trajeto sem obstáculos. A iluminação pública tinha sido acionada e as lâmpadas fosforescentes acendiam na cidade inteira. Foi naquele dia que eu entendi o que era uma cidade inteira. Uma cidade em que alguém aperta um botão e naquele exato momento deixa de ser conveniente que duas crianças estejam na rua.

Terceira iluminação A carioca de meia-idade está impaciente na fila do banco, na agência da Praça XV. A reestruturação produtiva no setor bancário produziu caixas vazias, máquinas registradoras abandonadas, funcionários solitários, sobreatarefados, e clientes impacientes. O refinamento do sistema de classes produziu também a elite dentro da classe média: há os médios que devem ficar na fila esperando, e os que não deixando de serem médios, recebem o benefício de serem tratados como clientes premium, privés, ou especiais; são atendidos em mesas por funcionários menos estressados e mais atenciosos. Toda uma estratégia dedicada a mimá-los como se médios não fossem. A carioca de meia-idade reclama contra essa política do banco. Ela também é uma boa cliente, afirma. Demanda cumplicidade ao casal de gaúchos que espera atrás dela, na fila. Eles, contudo, não são clientes do banco, recém chegaram à cidade. Estão morando há pouco tempo no Rio. Não se importam. A agência da Praça XV é parecida, mas diferente daquela da Rua da Praia, em Porto Alegre. A forma pela qual uma cliente fica impaciente com a demora é parecida, mas diferente. Tem outro sotaque, outra espontaneidade. O casal está mais atento aos detalhes. O tempo não é tão penoso quando há singularidades povoando-o. “Gaúchos!” – ela exclama. “Adoro a terra de vocês”. A carioca de meia-idade desfia suas glórias de turista. Conhece Porto Alegre, adorou Gramado. “Tão europeia!”. As viagens turísticas também são uma forma de ser especial. Está curiosa da opinião dos recém-chegados sobre a cidade. Morar no Rio é um luxo, ninguém discorda. Ela pergunta se o casal conhece a Barra da Tijuca? Indica ao casal que conheça. Um excelente lugar para se morar. “Não tem favela.” O problema é a distância, o trânsito, diz ela. Ter de ir ao banco no centro, então… um transtorno. Favelas, aliás, é um assunto que lhe preocupa. A moradora da Barra da Tijuca recomenda aos gaúchos que tenham cuidado. O Rio mudou muito nos últimos anos. Mas continua sendo uma cidade maravilhosa, ninguém discorda.

18

Luis Antonio Baptista Marcelo Santana Ferreira


Há belezas por toda parte. Até onde não se espera, encontra-se beleza. A carioca de meia-idade, moradora da Barra da Tijuca, faz, então, uma confissão: “Sabem, até mesmo a Rocinha, por exemplo, que é a maior favela do mundo, quando eu vou de carro para a Zona Sul à noite, eu passo por ali e vejo aquelas luzes todas acesas. É lindo: uma beleza feérica!”

Luzes que encantam O princípio utópico não chegou a se manifestar nem no mundo arcaico-mítico, apesar do êxodo para fora dele, nem no mundo urbano-racionalista, apesar da dialética explosiva. A razão disso será sempre que tanto a mentalidade arcaico-mítica quanto a urbano-racionalista são idealistas em sua apreciação, pressupondo consequentemente um mundo feito, acabado, apreciado apenas de modo passivo, incluindo o supramundo projetado para além, no qual se reflete o que já veio a ser (BLOCH, 2005, p.19).

Em O princípio esperança, Ernst Bloch (2005) situa sua obra no pathos inaugurado por Marx: não se contentar com explicar ou contemplar o mundo, mas ansiar por transformá-lo. A essa não conformidade, a essa inquietude, a essa não rendição ao dado, Bloch vai chamar de função utópica. Ao que se instala na relação sujeito-espaço e que impulsiona a função utópica: princípio esperança. Deve-se, contudo, ter cautela quanto à inflexão que Bloch imprime ao conceito de utopia. Diferentemente das iniciativas estruturalistas, de caráter sistematizador, ansiosas por ordenar o futuro sob a égide de um “saber contemplativo”, Bloch (2005, p. 22) propõe uma equivocação das tendências fantasiosas e abstracionistas tradicionalmente ligadas ao conceito de utopia, para outro sentido inteiramente “voltado para o mundo: o sentido de ultrapassar o curso natural dos acontecimentos”. Para pensar junto com Bloch uma u-topologia da cidade, portanto, deve-se recusar a problematização da metrópole contemporânea como efeito natural do aumento demográfico, do armazenamento, circulação e troca de mercadorias, ou da concentração dos meios de produção. O que significa recusar, igualmente, a posição da sociologia ecológica de Wirth (1997, p. 52),1 por exemplo, que vê no aumento demográfico a origem de uma degradação dos “laços de solidariedade urbanos”, bem

Por Que a Cidade?

19


como o socialismo ecológico de Mike Davis (2007),2 cuja crítica ao capitalismo faz uma elegia para a cidade moribunda, claudicante em seus excessos, porque avilta o meio ambiente relicário. De diferentes pontos de partida - o primeiro engaja-se na luta contra a pobreza e a degradação do espaço urbano em prejuízo da sociabilidade burguesa, enquanto o segundo vela por um “natural” avesso ao modo de produção capitalista - ambas as perspectivas apelam para uma imagem idealizada de cidade. Uma imagem pela qual a esperança de uma cidade melhor opõe-se ao medo de uma urbanidade por vir. Em contraposição a esses posicionamentos que ilustram as duas grandes tendências de produção da cidade como objeto de preocupação hodierna, é que nos remetemos a u-topologia imanente de Bloch (embora ele não use essa palavra). Já que, para o autor, não se deve pensar a esperança por oposição ao “medo” e, sim, em oposição à “lembrança”, o que equivale a dizer que o pensamento utópico e o afeto esperança que lhe correspondem devem ser tomados como atos “de direção cognitiva” (BLOCH, 2005, p. 22), isto é, como conhecimento inventivo, que não se remete a eventos anteriores (re-conhecimento), mas investe-se em direção a um futuro aberto, ainda não extinto. Esperar, ter esperança, antecipar o futuro, sonhar acordado com o que está por vir, deve ser para Bloch uma atitude de inconformidade com o que já se conhece, de não contentamento, de inquietude. Essa esperança é muito diferente do ato de temer pelo futuro e crer tolamente que algo possa vir a resolver tudo como um passe de mágica, que possa recolocar tudo no lugar “correto”. A esperança como princípio utópico de uma crítica imanente tem a urgência de uma criança que, em viagem, anseia pela cidade noturna e suas miríades de luzes. Ninguém sabe tão bem como ela que a cidade à noite não é apenas o que a luz do dia ofusca, mas um desvio para a insuportável retidão da estrada.

Luzes que ardem Herman Melville trabalhou durante três anos na atividade de caça a baleias, antes de tornar-se escritor e dar luz a Moby Dick. De 1780 a 1860, aproximadamente, o “espermacete”, substância extraída da cabeça das baleias cachalotes capaz de render muitos litros de óleo de boa

20

Luis Antonio Baptista Marcelo Santana Ferreira


qualidade, era produto de altíssimo valor comercial pelo seu uso tanto na lubrificação das prodigiosas máquinas que a Revolução Industrial começava a inventar, quanto por servir de combustível para os lampiões que se prestavam a iluminar as noites das principais cidades do mundo. Enquanto os cidadãos de Londres, Paris e de todas as grandes cidades que estiveram na vanguarda das transformações impostas pela industrialização conheciam uma nova experiência urbana, muito diferente daquela da cidade medieval e suas feiras ao ar livre, sua dependência orgânica em relação ao campo; outros homens reinventavam as grandes navegações, perseguindo baleias cachalotes pelo oceano pacífico em arriscadas expedições que chegavam a percorrer mais de cinco mil milhas náuticas e consumir anos de viagem. Os caçadores de baleia do início do século XIX não eram apenas caçadores do mar e operários da indústria, mas também exploradores, que avançavam cada vez mais longe numa região inóspita e mal provida de mapas, mais extensa do que todas as áreas de terra do mundo somadas (PHILBRICK, 2000, p. 12).

Eis o que Melville (1957[1851]) soube traduzir como ninguém: que o homem exposto a uma infinidade de perigos ordinários (intempéries, naufrágio, deriva) é o mais apto a transferir os seus temores para um único e privilegiado objeto: Moby Dick, a baleia gigante. Não nos devemos enganar, a coragem e obstinação de Ahab apenas sustentam-se por contraste em relação a um exagerado e opressivo medo. Qual outra maneira de se lançar em viagens tão perigosas? Mas, se o enfrentamento da imensidão do mar arregimentava forças justamente no obscurecimento dos perigos reais que lhe correspondiam, a nova experiência urbana que lhe era contemporânea lançava mão de estratégias diferentes. Um novo regime de visibilidade emergia junto com o crescimento e a modernização das cidades. Ao contrário da cidade medieval que recebia complacentemente a escuridão da noite em sua arbitrariedade natural, a cidade moderna multiplicou os lampiões a óleo pelo traçado urbano, trazendo segurança para a noite, ao mesmo tempo em que lhe inventava uma periculosidade. Não deixa de ser curioso que o óleo de baleia, porque capaz de manter uma chama ardendo durante um longo período, foi o elo entre dois mundos. O mundo da baleação, de precárias vitórias sobre a natu-

Por Que a Cidade?

21


reza, sempre à mercê dos perigos do clima e da geografia; e o mundo das indústrias e seu êxito sobre as limitações do esforço humano, da solidez do lucro gerado pelas máquinas em relação às imprevisíveis respostas da natureza sobre as demandas da lavoura. O que apenas mais tarde viemos a descobrir, é que com aquele mundo antigo ficava também para trás o privilégio de se temer o desconhecido, o fantasioso, o desmedido. A modernização não modificou apenas a densidade, dimensão e aparência das cidades, a iluminação pública, os meios e os modos de circulação urbanos, inventou também uma nova forma de temer. O perigoso não seria mais o fantasioso, mas o virtual. Não mais temer que o improvável aconteça, mas precaver-se contra a realização do provável.3 Nasce o que chamarei de medo urbano, medo da cidade, angústia da cidade que vai se caracterizar por vários elementos: medo das oficinas e fábricas que estão se construindo, do amontoamento da população, das casas altas demais, da população numerosa demais; medo, também, das epidemias urbanas, dos cemitérios que se tornam cada vez mais numerosos e invadem pouco a pouco a cidade; medo dos esgotos, das caves sobre as quais são construídas as casas que estão sempre correndo o perigo de desmoronar (FOUCAULT, 1982, p. 87, grifo do autor).

Assim, por um lado, o crescimento urbano do século XIX fez emergir um medo disperso, não associado a nenhum objeto específico, um medo potencial, por outro, induziu também novos modos de relação e de sociabilidade. A noite da cidade iluminada pelos lampiões a óleo é menos dócil aos ciclos da lua, produz suas próprias sombras, seu bruxulear, é mais sofisticada, produz temores e seduções diferentes da cidade medieval4 que lhe antecedeu. Mas foi com a lâmpada a gás que a iluminação pública ganhou uma impessoalidade mais condizente com a nova forma através da qual a vida urbana se relacionava com as instâncias de poder. Diferentemente da iluminação a óleo ou por vela, cuja instalação, manutenção e acendimento ficavam diretamente a cargo da autoridade local, ou então dos próprios moradores, a iluminação a gás no mais das vezes era exercida sob regime de concessão pública através de um ente privado que cobrava seus serviços por meio de impostos ou taxações. Há o advento de uma nova artificialidade na forma de se relacionar e de experienciar a cidade.

22

Luis Antonio Baptista Marcelo Santana Ferreira


A iluminação a gás, muito mais eficaz do que a iluminação a óleo, e a dizimação das baleias cachalotes, que quase desapareceram dos oceanos, fizeram com que o comércio de “espermacete” acabasse e, junto com ele, as grandes e perigosas práticas de navegação baleeiras. Em compensação, uma nova prática de habitar a cidade e, sem tardar, uma nova cidade inteiramente redesenhada pela haussmannização5 surgiram. A própria iluminação a gás não chegou ao século XX - superada pela invenção de Edison em 1870: a lâmpada elétrica - e o fogo foi substituído pelos cabos de energia que, suspensos pelos postes de iluminação, passaram a reforçar a malha reticular da cidade seguindo o modelo de Haussmann. Esse mundo aceleradamente mutante, arredio a qualquer constrangimento natural, inaugurava também um transeunte urbano habitado por um regime de sensibilidades inédito. A antiga oposição entre a vida protegida, ordinária, limitada pelas rotinas do campo ou contida pelos muros da cidade, e a vida perigosa do aventureiro ao mar, do explorador, já não fazia mais sentido. A própria cidade, enquanto novidade luminosa seria a sede das aventuras e dos perigos que passaram a atormentar o homem da metade do século XIX em diante. “O desenrolar dos dias ou das estações adquire um outro sentido, o mesmo para a alternância entre vida social e vida privada” (RONCAYOLO, 1981a, p. 97). Pensar a cidade desde então passou a ser, de certa forma, pensá-la por oposição aos clarões descontínuos das chamas ardentes dos lampiões. Na cidade organismo, integrada, sistêmica, a noite não responde ao inexorável revezamento circular dos astros e nem ao inconstante teatro de luz e sombras projetado pelos lampiões, mas à irradiação concêntrica das linhas de poder.

Luzes que orientam Assim como as cidades, as galáxias. Múltiplas, semoventes em suas atrações e repulsões, luminosas. Assim como as cidades, as galáxias. Confusas, explosivas em seus impactos e colisões, nebulosas. A cidade-ilha, de fronteiras exatas, oásis urbano para o deserto rural, foi substituída pela cidade-galáxia, de infinitas conurbações, policêntrica. Sua arquitetura não se reconhece mais pela circularidade das muralhas de proteção, mas pela tramada rizomática das autopistas, das perimetrais,

Por Que a Cidade?

23


dos anéis viários. Que o paralelismo das rodovias apenas multiplica assombrosamente a circularidade das muralhas, esse é o seu segredo. Assim como as autopistas, a eletricidade percorre os circuitos urbanos. Nos trens, metrôs, sob o solo ou acima dos postes de luz. Alimenta os tubos de raio catódico, os cristais líquidos ou as gigantes de plasma que emulam a vida boa, novelística. Seguindo o modelo dos elétrons, os dados percorrem os cabos coaxiais, as fibras óticas ultramarinas, conectam o mundo pela inter-rede. Os fluxos são vertiginosos, mas não nos desorientam. A eletricidade ilumina sem nada queimar, arde sem destruir. A cidade elétrica, como os planetas, conjuga a aventura cósmica com a monotonia orbital, ganha no movimento uma estabilidade sem precedentes. Planetário significa, com certeza, o que abarca o planeta terra, o globo terrestre e suas relações com os outros planetas. É o global. No entanto, essa concepção do planetário permanece excessiva em extensão… Planetário quer dizer aquilo que é itinerante e errante, aquilo que descreve um curso errante em uma trajetória no espaço-tempo, aquilo que cumpre um movimento rotativo. Planetário indica a era da planificação, em que sujeitos e objetos da planificação global, da vontade de organização e da previsão, são apanhados pela fixação e de acordo com um itinerário que ultrapassa ao mesmo tempo sujeito e objetos. Planetário denomina o reino da platitude que se expande para tudo banalizar, também ela mais errante de acordo com os dicionários, uma espécie de mecanismo técnico, uma engrenagem. O jogo do pensamento e da era planetária é então global, errante, itinerante, organizador, planificador e banalizante, preso na engrenagem. (AXELOS, 1964 apud DELEUZE, 2008, p. 203, grifo do autor).

A sagacidade de Axelos, segundo Deleuze, foi perceber que a era planetária, essa consciência de que a Terra é minúscula diante do cosmos, não nos insta necessariamente a uma abertura de horizonte para o pensamento, mas, mais provavelmente, arregimenta a previsibilidade dos movimentos planetários para produção de um pensamento repetitivo, satisfeito com uma deambulatória indiferença. A cidade galáctica nunca está no horizonte, porque nunca se entra ou sai dela, sua artimanha é substituir as entradas e saídas pela circulação. Dela, não se pode ter uma paisagem distante, utopicamente encantadora, como a da criança que chega de viagem. A estrada já está dentro dela.

24

Luis Antonio Baptista Marcelo Santana Ferreira


Isolando-nos “dentro do movimento” (RONCAYOLO, 1981b), a cidade planetária inaugura o reino da platitude, no qual o pensamento instrumentaliza-se a favor das trajetórias, em detrimento da usinagem cósmica, explosiva, que faz nascerem estrelas no seio das galáxias, ou seja, a cidade é, mais do que galáctica, planetária, fechada em sua própria rotatória. O paradoxo da cidade contemporânea é dissociar o movimento errante - entendido como experiência diferencial do lugar - da noção de espaço aberto. A cidade contemporânea, portanto, ao mesmo tempo em que nos incita à errância, desqualifica o espaço.6 As luzes da cidade noturna são como um céu de estrelas, mas não espelham a indefinição das nebulosas, apenas ao brilho esférico das estrelas e dos planetas. Essa noite produz uma beleza que não nos desorienta. Uma beleza que faz apelo à sensibilidade como valor de classe. Não apenas o turismo, mas a sensibilidade para o belo também pode ser um valor burguês capaz de tornar-nos especiais. O néon das lojas populares e sofisticadas dos shoppings tem o mesmo brilho [da sensibilidade artística burguesa]. Durante o dia, percebemos as diferenças. As sensibilidades psi são noturnas e brilham, mas a noite nem sempre é eterna. O sol, como a razão bélica, denuncia as diferenças e possui um brilho muito mais promissor (BAPTISTA, 1999, p. 23, grifo do autor).

Se, é verdade que, como dissemos, a nossa estratégia desviante afirma que é possível ver melhor à noite, não é menos verdade que a luz do dia dissolve a beleza entorpecente com que a diferença traveste-se de espetáculo meramente visual. Baptista (1999) toma o néon como metáfora para referir-se à “sensibilidade” como patrimônio individual. Nesse jogo de aterradoras diferenças, ser sensível ao outro é também um modo de fazê-lo brilhar uma beleza “feérica”, que nos encanta, mas não nos tira do lugar, não nos faz errar, não altera a nossa órbita.

CONSIDERAÇÕES FINAIS O morador da cidade grande convive no presente com o paradoxo de experimentar uma hiperexposição às informações, uma aceleração da comunicação, um imperativo de deslocar-se, de manter-se em movi-

Por Que a Cidade?

25


mento, ao mesmo tempo em que, contraditoriamente, as relações tornam-se cada vez mais superficiais, os caminhos mais interditos e as informações menos transformadoras. Pode-se dizer que a metrópole não é apenas um lugar, mas um agenciamento existencial que nos apresenta imperativos contraditórios: “circule e tema” (MIZOGUCHI, 2009, p. 61). Pode-se dizer, ainda, que não é preciso morar no Rio de Janeiro ou em Nova Iorque para sentir a ameaça da violência urbana, bem como as correspondentes sensações de alívio e correição que as políticas de “Choque de Ordem” e “Tolerância Zero”, respectivamente, produzem com artifício e sem ingenuidade. A metrópole é o que toda cidade, mesmo as pequenas cidades, estão em vias de se tornar ou o motivo pelo qual qualquer pequena cidade já não é mais uma pequena cidade qualquer, como antigamente,7 mas uma jovem donzela púbere a alimentar sua paixão noturna de metrópole. Vivemos um momento de desconfiança em relação ao urbano. De um lado, os que consideram a metrópole como o ícone da insustentabilidade ambiental por suas inclinações hiperbólicas, insuportáveis a uma natureza vista como frágil demais, como tesouro profanado pelo artificialismo pós-industrial; de outro, os que veem no urbano uma sociabilidade perigosa para a qual se deve dirigir um gerenciamento dos riscos, uma ênfase na segurança pública à qual corresponde a criminalização da pobreza, a glamorização do conforto da casa e a demonização das ruas. No fundo, tais perspectivas não divergem no principal: primeiro elegem o medo como afeto primordial, depois apostam no consumo recatado, na conservação e na manutenção da ordem como tranquilizadores. À sua maneira, cada uma dessas abordagens do urbano ajuda a compreender de que forma a cidade como grandeza infinitesimal, que nos tira o fôlego, foi-se transformando numa cidade apertada, asfixiante. Se, contudo, a cidade continua-nos interessando, não é porque ela nos informa sobre o futuro, seja ele apocalíptico ou alvissareiro, e, sim, porque lança luzes sobre o modo como vivemos o presente, instandonos a realizar aquilo que Foucault (2002, p. 345), no texto cujo título o presente escrito parodia, chamou de ética: a “crítica permanente de nosso ser histórico”. A crítica nesta perspectiva foucaultiana deve ser compreendida como “atitude de modernidade”, porquanto tal ethos – Foucault busca

26

Luis Antonio Baptista Marcelo Santana Ferreira


em Baudelaire a inspiração para defini-lo – consiste em respeitar o real e violá-lo ao mesmo tempo (FOUCAULT, 2002, p. 344), ou seja, aceitar o presente como a expressão de uma série de acontecimentos contigenciais, casuais, históricos, em vez de interpretá-lo ao sabor de idealismos, mas engajar-se na transformação desse presente, não se contentar com o dado. Neste texto, ao demorar o olhar em diferentes brilhos, fulgores heterogêneos que, à sua maneira, revelaram diferentes aspectos da cidade, compreendi que não é mais preciso viver no isolamento de um pálido ponto de luz à beira da estrada para sentir a desolação dos que “vivem sem cidade”. É nos ascéticos cruzamentos das grandes metrópoles que esse isolamento vai-se instalar. A essa realidade, respeitosamente, chamarei doravante de “confinamento do presente”. Não sem acrescentar, contudo, que é na própria cidade que se encontram as condições e os meios para contradizê-la.

NOTAS 1.

“Desde a política de Aristóteles que se sabe que acima de determinado limite o aumento do número de habitantes de uma comunidade afeta as relações entre si e a própria natureza da cidade.” (WIRTH, 1997, p. 52)

2.

Mais sobre a crítica de Mike Davis em relação à cidade contemporânea em Silva, R. L. (2010).

3.

A esse respeito, recomenda-se a leitura de Silva, R. L. & Silva, R. N. (2008).

4.

Não nos devemos esquecer que a Idade Média é chamada por muitos historiadores como a “grande noite” ou a era das “mil noites”.

5.

Por haussmannização entende-se a grande reforma de Paris realizada pelo Barão Haussmann a mando de Napoleão III entre 1853 e 1870 e que serviu de modelo para os grandes projetos urbanísticos dos séculos XIX e XX.

6.

Beatriz Sarlo (1997) utiliza o modelo do shopping center para referir-se à experiência da cidade como um espaço sem qualidades. A errância que se produz num espaço como esse em nada se assemelha àquela proposta por Jacques (2006).

7.

Aliás, não tem expressão que melhor se refira às pequenas cidades do que: “antigamente”.

Por Que a Cidade?

27


REFERÊNCIAS BAPTISTA, L. A. A cidade dos sábios. São Paulo: Summus, 1999. BENJAMIN, W. Infância em Berlim. In: Obras escolhidas. São Paulo: Brasiliense,1987. v. 2, p. 71-142. BLOCH, E. O princípio esperança. Rio de Janeiro: EdUERJ: Contraponto, 2005. v. 1. DAVIS, M. Cidades Mortas. Rio de Janeiro: Record, 2007. DELEUZE, G. Falha e fogos locais. In: LAPOUJADE, D. (Org.). A ilha deserta. São Paulo: Iluminuras, 2008. p. 203-210. FOUCAULT, M. O Nascimento da medicina social. In: MACHADO, R. (Org.). Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1982. p. 79-98. FOUCAULT, M. O que são as luzes? (1984). In: MOTTA, M. B. (Org.). Arqueologia das ciências e história dos sistemas de pensamento. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2002. v. 2, p. 335-351. Coleção Ditos e Escritos. MELVILLE, H. Moby Dick (1851). Tradução de Berenice Xavier. São Paulo: Clube do Livro, 1957. Clássicos Abril Coleções, v. 2. MIZOGUCHI, D. H. Segmentaricidades: passagens do leme ao pontal. São Paulo: Plêiade, 2009. JACQUES, P. B. Elogio aos errantes: a arte de se perder na cidade. In.: JEUDY, P.; JACQUES, B. P. (Org.). Corpos e cenários urbanos: territórios urbanos e políticas culturais. Salvador: EDUFBA, 2006. p. 117-139. PHILBRICK, N. No coração do mar: a história real que inspirou o Moby Dick de Melville. São Paulo: Cia das Letras, 2000. RONCAYOLO, M. Transfigurações noturnas da cidade: o império das luzes artificiais. In: Projeto História: Revista do Programa de Estudos Pós-graduados em História e do Departamento de História da PUC-SP. São Paulo: EDUC, 1981a. p. 97-102. RONCAYOLO, M. Mutações do espaço urbano: a nova estrutura da Paris Haussmanniana. In: Projeto História: Revista do Programa de Estudos Pós-graduados em História e do Departamento de História da PUC-SP. São Paulo: EDUC, 1981b, p. 91-96. SARLO, B. Cenas da vida pós-moderna: intelectuais, arte e vídeo-cultura na Argentina. Rio de Janeiro: EdUERJ, 1997.

28

Luis Antonio Baptista Marcelo Santana Ferreira


SILVA, R. L. Cidades mortas: uma profecia euclidiana. Estudos e Pesquisas em Psicologia, Rio de Janeiro, v. 10, n. 1, p. 296-299, 1º quadrimestre de 2010. Resenha. Disponível em: <http://www.revispsi.uerj.br/v10n1/artigos/pdf/ v10n1a20.pdf.>. Acesso em: 15 jun. 2010. SILVA, R. L.; SILVA, R. N. Paradigma preventivo e lógica identitária nas abordagens sobre o Hip Hop. Fractal: Revista de Psicologia, Niterói, v. 20, n. 1, jan./ abr. 2008. p. 135-148. Disponível em: <http://www.uff.br/periodicoshumanas/ index.php/Fractal/article/view/31>. Acesso em: 16 jun. 2010. WIRTH, L. O urbanismo como modo de vida. In: FORTUNA, C. (Org.). Cidade, cultura e Globalização. Oeiras: Celta, 1997. p. 45-65.

Por Que a Cidade?

29


PRIMEIRA EDITORA NEUTRA EM CARBONO DO BRASIL Título conferido pela OSCIP PRIMA (www.prima. org.br) após a implementação de um Programa Socioambiental com vistas à ecoeficiência e ao plantio de árvores referentes à neutralização das emissões dos GEE´s – Gases do Efeito Estufa.

Este livro foi composto na fonte Myriad Pro, corpo 12. Impresso na Global Print Editora e Gráfica Ltda., em papel cartão supremo 250g. (capa) e polen soft 80g. (miolo)produzido em harmonia com o meio ambiente. Esta edição foi impressa em julho 2012.


CAPA PORQUE A CIDADE.pdf 1 25/06/2012 09:25:39

CM

MY

CY

CMY

K

ISBN 852280729-1

9

Universidade Federal Fluminense

788522

807291

POR QUE A CIDADE ?

Y

A cidade neste livro afasta-se da função de um mero cenário, ou um espaço exterior, onde a subjetividade circularia impune em sua universalidade; nos ensaios aqui presentes ela interfere, interroga de modo cortante categorias psi desatentas às políticas do contemporâneo. O livro é fruto de preocupações dos pesquisadores envolvidos com algumas das temáticas da cidade, que contribuem decisivamente para uma outra imagem da produção do conhecimento e da própria subjetividade, encharcada de tempo e de história.

(organizadores)

M

Esta obra escrita por pesquisadores do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da UFF, e por pesquisadores convidados de outros programas, versa sobre as interpelações da vida social das cidades às categorias das ciências humanas, assim como sobre as implicações dos profissionais psi frente às urgentes questões suscitadas pelas metrópoles contemporâneas. São ensaios destinados não só aos estudiosos da subjetividade, mas aos pesquisadores e leitores interessados na reflexão sobre a cultura brasileira, na violência urbana, nas intervenções artísticas nas ruas, nas políticas da saúde mental, na literatura e imagens urbanas da atualidade.

Luis Antonio Baptista Marcelo Santana Ferreira

C

A cidade neste livro afasta-se da função de um mero cenário, ou um espaço exterior, onde a subjetividade circularia impune em sua universalidade; nos ensaios aqui presentes ela interfere, interroga de modo cortante categorias psi desatentas às interpelações políticas do contemporâneo. O livro é expressão de preocupações dos pesquisadores envolvidos com algumas das interpelações da cidade, que contribuem decisivamente para uma outra imagem da produção do conhecimento e da própria subjetividade, encharcada de tempo e de história.

Luis Antonio Baptista Marcelo Santana Ferreira (organizadores)

ESCRITOS SOBRE EXPERIÊNCIA URBANA E SUBJETIVIDADE

Esta obra escrita por pesquisadores do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da UFF, e por pesquisadores convidados de outros programas, versa sobre as interpelações da vida social das cidades às categorias das ciências humanas, assim como sobre as implicações dos profissionais psi frente às urgentes questões suscitadas pelas metrópoles contemporâneas. São ensaios destinados não só aos estudiosos da subjetividade, mas aos pesquisadores e leitores interessados na reflexão sobre a cultura brasileira, na violência urbana, nas intervenções artísticas nas ruas, nas políticas da saúde mental, na literatura e imagens urbanas da atualidade.

POR QUE A CIDADE  

O fazedor de mantos, a escola hindu, o navegador temeroso de ir ao encontro do desconhecido, são imagens presentes nas entrelinhas deste liv...

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you