Page 1

www.vigiai.net

Informativo de Missões Ano 01 - Edição 04

O Rio de Janeiro continua lindo... e cada vez mais evangélico! Alvaro Luciano Ribeiro Caetano (foto) Ninguém foi escolhido para não ir.

Batistas Cariocas em estado de graça e de desafios

Pr. Álvaro Luciano Ribeiro Caetano:

“Todos são escolhidos para cumprir a missão.”

IGREJA BATISTA DOS MARES: 94 ANOS TESTEMUNHANDO DE CRISTO


Seja nosso parceiro!!

Horizontes América Latina

Os missionários da Missão Horizontes precisam ir e cumprir o chamado. Precisam de você e de sua igreja! A Causa necessita. O povo está sedento. Entrem em contato já com o Pr David Botelho, Diretor Executivo da Missão e Membro da PIB Santo André-SP através do e-mail: david@mhorizontes.org.br ou pelo telefone (35) 3438-1546

MISSIONÁRIOS BATISTAS PRONTOS PARA JANELA 10/40!

Custo de cada um: 2 salários mínimos

Luana Aparecida Ramos, 25 anos, 2a. Igreja Batista de

Mauá-SP.

Ronan Ferreira da Silva, 22 anos, 2a. Igreja Batista de Mauá-SP

Juliana Marinheiro Dias, 24 anos, 2a. Igreja Batista de Mauá-SP

Sueli Eler da Silva, 44 anos, 2a. Igreja Batista de Ji-Paraná-RO.

Driellen Cristina de Bessa, 26 anos, 2a. Igreja Batista de Mauá-SP.

Nilton Soares Scala Junior, 23 anos, 2a. Igreja Batista de Mauá-SP.

Raquel de Carvalho, 36 anos, 2a. igreja Batista de Ji-ParanáRO.

André Dyhêgo dos Santos, 24 anos, 2a. Igreja Batista de Mauá-SP.


Expediente

Sumário Igreja em Destaque ___________________

INFORMATIVO VIGIAI Ano I – Número 04 O informativo que transpira missões O informativo que respira missões O informativo que informa missões O informativo que vive missões DIREÇÃO Vital Sousa (Jornalista - Mtb 63.588-SP) Textos e fotos: Vital Sousa

10 - PIB em Vila Formosa realiza batismos e recebe novos membros

Capa

11 - PIB em Vila Formosa recebe missionários americanos e Congresso da Juventude da Abamsul 12 - UMA IGREJA QUE FAZ: Primeira Igreja Batista em Santa Cruz, Rio de Janeiro-RJ 22 - Igreja Batista em Parque do Carmo, São Paulo, capital, realizou o I Congresso IDP

JORNALISTA RESPONSÁVEL Fabiano Sousa (Jornalista - Mtb 65.300-SP) Diagramação, Projeto Gráfico e Foto Correspondências Redação: Rua Edgard Pereira Viana, 140 Cataguá – Taubaté-SP – CEP 12093-240 Telefone/fax (12) 3621.2579 www.vigiai.net E-mail: vigiai.net@gmail.com Tiragem: 5.000 exemplares

Igreja Batista nos Mares: 94 anos testemunhando de Cristo

página 24

Especial ___________________________ 41 - Evangelismo de impacto, solução ou problema? Pastores batistas respondem 42 - A megatrans e eu...

Batistas Cariocas em estado de graça e de desafios página 06

Por que tanta pressa?

As Aberrações do Novo Código Penal

página 28

Articulistas www.fabianosousa.com O Informativo Vigiai é uma publicação de Fabiano de Lima Sousa22595076892, CNPJ: 15.632.307/0001-82; e Instituto Vigiai - Informação e Mobilização (em formação).

Apoio Geral: Vital - Prestação de Serviços de Informática CNPJ: 05.449.421/0001-18

Os artigos assinados são de responsabilidade exclusiva dos seus autores, e não representam necessariamente a opinião do informativo. É proibida a reprodução total ou parcial de reportagens, entrevistas, artigos, ilustrações e fotos, sem a prévia anuência dos titulares dos direitos autorais

08 - Pr. Eli Fernandes de Oliveira: “Igreja Batista Da Liberdade: 103 anos vivendo Koinonia” 13 - Pr. Evaldo Rocha: “Honestidade na Espiritualidade” 14 - Pr. Sandro Pereira: “Desafios para a prática do Ministério Pastoral” 15 - Patrícia Bezerra: “A Fé em ação” 17 - Pr. Elias Valentim: “Olhai os Sinais dos Tempos” 18 - Pr. Álvaro Luciano Ribeiro Caetano: “Na Bíblia não existe dom de missionário. Todos são escolhidos para cumprir a missão.”” 20 - Pr. Haroldo Tavares de Sá: " Direto ao que importa" 21 - Pr. Aurélio Rosa: “Propositadamente de propósitos” 23 - Pr. Isaías Andrade Lins Filho: “Os Princípios Batistas” 27 - Pr. Zaqueu Moreira De Oliveira: “Virtualidade e Espiritualidade” 30 - Pr. David Botelho: “Irã, um país de grandes contrastes” 31 - Pr. Gilson Fontes: “Missão Boa Vista: O Projeto "Missioecológico"” 33 - Pr. Geraldo Farias: “Metendo a colher: mentores de casais” 35 - Pr. Niander Aguiar Cerqueira: “Pregar a Palavra de Deus: função nobre” 36 - Pr. José Messias Leite de Lima: “Ainda falando de pastoreio de pastores(as) e mentoria... “Cuidando daqueles que cuidam da noiva” 37 - Pr. Adriano Xavier: “O padrão de excelência” 39 - Pr. Mozart Barbosa Alves: “Perguntas ao concreto, não seja mais um abstrato” 40 - Dra. Isa de Carvalho: “Quantos Judas temos em nossa vida?”


Editorial

O

Vigiai é um informativo missionário, com a proposta de ser um poema em um elevado sobre a Rodovia Presidente Dutra, unindo as duas maiores cidades do país, São Paulo e Rio de Janeiro, e, as demais ao longo do elevado imaginário, passeando em cidades reais de todo o Brasil. Confira! Você vai se encantar! E vamos poetar!

“Ao homem invisível, em Tiago 4:17” Aquele que sabe fazer o bem e não o faz, peca. Quisera ser um bom médico, daqueles que fazem tudo E sairia percorrendo os vilarejos Ajudando aqui e ali, são tantos morrendo por motivo fútil... Aquele que sabe fazer o bem e não o faz, peca. Quisera ser um bom advogado, daqueles que fazem tudo. Visitaria os presídios, são tantos os injustiçados, pagando o que não devem São tantos os que devem e não pagam! Justiça, eis a necessidade. Aquele que sabe fazer o bem e não o faz, peca. Quisera ser um bom engenheiro, daqueles que fazem tudo. Sairia construindo casas de verdade, são tantas casas de papelão Sem saneamento, sem teto, sem cor, sem chão. Aquele que sabe fazer o bem e não o faz, peca. Quisera ser um bom músico, daqueles que fazem tudo. Iria musicar os salmos da Bíblia e não poderia cobrar nada mesmo Mas teria a recompensa de ver muitos cantando e se instruindo Nas verdades de Deus, que quer viver nos corações.

Aquele que sabe fazer o bem e não o faz, peca. Quisera ser um bom professor, daqueles que fazem tudo. São tantos os ignorantes, muitos ainda nem sabem ler e escrever... Não sabem falar e nem compreender, sairia aplicando a pedagogia da pedagogia. Aquele que sabe fazer o bem e não o faz, peca. Quisera ser um bom escritor, daqueles que fazem tudo. Escreveria sobre gente, suas necessidades, seus temores e alegrias... Suas histórias, seus sonhos, seus medos, suas realidades. Escreveria sempre: Há esperança! Aquele que sabe fazer o bem e não o faz, peca. Quisera ser um bom pastor, daqueles que fazem tudo. Falaria das maravilhas de Deus, mas, viveria, pregando, visitando, sorrindo e chorando... Sendo usado na cura d’alma, do interior, do sentimento, do irracional do homem racional... Pregando a paz, o amor, o perdão, o incondicional, no meio de tantas condições... Aquele que sabe fazer o bem e não o faz, peca. Quisera ser só um bom homem e fazer só o bem... Aquele que sabe fazer o bem e não o faz, peca. Vamos fazer missões? Missões é prática. Missões é imperativo.

EGITO www.meconcern.org Violentos confrontos em Dashur/ EGITO , fizeram com que quase todos os cristão, cerca de 110 famílias, deixassem suas casas e muitos dos seus negócios foram destruídos, 20 dessas famílias conseguiram retornar , novos incidentes refletem o estado limitado da segurança

MEXICO www.alcnoticias.net Crianças em idade escolar de Nova Jerusalém, NA Cidade do México , no Estado de Michoacán,foram impedidas de se dirigir à escola por causa do conflito religioso ali instalado. PARAGUAI www.projetoparaguai.com Estamos precisando de obreiros que venham remunerados por suas igrejas ou missão, se alguém quer obedecer o IDE aqui no Paraguay e tem disposição a aprender e se doar, fale conosco. AMAZONAS www.amem.org.br Ronaldo Lidório no fim de junho viajou em uma pequena lancha os 1.670 quilômetros do rio Solimões (de Manaus até a fronteira com o Peru e Colômbia) investigando a presença do Evangelho entre as comunidades ribeirinhas e indígenas. AICEB www.aliancamissionaria.com.br Setembro é o mês de Missões na AICEB, Temos dezenas de missionários envolvidos na obra missionária no Brasil e exterior, entre os ribeirinhos na Amazônia, indígenas, Nordeste entre outros. CEARÁ www.juvep.com.br/projetomissionario Realizamos mais um Projeto Missionário, ficou plantada mais uma igreja, vidas foram marcadas pelo Evangelho de Cristo, salvas, e famílias restauradas. ADOLESCENTES www.evangelizabrasil.com Que os adolescentes realizem o ministério eles mesmos: o ministério de adolescentes. Essa é a melhor forma de envolvê-los. Vital Sousa Jornalista - MTB 63.588-SP Presidente da Igreja Batista no Bonfim – Taubaté – SP Setembro de 2012 * Vigiai -

5


Capa

BATISTAS CARIOCAS EM ESTADO DE GRAÇA E DE DESAFIOS...

A

POR VITAL SOUSA

paz reina no Rio de Janeiro batista! E o avanço missionário tem sido uma tônica e transformaram o Rio de Janeiro em uma cidade de Jesus, uma Jerusalém, uma Nazaré brasileira. Vamos tomar como base a famosa Avenida Brasil, tema da novela da Rede Globo que está no ar; e destacando um bairro em especial, Guadalupe, como exemplo do trabalho missionário batista em toda a cidade. Os bairros cortados pela Avenida Brasil são: Caju, São Cristovão, Benfica, Manguinhos, Bonsucesso, Ramos, Olaria, Penha, Cordovil, Vigário Geral, Parada de Lucas, Vista Alegre, Irajá, Coelho Neto, Barros Filho, Guadalupe, Deodoro, Ricardo de Albuquerque, Realengo, Padre Miguel, Bangu, Santíssimo, Campo Grande, Paciência e Santa Cruz; em Santa Cruz recomeça a BR 101 – Percurso Rio-Santos, já na divisa com Itaguaí. Eu sou do tempo em que a Avenida

6

- Vigiai * Setembro de 2012

Brasil não era uma ficção, era uma abnegação, mas, ainda era nostálgica, era possível atravessá-la, de bicicleta, sem riscos. Saía de Fundação (hoje: Guadalupe), onde eu morava, próximo da Primeira Igreja Batista da Fundação, atravessava o famoso cimento da avenida e ia para Marechal Hermes, à casa do meu avô, "seu" Vital, de quem ganhei o Neto, no sobrenome. Guadalupe fica quase no meio da Avenida Brasil, é o fim da Zona Norte e como mudou! De 01 (uma) igreja batista, há 45 anos, hoje são 04 (quatro), apenas da Convenção Batista Carioca: Missões e mais missões. O crescimento do bairro e dos batistas é semelhante ao crescimento de toda a cidade porque o Rio de Janeiro se transformou na capital missionária do Brasil no século passado. O crescimento das Assembléias de Deus - via Ministério Madureira, um dos maiores ministérios das Assembléias de Deus, e da CPAD (Casa Publicadora das Assembléias de Deus) - são a prova

disso, eles espalharam-se por todo o Brasil e mundo, tornando-se a maior denominação evangélica do planeta. E o ponto de partida? A capital do Rio de Janeiro, assim como os assembleianos, os batistas também estão sediados ali, com suas duas grandes agências missionárias: Junta de Missões Nacionais e Junta de Missões Mundiais. Guadalupe tinha a fábrica de telhas “Eternit” e a famosa fábrica de máquinas de escrever “Remington Rand”. Hoje, no lugar delas, há um belo e grande shopping. Havia também a Melhoral, conhecida fábrica de remédios, que foi para São Paulo e recentemente foi inaugurado outro shopping com 41 mil m2 e com 250 lojas satélites e 12 âncoras, onde existiam vários campos de futebol outro shopping, e, fora da “televisiva avenida”, existem outros, um deles na Estrada do Camboatá. Eis, aí, como ficou a Guadalupe da minha infância, quanta diferença! É o retrato da mudança do Rio de Janeiro, para quem vive em São Paulo há mais de 30 anos retornar sempre é um fascínio, uma nova descoberta... E a constatação de que a mudança foi com Cristo no centro e para melhor. Aleluia! Dizem que, na cidade do Rio de Janeiro, existem mais igrejas batistas do que igrejas católicas. Não tenho os dados oficiais, mas se os dados fossem apenas de paróquias católicas comparado ao de igrejas batistas da Convenção Batista Brasileira, o número de igrejas batistas é de quase 4 (quatro) vezes mais. São 161 (cento e sessenta e um) bairros em toda a cidade, sendo que em vários bairros existem duas, três, até quatro igrejas batistas, são mais de 480 (quatrocentos e oitenta) igrejas batistas e menos de 150 (cento e cinqüenta) católicas. Segundo o último censo o Brasil deixará de ser cató-


lico em 2030, na cidade do Rio de Janeiro ele já deixou faz muito tempo. Aleluia! Neste novo cenário, os batistas cariocas elegeram a sua nova diretoria, para mais 01 (um ano). Novos desafios, com certeza, mas tratados com sabedoria, na presença do Senhor e em paz. Os batistas cariocas estão curtindo o fruto do Espírito na prática, no dia a dia, no trato: “Mas o fruto do Espírito é: o amor, o gozo, a paz, a longanimidade, a benignidade, a bondade, a fidelidade, a mansidão, o domínio próprio; contra estas coisas não há lei" - Gálatas 5:22 e 23. Tal instrução tem sido realmente vivida e testemunhada, por todos. O Rio de Janeiro é rico em novas expressões. Ao longo de cada ano, nascem dezenas e uma delas - já não muito nova - é: “a fila anda”. E, graças ao Senhor, a fila do evangelismo, do amor, da bondade e do domínio próprio está andando e bem, no Rio de Janeiro. E, com paz, o crescimento é natural, porque o Senhor quer. Já está sendo organizando um grande Centro de Convivência Batista, no bairro de Campo Grande; no final do mês de setembro, toma posse - como Diretor Executivo da Convenção Batista Carioca - o conhecido homem de Deus, Pr. Nilton - da JMN, e, assim, o atual Executivo, Pr Walmir Vieira, ficará livre para administrar o grande Colégio Batista Shepard, um dos estabelecimentos de ensino mais conceituados da cidade. O Rio de Janeiro batista resgatou o seu destino: fazer missões! Servir ao Senhor! Ser sal e luz e farol para a nação brasileira! Ser a boa referência e semente do Evangelho do Senhor Jesus. E tal resgate se caracterizou na fórmula mais simples: piedade, oração, companheirismo, fraternidade, cristianismo... Nas fotos, os pastores batistas do Rio de Janeiro oram, pedindo clemência ao Todo Poderoso e em gratidão pela abundância de bênçãos recebidas! Vamos agradecer e nos deleitar também, por este renovo proporcionado pelo Senhor ao povo batista carioca, que segue na marcha do seu destino inexorável: adorar ao Senhor e evangelizar, até os confins da terra. Setembro de 2012 * Vigiai -

7


Pr.

e li Fernandes de Oliveira

Igreja Batista da Liberdade

103 anos vivendo Koinonia

K

oinonia na Igreja, a Família das famílias, implica relacionamentos mais próximos, mútuos, “para que você possa ter companheirismo conosco” (1 Jo 1.3). “Você foi chamado para ter comunhão com o seu Filho Jesus Cristo” (1 Co 1.9). Koinonia na Igreja, a Família das famílias, com a participação de todas as coisas boas que acontecem ao que está sendo instruído, para quem está ensinando a Bíblia (Gl 6.6). Koinonia na Igreja, a Família das famílias, para, com o amor que une os irmãos, dividir com alegria o que temos, com os domésticos na fé que estão passando por dificuldades, assim como acontecia entre o povo de Deus em Jerusalém (Rm 15.26). Porém, é importante que se diga que, para que assim a igreja brilhe, é

preciso que se deseje koinonia, a começar nos lares, nas famílias que compõem a grande Família. Esposos em comunhão com as esposas (Cl 3.19); mulheres em comunhão com seus maridos (Cl 3.18); os cônjuges gozando, uns com os outros, de paz espiritual (I Pe 3.7); filhos inspirados à comunhão com os pais (Cl 3.20) e unidos entre si (Sl 128.3); pais em comunhão com seus filhos (Ef 6.4). Essa maneira, essa “comunidade” que é a igreja, a Família

das famílias, não só espelha a continuação da comunhão que começa nos lares cristãos, de irmãos vivendo em boa e agradável união (Sl 133.1), como também testemunha, ao mundo em crise, do único caminho e da esperança que há em Jesus. Que haja cada vez mais ardente desejo, em orações e ações, do estabelecimento da bênção terapêutica da comunhão entre todos; paz, unidade espiritual, santo deleite comunitário, restauração de vidas e oportunidades para exortações bem intencionadas, nunca perdendo a doçura (Hb 15.32). Um detalhe a mais, e sério: jamais haverá koinonia profunda, nem nas famílias, nem na igreja, a Família das famílias, sem que sejam semeadas relações mais próximas e verdadeiras, das quais se colham partilhas e companheirismo. Aliás, ideal de Atos 2.44: “Todos os que criam estavam juntos e tinham tudo em comum”.

eli Fernandes De Oliveira é pastor titular da Igreja Batista da Liberdade (SP) desde 1984. É Bacharel em Teologia pelo STBNB; Psicanalista Clínico pela SPOB; Mestre em Teologia e Mestre em Ministério pela Faculdade Teológica da Fé Reformada, São Paulo, e Doutor em Teologia Th.D (cum claude) pela Universidade Cohen, Los Angeles, CA. Já foi condecorado com Medalha Anchieta, da Câmara Municipal de São Paulo; Prêmio de Personalidade do Ano, pela Academia Paulista Cristã de Letras; Comenda Paul Harris, do Rotary Club e Membro Honorário da Força Aérea Brasileira. E-mail de contato: eli.fernandes@libernet.org.br

8

- Vigiai * Setembro de 2012


Igrejas em Destaque

PIB EM VILA FORMOSA

REALIZA BATISMOS

E RECEBE NOVOS MEMBROS

A

Primeira Igreja Batista em Vila Formosa após receber os missionários da GOOD NEWS e Congresso da JUBAMSUL, não teve tempo para descanso e iniciou o mês de Agosto com uma grande festa, quando no dia 05/08/12, realizou mais uma vez Batismos e recebeu diversos irmãos de Igrejas Co-irmãs e de outras Denominações. Foi um culto maravilhoso e que com certeza vai ficar marcado na história da Igreja. Depois de serem discipulados pelo Pastor Adilson de Souza Brandão , (membros de outras Denominações e os que foram Batizados), podemos concretizar mais uma etapa do crescimento na vida da Igreja. Uma mistura de emoção e alegria marcou a programação que teve também a ministração da Ceia do Senhor. Foram Batizados os irmãos Mylena Mitsuco Martha, Vinicius Sousa da Silva e Pe-

10

- Vigiai * Setembro de 2012

dro Henrique Passos Freitas. Recebidos por carta de transferência os irmãos Silvio Bumbers, Léa Freire de Sousa Bumbers, João Pereira da Silva, Elisa Araújo da Silva e Edna Araújo da Silva. Recebidos por testemunho os irmãos Yago Verissimo da Silva, Ester da Silva Tavares, Gerson Ramos de Souza, Maria Neura de Souza, Claudia Munis de Lima e Eliane Maria Laurentino. Além de todas estas bênçãos temos procurado unir cada vez mais a Igreja em torno do mesmo ideal que é servir a Cristo como servos verdadeiros. Estamos também podendo contribuir com a Denominação com pessoas para exercerem cargos de liderança, tivemos recentemente a eleição dos irmãos marcos Bispo e Rosineide Lopes como Tesoureiros da ABAMSUL, e na Semana Batista realizada em Ribeirão Preto tivemos a eleição do irmão Cilas Alves como Presidente da UMBESP (União Mas-

culina Batista do Estado de São Paulo). Todas estas realizações nos deixam alegres, mas estamos conscientes de que muito ainda precisa ser realizado, e com este pensamento estaremos lançando no próximo dia 02/09/12, uma grande campanha que tem como tema “REPENSE’, vamos nos próximos quatro meses, se Deus nos permitir levar a Igreja a rever algumas atitudes e comportamentos que não tem edificado individualmente a cada um e a Igreja como Corpo de Cristo, podemos melhorar sempre orientado e dirigido pelo nosso Deus através da ação do Espírito Santo e estudo da Bíblia, este é o nosso desejo e vamos batalhar sempre respaldado nos ensinamentos Bíblicos para alcançarmos este objetivo.


PIB EM VILA FORMOSA

RECEBE MISSIONÁRIOS AMERICANOS E CONGRESSO DA JUVENTUDE DA ABAMSUL

A

Primeira Igreja Batista em Vila Formosa recepcionou no dia 22/06/12, Vinte e Cinco Missionários da Missão GOOD NEWS que vieram dos Estados Unidos da América para realizar trabalho missionário em Diversas Igrejas Batistas na Cidade de São Paulo. Ao desembarcarem no Aeroporto Internacional de Guarulhos, foram levados para participarem de um delicioso café, demonstrando assim as boas vindas por parte das Igrejas e ABAMSUL (Associação Batista Missionária Suleste) na oportunidade o Pr Adilson José de Oliveira (Presidente da ABAMSUL), proferiu algumas palavras agradecendo a presença de todos e colocando a Associação a Disposição. Os Missionários todos voluntários permaneceram durante uma semana, evangelizando nas casas, Igrejas e escolas. Tivemos o Culto de abertura na Igreja Batista em Cidade IV Centenário onde tivemos a participação da Banda da Aeronáutica executando os Hinos Nacionais do Brasil e EUA, o Pr Adilson de Souza Brandão

(Pastor Titular da PIB Vila Formosa e Presidente da Subsecção da ordem dos Pastores da ABAMSUL), apresentou o pregador da noite o Pr Ralph Metcals pregou naquela noite, ele foi o idealizador e organizador deste trabalho que é realizado a 22 anos em uma parceria EUA/ Brasil, o resultados foram muitas conversões de almas, para a Honra e Glória do Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo. Duas semanas após este trabalho, a PIB Vila Formosa recebeu durante os dias 24 a 28/07 o Congresso da JUBAMSUL (Juventude da ABAMSUL). O congresso é realizado anualmente no período de férias escolares e este ano tivemos o privilégio de participar recebendo durantes todas as noites, foi maravilhoso programações

que com certeza edificaram a todos que estiveram presentes. Os pregadores foram: Pr Manoel Ramires, Pr Luiz Sayão, Patricia Bezerra, Pr Ariovaldo Ramos e Pr Carlos Alberto Bezerra Junior. As participações musicais ficaram por conta de Thiago Grulha, Maurilio Santos, Rodrigo Soeiro,Jeane Mascarenhas e André paganelli, além das equipes de louvor das Igrejas Parque das flores, PIB Vila Formosa, Vila Diva, Vila Guarani e São Mateus. Durante a semana estiveram presentes cerca de 1.450 pessoas. Além da programação tivemos também momentos de comunhão e descontração no final de cada programação com a cantina funcionando a todo vapor. Todos da PIB em Vila Formosa se esforçaram para receber todos os participantes com todo carinho e atenção, na introdução trabalharam os Jovens e Adolescentes, na segurança e acompanhamento externo os Diáconos, no culto Infantil e Berçário todas as professoras do depto infantil e na cantina um grande grupo de irmãos que foram coordenados pelas lideres desta área. Foi demonstrado e comprovado que a união traz resultados maravilhosos, não podemos perder a visão de cooperação que sempre uniu nossa Denominação. Devemos ter nossos trabalhos locais mas não podemos nos esquecer da Organizações Denominacionais, nestas duas oportunidades A PIB Vila Formosa e ABAMSUL trabalharam juntas visando o crescimento do reino e fortalecimento da nossa Juventude. Parabéns a todos que participaram.

Setembro de 2012 * Vigiai -

11


Igrejas em Destaque

UMA IGREJA QUE FAZ Primeira Igreja Batista em Santa Cruz, Rio de Janeiro-RJ Pr. Elison Amaral Leite

A

PIB em Santa Cruz foi fundada em 30 de abril de 1941, com 28 membros. Hoje conta com 658 membros e com a liderança do Pr Elison Amaral Leite há 19 anos e 5 meses, desde de 28/03/1993. Igreja comprometida com a evangelização e missões. Nestes 3 anos, saíram de nossa igreja 3 jovens para o campo missionário – 2 para o Radical Africa em 2009 e 2012 e 1 para a Cristolândia Pernambuco em 2012. Temos visto o poder de Deus em nossos cultos, onde, em cada culto, vemos pessoas se rendendo aos pés de Cristo. Fruto do trabalho que é desenvolvido nas ruas do nosso bairro e adjacências. Evangelizamos uma tarde por mês, com distribuição de folhetos e oração; e este mesmo movimento realizamos dominicalmente na porta da igreja. Grandes descobertas têm sido vividas por nós, ao termos contatos com pessoas que passam em frente ao templo, isto tudo durante o nosso culto. Nossa igreja tem as organizações em todo vapor: Amigos de Missões, MR, ER, UFM, GAM, União Masculina. Todos comprometidos com o estudo da Palavra, onde damos ênfase à nossa EBD. A nossa meta é chegarmos a 100%

12

- Vigiai * Setembro de 2012

dos membros matriculados e hoje já ultrapassamos 65%. Os professores são preparados, para cada lição dominical, pela nossa Educadora. Sem deixar de fora as crianças, que recebem total apoio para suas atividades. Há uma perfeita harmonia entre as crianças, adolescentes, jovens e adultos. Cada desafio é vivido por todos e de maneira muito especial em prol de mis-

sões. Maravilha ver as nossas crianças trazendo os seus cofres e entregando-os para sustentar os desafios missionários das nossas juntas JMN e JMM. Nestes anos, foram organizadas 5 filhas, algumas frentes missionárias e neste ano Congregação no bairro. Na foto, é possível ver a frequência dos nossos cultos dominicalmente. A Deus toda honra e glória - sempre.


FOTO: Darlinton Ferreira-RJ

Pr.

E valdo Rocha

Honestidade na Espiritualidade

A

ausência de honestidade é manifesta em todas as esferas da existência humana como produto do comportamento pecaminoso. Sendo assim, devemos reconhecer que entre os cristãos também tem faltado honestidade. Esta verdade torna este assunto relevante para os que desejam desenvolver uma espiritualidade sadia. Alguns acham que podem viver sem honestidade na presença do Pai, sem que isso não deságue na cachoeira do prejuízo. O apóstolo Paulo escrevendo aos Romanos é enfático: “Que diremos, então? Permaneceremos no pecado, para que a graça se destaque. De modo nenhum...” (Rm 6.1-2- Bíblia – Século 21). Algumas pessoas pensam que podem viver no pecado porque estão na graça caindo no antinomismo ou antinomianismo. Uma expressão que significa literalmente 1 “contra a lei”. Uma espécie de libertinagem e desonestidade diante da Palavra de Deus. Devemos compreender que a justificação – que marca o início da caminhada da fé - é um fato acabado, enquanto a santificação é um processo. Como J C. Ryle afirma: “A justificação é uma obra terminada e completa, e um crente está perfeitamente justificado a partir do instante em que crê. No entanto, a san2 tificação é uma obra imperfeita”. Existe uma visão distorcida da graça que tem corrompido o processo de santificação. Uma visão distorcida da graça traz insensibilidade diante do pecado e ausência de confissão. Aqueles que são honestos em sua espiritualidade reconhecem suas fraquezas e fogem da prática do pecado como resultado da obra inicial

de Deus em seus corações. J. I. Packer afirma que “A graça é Deus conduzindo os pecadores cada vez para mais perto de 3 si”. A graça que não aproxima o homem de Deus não é graça é desgraça. Aquele que se julga transformado deve fundamentar sua vida em Cristo (Rm 6.3-7). Deve possuir a consciência de que já morreu para o estilo de vida pretérito, como o apóstolo afirma: “... fomos sepultados com ele na morte pelo batismo, para que, como Cristo foi ressuscitado dentre os mortos pela glória do Pai, assim andemos nós também em novidade de vida” (Rm 6.4- Bíblia – Século 21). John Murray afirma: “Não podemos ser participantes da vida ressurreta de Cristo, a menos que sejamos participantes de sua morte; e a morte é atestada e 4 confirmada pelo sepultamento”. Andar em novidade de vida é assumir um novo compromisso e desenvolver um novo modo de agir. Se houve compromisso verdadeiro com Jesus, deve haver evidência da nova vida no cotidiano. A visão de que o evangelho não nos lança a um caminho da observância moral é uma visão equivocada que deve ser rejeitada. Está escrito: “Como prisioneiro no

Senhor, rogo-lhes que vivam de maneira digna da vocação que receberam” (Ef 4.1-NVI). Uma espiritualidade distanciada da honestidade não se coaduna com o evangelho e precisa ser combatida para que a verdade de Deus prevaleça. “Sendo assim, aproximemo-nos de Deus com um coração sincero e com plena convicção de fé, tendo os corações aspergidos para nos purificar de uma consciência culpada, e tendo os nossos corpos lavados com água pura” (Hb 10.22-NVI). Não existe espiritualidade sadia e progresso espiritual efetivo sem honestidade diante de Deus. Quando existe honestidade na espiritualidade o pecado é sempre rechaçado como pecado e a santificação valorizada no cotidiano. O fruto desta postura será abençoador fazendo com que pessoas fujam da hipocrisia e da desobediência, vivendo como seres inacabados que carecem da graça do Pai. 1

Champlin. Enciclopédia de Bíblia, Teologia e Filosofia. Verbete Anti-

nomianismo, p.191. 2 3 4

J. C. Ryle. Santidade, p. 54. J. I. Packer. O Conhecimento de Deus, p.333. John Murray. Comentário Bíblico Fiel – Romanos. p. 242.

EVALDO ROCHA é Rocha é pastor da Primeira Igreja Batista em Seropédica no Rio de Janeiro. Casado com a psicopedagoga Elizabeth Rocha e pai de André. Formado em Teologia e História. Pós-Graduado em Ciências da Religião. Autor do livro Vivendo de Forma Equilibrada – o alfabeto da vida saudável. Conheça seus textos no site www.evaldorocha.com - E-mail: evaldonrocha@uol.com.br Setembro de 2012 * Vigiai -

13


Pr.

S andro Pereira

Desafios

para a Prática do Ministério Pastoral O

ministério pastoral, na prática, pode se tornar uma profissão; a prática pastoral em gestão administrativa eclesiástica; O gabinete de aconselhamento pode se transformar em escritório de eventos. Provavelmente os desafios são resultados de uma crise, a de identidade. Ou quem sabe de definição. Hoje, é comum o pastor ser gestor e o gestor ser pastor. Mas, as prioridades caminham em direções diferentes. Esse é o problema.

loriza lucros, o pastor valoriza vidas; o O gestor valoriza programas, o pasgestor valoriza números, o pastor valoritor valoriza pessoas; o gestor valoriza za espiritualidade; o gestor valoriza maprodutos, o pastor valoriza propósitos; rketing, o pastor valoriza testemunho; o o gestor valoriza controle centralizado, gestor valoriza imagem, o pastor valorio pastor valoriza envolvimento geral; o za ética; o gestor valoriza organização, gestor valoriza benefícios e vantagens, o pastor valoriza o pastor valoriza organismo. bênçãos; o gesTodos os lídetor valoriza diTodos os líderes devem res devem aplinheiro, o pastor aplicar as estratégias as estratégias valoriza amor; o oportunas de acordo com as car oportunas de gestor valoriza características e contextos acordo com as emprego, o paslocais. Abalizados pela características e tor valoriza vocontextos locais. cação; o gestor palavra de Deus. Devem Abalizados pela valoriza cargos, buscar aperfeiçoamento palavra de Deus. o pastor valoricontínuo, mas, sem Devem buscar za voluntários; invenções. aperfeiçoamento o gestor valoriza contínuo, mas, produção, o passem invenções. Cada pastor tem seus tor valoriza provisão; o gestor valoriza desafios, cada ministério tem suas partisistemas, o pastor valoriza salvação e cularidades, cada comunidade tem suas comunhão; o gestor valoriza métodos, o prioridades. Para os pastores o desafio pastor valoriza a Bíblia; o gestor valoriza da prática do ministério continua sendo gerenciamento, o pastor valoriza discio de sempre, vencer as tentações e ser só pulado; o gestor valoriza competição, o pastorear. O que já é difícil. pastor valoriza compaixão; o gestor va-

O Brasil não precisa de religiosos! Os religiosos não nos posicionam, não ensinam suas comunidades religiosas a se posicionar, não mostram e não confrontam a realidade e o mundo, não esclarecem as conseqüências de uma decisão equivocada, sequer confrontam o pecado, antes, ficam alisando o ego de seus sub-religiosos. Tais até velam seus próprios egos, gostam de ser bonzinhos, amorosos, dedicados, amigos, não ofendem (não dizem a verdade). Os religiosos mentem, enganam e entregam suas comunidades religiosas ao erro, induzem ao pensamento de que o bem estar dos seus sub-religiosos é uma obrigação de Deus, de que o Criador está submisso às determinações da criatura. Entre os religiosos pode-se tudo, a contextualização é permissiva, em nome da modernidade / pós-modernidade tudo vale para encher, lotar, estufar, inchar os locais de reuniões religiosas. Entretanto, é sabido que os religiosos vivem sem saber o que é religião. Os religiosos não se entendem, lutam entre si, nem sequer são cooperativistas, mais parecem inimigos. Há algo entre eles que chamam de denominações, convenções, associações, ordens, conselhos, uns mais distintos que os outros. Entretanto, figuram como exércitos na guerra por territórios, por povos, por espólios. Os religiosos se curvam diante de novidades religiosas, se forem americanas, européias melhor, mas também gostam das africanas e em breve experimentarão as indianas. Gostam de estratégias que ensinam tirar águas de pedra. No exterior há aqueles religiosos que já ficaram desacreditados, mas no Brasil, são ?importantes?. Os religiosos gostam de congressos, palestras, eventos, encontros de ?avivamentos?, pirotecnia. Leia o restante do artigo no site www.vigiai. net, é só clicar em busca no cabeçalho do site e colocar: Pr. Sandro Pereira

Pr Sandro Pereira é Doutorado em Ministério - Cohen University - EUA

14

- Vigiai * Setembro de 2012


Psicóloga

P atrícia Bezerra

A fé

em ação A aliança de Jesus é com os oprimidos, seu projeto de vida, é para todos. E se quisermos entender – e praticar! – esse termo, o melhor mesmo é olhar para o Mestre.

S

e parar pra pensar, vai ver que ‘não há nada mais político do que dizer que a religião não tem nada a ver com política’. A frase é de Desmond Tutu; fruto da compreensão de que é impossível viver o cristianismo pleno sem a prática de uma fé cidadã. E foi exatamente a ela que recorri quando, dia desses, me perguntaram se a bíblia nos manda fazer algo pelo lugar em que a gente vive além de dobrar os joelhos e orar Mas não parei por aí... “Não importa o que aconteça, exerçam a sua cidadania de maneira digna do Evangelho de Cristo”, prossegui, citando a carta de Paulo aos Filipenses (Fp. 1:27). Naquele tempo, a cidadania romana era muito valorizada, mas o apóstolo pedia àquele povo explorado que fosse além dos padrões da época e vivesse como cidadãos de um reino mais elevado, o de Deus. E como se faz pra viver assim? Devemos sair por aí flutuando a dois palmos do chão ou projetar auréolas nas próprias cabeças? Hum...acho que não era bem isso o que Paulo propunha. O que ele queria dizer é que aquilo em que cremos transforma o mais profundo do nosso interior, mas também deve mudar, a partir de nós, o exterior ao nosso redor. Jesus sabia disso, e a obra que realizou quando passou pela Terra produziu efeitos espirituais eternos. Mas teve também suas implicações políticas. Justamente

por isso, ele não morreu no conforto de sua casa, antes foi condenado à pena de morte pelas autoridades e morreu numa cruz – conforme os planos do Pai. Ser discípulo de Jesus é também ser seguidor de um prisioneiro político... Pode parecer estranho, mas as Escrituras confirmam. Nossa consciência cristã não nos afasta desse mundo. Pelo contrário, ela deve nos levar a indicar em nossa cidade, Estado ou País os sinais do Reino do qual somos embaixadores (II Co. 5:20) Faz 14 anos que me dedico a transformar o meu redor a partir do que aprendi e aprendo com Jesus. É ele quem me inspira a fazer o que fiz por anos na Fundação Comunidade da Graça, entidade que realizou 500 mil atendimentos no ano passado, nas áreas educacional, social e de saúde. Mas há muito mais por ser feito... O crescimento dos homicídios em São Paulo, o desrespeito ao meio ambiente que leva nossa cidade a enterrar 90% de seu lixo reciclável, as filas intermináveis nos hospitais ou a falta de vagas em creches. Tudo isso é problema nosso. Sou mãe e não consigo ver mulheres separadas de seus filhos por causa do vício no crack. Não me conformo em ver crianças exploradas pelo mercado do sexo. Não posso aceitar que de cada 10 brasileiros, 6 nasçam na miséria. Na mais simples das hipóteses, tenho uma dívida social diante dessa injustiça. E, ao conhecer e

ser transformada pelo Evangelho, e perceber que meu Salvador se doou por todas essas pessoas, é impossível ficar de braços cruzados. Há um tempo, recebi uma carta. Vinha da Penitenciária de São Miguel. Um grupo de internas agradecia de coração a visita que eu e minha equipe fizemos àquele lugar. Elas se sentiram enxergadas, se sentiram percebidas, valorizadas, amadas. E o que fizemos? Fomos até lá e falamos da Palavra. Mas, tenho certeza, mais do que na pregação do dia, elas conheceram o Evangelho a partir de atitudes práticas, como um corte de cabelo, uma palestra sobre auto-estima, uma dinâmica sobre inclusão. E a verdade é que isso é cidadania cristã. Cidadania que, aliás, rima com democracia. Que, por sua vez, nos lembra que estamos em um momento político importante. Eu e você queremos uma cidade melhor, mais justa, mais parecida com o Reino de Deus. Por isso, se você nunca parou pra pensar nessas coisas, peço que reserve algum tempo. O ‘cada um na sua e Deus por ninguém’ que vemos por aí não é o que nosso Pai espera de nós. Cidadania é conquista coletiva que depende do corajoso empenho de cada um de nós. Ore, sim, por nossa cidade. Ore muito. Mas fuja da omissão. Nenhuma transformação social e política no mundo ocorreu sem profundo compromisso espiritual. A cidade que queremos precisa começar a ser construída hoje. E eu estou disposta a fazer o que for preciso para torná-la um lugar melhor.

PATRÍCIA BEZERRA é psicóloga clínica, atuou por mais de 10 anos como voluntária, oferecendo atendimento gratuito nas periferias da cidade de São Paulo e junto a movimentos sociais e comunidades de base. É gestora de projetos para assistência e promoção social e diretora geral da Fundação Comunidade da Graça, ONG que está entre as mais confiáveis do país, segundo ranking da Revista Veja. É casada com Carlos Bezerra Jr., deputado estadual, e é mãe das adolescentes Giovanna e Giulianna. Setembro de 2012 * Vigiai -

15


MINISTÉRIO VIDA TOTAL DA IGREJA Brasil e Países de Língua Portuguesa Coordenador: Pastor Odilon dos Santos Pereira

PARTICIPE DE UM DE NOSSOS SEMINÁRIOS Vida Total da Igreja não é mais um programa de crescimento de igreja. É, antes, uma estratégia que ajudará a igreja a alcançar a sua comunidade através de um evangelismo contextualizado. Quando a igreja é focalizada em uma estratégia, ela mantém os programas e atividades girando em torno do propósito maior, que é salvação do mundo. VTI é uma retomada da visão de evangelismo que a igreja do primeiro século tinha e o acender do entusiasmo da igreja na proclamação do evangelho. Qualquer igreja, independente do seu tamanho, programa ou estilo que adota, poderá aplicar a estratégia de Vida Total da igreja. Não há necessidade de um período de “transição”, visto que VTI não sugere nenhuma mudança na estrutura da igreja, nem na sua eclesiologia. O foco central de Vida Total da Igreja está na saúde espiritual do corpo, a Igreja. O corpo é sadio quando vive em plena submissão à cabeça, Cristo. Sendo a igreja sadia, ela naturalmente alcançará pessoas e crescerá. O crescimento da igreja é um resultado, não uma meta.

VIDA TOTAL DA IGREJA Uma estratégia para o século vinte e um inspirada no modelo de igreja do primeiro século. Duração: Doze horas

PESSOAS COMPARTILHANDO JESUS Treinamento em Evangelismo Pessoal • Compartilhe sua fé de forma natural Duração: Oito horas de ensino e quatro horas de evangelização de casa em casa

SEUS MARAVILHOSOS DONS Nova edição do livro Igreja: Celeiro de Dons Princípios bíblicos para o uso dos Dons Espirituais. Duração: Dez horas

NÚCLEOS DE ESTUDOS BÍBLICOS NOS LARES Grupos pequenos para a Evangelização Manual do Líder – Pastor Odilon Pereira Duração: Seis horas

MINISTÉRIO VIDA TOTAL DA IGREJA Brasil e Países de Língua Portuguesa

Pastor Odilon dos Santos Pereira • (13) 3251-1948 • (13) 9783-4411 Website: www.vidatotaldaigreja.com.br • www.totalchurchlife.net Emails: odilon@vidatotaldaigreja.com.br • vidatotaldaigreja@gmail.com Saiba onde serão realizados os demais seminários, e conheça os manuais e Cds com apresentação em Powerpoint. Visite a nossa página na internet:

www.vidatotaldaigreja.com.br


Pr.

OLHAI OS SINAIS DOS TEMPOS

O

intuito dos fariseus era descredenciar a Jesus porque eles não sabiam ver que “o reino de Deus já estava entre eles”. Na história da humanidade cada tempo tem suas mazelas, suas ameaças, suas dores, suas desesperanças, e é preciso, sob o ponto de vista do cristianismo, saber interpretá-las sob um verdadeiro olhar cristão e à luz da Bíblia, dos ensinos de Jesus e dos santos apóstolos, de vez que tais características influenciam nossa vida, a pregação do evangelho e até nossa visão do reino de Deus. O intuito dos fariseus era descredenciar a Jesus porque eles não sabiam ver que “o reino de Deus já estava entre eles”. Na história da humanidade cada tempo tem suas mazelas, suas ameaças, suas dores, suas desesperanças, e é preciso, sob o ponto de vista do cristianismo, saber interpretá-las sob um verdadeiro olhar cristão e à luz da Bíblia, dos ensinos de Jesus e dos santos apóstolos, de vez que tais características influenciam nossa vida, a pregação do evangelho e até nossa visão do reino de Deus. OLHAI OS SINAIS LÁ FORA Inegavelmente o que acontece do lado de fora de nossas igrejas tem influência do lado de cá, porque cristãos que somos interagimos e somos influenciados positiva ou negativamente, dependendo de quão verdadeiros ou tênues sejam nossos conceitos e valores. Os fatos políticos, econômicos, sociais, morais e sobretudo a mídia, como instrumento formador de opinião; tudo isso, por uma razão ou outra, tem influenciado grandemente não só o comportamento, mas também os valores éticos dos cristãos de nossos dias. É preciso observar que no comando, e não no controle de suas consequências, de todos esses fatores, estão as mentes mais diversamente orquestradas a serviço do poder de toda ordem e a serviço do

mal, com raríssimas exceções. Sabemos que somos de Deus, e que o mundo inteiro jaz no Maligno. I Jo.5.19. E não há aqui nenhum triunfalismo ou ufanismo, mas é a pura Palavra de Deus! É preciso olhar os sinais dos tempos! VEJAM OS SINAIS DO LADO DE CÁ Primeiro a idéia errada de que há um lado de fora e um lado de dentro do cristianismo, como aqui mesmo estou fazendo parecer. O relativismo do pós-modernismo nos tem levado a afrouxar nossos valores cristãos na busca “do que importa é ser feliz” Não é incomum observarmos mudanças jamais imaginadas e que entram em nossas igrejas influenciadas pela notas das chamadas músicas gospel, através de cantores não gospel ou daqueles que sem nenhuma base de cristianismo sólido gravam, vendem e influenciam a nossa vida. Influenciam não só a eclesiologia mas também a teologia e a fé, porque trazem no seu conteúdo a semente do superficial e do anti-bíblico. A ambição pelo ter é outro fator de grande influência negativa para nós, a partir da visão equivocada de que é abençoado por Deus aquele que mais tem ou que mais exerce poder sobre as massas e com isso tem mais voz e vez. Aqueles que tem o dever de estar atentos a todas as investidas de destruição dos valores cristãos, os pastores, e não somente os demais cristãos, também tem sido influenciados negativamente por tais “sinais dos tempos” a ponto de, não raro, apostatarem da fé e submergirem no mundo da apostasia ou de sua própria auto-teologia, cujo fim é a própria queda. Subjaz ainda a idéia de que “meu é o reino, o poder e a glória” e, se assim não for, não sou ungido. O cristão deve ter a mesma virtude de viver lá, como vive cá; não apenas fazendo ações para parecer ser, mas sendo autêntico; do contrário não será sal e luz,

E lias Valentim

se não sal insípido pisado pelos homens e luz apagada, sem brilho. Se é virtude porque é “disposição constante de praticar o bem e evitar o mal” e só pode brotar de vidas transformadas por Cristo que são e que não parecem apenas ser. COMO SOBREVIVER AOS SINAIS DO NOSSO TEMPO 1 - Interpretando-os à luz das Escrituras Sagradas. A Bíblia será sempre nosso guia porque é Palavra de Deus! E esse é um dos valores inegociáveis do cristianismo! Diante de uma situação de descrédito em um dos valores mais caros do evangelho, o apóstolo Pedro adverte: “Para que vos lembreis das palavras que dantes foram ditas pelos santos profetas, e do mandamento do Senhor e Salvador, dado mediante os vossos apóstolos; 2. Pe.3.2.” Não vivemos em um mar revolto se não que temos uma bússola e um norte a ser seguido. 2 – Olhando para o nosso guia. “Fitando os olhos em Jesus, autor e consumador da nossa fé... Hb.12.2a –AR Enquanto pastores nossa preocupação deve ser a mesma do apóstolo Paulo escrevendo à facciosa igreja de Corinto “Porque nada me propus saber entre vós, senão a Jesus Cristo, e este crucificado. ICo.2.2.” Se desviarmos nosso olhar de Jesus, o Cristo, nossa visão será embotada por todos os males do nosso tempo. Precisamos sim, olhar para o mundo mas sob a lente do olhar de Jesus! 3 – Não abandonando a nossa denominação. Tenho encontrado e ouvido de muitos colegas, e irmãos outros, decepcionados com um dos mais poderosos instrumentos de cooperação entre os cristãos de todo o mundo; a nossa denominação, que traz no seu contexto valores e princípios tão caros. Quantos, no passado morreram, não só em nome de Cristo mas esposando o nome dos Batistas. Leia o restante do artigo no site www.vigiai. net, é só clicar em busca no cabeçalho do site e colocar: Pr. Elias V. Vale

Elias Valentim do Vale é pastor da Primeira Igreja Batista em Sobradinho, São Paulo – SP e 1º Vice Presidente do Lar Batista de Crianças de São Paulo; E-mail: eliasvale@ig.com.br Setembro de 2012 * Vigiai -

17


Pr.

Á lvaro Luciano Ribeiro Caetano

“Na Bíblia não existe

dom de missionário. Todos são escolhidos para cumprir a missão.” Ninguém foi escolhido para não ir. Ninguém foi chamado para não testemunhar. Por acaso existe dom de missões? Na Bíblia não existe dom de missionário. Todos são escolhidos para cumprir a missão.

N

ão há propósito maior pra igreja que o de evangelizar. Nada pode substituir essa missão. Uma pergunta que sempre fiz a uma pessoa convertida era: quantas pessoas você evangelizou durante a vida? Eu ficava assustado com as respostas. Muita gente, mesmo tendo muitos anos como Cristão, simplesmente nunca havia evangelizado ninguém. Alguns poucos se lembravam de uma, duas ou até três pessoas que haviam entregado a vida para Jesus com eles, mas, a maioria daqueles que eu questionava nunca passara por tal experiência. Alguns até haviam realizado campanhas de evangelismo com suas igrejas, indo pregar em projetos missionários, mas, não viviam isso em seu dia-a-dia como responsabilidade por sua decisão de seguir a Cristo. Diante dessas respostas, eu questionava ainda sobre o que essas pessoas tinham sido ensinadas a fazer como prioridade de vida quando entregaram a vida para Jesus? A resposta de todas elas sempre foi: ler a bíblia, ir aos cultos, participar de escolas bíblicas, abandonar praticas pecaminosas, dar o dízimo, ajudar na igreja, orar, participar do louvor, ajudar na cozinha, honrar o pastor, amar os irmãos, etc. Isso pra mim era assustador, pois, o principal compromisso de uma entrega de vida para Jesus não havia lhes sido ensinado. Eram tudo que um Cristão podia ser, menos conscientes de sua real vocação e propósito. O evangelho pregado a elas não foi o

18

- Vigiai * Setembro de 2012

mesmo que Jesus pregou, pois faltava o principal, faltava a consciência do "porque" elas haviam sido escolhidas. Jesus em seu ministério terreno fazia discípulos e ordenava a todos que, a partir do momento que passassem a segui-lo, fossem e fizessem discípulos também, e isso como prioridade absoluta da vida dos novos convertidos que se juntavam ao grupo de Cristãos. Ninguém podia seguir a Jesus se não cumprisse a principal ordem dEle, "ir e fazer discípulos". Tomar a sua cruz e seguir a Jesus (isso é ser seguidor de Cristo) significa assumir sua parte na missão, e assim e somente após isso, tornar-se um Cristão. Qualquer outro compromisso de vida é barato demais e não representa a real vocação dos escolhidos. Ninguém foi escolhido para apenas ministrar louvor na frente de uma igreja. Ninguém foi escolhido em razão da importância do trabalho na cantina, na cozinha, no diaconato, na escola bíblica. O principal objetivo de Jesus Cristo na formação de sua igreja era e sempre será, alcançar o mundo todo com a sua palavra e sua glória. Na oração que Jesus fez antes de sua crucificação (João Capítulo 17), Ele diz: "Não rogo que os tires do mundo, mas que os protejas do Maligno. Eles não são do mundo, como eu também não sou. Santifica-os na verdade; a tua palavra é a verdade. Assim como tu me enviaste ao mundo, eu os enviei ao mundo." Todo o restante é periférico, essa é a real missão! Ir ao mundo com a mensagem de Jesus Cristo, e isto através de um comissio-

namento real concretizado pelo próprio Deus. É Jesus quem nos escolhe e isto o faz com o objetivo maior de nos enviar. Deixar o pecado, ir na igreja, aprender de Deus, aprender a ofertar é a instrumentalização de Deus em nossas vidas para nos capacitar a cumprir a missão pela qual fomos escolhidos. Eu deixo o pecado pois, o pecado faz mal pra mim e me afasta de Deus. Eu vou na igreja porque a igreja faz bem pra mim e me aproxima de Deus através da comunhão... Mas, o plano de Deus ao me escolher era alcançar o mundo com o evangelho, e todo convertido faz parte dessa missão. Ninguém foi escolhido para não ir. Ninguém foi chamado para não testemunhar. Por acaso existe dom de missões? Na bíblia não existe dom de missionário. Todos são escolhidos para cumprir a missão. Quem se entrega pra Jesus tem como compromisso de vida o “falar de Jesus”, ou seja, ser sua testemunha cumprindo a sua missão. Depois de ser crucificado e ressuscitar, Jesus aparece aos discípulos e dá a sua grande ordem, a razão da existência e da escolha deles: “Portanto, vão e façam discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo, ensinando-os a obedecer a tudo o que eu lhes ordenei. E eu estarei sempre com vocês, até o fim dos tempos.” E para completar essa ordem e acabar de uma vez por todas com os questionamentos a cerca de como cumprir essa missão, pouco tempo depois Jesus dá a revelação de como isso seria possível: “Mas receberão poder quando o Espírito Santo descer sobre vocês, e serão minhas testemunhas em Jerusalém, em toda a Judéia e Samaria, e até os confins da terra.” Atos 1:8. Aqui está a chave das possibilidades. É o Espírito Santo quando livre para agir, falar e atuar na vida de uma pessoa que a capacita a cumprir essa missão. Não há convertido sem o Espírito Santo, e se todos possuem o mesmo Espírito, todos são possuidores da mesma força, do mesmo poder, do mesmo capacitador. O Espírito Santo já foi derramado e você foi um escolhido. Então a pergunta é, o que


você está fazendo que ainda não entendeu sua parte no projeto de Deus sobre a terra? Quem disse que missionário é a pessoa que deixa seu país pra ir pra África ou pra alguma região distante? Você ao ser escolhido foi feito e comissionado um missionário em todo lugar. Aí onde você está, no seu trabalho, em sua casa, na sua cidade, com sua vida. Como é possível ser Cristão e não estar engajado nesse projeto? O grande projeto de Deus para a terra de escolher pequenas peças, eu e você e nos colocar em todos os lugares, nos espalhar por toda a terra para que a Glória dEle se manifeste a todos os homens? Deus está montando um grande quebra cabeça sobre a terra e nós somos parte dele. Cada escolhido, cada convertido e salvo é parte desse projeto. Deus nos pega e nos distribui de maneira sabia de forma a abençoar o mundo

inteiro com o Seu conhecimento. Nesse projeto não existe peça pequena, não existe gente menos ou mais importante... É evidente que não. Todos os escolhido são relevantes para a configuração final dos planos de Deus sobre a terra. A igreja como um todo é o plano de Deus pra terra, e se você faz parte dela, você foi escolhido por causa de uma missão, a missão de espalhar o perfume de Cristo sobre as nações. Cada crente é a figura visível de Jesus, pelo menos deveria ser. Se você ainda não entendeu sua real missão como servo de Jesus Cristo, ou se já entendeu mais ainda não decidiu tomar sua posição como peça fundamental no avanço do evangelho sobre a sua cidade, seu bairro, sua rua, seus vizinho e até o mundo inteiro, reveja seus posicionamentos tomados em sua conversão e a sua decisão de seguir a Jesus

ainda hoje e, tome posse da sua parte na grande missão da igreja. E se você dirige uma igreja, dirige jovens ou qualquer departamento que pregue Jesus Cristo, a partir de hoje, quando alguém entregar a vida pra Jesus, diga a ela no momento da conversão, “A PARTIR DE AGORA SEU COMPROMISSO COM DEUS É SER TESTEMUNHA DE JESUS, PREGANDO O EVANGELHO E CUMPRINDO A SUA PRINCIPAL MISSÃO, IR POR TODO O MUNDO E PREGAR O EVANGELHO... Deus receberá a Glória que Ele merece quando toda a terra, todos os povos línguas e nações o conhecerem, e você foi escolhido pra isso! Pra alguns, a missão é lá longe, pra outros a missão é aqui perto, mas, TODOS SÃO ESCOLHIDOS PARA A MESMA MISSÃO. A Deus seja a Glória!

Álvaro Luciano Ribeiro Caetano é pastor batista desde 2002. Apaixonado por missões, sua ênfase ministerial é a responsabilidade missionária individual do Cristão. É também advogado e empresário no Estado do Paraná, dono da Rede de Lojas Hipercasa Megastore. Mantém o site www.blogdoalvaro.com.br como instrumento de evangelização e informação sobre a fé Cristã.

Setembro de 2012 * Vigiai -

19


Pr.

Haroldo Tavares de Sá

Direto ao que importa

reconstruindo a própria vida como santo lugar de adoração. Entretanto, é preciso ponderar, que por mais pessoal que seja esta decisão e experiência, ela, de fato, se dá em comunidade. O que será melhor? Construir ou reconstruir? O regenerado é integrado ao corpo de Cristo, unido a Cristo, e realiza suas exara algumas pessoas é melhor construir e assim ter periências de adoração em comunidade, liberdade para fazer como bem entender, subentendendo de outra forma por que teria Jesus afirmado: “onde se reunirem dois ou três em que a reconstrução ficaria, em teoria, sujeita a antigas meu nome, ali eu estou no meio deles” estruturas ou antigos paradigmas. (Mt.18.20), realmente a igreja pode afirmar com o salmista: “Porém tu és santo, sacerdócio e os sacrifícios eram apenas Reconstrução pressupõe que algo tu que habitas entre os louvores de Isra“sombra dos bens futuros” (Hb. 10.1), tenha sido destruído, marca e sinaliza el.” (Sl. 22.3). “exemplo e sombra das coisas celestiais” então a vitória ou a superação de um Pedro diz da igreja o seguinte: “vocês (Hb. 8.5), substituídos por uma “meevento traumático ou devastador. Além também estão sendo utilizados como lhor esperança” (Hb.7.19), pela “melhor disso, é uma rica oportunidade, pois traz pedras vivas na edificação de uma casa aliança” (Hb.7.22). consigo memórias de erros e acertos, exespiritual para serem sacerdócio santo, Na nova aliança o que vigora é que o periências, e provê um farto repositório oferecendo sacrifícios espirituais aceitátemplo que Deus habita é o coração de de lições aprendidas. veis a Deus, por meio de Jesus Cristo.” cada filho seu, transformado, regenerado A vantagem da reconstrução talvez (1 Pe. 2.5). pelo poder do Espírito Santo, comprado seja exatamente a referência e por isso Se o chamado a reconstruir diz respelo sangue de Jesus (1 Co.3.16; 6.20). pode determinar, buscar e alcançar o peito ao centro de adoração, melhor. nos termos da nova aliança Ageu é o porta-voz de Deus que conclamou o povo Não é tempo de cada um voltar às próprias ele se refere à reconstrução da igreja, restauração dos à reconstrução. Seu nome prioridades. É tempo de importar-se com o relacionamentos e renovatem um significado que pode ção da comunidade como ser entendido como “minha que Deus se importa. “Cada um cuide, não núcleo de serviço e adorafesta”, “meu aniversário” ou somente dos seus interesses, mas também ção. “Nele vocês também ainda “festivo”. Um idoso estão sendo juntamente edique teve um ministério curdos interesses dos outros. Seja a atitude de ficados, para se tornarem to pouco tempo depois do vocês a mesma de Cristo Jesus,” (Fp. 2.4-5). morada de Deus por seu Esretorno do povo do cativeiro pírito.” (Ef. 2.22). babilônico por volta de 520 Não é tempo de cada um a.C. voltar às próprias prioridades. É tempo Jesus anunciou: “...está chegando a Ele via o povo voltando e reconstruinde importar-se com o que Deus se imhora, e de fato já chegou, em que os verdo suas casas e adiando a reconstrução porta. “Cada um cuide, não somente dos dadeiros adoradores adorarão o Pai em do templo de Deus. seus interesses, mas também dos inteespírito e em verdade. São estes os adoA mensagem de Ageu já foi lembrada, resses dos outros. Seja a atitude de vocês radores que o Pai procura.” (Jo. 4.23) e utilizada, muitas vezes por líderes que a mesma de Cristo Jesus,” (Fp. 2.4-5). O chamado à adoração, chamado à queriam incentivar suas congregações Você se importa? restauração, está pronunciado: “Eis que na edificação do próprio templo. Sua ministério tem suas particularidades, estou à porta e bato. Se alguém ouvir a chamada é forte, pois escancara a quescada comunidade tem suas prioridades. minha voz e abrir a porta, entrarei e cetão das prioridades (Ag. 1.4,5). Para os pastores o desafio da prática do arei com ele, e ele comigo.” (Ap.3.20). A nova aliança prorrompe, irromministério continua sendo o de sempre, Verdadeira festa acontecerá no coração pe e rompe com os antigos termos. Nas vencer as tentações e ser só pastorear. O daquele que decidir dar a prioridade a palavras do autor da carta aos Hebreus que já é difícil. Jesus, abrindo-lhe a porta do coração e a lei, o cerimonial, os ritos, o templo, o

P

PR. HAROLDO TAVARES DE SÁ é paulistano. Bacharel em Teologia pela Faculdade Teológica Batista de São Paulo (FTBSP). Tecnólogo em Tecnologia da Informação pela Faculdade de Tecnologia (FATEC). MBA em Gestão de Projetos pela FATEC. Pós-graduando em Aconselhamento pela FTBSP. Pastoreando a Primeira Igreja Batista em Vila Guarani

20

- Vigiai * Setembro de 2012


pr.

a urélio Rosa

Propositadamente dE

Propósitos

A

lém do livro Uma Igreja com Propósitos de Rick Warren, existem outros livros relacionados ao assunto. Ed René Kivitz tem um livro que indiretamente também trata de Propósitos, além de outros de sua autoria como por exemplo: Nasce uma Igreja. Inclusive, lembro-me bem, a primeira vez que li o livro Uma Igreja com Propósitos, ele trazia uma indicação do Ed René Kivitz na capa adicional do livro lá pelos idos de 1995. Recentemente foi lançado por Carlito Paes o livro Igreja Brasileira com Propósitos, que vem somar nesse contexto de Propósitos. Louvo a Deus pela vida desses homens que tanto tem contribuído para termos excelentes ferramentas e estratégias nas nossas igrejas. Hoje nós temos vários Modelos Eclesiásticos como: Propósitos, Vida Total da Igreja, Rede Ministerial, Igreja em Células, G12 e outros não tanto difundidos, mas não menos importantes. O nome ideal pode até ser outro como: ferramentas, estratégias, visão, estilo de administração. Vejo que o mais importante é que cada uma das igrejas decida pelo sistema que ela melhor se adequar e não deixar de conviver com as demais independentemente da escolha delas. Em um dos primeiros Encontros organizados pela Secção da OPBB-SP, tivemos uma palestra de um líder dos Irmãos Menonitas que, até aquele momento, por ignorância, eu não considerava muito e todos nós aprendemos muito naquela oportunidade sobre modelos não tão conhecidos pelos batistas. Eu vibro quando vejo que Rick Warren (Propósitos) e Bill Hybels (Rede Ministerial) se cooperam e também participam de programas e eventos juntos. Embora eu ame Propósitos, também aprendo e apreendo muitas coisas com

Rede Ministerial. Os outros modelos também são muito importantes para nós. Tenho algumas restrições pessoais para o G12, mas aprendi tremendamente com uma declaração de um grande Líder nosso quando ele disse que não devemos nos preocupar com ventos passageiros nas doutrinas, pois assim como vem eles também vão embora. Na IBPC, quando iniciamos a transição para o Modelo Eclesiástico de Igreja com Propósitos, tivemos uma extremada preocupação em registrar por escrito o nosso compromisso com a denominação batista, pois somos batistas por convicção embora “moderninhos”. Há um risco muito grande em se pensar que se virou comunidade evangélica quando se adota um ou outro modelo. Somos comunidades evangélicas internamente e no nosso entorno (local onde a igreja está inserida), mas nunca esquecemos que somos ligados através de um pacto das igrejas batistas, que compomos uma Associação, uma Convenção Estadual e

uma Convenção Brasileira, além de todas as instituições. Sabemos que estamos em débito no aspecto financeiro com a nossa denominação, mas nunca nas orações, participações e prestações de contas. Sempre que possível estamos envolvidos com as igrejas co-irmãs na obra da cooperação. Temos também algumas igrejas vizinhas que são uma dádiva de Deus para a nossa vida e isso não tem nada a ver com Propósitos, pois nenhuma delas adotou esse Modelo Eclesiástico e são igreja como nós ou qualquer outra de qualquer outro Modelo. É de fundamental importância que não haja confusão entre Igreja e Modelo de Gestão Eclesiástica. Deus deve ser o Deus de todas as igrejas e, no nosso caso, Propósito também tem nos beneficiado em muito em cada um dos 5 Propósitos: ADORAÇÃO, COMUNHÃO, EDIFICAÇÃO, EVANGELISMO & MISSÕES e SERVIÇO. A cada mês somos sacudidos para dar respostas positivas e renovadas para os mais diversos desafios que nos chegam. Amamos os domésticos da fé, nos relacionamos com amor com a nossa vizinhança e procuramos ao máximo estar junto da nossa Denominação. Infelizmente, Propósitos ainda não “colou” na nossa denominação, mas as igrejas que abraçaram Propósitos tem sido ricamente recompensadas após anos e anos de deserto na Transição. Se tivéssemos mais igrejas grandes envolvidas com Propósitos o reconhecimento seria diferente, mas seguimos em frente com a fé em Cristo e contando com os amados irmãos. Deus os abençoe ricamente.

AURÉLIO ROSA é pastor titular da Igreja Batista em Parque do Carmo, São Paulo/SP. Setembro de 2012 * Vigiai -

21


Igrejas em Destaque

Igreja Batista em Parque do Carmo, São Paulo, capital, realizou o I Congresso IDP

N

Pr Aurélio Rosa. Tema: O que é uma Igreja com Propósitos, Transição e Ministérios. Foco na Visão de Propósitos

Diácono Joel Sampaio. Tema: O preparo dos Ministros para o exercício do seu ministério e a Gestão de Ministérios

Agenor e Dany “Casais e Família”

Dalvani Santos “Comunicação, Integração e Logística”

Josy “Oração”

Miriam “Adoração e Comunhão”

22

- Vigiai * Setembro de 2012

o período de 31.08 a 01.09.2012 a Igreja Batista em Parque do Carmo realizou o seu Congresso em tela. Tema: “Esclarecendo Propósitos & Integrando Ministérios” Divisa: “Prossigo para o alvo, pelo prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus” Filipenses 3:14 Visite e faça parte de uma pequena igreja que serve o povo carente da favela em nome de Jesus! Glória a Deus!


Pr.

i saías Andrade Lins Filho

OS PRINCÍPIOS BATISTAS

M

uito embora se diga existir conhecimento sobre este assunto, lamentavelmente, temos observado que muitos integrantes dos nossos arraiais, até mesmo, alguns líderes em pleno exercício de suas atividades, porque recentemente concluíram os seus cursos teológicos em instituições educacionais, mesmo confessionais batistas, não estão inteirados a respeito dos princípios de nossa denominação, tanto porque acham que todas essas coisas são tolices, mas, sobretudo, porque não demonstram nenhum interesse de ministrar aos seus liderados algo sobre esta questão, e a maioria porque sequer conhece do assunto. Em vista disto e, neste diapasão, é que sem maiores pretensões senão a de dar um certo destaque e promover algum conhecimento a respeito da identidade denominacional, iremos nos deter a escrever algo que possa colaborar com pastores, diáconos, lideres, missionários e, membros em geral das nossas Igrejas Batistas, ministrando-lhes algum respaldo e entendimento sobre este assunto de relevo e interesse. Vale a pena de início definir a palavra PRINCÍPIOS. Podemos afirmar que princípios é o conjunto de características ou de elementos que constituem um Corpo Doutrinário. Princípio não é doutrina, doutrina pode ser definida como um conjunto de princípios ou de dogmas que regem um sistema religioso. Todas as religiões e denominações, sejam elas quais forem, tem os seus princípios basilares, fundamentais. Como não poderia deixar de ser, nós os batistas, também temos os

nossos princípios. Princípios são portanto, os conceitos, as normas, as convicções, são os elementos fundamentais, gerais, para qualquer ciência. Poder-se-ia dizer que princípio é o marco zero, é o ponto de partida. Muitos mestres e estudiosos se detiveram em apresentar as classificações de determinadas leis espirituais, dentre eles, o in-

Justo Anderson, onde classifica em sete os princípios batistas, mas, dentre os teólogos e comentaristas que discorreram sobre este assunto, ninguém me chamou mais a atenção como Robert G.Torbert, ao escrever livro com o mesmo tema, "História dos Batistas ", onde salienta (6) princípios básicos dos batistas ,classificando-os assim: O PRINCIPIO DA BASE BÍBLICA Nós, os crentes batistas temos a Bíblia Sagrada como a nossa única regra de fé e de prática. O PRINCÍPIO DE UMA IGREJA NEOTESTAMENTÁRIA - Composta de crentes regenerados e batizados; O PRINCÍPIO DO SACERDOCIO DOS CRENTES- cada crente em Cristo Jesus é um sacerdote; O PRINCIPIO DA AUTORIDADE DA IGREJA LOCAL – Cada igreja tem autonomia por ser soberana e independente; O PRINCIPIO DA LIBERDADE RELIGIOSA – o homem que é criado a imagem e semelhança de Deus, não deve ser coagido por nenhuma autoridade. O PRINCIPIO DA SEPARAÇÃO ENTRE IGREJA E ESTADO - É a igreja livre num Estado livre. Sem nenhuma sombra de dúvida, eu sei perfeitamente, que por causa de uma diversidade muito grande de ideias, não vai ser nenhum pouquinho fácil discorrer sobre esses temas palpitantes dos batistas, principalmente por causa da nossa liberdade religiosa, da nossa liberdade de opinião, e, por vezes quando chegamos em determinados estágios, já consideramos que sabemos tudo, conhecemos de tudo, e nada resta mais aprender com ninguém. Como eu não ligo para essas coisas, vou prosseguir em frente, e, a cada número desta prestigiosa Revista Vigiai, pretendo, a partir deste número,enviar esta contribuição, desejando seja útil para nosso povo chamado Batista.

Todas as religiões e denominações, sejam elas quais forem, tem os seus princípios basilares, fundamentais. Como não poderia deixar de ser, nós os batistas, também temos os nossos princípios. signe mestre E.Y.MULLINS ao escrever o seu notável livro “os axiomas da religião” quando ele menciona algumas leis espirituais que não podem deixar de ser observadas quando da constituição das organizações religiosas. Certa feita me chamou a atenção o Livro Historia de Los Bautistas do escritor

Isaias Andrade Lins Filho, especialista em Controle de Contas Municipais pela Unibahia; Pós-Graduado em Direito Público com Docencia Superior pela Fundacem; Advogado Público junto aos Tribunais de Contas da União, do Estado e dos Municipios; Advogado Público junto ao TJBA, STJ,STF,TRE-BA, TSE,TST; Professor de Direito Constitucional e de História do Direito. E-mail: isaiasalf@gmail.com Setembro de 2012 * Vigiai -

23


Igrejas em Destaque

94 ANOS TESTEMUNHANDO DE CRISTO Profa. Antonia Carmo de Almeida

C

om uma série de conferências, de 31 de agosto a 02 de setembro de 2012, a Igreja Batista dos Mares comemorou 94 anos de fundação,tendo como conferencista o Pastor Luiz Sayão, da Igreja Batista Nações Unidas, de São Paulo. Esta

24

- Vigiai * Setembro de 2012

Igreja tem se alegrado pelos 28 anos de Ministério Efetivo do Pastor Isaias Lins,bem como, pela expansão ministerial com a chegada do Pastor Fábio Vasco no Ministério de Jovens e Adolescentes ,Evangelismo e Missões. A igreja Batista dos Mares foi organizada em 01 de setembro de 1918,

à Rua Conselheiro Zacarias, 6, Mares, com 45 membros oriundos da Primeira Igreja Batista do Brasil, cujo Pastor na época era o Rev. Adrião O. Bernardo, o qual foi o orador oficial da solenidade de organização. O concílio foi constituído pelos seguintes pastores: M.G. White (presidente),Chrispiniano Dário, Carlos


(06/04/1942 a 10/09/1952); 12 – Pr. M.G. White (14/09/1952 a 01/09/1958); 13 – Pr. José Sales da Costa (13/09/1956 a 01/09/1967); 14 – Pr. James Palmer Kirk (20/02/1968 a 06/12/1968); 15 – Pr. Waldomiro Luís de Souza (06/12/1968 a 21/07/1976); 16 – Pr. Burley Cader (20/10/1976 a 11/07/1977); 17 – Pr. Elias Teodoro da Silva (01/07/1977 a 29/02/1984); 18 – Pr. Burley Cader (01/03/1984 a 15/12/1984); 19 – Pr. Isaias Andrade Lins Filho (15/12/1984 até a presente data). Ao longo de sua história foram organizadas as seguintes Igrejas e Congregações: Stapp, M.G. Willis e pelo Diácono José Menezes. Ao longo desses anos exerceram o Ministério Pastoral, os seguintes pastores: 1 – Pr. M.G. White (01/09/1918 a 18/05/1918); 2 – Pr. Carlos Barbosa (25/09/1919 a 02/09/1923); 3 – Pr. Coreolano Duclerc (24/12/1923 a 07/01/1924); 4 – Pr. Alberto Sales do Nascimento (07/01/1924 a 17/10/1929);

5 – Pr. José Ferreira Neves (17/10/1929 a 16/06/1933); 6 – Pr. Afonso José dos Santos (16/07/1933 a 30/07/1934); 7 – Pr. Luís Régis (30/07/1934 a 02/09/1934); 8 – Pr. Afonso José dos Santos (10/09/1934 a 20/02/1938); 9 – Pr. Manoel Pereira (10/05/1940 a 06/10/1940); 10 – Pr. Alfredo Viana Barbosa (10/11/1940 a 08/03/1942); 11 – Pr. Alberto Sales do Nascimento

• • • • • • • • • •

Igreja Batista de Itapagipe; Igreja Batista Jerusalém; PIB de Feira de Santana; PIB de Periperi; Igreja Batista de São Caetano; Igreja Batista Getsêmani em Parafuso, Município de Camacari; Igreja Batista Peniel em Barra do Gil, Vera Cruz; Igreja Batista Pérola dos Mares; Igreja Batista Moriá; Congregação na Cidade de Macururé, Estado da Bahia;

Setembro de 2012 * Vigiai -

25


• Congregação em São Bartolomeu; • Congregação em Alto do Cabrito; • Congregação em Santo Amaro. Durante essas décadas,diversos homens e mulheres,membros da Igreja têm se preparado nas Universidades e nos Seminários para a realização da obra do Senhor em diversos Ministérios e Campos Missionários e,embora alguns já estejam na Pátria Celestial,outros continuam firmes e fortes na causa do Mestre, são eles: • Pr.Abidiel Araujo de Goes - falecido • Pr. Adomiran Pereira Loureiro, Bacharel em Teologia e Bacharel em Direito; • Pr. Dilmã Santos de Cerqueira- Bacharel em Teologia e Bacharel em Direito; • Pr. Joel Bezerra; • Pr. Jorge Bezerra. • Pr. Éric Gleidston Falcão Lins- Bacharel em Teologia e Bacharel em

26

- Vigiai * Setembro de 2012

Direito; • Pr. Edmilson Evangelista Nascimento; • Pr.Edson Borges • Missionária Iracy Evangelista do Nascimento; • Pr.Elias Evangelista do Nascimento • Pr. Ulysses José Neto; • Pr. José Santana Damião; • Pr. Erisvaldo Lourenço França; • Pr. Alexandro Silva de Jesus; • Pr. Marcos Alberto Minho Gonçalves; • Pr. Fábio Batista Vasco dos SantosBacharel em Administração e Bacharel em Teologia, atual Ministro de Jovens,Adolescentes, Evangelismo e Missões da IBM; • Argone George Cumming NetoComposição Regência pela UFBA, ex-ministro de Arte e Adoração da IBM; • Jeaziel Oliveira Santos- Bacharel em Administração e aluno do Bacharelato em Teologia pelo STBNE;

• Pr. Elton Santos • Prof.ª Carla Cristina Motta, Licenciatura em Música pela PUC e Pós Graduada pelo SEC em Música Sacra; • Prof.ª.Josefa Macedo da Motta –Especializada pelo SEC em Educação Religiosa • Prof.ª Soraya Santana dos Santos, Bacharel em Música Sacra; • Prof.ª Eliete Reis Brito, bacharel em Educação Religiosa; • Prof.ª Maria Conceição Vitório Santos, bacharel em Teologia; • Prof.ª Isabela Nascimento, bacharel em Teologia; • Prof.ª Maria José de Jesus Souza, bacharel em Teologia. • Prof.ªSara Fernandes Rios- Licenciatura em Música pela UFBA e atual Ministra de Artes e Adoração da IBM Assim, por tantas bênçãos alcançadas só nos resta exaltar e glorificar ao Nome de Jesus. *SECRETÁRIA GERAL DA IGREJA.


Pr.

Z aqueu Moreira De Oliveira

VIRTUALIDADE E ESPIRITUALIDADE

O

materialismo hoje passou a ser rechaçado por religiosos e ateus como inoperante, inoportuno e sem qualquer sentido. Não é só o abstrato, quando se fala em valores como justiça e verdade, que tem golpeado a força da matéria. A informática transformou o mundo em uma aldeia, onde o espaço encolheu. E como se faz comunicação? A física e a química têm explicações satisfatórias? Em que lugar o corpo (sôma), a mente (psuchê) e a alma (pneûma) estão atuando no virtual? Será que a virtualidade substituiu a espiritualidade? Será que a máquina, que toma o lugar do ser pensante, eliminou as características do homem-pessoa? Aqui nos detemos para falar sobre o ser humano como pessoa. Por mais importante que seja uma máquina que pensa (não raciocina) ou comunica (não espiritualiza), ela é criação do homem. Os programadores deram sentido, com imagem, voz e programas, aos CPUs de última geração, além dos iphone, ipod, ipad, e tantos “ais” que fazem maravilhas ao pôr a lume o mundo inteiro e solucionar problemas que no passado tomariam horas, dias, semanas, meses ou anos para se conhecer ou resolver. É bom saber que a tecnologia tem o seu valor e pode ser usada a serviço do bem ou a serviço da alma. O homem continua sendo ele próprio, a imagem e semelhança de Deus, do-

minador do macro e do microuniverso, inclusive manipulando átomos com seus prótons e nêutrons. Só que para alguém chegar a esse ponto não precisa ser um nerd, principalmente quando ele conhece tudo na área virtual, mas nada sabe sobre Deus e espiritualidade, pois dorme e acorda em frente à tela do seu computador, mas nunca abre a Bíblia, sendo totalmente ignorante da Palavra de Deus. O perigo está em que neste domínio da matéria e da mente, ele perca o que há de mais importante, que é a sua alma. E mais uma vez voltamos para a pergunta de Jesus: “Pois que aproveita ao homem ganhar o mundo inteiro e perder a sua vida? Ou que daria o homem em troca da sua vida?” (Mc 8.36-37).

A Bíblia afirma que a terra e as obras humanas um dia serão desfeitas, quando “os elementos, queimando, se dissolverão” (2Pe 3.10b). Mas a alma é eterna e imortal. Ela continuará a existir ad finis. Por isso não podemos eliminar a relação entre o homem e seu Criador, porque em Deus “foram criadas todas as coisas, nos céus e sobre a terra, as visíveis e as invisíveis, sejam tronos, sejam soberanias, quer principados, quer potestades. Tudo foi criado por meio dele e para ele” (Cl 1.16). O Profeta Daniel escreveu: “É ele quem muda o tempo e as estações; remove reis e estabelece reis; ele dá sabedoria aos sábios e entendimento aos inteligentes” (Dn 2.21). O Apóstolo Paulo acrescenta: “Quanto ao mais, sede fortalecidos no Senhor e na força do seu poder” (Ef 6.10). Por isso, ao darmos o devido valor à nossa própria condição espiritual, como pessoas ou seres racionais, morais e espirituais, urge enaltecer o Espírito Eterno que nos criou como expressão da realidade divina. “Ó profundidade da riqueza, tanto da sabedoria como do conhecimento de Deus! Quão insondáveis são os seus juízos, e quão inescrutáveis, os seus caminhos! Quem, pois, conheceu a mente do Senhor?” (Rm 11.33-34).

ZAQUEU MOREIRA DE OLIVEIRA é pastor, professor universitário, escritor e conferencista. Sua formação é em Teologia como Bacharel e Mestre, em Educação como Especialista, e em História como Licenciado e Doutor (Ph.D.). É professor do STBNB e do SEC, autor de 20 livros e membro efetivo da Academia Evangélica de Letras e da Skepsis Academia Setembro de 2012 * Vigiai -

27


Especial

FOTO: Samuel Santos Klicksam

As aberrações do Novo Código Penal

Deputado Arolde de Oliveira, membro da Primeira Igreja Batista do Recreio dos Bandeirantes, Rio de Janeiro-RJ.

POR QUE TANTA PRESSA? O

Arolde de Oliveira

Senado Federal formou uma Comissão Especial de Juristas com o objetivo de propor um anteprojeto de reforma do Código Penal Brasileiro, segundo o entendimento de que estaria defasado, e que deveria incluir novos crimes que assolam a sociedade. A Comissão Especial concluiu seu trabalho com inúmeras sugestões de novos crimes ou alterações para outros que já são regulados. A diversidade dessas matérias e a complexidade de algumas delas, não recomendam, absolutamente, essa tramitação em pacote, simultânea, a menos que alguma razão obscura justifique abandonar a boa técnica legislativa. A Comissão Especial apresenta no seu pacote de propostas temas polêmicos como: a descriminalização do aborto; regulamentação da eutanásia; legalização de prostíbulos, e como conseqüência, a profissionalização da prostituição; descriminalização das drogas; criminalização de homofobia; e a redução da idade da pedofilia. É muito intrigante que essas matérias

28

- Vigiai * Setembro de 2012

polêmicas, entre outras, estejam todas contidas na terceira edição do Plano Nacional de Direitos Humanos (PNDH-3). Fica uma sensação de que o processo legislativo está sendo terceirizado em benefício de minorias e que o povo brasileiro está sendo usurpado de sua representação no Congresso Nacional. Fica, também, uma sensação, quase certeza, de que se trata de uma estratégia de votar essas matérias polêmicas ao arrepio da vontade consciente da maioria da população brasileira, representada no Congresso Nacional. Ou estou equivocado? Que eu, então, esteja equivocado.

Do plenário da Câmara, o deputado Arolde de Oliveira (PSD-RJ) fez críticas ao relatório do novo Código Penal que está em análise no Senado. Segundo ele, o documento contém aberrações. “A novidade é o art. 493, o último do projeto, que diz: ficam revogadas as disposições em contrário ou revoguem-se as leis, os regulamentos, enfim, os institutos seguintes e vai numerando um por um”. Arolde de Oliveira assegurou que existem outras contradições no relatório elaborado pelo relator Pedro Taques (PDT-MT). “É mais grave, por exemplo, alterar um cosmético do que cometer assédio sexual. Está lá nos artigos 233 e 184 desse mesmo documento”. Citou entre as “aberrações” o seguinte: “Destruir um ninho de passarinho é mais grave do que manter uma criança presa sem motivo. É mais grave do que uma autoridade manter uma criança em cárcere privado. Está lá no art. 238, inciso II, e o art. 488”. O deputado carioca diz acreditar que a revisão do Código teve outro objetivo, que não era o de fazer uma consolidação de leis, ou fazer uma revisão jurídica, perfeita, equilibrada. “Foi, isto sim, um biombo para acomodar interesses que são escusos e que, se fossem explicitamente colocados numa lei, não tramitariam na Casa, como é o caso da homofobia, do aborto e tantos outros temas que têm de ter projeto de lei para tramitar”, afirmou. (PSD Câmara/Redação) so II, e o art. 488”. O deputado carioca diz acreditar que a revisão do Código teve outro objetivo, que não era o de fazer uma consolidação de leis, ou fazer uma revisão jurídica, perfeita, equilibrada. “Foi, isto sim, um biombo para acomodar interesses que são escusos e que, se fossem explicitamente colocados numa lei, não tramitariam na Casa, como é o caso da homofobia, do aborto e tantos outros temas que têm de ter projeto de lei para tramitar”, afirmou. (PSD Câmara/Redação)


ADOTE O LAR BATISTA DE CRIANÇAS! DÊ UM LAR, DÊ ESPERANÇA, DÊ DIGNIDADE VOCÊ PODE FAZER A DIFERENÇA NA VIDA DE MUITAS! iadas rianças cr c e m e c s e r Crianças c nças ta de Cria is t a B r a L sociedade! no a n a ç n e r m dife o! esus e faze J m o prova diss c o ã m s s u s e cresce J dete de er telo e O V io n o t n A

do 41 fazen Desde 19 e na vida d diferença as, de crianç s e r a h il m e abrigo sendo lar

ª bro da 1 , s, mem a u s b e u J t a e t ª Igreja Odete d ta em Caragua bro da 1 m e m is , t a lo egional Ver te ada Igreja B erente R G Antonio aposent e u r u Federal ta em Ba

a Batis Econômic da Caixa

Quer nos ajudar? Telefone: (11) 3208-3074 Fax: (11) 3208-8187 contato@larbatista.com.br

Banco: 001 Agência: 3548-3 Conta Corrente: 20428-5

Banco: 237 Agência: 0496-0 Conta Corrente: 7602-3

Banco: 341 Agência: 0151 Conta Corrente: 48.250-2

LAR BATISTA DE CRIANÇAS Escritório Central - Rua Bueno de Andrade, 635 Aclimação São Paulo - SP - CEP: 01526-000 Telefone: (11) 3208-3074 Fax: (11) 3208-8187 www.larbatista.com.br | contato@larbatista.com.br


Pr.

D avid Botelho

IRÃ,

UM PAÍS DE GRANDES CONTRASTES "E Deus escolheu as coisas vis deste mundo, e as desprezíveis, e as que não são para aniquilar as que são" (1 Co 1:28)

Q

ueremos compartilhar um pouco sobre a realidade do Irã para que os irmãos conheçam os absurdos que acontecem ali, mas também louvem ao Senhor pelo fato de um ímpio estar sendo usado para mudar a história, e também agradeçam pelas oportunidades de treinamento que têm sido abertas para aqueles que o Senhor tem chamado. O Irã é um país asiático, situado numa região conhecida como Oriente Médio, com uma população de mais de 70 milhões de pessoas. Está constantemente presente nos noticiários por conta de seu governante autoritário e muito agressivo, que persegue os cristãos. O país está em quinto lugar na lista de perseguição aos cristãos, segundo informações da missão Portas Abertas. O Xá Reza Pahlevi governou o país por cerca de quarenta anos e desenvolveu um governo concentrando os poderes em um pequeno círculo de amigos e aliados. Ele não se preocupava com as diferenças entre os pobres e os ricos, o que intensificou as desigualdades sociais no decorrer da década de 1970, ele era pró-ocidente. O regime de Pahlevi gerava críticas ao plano econômico, mas principalmente quanto ao seu modo autoritário de conduzir a política no país. Muito do que o país é hoje é fruto de uma revolução ocorrida na década de

1970 que colocou os dogmas da religião islâmica acima de todos os valores democráticos comuns aos outros países do mundo. Isso aconteceu até que surgiu o aiatolá Ruhollah Khomeini, exilado na França, que era um grande opositor do Xá, e defendia as reformas sociais e econômicas no Irã, além de recuperar os valores religiosos e tradicionais do islamismo. A Revolução Islâmica alterou profundamente a estrutura social do país, estabelecendo novas doutrinas que passavam em primeiro lugar pela questão religiosa. Por três anos enfrentou uma oposição, mas depois, com um governo autoritário, impôs a lei Sharia - um código de leis, segundo as quais, todo muçulmano que deixa o Islã deve morrer, assim como toda pessoa que criticar Alá ou Maomé. Naquela ocasião, milhões de iranianos fugiram do país. Khomeini, com seu governo ditatorial fundamentado nas leis religiosas do Corão, foi o motivador de um grande êxodo. O regime impetrado por Khomeini foi o pivô que o Senhor usou para abrir os corações empedernidos dos iranianos e a continuidade do regime regido pelos aiatolás tem levado muitos a buscar o lenitivo na Palavra do Senhor. O aiatolá promoveu uma mudança drástica na

liberdade religiosa, impôs o uso do véu para as mulheres, proibiu até o uso batom, esmalte, maquiagem. Khomeini fechou a Sociedade Bíblica em uma época que um muçulmano nunca aceitava um exemplar da bíblia. Khomeini iniciou uma guerra de oito anos com o Iraque, onde crianças foram usadas pelos militares: elas iam em direção ao inimigo montadas em suas bicicletas e lançavam as granadas que explodiam a matavam os adversários. Elas acreditavam que estavam prestando um grande serviço a Deus e ao país, orientadas pelos aiatolás que lhes prometiam o paraíso. Absurdos contados por ex-soldados. Hoje, o Irã é governado por Mahmoud Ahmadinejad, mas sob a influência dos aiatolás. Esses governos foram o melhor estimulante para despertar o povo para a busca do evangelho. Cerca de 40 anos atrás, havia apenas 200 cristãos de origem muçulmana que viviam no Irã. Na época do Xá, havia uma sociedade bíblica, mas era raro um muçulmano entrar e adquirir o livro sagrado. Quando foi proibida a publicação de qualquer livro cristão, o interesse pela literatura cristã aflorou. Hoje, estima-se que existe algo em torno de 370.000 cristãos convertidos. Além desses novos crentes, o Irã também tem uma igreja tradicional armênia e assíria com cerca de 80.000 membros. Estima-se que exista um milhão de cristãos e o povo está faminto pela Palavra de Deus. O Governo iraniano persegue a Igreja estabelecida em templos, causando assim o surgimento das igrejas domésticas, ou células, onde o número de frequentadores em cada culto é de 15 membros. Leia o texto completo em www.vigiai. net, basta no cabeçalho do site clicar em busca, abrindo o link de busca colocar a expressão: IRÃ, UM PAÍS DE GRANDES CONTRASTES

DAVID BOTELHO é pastor, dirige a V Formation Empreendimentos e Incorporação Ltda. Site: www.vformation.com.br. Tel.: (035) 3438-2797

30

- Vigiai * Setembro de 2012


pr.

G ilson Fontes

Missão Boa Vista: o projeto

"miSsioecológico"

A

Missão Boa Vista vem ocorrendo todos os anos desde que fizemos por determinação divina o reconhecimento do campo na tríplice fronteira do norte do Brasil com a Guiana e Venezuela a partir de 2008, quando o irmão Gerson Kubitz( Fundação Kubitz) aceitou o desafio de irmos e conhecermos Roraima, Guiana e Venezuela sempre na fronteira. Estando lá, nós fizemos contato de parcerias de recepção de voluntários nos meses de julho de cada ano. Apoiando as igreja das fronteiras e indo às tribos indíginas inicialmente da Guiana( Lethem Baptist church). Temos base da Missão em Boa Vista em parceria com a Igreja Batista Ver-

de, Base na Venezuela em parceira com Igreja Batista Casa de Dios e Base na Guiana com a igreja Batista e Convenção Batista da Guiana.Sempre teremos vagas para voluntários é só acessar o site da Missão Boa Vista, projeto missionário da Primeira Igreja Batista de Cascavel, Paraná, Brasil. Neste ano de

20012 tivemos representantes de Cas cavel(5),Curitiba(1),Espírito Santo (1), Guiana (2),Venezuela (3) no total de 12 voluntários mais os irmãos de cada igreja envolvida. Tivemos folhetos nas tres linguas(Ingles, Espanhol e portugues) 15000. E as casas foram todas visitadas e milhares de pessoas foram evangelizadas. Tivemos escola Biblica de Férias tanto na Guiana quanto em Boa Vista. Palestras sobre "a saúde da mulher", verificação de pressão.Que o Senhor seja glorificado na colheita das sementes plantadas neste mes de julho na tríplice fronteira que está muito necessitada da Palavra do Senhor. Você pode ser parceiro neste projeto! Acesse o site da Missão Boa Vista: www.missaoboavista.com.br www.pibcascavel.org.br Já temos vários parceiros: UBLA, Fundação Kubitz, Primeira Igreja Batista de Cascavel, Igreja Batista Verde, Boa Vista, Assibanorte, convenção Batista da Guiana, Entre outros... Estes são alguns dos pressupostos em linhas gerais. Contatos: Pr. Gilson Fontes da Cruz prgilson7@gmail.com Tel.: (45) 3224 6032 (45) 9107 2217

Setembro de 2012 * Vigiai -

31


32

- Vigiai * Setembro de 2012


Pr.

G eraldo Farias

METENDO A COLHER: MENTORES DE CASAIS D

itado consagrado na população diz respeito à impossiblidade de se mediar conflitos conjugais. Diz-se: “Em briga de marido e mulher não se mete a colher”. Evoco os anos de experiência pastoral e clínica mediando crises familiares pra discordar de tal adágio. Treinar mentores, conselheiros, discipuladores de casais é ministério. A cultura da mediação deve ser estabelecida através de acompanhamentos de pares – namorados, noivos, novos casados. Prestar contas a mentores deve ser rotina – ao menos nos primeiros anos. A função decorativa dos “padrinhos” deve ir para além da foto da cerimônia de casamento. Quando os noivos por razões de intimidade, confiança e apreço escolhem os “padrinhos”, devemos orientá-los ao papel de acompanhantes na vivência conjugal. Periódicas visitas e diálogos reflexivos devem ser extensão do papel. A participação em fóruns, encontro para casais, programas com conteúdo voltado à família, deve ser estimulada. Programas de igrejas, escolas e instituições devem privilegiar as relações de famílias – horizontais/ intraconjugais e verticais/ascendentes e descendentes. Há níveis de crise conjugal. Crises resultantes de falta de perdão/aceitação de eventos passados; falta de comunicação; falta (qualidade) de tempo à vivência a dois; dependência química por parte de um dos cônjuges; desorganização financeira; ciúmes; interferência na educação dos filhos; incompreensão das diferenças; invasão do espaço por parte de entes

etc. Sempre cabe intervenção desde que permitida pelas partes, seja em problemas centrais ou periféricos – potenciais deflagradores de crises, seja na prevenção ou correção. Algumas sugestões são importantes: Ouvir bem as partes – ouvir pessoal e/ou conjugal. Em qualquer situação há privações, reinvidicações, opiniões extremas, demandas emotivas; devemos ouvir sempre e ouvir bem; Para uma reconciliação/estabilização é importante dar tempo ao casal – crises antigas levam tempo proporcional para resolução/acomodação; Execução de tarefas e exercícios – leitura de um bom livro, por exemplo; Celebrar pequenos movimentos e atitudes de mudança – mudar pouco também é mudar. Uma longa caminhada começa com o primeiro passo; O mediador não está do lado dele(a): Está do lado da conjugalidade, da família. Crises conjugais são ampliadas quando a intervenção é feita por torcedores apaixonados, contaminados por posições anteriormente exercidas; No perfil do mediador: Negociador, diplomata; equilibrado, paciente; ouvinte sensível; otimista perseverante... Distante como árbitro; próximo, mas não intrometido, constrangedor.

O diálogo confrontativo tem espaço – no devido tempo e da forma sensível e apropriada. Fazer pensar; discutir hipóteses; formular perguntas; ter sensibilidade pra jogar o jogo. Não despreze as pequenas reclamações (“isso é bobagem, deixa prá lá”). Grandes tsunamis se originaram de uma ventania ignorada. Na mediação há implicações das partes e dos mediadores. Sempre é bom lembrar: Resolução de conflitos é processo, não um ato (Não se iluda achando que uma visita, um diálogo apenas, uma oração, resolverá uma encrenca). Abra-se sempre para ajuda profissional. Um processo terapêutico de casal é uma possiblidade. A intervenção de mediadores leigos dependendo do nível da crise, pode adiar perigosamente uma aproximação ou até mesmo cristalizar uma separação. Portanto, em briga de marido e mulher podemos meter a colher desde que de forma pró-ativa. Não se mete a colher em briga de cônjuges impermeáveis. Meter a colher não é o mesmo que meter o serrote. Concluo reafirmando que a superação de demandas da conjugalidade depende das partes. Mas o aprimoramento de mediadores pode resultar em acréscimos nesse desafio da reconstrução de famílias. (Mais conteúdo sobre o tema: lideralpinista.blogspot.com – aprimorando líderes e fortalecendo famílias)

PR. GERALDO FARIAS é Pastor da IB Selecta - S. Bernardo do Campo, psicólogo clinico (CRP 06/88367), associado ao Corpo de Psicólogos e Psiquiatras Cristãos/CPPC; Especialista em Gestão de Pessoas; Líder graduado pelo Instituto Haggai; professor e conferencista em Treinamento e Desenvolvimento de Lideres, Equipes e Famílias. Casado com Marina e pai de Sarah. gerafarias@hotmail.com; (11) 9638 2775. Setembro de 2012 * Vigiai -

33


Pr.

N iander Aguiar Cerqueira

PREGAR A PALAVRA DE DEUS:

FUNÇÃO NOBRE “E todos os dias, no templo e nas casas, não cessavam de ensinar, e de anunciar a Jesus Cristo” (Atos 5:42)

A

característica mais marcante do cristianismo, que o diferencia das demais religiões, sempre foi o ajuntamento de homens e mulheres desejosos de ouvir as instruções através de um servo do Senhor. O Cristianismo tem como centro “OUVIR DEUS” enquanto que as outras religiões têm por centro o “OFERECER ALGO”. Assim sendo, a função de pregar, de entregar a Verdade, é a função mais nobre entre tantas que a vida cristã nos apresenta, exigindo dos pregadores dependência de Deus e preparo intelectual e espiritual. Por isso vamos apresentar alguns conceitos e regras que nos serão úteis na transmissão da mensagem do Senhor de forma mais eficaz. Uma pregação exige do pregador, não muitas falas, ou palavras bonitas, mas conteúdo relevante e forma eficiente de ser entendido. EM BUSCA DO CONTEÚDO O primeiro detalhe que deve ser observado por todo aquele que enveredasse na “aventura” que é pregar, deve ser O QUÊ PREGAR? Parece fácil responder essa pergunta, e talvez alguns mais afoitos de cara já responderam: “A Bíblia”. É óbvio que o que vamos pregar deve ser de fato algo que a Bíblia apresenta como Verdade Revelada. Entretanto, essa indagação deve ser examinada com muita seriedade uma vez que aquilo que vamos dizer deve ser não somente “bíblico”, mas também relevante para os ouvintes, pois como disse Dionísio: “Seja sua fala melhor do que o silêncio ou então fique calado”. Além de ser prático, ser para o dia a dia do ouvinte, há de ser considera-

do que nosso sermão deve ser uma verdade por nós vivida, uma vez que “nosso viver fala mais alto que nossas palavras”. Os maiores pregadores foram conhecidos pela coerência entre discurso e prática, tendo a própria Bíblia apresentado essa coerência como um dos pontos que mais deram autoridade ao Ministério terreno de Jesus (Mt.7:28-29). Quem tem como hábito estudar a Bíblia e colocar em prática os ensinos nela apresentados, quem tem comunhão íntima com Deus tem sempre o quê dizer. Quem se preocupa com os outros, que faz uma leitura do seu meio e de seus “próximos” tem sempre a quem dizer. Poderia ser objeto de outro artigo os princípios e processos de interpretação da Bíblia, estudo esse muito importante para quem quer desenvolver-se na arte de pregar. Quero aqui apresentar resumidamente algumas regras que creio serem fundamentais para nosso sucesso como “caçadores” da Verdade bíblica: 1º) A Bíblia tem autoridade de Palavra de Deus; 2º) A Bíblia é sua própria interprete; 3º) Sempre que possível estude as palavras nos originais; 4º) Pegue a palavra no sentido empregado na frase; 5º) Entenda o contexto; 6º) Estude o objetivo do capítulo e/ou livro de onde se tirou o texto; 7º) Compare o ensino do texto, com todo o conteúdo bíblico. EM BUSCA DA MELHOR FORMA Outro detalhe imprescindível para o pregador é responder a pergunta: COMO FALAR? Para podermos responder a essa indagação, vamos apresentar um estudo superficial e singelo sobre “A arte de fa-

lar ao público”, ou a oratória. Falar sem ser entendido é jogar palha ao vento. O pregador deve falar de forma que seus ouvintes compreendam o que se está dizendo e sejam impelidos a tomar uma atitude de praticar os ensinos apresentados. Nesse sentido, o estudo da oratória é importante, uma vez que a mesma é “a arte de comunicar uma mensagem” a um público desejoso de ouvir. Para que possamos aprender a comunicar aos nossos ouvintes a mensagem que está em nosso coração é mister muito treinamento, pois “a arte de falar demanda grande trabalho, estudo contínuo, longa experiência, muito exercício, prudência consumada, cabeça sadia e sempre presente” (Quintiliano). As exigências parecem muitas, mas para quem quer nada é por demais trabalhoso. A seguir apresento algumas das preocupações que devemos ter para que nossa fala alcance os objetivos para o qual ela se propõe: 1) Dicção e Expressão Vocal: é preciso cuidado e treinamento para que sejam usados corretamente os fonemas; 2) Califasia: é indispensável “obter a expressão oral perfeita”, evitando assim os erros de português e vícios de linguagem; 3) Gesticulação: é necessário usar bem os gestos, de modo que estes sejam reflexos das palavras usadas; 4) Objetividade (Eficiência): é preciso definir bem qual o propósito que está levando-o a fazer uso da palavra, pois “a oratória é a arte de falar de maneira que se consiga o fim para o qual se fala” (Araújo); 5) Organização: também é imperativo ordenar o discurso, pois na boa comunicação, há uma razão não só para cada palavra, mas para a posição de cada palavra (tenho que saber porque dizer e como dizer); 6) Retórica: é imprescindível eloqüência, poder de persuasão, de convencimento sobre qualquer assunto. O pregador deve conhecer bem o assunto (intimidade com a Palavra e com Deus) e seus ouvintes, de forma a que use de todos os meios para convencer sobre a importância do assunto apresentado e a necessidade das mudanças ou atitudes propostas.

PR. NIANDER AGUIAR CERQUEIRA é casado com a Thiara Mourão Costa Cerqueira, Engenheiro Civil e Professor Universitário, atualmente membro da IB Boa Fortuna, Itaperuna-RJ Setembro de 2012 * Vigiai -

35


Pr.

J osé Messias Leite de Lima

AINDA FALANDO DE PASTOREIO DE PASTORES(AS) E MENTORIA... “CUIDANDO DAQUELES QUE CUIDAM DA NOIVA” Amados, após nossos dois artigos sobre esse Tema nessa nossa querida Revista Vigiai; recebi muitos e-mail(s) de colegas solicitando mais informações sobre nosso ministério de pastoreio junto aos pastores e denominações , em várias partes do Brasil. Confesso que ficamos ainda mais preocupado, do que já somos, em relação a termos pastores saudáveis e igrejas saudáveis. Na Clinica de Pastoreio e Mentoria que aplicamos já a um bom tempo no Brasil; temos em seu conteúdo , uma das partes mais importantes da Clinica; a qual transcrevo abaixo para que os amados(as) possam se auto-avaliar quanto a importância de ser pastoreado/ mentoreado em seu respectivo contexto denominacional. Lembrando que: nem toda reunião de pastores(as) é um pastoreio, mas todo pastoreio é uma reunião de pastores(as). Por que o Pastoreio de Pastores é importante? Na sua Vida? Na sua Denominação? No seu contexto? Comecemos com algumas perguntas introdutórias. • Dos pastores que você conhece, qual a porcentagem dos que recebem cuidado pastoral? • E quanto aos cônjuges, qual seria essa porcentagem? • O que o pastor perde quando não se deixa ser cuidado/pastoreado? • Preencha abaixo: 1- Quando um pastor não tem quem lhe estenda cuidado pastoral,

_____. Esse sofrimento ocorre por ele não ter um ambiente seguro no qual se abrir, expressando suas dores e dificuldades. Ele não cresce como deveria porque não há ninguém que o ajude a superar seus pontos fracos. Esgota-se facilmente, sempre dando e nunca recebendo. Muitas vezes a igreja, a denominação, ou até o próprio pastor, acabam achando que é assim mesmo que deve ser porque consideram que se sacrificar e uma indicação de que ele está dando sua vida pelas ovelhas. Além do pastor sofrer, por falta de um apoio pastoral em sua própria vida, quem mais sofre quando não existe tal apoio? Podemos dizer o seguinte: 2- Seu ___________ sofre. Toda pessoa que tem um chamado para esse ministério, se for honesta, vai admitir que facilmente deixa o ministério tornar-se prioridade acima de seu cônjuge. Muitos têm brincado dizendo que o pastor tem duas mulheres: a igreja e a esposa. 3- Os _______ sofrem. Quantas vezes os filhos dos pastores querem ser qualquer coisa, menos pastor! Mesmo que sintam um chamado para o ministério, geralmente têm em mente ser outro tipo de ministro ou pelo menos não ser um pastor como seu pai. 4- Os _______ da igreja sofrem. Eles não recebem um cuidado pastoral para suas vidas porque o pastor não sabe

como estender o que nunca recebeu. 5- A _______ toda sofre. Quando o pastor, seu cônjuge, seus filhos e os líderes da igreja sofrem, é impossível que a igreja também não sofra! Os membros da igreja, via de regra, vêem o pastor como modelo de um crente maduro e procuram imitá-lo. Isso pode levar a uma igreja ativista, marcada pela solidão. 6- O _______ sofre. Jesus falou que o amor seria a marca que convenceria o mundo de que somos discípulos verdadeiros (Jo 13.34,35). O pastor e a igreja que têm as características acima não atrairão os descrentes, e se os atrair, pode ter dificuldade em oferecer saúde emocional e espiritual para eles. 7- ______ sofre. Ninguém sofre sem que Deus sofra também. Se nós pudéssemos enxergar o coração de Deus para com seus pastores, em muitos casos veríamos um coração quebrantado. Deus ama tanto a seus pastores que sente muito por eles não receberem amor e cuidado em suas vidas. Estas afirmações nos levam à pergunta: O PASTOR(A) PRECISA DE UM PASTOREIO? Ele ainda é ovelha ou já não tem necessidades? É um super-homem espiritual e emocional ou também precisa de cuidados em sua vida? Ele é gente de carne e osso ou não tem mais pontos fracos ou vulneráveis? A resposta parece óbvia, mas a pratica de vida de muitos pastores(as), nega esse óbvio! Por que? Está tudo bem? Podemos continuar como estamos? Afinal de contas, temos funcionado assim por muitos anos. Precisamos mudar? É muito difícil mudar costumes, hábitos e mentalidades estabelecidos aos longos dos anos. O que você precisaria fazer para passar a experimentar um pastoreio em sua vida? Todos estes relacionamentos na vida do pastor podem ser melhorados através dele receber pastoreio. 1.ele , 2.cônjuge, 3.filhos, 4.lideres, 5.igreja, 6.mundo; 7. DEUS.

PR. JOSÉ MESSIAS LEITE DE LIMA é Pr. da Igreja Batista Liberdade-AM; formado em Teologia pela Fabin-Faculdade Batista Ida Nelson- Manaus-AM; Administração de Empresas pela OMEC- Mogi das Cruzes-SP; Pós-graduando em Pedagogia pela Candido Mendes-RJ; Prof. Teologia na FATEM Faculdade de Teologia Evangelica em Manaus-AM; Consultor Corporativo na Manaós Logistica Ltda Manaus-AM 36

- Vigiai * Setembro de 2012


Pr.

O

A driano Xavier

Padrão de Excelência

T

ivemos recentemente, em Londres, Inglaterra, os Jogos Olímpicos de Verão de 2012. Altos investimentos foram feitos em estruturas e propagandas. Atletas se dedicaram para a quebra de recordes e a conquista da medalha de ouro. Se para o Barão de Coubertin, Pierre de Frédy, “o importante não é vencer, mas competir”, essa máxima já não se sustenta mais em seu todo. É certo que se exige ainda dos atletas dignidade, honra, ética e respeito, mas os de alta performance buscam mesmo é a vitória. Alguns, no afã da conquista, acabam recorrendo a métodos duvidosos e reprovados pelo Comitê Olímpico Internacional. Mas, outros realmente treinam, dedicam-se com empenho e disciplina, buscando o melhor resultado.

Pensando no Reino de Deus, precisamos lembrar que o nosso envolvimento não pode ser de qualquer jeito, sem preparo, sem dedicação. Infelizmente muitos pensam pequeno em se tratando das coisas do Senhor. Obviamente que não somos chamados para ficar competindo contra os nossos irmãos na fé. "Não nos tornemos vangloriosos, provocando-nos uns aos outros, invejando-nos uns aos outros" (Gálatas 5.26). Somos todos membros de uma mesma “equipe”, lutando por um mesmo objetivo: a glória do nome do Senhor Jesus. O que, sem dúvida, requer o empenho e o compromisso de todos. Pois, maldito é "aquele que fizer a obra do Senhor negligentemente" (Jeremias 48.10). Se no mundo desportivo não há mais lugar para treinamentos e resultados medíocres, muito menos em se tratando do Reino de Deus. Obviamente que o padrão de excelência para a Igreja não é o mundo desportivo nem ainda o desempenho das grandes indústrias ou empresas. Se

para um o que importa é o metal dourado, para outro o lucro financeiro, para a Igreja do Senhor o que importa mesmo é o Reino de Deus. Na oração modelo temos uma indicação disso: “Venha o teu reino, seja feita a tua vontade, assim na terra como no céu” (Mateus 6.10). Portanto, em comparação com os objetivos terrenos de sucesso, desenvolvimento e glória, não temos as mesmas referências, as mesmas estratégias ou ainda os mesmos resultados. O nosso padrão de excelência é Cristo Jesus. A Palavra de Deus nos ensina que “o Verbo se fez carne, e habitou entre nós, e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade” (João 1.14). Jesus é o nosso exemplo de beleza e glória, a nossa referência para vivermos em abundante graça e verdade. É em Cristo Jesus que conseguimos os mais altos índices de aprovação divina e a perfeita qualidade de vida espiritual. Toda a grandeza de Cristo foi encarnada, passando a ser visível, constatada e

observada: “vimos a sua glória”. Aí, está o caminho para a verdadeira excelência de vida. Temos que aprender a focar em Jesus. Temos que aprender a enxergar todos os atributos de Cristo. Não é por menos que, a Bíblia diz: “Olhando para Jesus, autor e consumador da fé, o qual, pelo gozo que lhe estava proposto, suportou a cruz, desprezando a afronta, e assentou-se à destra do trono de Deus” (Hebreus 12.2). Em Jesus temos o melhor padrão de excelência para a vida. Precisamos entender que não basta apenas comer, beber, estudar, trabalhar e casar. A vida é mais do que isso. A vida é mais do que uma rotina, do que o lugar-comum das coisas materiais e terrenas. Podemos de fato experimentar uma vida com significado e propósito. No entanto, é o que realmente queremos? Em Londres foram 17 medalhas conquistadas pelo Brasil: 3 de ouro, 5 de prata e 9 de bronze. Certamente, levando em conta as edições anteriores, avançamos, mas, ainda é pouco. O Brasil pode melhorar muito. Mas, não adianta lamentos, é preciso investimentos. Na vida espiritual também é assim. Só poderemos conquistar mais, se investirmos mais, se buscarmos mais a face do Senhor em oração e, acima de tudo, se andarmos na presença de Jesus. Em relação a essas coisas, pensemos alto, busquemos o melhor, façamos o máximo. Como disse Jesus, há uma recompensa: “O que vencer será vestido de vestes brancas, e de maneira nenhuma riscarei o seu nome do livro da vida; e confessarei o seu nome diante de meu Pai e diante de seus anjos” (Apocalipse 3.5).

PR. Adriano Xavier Machado é carioca, casado e têm três filhos. É bacharel em teologia pelo Seminário Betel do Rio de Janeiro e em Serviço Social pela Univali-SC e autor do livro "Conquistando as alturas com Deus". Site: adrianomachado.webnode.com.br Setembro de 2012 * Vigiai -

37


38

- Vigiai * Setembro de 2012


Pr.

Perguntas ao concreto, não seja mais um abstrato 7 anos pastoreando uma pequena Igreja situada no bairro Parque das Flores extremo da Zona Leste de São Paulo – capital, entre os bairros Jardim Santo Andre e Morro do Sabão

O

s recursos são escassos e as pessoas são simples, sem muita graduação, estamos cercados pela pobreza e exclusão.

Há muitas famílias, nas quais as mães têm filhos de pais diferentes e muitos casais estão no segundo casamento. Dentro da igreja, adolescentes aparecem grávidas, jovens casados sem entender este negócio de casamento/parceria. Crianças, adolescentes, jovens e adultos tomados pela droga - crack, cocaína, maconha, cigarro e álcool. Os que trabalham percorrem uma distancia de 45 km gastando quase 2 horas e 30 minutos até o centro de São Paulo, local de trabalho. Os jovens precisam trabalhar muito cedo - aos 15 e 16 anos de idade - e não se dedicam ao estudo como deveriam. Moram em condições precárias... O local onde vivem são barracos de madei-

ras ou um cômodo só, sem acabamento, sem banheiro, sem saneamento básico, normalmente onde se acomodam dez (10) pessoas, no mínimo. Isso é o colorido destes, que são imagem e semelhança de Deus, que fazem parte do jardim e que estão do lado de fora das coisas mínimas, que precisavam. Aos 39 anos de idade e 07 anos de pastoreio, faço a pergunta, a você e a mim mesmo, o que o JESUS de Nazaré tem a ver com as nossas Igrejas? O que o REINO tem a ver com a instituição/ CNPJ? Por que permitimos que a Graça, nosso frescor diário, fosse substituí-

Mozart Barbosa Alves

da pelo cumprimento de obrigações? Por que na maioria das vezes investimos muito tempo ensaiando, reunindo, planejando e pouco indo aos lares, abraçando, dividindo...? Por que, feridos, fazemos questão de olhar somente para as nossas feridas e tão pouco de curar feridos ? Por que o nosso dinheiro, em sua grande parte, é para manter a estrutura e pouco para se investir em gente? Por que igrejas tão grandes como palácios? E tanta gente sem ter onde morar? Aquilo que aprendemos dos americanos de salvar a alma é verdade, porém esquecemos a outra parte... isso não nos exime de culpa, precisamos trazer qualidade de vida, eu e você somos luz e, onde estivermos, precisamos brilhar, nós somos o sal para a sopa de cascas ter sabor, somos aqueles que devem se posicionar diante do mal e fazermos este mal dar passos para trás. O Cristo Redentor, que é do Rio de Janeiro, abriu os braços e dormiu sobre o Brasil. Ele jaz imponente sobre um país carente, ele não move os seus olhos nem os seus braços, não houve sangue em seu corpo, não houve nenhum sacrifício. Naquele morro, esse Cristo não se importa com nada. O Cristo REDENTOR, que é meu, surgiu, abriu os braços e morreu, morreu no lugar meu, morreu, salvou e reviveu. Hoje, ELE é resplandecente, vive pelos carentes, movimenta os Seus OLHOS, movimenta os Seus BRAÇOS, verteu sangue em Seu CORPO, fez o Seu sacrifício. Naquele morro, este CRISTO se importou com o mundo. A pergunta é esta: Somos a Igreja que adoramos e servimos o cristo do rio? Ou precisamos ser a Igreja que adora e serve O CRISTO DO CALVÁRIO, O NOSSO REDENTOR? A pergunta é: Quem é JESUS hoje, para mim? Quem é JESUS, para o meu país? O que JESUS tem a ver com o dia a dia das nossas igrejas? Quem sou eu? ...

PR. Mozart Barbosa Alves é Formado pela Universidade Metodista. MBA em Gestão Empresarial – FGV. Pastor da Igreja Batista no Parque das Flores, São Paulo - SP. Contatos: Pastor Mozart 011 7541 615 - Mozart@telefonica.com ou Liliane Secretaria – Beth Missionáriia – 011 2751 0531 lila3andersons@yahoo.com.br e jbetemca@hotmail.com

Setembro de 2012 * Vigiai -

39


I

Dra. sa de Carvalho

Quantos JUDAS temos em nossa vida? Cheguei a conclusão que uma das piores coisas que existe no mundo é a ingratidão... Chega a ser até um tipo de perversão mesmo, como humanista, que atribui suas vitórias à ele e não a DEUS... O ingrato Não reconhece que sem DEUS talvez ele nem estivesse vivo... O ingrato é tão terrível, que vive no seu "mundinho" buscando apenas os seus interesses... É o tipo de pessoa que se torna cega para o amor e doação de quem está ao seu lado, que um dia já lhe foi tão útil, mas que naquele momento está descartado... O ingrato tem pouca memória afetiva... Esquece com muita facilidade...Não são as coisas ruins, mas as coisas boas que fizeram por ele... Outra grande característica do ingrato é a desobediência, que leva a rebeldia , conseguintemente a infidelidade e deslealdade com pessoas que não estão lhe sendo úteis e como "ele sempre sabe das coisas , "ele não ouve a mais ninguém, não aceita conselho de mais ninguém que não comungue com sua perversão, não considera mais ninguém capaz de liderá-lo ou de aconselhá-lo .E o que é pior (que caracteriza ainda mais a perversão) finge aceitar, mas na verdade ele não aceita se submeter a nenhuma autoridade, porque só ele sabe realmente o que é bom para si. A ingratidão também tem muito a ver com a "falta de assimilação da Educação Doméstica". Como formadores/educadores, a maioria dos pais, espera-se, que perpassem para seus rebentos, desde pequenos, devem ter um comportamento "grato", quando ensinam desde cedo a dizer "obrigado (a)" para as pessoas que lhe servem ou lhe ajudam... Isso faz par-

te de uma boa educação! Mas não deve ser apenas uma educação de protocolo, de regras sociais, verbalizadas da boca para fora; tem de partir da nossa alma! O ingrato dificilmente perpassará quando está possuído de formalidades e etiquetas esse seu lado perverso. Só quem convive com o ingrato e está sempre ao lado dele é que enxerga e sofre muito porque isso só acontece no dia a dia mesmo! Quem convive com o ingrato não morre, mas vive envenenado sempre! Conviver com o ingrato, é possível? Só a GRAÇA do SENHOR mesmo. Pois o único que conviveu com o ingrato sem sofrer foi JESUS CRISTO. JUDAS é perfeito estereótipo do ingrato. Ele foi salvo por JESUS, cuidado por JESUS... Mesmo sabendo que JUDAS ERA INGRATO, Jesus lavou os seus pés, mas JUDAS não o reconheceu na hora da sua traição, infidelidade e INGRATIDÃO!!! Jesus amava sem se iludir!!! Quantos JUDAS temos em nossa vida? Temos que pedir a DEUS misericórdias por eles e tentar amá-lo, mas sem nos iludirmos nunca! Também precisamos aprender a LIDAR com esses JUDAS sem deixar que eles destruam a nossa capacidade de amar e de acreditar que é possível melhorar as pessoas, que é possivel acreditar no amor verdadeiro!!! Não podemos dentro dos nossos lares nos calarmos diante do menor sinal de ingratidão, pois somos na vida o que verdadeiramente perpassamos em nossa intimidade, nossas casas... a verdadeira gratidão está ligada diretamente ao exercicio de não parar nunca de se ver, de se tratar infinitamente! temos que no dia a dia, estar sem-

pre preparados para sermos traidos por essas pessoas com quem convivemos no trabalho, em família; mas não devemos nunca rejeitá-las!!! Para isso, todos nós, neuróticos, temos que enxergar nossos defeitos e limitações sem medo que os outros percebam e nos rejeitem... Porque mais cedo ou mais tarde todos essas limitações e defeitos, sobretudo as que algumas pessoas Escondem disfarçadas em contextos socias de etiquetas e protocolos, aparecerão para todo o mundo. E ai? Conversar com DEUS. Buscar um tratamento terapêutico e muitas vezes medicamentoso faz com que comecemos a nos enxergar honestamente, sem medo de rejeições ou de aceitações. Só assim poderemos amar incondicionalmente alguém que é ingrato, sem falsas esperanças de que eles serão gratos, e sem nos iludirmos; pois precisamos saber onde estamos pisando e com quem estamos convivendo!!! Amar sem nos iludir e começar a treinar a gratidao em sua vida a partir de hoje... Essa é a minha sugestão! Ter um coração grato só é possivel se diariamente começarmos o dia agradecendo ao senhor de nossas vidas a benção de acordar vivo por exemplo e assim por diante... A partir dessa reflexão diária, temos que ser gratos infinitamente aos nossos pais que nos educaram, mesmo que tenham falhado se for o caso; mas eles fizeram o que podiam para nós e se erraram eles não queriam errar e sim acertar!!! "E tudo, quanto, pois quereis que os homens vos façam, assim fazei-o vós também a eles; porque esta é a lei e os profetas" (Mateus 7:12) E tudo bem, enquanto há vida... VIVA A VIDA, PURA VIDA!!!

DRA. Isa de Carvalho, "Isanete Lins de Carvalho", é Psicanalista, membro de Intersecção Psicanalítica do Brasil. Participa de grupos de estudos em Recife e São Paulo. É membro efetivo da Sociedade Brasileira de Medicina Psicossomática - Regional São Paulo desde 1976. Psicóloga Secretaria de Saúde João Pessoa. PB, Ainda em João Pessoa implantou a Psicologia Hospitalar no HOSPITAL NAPOLEÃO LAUREANO (Câncer) e atualmente é lotada na Maternidade Frei Damião (CSCA) João Pessoa-PB.

40

- Vigiai * Setembro de 2012


Especial

Evangelismo de impacto, solução ou problema? Pastores batistas respondem

Missionário David Mendonça Cardoso Araujo da Junta de Missões Nacionais evangeliza família cigana na companhia de irmãs da Segunda Igreja Batista de Guarulhos-SP.

POR VITAL SOUSA

Evangelismo nunca é problema em qualquer estratégia ou metodologia que é usada, pois o mundo clama por evangelismo. Então, Evangelismo de Impacto é SOLUÇÃO. Quando se foca no evangelismo de impacto, o que se poderia questionar seriam as ferramentas ou formas que são utilizados. Todavia, não gostaria de perder tempo discutindo a forma se me parece que está sendo perguntado sobre a essência do evangelismo por impacto. Que o Senhor continue abrindo os nossos olhos para evangelizar de todas as formas conhecidas em tempo e fora de tempo.

Aurélio Rosa, São Paulo – SP.

Evangelização de impacto não é problema; é parte da solução. Não substitui o testemunho de vida, o serviço ao próximo,

o exercício pleno e saudável da cidadania, o exercício da justiça... Não são poucos os crentes que nunca participaram de mobilizações com esse fim, mas que representam muito bem o Reino de Deus na terra. É sal sempre fora do saleiro. E é notório como conseguem assim cumprir o “ide” de modo excelente. O impacto evangelístico tem também o seu lugar.

Nyander Kaizer - Rio de Janeiro - RJ

Todo evangelismo fundamentado pela Bíblia é solução. No tocante ao evangelismo de impacto, acredito que o único problema está no depois, alguns colocam a responsabilidade em Deus, dizendo que Ele proverá, será? Outros colocam pessoas inexperientes para cuidar dos frutos, algum tempo depois não existem mais frutos e o que estava cuidando precisa de ajuda de

psicólogo. São raros os que se preocupam com o depois, colocando pessoas capazes e disponíveis para cuidar dos frutos. Portanto, o evangelismo de impacto é sim solução desde que seja bíblico.

Brunno Luiz Lima - Lagoa do Carro PE

Claro que o evangelismo de impacto é solução! Aliás, qualquer tipo de evangelismo, de acordo com a orientação bíblica, é solução. O que virá depois é coisa do amanhã; sob a regência da fé, sabemos que Deus proverá. No entanto, claro está também que devemos estar atentos e ser diligentes, para cuidarmos bem dos frutos.

Jorge Luiz Rodrigues Pereira - Rio de Janeiro RJ Setembro de 2012 * Vigiai -

41


Especial

A megatrans e eu...

Na minha pequenez não passo de um beija-flor querendo apagar o fogo do Edifício Joelma... Mas posso tudo naquele que me fortalece! E tentei fazer o meu melhor na “Megatrans 2012” para glória do nome de Deus.

E

POR VITAL SOUSA

ntrevistei o Pr. Fernando Brandão, Diretor Executivo da Junta de Missões Nacionais, em setembro de 2011. Com base nos dados de 2010 disse que seria impossível se chegar aos 100 mil voluntários na mega campanha de 2012. Ele respondeu que se chegasse aos 20 mil já estava muito bom, um crescimento exponencial. Depois do impacto da resposta fiquei pensando no que ele quis dizer... Logo compreendi que 100 mil um número referencial, uma meta, poderia ser 30 mil, 50 mil, 70 mil, quantos Deus quisesse! Certamente não foram 100 mil inscritos, mas, nunca se saberá com precisão quantos participaram, de fato, eu suponho mais de 100 mil.

42

- Vigiai * Setembro de 2012

Na página 41 desta edição vemos a foto do Pr. David com 4 (quatro) irmãs, sem camisetas e que não foram inscritas, evangelizando na Megatrans... Na Igreja Batista dos Mares de Salvador-BA, matéria a partir da página 24, podemos ver que não existe ninguém com camiseta amarela da Trans em pleno culto de dedicação da Megatrans. Certamente milhares participaram, o número é definitivamente com Deus e só para Ele importa tal contabilidade. E foram tantas conversões. Na Igreja Batista da Ponte Grande em Guarulhos-SP eles se envolveram tanto que inventaram a “Megaquarta”. A Megatrans fez bem para tantas igrejas, inclusive na minha... um renovo. O Pr. Salovi Bernardo Jr da Igreja Batista Nova Jerusalém de São Paulo-

-capital disse no culto de encerramento da mega em São Paulo que agradecera ao Senhor porque as estratégias do Executivo da Junta falharam e o estrategista foi o próprio Senhor, ele esperava dezenas de voluntários, não apareceu nenhum e os membros de sua igreja realizaram a Obra! Glória! Realmente o estrategista é o Senhor, mas, sei lá se o Executivo errou tanto, tudo parecia que já estava dentro de sua margem de erro... Ao entrevistar o Pr. Sócrates, Executivo da CBB, em Rio Bonito-RJ em abril/2012, ele me orientou em enfatizar a trans-local. Orientei minha igreja em trans-local e antecipando ao máximo para que os voluntários pudessem atuar nas últimas semanas de julho em outras localidades e assim foi feito. Eu errei feio nas minhas previsões (a idéia era lançar uma revista “pós-mega”, mas, faltou o patrocínio), gastei muito dinheiro com viagens, deixei de trabalhar um mês inteiro, mas, o prejuízo financeiro não é nada, pelas misericórdias que tenho recebido do Senhor. São tantas bênçãos. Obrigado, Senhor! Obrigado Senhor pela Mega-Trans 2012 e pelo povo querido da minha pequena igreja, feliz na foto acima. Obrigado Senhor por ter podido participar e contribuir.


1

9

7

2

5

0

1

9

7

2

5

0

Revista Vigiai 4ª Edição  

Revista Evangélica

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you