Issuu on Google+

1


2


3


4


CONSTRUINDO O PATRIMテ年IO LIMEIRENSE: ARTE, LITERATURA E FOTOGRAFIA

5


DADOS BIBLIOTECA NACIONAL

6


CONSTRUINDO O PATRIMÔNIO LIMEIRENSE: ARTE, LITERATURA E FOTOGRAFIA

Comissão Artística e Organizadora: Adriana Pessatte Azzolino Cleonice Mercuri Quitério Lizete Brugnaro Grolla Pittia Maria Eloisa Gonçalves de Oliveira Rossi Maria Agnes Simoni Lucato

7


8


Apresentação

O patrimônio e a memória constituem um processo de construção de espaços vividos em tempos criados, portanto, têm lugar na cultura de uma sociedade. O patrimônio arquitetônico e as paisagens de uma localidade, seus personagens históricos, o seu folclore e músicas, condutas e atitudes são pontos de referência partilhados coletivamente porque a memória se elabora no coletivo. Essa regra associativa surge das associações de ideias que são sugeridas pela experiência cotidiana, pelas lembranças. Essas lembranças não são tão nossas assim, são as lembranças dos nossos pais, parentes e amigos, cada qual acrescentando ou eliminando uma parte que lhes cabe, ao se lembrar de uma passagem na infância, ao mostrar uma fotografia de um lugar que mora no coração ou narrar um conto que eternize alguém especial. Pela Arte, pela Literatura ou pela Fotografia, há de se preservar a memória porque esta se constitui de uma história coletiva, é pertencimento, compartilhamento, é patrimônio cultural, é de todos e, não basta o testemunho, é preciso a concordância. Afinal, a história é um processo social contínuo onde todos 9


participam e nesse processo dinâmico a cultura se materializa, se universaliza e se torna patrimônio cultural da humanidade. A cultura se constitui na grande mediadora de todo esse processo de produção comunicativa que ocorre nessa dinâmica, porque a cultura é plural e mutável, porque o indivíduo traz em sua existência essa característica. A proteção ao patrimônio cultural é prevista pela própria Constituição da República Federativa do Brasil de 05/10/1998, art.216, nele se incluem bens de natureza material e imaterial, tangível e intangível, referências. Por tudo isso a Academia Limeirense de Letras dedica-se em oferecer à comunidade esta obra, organizada em torno das memórias de cada um que dela participa.

Profa. Dra. Adriana Pessatte Azzolino Presidente da Academia Limeirense de Letras 2013-2014

10


HINO À LIMEIRA MÚSICA: Prof.ª Dyrcéia Ricci Ciarrochi LETRA: Dr. Guilherme Mallet Guimarães HARMONIZAÇÃO: Mário Tintori

Chão bendito de berços gloriosos Tua origem uma linda limeira, Fundada por labores ditosos És cidade tão bela e faceira.

Tuas indústrias crescem e agigantam As grandezas de nosso porvir Jardins - Praças todos se encantam Com músicas sonoras a ouvir.

Estribilho Frutas doces, colhemos aos montes Pomares verdejantes com flores Laranjais circundam as fontes Acariciando a vida de amores.

Estribilho Povo amigo de ação relevante Nossas escolas padrões elevados Nossa fé seguirá triunfante Sendo os mestres heróis abençoados. Estribilho Limeira! Limeira!

11


12


Sumário Apresentação����������������������������������������������������������������������������������������������������9 Profa. Dra. Adriana Pessatte Azzolino Presidente da Academia Limeirense de Letras2013-2014 HINO À LIMEIRA�������������������������������������������������������������������������������������������������11 Sumário�������������������������������������������������������������������������������������������������������������13 A Gruta da Paz�������������������������������������������������������������������������������������������������17 Carlos Eduardo Pompeu Cadeira 17 – Patrono Vitório Bortolan Filho

A Estação����������������������������������������������������������������������������������������������������������21 Maria Arlinda da Silva “Linda Balieiro” Cadeira 38 - Patronesse Minerva Jorge Gabriel Santi

Arquibancada Vila Levy em 1937����������������������������������������������������������������25 José Renato Rocco Roland Gomes Cadeira 25 - Patrono Waldemar Lucato

As prospecções pioneiras de Martinho Levy para exploração de petróleo na região de limeira������������������������������������������������������������������29 Artemio Bertholini Cadeira 16 – Patrono Martinho Levy

Casarão da Fazenda Tatu�����������������������������������������������������������������������������33 Eudoxia Silva Castro Quitério Cadeira 04 – Patrono Dr. Trajano de Barros Camargo

Catedral Nossa Senhora das Dores��������������������������������������������������������37 Cleonice Teresinha Mercuri Quitério Cadeira 36 - Patrono Ely de Almeida Campos

Doce Sabor������������������������������������������������������������������������������������������������������41 Lizete Brugnaro Grolla Pittia Cadeira 37 – Patrono Lázaro Duarte do Páteo

Entre tempo����������������������������������������������������������������������������������������������������45 Liliane Elias Cadeira 24 – Patrono Dr. Spencer Vampré

13


Grupo Escolar Coronel Flamínio Ferreira de Camargo Marcas no meu caminho���������������������������������������������������������������������������������������������������49 Adriana Pessatte Azzolino Cadeira 32 – Patrono Reynaldo Kuntz Busch

Homenagem ����������������������������������������������������������������������������������������������������53 Maria Negro Lencione Cadeira 13 – Patrono Prof. João de Souza Ferraz

Imortalidade��������������������������������������������������������������������������������������������������57 Camilo Martins Cadeira 39 – Patrono Cel. Flamínio Ferreira de Camargo

Instituto Superior de Ciências Aplicadas��������������������������������������������61 Guiomar Rita Confort Castilho Cadeira 20 – Patrono José Justino Castilho

Lar sem preço��������������������������������������������������������������������������������������������������65 Jurandir Godoi Vitta Cadeira 23 - Patrono Ciro Costa

Limeira Clube��������������������������������������������������������������������������������������������������68 Zenaide Elias Cadeira 15 – Patronesse Cecília Quados

Lutas, labutas e sonhos������������������������������������������������������������������������������71 Lizete Brugnaro Grolla Pittia Cadeira 37 – Patrono Lázaro Duarte do Páteo

O Colégio São José de Limeira: uma arte interdisciplinar da fé e da matéria humana����������������������������������������������������������������������������������������75 Dirce Pereira do Prado Cadeira 40 – Patrono Pe. Mauricio Sebastião Ferreira

“O tempo tudo destrói” Acorda Limeira!�����������������������������������������������77 Maria Agnes Simoni Lucato Cadeira 34 – Patronesse Irmã Maria Gertrudes C. Rebello

Paço Municipal Da rua Barão de Cascalho ao Edifício Prada���������81 Simone de Cássia Portela Barbosa Cadeira 28 – Patrono Sebastião Fumagalli

Praça Toledo Barros�����������������������������������������������������������������������������������85 Maria Eloisa Gonçalves de Oliveira Rossi Cadeira12 – Patrono Agostinho Prada

Santa Casa de Misericórdia de Limeira��������������������������������������������������87 Maria Arlinda da Silva “Linda Balieiro” Cadeira 38 - Patronesse Minerva Jorge Gabriel Santi

Trajetória de sucesso (resgate textual de Valdir Salviatti)����������������������91 Carlos Alberto Fiore Cadeira 02 - Patrono Valdir Salviatti

UMA ESQUINA, UM CASARÃO (Poema dedicado ao Espaço Cultural Engep)���95 José Farid Zaine Cadeira 08 – Patronesse Maria Paulina Rodrigues Provinciatto 14


15


16


A Gruta da Paz Carlos Eduardo Pompeu

Cadeira 17 – Patrono Vitório Bortolan Filho

A Gruta, existente na praça principal de Limeira, foi construída alguns anos após a primeira grande guerra mundial de 1914 , na administração do prefeito, Dr. Alberto Ferreira da Silva, nos anos de 1919-1920.O propósito inicial era o de erigir um coreto, a ser projetado e construído pelo artista plástico italiano, Sr. Ettore Monti . As pedras que compõem o memorável monumento vieram, em sua maioria, da fazenda S. Bento de propriedade do então prefeito. Hoje, parte dessa fazenda foi ocupada pela Av. Maria Thereza Silveira de Barros Camargo, Parque S. Bento, Centreville , e pelo recente Campus da UNICAMP, entre outras áreas mais. A GRUTA DA PAZ No centro da Praça, em amenos verdores inicialmente a ideia, um tanto sem graça, 17


de um provinciano coreto, sem projeto, sem afresco. Mas a alma rebelde do artista Ettore não se deixou levar e, lá das bandas da São Bento, foi buscar, de afloramentos, o magna a compor de pedras brutas, uma obra de arte, a nossa GRUTA.. Sua forma externa, um estereotipado castelo medieval em ruína, de pedras sobre pedras, rodeado por um lago, como um fosso fosse e um passadiço movediço seu único acesso. Hoje, a GRUTA, um emblemático e místico monumento , com seu cimo orlado de inocentes seteiras, se presta à aparência de uma velha e bela cidadela, defensora da PAZ, um ícone de Limeira.

18


19


20


A Estação Maria Arlinda da Silva “Linda Balieiro” Cadeira 38 - Patronesse Minerva Jorge Gabriel Santi

“Abrem-se as cortinas... É inaugurada a Estação Ferroviária de Limeira. Muitos anos se passaram E estão eternizados na memória. A cidade toda em festa Muitas palmas e alegria Chegou a nós, o progresso. Elevando a novos horizontes e conquistas, Saudades dos velhos tempos, Um marco na minha história”. O grande relógio já badalava as horas e a emoção tomava conta de todos os presentes. Percebiam-se a aproximação do trem ao longe, devido ao trepidar dos trilhos e do solo aos nossos pés. Quando já era visível, o seu apito soava cada vez mais perto parando lentamente. A grande maquina estava ali. Momento de muita emoção. E logo se iniciava a movimentação dos passageiros, todos enfileirados na plataforma de embarque. 21


Pessoas anônimas subiam e desciam junto aos seus, com suas bagagens e baús. Senhoras e senhores iam e vinham trocando de vagões em vagões. Era grande o fluxo de passageiros. Costumes usados na época como ternos de linho puro e chapéus estilo Santos Dumont. Entre eles : fazendeiros, colonos, mercadores, políticos, coronéis a até artistas. Quando o trem atrasava ganhávamos um show a parte desses artistas. Horários de chegada e saída dos trens eram anunciados em um alto falante dentro e fora da estação. Muitos anos se passavam, e as paredes da Estação ficaram franzinas pela tortura do tempo. Suas veias murcharam-se, seu corpo deteriorando já demonstrava sinais de desgaste. Mais porque tudo isso ? Tristeza ? Infiltrações em suas estruturas são lágrimas contidas de saudades e recordações. Tudo parou...Acabou... Os portões fecharam-se. Os barulhos dos trens...as pessoas acenando, um cumprimento, ou mesmo um adeus. Hoje ! Ouço barulhos desses trens que transportam objetos, com inúmeros vagões mudos trepidando aqui nesses trilhos com apenas o maquinista a bordo. Preciso renascer...levantar, ganhar nova vida, novas cores... Quem sabe ?

22


23


24


Arquibancada Vila Levy em 1937 José Renato Rocco Roland Gomes Cadeira 25 - Patrono Waldemar Lucato

A Família Levy foi a responsável pela introdução do futebol no município de Limeira após a viagem de um de seus membros para a Europa. Interessante destacar que, no início do século XX (por volta de 1912), existiam em Limeira dois times de futebol, a saber, “almofadinhas” e “barroquinhas”. O primeiro era formado por pessoas com melhores condições econômicas e o segundo pelas menos abastados. Foi justamente do time “barroquinhas” que a Associação Atlética Internacional nasceu, homenageando, com seu nome, todos os imigrantes que se instalaram em nosso município. No início de sua existência, a “Inter de Limeira” defendia suas cores no campo emprestado graciosamente pela Família Levy, um terreno de chão batido, em aclive e sem nenhum centímetro de grama. Por volta de 1916 (cerca de três anos após sua inauguração), o estádio contava apenas com uma porteira em sua entrada para controlar o acesso dos expectadores. 25


Pouco mais tarde , por volta de 1919, a Inter de Limeira teve que encerrar suas atividades temporariamente em razão de um surto de varíola que assolou nossa cidade, sendo que em 22 de agosto de 1920 o time retomava suas atividades regulares. Foi justamente nessa época, fim de 1920 e início de 1921, que Major José Levy Sobrinho, sensibilizado com a situação do campo de futebol existente em sua propriedade, deslocou dezenas de empregados da Fazenda Itapema para promover a terraplenagem do estádio, tudo com o auxílio de carroças e burros. Na sequência determinou-se a colocação de grama, a construção da arquibancada e de vestiários. O estádio da Vila Levy abrigou grandes jogos de futebol como a partida entre a Inter de Limeira e o melhor time da época, o Clube Atlético Paulistano (atual São Paulo Futebol Clube). O jogo foi vencido pela Inter por 2 a 1, placar que rendeu uma taça ao vencedor. Vale ainda destacar o maior placar anotado no campo da Vila Levy, qual seja, Inter 11 a 0 sobre o Palmeiras de Franca. Posteriormente, em 15 de setembro de 1962 (aniversário de 136 anos de Limeira) foi inaugurado o sistema de iluminação da Vila Levy. Contudo, em 1967, a Federação Paulista de Futebol apenas permitiu que estádios com capacidade de pelo menos 20.000 espectadores pudessem abrigar jogos da primeira divisão. Por esse motivo, a Vila Levy deixou de abrigar os jogos da Inter de Limeira, que apenas retornou suas atividades em 1975 com a construção do Limeirão. Tal fato foi alvo de grandes críticas por parte da imprensa local, que não se conformava que uma cidade com 50.000 habitantes e 500 indústrias não possuísse um campo capaz de abrigar jogos da primeira divisão. Mas essa é uma história para as fotos que seguem!

26


27


28


As prospecções pioneiras de Martinho Levy para exploração de petróleo na região de Limeira Artemio Bertholini

Cadeira 16 – Patrono Martinho Levy

Martinho Levy nasceu e faleceu em Limeira , nasceu em 17 de junho de 1892 e faleceu em um 1º de outubro de 1976, tendo aqui passado a maior parte de seus 84 anos de vida. Concluiu sua formação acadêmica no exterior, entre 1904 e 1914. Na Alemanha, estudou no Ginásio Superior Klinger Oberrealschule em Frankfurt e cursou as Academias de Minas de Freiberg, na Saxonia e de Herne, na Westfalia. Entre 1911 e 1912 estudou Ciências Gerais nos Estados Unidos da America (Minessota University ) e entre 1913 e 1914 estudou na Inglaterra na conceituada escola politécnica da Manchester University.

mineração, dando início às suas prospecções iniciais em nossa região. Investiu consideráveis recursos na aquisição de equipamentos para sondagens e na montagem da infraestrutura necessária para suporte das explorações, as quais tiveram início em 1925, focadas no Vale do Rio Corumbataí. Em suas explorações pioneiras Martinho Levy contou com a colaboração de alguns pesquisadores qualificados da época, dentre os quais os Drs. Rodolfo Hartman e Chester W. Washburne. Este último veio ao Brasil contratado originalmente pelo então Presidente do Estado de São Paulo, Dr. Julio Prestes e é o autor de uma obra considerada como referência na exploração petrolífera, denominada Petroleum Geology of The State of São Paulo, editada nos USA em 1930 e traduzida para o idioma português em 1939, pelo eminente geólogo Dr. Joviano Pacheco.

Retornou a Limeira em 1914, tão logo ocorreu a deflagração da primeira grande guerra. Com a expressiva expansão mundial da matriz energética baseada no uso do petróleo, Martinho Levy se interessou em aplicar seus conhecimentos em 29


As prospecções conduzidas por Martinho Levy se estenderam por vários anos e em diversos locais, cobrindo os municípios de Limeira, Rio Claro, Piracicaba, São Pedro e Corumbataí. A despeito de ter identificado alguns indícios promissores, suas prospecções foram infrutíferas para viabilizar uma exploração em escala comercial.

Parte substancial do acervo remanescente destas explorações, representado pelas tubulações e equipamentos de sondagem, foram mantidos, até os anos 1970, em galpões na antiga Chácara Medina, onde atualmente se localiza o Nosso Clube. As fotos ao lado documentam algumas passagens desta incrível aventura promovida por este grande visionário limeirense.

30


31


32


Casarão da Fazenda Tatu Eudoxia Silva Castro Quitério

Cadeira 04 – Patrono Dr. Trajano de Barros Camargo

O casarão da ‘Fazenda Tatu’ fez parte de minha vida! Com trinta e dois cômodos, sua varanda com vinte metros E uma mesa grande de cinco metros nela ficava Onde a família feliz que reunida se alimentava. Ele era de Benedita Batista Quitério Que como herança de seu pai Daniel Batista de Oliveira o recebeu E nele muitos anos viveu. Nessa varanda havia um armário embutido Pois a parede feita por escravos era grossa. Foi o primeiro que vi E desse pormenor nunca me esqueci. Dois pequenos quartos (alcovas) Com entrada na sala de visitas e dois na varanda 33


Eram para as donzelas Pois o contato com a parte externa não era para elas! Meu pai na fazenda trabalhou e nela meus irmãos nasceram Mas eu nasci na cidade, pois meus pais tinham mudado, E Manoel e D. Benedita Batista Quitério Para meus padrinhos foram convidados. Vinte anos depois com Miguel me casei Nora de meus padrinhos me tornei E no casarão da fazenda morei Até quando foi vendido, triste fiquei. Com novos donos, anos passando... E sem cuidados necessários Ele foi se deteriorando E duas de suas paredes desmoronaram! O casarão Patrimônio Municipal se tornou Suas paredes foram restauradas, a parte interna não. Dele temos esplendida visão Mas precisa de mais dedicação. Foi um dos mais importantes prédios da região Nele morava Manoel de Cunha Bastos Fundador de nossa Limeira em 15 de setembro de 1826 E nove anos depois assassinado morreu! Daniel Batista Oliveira deve ser lembrado com gratidão Pois para os trilhos da Estrada de Ferro Paulista ele cedeu a madeira E terrenos para a escola e capela perto da estação Como bom cidadão e vereador correto cumpriu sua missão.

34


35


36


Catedral Nossa Senhora das Dores

Cleonice Teresinha Mercuri Quitério Cadeira 36 - Patrono Ely de Almeida Campos

Ao entardecer, Envolta de luz estás. Obra divina Que Deus com a sua infinita sabedoria Nos mostra o grande Artista que é. Em tua paleta coloca cores vibrantes Mescladas com muito amor. O horizonte se transforma E, com largas pinceladas, Numa profusão de cores, Matizes amarelados, alaranjados e azulados Parecem incendiar o crepúsculo Com o fogo do Espírito Santo. Catedral Nossa Senhora das Dores 37


Em teu interior, Quanta paz! E no altar, Linda! Por anjos rodeada tu estás Para acolher as preces de teus filhos amados. Reprodução de obras de Michelangelo O teu teto ornamenta Com fragmentos das pinturas da Capela Sistina Nossos olhares atentos admiram E nos envolvem com a tua beleza. Ah! Nossa Senhora das Dores De Limeira és a nossa padroeira Mãe amada pelos filhos teus Que em tua Paróquia Recebe o povo de Deus. E ao nosso Pai Com Jesus Com Maria Temos que agradecer, Exaltando com alegria, A cada dia com um novo entardecer.

38


39


40


Doce Sabor Lizete Brugnaro Grolla Pittia

Cadeira 37 – Patrono Lázaro Duarte do Páteo

Laranjais... Verdes se perdem nos horizontes Brilhantes folhas Nas linhas oblíquas Do céu azul . No contar a história, Os pomares... As flores brancas... Imaculadas imagens! A chuva macia Acalma a terra Faz brotar a rama Laranjeira vira flor Os galhos se engalanam Enfeitam os laranjais Os pomares cantam... Canta a natureza O orvalho que cai As estrelas que nascem As horas que passam 41


O vento desliza nos campos O sol, a chuva A chuva e o sol E no andar do tempo, As frutas amadurecem Os alaranjados Abrem-se para o sol. É tempo de colheita Homens e mulheres colorem os campos Vestem-se de suor Colhem laranjas... Usam tesouras que ferem os galhos, Mas protegem as frutas E delicadamente, uma a uma, As frutas abarrotam as sacolas Das sacolas para os caminhões... Tudo é beneficiado Tudo é lavado, escovado Selecionado e embalado, Para ser vendido ou exportado Cheiro adocicado Sensível Morno Quase açucarado Laranja madura Na mesa vira suco Alimenta toda a gente Alimento saudável Que um dia foi rama Que o tempo fez flor Fez fruta, fez cor. E agora... é apenas sabor...

42


43


44


Entre tempo Liliane Elias

Cadeira 24 – Patrono Dr. Spencer Vampré

Nostalgia de outrora que tanta gente conta Subitamente pensando, vi pela Rua Trajano, uma grande homenagem ao Doutor. Ainda que fosse pouco, quando me surpreendi já estava na Rua Senador . Sem flor esparramada pelo chão e cheia de sons, em silêncio, ouvia ‘VIVA’ Vergueiro. E o pensamento que não parava e vagando pelo tempo, perguntei pelo Sr Barão, aquele de Campinas... E me disseram... Ele tem comércio central da cidade que, em uma de suas esquinas principais e Admirado com Luciano Esteves, De pé e bem brasileiro, verde amarelo, está o Banco do Brasil, nostalgia de veredas. Era a Antiga Casa Farani, história do século XIX, idos dos anos um mil e oitocentos. De romântica escultura arquitetônica Farani vinha pomposa recheada de armarinhos, tecidos, cereais, ferragens... Um colorido a perder de vista que fez o caminhar elegante de uma família com sonhos misturados com a vida, envoltos pelas mercadorias e 45


Sentimentos de esperança no encanto das palavras. Nossa! Novamente o pensamento. Quanta gente conheceu Farani e eu nem imaginava nascer! Ah nostalgia de outrora, o tempo não te abandonou. Entre o riso e a lágrima em contas de contar um conto Eis-me aqui, Limeira, cor de laranja, no espaço da aurora. Seja sol, seja lua, todos os dias entre ontem e amanhã. Farani fez sua história!

46


47


48


Grupo Escolar Coronel Flamínio Ferreira de Camargo Marcas no meu caminho Adriana Pessatte Azzolino

Cadeira 32 – Patrono Reynaldo Kuntz Busch

No Brasil da década de 1970, o componente ideológico era forte. O progresso vivido no Brasil daquele início dos anos 1970 ficou conhecido historicamente como “Milagre Econômico”. Nesse período se impunha o governo de Emílio Garrastazu Médici e já vigorava o Ato Institucional número 5 há quase 3 anos. Foi quando ingressei no primeiro grau, ou seja, no “primário”, denominação recorrente na época, no Grupo Escolar Coronel Flamínio Ferreira de Camargo.

dos alunos enfileirados. A escola era enorme e portentosa, uma construção em estilo neoclássico, pé direito altíssimo, escadaria central e com enormes janelas envidraçadas por onde passava a luz do sol. Essas janelas deixavam entrever os jardins externos muito bem planejados e cuidados com árvores altas e frondosas, bem à moda dos jardins romanos, configurados para exercerem o fascínio e a ordem (sic). Mas, ideologias à parte, sem dúvida era um ambiente que fazia sonhar e olhar para cima , aguçava meus sentidos e estimulava meu gosto pelas belas construções, grandes e imponentes, pensadas desde o mínimo detalhe, tudo com muita arte e muita expressão, temperadas à luz da razão. A construção impecável, com seus corredores centrais longos e largos, as salas de aula amplas e muito bem cuidadas, as carteiras fabricadas em excelente madeira com detalhes em ferro fundido que traziam as marcas

Como toda escola neste período a disciplina imperava e o culto aos símbolos nacionais era imperioso. As aulas aos sábados eram marcadas pelas cerimônias de culto à Bandeira Nacional e eu, sempre chamada para declamar uma poesia, que até hoje sei de coração, no palco principal da instituição que ficava no centro do pátio descoberto, para onde convergiam os olhares 49


da escola. E o relógio , ah, o relógio, por onde será que eles andam marcando o tempo? De novo, a Bandeira Nacional, marca de um estado onipresente.

teatro e ensaio das peças que encenávamos nas comemorações à pátria e, mais uma vez, eu subia no palco para saudar nossa bandeira, sempre aos sábados pela manhã.

Freqüentava as aulas de música da Dona. Selma e seu piano de parede, uma sala que ficava no fim do corredor do plano térreo, com uma porta em madeira entalhada, muito alta e com uma bandeira envidraçada, mais alta ainda, Eram os momentos de deleite, todo aquele ambiente me fazia aspirar para o encantamento, sem contar as aulas de

A memória é algo fantástico, tem a capacidade de nos surpreender de forma tão sutil, ou mesmo hostil, basta decidirmos a natureza das marcas que nos inspirarão no futuro. São as marcas do tempo em nossa memória, que traçam, invisivelmente, o nosso caminho.

50


51


52


Homenagem Maria Negro Lencione

Cadeira 13 – Patrono Prof. João de Souza Ferraz

Quem seria ela que me encantou tanto e me faz lembrala como símbolo do Amor, da generosidade, da doação e, e principalmente, da humildade. É também Aquela que Limeira ( os que conheceram) jamais esquecerá. Faz parte da nossa lista de pessoas que amadas, entra na nossa história, quietinha. Não, eu jamais deixaria passar esta oportunidade de coloca-la entre aqueles que souberam fazer de Limeira, uma cidade onde não podemos esquecer dos que tanto fizeram, anonimamente, nossa cultura. Não gostava de aparecer, seu lugar era a cozinha, de onde saiam apetitosos lanches e a alimentação das internas e de todos os que ali estavam. Quando cheguei em Limeira, estranhei muito, mas me dei muito bem com as internas de Americana, Araras, Leme. Essas alunas eram suas amigas. Contavam-lhe seus segredinhos e ela, e sempre compassiva aconselhava a todas. 53


Lembro-me das festas, quando ela fazia um sagu com frutas ( que ninguém faz igual ), do sanduiche de sardinhas com ovos bem amassadinho. E o pastel? Delicioso!...Ela nasceu para espalhar o Amor de Maria nossa Mãe S.S e para doarse, através daquela comida sempre gostosa. Quantos iam ao portão do lado e eram alimentados por ela. Uma interna me revelou que aprendeu a orar e a ser cristã, com ela. O tempinho que podia descansar, era orando o terço com as meninas. As vezes as internas tinham vontade de comer doces de confeitaria do seu Savoy, aos domingos, quando não iam para suas casas. Ela as levava para comprarem os doces inigualáveis, que paciência!... Depois que acabou o internato ela continuou na cozinha e olhando as crianças, na hora do recreio. Para todos dava muito carinho e os encaminhava para a oração. Possuia um menino Jesus, lindo, que cabia nas suas mãos e quando desejava receber alguma graça, ela orava e esfregava com fé essa pequenina imagem de madeira. No dia de minhas bodas de ouro, mandou-me por uma pessoa , de presente. Isto mais uma vez veio provar a sua generosidade e carinho. Era aquela amiga verdadeira! Falávamos no portão do lado de minha casa: contava-lhe meu problemas e pedia que rezasse muito por mim. Quem seria esta que mereceu ter o nome certo? De acordo: era bondosa, generosa: Irmã Maria Benígna, que tanta gente educou e deve figurar entre as pessoas que ajudaram na cultura de Limeira. Saudades muitas, minha querida.

54


55


56


Imortalidade Camilo Martins

Cadeira 39 – Patrono Cel. Flamínio Ferreira de Camargo

I Verdes louros de lembranças eternas, Nas vias, nas praças, nos corações... Vidas simples, mas sempre ternas, Dignas todas, das boas recordações! Combatentes, valorosos, vão aos mil, Pela honra e glória do nosso Brasil! Admirados pelos seus nobres ideais, Todos têm seus nomes nos umbrais! E na história da querida Limeira, Em meio à Praça Toledo de Barros, O obelisco, junto à gruta, na ladeira!

57


Refletindo nas vidraças e nos carros... Todo orgulho de mostrar uma verdade, Os valentes merecem a imortalidade!

II E foi ali, em homenagem ao centenário, Da independência grandiosa do Brasil, Nesse lindo, verde e garboso cenário... Com um céu bem Brasileiro, azul anil, Erguendo ao alto a nossa estrela maior, Que se erigiu, nos cem anos de Limeira, Com flores bem coloridas ao seu redor... Monumento que aponta ao céu! Clareira, Que abriu o grande combatente, Jesus... Para receber todos os heróis em sua luz! Que todos nós nos espelhemos num homem, Como este, que deu sua vida em combate... Ser que os vermes da terra não consomem, E nem o tempo, e nem a eternidade o abate.

58


59


60


Instituto Superior de Ciências Aplicadas Guiomar Rita Confort Castilho Cadeira 20 – Patrono José Justino Castilho

Possivelmente a maioria dos limeirenses reconhece que o Instituto Superior de Ciências Aplicadas conquistou, ao longo dos anos, grande avanço no campo do ensino superior, considerando a confiabilidade dos que tem a oportunidade de serem graduados em qualquer um dos cursos que oferece, porém são muitos os que desconhecem fatos que marcaram a sua história, razão pela qual, oportuno é serem lembrados e gravados para que não sejam esquecidos. A Associação Limeirense de Educação, criada em 1968 por nobres cidadãos da cidade, decidiu em 20 de maio de 1970 fundar o Instituto Superior de Ciências Aplicadas – ISCA - sendo inúmeros os obstáculos que deveriam ser vencidos para o início de suas atividades, principalmente o fato de não dispor de instalações para receber os alunos interessados. Porém, o empenho de seus idealizadores foi incansável, e através de vários entendimentos a instituição foi implantada nas instalações do Colégio São José, sendo seu corpo docente composto por renomados professores, muitos dos quais, vindo de outras localidades.

61


Para sua implantação foi marcante a colaboração do Deputado Salvador Julianelli, que conhecendo a vasta experiência acadêmica do Professor José Justino Castilho, o convidou para que assumisse o cargo de primeiro Diretor, que também pronunciou a aula inaugural, tornando em realidade o sonho por muitos acalentados. Para maior incentivo, o Instituto Superior de Ciências Aplicadas recebeu da Família Bassinelo, uma área de 110.000 metros quadrados, localizada na Rodovia Limeira Piracicaba, local onde, posteriormente,foi construído o campus universitário, com seu primeiro pavilhão, projetado pelo Professor Justino, desde então, nada impediu o seu crescimento. Atualmente, após decorridos muitos anos, o Instituto Superior de Ciências Aplicadas. ainda é reconhecido como uma das melhores Instituições de ensino superior, sendo seus alunos oriundos de diversas cidades da região. Destacou-se por oferecer cursos de graduação tidos como pioneiros no interior paulista, notando que os primeiros a serem ministrados foram Administração de Empresas, Serviço Social, Ciência Social, Ciências Contábeis e Ciências Econômicas. Porém não se limitou somente a estas matérias sendo, anos depois, oferecidos os cursos de Geografia, Direito, Engenharia de Produção Elétrica, Engenharia Ambiental e Química, somando-se a estes os cursos de Pós-graduação Lato Senso, como Psicopedagogia, Gestão de Marketing, Gestão de Pessoal, Direito Tributário, Gestão Ambiental, Política Pública bem como Contadoria e Gestão de Empresa.

62


NOVO COLÉGIO ACADÊMICO LMEIRENSE Em 1980, sabia-se que era grande o número de alunos que saiam de Limeira para outras cidades a busca de ensino médio mais avançado para serem preparados ao vestibular. Para mudar essa realidade e com o propósito de também nessa modalidade oferecer aos jovens ensino mais elevado, o Professor Justino, já no terceiro mandato como diretor do Instituto Superior de Ciências Aplicadas, idealizou a implantação do segundo grau, convidando professores conhecidos como os mais experientes de nossa cidade para formar o corpo docente, o que seria mais um grande passo para a valorização de Limeira na área do ensino. De início foi muito o descrédito nesse sentido, porém o entusiasmo do professor Justino e a certeza de que seria possível implantar o colégio no campus, contagiou os professores que abraçaram o mesmo ideal para ganharem a confiança dos alunos. Desta forma, em 1980 foi formada a primeira turma com quarenta cinco alunos que provaram a capacidade adquirida, o que despertou o interesse de outros jovens aumentando a cada ano o corpo discente, motivo maior engrandecimento de nossa cidade. Por outro lado, se a Faculdade e o Colégio haviam se tornado realidade, porque não possibilitar também a implantação do “pré-primário...” Entretanto, convém ser notado, que outros estabelecimentos de ensino de alto nível, superior e de segundo grau, foram instalados em nossa cidade, porém, a implantação do Instituto Superior de Ciências Aplicadas foi a alavanca que impulsionou Limeira para que se projetasse no cenário do ensino, tornando-se conhecida como uma das cidades que oferecem melhores condições para na preparação de jovens na conquista de seus objetivos profissionais.

63


64


Lar sem preço Jurandir Godoi Vitta

Cadeira 23 - Patrono Ciro Costa

Sempre que ando pela calçada estreita do viaduto Jânio Quadros, do lado do casario que leva à igreja São Sebastião, na rua 25 de Março, na Boa Vista, antes dirijo meu olhar lá para cima à direita e vejo com nostalgia os casarões da antiga Companhia Paulista de Estrada de Ferro, de paredes altas e maltratadas pelo tempo, amareladas, e, logo em seguida, este mesmo olhar se volta para baixo, à esquerda, e percorre o local em que ficava a residência dos Lopes, a de Sebastião Ramalho (meu tio), já falecido, e a do Rui Camargo, um primo (famoso atleta de maratona), por onde passa agora a via marginal. Súbito, paro. Envolvome num panorama de recordações que se cruzam no meu cérebro.

dos Reis – irmã de mamãe Lázara – e esposa de Sebastião Ramalho, na convivência de cujos filhos eu fiquei por alguns meses, em 1959, para poder estudar no então Grupo Escolar Leovegildo Chagas Santos, não muito longe dali. E esses meus primos inesquecíveis são: Geraldo (o Elegante), Israel (o Inventor), Raquel (a Sonhadora), Sara (Punhos de Aço), Isaías (o Acrobata). Miriam e Edson viriam alguns anos depois.

Pois bem, naquele ponto, em que ficava o nº 39, era o antigo lar de minha tia Augusta Godoi

No interior da casa, Raquel e Sara brincavam de bonecas e de fazer comidinha. Os demais

Minhas recordações percorrem o interior da habitação, bem como o mundinho lá fora, como o gramado em frente aos casarões da Companhia, no qual jogávamos “futebor”. E o barulho acalentador dos trens à noite.

65


corrente me conduziu a uma posição em que não havia pé, ia engolindo líquido e os olhos abertos a vislumbrarem coisas asquerosas a me roçarem o corpo magrinho. O Rael esgoelava por socorro. Felizmente o próprio curso fluvial se encarregou de pôr-me a salvo sobre uma pedra chapada, junto à margem. E saí puxado pela mão do companheiro.

brincavam no corredor ou na rua. Titia cuidava de tudo, numa azáfama sem descanso e elaborava deliciosas empadinhas de palmito, frango e camarão destinados à freguesia, ao mesmo tempo que cantava hinos de louvor ao Senhor, numa voz linda de médio soprano. Já o tio Tião, homem empertigado e risonho, bigode bem cuidado, cabelo à Kirk Douglas, trabalhava numa fábrica de geléia de mocotó.

A construção do viaduto Jânio Quadros, naquele ano, ainda estava em seus primórdios. A alternativa mais próxima para ir ao centro da cidade era a famosa passarela de escadas (Ponte dos Suspiros) a três quarteirões dali, que tinha, como uma das opções, a rua Senador Vergueiro, no outro lado.

No fundo do quintal, no rancho, a cabra Bitona ou Bita era ordenhada pelo Raer (Israel), ou pelo Gerrá (Geraldo). Para o estimado animal eu e o Israel margeávamos perigosamente o ribeirão Tatu em busca de capim, portando uma cortadeira circular afiada, todos os dias. Era um puro prazer infantil.

A verdadeira tragédia, de fato, é a ausência frustrante do lar daquela família, atropelado pelas máquinas da prefeitura sob um valor venal deprimente.

E o famoso ribeirão Tatu? Hum! Peço licença para contar: Certa manhã, eu e o primo, o Inventor, resolvemos ir nadar ali perto a duzentos metros. A poluição das águas e o perigo destas não nos detiveram a decisão, que culminou quase numa tragédia. Eu tomara a iniciativa de imergir. A

O padrão de vida da família jamais seria o mesmo, ainda que singelo. Apenas ficaram as reminiscências deste quinhão tão caro do bairro da Boa Vista.

66


67


Limeira Clube Zenaide Elias

Cadeira 15 – Patronesse Cecília Quados

Em nobres corações palpita O ardente desejo, buscar Novos sentidos para a vida, Vida nova sentir vibrar.

Em seus recantos, mil encantos, Graças fluem, perfumando o ar; A amizade, em alegres passos, Rege o cadenciado voar.

Voar em V!... Voar em V, Dando ao vôo sustentação; É natural da natureza Alcançar forças na união.

Limeira Clube, seus recantos, Mil encantos, milhões de estórias Sobrevoam o campo Saudade, Avivando ricas memórias.

Limeira Clube, coração carregado de corações Sempre abertos para receber Preciosas cargas de emoções.

Limeira Clube, vôo preciso, No qual, feliz embarcarei; Em meio à tantas alegrias, Minha alegria somarei.

68


69


70


Lutas, labutas e sonhos Lizete Brugnaro Grolla Pittia

Cadeira 37 – Patrono Lázaro Duarte do Páteo

Uma foto Que o tempo amarelou Lembranças despertou Para trás muita coisa ficou: Lutas , labutas e sonhos Roupa de domingo Terno bem passado, engomado Chapéu sobre a brilhantina Suspensório bem colocado Vestidos estampados Enfeites nos cabelos encaracolados O cinto marca a cintura A saia rodada é godê guarda-chuva

71


O sorriso é tímido O olhar encantado... Meninos descalços Em roupa limpa Bem tratada Sorriem para a festa Esperam o presente Que é para a família Doce, bolacha , torrone Enfim é Natal. As cestas são de bambu Feitas a mão Todas trançadas Entrelaçadas... Habilmente confeccionadas Recheiam os sonhos E a curiosidade dos meninos. O sol é forte O dia é lindo Há alegria no ar... ...Há agradecimento Em cada olhar...

72


73


74


O Colégio São José de Limeira: uma arte interdisciplinar da fé e da matéria humana Dirce Pereira do Prado

Cadeira 40 – Patrono Pe. Mauricio Sebastião Ferreira

O ser humano em suas reflexões torna-se ousado ao adentrar-se no Tabernáculo Santo do conhecimento e construir a sua identidade social. Neste sentido, a dimensão do processo educativo em construir princípios cívicos e religiosos as Irmãs Dominicanas abrem as portas deste Tabernáculo para o povo limeirense. Regida pela religiosidade, as irmãs Dominicanas asseguram-se o povo limeirense à existência com Deus numa nova escuta educativa, em que o conhecimento e a educação (re) ligam o homem ao amor espiritual, e desenvolve um ato fraternal ao povo, oferecendo-lhe um alicerce seguro de conhecimento e de existência ativa do processo de ensino e da aprendizagem educativa. Sempre convictas em servir a Deus fazendo o bem nas suas trajetórias em diferentes tempos sem perder a essência divina, as irmãs compartilham diversas realidades educacionais e sociais em ações comprometidas com a formação integral do

cidadão tendo como missão que “Educar é formar o espírito, o coração e a inteligência”. Em 1921, a pedido do Bispo de Campinas, Dom Francisco de Campos Barreto, a irmã Maria de Santos Inocêncio Lima deu inicio a Fundação do Colégio São José, em Limeira, sendo inaugurado com doze alunas externas e nove internas. Como na parábola do semeador em que as sementes colocadas em boa terra prosperam (Mateus, cap. 13, 1 a 9) profícuo para Limeira e região o Colégio São José cresceu com a oferta de cursos e procura criar atividades educativas e culturais nos princípios da evangelização em Cristo. Assim, aproximo-me a Paulo Freire, que o aprender identifica o homem, e como educadora estou a aprender com essas irmãs, junto ao laço de amizade, em especial da querida irmã Wildes dos Santos Assis. 75


76


“O tempo tudo destrói” Acorda Limeira! Maria Agnes Simoni Lucato

Cadeira 34 – Patronesse Irmã Maria Gertrudes C. Rebello

Era isso que meu coração gritava quando via aquele monumento histórico ser invadido e destruído. Por um olhar mais crítico é que meu coração ansiava. Submetida, de um modo geral, às intervenções e movimentos de determinados segmentos da sociedade minha voz se calava. Como seria o amanhã? Como poderíamos mostrar aos nossos netos um pouco da nossa cidade, da nossa história, suas casas, construções que serviram de lugar de trabalho e moradia a pessoas que muito fizeram para erguer nossa pequena cidade. “Uma cidade sem memória não tem autonomia.” Onde ficaria guardado aquele momento de alegria quando a menina se dirigia a passear pela calçada com sua mãe? Tantas vezes passavam por ali e ansiosa, segurava nas grades apoiada pelas mãos carinhosas da mãe para ver os peixinhos vermelhos nadando no lago. Não era permitido ao guarda deixar ninguém entrar. Sempre atento, de boné e uniforme, cuidava para que ninguém entrasse pelo portão e ao dizer não, balançava a cabeça e sorria simplesmente. O passeio continuava até ao sítio das jabuticabeiras carregadas das saborosas frutas pretinhas e brilhantes. Com a cesta de taquarinha repleta de jabuticabas, 77


cobertas por galhos e folhas, voltavam felizes em direção à cidade. A volta era esperada com alegria ao passar pela fábrica de tijolinhos vermelhos para ver um macaquinho serelepe com olhos curiosos que pulava para o braço do guarda esperando que lhe dessem alguma coisa para comer. Estendendo as mãos por entre as grades comia as frutas que lhe davam, pedindo mais e mais. Era divertido ficar olhando. Como é que ele sabia que não podia engolir os caroços? Mas ao ver madeira e tijolo sendo retirado do local, meu coração triste pedia por solução. Não ficará nenhum tijolinho vermelho para marcar o lugar? Daquilo que era um pouco ficou como marco para me fazer sempre lembrar o meu tempo de criança.

78


79


80


Paço Municipal Da rua Barão de Cascalho ao Edifício Prada Simone de Cássia Portela Barbosa Cadeira 28 – Patrono Sebastião Fumagalli

O paço Municipal foi da rua Barão de Cascalho, à rua Dr. Trajano, para à avenida Dr. Lauro Corrêa da Silva e chegando ao Edifício Prada, estarei fazendo um breve relato de fatos importantes e históricos que ocorreram durante esse trajeto. A atual sede da Prefeitura municipal de Limeira iniciou sua construção no ano de 1937 e foi inaugurada em 1939.

Com apenas 6 anos de trabalho ou seja, em 1901 tornou-se gerente e sócio da empresa “José Prada / Irmão e Companhia”. Interessantemente em 1906 ele compra a casa do médico Cândido Camargo que estava de transferência para São Paulo, esta casa localizada na Barão de Cascalho mais tarde também foi sede do Paço Municipal a partir de 1911.

Esse patrimônio histórico da cidade de Limeira foi fruto de uma longa história iniciada em 1898, quando com apenas 13 anos chega a Limeira Agostinho Prada – nascido em 02 de abril de 1885, era o filho caçula de Guisepe Prada e Ana Baitella, advindo de Madrano Província de Trento. Veio a Limeira para trabalhar no armazém em que seu irmão era sócio proprietário “Maxiliano Prada e Companhia” conhecida como Casa Prada.

Com seu espírito empreendedor, Agostinho em 1907 inicia a empresa de chapéus no fundo de sua casa na rua Barão Cascalho, iniciada com apenas 30 funcionários. É merecidamente conhecido como um dos precursores da indústria limeirense. A empresa de chapéus Prada instala-se em São Paulo, depois da aquisição de sua congênere, chapéus Fontana, retorna a Limeira. Em 1937 iniciou-se a construção do prédio onde hoje, 2013, 81


(a primeira do gênero na cidade e que na época era provida com recursos da fundação Prada. Agostinho Prada ainda doou uma parte do terreno de sua indústria para o Cemitério. Esses fatos foram aqui lembrados, para que pudéssemos compreender os acontecimentos e a dimensão da importância da empresa e suas instalações para a cidade. Em 1975 morre aos 89 anos Agostinho Prada na Fazenda Santa Rita do Passo Quatro onde vivia.

funciona o Paço Municipal. Em 1939 é inaugurada a nova instalação para a indústria de chapéus que chega a ter 1500 funcionários. Por sua aprimorada qualidade conseguia atender a encomendas especiais para a tv Globo, as peças foram utilizadas pelos atores de “Terra Nostra”, “O cravo e a Rosa”, “Os Maias” e “Esperança”. A empresa de chapéus Prada também foi palco de muitas outras histórias, para os limeirenses e patrícios como Henrique Savoi que por seu espírito administrativo, desenvolve a preocupação principal com a qualidade de vida, tornando a Cia Prada um exemplo. Criou o clube dos funcionários Prada no “Bosque” com salão de festas, tela para a projeção de filmes, pensando no lazer dos funcionários, sob sua orientação ainda foram criadas a “Cooperativa de Alimentos Prada” que atendia os funcionários fornecendo os produtos alimentícios a menor preço. Incentivando a participação nos torneios esportivos “1º. de maio” disputado entre as indústrias de Limeira, as competições ocorriam no Estádio Prada atual Estádio Comendador Agostinho Prada. Em 1944 é criada a fundação Prada, em 1947 o grupo escolar Prada de fronte a indústria e que posteriormente foi doado ao município, em 1949 termina a construção da modelar creche “ Dona Clélia Prada”

A Cia Prada indústria e comércio ainda funcionou sob administração de seus herdeiros até junho de 2000, mas já vinha acumulando prejuízos nos últimos 10 anos, devido a queda violenta no consumo do uso de chapéus resultando no acúmulo de um montante de 9 milhões de endividamento e a dispensa de 330 trabalhadores. Então Marco Prada neto do comendador Agostinho resolveu adquirir os maquinários dessa indústria familiar e transferi-los para avenida Major José Levy Sobrinho, na entrada principal da cidade onde funciona até hoje a “Pralana” O prédio da antiga Prada foi adquirida pelo prefeito em exercício José Carlos Pejon em 2003, onde até hoje se encontra.

82


83


84


Praça Toledo Barros Maria Eloisa Gonçalves de Oliveira Rossi Cadeira12 – Patrono Agostinho Prada

Gruta de pedras se faz,a Gruta da Paz! Obra de Ettore Monti... Crianças sempre correndo, em brincadeiras sem fim, brinca criança,corre ,aproveite o jardim! Logo abaixo o Obelisco, marco da paz na terra, homenagem do homem,ao final de uma guerra! Imponente , mais acima,o nosso teatro se faz, foi teatro, de cinema foi Vitória, fração de uma história ,agora... “Teatro da Paz”.

Mãos que aplaudem,no coreto a banda... Matinês aos domingos, encontros celebrando a música ,a graça, lá no meio da Praça... Brisa suave vem com o vento, umedecendo meu rosto, que gosto! Em meio ao verde que verte, no centro de nossa Limeira, ninguém colocou ali ,laranjeira! Mãos que aplaudem,a revoada de aves, num vem e vão, promovendo emoção!

85


86


Santa Casa de Misericórdia de Limeira Maria Arlinda da Silva “Linda Balieiro” Cadeira 38 - Patronesse Minerva Jorge Gabriel Santi

Caminhando entre os corredores desse hospital posso sentir a energia que vibra em meus sentimentos, que no desembrulhar do pergaminho do passado revivo alguns momentos, momentos que considero importantíssimos para a história desta nave mãe que é a Santa Casa de Misericórdia Limeira. Muitas vezes, nos sentimos impotentes diante de tantos sofrimentos e gemidos intermitentes. Acreditem, limpem a poeira da fumaça que sufoca, da nuvem negra que muitas vezes nos desafiam impedindo-nos de reagir e irmos a luta. Esta casa acolheu os irmãos solidários, que comprometidos com a sociedade assumiram a missão de improvisar um hospital nos períodos de 1882 a 1885, quando uma epidemia assolava nosso município e outras cidades do Estado de São Paulo, pessoas com febre amarela, bexiga e varíola, todos acolhidos, sem distinção. Abrindo suas portas a Confraria da Igreja Boa Morte, com o objetivo de salvar vidas, também assim o fez. No ano de 1895, o Coronel Antonio Mariano da Silva Gordinho assumiu a missão de gerenciar um hospital sem fins lucrativos que construíram, nas 87


imediações da Rua Visconde do Rio Branco, onde hoje se encontra o Edifício Parque Imperial. O prédio em que a atual Santa Casa foi projetada, na Vila Claudia no ano de 1974 sob a provedoria de Antonio Simoni ,cresceu tanto que ficou pequena para tantos filhos, precisando assim ser ampliado.O atual prédio integra, ainda, as instalações do Sistema Único de Saúde, o SUS. Abrangendo, ainda, outros municípios. Faz parte, ainda, deste corpo, o Hospital Frei Galvão onde muitos dos seus profissionais se destacam como grandes mestres. Credenciado pelo MEC em 2004 como Hospital de Ensino, a Santa Casa de Misericórdia de Limeira se expandiu para outras áreas: Ginecologia, Obstetrícia, Radiologia, Clinica Médica, Hemodiálise, Banco de Leite, UTI Neonatal, Alto Risco e outros. A grandiosidade desta instituição é o bem estar dos pacientes, dos futuros profissionais da saúde, colaboradores, voluntários, estagiários e internos dentro da ética e da responsabilidade social, sempre na busca da excelência em humanização e respeito à vida.

Agradecimentos ao Dr. Demian Chanquette pelas informações Foto: Nelson Petto (arquivo pessoal)

88


89


90


Trajetória de sucesso* *resgate textual de Valdir Salviatti

Carlos Alberto Fiore

Cadeira 02 - Patrono Valdir Salviatti

A Corporação Musical Arthur Giambelli foi fundada em 06 de junho de 1932, às vésperas da Revolução Constitucionalista, com o nome de “Frente Única”. A vida musical da filarmônica limeirense tem se constituído num ciclo de ascensional de conquistas em favor da arte dos sons organizados. Vencedora do “Grande Concurso de Bandas do IV Centenário de São Paulo”, conquistou também o primeiro prêmio em outros importantes certames (estadual e nacional), salientando-se entre eles, os comemorativos do Primeiro Centenário de são Carlos; Sesquicentenário de Casa Branca; Convenção Nacional de Lions Clube do Brasil; Rádio Record de São Paulo; Primeiro Centenário de Santa Bárbara D’Oeste e outros, contando-se ainda entre seus lauréis, o “Troféu da Constituição” (por sua participação na Revolução de 1932); Prêmio “Cidade de Limeira” (conferido por lei municipal); Prêmio “Bom Gosto” da Festa da Laranja (Limeira);

Busto de Carlos Gomes (por sua participação na Semana de Carlos Gomes, em Campinas); “Troféu Criança” (conferido pelas crianças de Limeira); Prêmio Especial do Projeto “Vamos Bagunçar o Coreto”, da Secretaria de Turismo do Estado de São Paulo (dois anos consecutivos), de que participou como “hors concours”; Medalha do Mérito Artístico (conferido pela Prefeitura Municipal de Limeira); Diploma de Gratidão da Cidade de Limeira e Medalha do Mérito Cívico, 15 Setembro – Ordem Tatuibi, pela Câmara Municipal de Limeira; Slogan “Um diamante no coração de Limeira”, em seu aniversário de 75 anos, pelo então secretário da Cultura, Farid Zaine, além de mais de uma centena de troféus e títulos honoríficos obtidos em decorrência de suas sucessivas exibições artísticas em cidades do interior e capitais brasileiras. Do Governo do Estado de São Paulo, recebeu o título de “A Banda 91


das Diretas” por sua participação no movimento em favor de restabelecimento das eleições diretas do país; homenageada com o título de Expressão Regional nas suas edições IV – 2004 e VII 2007. Pioneira entre as congêneres na gravação de longplays, lançou no mercado fonográfico, através das gravadoras Odeon e Walbidisc, os seguintes discos,

que lhe valeram honrosas posições nas paradas de sucesso: “A Banda de Lá”; “A Banda Voltou”; “São Paulo Quatrocentão”; “Marchas, Dobrados e Polcas”; “Música, a Suprema Embaixatriz” e “Alma Sonora de Limeira”, todos com edições esgotadas. Em 2006 lançou o compact disc (CD) Embaixatriz Sonora de Limeira.

Texto de Valdir Salviatti – (1946 – 1991) ,atualizado em 201 por Aderley José Negrucci e Carlos Alberto Fiore

92


93


FOTO

94


UMA ESQUINA, UM CASARÃO* *Poema dedicado ao Espaço Cultural Engep

José Farid Zaine

Cadeira 08 – Patronesse Maria Paulina Rodrigues Provinciatto

Uma esquina, um casarão, Janelas como olhos Testemunhando o tempo que corre... A memória impregnada nas paredes Recompõe histórias Guardadas em suas redes. Ficaram ali em suas telhas, Seus tijolos e madeiras, As vibrações das carroças, O trote dos cavalos puxando charretes, Depois os motores, cada vez mais potentes... O roçar dos vestidos nas pedras Ficando cada vez mais distante, E cada vez mais à mostra As curvas e as pernas das donzelas...

95


Janelas como olhos Assistindo às procissões, A fé desfilando nos andores Nas velas acesas, Nos véus e nas flores... ...e às emoções dos casamentos suntuosos, dos beijos de amor dos casais, das lágrimas de despedida em sofridos funerais! E, por dentro, O branco e preto das fotografias Na implacável máquina do tempo Virando alucinadas telas coloridas... Ali, em pé, um casarão numa esquina Resiste bravamente Enquanto se sucedem reis e imperadores, Papas, presidentes, Tempos de paz e tempos de guerra, Com bandas que tocam alegremente À sombra de esguios edifícios Que sobem encobrindo a terra... O casarão de olhos sempre abertos Ganha um sopro de vida nova Num século que ainda amanhece: Recomposto, restaurado, Reerguido pelo amor à sua memória E à história de uma cidade inteira, Ele recebe outra vez a sua alma Como se ali se aninhasse, agora para sempre, O coração agradecido de Limeira! 96


97


Adriana Aparecida Pessatte Azzolino

Cleonice Teresinha Mercuri Quitério

Cadeira 32

Cadeira 36

Patrono: Reynaldo Kuntz Bush Professora, Escritora e Pesquisadora Unicamp.

Patrono: Ely de Almeida Campos Professora, Poeta e Artista Plástica.

Alquermes Valvassori

Dirce Pereira do Prado

Cadeira 30

Cadeira 40

Patrono: Dom Idílio José Soares Sacerdote e Escritor.

Patrono: Maurício Sebastião Ferreira Professora e Escritora.

Artemio Bertholini

Elaine Aparecida Dias

Cadeira 16

Cadeira 18

Patrono: Martinho Levy Contador, Auditor e Escritor.

Patronesse: Maria Thereza Silveira de Barros Camargo Consultora, Professora, Artista Plástica, Poeta e Escritora.

Carlos Alberto Fiore

Eudóxia Silva Castro Quitério

Cadeira 2

Cadeira 4

Patrono: Valdir Salviati Jornalista, Poeta e Músico.

Patrono: Dr. Trajano de Barros Camargo Professora e Poetiza.

Carlos Eduardo Pompeu

Fernando Benedicto Nogueira Guimarães

Cadeira 17

Patrono: Vitório Bortolan Filho Engenheiro Civil, Poeta e Escritor.

Cadeira 5

Patronesse: Benedicta Aracy Nogueira Guimarães Advogado, Poeta, Escritor e Técnico em Contabilidade.

• 98


Francisco Alves da Silva

José Joaquim Fernandes Raposo Filho

Cadeira 6

Cadeira 21

Patrono: Célio Sampaio Silva Escritor, Poeta, Psicólogo Clínico e Ciências Jurídicas.

Patrono: Dr.Waldemar Mattos Silveira Médico e Escritor.

Guiomar Rita Confort Castilho Cadeira 20

José Renato Rocco Roland Gomes

Patrono: José Justino Castilho Advogada e Poeta.

Cadeira 25

Patrono: Waldemar Lucato Procurador do Estado e Escritor.

Hamilton Fernando Castardo Cadeira

Jurandir Bernardes Pereira

Patrono: Professor, Administrador de Empresa, Advogado e Escritor.

Cadeira 9

Patrono: Dr. José Marciliano da Costa Junior Contabilista, Economista e Escritor.

Jair Tadeu Gonçalves de Oliveira

Jurandir Godoi Vitta

Cadeira 22

Cadeira 23

Patrono: Antonio Prince Rodrigues. Médico endocrinologista e Escritor.

Patrono: Ciro Costa Professor, Escritor e Poeta.

João Augusto Cardoso

Lizete Brugnaro Grolla Pittia

Cadeira 7

Cadeira 37

Patrono: Victorino Prata Castelo Branco Professor de Ensino Superior, Advogado, Escritor e Poeta.

Patrono: Lázaro Duarte do Páteo. Professora, Artista Plástica e Escritora.

Liliane Elias

João Renato Alves Pereira

Cadeira 24

cadeira 19

Patrono: Dr. Spencer Vampré Advogada, Professora, Procuradora e Poeta.

Patrono: Mestre e Professor.

Loide Rita Pizani da Silva

José Farid Zaine

Cadeira 33

Cadeira 8

Patrono: Prof. Nestor Martins Lino Professora e Escritora.

Patrono: Maria Paulina Rodrigues Provinciatto Professor, Diretor de teatro, Ator, Poeta, Escritor e Vereador.

• 99


Maria Agnes Simoni Lucato

Roberto Ribeiro De Luca

Cadeira 34

Cadeira 26

Patronesse: Irmã Maria Gertrudes C. Rebello Professora, Pianista, Artista Plástica e Escritora.

Patrono: Otávio Lopes Castello Branco Advogado, Delegado, Pesquisador de História e Escritor.

Maria Arlinda da Silva

Sílvio Félix da Silva

Cadeira 38.

Cadeira 27

Patronesse: Minerva Jorge Gabriel Santi Técnica em Cosmectologia e Estética Capilar e Poeta.

Patrono: Jornalista Osmar Cassarotti Produtor Rural, Administrador, Prefeito e Escritor.

Maria Eloísa Gonçalves de Oliveira Rossi

Simone de Cássia Portela Barbosa

Cadeira 12

Cadeira 28

Patrono: Agostinho Prada Professora, Escritora, Poeta, Artista Plástica e Pesquisadora do Folclore Nacional.

Patrono: Prof. Sebastião Fumagalli Professora, Escritora e Poeta.

Wagner Fróes de Moraes

Maria Negro Lencioni

Cadeira 29

Cadeira 13

Patrono: Dr. Virgílio Pires de Camargo Albuquerque Especialista em Marketing, Professor e Escritor.

Patrono: Prof. João de Sousa Ferraz Professora e Escritora.

Zenaide Elias

Camilo Martins Neto

Cadeira 15

Cadeira 39

Patronesse: Cecília Quadros Poeta •

Patrono: Cel. Flamínio Ferreira de Camargo Pastor e Poeta.

100


Academia Limeirense de Letras Conhe莽a a nossa Hist贸ria acesse

www.alle.org.br

101


102


103


104


105


106


Livro ALLE Aprovação