Issuu on Google+

AGENDA CARLOS BARBOSA

2030 PROJETO EM DESIGN ESTRATÉGICO


A

G

E

N

D

A

carlos barbosa

2030 PLANEJANDO UM FUTURO SUSTENTÁVEL PARA A CIDADE, ORIENTADO PELO DESIGN ESTRATÉGICO.

1| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030


A265

Agenda Carlos Barbosa 2030: Projeto em Design Estratégico [coordenação: Fabricio Tarouco et al.] Porto Alegre: escola de Design Unisinos, 2011. 96 p.: il.color. ;24cm

ISBN 978-85-7431-472-3

1. Planejamento urbano. 2. Carlos Barbosa (RS). 1. Tarouco, Fabricio.

CDU 711.4(816.5) Catalogação na Publicação: Bibliotecária Fabiane Pacheco Martino - CRB 10/1256

2| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030


PREFÁCIO

À COMUNIDADE BARBOSENSE A dinâmica da vida contemporânea exige daqueles que se propõem a fazer gestão pública uma atitude firme em relação ao tempo futuro, ação que ainda não é muito comum nas administrações públicas brasileiras. A Administração 2009-2012, percebendo que o corpo social atual tem sofrido sérios e graves transtornos por causa da falta de um planejamento mínimo no passado, resolveu propor para discussão com a sociedade uma fonte de informação para um planejamento mais real, um estudo técnico científico sobre a nossa comunidade. Tendo ciência da escassez de profissionais e de conhecimento para a realização dessa obra, buscamos numa das academias mais conceituadas do país o respaldo necessário para a concretização desta obra importantíssima para uma comunidade que é, e precisaria continuar sendo, vanguarda do desenvolvimento das pequenas cidades da nossa Região e Estado. A parceria com a UNISINOS nos dá a certeza de que os dados, conceitos e sugestões apresentados têm, no mínimo, um fundamento científico e técnico possíveis de ser praticado ao longo do tempo. Com o único propósito de estarmos contribuindo não só para o momento, mas também para um futuro relativamente curto, e com a convicção de que este trabalho será fundamental para o desenvolvimento e, consequentemente, para a qualidade de vida dos barbosenses é que este Governo considera a Agenda 2030 com uma das mais importantes obras deste período administrativo. Uma boa leitura a todos.

Fernando Xavier da Silva Prefeito Municipal

3| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030


4| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030


SUMÁRIO

5| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030

1 2 3 4 5 6

INTRODUÇÃO 06

O que são Cidades Criativas? Conceitos

O CONTEXTO

14

O ponto de partida

A Carlos Barbosa 2010

TENDÊNCIAS 26

O FUTURO DAS CIDADES Cidades desenhando seu futuro

DIRETRIZES 32

Eixos Estruturantes Os Pilares do Crescimento

PROCESSO 38

O DESIGN ESTRATÉGICO A Gestão Através da Inovação

RESULTADOS 46

VISÕES DE UM FUTURO PLANEJADO

Agenda 2030 - Objetivos e Ações


1

INTRODUÇÃO

O QUE SÃO CIDADES CRIATIVAS? UM NOVO MODELO, UMA NOVA ABORDAGEM DE COMO VENCER OS DESAFIOS DO CRESCIMENTO.

6| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030


VISTA CENTRO DA CIDADE FONTE: ACERVO PREFEITURA

7| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030


INTRODUÇÃO

CRESCER SEM PERDER A Fabricio Tarouco, Gustavo Borba e Gustavo Fischer. É possível perceber, nas últimas décadas, uma passagem de sociedades dispersas em milhares de comunidades rurais a uma trama majoritariamente urbana, em que se dispõe de uma oferta simbólica heterogênea, renovada por uma constante interação do local com redes nacionais e transnacionais de comunicação (Canclini, 1997). Assim, pode-se definir o momento atual como dinâmico, globalizado e em constante mutação. Os lugares, no contexto econômico e cultural das nações, vêm se tornando o foco da concorrência internacional por recursos financeiros, turistas e visibilidade. Muitas cidades vêm investindo com o intuito de promover-se como um destino diferenciado, atrativo e com qualidade de vida. Para isso, resgatam potencialidades locais e desenvolvem projetos que potencializam elementos de impacto urbano, turístico e comercial. 8| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030


VISTA GERAL DA CIDADE FONTE: GUSTAVO DIEHL

IDENTIDADE. Dessa forma, é preciso compreender o processo de territorialização desses lugares e não apenas discutir a ocupação dos seus territórios. Entende-se por territorialização o processo que coloca as cidades como facilitadoras das práticas sociais e econômicas ocorridas na região, ou seja, era em busca dessas relações que os indivíduos se agrupavam num mesmo território, procurando principalmente mercado (produto) e meios de transporte (conexão) (Reyes, 2007). O momento atual, caracterizado pelo processo de re-territorialização, reflete o aumento da competitividade empresarial, obrigando as cidades a buscarem estratégias de ação perante o mundo globalizado, prospectando o mercado externo, visto que hoje, promover a cidade se tornou uma das funções básicas dos governos locais e um dos principais campos de concentração público-privado.

9| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030


1.1. O FUTURO DOS LUGARES O desenvolvimento futuro dos municípios e das cidades, em qualquer parte do mundo, depende de um profundo planejamento em bens e serviços, informação e conhecimento, capital e pessoas. Nesse sentido, a reorganização do território cria novos desafios para os gestores municipais, mas, ao mesmo tempo, abre possibilidades de desenvolvimento local. De acordo com Borja e Castells (1997), a cidade competitiva deve apresentar três atributos complementares: conectividade com a rede mundial de cidades, capacidade de inovação para incorporar novos processos e tecnologias produtivas e gerencias, e flexibilidade institucional, dando agilidade para responder aos desafios e mudanças. Para tanto, deve descobrir suas qualidades diferenciadas para se apresentar ao mundo e ao Brasil, procurando seu caminho próprio no meio das turbulências, incertezas e transformações. Ao mesmo tempo que se preparam para as mudanças externas, os municípios (e os gestores públicos locais) têm que responder às crescentes demandas de bens e serviços públicos e enfrentar as emergências e necessidades imediatas da sociedade local. Em outras pa10| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030

lavras, devem administrar as demandas cotidianas olhando para o futuro e implementando políticas e estratégias de desenvolvimento (Pricewaterhousecoopers). Os processos de desenvolvimento local implicam esforços articulados de atores estatais, da sociedade civil e do capital, dispostos a levar adiante projetos que surjam da negociação de interesses, inclusive divergentes e em conflito. Portanto, a lógica do desenvolvimento local necessita do surgimento e fortalecimento de atores inscritos em seus territórios e com capacidade de iniciativa e propostas socioeconômica que capitalizem as potencialidades locais, apostando em uma melhora integral da qualidade de vida da população (Marsiglia, 1996). Dessa forma, o futuro dos lugares passa pelo planejamento estratégico de projetos e ações que impactem positivamente na qualidade de vida de seus moradores e na imagem que o território espera alcançar no cenário externo. Assim, o principal desafio será detectar as potencialidades e oportunidades existentes e, com base nelas, traçar alternativas que preparem a cidade para as próximas gerações.


1.2. SOLUÇÕES CRIATIVAS

“O processo de transformação de uma cidade em cidade criativa precisa somar valores econômicos, sociais e culturais a lugares, alcançando resultados tangíveis que reflitam as identidades e a história da cidade. “

http://cidadecriativa.org/comofazemos.html

O conceito de cidades criativas vem sendo disseminado no mundo acadêmico e institucional, especialmente com as crescentes demandas que os lugares passaram a ter, conceito este que resultou da emergência das novas tecnologias e de um novo tipo de economia assente na criatividade e inovação. O principal fator determinante para a busca de soluções criativas é a limitação orçamentária que determinados lugares dispõem para investir em melhorias e para qualificar os serviços públicos. A relação entre criatividade e promoção do desenvolvimento urbano pode ser estruturada pela necessidade de introduzir criatividade nos “instrumentos” para o desenvolvimento urbano, ou seja, o desenvolvimento de ferramentas e soluções criativas associadas aos novos contextos socioeconômicos e culturais; por isso a defesa da necessidade de atrair as competências criativas, ou seja, recursos humanos criativos. 11| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030

Apesar deste renovado interesse e de toda(s) a(s) retórica(s) em torno do papel da criatividade no desenvolvimento das cidades e das regiões, a relação entre atividades culturais/criativas e território, numa perspectiva bem mais ampla, tem várias e remotas origens e vem sendo estudada há bastante tempo (Costa et al, 2008). As novas abordagens em torno das cidades criativas vieram evidenciar novas formas de se pensar a cidade, trazendo novas temáticas não só para a análise e o discurso acadêmico, mas também para a prática política, onde ganharam grande visibilidade. Outros conceitos aplicados a lugares vêm sendo associado ao conceito de cidades criativas. Dentre eles, cabe destacar: cidades sustentáveis, cidades digitais, cidades turísticas, cidades geradoras de energia limpa, cidades rede, cidades inteligentes, cidades empreendedoras, cidades da copa, cidades inovadoras e cidades educadoras.


1.3. O PAPEL DA ESCOLA DE DESIGN UNISINOS No intuito de colaborar com o desenvolvimento regional, a Universidade do Vale do Rio dos Sinos e a Escola de Design Unisinos vêm aprofundando suas pesquisas nesta área de conhecimento e posicionando-se como uma referência em projetos e soluções aplicadas a territórios. As discussões acontecem tanto em salas de aula, com turmas de graduação, especialização e mestrado, como também pelo seu corpo docente, pesquisadores e colaboradores, nos espaços acadêmicos e empresariais. A Universidade do Vale do Rio dos Sinos é uma instituição jesuíta que hoje está entre as melhores universidades particulares do Brasil. Possui cerca de 30 mil estudantes em cursos de graduação e pós-graduação. Com mais de quatro décadas, a UNISINOS preza sua capacidade de ser inovadora. Com métodos atuais e emprego de novas tecnologias, está atenta ao mundo contemporâneo e a mudanças sem, no entanto, abrir mão de seus valores originais. É espaço plural, múltiplo e aberto, em que a produção e a difusão do saber enaltecem a vida e a liberdade responsável. Em seu quadro de pessoal, conta com cerca de 900 professores - dos quais 86% são mestres, doutores e pós-doutores, porcentagem superior à média nacional. 12| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030

Neste contexto de permanente busca pela inovação, e em cooperação com o POLI.Design de Milão, a Unisinos criou em 2006 a Escola de Design Unisinos (EDU). A Escola de Design é um centro de ensino, difusão e produção de novos conceitos de design, alinhados ao que há de mais avançado nesta área. São três os eixos da escola: o ensino, que forma novos profissionais em design, a pesquisa, que constrói novos conhecimentos e o Design Center, que faz a articulação entre o mercado e a Universidade. A construção das competências se dá pela formação universitária em nível de graduação e pós-graduação, capacitação empresarial, produção de pesquisas, gerando conhecimento, da experimentação contínua e inovação para as indústrias e prefeituras, publicações técnico-científicas e divulgação dos casos e resultados e consultorias, integrando universidade-empresa-prefeitura e sistema empreendedor produtivo. REUNIÕES DE PROJETOS FONTE: ACERVO UNISINOS


1.4. AS PREMISSAS DA PESQUISA Enquanto a ação dos planos diretores e o urbanismo tradicional centram o foco na organização interna do território, o conceito de Design Territorial estudado na Escola de Design Unisinos se ocupa do reconhecimento desses valores internos com a possibilidade de comunicá-los externamente e no potencial de atratividade que ele possa ter, transformando o território em produto. Essa abordagem passa por uma ação que seja capaz de agregar valor e que permita a compreensão e o envolvimento dos mais diversos segmentos sociais a fim de transformar o território em marca coletiva e significativa da cultura local. Nesse tipo de estratégia, a cidade reforça hábitos sociais que valorizam o território como mercadoria aberta ao consumidor externo, tendo, assim, uma perspectiva de mercado gerada, por exemplo, pelo turismo. Assim, a renovação do território cria centralidades como lugares em que ele se serve do consumo e serve ao consumo. Tendo isso em vista, criam-se imagens-síntese que reforçam o caráter do local, afirmando-o e ajudando a sua difusão. A presente proposta é um movimento que une a Universidade do Vale do Rio dos Sinos e a Prefeitura de Carlos Barbosa para agir em busca de um futuro melhor para a cidade. 13| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030

A agenda 2030 organiza ideias concretas de interesse da sociedade barbosense, projetando-a para os próximos 20 anos, baseado na busca pela melhora da qualidade de vida. Definiu-se como objetivo principal desta proposta a identificação de cenários de oportunidades para o desenvolvimento do município de Carlos Barbosa através da metodologia do design estratégico, que, a partir de um processo articulado entre pesquisas contextuais e workshops conceituais, fomentam ideias criativas, refletindo esse panorama e subsidiando a criação de um documento. O resultado das pesquisas e workshops possibilitam a construção do que chamamos de cenários que permitem tangibilizar as ideias desenvolvidas de forma a auxiliar à identificação das oportunidades e de possíveis estratégias para a realização do projeto. Dessa forma, o planejamento de cenários na condução da gestão estratégica das cidades afeta a percepção e a amplia, promovendo, assim, a variedade necessária parar ver e perceber o mundo exterior além dos modelos de serviços tradicionais. A função dos cenários aqui foi visualizar o futuro, desvendando um futuro profundamente desejado, de forma a antecipar mudanças e manter conversações estratégicas contínuas.


2

O CONTEXTO

CARLOS BARBOSA

2010

O PONTO DE PARTIDA RUMO AO FUTURO.

14| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030


MOINHO SÃO JOSÉ FONTE ACERVO DA PREFEITURA

RETRATO DO MUNICÍPIO NO INÍCIO DA DÉCADA. UM RESUMO DA SITUAÇÃO ATUAL, MOSTRANDO O CONTEXTO DE PARTIDA RUMO AO FUTURO PLANEJADO.

15| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030


O CONTEXTO

COMO É A CARLOS BARBOSA DELeandra HOJE? Saldanha e Vanessa Batisti

PARQUE DA ESTAÇÃO FONTE: ARQUIVO DA PREFEITURA DE CARLOS BARBOSA

A história de Carlos Barbosa começa por volta 1855, com a vinda dos primeiros imigrantes alemães. Porém o maior impulso ao desenvolvimento da localidade aconteceu com a chegada dos colonos italianos, assentados a partir de 1875, que foi o grupo mais numeroso que nela se estabeleceu, fixando-se em quase todas as localidades do município, procedentes principalmente das regiões do Vêneto e da Lombardia. Primeira secção da Linha da Estrada Geral, Lote 35 e Santa Luiza foram os primeiros nomes dados à localidade, que passou a ser chamada de Carlos Barbosa, somente a partir de janeiro de 1910, em homenagem que o intendente Garibaldi fez ao Governador do Estado, em cuja gestão, foi construída a Ferrovia Montenegro-Caxias do Sul. Somente em 1959, foi assinado o decreto que a tornou município, por Leonel Brizola. Antes era distrito de Garibaldi. Atualmente, com uma extensão territorial de 228,7 km2, o município é composto por cinco distritos: Arcoverde, Cinco da Boa Vista, Santa Luiza, Santo Antônio de Azevedo Castro e Sede. 16| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030


Possui um índice de desenvolvimento humano alto, com boa escolarização e qualidade de vida. Quase 100% do município é atendido por energia elétrica e abastecimento de água e cerca de 90% das residências da área urbana possuem saneamento básico, com investimentos constantes por parte da Prefeitura. Carlos Barbosa situa-se na encosta superior nordeste do Estado, no Planalto Rio-grandense, conhecida como Serra Geral, de topografia acidentada e irregular, com muitos morros e vales. Não possui rios, somente arroios, cuja peculiaridade é alimentarem duas bacias hidrográficas, o rio Caí, ao leste, onde deságua o arroio Forromeco e Santa Clara, e o rio Taquari, a oeste, onde deságua o Arroio Boa Vista, divididos pela antiga estrada de ferro, hoje desativada. A posição de divisor das bacias hidrográficas põe o município como área estratégica na conservação das águas de cabeceiras de rios, que abastecem diversos municípios do Estado. Essa região, de grande beleza, a 700 metros do nível do mar, tem um clima subtropical de altitude, com estações bem marcadas. O último censo, realizado em 2010, apurou a existência de 9.441 domicílios no município, sendo, nos domicílios particulares ocupados, a média de moradores de 2,97 (CENSO/IBGE 2010). 17| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030

Com pouco mais de 25 mil habitantes e uma densidade demográfica de 110,17 habitantes por km2 (CENSO/ IBGE, 2010), Carlos Barbosa conta com uma população, predominantemente, adulta, ou seja, com idades entre 15 e 64 anos – como é possível observar na Tabela 1 e Figura 1. Neste grupo, denominado de segunda idade, destacam-se os “jovens adultos” na faixa de 20 a 34 anos de idade, os quais respondem por mais de 36% da população de adultos e por mais de 27% da população total barbosense. Entre as crianças, o grupo da primeira idade, destacam-se os adolescentes de 10 a 14 anos, que representam em torno de 38% da população deste grupo e 6,5% da população total. Já a população madura / idosa (terceira e quarta idades), com 65 anos ou mais, somam mais de 8% do total da população do município e, considerando os indicadores que serão apresentados adiante, certamente, a tendência deste grupo é de crescimento.


TABELA 1 POPULAÇÃO DE CARLOS BARBOSA POR FAIXA ETÁRIA E GÊNERO IDADE

FAIXA ETÁRIA [anos]

1ª IDADE

MASCULINO

TOTAL

FEMININO

VALOR

PERCENTUAL

0-4 5-9 10-14

688 734 872

616 642 765

1304 1376 1637

5,18% 5,46% 6,50%

SUBTOTAL

2294

2023

4317

17,14%

15-19 20-24 25-29 30-34 35-39 40-44 45-49 50-54 55-59 60-64

946 1166 1206 1096 989 1012 1016 872 672 490

956 1087 1167 1098 950 996 1019 842 656 506

1902 2253 2373 2194 1939 2008 2035 1714 1328 996

7,55% 8,94% 9,42% 8,71% 7,70% 7,97% 8,08% 6,80% 5,27% 3,95%

SUBTOTAL

9465

9277

18742

74,40%

65-69 70-74 75-79

353 229 173

387 324 245

740 553 418

2,94% 2,20% 1,66%

SUBTOTAL

765

956

1711

6,79%

80 ou MAIS

148

274

422

1,68%

SUBTOTAL

148

274

422

1,68%

12662 50,26%

12530 49,74%

25192 100%

100%

2ª IDADE

3ª IDADE

4ª IDADE

GÊNERO

TOTAL

FONTE: Elaborado pelos autores com base nos dados do Censo IBGE, 2010.

Ainda analisando os dados relacionados à faixa etária, tem-se, pela predominância da população adulta observada em Carlos Barbosa, que mais de 74% dos seus habitantes encontram-se na faixa de idade potencialmente ativa (têm entre 15 e 64 anos de idade); enquanto os demais estão na idade potencialmente inativa (0 a 14 anos e 65 anos ou mais). Daqui chega-se a razão de dependência demográfica de 34,41% para a população barbosense. Esse indicador mostra que para cada 100 adultos em idade potencialmente ativa, Carlos Barbosa tem, aproximadamente, 35 pessoas dependentes, em idade potencialmente não ativa – expressando o “peso” da população de crianças e idosos sobre a população adulta, bem como a transferência entre as gerações.

18| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030


FIGURA 1 POPULAÇÃO DE CARLOS BARBOSA POR FAIXA ETÁRIA E GÊNERO + 80 ANOS

75 - 79 70 - 74 65 - 69 60 - 64 55 - 59 50 - 54 45 - 49 40 - 44 35 - 39 30 - 34 25 - 29 20 - 24 15 - 19 10 - 14 5-9 0-4

148 173 229 353 490 672 872 1016 1012 909 1096 1206 1166 946 872 734 688

0,6% 0,7% 0,9% 1,4% 1,9% 2,7% 3,5% 4,0% 4,0% 3,9% 4,4% 4,8% 4,6% 3,8% 3,5% 2,9% 2,7%

274 246 324 387 506 2,6% 656 3,3% 842 1019 4,0% 4,0% 996 3,8% 950 4,4% 1098 4,6% 1167 1087 4,3% 956 3,8% 3,0% 765 642 2,5% 616 2,4%

1,1% 1,0% 1,3% 1,5% 2,0%

FONTE: Adaptada pelos autores da sinopse do Censo IBGE2010.

Em se tratando de gênero, a população barbosense é bem equilibrada, chegando próximo da relação um para um, ou seja, 50% masculina e 50% feminina. Cabe destacar que na infância (primeira idade) e na vida adulta (segunda idade) a população masculina é maior que a feminina, enquanto na maturidade / velhice (terceira e quarta idades) a relação se inverte. A população feminina é maior na maturidade / velhice, como se observa no Brasil e em muitos países, em função de uma expectativa de vida das mulheres superior à verificada para os homens. Atribui-se, entre outros, a menor expectativa de vida masculina a um elevado índice de mortalidade entre os 20 e 30 anos de idade, por causas violentas (acidentes de trânsito, homicídios, etc.). 19| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030

Outro aspecto relevante relativo à população diz respeito ao crescimento demográfico, a população barbosense apresentou um crescimento natural positivo de 0,67% em 2010, resultante da diferença das taxas brutas de natalidade e mortalidade – 10,24 nascidos vivos para cada 1.000 habitantes e 3,57 óbitos para cada 1.000 habitantes (IBGE, 2010). Já em relação ao grau de urbanização, o município tem 19.992 pessoas residindo em área urbana (79,36%) e apenas 5.200 em zona rural (20,64%). Tal grau de urbanização reflete-se na distribuição populacional nos distritos: 85,16% da população localizam-se na sede e os 14,84% restantes nos demais distritos: Santa Luiza (4,17%), Arcoverde (3,82%), Santo Antônio de Azevedo Castro (3,70%) e Cinco da Boa Vista (3,15%).


Apenas 100km a distanciam da capital, 65 km da região das hortênsias, e os municípios vizinhos da região da uva e do vinho estão muito próximos: Garibaldi, Bento Gonçalves, Farroupilha e Caxias do Sul, são acessados por meio de vias estaduais, como ERS 453 e 470. Uma das principais características do tecido urbano de Carlos Barbosa é sua forte centralidade, sendo o Parque da Estação o ponto de convergência. Subseqüente a esse ponto, evoluem os diversos bairros, respeitando a concentricidade e reduzindo a densidade, à medida que nos afastamos do centro. O comércio e os principais serviços públicos e privados, além das principais áreas de lazer e convívio, estão presentes em maior número, no Centro Urbano, constituído pelos três quarteirões centrais, onde existe a maior concentração de habitações verticalizadas. As áreas verdes estão presentes, pulverizadas em praças de pequeno porte, que variam de 300 a 10.000 m2, e outras 5 de até 15 hectares, em todo território urbano.

20| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030

01

04 06

05 08

09 10 LEGENDA MAPA Área Central ÁREA CONSOLIDAÇÃO URBANA ÁREA DE EXPANSÃO PRINCIPAIS VIAS CICLOVIA RS 446 - SÃO VENDELINO


ACESSO À CIDADE PELA ERS 446 - SÃO VENDELINO

02

03

07

ACESSO À CIDADE PELA ERS 446 - SÃO VENDELINO

BAIRROS

11

21| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030

01. NAVEGANTES 02. TRIÂNGULO 03. BELA VISTA 04. VILA NOVA 05. VITÓRIA 06. CENTRO 07. AURORA 08. PLANALTO 09. APARECIDA 10. PONTE SECA 11. NOSSA SRA. FÁTIMA


Com uma situação econômica e social favorável, observada por meio de seus indicadores socioeconômicos, Carlos Barbosa quer ser referência em qualidade de vida. Dentre os indicadores que demostram que o município está no caminho, destaca-se o índice de desenvolvimento humano municipal (IDH-M) de 0,858 (2000), considerado um alto índice. Calculado pela Organização das Nações Unidas (ONU), o IDH é um índice que foi criado para medir o nível de desenvolvimento humano dos países. Calculado com base nos indicadores de educação (alfabetização e taxa de matrícula), longevidade (esperança de vida ao nascer) e renda (PIB per capita), o IDH varia de “0”, nenhum desenvolvimento humano, a “1”, desenvolvimento humano total. Também confirmam o desenvolvimento de Carlos Barbosa, índices como a mortalidade infantil e a expectativa de vida. Atualmente, o coeficiente de mortalidade infantil é de 13,33 óbitos para cada 1.000 nascimentos – indicador que há uma década (2001) ultrapassava os 22 óbitos para cada 1.000 nascimentos (FEE, 2010).

Quanto à longevidade, a pessoa que nasce no município tem uma expectativa de viver 78,84 anos (PREFEITURA MUNICIPAL, 2009), superior à verificada para a Região e para o Estado. Tal longevidade resulta não só da descendência italiana de sua população, como também da preocupação com saneamento básico e saúde. Nesse sentido, Carlos Barbosa conta com um qualificado sistema de saúde, tanto em relação à infraestrutura dos locais, quanto ao atendimento, fruto de altos investimentos público-privados municipais. Não há filas de espera para consultas e procedimentos cirúrgicos. Para os casos de baixa e média complexidade, há um hospital e um centro de saúde, que atende a maior parte das especialidades médicas e odontológicas, oferecendo à população o atendimento adequado. Ainda possui quatro unidades básicas de saúde com postos móveis, porém sem UTIs, e mais cinco postos, um para cada distrito. Além disso, há políticas de incentivo a práticas saudáveis, visando à prevenção de doenças, como a implantação de academias ao ar livre, espalhadas em diferentes pontos da cidade, que contam com instrutores e enfermeira três vezes por semana.

ESTAÇÃO CARLOS BARBOSA - MARIA FUMAÇA FONTE: GUSTAVO DIEHL

22| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030


Outro conjunto de indicadores importante é o relacionado ao tema educação. A taxa de analfabetismo é de apenas 2,53% (FEE, 2010). No município, praticamente todas as crianças e jovens (mais de 4.000), em idade escolar, estão regularmente matriculados na rede composta por 27 escolas – 16 municipais, 6 estaduais e 5 particulares (SECRETARIA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO, 2011). Tanto a taxa de abandono escolar, de 0,7% no ensino fundamental e 6,5% no ensino médio, quanto a taxa de reprovação, de 9,4% no ensino fundamental e 10,6% no ensino médio, são inferiores às verificadas no Rio Grande do Sul e no Brasil; enquanto a taxa de aprovação, de 89,9% no ensino fundamental e 82,9% no ensino médio, é superior (FEE, 2008). Na educação infantil, o turno integral abrange mais de 400 crianças, entre 2 e 6 anos, atendidas em escolas municipais, com avaliação nutricional e orientação para as famílias sobre o desenvolvimento infantil. A Prefeitura ainda disponibiliza transporte escolar gratuito para que as crianças possam ir à escola. Com um produto interno bruto (PIB) na ordem de R$ 671,5 milhões e um PIB per capita de R$ 26.453,00 (FEE, 2008), Carlos Barbosa conta com 10.473 pessoas ocupadas (CENSO / IBGE, 2010), representando mais de 41% da sua população total e 59% da população potencialmente ativa (na faixa etária entre 15 e 59 anos de idade). Sua economia é calcada na indústria e nos serviços, que respondem, respectivamente, por 47% e 45% do valor adicionado bruto (VAB) da sua economia. Embora a agropecuária corresponda apenas por 8% do VAB municipal, é dela que resulta a matéria-prima de um dos 23| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030

CATEDRAL FONTE: GUSTAVO DIEHL

principais símbolos do local: o queijo. Tal símbolo fomenta o principal evento da cidade, o Festiqueijo (festival gastronômico) e todo um comércio de produtos artesanais como geleias, compotas, sucos, doces, desenvolvidos pela agroindústria, a qual tem como expoente a cooperativa Santa Clara. Na indústria, por sua vez, o setor metalmecânico é o de maior relevância, no qual se destaca a Tramontina, principal fabricante de produtos de aço, com mais de 17 mil itens, nos mais diversos segmentos, exportando para mais de 120 países. Instalada no bairro Triângulo, a fábrica de utensílios de cutelaria é fundamental no crescimento e desenvolvimento da cidade, visto que é responsável por 65% do ICMS arrecadado no município. Fundada em 1911, por um imigrante italiano, iniciou como uma ferraria (pequena oficina) e hoje é um grupo com 6 mil funcionários, distribuídos em 10 fábricas, centros de distribuições por todo o país e no exterior.


A empresa ainda conta com um showroom no centro da cidade, que se tornou ponto turístico e de compras, com a venda de produtos da marca, de qualidade reconhecida internacionalmente pelo design e inovação. Cabe ressaltar, que apesar de Carlos Barbosa não ter um zoneamento definido, e as unidades industriais fazerem parte da paisagem urbana, a Prefeitura tem estudado estabelecer um distrito industrial em Arco Verde, dentro de um modelo de preocupação ambiental, evitando que o crescimento aconteça de forma aleatória e preservando a qualidade de vida dos seus habitantes. A proximidade com a capital atrai pessoas que, como os habitantes de municípios vizinhos, chegam para visitas de final de semana ou para passar o dia. Dentre os atrativos locais estão: o passeio de Maria Fumaça (que acontece entre Carlos Barbosa, Garibaldi e Bento Gonçalves, com degustação de vinhos, champagne e sucos típicos da região); Via do Leite e Queijo (um roteiro por belas paisagens naturais, construções antigas e gastronomia italiana); Morro do Diabo (rampa para voo livre); Morro do Calvário (encenação da Paixão e Morte de Cristo); Moinho São José (construção de 1897, tombada pelo patrimônio histórico municipal); e o Parque da Estação (localizado no coração da cidade, abrigando o prédio da antiga Estação Ferroviária, de 1909, também tombado e restaurado, onde hoje funciona a Secretaria de Turismo, Indústria, Comércio e Serviços, além de um cinema e da Casa do Artesão). 24| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030

ACESSO A CARLOS BARBOSA FONTE: GUSTAVO DIEHL

Nos serviços, além do comércio e da administração pública, destacam-se as atividades turísticas. O turismo na região é motivado pelo clima serrano, típico europeu, de atrativos históricos em um cenário natural, composto de morros e vales, com belas paisagens. Além dos seus atrativos naturais, históricos e gastronômicos, outro tipo de turismo vem ganhando espaço no município: o turismo esportivo. Um dos motivos é a equipe de futsal, Associação Carlos Barbosa de Futsal (ACBF), cuja história começou nos anos 1970, quando os dois principais times da cidade, o Real e o River, uniram-se para realizar o sonho de conquistar o título estadual. Décadas depois e inúmeros títulos alcançados, entre eles, o tão sonhado campeonato estadual que venceu oito vezes, já trouxeram para Carlos Barbosa a Taça Brasil, a Liga Nacional, a Copa Intercontinental (disputada na Rússia) e o título de Campeão Mundial de Futsal pela FIFA, disputado em Barcelona na Espanha – título que até hoje é o único clube brasileiro a ostentar. A cidade também sedia o Festival Estadual de Voo Livre, evento realizado com apoio da Prefeitura, no Morro do Diabo, e uma das etapas do campeonato brasileiro de Moto Cross.


Recentemente, em 2011, implantou-se o transporte coletivo municipal de ônibus. Operando com quatro linhas, que cobrem duas rotas simultâneas – leste-oeste – em vários horários, a população barbosense agora dispõe de outra opção de circulação, a fim de evitar congestionamentos na área central da cidade. Além das linhas de ônibus, a população conta com frota de táxis e transporte fornecido pelas empresas aos seus funcionários. Estima-se que 60% dos trabalhadores utilizem veículos próprios para seus deslocamentos. Há especial preocupação com o lixo, pois a produção de resíduos vem crescendo a cada ano. Em 2010, foram recolhidas 2.962.095 toneladas de resíduos orgânicos e 1.025.318 de resíduos secos, gerando uma média diária total de 10,92 toneladas, o que equivale a 154,16 kg por habitante a cada ano. A Prefeitura tem buscado medidas que visem atenuar ou, pelo menos, conscientizar a população da seriedade do assunto, por meio de políticas de educação ambiental e da adoção de procedimentos, como o sistema de recolhimento e separação por containers, dispostos na via pública, em pontos específicos, para incentivar a separação do lixo seco e orgânico. Também estimula campanhas para o descarte correto de materiais especiais, como óleo de cozinha, lâmpadas, baterias, lixo eletrônico e embalagens de agrotóxicos, sendo a coleta realizada de forma terceirizada, por empresa privada, que encaminha os resíduos para um aterro sanitário e uma pequena usina de reciclagem. 25| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030

No site da Prefeitura, encontram-se todas as informações sobre os dias de coleta seletiva nos bairros e dicas sobre procedimentos ideais, reforçados pela política de educação ambiental nas escolas. Contudo, os gestores sabem que o lixo é um ponto crucial no crescimento das cidades, e já têm estudado novas alternativas, como a instalação de outra célula que absorva os detritos, quando o aterro existente se esgotar. Trânsito educado, com ruas pavimentadas e boa sinalização, privilegiando os pedestres. Câmeras distribuídas pela cidade monitoram a ordem pública. Carlos Barbosa possui um número quase ideal de policiais militares. Mesmo com apenas uma delegacia, o índice de violência é baixo, com alguns poucos casos graves. Esse conjunto de características apresentadas contextualiza a Carlos Barbosa de hoje, mas certamente é apenas um recorte inicial. Seria possível buscar ainda mais relatos e compreensões sobre a riqueza cultural que marca Carlos Barbosa dentro da trajetória da imigração no Rio Grande do Sul, e o próprio processo de “pensar o território” pode revelar também muitos aspectos novos. Mas mesmo de uma forma resumida, acredita-se que a essência foi compreendida e que, com essa visão é possível discutir e pensar os próximos anos (ou as próximas décadas) do município, sempre focado no desenvolvimento sustentável e na melhoria contínua da qualidade de vida de sua comunidade.


3

TENDÊNCIAS

O FUTURO DAS CIDADES Cidades desenhando seu futuro.

26| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030


MASDAR PLAZA LAVA. FONTE: br.taringa.net

O QUE ESTÁ MUDANDO NO MUNDO? COMO AS PESSOAS ESTÃO TRATANDO OS PROBLEMAS ATUAIS? QUE EXEMPLOS DE SUCESSO PODEMOS SEGUIR? 27| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030


TENDÊNCIAS

ÁRVORES ARTIFICIAIS- BOSTON TREEPODS FONTE: www.solarelectricitytips.com

A PESQUISA COMO REFERENCIAL DE MODELO DE SUCESSO Fábio Parode

Traçar cenários para o futuro é uma das tarefas mais complexas no universo projetual. Sua complexidade deve-se especialmente ao fato de que o olhar para o futuro deve contemplar um número bastante grande de variáveis: econômicas, culturais, ambientais, sociais, tecnológicas etc. Uma cidade, quando se projeta para o futuro, tenta reconhecer-se em uma dinâmica entre a sua condição local e os movimentos globais emergentes. Diga-se, aquilo que está estruturando-se como uma tendência, uma metanarrativa que vai afetando em profundidade e criando novas condições de existência a todos os setores da cidade. 28| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030


Seria suficiente ficarmos atentos aos meios de comunicação e aos grandes temas de debate e pesquisa no contexto científico para percebermos o quanto certas problemáticas, tais como tecnologia, sustentabilidade, inovação social, transporte e meio ambiente ocuparam lugares de destaque no contexto dos projetos para o futuro. De fato, evidencia-se hoje uma forte preocupação com o futuro. Tal intensidade deve-se a um certo quadro de instabilidade em alguns setores, especialmente no econômico e no ambiental, obrigando-nos, como sociedade, a pensar e desenhar aquilo que desejamos como o contexto dentro do qual quer-se viver e ao mesmo tempo, deixar como legado às gerações futuras. A noção de conforto, de qualidade, de durabilidade, de sociabilidade e convívio em um espaço preservado tornaram-se fundamentais dentro dessa lógica. O que é o conforto hoje? Quando se olha para os valores que definem o luxo contemporâneo, vislumbra-se com surpresa que, se antes se tratava de um refinamento acessível pela riqueza material, hoje, está na posse de condições elementares associadas a qualidades mais abrangentes e elementares, tais como ar puro, espaço verde, estabilidade, mobilidade, saúde e educação. Percebe-se que os valores que são fundamentais ao luxo, migraram da riqueza material para uma riqueza existencial e intelectual, mais associada à qualidade de vida. 29| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030

É inquestionável que bem-estar é fruto não apenas de riqueza acumulada, mas de posicionamento e escolha diante de fenômenos que conformam as condições existenciais. Ou seja, qualidade de vida é resultado de uma ordem de racionalidade que se constrói e é capaz de desvelar as implicações entre os fenômenos possibilitando-nos a escolha. Ser capaz de fazer boas escolhas é portanto uma das condições fundamentais para a preservação da qualidade dentro de um planejamento. Fazer boas escolhas exige racionalidade, sensibilidade e percepção apurada. Desenhar o futuro na tentativa de preservar a qualidade de vida e, no limite, suas condições de permanência, é o desafio principal de um projeto político que busca construir e implementar os alicerces de uma cultura mais centrada nos princípios de equilíbrio entre o humano e sua relação com o meio ambiente. Tendo em vista que o meio ambiente é o quadro de fundo de nossa existência, e suas cores e tons dependem de nossas escolhas e ações, podendo ser, portanto, mais sombrios ou mais luminosos.

MITMIT’S SMART CITIES MOBILITY PROJECT TEDx BOSTON FONTE: www.outsideinnovation.blogs.com/greenengineering


A sociedade de consumo contemporânea em seus níveis de conforto e abrangência evidentemente satisfaz muitas das demandas da cultura e das organizações humanas. No entanto, seu impacto sobre o meio ambiente tem-se revelado como uma dinâmica sub-reptícia e constante que, à medida que o tempo passa, gera-nos, para além de todo o conforto dos bens, um cenário ameaçador. O nível de aceleração da produção e do descarte sem uma devida cultura da reciclagem, sem uma racionalidade ambiental desenvolvida, tem gerado níveis de poluição e de acúmulo de resíduos que, muitas vezes, vão parar diretamente na natureza. Esse fenômeno está afetando não apenas as condições da vida humana, mas as condições da vida de várias espécies da fauna e da flora que não conseguem adaptar-se às condições precárias impostas pelo lixo humano. Sendo assim, pensar desde hoje o preço que a cultura do consumo sem prevenção ambiental obrigará a sociedade a pagar, leva-nos a um posicionamento projetual como uma ação política, uma escolha racional para as cidades do futuro que contemple a noção de equilíbrio ambiental, de políticas que possam regulamentar produção, consumo e expansão nas cidades em função da gera-

30| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030

ção e impacto dos resíduos implicados e da resiliência do planeta. É, nesse sentido, que muitas cidades têm-se preparado para um futuro cujos sinais de transformação das condições elementares para a vida já estão evidentes na sua processualidade, tais como escassez de água, de espaço, de alimentos, de ar puro, de verde e de tempo. A representação que se tem hoje do futuro é tributária de duas grandes tendências: o aumento da inteligência humana associada aos processos comunicacionais em rede, diga-se, aumento de tecnologia e a necessidade de transformação das matrizes energéticas, levando-nos, consequentemente, à necessidade de transformação dos hábitos de consumo. Algumas das grandes metrópoles contemporâneas operam na lógica da preservação da qualidade de vida, abrindo-se aos espaços verdes, aos módulos de convívio ecologicamente sustentáveis, à valorização da cultura, do tempo de lazer, da mobilidade com baixo impacto ambiental, à implementação de estruturas que garantam condições de saúde e educação. Grandes cidades como Paris, Seul, Milão, Berlim e Kopenhagem, incluem-se hoje no rol de cidades investidas pelo futuro.


Carlos Barbosa com seu potencial urbano e ambiental apresenta-se com as condições de projetar-se como cidade modelo no Brasil dentro do contexto cidade do futuro, na medida em que adquire a maturidade de um crescimento com o devido cuidado de preservação, possibilitando assim que gerações futuras possam compartilhar das riquezas e das inovações tecnológicas que preservam a qualidade de vida. Verifica-se que o principal eixo de desenvolvimento das cidades do futuro é a sustentabilidade, subentendida como econômica, ambiental e social. Na perspectiva da sustentabilidade econômica, a participação do Estado no macrodesenho das relações econômicas e dos fluxos de riqueza no território, revela-se fundamental na disposição dos recursos e das escolhas, atuando como agente ativo nos processos de interação do mercado; na perspectiva da sustentabilidade ambiental, a lógica da preservação do verde, do reuso dos materiais e da substituição das matrizes energéticas poluentes por matrizes limpas tornam-se basilares da cultura futura; predomina nessa postura o conceito de interação e preservação dos ecossistemas ambientais, assim como dos elementos naturais fundamentais às gerações futuras.

31| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030

Já na perspectiva social, a ampla implementação de espaços e serviços coletivos de qualidade, revela-se como uma tendência orgânica de construção das identidades locais, ou seja, nas ideias de interação, coletivo e meio ambiente estruturam-se como bases para as cidades do futuro, nas quais o espaço coletivo e o equilíbrio com o meio ambiente é preservado como fundante do próprio espírito da sociedade. Dentro desse contexto, a noção de espaço comum é ressignificada no sentido de sua qualidade, abrangendo forma, conteúdo e eficácia. O que se espera de um espaço comum? Espera-se que ele possa satisfazer de forma abrangente, abrindo-se às diferenças sociais e de gêneros, baseado na qualidade da oferta, da racionalidade intrínseca e da estética que é disponibilizada ao público, permitindo-lhe perceber o respeito e o cuidado com que o poder público trata da questão pública. Nesse sentido, pensar o que ele deve oferecer quanto à serviços, bens, espaços, mobiliário urbano, transporte, revela-se como o mote de um cenário que visa, sobretudo, à construção de uma cultura cujo bem maior é o respeito sustentado por valores éticos que preservam a vida na sua multiplicidade e na efetiva garantia de manutenção dos laços sociais.


4

DIRETRIZES

Os EIXOS ESTRUTURA NORTEADORES do CrescImentO.

32| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030


VISTA AÉREA DE CARLOS BARBOSA FONTE: GOOGLE MAPS

NTES

33| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030


DIRETRIZES

NOSSAS BASES CONDUTORAS

Carlo Franzato, Ana Carolina Vilela e Bruna Ruschel

EVENTO PARQUE DA ESTAÇÃO FONTE: ACEVO PREFEITURA MUNICIPAL

Nas seções anteriores, exploramos as peculiaridades do contexto barbosense e as tendências de desenvolvimento das cidades do futuro. Visando a conjugar as indicações procedentes dessas análises, aqui o nosso objetivo é apresentar as diretrizes que nortearam o estabelecimento dos objetivos para o cenário de 2030, da cidade de Carlos Barbosa e o projeto das ações necessárias para alcançá-los. Salientamos que é imprescindível que tais diretrizes sejam coerentes com a tradição da cidade e, ao mesmo tempo, procurem a sua inovação. Mesmo estabelecendo objetivos ambiciosos e orientados ao futuro, entendemos que as ações territoriais projetadas devem estar amplamente enraizadas ao passado e à tradição da cidade. Cada nova ação territorial costura-se às anteriores, conferindo uma profundidade histórica ao tecido urbano. Assim, inserir a dimensão temporal na discussão sobre o desenvolvimento da cidade, implica em avaliar os efeitos futuros das nossas decisões. 34| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030


Com o relatório “Nosso Futuro Comum”, elaborado em 1987 pela Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento (CMMAD), guiada pela norueguesa Gro Harlem Burtland, foi definido que as políticas territoriais devem focar um desenvolvimento sustentável, ou seja, um desenvolvimento que procure “atender às necessidades e aspirações do presente sem comprometer a possibilidade de atendê-las no futuro” (CMMAD, 1991,p.44). Essa abordagem comporta uma valorização plena do capital territorial da cidade, que visa a um desenvolvimento harmônico entre seus diversos componentes. De acordo com essa premissa norteadora, o modelo proposto por John Elkington (1997) evidencia que é necessário considerar especialmente os três componentes que constituem o chamado “tripé da sustentabilidade”: econômico, social e ambiental. Dessa forma, o objetivo torna-se, prioritariamente, assegurar o bem-estar dos cidadãos e das empresas barbosenses, por meio de inovações sociais e tecnológicas que preservem o meio ambiente. Analisando os três componentes citados em relação a um território em particular, no caso a cidade de Carlos Barbosa e a região ao redor, é possível distinguir algumas características peculiares que permitem representar os traços de sua identidade. O conjunto dessas características forma um quarto componente do capital territorial, ou seja, o componente cultural. 35| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030

Como consequência do fenômeno da globalização, que decorreu especialmente a partir dos anos 1990, esse componente resulta hoje em uma alavanca importante para o desenvolvimento local. Por exemplo, os aspectos culturais podem-se tornar um atrativo turístico interessante (DOWER, 1998). Mas, sobretudo, devemos considerar a cultura um dos vetores de desenvolvimento mais eficazes “porque contribui para a valorização das potencialidades coletivas e individuais, porque favorece a plena realização das personalidades” (KAYSER, 1994, s. p.).

CALÇADÃO CENTRAL FONTE: GUSTAVO DIEHL


CAMINHO DO HOSPITAL FONTE: GUSTAVO DIEHL

Analisando-se os componentes econômico, social, ambiental e cultural do capital territorial de Carlos Barbosa e articulando as suas características mais significativas, no diálogo com as instituições, definiram-se quatro diretrizes prioritárias: bem-estar, cultura, sustentabilidade, tecnologia e empreendedorismo, as quais são descritas a seguir.

BEM-ESTAR

O bem estar é o objetivo de Carlos Barbosa 2030. Os índices de qualidade de vida da cidade destacam-se comparados aos índices médios do país e ocupa posições de destaque em diversas classificações. É evidente a relação com a prosperidade do seu tecido empresarial e, portanto, é essencial um trabalho sinérgico de instituições e empresas para prosseguir em uma valorização cada vez mais intensa do parque industrial da cidade. Os benefícios para a comunidade completam o círculo virtuoso que a diretriz prospecta: educação, saúde e mobilidade, bem como outros serviços de utilidade pública, devem ser constantemente aprimorados para alcançar metas previamente estabelecidas. Carlos Barbosa 2030 visa à satisfação plena das exigências materiais e espirituais dos seus cidadãos. 36| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030

CULTURA

A cultura é a base de Carlos Barbosa 2030. As origens italianas da cidade foram integradas pela vinda de trabalhadores com outras raízes e hoje não representam um fator identitário único. A história industrial e trabalhista da cidade, a sua vocação esportiva, bem como a relação dos cidadãos com o meio ambiente, por exemplo, resultam como outros fatores relevantes. Carlos Barbosa deve focar os seus esforços em diferentes nichos para garantir a expressão cultural dos seus componentes. Dessa forma, a cidade poderia candidatar-se como destino para diversos tipos de turismo. Paralelamente, Carlos Barbosa deve apoiar e estimular a educação superior/técnica dos seus cidadãos e a formação contínua dos seus trabalhadores e profissionais. Carlos Barbosa 2030 visa a ser uma cidade criativa e plural.


SUSTENTABILIDADE

A sustentabilidade é a missão de Carlos Barbosa 2030. A manutenção e o aprimoramento do alto nível de bem-estar que a cidade já possui, são consequência direta do atingimento da sua sustentabilidade econômica, social, ambiental e cultural. Sendo Carlos Barbosa um polo industrial pulsante, a questão ambiental deve ganhar atenção especial na agenda da cidade, com o direto envolvimento dos cidadãos e das empresas no desafio da sustentabilidade. Para tanto, pelas suas dimensões, a cidade pode desenvolver ações de pequena escala, que abranjam capilarmente o território e procurem a colaboração direta dos cidadãos. Carlos Barbosa 2030 visa tornar-se uma cidade modelo no quesito sustentável no panorama brasileiro.

EMPREENDEDORISMO

TECNOLOGIA

A tecnologia é o meio de Carlos Barbosa 2030. O desenvolvimento e as sustentabilidades econômicas, sociais, ambientais e culturais, passam necessariamente pelo investimento em tecnologias específicas. Nesse sentido, o conceito de rede assume uma importância chave: tendo a cidade características peculiares no âmbito regional, que a destacam, por exemplo, em alguns setores produtivos e esporte, Carlos Barbosa pode procurar a conexão com realidades extrarregionais e estrangeiras, tornando-se um polo significativo de redes abrangentes. Também e´ vista como um instrumento determinante para alcançar a cidadania plena, permitindo a conexão do cidadão com as instituições e os órgãos fornecedores de serviços, logo a criação de um ambiente de diálogo interativo. Carlos Barbosa 2030 busca o acesso tecnológico da população e a implementação de tecnologias experimentais, visando a afirmar-se como cidade digital, totalmente conectada.

O empreendedorismo é o traço distintivo de Carlos Barbosa 2030. A cidade destaca-se pelas iniciativas empreendedoras que a construíram e que constinuam construindo o seu futuro. A administração da cidade deve ser fomentadora e acompanhar proativamente o desenvolvimento de seu tecido socioeconômico, colaborando com as empresas situadas na cidade e proporcionando um clima favorável para a criação de novas empresas e atração de investimentos externos. Carlos Barbosa 2030 visa a investir no futuro. 37| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030


5

O PROCESSO

O DESIGN ESTRATÉGICO PENSAR A CIDADE ATRAVÉS DO OLHAR MULTIDISCIPLINAR DO DESIGN.

38| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030


MARIA FUMAÇA FONTE: ACERVO PREFEITURA MUNICIPAL.

39| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030


PROCESSOS

CARLOS BARBOSA 2030 ATRAVÉS DO DESIGN Ana Carolina Vilela, Bruna Ruschel e Carlo Franzato

MATERIAL DE ESTUDO EM GRUPO FONTE: ACERVO UNISINOS

O Design Estratégico torna-se ferramenta de inovação e meio condutor de mudanças estratégicas para o futuro, uma vez que opera pela combinação entre design e estratégia. Uma das habilidades desenvolvidas com base nessa visão é a capacidade em unir criatividade e método na projetação de produtos, serviços e de territórios. Nesse sentido, o objetivo é desenvolver soluções inovadoras, mediante a projeção de cenários, que antecipem não só o hoje, mas também o amanhã. Um projeto dessa natureza deve equilibrar fatores de diferentes ordens comprometendo-se com a ética e respeito para com a cidade e os indivíduos sociais que nela estão inseridos. Assim, faz-se de fundamental importância a utilização de metodologias projetuais que ancorem o desenvolvimento das estratégias a serem desenvolvidas no estudo. 40| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030


No entanto, projetar o território torna-se uma ação complexa devido ao grande número de fatores envolvidos no processo, como, por exemplo, cultura, religião, geografia, bem como modelos mentais locais já estabelecidos. Atualmente, os lugares são sinônimos de espaços territoriais em potencial, logo passíveis de serem projetados de acordo com suas potencialidades - sejam elas naturais, artificiais, culturais ou de qualquer outra origem a fim de atrair a atenção de pessoas internas e externas (KOTLER, 2006). Considerados como espaços atuantes e organizações orgânicas, os territórios são influenciados por agentes complexos e passam a ser entendidos por meio de uma perspectiva estratégica (REYES, 2008). Para tanto, o Design Estratégico auxilia a integração, visualização e concretização de conceitos e ações, projetando cenários futuros e inovações possíveis. Segundo Meroni (2008), essa abordagem é uma área de pesquisa projetual que se apropria de diversas outras áreas do conhecimento para obter respostas inovadoras a necessidades específicas. Como destacam Celaschi e Deserti (2007), pode-se dizer que o Design Estratégico apresenta uma visão holística para o desenvolvimento de “sistemas produto-serviço”, constituindo importante elemento articulador entre as di41| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030

ferentes interfaces tangíveis e intangíveis, seja no ambiente de uma empresa, seja em um território. Pensando na cidade de Carlos Barbosa como um sistema produto-serviço, o alinhamento entre elementos materiais e imateriais da cidade foram estudados por uma equipe multidisciplinar que teve por objetivo considerar com coerência todos os segmentos sociais do espaço urbano barbosense. Essa equipe foi composta por profissionais capacitados de diferentes áreas de atuação, como Arquitetura e Urbanismo, Gestão, Marketing, Moda, Design, Comunicação, Artes etc., mas todos vinculados ao pensamento do Design Estratégico. A fim de primar pela qualidade dos resultados almejados, a equipe do presente projeto teve 42 (quarenta e duas) pessoas envolvidas no processo, entre pesquisadores, professores, alunos do mestrado, especialização e graduação. Com o objetivo de organizar estrategicamente o contexto atual e pretendido para Carlos Barbosa, utilizaram-se algumas ferramentas e métodos de design e de outras áreas para projetar as perspectivas de cenários. Essas delimitações de ações visaram buscar uma marca urbana que, consequentemente, oferece condições para potencializar e articular elementos de destaque do ambiente.


Partindo-se para o passo a passo do projeto Carlos Barbosa 2030, pode-se dividir as etapas projetuais em cinco fases principais:

FASE I PROBLEMA

FASE II PESQUISAS

Neste momento, foi operada a definição do briefing do projeto cujo objetivo foi socializar o problema projetual com todos os integrantes, definir os objetivos para o projeto e estabelecer os resultados esperados. Assim, ficaram estabelecidas algumas áreas como pilares do projeto. Com o objetivo de dividir esforços e potencializar resultados, cada área foi destinada a um grupo específico de pesquisadores que desenvolveram um planejamento de ações necessárias para o atingimento dos objetivos gerais estabelecidos para o projeto. Os grupos temáticos definidos foram: Grupo 1, dedicado a pensar no urbanismo, infra-estrutura e serviços da cidade; Grupo 2, enfocado nas questões relacionadas com o meio ambiente e a sustentabilidade barbosense; e Grupo 3, preocupado em fomentar o turismo, cultura, lazer e esporte de Carlos Barbosa.

Esta etapa fundamentou-se na necessidade de realizar pesquisas contextuais e de referências da cidade. Para tanto, os grupos temáticos de pesquisadores se deslocaram até a cidade de Carlos Barbosa com o intuito de conhecer pessoalmente o território, bem como vivenciá-lo. Essa vivência teve por objetivo maior compreender mais pontualmente o contexto de Carlos Barbosa, identificando suas potencialidades, fragilidades e oportunidades para o seu desenvolvimento. Assim, foram entrevistados empresários locais, moradores e pessoas de fora da cidade com o objetivo de confrontar as percepções dos cidadãos em relação à cidade. Já em relação à pesquisa de referências, foram buscados estudos de casos realizados fora do contexto de Carlos Barbosa que notoriamente obtiveram êxito em suas ações e projetos relacionados a cidades criativas. Para tanto, realizou-se uma extensa pesquisa de cidades que se destacam ou destacaram por promover ações sociais que impulsionaram a região na qual está inserida. Destaca-se que as duas pesquisas – contextual e de referências, foram realizadas pelos grupos temáticos definidos na fase anterior.

WORKSHOP 01 FONTE: GUSTAVO DIEHL

42| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030


FASE III WORKSHOPS Após o levantamento das informações anteriores, partiu-se para a execução da fase de workshop que contemplou a realização de grupos de trabalhos temáticos. Os workshops de design são descritos como uma sessão contínua ou intermitente de projeto, que é orientada à geração de concepts sobre a base de um briefing de projeto, em que a lógica principal é a criação de uma competição entre indivíduos ou grupos de projetistas que trabalham de forma independente ou complementar na geração de novas soluções de oferta. Eles são organizados para gerar ambientes construtivos, sendo uma espécie de laboratórios projetuais onde a atmosfera, os suportes, as interfaces, os layouts, são todos ingredientes essenciais para a geração de ideias e conceitos, sendo capaz de concentrar, intensamente sobre o projeto, equipes de pesquisa e um grande grupo de profissionais convidados. No caso do projeto Carlos Barbosa 2030, foram realizados dois workshops, ocorridos com a imersão total durante o período de 48 horas cada um.

IMAGENS À DIREITA: PROPOSTAS DOS GRUPOS DO WORKSHOP 2 FONTE: ACERVO ESCOLA DESIGN UNISINOS

43| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030


WORKSHOP 01 FONTE: GUSTAVO DIEHL

WORKSHOP 1

21 E 22 DE MARÇO DE 2011 O conceito deste primeiro workshop foi dividir em áreas importantes, conforme o enfoque dado às pesquisas, para que se obtivessem resultados específicos, porém mais aprofundados em cada tema definido. A dinâmica utilizada foi a divisão da turma dos alunos do ateliê de projeto 4 do curso de gra-duação em design, da Unisinos, em seis grupos, sendo três com olhar focado em tecnologia e três com ênfase em sustentabilidade. Além dos alunos, participaram especialistas, mestres, professores e pesquisadores.

WORKSHOP 02 FONTE: GUSTAVO DIEHL

44| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030

WORKSHOP 01 FONTE: GUSTAVO DIEHL

WORKSHOP 2

25 E 26 DE ABRIL DE 2011 O primeiro workshop serviu como o iniciador do processo. No segundo workshop, não se definiu uma área em especial, e sim todas as diretrizes do projeto: bem-estar, sustentabilidade, tecnologia e cultura. Partiu-se de todas as referências já levantadas na fase de pesquisa (de todas as áreas) e trabalhou-se com atividades pré-estabelecidas, direcionando quais resultados eram esperados. Trabalhamos com 5 (cinco) grupos multidisciplinares, em que cada grupo gerou uma visão do futuro da cidade, estabelecendo um conceito norteador, que agregasse valor, além de criar uma imagem para Carlos Barbosa. Dessa maneira, definiram-se diversos conceitos que diferenciavam a cidade como lugar, estabelecendo, então, a Carlos Barbosa de 2030. Contemplaram-se todos os aspectos de seu funcionamento, listando diretrizes / ações para cada um dos setores que compõem o planejamento urbano: infraestrutura, serviços, legislação, meio ambiente, cultura, turismo e lazer.


FASE IV AVALIAÇÃO E PLANEJAMENTO DE AÇÕES

FASE V Síntese e FINALIZAÇÃO

Esta etapa foi organizada com o objetivo de desenvolver a análise dos resultados obtidos ao longo do projeto, reunindo pesquisadores e professores, com a intenção de articulação das propostas pensadas para Carlos Barbosa. Ela ocorreu após o desenvolvimento dos workshops e teve como objetivo analisar os resultados das fases anteriores, avaliando a pertinência das propostas, definindo as diretrizes para o plano de ação de Carlos Barbosa 2030. Para tanto, foram realizados quatro encontros, totalizando 20 horas de discussão. Como resultado dessa fase, defiram-se as diretrizes (bem-estar, cultura, sustentabilidade, tecnologia e empreendedorismo) e as ações necessárias para atingir os objetivos propostos para Carlos Barbosa.

Após a conclusão de todas as etapas anteriores, foi iniciada a finalização do projeto. Esta fase teve por objetivo a apresentação e a publicação dos resultados alcançados, além de dar visibilidade ao percurso desenvolvido na criação dos cenários, evidenciando, assim, a importância de um pensamento estratégico no design urbano das cidades, como forma inovadora de integrar o sistema-produto do território. Por fim, este livro espera deixar como contribuição um estudo sobre projeção territorial, a partir de aproximadamente uma centena de ações, que deverão servir de guia para vários novos projetos. Fica a ressalva que nem tudo foi possível abordar com a devida atenção devido à complexidade dos temas envolvidos.

WORKSHOP 02 FONTE: GUSTAVO DIEHL

45| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030

WORKSHOP 02 FONTE: GUSTAVO DIEHL


6

resultadoS do projeto

VISÕES DE UM FUTURO PLANEJADO: AGENDA

2030

46| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030


VISTA DA CICLOVIA FONTE: GUSTAVO DIEHL

Conceitos, objetivos e ações 47| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030


RESULTADOS

TENDÊNCIAS PARA 2030

Vanessa Batisti

Atualmente, muito se tem falado a respeito da transição demográfica pela qual passa o Brasil. Segundo os estudiosos do tema, a transição brasileira ocorre de forma mais acelerada, se comparada às ocorridas nos países desenvolvidos, sem se diferenciar, no entanto, das transições ocorridas nos países asiáticos e latino-americanos. Tal transição nada mais é do que a mudança do perfil etário da população de um país, o qual deixa de ter a maior parte de sua população composta por jovens e passa a ter uma população predominantemente adulta e, depois, idosa. Ocasionada principalmente pelo declínio acentuado da taxa de fecundidade total, isto é, o número médio de filhos nascidos vivos por mulher, ao final do seu período reprodutivo e pelo aumento da longevidade, esta mudança traz como principais consequências: (a) a redução do peso da população jovem em relação à população total; (b) o aumento do grau de envelhecimento da população; (c) o crescimento da população em idade potencialmente ativa até 2030. Em 2030, a razão de dependência total atingirá seus menores valores (em torno de 50%) e o peso relativo dos idosos ainda será bem menor que o dos jovens. Tendo em vista tais consequências da transformação demográfica, o Poder Público tem papel fundamental nesse processo de reorganização populacional por meio de políticas sociais. Particularmente, se considerarmos a região Sul do Brasil, pode-se afirmar que, junto com Rio e Janeiro e São Paulo, nos Estados do Sul a transição demográfica encontra-se em estágio mais avançado. Indicadores como a taxa de fecundidade e a mortalidade infantil, as menores do país, e a expectativa de vida ao nascer, a maior do país, ilustram o porquê deste estágio avançado. Com base neste contexto, a seguir serão apresentadas algumas tendências gerais, pensadas para a realidade de Carlos Barbosa em 2030 e que guiaram as metas e cada ação proposta.

48| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030


1. Carlos Barbosa continuará sendo um município pequeno em termos populacionais Com base na evolução populacional de Carlos Barbosa, considerando o período de 1970 a 2010, a tendência para a população barbosense será em torno de 31 mil habitantes em 2030. Cabe ressaltar que as possíveis variações na estimativa da população decorrerão da queda da taxa de fecundidade das mulheres; da redução da mortalidade em geral e, em especial, da infantil; e do aumento da esperança de vida ao nascer.

GRÁFICO 1

POPULAÇÃO [ %VARIAÇÃO]

EVOLUÇÃO POPULACIONAL DE CARLOS BARBOSA 31.051

9,67%

28.050

10,19%

25.192

18,55%

20.519

24,08%

15.577 13.665 9,45%

12.374

12,27%

1970 1980 1990 2000 2010 2020 2030 FONTE DOS DADOS BRUTOS: FEEDADOS (2011) | NOTA: População de 2020 e 2030 estimada.

Como é possível observar na gráfico 1, embora a população venha aumentando decênio a decênio, o crescimento percentual diminui a cada período a partir dos anos 2000.

49| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030


GRÁFICO 2 EVOLUÇÃO POPULACIONAL DE CARLOS BARBOSA 28.050

31.052

25.192 20.519 12.374

1970

13.665

1980

15.577

1990

2000

2010

2020

2030

FONTE DOS DADOS BRUTOS: FEEDADOS (2011) | NOTA: População de 2020 e 2030 estimada.

2. MANUTENÇÃO DA POPULAÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS (0 A 14 ANOS) Estudos demográficos para o Brasil crianças e jovens a serem atendidos, apontam que a população mais jovem, será possível aumentar os níveis de cocom faixa etária entre 0 e 14 anos, bertura, ou seja, universalizar o atenatingirá seu número máximo em 2020, dimento não só do ensino fundamental a partir de quando tenderá a decrescer. como também do ensino médio, além Ao pensar Carlos Barbosa, especificade melhorar a qualidade do sistema de mente, a proporção de jovens em 2030 ensino. Em relação à educação fundadeve ser semelhante a atual – menos de mental, a melhoria do sistema poderia 20% da população total – com tendênabranger a ampliação da idade escolar, cia de redução do número de crianças ofertada pelo município, com a cons(0 a 4 anos e 5 a 9 anos) em comparatrução de mais creches, bem como a ção com os adolescentes (10 a 14 anos). implantação do turno integral em todas No entanto, mesmo que proporcionalas escolas municipais de ensino fundamente, o grupo das crianças diminua, mental. em números absolutos será superior aos Quanto ao ensino médio, a garantia de hoje. da universalização do acesso dependePor isso, a manutenção da populará da ampliação do número de vagas e a ção jovem, sem aumentos significativos, oferta de formação profissional (ensino representa uma grande oportunidade técnico) aos jovens, em parceria com o quanto a políticas públicas, especialsetor produtivo local e outras esferas mente na área educacional. governamentais, certamente, os qualiComo será reduzida a pressão na ficará para uma inclusão no mercado de demanda, no que tange ao volume de trabalho mais cedo. 50| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030


3. AUMENTO SIGNIFICATIVO DA POPULAÇÃO DE IDOSOS (65 ANOS OU MAIS) Embora até 2020, a população jovem apresente crescimento positivo, é evidente a redução do seu peso relativo na razão de dependência total. Tal fato atribui-se ao aumento da proporção de idosos, os quais devem chegar, em 2030, a 12% da população total no Brasil. Se levarmos em consideração que, no Rio Grande do Sul a transição demográfica se encontra em estágio avançado, em relação ao restante do Brasil, e que Carlos Barbosa se localiza na região de maior longevidade do país, possivelmente, em 2030, a proporção de idosos no município será superior à projeção brasileira. Corrobora ainda com este contexto, a proporção atual de idosos: atualmente, 7,4% da população do Brasil têm mais de 65 anos, enquanto em Carlos Barbosa este número chega a 8,5%. Considerando a projeção brasileira e a tendência populacional de Carlos Barbosa, em 2030 o município teria mais de 3.700 idosos. Neste sentido, o incremento em termos absolutos e relativos da população idosa, impõe vários desafios aos formuladores e implementadores de políticas, especialmente, no campo da saúde. Em relação à saúde, por estar em estágio mais adiantado da transição demográfica, Carlos Barbosa encontra-se, atualmente, na “era das doenças crônicas e degenerativas”, que se caracteriza por um aumento proporcional de doenças típicas de pessoas com idade mais avançada, como câncer, doenças cardiovasculares, diabetes, hipertensão, entre outras. 51| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030

Por isso, as políticas de saúde, pensando em 2030, deveriam concentrar-se na transição para a próxima era: a da “revolução cardiovascular”, na qual as doenças cardiovasculares perdem importância como causa de morte; em razão de mudanças no comportamento de risco da população (dieta, consumo de tabaco e álcool, exercícios físicos) e do avanço da tecnologia médica e dos gastos de saúde com idosos. Para tanto, a infraestrutura municipal terá de ser expandida e, principalmente, qualificada. Não que seja necessário construir um novo hospital, a ampliação do já existente pode ser suficiente, ou talvez, a implantação de uma estrutura intermediária entre o hospital e os postos de saúde, tal como a unidade de pronto atendimento (UPA) – com funcionamento sete dias por semana, 24 horas por dia e com leitos de observação. O investimento na prevenção, com inclusão de profissionais, focados na atenção ao idoso, nas equipes de saúde da família e o estímulo aos exercícios físicos nas academias ao ar livre também são algumas possibilidades. Além da saúde física da população mais velha, é essencial pensar na manutenção da saúde mental e autoestima desta população. Nessa linha, programas ocupacionais, possibilitando alguma forma de atuação no mercado de trabalho, bem como locais de moradia para os que não tenham uma condição econômica favorável, são exemplos de questões que devem ser pensadas.


OBJETIVOS DO MILÊNIO No ano 2000, a ONU - Organizações das Nações Unidas, após uma análise dos maiores problemas mundiais, estabeleceu oito metas para o milênio, em que os 191 estados-membros se comprometeram a alcançar até 2015.

OBJETIVOS GLOBAIS

1. Erradicar a extrema pobreza e a fome; 2. Atingir o ensino básico universal; Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia 3. das mulheres; 4. Reduzir a mortalidade na infância; 5. Melhorar a saúde materna; 6. Combater o HIV (AIDS), malária e outras doenças; 7. Garantir a sustentabilidade ambiental; 8. Estabelecer uma parceria mundial para o desenvolvimento. FONTE DOS DADOS: site objetivos do milênio - http://www.objetivosdomilenio.org.br

O PNUD - Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento é uma rede global, presente em 166 países, trabalhando junto aos governos, iniciativa privada e sociedade, que busca conectar e trocar conhecimentos, experiências e recursos humanos e financeiros e subsídios necessários para promover projetos que contribuam em três áreas: governança solidária, redução da pobreza, energia e meio ambiente. No Brasil, o PNUD possui, atualmente, cerca de 100 projetos sendo executados. REFERÊNCIAS

ONU http:// www.pnud.org.br/pnud.

Prêmio brasil - Incentivo ao cumprimento de metas: www.odmbrasil.org.br. Controle dos indices - www.portalodm.org.br. ou http://www.orbis.org.br/sistemas-de-indicadores. 52| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030


RESULTADOS OBTIDOS Fabrício Tarouco, Leandra Saldanha, Carlo Franzato, Fábio Parode e Ana Carolina Vilela A agenda 2030 foi pautada de acordo com os objetivos gerais do milênio, adaptados às necessidades específicas da cidade de Carlos Barbosa, conforme os critérios estabelecidos pelo projeto: “8 jeitos de mudar o mundo”, do governo brasileiro. Após as análises feitas sobre os resultados das pesquisas sobre o contexto atual da cidade, das tendências apontadas e das prioridades estabelecidas, foram definidos seis conceitos que abrangem os diferentes segmentos em que a sociedade urbana se apoia, gerando diretrizes e instrumentos adequados para controlar e nortear os diversos projetos que serão gerados com base nas metas gerais aqui estabelecidas.

HABITAÇÃO CIDADE DIGITAL

SANEAMENTO SEGURANÇA

1. INFRA ESTRUTURA

2. SERVIÇOS

SAÚDE MOBILIDADE

LEGISLAÇÃO

EDUCAÇÃO ALIMENTOS ORGÂNICOS CICLOVIAS

6. SUSTENTABILIDADE

5. ESPORTE E LAZER

CAMPEONATOS

URBANISMO SUSTENTÁVEL

TRANSPORTE ECOLÓGICO

ELIMINAÇÃO DO LIXO

ENERGIAS ALTERNATIVAS MUSEUS EMPRESARIAIS

EMPREENDEDORISMO

3. CULTURA

53| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030

MOBILIÁRIO URBANO

AGENDA CULTURAL NEGÓCIOS E EVENTOS

ECOTURISMO

4. TURISMO


CONCEITO 1 INFRAESTRUTURA

CALÇADÃO CENTRAL FONTE: GUSTAVO DIEHL

Cidade limpa e estruturada Menos poluída e saudável em todos os sentidos. Sem desperdício. Autossustentável. Sem excessos visuais, estruturais e sociais. Evitar o caos urbano que o crescimento desordenado traz, buscar o equilíbrio e a inter-relação das ações nos diversos segmentos. Organizada e planejada em sua infra estrutura, permitindo um crescimento mais natural e equlibrado com o meio onde se insere. 54| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030


OBJETIVO 1.1

SANEAMENTO PARA UMA CIDADE LIMPA E SAUDÁVEL Seguindo o conceito base, para a cidade ser limpa, é necessário repensar como lidar os resíduos das áreas urbanas, principalemente os esgotos, revendo posturas que devem estar definidas na legislação, antecipando-se aos problemas de crescimento da densidade demográfica urbana e sua relação com o ambiente.

AÇÕES • ELIMINAÇÃO PROGRESSIVA DAS FOSSAS Impedir novas fossas sépticas em áreas urbanas. Definir alternativas a serem adotadas para a substituição das fossas existentes por uma rede de esgotos tratada que atenda a demanda populacional urbana em seu crescimento.

• CAPTAÇÃO DA ÁGUA CHUVA

Implantar um sistema mais eficaz de recolhimento do esgoto doméstico, promovendo o uso de trituradores de cozinha e filtros na rede de captação, com o objetivo de eliminar o material orgânico. Isso evita a contaminação do lençol freático, que prejudica o solo e poços de água. Além disso, permite geração de energia, por meio de estações de absorção dos gases, transformando em biomassa.

O aproveitamento das águas plúviais (APP) está mais difundido como um modo sustentável de obtenção de um recurso cada vez mais escasso, utilizando-as em descargas, lavagens e regas externas (uso não potável), economizando a água potável para o que ela é realmente necessária, evitando desperdícios. O uso de sistemas de captação pluvial (SAPP) tem seu custo reduzido, viabilizando a implantação desse sistema em larga escala, tanto para edificações residenciais como comerciais e industriais. É importante que os gestores incluam este item no plano diretor, para que novas construções já incluam este diferencial em seus projetos.

• TRATAMENTO BIOLÓGICO

• SISTEMA DE DRENAGEM URBANA

• RESÍDUOS

O ETE, ou sistema de tratamento de esgoto biológico, trata já no local onde é gerado, devolvendo ao meio ambiente uma água tratada e desinfectada. São módulos que processam o esgoto diário de 10 até 8 mil pessoas, podendo ser adotados por condomínios, escolas, industrias, shoppings e hotéis. A água resultante, pode ser utilizada para fins não potáveis, como lavagens, jardins, sistemas de resfriamento, entre outros, economizando água potável e evitando a poluíção do solo ou da água.

REFERÊNCIAS

Carlos Barbosa tem uma topografia de altos e baixos, e à medida em que avança do centro para as margens, há acentuados declíves e aclíves. É importante prever a demanda futura de absorção das águas da chuva em relação à capacidade da rede pluvial instalada, além de pavimentações drenantes e permeáveis, como também lagos artificiais em praças que funcionem como escoadouros naturais, evitando alagamentos nas ruas.

CAPTAÇÃO DA ÁGUA DA CHUVA - www.worldchanging.com/archives/010098.html ; www.acquasave.com.br www.ecoaguabrasil.com.br POÇOS ARTESIANOS - www. sustentabilidade.org.br ; www.hidrogeo.com.br TRATAMENTO BIOLÓGICO - http://www.ecocasa.com.br/produtos.asp?it=1333 55| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030


OBJETIVO 1.2

DEIXAR A CIDADE FLUIR COM MOBILIDADE A cidade precisa ser permeável e interligada em suas diferentes células e setores. Promover a acessibilidade e a integração da teia que faz a cidade movimentar-se. A cidade sem amarras. Deixar a cidade sem postes e fios que se aglomeram nas ruas e tornam o visual poluído, acarretando problemas com a vegetação, prejudicando a ampliação de novas vias e o crescimento da cidade.

AÇÕES • PLANEJAMENTO VIÁRIO Previsão do projeto de crescimento e mobilidade periférica, de acessibilidade aos distritos, com a preocupação do uso de drenagem eficiente, evitando alagamentos e desmoronamentos futuros, dado a geografia da cidade possuir muitos altos e baixos geográficos, buscando nas licitações empresas que privilegiem pavimentações ecológicas, com materiais reciclados, que sejam duráveis e aderentes, garantindo segurança e visibilidade (clima da serra com serração) por meio de redes coletoras pluviais e elementos protetores para os pedestres, como sonorizadores e pinturas refletivas de faixas e indicação de velocidade. Instalação de rótulas em grandes cruzamentos viários, mantendo a ideia de trânsito fuido e educado, sem a necessidade de instalação de semáforos que criam congestionamentos.

• SINALIZAÇÃO Constante preocupação com a informação tanto para o morador como para o visitante, por meio de uma sinalização efetiva, que oriente e eduque. Buscar integrar a tecnologia a estes serviços, por meio de painéis eletrônicos que informem congestionamentos nas vias, indicando vias alternativas, além de temperatura, locais de estacionamento, serviços públicos próximos com a indicação de distância, podendo estes ser financiados pela iniciativa privada, pois teriam espaço para aplicação de comunicação. 56| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030

ACESSIBILIDADE NAS CALÇADAS FONTE:http://elisaprado.com.br/ blog/2009/03/pisotatil/

• ACESSIBILIDADE Acesso a todos as pessoas, portadoras de alguma deficiência, pela exigência de pavimentação adequada, com rampas e calçadas adaptadas, faixas e sistemas de sinalização compatíveis. Acessibilidade viária por meio de vias transversais, vias alternativas perimetrais e transversais, favorecendo o conceito de rede interligada, criando rotas alternativas, tornando o trânsito fluído, para automóveis, como ciclistas, pedestres e outras formas de locomoção. Vias articuladas, fluídas e integradas possibilitando múltiplas alternativas de ir e vir.

• MOBILIÁRIO URBANO Uso de equipamentos urbanos que promovam conforto e acessibilidade, além de reforçar o significado visual de cidade organizada e limpa (pontos de parada do transporte público, iluminação inteligente , descarte do lixo, e serviços acoplados). Reforçando a identidade pretendida para a cidades e seus bairros, deverão ser estudados modelos adequados para bancos, papeleiras, floreiras, luminárias, toldos, expositores de fruta e legumes, flores, etc.; deverão ser retirados os obstáculos desnecessários que existam sobre as calçadas, como publicidades, etc.


• CONTROLE VISUAL

• VIAS PERIMETRAIS

Regulamentar e fiscalizar a aplicação da comunicação visual em fachadas, testeiras, totens sinalizadores e placas ou afins de cunho promocional ou identificativos de estabelecimentos comerciais, de forma a evitar a poluição visual na área central e comercial da cidade, preservando as características de suas edificações.

Ampliação da rede viária, com a criação de uma perimetral que tangencia os limites urbanos, facilitando os deslocamentos entre diferentes bairros e distritos da cidade, de modo a permitir maior mobilidade e ligação aos acessos da cidade, que permitem alcançar cidades vizinhas. Esta perimetral é complementada por vias radiais que se ligam o centro, que hoje já são vias importantes e que devem ser ampliadas, para permitir maior fluidez, deixando as adjacentes, com o fluxo interno e local. Este modelo proposto é adotado em várias cidades planejadas (Paris, Moscou, Viena, SP...) e é denominado radiocêntrico (composto de radiais e perimentrais). Nesta avenida expressa perimetral, devem ser previstos elementos complementares, como ciclovia em toda sua extensão, mirantes e áreas verdes.

• TRANSPORTE Promoção do transporte público multimodal: ciclovias, trens elétricos e incentivos por alternativas ao transporte privado alternativo, como redução de impostos para carros elétricos ou veículos menores, soluções de locação para viagem, transporte compartilhado.

• REDES SUBTERRÂNEAS Planejar todo o sistema de conexão da cidade, visando à conexão dos diferentes serviços, como telefonia, TV a cabo, energia elétrica, rede digital de dados, por meio de cabos subterrâneos.

ACESSOS VIA RS 446

• ESTACIONAMENTO SUBTERRÂNEO Com o crescente número de carros novos que invadem as vias públicas a cada ano, não será surpresa se nas próximas décadas faltar espaço para estacionamento nas principais áreas da cidade. As soluções atuais implementam parquímetros que limitam o estacionamento em até 2 horas, entretanto, a construção de estacionamentos subterrâneos pode ser a solução.

REFERÊNCIAS

ESTRUTURA RADIOCÊNTRICA DE MOBILIDADE URBANA FONTE: Proposta baseada em mapas urbanos, levando em consideração a posição dos distritos e vias principais.

ACESSIBILIDADE - http://www.deficienteciente.com.br/2010/12/nao-existe-meio-termo-para.html PISO PARA DEFICIENTES - http://elisaprado.com.br/blog/2009/03/pisotatil/ http://www.fastcompany.com/magazine/145/fast-cities-car-sharing-austin.html http://www.fastcompany.com/1748924/where-to-look-if-you-need-to-charge-your-electric-car-on-the-fly http://planetasustentavel.abril.com.br/noticia/cidade/vlt-veiculo-leve-trilho-semiarido-cariri-poluicao-transporte Projeto de ruas para as pessoas - http://www.pps.org/projects/sanjoseguerrero. São Paulo: Cidade Limpa - http://www.prefeitura.sp.gov.br/portal/a_cidade/noticias/index.php?p=14184. PORTO ALEGRE - http://www.queroverportoalegre.com.br ESTACIONAMENTOS - www.falabomfim.com.br/2011/08/prefeitura-lanca-edital-para-estacionamentos-subterraneos 57| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030


OBJETIVO 1.3 CIDADE DIGITAL

As cidades digitais são as cidades da globalização, onde as redes telemáticas fazem parte da vida cotidiana e constituem-se como a infraestrutura básica e hegemônica da época. Investimento em tecnologia é “caminho sem volta”. Rapidez e clareza nas informações e velocidade nas respostas aos serviços prestados, por meio de diversos canais de comunicação. Integrar os diferentes sistemas, objetivando a construção da CIDADE DIGITAL, com conexão total, mediante de redes que irão permear os diversos setores, proporcionando informação tanto para os serviços como para o turismo, funcionando como uma ferramenta administrativa de relacionamento entre a prefeitura e a sociedade. WiFI free em todo o centro urbano.

AÇÕES • INCLUSÃO DIGITAL Instalação de torres de transmissão digital para oferecer sinal gratuito de internet a toda área urbana. Outra alternativa seria criar uma rede mista, incluindo cabos de fibras óticas implementados na geografia da cidade, a rede servirá de infraestrutura visando preparar os municípios para serviços de alta capacidade, qualidade e disponibilidade, levando modernização à administração pública e acesso de banda larga, com benefícios para toda a população. O poder público municipal poderá optar por oferecer internet gratuita apenas para quem cumpra deveres de cidadão, a serem estabelecidos por lei, como, por exemplo, para usufruir da conexão, os cidadãos devem estar em dia com os tributos municipais, bem como comprometer-se com a coleta seletiva do lixo e manter os filhos menores matriculados na escola.

REFERÊNCIAS

• SERVIÇOS PÚBLICOS ONLINE

Disponibilizar de forma online, todos os serviços públicos municipais possíveis, como pagamento de taxas, solicitação de documentos e acompanhamentos de demandas. Implementar os subprojetos EducaçãoNet, que permite o acompanhamento online de desempenho dos alunos por pais e poder público, e SaúdeNet, que integra os serviços da área com prontuários eletrônicos, agendamento remoto de consultas, acesso digital a exames, controle de almoxarifado e farmácia. Consumidores e empresários também poderão se beneficiar do programa de emissão de nota fiscal eletrônica, enquanto os funcionários públicos ganharão com a plataforma de gestão de informações. Um programa de geoprocessamento poderá fazer cadastros imobiliários e controlar o cálculo e o pagamento do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU).

http://www.pitangueiras.pr.gov.br/portal1/municipio/documento.asp?iId=38728&iIdMun=100141274 GUIA - http://www.guiadascidadesdigitais.com.br http://www.initec.org.br/media/cidadedigitalinitec.pdf CANELA, CIDADE DIGITAL - http://lista-wireless.com/blog/?p=517 REDE DIGITAL- http://inettel.com.br/?pag=cidade_digital; www.ideiadigital.com.br/noticias.php?chave=115 http://nteacnacidadedigital.blogspot.com/2010/08/um-passeio-pela-cidade-digital.html http://www.ipnews.com.br/telefoniaip/index.php?option=com_content&view=article&id=20548:prefeitos-do-rs-querem-fazer-parceria-com-a-telebras&catid=3:legislacao&Itemid=543 58| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030


• RELACIONAMENTO COM O CIDADÃO O objetivo é o mesmo dos sistemas de CRM (sigla em inglês para Gerenciamento do Relacionamento com o Cidadão), utilizados largamente no meio empresarial: “facilitar o acompanhamento do atendimento de demandas dos munícipes à prefeitura e o retorno da informação ao solicitante”. Programas como esse dão respostas ao encaminhamento das solicitações do cidadão por e-mail em até 72h. Se o encarregado não responder neste período, a demanda chegará automaticamente ao secretario que terá mais 48h para dar um encaminhamento/retorno. Não efetuando, o sistema encaminha o problema diretamente para o Prefeito Municipal. Nesse sistema, em uma semana a solicitação online percorrerá todos os passos para chegar a uma solução eficaz no tempo adequado.

Wikicidade - Cidade Virtual Este conceito se refere a uma plataforma digital que permite a discussão da história, a realidade e o futuro de territórios específicos. é um espaço de radicalização da democracia, onde as pessoas tem voz e vez para discutir a cidade, mostrando o que ela tem de bom e o que precisa ser melhorado. Neste ambiente é possível opinar sobre como a cidade pode melhorar, e chamá-las para ajudarem a transformar uma ideia em realidade. Ele é uma cópia fiel e digital de como a cidade funciona. Elas poderão navegar pelo mapa e publicar conteúdos diretamente em sites de redes sociais como Twitter, Facebook, YouTube e Vimeo, falando de situações que tocam na cidade. Um exemplo deste tipo de plataforma pode ser acessado em http://www.portoalegre.cc/

Comunicação Eletrônica Visando a um contato direto entre poder público e sua comunidade, deverá ser criado um cadastro municipal de todos os endereços eletrônicos dos munícipes, a fim de repassar informações importantes para a coletividade, como datas de campanhas de vacinação, datas de pagamentos de taxas com descontos, cortes temporários de serviços por manutenção, além de acesso a informações de suas contas e impostos. Outro objetivo da comunicação eletrônica será a realização de consultas (enquetes) online, buscando ouvir a comunidade sobre determinados temas prioritários e feedbacks das ações feitas pela prefeitura. 59| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030

Dispositivos Móveis Nos próximos anos, haverá um grande crescimento na utilização de dispositivos móveis, como, por exemplo, iPhone, iPad, Android, etc. Portanto, a cidade deve incentivar o desenvolvimento de aplicativos com serviços públicos e turísticos para essas tecnologias. Nesta direção, os sistemas de geolocalização digital permitem novas facilidades.

Presença em Redes Sociais O tempo para que uma notícia seja compartilhada, curtida ou retwitada é de segundos. As críticas se tornaram públicas, obrigando os governantes a contratarem um profissional apenas para tomar conta de sua participação e atuação na Internet. A presença de uma cidade na Internet é uma obrigação, tendo em vista o fato de que qualquer tipo de busca, tanto um telefone como um ponto turístico, hoje é feita na Internet. A presença nas redes sociais ainda é dúvida entre alguns gestores, mas será uma obrigação nos próximos anos.

TOTEM INTERATIVO/PARADAS ITALIANAS FONTE: http://news.cnet.com/8301-17912_3-10245304-72.html


OBJETIVO 1.4

A LEGISLAÇÃO COMO PROMOTORA DAS AÇÕES PLANEJADAS Utilizar o plano diretor e demais leis, como ferramentas propulsoras para alavancar projetos urbanos, tanto públicos quanto privados, inserindo novas ementas e critérios urbanísticos, que conformem a cidade dentro das metas propostas para 2030. Estabelecer critérios de crescimento e principalemente balizadores que permitam restringir usos indevidos e antecipar-se a problemas estruturais.

AÇÕES • PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Definir mecanismos de aferição e controle para análise do atingimento das metas estabelecidas a curto, médio e longo prazo. Tal controle conduz a correção da rota conforme o avanço do plano e a introdução de novas tecnologias. A divulgação dos resultados é uma forma de estar alinhados com os objetivos nacionais e globais, inserindo-se no cenário mundial e buscando recursos financeiros e parceiros que viabilizem os projetos. Obter selos de certificação em diferentes áreas e participar de prêmios como ODM Brasil. Definir parceiros fomentadores e investidores como Sebrae.

• ALINHAR O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO COM AS DIRETRIZES NACIONAIS E GLOBAIS Estabelecer parâmetros de controle que coincidam com as estratégias e critérios do governo federal no que se refere ao atingimento de metas ambientais, sociais e de desenvolvimento. Tal política permite a obtenção de recursos de fundos internacionais que permitem a implantação de novos projetos, alinhando-se para promover um crescimento progressivo não só da cidade, como da região e do pais. Criar um banco de dados com materiais certificados e fornecedores certificados, cadastrados e aptos para realização de obras públicas, cujo uso deve ser incentivado, como forma de estimular as práticas ambientais ideais. 60| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030

• PLANO DIRETOR Estabelecer novos regramentos, definindo setores, áreas de preservação e de crescimento/ expansão. Regulamentação das novas unidades residenciais, limitando o número de banheiros e de pontos de alto consumo doméstico, influenciando o desenvolvimento de uma arquitetura sustentável. Padronização de equipamentos urbanos e de práticas sustentáveis, como por exemplo, calçadas permeáveis, mobiliário urbano de material reciclado, telhados verdes, captação da água da chuva e uso de energias alternativas.

• FÓRUNS DE REFLEXÃO Estimular espaços de discussão na sociedade, nas entidades, nas associações empresariais, no meio acadêmico. Proporcionar eventos e seminários que promovam a troca de informações e divulgação de resultados. Criar concursos incentivadores, promovendo a integração participativa dos cidadãos e a profusão de novas ideias para solucionar problemas comuns e atingir as metas estabelecidas para o bem-estar de todos na cidade. Buscar o envolvimento das pessoas em prol do benefício da coletividade.

• Lei da Sustentabilidade Criação de um projeto de Lei que beneficie as pessoas que comprovarem o desenvolvimento de práticas sustentáveis. Sugere-se o abatimento de 20%.


• CERTIFICAÇÕES ISO

• Agentes de Desenvolvimento Local

Obter a certificação ISO-9001 nos serviços públicos. Ter um selo de gestão da qualidade traz, além da padronização dos serviços e melhoria nos processos, confiabilidade maior da população em relação aos serviços públicos. Obter esta certificação irá padronizar os processos dos órgãos públicos, melhorando aspectos negativos como extravio de documentos, demora na conclusão de solicitações e alterar os itens que não contribuem para um bom atendimento. O maior benefício será no longo prazo, já que o sistema de gestão da qualidade prega a melhoria contínua e a manutenção das alterações propostas pelo controle de qualidade. Outro selo importante é o ISO 14001, que certifica o sistema de Gestão Ambiental (SGA).

Implementar o programa de formação de Agentes de Desenvolvimento Local, que é um grupo formado por jovens universitários empreendedores que atuam como mobilizadores capazes de promover a transformação de localidades, por meio de uma metodologia que vem sendo aplicada em várias cidades do Paraná.

• LÓGICA REVERSA A logística reversa é o principal instrumento da Política Nacional de Resíduos Sólidos para garantir maior eficácia no descarte e na reciclagem do lixo. O processo da logística reversa responsabiliza as empresas e estabelece uma integração de municípios na gestão do lixo. Nesse processo, os produtores de um eletroeletrônico, por exemplo, têm que prever toda a reciclagem do produto, como será feito o retorno e a destinação ambiental adequada, especialmente dos itens que retornem para o ciclo produtivo. A legislação deve promover que esta preocupação faça parte da cultura industrial do município.

REFERÊNCIAS

• Consórcios Públicos Deverão ser formados consórcios entre entes públicos para gestão de atividades específicas de interesse comum, sendo uma alternativa válida e importante para melhorar a eficiência da prestação de serviços públicos. Este instrumento poderá ser utilizado para resolver problemas de mobilidade, resíduos sólidos e saneamento, serviços de saúde, segurança, obras de infraestrutura, merenda escolar, serviços de informática e tecnologias, energias alternativas, turismo e desenvolvimento regional.

• Centro de Projetos Estruturação de um núcleo permanente de projetos (P&D - Pesquisa e Desenvolvimento). Este núcleo terá três funções: 1ª. Analisar e descobrir editais e oportunidades para captação de recursos nas esferas estadual, federal e privada, obtendo verbas. 2ª Desenvolvimento de projetos estratégicos para o desenvolvimento local. 3ª Recebimento, análise e adaptação de ideias oriundas da comunidade que derivem em novos projetos de interesse social.

CERTIFICAÇÃO - http://certificacaoiso.com.br/a-iso-9001-em-orgaos-publicos/ http://www.fiepr.org.br/redeempresarial/desenvolvimentocidades/ LEI SUSTENTABILIDADE - www.ecodesenvolvimento.org.br/noticias/politica-nacional-de-residuos-solidos-e-sancionada CONSÓRCIOS - http://www.planalto.gov.br/sri/consorcios/consorcios.htm www.folhadesaoborja.com.br/index.php/contracapa/73-capa/3352 SMARTCITYS - http://cidadesinteligentes.blogspot.com/ http://www.ourcitiesourselves.org/argentina/index.php/exhibition/ CONSTRUÇÕES - http://www.earthship.org/buildings. http://www.cbcs.org.br/noticias/construcaosustentavel/20070924_ecoedificios.php. Global City 2.0 - http://globalcity.blogs.sapo.pt LEGISLAÇÃO AMB BRASIL- http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2011-05-08/legislacao-ambiental-brasileira 61| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030


CONCEITO 2 SERVIÇOS

CENTRO DE SAÚDE MUNICIPAL FONTE: ACERVO PREFEITURA MUNICIPAL

Vida cíclica e em harmonia Viver respeitando os ciclos de vida naturais. Os serviços como apoiadores de uma estrutura organizada que visa a integrar as diferentes ações, públicas ou privadas, favorecendo o acesso à informação e aos recursos básicos necessários para uma vida de qualidade, como saúde, educação, moradia e segurança, ao alcance de todos os cidadãos. 62| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030


OBJETIVO 2.1

SEGURANÇA PARA O CIDADÃO E SUA FAMÍLIA Desenvolver um clima de solidariedade e colaboração, evitando áreas degradadas e desníveis sociais acentuados, diminuindo ou erradicando a criminalidade, o tráfico de drogas e a miséria, mediante de programas educacionais e de controle efetivo.

AÇÕES • CONTROLE VISUAL Controle intenso através de câmeras de segurança, postos de controle, patrulhas móveis, iluminação, pontos de comunicação. Tudo registrado em tempo real. Canais de comunicação e denúncia pública de infrações. O cidadão monitorando o patrimônio da cidade. Todos vigiando e garantindo a sua segurança. A tecnologia como ferramenta para disseminar a informação.

• TREINAMENTO Programas de treinamento profissional e colocação da mão-de-obra em programas de trabalho, nos núcleos de desenvolvimento urbano, formando guardas pacificadoras e policiais mais preparados no atendimento à segurança dos cidadãos em suas diversas necessidades. POSTOS COMUNITÁRIOS DE SEGURANÇA PÚBLICA - DF FONTE: http://www.ssp.df.gov.br/003/00301009

REFERÊNCIAS

• CONVÊNIOS E PARCERIAS Ampliação dos convênios já existentes com a Brigada Militar, governo do Estado e empresas privadas para aumentar o perímetro coberto por câmeras e instalação de centrais de vigilância.

• GEOLOCALIZAÇÃO Utilização de dispositivos de geolocalização (GPS) para acompanhar as patrulhas de segurança no perímetro urbano e rural, bem como registrar os deslocamentos para fiscalização. Esse serviço pode ser estendido também à frota da administração pública.

• POPULAÇÃO COLABORATIVA Criar canais para a população colaborar com a polícia. Essa é a ideia por trás de algumas iniciativas amparadas em ferramentas sociais. Por meio do fornecimento de informações transparentes à população, tais projetos pedem a ajuda das pessoas na resolução de casos. Assim, cria-se espaço, mediante um portal, para que a população possa compartilhar informações sobre infrações cometidas no município. Esse serviço será associado ao registro de boletins de ocorrências online. Outra ação é o VIZINHO ALERTA, que, em caso de suspeita, os vizinhos poderão enviar mensagem por celular ou internet para a Polícia local, que enviará agentes instantaneamente para o local.

Bogotá - www.planetasustentavel.abril.com.br/.../cidade/conteudo_251114.shtml Inteligência na Cidade - http://cidadesinteligentes.blogspot.com GEOLOCALIZAÇÃO - http://www.terraforum.com.br/biblioteca/Documents/Polícia_2_0.pdf POSTOS POLICIAIS DISTRITO FEDERAL - http://www.ssp.df.gov.br/003/00301009.asp?ttCD_CHAVE=65800 63| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030


OBJETIVO 2.2

EDUCAÇÃO COMO DIFERENCIAL NA FORMAÇÃO DE UMA CULTURA SUSTENTÁVEL A tecnologia como suporte da informação e da educação. Desenvolvimento de competências que promovam a qualificação tanto profissional como social, mediante a formação de cidadãos conscientes de sua responsabilidade no desenvolvimento próprio e da cidade. O conhecimento é a base do desenvolvimento econômico e social. Buscar educação de qualidade em todas as fases, oferecendo educação completa à cidade e à região, por meio de parcerias com a indústria e redes de ensino reconhecidas. Estabelecer metas anuais, de forma a monitorar os índices de evasão escolar, de baixa rentabilidade em provas como Enem, Enade, buscando alinhar-se com os objetivos do milênio.

AÇÕES • EXCELÊNCIA NOS INDICADORES Promoção permanente de busca pela excelência nos indicadores oficiais de avaliação do desempenho no Ensino Básico e Fundamental. Exemplo: Nota atual + 1 (Se a avaliação do desempenho da Escola X foi 7.0, no próximo ano a mesma deverá desenvolver ações para alcançar a nota 8.0). Essa equação de nota atual+1 deverá ser praticada continuamente em toda rede de ensino, visando a chegar ao ano de 2030 com as escolas públicas de Carlos Barbosa tendo os melhores indicadores regionais e, competindo, com os líderes nacionais.

• NOVOS MODELOS PEDAGÓGICOS Criar espaço permanente para discussão e compartilhamento de práticas bem sucedidas em sala de aula, buscando diversificar as práticas pedagógicas em uso e propondo novos modelos de ensino e aprendizagem com foco no desenvolvimento das capacidades humanas e no incentivo ao espírito empreendedor e criativo de estudantes e professores. Profissionais de instituições de ensino superior deverão ser convidados para apresentar suas pesquisas neste fórum. 64| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030

• VALORIZAÇÃO E QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NA EDUCAÇÃO Implementação de um programa contínuo para formação e valorização dos profissionais da educação, primando pela sua qualificação e preparando-os para o desafio de atingir a excelência no ensino local. Para tanto, deverão ser oferecidos cursos de capacitação contínua e obrigatória durante o recesso escolar, ou uma vez por mês em turnos alternativos, com temáticas variadas e complementares, cabendo ao poder público estabelecer se esta capacitação terá formas de avaliação dos participantes. Também deverá ser oferecido incentivo para que os profissionais da área deem continuidade na sua formação, objetivando uma meta para 2030: todos educadores de Carlos Barbosa deverão ser pós-graduados.

• INTERCONECTIVIDADE Investimentos de tecnologia informatizada para as escolas públicas, conectando todos a uma rede de ensino que vá além do local, que se ajuda mutuamente, conforme os assuntos de interesse da comunidade.


•SALAS DE AULA DO FUTURO Discutir e projetar o conceito de salas de aula do futuro para implementação nas escolas municipais. Aliando os mais novos conceitos pedagógicos aos avanços da informática e ao melhor do design de ambientes, deve-se pensar em equipamentos que permitem expandir o conteúdo didático para fora do ambiente físico tornando as atividades mais interativas, atrativas e dinâmicas, tendo os professores maior controle do desempenho dos alunos.

• CIDADÃO DIGITAL Promover a capacitação técnica em informática e a orientação profissional para o uso das tecnologias da informação e da comunicação de forma a colaborar para o desenvolvimento social sustentável da comunidade de Carlos Barbosa.

• Projeto 3ª Idade ATIVA Trazer para a população madura outras formas de atuação social, por meio de palestras, voluntariados, cursos de aperfeiçoamento e atividades esportivas e culturais. Estes cursos podem formar pessoas aptas a trabalhar eventualmente em eventos turísticos e culturais da cidade ou em projetos sociais.

• UNIVERSIDADE

MUSEU GRONINGER - HOLANDA FONTE:http://www.groningermuseum.nl/

• EAD Desenvolvimento de Redes de Ensino a distancia - EAD, visando qualificar os profissionais da região e manter os jovens na cidade, trazendo instituições reconhecidas para eventos culturais: tais como seminários, workshops e palestras presenciais, que complementariam o ensino à distância e auxiliariam na discussão de temas relacionados aos projetos para a cidade, em diversas áreas e na construção e fomento de uma cultura de pesquisa tanto para a indústria, como para a sustentabilidade ambiental.

REFERÊNCIAS

Desenvolver parceria com Universidades conceituadas, para viabilzar cursos especiais de nível universitário, tais como especialização, graduação tecnológica, mestrado profissionalizante em modalidades presenciais ou a distância, criando uma rede ligada às empresas locais e instituições de ensino superior, que desenvolvem pesquisa, visando a formar polos de inovação e pesquisa na região.

• EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Programas de educação profissionalizante em parcerias com a indústria e instituições empreendedoras e fomentadoras de capacitação, como SEBRAE E SENAC, oferecendo cursos técnicos ou de atualizações, para atender a demanda de mão de obra das empresas da cidade e da região, contribuindo com o crescimento e o desenvolvimento profissional, econômico e social, do município e de seus cidadãos.

Università degli Studi di Scienze Gastronomiche de Pollenzo (Itália) - www.unisg.it Instituto para o Desenvolvimento Organizacional do Grupo Fiat - www.isvor.com.br Fabrica, centro de pesquisa em comunicação do grupo Benetton - http://www.fabrica.it/about Universidade Corporativa Florense - http://www.florense.com.br/ Parceria entre a empresa Ubisoft e o curso de Games da PUCRS Parceria entre a HP e a especialização em Ciência da Computação da Feevale. 65| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030


• ESCOLAS AGRÍCOLAS

BIBLIOTECA PARQUE DA JUVENTUDE / SP FONTE: http://www.agora.uol.com.br/saopaulo/

• NOVAS BIBLIOTECAS Criação da Biblioteca Digital de Carlos Barbosa, contendo um acervo online dos principais trabalhos de alunos, de publicações de cidadãos da comunidade, bem como obras em formatos digitais, adquiridas pelo poder público para compartilhamento. Também se sugere a implementação de bibliotecas móveis, estruturadas em trailers ou ônibus, que circularão por todas as localidades do município, com uma agenda prévia (um dia em cada localidade), retornando a cada ponto após um mês. Além dessas iniciativas, parcerias público-privadas podem evoluir no sentido de se adotar outros serviços e a criação de bibliotecas-cafés, ou bibliotecas-parques, es-timulando o hábito de leitura como lazer.

REFERÊNCIAS

Criação de escolas rurais sustentáveis, que fiquem próximas das crianças no campo, promovendo educação ambiental e profissionalizante com foco na produção local. Essas escolas seriam formadas por meio de parcerias com as cooperativas locais, formando centros multidisciplinares que envolvam escola e seus espaços para convívio social da comunidade (como feiras de produtores, envolvendo toda a comunidade) além de programas como merenda escolar vinda de fornecedores locais, que incentivem desde cedo projetos de valorização local e de hábitos sustentáveis. Além disso, a grade curricular introduziria disciplinas focadas em desenvolver a cultura local para a pecuária e a agricultura.

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA REDE ESCOLAR/SP FONTE: http://www.ramuda.org/docus/noticias.

http://www.agendasustentavel.com.br/Case.aspx?id=1264 SALAS AULA DO FUTURO - http://vimeo.com/10622462 http://revistaensinosuperior.uol.com.br/textos.asp?codigo=11966 http://mundoestranho.abril.com.br/materia/como-sera-a-sala-de-aula-do-futuro http://revistaepoca.globo. com/Revista/Epoca/0,,EMI12447-15254,00-A+SALA+DE+AULA+DO+FUTURO.html Projeto a pé para a escola - http://www.fcsh.unl.pt/apeparaaescola/Projecto.html Baltimore Escola livre - http://freeschool.redemmas.org/content/about-baltimore-free-school Unesco lança curso gratuito sobre desenvolvimento sustentável http://www.ecodesenvolvimento.org.br/conexao-onu/unesco-lanca-curso-gratuito-sobre-desenvolvimento Cidade do Saber de Camaçari: inclusão social para amenizar a desigualdade http://www.comciencia.br/comciencia/section BIBLIOTECA - http://www.itapemirim.com.br/responsabilidade-social/biblioteca-movel/biblioteca-movel.html Portal da Agricultura Urbana e Periurbana - http://www.portau.org/sobre-o-portau.html Redes de desenvolvimento Local http://www.fiepr.org.br/redeempresarial/desenvolvimentocidades/FreeComponent10727content88838 http://www.fiepr.org.br/redeempresarial/desenvolvimentocidades/FreeComponent10727content88842 66| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030


OBJETIVO 2.3

MORADIA DIGNA, HABITAÇÃO DE QUALIDADE Criar a cultura de ambiente sustentável em todos os novos projetos habitacionais, fomentando modelos habitacionais, oferecendo condições adequadas de saneamento e infraestrutura, boa acessibilidade, com índices construtivos equilibrados em relação às áreas verdes, mantendo a qualidade de vida, evitando grandes adensamentos populacionais desproporcionais e cinturões de pobreza nas periferias formados à medida que a cidade cresce.

AÇÕES • PARCERIAS Parcerias entre a Secretaria de Assistência Social e Habitação com ONGs e universidades na busca por soluções economicamente viáveis de materiais alternativos para a construção de casas, fontes alternativas de energia.

• CONCURSOS PÚBLICOS Abertura de concursos públicos para novos projetos de bairros e habitações-modelo, que contemplem uma relação social-ambiental de melhoria de áreas degradadas e socialmente inadequadas, visando ao custo benefício na implantação de tais projetos. Esses instrumentos (concursos) também podem ser focados em outras edificações públicas, tais como escolas, equipamentos urbanos de apoio (calçadas, postes medidores das economias) e áreas de uso comum, que prezem qualidade de vida e adequação ambiental, sempre com foco na obtenção de projetos adequados às diferentes situações geográficas da cidade.

• CASAS EFICIENTES Seguindo a premissa de um futuro sustentável, os projetos de moradia popular também devem adotar esta sistemática, buscando resolver não somente o problema habitacional da população, mas proporcionar que tudo o que for pensado para a cidade esteja baseado na cultura de menor impacto ambiental, redução de desperdício de energia e eliminação de resíduos. Nesse sentido a prefeitura implantaria medidas que assegurassem que tais construções apliquem tais práticas.

CONCURSO HABIT. POPULAR VENEZUELA FONTE:http://arqemquestao.blogspot.com/2010/04

REFERÊNCIAS

Google Health - https://health.google.com/health/ Active design guidelines - http://www.nyc.gov/html/ddc/html/design/ active_design.shtml MINICASAS - http://mdemulher.abril.com.br/bem-estar/reportagem/viver-bem/conheca-tendencia-minicasas HONEYCOMB APARTAMENTS/ SLOVÊNIA - http://www.ofis-a.si/default.cfm?Kat=0309&ProdID=26 PROGRAMA HABITACIONAL RJ- http://www0.rio.rj.gov.br/pcrj/destaques/especial/prog_melhorias_habitacionais.htm BOX HOUSE SP - Revista aU - n°194 - www.yurivital.com/ CONCURSO HABPOP - http://arqemquestao.blogspot.com/2010/04/mencao-honrosa-concurso-na-venezuela.html 67| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030


OBJETIVO 2.4

SAÚDE PREVENTIVA E ASSISTIDA PRÓXIMA A organização Mundial da Saúde define saúde como o completo bem estar físico, social e mental do cidadão. Esses três grandes indicadores do estado de saúde são fundamentados em ações de saneamento, em propiciar acesso a serviços básicos para a população. Desenvolver um sistema de saúde preventivo com o intuito de conduzir a população a habituar-se a cuidar da própria saúde. Dessa forma, aumenta-se a qualidade de vida da população que antecipa os tratamentos com a orientação correta, amenizando ou anulando o aparecimento das doenças. Com o crescimento da expectativa média de vida e avanço da idade da população, um sistema de saúde assistida mais próxima se faz necessário, em função de que a autossuficiência é inversamente proporcional à idade do meio ao final do nosso ciclo de vida natural.

AÇÕES • SISTEMA DE INFORMAÇÕES Sistema informatizado de consultas e exames, criando um banco de dados, acessado por meio de um cartão eletrônico (com chip) e senha, mantendo a privacidade das informações do paciente. Esse sistema seria alimentado constantemente, mantendo o histórico dos serviços prestados ao paciente em qualquer unidade integrada a ele, facilitando diagnósticos, evitando exames desnecessários e sendo base de dados para ações futuras da prefeitura de forma a prevenir problemas futuros.

• ÍNDICES MONITORADOS Reduzir a mortalidade infantil, com a melhoria da saúde materna no pré-natal, de campanhas de vacinação e redução da gravidez precoce.

• HOSPITAL Previsão da ampliação do número de leitos do hospital, em UTIs e CTIs, emergências, no mínimo em 10% a cada década, além da criação de nova ala adaptada para a terceira idade, visando a contemplar o crescimento populacional previsto. 68| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030

• POSTOS DE SAÚDE MODELO Ampliação dos serviços oferecidos nos postos em cada bairro. Com vistas a promover a saúde e bem-estar da população, os postos poderão se transformar em espaços que vão além do atendimento clínico, ofertando, por exemplo, pequenas academias, com profissionais treinados, que acompanham atividades da comunidade; palestras ou cursos sobre alimentação e hábitos saudáveis. A meta é descentralizar a assistência à saúde, potencializando uma rede capilarizada, com ações de fidelização dos pacientes no posto próximo ao seu domicílio, como primeira opção, para, após triagem, serem, se houver necessidade, encaminhados a um hospital.

• OFICINA PARA GESTANTES Programa para melhorar o acesso e a qualidade do atendimento às gestantes, bem como da atenção aos bebês, nas unidades de saúde e nas maternidades. O programa incluiria rotinas específicas para situações de baixo, médio e alto risco, divididas em quatro etapas: pré-parto, parto, puerpério e atenção ao bebê.


• NOVAS OPÇÕES DE ATENDIMENTO Criação de novos modelos de atendimento, visando à desospitalização, evitando hospitais lotados, filas e despesas desnecessárias, mediante a criação de centros de triagem (junto aos postos de saúde de cada distrito), serviços de homecare (equipes treinadas para ministrar medicamentos e alimentação controlados, para que pacientes crônicos possam ficar em casa, liberando leitos), farmácia municipal, serviços de agendamentos online para consultas.

• PREVENÇÃO Campanhas, palestras de educação para a saúde com especialistas em diferentes temas, para criar um fórum constante de cultura de prevenção e qualidade de vida. Qualificar e expandir a infraestrutura de atendimento à terceira idade, que será a faixa com maior predominância em 2030. Tal atendimento visa a proporcionar maior qualidade de vida a esta população, monitorando a saúde, incentivando um modo de vida saudável, proporcionando longevidade para a população acima de 65 anos.

•MODERNIZAÇÃO DA INFRA-ESTRUTURA Considerando as tendências de futuro relativas a longevidade e incidência de doenças crônicas deverão ser feitos investimentos constantes em equipamentos de última geração e tecnologias no estado da área do conhecimento.

• QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL Deverão ser criados e implementados programas de formação continuada para elevar o nível de excelência técnica e científica nas diversas áreas de saúde e para atualiza-

REFERÊNCIAS

ção profissional no uso adequado de novas tecnologias e equipamentos.

• CLÍNICAS PARTICULARES Com a constatação de crescimento do padrão de vida das famílias locais, deverão ser pensados incentivos à instalação de clínicas particulares de atendimento à saúde, bem como serviços laboratoriais e clínicos especializados.

• ILP - INSTITUIÇÕES DE LONGA PERMANÊNCIA Construções de instituições de longa permanência para idosos ou pacientes com doenças crônicas, que necessitem atenção constante e especializada, além do que sua família pode proporcionar.

• CEMITÉRIO VERTICAL A lotação nos cemitérios atuais e a falta de espaço nas cidades obriga a construção de novos cemitérios em regiões cada vez mais distantes. Os cemitérios verticais surgiram como uma solução para este problema e são uma tendência em varias cidades dos Estados Unidos, Canadá e Europa. Mantendo os costumes tradicionais, o sepultamento é feito em jazigos horizontais estanques de concreto armado. Existem empresas privadas que exploram essa iniciativa.

• CONTROLE DE PRAGAS Manter sempre ativo o controle de pragas como dengue e borrachudos, por meio de campanhas e monitoramento efetivo, através de equipes de vigilância da saúde, com os agentes comunitários, tanto nas escolas como em bairros mais afastados.

Projeto Health Leads - http://www.healthleadsusa.org/about/our-volunteers/ POSTOS - http://concursocacs.com/proyecto/saude-em-acao/ CLÍNICAS - http://www.unimedpoa.com.br/estrutura-servicos-proprios/nucleos-unifacil/492.aspx CEMITÉRIO-http://maringa.odiario.com/maringa/noticia/427851/cemiterio-vertical-e-a-solucao-para-falta-de-vaga http://www.cemiteriovertical.com.br/ 69| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030


CONCEITO 3 CULTURA MONUMENTO À CARLOS BARBOSA FONTE: FABRÍCIO TAROUCO

Tradição e história valorizando a identidade de Carlos Barbosa Assumir o parque industrial de Carlos Barbosa como um patrimônio que deve ser valorizado interna e externamente à cidade, desenvolvendo o território do ponto de vista econômico, social e cultural.

70| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030


OBJETIVO 3.1

CIRCUITO DOS MUSEUS EMPRESARIAIS Diversas empresas relevantes, como Tramontina e Santa Clara, têm as suas sedes históricas em Carlos Barbosa. Tais sedes representam um cartão de visita das empresas e já possuem pontos de venda. Dessa maneira, criar um Circuito dos Museus Empresariais proporcionará ao visitante e ao cidadão uma oportunidade para conhecer a história dessas empresas, da cidade e da própria evolução ao longo do tempo.

AÇÕES • MUSEUS INDUSTRIAIS Criar museus empresariais, para permitir a experiência da cultura industrial das empresas locais e da própria cidade, por meio de espaços interativos e informativos, como showrooms e áreas multidisciplinares para receber eventos e promover a indústria e seus produtos.

• REDE DE MUSEUS Buscar a aproximação com museus similares gaúchos ou mesmo regionais e nacionais, estabelecendo uma rede coolaborativa, que promova um circuito tanto físico quanto virtual.

• TECNOLOGIA COMO ESTÍMULO PARA ATRAÇÕES CULTURAIS Para além de um museu tecnológico, com interatividade e conectividade, mesclado a outras experiências complementares, como bares, cafeterias e livrarias tomariam o centro da cidade, estimulando à juventude o convívio citadino e uma cultura mais erudita, confirmada pelos festivais de música, teatro e cinema que fariam de Carlos Barbosa um laboratório cultural.

• ROTAS Desenvolver rotas turísticas interligadas a outros pontos próximos da cidade, de forma a estimular o turismo na região. Dessa forma uma cidade complementa a outra, ampliando o leque de opções turísticas, como infraestrutura hoteleira, restaurantes e eventos.

REFERÊNCIAS

BIBLIOTECA UNIVERSIDADE DE DELFT/HOLANDA FONTE: http://cyberteca.wordpress.com/2009/06/19/4739/

Museu do Pão em Ilópolis - www.caminhodosmoinhos.com.br. Museu empresarial Heineken - AmsterdAN - www.heinekenexperience.com. Rede de museus empresariais italiana - www.museimpresa.com. Rota “Cidades do Mármore” portuguesa - http://www.visitportugal.com/NR/exeres/B1776276-EB64-4D6EB575-C343C9F76481,frameless.htm. Museu Itinerante Ultragaz - http://www.museuitinerante.com.br/index.asp?id=37. ROTAS - http://www.rotaaventuras.com.br/atividades/index.php?id_atividade=30 MUSEU DO FUTEBOL - http://www.museudofutebol.org.br MUSEU DA USP - www.mp.usp.br/ BAR MUSEU DO ESPORTE SHOPPING TOTAL POA - http://www.museudoesporte.esp.br/ 71| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030


OBJETIVO 3.2

AGENDA CULTURAL QUE VALORIZA A TRADIÇÃO ARTESANAL E O PATRIMÔNIO HISTÓRICO Carlos Barbosa possui uma agenda cultural ativa, mas com potencial para ampliar o número e tipo de atrações. Pontos turísticos, como a Maria Fumaça, demonstram o orgulho das origens culturais da cidade e da serra gaúcha. A Festiqueijo valoriza ainda mais essas origens. Somado a isso, podem ser desenvolvidas atrações turísticas e eventos que tratam de questões que estão em pauta. Dessa forma, a cidade evidencia que, além de sua história, destaca sua continuidade.

AÇÕES • AGENDA Programar uma agenda cultural de feiras, festas, seminários, cursos, concursos etc., para conceituar a cidade nos seus setores industriais principais.

• DIVERSIDADE DE ATIVIDADES ARTÍSTICAS Assegurar a diversidade de atividades artísticas e culturais no espaço público. Promover atividades dirigidas para diferentes públicos e áreas de interesse, contribuindo para o prazer de todos os que nelas participam e demais utentes, garantindo a manutenção de funções quotidianas dos espaços e a diversidade de utilizações e utilizadores.

• VIRADA CULTURAL A Virada Cultural é um evento anual que começou em São Paulo e hoje é promovido por diversas prefeituras brasileiras com o intuito de promover na cidade 24 horas ininterruptas de eventos culturais dos mais variados tipos, como espetáculos musicais, peças de teatro, exposições de arte e história, entre outros.

REFERÊNCIAS

• APROPRIAÇÃO DO ESPAÇO PÚBLICO Levar as pessoas para a rua, fomentando a utilização regular dos espaços públicos pelos cidadãos e instituições sociais e culturais. Criar as condições para que estes espaços se assumam como espaços de comunicação, convívio e troca de experiências entre pessoas de diversos contextos socioeconômicos, culturais e, também, geracionais. Criar momentos de experimentação, promovendo atividades que propiciem a experimentação de novas formas de utilização e apropriação dos espaços públicos.

• PATRIMÓNIO PRESERVADO O património de uma cidade é sua alma, sua história e tradição preservados, demonstrando seu valor significativo para a memória de seus cidadãos. A construção da identidade cultural de um território se dá pela preservação de sua história, feita pelo tombamento de bens materiais ou imateriais, sejam estes construções, hábitos ou tradições, passadas de geração a geração, que o identifica e o diferencia.

Feira Criativa de Aveiro - http://amigosdavenida.blogs.sapo.pt/2011/04/ VIRADA CULTURAL - http://www.viradacultural.org/programacao http://manifestopelacidade.blogs.sapo.pt/ AGENDA - http://www.gramado.rs.gov.br/index.php/component/option,com_events/Itemid,48/ http://www.imaginarius.pt/content.php?sec=msg-2011 72| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030


OBJETIVO 3.3

CULTURA DE EMPREEENDEDORISMO Cultivar uma cultura de permanente inovação e empreendedorismo, tanto na formação profissional quanto nas empresas e indústrias locais. A cultura empreendedora permeia por serviços diferenciados em que a criatividade dá um toque a mais, para valorizar locais, produtos e marcas.

AÇÕES

• INCUBADORA E PEQUENAS EMPRESAS Para virarem realidade e serem sustentáveis, projetos de negócios devem contar com a ajuda de incubadoras sociais e leis de incentivo à criação de pequenas empresas.

• ATRAÇÃO DE NOVAS EMPRESAS Atrair empresas para o município com planejamento das ações e preocupação em constituir um sistema produtivo integrado.

• PÓLO PRODUTIVO Existem dois caminhos que podem ser escolhidos para incentivo a novos negócios. Focar numa especialidade (Ex.: Tramontina) ou optar pela diversidade industrial, buscando diferentes tipos de investimentos, não se caracterizando apenas por uma tecnologia.

EVENTOS DE ESTÍMULO AO EMPREENDEDORISMO FONTE: http://empreendersustentavel.wordpress.com/

• DIVULGAÇÃO Promover ações de marketing para divulgar a cidade no cenário regional e nacional, utilizando a mídia tradicional e os novos meios digitais. Uma agenda com todas as informações atualizadas.

REFERÊNCIAS

EVENTOS DE ESTÍMULO AO EMPREENDEDORISMO FONTE: www.unleashingideas.org

NOVAS EMPRESAS - http://www.fpa.org.br/formacao/pt-no-parlamento/atracao-de-empresas-para-o-municipio http://www.planotecnologico.pt/document/Doc_8.pdf INCUBADORAS - http://planetasustentavel.abril.com.br/noticia/desenvolvimento/incubadoras-negocios-sociais-vidasimples-627288.shtml EVENTO DE EMPREENDEDORISMO - http://empreendersustentavel.wordpress.com/ 73| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030


CONCEITO 4 TURISMO VAREJO TRAMONTINA FONTE: GUSTAVO DIEHL

Turismo como elemento estimulador de eventos em diferentes segmentos Preservar a área rural de Carlos Barbosa, a cultura com o intuito de promover a sua utilização sustentável para o turismo, aproveitando as belezas naturais e valorizando a produção e o estilo de vida natural, tornando-se mais um atrativo para quem mora na capital e vê na serra gaúcha um espaço de contato com a natureza, bem como fomentar a iniciativa da indústria em atrair visitantes, por meio de showrooms de produtos, eventos e experiências diferenciadas. 74| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030


OBJETIVO 4.1

DESENVOLVER O ECOTURISMO Carlos Barbosa apresenta dificuldades no que diz respeito às estruturas locais urbanas de acomodações. Devido ao baixo número de pousadas e hotéis, e consequentemente, de leitos, a cidade não oportuniza ao visitante uma permanência mais longa na cidade. Assim, os turistas, em grande parte, permanecem durante o período do dia na cidade e, à noite, direcionam-se para cidades próximas a fim de buscar acomodações e atividades noturnas. Somado a isso, possui uma extensão rural pouco desenvolvida sob o ponto de vista turístico e que pode tornar-se cenário para o desenvolvimento da atividade turística no local.

AÇÕES • ATIVIDADES AO AR LIVRE

• ECOTURISMO

Lugar de permanente visitação, hospedagem, degustação e experimentação de todo o processo de produção do queijo e derivados do leite.

O ecoturismo, ou turismo ambiental, turismo sustentável, turismo verde, é uma atividade realizada de forma responsável, que cumpre os princípios elementares de desenvolvimento sustentável. É uma vertente do turismo voltada para a apreciação de elementos da natureza, realizado de forma consciente e ecologicamente correta. Seu desenvolvimento proporciona um baixo impacto ambiental, sua prática é bem menos agressiva ao meio ambiente, além de ter parte dos recursos financeiros serem destinados à preservação ambiental.

• CAMINHOS TEMÁTICOS

• VILAS TURÍSTICAS

Realização de grupos de caminhadas e eventos, bem como o estabelecimento de pontos gastronômicos para consumo local e venda de produtos orgânicos por meio do sistema “dinner show”, organização de uma Feira Ecológica anual da cidade de Carlos Barbosa.

• FAZENDA DO QUEIJO

Implementação de ruas e caminhos temáticos, que valorizem e promovam um determinado conceito da cidade. Ex: Rua do Queijo (nesta rua haveria lojas, restaurantes e quiosques com essa temática) ou Rua Sustentável (uma quadra onde todas as casas primam por este estilo).

REFERÊNCIAS

Desenvolver uma região rural intitulada como “Vila do Ecoturismo” com o objetivo de oferecer à comunidade local e regional um espaço composto por diferentes atividades vinculadas ao lazer, gastronomia e esporte, ancorados, acima de tudo, nos pilares da consciência ambiental.

Feira Criativa de Aveiro - http://amigosdavenida.blogs.sapo.pt/2011/04/ Pousada do Engenho - http://www.pousadadoengenho.com.br/ Rio do Rastro Eco Resort - http://www.riodorastro.com.br/ Vale dos vinhedos - http://www.valedosvinhedos.com.br Caminhos rurais de Porto Alegre - http://www.caminhosrurais.tur.br Hospedagem em casas rurais: http://pilotandofogao.com/videos/turistas-sao-hospedados-em-casas-na-zona-rural. 75| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030


AÇÕES • EXPLORAR E REVITALIZAR OS ATRATIVOS LOCAIS: MORRO DO DIABO E DO CALVÁRIO e PARQUE LEANDRO GUERRA Com uma paisagem cheia de beleza, os Morros do Diabo e do Calvário são ótimas opções para os cidadãos de Carlos Barbosa terem momentos de descanso ou adrenalina. O Morro do Diabo, é atração turística para pessoas que buscam um lugar propício para a prática de voo duplo, paraglider etc. O Morro do Calvário, além da vista deslumbrante da cidade, proporciona aos visitantes, na época do natal, o espetáculo de fé, da paixão de cristo. Já o Parque Leandro Guerra, preserva a natureza, em pleno perímetro urbano. Possui trilhas pela mata, viveiro e um anfiteatro ao ar livre. É necessário qualificar e manter as estruturas desses locais para atender aos visitantes de maneira hospitaleira, proporcionando uma experiência agradável e única. Tornar o acesso fácil, incentivando a visita ao local: explorar os caminhos de maneira criativa, sendo este o início da experiência do visitante. Identificar que serviços agregar a cada local, buscando a revitalização sem descaracterizar sua autencidade.

SALTO DE PARAGLIDER, MORRO DO DIABO FONTE: ACERVO PREFEITURA MUNICIPAL

REFERÊNCIAS

MORRO DO CALVÁRIO FONTE: ACERVO PREFEITURA MUNICIPAL

• ESPORTES RADICAIS Aproveitamento dos recursos naturais e da área rural e natural para criação de outras modalidades esportivas que funcionem como atividade de recreação e lazer tanto para moradores, como para turistas. Exemplo: rústica da maioridade e rústica dos profissionais da indústria, tirolesa, montain bikes, motocross, arvorismo, escalada e trilhas de caminhadas esportiva.

ECOTURISMO TIROLESA FONTE:www.bugioaventura.com.br

Ninhos das Águias - Nova Petrópolis - http://www.ninhodasaguias.org.br/ Morro FERRABRAZ - Sapiranga - http://www.sapiranga.rs.gov.br/index.php/turismo/ver4 CAMINHO DAS HORTÊNSIAS - http://www.flickr.com/photos/hiltonlebarbenchon/5275704109/

76| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030


OBJETIVO 4.2

TURISMO DE EVENTOS E NEGÓCIOS Incentivar novos eventos focados em negócios, como feiras que envolvam a produção local e da região, atrativas para moradores locais e turistas, oferecendo atividades diferenciadas, culturais e ou comerciais, como cursos, simpósios, palestras e exposições, de modo a impulsionar o comércio de serviços da cidade.

AÇÕES • DESENVOLVER REDE DE ACOMODAÇÃO Carlos Barbosa apresenta dificuldades no que diz respeito às estruturas locais urbanas de acomodações. Devido ao baixo número de pousadas e hotéis, consequentemente, de leitos, a cidade não oportuniza ao visitante uma permanência mais longa na cidade. Assim, os turistas, em grande parte, permanecem durante o período do dia na cidade e, à noite, direcionam-se para cidades próximas a fim de buscar acomodações e atividades noturnas. Oferecer incentivo fiscal para desenvolver espaços de hospedagem local, rural ou urbana, em casas típicas da região, aumentando o número de pousadas, proporcionando ações diferenciadas nesta área como albergues, ou estabelecimentos tipo cama e café.

• RECURSOS HUMANOS Capacitação de recursos humanos, através de cursos pertinentes às áreas turísticas de potencial de desenvolvimento para a cidade. Para o sucesso do turismo local será necessária a participação de profissionais altamente qualificados para atuar especificamente nessas áreas.

REFERÊNCIAS

• INCENTIVO À PRODUÇÃO CULTURAL Criar um fundo (governo + empresas) que fomente a produção cultural e projetos de lazer e de turismo, bem como novos espaços para a promoção de eventos, que venham a estabelecer Carlos Barbosa como uma cidade cultural e turisticamente atrativa. Recursos da LIC – Lei de Incentivo à Cultura – deverão ser aproveitados.

��� ARTE NA CIDADE Criação de Lei para incentivo à Arte Pública visando a promover e incentivar programas públicos e privados para o desenvolvimento e a sensibilização do público às belas-artes e bens culturais, aumentando as oportunidades de emprego nas artes, a incentivar a integração da arte à arquitetura de Carlos Barbosa. As metas do Programa de Arte Pública partem da infusão de artistas de bairro e na concepção da infraestrutura financiada por fundos públicos, além de promover a revitalização econômica, agregando valor aos serviços municipais, criando oportunidades contínuas para os artistas e artesãos para melhorar a experiência do visitante.

Hospedagem para a Copa de 2014 - http://www.agecopa2014.com.br/?p=noticia&id_noticia=7148 Cama e Café - http://www.camaecafe.com.br/clipping09.php Rua24hs - http://www.curitiba-parana.net/rua24horas.htm Rua das Flores - http://www.curitiba-parana.net/rua-flores.htm ARTE - http://www.elpasotexas.gov/mcad/_documents/CallToArtists-RFQI10Apprentice.pdf http://mdemulher.abril.com.br/bem-estar/reportagem/viver-bem/confira-projeto-gente-transforma-arquiteto-marcelo-rosenbaum-612928.shtml 77| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030


CONCEITO 5 ESPORTE E LAZER EVENTO CORRIDA SÃO SILVESTRE FONTE: ACERVO PREFIETURA MUNICIPAL

O esporte como fonte de lazer e qualidade de vida, por meio de competições e experiências comunitárias Valorizar a tradição esportiva da cidade e incentivar o desenvolvimento do seu potencial para a prática de esportes radicais e outras atividades ao ar livre. Assim, de um lado é possível contribuir para o bem-estar do cidadão, incentivando-o a ter uma vida saudável mediante a prática regular de esportes, e de outro para a conceituação da cidade em um âmbito local, regional e nacional, como território de esporte e bem-estar. 78| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030


OBJETIVO 5.1

AMPLIAR A PRÁTICA ESPORTIVA DA POPULAÇÃO Incentivar o esporte localmente é uma maneira de envolver a sociedade no esporte em que a cidade é referência local, regional e nacional. O esporte, além de saudável, é uma atividade que atrai os jovens, promovendo seu desenvolvimento.

AÇÕES • CAMPEONATOS ESCOLARES Organizar um campeonato entre as escolas do município, promovendo a integração da população e incentivando a prática do esporte. Promover torneios intermunicipais, em que as escolas de cidades da região também participem a fim de ampliar o círculo de visitantes da cidade de Carlos Barbosa.

• ESPAÇOS PÚBLICOS URBANOS Mais áreas para a prática esportiva na área urbana. Em cada distrito ou bairro, devem ser destinadas áreas para espaços de convívio social, pela implantação de praças ou parques com quadras poliesportivas cercadas, pistas de patinação ou skate, áreas para caminhadas, áreas de descanso sombreadas e equipamentos de ginástica, promovendo o uso dos espaços abertos pela comunidade, estimulando hábitos saudáveis entre os jovens. A Secretaria de Esportes pode promover competições entre diferentes bairros da cidade

• OUTRAS PRÁTICAS ESPORTIVAS Incentivo e promoção a empreendimentos que visem a atividades de lazer em áreas não urbanizadas, como tirolesa, escalada, rapel, arvorismo, trilhas, bicicross, motocross, skate de grama. Estes empreendimentos devem ter infraestrutura mínima de serviços, como sanitários, áreas para piqueniques ou refeições, estacionamento e vias de acesso. A legislacão deve prever o correto uso da área ambiental, de preferência com uma abordagem ecológica, no que se refere à reposição de árvores e o destino correto do lixo.

•FUTSAL Incentivo ao esporte símbolo da cidade, com mais escolinhas e ginásios de futsal, para formar a base de uma nova geração da seleção do futuro.

REFERÊNCIAS

GINÁSIO ACBF FONTE: GUSTAVO DIEHL

Projeto Bom de Bola - http://www.bomdebola.org.br/ Corrida da Maioridade - http://corridadamaioridade.com.br/ SESI Corrida de Rua - http://www.sesimt.com.br/mostra_evento_institucional.php?evento=5 SKATEPARKS - http://www.skateparksdobrasil.com/ ESPORTES ALTERNATIVOS - http://montanhalivre.blogspot.com/2011/05/aula-de-esportes-alternativos.html 79| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030


OBJETIVO 5.2

INTERLIGAÇÃO DE PONTOS TURÍSTICOS POR CICLOVIAS As ciclovias são alternativas de transporte barato e ecossustentável, promovendo uma relação mais qualitativa da mobilidade individual entre tempo e espaço. O ciclismo estimula não apenas o condicionamento físico, mas também ajuda a construir valores sociais, tais como a preservação dos espaços públicos e de convívio. Nesse sentido, o movimento pró-bicicleta é reativo não apenas ao sedentarismo da vida moderna, como também de um ponto de vista mais psico-sociológico, ao individualismo e tensionamento das relações, fatores relevantes para o acúmulo de estresse e violência, gerando para a cidades efeito concretos e simbólicos de leveza e futurismo.

AÇÕES • AMPLIAÇÃO DA MALHA Ampliar a ciclovia existente ao longo da cidade, estimulando outras modalidades de mobilidade urbana e, consequentemente, a redução de poluição oriunda do trânsito e o aumento de exercícios físicos praticados pelos moradores, além de uma nova alternativa de lazer para a cidade, que pode ser utilizada para outras atividades, como caminhadas, corrida, skates, patins e patinetes. Com isso, torna-se interessante a expansão da ciclovia para bairros residenciais e destinos turísticos do entorno, promovendo a mobilidade, devido a opções de estacionamentos, para a troca de veículo, em áreas íngremes ou locação de bicicletas e patinetes por turistas e bagageiros em trens e ônibus coletivos. A ampliação deve ter metas anuais, sendo a 1ª etapa, levar a ciclovia até a Estação Central. ESTACIONAMENTO DE BICICLETAS COM INFLADOR DE PNEUS FONTE: www.tomsguide.com/us/ultimate-bike-parking-lot

RIO TERÁ 300km DE CICLOVIAS ATÉ 2012 FONTE: http://www.soalagoasinfo/2011/09/

• CAMPANHAS

O poder público deve promover campanhas publicitárias e eventos de convívio social, a fim de intervir na estimulação da cultura necessária à adoção dos princípios de uso de sistemas de baixo impacto ambiental, como usar mais a bicicleta ou caminhadas em vez do automóvel.

• LEGISLAÇÃO Elaborar leis de trânsito cicloviário, estabelecendo limites entre pedestres, ciclistas e motoristas, visando à segurança e do convívio em harmonia nos espaços públicos. 80| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030


• SERVIÇOS DE LOCAÇÃO

• MAPEAMENTO DE ROTAS

Disponibilizar aluguel de bicicletas junto à estação do trem, rodoviária e pontos turísticos, oferecendo bicicletários públicos que contam com pontos de auxílio ao ciclista, como material para consertos.

Delimitação de espaços cartografados e definidos para veículos, pedestres e ciclistas, estabelecendo regulamentações públicas para o convívio pacifico entre as diferentes modalidades, como, por exemplo, segmentar uma parte da calçada para ciclovias.

LOCAÇÃO DE BICICLETAS FONTE: http://www.bikeportland.org

CICLOVIA DE SOROCABA FONTE: http://veja.abril.com.br/saladeaula/290807/p_02.html

INOVAÇÃO EM TRANSPORTE PÚBLICO: MONORAIL FONTE: http://www.schweeb.com

REFERÊNCIAS

Amsterdã - http://planetasustentavel.abril.com.br/blog/pralaepraca/84596_post.shtml Ciclovia Ciudadana - http://redeci.ning.com/video/ciclovia-ciudadana PORTUGAL 196 CICLOVIAS ou 1439km- http://www.ciclovia.com.pt/ CAMPINAS CICLOFAIXAS - http://www.cidadedemocratica.org.br/topico/1331 MOBILIDADE SUSTENTÁVEL - http://bicicletanarua.wordpress.com/tag/ciclofaixa/ DUAS RODAS - http://ateondedeuprairdebicicleta.wordpress.com/tag/ciclovias/ 81| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030


CONCEITO 6 SUSTENTABILIDADE E MEIO AMBIENTE

ÁREA RURAL E GADO LEITEIRO FONTE: JANDIR PEDRONI - EMATER/ASCAR

Carlos Barbosa, uma cidade sustentável Tem no seu centro a preservação, valorização e construção de qualidade de vida. Insere a cidade nos padrões de desenvolvimento social, econômico e ambiental de forma a garantir um futuro seguro e sustentável, cujos valores estão pautados no equilíbrio entre desenvolvimento e preservação ambiental. Nesse sentido, algumas ações são previstas para que se atinja, ao longo dos próximos vinte anos, padrão de desempenho econômico e de qualidade de vida, similar aos de países desenvolvidos, tais como França, Alemanha e Dinamarca. 82| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030


OBJETIVO 6.1

SISTEMA DE TRANSPORTE ECO EFICIENTE A diminuição do impacto ambiental de diversos setores tem sido uma das necessidades mais evidentes dos projetos de design contemporâneos. Carlos Barbosa, por ser uma cidade com pouca infraestrutura desenvolvida para transporte coletivo, apresenta-se como uma cidade potencialmente aberta às inovações do setor. Seu terreno acidentado favorece a implantação de transportes coletivos elétricos com baixo impacto ambiental, tais como ônibus ou trainway (trens leves de superfície).

AÇÕES • MOBILIDADE INTEGRADA

• INFRAESTRUTURA VIÁRIA

As tendências do futuro indicam que haverá um aumento crescente de veículos particulares. As principais soluções existentes hoje para esse problema (que não dependem de altos investimentos como os metrôs) estão centradas na promoção ao sistema multimodal (integração de meios de transporte), no aumento do número de linhas, com corredores prioritários e na qualidade de informações do serviço disponibilizado. A integração entre diferentes modelos associados à oferta de bilhetagem eletrônica, são medidas importantes na relação custo/ benefício para este problema. É importante o incentivo à compra de veículos menores, elétricos, ou que não necessitem de combustíveis fósseis.

Serão necessárias ações coerentes com a evolução e o crescimento da cidade. Para que a infraestrutura viária atenda às necessidades da cidade em uma perspectiva de sustentabilidade, deverá ser pensada a adequação da malha viária com vistas a uma ampla acessibilidade, fluidez no trânsito e segurança dos pedestres. Assim, será preciso restringir os estacionamentos em algumas vias, inclusão de novos semáforos com sincronismo entre eles e adequar as calçadas existentes.

TREM ELÉTRICO DE SUPERFÍCIE DUBLIN/IRLANDA 2004 FONTE: http://www.eukn.org/Dossiers

REFERÊNCIAS

• CARONA SOLIDÁRIA Outra tendência que ganha força em países de primeiro mundo é o sistema de caronas, que consiste em pessoas que moram próximas combinarem de levar os amigos e vizinhos, revezando os condutores quando possível. Esse sistema é oferecido por meio de uma página web onde todos os interessados poderão cadastrar-se para participar, muitas cidades já disponibilizam online uma Central de Caronas, na qual também é possível informar viagens para outras cidades e acessar o banco de interessados em ir para aquele lugar.

Congresso Brasileiro de Transporte e Trânsito - http://www.ctsbrasil.org/node/316 Ethanol Summit 2011 - http://www.ethanolsummit.com.br/noticias-conteudo.php?id=113&idioma=1 MOBILIDADE INTEGRADA - http://www.tripoa.com.br/ CARONA SOLIDÁRIA - http://verde.infolink.com.br/tag/carona-solidaria, http://montesclaros.com/caronas/ http://www.caroneiros.com/web/ 83| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030


OBJETIVO 6.2

BUSCAR FONTES DE ABASTECIMENTO A PARTIR DE ENERGIAS RENOVÁVEIS OU ALTERNATIVAS Crescimento com consciência. A cidade do futuro necessita ser autosustentável, ou seja, gerar sua própria energia e utilizar de forma racional seus recursos, eliminando o desperdício e promovendo a reutilização de seus dejetos. A meta é eficiência energética. Energias renováveis são todas aquelas formas de energia cuja taxa de utilização é inferior à sua taxa de renovação. As fontes podem ter origem terrestre (energia geotérmica), gravitacional (energia das marés), solar (radiação solar) e hidráulica, térmica, oceânica, além de biomassa e cinética (do vento e ondas). Também são consideradas fontes de energia renovável os resíduos agrícolas, urbanos e industriais.

AÇÕES • PLATAFORMA ENERGÉTICA Os investimentos em energias limpas apresentam-se como uma das etapas fundamentais para a construção de uma plataforma energética que possa dar conta das necessidades de desenvolvimento das cidades e da preservação ambiental. Entre as fontes de energias limpas mais apropriadas para Carlos Barbosa, pelas características da região e viabilidade tecnológica, destacam-se a biomassa, a energia solar e a energia eólica.

• LEGISLAÇÃO

Leis de incentivo e promoção do uso de energias limpas e renováveis, que visam atingir níveis de eficiência energética, devem fazer parte do plano diretor, sendo aplicadas tanto no mobiliário urbano quanto nas edificações e estabelecimentos comerciais e industriais, sendo efetivadas tanto pelo governo quanto pela iniciativa privada.

• CENTRAIS ELÉTRICAS • TECNOLOGIA LED Utilização da tecnologia LED na iluminação pública. Quando se pensa no futuro da iluminação pública, os Leds surgem como a revolução que impactará o modo como pensamos e experimentamos o uso da luz nos mais variados espaços e momentos do dia a dia. As pesquisas atuais nos levam a conceitos e protótipos surpreendentes. Soluções sustentáveis com Leds chegarão em um futuro próximo e transformarão de industrial para ecológica a personalidade de qualquer comunidade, harmonizando forças da natureza e trabalhando em parceria, e não contra o planeta. 84| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030

Estudar a viabilidade da construção de centrais de produção de eletricidade a partir dos lixos, como por exemplo, produzir eletricidade com o biogás de aterro, ou de compostagem, ou incineracão dos resíduos. Carlos Barbosa poderia tornar-se referência brasileira neste tipo de solução.

• ZONEAMENTO Identificar zonas para produção de energias renováveis, como a solar e a eólica, prevendo a viabilidade de implantação de parque eólico, ou de uma usina de biomassa no município, possibilitando a oferta de energia mais barata e alternativa para a população.


• ENERGIA SOLAR TÉRMICA É a melhor forma de energia alternativa e deve ter prioridade na aplicação, pois é abundante e não necessita grandes insumos energéticos na obtenção, mas para melhor aproveitamento é necessário maximizar o processo de coleta, através da adoção de espelhos e lentes de reflexão,como também desenvolver formas de armazenamento para dias em que não haja sol. Além disso esta fonte pode gerar vapor que em turbinas produzirá energia elétrica. Este processo de tecnologia solar térmica acrescenta outra dimensão à energia fotovoltaica, que converte a energia solar diretamente em eletricidade. Sistemas solares térmicos de produção de energia são mais baratos que a produção de células fotovoltaicas. É fundamental o incentivo a adoção de coletores solares, através de estímulos fiscais à empresas e indústrias de tecnologias eco-energéticas para instalar-se na região.

• ENERGIA EÓLICA Realização de um estudo da potencialidade local para a instalação de um conjunto de geradores de energia eólica nos pontos de ventilação mais estável da cidade, possibilitando o acesso de energia alternativa a população local. No final de 2007, a capacidade mundial de geradores eólicos (movidos a vento) foi de quase 94,1GW. Embora o vento produza atualmente pouco mais de 1% da eletricidade mundial, a energia eólica é responsável por aproximadamente 19% da produção de eletricidade na Dinamarca, 9% no caso da Espanha e Portugal e 6% na Alemanha e na República da Irlanda (dados de 2007). Globalmente, a geração de energia eólica aumentou mais de cinco vezes entre 2000 e 2007. Atualmente estima-se que a capacidade instalada de geradores eólicos esteja em torno de 160 mil MW. (DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - http://www.h2brasil. com/eólica/a-turbina-eólica). EMPREENDIMENTO COM TURBINAS EÓLICAS E COLETORES SOLARES EM FLORIANÓPOLIS/SC. FONTE: www.nextgeneration.com.br

REFERÊNCIAS

http://www.energiasrenovaveis.com/DetalheNoticias.asp?ID_conteudo = 417&ID_area =2&ID_sub_area =1 http://www.energiasrenovaveis.com/DetalheNoticias.asp?ID_conteudo=457&ID_area=3&ID_sub_area=5 http://www.aquaflot.com.br/artigos/LEGISLACAO_SOBRE_USO_RACIONAL_DA_AGUA.pdf http://www.superled.com.br/zbxe/?document_srl=7396 http://www.h2brasil.com 85| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030


OBJETIVO 6.3

COLETA E TRATAMENTO DE LIXO Cuidar do lixo é cuidar do meio ambiente, é proteger os elementos e as condições essenciais à vida. Dessa forma busca-se desenvolver uma cidade que possa constituir-se como referência no tratamento do seu lixo, pelo avanço tecnológico, social e ambiental. Esse tratamento deve ser observado tanto do ponto de vista residencial como industrial, com adoções de medidas regulamentares para o tratamento dos efluentes e resíduos das industrias, evitando que elas coloquem em risco as condições de abastecimento de água potável e da qualidade do ar.

AÇÕES

•CONSCIÊNCIA SUSTENTÁVEL: POR QUE TRATAR O LIXO? O tratamento de lixo é uma etapa intermediá ria do sistema de limpeza urbana. Entretanto, inexiste em grande parte dos municípios brasileiros, que tem os seus resíduos, transportados diretamente às áreas de destino final, em sua maioria lixões ou aterros. A necessidade de tratamento do lixo surge mais intensamente nas grandes metrópoles como uma possível resposta ao que fazer com o lixo no futuro, já que as administrações municipais têm se defrontado com escassez de áreas para a destinação final do lixo, disputa pelo uso das áreas remanescentes com as populações da periferia, necessidade de ampliar a vida útil dos aterros em operação e disposição inadequada de resíduos sépticos. Além dessas questões mais imediatas e pontuais, a discussão mundial sobre a saúde do planeta tem apontado a valorização dos componentes do lixo como uma das formas de promover a conservação de recursos.

• TRIBUTAÇÃO Planificar o uso dos recursos de tarificação dos serviços, projetando-os no aumento dos investimentos em pesquisa, equipamentos e capacitação de pessoal, que visem a aprimorar o sistema de reciclagem e ou aproveitamento dos resíduos gerados no município. 86| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030

• CULTURA AMBIENTAL A coleta seletiva e a reciclagem do lixo são fundamentais para o aumento das condições de qualidade de vida e preservação ambiental. Para tal é necessário o aporte da cultura e da educação ambiental com a conscientização do papel de cada um nesse processo. Carlos Barbosa possui coleta seletiva de lixo e reciclagem. Investimentos nesse setor apresentam-se coerentes com as tendências internacionais de cultura ambiental. É preciso educar e construir o valor da ação ecológica em prol do coletivo e do meio ambiente. Dessa forma considera-se fundamental a educação ambiental, que deve ser implementada já nos ciclos básicos da educação pública e privada

• BONS EXEMPLOS A definição de um modelo de gestão ambiental torna-se fundamental para o desenvolvimento sustentável de uma cidade. A empresa Tramontina, situada em Carlos Barbosa apresenta um modelo de gestão que se projeta para os próximos 120 anos considerando a relação custo-beneficio com a necessidade de preservação ambiental. No cerne desse processo, está o desejo de durabilidade da organização. O poder público, pode inspirar-se no modelo bem sucedido da empresa Tramontina, adotando medidas para dar continuidade às suas políticas.


• POSTOS DE RECICLAGEM E DESCARTE

• LIXO ORGÂNICO

Instaurar entrepostos de coleta seletiva e reciclagem em cada um dos bairros do município, criando um sistema interligado que trabalhe em parceria com indústrias que utlizem o resultado das recicladoras como matéria-prima para produção de seus produtos. Esses postos devem ser pontos de recepção do material descartado da comunidade.

Várias medidas devem ser incentivadas, tais como implantação de trituradores domésticos nas pias de cozinha; incentivo ao uso de papel higiênico biodegradável descartado no vaso sanitário e estímulo à compostagem doméstica.

• META LIXO ZERO Extinguir os aterros sanitários em 10 anos. Para isso é necessário implantar um modelo de gestão de resíduos sólidos, cujo objetivo é reduzir a produção do lixo encaminhado ao aterro sanitário, criando campanhas de concientização políticas de coleta, distribuição e destinação do lixo, que visem a diminuir os impactos ambientais negativos e trazer benefícios sociais à população. Várias cidades estão em busca deste título, e adotando medidas que visam a aumentar o aproveitamento dos resíduos e terminar com os aterros sanitários. O Instituto Lixo Zero Brasil promove treinamentos e capacitação para a implementação do Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos Urbanos.

• ANALISAR OS TIPOS DE TRATAMENTO O tratamento visa a reduzir a quantidade de lixo a ser enviado para disposição final, tornar inerte os resíduos sépticos e recuperar os “recursos“ existentes no material descartado. Há dois processos básicos para o tratamento do lixo urbano, que atendem as condições acima: a incineração e segregação dos diversos componentes do lixo (recilagem).

REFERÊNCIAS

• LIXO TÓXICO A lei n.º 9.921, de 27 de julho de 1993, que trata da gestão dos resíduos sólidos no estado do Rio Grande do Sul, e seu regulamento, aprovado pelo decreto n.º 38.356, de 01 de abril de 1998, são marcos significativos na política ambiental gaúcha que, inova e abre caminho para a solução de um dos piores problemas de poluição: o lixo industrial. A incineração do lixo hospitalar não é obrigatória como meio de tratamento, porém é considerada a melhor alternativa de tratamento, pelos seguintes fatores: reduz drasticamente o volume de resíduo, sobrando uma pequena quantidade de cinzas; é um processo simples, apesar de crítico quanto ao cumprimento dos procedimentos operacionais; como desvantagem, existe a emissão de compostos tóxicos como as dioxinas e furanos, caso a usina não seja projetada e operada adequadamente. Uma usina poderia atender a toda a região, gerando recursos financeiros e energéticos para o município.

• SACOLAS RETORNÁVEIS Esta ação prevê o fim das sacolas de plástico com o incentivo à utilização de sacolas retornáveis ou biodegradáveis, embalágens retornáveis, entregas de compras à domicílio, entre outras alternativas.

Triturador Doméstico de Lixo - http://acidadeeolixo.blogspot.com/2009/10/triturador-de-lixo-domestico.html Reciclagem - http://www.agendasustentavel.com.br/Case.aspx?id=2487; http://www.reciclagemlixo.com CAMBIO VERDE - www.curitiba.pr.gov.br/conteudo/cambio-verde-smab-secretaria-municipal-do-abastecimeno/246 SACOLAS VERDES - http://www.sacolaretornavel.com/ INSTITUTO LIXO ZERO BRASIL - http://ilzb.org/index.php/site/eventos/2 ; www.coletivoverde.com.br/lixo-zero ; www.rumosustentavel.com.br; www.ecycle.com.br ; http://lixoeletronico.org/blog/ LIXO HOSPITALAR - http://lixohospitalar.vilabol.uol.com.br/Decreto_de_lei.html óleos e Gorduras Residuais - http://www.ecologicacoleta.com.br/index.php Política Nacional de Resíduos Sólidos Brasília - www.ecodesenvolvimento.org.br/noticias/ 87| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030


OBJETIVO 6.4

MOBILIÁRIO URBANO ECOLÓGICO A energia solar é uma das alternativas para a produção de energia limpa e sua adoção, além de reduzir os custos financeiros com a implementação da iluminação das vias e praças, significa para a cidade um avanço quanto a valores ambientais, gerando patrimônio cultural, associado à preservação do meio ambiente. Tem como objetivo proporcionar iluminação pública com baixo impacto ambiental.

AÇÕES

• POSTES DE LUZ COM ENERGIA SOLAR (USO DE CÉLULAS FOTOVOITACAS) Substituição de postes de energia elétrica por novos modelos alimentados por energia solar ou eólica, garantindo baixo custo de consumo e manutenção. Ex. Turbinas de luz, para rodovias, acessas pela energia do vento. http://inhabitat.com/turbine-light-powers-highway-lights-with-wind.

• PARADAS ECOlÓGICAS Substituição de pontos de parada convencionais por modelos feitos de material reciclado. Ex. Paradas inauguradas na cidade de Estância Velha-RS, em parceria da prefeitura com duas empresas: a Suzuki recicladora e a Brasken. Os resíduos plásticos do município serão reciclados e transformados em tábua plástica, na confecção de mobiliário urbano.

• FLOREIRAS COMPOSTEIRAS

• SENSORES FOTOELÉTRICOS

Uso de lixeiras dispostas em áreas públicas, equipadas para receber e processar resíduos de alimentos e junto ter plantas que se alimentam desta compostagem, ajudando a tornar a área urbana mais verde e dar um fim ao descarte orgânico.

Medidas que evitem desperdício dos gastos públicos e dos recursos energéticos devem ser implantados no sistema de iluminação pública da cidade. Fotocélulas permitem que a iluminação acenda somente quando não há mais luz natural.

REFERÊNCIAS

Poste Sustentável - http://revistapegn.globo.com/Revista/Common/0EMI204335-17180,00 http://www.designatento.com/design-sustentavel/responsabilidade/um-projeto-humanitario-solar-pebble.html Recarregador - http://www.techtudo.com.br/lancamentos/noticia/2011/05/ ParadaS de Plástico - http://www.clicrbs.com.br/especial/rs/nossomundo/19,997,3305781 ENERGIA - http://planetasustentavel.abril.com.br/noticia/energia/impacto-smart-grids-cidades-623489.shtml http://www.falarglobal.com/final/videos.htm?id=106&cat=ecologia&tipologia=reportagem http://www.energiapura.com e http://joviceng.com.br http://biofriendly.com/blog/energy/wind-energy-8-ways-to-collect-it/ 88| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030


OBJETIVO 6.5

PRODUÇÃO ORGÂNICA DE ALIMENTOS O desenvolvimento industrial acelerado tem afastado o homem de sua relação com a terra. O cultivo de alimentação orgânica traz benefícios não apenas do ponto de vista biológico, mas também terapêutico- emocional. Cuidar da terra e perceber os ciclos da natureza e a composição necessária para a geração de um alimento saudável, tende a gerar no homem a percepção de seu próprio valor como ser da e na natureza. A produção de alimentos orgânicos visa a gerar qualidade na produção local e riqueza que possa ser compartilhada pela sociedade, riqueza percebida não somente do ponto de vista monetário, mas também pelo engendramento de valores éticos e morais associados à lógica do cultivo, do cuidado e da preservação.

AÇÕES

• CONSTRUIR PATRIMÔNIO ECOLÓGICO Investir na produção e na comercialização de alimentos orgânicos é necessário para a construção e o cultivo do patrimônio ecológico local. A inserção de hortas nos parques, passiveis de serem cuidadas pela população, pode estimular a cidadania e funcionar como um dispositivo de compartilhamento de valores éticos e saudáveis, favorecendo o cultivo local de alimentos.

• MERCADOS ECOLÓGICOS Instalação de um mercado público de alimentos orgânicos locais. Esse mercado modelo seria o incentivo para que os produtores optassem pelo cultivo natural e ecológico, pois teriam como vender sua produção diretamente à população.

REFERÊNCIAS

• CURSOS Realização de evento promocional do alimento orgânico e da vida saudável, como forma de promover e informar sobre os benefícios desta prática tanto na produção, quanto no consumo. Treinamentos em produção de cultivos orgânicos, para a obtenção de selos orgânicos, qualificando a produção local.

• CONTROLE ECOLÓGICO Uso de técnicas não químicas, denominadas homeopáticas, para tratamento de pragas, na produção e cultivo de alimentos.Elaboração de projetos e implantação de sistemas orgânicos de produção, disseminando uma cultura de menos agressão ao ambiente, junto aos produtores, por meio das cooperativas.

CULTIVAR EM ESPAÇOS PÚBLICOS - http://plantabanda.blogspot.com/ CONTROLE DE PRAGAS: http://www.homeorganica.com.br ALIMENTOS ORGÂNICOS - http://www.institutoaqualung.com.br/info_ali44.html AGROECOLOGIA: VER AGRICULTURA NATURAL, BIOLÓGICA, BIODINÂMICA, ORGÂNICA e PERMACULTURA, EM: http://www.planetaorganico.com.br 89| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030


OBJETIVO 6.6

URBANISMO SUSTENTÁVEL A importância da implantação de espaços destinados ao lazer e da manutenção da qualidade ambiental nas cidades é cada vez maior, pois, em áreas urbanizadas, os problemas ambientais ganham maior amplitude. Dentro deste contexto, faz-se necessária a adoção de medidas que tenham como objetivo a diminuição dos efeitos negativos produzidos pela urbanização acelerada e desordenada. As áreas verdes destinadas ao lazer e contemplação, espaços preservados dentro do perímetro urbano, contribuem para o equilíbrio entre as relações da população com seu meio ambiente. Não há como pensar em um ambiente urbano saudável e de qualidade, sem iniciativas que estimulem o desenvolvimento e a conservação das áreas verdes. É preciso pôr em prática políticas públicas que valorizem os recursos naturais, visando ao tão almejado desenvolvimento sustentável. A relação entre crescimento urbano e preservação ambiental gera espaços agradáveis não só do ponto de vista estético, como também da qualidade ambiental e da saúde física e psicológica dos seus habitantes.

AÇÕES • BAIRROS ECOSSUSTENTÁVEIS Estudo cartográfico de Carlos Barbosa para definição do local ideal para a instalação de um bairro totalmente sustentável, cujo princípio é ter o menor impacto ambiental possível, funcionando como laboratório e modelo para outras áreas do município. Essa iniciativa pode ter a parceria da iniciativa privada com incentivos fiscais da prefeitura. A ideia é trabalhar como elemento propulsor e estímulante de boas ideias na preservação do ambiente e no desenvolvimento humano, testando, na prática, produtos e processos que poderão ser implementados em larga escala futuramente.

REFERÊNCIAS

• ECOVILAS São comunidades urbanas ou rurais de pessoas, que buscam integrar-se em um ambiente de apoio social com uma forma de vida de baixo impacto. Para alcançar este objetivo, integram-se diversos aspectos do design ecológico, permacultura, construção ecológica, produção verde, energia alternativa, e muito mais. Existem mais de 400 ecovilarejos no mundo, de acordo com o banco de dados da Global Ecovillage Network. Vale destacar alguns exemplos: - DANCING RABBIT, MISSOURI/EUA - LAEV- LOS ANGELES ECOVILLAGE/EUA - EARTHSONG, NOVA ZELÂNDIA

ECOBAIRROS- http://planetasustentavel.abril.com.br/noticia/cidade/iniciativas-sustentaveis-bairro-qualidadevida-623271.shtml http://blogs.discoverybrasil.com/descubra-o-verde/2010/10/uma-rua-onde-carro-n%C3%A3o-entra-o-projetode-jackson-heights-em-ny-.html DÉCADA PELA SUSTENTABILIDADE - http://www.ecodesenvolvimento.org.br/posts/2011/maio/parana-poderaser-o-primeiro-estado-sustentavel ECOCIDADES - http://www.biocidade.curitiba.pr.gov.br/biocity/49.html http://www.cidadessustentaveis.org.br/boas_praticas/exibir/148 http://blogs.discoverybrasil.com/descubra-o-verde/2009/09/as-surpreendentes-cidades-ecologicas-do-futuroparte-1.html 90| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030


• PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS Incentivo fiscal para a construção das moradias e instalação das tecnologias ecossustentáveis. A cada item ecológico inserido no projeto/obra privada (residencial ou comercial) o proprietário ganha um ponto. Quanto mais investir em soluções que economizem energia ou reduzam resíduos e impacto de consumo, ele receberá um selo da prefeitura e descontos em impostos (como IPTU em relação ao lixo). Essa medida valoriza os imóveis em sua comercialização e contribui para que a cultura na especulação imobiliária mude para uma visão que valorize as práticas sustentáveis.

• VALORIZAÇÃO DE ÁREAS VERDES Aumentar a área verde da cidade com parques de infraestrutura autossustentável, que proporcionem mais espaço de lazer à população local e aos visitantes, incentivando a cultura ecológica e aumentando a atratividade turística de Carlos Barbosa.

• CALÇADAS AMIGÁVEIS Revitalizar as calçadas da cidade e conscientizar os cidadãos sobre as suas responsabilidades no processo de conservação dos passeios públicos. Sugere-se que seja pensado um desenho único para todas as calçadas, padronizando-as e criando uma identidade para a cidade ou com diferenciais que definam áreas ou bairros. Os materiais adotados devem permitir a permeabilidade do solo, favorecendo o escoamento das águas pluviais e evitando inundamentos e deslizamentos.

REFERÊNCIAS

• PRAÇAS Aumentar a área verde da cidade com parques, cuja infraestrutura seja autossustentável, proporcionando mais espaço de lazer à população local e aos visitantes, incentivando a cultura ecológica e aumentando o bem-estar e a atratividade de Carlos Barbosa, sem impactar em custos de energia para sua utlização.

• ARBORIZAÇÃO Destinação de uma área para plantio de mudas (viveiro municipal) que serão posteriormente distribuídas pelo município. O objetivo aqui é tornar Carlos Barbosa uma das cidades mais verdes do mundo. As mudas serão distribuídas durante o dia da árvore nas escolas, praças e bairros. Para isso é necessário um mapeamento das espécies nativas e outras que proporcionem sombra ou frutas, avaliando raízes, porte, altura, de modo a não causarem problemas futuros, para serem plantadas em parques, vias públicas e áreas verdes residuais como canteiros ou jardins, evidenciando uma cobertura verde para o futuro, proporcionando à cidade, em seu crescimento, a compensação necessária, evitando a perda da qualidade de vida de hoje.

• ORGÃOS CONSCIENTIZADORES O Banco de Ideias busca a participação cidadã sobre o espaço em que coexiste, sendo este movimento, essencial para a construção de uma cidade mais justa, democrática e com qualidade de vida, atendendo aos anseios de seus moradores.

CALÇADAS - http://planetasustentavel.abril.com.br/noticia/cidade/calcadas-amigaveis-532177.shtml http://www.eucurtoeucuido.com.br/site/acoes_calcadas.php#oque http://curiosidadesnanet.wordpress.com/2008/04/23/calcadas-portuguesas/#more-979 ECOPAVIMENTO - http://www.ecodesenvolvimento.org.br/posts/2011/maio/ecod-lista-4-alternativas-sustentaveis e www.vastpavers.com PROJETO PLANTAR - http://www.jornalipanema.com.br/novo/Sorocaba/MUDAS+DO+MEGA+PLANTIO+DE+SOROCA BA+FORAM+PRODUZIDAS+EM+PENITENCIARIA.html http://www.saobentodosul.sc.gov.br/novo/noticia/10074 BANCO DE IDÉIAS - http://concursocacs.com/proyecto/banco-de-ideias/

91| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030


GLOSSÁRIO BRIEFING É um conjunto de informações, uma coleta de dados compilados para o desenvolvimento de um trabalho, é o mapeamento do problema, onde as pistas dadas remetem a ideias para criar soluções. Cenários São projeções conceituais que permitem visualizar o futuro, reconhecendo a incerteza e a complexidade na situação em análise, ampliando a visão com novos conhecimentos e provendo estrutura para novas visões ambientais. Concepts Síntese cognitiva de ideais, por vezes, definida como uma “unidade de conhecimento”, construída com outras unidades que atuam como características de um conceito. DESIGN Está associado ao projeto, ou ao ato de esboçar com sucesso a simulação de algo sobre o qual se possui um conjunto de intenções. Design estratégico área de pesquisa projetual que se apropria de diversas outras áreas do conhecimento para obter respostas inovadoras a necessidades específicas, com a integração entre design e estratégia.

92| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030

HOMECARE O termo homecare é de origem inglesa. A palavra “Home” significa “lar”, e a palavra “Care” traduz-se por “cuidados”. O homecare deve ser compreendido como uma modalidade contínua de serviços na área de saúde, cujas atividades são dedicadas aos pacientes/ clientes e a seus familiares em um ambiente extra-hospitalar. Seu propósito é promover, manter e/ou restaurar a saúde, maximizando o nível de independência do cliente/paciente, enquanto minimiza os efeitos debilitantes das várias patologias e condições que gerencia, por meio de serviços de atendimento domiciliar personalizados, na área da saúde, prestados por profissionais capacitados, enfatizando conforto e autonomia dos pacientes. Layout Termo que faz referência à disposição física, gráfica ou virtual entre vários elementos de um ambiente. Sistema-produto Expressão que representa a integração de produtos, serviços, experiências e estratégias de comunicação orientadas ao desenvolvimento de soluções. Workshops São sessões contínuas de projeto, orientadas para a geração de ideias sobre a base de um problema de projeto, em que a lógica principal é uma dinâmica entre grupos de projetistas que trabalham na geração de novas soluções de oferta.


REFERÊNCIAS BORJA, J. e CASTELLS, M. – Local and Global – Management of Cities in the Information Age, Londres: Earthscan Publications, 1997. CANCLINI, Néstor García. Culturas Híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. Culturas híbridas, poderes oblíquos. São Paulo: EDUSP, 1997. CELASCHI, Flaviano.; DESERTI, Alessandro. Design e innovazione. Strumenti e pratiche per la ricerca applicata. Roma: Carocci, 2007. COSTA, P. Creative Milieus, Gatekeepers and Cultural Production: Evidence from a Survey to Portuguese Artists, Review of Cultural Economics, Vol. 11, Nº 1, June 2008, Korea Association for Cultural Economics, p. 3-31, 2008. CMMAD - COMISSÃO MUNDIAL SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO. Nosso Futuro Comum. 2ª ed. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1991. DOWER, Michael. Um trunfo para o desenvolvimento local: o recurso-património. LEADER magazine, n. 17, 1998. Disponível em http://ec.europa.eu/agriculture/rur/leader2/ rural-pt/biblio/herit/art01.htm. Acesso em: 25 junho 2011. ELKINGTON, John. Cannibals with Forks: the Triple Bottom Line of 21st Century Business. Oxford: Capstone Publishing, 1997. KAYSER, Bernard. A cultura: Uma alavanca para o desenvolvimento local. LEADER magazine, n. 11, 1994. Disponível em http://ec.europa.eu/agriculture/rur/leader2/rural-pt/ biblio/culture/art03.htm. Acesso em: 25 junho 2011. KOTLER, Philip... [et al]. Marketing de lugares: como conquistar crescimento de longo prazo na América Latina e no Caribe. São Paulo: Pearson Prentice hall, 2006. MARSIGLIA, Javier & PINTOS, Graciela. La construcción del desarrollo local y regional. Actores, estrategias y nuevas modalidades de intervención. Cuadernos del CLAEH, no. 78-79, Montevideo, 2a. série, año 22, 1997/1-2. p.93-110. MERONI, Anna. Strategic design: where are we now? Reflection around the foundations of a recent discipline. Design Research Journal, 2008. PRICEWATERHOUSECOOPERS – Cities of the future. Global competition, local leadership. PRICEWATERHOUSECOOPERS [s.d.] REYES, Paulo. A Espacialidade na Cidade Contemporânea: os processos de [des] e [re] territorialização. In: Simpósio Latino-americano: cidade e cultura. Dimensões contemporâneas. São Carlos, 2007. REYES, Paulo. A espacialidade na Cidade Contemporânea: os processos de [des] e [re] territorialização. Unisinos, São Leopoldo, 2006. 93| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030


ficha técnica

Projeto Agenda 2030 Carlos Barbosa PREFEITURA DE CARLOS BARBOSA SR. FERNANDO XAVIER DA SILVA Prefeito de Carlos Barbosa

RODRIGO STRADIOTTI Depto. de Relações Institucionais da Prefeitura de Carlos Barbosa

UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS

Pe. MARCELO FERNANDES DE AQUINO Reitor

Articulação Universidade-Prefeitura

Prof. Gustavo Severo de Borba Doutor em Engenharia de Produção - UFRGS Diretor da Unidade de Graduação Prof. Gustavo DauDt Fischer Doutor em Comunicação - Unisinos Gerente dos Cursos de Bacharelado Prof. Fabricio Tarouco Doutorando em Comunicação - Unisinos Coordenador Geral do Projeto Agenda Carlos Barbosa 2030

94| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030


Coordenação TécnicA DOS GRUPOS DE PESQUISA

Workshops e projetos DE ATELIER

Prof. Fábio Pezzi Parode Doutor em Estética - Paris 1/ Sourbone - FR

ACADÊMICOS PARTICIPANTES

Prof. Carlo Franzato Doutor em Design - Politécnico de Milão - IT

Profª. Leandra Saldanha Mestranda em Design - Unisinos

Equipe de Pesquisa

Prof. Ana Carolina Fajardo Vilela Mestre em Design - Unisinos Prof. Bruna Ruschel Moreira Mestre em Design - Unisinos Prof. Daniel Prujá Mestrando em Design - Unisinos Prof. Douglas Onzi Pastori Mestre em Design - Unisinos Gabriel Bergmann Borges Vieira Mestre em Design - Unisinos Gabriel Kauffmann Schüler Mestrando em Design - Unisinos Francine Velho Daniel Bacharel em Design - Unisinos Gabriel Ramos Bacharel em Design - Unisinos Marcelo Diehl Bacharel em Design - Unisinos Natalia Luz Mestranda em Design - Unisinos Sílvia Arroque Bacharel em Design - Unisinos VANESSA DE SOUZA BATISTI Mestre em Economia - Unisinos 95| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030

Prof. Paulo Reyes Doutor em Comunicação - Unisinos

Aimée Werkmeister Schneider Carolina Hermes Eichenberg Claudia Magnus Chaves Douglas do Nascimento Daitx Fábio Augusto Willers Frances Danckwardt Isabel Raffi Cabral Izabel Christina Silva Prola Juliana Oginski Coracini Letícia P. Baechtold Rodrigues Luísa Cauzzi Brocco Luiza Mara Mattiello Rossetto Manuela Kanan Maria Celina Guarita Canario Natasha Ulbrich Kulczynski Nathalia Rückert Martins Paula Loher Pedro Lucchese Piantá Rafael Jungbluth Freitas Rafael Körbes Renan Canzi Renato Siqueira Lopes Rodrigo Hartmann Vanessa Neto Bischoff Vanessa Johnson

Projeto Gráfico

Leandra Saldanha Mestranda em Design - Unisinos


www. unisinos.br design@unisinos.br www.carlosbarbosa.rs.gov.br prefeitura@carlosbarbosa.rs.gov.br 96| AGENDA CARLOS BARBOSA 2030


“O desenvolvimento futuro dos municípios e das cidades depende de um profundo planejamento em bens e serviços, informação e conhecimento, capital e pessoas. Nesse sentido, a Agenda 2030 organiza ideias concretas de interesse da sociedade barbosense, projetando-a para os próximos 20 anos, baseado na busca pela melhora da qualidade de vida.”

E STAÇÃO CENTRAL DE CARLOS BARBOSA

FONTE: ACERVO PREFEITURA MUNICIPAL


Projeto Carlos Barbosa 2030